RESUMO ÓLEOS ESSENCIAIS DE ESPÉCIES DE EUCALYPTUS TECNOLOGIA AGROALIMENTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO ÓLEOS ESSENCIAIS DE ESPÉCIES DE EUCALYPTUS TECNOLOGIA AGROALIMENTAR"

Transcrição

1 ÓLEOS ESSENCIAIS DE ESPÉCIES DE EUCALYPTUS Por: A. Cristina Figueiredo 1*, Luis G. Pedro 1, José G. Barroso 1, Helena Trindade 1, João Sanches 2, Carlos Oliveira 3, Miguel Correia 3 1Univ. de Lisboa, Fac. de Ciências de Lisboa, DBV, IBB, Centro de Biotecnologia Vegetal, C2, Campo Grande, Lisboa, Portugal, 2 Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, DCNFLVT, Apartado 59 CNEMA, Quinta das Cegonhas, Santarém, Portugal, 3 Força Aérea Portuguesa Campo de Tiro, EN 118, Alcochete, Portugal. RESUMO O género Eucalyptus, compreende mais de 700 espécies, sendo algumas delas fonte importante de matéria-prima para a indústria madeireira e de celulose e bem assim de óleos essenciais de elevado valor para a indústria farmacêutica e de perfumaria. O óleo essencial de espécies de eucalipto, rico em 1,8 cineole (eucaliptol), é de relevância para a indústria farmacêutica, ou, pelo seu aroma, importante na perfumaria. Este óleo é também valorizado pelas suas propriedades anti-microbianas e anti-sépticas, sendo geralmente utilizado no alívio das afecções respiratórias. Os óleos essenciais, isolados das folhas das 20 espécies de Eucalyptus, colhidas na Mata Experimental do Escaroupim, foram obtidos com rendimentos entre % (v/p.f.). O 1,8 cineole foi o componente maioritário (22-83%) do óleo essencial isolado de 14 das espécies estudadas [E. bosistoana, E. botryoides, E. camaldulensis, E. cinerea, E. cordieri, E. globulus, E. macarthurii, E. moluccana (= E. hemiphloia), E. piperita, E. polyanthemos, E. radiata, E. saligna, E. smithii e E. viminalis]. Os óleos essenciais de E. urophylla e E. globulus subsp. globulus (= Eucalyptus gigantea), diferiram dos restantes pela sua riqueza em α felandreno (45%) e limoneno (36%), enquanto os de E. pauciflora e Corymbia ficifolia (= E. ficifolia) eram ricos em α pineno (44-94%). Os óleos essenciais isolados de E. dives e de Corymbia citriodora (= E. citriodora) caracterizaram-se por possuir elevados teores de piperitona (40-55%) e citronelal (36-47%), respectivamente. Palavras chave: Eucalyptus spp., Myrtaceae, óleo essencial AGRADECIMENTOS À Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito do PEst OE/EQB/LA0023/2011. EUCALYPTUS GLOBULUS LABILL. E OUTRAS ESPÉCIES DE EUCALIPTO.. Recordo aquele acordo Bem claro e assumido Eu trepava um eucalipto E tu tiravas o vestido.. Rompi eu as minhas calças Esfolei mãos e joelhos E tu reduziste o acordo A um montão de cacos velhos. O prometido é devido (Carlos Tê / Rui Veloso, 1990) Nome científico: Eucalyptus spp. 1 Família: Família: Myrtaceae Nomes comuns: Eucalipto, calipe O género Eucalyptus pertence à família Myrtaceae e compreende aproximadamente sete centenas de espécies, quase todas originárias da Austrália e da Tasmânia. O nome do género provém do Grego (eũ, bem + kalyptós, coberto ), que significa bem coberto ou bem oculto, numa clara alusão ao 1 spp.: abreviatura de espécies. A atribuição do nome científico a espécies rege-se por um conjunto de normas designadas por nomenclatura binomial, porque o nome de cada espécie é formado por duas palavras, o nome do género, e o restritivo específico, que, regra geral, qualifica o género. Normalmente, a designação binomial é seguida do sobrenome do cientista que primeiro reportou a espécie. A abreviatura "sp." (singular) ou spp. (plural) é usada quando se refere a uma ou mais espécies não identificadas, do mesmo género (Eucalyptus spp. = várias espécies do género Eucalyptus). 2 Opérculo: parte da planta que resulta da união das pétalas das flores de eucalipto e que cai como um todo. 96 Por opção dos autores, este artigo não está escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

2 opérculo 2 que esconde o botão floral. O restritivo específico globulus, da espécie mais conhecida em Portugal, Eucalyptus globulus Labill. [= Eucalyptus maidenii subsp. globulus (Labill.) J.B.Kirkp.], reflecte a semelhança entre os seus frutos e os botões de vestuário. Os eucaliptos são, geralmente, árvores de grande porte, de odor activo, agradável e balsâmico 3 e caracterizam-se pela grande capacidade de regeneração a partir da toiça 4 e pelo dimorfismo foliar, i. e., as folhas juvenis e as adultas possuem morfologia diversa. Em geral, as espécies de Eucalyptus são fonte de matéria-prima para as indústrias madeireira e de celulose e, sendo produtoras de óleos essenciais 5, são-no também para as indústrias farmacêutica e da perfumaria. No seu conjunto, estes produtos de elevado valor acrescentado, têm um grande impacto económico na indústria moderna. Figura 1 Aspecto de folhas de eucalipto A introdução do eucalipto em Portugal parece inserir-se num movimento geral que, em meados do século XIX, introduziu plantas exóticas 6 para embelezar parques e jardins. Ainda que a data e local certos sejam controversos, admite-se que as primeiras plantações em Portugal tenham surgido por volta da década de 50 do século XIX. Há, no entanto, quem refira, concretamente, a década de 30, do mesmo século, e a Quinta da Formiga, em Vila Nova de Gaia como a data e local para a introdução do género no nosso País. Muitas das espécies introduzidas possuem apenas valor ornamental. No entanto, dadas as condições edafoclimáticas favoráveis e as características particulares de Eucalyptus globulus, esta espécie foi a que melhor se adaptou e difundiu, constituindo actualmente um elemento incontornável da floresta Portuguesa. Muitas das outras espécies encontram-se circunscritas a parques, jardins, povoamentos experimentais ou arboretos, dos quais se destacam a Quinta de São Francisco (ou Quinta de Vale de Soão), e a Mata Experimental do Escaroupim. Os inventários mais recentes apontam, no geral, para uma diminuição acentuada do número de espécies existentes, relativamente às originalmente plantadas, como resultado do envelhecimento natural das árvores. Os hortos e arboretos são, ainda hoje, espaços riquíssimos e de grande valor patrimonial, onde existem exemplares de porte excepcional, em alguns casos centenários e classificados como de interesse público. No contexto Português, e no que se refere à área ocupada, o eucalipto é, actualmente, a terceira espécie florestal mais representativa, logo a seguir ao sobreiro (Quercus suber L.) e ao pinheiro-bravo (Pinus pinaster Aiton). Apesar de sempre envolto em densa controvérsia política, económica, social, ecológica e científica, não há dúvidas sobre a importância do E. globulus na economia Portuguesa. A madeira de eucalipto tem aplicações muito diversas, nomeadamente na indústria da pasta de papel, construção civil, marcenaria, tanoaria, parquets para pavimentos, travessas para caminhos de ferro, estacaria, e como biomassa para produção de energia. Ao nível da indústria da pasta de papel, o primeiro registo, em Portugal, da produção de pasta pelo processo químico do bissulfito, a partir de madeira de E. globulus, data de 1906 na fábrica da Caima. Igualmente, de forma pioneira, a nível mundial, a produção de pasta de papel tipo kraft, pelo método do sulfato ocorre em 1957, na fábrica de Cacia em Portugal. O sector da celulose e do papel contribui fortemente para a economia Portuguesa, sendo, segundo as Estatísticas do Comércio Internacional do Instituto Nacional de Estatística (INE), o 3 grupo de produtos com maior saldo favorável a Portugal, depois do grupo de minerais e minérios e de o do calçado, tendo ultrapassado o grupo da madeira e cortiça, e o do vestuário. A par do interesse económico da madeira, as folhas, a casca e as flores podem, de per si, ser utilizadas para diversos fins, nomeadamente para a extracção de óleo essencial, utilizado nas indústrias farmacêutica e de perfumaria. Nas folhas são visíveis as bolsas 3 Balsâmico: Substância aromática, extraída de plantas, que cria a sensação de conforto. 4 Toiça (ou touça): parte da planta formada pela base lenhosa do caule e base da raiz, que produz rebentos caulinares. 5 Óleo essencial: produto obtido por (1) destilação, hidrodestilação ou destilação por arrastamento de vapor, de uma planta ou das suas diferentes partes, ou por, no caso do epicarpo de frutos de espécies de Citrus (laranjeira, limoeiro, tangerineira, toranjeira), (2) um processo mecânico, a frio (expressão). Expressão: método de obtenção de óleo essencial de espécies de Citrus, por prensagem, ou picotagem, do fruto e seu arrastamento pela água. O óleo essencial é separado da fase aquosa por centrifugação. 6 Espécie exótica: espécie que se fixa fora da sua área de distribuição natural (o mesmo que alóctone ou introduzida). AGROTEC / SETEMBRO

3 Figura 2 Aspecto do subcoberto no eucaliptal da Mata Experimental do Escaroupim translúcidas onde se acumulam os compostos extraídos sob a forma de óleo essencial. Ao nível medicina popular, a infusão de folhas frescas é utilizada para combater afecções das vias respiratórias, dores de estômago, diabetes, cistites e diarreia. São-lhe atribuídas ainda propriedades anti-séptica 7, estimulante, febrífuga 8, expectorante 9 e vermífuga 10. Quando utilizadas em chá 11 ou sob a forma de xaropes caseiros para a tosse, as folhas de eucalipto são frequentemente utilizadas em combinação com outras plantas ou aditivos, nomeadamente agrião (Nasturtium officinale R. Br.), casca de cebola (Allium cepa L.), casca e sumo de limão [Citrus x limon (L.) Burm. f.], pinhas pequenas ou rebentos de pinheiro manso (P. pinea L.) e bravo (P. pinaster Aiton), poejo (Mentha pulegium L.), sargacinha [Glandora prostrata (Loisel.) D.C.Thomas 12 ] e mel. Em aplicação externa é recomendado o uso da infusão das folhas em doenças do cabelo, como anti-séptico das vias urogenitais, e como unguento 13, contra queimaduras. A infusão das folhas em álcool é usada em fricções para combater o reumatismo. A inalação de vapores e a balneoterapia são indicados na desobstrução das vias respiratórias. Estão ainda referenciados outros usos populares, quer das folhas, quer da rama de eucalipto. As folhas queimadas podem ser utilizadas como desodorizantes de ambiente, e as folhas frescas ou secas, associadas ao alecrim (Rosmarinus officinalis L.), são empregues em banhos de imersão, para relaxar. As cápsulas são, muitas vezes, utilizadas em armários para repelir as traças, e a rama pode ser pendurada em galinheiros para desinfectar e repelir insectos, em geral. Das folhas torradas e picadas fazem-se cigarros, tidos como bons no alívio de doenças respiratórias. Algumas espécies de eucalipto têm interesse em floricultura, pelo seu valor paisagístico e florístico, como é o caso de E. cinerea, E. glaucescens ou E. gunnii. Para lá do valor ornamental de muitas espécies, o eucalipto é uma planta melífera que está na base do reconhecido mel de eucalipto. A ocorrência de diversas espécies de eucalipto, com épocas de floração distintas, disponibiliza, às abelhas, alimento ao longo do ano. Os óleos essenciais isolados de eucalipto possuem aromas característicos, de acordo com a espécie. Em função da sua composição e utilização final, estes óleos classificam-se em três tipos: medicinal, de perfumaria e industrial. De entre estes, o mais importante em termos de mercado é o medicinal, caracterizado pelo elevado teor em 1,8-cineole (também designado eucaliptol). Em termos de perfumaria destacam-se os óleos essenciais de E. citriodora e de E. 7 Anti-séptico: que desinfecta e combate ou previne as infecções. 8 Febrífuga: que previne ou combate a febre 9 Expectorante: que favorece a expulsão de secreções do aparelho respiratório. 10 Vermífuga: que provoca a expulsão de vermes intestinais. 11 Chá: Preparado que se obtém fervendo a planta em água, por tempo variável. A designação de chá deveria aplicar-se, em exclusivo, quando se utiliza a planta do chá [Camellia sinensis (L.) Kuntze (= Thea sinensis L.)]. 12 Também conhecida pelas designações comuns de sargacinha, surgacinha, sugamel, ou erva-das-sete-sangrias a designação científica actualmente reconhecida é de Glandora prostrata (Loisel.) D.C.Thomas [= Lithodora prostrata (Loisel.) Griseb., Lithospermum prostratum Loisel.] 13 Unguento: medicamento de consistência pastosa, semelhante a uma pomada, cujo excipiente é uma gordura associada a uma resina e que se destina a uso externo. 98

4 A par do interesse económico da madeira, as folhas, a casca e as flores podem, de per si, ser utilizadas para diversos fins, nomeadamente para a extracção de óleo essencial, utilizado nas indústrias farmacêutica e de perfumaria. staigeriana. O óleo essencial de E. dives é o de maior importância industrial, embora com muito menor expressão que os anteriores. O óleo essencial de eucalipto, referenciado na Farmacopeia Portuguesa, obtém-se por destilação das folhas, ou ramos terminais, jovens, de várias espécies de eucalipto ricas em 1,8-cineole, nomeadamente Eucalyptus globulus Labill. (= E. polybractea R. T. Baker) e E. smithii R. T. Baker. A norma nacional, à semelhança das internacionais, determina um teor mínimo de 1,8-cineole de cerca de 70% no óleo essencial. Este óleo essencial, de tipo medicinal pode ser comercializado puro, ou, sob a forma de rebuçados, em elixires para saúde oral, em pomadas ou em formulações com outros óleos essenciais ou ainda em vaporizadores. Nestas diversas formas, o óleo essencial é utilizado interna e externamente, no alívio das afecções das vias respiratórias, e, externamente, para rejuvenescimento da pele, no combate ao acne 14 e no atenuar das dores reumáticas. Durante muito tempo, considerou-se que o 1,8-cineole podia substituir os sais de quinino no combate às febres palustres. Quando utilizado para fins medicinais, é importante ter em atenção as doses terapêuticas recomendadas, no sentido de evitar efeitos secundários indesejados, designadamente alterações do ritmo cardíaco e/ou dermatites de contacto. Este óleo essencial é também utilizado como desinfectante de uso geral, e em produtos diversos como aromatizante de detergentes e ambientadores domésticos. O óleo essencial de eucalipto, com interesse para a perfumaria, é extraído de E. citriodora, e caracteriza-se pelo elevado teor em citronelal. É empregue em formulações de baixo custo, como sabonetes e perfumes, e como matéria-prima para obtenção de citronelal, utilizado, por exemplo, no fabrico de velas de exterior. O óleo essencial de E. staigeriana, com o seu aroma limonado característico, tem, basicamente, o mesmo tipo de aplicações. Numa estimativa de 2010, avaliou-se que, de entre as plantas aromáticas e medicinais silvestres colhidas e comercializadas em Portugal, as folhas de eucalipto foram as mais comercializadas com cerca de 48300Kg de peso seco (p.s.), a que se seguiam a cavalinha (Equisetum telmateia Ehrh.) e a carqueja (Pterospartum tridentatum L. Willk.), com 4450Kg e 3300Kg (p.s.), respectivamente. Ao contrário das duas últimas espécies, as folhas de eucalipto constituem um subproduto da indústria madeireira e de limpeza florestal. Com a emergência da economia Chinesa, a produção de óleo essencial de eucalipto, em Portugal, decresceu, acentuadamente, nos últimos anos. Ainda assim, em 2010, estimava-se, uma produção nacional anual de 12010Kg, secundado pelo óleo essencial de alecrim (Rosmarinus officinalis L.) com 715Kg. Não obstante a produção nacional, Portugal é, também, um país importador de óleo essencial de eucalipto, oriundo da China, destinado à refinação, de molde a atingir os níveis padronizados de 1,8 cineole e baixo teor em isovaleraldeído. A Mata Experimental do Escaroupim, localizada no concelho de Salvaterra de Magos, é um espaço florestal tutelado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ex-autoridade Florestal Nacional) e submetido ao regime florestal total. Esta mata inclui um arboreto com uma colecção, identificada e documentada, de 125 espécies de Eucalyptus, considerada a mais completa da Europa. Os óleos essenciais, isolados das folhas das 20 espécies de Eucalyptus [Corymbia citriodora (Hook.) K.D.Hill & L.A.S.Johnson 15, Corymbia ficifolia (F.Muell.) K.D.Hill & 14 Acne: afecção da pele devida à inflamação das glândulas sebáceas. 15 A designação científica actualmente aceite é a de Corymbia citriodora, ainda que esta espécie seja tradicionalmente conhecida pelo nome científico de Eucalyptus citriodora Hook. AGROTEC / SETEMBRO

5 L.A.S.Johnson 16, Eucalyptus cordieri Trab., Eucalyptus bosistoana F. Muell., Eucalyptus botryoides Sm., Eucalyptus camaldulensis Dehnh., Eucalyptus cinerea F.Muell. ex Benth., Eucalyptus dives Schauer, Eucalyptus globulus Labill., Eucalyptus globulus subsp. globulus 17, Eucalyptus macarthurii H.Deane & Maiden, Eucalyptus moluccana Wall. ex Roxb. 18, Eucalyptus pauciflora Sieber ex Spreng., Eucalyptus piperita Sm., Eucalyptus polyanthemos Schauer, Eucalyptus radiata A.Cunn. ex DC., Eucalyptus saligna Sm., Eucalyptus smithii F.Muell. ex R.T.Baker, Eucalyptus urophylla S.T.Blake e Eucalyptus viminalis Labill.], num total de 26 amostras colhidas na Mata Experimental do Escaroupim, foram obtidos com um rendimento entre % (v/p.f.). A análise da composição do óleo essencial destas amostras revelou que 15 amostras de 14 espécies possuíam um conteúdo em 1,8-cineole entre 22% e 83% [E. bosistoana, E. botryoides, E. camaldulensis, E. cinerea, E. cordieri, E. globulus, E. macarthurii, E. moluccana (= E. hemiphloia), E. piperita, E. polyanthemos, E. radiata, E. saligna, E. smithii e E. viminalis]. As espécies de E. urophylla e E. globulus subsp. globulus (= Eucalyptus gigantea), caracterizaram-se pela dominância de α-felandreno (45%) e limoneno (36%), respectivamente. As espécies E. pauciflora e Corymbia ficifolia (= E. ficifolia) possuíam elevado teor em α pineno (44-94%) e baixo teor em 1,8-cineole (1-6%). Os óleos essenciais isolados de E. dives e de Corymbia citriodora (= E. citriodora) possuíam composição química claramente distinta da dos restantes: os primeiros eram ricos em piperitona (40-55%), e os segundos em citronelal (36-47%), que lhes confere o aroma a limão típico. Em curso está a análise da componente volátil de outras espécies do género Eucalyptus da Mata Experimental do Escaroupim. Esta avaliação pretende não só seleccionar as espécies, quimiotipos ou variedades, produtoras de óleos essenciais com elevado valor acrescentado, mas, igualmente, contribuir para o conhecimento e a valorização deste espaço florestal, de reconhecido valor cultural e científico. BIBLIOGRAFIA > / / Barata A. M., F. Rocha, V. Lopes, E. Bettencourt, A. C. Figueiredo (2011) Medicinal and Aromatic Plants Portugal, In: Medicinal and Aromatic Plants of The World, [Eds. M. Ozturk, G.-F. B. Ameenah], Encyclopedia of Life Support Systems (EOLSS), Developed under the Auspices of the UNESCO, Eolss Publishers, Oxford, UK, [http://www.eolss.net]. Braga T., G. Pontes (2006) Plantas utilizadas na medicina popular. Amigos dos Açores, Ponta Delgada, Portugal. Bremness L. (1993) Plantas aromáticas. Editora Civilização, Porto, Portugal. Camejo-Rodrigues J. S. (2002) Plantas Medicinais da Serra do Açor. Eição ICN/APPSA, Portugal. Camejo-Rodrigues J. S. (2007) Plantas e usos medicinais populares, Concelhos de Aljezur, Lagos e Vila do Bispo. Associação Aflosul, Bordeira, Portugal. Correia H. (Rel.) (2006) III. Em terras de Miranda: pés no terreno, ouvidos abertos. Cicouro. In: Plantas e saberes. No limiar da etnobotânica em Portugal. Frazão-Moreira A., M. M. Fernandes (Org.). Edições Colibri / Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, Lisboa, Portugal, pp Corsépius Y. (1997) Algumas plantas medicinais dos Açores. Fernando Dias Ramos Lda. Açores, Portugal. Faria J. M. S., J. Sanches, A. S. Lima, M. D. Mendes, A. C. Figueiredo, H. Trindade, L. G. Pedro, J. G. Barroso (2009) Caracterização dos óleos essenciais de espécies do género Eucalyptus da Mata Experimental do Escaroupim, Actas do 6º Congresso Florestal Nacional, pp Faria J. M. S., J. Sanches, A. S. Lima, M. D. Mendes, D. A. Geraldes, R. Leiria, H. Trindade, L. G. Pedro, J. G. Barroso, A. C. Figueiredo (2011) Eucalyptus from Mata Experimental do Escaroupim (Portugal): evaluation of the essential oil composition from sixteen species. Acta Horticulturae 925: Farmacopeia Portuguesa VIII (2005) INFARMED, Lisboa, Portugal. Feijão R. D O. (1979) Medicina pelas plantas. 7 th ed., Livraria Progresso Editora, Lisboa, Portugal. Font Quer P. (1981) Plantas Medicinales. El Dioscórides renovado. Editorial Labor, S. A.. Barcelona, Espanha. Goes E. (1977) Os eucaliptos (ecologia, cultura, produção e rentabilidade). Portucel, Portugal. Goes E. (1985) Os eucaliptos (Identificação e monografia de 121 espécies existentes em Portugal). Portucel, Portugal. INE (2012) Estatísticas do Comércio Internacional Instituto Nacional de Estatística (INE, I.P.), Lisboa, Portugal. Lopes L. (2006) Eucaliptos centenários da Quinta de São Francisco. Raíz Instituto de investigação da floresta e do papel. Gaia, Portugal. Lourenço R. M. R. (2006) Plantas para chá. Centro de Promoção Social de Carvalhais, Viseu, Portugal. Melo C. A. (2008) Etnobotânica de plantas medicinais no Vale do Guadiana. Associação de Defesa do Património de Mértola (APM), Portugal. Oliveira A. S. B., R. F. Neiva (2004) Plantas aromáticas e medicinais do Parque Natural da Serra da Estrela, Edição ICN, Parque Natural da Serra da Estrela, Portugal. Pereira J.S. (2007) Uma espécie altamente produtiva. pp In: J.S. Silva (ed.), Árvores e florestas de Portugal. Vol. 4. Pinhais e eucaliptais. A floresta cultivada. Público-FLAD, Lisboa, Portugal. Proença da Cunha A., A. P. da Silva, O. R. Roque (2003) Plantas e produtos vegetais em fitoterapia. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. Proença da Cunha A., A. P. da Silva, O. R. Roque, E. Cunha (2004) Plantas e produtos vegetais em cosmética e dermatologia. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. Proença da Cunha A., F. Teixeira, A. P. da Silva, O. R. Roque (2007) Plantas na terapêutica farmacologia e ensaios clínicos. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. Proença da Cunha A., J. A. Ribeiro, O. R. Roque (2007) Plantas aromáticas em Portugal. Caracterização e utilizações. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. Proença da Cunha A., O. R. Roque, M. T. Nogueira (2012) Plantas aromáticas e óleos essenciais, composição e aplicações. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal. Radich M.C. (2007) Introdução e expansão do eucalipto em Portugal. pp In: J.S. Silva (ed.), Árvores e florestas de Portugal. Vol. 4. Pinhais e eucaliptais. A floresta cultivada. Público-FLAD, Lisboa, Portugal. Ribeiro E. (1992) Plantas medicinais e complementos bioterápicos. Publicações Europa-América, Portugal. Salgueiro J. (2004) Ervas, usos e saberes. Plantas medicinais do Alentejo e outros produtos naturais. Edições Colibri/Marca-ADL, Lisboa, Portugal. Sequeira M., S. Fontinha, F. Freitas, L. Ramos, M. G. Mateus (2006) Plantas e usos tradicionais nas memórias de hoje. Freguesia da Ilha. Edição Casa do Povo da Ilha / Parque Natural da Madeira, Portugal. Silva J.S., E. Sequeira, F. Catry, C. Aguiar (2007) Os contras. pp In: J.S. Silva (ed.), Árvores e florestas de Portugal. Vol. 4. Pinhais e eucaliptais. A floresta cultivada. Público-FLAD, Lisboa, Portugal. Soares J., L. Leal, P. Canaveira, F. Goes, A. Fialho (2007) Porquê cultivar o eucalipto? pp In: J.S. Silva (ed.), Árvores e florestas de Portugal. Vol. 4. Pinhais e eucaliptais. A floresta cultivada. Público- -FLAD, Lisboa, Portugal. Tecedeiro L. A. V. (1996) Plantas medicinais do Ribatejo. Garrido artes gráficas, Alpiarça, Portugal. 16 Anteriormente designado Eucalyptus ficifolia F.Muell. 17 Anteriormente designado Eucalyptus gigantea Dehnh 18 Anteriormente designado Eucalyptus hemiphloia Benth. 100

Workshop: Destilação de óleos essenciais

Workshop: Destilação de óleos essenciais OLD JOBS AND NEW JOBS Workshop: Destilação de óleos essenciais 27 de fevereiro de 2015 Destilação de óleos essenciais PAULA MENDES LOURDES GERALDES Óleo essencial (OE) Definição óleos voláteis odoríferos

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal Luis Ortiz Torres - UNIVERSIDADE DE VIGO Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal ATIVIDADE 3 - Logística do aproveitamento da biomassa

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ÓLEOS ESSENCIAIS PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL. PROF. Drª Luciana Rota

ESPECIALIZAÇÃO EM ÓLEOS ESSENCIAIS PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL. PROF. Drª Luciana Rota ESPECIALIZAÇÃO EM ÓLEOS ESSENCIAIS PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROF. Drª Luciana Rota COMPARATIVO DO RENDIMENTO DA EXTRAÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL OBTIDO DE FOLHAS DE EUCALIPUS GRANDIS

Leia mais

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S Óleos Essenciais &Fitocosméticos C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S UM NOVO CONCEITO DE CULTIVO, PRODUÇÃO E CONSUMO: EM PROL DA VIDA LINHA

Leia mais

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional Resinagem de Pinus A resinagem é uma atividade de grande significado no contexto econômico-social do Brasil. De importadores até a década de 80, passamos a grandes exportadores a partir de 1989. A importância

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

e Pinus pinea L. Palavras chave: Pinus pinaster Aiton, Pinus pinea L., pinheiro-bravo, pinheiro-manso, Pinaceae, óleo essencial.

e Pinus pinea L. Palavras chave: Pinus pinaster Aiton, Pinus pinea L., pinheiro-bravo, pinheiro-manso, Pinaceae, óleo essencial. silvicultura Pinus pinaster Aiton e Pinus pinea L. Resumo O pinheiro-bravo (Pinus pinaster Aiton) e o pinheiromanso (P. pinea L.) são as duas espécies do género Pinus dominantes em Portugal. Estas espécies

Leia mais

Pack Óleo Essencial + Aromatizador

Pack Óleo Essencial + Aromatizador Pack Óleo Essencial + Aromatizador Óleos Essenciais Ideais para massagem, inalação, vapores. Promovem o bem-estar e diversos benefícios para a saúde. Aromatizador O cheiro estimula partes do nosso cérebro

Leia mais

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HOMEOPÁTICAS E FITOTERÁPICAS FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Tabela de preços 2011

Tabela de preços 2011 Óleos Vegetais Características A nossa linha de óleos vegetais são seleccionadas para que possa obter os melhores resultados nos diversos tipos de tratamentos, para isso são extraídos de primeira pressão

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Catálogo Geral. Produtos artesanais. caseiros. Tlm: 936894650 Tlm: 917741020

Catálogo Geral. Produtos artesanais. caseiros. Tlm: 936894650 Tlm: 917741020 Catálogo Geral Produtos artesanais caseiros Tlm: 936894650 Tlm: 917741020 Índice Licores Mel Azeite da Serra da Estrela Compotas Granola Queijo Bolachas Sabonetes Artesanais Artesanato Licor de Poejo 210Ml

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 CAUSAS DE INFESTAÇÃO Abandono: Colonização por pioneiras ruderais; Colonização

Leia mais

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas.

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. Sua história remonta ao século I, como evidenciado nos

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Curso Olfação Nível I

Curso Olfação Nível I Curso Olfação Nível I + Formação prática em substâncias odoríferas 24 + 25 de fevereiro. 2014 9:30-12:30 + 14:00-17:00 Experiência Sensorial Imperdível Apresentação Nível I Curso de formação composto por

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil

Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil PN Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil Cristina Batista de Lima 1 *, Marcela Aparecida Vaz Vieira 2, Tamiris Tonderys Villela 2, 1 Universidade

Leia mais

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO 9º Seminário de Atualização em Eucaliptocultura MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO Profa. Luciana Duque Silva Depto. Ciências Florestais ESALQ/USP 1 FATORES QUE INFLUEM NA ESCOLHA

Leia mais

Catálogo de Produtos. Revendedor Oficial Essential Care

Catálogo de Produtos. Revendedor Oficial Essential Care Catálogo de Produtos Essência do Mundo Organic Care, Natural Life. Revendedor Oficial Essential Care Essência do Mundo A Essência do Mundo é uma empresa familiar, que decidiu trazer até Portugal produtos

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

José Manuel Rosa Pinto Curriculum vitae

José Manuel Rosa Pinto Curriculum vitae 1 José Manuel Rosa Pinto 1. Dados pessoais Nome completo: José Manuel Baptista Rosa Pinto Local e data de nascimento: Faro, 20 de Setembro de 1941 Nacionalidade: Portuguesa E-mail: josrospinto@hotmail.com

Leia mais

Natural&Orgânico. Beleza&Bem Estar. Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia

Natural&Orgânico. Beleza&Bem Estar. Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia Natural&Orgânico Equilíbrio Harmonia Beleza&Bem Estar Cosméticos Naturais, Orgânicos e Aromaterapia Bem vindos a Beleza Natural! Na Arte dos Aromas, a natureza é a nossa fonte de inspiração. Acreditamos

Leia mais

Tecnologia de Produção de Biomassa Energética. Capítulo 2 Florestas Energéticas

Tecnologia de Produção de Biomassa Energética. Capítulo 2 Florestas Energéticas Tecnologia de Produção de Biomassa Energética Capítulo 2 Florestas Energéticas Bibliografia indicada Biomassa para energia Capítulo 4 Florestas Energéticas no Brasil (págs. 93 a 108) Capítulo 3 Tópico

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 PROCESSOS EXTRATIVOS Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 Extração Sólido- Liquida sólido------------ líquido Solução extrativa. É a que resulta da dissolução parcial de uma droga de composição heterogênea,

Leia mais

Produtos Sunyata Pon Lee

Produtos Sunyata Pon Lee Produtos Sunyata Pon Lee Sol, Terra, Água, Plantas, Flores, Néctar Abelhas, Colheita Seleção, Elaboração, Envase, Fusão da Natureza com o Trabalho Humano. Este é o produto Catálogo de Produtos: Extrato

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS GEWEHR, Daiana Meggiolaro 1 ; BELLINAZO, Cristiane Rodrigues 2 ; BANDEIRA, Vanessa Adelina Casali 3 ; GONÇALVES,

Leia mais

SANTA CLARA-A-VELHA: O QUOTIDIANO PARA ALÉM DA RUÍNA A ESTACARIA DO REFEITÓRIO

SANTA CLARA-A-VELHA: O QUOTIDIANO PARA ALÉM DA RUÍNA A ESTACARIA DO REFEITÓRIO IGESPAR, I. P. Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico MINISTÉRIO DACULTURA SANTA CLARA-A-VELHA: O QUOTIDIANO PARA ALÉM DA RUÍNA A ESTACARIA DO REFEITÓRIO PAULA FERNANDA QUEIROZ

Leia mais

Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Ser...

Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Ser... Página 1 de 5 Quinta das Lavandas, espaço único 100% biológico em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede Sábado, 11 de Abril de 2015 Categorias: Featured, Jardins & Parques, Os Artigos Tags: Castelo

Leia mais

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama UTILIZACÍON DE IMÁGENES SATELITALES PARA EL INVENTARIO DE BIOMASSA FLORESTAL SATELITE IMAGES TO FORECAST FOREST BIOMASS III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

Leia mais

Exposição o minério de Barroso

Exposição o minério de Barroso batata Exposição o minério de Barroso PAÇOS DO CONCELHO 22 FEVEREIRO A 12 MARÇO 2010 74 BATATA - MINÉRIO DO BARROSO Volta a Câmara Municipal de Boticas a poder contar com mais uma exposição, e esta de

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA ZONA NORTE DE TERESINA Francisco Ivan da Silva 1 *, Eurípedes Siqueira Neto 2, Jackson Araújo Lima 3, Miguel de Castro Silva 4, Teodorico Cavalcante

Leia mais

Catálogo de Produtos. Revendedor Oficial Benttley Organic

Catálogo de Produtos. Revendedor Oficial Benttley Organic Catálogo de Produtos Essência do Mundo Organic Care, Natural Life. Revendedor Oficial Benttley Organic Essência do Mundo A Essência do Mundo é uma empresa familiar, que decidiu trazer até Portugal produtos

Leia mais

INSTITUTO HIDRATAÇÃO E SAÚDE

INSTITUTO HIDRATAÇÃO E SAÚDE INSTITUTO HIDRATAÇÃO E SAÚDE O que é o IHS e quais os seus objectivos? O INSTITUTO HIDRATAÇÃO E SAÚDE É UMA ORGANIZAÇÃO CIENTIFICAMENTE INDEPENDENTE CRIADA EM 2008 COM OS SEGUINTES OBJECTIVOS: Estimular

Leia mais

CATÁLOGO 2015 SABONETES DE AZEITE OLIVE OIL SOAP SAVON À L'HUILE D OLIVE

CATÁLOGO 2015 SABONETES DE AZEITE OLIVE OIL SOAP SAVON À L'HUILE D OLIVE CATÁLOGO 2015 SABONETES DE AZEITE OLIVE OIL SOAP SAVON À L'HUILE D OLIVE Os sabonetes artesanais Casa das Bétulas são confecionados utilizando uma receita familiar muito antiga, esquecida durante muito

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Combinar termogênicos e desintoxicantes em um único chá ajuda a emagrecer até 6 kg em um mês.

Combinar termogênicos e desintoxicantes em um único chá ajuda a emagrecer até 6 kg em um mês. Combinar termogênicos e desintoxicantes em um único chá ajuda a emagrecer até 6 kg em um mês. Chá verde e seus benefícios infinitos, inclusive no emagrecimento, pele, saúde física e mental. O Chá verde

Leia mais

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Version 1.0 March 2015 For further information on the SBP Framework and to view the

Leia mais

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014

A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 PROMOTOR: SPONSOR: A Indústria de Pasta e Papel Um caso de estudo da Economia Circular Lipor, 17 de Junho de 2014 Marta Souto Barreiros, CELPA Os Associados da CELPA 2 Os Associados da CELPA (2013) Gerem

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

EFETIVIDADE DO PODER CALORÍFICO DE DOIS TIPOS DISTINTOS DE BIOMASSA UTILIZADA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA

EFETIVIDADE DO PODER CALORÍFICO DE DOIS TIPOS DISTINTOS DE BIOMASSA UTILIZADA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA EFETIVIDADE DO PODER CALORÍFICO DE DOIS TIPOS DISTINTOS DE BIOMASSA UTILIZADA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Andrica de Faria Mendonça 1 Prof. Dr. Cristiano P. da Silva 2 Prof. Esp. Alberto Antonio Resende de

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Curso Olfação Nível I

Curso Olfação Nível I Curso Olfação Nível I + Alexandre Schmitt Formação prática em substâncias odoríferas 29 de fevereiro + 1 de março. 2012 9:00-13:00 + 14:00-18:00 Uma Experiência Profissional Imperdível Apresentação Nível

Leia mais

ÓLEO ESSENCIAL DE EUCALIPTO

ÓLEO ESSENCIAL DE EUCALIPTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÓLEO ESSENCIAL DE EUCALIPTO ANDREA M. SILVEIRA VITTI JOSÉ OTÁVIO BRITO Documentos Florestais, Nº 17, Agosto de 2003 ISSN 0103-4715

Leia mais

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS -

- CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - - CURSO DE PLANTAS MEDICINAIS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). PLANTAS

Leia mais

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Engº Florestal UFV Mestre em Genética e Melhoramento Florestal UFV Especialista Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas - UFLA Novembro/2013

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

BROMIL GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Xarope. 0,123mg/mL + 0,160mg/mL + 0,00016mL/mL

BROMIL GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Xarope. 0,123mg/mL + 0,160mg/mL + 0,00016mL/mL BROMIL GERMED FARMACÊUTICA LTDA Xarope 0,123mg/mL + 0,160mg/mL + 0,00016mL/mL Bromil terpina, mentol e eucaliptol I) DENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bromil terpina, mentol e eucaliptol APRESENTAÇÃO Xarope

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel.

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Unha-de-gato Unha-de-gato Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Elias Melo de Miranda Foram os indígenas peruanos que descobriram o uso medicinal da

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

CACTUSEXTRACTUS, LDA.

CACTUSEXTRACTUS, LDA. CACTUSEXTRACTUS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A (CactusExtractus) é uma pequena empresa com sede e instalações em Vimieiro, concelho de Arraiolos, cujo principal objetivo

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Manipulação caseira de fitoterápicos Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Recomendações gerais Uso de plantas provenientes de modismos deve ser evitado. Duvide sempre das plantas tidas como milagrosas.

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S C A T Á L O G O D E P R O D U T O S Criada para agradar aos mais exigentes olfatos, proporcionar bemestar e conforto, a Marina Machado traz um novo conceito em produtos cosméticos pessoais e para a casa.

Leia mais

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial.

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. * Penteado, R. A. N. (1) ; * Cunha, R. B. C.; * Penteado, A.P. (1)l renato@lactec.org.br (*) Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC)

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Manhã Técnica. Mercados Florestais

Manhã Técnica. Mercados Florestais Manhã Técnica Mercados Florestais APFC Associação de Produtores Florestais de Coruche 27. 03. 2015 2 Enquadramento Tx Câmbio EURO/USD 3 Tendência de diminuição desde o 2.ª T 2014 que favorece as nossas

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Prémio Fundação Ilídio Pinho Ciência na Escola

Prémio Fundação Ilídio Pinho Ciência na Escola Prémio Fundação Ilídio Pinho Ciência na Escola 11.ª Edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho - 2013/2014 Visando incentivar a conceção de projetos multidisciplinares cujas ideias tenham potencial valor económico

Leia mais

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Julho de 2006 Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr.

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Francisco Ramos) Ex.mo Senhor Presidente da Comissão Parlamentar da Saúde, representado

Leia mais

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA.

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA. É É uma madeira densificada, 100% natural, com altíssima concentração energética. É, portanto, um combustível ecologicamente correto. Energia limpa e renovável. O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA

Leia mais

A Importância da Fileira Florestal

A Importância da Fileira Florestal A Importância da Fileira Florestal Tanto na análise internacional como doméstica é notória a importância das actividades que integram as fileiras florestais, havendo uma maior consciência do seu contributo

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Vamos abraçar as árvores?!!...

Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Vamos abraçar as árvores?!!... Guia para desenvolver os materiais da aula (Constituído por quatro secções, que podem ser impressas e usadas separadamente) Título 1. VISÃO GERAL DA AULA Vamos abraçar as árvores?!!... Programador Conteúdo

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA As quintas da periferia da cidade de Évora já representaram um importante

Leia mais

Investigação Aplicada e Inovação em TERMALISMO. Projetos TERMAZ e i-termal: passado e futuro

Investigação Aplicada e Inovação em TERMALISMO. Projetos TERMAZ e i-termal: passado e futuro Investigação Aplicada e Inovação em TERMALISMO Projetos TERMAZ e i-termal: passado e futuro o INOVA (num minuto)! Laboratório de Análises (FQ e MB) São Gonçalo (Ponta Delgada) Laboratório de Análises (FQ

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Data: / /15

Nome: Nº: Turma: Data: / /15 Ciências 7º ano do Ensino Fundamental Material de apoio Solos, ph e Sucessão Ecológica Professor: Mateus Rodrigues Silva Nome: Nº: Turma: Data: / /15 Leia o texto. O PH DO XAMPU E A QUÍMICA DO CABELO Líria

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Oficinas de Verão Serviço Área Protegida

Oficinas de Verão Serviço Área Protegida Oficinas de Verão Serviço Área Protegida 18 de Julho 19 de Julho 10h00 18 a 29 de Julho de 2011-Tema: Oficina dos Cientistas Loucos Recepção dos participantes Preenchimento da Ficha de Assiduidade Apresentação

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais