RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 I N S T I T U T O P A U L I S T A D E E S T U D O S E P E S Q U I S A S E M O F TA L M O LO G I A - I P E P O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 I N S T I T U T O P A U L I S T A D E E S T U D O S E P E S Q U I S A S E M O F TA L M O LO G I A - I P E P O"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 I N S T I T U T O P A U L I S T A D E E S T U D O S E P E S Q U I S A S E M O F TA L M O LO G I A - I P E P O 2013

2

3 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 I N S T I T U TO PA U L I S TA D E E S T U D O S E P E S Q U I S A S E M O F TA L M O LO G I A - I P E P O

4 SUMÁRIO PALAVRA DO PRESIDENTE 01 INTRODUÇÃO 03 FINALIDADE ESTATUTÁRIA 04 DIRETORIA, CONSELHOS E ASSOCIADOS 05 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 07 UNIDADES VILA CLEMENTINO CENTRO CIRÚRGICO AMB. ITAQUERA AMB. ERMELINO MATARAZZO - SMS AMB. NGA VÁRZEA DO CARMO -SES PROJETOS 28 SERVIÇOS CONTRATADOS 32 ASSESSORIA JURÍDICA AUDITORIA CONTABILIDADE SEGUROS SERVIÇOS DE LIMPEZA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PARCERIAS 34 DEPTO OFTALMOLOGIA EPM / SPDM FUNDAÇÃO LIONS VISÃO GERAL 38

5 ,, 2013 foi um ano memorável e, cada vez mais, com resultados consistentes e que reforçam a missão e visão de nossa instituição

6 PALAVRA DO PRESIDENTE Crescer e inovar sempre foram diretrizes presentes em todos esses anos de existência do Instituto da Visão, mas essas características, apesar de fundamentais, isoladamente são incapazes de provocar as transformações necessárias em um segmento como o da saúde, tamanhas a sua especificidade e complexidade. Oferecer o melhor para a sociedade exige atuação permanentemente orientada pelo arrojo, pela ambição, técnica, ética e pela coragem dos bem-sucedidos, como de fato fomos até aqui, trabalhando de forma intensa para alcançar nossa principal meta que é preservar e resgatar a qualidade de vida das pessoas, aplicando os novos conhecimentos científicos à prática clínica, cirúrgica e preventiva.,,... nossa principal meta é preservar e resgatar a qualidade de vida das pessoas...,, Se já chegamos até aqui, com o mais avançado em tecnologia, o mais moderno em instalações e o mais qualificado em pessoas, é certo que podemos ainda muito mais. SOBRE O MANDATO Desde abril de 2010 o Instituto da Visão conta com o envolvimento e comprometimento voluntário de pessoas em sua direção e conselhos. Assim como rege o Estatuto Social, a período de mandato da diretoria é de 4 anos, ou seja, em 2014 teremos a posse da nova diretoria e conselhos eleitos para continuar o trabalho da entidade e elevar ainda mais os padrões e patamares de qualidade de gestão e atendimento. Sabemos que esse será um grande desafio, mas também sabemos do potencial e comprometimento dessa nova diretoria. Apesar do término do mandato em 2014, todos os membros da diretoria atual ainda estarão presentes como associados, dando todo o suporte e auxílio para a nova diretoria. Prof. Dr. Michel Eid Farah DIRETOR PRESIDENTE DO INSTITUTO DA VISÃO PROFESSOR LIVRE DOCENTE - DEPARTAMENTO DE OFTALMOLOGIA DA UNIFESP - EPM PROF. ORIENTADOR DA PÓS GRADUAÇÃO UNIFESP - EPM 01

7 SOBRE OS RESULTADOS DE 2013,, O ano de 2013 foi muito especial. Ano de conquistas, vitórias, realizações de sonhos e engajamento para toda a equipe do Instituto da Visão - IPEPO continuar seus projetos em O re exo do empenho dessa equipe trouxe resultados brilhantes para a instituição e beneficiaram, sem dúvida, a vida de cada paciente atendido. Em 2013 nos aproximamos ainda mais de nossa Missão e Visão e re ito, deixando a modéstia de lado, se já não podemos nos considerar uma instituição de referência nacional na promoção da saúde ocular.... nossa missão é ser referência como instituição para promoção da saúde ocular...,, Sabemos que ainda teremos muitos desafios e, com absoluta certeza, muitos problemas também aparecerão, mas será com esses mesmo desafios e problemas que ganharemos mais conhecimento para crescermos cada vez mais. Quando falo em crescimento, não trata-se apenas de um crescimento desenfreado, sem orientação, sem planejamento, mas um crescimento sólido, maduro, e consistente, afinal, será que podemos limitar o tamanho de uma instituição séria como o Instituto da Visão? Cada vez mais estamos cientes de que o nosso principal trunfo é beneficiar e impactar positivamente na vida das pessoas, tratando e resolvendo da melhor forma possível os problemas oftalmológicos, afinal, a visão é um dos órgãos dos sentidos, e é por meio desse sentido que temos a capacidade de enxergar tudo à nossa volta. Os resultados de 2013 foram excelentes! Realizamos mais de procedimentos entre consultas, exames e cirurgias. Imaginem o impacto de apenas 1 desses procedimentos na vida de um paciente, por exemplo, que sofria com catarata ou glaucoma. Apesar da nossa responsabilidade de apresentar esses números para a manutenção da filantropia do Instituto da Visão - IPEPO, existe algo que não há como enumerar. A satisfação de voltar a enxergar, a dor que passa a não existir mais, a possibilidade de fazer coisas que há anos não se fazia, entre outras milhares de sensações. Nada disso seria possível sem o comprometimento de cada pessoa ou empresa que atuou direta ou indiretamente para a realização de cada um desses procedimentos. São eles os diretores, associados, médicos(as), enfermeiros(as), tecnólogos(as), colaboradores(as), voluntários(as), empresas parceiras, laboratórios, e principalmente o forte relacionamento e parceria com o Departamento de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina - Hospital São Paulo - Universidade Federal de São Paulo. Em nome de toda a diretoria do Instituto da Visão - IPEPO agradeço a cada pessoa que contribui para o crescimento de nossa instituição no ano de Temos certeza que 2014 será um ano ainda melhor e com resultados também maiores! Prof. Dr. Michel Eid Farah Diretor Presidente Instituto da Visão - IPEPO Mandato

8 INTRODUÇÃO Em 1990, por iniciativa dos Docentes do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP, foi fundado o Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia IPEPO. Desde esta época, o IPEPO presta serviços médicos através de diagnósticos, tratamentos clínicos e cirúrgicos em projetos assistenciais e didáticos com a missão de contribuir para os avanços da oftalmologia e torná-los acessíveis a todos, independentemente de sexo, raça, cor e condições socioeconômicas. Com recursos provenientes de operadoras de saúde, protocolos, doações e Contratos /Convênios com o SUS, o IPEPO continua concretizando os anseios de melhoria e desenvolvimento da medicina para todos, tanto na área de assistência como atividades de ensino e pesquisa, além de desenvolver amplo programa de Oftalmologia Preventiva e Social, ajudando na formação de Recursos Humanos aplicáveis à Oftalmologia e Projetos de Assistência. Parcerias com entidades públicas e privadas têm sido muito importantes para a realização dos projetos à população carente de serviço de saúde oftalmológico. Outra atividade prioritária é a formação e inserção dentro dos Programas de Saúde Comunitários e Médicos de Família, treinando estes profissionais nos aspectos básicos de atendimento primário ocular e, formando técnicos de nível médio e superior que possam ajudar no atendimento do SUS. De acordo com as informações que serão apresentadas neste relatório, o Instituto da Visão realizou procedimentos em 2013 (consultas, exames e cirurgias), sendo que desses, (9,5%) foram realizados em pacientes particulares, pacientes de operadoras de saúde, e pacientes da Prefeitura Municipal de São Paulo, sendo este último fruto de licitações realizadas no o Hospital do Servidor Público Municipal - HSPM. Foram realizados procedimentos (90,5%) destinados aos pacientes do Sistema Único de Saúde. Além desses números, o Instituto da Visão - IPEPO participou da Ação Social em Brasilândia, com a realização de 64 procedimentos (0,05%). Com esses resultados o Instituto da Visão atende a legislação vigente (Lei nº , de novembro de 2009) para manutenção da qualificação como entidade filantrópica para o exercício de 2013, além de contribuir para a melhoria da qualidade de visão e vida dos pacientes. NOSSA MISSÃO NOSSA VISÃO Ser referência como instituição para promoção da saúde ocular Fomentar de forma sustentável a saúde ocular com foco em atividades de gestão e apoio ao ensino, pesquisa e assistência na busca de inovação em Oftalmologia priorizando e complementando as ações do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP e do Hospital São Paulo 03

9 FINALIDADE ESTATUTÁRIA I. o aperfeiçoamento do ensino, técnicas médicas diagnósticas e terapêuticas, especialmente no campo da oftalmologia, da visão e comunicação visual, colaborando no Brasil e no exterior com institutos educacionais, universidades, instituições públicas e privadas em programas de desenvolvimento tecnológico nas áreas de medicina, bioengenharia, engenharia hospitalar, técnicas administrativas, operacionais, de pesquisa básica e clínica e assistencial médica à comunidade; II. manter hospitais, ambulatórios, laboratórios de pesquisas, clínica, dispensários e órgãos de natureza correlata de cujas atividades resultem, ainda que indiretamente, proveito de ordem científica, didática ou assistencial ou pecuniária; III. manter leitos e serviços hospitalares para uso público, sem distinção de raça, credo ou religião, na forma da lei; IV. patrocinar o desenvolvimento de novos materiais, medicamentos, produtos, equipamentos, sistemas e processos da área da saúde; V. promover a divulgação do conhecimento através de congressos, simpósios, cursos e outros eventos, para o aprimoramento da especialidade; VI. promover a edição de publicações técnicas e científicas; VII. colaborar com as atividades de ensino de graduação e pósgraduação, pesquisa e extensão universitária; VIII. promover campanhas de esclarecimento à comunidade e de saúde; IX. patrocinar viagens e estágios de aperfeiçoamento; X. firmar convênios, contratos, parcerias e demais instrumentos jurídicos com outras instituições de natureza pública e/ou privada, nacional e/ou internacional, de ensino, pesquisa, tecnologias e/ou assistência à saúde; ESTATUTO SOCIAL DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD 04

10 DIRETORIA, CONSELHOS E ASSOCIADOS A Diretoria e Conselhos do Instituto da Visão são compostas de acordo com o Estatuto Social da entidade, na seguinte forma: DIRETORIA A Diretoria do IPEPO é órgão composto e exercido por 3 (três) membros, sendo 1 (um) Diretor Presidente, 1 (um) Diretor Vice-Presidente e 1 (um) Diretor Técnico, obrigatoriamente associados fundadores ou titulares, designados e destituíveis a qualquer momento pela Assembléia Geral. O mandato será de 4 (quatro) anos. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Dr. Michel Eid Farah Diretor Presidente Dr. Paulo Schor Diretor Vice-Presidente Dr. Mauro Nishi Diretor Técnico O Conselho de Administração é composto por 9 (nove) membros, sendo que destes 4 (quatro) são eleitos dentre os associados, 4 (quatro) membros indicados pelo Conselho de Administração e 1 (um) representante eleito pelos funcionários. Dra. Ana Luisa Ho ing-lima Conselheira Presidente Dra. Denise de Freitas Conselheira Vice-Presidente Dr. Acácio Alves Souza Lima Filho Conselheiro Dr. Cláudio Luiz Lottenberg Conselheiro Dr. Marcelo Sallum Conselheiro Dr. Ricardo Uras Conselheira Presidente Dr. Wallace Chamon Conselheira Presidente Dr. Walton Nosé Conselheira Presidente Sr. Allan R. Antônio Representante dos funcionários CONSELHO FISCAL O Conselho Fiscal é constituído por 3 (três) pessoas da sociedade e 1 (um) suplente, com conhecimento específico, eleitas pela Assembléia Geral, para um mandato de 4 (quatro) anos, podendo ser reeleito. 05 Dr. Antonio Augusto Brant de Carvalho Membro Titular Dr. Edison Castilho Membro Titular José Alberto Tozzi Membro Titular Dr. José Álvaro Pereira Gomes Membro Suplente

11 MEMBROS FUNDADORES Alexandre Manetta Alexandre Tena Almada Ana Estela Besteti P. Ponce Sant'Anna Ana Luisa Ho ing-lima Ana Maria Noriega Petrilli Arnaud Araujo Filho Beogival Wagner Lucas Santos Carlos Akira Omi Carlos Eduardo Godinho Campos Carmem Belluzzo Genta Oliveira Celina C. Ribeiro Goncalves Cesar Lipener Claudio Luiz Lottenberg Clelia Maria Erwenne Denise Carpentieri Zollner Edmundo Jose Velasco Martinelli Enio Wakisaka Ernesto Consoni Filho Fatima Regina Nagoya Fausto Uno Flavio Jaime da Rocha Hamleto Emilio Molinari Jairo Cuperman Joao Antonio Prata Junior Jose Belmiro de Castro Moreira Jose Ricardo Carvalho Lima Rehder Luciene Barbosa de Sousa Luiz Antonio Vieira Marcelo Cunha Marcia Beatriz Tartarella Marcia Keiko Uyeno Tabuse Marciano Filgueira da Vila Marcos Guerra Martins Maria Cecília Saccomani Lapa Mariangela Melarago Mariza Toledo de Abreu Marta Beatriz Corsi de Fillippi Sartori Mauro Silveira de Queiros Campos Michel Eid Farah Neto Norma Allemann Paulo Augusto de Arruda Mello Procopio Miguel dos Santos Raquel Sheila Eliezer Raul de Camargo Vianna Filho Renato Augusto Neves Ricardo Uras Rosely Pellegrino Magdaleno Rubens Belfort Junior Seiji Hayashi Sergio Carlos Kamei Sílvia Prado Smit Kitadai Solange Rios Salomão Sonia Maria Salgado Gigliotti Sueli de Faria Muller Sung Bok Cha Waldir Martins Portellinha Walner Daros Dos Santos Walter Gomes Amorim Filho Walton Nose Won Sik MEMBROS TITULARES Denise de Freitas Mauro Nishi Milton Seiyu Yogi Nilva Simeren Bueno de Moraes Paulo Schor Wallace Chamon 06

12 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO FISCAL DIRETORIA ESTATUTÁRIA SUPERINTENDÊNCIA VILA CLEMENTINO CENTRO CIRÚRGICO AMB. ITAQUERA SERVIÇOS COMPARTILHADOS Adm. Financeiro AMBULATÓRIO Coord. Médica Equipe Médica Assuntos Públicos Coord. Médica Enfermagem Faturamento Equipe Médica - PJ (12) Tecnólogos RH Enfermagem Recepção / Atendimento Pesquisa Clínica Tecnólogos Suprimentos Recepção / Atendimento Tecnologia da Informação 07

13 COLABORADORES Corpo Clínico e Administrativo Número de colaboradores (todas as unidades) Considerado número do último dia útil de cada exercício AMB. AE TITO LOPES - SMS AMB. NGA VARZEA DO CARMO - SES oord. Médica Coord. Médica Coord. Médica SERVIÇOS TERCEIRIZADOS quipe Médica Equipe Médica Equipe Médica - PJ (14) Contabilidade Enfermagem Enfermagem Anestesistas Assess. Jurídica Tecnólogos Tecnólogos Enfermagem Auditoria Externa Recepção / Atendimento Tecnólogos Serv. Limpeza Faturamento Voluntário Recepção / Atendimento Monitoramento Vector Informática Seguro Empresarial / Resp. Civil 08

14 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL RELAÇÃO DE LÍDERES E COORDENADORES ADMINISTRAÇÃO Simone Paim Administração e Finanças Milton França Faturamento e Suprimentos Allan Rodrigues Recursos Humanos AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO Dra. Márcia Regina Higashi Coordenadora Médica Carolina Fernandes Atendimento e Recepção AMBULATÓRIO NGA VÁRVEA DO CARMO Dra. Anna Carholina Góes Lourenço Coordenadora Médica Dr. Vinícius da Silveira Saraiva Co-coordenador Médico AMBULATÓRIO ITAQUERA E AMBULATÓRIO ERMELINO MATARAZZO Dr. Gustavo da Motta Torres Coordenador Médico 09

15 UNIDADES AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO CENTRO CIRÚRGICO AMBULATÓRIO ITAQUERA AMBULATÓRIO ERMELINO MATARAZZO - SMS AMBULATÓRIO NGA VÁRZEA DO CARMO - SES

16 UNIDADES AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO Atendimento: Endereço: PABX: Fax: PARTICULAR, OPERADORAS DE SAÚDE E CONTRATOS Rua Botucatu, 979, 2º andar - Vila Clementino São Paulo - SP Segunda a sexta-feira, das 08:00hs às 17:48hs (11) (11) O Instituto da Visão conta com equipe de profissionais altamente qualificada para atender seus pacientes de forma eficiente e eficaz. Além disso, conta com estrutura e equipamentos de última geração, que auxiliam no diagnóstico e tratamento das doenças oculares. Durante a consulta oftalmológica o profissional não verificará apenas o quão bem o paciente enxerga, mas também os potenciais problemas relacionados ao olho, tais como, glaucoma, degeneração macular e outras doenças que podem ser diagnosticadas e tratadas rapidamente, evitando assim a perda de qualidade visual e conseqüentemente impactando na qualidade de vida dos pacientes. CONSULTAS Teste de acuidade visual ou de refração para determinar se a pessoa tem miopia ou hipermetropia e astigmatismo Teste do movimento dos olhos em cada direção e diferentes ângulos, possibilitando ao oftalmologista identificar alguma fraqueza dos músculos oculares ou movimentos involuntários dos olhos. Avaliação da sua visão binocular, isto é, se os dois olhos funcionam em conjunto adequadamente. O bom funcionamento dos olhos em conjunto é importante para a correta percepção de profundidade, coordenação dos músculos oculares e capacidade para mudar o foco de perto para longe. Teste da pressão intra-ocular. A pressão intra-ocular elevada pode ser um sinal de glaucoma. EXAMES Acuidade Visual - Pam Angio uoresceinografia Biometria Biometria Iol Máster Campo Visual Computadorizado Campo Visual Manual de Goldman Ceratoscopia Computadorizada Colheita de mat. p/ análise microbiológica de conjuntiva, úlcera de córnea e endoftalmita Curva Tensional Diária Ecografia A e B ( ultrasson) Estereofoto de Papila Gonioscopia Iridotomia a Laser Laser de Argônio( Fotocoagulação) Mapeamento de retina Microscopia Especular OCT 3 D Spectrallis Paquimetria Retinografia Simples Tonometria de Aplanação Yag Laser(Capsulotomia) CIRURGIAS Durante o exercício de 2013, o Instituto da Visão - IPEPO manteve sua parceria com outra instituição oftalmológica para a realização dos procedimentos cirúrgicos e manteve, paralelamente, a reforma de seu imóvel situado à Rua Pedro de Toledo, 587, Vila Clementino, CEP: , São Paulo, SP, para a construção de um centro cirúrgico próprio. Essas obras percorreram todo o exercício de 2013, dentro do cronograma previsto, com inauguração agendada para a primeira quinzena de janeiro de

17 ATENDIMENTO PARTICULAR Facectomia com implante Vitrectomia + Retonipexia + Endolaser Trabeculectomia com ou sem Facoemulsificação Transplante de Córnea Pequenas Cirurgias Excimer Laser Aplicação Avastin Aplicação Botox Aplicação Lucentis Aplicação TCN Blefaroplastia Calázio Ceratoplastia penetrante decorrente de complicações de Cirurgias Vitreorretinianas Ciclofotocoagulação a Laser Coloboma Criopexia Crosslink Ectrópio Entrópio Enucleação Epilação de Cílios Estrabismo Evisceração Implante de Tubo para Drenagem Pancrioterapia Periférica Ptose Recobrimento Conjuntival + Tarsorrafia Reconstrução de Vias Lacrimais Retino com Intro exão Escleral + Facectomia qualquer técnica com Lente Intraocular Retino com Intro exão Escleral Simples Retinopexia Pneumática acompanhada por Crio ou Fotocoagulação Retirada de Corpo Estranho (Intra Vítreo) Sutura de Córnea Terapia Fotodinâmica Termo Terapia Transpupilar (indocianina) Topoplastia Transplante de Conjuntiva Triquíase Vitrectomia + Membranectomia epi ou subrretiniana + Retino qualquer técnica Vitrectomia + Retino qualquer técnica + Facectomia com Lente Intraocular Vitrectomia + Retirada e/ou reposição de Lente Intraocular Luxada no Vítreo Vitrectomia Anterior com Implante Secundário de Lente Intraocular Vitrectomia Via Pars Plana + Membranectomia epi ou subretiniana Vitrectomia Via Pars Plana + Facectomia com Lente Intraocular CORPO CLÍNICO Márcia R. K. Higashi Mitsuhiro Coordenadora Médica SP Aline Kátia Siqueira de Sousa Glaucoma SP Aline Silveira Moriyama Córnea/Catarata/Cirurgia Refrativa SP Camila Fonseca Netto Glaucoma / Geral SP Cristiane Loyola Martins Ultrassom SP Eduardo Maidana Córnea / Refrativa / Catarata SP Eric Pinheiro de Andrade Neuroftalmologia/Estrabismo SP Francisco Seixas Soares Catarata SP Jane Chen Retina SP Liliane Andrade Almeida Kanecadan Ultrasson SP Neusa Vidal Sant Anna Adaptação de lentes de contato em casos especiais (ceratocone, ectasias de córnea, póstransplante, póstrauma) SP Pilar de Andrade Memória Moreno Glaucoma SP Renato Magalhães Passos Retina SP Ricardo Kanecadan Plástica Ocular / Vias Lacrimais SP Vinícius Balbi Amatto Visão Subnormal/Glaucoma/Retina SP 12

18 ATENDIMENTO PARTICULAR RESULTADOS Parte da resultado financeiro do Instituto da Visão é proveniente de atendimento a pacientes particulares e convênios com operadoras de saúde. N o e x e r c í c i o d e t i v e m o s u m a r e d u ç ã o d e aproximadamente 14% no número de consultas/procedimentos particulares se comparado com exercício de Passamos de procedimentos em 2012 para em de saúde. Em atendimentos à operadoras de saúde, passamos de procedimentos em 2012 para em Esse número demonstra que parte dos pacientes particulares estão migrando para planos de operadoras de saúde. Esses números demonstram o crescimento do Instituto da Visão - IPEPO, e comprometimento com seus pacientes, independente do tipo de atendimento. Apesar do resultado nessa categoria ter sido menor que o exercício anterior, tivemos um aumento de 35,0% no número de procedimentos realizados em pacientes oriundos de operadoras GRÁFICOS E TABELAS 49,1% 511 EXAMES 70 CIRURGIAS 6,7% ATENDIMENTO PARTICULAR PROCEDIMENTOS 460 CONSULTAS REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL 0,9% 44,2% PRODUÇÃO MENSAL 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Exames Consultas Cirurgias Totais

19 UNIDADES AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO OPERADORAS DE SAÚDE Abmed Convênio Médico Hospitalar Amil APCEF/SP Assefaz Bradesco Saúde CAASP CABESP Care Plus CASSI DixAmico (MedCard) Fundação CESP Furnas Gama Saúde Ltda Mediservice Adm. de Planos de Saúde Medtour Saúde Ltda Omint Assistencial Serv. de Saúde S/C Ltda Plasac Porto Seguro Saúde (Fundação Saúde Itaú) Pró-PM SABESPrev SINASA Sistema Paulista Sul América Saúde S/C Ltda Tempo Saúde Seguradora S.A RESULTADOS Em atendimentos à operadoras de saúde, passamos de procedimentos para em 2013, ou seja, um aumento de 35,0% se comparado com o exercício de O resultado dessa alavancagem se deve ao credenciamento de novas operadoras de saúde, como, CASSI e Associação dos Funcionários Públicos da Polícia Civil do Estado de São Paulo, bem como, a ampliação de atendimento à produtos de operadoras já credenciadas (Bradesco e Amil). Salientamos que o processo de credencimento em tais operadoras de saúde é minucioso e criterioso e concedido apenas a instituições sérias e comprometidas com o paciente. Além disso, em 2013 mantivemos a parceria com o Laboratório Baldacci para a realização de exames oftalmológicos periódicos em seus colaboradores GRÁFICO COMPARATIVO DE PRODUÇÃO POR EXERCÍCIO O Instituto da Visão - IPEPO busca constantemente o credenciamento em novas operadoras de saúde e investe em equipamentos, estrutura e equipe para oferecer e abranger o maior número possível de pacientes. 0 14

20 OPERADORAS DE SAÚDE GRÁFICOS E TABELAS EXAMES 71,4% 81 CIRURGIAS 0,9% OPERADORAS DE SAÚDE PROCEDIMENTOS REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL CONSULTAS 27,7% 7,9% 800 PRODUÇÃO MENSAL JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Exames Consultas Cirurgias Totais

21 CONTRATOS CONTRATO OU TERMO ADITIVO ASSINATURA DATA RENOVAÇÃO PLANO DE TRABALHO CONTRATO N.º 306/ /08/ /08/2013 Exame de Angio uoresceinografia TERMO ADITIVO N.º 376/2012 Nov/ /11/2013 Cirurgias Vitreorretinianas CONTRATO Nº. 382/ /09/ /09/2013 Yag Laser (Capsulectomia ou Iridotomia) CONTRATO Nº. 129/2013 Mai/ /05/2013 Laserterapia com Laser de Argônio CONTRATO Nº. 317/2013 NOVO 16/08/2013 Ultrassonografia de Globo Ocular com Módulo A e B GRÁFICO COMPARATIVO DE PRODUÇÃO POR EXERCÍCIO RESULTADOS Em 2013 o Instituto da Visão - IPEPO manteve todos os contratados que estavam vigentes em 2012 e conseguiu novos contratos através de licitações no Hospital do Servidor Público Municipal. Esses resultados demonstram o nosso comprometimento com os pacientes do Hospital do Servidor Público Municipal e respeito ao contrato celebrado com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Com relação à produção, tivemos um aumento de quase 2% na quantidade de procedimentos realizados entre 2012 e

22 UNIDADES AMBULATÓRIO VILA CLEMENTINO CONTRATOS GRÁFICOS E TABELAS 100% 100% Exames de Angio 186 EXAMES Exames Laserterapia Laser Argônio 167 EXAMES 213 EXAMES 226 CIRURGIAS 48,5% Cirurgias Vitreorretinianas 439 PROCEDIMENTOS REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL 0,7% 100% Ultrassonogra a Globo Ocular 57 EXAMES 51,5% 17

23 PRODUÇÃO MENSAL 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Exames Cirurgias Totais LICITAÇÕES (PREGÃO PRESENCIAL) Contratos entre Instituto da Visão e Prefeitura Municipal de São Paulo - Secretaria Municipal da Saúde para atendimento de pacientes oriundos do HSPM - Hospital do Servidor Público Municipal 18

24 UNIDADES CENTRO CIRÚRGICO UNIDADE CENTRO CIRÚRGICO Atendimento: Endereço: Tel.: CIRURGIAS Rua Pedro de Toledo, 597- Vila Clementino São Paulo - SP (11) O projeto de um centro cirúrgico próprio iniciou em 2012 e as adequações e reformas em nosso imóvel situado à Rua Pedro de Toledo, 587, Vila Clementino, CEP: , São Paulo, SP percorreu todo o exercício de O valor de investimento para as adequações no imóvel e aquisição de mobiliários e equipamentos foi de aproximadamente R$ ,00 (novecentos e cinquenta mil reais), projeto esse desenvolvido com base nas determinações da RDC nº 50 e demais normas do Ministério da Saúde que regem as edificações voltadas à saúde. O centro cirúrgico será inaugurado em janeiro de 2014 e abrangerá atendimentos a pacientes particulares, operadores de saúde, contratos e convênios com as Secretarias Estadual e Municipal da Saúde de São Paulo. Contribuirá para o fortalecimento da instituição e contará com equipamentos de alta tecnologia, ambientes adequados e equipe médica treinada e qualificada. Médicos externos também poderão locar as salas para realização de cirurgias em seus pacientes. Outro ponto importante será a oferta de alguns horários cirúrgicos para o Departamento de Oftalmologia da EPM/UNIFESP/HSP, para a prática e aperfeiçoamento de técnicas cirúrgicas dos residentes e estagiários em oftalmologia, sempre com o acompanhamento de um professor orientador. Essa parceria contribuirá fortemente para o fortalecimento do vínculo entre o Instituto da Visão e o Departamento de Oftalmologia da EPM/HSP/UNIFESP. 19

25 UNIDADES AMBULATÓRIO ITAQUERA AMBULATÓRIO ITAQUERA Atendimento: Endereço: Telefone: SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Rua Porto Xavier, 66 - Itaquera São Paulo - SP Segunda a sexta-feira, das 08:00hs às 17:00hs Tel.: (11) Contribuindo para a descentralização do atendimento no SUS, o Instituto da Visão articulou parcerias com a Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de São Paulo, organização não governamental e empresas privadas para a implantação de centros oftalmológicos na periferia de São Paulo, com sua primeira unidade no extremo Leste da Cidade. Além do atendimento ambulatorial e cirúrgico, o projeto trouxe investimentos externos para a região, materializados no estudo epidemiológico das causas de cegueira pela Organização Mundial da Saúde, a doação de óculos e material educativo para escolares (Fundação Lions LC-2 e Giardine Ação Social). No início os atendimentos eram realizados no Hospital Alípio Correa Neto. Como pelo convênio com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo o Instituto da Visão realiza atividade fim (consultas e cirurgias), era necessária a mudança para uma unidade própria. Para não prejudicar a continuidade dos atendimentos aos pacientes e com o aval da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, no final do exercício de 2011 transferimos temporariamente todos os atendimentos para o Ambulatório de Especialidades Tito Lopes da Silva, sendo que as cirurgias foram suspensas durante esse período até que a diretoria do Instituto da Visão locou um imóvel comercial em Itaquera. A nova unidade precisou passar por uma reforma de adequação e iniciou suas atividades em novembro de 2012 inaugurando assim a primeira filial. A unidade Itaquera conta com uma excelente estrutura de atendimento exclusiva aos pacientes do SUS. Em 2014 há um projeto de extensão de atendimento a pacientes particulares e operadoras de saúde. Também em 2014 passaremos a realizar as cirurgias em centro cirúrgico próprio a ser inaugurado na Vila Clementino. PLANO DE TRABALHO CONSULTAS MÉDICAS EXAMES Biometria Ultrassônica Fotocoagulação a Laser Fundoscopia Gonioscopia Mapeamento de Retina Tonometria de Aplanação CIRURGIAS Excerese de Calásio Pterígio Facectomia c/ Implante LIO Sutura de Córnea Teste ortóptico Facoemulsificação (FACO) Facectomia Extracapsular (FEC) CORPO CLÍNICO Gustavo da Motta Torres Coordenador Médico SP Aline Katia Siqueira Sousa SP Alisson do Vale Carvalho SP Camila Fonseca Netto SP Deise Mitsuko Nakanami Yamada SP Ednajar Tavares Macedo Filho SP Fernando Macei Drudi SP Jane Chen SP Lie Horiguchi SP Renata de Figueiredo Esteves Hirata SP 20

26 UNIDADES AMBULATÓRIO ITAQUERA RESULTADOS Em 2013, tivemos uma redução de aproximadamente 9% na quantidade de procedimentos realizados no Ambulatório Itaquera, se comparado ao exercício e Passamos de em 2012 para em Apesar dessa importante redução, lembramos que o Instituto da Visão - IPEPO cumpriu seu objetivo de ofertar mais de 60% do total de seus atendimentos aos pacientes do Sistema Único de Saúde. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, o percentual de atendimento aos pacientes do SUS representou 62%. Considerando todos os atendimentos SUS (seja direto ou indireto), esse número chega a 90,5%. Com esses resultados o Instituto da Visão atende a legislação vigente (Lei nº , de novembro de 2009) para manutenção da qualificação como entidade filantrópica para o exercício de Se considerarmos apenas o Convênio SUS Direto, ou seja, sem intermediação pela Secretaria Estadual da Saúde São Paulo ou GRÁFICOS E TABELAS GRÁFICO COMPARATIVO DE PRODUÇÃO POR EXERCÍCIO

27 8000 PRODUÇÃO MENSAL PROCEDIMENTOS DE MÉDIA COMPLEXIDADE JAN 4495 FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ PRODUÇÃO MENSAL PROCEDIMENTOS DE ALTA COMPLEXIDADE 0 JAN 12 FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ PROCEDIMENTOS DE ALTA COMPLEXIDADE 0,4% Atendimento SUS - SMS PROCEDIMENTOS 99,6% PROCEDIMENTOS DE MÉDIA COMPLEXIDADE REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL 62,0% 22

28 UNIDADES AMBULATÓRIO ERMELINO MATARAZZO - SMS AMBULATÓRIO ERMELINO MATARAZZO - SMS Atendimento: Endereço: Telefone: SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Rua Antônio de Freitas Toledo, Jd. Belém São Paulo - SP Segunda a sexta-feira, das 08:00hs às 17:00hs Tel.: (11) O Instituto da Visão assinou em 26/12/2012 o Termo Aditivo nº. 005/2012, ao Termo de Convênio 021/SMS.G/2008, celebrado com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. O referido termo aditivo prorrogou o prazo de vigência do convênio por mais 12 meses, a fim de dar continuidade ao projeto do Centro Diagnóstico em Oftalmologia Tito Lopes, cuja finalidade é a prevenção, diagnóstico, tratamento e recuperação ocular, com objetivo de aumentar a resolubilidade do atendimento e a melhoria da qualidade da assistência à saúde ocular prestada à população da Região Leste do Município de São Paulo. Os atendimentos tiveram início em dezembro de 2009, pois a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo fez adequações no ambiente hospitalar, além da aquisição de equipamentos oftalmológicos. Desde o final do segundo semestre de 2013 o Centro Diagnóstico desenvolve temporariamente suas atividades na UBS Ermelino Matarazzo na Zona Leste enquanto o Ambulatório Tito Lopes está desativado para realização de reformas de adequação e modernização de sua estrutura física cuja conclusão e retorno aos atendimentos é previsto para o primeiro semestre de PLANO DE TRABALHO EXAMES Mapeamento de Retina Campimetria Computadorizada Retinografia Colorida Ultrassônografia Ocular CORPO CLÍNICO Gustavo da Motta Torres Coordenador Médico SP Cristiane Loyola Martins SP Jane Chen SP Renata de Figueiredo Esteves Hirata SP 23

29 RESULTADOS Em 2013 tivemos um aumento de 5,3% no total de procedimentos realizados no Ambulatório Ermelino Matarazzo. Passamos de procedimentos em 2012 para , ou seja, uma variação de procedimentos. Esse número demonstra o compromisso do Instituto da Visão - IPEPO com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Em 2013, esse convênio representou 20,8% do total de nossos atendimentos. GRÁFICOS E TABELAS GRÁFICO COMPARATIVO DE PRODUÇÃO POR EXERCÍCIO PRODUÇÃO MENSAL EXAMES JAN 2221 FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

30 UNIDADES AMBULATÓRIO ERMELINO MATARAZZO - SMS PRODUÇÃO TOTAL POR EXAME Mapeamento de Retina Campimetria Computadorizada Tonometria Retinogra a Colorida Paquimetria Ultrassônogra a Ultrassônogra a Ocular ,0% Atendimento SUS - SMS EXAMES REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL 20,6% 25

31 UNIDADES AMBULATÓRIO VÁRZEA DO CARMO - SES AMBULATÓRIO NGA VÁRZEA DO CARMO - SES Atendimento: Endereço: Telefone: SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (Clínica e Cirurgia) Rua Leopoldo Miguez, Cambuci São Paulo - SP Segunda a sexta-feira, das 08:00hs às 17:00hs Tel.: (11) Iniciado em 2008 com a criação do Centro de Diagnóstico e Tratamento de Doenças da Retina, o Instituto da Visão atua também atua dentro do Ambulatório de Especialidades NGA-63 Várzea do Carmo, em convênio com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo visando o aprimoramento das ações de diagnóstico e terapêutica em Oftalmologia. Com o sucesso do atendimento e tratamento dos casos mais complexos de retina oriundos da rede SUS, com realização de cirurgias de retina como a vitrectomia e também de injeções intra-vítreas de anti-vegf (que vem revolucionando o tratamento de doenças como a Degeneração Macular Relacionada a Idade e as Retinopatias Vasculares relacionadas a doenças sistêmicas como o Diabetes Mellitus e a HAS) em 2013 tivemos a ampliação do espectro de atendimento do nosso serviço de oftalmologia na NGA-63 com a inclusão dos pacientes com Glaucoma, doença grave, crônica e com necessidade de acompanhamento regular. Mais uma vez, a iniciativa vem propiciando uma maior amplitude de ação em nosso centro de diagnóstico de última geração, bem como com a possibilidade de realização de terapêuticas clínicas e cirúrgicas quando indicadas, em nosso centro cirúrgico ambulatorial. PLANO DE TRABALHO CONSULTAS MÉDICAS (Retina e Glaucoma) EXAMES Angio uoresceinografia / Retinografia Fluorescente Biometria Biomicroscopia Campimetria Computadorizada Estéreo Fotografia de Papila Fundoscopia Gonioscopia Mapeamento de Retina OCT Paquimetria Ultrassônica Retinografia Colorida Tomografia de Coerência Óptica - OCT Tonometria Ultrassonografia PROCEDIMENTOS Facectomia com implante de LIO Facoemulsificação com implante de LIO Fotocoagulação a Laser Infusão Intravítrea de Anti-Angiogênico Injeção Intravítrea de Triancinolona Iridotomia por Yag Laser Vitrectomia Anterior Vitrectomia Posterior Vitrectomia Posterior com Infusão de Per uorcarbono e Endolaser Vitrectomia Posterior com Infusão de Óleo de Silicone e Endolaser Cirurgia Fistulizante - Trabeculectomia Implante de Válvula de Drenagem CORPO CLÍNICO Anna Carholina Góes Lourenço Coordenadora Médico SP Ana Paula Silvério Rodrigues SP André Alexis Corazza Vidoris SP Cláudia de Carvalho Martins SP Flávio Cotait Kara José SP Jane Chen SP 26

32 UNIDADES AMBULATÓRIO VÁRZEA DO CARMO - SES José Clovis Barreto SP Guilhermne de Albuquerque Araujo Luyten SP Márgara Zanotele H. Almeida SP Marliene Oliveira Leme SP Patrícia Novita Garcia SP Paulo Augusto de Arruda Mello Filho SP Pilar de Andrade Memória Moreno SP Vinícius da Silveira Saraiva SP Walter Fukumoto SP GRÁFICOS E TABELAS EXAMES CIRURGIAS 16,4% 30,4% Atendimento SUS - SES PROCEDIMENTOS REPRESENTATIVIDADE DA PRODUÇÃO GERAL 7,9% GRÁFICO COMPARATIVO DE PRODUÇÃO POR EXERCÍCIO CONSULTAS 53,1% PRODUÇÃO MENSAL 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Exames Consultas Cirurgias Totais RESULTADOS Em 2013 tivemos um redução na quantidade de procedimentos realizados no Ambulatório Várzea do Carmo. Passamos de em 2012 para em 2013, ou seja, uma redução de 11,3%. Salientamos que a agenda para a realização das consultas e procedimentos é regulada pela Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, não podendo o Instituto da Visão - IPEPO interferir na produção desses atendimentos. 27

33 PROJETOS

34 PROJETOS PROJETO TELEMEDICINA Com o objetivo de buscar o melhor da tecnologia, para promover a saúde em nossa comunidade; o Instituto da Visão, em parceria com a SPDM, implantou na região norte de São Paulo, modelo desenvolvido pelo Instituto, de Apoio Diagnóstico em Oftalmologia por telemedicina. Com a organização da assistência básica de saúde no distrito de saúde da Vila Maria pela SPDM, uma nova demanda surgiu os exames de suporte de doenças sistêmicas. Doenças reumáticas, diabetes e hipertensão arterial são comuns nas unidades primarias de saúde e para o tratamento sistêmico adequado os exames oftalmológicos são necessários. Esta parceria do Instituto da Visão, com o conhecimento em diagnóstico à distancia de doenças oculares, e a SPDM, no gerenciamento de unidades primárias de saúde, proporcionou o acesso de usuários ao exame oftalmológico específicos para o gerenciamento de suas doenças sistêmicas. Estes exames são captados por um dos profissionais de saúde, sem a necessidade de um médico, enviados por internet ao Instituto da Visão, após analise, entregues com diagnóstico e sugestão de conduta às unidades de origem destes usuários. Nestes ano de 2013, dos casos analisados, em 90,02% os problemas foram resolvidos na própria unidade de saúde, sem necessidade de encaminhamento a especialista. Nos 434 pacientes encaminhados a serviços especializados da região, a catarata foi a principal necessidade de encaminhamento com 53,4%, seguido de Fotocoagulação em 38,6% e vitrectomia com 8%. Além do beneficio aos usuários de saúde o programa proporcionou o acesso direto dos resultados dos exames aos profissionais de saúde. Foram disponibilizados via internet imagens e laudos para as unidades de origem dos pacientes, resolvendo um problema comum na saúde, onde grande parte dos exames realizados, os resultados não chegam a equipe de saúde. Como toda a parceria, estamos aprendendo muito com a SPDM, de como superar as barreiras ao acesso a oftalmologia. Com livre oferta dos exames, foram trabalhados com usuários e profissionais de saúde, aspectos como absenteísmo, indicação destes exames, sua importância no controle da doença de base e, até mesmo, soluções de manutenção dos equipamentos. Neste ano de 2014 buscamos contribuir para a solução da próxima etapa de organização da rede de encaminhamento para tratamento das principais causas de cegueira diagnosticadas. TABELA DE ATENDIMENTOS POR FAIXA ETÁRIA FAIXA ETÁRIA EM ANOS QTDE ATEND. <1 A A 9 10 A A A A A 69 ND % 0,0 0,0 0,1 0,1 16,2 27,8 30,3 70 OU > ,2 0,1 TOTAL ,0 29

35 ESTUDO CLÍNICO BAYNOVATION Dra. Ana Luisa Ho ing de Lima Farah Pesquisadora Principal Fabiana Marques de Carvalho Estagiária OBJETIVOS Demonstrar a eficácia da solução oftálmica NVC-422 no tratamento de conjuntivite adenoviral, tendo em vista que a conjuntivite viral é uma patologia ocular comum e altamente contagiosa, sendo o adenovírus o agente causador mais comum. Vale ressaltar que atualmente não existem medicamentos aprovados para conjuntivite adenoviral. Este estudo foi aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa CONEP, e pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo CEP UNIFESP. MÉTODOS Planeja-se incluir 24 pacientes que apresentem sintomas de conjuntivite viral em pelo menos um dos olhos, com infecção recente (< 3 dias), sem outras doenças oculares importantes, maiores de 18 anos de ambos os sexos, que aceitarem participar da pesquisa por livre vontade. A participação dos pacientes é completamente voluntária. Os pacientes incluídos são selecionados aleatoriamente para um dos dois grupos do estudo, onde um grupo receberá a medicação ativa (colírio de teste), e outro grupo receberá placebo. Nem o patrocinador do estudo, nem o médico ou qualquer membro da equipe de pesquisa sabe em qual dos dois grupos o paciente foi incluído. Este estudo compreende além da visita de triagem (visita 1), mais 5 visitas distribuídas em um prazo de 42 dias, para acompanhamento dos sinais e sintomas do paciente. Não existe nenhum custo ao paciente incluído no estudo, nem com medicação nem com os exames. O estudo está sendo patrocinado pela NovaBay Phamaceuticals Inc., localizada nos EUA, sendo monitorado pela empresa Chiltern Pesquisa Clínica, com sede em São Paulo. RESULTADOS Ainda não foram divulgados resultados do estudo, que é multicêntrico no Brasil, e multinacional, e está sendo realizado também nos Estados Unidos da América, na Índia e no Siri Lanca. PROJETO AMAZONAS - BARES ESTUDO OCULAR DA AMAZÔNIA BRASILEIRA (BRAZILIAN AMAZON REGION EYE SURVEY BARES) Profa. Dra. Solange Rios Salomão Pesquisadora Responsável OBJETIVOS Avaliar a prevalência e causas de deficiência visual para perto e longe/cegueira na região da Amazônia brasileira. O projeto será realizado pelo Núcleo de Epidemiologia Ocular do Departamento de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo UNIFESP em colaboração com a Divisão de Oftalmologia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) no município de Parintins, AM. MÉTODOS Serão convidados adultos de 45 anos ou mais de idade para um exame em que sua visão para perto e para longe será medida, além de um exame ocular básico. Também será verificado o estado da acuidade visual em indevidos previamente operados, além da cobertura cirúrgica de catarata para os casos onde houver indicação de cirurgia, sem custos para o paciente. RESULTADOS A informação clínica obtida será a base para a estimativa da prevalência de deficiência na visão para longe/cegueira em adultos e sua respectiva causa, além de permitir estimar a prevalência da deficiência de visão para perto. Como um indicador geral para o desempenho do sistema de assistência ocular em adultos mais velhos, a prestação e resultados dos serviços cirúrgicos de catarata serão também avaliados. 30

36 PROJETOS CENTRO CHAMPALIMAUD DE ONCOLOGIA OCULAR DO AMAZONAS Dr. Rubens Belfort Neto e Dra. Sabrina Cohen Coordenadores O Centro Champalimaud de Oncologia Ocular do Amazonas é uma parceria entre a instituição portuguesa Fundação Champalimaud, Fundação Piedade Cohen e o Instituto Paulista de Estudos e Pesquisas em Oftalmologia IPEPO em colaboração com o Departamento de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina e Hospital São Paulo. Esse Centro único na região Norte irá coordenar atividades de Assistência, Ensino e Pesquisa na área da Oncologia Ocular. O atendimento será gratuito ou através do SUS para todos os pacientes necessitados. Este centro é mais um exemplo da parceria entre nossas instituições e os trabalhos sociais da Oftalmologia da UNIFESP, que está atuando em diferentes locais do Amazonas incluindo, além de Manaus, Parintins sob a Coordenação da Profa. Solange Rios Salomão e na região de Monte Negro sob Coordenação da Dra. Mariana Coelho e Paulo Henrique Morales. Todos esses programas estão também sob a supervisão do Prof. Dr. Rubens Belfort Jr. O Centro de Oncologia Ocular no Amazonas faz parte da rede de atividades dos Centros de Pesquisa Translacional da Fundação Champalimaud existentes em Coimbra, Hyderabad e em São Paulo no Departamento de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina e no Instituto da Visão. Champalimaud Foundation SOBRE OS PROJETOS A cada ano o Instituto da Visão está mais engajado em projetos de pesquisa e projetos sociais. Esses meios são fundamentais e servem de base para estudos e descobertas de novos tratamentos oftalmológicos. 31

37 SERVIÇOS CONTRATADOS ASSESSORIA JURÍDICA AUDITORIA CONTABILIDADE SERVIÇOS DE LIMPEZA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEGUROS

38 SERVIÇOS CONTRATADOS O Instituto da Visão - IPEPO conta com o suporte de empresas especializadas para a realização de tarefas específicas. Essas empresas parceiras auxiliam o Instituto da Visão - IPEPO em suas atividades rotineiras e contribuem para o melhor desempenho de suas atividades institucionais. Todas as empresas prestadoras de serviços do Instituto da Visão - IPEPO são criteriosamente selecionadas e, geralmente, consideradas empresas de referência no mercado, principalmente no terceiro setor. ASSESSORIA JURÍDICA NOGUEIRA, ELIAS, LASKOWSKI E MATIAS ADVOGADOS Assessoria Terceiro Setor, Certificações, Convênios Públicos e Contratos TREPAT CASES E MARANHÃO ADVOGADOS ASSOCIADOS Assessoria Trabalhista MENDES ADVOGADOS ASSOCIADOS Contencioso cível SIQUEIRA CASTRO ADVOGADOS Acompanhamento Profissionais da Saúde em Delegacias e Inquéritos AUDITORIA COKINOS & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES S/S CONTABILIDADE PRIME CONSULTING ASSESSORIA CONTÁBIL S/S LTDA - EPP SEGUROS PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Apólice Empresarial - Equipamentos Ambulatório Várzea do Carmo e Centro Cirúrgico MITSUI SUMITOMO SEGUROS Apólice Empresarial - Amb. Vila Clementino, Administração e Projeto Champalimaud ROYAL E SUNALLIANCE SEGUROS (BRASIL) S/A Apólice Empresarial - Amb. Itaquera ACE SEGURADORA S.A Apólice Responsabilidade Civil dos Administradores e Corpo Clínico SERVIÇOS DE LIMPEZA AMARO JULINA SERVIÇOS GERAIS LTDA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO PLENA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 33

39 PARCERIAS

40 PARCERIAS Professores do Departamento de Oftalmologia na década de 1990 foram visionários, pois sentiram a dimensão da evolução tecnológica que aconteceria na nossa especialidade. Desta forma criaram por meio do Instituto da Visão mecanismos que possibilitaram manter a vanguarda tecnológica dentro de um serviço público que foi pioneiro na prestação de serviços oftalmológicos de qualidade e de ponta. Hoje, mantendo a missão do Instituto da Visão, docentes e colaboradores do Departamento de Oftalmologia continuam nesta jornada. O Instituto da Visão tem enraizado em sua missão fomentar de forma sustentável a saúde ocular com foco em atividades de gestão e apoio ao ensino, pesquisa e assistência na busca de inovação em oftalmologia priorizando e complementando as ações de ensino e pesquisa do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo / Escola Paulista de Medicina e do Hospital São Paulo / SPDM. O Instituto da Visão já passou por várias revisõesestatutárias desde sua fundação em 1990 e teve 4 presidentes anteriores, Dr. José Belmiro de Castro Moreira, Dr. José Carlos Reys, Dr. Rubens Belfort Jr. e Dr. Ricardo Uras. A atual diretoria é composta pelo Dr. Michel Eid Farah (Diretor Presidente), Dr. Paulo Schor (Diretor Vice-Presidente) e Dr. Mauro Nishi (Diretor Técnico). Recentemente passou por uma nova grande reestruturação e essas ações ou laços de parceria continuam em evidencia e exponencialmente mais formais e mediados por instrumentos jurídicos e administrativos sólidos, sempre com foco na melhoria da qualidade de vida e visão dos pacientes. Veja a seguir algumas das ações de parceria em andamento, realizadas e futuras: AÇÕES REALIZADAS Apoio operacional às Ações do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP relacionadas aos residentes, tais como: Auxilio concedido para 3 residentes com hospedagem e passagem para o estágio internacional Illinois Eye Review entre os dias 14 e 30 de março de 2013; Pagamento para elaboração da prova de inglês dos residentes. AÇÕES EM ANDAMENTO Apoio operacional às Ações do Departamento de Oftalmologia da UNIFESP relacionadas aos residentes, tais como: Premiação do melhor residente (viagem internacional, hospedagem e inscrição em congresso de oftalmologia) concedido para Dra. Ana Carolina de Almeida Britto Garcia; Auxílio concedido para 2 residentes com hospedagem e passagem para o Curso Básico de Oftalmologia Dr. Guillermo Pico Santiago em Porto Rico, entre os dias 24 de janeiro e 21 de março de 2014; Apoio operacional de R$ ,00 para projetos de pesquisa e aquisição de equipamentos aos docentes, chefes de setor e professores afiliados ao Departamento de Oftalmologia da UNIFESP. 35

41 DEPOIMENTOS,, Foi com grande satisfação que a diretoria composta por mim, Paulo Schor e Mauro Nishi administrou o Instituto da Visão (IPEPO) pelos últimos 4 anos. Continuamos o trabalho das gestões anteriores, inovando quando necessário, focando em várias ações de controles internos, novos negócios como unidades adicionais e um centro cirúrgico recém inaugurado em imóvel próprio incluindo cirurgia de catarata com Lensx. Renovamos e enxugamos parte do conjunto de colaboradores e do parque tecnológico, agimos na comunidade com ações sociais e acima de tudo beneficiamos o Depto de Oftalmologia com a venda do prédio do Hospital Instituto da Visão, garantindo a ocupação de 3 andares do edifício para a assistência oftalmológica do Hospital São Paulo da EPM / UNIFESP. Além do Centro Cirúrgico e área acadêmica administrativa vigentes em vias de serem modernizados, fizemos várias doações de equipamentos, insumos, bolsas de estudo para os residentes irem a Porto Rico e Chicago, premiações, e participamos de parcerias em ações na Amazonia, Rondônia, e outras regiões carentes. As atividades não param por aqui e agora sob nova direção com Rubens Belfort Jr, Nilva Silva Moraes e Milton Yogi vão continuar pujantes sob a base sólida estabelecida com todo o conjunto de conselheiros administrativos e fiscais além dos colaboradores liderados pelas Dras. Simone Paim, Margara Zanotele, Márcia Higashi, Drs. Paulo Henrique Morales e Gustavo Couri. A todos nossos agradecimentos, votos de esperança e confiança de que o IPEPO continuará crescendo na sua missão junto a Oftalmologia Nacional. Prof. Dr. Michel Eid Farah Presidente do Instituto da Visão,,,, O IPEPO sempre teve os seus objetivos o aprimoramento dos serviços de saúde em regiões mais remotas do Brasil e nesse ano de 2013 ampliamos as nossas atividades na Região Amazônica criando o primeiro Centro de Oncologia Ocular do Amazonas. Também estamos participando ativamente em projeto Epidemiológico e de atendimento clínico e cirúrgico no interior do Amazonas e no estado de Rondônia. Utilizando a tecnologia mais moderna, multimodal para suporte diagnóstico e terapêutico via internet estamos também aprimorando a eficiência dos serviços de saúde ocular. Prof. Dr. Rubens Belfort Jr. Professor Titular de Oftalmologia da UNIFESP Presidente do Instituto da Visão (mandato ) Ex-Presidente da SPDM,, 36

www.institutodavisao.org.br

www.institutodavisao.org.br INSTITUTO PAULISTA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM OFTALMOLOGIA - IPEPO Unidade Central Rua Botucatu, 979, 2º e 3º andares - Vila Clementino 04023-062 - Sâo Paulo - SP PABX: (11) 3016-4080 Fax: (11) 3016-4086

Leia mais

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida;

OBJETO. a) a Atenção à Saúde: prestar assistência integral e humanizada à saúde dos usuários do SUS, de acordo com a pactuação estabelecida; PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLÍNICA E CIRURGIA DE OLHOS DR. ARMANDO AUGUSTO GUEDES LTDA. NOME FANTASIA: COSC CIRURGIA OCULAR SÃO CRISTÓVÃO CNPJ: 00.181.085/0001-51 CNES: 3122786 OBJETO O presente Plano

Leia mais

Relatório Sintético de Procedimentos

Relatório Sintético de Procedimentos Apêndice E Procedimentos em Oftalmologia da Tabela Unificada do SUS Procedimentos que exigem habilitação como Centro de Atenção Oftalmológico (504) ou Unidade de Atenção Especializada em Oftalmologia (503)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vinhedo

Prefeitura Municipal de Vinhedo ATA DE SESSÃO PÚBLICA Pregão Nº: PR-44/2015 Processo: 4714-8/2015 Objeto: Registro de preços para contratação de empresa para prestação de serviços de cirurgias e procedimentos oftalmológicos, conforme

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

PLANO DE TRABALHO OBJETO

PLANO DE TRABALHO OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO NOME FANTASIA: CLINICA DE OLHOS AVENIDA RIO BRANCO MATRIZ CNPJ: 01.397.085 0001/56 CNES: 7165765 OBJETO O presente Plano de Trabalho

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº. 1.051, EM 24 DE JANEIRO DE 2013. AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO COM A FUNDAÇÃO HOSPITALAR OFTALMOLOGICA UNIVERSIDADE LIONS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. VANDERLEI ANTÔNIO SIMIONATTO, Prefeito

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO O MUNICÍPIO DE MARINGÁ informa aos interessados em participar do procedimento licitatório denominado - PROCESSO nº. 01673/2014-PMM, que conforme solicitação da Secretaria Municipal

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014

LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 LEI Nº 4.806 DE 25 DE ABRIL DE 2014 Autoriza o Executivo Municipal firmar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions para atendimento oftalmológico ambulatorial. Bel. PEDRO PAULO

Leia mais

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei:

LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012. FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona e promulga a seguinte Lei: LEI Nº 1.212, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2012 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio de mútua cooperação para a prestação de serviços médico-hospitalares com a Fundação Hospitalar Oftalmológica

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015)

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS FUSEX - CBHPM 4ª EDIÇÃO (SADT-PLENO) E CBHPM 5ª EDIÇÃO HONORÁRIOS MÉDICOS 5% (ATUALIZADA EM 01/01/2015) Código Anatômico Procedimento Porte Valor 10100008 CONSULTAS 10101004 CONSULTAS 10101012 Em consultório (demais especialidades) 70,00 R$ 70,00 10101039 Em pronto socorro (demais especialidades) 70,00Em

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO

PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO PLANO DE TRABALHO RAZÃO SOCIAL: Centro de Estudos e Pesquisas Oculistas Associados NOME FANTASIA: CEPOA CNPJ: 42.161.307/0001-14 CNES: 2270498 OBJETO O presente Plano de Trabalho acordado entre o Gestor

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL

MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL MUNICÍPIO DE NOVA ROMA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2010 O Município de Nova Roma do Sul comunica aos interessados que está procedendo ao

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM:

A ANS não incluiu os seguintes procedimentos, conforme solicitado pelo CBO, que já constam na CBHPM: ! #"$% & ' Discordâncias em vermelho: TESTE E ADAPTAÇÃO DE LENTES DE CONTATO (SESSÃO) BINOCULAR. A SOBLEC pediu para ser retirado. EXÉRESE DE TUMOR DE ESCLERA CBO pediu que retirassem, pois não existe.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética

RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética RESPOSTA RÁPIDA 300/2014 Antiangiogênicos e fotocoagulação a laser para tratamento de retinopatia diabética SOLICITANTE DR BRENO REGO PINTO Juizado Especial da Comarca de Monte Santo de Minas/MG NÚMERO

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO A Assessoria de Gestão da Secretaria de Recursos Humanos torna pública a listagem dos servidores em Estágio Probatório e o período em que os mesmos deverão ser avaliados,

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a Resistência stê dascoo coorporações Os sindicatos e associações de trabalhadores temem que a descentralização, produção atomização em suas organizações, promova a perda de direitos adquiridos, debilite

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Universidade Livre para a Eficiência Humana. Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade

Universidade Livre para a Eficiência Humana. Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade Universidade Livre para a Eficiência Humana Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade MISSÃO Realizar ações inovadoras de inclusão social no mundo do trabalho, por meio do desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II REALIZADO NA UNIDADE BÁSICA DE SÁUDE VILA GAÚCHA PRISCILA DOS SANTOS LEDUR Porto Alegre 2011 PRISCILA DOS

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA PES - 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA PES - 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA PES - 2014 Rua Areolino de Abreu, 1507 Centro - CEP. 64000-180 - Teresina - Piauí PREFEITO DE TERESINA Firmino da Silveira Soares Filho

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Documento de posição da retinopatia diabética

Documento de posição da retinopatia diabética Documento de posição da retinopatia diabética Grupo de Trabalho de Planejamento a Longo Prazo do SightFirst (SFLRP) Agosto de 2008 Apresentação A missão do programa Leonístico SightFirst é apoiar o desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI N 62 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Autoriza o Poder Executivo Municipal a celebrar convênio com a Fundação Hospitalar Oftalmológica Universitária Lions Hospital de Olhos e dá outras providências.

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado.

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Visão: Visão: Ser Ser um um Centro Centro de de Excelência em em hematologia e hemoterapia.

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto:

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC

PLANO DE AÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA CASTROLANDA AFCC PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2012/2013 Apresentação A Diretoria Executiva da Associação dos Funcionários da Cooperativa Castrolanda AFCC objetiva apresentar

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS. Destaque em Responsabilidade Social WWW.DEPYLACTION.COM.BR. Elaborado por:

PRÊMIO ABF- AFRAS. Destaque em Responsabilidade Social WWW.DEPYLACTION.COM.BR. Elaborado por: PRÊMIO ABF- AFRAS Destaque em Responsabilidade Social Elaborado por: Depyl Action Franchising Av. Bias Fortes, 932 sl. 304 Lourdes CEP: 30170-011 Belo Horizonte / MG Fone: 31 3222-7701 Belo Horizonte,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

R E G U L A M E N T O 2016

R E G U L A M E N T O 2016 R E G U L A M E N T O 2016 www.asmaiseticasdobrasil.org.br Iniciativa e Realização www.eticanosnegocios.org.br R E G U L A M E N T O INICIATIVA E REALIZAÇÃO A iniciativa e realização desta iniciativa é

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Allyson Pacelli (83) 88252115 e Mariana Oliveira.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Allyson Pacelli (83) 88252115 e Mariana Oliveira. Dados da empresa PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Razão Social: Capacita Empreendimentos Educacionais Nome Fantasia: SOS Educação Profissional

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Relatório Financeiro Anual 2010

Relatório Financeiro Anual 2010 Relatório Financeiro Anual 2010 - Fevereiro de 2011-1 Apresentação A história do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP) começa em 1997, no povoado de Caeté-Açu, distrito rural do município de

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA A - Empresa Com um terreno de 1.000.000 m² e 354.000 m² de área construída, o Centro Comercial Leste Aricanduva surgiu em 1991 com a inauguração do primeiro shopping center

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

FERNANDO HADDAD, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei,

FERNANDO HADDAD, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, PORTARIA 111, DE 7 DE MARÇO DE 2014 FERNANDO HADDAD, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, RESOLVE: Formalizar a composição do Conselho Municipal de

Leia mais

Cidadania, conhecimento e oportunidade! Vale a pena conferir

Cidadania, conhecimento e oportunidade! Vale a pena conferir Cidadania, conhecimento e oportunidade! Vale a pena conferir PROJOVEM URBANO EM LONDRINA REALIZA AÇÃO SOCIAL E ARRECADA MAIS DE 500 KILOS DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS NA CAMPANHA OUTUBRO ROSA 2015 PARA HOSPITAL

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências.

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Proposta de encontros para construção de conhecimento e troca de experiências. ORGANIZADORES OBJETIVOS DO GRUPO DE ESTUDOS Aprimorar a prática do voluntariado

Leia mais

Categoria Franqueador Sênior

Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Sênior Razão Social: Sorridents Franchising Ltda. Nome fantasia: Sorridents Clinicas Odontológicas.

Leia mais

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA TÍTULO: UNIDADE COMUNITÁRIA DE ÁLCOOL E DROGAS JARDIM ÂNGELA NOVEMBRO 2002 AUTORES: Sérgio Luís Ferreira - Psicólogo Ronaldo Laranjeira INSTITUIÇÃO:Escola Paulista de Medicina UNIFESP Área Temática: Saúde

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais

Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Tabela de custos dos exames oftalmológicos em reais Angiofluoresceinografia Convencional Ampola de fluoresceína sódica a 20% Butterfly 23 g Seringa de 5 ml Agulha 25x7 - descartável Bolas de algodão 11,90

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas

Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas XXXII Encontro Nacional de Dirigentes de Pessoal e de Recursos Humanos das Instituições Federais de Ensino Fortaleza - 2012 Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas 1 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CONSCIENTIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA REDE FHEMIG QUANTO À IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DO EAME PERIÓDICO Maria de Lourdes

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais