Insetos galhadores. Introdução. Capítulo 15. G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Insetos galhadores. Introdução. Capítulo 15. G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro"

Transcrição

1 Capítulo 15 Insetos galhadores G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro Introdução Os primeiros registros de galhas remontam a Hipócrates ( a.c.), Teofrasto ( a.c.) e Plínio (23 79 d.c.). Plínio, o Piedoso, foi o primeiro a usar a palavra galha (galla) para designar a cecídia induzida por uma vespa da família Cynipidae em carvalho, na sua Historia Naturalis XXIV, no século primeiro (MEYER, 1987). Mas, embora eles tenham relatado naquela época a emergência dos insetos, só no século 17, com os trabalhos de Marcello Malpighi ( ), Anthony van Leeuwenhoeck ( ) e Jan Schwammerdam ( ), que o conceito de desenvolvimento da galha foi relacionado à oviposição do inseto. Galhas, cecídias ou tumores vegetais são tecidos ou órgãos de plantas formados por hiperplasia (aumento do número de células) e/ou hipertrofia (aumento do tamanho das células) induzidos por organismos parasitas ou patógenos (MANI, 1964; DREGER- JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992). Galhas podem ser induzidas por uma grande variedade de organismos (Fig. 1), como vírus, bactérias, fungos, algas, nematóides, rotíferos, copépodos e plantas da família Loranthaceae (popularmente conhecidas como ervasde-passarinho), mas principalmente por insetos (MANI, 1964; RAMAN et al., 2005). Entre os insetos herbívoros, os galhadores são provavelmente os mais sofisticados, pois são capazes de controlar e redirecionar a planta hospedeira em seu benefício (FERNANDES, 1990; SHORTHOUSE et al., 2005). As galhas representam um fascinante fenômeno do mundo natural, reflexo de íntimas interações dos organismos, moldadas ao longo de milhares de anos pela evolução orgânica. O inseto é capaz de modificar os padrões de crescimento da planta hospedeira, alterando a natureza do tecido vegetal e conduzindo o hospedeiro à formação de um alimento rico em nutriente e livre de compostos químicos defensivos bem como de uma estrutura que o isola do meio ambiente. As galhas são também conhecidas e utilizadas por suas propriedades farmacológicas reconhecidas desde a Antigüidade. As galhas de Alepo contêm 50 % a 60 % de ácido galactotânico, além de teores significativos dos ácidos gálico e elágico, substâncias usadas no tratamento de diarréias, inflamações bucais e hemorróidas. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 597

2 598 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Fotos: G. Wilson Fernandes Fig. 1. Galhas induzidas por diferentes organismos: (A) Galha induzida por inseto; (B) Galha induzida por ácaro; (C) Galha-de-ambrósia (induzida por fungo simbionte de um inseto); (D) Galha (vassoura-de-bruxa) induzida por fungo; (E) Galha induzida por nematóide; e (F) Galha induzida por Loranthaceae (erva-de-passarinho). O aproveitamento comercial das galhas remonta ao século 17 com a extração de substâncias corantes utilizadas para tingir cabelos, tecidos e como tinta para escrita (FERNANDES; MARTINS, 1985). Na China, são extensivamente usadas há mais de anos na medicina, indústria e alimentação humana. Na América do Sul, a população indígena Aguaruna-Jívaro da Amazônia peruana utilizam galhas foliares na z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 598

3 Capítulo 15 Insetos galhadores 599 espécie Licania cecidiophora (Chrysobalanaceae) na confecção de colares (BERLIM; PRANCE, 1978). A importância recente das galhas tem aumentado por causa do seu uso como agentes de controle biológico de plantas invasoras e até como bioindicadores da qualidade e da saúde ambiental (FERNANDES, 1987; JULIÃO et al., 2005). Além disso, diversos autores sugeriram que o sistema planta-inseto galhador-parasitóides é ideal para o teste de hipóteses sobre relações ecológicas e no desenvolvimento do conhecimento em Ecologia (FERNANDES; PRICE, 1988; PRICE, 2003). A utilização de insetos galhadores como organismos-modelo reflete suas facilidades metodológicas, muitas delas decorrentes do seu hábito séssil. Comunidades de insetos galhadores são freqüentemente compostas por muitas espécies de diferentes ordens; as galhas são estruturas conspícuas, persistentes na planta, fáceis de serem observadas e coletadas; e as interações entre o inseto indutor e outros organismos podem ser facilmente manipuladas (FERNANDES; PRICE, 1988; STONE; SCHÖNROGGE, 2003). Insetos herbívoros Guildas de insetos herbívoros Insetos herbívoros ou fitófagos são os que consomem partes vivas de vegetais e compreende a maior parte das espécies de organismos existentes. Cerca de 50 % de todos os organismos herbívoros são insetos (GULLAN; CRANSTON, 2005). Insetos herbívoros são encontrados nas ordens: Phasmatodea, Orthoptera, Thysanoptera, Hemiptera, Coleoptera, Diptera, Lepidoptera e Hymenoptera (TRIPLEHORN; JONHSON, 2005). Diante da grande diversidade de espécies, diferentes classificações podem ser utilizadas para diferenciar formas de utilização e distribuição de insetos e suas plantas hospedeiras. Na maioria das vezes, essas classificações se prestam apenas a fins didáticos porque não são suficientes para englobar a grande variabilidade das interações entre os organismos, ou porque os limites não são precisos entre as diferentes classes de interações. Insetos herbívoros podem ser agrupados quanto à variação do número de táxons de plantas hospedeiras utilizadas. Dessa forma, insetos monófagos são aqueles que utilizam um único táxon de planta; oligófagos utilizam poucos táxons de planta, geralmente próximos filogeneticamente, ou seja, de um mesmo gênero ou família; e polífagos utilizam uma ampla variedade de espécies de plantas hospedeiras não relacionadas filogeneticamente (PRICE, 1997). Os insetos podem também ser separados em grupos funcionais de acordo com o tipo e a forma de utilização de um determinado recurso. Esses grupos são chamados de guildas (ROOT, 1967), isto é, são formados por um conjunto de espécies que exploram a mesma classe de alimentos (ou outro tipo de recurso) de maneira semelhante, podendo ou não ser filogeneticamente relacionados (e geralmente não são). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 599

4 600 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Os insetos herbívoros são divididos em cinco guildas principais: mastigadores, sugadores, minadores, broqueadores e galhadores (PRICE, 1997). As duas primeiras guildas, os mastigadores e os sugadores, são formadas por insetos que se alimentam externamente sobre a planta hospedeira, e por isso são chamados de insetos herbívoros de vida livre ou exofíticos. Os insetos mastigadores apresentam peças bucais do tipo mastigador e consomem partes de tecidos de raízes, caules, folhas, flores e frutos. São encontrados nas ordens Orthoptera, Coleoptera, Lepidoptera e Hymenoptera. Os insetos sugadores possuem peças bucais do tipo sugador e consomem a seiva dos vasos ou o conteúdo líquido das células vegetais. Esses insetos podem se alimentar da seiva bruta, conteúdo dos vasos que constituem o xilema (vasos que levam nutrientes e sais minerais do solo para a planta), da seiva elaborada, conteúdo dos vasos que constituem o floema (vasos que distribuem os carboidratos e os aminoácidos para os tecidos da planta) ou do conteúdo intracelular das células vegetais de diferentes órgãos da planta hospedeira. Insetos sugadores são encontrados nas ordens Hemiptera (percevejos e cigarrinhas). Muitos insetos mastigadores e sugadores são alimentadores especializados em sementes, um recurso nutritivamente muito rico em nutrientes comparados a outros tecidos da planta, é comumente referido como predadores de sementes. Insetos predadores de sementes são encontrados nas ordens Hymenoptera, Coleoptera, Hemiptera e Lepidoptera. Entre os coleópteros uma das subfamílias mais importantes é representada pelos Bruchinae (Chrysomelidae) que atacam principalmente espécies de plantas da família Fabaceae. As três guildas restantes, os insetos formadores de minas e de brocas e os indutores de galhas são formados por insetos cujas larvas se alimentam internamente dos tecidos da planta, e por isso são chamados de insetos endofíticos. Os insetos formadores de minas são aqueles cuja fase larval vive e se alimenta dos tecidos vegetais entre as camadas da epiderme (DEMPEWOLF, 2005). De acordo com essa definição, insetos minadores geralmente se alimentam do parênquima de folhas, frutos e do córtex de ramos, mas não incluem alimentadores de tecidos medulares ou profundos. À medida que o inseto se locomove e se alimenta forma um túnel característico e visível externamente, chamado de mina, semelhante a uma faixa esbranquiçada nas folhas. As minas são definidas como canais de alimentação formados pelos insetos dentro do parênquima ou tecido epidérmico da planta, cujas paredes externas permanecem intactas. Esses canais podem assumir uma série de formas diferentes de acordo com a espécie de inseto formador da mina (DeCLERCK; SHORTHOUSE, 1985). O tecido mais consumido é o parênquima paliçado do mesófilo, mas muitas espécies podem também consumir preferencialmente algum outro tipo de tecido (DeCLERCK; SHORTHOUSE, 1985). Os insetos formadores de minas são encontrados nas ordens Lepidoptera, Hymenoptera, Coleoptera e Diptera (DEMPEWOLF, 2005). Os insetos formadores de brocas são diferenciados dos indutores de galhas por não induzirem a formação de um tecido modificado, e dos formadores de minas por viverem mais internamente, alimentando-se profundamente dentro do tecido vegetal, formando uma cavidade chamada de galeria. Os broqueadores podem se alimentar de tecido vivo ou morto. Galerias podem ser formadas em caules (com maior z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 600

5 Capítulo 15 Insetos galhadores 601 freqüência), botões florais, raízes, frutos e sementes. Insetos formadores de brocas são encontrados nas ordens Coleoptera, Lepidoptera e Hymenoptera (COULSON; WITTER, 1984). Finalmente, os insetos indutores de galhas são muito abundantes, mas ecologicamente e taxonomicamente são ainda pouco conhecidos, ou seja, a maioria das suas espécies é nova para a ciência (ESPÍRITO-SANTO; FERNANDES, 2007). De maneira geral, indutores de galhas são definidos como uma guilda alimentar de insetos herbívoros que, para completar o seu ciclo de vida, obrigatoriamente desenvolve uma modificação patológica no tecido da planta hospedeira (galha), em decorrência da hipertrofia e/ou hiperplasia do tecido vegetal, que surge da interação entre o inseto e a planta hospedeira (WEIS et al., 1988). Os insetos indutores de galhas são encontrados em todas as ordens de insetos herbívoros (Hemiptera, Thysanoptera, Coleoptera, Hymenoptera, Lepidoptera e Diptera), com exceção da ordem Orthoptera (Fig. 2). Fotos: G. Wilson Fernandes Fig. 2. Ordens de insetos com espécies indutoras de galhas: (A) Galha induzida por Diptera: Cecidomyiidae (Paradasineura admirabilis Maia) na planta da espécie Erythroxylum suberosum (Erythroxylaceae); (B) Hemiptera: Psyllidae (Baccharopelma dracunculifoliae Burkhardt) na planta hospedeira Baccharis dracunculifolia (Asteraceae); (C) Galha induzida por Lepidoptera (espécies desconhecidas) em Macairea radula (Melastomataceae); (D) Galha induzida por Hymenoptera: Cynipidae (espécie desconhecida) na planta Quercus turbinela (Fagaceae); (E) Galha induzida por Thysanoptera (espécie desconhecida) na planta hospedeira (não identificada); e (F) Galha induzida por Coleoptera: Brentidae: Apioninae na planta hospedeira Diospyrus hispida (Ebenaceae). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 601

6 602 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Táxons dos insetos galhadores Em todo o mundo são conhecidas cerca de espécies de insetos cecidógenos, o que representa cerca de 2 % do número total de insetos (DREGER- JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992; RAMAN et al., 2005). Contudo, as estimativas recentes extrapolam esses valores para cerca de espécies de galhadores (ESPÍRITO- SANTO; FERNANDES, 2007). O hábito de induzir galhas em plantas evoluiu várias vezes e independentemente entre os insetos fitófagos (ROSKAM, 1992; GULLAN et al., 2005), ocorrendo em pelo menos 51 famílias distribuídas em seis ordens diferentes (Fig. 3) e são encontrados em todas as regiões biogeográficas. Todavia, alguns grupos parecem ser mais ricos em espécies em algumas regiões do que em outras. Por causa da grande diversidade de insetos indutores de galhas e suas plantas hospedeiras, e também da grande variabilidade dessas estruturas, apresentamos a seguir algumas generalizações sobre a história natural, biologia e a ecologia desses organismos. Informações mais detalhadas sobre cada grupo poderão ser encontradas na recente revisão realizada por Raman et al. (2005). 1. Ordem Hemiptera Subordem Heteroptera Família Tingidae Subordem Sternorrhyncha Família Psyllidae Família Aleyrodidae Família Aphididae Família Phylloxeridae Família Adelgidae Família Eriococcidae Família Kermisidae Família Asterolecaniidae Família Coccidae Família Diaspididae 2. Ordem Thysanoptera Subordem Tubulifera Família Phlaeotripidae Subordem Terebrantia Família Thripidae 3. Ordem Coleoptera Subordem Polyphaga Família Cerambycidae Família Chrysomelidae Família Brentidae Família Curculionidae Família Buprestidae Família Mordellidae Família Nitidulidae Família Scolytidae Continua... z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 602

7 Capítulo 15 Insetos galhadores Ordem Hymenoptera Subordem Symphyta Família Tenthredinidae Subordem Apocrita Família Agaonidae Família Pteromalidae Família Erytomidae Família Cynipidae 5. Ordem Lepidoptera Família Nepticulidae Família Heliozelidae Família Prodoxidae Família Cecidosidae Família Bucculatricidae Família Gracillariidae Família Yponomeutidae Família Ypsolophidae Família Glyphipterigidae Família Elachistidae Família Oecophoridae Família Coleophoridae Família Cosmopterigidae Família Gelechiidae Família Sesiidae Família Tortricidae Família Alucitidae Família Pterophoridae Família Crambidae Família Thyrididae 6. Ordem Diptera Subordem Nematocera Família Cecidomyiidae Subordem Cyclorrhapha Família Tephritidae Família Chloropidae Família Agromyzidae Família Anthomyzidae Família Clythiidae Fig. 3. Ordens e famílias de insetos que apresentam espécies indutoras de galhas. Fonte: Raman et al. (2005). Hemiptera A ordem Hemiptera apresenta grande número de espécies de insetos galhadores distribuídos em 11 famílias, principalmente na Subordem Sternorrhyncha (SCHAEFER, 2005). Na subordem Heteroptera são conhecidas menos de uma dúzia de espécies de insetos galhadores, todos da família Tingidae (SCHAEFER, 2005). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 603

8 604 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas A superfamília Psylloidea apresenta cerca de espécies descritas, encontradas principalmente nas regiões tropicais e temperadas do Hemisfério Sul, principalmente na Ásia Tropical e na Região Australiana (GULLAN et al., 2005). Na Região Neotropical esse táxon ainda é pouco estudado, mas, provavelmente, representa a região mais rica em espécies de psilídeos galhadores (BURCKHARDT, 2005). Os Psylloidea induzem galhas de formas variadas e conspícuas em espécies de plantas das famílias Asteraceae, Myrtaceae, Melastomataceae, Fabaceae, Lauraceae, Polygonaceae, Moraceae e Salicaceae. Como exemplo, Ferreira et al. (1990) relatam a biologia e a história natural de Euphaleurus ostreoides Crawford em uma espécie de Fabaceae, enquanto Lara e Fernandes (1994) e Espírito-Santo e Fernandes (2002) descrevem a história natural e a ecologia de Baccharopelma dracunculioliae Burckhardt em Baccharis dracunculifolia (Asteraceae). Galhas induzidas por psilídeos são encontradas em vários gêneros de plantas, mas são particularmente abundantes em espécies de Baccharis (BURCKHARDT et al., 2004) e Eucalyptus (BURCKHARDT, 2005). Os coccídeos são parasitos de plantas especializados de plantas encontrados em todas as regiões biogeográficas exceto na Região Polar. Os coccídeos são classificados em cerca de 20 famílias, das quais 230 espécies são indutoras de galhas (3 % das espécies de coccídeos conhecidas) encontradas em 10 famílias (GULLAN et al., 2005). Coccídeos induzem galhas em 20 famílias de angiospermas, principalmente em Myrtaceae (cerca de 130 espécies), Fagaceae, Asteraceae, Ericaceae e Verbenaceae. Os relatos de galhas de coccídeos na Região Neotropical são ainda raros, embora Gonçalves et al. (2005) tenham apresentado alguns aspectos biológicos e anatômicos da galha causada por Pseudotectococcus rolliniae Hodgson e Gonçalves (Eriococcidae) em Rollinia laurifolia (Annonaceae). Entre os afídeos, as espécies indutoras de galhas são cerca de 440 espécies (WOOL, 2004). Eles apresentam ciclos de vida complexos, apresentando alternância entre hospedeiros primários e secundários, e entre reprodução sexual e partenogenética (holociclo). A galha é induzida por um único indivíduo, a fundadora, que se reproduz por partenogênese (WOOL, 2005). Dessa forma, todos os indivíduos são geneticamente idênticos. Os demais indivíduos encontrados na galha conseguem seu alimento sugando o sistema vascular da planta dentro da galha, mas não são capazes de induzi-la. Eles se alimentam sugando o conteúdo do floema. A quantidade de ninfas por galha é extremamente variável, mas pode atingir milhares. Por exemplo, a planta hospedeira Rhus glabra (Anacardiaceae) pode abscisar suas folhas em resposta às galhas induzidas por Melaphis rhois Ficht (Aphididae), que chegam a ter mais de ninfas contidas em apenas uma loja (FERNANDES et al., 1999). Thysanoptera Existem cerca de espécies de tisanópteros distribuídos em nove famílias, mas espécies indutoras de galhas são encontradas principalmente na subfamília Phlaeothripinae (MOUND; MORRIS, 2005). Tisanópteros indutores de galhas são z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 604

9 Capítulo 15 Insetos galhadores 605 encontrados em todas as regiões biogeográficas, sobretudo na Ásia Tropical e na Região Australiana (MOUND; MORRIS, 2005). Esses insetos vivem em colônias formadas por diferentes indivíduos. Comumente encontramos mais de uma espécie associada com a galha, tornando difícil a separação da espécie responsável pela sua indução. As galhas são formadas principalmente nas folhas, em frutos ou flores. Os registros de galhas de tisanópteros na Região Neotropical são raros, embora sejam comum em algumas espécies do Cerrado (GWF, observação pessoal). Coleoptera Em relação à grande riqueza de espécies de besouros associados a espécies vegetais, existem poucas espécies de besouros galhadores. Besouros indutores de galhas são encontrados principalmente na família Curculionidae. O hábito de induzir galhas é quase exclusivamente encontrado nas superfamílias mais derivadas (Chrysomeloidea, Curculionoidea). Nesses grupos, as larvas tornaram-se mais sedentárias, com reduzida habilidades sensorial (ocelos e antenas) e locomotora (pernas) e despigmentação do corpo (KOROTYAEV et al., 2005). As larvas de besouros, que apresentam o aparelho bucal do tipo mastigador, causam grande dano estrutural dentro das suas galhas, acarretando rápida destruição dos tecidos em contato com a larva (DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992). As galhas induzidas por coleópteros podem ser reconhecidas por apresentarem câmaras (lojas) amplas. Podem ser uma ou múltiplas câmaras ou lojas hospedando geralmente uma só larva por câmara. A fase de pupa pode ocorrer no interior da galha ou no solo; nesse caso, a larva perfura a parede da galha e alcança o solo para dar início à fase de pupa. As galhas são induzidas principalmente em ramos e raízes, mas alguns insetos da superfamília Curculionoidea induzem galhas em folhas e flores (KOROTYAEV et al., 2005). As galhas dos coleópteros variam de simples intumescência até estruturas com aparência de frutos, que são muito diferentes dos órgãos sadios da planta (SOUZA et al., 1998; KOROTYAEV et al., 2005). Não há diferenciação de um tecido nutritivo. Coleópteros induzem galhas em várias famílias de plantas, destacando-se Asteraceae, Solanaceae, Brassicaceae e Fabaceae. Por exemplo, Collabismus clitelae Boheman induz galhas globulares no caule de Solanum lycocarpum (Solanaceae) no Cerrado (SOUZA et al., 1998, 2001) enquanto um Apion sp. (Brentidae) induz galhas em brotos de Diospyrus hispida (Ebenaceae) (ARAÚJO et al., 1995; SOUZA et al., 2006). No Cerrado, as galhas de coleópteros são freqüentemente utilizadas por uma grande comunidade de formigas que as utilizam como abrigo e para construção de ninhos (CRAIG et al., 1991; ARAÚJO et al., 1995). Hymenoptera Juntamente com a ordem Diptera, os himenópteros apresentam as galhas entomógenas mais complexas. Os himenópteros indutores de galhas estão distribuídos z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 605

10 606 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas em cinco famílias (Tenthredinidae, Cynipidae, Agaonidae, Tanaostigmatidae e Eurytomidae) e são encontrados em todas as regiões biogeográficas (DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992; STONE et al., 2002). A família Tenthredinidae (Subordem Symphyta) é formada por espécies primitivamente fitófagas e suas larvas se adaptaram à utilização de grande variedade de recursos, alimentando-se externamente ou internamente em tecidos vegetais de ramos, folhas e frutos (GAULD; BOLTON, 1988). A distribuição das espécies galhadoras está restrita principalmente ao Hemisfério Norte, com registro nas regiões Paleártica, Neártica e Oriental (ROININEN et al., 2005). As vespas da família Tenthredinidae são espécies-específicas com algumas poucas exceções conhecidas, induzindo galhas em poucas plantas hospedeiras relacionadas (PRICE, 2003). Tentredinídeos induzem galhas em folhas, ramos e botões florais em 11 gêneros e seis famílias de Angiospermas (Salicaceae, Rosaceae, Caprifoliaceae, Pinaceae e Grossulariaceae), e em espécies de Salix (Salicaceae) principalmente na Região Neártica (PRICE, 2003). Existe uma vasta bibliografia sobre a biologia e ecologia das espécies indutoras de galhas em Salix (PRICE, 2003). Existem cerca de espécies de cinipídeos em 41 gêneros predominantemente encontrados no Hemisfério Norte (RONQUIST, 1995; LILJEBLAD; RONQUIST, 1998). O maior número de espécies conhecidas está na Região Neártica, particularmente no México, onde se estima 700 espécies dessas vespas em 29 gêneros (KINSEY, 1936; STONE et al., 2002). Os cinipídeos são encontrados em todos os continentes, exceto na Austrália. Em número de espécies, elas só perdem para os Cecidomyiidae, mas se igualam na complexidade e na variedade de tipos morfológicos (STONE et al., 2002). Induzem galhas em uma grande variedade de famílias de plantas hospedeiras, em especial, Fagaceae, Fabaceae, Rosaceae e Aceraceae (CSÓKA et al., 2005). Chalcidoidea é uma grande superfamília de vespas parasitóides que atacam um grande número de hospedeiros. Atualmente, são conhecidas mais de espécies (NOYES, 2002, 2003). Espécies indutoras de galhas em Chalcidoidea são encontradas em seis famílias: Agaonidae, Eulophidae, Eurytomidae, Pteromalidae, Tanaostigmatidae e Torymidae (La SALLE, 2005). A seguir, comentamos alguns aspectos da biologia das três principais famílias dentro da Região Neotropical. As vespas da família Agaonidae (Hymenoptera: Chalcidoidea) incluem muitas espécies de vespas intimamente associadas às inflorescências de espécies do gênero Ficus (Moraceae) (GALIL; EISIKOWITCH, 1968; WIEBES, 1979; WEIBLEN, 2002). Os agaonídeos podem induzir as galhas internamente, penetrando nos figos como os polinizadores, ou então induzindo a formação das galhas externas (KERDELHUÉ et al., 2000; KJELLBERG et al., 2005). O número de espécies de agaonídeos supera 900 espécies e são encontradas nas regiões tropicais (PRICE, 1997). As interações íntimas e específicas entre agaonídeos e suas plantas hospedeiras representam, talvez, os exemplos mais claros de coevolução. Tanaostigmatidae é uma pequena família de vespas cuja distribuição é principalmente Neotropical. Atualmente, são conhecidas 92 espécies de Tanaostigmatidae z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 606

11 Capítulo 15 Insetos galhadores 607 em nove gêneros em todo o mundo (La SALLE, 2005). A grande maioria das espécies de Tanaostigmatidae induz a formação de galhas ou são inquilinos em galhas de outros insetos (HARDWICK et al., 2005; La SALLE, 2005). Tanaostigmatidae induzem galhas em arbustos e árvores de Fabaceae, Polygonaceae, Lecythidaceae e Rhamnaceae (La SALLE, 1987, 2005). Em galhas induzidas por uma espécie Anadiplosis (Diptera: Cecidomyiidae) na leguminosa Machaerium aculeatum, Fernandes et al. (1987) registraram a primeira ocorrência de inquilinismo em Tanaostigmatidae. A família Eurytomidae apresenta espécies descritas em 87 gêneros (NOYES, 2002). Os Eurytomidae apresentam espécies parasitóides, fitófagas indutoras ou inquilinas de galhas. As formadoras de galhas são reunidas na subfamília Eurytominae. As galhas são induzidas em espécies de plantas das famílias Myrtaceae, Campanulaceae, Boraginaceae, Orchidaceae e Pinaceae (La SALLE, 2005). O número de galhas induzidas pelos eurytomídeos deve ser aumentado na região tropical à medida que mais estudos sejam realizados (LEITE et al., 2007). Lepidoptera Existem cerca de 180 espécies de lepidópteros indutores de galhas identificados, distribuídos em 20 famílias de plantas. As famílias com maior número de espécies são Gelechiidae e Tortricidae, com 47 e 39 espécies, respectivamente. Lepidópteros indutores de galhas são igualmente encontrados em todas as regiões biogeográficas (MILLER, 2005). Em razão do seu hábito alimentar e do aparelho bucal mastigador, ocorre uma rápida destruição dos tecidos em contato com a larva. Não há diferenciação em um tecido nutritivo. A maior parte das galhas apresenta uma única câmara hospedando uma só larva. As galhas são induzidas pelas larvas, exceto a espécie Heliozela staneella (Fischer Von Röslerstamm) (Heliozelidae), a qual a fêmea injeta uma substância durante a oviposição (MILLER, 2005). Além da identificação dos imaturos, as galhas induzidas por lepidópteros podem ser reconhecidas pela grande quantidade de fezes deixadas pela larva. As galhas dos lepidópteros mostram uma grande variedade de formas, de simples intumescência até estruturas mais complexas parecidas com frutos, que são muito diferentes dos órgãos sadios da planta (DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992). As galhas são predominantemente induzidas nos ramos, embora sejam também comuns em folhas de Melastomataceae (GONÇALVES-ALVIM et al., 1999). Lepidópteros induzem galhas em pelo menos 41 famílias de plantas hospedeiras, destacando-se Asteraceae, Salicaceae e Fabaceae (MILLER, 2005). Diptera Dípteros indutores de galhas ocorrem em sete famílias diferentes, principalmente nas de Cecidomyiidae e Tephritidae. Os cecidomiídeos são os mais importantes z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 607

12 608 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas artrópodes indutores de galhas, amplamente distribuídos em todas as regiões biogeográficas, com espécies descritas em 598 gêneros (GAGNÉ, 2004). Todavia, seu número pode chegar a mais de espécies (ESPÍRITO-SANTO; FERNANDES, 2007). A maioria das espécies de cecidomiídeos descrita está associada a plantas induzindo ou vivendo como inquilinos em galhas enquanto poucas espécies são predadoras (GAGNÉ, 1994). As espécies da subfamília Porrycondilinae alimentam-se de fungos, condição considerada ancestral em relação ao hábito de induzir galhas (GAGNÉ, 1994). Algumas espécies podem induzir galhas em espécies de plantas relacionadas de um mesmo gênero ou de uma mesma família. É rara a existência de espécies polífagas de cecidomiídeos que utilizam plantas hospedeiras em famílias diferentes. Os cecidomíideos são particularmente ricos em espécies em algumas famílias e gêneros de plantas, de acordo com a região biogeográfica. Cecidomíideos são ricos em espécies em plantas hospedeiras do gênero Baccharis (Asteraceae) e Solidago (Asteraceae) nas regiões Neotropical e Neártica, respectivamente (GAGNÉ, 1989; FERNANDES et al., 1996). Os cecidomiídeos são pouco conhecidos na Região Neotropical com 500 espécies e 170 gêneros registrados (MAIA, 2005). No Brasil existem 159 espécies descritas e 75 gêneros (MAIA, 2005). Inúmeras espécies descritas no Brasil são de vegetação de restinga no Estado do Rio de Janeiro (MAIA, 2001 a, b), onde 95 espécies e 47 gêneros foram relatados (MAIA, 2005). Todavia, os registros de cecidomiídeos na vegetação de Cerrado e de outras regiões brasileiras têm aumentado consideravelmente nos últimos anos (MAIA; FERNANDES, 2004, 2006). Aproximadamente, 5 % das espécies descritas de tefritídeos são indutoras de galhas, a maioria é da subfamília Tephritinae (FREIBERG, 1998; KORNEYEV et al., 2005). As galhas são induzidas principalmente em ramos, flores, folhas e raízes; e mais de 90 % das galhas conhecidas são induzidas em espécies de plantas hospedeiras da família Asteraceae (FREIBERG, 1998). Por exemplo, Tomoplagia rudolphi (Lutz & Lima) forma galhas em Vernonia polianthes (Asteraceae), planta hospedeira amplamente distribuída na Região Sudeste do Brasil (SILVA et al., 1996). As famílias Melastomataceae, Aquifoliaceae, Acanthaceae, Fabaceae e Onagraceae também são atacadas por tefritídeos galhadores (FREIBERG, 1984). Até onde é conhecido, os indutores de galhas da família Chloropidae são confinados a plantas hospedeiras da família Poaceae, com exceção das espécies do gênero Eurin que induzem galhas em espécies de Cyperaceae do gênero Scirpus (DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992). Como em outros dípteros ciclorrafos indutores de galhas, a formação da galha não se inicia com a oviposição. Os ovos são colocados externamente sobre os ramos ou nas lâminas foliares e, após a eclosão, as larvas abrem uma abertura nos ramos com suas peças bucais penetrando-o ativamente (BRUYN, 2005). Uma vez dentro dos ramos a larva inicia a alimentação sobre as folhas que estão envolvendo o meristema. Embora a família seja amplamente distribuída, os trabalhos sobre espécies indutoras de galhas estão concentrados nas regiões Paleártica e Neártica. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 608

13 Capítulo 15 Insetos galhadores 609 Padrões de utilização do alimento Especialização Insetos indutores de galhas são definidos como uma guilda alimentar de insetos herbívoros que, para completar o seu ciclo de vida, obrigatoriamente, desenvolve uma modificação patológica no tecido da planta hospedeira, a galha. De maneira geral, cada espécie de inseto induz uma galha em um único órgão de determinada espécie de planta hospedeira (DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992; FLOATE et al., 1996). Algumas poucas espécies podem induzir galhas em espécies de plantas relacionadas, espécies de um mesmo gênero ou de uma mesma família; é rara a existência de espécies polífagas, que utilizam plantas hospedeiras em famílias diferentes (RAMAN et al., 2005). Dessa forma, as espécies de insetos indutores de galhas são, muitas vezes, separadas com base na morfologia externa da galha, em combinação com o órgão e a espécie da planta hospedeira (FERNANDES; PRICE, 1988; PRICE et al., 1998). Esse fato sugere que a morfologia da galha pode ser um fator-chave na evolução do inseto galhador e da sua planta hospedeira (STONE; SCHÖNROGGE, 2003). A especificidade dos insetos galhadores é tão alta que, em alguns casos, eles têm sido utilizados como agentes taxonômicos. Insetos apresentam uma relação tão estreita com suas plantas hospedeiras que eles são sensíveis a pequenas diferenças no genótipo da planta e podem, assim, discriminar indivíduos dentro de populações no campo (ASKEW, 1962; FRITZ; PRICE, 1988; SCHOWALTER; HAVERTY, 1989; AKIMOTO, 1990; FLOAT et al., 1996). Por exemplo, por meio do conhecimento da distribuição de insetos galhadores foi possível separar parcialmente ou quase completamente híbridos da geração parental em zonas de sobreposição de carvalhos (Quercus) (AGUILAR; BOECKLEN, 1992), de salgueiros (Salix) (FRITZ et al., 1994) e de Populus (FLOATE; WHITHAM, 1995). A espécie de Asteraceae Chrysothamnus nauseosus possui mais de duas dezenas de subespécies no oeste da América do Norte de difícil separação por métodos taxonômicos convencionais. FLOATE et al. (1996) utilizaram com sucesso a comunidade de insetos galhadores para separar duas subespécies cuja distribuição se sobrepõe no deserto de Sonora, Arizona (C.n. hololeucus e C.n. consimilis) (Fig. 4). Assim, dado o grau de especificidade dos insetos galhadores e do conhecimento diferencial da sua distribuição, pode-se até separar categorias intrapopulacionais de genótipos de plantas (McARTHUR, 1986). Alguns taxonomistas no Brasil têm também utilizado galhas de insetos para auxiliar no reconhecimento de espécies de plantas de difícil separação (RIBEIRO et al., 1999). Táxons de plantas hospedeiras As espécies de plantas vasculares são as principais hospedeiras de artrópodes indutores de galhas, variando de Gimnospermas (principalmente coníferas) a dicotiledôneas. De maneira geral, as plantas com flores (Angiospermas) apresentam z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 609

14 610 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Fotos: G. Wilson Fernandes Fig. 4. Algumas galhas da comunidade de insetos em Chrysthamnus nauseosus hololeucus e Chrysthamnus nauseosus consimilis no deserto de Sonora, EUA. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 610

15 Capítulo 15 Insetos galhadores 611 mais espécies de insetos galhadores associados a elas. Por exemplo, no Brasil, as famílias destacadamente com maior número de insetos galhadores associados são: Asteraceae, Myrtaceae, Malpighiaceae, Fabaceae, Rubiaceae e Bignoniaceae (FERNANDES, 1987, 1992); FERNANDES et al., 1988, 1996; 1997; JULIÃO et al., 2002; MAIA, 2001b; MAIA; FERNANDES, 2004). Em uma área do Cerrado brasileiro, em Minas Gerais, as famílias Fabaceae, Myrtaceae, Malpighiaceae, Bignoniaceae e Malvaceae englobam 65 % das espécies de plantas hospedeiras e 70 % das espécies de insetos galhadores (GONÇALVES-ALVIM; FERNANDES, 2001 a, b). Todavia, uma análise breve indica grande variação na freqüência de famílias atacadas, de acordo com o bioma. Talvez uma explicação seja a freqüência de ocorrência das famílias. Contudo, uma idéia conclusiva deve emergir após estudos mais amplos em todos os biomas brasileiros. Quando se consideram regiões biogeográficas, a riqueza de espécies de insetos galhadores varia amplamente, mas com a ocorrência de elevado número de galhas em alguns táxons de plantas. Espécies de plantas do gênero Baccharis (FERNANDES et al., 1996), por exemplo, apresentam grande número de espécies de insetos associados (Tabela 1). Na região de Ouro Preto, Baccharis pseudomyriocephala (Fig. 5) sustenta 11 espécies de organismos indutores de galhas (ARAÚJO et al., 2003). Além de espécies do gênero Baccharis, espécies de Copaifera (Região Neotropical GWF, observação pessoal), de Solidago, e Chrysothamnus (Região Neártica, GAGNÉ, 1994; FERNANDES, 1992) são ricos em espécies de Cecidomyiidae; Quercus e Rosa (Região Neártica) e Acacia (Região Etiópica) são ricos em espécies de Cynipidae (SHORTHOUSE, 1992, STONE et al., 2002); e Eucalyptus (Região Australiana) são ricos em espécies de Chalcidoidea e Coccoidea (BLANCHE, 1994). No deserto de Sonora, Atriplex, Chrysothamnus e Larrea representam táxons com altíssima diversidade de insetos galhadores (McARTHUR, 1986; McARTHUR et al., 1979; WARING; PRICE, 1990; FERNANDES; PRICE, 1988). Esses dados indicam a existência de super-hospedeiros, ou seja, táxons de plantas hospedeiras que sustentam grande número de insetos galhadores associados (FERNANDES; PRICE, 1988; VELDTMAN; McGEOCH, 2003; ESPÍRITO-SANTO et al., 2007). Essa conclusão é apoiada no fato de que alguns poucos táxons de plantas hospedeiras concentram grande número de espécies de insetos, independentemente da amostragem (HAWKINS; COMPTON, 1992). Contudo, os mecanismos ecológicos e as pressões seletivas que influenciam esses padrões dentro de determinados táxons ainda permanecem sem explicações ou estudos adequados. Galhas Morfologia interna e fisiologia Com relação à sua estrutura, as galhas mais bem estudadas são as induzidas por Cecidomyiidae e Cynipidae. Morfologicamente as galhas de cinipídeos são caracterizadas por uma região interna, formada pelos tecidos nutritivos e pela larva do inseto em desenvolvimento; e uma região externa constituída por uma epiderme e z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 611

16 612 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Tabela 1. Espécie do gênero Baccharis e o número de espécies de insetos galhadores. Plantas hospedeiras Riqueza de galhadores Baccharis aphylla 1 Baccharis artemisioides 1 Baccharis bogotensis 2 Baccharis boyacensis 1 Baccharis capitalensis 1 Baccharis cf. bacchridastrum cabr. 1 Baccharis concinna 15 Baccharis confertifolia 1 Baccharis coridifolia 2 Baccharis dracunculifolia 17 Baccharis effusaaphylla 1 Baccharis elaegnoides 1 Baccharis eupatorioides 3 Baccharis genistelloides 1 Baccharis glutinosa 1 Baccharis latifolia 5 Baccharis lineares 1 Baccharis macrantha 2 Baccharis microphylla 1 Baccharis myrsinites 1 Baccharis nitida 2 Baccharis paucidentata 2 Baccharis platypoda 3 Baccharis poeppigiana 1 Baccharis prunifolia 1 Baccharis pseudomyriocephala 11 (1) Baccharis rosmarinifolia 7 Baccharis salicifolia 13 Baccharis schultzii 2 Baccharis serrulata 4 Baccharis spartioides 2 Baccharis subulata 2 Baccharis tricuneata 1 Baccharis trimera 1 Baccharis trinervis 2 Baccharis vulnerave 1 Total 125 (1) Araújo et al. (2003). Fonte: Fernandes et al. (1996). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 612

17 Capítulo 15 Insetos galhadores 613 Ilustração : Miriam Duarte Fig. 5. Galhas induzidas por diferentes espécies em Baccharis pseudomyriocephala Teodoro. As galhas G1 até a G8 são induzidas por espécies de insetos da família Cecidomyiidae (Diptera), a galha G 9 é induzida por uma espécie de Lepidoptera e G10 por uma espécie de inseto da família Psyllidae (Hemiptera) (as espécies são desconhecidas). Fonte: Araújo et al. (1993). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 613

18 614 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas uma camada de parênquima cortical (REY, 1992). A região interna é formada por um parênquima nutritivo e por um tecido nutritivo, que é formado a partir do parênquima. A larva do inseto está em contato com o tecido nutritivo que limita a parede interna da câmara larval. A diversificação da região externa é a responsável pela grande variabilidade de tipos morfológicos de galhas (STONE et al., 2002; STONE; COOK, 2003). Em galhas induzidas por muitos cinipídeos, a região interna e externa está separada por uma camada fina de esclerênquima. O número de larvas ou ninfas por câmara pode variar de um a centenas (Fig. 6). Insetos indutores de galhas não controlam apenas os padrões de desenvolvimento da planta hospedeira, mas também a sua fisiologia. Diferentes estudos mostram a existência de gradientes fisiológicos dentro e fora dos tecidos da galha (BRONNER, 1992; HARTLEY, 1998; NYMAN; JULKUNEN-TIITTO, 2000). A galha atua como um dreno de nutrientes da planta hospedeira mobilizando-os de outros tecidos da planta (KIRST; RAPP, 1974; FAY et al., 1993; WHITHAM, 1992). Um grande conjunto de evidências sustentam a afirmação de que o inseto indutor é capaz de manipular a Fotos: G. Wilson Fernandes Fig. 6. Galhas apresentam de uma a várias larvas por câmara ou loja e de uma a várias lojas por galha: (A) Galha unilocular de Cecidomyiidae contendo uma larva em Chrysothamnus nauseosus holeleucus (Asteraceae); (B) Galha com duas lojas contendo uma larva de Cecidomyiidae por loja em Chrysothamnus nauseosus hololeucus; (C) Galha multilocular contendo uma larva por loja em Chrysothamnus nauseosus hololeucus; e (D) Centenas de ninfas e adultos de Melaphis rhois Ficht (Aphididae) em galha unilocular em Rhus glabra (Anacardiaceae). z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 614

19 Capítulo 15 Insetos galhadores 615 planta hospedeira, induzindo a formação de um tecido nutricionalmente superior a outros tecidos sadios da planta, o tecido nutritivo (MANI, 1964; SHANNON; BREWER, 1980; ROHFRITSCH; SHORTHOUSE, 1992; BRONNER, 1992). As células desse tecido apresentam alta concentração de lipídios, glicose, aminoácidos, e uma alta atividade de enzimas estruturais e enzimáticas, incluindo fosfatases, proteases e aminopeptidases ricas em RNA ribossômico e RNA do nucléolo (BRONNER, 1992). As células do parênquima nutritivo desempenham o papel de células de reserva ou estoque, caracterizando-se por apresentarem uma alta concentração de amido, baixa concentração de lipídeos e glicose, e pouca atividade enzimática. À medida que a larva do inseto se alimenta das células do tecido nutritivo, há reposição destas pelas células do parênquima nutritivo circundante (BRONNER, 1992). Dessa forma, ocorre a formação de um gradiente que parece desempenhar papel fundamental na manutenção do suprimento de nutrientes para a larva do inseto em desenvolvimento (BRONNER, 1992). Além disso, o tecido nutritivo não apresenta compostos secundários defensivos (HARTLEY; LAWTON, 1992; HARTLEY, 1998; NYMAN; JULKUNEN-TIITTO, 2000). Estudo realizado em galhas induzidas por tentredinídeos em espécies de salgueiro (Salix) mostrou que as substâncias defensivas são comuns nos tecidos externos das galhas, sugerindo que o inseto pode se beneficiar de suas propriedades defensivas contra outros insetos (NYMAN; JULKUNEN-TIITTO, 2000). No Brasil, ainda existem poucos estudos dessa natureza, mas na espécie de Melastomataceae, Tibouchina pulchra, análises químicas de galhas induzidas por uma espécie de Lepidoptera revelaram que compostos defensivos foram menos abundantes nos tecidos nutritivos e mais freqüentes nos tecidos externos da galha, enquanto carboidratos e lipídeos foram mais abundantes nos tecidos da galha do que nos tecidos sadios da planta (MOTTA et al., 2005). Entretanto, em algumas galhas não ocorre a formação de um tecido nutritivo, este é o caso de algumas galhas formadas por poucos representantes da família Cecidomyiidae (BRONNER, 1992). Dois tipos de galhas podem ser identificadas: as galhas rudimentares que apresentam uma morfologia simples e suas larvas se alimentam diretamente do conteúdo celular, ou então as galhas de ambrósia induzidas por cecidomiídeos pertencentes a três tribos: Asphondyliini, Alycaulini e Lasiopterini (MEYER, 1987; YUKAWA; ROHFRITSCH, 2005). As galhas são chamadas de ambrósia em referência às similaridades do hábito alimentar desses cecidomiídeos com os besourosde-ambrósia (MEYER, 1987). Nessas galhas, o tecido nutritivo está geralmente ausente e as larvas se alimentam das hifas de fungo que revestem a câmara larval (BRONNER, 1992). As hifas de fungos são introduzidas nos tecidos da planta durante a oviposição nos Asphondyliini, ou então pelo primeiro ínstar larval nos Alycaulini e Lasiopterini (YUKAWA; ROHFRITSCH, 2005). Até o momento, foram registradas galhas de ambrósia nas espécies Baccharis concinna, B. dracunculifolia (ARDUIM; KRAUS, 2001) e Bauhinia brevipes (SÁ et al., 2007) no Brasil. Estas galhas não se diferem na morfologia externa das galhas nas quais não há associação com fungos. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 615

20 616 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Desenvolvimento da galha O processo de desenvolvimento das galhas passa por quatro fases diferentes: iniciação, crescimento e diferenciação, maturação e deiscência (DREGER-JAUFFRET; SHOURTHOUSE, 1992; ARDUIM et al., 2005). A fase de iniciação é caracterizada por uma sucessão de eventos que definem o reconhecimento do sítio de oviposição (tecido, órgão e planta hospedeira) e o comportamento do inseto indutor. É uma fase crítica e os eventos durante a oviposição e/ou alimentação introduzem importantes modificações nos tecidos da planta hospedeira. De maneira geral, os insetos indutores de galhas necessitam de um tecido reativo, o tecido meristemático para a formação da galha (MANI, 1964; WEIS et al., 1988; DREGER-JAUFFRET; SHOURTHOUSE, 1992). Poucos são os exemplos conhecidos de formação de galhas em tecidos não meristemáticos, por exemplo, as galhas-deambrósia em B. concinna e dracunculifolia (ARDUIM; KRAUS, 2001). Como a base molecular dos mecanismos de indução permanece desconhecida para as galhas induzidas por insetos há grande debate sobre o papel do inseto e da planta hospedeira no processo de formação da galha. De maneira geral, os estímulos de indução da galha têm origem durante a atividade alimentar do primeiro ínstar larval e mais raramente durante a oviposição (fluidos corporais da fêmea ou do ovo). Em alguns grupos, o papel da alimentação larval pode ter maior ou menor participação durante o seu desenvolvimento. Por exemplo, em tentredinídeos, a indução da galha é iniciada pelos fluidos produzidos pelas glândulas acessórias do sistema reprodutor feminino, e que são injetados na planta durante a oviposição juntamente com os ovos (MEYER, 1987). Em cinipídeos, o processo de iniciação da galha pode ter sua origem nos fluidos da fêmea, do ovo ou da larva (BRONNER, 1973; ROHFRITSCH; SHORTHOUSE, 1982). Em Coleoptera, as galhas podem ser induzidas pelas larvas (p. ex., Buprestidae) ou durante a oviposição, quando os ovos são postos em uma cavidade preparada pela fêmea (KOROTYAEV et al., 2005). Em hemípteros galhadores, Psiloidea (BURCKHARDT, 2005) e Coccoidea (GULLAN et al., 2005) as galhas, em geral, são iniciadas pela atividade alimentar das ninfas de primeiro ínstar, embora o mecanismo exato ainda seja desconhecido. Há evidências de que a alimentação dos afídeos por meio do sistema vascular da planta modifica os hormônios, iniciando a formação da galha (WOOL, 2005). Em tisanópteros a formação da galha é o resultado da atividade alimentar do inseto. Por se alimentar do conteúdo de células vegetais, uma de cada vez, com a expansão foliar, a folha torna-se distorcida por causa da presença de células mortas em conseqüência da alimentação dos insetos (MOUND; MORRIS, 2005). No caso dos tisanópteros indutores de galhas, as células vizinhas (geralmente do mesófilo, ANANTHAKRISHNAN; RAMAN, 1989) das células mortas, por causa da alimentação dos insetos, são estimuladas por um mecanismo ainda desconhecido (MOUND; KRANZ, 1997) a se tornarem meristemáticas e a produzirem uma nova estrutura. Um terceiro organismo pode participar do processo de formação da galha, como no caso descrito para a galha-dez - Miolo-Bioecologia 2.pmd 616

21 Capítulo 15 Insetos galhadores 617 ambrósia ou então a morfologia da galha pode ser modificada por inquilinos e parasitóides, como acontece em cinipídeos (STONE et al., 2002). A fase de crescimento e diferenciação da galha é o período no qual a biomassa da galha aumenta extraordinariamente em decorrência do aumento do número de células hiperplasia celular (divisão celular) e/ou do aumento do tamanho celular hipertrofia. O aumento é definido pela atividade alimentar da larva. Fluidos da saliva do inseto modificam a parede celular e dissolvem o conteúdo celular. A atividade larval define então a forma da câmara larval e possivelmente a forma externa da galha (ROHFRITISCH; SHORTHOUSE, 1982). A fase de maturação da galha ocorre quando o inseto está no seu último ínstar larval, período no qual consome grande quantidade de alimento. Essa é a principal fase alimentar do inseto, ele ingere ativamente uma massa de tecido nutritivo, ricamente vascularizado, a qual divide a galhas em duas regiõe: uma interna controlada pelo inseto indutor e uma outra externa ou o córtex da galha, que está mais sob a influência da planta (DREGER-JAUFFRET; SHOURTHOUSE, 1992). Finalmente, a fase de deiscência ou a abertura da galha ocorre no final do período de maturação, quando acontece a maior mudança fisiológica e química dos tecidos da galha. Durante essa fase, o fluxo de nutrientes e de água cessa para as galhas. Classificações As galhas podem ser classificadas como organóides ou histióides em relação ao grau de expressão das potencialidades de desenvolvimento manifestadas pelas células (MEYER, 1987; DREGER-JAUFFRET; SHORTHOUSE, 1992). As galhas do tipo organóides são as que pouco diferem estruturalmente do padrão de crescimento normal da planta e o órgão da planta, mesmo atacado, não perde sua identidade. As galhas organóides são representadas pelas intumescências, calos formados normalmente por insetos e fungos. As galhas do tipo histióides exibem grande variedade de fenômenos de crescimento anormal, onde os padrões de crescimento do órgão da planta hospedeira são alterados e ocorre o rearranjo e o aparecimento de novos tipos de tecidos. As galhas histióides podem ser divididas em cataplasmas ou prosoplasmas. As galhas do tipo cataplasmas são amorfas e variáveis em volume e extensão. São menos organizadas e diferenciadas do que o órgão hospedeiro e consistem principalmente de diferentes camadas de células de parênquima histologicamente indiferenciadas. Geralmente, as galhas induzidas por hemípteros são do tipo cataplasma. As galhas do tipo prosoplasmas são altamente organizadas, apresentando tamanho e forma definidos. Histologicamente, são mais complexas e formadas por tecidos diferenciados, embora o grau de diferenciação do tecido seja variável e dependente do inseto indutor. As galhas são induzidas principalmente por cecidomiídeos e cinipídeos. Os animais que causam esse tipo de galhas são usualmente sedentários e conseqüentemente o sítio de estimulação e controle da morfogênese é localizado. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 617

22 618 Bioecologia e nutrição de insetos Base para o manejo integrado de pragas Diferentes sistemas de classificação dos tipos morfológicos de galhas são adotados. Uma das primeiras classificações foi proposta por E. Kuster em 1903 (LAREW, 1982) baseada na posição do galhador e no tipo de desenvolvimento da galha. De acordo com essa classificação existem seis principais modelos de formação da galha (Fig. 7): Galhas de cobertura (covering galls): nelas o inseto torna-se encapsulado dentro da galha, podendo apresentar uma abertura (ostíolo/opérculo) ou não. Galhas felpudas (filz galls): são caracterizadas basicamente pela densa pilosidade nas suas paredes externas (usualmente em folhas) onde se abrigam os indutores. Galhas de enrolamento ou dobramento (roll and fold galls): apresentam crescimento diferencial provocado pelo hábito alimentar do inseto, resultando no enrolamento, torção ou dobramento de folhas e ramos, que são freqüentemente intumescidas. Galhas em bolsa (pouch galls): nas quais ocorre crescimento de tecidos em uma área restrita em torno da larva, produzindo uma invaginação pelo crescimento diferencial em um dos lados da lâmina foliar. Seus tecidos podem ter diferentes graus de diferenciação, sendo o revestimento da câmara larval originado da epiderme do órgão. Fig. 7. Tipos morfológicos de galha tendo por base a posição do inseto galhador e o desenvolvimento da galha (LAREW, 1982): (A) Lâmina foliar sadia; (B) Galhas felpudas; (C) Galhas em ponto; (D) Galha discóide ou em vesícula; (E e F) Galhas em bolsa; (G) Galhas de enrolamento; (H e I) Galhas de dobramento; (J e K) Galhas de cobertura; (L) Ramo sadio; (M) Galha de cobertura; (N) Galhas típicas com várias câmaras; (O) Ramo terminal sadio; (P) Galha em roseta (com aumento do número de folhas); e (Q) Galha em botão (diminuição do número de folhas). Fonte: Dreger-Jauffret e Shorthouse (1992). Ilustração: Miriam Duarte. z - Miolo-Bioecologia 2.pmd 618

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1

Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 277 Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 1 Departamento de Entomologia, Museu

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1 Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira PREDADOR Conceito Vida livre durante todo o ciclo de vida Maior Indivíduo mata e consome um grande número de presas

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI

MORFOLOGIA VEGETAL. Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI MORFOLOGIA VEGETAL Morfologia externa e interna da raiz e do caule PROFª SANDRA BIANCHI INTRODUÇÃO Dois dos processos mais interessantes e complexos que ocorrem durante o ciclo de vida das plantas produtoras

Leia mais

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores

Fatos e Conceitos Procedimentos e Habilidades Atitudes, Normas e Valores Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: FARMACOBOTÂNICA Professor(es): FÁTIMA MARIA MOTTER MAGRI Carga horária: DRT: 1125359 Código da Disciplina: 061.1303.6

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Parte subterrânea da planta, funções:

Parte subterrânea da planta, funções: Parte subterrânea da planta, funções: Absorção (água e substâncias dissolvidas nela); Condução (até a parte aérea); Fixação da planta no solo; Reserva (cenoura, rabanete...) Primeira das partes embrionárias

Leia mais

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES CARACTERÍSTICAS BÁSICAS ARTHROPODA Exoesqueleto quitinoso Bilatérios Filo mais numeroso Características que definem o Grupo Apêndices articulados

Leia mais

É muito mais que encanto é saúde é sustento, É a mão da natureza aos mortais exibida Na condição de flor delicada e inocente.

É muito mais que encanto é saúde é sustento, É a mão da natureza aos mortais exibida Na condição de flor delicada e inocente. Cai a noite escura, e no céu estendidas, As estrelas cintilam com pele reluzente. E a flor da paixão, toda em seda vestida, Enfeita a nossa terra da aurora ao poente. Planta audaciosa e de flor colorida

Leia mais

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por:

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia. Trabalho elaborado por: Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia Trabalho elaborado por: Cátia Lucélia Sousa e Silva 11º A 5 nº5 Turno: B Março de 2004 Objectivos No âmbito da disciplina da Técnicas Laboratoriais de

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Manejo Integrado de Pragas CATI / Campinas-SP 11/11/2011 Miguel Francisco de Souza Filho Pesquisador Científico Instituto Biológico - APTA Caixa Postal 70 CEP 13012-970 / Campinas - SP e-mail: miguelf@biologico.sp.gov.br

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Botânica Aplicada a Farmácia Código: FAR 102 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG.

INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG. dos seus autores INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG. PAOLA FERREIRA SANTOS 1, POLYANNE APARECIDA COELHO 1, RUBENS MANOEL DOS SANTOS 2, WARLEY

Leia mais

46. Com relação à pequena circulação, assinale a afirmativa CORRETA:

46. Com relação à pequena circulação, assinale a afirmativa CORRETA: 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 2 O DIA GABARITO 1 29 BIOLOGIA QUESTÕES DE 46 A 60 46. Com relação à pequena circulação, assinale a afirmativa CORRETA: a) A artéria pulmonar sai do ventrículo esquerdo e transporta

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral

HISTOLOGIA VEGETAL. Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL Profº. Amaral HISTOLOGIA VEGETAL A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico

Leia mais

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos Sam Elliot DIPTERA (Fonte: UNICAMP) O que está acontecendo? DESENVOLVIMENTO: Crescimento Padrões de Desenvolvimento Controle Hormonal Importância Evolutiva

Leia mais

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =)

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =) 7 ANO AULA DE CIÊNCIAS Professora Andressa =) 7 ANO PLANTAS Apostila volume 4 Importâncias Influência nas condições ambientais Influência no clima Fonte de Alimento para grande Abrigo para inúmeras

Leia mais

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA

TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA TECIDOS VEGETAIS BOTÂNICA Histologia Vegetal Quais são os principais tecidos encontrados no corpo de uma planta? 1 Tecidos meristemáticos ou embrionários tecidos meristemáticos primários tecidos meristemáticos

Leia mais

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE ORDEM HYMENOPTERA (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino: Filo: Classe: Superordem: Ordem: Animalia Arthropoda Insecta desenvolvimento e Importancia

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito

Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito Exercícios de Fisiologia Vegetal sobre Transporte de Seiva com Gabarito 1) (Fuvest-2000) Entre as plantas vasculares, uma característica que pode ser usada para diferenciar grupos é: a) presença de xilema

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA Questão 1: É sabido que indivíduos homozigotos recessivos para alelos mutados do gene codificador da enzima hexosaminidase desenvolvem uma doença conhecida como Tay-Sachs, e morrem antes do quarto ano

Leia mais

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese.

Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. 1 2 Segundo a classificação de Whittaker (1969), as plantas são organismos eucariontes, multicelulares, autótrofos, que realizam fotossíntese. Neste caso, incluem-se as algas multicelulares (Chlorophyta,

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

Resumo de Algumas Ordens de Insetos

Resumo de Algumas Ordens de Insetos Resumo de Algumas Ordens de Insetos Prof. Júlio Martins Coleoptera - Besouros Nome: Coleo (estojo) + ptera (asas) Situação: 40% da classe, com mais de 300 mil espécies descritas. Características: aparelho

Leia mais

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 06 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fisiologia Vegetal II Anatomia vegetal... 1 Relações hídricas na planta... 2 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Anatomia vegetal Identificação de estruturas

Leia mais

BIOLOGIA IACI BELO. Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas?

BIOLOGIA IACI BELO. Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas? BIOLOGIA IACI BELO www.iaci.com.br ASSUNTO: EVOLUÇÃO CONVERGENTE Série: 3EM Como duas espécies distintas podem evoluir para formas idênticas? por Joshua Clark - traduzido por HowStuffWorks Brasil Há cerca

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

É a parte da Botânica que estuda os tecidos

É a parte da Botânica que estuda os tecidos É a parte da Botânica que estuda os tecidos vegetais - Crescimento Tecidos vegetais -Adultos permanentes -Meristema primário -Meristema secundário -De revestimento -De sustentação -De condução -Parênquimas

Leia mais

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules.

Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Gabarito: Gabarito: a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. Questão 1 a) Novas folhas são feitas utilizando as reservas contidas nas raízes e caules. b) Não. Na caatinga os ciclos de chuvas são irregulares ao longo do ano, enquanto que no cerrado há um período

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio

Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio Relações Ecológicas Tema: Ecologia Ciências Naturais 6º ano Lígia Palácio 1) Introdução A interação dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho Introdução de Pragas Florestais no Brasil Globalização Turismo Internacional Fronteiras

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

A origem e a importância dos insetos como pragas em plantas cultivadas. Prof. Dr. Bráulio Santos Eng. Agr., Entomologista bsantos@ufpr.

A origem e a importância dos insetos como pragas em plantas cultivadas. Prof. Dr. Bráulio Santos Eng. Agr., Entomologista bsantos@ufpr. A origem e a importância dos insetos como pragas em plantas cultivadas Prof. Dr. Bráulio Santos Eng. Agr., Entomologista bsantos@ufpr.br ORIGEM DA RELAÇÃO INSETO/PLANTA RECURSOS ALIMENTARES NATURAIS DA

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

Aquisição 1: Vantagem adaptativa: Aquisição 2: Vantagem adaptativa: Aquisição 3: Vantagem adaptativa:

Aquisição 1: Vantagem adaptativa: Aquisição 2: Vantagem adaptativa: Aquisição 3: Vantagem adaptativa: A prova de Biologia da segunda fase do vestibular 2015 da UFPR abordou diferentes temas, interrelacionando-os, favorecendo o candidato que estuda de forma interativa os diferentes aspectos da Biologia

Leia mais

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo:

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo: MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA A membrana plasmática é constituída de uma camada dupla de lipídeos. Nesta camada, existem moléculas de proteínas encaixadas. Essas moléculas de proteínas

Leia mais

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisadora - Entomologia Agrícola Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas

b) Justifique sua resposta. Resolução a) A afirmação não é válida. b) Os vírus são parasitas obrigatórios de células procarióticas 1 BIOLOGIA Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células procarióticas. a) A afirmação

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera.

BIOLOGIA. Questão 2 a) Criptógamas. b) Fanerógamas. c) Espermatófitas. d) avasculares. e) vasculares ou traqueófitas. f) Monera. BIOLOGIA Prof. Fred AULA 1 EVOLUÇÃO E REPRODUÇÃO DOS GRUPOS VEGETAIS SERIE AULA a) Final do Carbonífero: Final do Carbonífero: raízes, caules e folhas. Início do Cretáceo: Início do Cretáceo: raízes, caules,

Leia mais

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006)

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) QUESTÕES OBJETIVAS 01. A evolução das fases esporofítica (E) e gametofítica (G) em diferentes grupos de plantas está representada na figura ao lado. Assinale

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 2ª fase - específicas www.planetabio.com 1- O quadro abaixo mostra diferenças que ocorrem no reino animal quanto ao plano corporal e aos sistemas digestório, circulatório e nervoso: Os anelídeos, por exemplo, apresentam as características A3,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

1º ano. 2º ano. Os seres vivos, Evolução e Classificação

1º ano. 2º ano. Os seres vivos, Evolução e Classificação 1º ano A Origem da Vida Histórico da busca pela origem da vida Livro 1- Unidade 2 - p. 52 Abiogênese Livro 1- Unidade 2 - p. 52 Criacionismo Livro 1- Unidade 2 - p. 52 A origem da vida através da Evolução

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas.

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas. BIOMAS TROPICAIS Os ecossistemas tropicais se encontram entre as latitudes 22 graus Norte e 22 graus Sul. Os ecossistemas predominantes na maioria das áreas tropicais são as florestas tropicais e as savanas.

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Solução Comentada Prova de Biologia

Solução Comentada Prova de Biologia 11. Em relação à importância dos organismos autotróficos na modificação da atmosfera na Terra primitiva, analise as proposições abaixo e marque com V as verdadeiras e com F as falsas. 1 ( ) Com a liberação

Leia mais

03. Resposta (D) Provas resolvidas da UFRGS 2006. Biologia

03. Resposta (D) Provas resolvidas da UFRGS 2006. Biologia Provas resolvidas da UFRGS 2006 Biologia 01. Resposta (C) A Teoria da evolução molecular (proposta inicialmente por Thomas Huxley e depois retomada por Oparin) admite que o surgimento da vida resulta da

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

Comunidade Zooplanctônica de Águas Doces

Comunidade Zooplanctônica de Águas Doces Comunidade Zooplanctônica de Águas Doces Emanuela C. de Freitas (Mestre em Ecologia e Recursos Naturais) O zooplâncton é o termo genérico para um grupo de animais de diferentes espécies, tendo uma característica

Leia mais

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio

Relações ecológicas. Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Relações ecológicas Professora: Reisila Migliorini Mendes - Biologia 1ª série - Ensino Médio Classificação Intraespecífica: entre indivíduos da mesma espécie. Interespecífica: entre indivíduos de espécies

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO (Thaumastocoris peregrinus) (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE): AMEAÇA ÀS FLORESTAS DE EUCALIPTO BRASILEIRAS Prof.

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA Os modelos de questões utilizados na prova de biologia seguiram o mesmo padrão dos anos anteriores. De uma forma geral, as questões se caracterizaram por apresentar um nível

Leia mais

A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil

A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil Lundiana 7(2):111-120, 2006 2006 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil G. Wilson Fernandes & Daniel

Leia mais

b) Qual a vantagem de se injetar nos pacientes células-tronco extraídas deles mesmos?

b) Qual a vantagem de se injetar nos pacientes células-tronco extraídas deles mesmos? SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3ª Série

Leia mais

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema

XILEMA PRIMÁRIO. Duas partes: Protoxilema e Metaxilema. Protoxilema: diferenciação ocorre cedo lacunas do protoxilema TECIDO DE CONDUÇÃO E TECIDO DE SECREÇÃO Prof Marcelo Francisco Pompelli CCB - Botânica Xilema TECIDO DE CONDUÇÃO Xilema e Traqueídes Elementos de vaso Células Parenquimáticas Fibras Elementos crivados

Leia mais

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ;

26/6/2012. STEWART (década de 1950) Confirmou os resultados de van Overbeek, ou seja, a água de coco continha várias cinetinas ; UNIDADE IX HORMÔNIOS E REGULADORES DE CRESCIMENTO PARTE II PRINCIPAIS CLASSES DE HORMÔNIOS: CITOCININAS (REGULADORES DA DIVISÃO CELULAR) 1. DESCOBERTA, IDENTIFICAÇÃO E PROPRIEDADES 2. OCORRÊNCIA, METABOLISMO

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS:

Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Fisiologia Vegetal 1. A ÁGUA NA VIDA DAS PLANTAS: Papel fundamental na vida da planta para cada grama de matéria orgânica produzida, 500 g de água são absorvidas pelas raízes, transportadas pelo corpo

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS ORGÂNICOS Prof. Tomás de Aquino Portes Goiânia, maio de 2008 1 CAPÍTULO 8 Translocação

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais