ANÁLISE DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM PARA FISIOTERAPIA, OPERANDO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, CONFORME A NORMA NBRIIEC 1689 DA ABNT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM PARA FISIOTERAPIA, OPERANDO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, CONFORME A NORMA NBRIIEC 1689 DA ABNT"

Transcrição

1 Rev. bras. fisioter. Vol. 6, No. 2 (2002), Associação Brasileira de Fisioterapia ANÁLISE DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM PARA FISIOTERAPIA, OPERANDO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, CONFORME A NORMA NBRIIEC 1689 DA ABNT Ishik:awa, N. M., 1 2 Alvarenga, A. V., 1 Paes, L. F. C., 1 Pereira, W. C. A. 1 e Machado, J. C. 1 1 Programa de Engenharia Biomédica, COPPE/UFRJ, C.P , CEP , Rio de Janeiro, RJ 2 Instituto Nacional de Câncer, Seção de Reabilitação, Rua do Rezende, 128, CEP , Rio de Janeiro, RJ Correspondência para: Neli Muraki Ishikawa, Rua General Severiano, 172, apto 1201, Botafogo, CEP , Rio de Janeiro, RJ, Recebido: 7/5/01 -Aceito: 16/1102 RESUMO Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho de equipamentos de ultra-som para fisioterapia, operando em clínicas e hospitais do Município do Rio de Janeiro, tendo por base a Norma NBR-IEC 1689 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), publicada em Os equipamentos analisados são de fabricação nacional e estrangeira, com tempo de uso variado, de diversas marcas e modelos, utilizados em serviços públicos e privados na cidade do Rio de Janeiro. Os parâmetros avaliados foram: intensidade, área de radiação efetiva do cabeçote, freqüência ultra-sônica, relação de não-uniformidade do feixe, intensidade máxima do feixe, tipo de feixe e forma de onda de modulação para o modo pulsátil, fator de operação e exatidão do temporizador. Foram utilizados uma balança calibrada para medir a potência ultra-sônica e um sistema ultra-sônico, incluindo um tanque acústico, para mapeamento do feixe ultra-sônico emitido pelo transdutor. Nenhum dos equipamentos atendeu completamente à norma. Como conseqüência, o tratamento fisioterapico por ultra-som pode estar ineficaz ou provocando efeitos indesejáveis, submetendo paciente e fisioterapeuta a riscos desnecessários. Palavras-chave: ultra-som, avaliação, equipamento de fisioterapia. ABSTRACT This work presents an evaluation of 33 ultrasound equipments for physiotherapy, used in public and private services located in the city of Rio de Janeiro, and based on the norm NBR-IEC 1689, published in The tested equipments have a broad range of characteristics: made at home and abroad, with different ages, different models and manufacturers. The evaluated parameters were: acoustic effective intensity, effective radiating area, acoustic frequency, beam non-uniformity ratio, beam maximum intensity, beam type and acoustic pulsed waveform, duty factor and timer accuracy. A calibrated radiation force balance was used to measure the ultrasound power output and an ultrasonic system, including an acoustic tank, mapped the ultrasound beam emitted by transducer. None of the tested equipments satisfied, completely, the norm. These results reveal that ultrasound treatments in physiotherapy may be inefficient or the cause of unwanted effects. Both patient and therapist are under unnecessary risks. Key words: ultrasound, evaluation, physiotherapy equipment. INTRODUÇÃO O tratamento com ultra-som (US) em fisioterapia, para ser eficiente, deve ser realizado com segurança e exatidão quanto à intensidade, freqüência e duração da aplicação. Equipamentos que estão fora da calibração e que têm intensidades altas podem causar significativos danos teciduais. Por outro lado, equipamentos com baixa intensidade podem resultar em tratamentos ineficazes, acarretando perda de tempo para o fisioterapeuta e o paciente além de incorrer em custos altos e tratamentos prolongados. Portanto, é necessário o conhecimento da característica de operação do equipamento ultra-sônico de fisioterapia. Muitos profissionais que trabalham com o ultra-som terapêutico usam uma simples técnica visual para verificar se o transdutor está emitindo radiação ultra-sônica durante

2 64 Ishikawa, N. M. et al. Rev. bras. fisioter. o uso. Uma fina camada de algum meio acoplador (água, gel, óleo mineral) é colocada na superfície do cabeçote. Durante a excitação do cabeçote pode-se observar o aparecimento de bolhas de ar no meio acoplador, caso o cabeçote esteja funcionando. Embora essa técnica possa ser útil, o uso de alta potência no teste poderia danificar o transdutor. 4 Este procedimento não permite quantificação da intensidade transmitida nem a caracterização do campo acústico irradiado. Além dos importados, operam hoje no Brasil equipamentos de US para fisioterapia fabricados por indústrias nacionais. Não há estimativa de quantos aparelhos de fisioterapia estão em funcionamento nem de quantos tratamentos são realizados por ano. Também não se sabe como esses aparelhos estão funcionando e se os mesmos fornecem segurança e eficiência no tratamento fisioterápico. Um dos primeiros trabalhos de avaliação de equipamentos de US de fisioterapia no Brasil foi realizado em Piracicaba, SP, por Guirro et au 6 Baseando-se na norma IEC ,7 os autores avaliaram 31 equipamentos e encontraram todos operando fora da norma, no que diz respeito à tolerância admitida entre a intensidade acústica medida e aquela especificada pelo fabricante do equipamento. Protocolos para a calibração de equipamentos de US para fisioterapia são relatados na literatura há quase 40 anos, começando por Kossoff. 8 Em 1963, foi publicada a primeira norma em fisioterapia, a IEC Measurement of Ultrasound Physiotherapy Therapeutic Equipment, 9 que descreve um método para testar e medir a intensidade do equipamento de US terapêutico. Atualmente, essa norma se encontra obsoleta. Em 1997, foi publicada no Brasil a NBR-IEC 601-2~5, contendo prescrições particulares para Segurança e Equipamentos de Ultra-som para Terapia. Em 1987, decidiu-se substituir a IEC 150, 8 devido à falta de descrição das técnicas de medição e também por ser incompleta. Como resultado de um estudo apoiado pela Comunidade Européia, foi elaborada a norma IEC 1689, publicada em outubro de 1996, e, no Brasil, em março de 1998 pela ABNT, segundo a denominação NBR-IEC 1689, Ultra-som - Sistemas de fisioterapia - Prescrições para desempenho e métodos de medição na faixa de freqüências de 0,5 MHz a 5 MHz. Conforme apontado por Hekkenberg, 10 a IEC 1689 trouxe melhora à caracterização das medições dos parâmetros de desempenho dos equipamentos de fisioterapia deus. Neste aspecto, essa norma adotou um critério mais robusto para a determinação da área efetiva do feixe ultra-sônico irradiado. A medição dos parâmetros, citados na metodologia, deve ser realizada como rotina para que se tenha uma correta utilização do equipamento, prevenindo assim tratamentos inadequados por alterações das intensidades dadas pelos equipamentos. Essas medições devem ser consideradas também como a base para uma boa prática do fabricante, assegurando sua qualidade. Devido à importância do assunto em questão, foi realizada, no presente trabalho, uma avaliação de desempenho dos equipamentos por intermédio de uma amostragem tanto daqueles em uso no município do Rio de Janeiro como também equipamentos novos, levando-se em consideração a norma brasileira NBR-IEC 1689Y METODOLOGIA Foi utilizada uma metodologia baseada na Norma NBR IEC 1689 e no trabalho de Hekkenberg et a/., 12 para a obtenção dos parâmetros listados a seguir. Os valores entre parênteses representam a tolerância, entre o valor medido e aquele indicado pelo fabricante, admitida pela norma: Área de radiação efetiva, ARE' do cabeçote aplicador (± 20% ). Trata-se da área perpendicular ao feixe por onde passa toda a potência irradiada pelo cabeçote. Intensidade acústica efetiva (± 20% ). Trata-se da potência irradiada divida por ARE' Freqüência ultra-sônica de trabalho (± 10% ). Relação de não-uniformidade do feixe, RNF (± 30% ). Trata-se da relação entre a intensidade de pico espacial média temporal e a intensidade média espacial média temporal, num plano perpendicular ao feixe. Intensidade máxima do feixe. Obtida pelo produto de RNF pela intensidade acústica efetiva. Tipo de feixe: convergente, colimado ou divergente. Forma de onda de modulação para o modo pulsátil. Fator de operação (duração de pulso/período de repetição de pulso) para cada ajuste de modulação (± 5%). Exatidão do temporizador(± 5%), consta na Norma NBR IEC Para a determinação de ARE' RNF' tipo de feixe e conseqüentemente a intensidade acústica efetiva, o ponto de partida consiste no mapeamento do feixe acústico utilizando-se um tanque acústico, controlado por computador, e um hidrofone em forma de agulha e com raio do disco do elemento piezoelétrico, r, satisfazendo r ~ À, sendo À o comprimento de onda. O sinal captado pelo hidrofone é analisado e processado para os cálculos. Após o alinhamento do feixe ultra-sônico do cabeçote com o sistema de mapeamento, é realizada varredura ao longo do eixo de simetria do feixe (Figura 1) para determinar a posição ZN (último máximo axial de pressão) que corresponde à posição onde termina o campo próximo (zona de Fresnel) e inicia o campo distante (zona de Fraunhofer), conforme a Figura 2.

3 Vol. 6 No. 2, 2002 Desempenho de Equipamentos de lntra-som 65 O processo de determinação da ARE envolve, primeiramente, a medição da área da seção transversal do feixe, ASTF' em quatro planos perpendiculares ào feixe e distantes da face do cabeçote de Z 1, Z 2,Z 3 e Z 4, conforme a Figura 1. A A srf corresponde a um área perpendicular ao feixe através da qual passa 75% de toda a potência ultra-sônica emitida pelo cabeçote. De posse dos 4 valores de AsTF. obtém-se uma reta de regressão linear cujo coeficiente de regressão é utilizado para a classificação do feixe em: convergente, colimado e divergente. Desta reta de regressão linear obtém-se também o valor de ARE' A distribuição do feixe ultra-sônico produzido por um cabeçote aplicador terapêutico é não-uniforme por natureza. Além dessa característica natural, detalhes da construção e operação do cabeçote aplicador podem produzir "pontos quentes", ou regiões de pressão local muito alta. Esses pontos quentes podem resultar em aquecimento excessivo em pequenas regiões do tecido que está em tratamento, provocando efeitos prejudiciais aos pacientes. O parâmetro RNF permite avaliar se um cabeçote contém ou não pontos quentes. Para efeitos de segurança, a NBR-IEC 1689 recomenda um RNF :58. A freqüência ultra-sônica de trabalho é medida no osciloscópio sobre o sinal captado pelo hidrofone com o mesmo posicionado em frente ao cabeçote a uma distância de 1,O em de sua face. Com o aparelho funcionando no modo pulsátil e sobre o sinal ainda captado pelo hidrofone nessa posição, são determinados a forma de onda, a duração de pulso, o período de repetição do pulso (Figura 3) e a tensão máxima no pulso; assim pode ser determinado o fator de operação. A intensidade máxima no modo pulsátil representa a intensidade ultra-sônica emitida durante o intervalo de duração de pulso. A medição da potência foi realizada por intermédio da balança de força de radiação. Plano Z, Plano Z, Plano Z, Plano z. Figura 1. Quatro planos perpendiculares ao feixe (eixo de simetria, z) e distantes da face do cabeçote para medição da área da seção transversal do feixe, AsTr , ,------~ Campo próximo :Campo distante 4 L ~ L L ~------~ L ~ o Distância da face do cabeçote (mm) Figura 2. Mapeamento no eixo de simetria do feixe para determinar o último máximo de pressão (ZN). Transdutor com ZN = 8,7 em.

4 66 Ishikawa, N. M. et al. Rev. bras. fisioter. Voltagem Tempo O erro percentual entre o valor citado no manual do equipamento e o valor encontrado nas medições da área de radiação efetiva é apresentado na Tabela 1. As intensidades no modo contínuo e no modo pulsátil foram comparadas com as intensidades indicadas no painel do equipamento. O percentual de leituras dentro da tolerância é apresentado na Tabela 1. Os equipamentos foram ajustados para emitir intensidades de 0,25 a 3,0 W/cm 2 T Figura 3. Período de repetição (1) e duração do pulso (t) no modo pulsátil. Foram utilizados os seguintes equipamentos, partes e softwares: Balança de força de radiação calibrada (UPM-DT- 1; Ohmic Instruments, EUA). Osciloscópio digital (TDS 420; Tektronics, EUA). Hidrofone tipo agulha de piezocerâmica com diâmetro de 0,6 mm fabricado pelo Laboratório de Ultra-som, LUS. Termômetro digital (52 K/J; Fluke, EUA). Microcomputador pessoal AT 486, 33 MHz, com placa de transmissão/recepção de US (TB-1000; Matec, EUA). Cronômetro (C601X8; Technos, Brasil). Programa SMAP, para exibição do feixe mapeado no monitor de vídeo, desenvolvido pelo LUS. 13 Programa ATUS- Avaliação de Transdutores Ultra-sônicos, que implementa o protocolo de cálculo de intensidades e mapeamento do feixe e visualização da AsTF' desenvolvido no LUS. 14 RESULTADOS Foram analisados 33 equipamentos de ultra-som para fisioterapia, de fabricação nacional e estrangeira, com tempo de uso variado, de diversas marcas e modelos, utilizados em serviços públicos e privados na cidade do Rio de Janeiro. Atendendo à exigência da norma, todas as medições foram realizadas entre 21 e 25 C, e após um tempo de aquecimento especificado pelo fabricante de cada equipamento. Dos 33 equipamentos avaliados, 28 estavam em uso, sendo 12 em serviços públicos e 16 em serviços privados, e 5 eram equipamentos novos e sem uso. Quanto à idade, 3 tinham menos de 1 ano de uso, 4, entre 1 e 3 anos, 7, entre 3 e 5 anos, 6, entre 5 e 10 anos, 4, entre 10 e 15 anos, 2, mais de 15 anos e 2, tempo de uso indeterminado. Tabela 1. Parâmetros medidos e percentagem dentro da tolerância da norma. Parâmetros Área de radiação efetiva Intensidade contínua Intensidade máxima pulsátil Fator de operação 5% 10% 20% 25% 50% Freqüência de operação 1 MHz 3MHz Temporizador 1-2 rnin 5-6min lornin Dentro da tolerância 57,70% 18,89% 17,45% 0,00% 85,19% 50,00% 17,00% 42,86% 67,00% 25,00% 50,00% 54,17% 54,17% Os parâmetros intensidade máxima, RNF e tipo de feixe não constam nos manuais dos equipamentos, não podendo ser comparados com os valores encontrados. Entretanto, para a intensidade máxima foram medidos valores entre O e 15,36 W/cm 2 Para o RNF' seus valores foram determinados entre 1,14 e 6,66. Em relação ao tipo de feixe, 33% dos equipamentos emitiam um feixe divergente e 67%, um feixe co limado. A forma retangular deveria ser o tipo de forma de onda de modulação para o modo pulsátil. Porém, foram encontradas variadas formas, conforme Figura 4, sendo que 76% dos equipamentos apresentaram a forma retangular, 7%, a dente de serra, 7%, a forma contínua e 10%, uma forma irregular. O fator de operação dos equipamentos é dado na forma percentual de tít (vide Figura 3) ou na forma (10 t /T: 10 (T -t )!T) Comumente, o fator de operação disponível nos equipamentos foi de 5% ou (0,5:9,5), 10% ou (1,0:9,0), 20% ou (2,0:8,0), 25% ou (2,5:7,5) e 50% ou (5,0:5,0). A Tabela 1 apresenta o percentual de equipamentos operando dentro da norma para cada faixa de fator de operação.

5 Vol. 6 No. 2, 2002 Desempenho de Equipamentos de lfltra-som 67 O,Q ,1 0,04 0,00 0,04 0,004 0,002 0,00 0,000 0,002 0,00 Figura 4. Formas de onda encontradas nos equipamentos no modo pulsátil.

6 68 Ishikawa, N. M. et al. Rev. bras. fisioter. O temporizador deveria ter uma exatidão de± 1 minuto, conforme a norma NBR-IEC Entretanto, uma exatidão de± 1 minuto para a faixa de 1-2 minutos pode ser conseguida mesmo com um equipamento no qual o temporizador esteja totalmente inoperante (duração de zero minuto). Para amenizar essa situação, foi estipulado, para a avaliação, um erro de± 5%. A percentagem de equipamentos com erros menores que± 5% (dentro da norma) nos tempos de funcionamento foi de 50% para funcionamento entre 1-2 minutos e de 54,17%, tanto para funcionamento entre 5-6 minutos quanto para 1 O minutos. A percentagem de equipamentos com erro menor que ± 10% entre o valor medido para a freqüência ultra-sônica e o valor indicado no próprio equipamento é apresentada na Tabela 1. cm 2 DISCUSSÃO E CONCLUSÕES A ARE encontrada nas medições varia de 2,57 a 9,65 Os parâmetros intensidade máxima, RNF' tipo de feixe e forma de onda de modulação para o modo pulsátil não constam nos manuais dos equipamentos, não sendo possível compará-los com os valores encontrados. Para a intensidade máxima do feixe, os valores encontrados foram de 0,00 a 15,36 W/cm 2, e estavam de acordo com a norma (abaixo de 24 W/cm 2 ). Para o parâmetro RNF' todos os equipamentos atenderam à norma, com valores menores ou iguais a 8. A distribuição do feixe encontrada foi de 33% divergente e 67% colimado. As formas de onda de modulação encontradas no modo pulsátil foram de 7% dente de serra, 10% de forma irregular, 76% de forma retangular, 7% de forma contínua. Desse total, 24% estavam fora do permitido pela norma. A maioria dos equipamentos avaliados foi incapaz de fornecer a saída prescrita. De todos os equipamentos analisados, nenhum atendeu completamente à norma NBR-IEC A Tabela 1 apresenta os parâmetros medidos e comparados com os manuais dos equipamentos e percentagem dentro da tolerância da norma IEC A falta de calibração foi observada em equipamentos em uso e em equipamentos novos, o que também foi observado por Pye. 3 Atualmente são realizados muitos tratamentos de US em clínicas, hospitais e consultórios. No entanto, o treinamento para uso e manutenção é limitado. Por isso, os fisioterapeutas devem estar mais atentos à necessidade de calibração do US, e mais informados sobre os benefícios e efeitos biológicos, para poderem realizar o tratamento com segurança e eficiência. Além disso, tratamentos ineficazes são perda de tempo para o fisioterapeuta e o paciente, podendo ocorrer custos prolongados do tratamento e perda de credibilidade do método. A CSP (Chartered Society of Physiotherapy) recomendou, em 1990, que a intensidade e a ARE devem ser medidas pelo menos uma vez por ano e a exatidão do temporizador deve ser medida pelo menos uma vez por mês. 16 Pye 3 recomenda que todo equipamento seja vendido com o certificado de calibração. E que os fabricantes incluam em seus manuais um protocolo para testar a potência dos equipamentos no modo contínuo e pulsátil. Ele também recomenda que os testes sejam feitos pelo menos 2 vezes por ano, sendo que 1 vez por ano seria realizado com equipamentos calibrados. Stewart et a/. 16 e Pye & Milford 17 sugerem que a calibração seja realizada regularmente. A calibração mensal do equipamento é sugerida por Repacholi & BenwelP 8 e Rivest et al. 19 Devido ao fato de a maioria dos equipamentos não emitir a intensidade correta, é recomendável que a calibração seja realizada tão logo possível em todos os equipamentos que não tenham sido testados nos últimos doze meses ou mais. As medições de rotina deveriam ser consideradas como a base de boa prática de fabricação. Normalmente, elas seriam consideradas como a base para ensaio de produção em lote ou em uma certa porcentagem da produção. Por isso é importante que os fabricantes coloquem o valor correto dos parâmetros de saída dos equipamentos. Agradecimentos- Os autores agradecem a Luciano Tahiro Kagarni e a Amauri de Jesus Xavier pelo suporte técnico, aos serviços públicos e privados que disponibilizaram seus aparelhos de US e à FAPERJ e ao PRONEX/MCT pelo apoio financeiro. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. LLOYD, J. J. & EVANS, J. A., 1988, A Calibration Survey of Physiotherapy Ultrasound Equipment in North Wales. Physiotherapy, v. 74, n. 2, pp AIUM, 1994, Medica[ Ultrasound Safety, American Institute of Ultrasound in Medicine. 3. PYE, S., 1996, Ultrasound Therapy Equipment. Does it perform? Physiotherapy, v. 81, n. 1, pp STEWART, H. F., ABZUG, J. L. & HARRIS, G. R., 1980, Consideration in Ultrasound Therapy and Equipment Performance. Physical Therapy, v. 60, n. 4, pp GUIRRO, R., SERRÃO, F., ELIAS, D. & BUCALON, A. J., 1997a, Calibration of Acoustic Intensity of Therapeutic Ultrasound Equipment in Use in the City of Piracicaba. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 2, n. 1, pp GUIRRO, R., SERRÃO, F., ELIAS, D. & BUCALON, A. J., 1997b, Calibration of Therapeutic Ultrasound Equipment. Physiotherapy, v. 83, n. 8, pp NBR-IEC , 1997, Equipamento eletromédico, Parte 2, Prescrições Particulares para Segurança e Equipamentos de Ultra-som para Terapia, ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. 8. KOSSOFF, G., 1962, Calibration of Ultrasonic Therapeutic Equipment. Acústica, v. 12, pp

7 Vol. 6 No. 2, 2002 Desempenho de Equipamentos de Ultra-som IEC 150, 1963, Testing and Calibration of Ultrasonic Therapeutic Equipment. 10. HEKKENBERG, R. T., 1998, Characterizing ultrasonic physiotherapy systems by performance and safety now internationally agreed. Ultrasonics, v. 36, pp NBR-IEC 1689, 1998, Ultra-som, Sistemas de Fisioterapia, Prescrições para Desempenho e Métodos de Medição na Faixa de Freqüências de 0,5 MHz a 5 MHz, ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. 12. HEKKENBERG, R. T., REffiOLD, R. & ZEQIRI, B., 1994, Development of standard measurement methods for essential properties of ultrasound therapy equipment. Ultrasound em Med. & Biol., v. 20, n. 1, pp DIAS, A. C. L. & LEOCÁDIO, M. A. P., 1995, Sistema de mapeamento computadorizado de campo ultra-sônico SMAP, Projeto Final, DEE/UFRJ. 14. ALVARENGA, A. V., 1999, Implementação de protocolo para obtenção de parâmetros do feixe acústico de transdutores ultrasônicos biomédicos. Tese de M. Se., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 15. CHARTERED SOCIETY OF PHYSIOTHERAPY (CSP), 1990, Guide Lines for the Safe Use of Ultrasound Therapy Equipment. Physiotherapy, v. 76, n. 11, pp STEWART, H. F., HARRIS, G. R., HERMAN, B. A., ROBINSON, R. A., HARAN, M. E., McCALL, G. R., CARLESS, G. & REES, D., 1974, Survey of Use and Performance of Ultrasonic Therapy Equipment in Pinellas County, Florida. Physical Therapy, v. 54, n. 7, pp PYE, S. D. & MILFORD, C., 1994, The performance of ultrasound physiotherapy machines in Lothian Region, Scotland, Ultrasound in Medicine & Biology, v. 20, n. 4, pp REPACHOLI, M. H. & BENWELL, D. A., 1979, Using surveys of ultrasound therapy devices to draft performance standards. Healthy Physics, v. 36, n. 36, pp RIVEST, M., GIRARDI, C. Q., SEARBONE, D. & LAMBERT, J., 1987, Evaluation of therapeutic ultrasound devices: performance stability over 44 weeks of clinicai use. Physiotherapy Canada, v. 39, n. 2, pp

CALIBRAÇÃO DE ULTRA SOM TERAPEUTICO PELO MÉTODO DA BALANÇA ANALÍTICA

CALIBRAÇÃO DE ULTRA SOM TERAPEUTICO PELO MÉTODO DA BALANÇA ANALÍTICA CALIBRAÇÃO DE ULTRA SOM TERAPEUTICO PELO MÉTODO DA BALANÇA ANALÍTICA Fábio L. Mendonça Martins Curso de Fisioterapia da Fundação Estadual de Lavras Lavras - MG, e-mail: fmendonca@lavras.br Débora Grosso

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CAMPO ACÚSTICO DE UM TRANSDUTOR ULTRA-SÔNICO COM TRÊS CERÂMICAS PIEZOELÉTRICAS DE 3 MHz APLICADO EM FISIOTERAPIA

AVALIAÇÃO DO CAMPO ACÚSTICO DE UM TRANSDUTOR ULTRA-SÔNICO COM TRÊS CERÂMICAS PIEZOELÉTRICAS DE 3 MHz APLICADO EM FISIOTERAPIA AVALIAÇÃO DO CAMPO ACÚSTICO DE UM TRANSDUTOR ULTRA-SÔNICO COM TRÊS CERÂMICAS PIEZOELÉTRICAS DE 3 MHz APLICADO EM FISIOTERAPIA Abílio de Oliveira Cardoso DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO

Leia mais

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som

Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Rastreabilidade Nacional em Ultra-som Laboratório de Ultra-som (Labus) Divisão de Metrologia Acústica e de Vibrações (Diavi) Diretoria de Metrologia Científica e Industrial (Dimci) Instituto Nacional de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM TERAPÊUTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM TERAPÊUTICO 1 CRISTINA BARBOSA FERRARI AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE ULTRA-SOM TERAPÊUTICO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia, da Universidade Metodista de Piracicaba,

Leia mais

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

UM DISPOSITIVO PRÁTICO PARA AVALIAR A POTÊNCIA ULTRA-SÔNICA TERAPÊUTICA. A Practical Instrument to Evaluate the Therapeutic Ultrasonic Power

UM DISPOSITIVO PRÁTICO PARA AVALIAR A POTÊNCIA ULTRA-SÔNICA TERAPÊUTICA. A Practical Instrument to Evaluate the Therapeutic Ultrasonic Power UM DISPOSITIVO PRÁTICO PARA AVALIAR A POTÊNCIA ULTRA-SÔNICA TERAPÊUTICA A Practical Instrument to Evaluate the Therapeutic Ultrasonic Power Ana Carolina Brandt de Macedo Resumo Os efeitos fisiológicos

Leia mais

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO

ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO ANÁLISE DO CAMPO TÉRMICO EM ÚBERE BOVINO EX VIVO APÓS APLICAÇÃO DE ULTRASSOM TERAPÊUTICO 1 ANALISIS OF THERMAL BEAM OF EX VIVO BOVINE UDDER AFTER THERAPEUTIC ULTRASOUND APLICATION ANDRESSA DE CASTRO SOUZA

Leia mais

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS RBE. VOL. 7 N. 11990 UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS por C. NOGUEIRA DE SOUZA & L.V.E. CALDAS' RESUMO - Uma câmara de ionização de placas paralelas para

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] INSTRUÇÃO NORMATIVA N 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE A reprodução deste documento não pode ser parcial e depende da aprovação por escrito do laboratório; O conteúdo e as conclusões aqui apresentadas são da exclusiva responsabilidade do(s) autor(es) e não

Leia mais

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores

Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 03 Ensaio de Fios Condutores Fábio P. Bauer

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MÉTODO DE MEDIÇÃO DA VELOCIDADE ULTRASSÔNICA DE PROPAGAÇÃO LONGITUDINAL

VALIDAÇÃO DO MÉTODO DE MEDIÇÃO DA VELOCIDADE ULTRASSÔNICA DE PROPAGAÇÃO LONGITUDINAL XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica CBEB 014 VALIDAÇÃO DO MÉTODO DE MEDIÇÃO DA VELOCIDADE ULTRASSÔNICA DE PROPAGAÇÃO LONGITUDINAL T. Q. Santos*, D. P. Oliveira*, A. V. Alvarenga* e R. P.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL 1. Objectivo Estudo da interferência óptica. Medição do comprimento de onda da radiação de um laser

Leia mais

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles

Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes Radioativas em Tecidos Moles Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Projeto de um Sistema Mecânico para Auxiliar o Implante Permanente de Sementes

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO

UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Alexandre Lorenzi alexandre.lorenzi@ufrgs.br Lucas Alexandre Reginato lucas.reginato@ufrgs.br Rafael Burin Fávero rafael.favero@ufrgs.br

Leia mais

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar

Aplicação da Metrologia no Serviço de. Hospitalar Aplicação da Metrologia no Serviço de Instalações e Equipamentos de uma Unidade Hospitalar Carlos Patrício, Presidente da ATEHP Director do Serviço de Instalações e Equipamentos do CHTS, EPE Introdução

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Artigo Original. Determinação da sensibilidade de transdutores ultrassônicos para fisioterapia pelo método da autorreciprocidade

Artigo Original. Determinação da sensibilidade de transdutores ultrassônicos para fisioterapia pelo método da autorreciprocidade Volume 28, Número 1, p. 23-35, 2012 Artigo Original DOI: 10.4322/rbeb.2012.003 Determinação da sensibilidade de transdutores ultrassônicos para fisioterapia pelo método da autorreciprocidade Viviane Mendes

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES ULTRASÔNICOS ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES ULTRASÔNICOS ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 27/06/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

Accuracy tests for flow computers used for oil accounting: an industrial standards review for testing on dynamic operation conditions

Accuracy tests for flow computers used for oil accounting: an industrial standards review for testing on dynamic operation conditions Ensaios de exatidão para computadores de vazão utilizados para medição de petróleo: uma revisão de normas industriais para ensaios em condições dinâmicas de operação Accuracy tests for flow computers used

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP 1. Previamente à inspeção, o veículo depois de recepcionado no Centro de Inspeção, deve ser direcionado

Leia mais

BRANSONIC Tanques de limpeza por ultrassom Bransonic

BRANSONIC Tanques de limpeza por ultrassom Bransonic BRANSONIC Tanques de limpeza por ultrassom Bransonic A solução simples e confiável para limpeza de precisão de qualidade BRANSON: Líder reconhecido mundialmente em Ultrassom Por mais de 60 anos a Branson

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

Engenharia Biomédica e Física Médica

Engenharia Biomédica e Física Médica Engenharia Biomédica e Física Médica 2010-2011 Teste 1 Importante: - Indique todos os cálculos e aproximações que efectuar. - Quando achar necessário arbitrar valores ou parâmetros (p.ex. diâmetro de um

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012 DETECÇÃO DE AMÔNIA Agosto / 2012 Industrial Scientific OLDHAM 100 anos de existência Um dos maiores fabricantes de detecção de gases do mundo Um dos líderes em vendas na Europa, EUA e AL. Cerca de 70%

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER Werley Rocherter Borges Ferreira UFU, Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Engenharia Mecatrônica,

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ESPESSURA ULTRA-SÔNICO MODELO UT-1200 fevereiro de 2010 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051

Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Norma Técnica Interna SABESP NTS 051 Tubos de Polietileno - Determinação das Dimensões Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 051 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 10 Ensaio de Torção. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 10 Ensaio de Torção Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Torção. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Exemplos de Cálculo. Definições O ensaio de torção consiste em aplicação

Leia mais

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO BÁSICO PARA O ENSAIO DE DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EQUIPAMENTOS LASER FISIOTERAPÊUTICOS DE EMISSÃO CONTÍNUA E BAIXA POTÊNCIA

AVALIAÇÃO DE EQUIPAMENTOS LASER FISIOTERAPÊUTICOS DE EMISSÃO CONTÍNUA E BAIXA POTÊNCIA AVALIAÇÃO DE EQUIPAMENTOS LASER FISIOTERAPÊUTICOS DE EMISSÃO CONTÍNUA E BAIXA POTÊNCIA Manuela Cristine GELAIN 1 Elgison da Luz dos SANTOS 2 Vanessa ERTHAL 3 Frieda Saicla BARROS 4 Vicente MACHADO NETO

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO

DIFRATÔMETRO DE RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLISE DE TENSÕES EM CONDIÇÕES DE CAMPO DIFRATÔMTRO D RAIOS X PORTÁTIL PARA ANÁLIS D TNSÕS M CONDIÇÕS D CAMPO Joaquim T. de Assis, Vladimir Monin, Fernando R.Perreira, Serguey Filippov Instituto Politécnico, URJ Brasil joaquim@iprj.uerj.br Resumo:A

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

CORPO DE PROVA DE RESINA EPÓXI COM PROPRIEDADES TERMOCROMÁTICAS PARA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO FEIXE ULTRA-SÔNICO APLICADO EM FISIOTERAPIA

CORPO DE PROVA DE RESINA EPÓXI COM PROPRIEDADES TERMOCROMÁTICAS PARA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO FEIXE ULTRA-SÔNICO APLICADO EM FISIOTERAPIA COPPE/UFRJ CORPO DE PROVA DE RESINA EPÓXI COM PROPRIEDADES TERMOCROMÁTICAS PARA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO FEIXE ULTRA-SÔNICO APLICADO EM FISIOTERAPIA Rejane Medeiros Costa Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

Calibração de Sistemas Laser Interferométricos em Distância no Laboratório de Comprimento

Calibração de Sistemas Laser Interferométricos em Distância no Laboratório de Comprimento no Laboratório de Comprimento F. Saraiva, R. Dias, S. Gentil Laboratório Central de Metrologia, Instituto Português da Qualidade Rua António Gião, 89 519 Caparica, Portugal; e-mail: fsaraiva@mail.ipq.pt;

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear A Ruzzarin 1,AM Xavier 2, A Iwahara 1, L Tauhata 1 1 Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes/Instituto

Leia mais

Cases relacionados a pendências de medição. Jorge Venâncio 07/02/2012

Cases relacionados a pendências de medição. Jorge Venâncio 07/02/2012 Cases relacionados a pendências de medição Jorge Venâncio 07/02/2012 CASES RELACIONADOS Á PENDÊNCIAS DE MEDIÇÃO OBJETIVO: Descrever pleitos típicos de medição em consumidores industriais e seus solucionamentos.

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação INSPEÇÃO SUBMARINA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA DE PAREDE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. CONTEC Comissão de Normas Técnicas

Leia mais

INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS

INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS INSPEÇÃO POR PARTÍCULAS MAGNÉTICAS AUTOMATIZADA EM BISEL DE TUBOS SOLDADOS Edson Vasques Moreira cfbevm@confab.com.br João Maurício Godoy cfbjmg@confab.com.br Luiz Fernando Marcondes Moreira cfblfm@confab.com.br

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Márcio Bottaro Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Laboratório de Desempenho e Segurança de Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos envolvidos:

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

A estação IRDA é um equipamento complexo que possibilita a remoção e recolocação dos componentes SMD e BGA, através de um canhão de infravermelho.

A estação IRDA é um equipamento complexo que possibilita a remoção e recolocação dos componentes SMD e BGA, através de um canhão de infravermelho. ESTAÇÃO IRDA- INFRA-VERMELHO YA XUN WELDER 220V 862D++ Generalidades : A estação IRDA é um equipamento complexo que possibilita a remoção e recolocação dos componentes SMD e BGA, através de um canhão de

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra óptica *

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014.

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - FEEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EA-097 - Técnicas Experimentais em Engenharia Biomédica (Preparado

Leia mais