VIG~NCIA DO PROJETO: / /. FUNDAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS CN 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIG~NCIA DO PROJETO: / /. FUNDAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS -------- CN 5"

Transcrição

1 ONG PRC'.' j,"j,. +=n,; & VG~NCA DO PROJETO: / /. FNATEC-7"#.#~--- FUNDAÇÃO DE EMPREENDMENTOS CENTFCOS E TECNOLÓGCOS _ - :-:- :- :-:-_ COMPRAS NACONAS CN 5 DATA DE PROTOCOLO: RECURSOS/PROJETO: _. 1,,,,,,!J R,-.,,, _ CENTRO DE CUSTO: \='l p-.,.;'.j.r', 'A' ;e.+: to. SOLCTANTE: RESPONSAVEL PELA COMPRA: ~... ). vj..&\. ().., 'h o O ANDAMENTO PROCESSO PEDDO DE PROPOSTAS OU CARTA-CONVTE AOS FORNECEDORES RECEBMENTO DAS PROPOSTAS,i "OS no 201(2007-5f CADASTRO DE TENS U - üngs =:J u~..., 'O " _i..~, to,, q 001 o CADASTRO DE FORNECEDORES j,::ç,.,;: _i. jm. ~ -!~ D APROVAÇÃO PELO COORDENADOR,~i<;6 t "." n S ~(jj H~ ~j ~~ O 'l!~.~ VERFCAÇÃO DE SALDO D ~ D AUTORZAÇAo DE FORNECMENTO PARA O FORNECEDOR ~ n TOMBAMENTO (EM CASO DE BENS PERMANENTES) ~ Doe , DJ

2 )D. QUANl. '1"7.' -----~~--:--: UNTÁRO TOTAL, l'), :los na CP - ONGs DEDUÇOES L:.=.GAS:,--.~~-- lnota~s::'al SUJCONTRATAÇÃO N "A<l':,~. '.Ue.< (A ''''''0, _._ 'oj.,o",""" c,. 0< lo" "" Lo,. Ol "". "".",. M.n~""O,n '.' 13'0 5<00. C,," O',,,: 01'-'000'_ c.-----'-.n:;;o'"tt<a'"f"s"c"a"l--i. RecElb' (emos) de 3T COMERCO DE UTLDADES LTDA., os serviços constantes desta DE SERViÇOS NOTA i='sca~ DE SERViÇOS MODELO 03 O!\TA DO RECFBME'TQ fdennffcaçâo~"d"o"r"e"c"e"b"e"do=rc; j --=::::=.:=:==.==---!...::""",';n,,,,,:,,"u'~'======-~~~~

3 ST COMÉRCO DE UTLDADES LTDA. CO'.U Ci',ÇÃO DE RREGULARDADES EM DOCUMENTO FSCAL e ST Cür';lEF<, J L..: UTL:;lA[ES LTDA ~,HS c~ _ : 31". r::d lh.' " - _,gc :,,1 - Br~.;; 'c'" DF '~EP 5 CNPJ C'07~'.\4~ '~ CFlDr G7,3~ 6C "~'01 EG rifo~,ón"'a~'t"eccc,'."f"u"n"ova"çvac,o'cco"'c'om""p'c""1eo,',t""f"c"o'"'!::. TECNOLOGCO Ca,,-,pu,:.Jr1",',"r5.:~"~ O~'cl RibeirO - Pr"'dlQ F'natec - ~.~a r'jg'~~ ~ras'<i.' D!' CE" -, 31[, 5,:<) Ref: NOS5ó1 N0l3 FSC",l' 0062 Eml!ida em: 3111Q12006 Em face' d" '' de "n,"" " l'\ilo rac,"r, ~ig""!,, V"'", p~" l)re~en1e comurw-a,_lhe~ que" (OCU"'~1:d li.,!.'k" ~, ~'Jnkl 1 ais] rre~,.,lalldarl"lsj que aba"o "-'l"'t~nl'" c"ja ;;orreç~'" <,ui, _;~ ',.; ". Ó<o,:l,.",: c",,;.der<dj~ -'~-;""", , ~ eoo E~'peciflc~<;jo 1.~ ,r jo 1':=:1,,1, ----",li' -1" irab;;',,, ;r,', -c-,, ~--'_.'. i,; ~,'-" ~ "'':HJ'''',''''l1','1?c'~a na cop,a q_,'o ~,',o, '-',H'" - --:-:;1 em Ci,'êst3'_, Fls,. r,~~. n' 201/2007 CPl - ONGs i 003..

4 ,, ~ ", Kalu ~orts (61) r HMN ~ SH'/S. CL Q 09 B 'G S 206 Ed. /lhabela. Laao Sul Brasi/lalDF 11;" -l'reja D;.otPERA k -" /. ~ -;"/'/.'.. -- DESTNATÁRO/REMETENTE r'':''''e 'RAZ',Q SC'C'AL / [..v,,.., r--eo...l MODElO 01 la SAlDA D ENTRADA CNP.. /. CODGQ. /... SC. EST DO ~"ast T'JEVTAR'O Co"o'çO~~ DE p~gar"~~jo _. / ;-'.:. '.-:C - "",,,,;;,(.,~~! /.~,,",- ~/ / :;.'" {'/ ~~-Y'~,., ",0.'1/ _....- "".,, {.. " / ltlsc.. / :ST~~U~L ~OP.A lla SA, J, Í', " -..< f ".{._.~ /. ~> ' '.,,,.' ErjOFREÇO 1.-- '..'..', "",R;a'DlsrRT<) ~::':';;''/'''/. '"?;, ~ /- -- /',1 JíC(l ~-'/'~'/~'h -:r, :;;,.:,, - m 1,'iT~P"Ek~~ss"'o í/''-' Y'r 70-J1n_êCO ' / :... ~'... C'l'ADE_~ UF!" FONõlFAX D~TA DA snidn7..~d"'",,,,.. 1 ~ 'PJ:C."C,.,.- FATURA C DADOS DOS PRODUTOS ': ""'Q',' DE6CR'ÇÁO " '" UNO auant p,o""",, h, F5C TFtB -',) r ;: ;.~", '"'; :.? ,--,c' / ;;' " ",. 'v";",~. '7 /. -1,,f~' ;: '/~t' J/rA 0/ "-,,-.-.- ~>/.'/'''../"/ t/.,., -y.. '".. /,--~,,, 115 / Lo?:-;~'/ '. [;1,."', /.,'.) 7,11.:./". '/0 1/!<;J,l. 3.:J ~i.t {í j,,. -:"?j; ':'~~''';J'''::'.. "/ J':/(~...', '/1,-'.' ~r _y,~, O /,'./../~,,",& ,/ ',, /Ç"y;,., _:à-,~ " ft'"7,9 "" f y,.~.1; p?, ~ :d " " C-;':;ClJ,;.~ l.,:;,. ~ -',.-" <c:.-. CU ~- '!/.. -' :''2: ;?;!l'/o, Oi ~.- ':/.Jj/''/ ~: /-/1/-' )'~...-"(~ v ~.' A-'_".1 " /', ',, v~ í//'-/~ 32'~ 5 C.',-~.?{;-:-z:. (';J{, Jr,'/ 47.;> JJ /'O, 7///C.t-...":":J ' -<:'--,,. L- 0'3 ',-'J.,{?' ~,:JO (",;;, 4 'XC' " CO.J)e,.W.5~,~ /lúa;:a:; j ~c:.j3166)'-jd "- CALCULO DO MPOSTO BASE 010 <:J-C,LO DO CMS BA5E DE calco CM5 SUB$T VALOR DO SEGURO OUTR.o,S DESPES",s,~-.,.~;.:",;" Ct..:-, ''f::.pr []Q'f,/ VA~O'" DO CMS SUBST VALnR no '''~F VALOR TOTAL DO P _:.. '-/'1 -,. ~- TRANSPORTADORNDLUMES TRANSPORTAOOS NO.'ER/-..'AO SOCAL F,u, PO' OO~a' l ome"eç'~', - E"i'''~1a 2'O 'ma'a,.~... UNlciplO OVANTO'Q[ E'5P~C,E: lmarca NUMERO PESO BRUTO DAOOS ADCONAiS r ST COMERCiO DE UTLDADES ltda '-P.RECDAA\(LF~. DA SllVA."". n pendl"'". J<!,. 01 Lo," 09 _loja O,. Vja Yl<'"i",. PM,!\jn'.Df,Foo", ln.,.~c,c~pj O(1U.l:llOll0\-2J PLACA VALOR UNT VALOR TOTAL J -1,,-,,;; O::J.;... L:!L.."', (;:;,v'.., /' ' Ó?::.~~ J... '(/.,(e... J - " "~''-'--. '. J'-.K''-~,/.... /-_._, -. '~,,'?;.~.,.-r;-:j ) "_.'-' ;,0..-,,r'", lj"~'~,,\...;.. o,t.. " ;;7j(Qo~ 6~,0 0"";00 _./-/{!_',O--':,';\. (lio.l. ~. Vi. Fi". O';Q'''' l'vi. Conlo.llid.d., 4' Vi. ~'O / ] 16[;:; CF/DF DATA LMTE P"RA EMSSÃO 12/06/2007.; <l j-f:.~ _ --o ~.~,: lo ;~, \,.:------, "'., 1.'.', /./. ~':J r /.r~ ;, ~. 'J~/u X'..'.:' X '/ )/...',-""-'.. :. _..,/,'--'.~ ;: - :) ~'O - '.;:J "...,.....'1..J',.',.. ~, -,T;r _ 3" "~O :~',S /) '~ h "~:L5TAl DOS PRQO~TúS ~',~] ú"::;; V~R TOTAL DA NOTA '/L: ".' r.-. \::...- V,... '~ DO VeCl.JLO CC CGC!CPF cc. - CCTJ '"'c'fçj\~s'n'b'1ll1/2007 'no r PESO 11UDC, j nn "5., Doe.. llj logo, o. Vi" d. Ull n:t", ' 1, 'Ị fi - 5F cebi(e"f1os) 01.. ST COMERCO DE UTLDADES LTDA, as marcaoonas constanlas desta Nota Fisclll Mod. 01,do R"ceb,menlo, de~l;fic.açao" A""'''"a do Recebedor - NOTA FSCAL MODELO 01 ''-'(:...,... v,) ':.;

5 - ST :OMERCO DE UTLDADES LTDA. : / r-~~- _.~. ~ ""~'~.'"""'"'-'i" /~. CO~.U :.'çâo DE RREGULARDADES EM DOCUMENTO FSCAL '. BrJsillJ, 07 fi - "~mbro Li., 200C.,,~,,-;-.~ -' ~ --~ p -, l~npj', )j,7si ~f/df_ C.]' ~ G.'.[,.cL_ ~,'.i1 _ " OF '\))01-'.l: :,'C01 ~: FNATEC. FUNOAÇAQ DE EMP, CENTFCO E TEC.JOL03CO Cê;,,-,, us l'.""';'~"~r'l ~.. ~::::, ~/},""" - Pr,,j,c, Fi.~'-l'.<. ';,a 1'18"" "'c.",;,w,' ~F CE: 1 j'ü-~,jc. Rt'f~ Nessa Nota fiscal!l" 166~ Emitid'l em: 31/ "'m" 1'-.," 1.1Çào v'genl~ ~lmüs pela [Jresenle ComUlllcal lh"" q,,~ o,."k:,... ltem aisl TeQLJla,',,:ade(s) qu~ ~lj,,'xo J"nnl~mos. CUJa,,~ ~",.",.in 'Cvn<llje'~\J~c _~c_ :~! -- fª?p- Especiflç;il~ao 20 Vali;); rio 1[:1\,1': ~'1 ~Oll,~ de Tr~(,:;lh3éUr - ---, _~ ~ c,llcrl~,.,." a:_,s,,';,1l Q,,,,,:,,"l;'lfn~r:..~ C1e';l~ na :ü~,a qu,," a.', 'lo -" ju-.'3''''''''c' ','.','.'" co C;CC'"'od-t~ "'3Côl cl'. :;lle"tio --, _J -~--~ ':)5!lO CP! ONGs 005 '_ ris r,o 5f

6 16 70 DATA L',MTE PARA EM!SSAO. 12/06/ "".-:-) ~' " ~/l OdTR"S OESPESAS VAlOR 00 CMS SUlS'T 'JA.LOR. TOTAL 00.~. 3POFtTADORNOLUMES TRANSPORfADOS -R.o.»>O -SOCiAl ~EÇO T'OAOE SADJCJONAlS r::sp~c'e :)e{lv)1 lo / "'''RCA '" "" f ~ vk;: 08)6' f ",,",'... 0<" ""~. l"laça Cin \/fg<ao CGDCPF '-f"'-l~". 2-00'1"'",,," "'[D - "0 M\"NlC~O NSCRÇ.l,O EST"1Uf<\..l:> n:t Ol/2007 Sf, N\.'~E"() U'r i CP1 P~SO duv'uo. üngs 'PESO BRUTO J, ~, J c;c;; ja.! (;65 o CDAMWA/M Slt.\~' N, "~_d"'c" u lol.ll.lojol.' Volo'w'\<oftü P...li...DF.h " ,90.CPJlo,"'U~l~ll'l\ ll, 6 Dac.. 1!io~1l ~1W.lu a,m) \m oor ~U~ ---- NOTA. fscal MODElO 01

7 ST COMÉRCO DE UTLDADES LTDA. 1,, /,c. COi,'W :icação OE RREGULAROAOES EM OOCUMENTO FSCAL\' ",, " r> ST COi: ~R, DlO UTLlDAD.:-S LTDA CrJPJ: ü'~.7~,. \)001-9~ CF/DF ú:',j,, 'OOl SG,':;:'"""",,,-,====;-,;;,,,,==== FNATEC - FUNDAÇAO DE EMP. CENTFCO E TECNOLOG!CO C<i'llPUS,lnlve'S;arlC CJ<i"~Y Ribelr:J - Predlo Flnatec - "'S3 NorE. er:;",~ c_c) -, j10-::u~) DF Ref: Nossa Not~ Fi5C~1 n" 1670 Emitida em: J E., rac~ C:,; 'li. u, _.''lf"'" :~ U>ireçal.' ~ ~-H-:>-- :,'r-~ C_ 1: E lh::,,_, c '1 _'; F- ':"~'_'-,.. J~..,:, nwa ~,,," loção '/g"ni". Vimos pela pleseflle COR""cap-111"~ que (J, 'o"',;,-" '-'11\':"1', a(s) TeQuL" dal.leisl que dljd"u ".lolltarnos CUja '> \11'" ",,:J" collo,,'eradds. - -l,cclr~,:;~,=,------j -~ i _._-,,,'~, - -=, --.' f- f-" 1--, -,edo Especificaçao -'0 Valc,r do CMS 21 Nome do Trabalhador 22 CF/DF - r,,,;:;r";~o ES13dual 23 Placa do VeiCUle 24 Classficação Fiscal _,~~r~llc) s"nx~o 00 ::>:,'6 T_ermo senção,~<. C!:'lS " Base de Calcuie do P ;8 Base de Caisulc do <::MS ::9 FesJ Brut:. :i0 P<:;so Li Uldo 32 t:'lc3'gos Fm3Jl~"'f"S ~3 'Jale-r do hel;; '4iC~,:JF,_,-'-el" a aqsr R"""'o"e"ne ~,6 rrsle 3 pag3r Des1,n3:JrlO Ref orelkla de prod",!'~ :,3 Corpo da rl01a "--'!~~~ _lr.,', c_,,sere-m CONSDiõR";OAS J " u:r >;001-UO,;;;1 s~llcltan-'os ac,,,;arem o re,:ehlll1e'n!() 1E'StJ r,a sopla que a,',s i'~ar Jur,:3n'_n:--- _',-,'n,_ C~CL'ler!o F,scal em questâc ~-- ~--". ":",, l --.J ROS no 201/2007 CP - ONGs ' OO7 F-l;;, r,o --_.._._- Sf] Dac,,:=======::J

8 P' ~SART P.po. PERSANAS NACONAS E MPORTAOAS ~. f>' ' ij...u. p"" ~,".do. hrta. s'"'oo 10.uH\l.. - Con'." to!,,"" Pilo, d d. _c.",... f'fli.n.. Cliente: f' )J\j f\t C Fone: _ End: Data: _ Orçamento..;... 5~\.~.~._.~~_~:~';..r..'\'S ~.. \:s..:~;:;;.:.~,. _~N.(\ :;:~;: \!'.~'.....\~:.':.r.!~.-:j..(~r.;.i..?..i::..b ,h'...\\t.~..fl.....::f... (...:~..:...~.i~.\:.~.-r:g,_ t';{~:)...r.{,,~l.j,3::.: 5.~,., ).(,...l~\'.. ü.:-~).,.b.ii.,.~~\~.h[!;..c{?~j.n..hl\..r: rt.s.;.~.:j.)..t,j.n.':.:l 2~.?_.!~\.\~ ~'6~..h~..(.,f:'l..,- -.r,...~:.ç.:s::-;.\.º..r.1.s;., : \..t;.;... \~.S.\.h.\\!.!:'t.:. :z r.~,.r.r. :~-;):0::.~."'l-!.ç,..~. {.~ ~ t..':.::", ç,.\~~.:::\~).'\ "...r...r:-:-,-...~!\i..r~ ç,~.1:f.\. :.~.~.r~..t., c.c:,,;:r.. c~..!.:....\ ~?:.d.»~~ S."..:.,).\:..~~..:., ',,....,f." c..l..~, ç..ç,.\:-...c..hf.:\ Ç,..f\.>.\\.....c:-_!:..,.\".::.. ~.3.. ~:!R.r.".,,:..:..:":;.s.'::... r;.[..~:....±:..:...\..,',:::-..ft.s\:,,:~.2..5,.. ~)..lt\ _.bj..) r..!,,-..nl hj..".::.ç '.),tt.c....í..:l.;.c,ssllnjjçç.:.\\'..'i3ukh:.c.u ':. ~~ 2 ::: r.\". ~.,,\;.Jl1;., ~..r;;..},j..(..\...cl.l.tl.nh H~.fn!.~~.:..~..~. : "OS no 201/2007. SF CP. O~JGs Total R$ em Vezes ~ 008 ~ Fs, ~,0. ~~ Total à Vista R$ _ 1 i 6 Nossa maior qualidade e atender bem aos nossos clientes ClSW 101 Bloco "C" Loja 14 - SelQr Sudoeste' Brasílial DF FDne.: (61) Fax: ( $ Qr!!4f...

9 PERSANAS NACONAS E MPORTADAS 9.p.1 " "",od. ~."<. p,o<>. l>."".<l0'. P.,.,.. ""'0... <1.. no"'~lm. Cm'"" m,..,~, d. 00<1 CorpoU R.",,,,,.. do Porol'... Cliente. _ Fone-' _ End: Oata: _ Orçamento... ~ i2:i..~~~"új:\.n..h.. J..E.~.lh _..\:1U.\;.,L.;::C.f:\.Ll\.)". " \~.J.\\..e.. ~ _..C.~;-:.-..,~.:~..~~..\..!J. ~ (.<;;.(.,~.t_..\.;.. i~.l.~c.l:;.~.."'..::: C{,;:J~...,... Tr.2.\.\.\>~ :~::-~.'>-:...i._~l.l.':b.. ~,,f',....l!..l... Tü.:'(r..L...l\'V!.,.,.N..."-'c..!.ú.cú...hJ.S.(... :~~.\\\i..l\.\;;y;. i{ ~L\i..~.~.J..-JJ.l1\..~..N..TQ Ç'.h.\?i?:..h ~B.:Q.....?.r.\.~,.~ Q:$,., "'... Total R$ em Vezes Total á Vista R$ :/-1 G f':-, < i 105 no 201/2007 5f CP!. ONGs c!;':,, ~O_9 \. Nossa maior qualidade é atender bem aos nossos chentes CLSW 1(}1. Bloco "C" Loja 14 _Setor Sudoeste Brasília/ DF - Fone.: Fu.' 161) T.AMf..

10 '<A~A x " " O" Df _.c. ~ -_ \o~ 1' _r c..~) VQ.~l).." 5JOQ ~\ N*"í C \ C"",~, ""-...!'-.,~.,'. - ~ "' '\+~:'CXJ.(0V~\':J. ~.. ~~\~ ~ i-j=oo::> ~~'-C\, \f 01:'1..1 g l 5'1/0;1-002:>+ j.16'104/o.:ol-~)1' 3::; 66'8; 00 _3)-t'66;.CO ---- ires n02ú1l20ú7. Sf CP. ONG.i ',.fls :.o:_...q: O 3 6 D'C====.J 0104

11 llfiunversdade DE BRASiLA - U.'iB Oecanato de Administração - DAF Oficio n.u /2006 Brasília, ]4 de dezembro de Ao Professor Sadek C.Absi Alfill:º-- Diretor-Presidente da FNATEC Senhor Diretor-Presidente,, " Tendo em vista o prazo estabelecido até para encaminhamento de despesas a essa Fundação, conforme Carta GEPRO n. 3344/06 e considerando a indisponibilidade financeira no Projeto FA1FUB-2000/00280, no momento, ~olicitamo~ viabilizac o pasamento das faturas relacionadas em anexo, a título de adirntamen!q, totalizando o valor de R$ ,00 (dezenove mil, -novecentos e trinta e dois reais), que somado ;lo passivo já realizado na referida conta somam o valor de R$ ,44 (setenta mil, noventa e um reais e quarenta e quatro centavos). nfonno ainda que de acordo com o extrato financeiro do projeto há uma previsão de ingresso de recurso no valor de R$ ,33 (oitenta e dois mil, oitocentos e oito!"eais e trinta e três centavos) o que possibilitará a quitação da despesa executada. Na oportunidade, reiteramos nossos votos de estima e consideração. " rico Paulo S. Weidle L/ecano de Administração ' '05 n' 201/ Sf, (11 - ONG5 )1. " 011, ~is- r,) '. : ::::_~ -j b. 1_

12 FNATEC7.##-(?~1 FUNDAÇAo De EMPREENDMENTOS CENTíFCOS E TECNOLÓGCOS - --~~~ ~ ~ ~.-. - ~ ~.- ~.- - ' Setor: Compras Nacionais Brasília, 11 de dezembro de Projeto: Ref.: CN 9959/06 Prezado (aj Coordenador (~} Erico Paulo S. Weide, Considerando as propostas encaminhadas por V.Sa., para aqul51çào dos bens abaixo descritos, confirmamos que a empresa Kasarelli Cortinas, que apreser.tou o menor preço, possui todos os bens disponiveis para forneclmento. Solicitamos que seja aposta assinatura do Coordenador do Projeto no espaço indicado neste documento e que o mesmo nos seja devolvido com a maior brevidade possível, para concluirmos o processo de aquisição e/ou contratação de serviço. Colocamo~nosá disposiçâo para quaisquer esclarecimentos que se façam necessanos. Atenciosarnente, '(' DESCR_Ç_A_-_o_f~_a~sarel1icortinas~~t~~ Visual Cortinas 5 Persiana. SOmm, 7 persiana 25mm, 3 cortinas c/blacout,2 romana blacout, 3 persiana 16mm, 1 tapete 30mm, 1 tapete 25mm. tapete lomm,\ 1 tapete pele de "aca, 3 rolos de papel de parede. 2 : colchões casal cl travesseiros, 2 colchões soltero cl R$ ,00 J JuS no 201/ Sf CP - ONGs - Fis. '.~. 012,R$ ,00 R$ ,00 íj6 ~travesseiro~'_ ' C. PAGATO A vista A vista A ~'i.sta C="-C--_ OSS.: a descnção dos produtos está detalhada na solicitação,! / J _

13 Shirley Cnstma Rocha Coutinho Gerente de logística Enco Pendo 5. Vv'euilr Oeçanc de AdmlnlslraÇa~.~.._----~ '.:;S 'lo Sf Cr. ONGs D;-,,:

14 '. -,- ó.' 1,j 1 1, ~_."'" -'.',- " ~. "kn, Ol tcc "'o" 'T'''''', r... ' ~,,,,.f''''''.. 1--,;,,.- (), '. /'- ~, ", "',. ','"1 -,.;: J.\:". ~ -,::' '. 1_ ) J r0-'. -,')., f r;,,'-"'~' _..~-,:,.Cunl;{Ju ~ L fl,(~vc ~,U.L.l.ll..~J,L:r-'r..J.. 'U,O.L{-:J L la. _:~/),--,{l,((-'c'... ~."",~,~ -;?JLU- i\' " çij. c.(.,.., DF. 020 / { 06. " ;ç x: U{ 'C\ tlit'q "C " 1 3 ~ G!,.. l ':c' ~:n- 3 L l'x ê\ 50. /UJ /- 00. '1:" " '3 -), CC)- olf jcx'o ' ~/ ;hi;;\;~.'-~~----1 r-;~bi~;;to -~{1i00...,J 1J~Z=~~trzl C~ fuscú r\.v. Jv;>-v\ ~'J:M.f ÚfL,U/"1 (), Wnl~JUj ;?td ré cs00 'A;: JJv(j rv_a ~-hl o2s ('-'q'v )\.-(,/11 GOl Cj uid-oa ()i.d.j:j1a.j fi cd. Wc c:j\nc",,0;cl l' ~~~ ('0 ~ixatr 11 Oi C'Oldv(:A-, Wlyul L ) C901?':-tr J O/J\ H. 1MWn C ' W jl{"[-{,,viu10j JJ'bO--dJJ "gura J qox l!t(,o 9,1..0 Altura,.,J,GO Largura: "~C.') Alttlr3: (~(;O LM9UiO ~c() A,",o,,;;6o anca; Rodapé: S~nca: Rodapé' ]1 Sanca: Rod<lpe: '_. L ~. '-_' ',,.,,_ Q;:tt~ '~~(úux )'m,a(jfc~i'u{a 'S~3~ f/~~~'~,. ~, A-7;:;l{~-C;;? [JttuZl;5~ ~-fq(),o j)cqt\w cf +'f~o C! 0J.,(J~t )Yr! pt!l~d vr'rr 1?t;!j[{, bw ~h1/~h. CA:'.J cl --SWq:/ ))U:;ly'1CO JlvunW Cf -hr/tvo~l'-/'! -fw l/uio,j.ujw ))LbJC(; 0\ 1?Üp--LtL 3L'/v\rc ~O (b. j:yvcinco.' U CvicJ.'4,~/AJ.J! t-j -!tut-f:fl ;tj-huccá),,;7,so'" 1,1u OJ- u: c/,u.-i U-ftVle-Y>aUfl, O (vq/~f-/ )/~h ~,h,?»a'5 arguia: "q S'S A",a c:{(, O Largura ç.;:r;; O Altura.,";?, GO Largura v~cj Li Altura,,7, Co anca: Rodape: SancCl_.. Rodape: Sanc~: Rodape: _._J i Cheque ~,'~: Vaf~~~$ -i Vtrfimento 8.anco Obs.: Tecir10s GU/<l c.omrü~,lç~(l seja ~!!J()d~l(J :11'" c " 1 i,=-i~~~1 1, :cr, lã ~ ~ '. J ~ ';J._~--"----+-,, - 'Çi e linho él lav'.lgern deverá S8r feilêl S(lmen\R Ci:.-:rctz,'},--'- L~ TOTAL R a seco. 10. ';" -" 1 -fí-,u, 'v\,(z,)c\ n---kj:-j.,~,: Vendedor Clicnl!) ;!("'<..,..,. ~,

15 , j;ll1..u,v. ;, ca n1 --pc'l-~ U ht k'<'/; '> llzfu.f;i f" cf.u"i.{j U-v- r ' " 'j /, ''' (~ i'- ", ;., i,. i"-~'..1._~:h rlltudc>,.....,,--.,.~ ; 'c''- J. ' '_.;,~~ ~.:'"1 Ui tih'<"",~:í' ';<;'1' " ": 1, _',..-'/9,'l-Ú ~u;;,.-. DF.,,y'U i 0("" " ~) (<' O.., Ô\ \,(SM r.' :..",; ;1,1 L " (,~r:-' 1''l':P, ',', '-- ' ---- '-c"'-~--j-' ~~X1;fY~-11'~~J:'~~~~-"'~ t:bt.j.{.-<..z h,ila. fuola?lu'1-l - nbioo'0rf) i:j)t 11_ vcl.1 JJ;ú-,~,,;}Sf/\ k)yl/(j fl c()(/1 A SOA ~\~O J,:3()X 1,1-~ V, 40 X- }{+5. Largur<l: Altura: Altura: lrgura: Alt~rZi: J J i La'9"'" Rod~pé: 'lnca: Rodapé:. Sanca: , Rcọc. m"9n.e ~~ -wc~.(..,--f' l'..t/. á1jq-u:.v,_.f. G>v, ~ tc1.(i }rl; M 1"v An/b)en;e-:-- d.:: 3 -:. P"_, _ LS,:mCJ: J 1!X./ínto St.u-K<2Ji Ambiente: 'Yt,-1 Yt Q 11. CL ",)v?w1j0r--jcc(.16 M ~, , argura: anc~' AJltJríl' Rodapc: LargUra: Alturü: Largur<t: Altura: S:lnca: Rodapé:, Sanca: Rodapé: Li._-_--.1 ~.~ ~. ~ _ -..J._---'---~--""'" Banco Cbeq~JJ" VJ~ó'r R$ --1 Vencimento Obs,: Tedcns cuj."! CCH'llrCé:lç.30 sej;:j a)gorl,'1n _---:,=~. ~ ~. C' linho a W8gern rlp.\t:ri'\ s(~r feil:-' sorrel1te 3~ li,~~ (:' TOTAL R$ bg??r 00<.. '. Cl sec:) r'~'\. "- '-', :;.\ '-"'1 "_~ - -':;.J,~ _'> ' ~' 8,~z.,...) ; o.... _ '" -,~,r:-, :--./.' ~ 10 =-1tJ' '., -'-t;-- ~~ < ~ [ 10 C~O- ff'~--j»\ ~ ve~~;vv Cliente, 'o, '

16 ./8'! // 0350 n5cr1çõ'25 no Estado N CPF N _ f--c~_~,jd/j/f7;ú"..2z:2::v'«.c;u-~ d:::.-.d.:3 ~ á..>.7 ' c:2z.-cl.b7z ~J!47 za7.4r4"'l j - ---; o Largur" _.;,c;,.2c? ~Alura _4_,;/.:L... i Larçura 45:5 Altu'",i5çJ. ~-- C~ '" ' ~ r , ;L~'~;9,"-"~"-=-~=ccc=-==-=_-~=-:::_=_::=-=-=A~"="=,::-:= '::_====_-::: "o/~~clh"l:l:~qc.i :::) J ----! ~cs '1"2()17ZDOi"Sfl! ~ - CPf --ONGs , Lar!J=--=--=-~-=---=--:-==i~~õ li i

17 ---- ~-,-_ ---'-", \J 5 Ua yj~,dij/ff.j, ~, Cf' O' n ú1 S' fi. ('f(>t"rç(.'f"j GOÀNA (062) 3210,1801, BRASiuA ::ls1l , :ioânf,ll (062) , 6RASLlA ()61) 9S~1 70,,? Cheque Banco Valor )v.'''~'''''' ~.il(~....-f--.~ ~ -'±--._.. ~ ; / i -'T'"''''. i -",.. '_.-' '-. /--- --li,, D~t~ d. E"'5<~n PeJOC O Oi ;:; "'L!, i! 'f:(>.knaj, ~;';d"" QÇyí;,,~, ~""ÚUa:l, ~nj" ~ma" d1a1d&. /5 L./ _L2 <-, -=.....:, COlq.JldOur _é;:(-:c1,{'&ac*~v4<7dl;,.... ' - _o End~feço.(J2/Z2t?zc/ ~/A4~«~/';::Ô cz{,. ~r~_. / Cidade -_._-...._- ' Eslé'do i' ::11 (' -. - Entrega..'~ ----'-.._--_._.._- -"'-_. -_.-'-- Da!a [ :::~:Qõp.ess nn FstadJ N0 _-=~----._--- CPF N' - ~ -~ ,!,.....,.. Cobrança _. Vendedor,. _, f..- ~--.~.._. =:1 f , f ~--, -- -,~._._,~~~,-~-~ ~--~ _._ largura Alura,,;'r'ê4'd:á.,~7;.-::;-~ '._.._'_,-L ~.c;;y044' ~/?2t"'22 _._._---- e- -. -~-.-. -~~ '-~_.-.~-~~-~.-~--j Lrg<cl<J Allur~ _ -~_.'~~ (.--- ~-=' J ~_., =.J "... f-- -!! f i A:ur'l _ -.) 1----_.- ~-.. -~-- lihgura ~_iplongs. --'-, " -- ~ ~r-- ~----= ~------~ f ~-tjii\-l.o 017 :i f ~ ,-'. ~ T 5- '- '-- j ~~J f- ~~ ---o;[-~- -~ -co 'j \.':":"go'o",",:-=-=_".====-=._=-=-=_-,='.a:""",,,::,,=======) largllra A!ru'i"ã -j i, _.-.. A5~ Comprõldo! As~ Voi'ndedor

18 .~_ ! Data de Emissão: 22/11/2006 Solicitação N.: Dados do Projeto inome: FA FUB - Recursos destinados ao Fundo de Apoio nstitucional - f A da UnS, conforme RCA 001/98 ei - 015/2005. u 2._ o i Centro de Custo: FUB\-FA :-Projeto: i;: i:f~_o!:den_~~o_r:: -=--==,~Erico ~aú}9 Sie9.!l1ãr Weidle oep:to~: )-e_~nato de~~minis!9_ção -e}~nança[ ~ Substituto:?epto_~:. o.1 t!etefo'i!.~i=-=--=-_~...l}07-21~'fax: ~-Mail: -- encoda!(1ilunb,br'. ~ 3 O Na Fl\lATEC _ '~, Em: -.-J-.-J Descrição Detalhada dos Bens e/ou Serviços tem Qtde. Vlr,Estimado,----- Descrição -----_.._-'-" ~ , 1 01 _5 Persi~n_'_S-º--~_m_c_D_m -.!jt~ 6.52S.!9 _ --i 02 7 Persiana 25 mm horizontal 2.725,00 : "cõ-rtinas -com blackout---' S-,0-Õ ;R-Dm-,-ca~Bi:-"C.Cc'D"ut~'=' ,00 L_ _~ipersian_~~~-horizontal ~-_-_-_-.:::=-~ 392-,_ ~ ~ i. 06_ -_-~--1 Ta~~t~ 30 mm ~s.9 ~._2_5~Q9 -i:: ~ e x \ 07 1_.Tapete2~~mliso... OS 1 ~Tapete 10 mm personalizado C i--rra-pete pele de-vãca !Rolos de..papel de p_arede 11 2,Colchão casal cf travesseiro...~e co~_~:..~.~..~.~..~~_':'f.ç-.~-~-..!~!~~~~.~~~.~.~ i_~~..!.~.~.!.~.u_~ ~ ~.~.~~~: [---,=:--;:-."...-=S:"U.,=!l"'8.:"-c:.-8::":...P"::-3'.:3..,P_8::"::Q:.:u:.;ís::3::...:d-.:8.,."""e:.':,:"::;3.:d-.:O to, Fornecedor: K_,_s'_'e_li_~_D_rt_i"_'_s_e Persia_"_'_S_, :Contato: Telefone: 'Fax: :Cidade/UF/País: Fornecedor: Persíart - Persianas,Contato: Telefone: ifu: _------,... ' CidadeJUFjPaís; -~---,,j O produto a ser adquirido é radioativo, cancerígeno ou necessita de cuidados especiais COfTQ il te""4'eratura de arma'zenamento. (nformações em Anexo) [ Local de No ~ndereço adiante e<p-eclfic~.d":"f iendereço Completo: 2Gi'l310 bloco J apartamento 603--= ~sa Nort~ Brasília/DF - :US '1 201/2.(W...,...S. : Resp~;~~"Vei: ~ocalização dos bens ' Permanentes: - Autorizado, o,. /7 o /' /,, - 'r;,h PaiJH.W,ii!~ Telefone: DecilllO de Adminll!f""" ~- o. Coordenador do Projeto. Para Uso da FNATEC ~L. ; TOTAL ; :-,, Cf' ---, o. ResponsávelFNATEC ASSinatura/Carimbo 3.630,00; ~ ~ "S.970,OO---' 337,00 ; j 1.050,0.0 i J!! 1.700,00 i, (:; =:- ---' =~~.O_18,.~~J ; ~_F_"_ v_i' Brasília/DF, V"'V' _-----, j, ') - J -i - ] >"8 ~~, 0 0.0= ;;.1:0 <Y~ > Q u " ~u o O~ c o ~ " rȯ \:.:.:.:= " ~?:: ~ em ~ ~ "to " ~~ u ro. ~ ~~ ~ ~ ~'" ~~ ill ~33 T v. " ~

19 /;.:t:.\.', r e ,'--~.~-- ~ FNATEC ).f" 1,3_'_v_e'_"_0 ----,1:_.1-:-_-:A-:Q:;-U;:1s:::r,::Ç:::4;:O:-O::~::B::~::f>l::S::-:E-:s:;:'ER=V~::Ç1::0'"'S:---F1::E:::s:'"'S'"'O'"'14 -,- ~::':::':::~;::-:~C::"~.,.;;-, :-:- ~-3-~-''''-'~'"~''-~~-j/'''6 ;.;Y:,..', '------=-=--~.:.:.:..:.:~=~~:.=.-..:..==-=.:.===------t/l..j N i ir-_d_._'._d_e_e_m_ls_s_ão_''- --=2c::2/c:1c:1:../2:.:0c:O,,6--:0=-,,-d=-O-S-d""o--:p=-n-o}""'e-t=-o----'S:.:O:.::.:c::,'::."Ç::ã"Oc:"O'-'-----'--'j i!nome: FA/ FUS - Recursos destinados ao Fundo de Apoio nstitucional - FA da UnS, conforme RCA 001/98 ei o! 015/ i i!-centro-de-cusi:o: FUS\FA ~rojeto: i i l_. o _ i [-Coorden-a-dor: = J:~_r~cq_p_au.!.C2...?_i~9~arweTdre :oe~~.: )ec?na_to g~~acf0lnis~aç_ªo~e_cin~nça:..., [S:!:~~tituto: Depto' "â 15! [Telefone: =2' Filx: ---._. -"3j To---'E_Mail~---m :s cn i wo i f B-e-n-s--M-O~d-"--i-d-"-d-e--Se-rv-ç-o-s--, ~1 i Compra: ~,,--'o-o.-, ~- Tipo: B~n. P~rman~nt~s ~-3! ~ ~ i' :::-:~.=;~..~:--;:.~::._::;.7 :._.:_:._ J c: ~ llr o,,-e-sc-~-i:-ç.,;;:-o-o::'e-t-"-l:-'h-a-d:-a-d.,o-s-b-e-n-s-e-~.,.o-u-,:s::-e-"'-'.,.ç-o-s ' E~ U,..!!~~ ~_.9!~e~ 12 2,, L ~ _ ~ """""" 0_ 00 g~ 00"; ~o MM, ; ~~ -T ; ~ 2 r : -- -_-:~~~~ - ~~--~=~ -~~ -_ ~~~~_~_~ -~~- -- -i ~ ~ '- --~_ ,,-SUBTOiAL _-~ =--= ~t5-,o-i8!-º i.985.: Adquirir da empresa Kasa_rel!i Cortinas, conforme orçamen1e_~m an~_~ por está de acordo com o projeto.,segue em anexo mais dois orçamentos!,:-s~e~c~o-m-p-'.-s-o-u~s~e~rv~lç-:o~s~"nternacionais, ndique a Moeda: R$ TOTAL: ,00!... _.._.... _ J _ J """""" Em: ----.l----.l

20 ;,1(r,, SFi! :.CY/ ONG5 ' ", b Doc:='==='='==J UNVERSDADE DE BRASíLA ATA DA QUADRCENTÉSMA QUADRAGÉSMA QUNTA (445') REUNiÃO ORDNÁRA DO CONSELHO DRETOR DA FUNDAÇÃO UNVERSDADE DE BRASíLA, re8üzada aos seis dias do mês de lulho do ano de dois mil e seis (6f7/2006), às quatorze horas e trinta e seis minutos, no Gabinete do Vice-Reitor da Universidade de Brasília, com a presença dos Conselheiros: ProfessO( Timothy MuJhoJland, Presidente da F~.mdaçao e Reitor da Universidade de Brasília, empresário Carlos Alberto Rodrigues da Cunha, Professor Flávio Rebelo Versiani, Professar João Claudio Todorov (membros efetivos) e Professor Reinhardt Adoifo Fuck (membro suplente), bem como do Assessor do Conselho, Helio Marcos Neiv8. Como convidados, estiveram presentes o Decano de Administração, Professor Erico 'Neidle, e o Diretor do CEPLAN, Arquiteto Alberto Alves de Faria. Foi Justificada a ausência do Conselheiro Jacq~es Velloso (membro efetivo). O Presidente abriu a sessão agradecendo a presença dos Conselheiros e informou que dali a pouco se ausentaria por alguns minutos, porquanto iria abrir a sessão do Conselho de Ensino, Pesquisa e ::xtensão, que havia Sdo convocada para analisar e discutir os termos da Portaria n. 7, de 29/612006, do Ministério da Educação, a qual trata da "progressão funcionai para a Classe de Professor Associado da Carreira de Magistério Superior, pertencente ao Plano Único de Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos... ". niciada a ordem da pauta, foram apreciados os seguíntes itens: 1. Ata da 444'" Reunião Ordinária, realizada no dia 18 de maio de Deliberação: após a lailura pela Secretária, a Ala foi aprovada 2. FOCRUZ (Fundação Oswaldo Cruz Brasília/Ministério da Saúde) - proposta de implantação de sede própria da F10CRUZ-Brasílía no Campus Universitário Darcy Ribeiro. No documento apresentado, a Fundação informa que o projeto prevê, preliminarmente, a ocupação de U'T1a área de m 7, com 3.400m 2 de área construída com dos pavimentos, onde funcionará o Núcleo Federal de Ensino, e inforna que dispõe dos recursos financeiros nêcessários à execução da obra. Com a palavra, o Presidente do Conselho informou que fizera visita recente ao Campus da FiocrJz em Manguinhos. Rio de Janeiro. Acrescentou que a Fundação não possuí sede administrativa em Brasília e que existe um Acordo entre a FUB e a FOCRUZ, firmado em 2002, visando à cooperação técnico-científica entre as partes, o que possibilita a assinatura de Convênio com objeto específico, de forma a atender os interesses de ambas as nstituições, caso seja concedido o terreno pleiteado. Às 15h10, antes de o Conselho deliberar sobre a solicitação da FOCRUZ, o Presidente pediu licença para se retirar, pois chegara o momento de abrir a reunião do CEPE. O assunto continuou sendo discutido pelos Conselheiros que, ao chegarem a um consenso, decidiram aguardar o retorno do Reitor para deliberarem a respeíto da matéria. O Conselheiro João Claudio Todorov aproveitou o momento para apresentar pedido de reconsideraç. :o a respeito da decisão do Conse!ho, que, em sua 444~ Reunião, de 18/5/2006, autorizou a destinação do apartamento 603 do bloco J da SQN 310, de propriedade da FUB, para o ocupante do cargo de Reitor da UnB, enquanto perdurar a seu mandato. O Conselheiro lembrou de início que o ~, l~i~ ~ ~p\\j

21 RQS no 201'/2007. S' CPl. QNG! f'sl,j (\1")1 i"" -~-.v--;. /d!,~, " ~.' "-.)d.l-, / UNVERSDADE DE BRASiLlA móvel tem o caráteí de Representação e, por essa razão, :) ocupante do citado imóvel teria de ser isento de todo e oualquer õnus advindo do seu uso. Assim sendo, a sl:a proposla era nesse sentido. Deliberação: o Conselho acatou a proposta do Professor Todorov e decijju que o Reitor ocupante do (móvel será isento de lodo f'. qualquer ànus relati'jo ao apanamento, inclusive do pagamento da Taxa de Ocupação, de Condomínio. de PTU, das despesas de mudança para o imóvel assim cano as de retorno, c;u8ndo do término do mandato do cargo de Reitor -, das despesas de infra~estrutura, como mobília, utensílíos domésticos, eletrodomésti::os. Às 15h40. o Presidente retornou à reunião, oponunidade em que foi informado da dec'lsão a respeito do imóvel de Representação, como também do consenso a que chegaram os Conse\heircs com relação ao pedido da FOCRUZ. Deliberação: o Conselho sinalizou favoravelmente à imp;antação da sede da Fundação Oswaldc Cruz no Campus Universitário Darcy Ribeiro, ficando os Conselheiros João Claudio Todorov e Reinhardt Fuck responsáveis pela elaboraçáo dos termas do Convênio. com base no Acordo firmado em 2002 entie a FUS e aquela Fundação, cuja minuta deverá ser apreciada pelo Conselho oportunamente, Também deverá ser submetida minu1a do Termo de Cessão de uso, no qual serão estabelecidas as condições da cessão, construção, prazo de início e término da obra, vigência da cessão do uso do prédio, entre outros termas pertinentes. 3. Ofício Agência n. 049, de 6/6/2006, da Caixa Econômica Federei - comunicando o interesse em construir nova agência bancária no Campus Universitário Darcy Ribeiro, o que permitirá a desocupa~áo do espaço ora utilizado no CG. nforma que a área prevista é da oidem de 600m, Com a palavra, o Professor Erico Weidle e o Arquiteto Alberto Faria informaram que no caso de a área ser cedida para a construção da agência da CEF a Admin'lstraçáo da UnS apresentará proposta à Caixa no sentido de aquela nstituição, além de arcar ccm todas as despesas firanceiras de sua sede, também assumir a fundação e a estrutura da segunda etapa do Centro de Vivência da UnS, de acordo com projeto a ser apresentado pelo CEPLAN, Acrescentaram que a efetiva implementação desse projeto além de recuperar espaço no Ce, proporcjonará conforto à comunidade Lniversitária. Deliberação: o Conselho sinalizou favoravelmente ao pleito da CEF. devendo a Administração da UnS iniciar as negociações administrativas e contratuals, com vistas a efetivar o objeto. A decisão fina~ do Conselho dar se-á quando da análise dos termos contratuais, cujo instrumento deverá ser semelhante ao lirmado entre a FUB e o Banco do Brasil, em 1993, referente à construção da primeira etapa do Centro de Vivência da UnB e da atual agência do citado banco. 4. Memorando n, 23/DAF, de 3115/ encaminhando o Relatório Final da Comissáo que fo: constituída por meio da Resolução da Reitoria n. 11/2005, com o objetivo de apresentar proposta de implementação da Resolução n, 15/2005, do Conselho Diretor - que "regula as relações entre a FUB e as fundaçôes de apoio à FUB..,", Com a palavra, o?rofessor Erico Weidle, na condiçâo de ':lresidente da citada Comissáo, procedeu à exposição do assunto, Repassou as considerações e propostas advindas dos representantes da+undações _d:~~lativas, ~ JL-v~/t?\\J2

22 ~rto ~~;:d~un:-7 Membro 7" M~\~ - v ~vio Rabelo '\7ersiani Membro ~ ",,los no 201/2007. f \.. G. ONGs ' 'Fls. ', Dcc'=====-J UNVERSDADE DE BRASíLA especialmente, ao percentual estabelecido no inciso 11 do art. 3º da citada Resolução - que diz: "no caso de instrumentos contratuais celebrados diretamente entre as fundações de apoio e terceiros, sem a participação da FUS, a fundação de apoio deverá estipular percentual mínimo de 6% (seis por cento) do valor contratado para aplicação no FA-UnB/fundação apoiadora, nos termos desta Resolução". Deliberação: o Conselho determinou: 1. a imediata implementação da RCO n. 15/2005; 2 que a Administração da UnB providencie a regulamentação da citada Resolução. 5. Memorando n. 24/DAF, de 29/6/ apresentando Projeto de Recuperação, Modemização e Atualização Tecnológica de 126 elevadores instalados em edifícios do Campus Universitário Darcy Ríbeiro (Reitoría. Faculdade de Ciências da Saúde, Restaurante Universitário), no Hospital Universitário de Brasília e em prédios residenciais e comerciais, de propriedade da FUS. Com a palavra, o Professor Erico Weidle procedeu a breve histórico sobre a vida útil e as atuais condições físicas dos elevadores, muitos deles apresentando situação de risco para os usuários, e informou que todo o projeto demanda recursos da ordem de RS ,00 (oito milhões cento e cinqüenta e oito mil reais). Deliberação: o Conselho autorizou: 1. o início da implementação do Projeto de imediato; 2. a utilização de recursos provenientes de rendimentos de receitas patrimoniais, até o valor de RS ,00 (oito milhões cento e cinqüenta e oito mil reais), para a efetivação do Projeto. Às 17h40, o Professor Edgar Nobuo Mamiya, Vice-Reitor da UnS, convidado para as reuniões do Conselho Diretor, ingressou no recinto da reunião, porquanto havia encerrado a reunião do CEPE, da qual foi o Presdente. Continuando a ordem da pauta, passou-se aos TENS PARA CONHECMENTO: 1. Demanda Judicial existente entre a FUB e o Grupo OK. O Presidente procedeu à leitura do relato da ação - Grupo OK, encaminhado pelo Procurador-Geral da PJU. Nesse documento, é informado que no processo n , o Grupo OK propôs ação de conhecimento contra a FUB, objetivando, em altematividade sucessiva, a condenação da ré (a FUB) a lavrar a escritura pública do imóvel objeto de compromisso de permuta firmado entre as partes ou a rescisão contratual, com a condenação da ré à devolução das parcelas pagas pelo autor. nfonma, ainda, que a FUB, por sua vez, apresentou reconvenção, na qual plerteia o cumprimento do contrato pelo reconvindo (o Grupo OK), com condenação por perdas e danos. Com relação ao assunto, o Conselheiro Carlos Alberto agradeceu a PJU pela apresentação do relatório, lamentou a lentidão da tramitação do processo na justiça e sugeriu que a Procuradoria Jurídica da UnS use, junto ao Juízo, a justificativa do interesse público para obter celeridade na processo. 2. Memorando n. 25/DAF, de 29/6/ prestando informações a respeito do relatório circunstanciado relativo ao quadro de pessoal sxtraquadro da UnS, bem coma a evolução desse quadro nos últimos anos, solicitado pelo Conselheiro relator dos Relatórios Trimestrais de Execução Orçamentária e Financeira e de Planejamento da FUS, referentes ao primeiro trimestre de 2006, analisado na 444" Reunião, realizada no dia 18/5/2006. Com a palavra, o Decano de Administração inf:;ru que constituiu CO~iSSãO ~ ~~~ ~

23 UNVERSDADE DE BRASíLA específica para, no prazo de 30 dias, a partir de 26/6/2006, analisar a situação do pessoal extraquadro, nas categorias: 1. FUBRA; 2. prestadores de serviços SRH/SCAP: 3 terceirizados mediante contrato (Conservo); 4. estagiários, no período de janeiro de 2003 a março de 2006, devendo apresentar relatório que contemple: relação nominal dos contratados, cargo, estrutura salarial, lotação, dados cadastrais, despesas individuais e totais apuradas, mensal e anualmente, no período, confrontando-as com as respectivas faturas ou folhas pagas. Ainda com relação ao assunto, informou a respeito da constituição, em conjunto com a SPL, de um banco de dados para armazenar todos os dados coletados e, a partir daí, extrair relatórios nos mais diversos formatos, de maneira a que se tirem as mais variadas análises, comparações, checagens e conclusões. Acrescentou que o relatório circunstanciado a ser apresentado ao Conselho será elaborado após a conclusáo. dos trabalhos da Comissáo e, a partir de então, serão encaminhadas ao Conselho Diretor, trimestralmente, informações detalhadas e atualizadas, no novo formato, a respeito do pessoal extraquadro e dos estagiários. Finda a exposição, o Conselho agradeceu as informações do Decano. As dezoito horas e vinte minutos, nada mais havendo a tratar, a reunião foi encerrada, da qual eu,"'~ :':~j: "Ermelina da Silva Paula, Secretária ad hoc do Conselho Diretor da FUB ~ do Reitor da UnB, lavrei a presente Ata, que, após lida e aprovada, será subscrita pelo Presidente e pelos Conselheiros presentee-s_, ~~l<'19 Carlos Alberto Rodrigues da Cunha Membro M~\\~ - v ~\lio Rabelo \1ersiani Membro João C udio Todorov embro Reinhardt Ado lo Fuck Membro.". ics ;'fl\ :;.._-,,0 201/2007 ' Sf i :P ' ONGs O23 Do, ===:::::J 4

24 l e-~_~~ ce_ ~~c~~~~~, PODF.R.JUDlCÁRO SEÇÁO JUDCÁRA DO DlSTRTU 'EDERAL. 4aYARA FEDERAL MEDDA CAUTELAR NOMNADA PROCESSO N' REQUERENTE: MNSTÉRO PúBLCO FEDERAL E OUTRO REQUERDO: FNATEC c -Y -" L;/ jr ~ 1,<), Cc ) \!-)',.0',,/ DECSÃO r' Trata-se de pedido de medina liminar formulado em medi cautelar inominada proposta pelo MNSTERO PÚBLCO FEDERAL E OUT O ~m face da FUNDAÇAO DE EMPREENDMENTO CENTÍFCOS E TECNOLÚGCOS - FNATEC, objetivando, em medida liminar, o bloqueio importância de R$ ,44, d~positada em conta de titularidade da FNATEC no Ranco do Brasil S/A. Não vislumbro a presença dos rt~quisitos concessão da medida liminar. necessários a A Lei 8.429/92, ao disciplinar as medidas de seqüestro e indisponibilidade de bens, estabeleceu, in vp.rbis: "An. 7' Quando () ato de improbidade C"ausar lesão ao patrimônio púllieo ou ensejar enriquecimento ilieito, eaberã a autoridade administrativa responsável pelo nquérito representar ao Ministériu Público, para a indisponibilidade dos bens do indir.iado. PRmBrafo único. A mdisponibilídade a que se refere o caplit deste artigo recairá sobre bens que assegurem o integral re~~a,eilt!ento do dano, (\u ~uur~ o a.crescimo patrimnniflj resultante do enriquecimento iliçito. Ar!. 16. Havendo fundados indícios de responsabilidade, a comissão repre~entará ao Ministério Público ou à procuradoria do ó~ão para que requeira ao juizo competente a decretaçâo do seqüestro dos bens do agente ou tercciro que tenh", enriquecido ilicitamente ou causado dano ao patrimênio público. 10 O pedido de sequestro será proec~sd.do d0 al"'orno com o disposto n09 arts. 8?2 e 825 do Código de Processo Civil. 2" Quando ~or o caso, o pedido incluirá a investigação, exame e o hlo<ju<;io de ben'>, conta'l bancánas e ap)ica~ ões financeiros rnantirlas pejo indiciado no e-"tt-tiot, nos termos da lei e dos tratéj.do~ mtemaclonais." ~~- i RJ5 no 2omcãl: ~, '-. ro, eo'ce,\j~ ; F; ',' O24., ) 3~ Dc"===-===J]

25 4' VARA FEDERAL - 5JOF B4-ú o Supnior Tribunal de,justiça, <'fi manifestacâo acerca dos dispositivos supracitados, atestou que "o seqüestro, previsto no art. 16 da Lei 8.429/92, ê mediúa cautelar especial que, assim como a indisponibuidade instituída em seu art 7", destina-se a garantir as bases patrimoniais da futura execuçao uu sentença condenatória de rfjs!w.rcimento de danos ou de restituição dos bens e valores havidos ilicitamente por ato de improbidade" (STJ - RESP ). Entretanto, e cediço que o deferimento da medida requestada exige a presença concomitante e palpável da relevância da ) fundamentação deduzida e do risco de ineficácia da medida pelo aguardo do provimento judicial a ser proferido na ação principa1. Ocorre que, na hipõtese vertente, o Mmistêrio Público Federal não eomprovou/dcmonstrou a presença do risco de ineficácia da medida caso venha a ser concedida apenas quando do julgamento da ac;ao civil publira por ato de improbidade. Em outras palavras, não comprovou a existência de qualquer ato praticado pela Requerida com vistas â ocultação da quantia em comento, de molde a frustrar o ressarcimento integral do suposto dano suportado pelo erãrio. Apesar do depoimento do Sr. Marco Antônio da Silva Figueiredo, gerente financeiro da FNATEC (Os. 21/24}, esclarecer que a quantia que se objetiva bloquear é oriunda do contrato celebrado com o CE8PE, não há nos autos, seja da presente ação cautelar, seja nos principais, qualquer indicação de que a FNATEC pretende ocultar bens, ai incluído a quantia em comento, de modo a inviabilizar, em tese, futuro ressarcimento ao erârio caso julgada procedente a ação principal. Pelo que consta do depoimento que emhasou o pedido dos autores, a FNATEC contabilizou referido numerârio, inclusive como forma de resguardar referido valor em face de ações trahahistas (aproximadamente trinta) ajuizadas por ex-contratados para a execução dos serviços prestados ao NSS, através do contrato com a FUS. Por fim, quanto â plausibilidade do direito, anoto que até o presente momento não hã nos autos, de forma clara, prova no sentido de que a subcontratação da F1NATEC pela FUB gerou dano patrimonial ao Erârio, tampouco a quantificação de suposto prejuízo. Sem embargo da rcsponsabilizaçao dos envolvidos, caso constatada a prâtica de atos que importem improbidade administrativa, não resulta de referida condenaçaojrcsponsnhilização a devolução automâtica e integral dos valores contratados, mesmo porque, ao que consta, os serviços foram prestados pela F1NATEC. - i;: 201/200). S~ : r, ~r. O';',,., \, rl~ ",' --_._ } p\~-.", " " fi,

26 4" VARA FEDERAL - 5JDf 20 OS Em outra:s palavras, eneontra-se assente na jurisprudéncia do Superior Tribunal de Justiçn a impossibilidade de devolução dos valores percebidos pelo particular em decorréncia da declaraçao de nulidade do contrato administrativo celebrado, na medida em que é devida pelo Poder Público a contraprestação pelos serviço~ que lhe foram prestados a contento, mormente quando não há, in casu, qualquer prova de que os pagamentos efetuados o foram a maior, sob pena de enriquecimento sem causa da Administração Púhlica. A propósito, merece destaque o!'>eguinte julgado: PROC'RSSUAL CVL. VOLAÇÃO DO ART. 535 DO CPC. 'NOCORRÊNCA. ADMNSTRATVO. FRAUDE NA LlClTAçAo. CUNTRA.TO DE OBRA PÚBLCA. PRETENSA NULDADE DO CONTRATO NÃO MPLlCA 9EVOLUÇÃO DOS VALORES PAGOS APóS A EXECUÇÃO DA OBRA. ENRQUECMh:NTO SEM CAUSA no ESTADO. AFASTAMENTo. OBSERVÂNCA AO PRNciPO DA MORALDADE ADMNSTRATVA Demanda envolvendo contratos administrativos, firmados entre o NSS e Arrimo Engenharia Ltda, para a edificação de. imóveis de.'ltinado.'l à instalação de Postos de Beneficias nas cidadeo; rie Cáceres, Pontes, Lacr;:rda, Miro.ssol O'Oe!'1te e Rosãrio Oeste, localizadas no Estado do Mato Grosso. 3. Pretensão reconvencional da autarquia rle nulidade do contrato administrativo, em face de fraude apurada na licitação, e da conseqüente devolução das quantias pagas, não obllut.nte a. exccução di'!. obra contratada. 4. Revela-ae nequivoco o direito de a emprella contratada auferir contraprestação pelo aerviço prestado fz'eeeblmeqto do preço avençado), mesmo em se u-atando de contrato supostamente etvado de tluudade, nma vez que a devolução da. quantias pagas por obl'a já e.-eentada :lmpjcarla no locup1etamento indevido da Administração Públice., em frontal inobservância 80 pridciplo da moraudrde administrativa. 5. Precedente dt:;sta Corte no sentido de que "uo examc dos artigos :'\9 e 49 do ljecreto~lei /86, viel":nte à época, conclui-se que a anulaç8.0. da licitação, com a conseqüente nulicade do contraro, opera efeitos ex tunc. No entanto, a Administraçãl) deve indenizar a empresa contratada pela execução de etapa.o:; das ob:ã.s ajustadas até adata da declaração de nulidade, ainda que a anulaçâo do contrato tenh<:t ocorrido por uttlização de documento fraudado pela empresa, CO:T\O na hipótese em =ame. Com efeito, recebida a prestação executada pelo particular, :láo pode a Administração se locupletar indevidamente e, com fundamento na nulidade do contm:tc, requerer a devolução de valores pago:; por obras já reali7..a.das, o que configuraria violação ao prõprio prineípio da moralidade administrativa". (RSsp jRN, Rehtor Ministro FRANCULLl NEilO, pu1..>jicado no O.J d", :lo.06.2q03). 6. Ueveras, t assente na doutrina que "ao Poder P~blico pertencem torias as prerrogativas necessárias ao bom asseguramento do inleresse pub!ico, de sorte que pode adotar proviuêllcjas requerid<'lf'l para tanto, ainca que.mpliquem alteraçóes no ajuste inici3'h-::r..a~o há evadir-se à conclusão de que nunca por nunca foj\:t~in\íj. mf2001~:i:!fâ.o, t CP ONGs ).i --- F/s' Doe.

27 4"VARA FEDERAL - SJDF JJO.0051 S4..() esquivar-sf: à contrapartida delas, isto é, ao cabal ressarcimento dos gravames,esultanles para o contratante privado." (Celso Aorônio Ba:-tdei:a de Mello in CUrsn de Direito Administrativo, MaJheirDs, 14" Ed, 2002, pág. 561) e que "mesmo no caso de contrato nu:o pude tomar-se devdo o J:agalTl<.:;oto dos trab<i.lhns realizados ou dos forneri:np-otos feitos à Administraçao, uma vez que tal pagamento não se funda em obrigação contratual, e sim no dever moral de indenuar toda OUld, sen'iço ou material recebido e aufericio pelo Poder Público, ainda que Sf'.m contrato ou com contrato nulo, porque o Estado não pode lirar proveito da ati\'ü:tadt:: do pe.rticular sem a rnrresponclente indemzação." (Hely Lope.s MeireJ1es, in Lieitação e Contrato Administrativo, Malheiros, 13" ed., 2002, pág. 231). 7. Recurso especla.! improvido. (STJ RE;SP Órgão Julgador: PRM<.:RA TURMA - Fonte DJ DATA:Olj07/200S ReJator(aj LUZ FUXj Ante o exposto, NDEFRO a limidar pleiteada. Esclareça a requerida, no prazo para resposta, a contabilização dos valores objeto da presente cautelar, inclusive quanto à origem e destinação de referido numerârio. ntimem-se. Cite-se Brasília, 20 de fcvcreíto de NArBER PONTES DE ALMEDA Juiz Federal Substituto da 4'" Vara/DF ,~.-,,C) n o _-., PJ. OJGc 027 Doe. ==J j

28 Fundação de Empreendimentos Clentlficos e Tecnológicos,:' t<}'~,,t;t \ \ TERMO DE

29 :::0_, ;,'.OS no 201/2007 Sf. cpr. Or,Gs.. iu'.,'_--,0",29' 1,}6 [GC 'J,'. m., Fundaçáo de Empreendimentos Ci$ntíficos e Tecnológicos tem se dedicado, reconhecidamente, à concepção c ao desenvolvimento de recursos tecnológicos e informatizados empregáveis no gerenciamento de projetos, sistemas, ações e quaisquer outras tarefas de ex.ecução continuada; impjementa esforços na otimização da gestão pública, atrav'és de metodos; sistemas e aparato tecnológico do qual díspõe~ com o objetivo de fornecer' serviços, que lhe constituem. especialidade e desenvolver ferramentas --: tecnológicas pertinenfes confonne pretendido p~ia FNATEC;., as partes se acham imbuídas dç: objetivos e 'habilidades complementares, em vista do projeto de desenvolvimento de metéidologias e ferrament<j5 de' gestão pública pretendido pela FNATEC; RESOLVEM e concordam as 'partes fim'lar o presente Termo de Parceria, que se rogcrá pelas,cláusulas e condíções s~guintes: 1. DO OBJET'O. O presente Térrno Cte Parceria Jem por objeto estabelecer as bases de UJ1~ arrrpla cooperaçl1o ea conjugação de esforços entre as partes mediante a utilização!;le tecnolog-iâ.s; infra-estruturas;, recursos humanos, mate'riais e cientificos;visando a' ímpl~entação conjullta de planos de 'trabalho, projetos, metodologia:>" têcnico-cientíií.cas, al~m:' de sistemas 'de. acompanhamento 'e. gerencyamento, que sej'am:de lnteress~', mútuo nas áreas de atuaçao de ambas,'ou de, '. cada uma 'pas partes, einespeciài ria át:ea de gestfto pública., /,,.,, ' 2. DAS ETAPAS DE TRABALHO; A presente parceria contempla duas etapss,de trabalho, uma, denomina.d~ 'Etapa de Deseuvolvimeuto, em '.que a NTERCORP. se dedicará ao desenvolvimento de conceitos, mctodologias e ferramentas de gestão; e, outra, denominada Etàp~ de Coope~açilo. em que a NJERCORP, desenvolverá ás seguintes atividades: a) 'continuidade do desenvolvimento de. novos conceitos, rnetodologias c ferramentas de ge'stão;b) consultoria aos órgão$ público~' desi~ados' pela FNATEC; c) capacitação e formaçllo da equipe de consultore$._designada _pela, FNATEC. em nov9s conceitos. metodologias e. ferramentas de gestão e,' d) acompanhamento da equipe de' co_nsultores da FNATEC nos órgãos públicos por ela designados. As etapas de trabalbo aqui previstas oontemplar'ão os seguintes serviços: (a) estudo"desenvolvirnento e experimento de teonas, tecnologias, programas de computador, metodolo'gias, recursos materiais e recursos humanos, para elaboração de um, projeto de gestão volta,do, especialmente, para a área pública; (b) implantação, customizaçbo c aplicação 'das técnicas, metodologias, conceitos e ferramentas desenvolvidasj Campu' d. UnlVtnldllde de Av. 1.3 Nort. Ed. ANATEC C.M Posb143fi5 Ctp 70." D 900 8riilsflia-Of TfiefDne 061 ]Q7 11 lo fax Dtil ~

30 Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológíc05 o o o o o na execução de suas finalidades, desenvolve projetos que promovem a integraç~o Uruversidade--'-Empresa-Governo e o aprimoramento e a capacitação de recursos humanos, visando a transferência de tecnologia a entidades públjcas c privadas; em cumprimento de suas finalidades, também desenvolve trabalhos técnicos e científicos 'para a iniciativa pública e privada, em busca de soluções inovadoras que possam agregar eficiência às suas atividades; ao longo' de sua experiência e dos diversos trabalhos realizados, pôde identificar 'que a administrisção pública é deficitária no locantc a sistemas e métoâos de gestão capazes de ampliar a eficácia na condução de processos e a transparência na aplicaçãp de recursos~, entende ser possível e ser de interesse 'social. o desenvolvimento científico de metodólogias e ferramentas de gestão pública com aproveitamento' e exploração dos recursos téwo16gicos atualmente disponiveis;.. lem, portanto, interesse. disppníbilidade e infra-estrutura' para reunir recurnos materiais e humanos em prol da viabili~o de métodos, sistemas e instnu:ilentos de gestão pública, em parceria com insthuições de j]jb,ado e reconheddo conceito no ramo 'de sua especialidade, decorren.te de anterior de~empei1ho. organização, aparelhamento e equipe é<;nica;,. 11. a NTERCORP' "A._".,," ~_ o o o iros n ) 20) Sf ' CF ONGs i'l' C30 1 ; F;JiO.-,- 1,_1 jb Doc.. l0 é uma. empresa de consuhoria já consolidada no mercado nacional, com ampla experiência em gestlo pública, e privad~ e especificamente em capacitação par.l produção de' serviços e produtos em níveis eievadbs de, 9ualidade e confiabilidade;. conta com urna eqúipe int~rdis~iplinar' de profissionais altamente, especlalizados c treinados p~ desenvolver e aplicar novos conceitos, ínstnunentos, e metodojogias de trabalho~ tem por objeto a 'presiàç:ão d~ serviços de consultoria e assessoria que incluem diagnóstico da ent:ídade-alvo, capacitação de profissionais para ~plicação, de técnicas de-' gestão organizacional. desenvolvimento e implantaçao de rotinas 'e ferramentas, bem - como monitoramento e, aperfeiçoamento dos processos de gestão; atua com a finalidade de agregar valor c aumentar O capital inteiectual de seus parceiros (clientes),,' tomando-os, conseqüentemente. orgarnzaçõeis capazes de dar continuidade aos trabalhos de gestão desenvolvidos, mediante aplicação dos métodos e instrwnentos disponibilizad,os; ~ da ljnivenld.ide de Brasil.. li.. Li flortll Ed, RNATf(. C.i~ 'D'l ~ 1Cl.!t1o-lOO BrBlÜla-ot ~01l!i ' 1110 '.0; n ~

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado da Casa Civil Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Processo nº.: E-12/0 Autuação: 29/01 Concessionária: PROLAGOS Assunto: Seguro Garantia - 2014 Sessão Regulatória: 26 de agosto de 2014 RELATÓRIO O presente Processo Regulatório foi iniciado em razão da

Leia mais

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 O Programa Institucional de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 008/2013

RESOLUÇÃO Nº 008/2013 RESOLUÇÃO Nº 008/2013 Súmula: Define critérios para apresentação de projetos para o valor R$966.734,86 (Novecentos e sessenta e seis mil, setecentos e trinta e quatro reais e oitenta e seis centavos) do

Leia mais

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica PARFOR; ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇÕES DOS BOLSISTAS DOS CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica PARFOR; ANEXO I MANUAL DE ATRIBUIÇÕES DOS BOLSISTAS DOS CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Educação Básica Presencial - DEB Setor Bancário Norte - Quadra 02 - Bloco L - Lote 6-4º andar CEP: 70.020-040 - Brasília/DF - Telefone:

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos:

FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO. 2. Para efeito deste regulamento consideram-se investimentos: 1 FINVEST - FUNDO NACIONAL PARA INVESTIMENTOS REGULAMENTO OBJETIVO 1. O Fundo FINVEST, objetiva o suprimento parcial de recursos a FUNDO PERDIDO, conforme definido no presente regulamento, nos casos de

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA Seção I Finalidades Art. 40. As bolsas de valores devem manter Fundo de Garantia, com finalidade exclusiva de assegurar aos clientes de sociedade membro, até o limite do Fundo,

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA

DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Coordenadoria de Apoio Logístico Departamento de Apoio Operacional TERMO DE REFERÊNCIA Processo n.º E-04/. /2012. Contratação de empresa para fornecimento e instalação de sistema de gerenciamento de tráfego para elevadores do prédio da SEFAZ, localizado na Avenida Presidente Vargas, 670

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DE MINAS GERAIS ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO Procedência: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA Interessado: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - IEPHA Parecer nº: 14.847

Leia mais

Termo de Referência 03/2013 - NUBEN. Assunto: Licitação de Seguro de Vida em Grupo para os empregados da TERRACAP para o triênio 2013/2015

Termo de Referência 03/2013 - NUBEN. Assunto: Licitação de Seguro de Vida em Grupo para os empregados da TERRACAP para o triênio 2013/2015 Termo de Referência 03/2013 - NUBEN Assunto: Licitação de Seguro de Vida em Grupo para os empregados da TERRACAP para o triênio 2013/2015 1 - INTRODUÇÃO O presente Projeto Básico foi elaborado com o propósito

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO

PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 PROFESSOR PLENO PASSO A PASSO PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PARA INGRESSO E ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA COPPE 1 O candidato deve: PROFESSOR PLENO A Preparar Plano de Ensino e Pesquisa; B - Curriculum Vitae do docente anexando

Leia mais

PORTO SEGURO S.A. CNPJ n.º 02.149.205/0001-69 NIRE 35.300.151.666 Companhia Aberta

PORTO SEGURO S.A. CNPJ n.º 02.149.205/0001-69 NIRE 35.300.151.666 Companhia Aberta PORTO SEGURO S.A. CNPJ n.º 02.149.205/0001-69 NIRE 35.300.151.666 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 10 DE NOVEMBRO DE 2009 1. Data, hora e local:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000XXXXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº XXXXXX-XX.2014.8.26.0000, da Comarca de Santo André, em que é agravante CR2 SÃO PAULO 2 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Contrato. 22/01/2015 Registro.br Contrato. $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $

Contrato. 22/01/2015 Registro.br Contrato. $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $ Contrato $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $ CONTRATO PARA REGISTRO DE NOME DE DOMÍNIO SOB O ".BR" O NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E COORDENAÇÃO DO PONTO BR NIC.br, inscrito no

Leia mais

Empreendimento: Lacqua Residencial.

Empreendimento: Lacqua Residencial. LACQUA RESIDENCIAL QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Lacqua Residencial. Localização:

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 04 DE MAIO DE 2012 I. Data, Hora e Local da Reunião: Aos 03 de maio,

Leia mais

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Art. 2 o Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Reitoria da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO CA N o 220 DE 9 DE JUNHO DE 2014. Aprova a assinatura do Convênio a ser celebrado entre a Universidade Estadual de Ponta Grossa e a Barigui S/A- Crédito, Financiamento e Investimentos. O CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77)

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) Dispõe sobre o Portal da Transparência do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE Em cumprimento ao disposto nas Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, a Cyrela Commercial Properties

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA. LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: 06.948.969/0001-75 NIRE: 35.300.316.584 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA

Leia mais

CAUTELAR - AUTOS N. 60792-6/2006

CAUTELAR - AUTOS N. 60792-6/2006 voltar Circunscrição :1 - BRASILIA Processo :2006.01.1.099422-4 Vara : 203 - TERCEIRA VARA CIVEL S E N T E N Ç A CAUTELAR - AUTOS N. 60792-6/2006 CS CONSULTORIA E PARTICIPAÇÕES LTDA ajuizou cautelar de

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 9 de março de 2009 1. Data, Hora e Local. Realizada, em primeira

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO. fls. 187 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000273106 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 101381993.2014.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante EVENMOB CONSULTORIA DE IMOVEIS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2014.000079XXXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-XX.2011.8.26.0309, da Comarca de Jundiaí, em que é apelante VASSOURAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, na pessoa de seu Presidente, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta (OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA CONSÓRCIO DATACENTER Prezados Senhores, Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta Apresentamos nossa

Leia mais

35 a Câmara A C O R D A O *01967384*

35 a Câmara A C O R D A O *01967384* ^ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO 3 SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO J APELAÇÃO S/ REVISÃO N 1031227-0/3 35 a Câmara Comarca de SÃO PAULO 4 0.V.CÍVEL Processo 37645/05 APTE CMW PLANEJAMENTO E CONSULTORIA

Leia mais

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011.

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Estabelece critérios e normas para credenciamento de professores para prestação de serviço voluntário nos cursos da UNIR. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA PARA ESTUDO ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DE GOIÁS CONTRATANTE: GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV CONTRATADA: A CONTRATAR ELABORAÇÃO:

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do Programa de Cooperação Internacional - PROCIN do Instituto de Pesquisa

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

ANEXO I DA RESOLUÇÃO CONSU Nº. 1.091/2014

ANEXO I DA RESOLUÇÃO CONSU Nº. 1.091/2014 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA INTERNO DE AUXÍLIO FINANCEIRO AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (AUXPPG) CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. O Programa Interno de Auxílio Financeiro aos

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 002 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 002 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ

EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ PRÓ-REITORIA DE E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) e a Fundação de Amparo e Desenvolvimento

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0337-31/99-1 Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FAE. Prefeitura Municipal de Magé

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo.

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo. CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VILA BRANCA QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Condomínio

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20120111781267ACJ

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores

ATO CONVOCATÓRIO 001 2013. OBJETO: Credenciamento de Consultores ATO CONVOCATÓRIO 001 2013 OBJETO: Credenciamento de Consultores O INSTITUTO QUALIDADE MINAS, pessoa jurídica de Direito privado sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS Promoção a ser realizada por GUARENAS INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO O Plano Econômico Verão, editado pelo Governo em Janeiro/1989, expurgou índices que deveriam ter sido utilizados na correção dos saldos das contas de poupança,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências

Dispõe sobre adoção de critérios para redução da anuidade do exercício de 2010 aos profissionais de contabilidade e dá outras providências O Plenário do Conselho Regional de Contabilidade em Pernambuco - CRC-PE, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e Considerando o que dispõe a Resolução CFC nº 1.250/09, de 27 de novembro de 2009;

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos,

Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos, RELATÓRIO Nº. 022.2014.CPL.900762.2014.14751 RELATÓRIO REFERENTE AO PREGÃO PRESENCIAL Nº 5.016/2014- CPL/MP/PGJ TIPO MENOR PREÇO GLOBAL. PROCEDIMENTO INTERNO Nº 839320/2014 Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO LEILÃO DE BENS MÓVEIS: ITENS OBSOLETOS, EQUIPAMENTOS DESATIVADOS, VEÍCULOS E SUCATAS EM GERAL.

EDITAL DE LEILÃO LEILÃO DE BENS MÓVEIS: ITENS OBSOLETOS, EQUIPAMENTOS DESATIVADOS, VEÍCULOS E SUCATAS EM GERAL. LEILÃO Nº. 001/2013 EDITAL DE LEILÃO LEILÃO DE BENS MÓVEIS: ITENS OBSOLETOS, EQUIPAMENTOS DESATIVADOS, VEÍCULOS E SUCATAS EM GERAL. MINERAÇÃO CARAÍBA S/A Fazenda Caraíba, S/No, Distrito Pilar Jaguarari

Leia mais

COSAN LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 17.346.997/0001-39 NIRE 35.300.447.581 COMPANHIA ABERTA AVISO AOS ACIONISTAS

COSAN LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 17.346.997/0001-39 NIRE 35.300.447.581 COMPANHIA ABERTA AVISO AOS ACIONISTAS COSAN LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 17.346.997/0001-39 NIRE 35.300.447.581 COMPANHIA ABERTA AVISO AOS ACIONISTAS COSAN LOGÍSTICA S.A. ( Companhia ), em continuidade ao Fato Relevante de 28 de abril de 2016

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO

CLÁUSULA SEGUNDA DO PROGRAMA DE TRABALHO QUARTO TERMO ADITIVO AO CONTRATO Nº 14/ANA/2004 CELEBRADO ENTRE A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E A ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL, COM A ANUÊNCIA DO COMITÊ PARA

Leia mais