EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR DE RATO LESADO RESUMO SUMMARY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR DE RATO LESADO RESUMO SUMMARY"

Transcrição

1 165 EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR DE RATO LESADO RESUMO CIBELE MARLI CAÇÃO PAIVA GOUVÊA (*) PEDRO MANUEL NUNES VIEIRAL (**) ANDRÉ CAPALDO AMARA (***) O presente trabalho avaliou o efeito do ultra-som terapêutico na recuperação do músculo tibial anterior de rato, injuriado por lesão incisiva. Observou-se que o padrão histológico do músculo lesado e tratado com ultra-som foi muito diferente do padrão histológico do músculo lesado e não tratado (controle) e dos submetidos a tratamento simulado. A reação inflamatória foi acelerada pelo uso do ultra-som, o que possibilitou uma remoção mais eficiente de fibras necróticas no músculo tratado. O músculo tratado apresentou um maior número de vasos e fibras musculares recém-formadas. Os dados demonstram que o ultra-som estimulou a regeneração muscular, com conseqüente diminuição de tecido fibrótico. DESCRITORES: Ultra-som, tibial anterior, lesão muscular, regeneração muscular. SUMMARY ULTRASOUND-EFFECT ON THE RECOVERY OF INJURED RAT TIBIALIS ANTERIOR MUSCLE The present work evaluated the therapeutic ultrasound effect on the recovery of the rat tibialis anterior muscle injured by laceration. We observed that the histological pattern of the treated muscle was significantly different from the control and sham-irradiated muscles. The ultrasound treatment accelerated the inflammatory reaction, with a more efficient removal of necrotic fibers. The treated muscle showed a greater number of vessels and newly formed muscle fibers, as compared to control muscles. Our data suggest that the ultrasound stimulated muscle regeneration, with consequent lesser fibrotic tissue formation. KEY WORDS: Ultrasound, tibialis anterior, muscular lesion, muscular regeneration. 1.INTRODUÇÃO A regeneração é uma adaptação que ocorre no músculo esquelético em resposta ao traumatismo. Após trauma direto ou doença, a regeneração resulta no restabelecimento da estrutura original e função do músculo. Esse processo é bem descrito, embora pouco seja conhecido sobre as interações celulares que o controlam. A extensão e sucesso da regeneração variam com a natureza da lesão, mas em todas as situações a regeneração envolve revascularização, infiltração celular, fagocitose do músculo necrosado, proliferação de células precursoras do músculo e sua fusão e finalmente reinervação. O músculo esquelético pode ser danificado por diferentes agentes incluindo lesão incisiva, aplicação local de anestésico (Carlson e Faulkner, 1983), amassamento e miotoxinas. Independentemente do método utilizado para lesar o músculo, este sofrerá o processo de reparo, que parece seguir passos comuns. Inicialmente há um período de degeneração da fibra muscular, caracterizado pela desorganização e dissolução das unidades sarcoméricas, sarcossoma, retículo sarcoplasmático e mionúcleo. Essa resposta imediata é seguida por um estágio no qual ocorre autólise dos componentes musculares lesados. A perda do homeostase do cálcio é a ocorrência chave nesse processo. A entrada de cálcio na célula ativa proteases cálcio-dependentes, chamadas calpaínas, as quais clivam proteínas miofibrilares e do citoesqueleto como a miosina, actina, talina e vinculina (Fox et al., 1985). A clivagem proteolítica de outras enzimas pela calpaína pode induzir a amplificação da proteólise. Os processos que se seguem a esses eventos catabólicos levam à regeneração e reparo da fibra muscular. Assim, pelo menos duas populações de células respondem à injúria muscular: células inflamatórias envolvidas na remoção de restos celulares e células miogênicas envolvidas na reposição da fibra danificada. A fagocitose das fibras lesadas é importante para a regeneração efetiva do músculo, sendo esta inibida pela persistência de tecido necrótico (Grounds, (*) Professora Laboratório de Bioquímica e Biologia Molecular, UNIFENAS, C.P. 23, Alfenas-MG, (**) Acadêmico do curso de Fisioterapia, UNIFENAS, bolsista de iniciação científica FAPEMIG (***)Professor IOCS UNIFENAS, C.P. 23, , Alfenas-MG,

2 166 C. M. C. P. GOUVÊA et al. 1987). A remoção do músculo necrosado é resultado, principalmente, da fagocitose por macrófagos. Neutrófilos que também são fagocíticos são observados abaixo da lâmina basal, dentro das fibras danificadas, 3 horas após a injúria focal e macrófagos estão presentes após 6 horas (Papadimitriou et al., 1990). As células satélites, presentes abaixo da lâmina basal, sobrevivem ao evento traumático inicial e resistem ao ambiente deletério. Após a remoção dos componentes celulares da fibra muscular lesada, as células satélites são ativadas, dando origem a uma população de mioblastos, os quais vão se fundir, formando miotúbulos multinucleados, com núcleo central, os quais se diferenciam em fibras musculares maduras, com núcleo periférico. A integridade da lâmina basal é importante para o sucesso da regeneração e sua presença minimiza a formação de fibrose (Mcgeachie e Grounds, 1987). Como em qualquer tecido lesado, a revascularização é um evento importante para a formação de novas fibras musculares. A isquemia prolongada e a baixa tensão de oxigênio favorecem a proliferação de fibroblastos. Parece provável que a eficiência da revascularização esteja relacionada à extensão da fibrose após a lesão muscular (Tidball, 1995). Os efeitos mecânicos, térmicos e químicos do ultra-som ainda não estão completamente esclarecidos. Sua aplicação, entretanto, leva a inúmeros bioefeitos, que podem ser classificados em primários e secundários. Os primários são as reações orgânicas gerais que geralmente se manifestam ao nível vascular e vegetativo. Em conseqüência das vibrações longitudinais, características do ultra-som, um gradiente de pressão é desenvolvido nas células individuais. Como resultado desta variação de pressão positiva e negativa, elementos da célula são obrigados a se moverem, sentindo-se assim, um movimento de micromassagem. Este efeito aumenta o metabolismo celular, o fluxo sangüíneo e o suprimento de oxigênio. Alguns efeitos não-térmicos são obtidos através do ultra-som pulsátil, evitando-se a cavitação. A predominância da micromassagem produz alteração da permeabilidade da membrana celular, facilitando o fluxo de nutrientes. Quando o ultra-som penetra nos tecidos, ocorrem os efeitos biológicos devido à absorção desta energia. O ultra-som tem sido utilizado por aproximadamente 5 décadas para o restabelecimento das funções e promoção da cicatrização de tecidos moles danificados. Observações clínicas determinam o uso do ultra-som em diversas situações, incluindo a dor, bursite e traumatismo do músculo esquelético (Gillete e Mitchel, 1991, Reher et al., 1997). Gillete e Mitchel (1991) estudaram lesão muscular induzida por anestésicos e observaram que o ultra-som diminuiu o tempo para indução da regeneração muscular. Ensaios com estimulação local de tecidos duros mostrou que foi possível acelerar o reparo da fratura da fíbula utilizando ultra-som de 1,5 ou 3,0 MHz, pulsátil, com freqüência de 0,5 W/cm 2 (Reher et al., 1997). Apesar dessas observações, relativamente poucos trabalhos de pesquisa têm sido relatados sobre os efeitos do ultrasom clínico ou outros recursos da fisioterapia e a evidência da eficiência tem sido obtida, primariamente, por parâmetros subjetivos (Wang et al., 1994). Para o estabelecimento da eficiência de um tratamento específico é imperativo que haja um parâmetro objetivo mensurável que possa ser empregue para determinar a eficiência do agente terapêutico (Dyson et al., 1976). O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do ultra-som terapêutico na regeneração e reparo do músculotibial anterior de rato, que sofreu lesão incisiva. 2.MATERIAL E MÉTODOS 2.1.Material animal Neste estudo foram utilizados 30 ratos (Rattus norvegicus) brancos machos Wistar, pesando 270 ± 30 g, obtidos do Biotério Central da UNIFENAS. Os animais foram mantidos em gaiola e receberam alimento e água ad libitum e foram divididos em três grupos experimentais, com 5 animais por grupo: G1; controle não tratado, G2, tratados com ultra-som e G3, simulação do tratamento com ultra-som. O experimento foi realizado em duplicata. 2.2.Lesão muscular O músculo tibial anterior da pata direita foi lesado através de uma incisão, com bisturi contendo

3 EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR... duas lâminas com separação de 1 mm. O corte com 2 mm de profundidade estendeu-se por toda a largura do músculo, na região mediana ventral. 2.3.Tratamento com ultra-som terapêutico O tratamento com ultra-som foi conduzido utilizando-se um aparelho KW com cabeçote reduzido. Foi utilizada a freqüência de 1,0 MHz, com intensidade de 0,5 W/cm 2, modo pulsátil 1:5, por 5 min. O tratamento com utilização do ultra-som e simulação foi iniciado 24 h após a indução da lesão muscular. Os animais foram submetidos a eutanásia aos 3, 7 14 e 21 dias após a indução da lesão. O tratamento dos animais foi realizado durante três dias, para os que foram submetidos à eutanásia 3 dias após a indução da lesão. Os animais submetidos à eutanásia aos 7 dias foram tratados por 5 dias, os de 14 dias foram tratados por 10 dias e os de 21 dias foram tratados por 15 dias. O músculo tibial anterior lesado foi analisado em preparação histológica. 2.4.Análise histológica 167 com ultra-som demonstrou poucas fibras necróticas e neutrófilos, um reduzido número de macrófagos (38 ± 3,88; p<0,1), um grande número de vasos (11 ± 1,13; p< 0,1) e fibroblastos (62 ± 3,53; p<0,1) e novas fibras musculares (5 ± 0,35; p<0,001).) por µm 2 de tecido. O grupo com tratamento simulado apresentou um padrão histológico semelhante ao controle. A análise histológica do grupo controle mostrou um padrão histológico com o descrito por Huerme et al. (1991) e Kääriäinen et al. (1998). No modelo de lesão por laceração, utilizado no presente trabalho, foram observadas diferentes zonas após a injúria. No grupo controle analisado aos 3 dias após a indução da lesão (Figura 1), as extremidades do músculo cortado sofreram retração das miofibras, necrose das miofibras e houve formação de tecido de granulação frouxo, com poucas células inflamatórias e fibroblastos. Nos músculos de animais tratados (Figura 1) houve a demarcação de uma área de regeneração bem delineada, a partir da zona de sobrevivência das fibras musculares que permaneceram intactas. A análise histológica foi utilizada para determinar a extensão da regeneração e reparo. O músculo removido foi fixado em formol 10% por dois dias. A seguir incluído em parafina e os cortes (5 µm de espessura) foram corados com hematoxilina-eosina. 2.5.Análise estatística Os dados obtidos para os números de macrófagos, vasos sangüíneos, fibroblastos e fibras musculares novas dos três grupos experimentais foram analisados estatisticamente por análise de variância (one way ANOVA). 3.RESULTADOS O tratamento com ultra-som favoreceu a regeneração muscular avaliada através da análise do padrão histológico aos 3, 7 14 e 21 dias após a indução da lesão (Fig. 1, 2, 3 e 4). O grupo tratado com ultrasom mostrou um padrão histológico significativamente diferente dos grupos controle e placebo (tratamento simulado) e foram observadas três zonas distintas no sítio da lesão em recuperação. Os animais tratados com ultra-som apresentaram um padrão histológico compatível com regeneração e pouco reparo tecidual. A análise morfométrica do tecido muscular tratado Aos 7 dias após a indução da lesão, no grupo controle a necrose das miofibras ainda foi evidente, com maior número de fibroblastos e células inflamatórias (Figura 2). Durante este período o tecido conjuntivo da zona profunda se tornou progressivamente mais denso e ao mesmo tempo contraiu-se. Esse padrão não foi observado no grupo tratado (Figura 2), no qual houve regeneração evidente das miofibras. A análise histológica do grupo controle feita 14 dias após a indução da lesão (Figura 3) mostrou a presença de muitas células inflamatórias e o início da maturação dos miotúbulos em miofibras, visíveis pelos núcleos centrais, arredondados e cromatina descondensada e pela estriação citoplasmática. No grupo tratado (Figura 3) as fibras musculares em regeneração praticamente preencheram toda a região seccionada. Aos 21 dias após a indução da lesão (Figura 4) as fibras musculares em regeneração mostraram-se entrelaçadas com o tecido conjuntivo compactado. No grupo tratado após este tempo (Figura 4) houve a formação de uma estrutura organizada de fibras interlaçadas. Em todos os tempos analisados após a indução da lesão (Figura 1, 2, 3 e 4) o padrão histológico do grupo placebo foi muito semelhante ao padrão histológico do grupo tratado.

4 168 C. M. C. P. GOUVÊA et al. A1 B1 C1 A2 B2 C2 A3 B3 C3 Figura 1. Corte transversal do músculo tibial anterior de rato, 3 dias depois de submetido à lesão incisiva, corado com hematoxilina-eosina. A, controle, não tratado, B, tratamento simulado com ultra-som, C, tratamento por 3 dias com ultra-som, 1, região superficial, 2, região intermediária, 3, região profunda. Aumento 200x.

5 EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR A1 B1 C1 A2 B2 C2 A3 B3 C3 Figura 2. Corte transversal do músculo tibial anterior de rato, 7 dias depois de submetido à lesão incisiva, corado com hematoxilina-eosina. A, controle, não tratado, B, tratamento simulado com ultra-som, C, tratamento por 5 dias com ultra-som, 1, região superficial, 2, região intermediária, 3, região profunda. Aumento 200x.

6 170 C. M. C. P. GOUVÊA et al. A1 B1 C1 A2 B2 C2 A3 B3 C3 Figura 3. Corte transversal do músculo tibial anterior de rato, 14 dias depois de submetido à lesão incisiva, corado com hematoxilina-eosina. A, controle, não tratado, B, tratamento simulado com ultra-som, C, tratamento por 10 dias com ultra-som, 1, região superficial, 2, região intermediária, 3, região profunda. Aumento 200x.

7 EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR A1 B1 C1 A2 B2 C2 A3 B3 C3 Figura 4. Corte transversal do músculo tibial anterior de rato, 21 dias depois de submetido à lesão incisiva, corad com hematoxilina-eosina. A, controle, não tratado, B, tratamento simulado com ultra-som, C, tratamento p 15 dias com ultra-som, 1, região superficial, 2, região intermediária, 3, região profunda. Aumento 200x.

8 172 4.DISCUSSÃO Neste trabalho foi desenvolvido uma nova modificação da injúria muscular por laceração, com a separação das fibras musculares em cotos proximal e distal e foram analisados os padrões histológicos durante o processo de regeneração e/ou reparo do músculo tibial anterior de rato em animais tratados por ultra-som terapêutico e não tratados (controle). Assim, o exame histológico da recuperação muscular possibilitou relacionar os efeitos do ultra-som com alterações biológicas durante o processo de recuperação do músculo. Estes dados são muito importantes, tendo em vista que foi utilizado um protocolo de tratamento semelhante ao clínico e não há dados disponíveis na literatura sobre o acompanhamento do efeito do ultra-som ao nível histológico ao longo do tempo. O músculo tibial anterior foi considerado ideal para esses estudos porque é de fácil acesso para a cirurgia, apresenta-se ligado aos músculos vizinhos pelo epimísio, o que previne que ele se destaque após a transecção, ainda que parcial. As fibras musculares são paralelas da origem proximal à inserção distal e isto garante que a incisão corte todas as miofibras uniforme e perpendicularmente ao sentido longitudinal da fibra. A ausência de tendão no sítio da lesão assegura que o processo de recuperação seja caracterizado apenas pelas potencialidades do tecido muscular e do tecido de cicatrização. As alterações histológicas demonstraram que o ultra-som induziu a capacidade de recuperação muscular, com regeneração das fibras musculares e pouca formação de tecido fibrótico. O tratamento com ultra-som adiantou o processo inflamatório, sendo assim, pró-inflamatório. Isto talvez tenha sido importante para determinar a regeneração e menor reparo muscular, pois é conhecido que a remoção rápida de tecido necrótico estimula a formação de miotúbulos e diminui a proliferação de fibroblastos (Grounds, 1991). Além disso, o ultra-som estimulou também a angiogênese, outro fator importante no restabelecimento da lesão. O suprimento sangüíneo adequado possibilita a melhor nutrição do tecido, facilitando a presença das células de defesa. Isto foi observado pela presença de neutrófilos e macrófagos, no tecido tratado. A irrigação leva uma maior circulação do sangue aumentando a tensão de oxigênio. A alta tensão de oxigênio inibe a proliferação de fibroblastos, o que provavelmente contribuiu para a menor formação de tecido fibrótico nos animais tratados. Kääriäinen et al. (1998), estudando o processo de reparo do músculo sóleo de rato lesado por laceração completa, demonstraram que este músculo tem excelente capacidade de recuperação, C. M. C. P. GOUVÊA et al. com continuidade funcional, porém, houve formação de tecido cicatricial, atrofia muscular e falhas biomecânicas do músculo recuperado. O padrão histológico do músculo tibial anterior não tratado obtido no presente trabalho foi semelhante ao obtido por Garret et al. (1984). Esses autores observaram a formação de cicatriz densa no músculo extensor longo dos dedos de coelho, 12 semanas após a indução da lesão incisiva. A recuperação do tibial anterior em um período de tempo menor que o observado por outros autores sugere que este músculo apresenta boa capacidade de recuperação, mesmo sem tratamento local. No presente trabalho, aos 14 dias após a indução da lesão, nos animais tratados as fibras musculares em regeneração praticamente preencheram toda a região seccionada e aos 21 dias formaram uma estrutura organizada de fibras interlaçadas. Em uma lesão como no presente modelo a reinervação deve ter ocorrido em 3 semanas (Rantanen et al., 1995). As maiores diferenças entre os grupos de animais tratados e controle, ocorreram entre 3 e 7 dias após a indução da lesão. Nos animais do grupo controle foi evidente o reparo tecidual, observado pela presença de fibras musculares em degeneração e fibrose. O padrão histológico do grupo placebo foi semelhante ao controle, porém, apresentou menos tecido fibrótico (diferença estatisticamente não significativa), o que pode ser atribuído ao pequeno efeito de massagem do ultra-som, mesmo desligado. O modelo padronizado de lesão muscular por laceração oferece uma forma confiável para estudos de recuperação da lesão muscular e para outros estudos decorrentes do processo de regeneração em geral. Foi demonstrado que o ultra-som possibilita a regeneração muscular, sugerindo que a funcionalidade muscular foi reestabelecida. Estudos estão em progresso para avaliar a dose efetiva do tratamento com ultra-som. 5.CONCLUSÃO Os resultados do presente trabalho permitem concluir que o padrão histológico do músculo lesado e tratado com ultra-som foi muito diferente do padrão histológico do músculo lesado e não tratado (controle) e dos submetidos a tratamento simulado. A reação inflamatória foi acelerada pelo uso do ultra-som, o que possibilitou uma remoção mais eficiente de fibras necróticas no músculo tratado. O músculo tratado apresentou um maior número de vasos e fibras musculares recém-formadas. Os dados demonstram que o ultra-som estimulou a regeneração muscular, com conseqüente diminuição de tecido fibrótico.

9 EFEITO DO ULTRA-SOM NA RECUPERAÇÃO DE MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR... AGRADECIMENTOS À FAPEMIG pela concessão de bolsa de iniciação científica. 173 PAPADMITRIOU, J.M.; ROBERTSON, T.A.; MITCHELL, C.A; GROUNDS, M.D. The process of new plasmalemma formation in focally injuried skeletal muscle fibers. J. Struct. Biol., v.103, p , REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARLSON, B.M.; FAULKNER, J. A. The regeneration of skeletal muscle fibers following injury: a review. Med. Sci. Sports Exerc., v.15, p , DYSON, M.; FRANKS, C., SUCKLING J. Stimulation healing of varicose ulcers by ultrasound. Ultrasonics, v.56, p , FOX, J.E.B.; GOLL, D.E.; REYNOLDS, C.C.; PHILLIPS, D.R. Identification of two proteins (actin-biding protein p235) that are hydrolyzed by endogenous Ca 2+ -dependent protease during platelet aggregation. J. Biol. Chem., v.260, p , GARRETT, W.E. Jr, SEABER, A.V.; BOSWICK, J.; URBANIAK, J.R.; GOLDNER, J.L. Recovery of skeletal muscle after laceration and repair. J. Hand Surg. (Am), v. 9, p , RANTANEN, J.; RANNE, J.; HURME, T., KALIMO, H. Denervated segments of injured skeletal muscle fibers are reinnervated by newly formed meuromuscular junctions. J. Neuropathol. Exp. Neurol., v.54, p , REHER, P.; ELBESHIR, E.I.; HARVEY, W., MEGHJI, S.; HARRIS, M. The stimulation of bon; formation in vitro by therapeutic ultrasound. Ultrasound Med. Biol., v.23, p , TIDBALL, J.G. Inflammatory cell response to acute muscle injury. Med. Sci. Sports Exerc., v.27, p , WANG, S.J.; LEWALLEN, D.G.; BOLANDER, M.E.; CHAO, E.Y.S.; ILSTRUP, D.M.; GREENLEAF, J.F. Low intensity ultrasound treatment increases strength in a rat femoral fracture model. J. Orthop. Res., v.12, p.40-47, GILLETTE, J.H.; MITCHELL, J.L.A. Ornithine decarboxilase: a bichemical marker of repair in damaged tissue. Life Sciences, v.48, p , GROUNDS, M.D. Towards understanding skeletal muscle regeneration. Path. Res. Pract., v.187, p.1-22, HURME, T.; KALIMO, H.; LEHTO, M.; JÄRVINEN, M. Healing of skeletal muscle injury: na ultrastructural and immuhistochemical study. Med. Sci. Sports exerc., v. 23, p , KÄÄRIÄINEN, M.; KÄÄRIÄINEN, J.; JÄRVINEN, T.L.N.; SIEVÄNEN, H.; KALIMO, H., JÄRVINEN, M. Correlation between biomechanical and structural changes during the regeneration of skeletal muscle after lacerative injury. J. Orthop. Res., v.16, p , McGEACHIE, J.K.; GROUNDS, M.D. Initiation and duration of muscle precursor replication after mild and severe injury to skeletal muscle. Cell Tiss. Res., v.248, p , 1987.

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Profª Cristiane Matté Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Básicas da Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bioética Bioética é uma reflexão compartilhada,

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA

ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA ANÁLISE HISTOLÓGICA DAS REAÇÕES TECIDUAIS AO IMPLANTE DE MATRIZES DE COLÁGENO NO TECIDO SUBCUTÂNEO DE RATOS TRATADOS COM SOLUÇÃO SALINA NEUTRA Filadelpho, André Luís Pós-Graduando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira NERVOS PERIFÉRICOS

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira NERVOS PERIFÉRICOS NERVOS PERIFÉRICOS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O principal componente estrutural do nervo periférico é a fibra nervosa (um axônio

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO.

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DAS ESTRUTURAS DA REGIÃO DA EPÍFISE DISTAL DA TÍBIA DE RATOS PÓS-IMOBILIZAÇÃO. NÁLISE HISTOMORFOMÉTRIC DS ESTRUTURS D REGIÃO D EPÍFISE DISTL D TÍI DE RTOS PÓS-IMOILIZÇÃO. Jéssica parecida Xavier (PIIC/CNPq-UEM), Evanilde uzzo Romano (Orientadora), e-mail: ebromano@uem.br. Universidade

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOBILIZAÇÃO

ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOBILIZAÇÃO ISN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE MORFOMÉTRICA DO MÚSCULO SÓLEO DE RATOS DA LINHAGEM WISTAR EM DIFERENTES PERÍODOS PÓS IMOILIZAÇÃO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE

EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS BELO HORIZONTE UNIVERSIDADE VALE DO RIO VERDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DO VI ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E IV JORNADA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA E MEDICINA (JIOME) DA UNINCOR, CAMPUS

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

Mecanismos responsáveis pela hipertrofia muscular

Mecanismos responsáveis pela hipertrofia muscular Mecanismos responsáveis pela hipertrofia muscular Introdução A musculatura esquelética apresenta diversas características. Podemos dizer que uma importante característica é a sua plasticidade, ou seja,

Leia mais

Metodologia do Treinamento Desportivo

Metodologia do Treinamento Desportivo Metodologia do Treinamento Desportivo PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Princípios do treinamento [5] Individualidade biológica Adaptação Sobrecarga Interdependência volume / intensidade Continuidade

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR Plano de Aula -Desenvolvimento embrionário -Diferenciação celular -Células-tronco em diversos tecidos - Profª Juliana Schmidt

Leia mais

Término Previsto: ---/---/-----

Término Previsto: ---/---/----- UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO CEUA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS PROTOCOLO N o. (Para uso exclusivo da CEUA) 1. FORMULÁRIO DE ENCAMINHAMENTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO ANIMAIS Curso: Campus: Título

Leia mais

SHORT COMMUNICATION: EFEITOS DO TRATAMENTO COM DIFERENTES DOSES DE ESTRÓGENO NO EPITÉLIO SEMINÍFERO DE RATOS JOVENS

SHORT COMMUNICATION: EFEITOS DO TRATAMENTO COM DIFERENTES DOSES DE ESTRÓGENO NO EPITÉLIO SEMINÍFERO DE RATOS JOVENS SHORT COMMUNICATION: EFEITOS DO TRATAMENTO COM DIFERENTES DOSES DE ESTRÓGENO NO EPITÉLIO SEMINÍFERO DE RATOS JOVENS SCHNEIDER, Francisco S1.; DA CUNHA, Filipe C.R1.; GUERRA, Bruna M. 1; SÁBATO, Deila J.F.2

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS ESTRIA DEFINI DEFINIÇÃO ÃO Atrofia tegumentar adquirida, de aspecto linear Dispõem-se paralelamente umas as outras perpendicularmente às linhas de fenda da pele Desequilíbrio

Leia mais

Tecido Muscular e Contração

Tecido Muscular e Contração Tecido Muscular e Contração Aula ao Vivo Características gerais: Constitui os músculos Originado do mesoderma; Relacionado à locomoção e movimentação de substâncias internas do corpo em função da capacidade

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS

ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS ESTRUTURA DOS MÚSCULOS E TECIDOS ANEXOS Prof. Roberto de Oliveira Roça Laboratório de Tecnologia dos Produtos de Origem Animal Fazenda Experimental Lageado, Caixa Postal, 237. F.C.A. - UNESP - Campus de

Leia mais

EFEITOS DA TERAPIA ULTRA-SÔNICA PULSADA NA REPARAÇÃO DE LESÃO POR LACERAÇÃO EM MÚSCULO GASTROCNÊMIO DE RATO

EFEITOS DA TERAPIA ULTRA-SÔNICA PULSADA NA REPARAÇÃO DE LESÃO POR LACERAÇÃO EM MÚSCULO GASTROCNÊMIO DE RATO AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DOS EFEITOS DA TERAPIA ULTRA-SÔNICA PULSADA NA REPARAÇÃO DE LESÃO POR LACERAÇÃO EM MÚSCULO GASTROCNÊMIO DE RATO Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características Características Origem: mesodérmica; Tipos (todos com lâmina basal): - Muscular estriado esquelético tico: contração vigorosa, rápida r e voluntária; - Muscular estriado cardí : : contração vigorosa, rítmica

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular HISTOLOGIA EMBRIOLOGIA ANATOMIA FISIOLOGIA Professores: Andreza, Clarissa, Lillian, Lucinda e Ricardo Organização estrutural do Sistema Muscular Célula célula

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária PUNÇÃO FOLICULAR Inicialmente, os oócitos eram obtidos, individualmente, por via laparoscópica, porém este tipo de procedimento exige anestesia geral

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração 1. INTRODUÇÃO REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração Perda células (necrose, inflamação, traumatismo) restituição ou reparação Inicia durante ou ao final do Processo Inflamatório Finalidade: restabelecimento

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO REVISÃO DA ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE É o maior órgão do corpo humano; Principais funções: - proteção contra

Leia mais

Lesão, Plasticidade e Reabilitação do Sistema Muscular

Lesão, Plasticidade e Reabilitação do Sistema Muscular A r t i g o d e R e v i s ã o Lesão, Plasticidade e Reabilitação do Sistema Injury, Plasticity and Rehabilitation of the System ROCHA, R.S.B.; CAVALLIERI, A.G. Lesão, Plasticidade e Reabilitação do Sistema

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO ULTRA-SOM NA CICATRIZAÇÃO MUSCULAR ATRAVÉS DE PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO EM MODELO ANIMAL DE LESÃO MUSCULAR.

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO ULTRA-SOM NA CICATRIZAÇÃO MUSCULAR ATRAVÉS DE PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO EM MODELO ANIMAL DE LESÃO MUSCULAR. 1 LUCIANA BOCACCIO SPERB DE FREITAS AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO ULTRA-SOM NA CICATRIZAÇÃO MUSCULAR ATRAVÉS DE PARÂMETROS DE ESTRESSE OXIDATIVO EM MODELO ANIMAL DE LESÃO MUSCULAR. Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Facial 1 2 3 indicação de cada cliente ou resposta ao tratamento. Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 3 O músculo liso Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Músculo Liso O músculo liso encontra-se nas paredes de vários órgãos e tubos do organismo, incluindo vasos sanguíneos,

Leia mais

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA INTENSIDADE ACÚSTICA NA CONSOLIDAÇÃO ULTRASÓNICA DE FRATURAS EXPERIMENTAIS. por

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA INTENSIDADE ACÚSTICA NA CONSOLIDAÇÃO ULTRASÓNICA DE FRATURAS EXPERIMENTAIS. por RBE. VOL. 7 N.11990 EFEITOS DA VARIAÇÃO DA INTENSIDADE ACÚSTICA NA CONSOLIDAÇÃO ULTRASÓNICA DE FRATURAS EXPERIMENTAIS por SJ.M. COLOMBO\ L.R OUARTE 2 e N.F. SILVA JUNIOR 3 RESUMO- Há um enorme interesse

Leia mais

Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado

Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado Avaliação histológica qualitativa dos efeitos do Sunitinib no tratamento de tumores induzidos em bolsa jugal de hamster sírio dourado Mariana Oliveira de Oliveira 1, Maria Antonieta Lopes de Souza 1 (orientador)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA

ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / No campo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA SISTEMA MUSCULAR Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Histologia do M.Esquelético É formado por células

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO INSTÍTUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO INSTÍTUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO INSTÍTUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS OS EFEITOS DO ULTRA-SOM NA CICATRIZAÇÃO DE TENDÕES FLEXORES DE COELHOS

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

EFEITO DO ULTRA-SOM SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CALO ÓSSEO AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E MORFOLÓGICA DO PARÂMETRO TEMPO DE ESTIMULAÇÃO

EFEITO DO ULTRA-SOM SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CALO ÓSSEO AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E MORFOLÓGICA DO PARÂMETRO TEMPO DE ESTIMULAÇÃO RBE. VOL. 7 N.ll990 EFEITO DO ULTRA-SOM SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CALO ÓSSEO AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E MORFOLÓGICA DO PARÂMETRO TEMPO DE ESTIMULAÇÃO por ROSIM, R. c. 1 ; PAULIN, J. B. P. 2 e GONÇALVES,

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Fisioterapia aplicada à Medicina Veterinária-Revisão

Fisioterapia aplicada à Medicina Veterinária-Revisão Fisioterapia aplicada à Medicina Veterinária-Revisão SILVA, Denise Theodoro Acadêmico da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça-FAMED dinha_theodoro21@hotmail.com ALVES, Gislaine Caetano

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Corporal 1 2 3 Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva ao aparecimento de radicais livres de oxigênio (O--)

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo Técnico em Biotecnologia Módulo I Biologia Celular Aula 4 - Sistema de Endomembranas Prof. Leandro Parussolo SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS Se distribui por todo o citoplasma É composto por vários compartimentos

Leia mais