Prefeitura Municipal de Ponta Porã. Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prefeitura Municipal de Ponta Porã. Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho"

Transcrição

1 1

2 2

3 Prefeitura Municipal de Ponta Porã Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho Secretária Municipal de Assistência Social e do Trabalho Doralice Nunes Alcântara Secretária Adjunta Vera Lucia Oliveira de Souza Coordenadora Geral da Proteção Social Básica Maria Aparecida Scalon Coordenadora do CRAS Coophafronteira Carme dos Santos Coordenadora do CRAS Marambaia Kamila Francisco Perez Coordenadora do CREAS Cremilde Alves Magalhães Coordenação do Serviço de Acolhimento Institucional Dalva de Oliveira Accioli Secretaria de Assistência Social e do Trabalho de Ponta Porã Rua Baltazar Saldanha S/N - Horto Florestal Bairro da Saudade - Ponta Porã - MS Fixo: Fax: Celular:

4 4

5 ANÁLISE E REFLEXÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA PORÃ - MS. RESUMO Implementar a política de assistência social na perspectiva do SUAS é um desafio, cuja concretude depende de um conjunto de ações com a participação dos diversos atores. É preciso romper o olhar tradicional, ultrapassar os limites, ter coragem e avançar na tentativa de mudar o processo de violação que perpassa a vida dos usuários que buscam os serviços e benefícios da política de Assistência Social. O documento apresentado é uma iniciativa da gestora municipal, inspirada na necessidade da troca de experiências e contribuir na formulação de estratégias para efetivação da política de assistência social. A construção do documento permitiu fazer uma viajem no tempo e identificar os agentes de transformação que fizeram e fazem parte dessa construção, bem como as ousadias e iniciativas necessárias nesse processo de construção. CONHECENDO UM POUCO A HISTORIA DA FRONTEIRA A cidade de Ponta Porã faz exemplo na gestão da política de Assistência Social na tentativa de concretizar as orientações e reordenamentos dos serviços propostos a partir do SUAS. Já é possível colher os frutos desse difícil exercício, identificar sinais do comprometimento e da coragem de uma equipe de agentes público na luta pela garantia do direito dos usuários. Em outras palavras, nesta cidade os trabalhadores se uniram em uma jornada ampla para que a garantia de direito saísse do papel para fazer parte da vida dos cidadãos. A prática é embasada nas orientações do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, nas orientações da Secretaria de Assistência Social Estado e nos embasamentos legais, respeitando a realidade local, com a peculiaridade territorial e cultural da fronteira, onde dois países são divididos por uma única rua que geograficamente unifica a população provocando inevitavelmente o intercambio. Nesse período, vários reordenamentos foram feitos, com a clareza de que diante do alto grau de vulnerabilidade da maioria da população usuária as ações se tornavam insuficientes e ineficazes. 5

6 Foi necessário aprender a lidar com o sentimento de impotência profissional frente a uma problemática extensa e desigual que afeta a vida dos indivíduos e famílias e que parecem ultrapassar os limites de uma política pública. O documento reafirma a importância do profissional propositivo, criativo, disposto a refazer a prática na tentativa de contribuir para a superação dos desafios que dificulta a efetivação da Política de Assistência Social, sinaliza ainda, a importância de uma gestão comprometida e competente, disposta a romper situações burocráticas e desafiadoras. É na verdade a contextualização do trabalho árduo de uma equipe de trabalhadores ciente da necessidade de romper paradigmas e adequar as políticas públicas como dever do Estado e direito do usuário. Ilustra-se aqui a experiência de um trabalho árduo que iniciou em 2006 período marcado pela efetivação do SUAS. Um período marcado por desafios, frustrações e sofrimento, mas de uma vontade de fazer ainda maior. 6

7 CONSELHO GESTOR NA SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E TRABALHO DE PONTA PORÃ Maria Aparecida Scalon 1 Ao elaborar o presente artigo quero dar minha contribuição como trabalhadora da área na assistência social. Inicialmente como assistente social/coordenadora do Centro de Referência da Assistência Social e atualmente como coordenadora da Proteção Social Básica, não tenho a pretensão de elaborar um artigo cientifico, mas de colaborar com a Política de Assistência Social no município de Ponta Porã. Quando pensamos em gestão visualizamos decisões isoladas de gerenciamento e nós trabalhadores da área da assistência social temos dificuldade de ser partícipes das decisões que é de uma política devidamente instituída e de responsabilidade de todos, principalmente dos trabalhadores dessa política. Na instituição do Conselho Gestor na Secretaria de Assistência Social e Trabalho de Ponta Porã, tivemos a recriação muitas vezes desse conselho. Foinos cobrado que fossem elencadas as dificuldades para que o conselho se efetivasse. Ao apontar as dificuldades faz-se necessário colocar a inexperiência dos trabalhadores da Assistência Social na gestão, além dos projetos passarem por avaliação, discussão, adequações, mudanças podendo até ser rejeitado pelo conselho, ainda traz desconforto. O financiamento das ações percebo que é nossa maior dificuldade. O Conselho Gestor está em construção, trabalhamos com as dificuldades citadas, crescemos conseguimos nos organizar, já temos calendário de reuniões, os projetos necessitam estar nos s dos membros do conselho gestor com trinta dias de antecedência para analise, e o autor do projeto levar 1 Assistente Social, Coordenadora Geral do Serviço de Proteção Básica. 7

8 POSTs DE UMA - Ganhamos! -E agora! Preciso aprender como trabalhar neste meio. -Minha professora é 10! Anoto tudo o que ela diz. -Acho que será piorzinho do que imaginei. -Definitivamente não sou bem-vinda... Vai pelo Prefeito e pela Primeira-Dama seja feita a Vontade do -Socorro! -Se elss(as) não me ajudarem eu não consigo. Precisam entender a importância que cada um tem para o trabalho acontecer. E agora fazer o quê? - Vamos implantar esta Política, com a sorte de começarmos junto (Governo Federal, Estado e -Nossa Senhora, é difícil entender esta sopa de letrinhas! -Pensar na cultura fronteiriça como instrumento de resgate da auto-estima do povo lindo deste: Começo de Brasil!O que significa COEGEMAS? Vou pedir assessoria técnica... -Analisemos nossa realidade, a partir dos técnicos efetivos da -Duas horas diária de leitura já não é mais o suficiente. Nunca vi tanto documento... -Vamos romper drasticamente com o que é praticado e não representa a Política de Assistência Social. -Opção Radical pelo Direito do -A Receita é: Todos com cuidado e objetivos de Proteção Social Básica somado ao comprometimento e a sensibilidade de Proteção Social Especial! -Preciso estimular esta equipe. Aumentar a confiança e a estima. -Pensemos em atividades para formação pessoal, além da capacitação técnica. -Um centro para atendimento do usuário na Secretaria? Abrigo para crianças numa casa sem quintal? Vamos mudar isso... Mas como fazer, Jesus? 8

9 até o setor financeiro da secretaria para verificar a fonte dos recursos, e, se há recursos para execução do projeto. Vale ressaltar que mesmo o projeto sendo aprovado no Conselho Gestor, acontece de projetos serem reavaliados, algumas questões não foram devidamente analisadas, aí é que verificamos a necessidade da participação/contribuição de todos. As discussões fazem-nos aprimorar na elaboração dos projetos, ter conhecimento por todo universo onde o projeto será desenvolvido, tendo como positivo o retorno ao Conselho Gestor e que não cabe mais amadorismo. Há necessidade de nos aprimorarmos no planejamento, pensarmos na viabilidade das ações e no financiamento. Porque coloco como positivos itens acima, porque abre para discussões mais amplas, nos aprimoramos no planejamento, pensamos em conjunto na viabilidade das ações, que chegara até o usuário da Política da Assistência Social com maior qualidade e o mais importante conseguimos visualizar a ação final do projeto que e o impacto nas famílias. Estamos ampliando a participação no Conselho Gestor para além da equipe técnica e coordenadores. Ainda temos um longo caminho a percorrer e coloco como sugestão o acompanhamento dos projetos pelo Conselho Gestor. Afirmo que os embates e debates enriquecem a participação, agrega e divide opiniões, mas o mais importante é que enriquece o processo democrático. 9

10 PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL CREAS CENTRO DE REFERENCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTENCIA SOCIAL Vera Lúcia Oliveira de Souza 2 Falar da minha atuação profissional na Política de Assistência Social em Ponta Porã é trazer a tona uma história de sucessos e desafios, é mais do que nunca comprovar a possibilidade de construir uma equipe sensível, ética e comprometida na luta constante pela garantia de direito dos usuários. Ingressei na equipe da SAST dia 10 de julho de 2006 como assistente social do programa sentinela em transição para o CREAS, prestando serviços aos usuários e famílias com direitos violados em decorrência de abuso e exploração sexual. Foi um período rico em crescimento pessoal e profissional, em que muitas vezes misturava sentimentos de impotência ao mesmo tempo de gratificação. Poder acolher alguém fragilizado e com sentimento de desproteção traz uma satisfação profissional quase que inexplicável. Vivi momentos fortes, alguns com sucesso, outros com frustrações por não conseguir atingir o meu objetivo que era o de garantir proteção da criança e do adolescente. Por entender que minha função de assistente social é o de contribuir na garantia de direito de crianças desassistidas pela família encarei alguns conflitos e tive muita dificuldade de visualizar as parcerias. Vivi inúmeros conflitos no atendimento crianças/adolescentes, o olhar frio e descompromissado de agentes públicos que na verdade teriam que ser parceiro. Eu tinha muita dificuldade de entender o comportamento dos policiais, pois pareciam estar sempre prontos a punir a criança e o adolescente. Eles também não tinham um olhar positivo com relação a minha atuação, o que acabava dificultando o meu trabalho. 2 Assistente Social, Coordenadora Geral de Proteção Especial e Secretária Adjunta da SAST. 10

11 Nessas situações, a secretária me chamava para conversar e fazia reflexões no sentido de me convencer que esses profissionais têm um olhar do ponto de vista de sua atribuição, ou seja, que o policial jamais teria o meu olhar, defesa que aos poucos foi contribuindo na minha atuação, me permitindo fazer parcerias. Passei então a atuar na tentativa de sensibilizar a rede por meio de palestras, fóruns de discussão ou atendimento individual, pois sozinha, não seria possível. Hoje vejo resultados, percebi que foi diminuindo as queixas dos adolescentes com relação a policiais, eu fui menos acionada para esclarecimento no poder judiciário e promotoria da infância e adolescência, sinalizando então o resultado da mudança de estratégia. Aos poucos fui ocupando meu espaço profissional no município e principalmente para a secretária de assistência social com seu comprometimento e sensibilidade em atender as famílias. Alguns meses depois fui convidada a assumir a coordenação do CREAS com o difícil desafio de implantar os seus serviços. Pra mim foi um susto, porque não me via coordenando uma equipe e nem deixando de ser assistente social, pois me imaginava afastada dos usuários, cuidando da administração de um programa, coisa que não aconteceu. Em conversa coloquei todas as minhas angustias a secretária que cuidadosamente e muito observadora, já percebia meus anseios. Com relação as minhas dificuldades de coordenar, valorizou minha vontade de fazer e deu-me a liberdade de errar e recomeçar quantas vezes eu precisasse, com muita clareza de que o SUAS estava nascendo e que a tarefa de fazer seria de cada município com sua realidade. Em poucas horas me vi com um poder imenso de transformar, fazer com que aquela equipe tornasse a mais fortalecida, sensível e coesa na defesa dos usuários, porque isso era o que me angustiava. Meu principal objetivo era garantir a qualidade do atendimento, por um ano trabalhei incansável sem conseguir me afastar. Aos poucos começamos a colher os frutos, percebi que a equipe passou a assumir a mesma causa, não tínhamos problemas, qualquer hora que os chamasse, estavam prontos a atender porque o nosso objetivo era o usuário. Quando a gente não conseguia encaminhar o 11

12 usuário e isso acontecia com freqüência, nos uníamos para proteger, todos abraçavam a causa, desde o vigia até a pessoa da limpeza. Essa experiência fortaleceu a necessidade de continuar trabalhando vinte quatro horas por dia como fazia o sentinela e deu argumento para nossa gestora aumentar o quadro de funcionários do programa e conquistar um espaço maior. Identificamos que não seria possível fazer atendimento a pessoa em situação de rua sem acolhimento temporário e a rede não dispunha do serviço, começamos então acolhe-los no próprio programa que contava com dormitórios. Fato esse muito criticado pelo Estado por meio da SETAS e questionado pelo MDS. Sentíamos-nos pressionados, muitas vezes tive a preocupação de estar errando e permitindo tecnicamente que minha gestora errasse também, mas ela sempre reforçava a tranqüilidade de que estaríamos no caminho certo e que uma vez argumentado tecnicamente arcaria com as conseqüências. Fomos destaques no Brasil, pois vários municípios buscavam nossa experiência e tivemos a grata satisfação de ter o reconhecimento do MDS por meio da visita ao município, trabalho divulgado na revista. Os atendimentos aos usuários que chegam ao CREAS são complexos e quase sempre sem respostas imediatas, com grande probabilidade de frustrar o profissional. Ao mesmo tempo em que o coordenador exige, ele precisa cuidar da equipe. Instituímos então uma comissão para cuidar dos momentos especiais vividos pelos membros da equipe. Essa comissão teria a função de ligar para averiguar motivos de faltas, preparar confraternizações para celebrar nascimento de filhos, casamentos de colegas, aniversários, despedidas de quem saem da equipe, festas típicas e até café comunitário para comemorar as ações consideradas com êxito. Implantamos ainda a formação continuada, com o objetivo de fortalecê-los, prepará-los e sensibilizá-los para os atendimentos. Essa formação acontece mensalmente sob a responsabilidade de um grupo de profissionais, preferencialmente dois. O tema a ser discutido é distribuído com antecedência. A tarefa do restante da equipe é a de participar, receber os colegas ministrantes 12

13 com respeito, instigar o sentimento de admiração por aquilo que temos de bom na própria equipe, tarefa cumprida sem sacrifício. Todas as reuniões de formação foi marcada pelo empenho dos expositores, pelo interesse e envolvimento dos demais membros da equipe. Lembro-me com alegria e muita motivação a capacitação dos vigias Osmair e Renato e as nossas auxiliares de serviços gerais Fátima e Georgina. O grupo que denominamos nossos anjos por cuidarem da nossa segurança e bem estar. Eles estudaram muito, explanaram e provocaram reflexão na equipe com relação a suas respectivas funções, reforçando assim a relevância de seu papel e ampliando o respeito dos colegas. A valorização contribuiu na qualidade do serviço desses profissionais. Todos os funcionários têm orgulho em compor a equipe. Formamos multiplicadores, pois percebemos que quem passa por lá adquire um olhar diferenciado e quem chega se contagia com o envolvimento e o comprometimento da equipe. Minha experiência na formação dessa equipe me motiva a continuar, me faz ter a certeza de que é possível romper os entraves da política pública, identificar parceiros e contribuir para uma sociedade melhor a partir do direito constituído. A confiança da equipe do CREAS e da gestora com relação ao meu trabalho, veio de encontro com meu projeto profissional e me motivou ir além. Tornei-me referencia na política da criança em Ponta Porã e em conseqüência recebi um convite para dar suporte técnico no abrigo Seu Felix, serviço de acolhimento institucional para adolescentes, posteriormente passei a intervir informalmente no abrigo municipal com a visão de que temos muito que avançar na política da criança e sabia que poderia contribuir. Em 2008 a secretária oficializou minha assessoria técnica naquela instituição e de uma forma mais confortável continuei o trabalho, sempre com o desafio de sensibilizar e envolver a equipe no atendimento da criança. Apliquei várias estratégias de sensibilização as quais consigo perceber frutos. Em janeiro desse ano (2011) assumi a Coordenação da Proteção Social Especial, onde dou suporte e orientação em todos os serviços com intervenção nas instituições governamentais. Senti-me valorizada profissionalmente, pois a 13

14 secretária me deu como missão ampliar o meu olhar sensível em todos os espaços da secretaria. Em julho desse mesmo ano assumi a secretaria adjunta. Não tem sido uma tarefa fácil, é um momento de grandes desafios, mas numa perspectiva grande de poder cumprir minha responsabilidade profissional em uma gestão que no meu ponto de vista é diferenciado e que muito nos permite avançar para que o direito do usuário saia do papel. Vivemos grandes frustrações, mas por outro lado somo as forças com profissionais compromissados e com vontade de fazer. Na secretaria adjunta não tenho muitas experiências a relatar, mas já tenho a amostra de que seja possível avançar, romper os desafios de um sistema capitalista desigual e de entraves burocráticos que dificultam a implementação da assistência social como política pública. A elaboração do documento me permitiu fazer uma analise da realidade profissional na política de assistência social e perceber o grande paradoxo que permeia o nosso cotidiano. Ao mesmo tempo, a importância de sermos profissionais propositivos, sensíveis e compromissados com uma luta que nem sempre é uma tarefa fácil. Mas que, temos a clareza de que o resultado do trabalho depende de um conjunto de ações incluindo com relevância do modelo de gestão da secretária e da parceria dos demais atores compromissados com a política de assistência. Tenho a clareza de que se fossemos diferentes não seria possível avançar, pois foi necessário criar algumas estratégias, buscar alternativas que estimulem o prazer de trabalhar, com o mesmo entusiasmo em todos os atendimentos. 14

15 PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Carme dos Santos 3 Iniciei meu trabalho dentro da Secretaria de Assistência Social e do Trabalho como educadora social no Projovem. Trabalhar com adolescentes em transformação, os quais estão passando de crianças para adultos, não somente na altura, no peso, capacidade fisica, forma de ser, mastambém na evolução de sua personalidade ede suas capacidades mentais, poder conhecê-los e participar ativamente desteprocesso foi uma experiencia extraordinária. O trabalho com os adolescentes foi sempre baseado no respeito, confiança, compreensão e na escuta o que foi extremamente positivo para algumas mudanças,nas quais consegui amenizar suas angústias e suas dificuldades. Acolher estes adolescentes, ajudá-los na prevenção de possíveis situações de risco, possibilitar o convívio em grupo para que desenvolvam suas habilidades e instigar o conhecimento propiciando a esses jovens informações para sua formação como cidadão e fortalecer seu convívio familiar, comunitário e sua autoestima foi uma aprendizagem como pessoa e como profissional. Posteriormente o trabalho de educadora social dentro do CRAS- Centro de Referencia da Assistencial Social com as famílias dos projetos obtive resultados que podem ser descritos a partir de duas visões: a formação das crianças e o fortalecimento do vínculo familiar e comunitário. Durante as atividades realizadas no projeto, participei de reuniões com as mães, observando assim que as mesmas passaram a preocupar-se mais com o rendimento dos seus filhos na escola e a importância da participação de cada uma delas na vida dos mesmos. Nos encontros abordei temas como comportamento das crianças dentro do projeto e em casa, rendimento escolar e bordado das camisetas no qual como 3 Psicóloga, Coordenadora do CRAS Coopha. 15

16 @SASTFRONTEIRA -Fronteira: não uma linha que divide, mas um espaço que une dois povos... -Hoje conheci o Secretário de Estado de Assistência Social. -Mais sopa de letrinhas. -Resgate do Feminino, vamos fazer tecelagem, nanduti e cestaria! -COEGEMAS, Secretaria de Finanças, vamos lá! - -Meu Deus, proteja nossas crianças e quem luta pelo direito delas! - O amigo virou IRMÃO! -Copa do Mundo... Como vocês trabalham o tema, e ainda mais envolvendo a temática das drogas? -Violência Sexual contra criança e adolescente, tai uma realidade que eu preferia não vivenciar... Viva o Sentinela! Deus abençoe a rede de proteção dos direitos da criança e do adolescente! Viva o -Ano de Conferências, nunca discutiu tanto sem entender nada! - O chefe do Irmão disse: Isso tá parecendo Igreja, quando não é Encontro é Seminário! -No meio de tanta confusão, teve até briga de índio e otras cositas, mas, deu tudo certo e ainda encontrei um amigo, que veio acompanhado de uma moça linda e um rapaz feliz! Fiz o que podia para acolher com o calor -Conferência Estadual, espaço de avaliação, construção e muita... muita discussão, no sentido literal da palavra. Eita povo! -Senhor do Céu e da Terra, como faço para esta equipe planejar o que quer realizar e realizar o que foi planejado? -Pronto, agora eles já sabem o que querem fazer, só não tem noção do quanto custa. Dá-lhe PLORDICOCO! -PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR, COORDENAR E CONTROLAR! Viva a Administração na Política da Assistência -Povo de Deus! Nós podemos não resolver tudo... Mas fazemos à diferença na vida do nosso povo... - Tomei uma decisão: vou trabalhar sem dinheiro! -Coordenadora do Abrigo por 90 dias... Experiência única. -Ué é prá gritar? Ou prá falar baixo? A importância do 16

17 testemunho na prática sócio-educativa. educadora participei ativamente aprendendo com elas o bordado ponto a ponto, bordando minha própria camiseta. A confecção dos uniformes da banda também contou com a participação das mães. Durante as oficinas de bordado e de costura as mães me relatavam a satisfação de estarem aprendendo e de que o momento era muito prazeroso. Nas minhas visitas domiciliares, as famílias foram acompanhadas devido ao não comparecimento das mães as reuniões, por falta dos filhos aos ensaios, por pequenos acidentes ocorridos dentro do projeto, por problemas de comportamento e para verificar a realidade vivida por estas crianças em seus lares. Durante as visitas era observada a necessidade da família, dificuldades de trabalho, alimentação e muitas foram beneficiadas com ajuda de alimentos e encaminhadas aos programas existentes na rede sócio-assistencial. O não comparecimento das mães as reuniões geraram muitas visitas, pois as mesmas tinham muita resistência em participar. Como educadora realizei todo um trabalho para que elas não desistissem, ressaltando a importância de cada uma delas no incentivo e apoio aos filhos na participação do projeto. O trabalho nesse período com as famílias e as crianças dos projetos foi muito satisfatório, o vínculo foi fortalecido a cada atividade, a cada dia, a cada encontro. Em seguida assumi a coordenação do CRAS-Marambaia outro momento único. Conhecer os riscos, as vulnerabilidades sociais das pessoas sujeitos do território propensas a perderem os vínculos sociais, familiares e afetivos e encontrar atitudes para a garantia dos seus direitos. Durante o trabalho como coordenadora o desafio como profissional de transformar ou amenizar positivamente as situações de vulnerabilidade existente no território e possibilitar o acesso aos serviços e benefícios públicos articulando com a rede intersetorial estabelecendo conexões positivas do usuário à rede de serviços públicos como saúde, educação, conselho tutelar, agentes comunitários de saúde, os CEINF s, escolas estaduais e municipais, conselho tutelar, 17

18 Ministério Público, serviços de segurança pública, FUNCESPP e demais agentes que tem a preocupação iminente com a região. O trabalho na coordenação como facilitadora de estratégias para o bom funcionamento dos serviços como orientações e cadastramento do Programa Bolsa Família - PBF; orientações e encaminhamentos de Benefício de Prestação Continuada BPC; atendimentos e solicitação de Benefícios Eventuais (auxílio natalidade, auxílio funeral, complementação alimentar, auxílio passagem, documentação); cadastro habitacional e encaminhamentos para prioridade; atendimento e solicitação de passe livre; inscrições para projetos desenvolvidos pelo CRAS; encaminhamento de relatórios mensais à Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho SMAST- bem como os diversos projetos socioeducativos entre eles Projeto Acordes, Peti /Projovem, conviver, Arte de Ponta, foram bastante proveitosos tendo com o objetivo principal o fortalecimento de vínculos comunitários e familiares. Os resultados positivos alcançados durante este período foram devidos uma análise sistemática e uma ferramenta chamada diálogo com a Gestora Doralice Nunes Alcântara e com toda a equipe. Dificuldades e limitações foram encontradas, no entanto o esforço pessoal juntamente com a Secretaria de Assistência Social e do Trabalho o atendimento ao usuário foi realizado sem que houvesse prejuízo aos mesmos. Atualmente frente à coordenação do CRAS-Coopha oferecendo o mesmo trabalho e a mesma dedicação. 18

19 ASSISTÊNCIA SOCIAL DIREITO DE TODOS QUE DELA NECESSITEM Andréia Cristina Tofaneli 4 Iniciei meu trabalho como Assistente Social na Secretaria Municipal de Assistência Social em dezembro de dois mil e sete, atuando como assistente social no CREAS Centro de Referência Especializado de Assistência Social onde realizava atendimento a famílias e indivíduos que se encontravam com seus direitos violados, tais como criança/adolescentes, mulheres, idoso, pessoas com deficiências vítimas de violência. Durante o meu trabalho no CREAS pude observar as mudanças que ocorreram na Política de Assistência Social após a criação do SUAS Sistema Único da Assistência Social, onde a assistência social passou a ser reconhecida como direito de todos, e com a divisão dos níveis de proteção passou a ser mais especifico o atendimento as famílias de acordo com o grau de vulnerabilidade vivenciado. O atendimento as famílias no CREAS é um desafio constante, pois são vários os tipos de serviços que são oferecidos pelo programa, mas com o mesmo objetivo o de fortalecer as famílias e indivíduos a buscarem novas alternativas de vida. Aprendi durante esse período de trabalho no CREAS a importância que o trabalho da Assistente Social tem no decorrer do atendimento/orientações com as famílias, pois se você não pode deixar que seus valores/costumes interfiram no seu trabalho, já que cada família tem o seu modo de pensar, seus medos e anseios que são únicos. Neste período pude perceber que uma das coisas fundamental no trabalho com as famílias é a articulação e união entre a equipe no intuito de atingir o mesmo objetivo que é o fortalecimento da família atendida pelo programa, seja na Proteção Social Básica, seja na Proteção Social Especial. 4 Assistente Social, do CRAS Coopha e Secretária Executiva do Conselho Municipal de Assistência Social. 19

20 Outro fator relevante é a sensibilidade da equipe exercitada cotidianamente e que muitas vezes não é uma tarefa fácil, exige comprometimento profissional e envolvimento no trabalho, sem deixar que a diversidade vivenciada nos atendimentos interfira no seu trabalho. Em abril de 2010 passei a trabalhar no CRAS Centro de Referência de Assistência Social, onde o trabalho não deixa de ser desafiante, mas em outra ótica, no fortalecimento das famílias a melhorar sua qualidade de vida, fortalecendo vínculos familiares e comunitários, respeitando as peculiaridades de cada território, não esquecendo que vivemos em uma linha de fronteira, com famílias brasileiras vivendo em território paraguaio e famílias paraguaias vivendo em território brasileiro. Ser profissional da política de assistência social significa que posso exercitar o meu Código de Ética profissional, construindo um projeto profissional com sem discriminação por questões de classes, gêneros, etnia, opção sexual e condição física. 20

21 DO IMPORTANTE TRABALHO DE EDUCADORA SOCIAL ATE AS CONQUISTAS COM A PSICOLOGIA Gisele de Oliveira Guarniéri 5 Este artigo visa descrever a minha experiência de trabalho na Secretária Municipal de Assistencial Social e do Trabalho da cidade de Ponta Porã- MS, especificamente o inicia da prática como Psicóloga do CRAS Centro de Referência da Assistência Social, levando em consideração todas as experiências vivenciadas anteriormente como educadora social do CREAS Centro de Referência Especializado da Assistência Social, na qual pude provar diversos sentimentos e emoções, que vão de frustrações até momentos inesquecíveis de satisfação e certeza de trabalho realizado. Para isto será feito um relato das atividades desempenhadas nas respectivas funções, considerando os aspectos emotivos que são envolvidos no processo do trabalho. O EDUCADOR SOCIAL NO CREAS Após a plena alegria e satisfação da festa de formatura, do orgulho em ter uma formação acadêmica e de possuir o titulo tão sonhado de Psicóloga, surgem as angustias e incertezas quanto ao futuro profissional, e aquele emprego desejado se torna um desafio. Entrar no mercado de trabalho não é uma tarefa fácil, mas exige dedicação e amor pela profissão escolhida. E foi na Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho que se pude dar entrada ao mercado de trabalho. O inicio do trabalho como educadora social no CREAS de Ponta Porã trouxe vários questionamentos. De imediato estava diante de uma profissão desconhecida, aparentemente sem relação alguma com a psicologia. Mero engano. Já na primeira semana desempenhado a brilhante função de educadora sentiu que estava no local certo de trabalho e com o público-alvo que sempre me identifiquei: pessoas ou famílias em situação de vulnerabilidade, que estão com 5 Psicóloga do CRAS Coopha. 21

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

Juntos somos mais fortes!

Juntos somos mais fortes! Juntos somos mais fortes! Zacharias Jabur Prefeito Municipal Solange Camargo Souza de Oliveira Prado Secretária do Bem Estar Social Caroline Bianchi Dias do Carmo Coordenadora da Casa São Rafael Efren

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV).

INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). INCLUSÃO SOCIAL E A POLÍTICA PÚBLICA DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS (SCFV). Maria Mabel Nunes de Morais; Raiany Augusto Carvalho; Samara Pereira de Sousa; Édja Larissa Simão de Lacerda; Maria

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENTE SOCIAL CARIDADE? FAVOR? O QUE OS VEREADORES FAZEM?

Leia mais

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS

A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A GESTÃO DOS PROCESSOS TRABALHO NO CREAS A Gestão inclui: A coordenação dos recursos humanos e do trabalho em equipe interdisciplinar; Planejamento, monitoramento e avaliação; O registro de informações;

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

QUALIDADE DO ATENDIMENTO À POPULAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

QUALIDADE DO ATENDIMENTO À POPULAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL QUALIDADE DO ATENDIMENTO À POPULAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Resumo Neiva Luz dos Santos Silva 1 Este artigo é resultado de uma pesquisa-ação desenvolvida na Fundação de Ação

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

- Indicadores Sociais -

- Indicadores Sociais - Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social - Indicadores Sociais - Construir o novo sistema de respeitar a cidadania significa criar uma nova tradição em que alteramos

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES

A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES A BUSCA ATIVA COMO INSTRUMENTO NA IDENTIFICAÇÃO DE FAMILIA E INDIVIDUO EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO DAS NECESSIDADES Alana da Silva SIQUIÉRI 1 Dayana Klebis da SILVA 2 RESUMO:

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

ARTIGO. SUAS: Sistema Único de Assistência Social

ARTIGO. SUAS: Sistema Único de Assistência Social ARTIGO SUAS: Sistema Único de Assistência Social Assistente Social. Foi Secretário Nacional de Assistência Social, Secretário Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro e de Juiz de Fora. Foi vicepresidente

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério

Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Lea Lúcia Cecílio Braga Diretora do Departamento de Proteção Social Básica/DPSB Secretaria Nacional de Assistência Social / SNAS Ministério Desenvolvimento Social e Combate à Fome/MDS Brasília Dezembro/2014

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE BAIÃO-PA. Secretária Eliana do Couto da Rocha JANEIRO - 2015 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais