O Processo da Estratégia em Empresas de Tecnologia da Informação: Um Estudo no Porto Digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Processo da Estratégia em Empresas de Tecnologia da Informação: Um Estudo no Porto Digital"

Transcrição

1 O Processo da Estratégia em Empresas de Tecnologia da Informação: Um Estudo no Porto Digital Resumo Autoria: Felipe Augusto Pereira, José Milton de Sousa Filho, Rafael Lucian Atualmente o setor de tecnologia da informação é um dos que mais cresce na região, correspondendo a 4,5% do PIB do estado de Pernambuco. Assim, torna-se importante investigar como a estratégia empresarial é colocada em prática em setores considerados importantes, como o de tecnologia da informação. Com isso, a presente pesquisa buscou constatar como ocorre o processo da estratégia nas empresas de tecnologia da informação da Região Metropolitana do Recife. Para se atingir o objetivo proposto, esta pesquisa se caracterizou como um estudo descritivo com base em um banco de dados construído por meio de uma survey online. A amostragem foi não probabilística e utilizou a técnica bola de neve. Foram obtidos 69 questionários válidos respondidos por executivos de empresas de tecnologia sediadas no complexo do Porto Digital em Recife. Os procedimentos de análise fizeram uso da técnica de análise fatorial e da correlação de Spearman. Concluiu-se que a tendência por mudanças evolucionárias tende a reduzir-se à medida que aumenta a o tempo de atuação profissional e no cargo atual. Isso indica que a experiência adquirida pelos indivíduos parece mostrar-lhes que mudanças revolucionárias são necessárias para obtenção de desempenho no ambiente competitivo em que se configura o setor de tecnologia da informação. 1. Introdução Atualmente o setor de tecnologia da informação é de bastante relevância no contexto nacional, regional e local. Em 2001, estima-se que o setor movimentou mais de 18 bilhões de dólares no Brasil, e foi responsável, no ano de 2003, por mais de 158 mil postos de trabalho (VELOSO et al, 2003). Em Pernambuco, o setor de tecnologia da informação movimentou mais de 172 milhões de reais, crescendo a um ritmo de 18% ao ano, desde 1998 (AMORIM; AMORIM, 2004), caracterizando-se como um setor bastante relevante. Os investimentos realizados pelo governo do Estado, em 2000, da ordem de R$ 33 milhões, podem ser vistos hoje na forma de números. As empresas do Porto Digital, arranjo produtivo de tecnologia da informação, faturaram mais de R$ 400 milhões em 2005 e geram atualmente 3 mil empregos diretos. Desses funcionários, 47% possui até 25 anos e 88% possui nível superior, ganhando em média, três vezes mais do que a média salarial da Região Metropolitana do Recife. O Porto Digital, por exemplo, já colabora com 3,5% do PIB do Estado de Pernambuco. Assim, torna-se importante investigar como a estratégia empresarial é colocada em prática em setores considerados importantes, como o de tecnologia da informação. A relevância do estudo pode ser ainda justificada pela alta competição que existe entre as empresas do setor, bem como, pelos investimentos que este vem recebendo. 1

2 A estratégia diz respeito a como as empresas competem e buscam resultados superiores em seus negócios. Segundo DeWit e Meyer (2004) a estratégia pode ser dividida em três dimensões, sendo estas, processo, conteúdo e contexto. Estas três dimensões da estratégia podem ser reconhecidas em todas as situações que envolvem a estratégia na vida real (DEWIT; MEYER, 2004). No entanto, para este trabalho o foco foi centrado no processo da estratégia, o qual se divide em outras três dimensões, sendo, pensamento, formação e mudança. Como objetivo geral, a presente pesquisa buscou constatar como ocorre o processo da estratégia nas empresas de tecnologia da informação da Região Metropolitana do Recife. Para isso buscou-se obter informações de profissionais que atuam nas diferentes empresas do setor na região supracitada. Ao final da pesquisa, pôde-se constatar como ocorre processo da estratégia nas empresas do setor. 2. O Processo da Estratégia Segundo DeWit e Meyer (2004), o processo da estratégia se divide em três dimensões, pensamento, formação e mudança, que são consideradas complexas e não lineares. Contudo, tradicionalmente muitas abordagens têm retratado o processo da estratégia basicamente como uma progressão linear, como um passo-a-passo, onde três estágios devem ser colocados em prática, sendo, análise, formulação e implementação. Alguns autores (MINTZBERG et al, 2000; MINTZBERG; WESTLEY, 2001) têm criticado a forte ênfase na visão tradicional do processo da estratégia, pois este não se dá de forma linear e simples. Ainda segundo DeWit e Meyer (2004), as dimensões pensamento, formação e mudança estão diretamente interligadas, tornando o processo da estratégia complexo. Vale ressaltar que esta complexidade se configura através dos paradoxos existentes em cada uma dessas dimensões. A seguir, cada uma das dimensões e seus paradoxos serão abordados Pensamento estratégico No pensamento estratégico existe uma tensão, um paradoxo, os quais os extremos são o pensamento lógico e o pensamento criativo (DEWIT; MEYER, 2004). O primeiro é baseado na racionalidade, análises constantes, e lógica, podendo ser constatada na visão e obra de alguns autores (PORTER, 1986; ANDREWS, 1987; CHAKRAVARTHY; LORANGE, 1991). No entanto, segundo DeWit e Meyer (2004, p.06), muitos autores têm criticando a forte ênfase na racionalidade, argumentando que o pensamento estratégico é mais intuitivo e criativo do que racional. Deve-se observar que somente o pensamento lógico, analítico, não é suficiente para uma boa resolução de problemas, e ainda, executivos que analisam demais as informações podem ficar paralisados pelas análises (LANGLEY, 1995). Levando em consideração que a estratégia pode ser considerada um padrão de pensamento que se repete ao longo do tempo (ANDREWS, 1987), pode-se inferir que as decisões passam a ser mais lógicas e pautadas em análises, já que a forma de pensar se repete. Pode-se chamar este padrão na forma de pensar, que segue regras prévias, de pensamento vertical (DEBONO, 1970). 2

3 Já o pensamento criativo, o oposto ao pensamento lógico, pode ser visto nas abordagens de outros autores (OHMAE, 1982; HAMEL, 1996), que propõem que a criatividade é importante e necessária na resolução de problemas. Além da criatividade, pode-se constatar que a intuição é também uma variável que deve ser levada em consideração na atuação dos gestores (LANGLEY, 1995). Nos processos intuitivos, os padrões de pensamento não são seguidos à risca, e a criatividade é levada em consideração na tomada de decisões. Pode-se constatar ainda que a intuição não é mística ou irracional, e sim guiada pelo conhecimento tácito adquirido no passado (DEWIT; MEYER, 2004). No entanto, o que passa na mente do estrategista? Essencialmente, formas de solucionar problemas estratégicos, mas não só problemas no sentido negativo, também no sentido de oportunidades, de situações que precisam ser resolvidas ou de mudanças que podem ser feitas para gerar melhores resultados para a empresa (DEWIT; MEYER, 2004). Assim, uma questão importante é como os executivos fazem para definir um problema estratégico, como fazem para identificar e posteriormente para gerar soluções. O pensamento estratégico e a tomada de decisões estão diretamente relacionados aos conhecimentos obtidos pelos indivíduos, e que são armazenados em suas mentes como mapas cognitivos ou modelos mentais. Estes são representações do mundo na mente das pessoas e estão sendo formados a todo tempo através da educação, experiência e interação com outras pessoas. É importante ainda frisar que o mapa cognitivo é influenciado pela cultura nacional e local, pela cultura organizacional, pela comunidade profissional, preferência religiosa, dentre outros (DEWIT; MEYER, 2004). Para Andrews (1987), a estratégia deve ser formulada e implementada de forma analítica, lógica e racional. Já para Ohmae (1982), as estratégias empresariais de sucesso não resultam de rigorosas análises, mas de um particular estado mental do estrategista. Para Mintzberg e Westley (2001), a abordagem racional não é a mais adequada para o pensamento estratégico. Assim, o modo como a estratégia vai ser formulada dependerá do mapa cognitivo do estrategista, assim, poderá ser formulada de forma mais lógica ou mais criativa. No entanto, tanto a lógica quanto a criatividade não devem ser excludentes, apesar de serem opostas. Os estrategistas não devem rejeitar as análises, pois estas são importantes e úteis, no entanto, sozinhas não são suficientes para uma tomada de decisão estratégica de sucesso (OHMAE, 1982). Deve haver um balanceamento entre o pensamento lógico e criativo, já que para os estrategistas, ambos os pensamentos são importantes e necessários para a tomada de decisões (DEWIT; MEYER, 2004). Outra questão importante é a tentativa de mudança e adequação do mapa cognitivo, que deve ser uma constante na agenda dos estrategistas, sempre em busca de adequar-se para melhor pensar o problema Formação da estratégia Na dimensão formação da estratégia, o paradoxo envolvido diz respeito às estratégias deliberadas e emergentes (DEWIT; MEYER, 2004). As estratégias deliberadas se referem à ação intencional, com a utilização de planos que buscam organizar a atuação da empresa. As vantagens da utilização de planos podem ser resumidas por algumas características, como, senso de direção (CHAKRAVARTHY; LORANGE, 1991), geração de compromisso, 3

4 contribuição na coordenação das atividades (ANDREWS, 1987) e, otimização e programação das ações. No entanto, o planejamento é somente a construção de um bloco no caminho contínuo dos eventos que realmente determinam a estratégia (QUINN, 1978). Já as estratégias emergentes são mais utilizadas em organizações que não utilizam planos ou que as pessoas divergem dos planos e tomam decisões estratégicas diferentes (DEWIT; MEYER, 2004). É um processo interativo de pensar e agir ao mesmo tempo. As vantagens das estratégias emergentes podem ser resumidas com as seguintes características, oportunismo (QUINN, 2002), flexibilidade (BEINHOCKER, 1999; EVANS, 1991), aprendizado (MINTZBERG, 1994; MINTZBERG et al, 2000), e decisões empreendedoras (MINTZBERG, 1973; MINTZBERG et al, 2000). As características de formação da estratégia, deliberada e emergente, são exatamente opostas, o que caracteriza o paradoxo. Enquanto a deliberada foca em uma direção, a emergente busca oportunidades sem se preocupar com a direção. A ferramenta mais utilizada para colocar em prática as estratégias deliberadas é o planejamento estratégico, no entanto, deve existir margem para que as oportunidades não planejadas sejam aproveitadas e as mudanças incrementais (emergentes) possam ser colocadas em prática. As estratégias deliberadas e emergentes são opostas, mas podem ser complementares, já que existe a necessidade de se planejar e ao mesmo tempo se adequar às mudanças ocorridas no ambiente. Assim, conforme ocorre no pensamento estratégico, as organizações devem tentar balancear da melhor forma possível a utilização das duas perspectivas de formação da estratégia, no intuito de gerar melhores resultados empresariais Mudança estratégica Na dimensão mudança estratégica, o paradoxo se configura entre mudança evolucionária e revolucionária. Muitos autores reconhecem que deve haver um balanceamento entre esses dois processos de mudança, que são opostos e parcialmente contraditórios, no entanto, devem ter seu espaço nas organizações (DEWIT; MEYER, 2004). A abordagem revolucionária deve ser posta em prática em organizações rígidas, as quais pequenas mudanças não a movimentam ou não a fazem crescer, assim deve haver um rompimento com o passado por meio da revolução (HAMMER, 1990). Fontes de rigidez organizacional incluem, a resistência psicológica (HAMMER, 1990), a resistência cultural (TUSHMAN; NEWMAN; ROMANELLI, 1986; SENGE, 1990) e a resistência política à mudança (ALLISON, 1969; KRUGER, 1996), bem como o travamento pelos investimentos já executados (BOWER; CHRISTENSEN, 1995), pelas competências adquiridas (PRAHALAD; HAMEL, 1990), pelos sistemas já utilizados e pelos stakeholders (FREEMAN, 1984). Já a abordagem evolucionária é moderada e gradualmente acumula as mudanças ao longo do tempo, onde essas mudanças são pequenas, mas o resultado acumulado é significativo (IMAI, 1986). Esta mudança gradual, incremental, é particularmente importante para o aprendizado organizacional e individual (DEWIT; MEYER, 2004). 4

5 Refletindo sobre a mudança estratégica, as abordagens evolucionária e revolucionária podem ser utilizadas em uma mesma empresa em períodos e situações diferentes, como nas situações onde ocorrem os saltos quânticos (MINTZBERG, 1973) podendo assim afirmar que, além de contraditórias, podem ser também complementares. Assim, conforme nas outras duas dimensões, pensamento e formação, as perspectivas da mudança estratégica, evolucionária e revolucionária, devem conviver nas organizações, já que são necessárias em diferentes situações e períodos dentro dos negócios Conclusões teóricas sobre o processo da estratégia Conforme pode-se constatar, as dimensões pensamento, formação e mudança estão intimamente ligadas. Contudo, a adequação dos indivíduos em cada um dos paradoxos (lógico e criativo, deliberada e emergente, e evolucionária e revolucionária) dependerá de seus mapas cognitivos, pois estes guiam os indivíduos na tomada de decisão, fazendo com que optem por um extremo ou outro dos paradoxos. No entanto, ressalta-se que é importante e necessário um balanceamento entre os extremos para o sucesso das decisões empresariais. Assim, vale ressaltar ainda que os estrategistas devem estar preparados para adequar seu mapa cognitivo no intuito de tomar melhores decisões e para entender os paradoxos como necessários e complementares, apesar de contraditórios. 3. Metodologia da Pesquisa Para se atingir o objetivo proposto, esta pesquisa se caracterizou como um estudo descritivo com base em um banco de dados construído por meio de uma survey online. A amostragem foi não probabilística e utilizou a técnica bola de neve. Inicialmente foi elaborado um website contendo uma versão digital do questionário utilizado para esta pesquisa. As respostas assinaladas foram armazenas online formando o banco de dados para as análises. O início da bola de neve se deu através do envio de s para executivos de empresas de tecnologia da informação (TI) sediadas no Porto Digital em uma primeira rodada, e posteriormente realizou-se contato por telefone confirmando o recebimento do . Estes foram convidados a entrar no link que direciona para o site da pesquisa e posteriormente solicitou que estes reenviassem a pessoas próximas dentro do perfil desejado. Do total de 100 empresas cadastradas, o contato foi bem sucedido em 94 casos. Como forma de minimizar o risco de pessoas fora do universo de pesquisa responderem ao questionário, perguntas qualificadoras como qual o seu cargo dentro da empresa foram incluídas. Respondentes fora do perfil ideal não foram considerados nas análises finais. A população inicial da pesquisa foi a de profissionais de tecnologia da informação de Recife, Pernambuco. Ao final, 71 pessoas responderam os questionários, dos quais um foi descartado por não atuar em uma organização de TI e outro por ter marcado a mesma opção em todas as alternativas, finalizando 69 casos válidos. 5

6 O questionário foi construído com base na escala de mensuração do pensamento estratégico proposta por Lucian et al (2007) e é apresentado no próximo item Instrumento de coleta de dados O questionário foi composto por dois blocos, sendo um com perguntas demográficas e outro com questões referentes ao processo da estratégia. No Quadro 3, as variáveis do primeiro bloco. Questões demográficas Gênero do respondente Formação acadêmica do respondente Área de graduação do respondente Número total de níveis hierárquicos da organização do respondente Nível hierárquico do respondente na organização Cargo do respondente Tempo de atuação profissional do respondente (em anos) Tempo do respondente no cargo atual, na organização atual (em anos) para envio do relatório executivo (opcional) Ramo de atividade principal da organização do respondente Tipo da organização do respondente Quadro 1 Variáveis demográficas Fonte: Elaborado pelos pesquisadores (2009) As questões em negrito são qualificadoras. Os respondentes que não informaram ter cargos que permitam tomar decisões estratégicas (por exemplo, diretor ou proprietário), empresas que não atuem na área de TI ou que não estão sediadas no Porto Digital foram excluídos do banco de dados final. O valor da variável Nível hierárquico do respondente na organização é relativo e varia em função da empresa; um indivíduo que ocupa nível 3 em uma organização de 3 níveis tem baixo nível hierárquico, enquanto um que o ocupa em uma de 6 níveis tem nível hierárquico médio. Dividindo-se essa variável pela Número total de níveis hierárquicos da organização do respondente, obtém-se um nível hierárquico relativo. Para normalizar o valor em uma escala [0,1], optou-se por subtrair 1 do numerador e denominador. Denominou-se essa nova variável de indicehierarquico (índice hierárquico do respondente, ou seu nível hierárquico relativo), representada por: indicehierarquico = (nivelhierarquico-1)/(niveishierarquicos-1), para niveishierarquicos>1 indicehierarquico = 1, para niveishierarquicos=1 O bloco referente ao processo da estratégia contou com 30 questões, sendo 10 sobre cada uma das dimensões abordadas no referencial teórico (pensamento, formação e mudança), divididas equitativamente pelos dois extremos paradoxos, lógica x criatividade, deliberalidade x emergência e revolução x evolução, respectivamente. A escala utilizada foi ordinal, do tipo Likert, com 5 pontos, variando de 1 (discordo totalmente) a 5 (concordo totalmente), sendo 3 o neutro. No Quadro 2, as questões referentes ao segundo bloco: 6

7 Dimensão Pensamento Formação Mudança Extremo do Paradoxo Lógico Criativo Deliberada Emergente Revolucionária Evolucionária Questão Costumo realizar uma reflexão crítica sobre minhas crenças e forma de pensamento. Realizo análise do ambiente interno da empresa e do setor onde ela atua antes de formular estratégias. Testo minhas crenças organizacionais com o objetivo de melhorá-las e poder aplicá-las. Testo minhas suposições para evitar basear as estratégias apenas na intuição. Desenvolvo estratégias de maneira formal, seguindo uma lógica clara. Utilizo a imaginação como fonte de criação estratégica. Sou intuitivo na formulação de estratégias e me baseio no meu entendimento das coisas. Formulo as estratégias com base na minha forma de pensar e ver as coisas. Acredito que estratégias surgem de boas idéias e não de boas observações sobre os fatos. Formulo estratégia com base na criatividade. Acredito que um plano estratégico deva ser completamente finalizado antes de se iniciar sua execução. Crio estratégias com orientação para o longo prazo. Documento e torno explícito os planos estratégicos definidos para o negócio ou atividade. Traço metas e/ou objetivos bem definidos para guiar as estratégias. Acredito que uma boa estratégia deve ser capaz de descrever as ações das pessoas, evitando improvisos. Creio que uma estratégia também possa ser construída ou modificada na medida em que as ações vão sendo realizadas. Acredito que as estratégias surgem no dia a dia à medida que as coisas vão sendo realizadas. Acredito que planos estratégicos podem surgir à medida que se identificam novas oportunidades de ação. Estou certo que novas estratégias podem surgir de experiências ou iniciativas das pessoas. Crio estratégias que são na essência flexíveis. Percebo que as mudanças com melhores resultados são aquelas que reinventam o modo de funcionar do negócio ou da atividade. Implemento mudanças de grande impacto e com velocidade para minimizar a resistência das pessoas. Acredito que para mudar é preciso ter coragem para romper com a situação existente indesejável. Desenvolvo habilidades para realizar grandes mudanças na estratégia considerando a pressão dos concorrentes ou novas exigências do governo. Estou certo que para ocorrer uma mudança estratégica é necessário ocorrer uma grande mudança organizacional. Acredito na capacidade de aprendizado da empresa e que as mudanças devem acompanhar o ritmo deste aprendizado. Creio que a mudança é algo naturalmente presente no dia a dia de uma empresa. Percebo que alterações em rotinas e processos são coisas que precisam de certo tempo para se entender, testar e aplicar. Entendo que em minha empresa não há uma única pessoa com força suficiente para realizar uma grande mudança que altere a estratégia. Implemento várias pequenas mudanças organizacionais que cumulativamente se tornarão uma grande mudança na estratégia da empresa. Quadro 2 Variáveis do processo da estratégia Fonte: Lucian et al (2007, p.08) 7

8 Após se obter as respostas armazenadas em um banco de dados computadorizados as análises foram realizadas. Os procedimentos são comentados no próximo tópico. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Devido ao grande número de variáveis, optou-se por realizar uma análise fatorial que reduziu os itens a 4 variáveis latentes. Posteriormente foi realizado teste de Spearman que revelou as correlações existentes entre os fatores Análise Fatorial Previamente foi calculado o alfa de cronbach, que indica a confiabilidade da escala, para cada uma das dimensões do processo estratégico. Embora esse não seja um procedimento determinante para a realização da análise fatorial, é importante realizá-lo para verificar a consistência interna da escala. Basicamente dois fatores podem afetar a validade da escala, erro de construção da escala ou problemas de amostragem. Nesta segunda opção deve-se incluir o fato dos respondentes não compreenderem corretamente as alternativas ou simplesmente responderem itens sem prestar a devida atenção. Segundo Malhotra (2006), um alfa de Cronbach superior a 0,6 é aceitável em estudos de administração. Este valor, contudo não foi obtido na escala de formação. Neste caso por falta de consistência interna os pesquisadores decidiram por excluí-la das próximas análises. Embora haja um número menor de variáveis para análise, esse procedimento atribui maior confiabilidade aos resultados obtidos. No Quadro 3, podem ser visualizados os resultados. Alfa de Cronbach Pensamento 0,687 Formação 0,507 Mudança 0,670 Quadro 3 Alfa de Cronbach Fonte: Análise de dados (2009) A análise fatorial foi realizada inicialmente sem rotacionar o eixo, porém diversas cargas foram observadas em duplicidade. Foi utilizada então a técnica varimax e o número de fatores observados foram dois. Considerou-se relevante as cargas superior a 0.65, pois 8

9 amostra continha 70 indivíduos (HAIR et al, 1998). O resultado da análise fatorial do pensamento estratégico pode ser visualizado no Quadro 4: Item Fator 1 Fator 2 Sou intuitivo na formulação de estratégias e me baseio no meu entendimento das coisas. 0,693 Formulo as estratégias com base na minha forma de pensar e ver as coisas. 0,796 Formulo estratégia com base na criatividade. 0,819 Costumo realizar uma reflexão crítica sobre minhas crenças e forma de pensamento. 0,662 Realizo análise do ambiente interno da empresa e do setor onde ela atua antes de formular estratégias. 0,657 Quadro 4 Análise Fatorial do Pensamento Estratégico Fonte: Análise de dados (2009) Esses fatores podem ser denominados Pensamento Crítico/Intuitivo e Pensamento SWOT, respectivamente. O resultado da análise fatorial da mudança estratégica pode ser visualizado no Quadro 5: Item Fator 1 Fator 2 Implemento mudanças de grande impacto e com velocidade para minimizar a resistência das pessoas. Desenvolvo habilidades para realizar grandes mudanças na estratégia considerando a pressão dos concorrentes ou novas exigências do governo. 0,674 0,758 Acredito que para mudar é preciso ter coragem para romper com a situação existente indesejável. Percebo que alterações em rotinas e processos são coisas que precisam de certo tempo para se entender, testar e aplicar. 0,693 0,823 Quadro 5 Análise Fatorial da Formação Estratégica Fonte: Análise de dados (2009) Esses fatores podem ser denominados Mudança Revolucionária e Mudança Lenta com Coragem, respectivamente. As quatro variáveis latentes foram utilizadas como insumo para as análises de correlação apresentadas abaixo. 9

10 4.2. Análise de Correlações A seguir, foram realizadas análise de correlações entre os fatores obtidos e as variáveis demográficas ordinais. Foi utilizada a correlação de Spearman, por ser a mais indicada para esse tipo de dados (Malhotra, 2006). Como forma de melhor visualizar as correlações obtidas, optou-se por apresentá-las no esquema da figura 1. Os relacionamentos não significativos estatisticamente foram omitidos e não utilizados durante a conclusão. Pensamento SWOT Pensamento Criativo/Intuitivo Índice Hierárquico Mudanças Revolucionárias Cargo Tempo de Atuação Profissional Tempo no Cargo *Os traços únicos indicam significância a 0,05, enquanto os traços duplos indicam a 0,01. Figura 1 Correlações Não Paramétricas Fonte: Análise de dados (2009) Esses resultados indicam que o fator Mudanças Revolucionárias é o mais correlacionado, correlacionando-se positivamente com Pensamento Criativo/Intuitivo, Análise SWOT, tempo de atuação e tempo no cargo e negativamente com cargo e índice hierárquico (duas variáveis que indicam a posição do indivíduo na organização). Essas variáveis foram construídas de modo que, quanto menor a medida, maior o nível hierárquico do indivíduo, de forma que as Mudanças Revolucionárias associam-se positivamente com o nível hierárquico (quanto maior o nível, maior a revolução na mudança). 5. Conclusão As organizações de tecnologia da informação encontram-se imersas em um ambiente competitivo e dinâmico, caracterizado por grandes mudanças tecnológicas. As correlações entre Mudanças Revolucionárias e cargo e nível hierárquico parecem indicar que esse fenômeno é mais visível à medida que se sobe na hierarquia organizacional, de modo que os níveis hierárquicos mais baixos lidariam com mudanças mais evolucionárias. 10

11 Além disso, tais Mudanças Revolucionárias estão associadas ao Pensamento SWOT, o que indica que quanto maior a análise do ambiente externo e realidade interna da organização, com reflexão crítica, maior a necessidade por mudanças mais rápidas. A correlação com o Pensamento Criativo e Intuitivo mostrou indícios da necessidade de tal forma de pensamento para execução das mudanças necessárias. Por fim, a tendência por mudanças evolucionárias tende a reduzir-se à medida que aumenta a o tempo de atuação profissional e no cargo atual. Isso indica que a experiência adquirida pelos indivíduos parece mostrar-lhes que mudanças revolucionárias são necessárias para obtenção de desempenho no ambiente competitivo em que se configura o setor de tecnologia da informação. Nenhuma pesquisa é isenta de limitações. O fato de não ter sido possível obter questionários respondidos de todas as empresas do Porto Digital impediu a caracterização da amostragem como censo e a exclusão de uma escala devido ao baixo coeficiente alfa obtido reduz a profundidade dos resultados. Futuros interessados na área podem investigar além da formulação, as ações estratégicas e desta forma produzir um relato mais aprofundado do objeto de estudo. Referências Bibliográficas ALLISON, G. T. Conceptual models and decision-making In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, AMORIM, A. N. G. F., AMORIM; T. N. G. F. Iniciativas de desenvolvimento local na criação de ecossistemas inovadores em TI: o caso do Porto Digital. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia (SEGET). Resende, ANDREWS, K. R. The concept of corporate strategy In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, BEINHOCKER, E. D. Robust adaptative strategies. Sloan Management Review, vol. 40, n. 3, Spring, BOWER, J. L.; CHRISTENSEN, C. M. Disruptive technologies: cathing the wave. Harvard Business Review, vol. 73, n.1, January/February, CHAKRAVARTHY B. S.; LORANGE, P. Managing the stragy process: a framework for a multibussiness firm In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, DeBONO, E. Lateral thinking In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, DeWIT, B.; MEYER, R. Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, EVANS, J. S. Strategic flexibility for high tecnology manoeuvres: a conceptual framework. Journal of Management Studies, vol. 28, January,

12 FREEMAN, R. E. Strategic management: a stakeholder approach In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, HAIR, J.F.Jr; BLACK, W.C; BABIN, B.J; ANDERSON R.E; TATHAM, R.L. Multivariate Data Analysis. 6 ed. Prentice Hall. New Jersey, HAMEL, G. Strategy as revolution. Harvard Business Review, vol. 74, n. 4, July/August, HAMMER, M. Reengineering work: don t automate, obliterate. Harvard Business Review, vol. 68, n. 4, July/August, IMAI, M. Kaizen: the key to Japan s competitive success In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, KRUGER, W. Implementation: the core task of change management. CEMS Business Review, vol. 1, MALHOTRA, N.K. Pesquisa de marketing: Uma orientação aplicada. 4 ed. São Paulo: Bookman, MINTZBERG, H.; WESTLEY, F. Decision-making: it s not what you think. Sloan Management Review, vol. 42, n. 3, Spring, MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Bookman: Porto Alegre, MINTZBERG, H. The fall and rise of strategic planning. Harvard Business Review, vol. 72, issue 1, January/February, MINTZBERG, H. Strategy-making in three modes. California Management Review, v. 16, n. 2, Winter, OHMAE, K. The mind of the strategist In: Strategy: Process, Content and Context. Italy: Thomson, PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, vol. 68, issue 3, May/June, QUINN, J. B. Strategy, science and management. Sloan Management Review, vol. 43, n. 4, QUINN, J. B. Strategic change: logical incrementalism. Sloan Management Review, Fall, SENGE, P. The leader s new work: building learning organizations. Sloan Management Review, Fall, TUSHMAN, M.; NEWMAN, W.; ROMANELLI, E. Convergence and upheaval: managing the unsteady pace of organizational evolution. California Management Review, vol. 29, n. 1,

13 VELOSO, F.; BOTELHO, A. J. J.; TSCHANG, T.; AMSDEN, A. Slicing the knowledgebased economy in Brazil, China and India: a tale of 3 software industries

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com. HORTON INTERNATIONAL EXECUTIVE SEARCH MANAGEMENT CONSULTANTS Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.br

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: Administração Estratégica PROFESSOR: Dr. André

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano Núcleo de Inovação Comportamento Humano Inovativo Comportamento Humano Inovativo em uma organização é resultado da interação de

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral

A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral A gestão estratégica sob uma perspectiva política: um estudo de caso comparativo entre empresas integrantes do Programa Paex da Fundação Dom Cabral Anderson Rocha Valverde A pesquisa aqui resumida analisa,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007

FACULDADE DE CUIABÁ. Curso. Disciplina. Professor. rubemboff@yahoo.com.br. Aulas: 4 e 5/5/2007 FACULDADE DE CUIABÁ Curso GESTÃO PÚBLICA Disciplina GESTÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Dr. RUBEM JOSÉ BOFF, Ph.D. rubemboff@yahoo.com.br Aulas: 4 e 5/5/2007 Dr. Rubem José Boff, Ph.D. Cuiabá-MT,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada:

A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: CF1212 A Flexibilização da Relação entre Franqueadora e Franqueada: Um Estudo de Caso da locadora de Veículos Yes Rent a Car Carlos Arruda, Hérica Morais Righi e Raoni H. Pereira Introdução O objetivo

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Gestão Estratégica, Diferenciação e Competências Organizacionais

Gestão Estratégica, Diferenciação e Competências Organizacionais Gestão Estratégica, Diferenciação e Competências Organizacionais Prof. Fabio Martins A única vantagem competitiva das empresas no futuro será o talento de seus gestores em aprender mais rápido que seus

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

TCC I. Administração de Empresas

TCC I. Administração de Empresas TCC I Administração de Empresas Fabio Miguel Junges 5/31/2008 1 Identificação do nível de maturidade do alinhamento entre o planejamento estratégico de negócios e de TI em empresas de pequeno e médio porte.

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado Qual é a fundamentação teórica que sua empresa usa na hora de estabelecer o planejamento estratégico? Você sabe? Eis aqui um boa pergunta para ver a estratégia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Mestrado em Contábeis e Administração MÓDULO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL AULA 2 Prof. Dr. Júlio A. F. dos Reis DIVISÃO DO MÓDULO PARA ATENDER AOS OBJETIVOS. Epistemologia, contexto e conceito de estratégia

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br [Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Estratégia: Um Conceito em Construção MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof.Ms. Gabriel

Leia mais

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: 100 MELHORES REVISTA ÉPOCA GREAT PLACE TO WORK 2006 É uma ferramenta de diagnóstico que mensura a percepção dos colaboradores sobre o relacionamento com a organização,

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho:

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: ASSUNTO em pauta Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: comunicação entre jovem e empresa Velychko 30 REVISTA DA ESPM maio/junho de 2011 O jovem quer seu espaço no mercado de trabalho.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Como entendemos a Gestão por Processos?

Como entendemos a Gestão por Processos? RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Como entendemos a Gestão por Processos? Mobilizando pessoas para promover melhorias e inovações a partir de processos André Macieira & Leandro Jesus Alguns

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Uma discussão a respeito do uso de medidas de desempenho em sistemas de operações

Uma discussão a respeito do uso de medidas de desempenho em sistemas de operações 4 th International Conference on Industrial Engineering and Industrial Management XIV Congreso de Ingeniería de Organización Donostia- San Sebastián, September 8 th -10 th 2010 Uma discussão a respeito

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Greice de Bem Noro (UNIFRA) gbgreice@gmail.com Aline Dalmolin (UNIFRA) alinedalmolin@yahoo.com.br Lisandra

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO INTRODUÇÃO O setor de RH deve ser extinto. Ram Charan em artigo na Harvard Business Review Você concorda? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde

Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Uma Análise da Confiabilidade da Aplicação de um Questionário na Equipe de TI de uma Instituição de Saúde Aluna: Karina Aparecida da Cruz Pinto Orientadora: Ms. Maria Ludovina Aparecida Quintans Sistemas

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Qual o gestor, que ainda não tenha se perguntado qual seria o sistema de gestão mais inteligente para buscar o resultado esperado? Alguns gestores

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 1 Tema 1: O novo papel da TI nas organizações Flávio I. Callegari 2010 Temas O Planejamento Estratégico nas Organizações

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas Maria Clara Fonteque Scacchetti 1 Aparecido Rudnick 2 Washington Fernando Silva 3 Lucia Braga Sousa 4 Resumo: Este artigo tem o objetivo

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais