DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA..."

Transcrição

1 DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia realizada em uma instituição hospitalar. Este atendimento tem gerado muitos questionamentos, principalmente em relação a uma complicada interação entre uma doença orgânica grave e sintomas neuróticos, notando-se a prevalência de um quadro de histeria, com a presença também de sintomas fóbicos e obsessivos. Márcia, 32 anos, é atendida há 3 anos. Portadora de Diabetes Mellitus, apresentava dificuldades em aceitar o tratamento, pois não seguia as prescrições de insulina e dieta. Ao primeiro contato com Márcia, deparei-me com uma moça, com aspecto de menina, inibida, vestida de maneira a ocultar qualquer forma de seu corpo. Chamava a atenção o uso de um crucifixo de madeira. De início esteve bastante restrita à descrição de seu desconforto por ter diabetes. Descobriu a doença aos 20 anos. Refere inibição em situações sociais, o que ao longo das sessões se caracterizou como uma intensa fobia social. Tem um histórico de muito sofrimento psíquico, permeado não só pela fobia, iniciada na infância, como por pensamentos e rituais obsessivos que eram mais intensos na adolescência. Quando a diabetes surgiu, foi encarada como um castigo, e entrou de forma bastante importante como mais um dos elementos para os rituais que Márcia já exercia. Vou nomear estes rituais como rituais de sacrifício. A diabetes tornou-se parte destes rituais na medida em que Márcia inventou uma maneira bastante peculiar de usar a insulina e de se alimentar. Ficava várias horas sem comer, somente para não ter que tomar insulina. Sentia-se muito revoltada por não poder comer a qualquer hora, mas ter que aguardar o momento certo. A relação com a diabetes foi mudando ao longo da psicoterapia e Márcia passou a seguir seu tratamento de forma mais amena, sem colocar seu organismo em risco tão frequentemente. Porém, após esta questão tornar-se mais amena, apresentou uma intensificação da fobia. Não consegue conversar com as pessoas e tem certo pavor de encontrar conhecidos na rua e ter que cumprimentá-los. Devido a esta intensa inibição tem uma vida bastante restrita. A cada sessão queixa-se da angústia que a acompanha em qualquer situação social. Márcia tem outros rituais de sacrifício, como por exemplo, não se permitir dormir a noite por sentir-se culpada, já que deixou de fazer uma série de coisas durante o dia e então deve ficar acordada como forma de punição. Sempre diz que fica com a cabeça cheia e que não consegue relaxar. Tem também um sintoma de arrancar cabelos quando se sente muito ansiosa. Sente muita culpa, considerando que os acontecimentos ruins ocorrem por sua causa. 1

2 O grande desafio deste atendimento é conseguir driblar a barreira imposta pela intensa inibição e cuidar para que a sua vida não seja colocada em risco, já que possui uma doença crônica que, se não tratada traz sérias conseqüências.na transferência,márcia está sempre reivindicando compreensão, mesmo quando afirma temeridades do tipo: vou tomar esta insulina com a qual passo mal só para provar para a médica que ela estava errada. Novamente o sacrifício de um corpo. Estamos no terreno da pulsão de morte e parece que é somente no campo do sacrifício do próprio corpo que a menina inibida religiosa faz as suas contravenções. Márcia lida com estas atitudes como verdadeiros pecados que esconde dos pais. Apresenta uma ligação muito intensa com a mãe e ao ser colocada na escola aos 6 anos ressentiu-se muito, aparecendo este momento de sua vida como potencialmente traumático. Sentiu a sua ida para a escola como um abandono da mãe. A vida de sacrifícios já teve início nesta fase: Márcia diz que não comia o lanche da escola, pois se comesse, pareceria aos adultos que gostava da escola. Márcia traz também uma questão interessante a respeito de seu corpo. Aos 4 anos notou em sua virilha uma espécie de caroço que inchava quando fazia esforços. A partir deste momento ninguém mais a viu sem roupa, nem mesmo sua mãe. Márcia tem duas irmãs, sendo que ela é a segunda filha. Percebeu-se diferente das irmãs. Não contou a ninguém deste caroço, com receio de que se fosse ao médico ele pudesse arrancá-lo. Enfim, com este relato, não é difícil pensar em fantasias referentes à castração que podem ter ocorrido. Outro dado curioso é que Márcia só usa saias desde os 4 anos, quando recusou-se a continuar usando calças, o que parece ter relação com as fantasias em relação ao tal caroço. Nota-se também, apesar da intensa relação com a mãe, uma identificação importante com o pai, pois o considera tímido como ela, e ele também tem diabetes. Há em Márcia a ausência de traços de feminilidade e inclusive descreve o momento da menarca como algo ruim, do que quis se livrar, utilizando-se de um manejo que também incluía um sacrifício: certa vez houve um atraso na menstruação e quando isto foi dito a um médico, o mesmo disse que comer pouco causava a amenorréia. A partir daí Márcia passou a se alimentar mal para não menstruar. É muito peculiar a forma como Márcia descreve os acontecimentos de sua infância. Parecem atuais, dizendo que não compreende quando as suas irmãs falam quando éramos crianças. Apesar de um corpo adulto e da passagem do tempo, não se considera adulta. Márcia não trabalha e nunca teve um namorado. A sexualidade adulta é um assunto evitado. Apresenta em vários momentos pensamentos de morte, de que sua vida não faz sentido, devido aos sintomas limitantes, notadamente a fobia. Uma hipótese válida é que a diabetes entrou na sua vida como mais um dos elementos que a faz sentir-se diferente das outras pessoas. É no manejo de seu tratamento médico que ela se arrisca, cometendo 2

3 atentados contra si mesma. Pode-se pensar nestes ataques como parte do quadro de histeria, porém isto não significa que ela não possa conseguir êxito algum dia nestes ataques. Após a apresentação do caso farei apenas uma síntese de reflexões teóricas que podem auxiliar na compreensão deste caso clínico que considero muito complexo pela variedade de sintomas e pela dificuldade do manejo analítico. Rosine Debray 1, estudiosa da Psicossomática Psicanalítica, que realizou uma pesquisa com portadores de diabetes, constatou que há entre os sujeitos diabéticos certa variedade de organizações mentais. Ela aponta que, além da preponderância de fatores genéticos, para ocorrer o desencadeamento da doença há a ocorrência de alguma mudança no ambiente externo que se dá de forma violenta, atingindo o valor de um trauma. Márcia faz a associação do surgimento da doença com 2 eventos: a morte de um cão de estimação e o casamento de uma das irmãs, pouco antes do aparecimento da doença. Debray lembra-nos que há uma maior fragilidade nos momentos de crise, principalmente no período do conflito edípico e na sua reativação na adolescência. Este segundo ponto parece-me o mais importante, tendo em vista as suas fantasias no momento do conflito edípico e como as mesmas ainda parecem guardar certa atualidade. Inclusive Márcia considera que é portadora de diabetes há muito tempo, antes da descoberta aos 20 anos. Debray formula a hipótese de uma etiologia sexual para a diabetes mellitus. Aponta que nas meninas tem-se na menarca o momento em que o término da infância torna-se uma realidade e reativa conflitos mal elaborados. Aponta para uma sobrecarga econômica relacionada aos remanejamentos sexuais da adolescência que tomam um caráter traumático, gerador de um movimento de desorganização atestado pela diabetes. Cabem também algumas considerações sobre a sexualidade infantil e a histeria que parecem ter uma grande importância no funcionamento psíquico da paciente. Alonso & Fuks 2 nos lembram que um dos destinos possíveis do Complexo de Édipo nas meninas após a constatação da inviabilidade de ter uma relação com o pai é o recalque do desejo ou do complexo como um todo, conduzindo à inibição neurótica da sexualidade ou à frigidez, o que ocorre com freqüência na histeria. O medo de punição em Márcia aparece relacionado com uma possível retaliação por parte de seus pais, o que parece ser o medo da perda do amor, destino descrito por Freud como a principal ameaça após o declínio do Complexo de Édipo nas meninas. Há um combate constante aos desejos edípicos remanescentes e recalcados. 1 Debray, R. O equilíbrio Psicossomático e um estudo sobre diabéticos (1995) 2 Alonso, S.L. & Fuks, M.P. Histeria, Coleção Clínica Psicanalítica (2004) 3

4 Outro ponto importante é a relação pré-edípica com a mãe que, conforme Freud salientou no texto Sexualidade Feminina em 1931, traz consequências tanto para o desenvolvimento da sexualidade feminina quanto para a gênese da histeria. Alonso & Fuks apontam também que, na histeria é como se a castração simbólica de alguma forma fracassasse e a menina ficasse atrelada ao vínculo de idealização e, ao mesmo tempo de ressentimento com a mãe. Em Márcia, a relação com a mãe oscila entre esta idealização, de uma mãe que faz tudo para ela e também da mãe que não a compreende e não é suficiente. Alonso & Fuks retomam as formulações de Freud após 1920 e afirmam que o traumático volta a ter importância, sendo que o sintoma passa a ser considerado a partir de duas perspectivas: de um lado é a mensagem do inconsciente recalcado, de outro é uma defesa contra as intensidades excessivas da pulsão. Ainda segundo Alonso & Fuks: A intensidade do traumático e a vigência da pulsão de morte fazem-se presentes, contudo, na persistência e fixidez do sintoma e na restrição ou ausência de plasticidade psíquica (p.116). Após estas breves considerações, concluo que um dos pontos importantes para a reflexão refere-se à complicada relação estabelecida entre os diversos sintomas, sendo o eixo comum para os sintomas físicos e psíquicos a presença do traumático. A diabetes entrou no circuito já bem estabelecido de uma neurose, o que fez com que a doença somática fosse mais um dos elementos para Márcia sentir-se diferente e intensificar sua inibição. Podemos pensar que a neurose foi insuficiente para dar conta dos excessos, daquilo que teve um caráter traumático? E, neste caso temos um prejuízo no real do corpo? Enfim, encerro este trabalho com esta e outras questões... 4

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Alonso, S & Fuks, M. - Histeria, Coleção Clínica Psicanalítica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004 Debray, R. O equilíbrio Psicossomático e um estudo sobre diabéticos São Paulo: Casa do psicólogo, Freud, S.(1931) Sexualidade Feminina - In: Obras Completas, vol.xxi, Rio de Janeiro,

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA

A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA O A HISTERIA DE CONVERSÃO: QUANDO O CORPO FALA Simão, Lara Maria Oliveira Acadêmica do Curso de Psicologia Faculdade de Ciências da Saúde ACEG Garça/SP E-mail: lara_simao30@yahoo.com.br MOREIRA, Simone

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

O meu filho e o psicólogo

O meu filho e o psicólogo O meu filho e o psicólogo Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com As 10 questões de muitos pais antes de marcarem consulta do seu filho 1)O meu filho não é maluco! Algumas crianças bem como alguns

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

produzir conhecimento, com vistas a contribuir, a posteriori, para a transmissão do saber em psicanálise. Logo após decidirmos que gostaríamos de

produzir conhecimento, com vistas a contribuir, a posteriori, para a transmissão do saber em psicanálise. Logo após decidirmos que gostaríamos de Conclusão: Os destinos da sedução em psicanálise É tempo de concluir sobre quais seriam os destinos da sedução, de acordo com os pensamentos de Freud, Ferenczi e Laplanche. Pensamos em retomar alguns pontos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS

NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS NEUROSE OBSESSIVA: O INÍCIO DE UMA INVESTIGAÇÃO METAPSICOLÓGICA A PARTIR DE SUAS BASES PRÉ-PSICANALÍTICAS Joselene Monteiro Silva Eduardo Silva Taveira Clarissa Maia Esmeraldo Barreto Henrique Riedel Nunes

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA

POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA Cybelle Weinberg Eles saem com os amigos, "a turma é a sua família", mas quando a coisa aperta lá fora eles voltam para a segurança da casa. Por

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Como lidar com alunos com necessidades especiais?

Como lidar com alunos com necessidades especiais? Como lidar com alunos com necessidades especiais? Ao decorrer deste e-book gratuito, você verá 26 dicas incríveis para aprimorar o seu relacionamento em sala de aula com alunos que possuem necessidades

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO Bruna Maria Schiavinatto* (Programa de Iniciação Extensionista, Fundação Araucária, Departamento de Psicologia e Psicanálise, Universidade

Leia mais

SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD.

SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD. SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD. Vera Márcia Ramos Membro efetivo e didata da SPRJ O objetivo dessa supervisão foi contribuir com a minha visão

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Sobre a neurose obsessiva: reflexões clínicas da atividade do pensamento

Sobre a neurose obsessiva: reflexões clínicas da atividade do pensamento Sobre a neurose obsessiva: reflexões clínicas da atividade do pensamento Helena Maria Melo Dias Penso que a clínica da neurose obsessiva, contratransferencialmente, impõe ao analista uma profunda reflexão

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010 Decio Tenenbaum Biológica Psicológica Ôntica Social Cultural Espiritual Níveis de consciência (transcendência) Somos formados por

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Aluno A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA

DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA 1 DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA Antônio Roberto de Sousa Henriques e Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO A ausência de pulsação biológica e a neurose são os mecanismos

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012

Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 Aspectos Psicológicos do Câncer na MULHER. O que é preciso saber para acolher? Maria Estelita Gil Psicóloga Clínica 2012 1 Repercussões emocionais frente ao Diagnóstico de Câncer A comunicação de um diagnóstico

Leia mais

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO QUESTÕES QUE ENVOLVEM CONHECIMENTO RELATIVO À NORMA CULTA DA LÍNGUA (CONCORDÂNCIA VERBAL, REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL, PONTUAÇÃO,

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA COMO RESISTÊNCIA

A TRANSFERÊNCIA COMO RESISTÊNCIA ESTRUTURAS CLÍNICAS Aula 6: 28/05/2004 1 A TRANSFERÊNCIA COMO RESISTÊNCIA Roberta d Assunção: Freud vai conceituar o recalque como mecanismo inconsciente correspondente às resistências. Essas resistências

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais

Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais Adoecer psíquico na infância: Um olhar sobre os pais Janari da Silva Pedroso 1 Letícia Noal 2 SUMÁRIO As dificuldades experimentadas desde cedo na infância e a forma com que a criança irá lidar com tais

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Bandeira et al., (2006). Escala de Sobrecarga Familiar 1 ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Escala adaptada e validada pelo Laboratório de Pesquisa em Saúde Mental (LAPSAM) www.lapsam.ufsj.edu.br

Leia mais

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A PSICOTERAPIA BREVE PSICANALÍTICA NA REABILITAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Cláudia Nabarro Munhoz 1 Há muita polêmica na área da saúde em relação à utilização da Psicanálise em contextos institucionais.

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP)

A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) A PSICOTERAPIA ANALÍTICO FUNCIONAL (FAP) Casos Maringá 2011 Instituto de Psicoterapia e Análise do Comportamento tel/fax: (43) 3324-4740 fconte@sercomtel.com.br Erros podem ajudar. Ex. T atendia sempre

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

MARKETING E A NATUREZA HUMANA

MARKETING E A NATUREZA HUMANA MARKETING E A NATUREZA HUMANA Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.Sc. Slide 07 Introdução O que é preciso para que algo faça sucesso? Dito de outra forma: o que é preciso para que algo (uma idéia, uma

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Revisão Continente Psiquiátrico Neurótico (Patologia da experiência ) (TOC Transtorno

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais.

A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. A CLÍNICA PSICANALÍTICA INFANTIL REVELANDO A NATUREZA DO PEDIDO POR ATENDIMENTO: a reparação do narcisismo dos pais. Cristianne Spirandeli Marques 1 Iralva Moreira Soares Milagre 2 Introdução Alguns autores

Leia mais

FORMAÇÃO GERAL. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/ desigualdaderendanobrasil/cap_04_avaliandoasignificancia.

FORMAÇÃO GERAL. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/ desigualdaderendanobrasil/cap_04_avaliandoasignificancia. 1 Aula: Psicopatologia Matutino: Miguel, 20 de outubro, das 08h30 as 10h00 (Terça-feira) Noturno: Miguel, 20 de outubro, das 19h30 as 21h00 (Terça-feira) QUESTÃO 1 FORMAÇÃO GERAL Disponível em: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/livros/

Leia mais