ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO"

Transcrição

1 ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO S. R. Guazzelli, Mestranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS J. C. Koppe, Professor, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS E. Munaretti, Professor, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS V. L. Rosenhaim, Engenheiro de Minas, M.Sc., Copelmi Mineração Ltda J.F.L. Feijó, Engenheiro de Minas, Copelmi Mineração Ltda RESUMO A escolha e a adequação dos objetivos a serem alcançados em um projeto de lavra devem ser feitas de forma que o tornem viável. Várias opções podem ser selecionadas e a escolha de cada uma destas irá agregar diferentes custos e resultados. A perfuração e desmonte (P&D) de rochas constituem as operações unitárias mais importantes na área de produção ocorrendo no início da cadeia produtiva repercutindo nas operações subsequentes. A seleção dos objetivos de fragmentação da rocha é o início de uma série de escolhas que devem ser feitas com o intuito de obter a otimização do desmonte com o menor custo. Neste trabalho apresentam-se os principais aspectos a serem considerados numa análise de custos nas operações de P&D. Como ilustração, é apresentado um estudo de caso envolvendo uma mina de carvão a céu aberto. Palavras-chave: Projeto de mineração; Perfuração; Desmonte; Custos. ABSTRACT The choice and appropriateness of the objectives to be achieved in a mining project must be interpreted in such way that will make the project viable. A wide range of options can be selected and it will add to the project different costs and outcomes. The drilling and blasting (D&B) are the most important unit operations in the production area starting in the beginning of the production chain and affecting the downstream operations. The objectives selection of the rock fragmentation is the beginning of a series of choices that must be made with the aim to optimize the extraction at the lowest cost. In this paper the main aspects to be considered in the analyses of D&B operation costs are presented. As an illustration, a case study in an open pit coal mine is shown. Keywords: Mining Projects; Drilling; Blasting; Costs.

2 INTRODUÇÃO Na grande maioria dos projetos de mineração estão presentes as operações de perfuração e desmonte (P&D) de rochas com o uso de explosivos, apenas em alguns casos esta técnica é substituída pela aplicação de outro método, como água pressurizada ou desmonte mecânico, que são utilizados para o processo de fragmentação [1]. No ciclo de operações que envolvem a produção, a perfuração antecede o desmonte, servindo como estrutura para que o mesmo ocorra. Esses processos são os responsáveis pelo desenvolvimento e produção da mina, tendo repercussão nas operações subsequentes de lavra e beneficiamento. O presente trabalho objetiva abordar os custos envolvidos nestas operações, limitando-se à minerações a céu aberto, visto que em minas subterrâneas existem diversos outros fatores relevantes que agregam custos nestas operações e que não serão aqui abordados. Tratando-se de projetos de mineração tem-se uma grande variedade de atividades e processos que são identificados e estimados com a intenção de reduzir os custos e ao mesmo tempo agregar valor ao produto final. Nos processos abordados, o objetivo maior é adequar a produção a uma determinada fragmentação para projetar um desmonte que atenda a estas especificações, de forma a minimizar os custos deste e simultaneamente das etapas seguintes (carregamento, transporte, cominuição). Os principais elementos que formam os custos nas operações de perfuração e desmonte são identificados em custos variáveis, que englobam os custos diretos envolvidos na operação dos equipamentos, como mão de obra e materiais de consumo, e os fixos que são os custos indiretos, como taxas e depreciação dos equipamentos. Vários fatores afetam diretamente os custos, como a razão de carga, a geologia do depósito, o tipo de explosivo, a fragmentação desejada e qual o padrão da pilha a ser gerada, entre outros. CUSTOS DE PERFURAÇÃO Os custos de perfuração são expressos por metro de rocha perfurada ($/m) e são a soma dos custos diretos e indiretos envolvidos neste processo. Eles incluem os custos de operação do equipamento, reparos, manutenção, aquisição de materiais e suprimentos, como energia. A equação 1 resume todos os custos na mesma fórmula envolvendo a soma de todos eles dividido pela produtividade da perfuratriz (média da taxa de perfuração do equipamento). (1) Onde na fórmula tem-se: C TD : custo total de perfuração ($/m); C A : depreciação ($/h); C I : taxa de juros e seguro ($/h); C M : manutenção e reparos ($/h); C O : mão de obra ($/h);

3 C E : combustível ou energia ($/h) ; C L : óleo, graxa e filtros ($/h); C B : bits, hastes, luvas ($/h); P r : produtividade da perfuratriz (m/h). Os custos da operação de perfuração podem ser divididos em duas partes significativas, o que o equipamento consome por comprimento de furo perfurado e a estimativa do que a perfuratriz gasta. Esta estimativa pode ser transformada em custo por comprimento de furo perfurado com base na taxa de perfuração do equipamento, onde esta medida influencia em praticamente todos os parâmetros, exceto o consumo de peças, como bits. Portanto pode-se reescrever a equação 1 pela equação 2 (Jimeno et al., 1995) [2]. (2) Onde, Vd é a taxa de perfuração (m/h). A taxa de perfuração se torna um importante parâmetro no cálculo dos custos, portanto, é necessária a sua determinação que pode ser feita com auxílio de dados experimentais ou pelas informações fornecidas pelo fabricante. A equação 3 (Hartman, 1990) [3] é um exemplo de fórmula experimental. (3) Onde V d é a taxa de perfuração experimental; V/ t é a média de volume removido em um intervalo de tempo (m³/h); A é a área do furo (m²). Em casos onde não é viável a realização da coleta de dados experimentais, pode-se obter a taxa de perfuração por meio de informações dos fabricantes, dados os parâmetros observados pelos mesmos para determinado diâmetro de furo (Jimeno et al., 1995) [2] como mostra a equação 4. (4) Onde V d1 é uma taxa de perfuração observada em determinado diâmetro d 1 e V d2 é a taxa que se deseja saber para um diâmetro d 2. Sabe-se que a resistência e dureza da rocha influenciam na taxa de perfuração, sendo inversamente proporcional à resistência a compressão uniaxial da rocha (UCS). Alguns fabricantes fornecem a taxa de perfuração em função da UCS, como para perfuratrizes percussivas. Neste caso pode-se obter o resultado aplicando a equação 5 (Jimeno et al., 1995) [2]. (5)

4 Onde V d(c) é a taxa de perfuração procurada; V d(g) é a taxa de perfuração fornecida; U c(g) é o valor da UCS (MPa) da rocha fornecida; U C(C) é o valor da UCS (MPa) da rocha a qual se deseja encontrar a taxa de perfuração. Nas perfuratrizes rotativas a taxa de perfuração é inversamente proporcional a UCS da rocha. Se algum fator como o diâmetro do furo e o diâmetro do bit mudar, tem-se uma mudança, também, na taxa de perfuração. Neste caso assume-se que estes fatores continuam os mesmos, o que irá ser alterado, quando se muda a UCS da rocha, é a força de pressão exercida e o número de revoluções. Assim utiliza-se a equação 6 (Jimeno et al., 1995) [2]. (6) Onde novamente os parâmetros são referentes ao fornecido pelo fabricante. A partir da determinação da taxa de perfuração o custo de perfuração pode ser determinado. Custos indiretos Os custos indiretos são independentes da produção, ou seja, estes custos não variam conforme a produtividade, pois englobam valores de aquisição, investimentos e depreciação de equipamentos. Os custos de investimento incluem taxas e impostos, já a depreciação é calculada de forma direta. Taxas, juros e seguro: estes valores são variáveis conforme a localidade e podem ser calculados com a equação 7 (Jimeno et al., 1995) [2]. (7) Onde na fórmula tem-se: C I : custos de juros e seguro; N: vida útil da perfuratriz (anos); P p : preço de compra; I: juros (%); I n : seguro (%); T: taxas (%); W h : horas trabalhadas/ano (h/a). Depreciação: a deteriorização causada pelo uso e pelo envelhecimento do equipamento, conjuntamente a desvalorização do mesmo, são a base para o cálculo da depreciação. A equação 8 (Jimeno et al., 1995) [2] apresenta a fórmula de cálculo sugerida. (8)

5 Considerando as duas fórmulas apresentadas, conclui-se que os custos totais indiretos ($/h) são iguais a soma dos custos de investimento ($/h) com os custos de depreciação ($/h) do equipamento. Custos diretos Os custos diretos envolvem gastos variáveis conforme a produtividade. Custos de manutenção: são baseados em dois fatores principais, manutenção preventiva e reparos. A manutenção preventiva pode ser estimada como sendo cerca de 15% a 20% dos custos com energia (Jimeno et al., 1995) [2]. O custo de manutenção é a soma dos custos totais de lubrificação, filtros e mão de obra necessária. Ele é expresso em termos de disponibilidade mecânica (Rajpot, 2009) [4] como mostra a equação 9. (9) Onde M A é a disponibilidade mecânica do equipamento; T O é o tempo operacional; T m é o tempo de manutenção. Os custos de reparos são baseados no histórico do equipamento para se obter um fator de interpolação para estimativas futuras prevendo possíveis gastos. Ele é fornecido como uma porcentagem do preço de entrega do equipamento. Pode ser calculado pela equação 10 (Rajpot, 2009) [4]. (10) Onde C R é o custo com reparos; P d é o preço de entrega; I f é o fator de interpolação. Jimeno et al. [2] explica que quando os custos de manutenção incluem os gastos com a manutenção preventiva e paradas repentinas deve-se considerar um fator de reparo, como mostra a equação 11. (11) Onde F r é o fator de reparo disponível no manual do fabricante. Caso o fator de reparo fornecido não inclua os encargos com a mão de obra, podese utilizar a equação 12 para simplificar os custos de manutenção, como sugerido por Rajpot (2009) [4]. (12)

6 Custos de operação: incluem o salário do operador e assistente com todos os benefícios concedidos. Custos com combustível ou energia: para o cálculo do consumo de combustível ou energia deve-se utilizar as especificações do fabricante. A equação 13 e a equação 14 sugeridas por Jimeno et al. (1995) [2] calculam o custo em função da potência do motor e o preço do combustível ou energia, respectivamente. (13) (14) Custo de peças: a dureza da rocha tem grande influência no consumo de bits, barras, hastes, luvas, martelo, etc. Como o consumo destas peças depende da mesma, seu custo pode variar entre 15 a 40% das despesas totais com perfuração. Os gastos com bit ou martelo são calculados como o custo total pela vida útil do mesmo. No caso de perfuratriz rotativa a equação 15 (Jimeno et al.,1995) [2] pode ser utilizada para calcular a vida útil do bit, caso não seja fornecida. (15) Onde d é o diâmetro (in); E d é a força aplicada (10³ lb); N r é velocidade de rotação (r/min); V d taxa de perfuração (m/h). O custo com barras não pode ser aplicado da mesma forma por variarem conforme o comprimento do furo e o tamanho da barra. O número de barras inseridas em série em um furo é utilizado para achar este custo (Rajpot, 2009) [4] como mostrado na Equação 16. (16) Custos de perfuração por m³ de rocha fragmentada Depois de realizado o levantamento de todos os fatores que afetam os custos de perfuração, necessita-se obter qual o custo por m³ de rocha fragmentada, já que ao estimarse os custos de desmonte tem-se o resultado por volume de rocha. A equação 17 (Rajpot, 2009) [4] mostra que para esta determinação basta considerar a altura da bancada, o afastamento e o volume total de rocha que foi fragmentada. (17)

7 Onde C TD é o custo total por metro ($/m); H b é a altura da bancada (m); B é o afastamento (m); V O é o volume total de rocha de fragmentada (m³). CUSTOS DE DESMONTE Na maior parte dos casos de minerações a céu aberto, é necessário a utilização de explosivos para a fragmentação da rocha no processo de produção. Sendo assim, o uso desta técnica se torna de fundamental importância, pois quando não é aplicada com sucesso pode colocar em risco a viabilidade do empreendimento. Os principais fatores que afetam no resultado do desmonte são as propriedades dos explosivos utilizados, a sua distribuição, a sequência de iniciação, a geometria utilizada, as caracteristicas do maciço rochoso e suas estruturas. Todos estes fatores se somam nas escolhas que devem ser tomadas, a fim de se obter o melhor padrão de desmonte com o menor custo. Erroneamente, muitas vezes faz-se a seleção do explosivo de menor custo, não levando em consideração outros fatores que influenciam na otimização da fragmentação, como a sequência do desmonte e o tempo de retardo. Os custos de desmonte são classificados com base no volume de produção. Ele engloba fatores como as taxas de transporte e entrega, a quantidade de explosivos carregados e acessórios usados por furo, bem como a mão de obra contratada. Em grande parte dos casos ocorre a terceirização do serviço, que inclui desde o transporte ao local do desmonte até o carregamento dos furos, com taxas de mão de obra especializada. Ela pode ser cobrada por carregamento, ou por dia, dependendo do caso, incluindo os custos de acessórios utilizados. A soma de todos estes fatores resulta nos custos de desmonte, como mostrado na equação 18. Onde C D é o custo do desmonte ($/furo); C T é o custo de transporte e entrega ($/furo); C MO é o custo de mão de obra ($/furo); C EX é o custo de explosivos ($/furo); C AC é o custo de acessórios ($/furo). Nos casos onde o serviço é contratado por empresa terceirizada a mesma fórmula pode ser aplicada, considerando que o preço fixo pago por carregamento pode ser transformado em $/furo. Os custos podem ser divididos em: Custos de transporte e de entrega: inclui o frete e manuseio dos veículos até o local de desmonte. Os fornecedores cotam os preços de forma diferente, o que explica as diferenças encontradas no mercado. Muitas empresas contratam sistemas de entrega com maior eficiência, que transportam o explosivo e carregam os furos por bombeamento. (18)

8 Custos de mão de obra: incluem os funcionários envolvidos na operação, desde o motorista responsável pelo transporte da carga de explosivos, ao blaster e, quando possuir, assistente. Custos de explosivos e acessórios: variam conforme a quantidade de explosivos utilizados. Os explosivos são vendidos por saco ou a granel. Os custos de detonadores calculados por unidade dependem do tamanho do fio necessário para cada furo. Os acessórios menores são os conectores, cabos, etc. e não são de relevância no custo final, portanto não serão aqui abordados. Cálculo do custo de desmonte por furo Os custos por furo variam conforme as especificações da fragmentação necessária e consequentemente do diâmetro do furo. A partir do dimensionamento dos furos e da malha de perfuração, a razão de carga necessária para atender as especificações da fragmentação pode ser calculada. Com os dados obtidos pode-se determinar a quantidade de explosivos por furo, chamado de peso de carga (kg/furo) pela equação 19 (Olofsson, 1990) [5]. (19) Onde Q é o peso de carga (kg/furo); L b é a razão de carga (kg/m); H é a profundidade do furo; T é o tampão. A tabela 1 resume os parâmetros a serem considerados no custo total do desmonte em custos/furo. Tabela I - Fórmulas sugeridas para o cálculo do desmonte ($/furo) Custo de transporte e entrega de explosivos (C T ) kg/transporte $/transporte $/kg kg/furo (Q) $/furo x y y/x Q (y/x)*q Custos de mão de obra (C MO ) motorista blaster assistente total de furos $/furo m b a T f (m+b+a)/t f Tipo (granel/polpa) tipo (item/caixa) Custos de explosivos (C EX ) kg/unidade $/unidade $/kg kg/furo (Q) $/furo g f f/g Q (f/g)*q Custo de detonadores (C AC ) unidades/caixa $/caixa $/unidade unidades/furo $/furo u c c/u w (c/u)*w A transformação de $/furo para $/m³ é necessária, já que a base do cálculo é o volume de material fragmentado. Para tanto basta multiplicar o custo total do desmonte ($/furo) pelo número de furos/m³ de volume de rocha fragmentada.

9 CUSTOS TOTAIS DO DESMONTE POR VOLUME DE ROCHA FRAGMENTADA Os custos estimados de perfuração e desmonte, quando usados separadamente, não fornecem o custo da produção, já que este valor irá depender diretamente do volume total fragmentado e os custos envolvidos no processo. Sendo assim, apresenta-se o custo total da operação por volume de rocha fragmentada na equação 20 (Rajpot, 2009) [4]. Onde C TD e C D são em $/m³. (20) ESTUDO DE CASO Com o objetivo de analisar as diferentes influências de cada fator previamente discutido nos custos totais das operações de P&D, realizou-se um estudo de caso. Foi escolhida uma mina de carvão (Mina B3) no estado do Rio Grande do Sul, pertencente a Copelmi Mineração Ltda. Esta utiliza o desmonte com explosivos em todas as suas operações de lavra a céu aberto. Os dados apresentados são referentes ao ano de 2010, onde houve a implementação da otimização e padronização do desmonte de rocha com o uso de explosivos na tentativa de buscar uma fragmentação adequada do carvão bem como escavação do estéril. Por questões de sigilo os custos determinados nesse trabalho não serão definidos em valores absolutos. Os valores referentes aos custos indiretos de perfuração não foram considerados, já que são fixos e não iriam ser representativos nas oscilações ocorridas durante o processo de otimização, já os custos diretos foram determinados por variarem segundo a produção. Para apresentar a influência que existe nos principais custos da operação de P&D, que são a mão de obra, a perfuração e o desmonte, todos os fatores devem ser relacionados conforme o volume de rocha fragmentada. Fragmentação da Rocha A Mina B3 utiliza o método de lavra a céu aberto strip mining. Neste método de lavra tem-se como principal característica a remoção das camadas de cobertura compostas por rocha estéril, principalmente siltitos, para expor o minério, o carvão, caracterizando uma lavra seletiva. Como as rochas que compõe este depósito são brandas, não é necessária a utilização de grandes quantidades de energia para fragmentar a rocha, utilizando-se baixas razões de carga na ordem de 110 a 280 g/m³, resultando em um desmonte preso ou confinado, cujo grau de liberdade é mínimo. Para que não haja a diluição do carvão no estéril, a lavra seletiva é feita separadamente, optando-se por realizar o desmonte de rochas individualizado por camada. Para evitar a geração de matacos no carvão (oversize), Rosenhaim et al. (2011) [6] explicam que parte do estéril acima da camada de carvão é perfurada e desmontada junto com a

10 mesma, desta forma uma maior coluna de explosivo é posicionada na camada de carvão sendo o tampão localizado no material estéril imediatamente acima, resultando em uma maior energia focalizada no carvão. No caso da fragmentação do estéril, apenas uma pequena quantidade deste necessita ser fragmentado com o uso de explosivos, o que acaba por facilitar sua escavação, carregamento e transporte. Mesmo que as camadas de carvão possam ser escavadas mecanicamente elas são detonadas, a fim de obter uma melhor fragmentação com custo baixo [6]. Os explosivos utilizados na mina são emulsões encartuchadas e ANFO (nitrato de amônia e óleo mineral), sendo os cartuchos de emulsão utilizados como carga de fundo para a iniciação do ANFO (MUNARETTI, 2002) [7]. Tubos de choque com ou sem retardos são utilizados para iniciação das cargas de fundo, além das conexões de superfície furo a furo. Resultados Para a otimização do processo foram realizados previamente testes de sequenciamento de fogo para determinação da melhor forma de ligação entre furos (ROSENHAIM et al., 2011) [6]. A partir dos resultados obtidos foram implementadas alterações nos planos de fogo, modificando o afastamento e espaçamento das malhas de perfuração. Esta mudança levou a uma redução no número de furos necessários para atingir um mesmo volume de rocha desmontada e, também, na profundidade dos furos, pois com o melhor uso da energia foi possível aumentar a profundidade dos mesmos sem prejudicar a fragmentação do material e sem aumentar os níveis de vibração. A alteração na malha de desmonte gerou impactos nos custos das operações de P&D, visto que houve a redução no número de furos e o aumento da profundidade dos mesmos. O Gráfico 1 mostra a variação dos custos comparativos durante Os valores estão representados por custos por volume desmontado (R$/m³) e divididos em três categorias distintas: mão de obra (MOB), perfuração e desmonte. A categoria referente a mão de obra engloba os custos desta envolvidos tanto na perfuração quanto no desmonte, já que a mesma equipe é responsável por ambos os processos.

11 Variação dos custos (R$/m³) Relação dos custos mensais (R$/m³) Perfuração (R$/m³) Explosivos (R$/m³) MOB (R$/m³) Gráfico 1- Relação dos custos de mão de obra, perfuração e desmonte em O início do processo de implementação para otimização do desmonte ocorreu em Março de 2010, porém em Junho o mesmo já estava completamente implantado. Percebese que nos meses de Março a Maio houve uma redução nos custos em função das mudanças realizadas. O aumento na profundidade dos furos levou a uma redução em custos com perfuração, explosivos e acessórios, pois onde antes se faziam duas bancadas de perfuração passou-se a fazer somente uma com furos mais profundos, obtendo os mesmos volumes. A redução no número de furos implicou em redução de custos com explosivos, acessórios e metragem perfurada (ROSENHAIM et al., 2011) [6]. Em Junho, Julho e Agosto houve um incremento no material de descobertura, aumentando a quantidade de material a ser desmontado. Percebe-se que apesar do aumento nos custos de perfuração, os custos de mão de obra e explosivos não sofreram grandes oscilações. No mês de setembro houve um aumento de 24% na produção ROM, o que acarretou em um aumento da mão de obra, perfuração e explosivos. O Gráfico 2 resume os custos totais mensais durante o ano de Fica claro que as mudanças realizadas para otimização do desmonte foram positivas, principalmente entre os meses de março a agosto. O aumento dos custos no mês de setembro foi influenciado especialmente pelo fato de que houve um aumento de 5% na mão de obra, além da elevação dos custos de perfuração e explosivos (3% e 2% respectivamente).

12 Custo total mensal (R$/m³) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Gráfico 2- Custos totais mensais (R$/m³). Para visualizar o comportamento ao longo do ano de 2010, o Gráfico 3 foi elaborado apresentando a média dos custos totais envolvidos nas operações de P&D. Observa-se que os custos relativos aos explosivos (entende-se explosivos e acessórios) são os que oneram mais na operação, enquanto os custos com mão de obra oneram menos. O fato de que a operação de perfuração está entre ambos se dá principalmente pela dureza e abrasão da rocha, já que esta é considerada branda. O levantamento e análise dos dados envolvidos nas operações de P&D é de fundamental importância para a otimização do mesmo. O caso ilustrado mostra que por meio de um estudo aprofundado da sequência de iniciação e ligação dos furos foi possível realizar mudanças na malha de desmonte e estas acarretaram em uma diminuição dos custos por metro cúbico desmontado. Em média a diminuição nos custos de P&D foi de 7%. Média da variação anual dos custos (%) Perfuração Explosivos MOB Gráfico 3- Média da variação anual dos custos envolvidos nas operações de D&B.

13 Ao levarmos em conta que os custos de mão de obra são referentes às operações de perfuração e de desmonte (P&D), não podemos estimar qual a real influência desta em cada uma destas atividades. Sabe-se que a mão de obra para operar perfuratrizes acaba tendo custo elevado por se tratar de um processo com um elevado grau de dificuldade e árdua condição ambiental de trabalho, fato este que tem levado muitas mineradoras a empregar equipamentos automatizados. Para trabalhos futuros, espera-se determinar a influência dos custos de mão de obra que são específicos da operação de perfuração a fim de se estudar a possibilidade de adoção de equipamentos automatizados na operação de P&D. CONCLUSÕES A cadeia de produção de minério inicia nas operações unitárias de P&D onde o processo de fragmentação de rochas com o uso de explosivos é amplamente utilizado e muitas vezes mal aplicado. A identificação dos objetivos finais a serem alcançados e a otimização das operações são capazes de tornar o processo produtivo menos custoso, o que muitas vezes pode indicar maiores despesas com nas etapas de perfuração ou de desmonte. A identificação dos parâmetros envolvidos nos custos é o início de uma sequência de escolhas a serem tomadas, que indicarão qual o melhor caminho a seguir. Neste estudo foram abordadas as técnicas de cálculo que podem ser empregadas na estimativa dos custos envolvidos nas operações de P&D, o que torna possível realizar a análise da influência dos fatores que compõe o processo e o quanto afetam as estimativas. No estudo de caso as mudanças realizadas no processo de otimização do desmonte, levou ao melhor aproveitamento da energia do explosivo, agregando ao processo um aumento na produtividade dos equipamentos, diminuição no nível de vibração e ruído além da economia gerada na diminuição do número de furos. A análise do comportamento das oscilações referentes aos custos permitiu que fosse possível observar a relação entre eles, procurando identificar os setores onde as despesas são maiores e consequentemente onde um estudo mais aprofundado pode ser realizado. REFERÊNCIAS [1] HUSTRULID, W. (1999). Blasting Principles for Open Pit Mining. Vol. I. A.A. Balkema, Rotterdam. 1011p. [2] JIMENO, C. L.; JIMENO, E. L.; FRANCISCO J. A. C. (1995). Drilling and Blasting of Rock. Instituto Geologico y Minero de Espanã. Traduzido para o ingles. 300p. [3] HARTMAN, H. L.; BAUER E.; CROSBY W.A. In: KENNEDY, B. A. (1990). Surface Mining. 2ª edição.society of Mining, Metallurgy and Exploration, Inc. p ; [4] RAJPOT, M.A. (2009). The effect of fragmentation specification on blasting cost. Tese em Mestrado em Engenharia. Queen s University, Kingston, Ontario, Canada. 215f [5] OLOFSSON, S. O. (1990). Applied explosives technology for construction and mining. Applex, Suécia. 301p.

14 [6] ROSENHAIM, V. L.; MUNARETTI E. ;FEIJÓ J. F. L. ; KOPPE J. C. (2011). Otimização da fragmentação e minimização de vibrações por mudanças no grau de liberdade e sequenciamento do desmonte de carvão no RS. III Congresso Brasileiro de Carvão Mineral. Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil. 12f. [7] MUNARETTI, E. (2002). Desenvolvimento e Avaliação de Desempenho de Misturas Explosivas a Base de Nitrato de Amônio e Óleo Combustível.Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais. Porto Alegre, Brasil. 249f.

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Sarah R. Guazzelli Doutoranda PPGEM - UFRGS Sarah R. Guazzelli, Doutoranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS Jair C. Koppe, Professor,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS 12 PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS QUESTÃO 41: Um dos objetivos do planejamento de lavra a céu aberto (longo prazo é definir a cava ("pit" final. Várias metodologias são empregadas nesse processo.

Leia mais

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL Autores Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos INTRODUÇÃO Toda atividade

Leia mais

XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Custos e Formação do Preço de Venda em Perfuração de Poços 1) RECURSOS MATERIAIS CUSTO DE PERFURAÇÃO PELO SISTEMA ROTO-PNEUMÁTICO EM ROCHA COM MARTELO DE

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais (PPGEM) DESMONTE COM EXPLOSIVO

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO Júlio César de Souza 1 Ricardo Alves da Silva 2 Flávia de

Leia mais

O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD.

O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD. O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD. Carine Braga Orica Mining Services carine.braga@orica.com SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARES

Leia mais

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006 LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP Março 2006 História da Mineração Idade da Pedra 450.000 a 4.000 AC Idade do Bronze 4.000 a 1.500 AC Idade do Ferro

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO

RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO Edmo da Cunha Rodovalho Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal de Alfenas

Leia mais

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE Otimização da Preparação do Carvão para Combustão na Usina Termoelétrica de Candiota - RS: 1. Técnicas de Caracterização para Separação de Frações Granulométricas Inorgânicas Associadas ao Carvão S. R.

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Segurança, qualidade, satisfação do cliente e ética são valores que definem a Orica.

Segurança, qualidade, satisfação do cliente e ética são valores que definem a Orica. CATÁLOGO DE PRODUTOS Recentemente a Orica adquiriu a Dyno Nobel, demonstrando sua confiança no Brasil e ratificando sua posição de líder de mercado, oferecendo aos clientes a aplicação dos mais modernos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS

OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS Vitor L. Rosenhaim a, Enrique Munaretti b, Jõao F.L. Feijó c, Jair Carlos

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL V.S. Moreira 1, J.P.Resplandes 1, M.R. Neres 1, R.S. de Paiva

Leia mais

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS Carla Ferreira Vieira Martins Engenheira de Minas DNPM INTRODUÇÃO Os testes de carregamento

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS Objetivos: Apresentar noções básicas atualizadas das principais tecnologias e conhecimentos técnico-científicos aplicados nas operações de

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Leia mais

ESCAVAÇÕES CUIDADOSAS PERMITEM IMPLANTAÇÃO SEGURA DO VERTEDOURO COMPLEMENTAR DA UHE MASCARENHAS DE MORAES COM A USINA EM OPERAÇÃO

ESCAVAÇÕES CUIDADOSAS PERMITEM IMPLANTAÇÃO SEGURA DO VERTEDOURO COMPLEMENTAR DA UHE MASCARENHAS DE MORAES COM A USINA EM OPERAÇÃO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXV SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS SALVADOR, 12 A 15 DE OUTUBRO DE 2003 T92 A24 ESCAVAÇÕES CUIDADOSAS PERMITEM IMPLANTAÇÃO SEGURA DO VERTEDOURO COMPLEMENTAR DA UHE

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Otimização do Planejamento de Mina Longo Prazo em Córrego do

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Lavra de Mina Subterrânea

Lavra de Mina Subterrânea Lavra de Mina Subterrânea Descrição de Métodos de Lavra Subterrânea Para corpos de média/baixa inclinação Lavra por frente longa Longwall mining Sumário Generalidades Definição Aplicabilidade Desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I Prof. Geronimo Os britadores são equipamentos usados para a redução grosseira de grandes quantidades de sólidos como materiais rochosos, carvão,

Leia mais

Detalhes que se traduzem em lucros

Detalhes que se traduzem em lucros Detalhes que se traduzem em lucros 7/2013 Temos uma sobrecarga de dados. Durante as primeiras semanas de operação, o serviço de observação do espaço Sloan Digital Sky Survey (http://www.sdss.org) compilou

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas

Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Construção Civil I Execução de Fundações Indiretas Estaca a Trado Rotativo O trado é cravado no solo por meio de um torque; Quando o trado está cheio, é sacado e retirado o solo; Quando a cota de assentamento

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

Lavra com pilares esbeltos em corpos sobrepostos previamente lavrados pelo método de Câmaras e Pilares

Lavra com pilares esbeltos em corpos sobrepostos previamente lavrados pelo método de Câmaras e Pilares Lavra com pilares esbeltos em corpos sobrepostos previamente lavrados pelo método de Câmaras e Pilares Diogo Braga Brandani Mineração Serra Grande, Crixás, Brasil, dibrandani@serragrande.com.br Dr. Fernando

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento

Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Conceitos essenciais sobre mancais de rolamento e de deslizamento Débora Ariana Correa da Silva Érika Barbosa dos Santos Prof. Dr. Ulysses de Barros Fernandes Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC - 1982) INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Nº 22A/01 - DFPC PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

Motores para geração de energia

Motores para geração de energia Motores para geração de energia SCANIA MOTORES PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Motores para gerar energia e excelentes resultados. As demandas por segurança, confiabilidade e eficiência na geração de energia crescem

Leia mais

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118 SUMÁRIO 1 As máquinas possibilitam a construção 1 Ser competitivo 1 A história dos equipamentos de construção 3 O setor da construção civil 10 Segurança 11 Os contratos de construção civil 13 O planejamento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (PIBIC-Af) EDITAL Nº 004/2015-PROPPG,

Leia mais

MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO

MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO FUNCIONAMENTO E OPERAÇÃO DA MÁQUINA. Projeto e fabricação Aprovado de acordo

Leia mais

AUMENTO DA PRODUTIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE GALERIAS

AUMENTO DA PRODUTIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE GALERIAS AUMENTO DA PRODUTIVIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE GALERIAS Alexandre Magno Kalil Miranda alexandre.kalil@mcsa.com.br Coordenador de Produção e Operação da Mina Subterrânea; Graduação em Engenharia de Minas

Leia mais

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1 MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, é um sistema de

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior Apresentação: Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Órgão integrante da Justiça Eleitoral O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior eleitorado do país (11.563.483 eleitores) 249 Cartórios Eleitorais

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO GRÁFICO DE ESTABILIDADE CONSIDERANDO O CONTEXTO GEOMECÂNICO BRASILEIRO

CONTRIBUIÇÃO AO GRÁFICO DE ESTABILIDADE CONSIDERANDO O CONTEXTO GEOMECÂNICO BRASILEIRO CONTRIBUIÇÃO AO GRÁFICO DE ESTABILIDADE CONSIDERANDO O CONTEXTO GEOMECÂNICO BRASILEIRO Autores: Michel Melo Oliveira Cláudio Lúcio Lopes pinto José Ildefonso Gusmão Dutra 07/08/2014 Introdução O Sublevel

Leia mais

MELHORIAS E CONTROLES DE PROCESSOS = QUALIDADE

MELHORIAS E CONTROLES DE PROCESSOS = QUALIDADE MELHORIAS E CONTROLES DE PROCESSOS = QUALIDADE Luciano Leo, Eng. Luciano Eichemberger, Geol. Francelino de Camargo Pujol, Carlos Alberto Sibinel Abstract The Process Control is a parameter for the company,

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

MINUTA DE ESPECIFICAÇÕES E CONDIÇÕES Fornecimento de Volantes e Bobinas térmicas AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 30/11/2004

MINUTA DE ESPECIFICAÇÕES E CONDIÇÕES Fornecimento de Volantes e Bobinas térmicas AUDIÊNCIA PÚBLICA DE 30/11/2004 Fls.1 1 DO OBJETO 1.1 Constitui objeto da presente licitação o fornecimento de Volantes de Loterias e Bobinas, pelo período de 36 (trinta e seis) meses, em conformidade com os requisitos e condições do

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS Bruni & Fama (2007), explicam que a depender do interesse e da metodologia empregada, diferentes são as classificações empregadas na contabilidade de custos. Os sistemas,

Leia mais

Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo

Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo Alimentos e eletricidade respondem pela deflação em São Paulo Pelo segundo mês consecutivo, o custo de vida no município de São Paulo registrou taxa negativa de 0,17%, segundo cálculo do DIEESE - Departamento

Leia mais

4 Descrição do processo de lavra em minas a céu aberto

4 Descrição do processo de lavra em minas a céu aberto 46 4 Descrição do processo de lavra em minas a céu aberto Neste capítulo, serão apresentados conceitos gerais relacionados ao processo de lavra em minas a céu aberto, assim como uma descrição do funcionamento

Leia mais

Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul

Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul Curso Superior de Tecnologia em Mineração (CSTM) Curso Curso Docentes A Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), criada em 2006 com estrutura

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA 1 2 INTRODUÇÃO Obrigado por adquirir nosso produto e confiar na marca BOOG. Esteja certo de que você acaba de adquirir um produto de eficiente desempenho,

Leia mais

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear

6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6 Ações Mecânicas Principais sobre Edificações de uma Usina Nuclear 6.1 Forças sobre estruturas civis sensíveis Na avaliação da força sobre a estrutura é utilizada a relação força/velocidade descrita pela

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA VISCOSIDADE NO COMPORTAMENTO DA ATOMIZAÇÃO EM UM SPRAY DRYER DE DISCO ROTATIVO

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA VISCOSIDADE NO COMPORTAMENTO DA ATOMIZAÇÃO EM UM SPRAY DRYER DE DISCO ROTATIVO TÍTULO: INFLUÊNCIA DA VISCOSIDADE NO COMPORTAMENTO DA ATOMIZAÇÃO EM UM SPRAY DRYER DE DISCO ROTATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 A Reitoria do, por meio da (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

CONTROLE DE VIBRAÇÕES CAUSADAS POR DETONAÇÕES ATRAVÉS DE BARREIRAS DE AMORTECIMENTO

CONTROLE DE VIBRAÇÕES CAUSADAS POR DETONAÇÕES ATRAVÉS DE BARREIRAS DE AMORTECIMENTO CONTROLE DE VIBRAÇÕES CAUSADAS POR DETONAÇÕES ATRAVÉS DE BARREIRAS DE AMORTECIMENTO Luis Antonio Abadi e Silva, MSG, Engenheiro pleno, luisantonioabadi@yahoo.com.br João Felipe Coimbra Leite Costa, UFRGS,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Equipamento de Compactação. Built to last

Equipamento de Compactação. Built to last Built to last Equipamento de Compactação Placas Vibratórias de Solo e Asfalto Trabalhos fortes exigem máquinas fortes Projetada para atender as altas demandas das empresas de aluguel e empreiteiras, a

Leia mais

INDÚSTRIA E COMÉRCIO TECNOAVANCE LTDA.

INDÚSTRIA E COMÉRCIO TECNOAVANCE LTDA. INDÚSTRIA E COMÉRCIO TECNOAVANCE LTDA. MANUAL TÉCNICO DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO CABINA DE PINTURA A PÓ MODELO: KCP-DM/DA SEM SILHUETA 1 Prezado Cliente: Temos a grata satisfação de estar entregando mais

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO.

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. Ed Carlo Rosa Paiva Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil e Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

TRICANTER FLOTTWEG UMA CENTRÍFUGA DECANTER VERSÁTIL E DE ALTA QUALIDADE O melhor em separação de três fases

TRICANTER FLOTTWEG UMA CENTRÍFUGA DECANTER VERSÁTIL E DE ALTA QUALIDADE O melhor em separação de três fases TRICANTER FLOTTWEG UMA CENTRÍFUGA DECANTER VERSÁTIL E DE ALTA QUALIDADE O melhor em separação de três fases O TRICANTER E O IMPULSOR VARIÁVEL Separação de três fases versátil e eficiente Por mais de 40

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013

Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Análise Estrutural de Cilindros Revestidos de Compósitos para Armazenamento de GNV. Autor: Fernando F. M. Corrêa de Guamá Abril - 2013 Projeto final de Graduação apresentado a banca do corpo docente do

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais