Médica do Departamento de Obstetrícia da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Médica do Departamento de Obstetrícia da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 5"

Transcrição

1 revisão Episiotomia: revendo conceitos Episiotomy: concepts review Miriam Raquel Diniz Zanetti 1 Carla Dellabarba Petricelli 2 Sandra Maria Alexandre 3 Maria Regina Torloni 4 Mary Uchyiama Nakamura 3 Nelson Sass 5 Palavras-chave Episiotomia Parto normal Soalho pélvico Keywords Episiotomy Natural childbirth Pelvic floor Resumo A episiotomia ainda é o procedimento cirúrgico mais utilizado em obstetrícia. Seu uso rotineiro pode levar a uma série de complicações, dentre as quais se destacam: infecção, hematoma, rotura de períneo de 3º e 4º graus, dispareunia e lesão do nervo pudendo. Este artigo é uma revisão de literatura que aborda o histórico, as indicações, as complicações, os motivos que ainda incentivam sua prática rotineira e os custos envolvidos na episiotomia. Foram utilizadas as bases de dados da Medline, Lilacs, Pubmed e Biblioteca Cochrane. Embora as evidências científicas indiquem que o uso restrito da episiotomia deva ser incorporado em todos os serviços, na América Latina verificamos que sua utilização é muito elevada, podendo atingir taxas de até 90%. Sugerimos que as instituições hospitalares realizem treinamentos e atualizações acerca das diretrizes baseadas em evidências na obstetrícia. Abstract Episiotomy is still the most widely used surgical procedure in obstetrician. Its frequent use may cause complications such as infection, 3rd and 4th grades of perineal lacerations, dyspaurenia and pudendal nerve injury. This paper is a literature review that comprises history, indications, complications, reasons that encourage the routine practice and costs implicated in episiotomy. Medline, Lilacs, Pubmed and Cochrane Library were used as databases. Athough evidences suggest that restrictive use of episiotomy may be part of obstetrical care, in the Latin America its use is very common and may reach rates of up to 90%. It is suggested that hospital institutions should provide updating about obstetrics evidence based guidelines. 1 Fisioterapeuta; coordenadora do Curso de Especialização de Fisioterapia no Ciclo Gravídico Puerperal da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) São Paulo (SP), Brasil; docente e supervisora de estágio de Fisioterapia em Ginecologia e Obstetrícia do Centro Universitário FIEO (Unifieo) Osasco (SP), Brasil 2 Fisioterapeuta; supervisora de estágio do Curso de Especialização de Fisioterapia no Ciclo Gravídico Puerperal da Unifesp São Paulo (SP), Brasil; Docente do curso de Fisioterapia da Disciplina de Obstetrícia do Centro Universitário Padre Anchieta (UniAnchieta) Jundiaí (SP), Brasil 3 Professor adjunto do Departamento de Obstétrica da Unifesp; Coordenadora do Curso de Especialização de Fisioterapia no Ciclo Gravídico Puerperal da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 4 Médica do Departamento de Obstetrícia da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 5 Professor-associado Doutor do Departamento de Obstetrícia da Unifesp São Paulo (SP), Brasil

2 Zanetti MRD, Petricelli CD, Alexandre SM, Torloni MR, Nakamura MU, Sass N Introdução Episiotomia é um procedimento cirúrgico usado em obstetrícia para aumentar a abertura vaginal com uma incisão no períneo ao final do segundo estágio do parto vaginal. É realizado com tesoura ou bisturi e necessita de sutura. Embora a episiotomia tenha se tornado o procedimento cirúrgico mais comum do mundo, foi introduzida sem muita evidência científica sobre sua efetividade. Por isso, mundialmente, há uma intenção de torná-la um procedimento restrito e não mais rotineiro. Com o intuito de apresentar uma atualização sobre a freqüência, riscos e benefícios da episiotomia, foi realizada uma revisão da literatura com artigos encontrados nas bases de dados Medline, Pubmed e Lilacs, na Biblioteca Cochrane e livros na Biblac (Universidade Federal de São Paulo). As buscas bibliográficas foram realizadas privilegiando-se os últimos oito anos (2000 a 2008), porém oito artigos/livros científicos publicados anteriormente a esse período foram utilizados por serem de grande relevância para a elaboração do texto. Foram encontrados centenas de artigos, mas considerando que existe um limite de referência da revista, foram selecionados 22 deles e dois capítulos de livro. As palavras-chave para busca dos artigos foram: episiotomia e frequência ; episiotomia e riscos/complicações ; episiotomia e indicações ; episiotomia e prevenção. Levando em consideração que em estudo desenvolvido por Sleep, na Inglaterra, foi encontrada taxa de episiotomia de 10% sem prejuízo materno ou fetal, a Organização Mundial de Saúde (OMS) sugeriu que essa taxa deveria ser uma boa referência. 1 Apesar da sugestão da OMS, outros autores dizem que a taxa ideal é de 15% e não mais de 30%. 2 Percebe-se que não há consenso em relação à sua taxa ideal de utilização e por isso ainda é tão variável entre os países (Tabela 1). Provavelmente esse fato é justificado porque existem diferenças não só culturais ou de formação profissional, mas também anatômicas (pélvicas e perineais). Tabela 1 - Taxas de episiotomia na assistência ao parto em diversos países dispostas em ordem cronológica. País Ano Taxa de episiotomia (%) Argentina Brasil ,2 França EUA ,6 Japão ,1 Suécia (Upsala) Itália (Perugia) Etiópia ,2 França Israel ,6 Howard et al., estudando 176 mulheres negras e brancas, verificaram que as negras têm menos necessidade da utilização da episiotomia (26,9 versus 37,9%), com muito menos laceração. Portanto, provavelmente em países que existe grande miscigenação, como o Brasil, talvez a recomendação da taxa de utilização deva ser diferente da encontrada na Inglaterra. 10 Quando a episiotomia é indicada? Segundo a OMS (1996), a episiotomia é uma operação ampliadora para acelerar o desprendimento diante de sofrimento fetal, progressão insuficiente do parto e iminência de laceração de 3º grau (incluindo mulheres que tiveram laceração de 3º grau em parto anterior). 11 Já Guariento e Delascio referem que essa cirurgia ampliadora está indicada também para se evitar a compressão prolongada da cabeça, particularmente em prematuros, o que favorece o trauma craniano. Referem, também, que não é só para a cabeça primeira que se praticará a episiotomia, senão também para derradeira, de acordo com o obstáculo à respectiva desenvolução. Observam-se, ainda, muitos outros motivos alegados para se realizar a episiotomia. 12 Rezende ainda considera esse procedimento indispensável nas primiparturientes e nas multíparas que já foram episiotomizadas. 13 Um levantamento realizado em 2003 em hospitais de onze países (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, República Democrática do Congo, Equador, Índia, Tibet, Uruguai, Venezuela e Zâmbia), revelou que a taxa de episiotomia foi superior a 90% entre as nulíparas. 14 Outro estudo realizado em Hospital Universitário em São Paulo, em 2000, mostrou que os principais critérios para indicação da episiotomia foram, respectivamente: rigidez perineal (28,7%), primiparidade (23,7%), feto macrossômico (11,9%) e prematuridade (10,2%). Alguns outros critérios que chamaram a atenção foram: o períneo íntegro (6,8%) e, entre os menos frequentes, a iminência de rotura (3,4%). 15 Outros autores ainda citam que alguns médicos não acreditam na elasticidade do períneo, preferindo realizar a incisão. Isso sem contar aqueles que não conseguem abandonar a prática que lhes foi ensinada durante a formação universitária, a que estão acostumados. 16 Uma das principais indicações para a realização da episiotomia é a iminência de laceração de 3 o e 4 o graus (lesões que afetam esfíncter externo do ânus e mucosa retal respectivamente) - estado de rigidez perineal que causa lacerações se não for realizada a episiotomia. 368 FEMINA Julho 2009 vol 37 nº 7

3 Episiotomia: revendo conceitos Podemos observar que essa indicação é subjetiva, já que ainda não existem instrumentos que mensurem a elasticidade perineal. Portanto, como afirmar que a rigidez perineal de determinada paciente pode acarretar laceração de 3º grau e não de 2º? Mesmo optando-se por esse procedimento, os riscos de laceração de 3º e 4º graus são significativos. Um estudo realizado na Universidade de Miami mostrou que 36% dos partos vaginais necessitaram de episiotomia e, desses, a incisão mediana foi associada a 6,6% e a incisão mediolateral a 4,6% de laceração severa. 17 Embora as indicações e vantagens da episiotomia não sejam consenso, as complicações desse procedimento são amplamente divulgadas (Quadro 1). Já os riscos associados são, entre outros, a extensão da lesão, hemorragia significativa, dor no pós-parto, edema, infecções, dispareunia e, embora rara, a endometriose da episiorrafia. De certa forma, estudos vêm demonstrando a diminuição dessa prática. Na Universidade da Califórnia, entre 1974 e 1994, houve uma redução na episiotomia de 86,8 para 10,4% associada a uma redução de 53% de laceração de 4º grau e um aumento da taxa de períneo íntegro (10,3 para 26,5%). Isso só foi possível devido a uma análise criteriosa sobre a real necessidade de realização desse procedimento. 18 Custos envolvidos na episiotomia Em revisão sistemática da Cochrane (2008), compararam-se os gastos econômicos com a realização da episiotomia seletiva ou rotineira em dois países latino-americanos. Apontou-se uma economia entre US$ 6,50 e 12,50 em cada parto vaginal sem episiotomia realizado no setor público. Esse custo está relacionado apenas aos materiais de sutura. Num país como a Venezuela, com nascimentos por ano, sendo que 97% deles ocorrem no setor público, a economia seria entre US$ 3,5 e 7 milhões. A mesma estimativa foi feita em relação ao Brasil, que economizaria de US$ 15 a 30 milhões. 19 Considerações sobre a elasticidade muscular No que diz respeito aos aspectos relacionados à possível proteção da musculatura do assoalho pélvico com a episiotomia, merecem destaque as seguintes ponderações: o assoalho pélvico é formado pelo diafragma pélvico e urogenital, composto de músculos estriados esqueléticos que possuem algumas propriedades importantes (como a contratilidade e a elasticidade). Algumas terapêuticas como o alongamento e a massagem perineal podem conduzir ao aumento da elasticidade muscular. Quadro 1 - Riscos da episiotomia Infecção Hematoma Rotura do períneo de 3º e 4º graus Celulite Deiscência Abcesso Incontinência de gases e fezes Fístula retovaginal Lesão do nervo pudendo Fasceíte necrosante Morte Além disso, existe o componente genético que torna algumas pessoas mais flexíveis do que outras. Numa revisão sistemática da Cochrane realizada em 2008, três estudos foram analisados envolvendo mulheres divididas entre aquelas que realizaram massagem perineal e Grupo Controle (nada orientado referente à massagem). A massagem perineal foi realizada introduzindo-se um ou dois dedos numa profundidade de 3 a 4 cm na vagina e, em seguida, eram realizados movimentos de dentro para fora e látero-lateralmente, durante cinco a dez minutos diariamente. Concluíram que a massagem diminuiu a necessidade da realização da episiotomia (especialmente nas nulíparas) e que todas as mulheres deveriam ser orientadas quanto ao uso dessa técnica. 20 A deformação de um músculo, ao ser alongado, pode ser classificada como elástica, ou seja, ocorre retorno ao seu comprimento inicial ou plástica (deformação permanente). As variáveis que definem o tipo de deformação muscular são a força utilizada e o tempo que dura essa força. Quanto menor a força e maior a sua duração ao distendê-lo, maior a chance de haver deformação plástica. Transferindo esse entendimento básico muscular para o segundo período do parto, podemos considerar que as mulheres que realizam alongamento perineal prévio podem ter mais elasticidade. Além disso, a função muscular pós-parto será melhor se houver a deformação elástica e não a plástica, necessitando, então, de período expulsivo não prolongado. Porém, com relação aos nervos periféricos, pouco se sabe sobre seus limites de alongamento. Existem evidências que indicam que sua amplitude elástica está entre 6 a 20%, mas podem ter essa elasticidade comprometida por aderências e tecido cicatricial, trauma e suturas. Os vasos sanguíneos e nervos periféricos também são capazes de alongamento. Aplicações de força aos vasos sanguíneos resultam em fluxo sanguíneo diminuído. O alongamento excessivo dos nervos prejudica sua função e pode resultar em deficiência mecânica. Três fatores protegem os nervos periféricos da defor- FEMINA Julho 2009 vol 37 nº 7 369

4 Zanetti MRD, Petricelli CD, Alexandre SM, Torloni MR, Nakamura MU, Sass N mação física através do alongamento: frouxidão, a trajetória e a elasticidade do nervo. A episiotomia é realmente benéfica para o assoalho pélvico? Alguns autores citam que as lacerações de 1º e 2º graus trazem menos malefícios à função do assoalho pélvico do que a episiotomia. Isso pode ser explicado pela fisiologia do reparo tecidual. Após uma lesão muscular como, por exemplo, a episiotomia, pode ocorrer a regeneração tecidual (substituição das células lesadas por outras do mesmo tipo) ou ainda a fibrose (substituição das células musculares por tecido conjuntivo). Ao ocorrer a fibrose no processo de reparação após a episiotomia, a função da musculatura do assoalho pélvico pode ficar prejudicada. Apesar de a grande maioria das lesões do músculo esquelético se recuperarem sem formação de fibrose que leve à disfunção muscular, a proliferação de miofibroblastos pode ser excessiva em traumas maiores ou recidivos (como repetidas episiotomias), resultando na formação do tecido cicatricial denso que restringe a regeneração das miofibrilas. Com isso, o músculo lacerado pode restaurar uma função satisfatória, mas sua recuperação não é completa. Logicamente, no processo de regeneração, a episiotomia terá um impacto menor que uma laceração de 3º e 4º graus. Porém, diversos estudos que compararam o uso rotineiro e seletivo da episiotomia, não encontraram aumento na ocorrência dessas lacerações importantes (Quadro 2). Numa revisão sistemática da Cochrane feita em 2008, incluindo seis estudos que compararam os desfechos entre o uso rotineiro e o seletivo da episiotomia, verificou-se que a utilização seletiva envolve menor trauma perineal posterior, menos sutura, menos complicações de cicatrização e mais trauma perineal anterior. Além disso, não houve diferença entre os grupos com relação a traumas vaginais e perineais severos, dispareunia e incontinência urinária. Por isso, a conclusão dos revisores foi que o uso restrito da episiotomia parece apresentar maior benefício do que o seu uso rotineiro. 19 Conclusão e recomendações para a prática Embora todas as evidências indiquem que o uso restritivo da episiotomia deva ser incorporado em todos os serviços, verificou-se, principalmente na América Latina, que a sua utilização é muito elevada, podendo atingir uma frequência de até 90%. Apesar de suas indicações serem muitas vezes subjetivas, é importante salientar que a primiparidade e a prematuridade não são indicações. Devemos considerar que a musculatura do assoalho pélvico também tem grande capacidade de distensão e que existe diferença dessa propriedade de uma parturiente para outra, o que determina a importância de avaliação minuciosa. Um preparo, durante a gestação, da musculatura do assoalho pélvico, incluindo massagem e exercícios específicos, poderia aumentar sua capacidade de distensão. Já que existem poucas contraindicações ou efeitos colaterais, a massagem perineal deveria ser ensinada à todas as gestantes. Cabe ressaltar que a episiotomia é um dos poucos procedimentos que são feitos sem consentimento da parturiente. Esse fato também deve ser levado em consideração, pois o procedimento pode acarretar alterações cicatriciais além das outras complicações para o resto da vida. Assim, acreditamos que a decisão para a realização do procedimento deva ser compartilhada com a paciente, exceto em condições em que seus benefícios justifiquem amplamente sua realização. Sugerimos que instituições hospitalares realizem treinamentos e atualizações acerca das diretrizes baseadas em evidências na obstetrícia. Althabe et al., que realizaram essas iniciativas em hospitais no Uruguai e Argentina, conseguiram reduzir significativamente a frequência dessa intervenção. 24 Quadro 2 - Ocorrência de lacerações perineais de 3º e 4º graus de acordo com a realização da episiotomia em diversos estudos. Literatura Número total de participantes Grupo n Períneo intacto (%) Episiotomia (%) 3º e 4º graus (%) Sleep Uso rotineiro ,3 51,4 0,2 Uso seletivo ,9 10,2 0,8 Klein et al Uso rotineiro ,6 93,7 7,4 Uso seletivo ,2 43,8 7,7 Argentine Episiotomy Trial Uso rotineiro ** 82,6 1,5 Collaborative Group 2 Uso seletivo ** 30,1 1,1 Eltorkey e Nuaim Uso rotineiro 100 7,0 83,0 0,0 Uso seletivo ,0 53,0 0,0 Dannecker Uso rotineiro 76 10,0 76,7 8,3 Uso seletivo 70 28,6 40,8 4,1 ** Dados insuficientes 370 FEMINA Julho 2009 vol 37 nº 7

5 Episiotomia: revendo conceitos Leituras suplementares 1. Sleep J, Grant A, Garcia J, Elbourne D, Spencer J, Chalmers I. West Berkshire perineal management trial. Br Med J (Clin Rest Ed). 1984;8(289): Argentine Episiotomy Trial Collaborative Group. Routine vs selective episiotomy: a randomized controlled trial. Lancet. 1993;342(8886-7): Chacham AL, Diniz SG. The cut above and the cut below : the abuse of caesareans and episiotomy in São Paulo, Brazil. Reprod Health Matters. 2004;12(23): Vendittelli F, Gallot D. [What are the epidemiologic data in regard to episiotomy?] J Gynecol Obstet Biol Reprod (Paris). 2006;35(1 suppl):1s Weber AM, Meyn L. Episiotomy use in the United States, Obstet and Gynecol. 2002;100(6): Nakai A, Yoshida A, Yamaguchi S, Kawabata I, Hayashi M, Yokota A, et al. Incidence and risk factors for severe perineal lacerations after vaginal delivery in Japanese patients. Arch Gynecol Obstet. 2006;274(4): Alran S, Sibony O, Oury JF, Luton D, Blot P. Differences in management and results in term-delivery in nine European referral hospitals: descriptive study. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2002;103(1): Kiros K, Lakew Z. Magnitude of episiotomy in a teaching hospital in Addis Ababa, Ethiopia. Ethiop Med J. 2006;44(3): Lowenstein L, Haddad L, Itskovitz-Eldor J, Sabo E, Jakobi P. [Episiotomy as a risk factor for early perineal trauma]. Harefuah. 2005;144(6): Howard D, Davies PS, Delancey JO, Small Y. Differences in perineal lacerations in black and white primiparas. Obstet Gynecol. 2000;96(4): World Health Organization. Classification of practices in normal birth. In: Care in normal birth: a practical guide. Geneva, p (WHO Technical Report Series FRH/MSM/96.24) 12. Delascio D, Guariento A, Briquet R. Obstetrícia normal. 2. Ed. São Paulo: São Paulo; p Rezende J. O parto: estudo clínico e assistência. In: Rezende J. Obstetrícia. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p Kropp N, Hartwell T, Althabe F. Episiotomy rates from eleven developing countries. Int. J Gynaecol Obstet. 2005;91(2): Oliveira SMJV, Miquilini EC. Freqüência e critérios para indicar a episiotomia. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(3): Mattar R, Aquino MMA, Mesquita MRS. A prática da episiotomia no Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(1): Angiolli R, Gómez-Marín O, Cantuaria G, O SullivAN MJ. Severe perineal lacerations during vaginal delivery: The University of Miami experience. Am J Obstet Gynecol. 2000;182(5): Bansal RK, Tan WM, Ecker JL, Bishop JT, Kilpatrick SJ. Is there a benefit to episiotomy at spontaneous vaginal delivery? A natural experiement. Am J Obstet Gynecol. 1996;175(4 pt 5): Carroli G, Belizan J. Episiotomy for vaginal birth (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 20. Beckmann MM, Garret AJ. Antenatal perineal massage for reducing perineal trauma (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 2, Oxford: Update Software. 21. Klein MC, Gauthier RJ, Jorgensen SH, Robbins JM, Kaczorwski J, Johnson B, et al. Does episiotomy prevent perineal trauma and pelvic floor relaxation? Online J Curr Clin Trials. 1992; Doc Dannecker C. Hillemanns P, Strauss A, Hasbargen U, Heep H, Anthuber C. Episiotomy and perineal tears presumed to be imminent: randomized controlled trial. Acta Obstet Gynecol Scand. 2004;83(4): Eltorkey MM, Nuaim MA. Episiotomy, elective or selective: a report of a random allocation trial. J. Obstet Gynaecol. 1994;14(5): Althabe F, Buekens P, Bergel E. Belizan JM, Campbell MK, Moss N, et al. A behavioral intervention to improve obstetrical care. The New England Journal of Medicine 2008;358(18): FEMINA Julho 2009 vol 37 nº 7 371

EPISIOTOMIA PORQUE NÃO REALIZAR. Rodrigo Dias Nunes. Aula disponível no site:

EPISIOTOMIA PORQUE NÃO REALIZAR. Rodrigo Dias Nunes. Aula disponível no site: PORQUE NÃO REALIZAR Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes CONCEITOS GERAIS 1-3 Incidência variável: 10% (Suíça) 100% (Argentina e Taiwan) USA: redução de 60% a 10% nos

Leia mais

EPISIOTOMIA NOS PARTOS NORMAIS: UMA REVISÃO DE LITERATURA

EPISIOTOMIA NOS PARTOS NORMAIS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Facene/Famene - 9(2)2011 45 Artigo de Revisão EPISIOTOMIA NOS PARTOS NORMAIS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Nilma Maia da Costa 1 Lucídio Clebson de Oliveira 2 Lorrainy da Cruz Solano 3 Patrícia Helena de

Leia mais

O períneo na saúde feminina

O períneo na saúde feminina O períneo na saúde feminina Renata Olah Como vai seu períneo? Conhece ele? Já viu ele? Onde fica? Como é? Conversa sobre ele? Ele está bem? Está mal? Está mais ou menos? É forte? Ou fraco? Doula e Fisioterapeuta

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

EPISIOTOMIA X PARTO HUMANIZADO Santos TP* 1, Melo JMG 2, Padilha BC 3, Trentini RC 4, Ravelli APX 5.

EPISIOTOMIA X PARTO HUMANIZADO Santos TP* 1, Melo JMG 2, Padilha BC 3, Trentini RC 4, Ravelli APX 5. EPISIOTOMIA X PARTO HUMANIZADO Santos TP* 1, Melo JMG 2, Padilha BC 3, Trentini RC 4, Ravelli APX 5. Instituição: Universidade Estadual de Ponta Grossa, Campus de Uvaranas - Av. General Carlos Cavalcanti,

Leia mais

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Objetivo Principal Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e operacional relacionados

Leia mais

Materno-infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Materno-infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP. Resumo Todos os anos, milhões de mulheres na América Latina têm sua vulva e vagina cortadas (episiotomia) sem que haja qualquer justificativa médica para isso. Esta cirurgia tem sido praticada de rotina

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

O segundo estádio do trabalho de parto

O segundo estádio do trabalho de parto CAPÍTULO 32 O segundo estádio do trabalho de parto 1 Introdução 2 Diagnóstico do início do segundo estádio do trabalho de parto 3 Expulsão durante o segundo estádio do trabalho de parto 4 Posição durante

Leia mais

Parto vaginal após cirurgia cesariana

Parto vaginal após cirurgia cesariana Parto vaginal após cirurgia cesariana Um guia para a ajudar a decidir-se C A R E N E W E N G L A N D Se tiver dado à luz a um ou dois bebês pela cirurgia cesariana no passado, você pode ter duas opções

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo Comissão Nacional

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas

Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas XI ENCONTRO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO I ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas Flaviano Teixeira de Queiroz Serviço de

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: RELATOR: Fertilização in vitro Gestação de substituição Cons. José Hiran da Silva Gallo EMENTA: A doação temporária do

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Autoria: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia

Autoria: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Autoria: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Elaboração Final: 31 de janeiro de 2011 Participantes: Parpinelli MA, Surita FG, Pacagnella RC, Simões R As Diretrizes Clínicas

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

A cultura da Carta ao Editor

A cultura da Carta ao Editor Carta-resposta ao Editor sobre citação no artigo A cultura da Carta ao Editor Carlos Antonio Barbosa Montenegro 1 Jorge Rezende Filho 2 Senhor Editor, Causou-nos enorme espécie citação ao capítulo sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP Andréa Tamancoldi Couto Enfermeira chefe de seção Centro Cirúrgico

Leia mais

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP Tópicos Transtorno Mental vs Sofrimento Psíquico Redução do investimento

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

ÉTICA NA REALIZAÇÃO DA EPISIOTOMIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ÉTICA NA REALIZAÇÃO DA EPISIOTOMIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ÉTICA NA REALIZAÇÃO DA EPISIOTOMIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA INTRODUÇÃO: O puerpério é uma etapa marcada por intensa vulnerabilidade para mulher, podendo haver irregularidades, físicas e emocionais, além

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

Avaliação da função muscular perineal em gestantes Assessment of perineal muscular function during pregnancy

Avaliação da função muscular perineal em gestantes Assessment of perineal muscular function during pregnancy 0004-2773/10/39-03/29 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 3, de 2010 29 Assessment of perineal muscular function during pregnancy Kelly Souza da Correggio

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES CLÍNICAS

ANEXO III DIRETRIZES CLÍNICAS ANEXO III DIRETRIZES CLÍNICAS 1. ASSISTÊNCIA AO TRABALHO DE PARTO 2. CONSULTA PUERICULTURA 3. TRATAMENTO CIRÚRGICO DA HÉRNIA DE DISCO LOMBAR 1. ASSISTÊNCIA AO TRABALHO DE PARTO Autoria: Federação Brasileira

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br MORTALIDADE MATERNA POR PRÉ-ECLAMPSIA/ECLAMPSIA: RECIFE, 1998 A 2006. Waléria Solange Mafra Santana Leite 1 ; Maria de Fátima Fernandes Alves 2 ; Sormani Soares de Souza 3 Introdução: A classificação Internacional

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org

Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Revisões Sistemáticas na Biblioteca Virtual em Saúde Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS abdalave@paho.org Que evidência utilizar? Depende do tipo de pergunta (necessidade) que se quer responder e o tempo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA.

INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA. INCIDÊNCIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO NO PÓS-OPERATÓRIO DE PACIENTES SUBMETIDOS À CIRURGIA ORTOPÉDICA DE QUADRIL E JOELHO EM UM HOSPITAL DE GOIÂNIA. ASSIS, Thaís Rocha¹; SILVA, Mara Nunes da²; SANDOVAL,

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO RESUMO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: PERCEPÇÕES DE ENFERMEIROS DA REGIÃO DO SUL DO ESPÍRITO SANTO, NORTE E NOROESTE DO RIO DE JANEIRO Raniele Ramalho de SOUZA 1*, Sara Fonte Boa de OLIVEIRA 1,

Leia mais

SEMINÁRIO MORTALIDADE MATERNA E DIREITOS HUMANOS NO BRASIL

SEMINÁRIO MORTALIDADE MATERNA E DIREITOS HUMANOS NO BRASIL SEMINÁRIO MORTALIDADE MATERNA E DIREITOS HUMANOS NO BRASIL Direitos das mulheres, modelos de assistência ao parto e sua relação com a morbi-mortalidade materna Simone Grilo Diniz Médica, professora do

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Thaís Lorenzen De Mélo 2, Marília Martins 3, Evelise Moraes Berlezi 4, Daniela Zeni Dreher 5. 1 Trabalho vinculado a pesquisa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA EPISIOTOMIA NA FUNCIONALIDADE DO ASSOALHO PÉLVICO

A INFLUÊNCIA DA EPISIOTOMIA NA FUNCIONALIDADE DO ASSOALHO PÉLVICO A INFLUÊNCIA DA EPISIOTOMIA NA FUNCIONALIDADE DO ASSOALHO PÉLVICO Alécia Carolina de Oliveira Philippini 1 ; Daniele Maria dos Santos 2 ; José Edimósio Costa Vital 3 ; Hellen Batista de Carvalho 4 ; Lorena

Leia mais

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo

Produtos para saúde. A visão de quem utiliza. Wanderley Marques Bernardo Produtos para saúde A visão de quem utiliza Wanderley Marques Bernardo Nós não vemos as coisas como elas são, nós vemos como nós somos Anaïs Nin VISÃO PACIENTES CONFLITOS DE MÉDICO INTERESSE SISTEMA DE

Leia mais

Plano de parto e. Roseli Nomura

Plano de parto e. Roseli Nomura Plano de parto e Parto humanizado Roseli Nomura Professora Adjunta da Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo Profa Associada da Faculdade de Medicina da USP Assistência ao Parto

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA DE SAÚDE DESCRIÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica Módulo de Enfermagem V Área Científica: ENFERMAGEM CÓDIGO: 723

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA NO PARTO NORMAL* OBSTETRIC NURSING CARE IN NORMAL BIRTH CUIDADOS DE ENFERMERÍA OBSTÉTRICA EN EL PARTO NORMAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA NO PARTO NORMAL* OBSTETRIC NURSING CARE IN NORMAL BIRTH CUIDADOS DE ENFERMERÍA OBSTÉTRICA EN EL PARTO NORMAL 82 CUIDADOS DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA NO PARTO NORMAL* Taís Folgosa da Silva 1, Guilherme Augusto Barcello Costa 2, Adriana Lenho de Figueiredo Pereira 3 RESUMO: Pesquisa descritiva e retrospectiva que

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.)

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) Cristina Maria Galvão * Namie Okino Sawada * GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. O uso da informática na rede básica e hospitalar

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

TÍTULO: REABILITAÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR PÓS PROSTATECTOMIA: PROMOVENDO A CONTINÊNCIA URINARIA.

TÍTULO: REABILITAÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR PÓS PROSTATECTOMIA: PROMOVENDO A CONTINÊNCIA URINARIA. TÍTULO: REABILITAÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR PÓS PROSTATECTOMIA: PROMOVENDO A CONTINÊNCIA URINARIA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA ALÍVIO DA DOR NO TRABALHO DE PARTO Thayssa Rocha Humanização do Parto e Nascimento ENAM 2008 20/05/2008 AGENDA Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO PUERPERAL

CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO PUERPERAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO

Leia mais

Efetividade de um Programa de Exercícios Musculares para o Assoalho Pélvico na Incontinência Urinária após o Parto

Efetividade de um Programa de Exercícios Musculares para o Assoalho Pélvico na Incontinência Urinária após o Parto Volume 12, Número 6, 2005 ISSN: 1329-1874 Informativo sobre Práticas Baseadas em Evidências para Profissionais de Saúde Efetividade de um Programa de Exercícios Musculares para o Assoalho Pélvico na Incontinência

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PARTO HUMANIZADO: REVISÃO DA LITERATURA

CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PARTO HUMANIZADO: REVISÃO DA LITERATURA Alumni Revista Discente da UNIABEU 25 CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PARTO HUMANIZADO: REVISÃO DA LITERATURA Helen Carla Freire da Silva 1 Rafael Luzes 2 RESUMO: Este artigo teve como objetivo principal

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

RELATO DE EPISIOTOMIA COMO VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. 1. Departamento de Enfermagem, Regional Catalão da Universidade Federal de Goiás

RELATO DE EPISIOTOMIA COMO VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. 1. Departamento de Enfermagem, Regional Catalão da Universidade Federal de Goiás RELATO DE EPISIOTOMIA COMO VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA ÉRICA SILVA ROCHA¹, KAMILLA DE SOUSA 1, NÚBIA INOCÊNCIO DE PAULA 2, CAMILA LUCCHESE VERONESI 1, ORENITO SIMÃO BORGES JÚNIOR 3, MAYRA RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Assistência ao Trabalho de Parto

Assistência ao Trabalho de Parto Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Elaboração Final: 27 de Junho de 2001 Autoria: Martins-Costa SH, Ramos JGL, Brietzke E O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO MUSCULAR PERINEAL EM GESTANTES

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO MUSCULAR PERINEAL EM GESTANTES UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE - CEFID COORDENADORIA DE TRABALHOS MONOGRÁFICOS - CTM CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO MUSCULAR

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NOS TRAUMAS

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais