PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : / UNIDADE AUDITADA : Gerência Regional do Patrimônio da União/RJ CÓDIGO UG : CIDADE : RIO DE JANEIRO RELATÓRIO Nº : UCI EXECUTORA : Chefe da CGU-Regional/RJ, Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço n.º , e consoante o estabelecido na seção III, capítulo VII da Instrução Normativa SFC n.º 01, de 06/04/2001, apresentamos os resultados dos exames realizados sobre o processo anual de contas apresentado pela Gerência Regional do Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro - GRPU/RJ I - ESCOPO DOS EXAMES 2. Os trabalhos de campo conclusivos foram realizados no período de 05/03/2008 a 14/03/2008, por meio de testes, análises e consolidação de informações coletadas ao longo do exercício sob exame e a partir da apresentação do processo de contas pela unidade auditada, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao Serviço Público Federal. Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames, exceto quanto à não apresentação de documentos e informações conforme detalhado nos itens e do Anexo I -"Demonstrativo das Constatações", deste relatório, configurando descumprimento do art. 26 da Lei /2001. Os exames realizados contemplaram os seguintes itens: - AVAL. DOS RESULTADOS QUANT. E QUALITATIVOS Avaliação dos resultados quantitativos e qualitativos da gestão, obtidos pela GRPU/RJ no exercício de 2007, referentes ao Programa Gestão do Patrimônio Imobiliário da União, tomando-se por base os seguintes parâmetros: - Análise quanto ao cumprimento das metas físicas estabelecidas na Portaria MP nº 115, de 18 de abril de Análise dos resultados quantitativos e qualitativos, referentes à ação 4832 Demarcação e Cadastramento de Imóveis da União. - QUALIDADE/CONFIABILIDADE DOS INDICADORES

2 Análise quanto à qualidade e confiabilidade dos indicadores de desempenho da Unidade, constantes do Relatório de Gestão da Unidade. - TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS - REGULARIDADE DAS LICITAÇÕES E CONTRATOS - REGULARIDADE NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - CUMPRIMENTO DAS RECOMENDAÇÕES DO TCU Avaliação quanto à implementação das determinações 9.2 e 9.4, contidas no Acórdão 1534/ Plenário, expedido pelo TCU no exercício de RECURSOS EXTERNOS/ORGANISMOS INTERNACIONAIS - CONCESSÃO DE DIÁRIAS - SUPRIMENTO DE FUNDOS USO DE CARTÕES II - RESULTADO DOS TRABALHOS 3. Os exames realizados resultaram na identificação das constatações listadas detalhadamente no Anexo I -"Demonstrativo das Constatações" e que dão suporte às análises constantes da conclusão deste Relatório de Auditoria. 4. Verificamos no Processo de Contas da Unidade a existência das peças e respectivos conteúdos exigidos pela IN-TCU-47/2004 e pela DN-TCU-85/2007, Anexo XI. 5. Em acordo com o que estabelece o Anexo VI da DN-TCU-85/2007, e em face dos exames realizados, cujos resultados estão consignados no Anexo - "Demonstrativo das Constatações", efetuamos as seguintes análises: 5.1 AVAL. DOS RESULTADOS QUANT. E QUALITATIVOS A GRPU/RJ está inserida no Programa 0794 Gestão do Patrimônio da União, que tem como objetivo geral conhecer, zelar e garantir que cada imóvel da União cumpra com a função arrecadadora, em apoio aos programas estratégicos para a Nação. As metas físicas e financeiras constantes da Lei n.º , de 07/02/2007 LOA/2007, referentes ao Programa 0794 não foram objeto de regionalização, sendo que a execução orçamentária e financeira é feita de forma centralizada no Órgão Central. O referido programa está estruturado em dez Ações, definidas pela Secretaria de Patrimônio da União SPU, dentre as quais, destacamos, no âmbito da Gerência Regional do Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro - GRPU/RJ, as seguintes: 11GQ Desenvolvimento de Processos de Arrecadação e Cobrança - implantar os processos das políticas de arrecadação e cobrança das receitas patrimoniais da União; 2272 Gestão e Administração do Programa - construir um centro de custos administrativos do programa; 2A37 Recuperação de Créditos Patrimoniais - desenvolver atividades voltadas à recuperação de receitas patrimoniais; 4832 Demarcação e Cadastramento de Imóveis da União - identificar,

3 cadastrar, avaliar, controlar, fiscalizar e regularizar os imóveis da União; 0A18 Desenvolvimento do Projeto Orla - apoiar Estados e Municípios no planejamento de ações para o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União; 6738 Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Imóveis da União - regularizar a ocupação nos assentamentos informais consolidados; e 4852 Transações Imobiliárias da União de Interesse Público destinar imóveis da União para atender interesse público e social. Na avaliação dos resultados, verificamos que para a ação 2272 o Órgão Central (SPU) não definiu meta individualizada por Regional. Em relação às demais ações, a Portaria n.º 115, de 18/04/2007, fixou as metas de desempenho institucional para fins de pagamento das parcelas de Gratificação de Incremento à Atividade de Administração do Patrimônio da União - GIAPU. Efetuamos, na tabela a seguir, um comparativo entre metas planejadas e realizadas pela GRPU/RJ, referentes ao exercício de 2007, e as metas realizadas em 2006: Ação 2A37 e 11GQ Tabela I Execução Física da Metas da GRPU/RJ Descrição do Indicador ou Medida Arrecadação Patrimonial Redução de Imóveis com 2A37 Débitos em Aberto Redução de Imóveis com 4832 Inconsistências Cadastrais Projeto Orla e Programa de Regularização OA18 e Fundiária Transações Imobiliárias de apoio à Administração Pública e do Desenvolvimento Local/regional Exercício 2007 Unidade Planejado¹ Realizado ² Valor arrecadado (R$ 1.000) Nº de RIPs Nº de RIPs Nº de Pontos (Anexo III da Porta ria 115/ 2007) Nº de Transferênc ias de Imóveis para o INCRA. Cessões e Realizado , , , Entregas. Fonte: Relatório de Gestão da GRPU/RJ, exercício de ¹ Portaria Ministerial n.º 115/2007, de 18/04/2006 (DOU de 19/04/2007)

4 ² Relatório de Gestão Portaria MP n.º 72, de 23/04/2007 (DOU de 26/04/2007 retificado em 27/04/2007) Verificamos, no quadro acima, que as metas para as ações 2A37, 11QG e 4832 foram atingidas no exercício de 2007, sendo relatado como principais motivos para o resultado positivo, a depuração cadastral, o cadastramento ex-ofício e a capacitação de servidores. Quanto às ações OA18 e Projeto Orla e Regularização Fundiária, a GRPU/RJ informou que os nove pontos alcançados foram obtidos em decorrência de ações efetuadas somente na área de Regularização. Conforme justificativa apresentada no Relatório de Gestão 2007, a unidade não realizou ações da área do Projeto Orla, devido à escassez de recursos humanos, bem como à dificuldade de deslocamento para outros municípios, preferindo priorizar outras ações. Em relação à ação 4852, a GRPU/RJ, no Relatório de Gestão 2007, também apontou a escassez de recursos humanos como justificativa para o não atingimento da meta estabelecida na Portaria n.º 115/2007. No Anexo I - "Demonstrativo das Constatações", deste Relatório, detalhamos as principais ações realizadas pela GRPU/RJ, relativas ao Programa 0794 Gestão do Patrimônio da União. 5.2 QUALIDADE/CONFIABILIDADE DOS INDICADORES No Relatório de Gestão 2007, a GRPU/RJ informou que no Programa Gestão do Patrimônio Imobiliário da União foram desenvolvidos dois indicadores, especificados a seguir. Esses indicadores são aplicáveis às metas em nível nacional do Plano Plurianual PPA , sendo utilizados também por cada Gerência Regional do Patrimônio da União, cujo somatório refletirá o desempenho global do Programa. - Número-índice de imóveis regulares: conforme consta no Relatório de Gestão 2007, tal indicador apresenta um componente analítico abrangendo a perspectiva histórica e a evolução do número de imóveis administrados pela Secretaria de Patrimônio da União. - Variação da arrecadação patrimonial: pretende abranger na avaliação de desempenho do Programa a perspectiva das ações relacionadas ao aumento da receita patrimonial arrecadada pela SPU. Tendo em vista a não regionalização das metas do Programa Gestão do Patrimônio Imobiliário da União, serão considerados para a análise de qualidade e confiabilidade, os indicadores e medidas fixados na Portaria nº 115, de 18/04/2007, que definiu para as Gerências Regionais as metas físicas para 2007, abaixo descritas. Descrição e objetivo do Indicador ou Medida Valor Arrecadado medir o grau de alcance da meta de arrecadação patrimonial Tabela II Análise dos Indicadores/Medidas Tipo do indicador ou medida Padrão de desempenho utilizado Eficácia R$ ,58 Fonte do padrão de desempenho Análise quanto à consistência do indicador e ao padrão utilizado Os indicadores apresentados Informativo atendem às principais Ações Gerencial de definidas no Programa Receitas IGR. No entanto, para a Ação 4832,

5 Quantidade de RIP s (com débitos em aberto) Regularizados medir a eficácia das ações de redução do número de imóveis com débitos em aberto Eficácia, Efetividade 767 RIP Relatórios disponibilizados na área pública do Sistema de Suporte à Decisão SSD/DW. Quantidade de RIP s (com inconsistências cadastrais) Regularizados - mensurar a capacidade da GRPU de buscar padrões de confiabilidade das informações constantes do cadastro de imóveis Eficácia, Efetividade RIP Relatório denominado CONSOLIDADO INCONSISTÊNCIAS CADASTRAIS GRUPO I (Pasta GIAPU), disponibilizado na área pública do Sistema de Suporte à Decisão SSD/DW. Pontuação por etapa iniciada e/ou concluída (projeto orla e programa de regularização fundiária) - permitir o monitoramento das principais etapas do Projeto Orla e de Regularização Fundiária, o indicador chancela a dinâmica operacional das ações, orientando a GRPU para o cumprimento de cronogramas. Número de Transações Imobiliárias de Apoio à Administração Pública e ao desenvolvimento Local/Regional medir o número de transferências de imóveis para o INCRA, Cessões e Entregas. Eficácia, Eficiência, Efetividade Eficácia, Eficiência, Efetividade 36 pontos 37 transferências Informações prestadas pela GRPU à Coordenação-Geral de Projetos Especiais, que as consolida em planilha específica. Relatório denominado TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS SPIUnet 2006, disponibilizado na área pública do SSD/DW. sistema Fonte e método: Elaborada a partir dos dados constantes do Relatório de Gestão da Unidade, informações prestadas pela Unidade e pela Portaria n.º115, de 18/04/2006. As principais ações do programa 0764, quais sejam, 2A37, 4852, 4832, OA18 e 6738, serão tratadas, respectivamente, nos itens , , , e do Anexo I - Demonstrativo das Constatações, deste Relatório. 5.3 TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS No exercício de 2007, não ocorreram, no âmbito da GRPU/RJ, transferências e recebimentos de recursos mediante convênio, acordo, ajuste, termo de parceria ou outros instrumentos congêneres, bem como a título de subvenção, auxílio ou contribuição. 5.4 REGULARIDADE DAS LICITAÇÕES E CONTRATOS Não se aplica à Unidade, já que os processos licitatórios, bem como os atos de dispensa e inexigibilidade de licitação são efetuados no âmbito da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração SPOA/MP. 5.5 REGULARIDADE NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS A GRPU/RJ não executa atos de admissão, desligamento, concessão de aposentadoria, reforma e pensão, sendo responsabilidade do Órgão Central SPU.

6 Em 31/12/2007, a força de trabalho da GRPU/RJ totalizou 142 servidores, conforme especificado na tabela abaixo, informada por meio do Ofício n.º 779/2008/GAB/GRPU/RJ, de 19/03/2008. Tabela III Quantitativo de servidores e variação Dez 2006 a Dez SITUAÇÃO FUNCIONAL VARIAÇÃO Ativo Permanente (*) Nomeado Cargo em Comissão (**) Requisitado (***) Cedido (****) Removido (*****) Celetista Terceirizados TOTAL Fonte: GRPU/RJ (*) 01(um) servidora removida da GERAP, 02 (dois) concursados, 04(quatro) redistribuídos; (**) Foi substituída uma chefia por uma pessoa sem vínculo empregatício e o removido do exercício anterior foi nomeado com função DAS da SPU e o mesmo também não tem vínculo empregatício. (***)Apenas um servidor[...]continua na situação funcional (****) 02(dois) foram cedidos pelo Ministério do Transporte e estão com cargo comissionado trabalhando especificamente com incorporação de imóveis da extinta Rede Ferroviária RFFSA, 01(um) veio da GRPU/DF com FG ( estágio probatório), 01 (um) veio da CGU/RJ sem cargo comissionado, totalizando o acréscimo de 04 (quatro) cedidos a mais no exercício. A escassez de Recursos Humanos foi considerada pela Unidade um dos motivadores para o não cumprimento das metas definidas para o exercício de 2007, pelo Órgão Central SPU. Tal fato já foi registrado no Relatório de Avaliação de Gestão 2006 e acarretou uma recomendação para a reestruturação da Gerência com incremento de cargos e servidores. Por meio do Plano de Providências 2006, a unidade informou as medidas que estão sendo tomadas para sanar a deficiência de pessoal: As providências necessárias com vistas a reestruturação, com incremento de cargos e servidores para SPU estão complementadas com a edição da Medida Provisória nr 377, de 18/06/2007, publicada no DOU de 19/06/2007, a qual, entre outros, cria (no âmbito da administração pública federal) cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores DAS e Funções Gratificadas, e dá outras providências, e com a edição do Decreto nr , de 03/07/2007, publicado no DOU de 04/07/2007, que aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério do Planejamento, Orçamento e gestão, e dá outras providências. Em andamento a definição da nova estrutura das gerências regionais e aguardando a conversão em Lei da MP nr 377, de 18/06/2007, publicada no DOU de 19/06/2007 para implementação definitiva da nova estrutura. Tendo em vista que a Medida Provisória 377 não foi convertida em lei, sendo rejeitada pelo Ato Declaratório 01/2007-SF, bem como o Decreto 6.139/2007 foi revogado pelo Decreto 6.222, de 04/10/2007, a criação de novos cargos restou prejudicada. 5.6 CUMPRIMENTO DAS RECOMENDAÇÕES DO TCU No exercício de 2007, o TCU expediu o Acórdão n.º 1.534, com duas determinações para a GRPU/RJ, itens 9.2 e 9.4. O item 9.2 não foi

7 atendido devido à solicitação de prorrogação de prazo encaminhado ao TCU, por meio do Ofício n.º 469/2008/GRPU/DIAJU/RJ, de 25/02/2008. Em relação ao item 9.4, a unidade informou as providências que estão sendo tomadas, contudo a determinação ainda não foi totalmente atendida. No item do Anexo I - Demonstrativo das Constatações, detalhamos as providências para o atendimento das referidas determinações. 5.7 PROGRAMAS E PROJETOS FINANCIADOS COM RECURSOS EXTERNOS COM ORGANISMOS INTERNACIONAIS A GRPU/RJ, em 2007, não executou projetos e/ou programas financiados com recursos externos e/ou em cooperação com organismos internacionais. 5.8 CONCESSÃO DE DIÁRIAS No exercício de 2007, os gastos com Diárias, no âmbito da GRPU/RJ, totalizaram R$ ,71 (trinta e nove mil, dezessete reais e setenta e um centavos). Cabe à unidade o preenchimento dos Pedidos de Concessão de Diárias, contudo a responsabilidade pela concessão, realização e controle das despesas com diárias e passagens é da SPU (órgão central), não constando dados no balancete da unidade. 5.9 SUPRIMENTO DE FUNDOS - USO DE CARTÕES Conforme consta no Anexo C do Processo de Tomadas de Contas da GRPU/RJ, no exercício de 2007, as despesas da unidade, pagas com o Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF, mediante fatura, totalizaram R$ 5.844,95 (cinco mil, oitocentos e quarenta e quatro reais e noventa e cinco centavos). Contudo, a responsabilidade pela concessão, autorização e controle destas despesas é da SPU (órgão central), não sendo registradas nas contas da GRPU/RJ. Cabe informar que a unidade não promoveu saques com o CPGF em CONSTATAÇÕES QUE RESULTARAM EM DANO AO ERÁRIO As constatações verificadas estão consignadas no Anexo-'Demonstrativo das Constatações', não tendo sido identificada pela equipe ocorrência de dano ao erário. III - CONCLUSÃO Tendo sido abordados os pontos requeridos pela legislação aplicável, submetemos o presente relatório à consideração superior, de modo a possibilitar a emissão do competente Certificado de Auditoria, a partir das constatações levantadas ela equipe, que estão detalhadamente consignadas no Anexo I - "Demonstrativo das Constatações" deste Relatório. Rio de Janeiro, 08 de maio de 2008.

8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CERTIFICADO Nº : UNIDADE AUDITADA : GRPU/RJ CÓDIGO : EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : / CIDADE : RIO DE JANEIRO CERTIFICADO DE AUDITORIA Foram examinados, quanto à legitimidade e legalidade, os atos de gestão dos responsáveis pelas áreas auditadas, praticados no período de 01Jan2007 a 31Dez Os exames foram efetuados por seleção de itens, conforme escopo do trabalho definido no Relatório de Auditoria constante deste processo, em atendimento à legislação federal aplicável às áreas selecionadas e atividades examinadas, e incluíram provas nos registros mantidos pelas unidades, bem como a aplicação de outros procedimentos julgados necessários no decorrer da auditoria. 3. Diante dos exames aplicados, de acordo com o escopo mencionado no parágrafo segundo, consubstanciados no Relatório de Auditoria de Avaliação da Gestão nº , houve gestores cujas contas foram certificadas como regulares com ressalvas. Os fatos que ensejaram tal certificação foram os seguintes: 3.1 Falhas que resultaram em ressalvas Comprometimento do nível de atualização dos registros cadastrais de imóveis dominiais, em decorrência da ausência de um programa efetivo de fiscalização. Rio de Janeiro, 08 de maio de JESUS REZZO CARDOSO CHEFE DA CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RJ

9 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : / UNIDADE AUDITADA : GRPU/RJ CÓDIGO : CIDADE : RIO DE JANEIRO PARECER DO DIRIGENTE DE CONTROLE INTERNO Em atendimento às determinações contidas no inciso III, art. 9º da Lei n.º 8.443/92, combinado com o disposto no art. 151 do Decreto n.º /86 e inciso VIII, art. 14 da IN/TCU/N.º 47/2004 e fundamentado no Relatório, acolho a conclusão expressa no Certificado de Auditoria, cuja opinião foi pela REGULARIDADE COM RESSALVAS da gestão dos responsáveis relacionados no item 3.1 do Certificado de Auditoria e pela REGULARIDADE da gestão dos demais responsáveis, referentes ao período de 01/01/2007 a 31/12/ As questões objetos de ressalvas foram levadas ao conhecimento dos gestores responsáveis, para manifestação, conforme determina a Portaria CGU nº 1950, de 28 de dezembro de 2007, que aprovou a Norma de Execução nº 05, de 28 de dezembro de 2007, e estão relacionadas em tópico próprio do Certificado de Auditoria. As manifestações dos Gestores sobre referidas questões constam do Anexo-Demonstrativo das Constatações, do Relatório de Auditoria. 3. Desse modo, o processo deve ser encaminhado ao Ministro de Estado supervisor, com vistas à obtenção do Pronunciamento Ministerial de que trata o art. 52, da Lei n.º 8.443/92, e posterior remessa ao Tribunal de Contas da União. Brasília, de maio de 2008 MARCOS LUIZ MANZOCHI DIRETOR DE AUDITORIA DA ÁREA ECONÔMICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25180.001916/2007-11 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL - CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 190063 UCI EXECUTORA : 170968 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: Unidade Auditada: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - ES Exercício: 2011 Processo: 25150.002719/2012-34 Município - UF: Vitória - ES Relatório nº: 201203670 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO

Leia mais

Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames.

Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. Unidade Auditada: INST.BRAS.DE INFORM. EM CIENCIA E TECNOLOGIA Exercício: 2013 Processo: 01210.000441/2014-11 Município: Brasília - DF Relatório nº: 201405620 UCI Executora: SFC/DICIT - Coordenação-Geral

Leia mais

SUPERINTENDENCIA DO PATRIMONIO DA UNIAO/CE

SUPERINTENDENCIA DO PATRIMONIO DA UNIAO/CE Unidade Auditada: SUPERINTENDENCIA DO PATRIMONIO DA UNIAO/CE Exercício: 2013 Processo: 04988.001708/2014-86 Município: Fortaleza - CE Relatório nº: 201405687 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: Unidade Auditada: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - RO Exercício: 2011 Processo: 25275.004082/2012-12 Município - UF: Porto Velho - RO Relatório nº: 201203688 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO

Leia mais

PARTE I SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

PARTE I SISTEMA DE CONTROLE INTERNO PARTE I SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 1 CONCEITO O Controle Interno é o conjunto de órgãos integrados, sob a forma de sistema, para exercer a fiscalização dos atos da administração direta e indireta, comprovando

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE 1 de 42 RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE 1 - DESENVOLV EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA 1.1 SUBÁREA - FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108736 2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108736 2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108736 2ª PARTE 1 - DESENVOLV EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA 1.1 SUBÁREA - FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Os MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, DA FAZENDA e CHEFE DA CONTROLADORIA- GERAL DA UNIÃO, no uso da atribuição que lhes

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108779 2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108779 2ª PARTE 1 de 30 RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108779 2ª PARTE 1 - DESENVOLV EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA 1.1 SUBÁREA - FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1.1.1 ASSUNTO - AVALIAÇÃO DOS

Leia mais

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente

MANUAL da Lei de BRASIL. Acesso à Informação para Estados e Municípios. transparente BRASIL transparente MANUAL da Lei de Acesso à Informação para Estados e Municípios CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas 1ª edição Brasília/2013 CONTROLADORIA-GERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO TOMADA DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2011 SÃO PAULO MARÇO/2012

Leia mais

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno

Transferências de. Registro de Preços. Perguntas e respostas. Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União - CGU Secretaria Federal de Controle Interno Transferências de Recursos Sistema da União de Registro de Preços Perguntas e respostas Perguntas e respostas Edição revisada -

Leia mais

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS

VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA VOLUME I GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS NA EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS S 2013 1 APRESENTAÇÃO As normativas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : 174636 UCI 170031 : CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO MA EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : 25170.001067/2006-34

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/N o 32 DE 10 DE AGOSTO DE 2006.(*) FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal, art. 205 e 208

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS

GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS Manual para os Agentes Municipais Secretaria Federal de Controle Interno 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 A ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL...9 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...10

Leia mais

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação

Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Pregão: Uma Nova Modalidade de Licitação Sumário Introdução... 4 1. O que é o Pregão... 7 Bens e Serviços Comuns... 8 Base Legal... 9 2. Fase Preparatória... 10 Autoridade Competente... 11 Instauração

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina APRESENTAÇÃO Senhores Juízes, Senhor Procurador Regional Eleitoral, tendo em vista que na sessão plenária do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, realizada em 7.12.2011, fui eleito para o honroso

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria da Fazenda - Superintendência de Controle Interno - Assessoria Jurídica

Estado de Goiás Secretaria da Fazenda - Superintendência de Controle Interno - Assessoria Jurídica Lei de licitações do Estado de Goiás (DOE de 10/02/10) primeiras impressões Evandro Arantes Faria Gestor Jurídico Data: 06/05/2010 INTRODUÇÃO - A Lei estadual nº 16.920, de 8 de fevereiro de 2010, foi

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA TCE-PB ARAÍBA TCE-PB CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS 2ª EDIÇÃO 2012 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAÍBA CARTILHA DE ORIENTAÇÕES AOS PREFEITOS ELEITOS

Leia mais

Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FACULDADE

REGIMENTO INTERNO FACULDADE 2014 REGIMENTO INTERNO FACULDADE Este é o Regimento Interno em vigor, e tem como objetivo normatizar e disciplinar o funcionamento da FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC - RJ. SUMÁRIO TÍTULO I... 7

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Orientações para Contratação de Serviços no Sistema Único de Saúde BRASÍLIA DF 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO

Leia mais