ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO"

Transcrição

1 ANÁLISE DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES DE PERFURAÇÃO E DESMONTE DE ROCHAS COM UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS EM MINAS A CÉU ABERTO S. R. Guazzelli, Mestranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS J. C. Koppe, Professor, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS E. Munaretti, Professor, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS V. L. Rosenhaim, Engenheiro de Minas, M.Sc., Copelmi Mineração Ltda J.F.L. Feijó, Engenheiro de Minas, Copelmi Mineração Ltda RESUMO A escolha e a adequação dos objetivos a serem alcançados em um projeto de lavra devem ser feitas de forma que o tornem viável. Várias opções podem ser selecionadas e a escolha de cada uma destas irá agregar diferentes custos e resultados. A perfuração e desmonte (P&D) de rochas constituem as operações unitárias mais importantes na área de produção ocorrendo no início da cadeia produtiva repercutindo nas operações subsequentes. A seleção dos objetivos de fragmentação da rocha é o início de uma série de escolhas que devem ser feitas com o intuito de obter a otimização do desmonte com o menor custo. Neste trabalho apresentam-se os principais aspectos a serem considerados numa análise de custos nas operações de P&D. Como ilustração, é apresentado um estudo de caso envolvendo uma mina de carvão a céu aberto. Palavras-chave: Projeto de mineração; Perfuração; Desmonte; Custos. ABSTRACT The choice and appropriateness of the objectives to be achieved in a mining project must be interpreted in such way that will make the project viable. A wide range of options can be selected and it will add to the project different costs and outcomes. The drilling and blasting (D&B) are the most important unit operations in the production area starting in the beginning of the production chain and affecting the downstream operations. The objectives selection of the rock fragmentation is the beginning of a series of choices that must be made with the aim to optimize the extraction at the lowest cost. In this paper the main aspects to be considered in the analyses of D&B operation costs are presented. As an illustration, a case study in an open pit coal mine is shown. Keywords: Mining Projects; Drilling; Blasting; Costs.

2 INTRODUÇÃO Na grande maioria dos projetos de mineração estão presentes as operações de perfuração e desmonte (P&D) de rochas com o uso de explosivos, apenas em alguns casos esta técnica é substituída pela aplicação de outro método, como água pressurizada ou desmonte mecânico, que são utilizados para o processo de fragmentação [1]. No ciclo de operações que envolvem a produção, a perfuração antecede o desmonte, servindo como estrutura para que o mesmo ocorra. Esses processos são os responsáveis pelo desenvolvimento e produção da mina, tendo repercussão nas operações subsequentes de lavra e beneficiamento. O presente trabalho objetiva abordar os custos envolvidos nestas operações, limitando-se à minerações a céu aberto, visto que em minas subterrâneas existem diversos outros fatores relevantes que agregam custos nestas operações e que não serão aqui abordados. Tratando-se de projetos de mineração tem-se uma grande variedade de atividades e processos que são identificados e estimados com a intenção de reduzir os custos e ao mesmo tempo agregar valor ao produto final. Nos processos abordados, o objetivo maior é adequar a produção a uma determinada fragmentação para projetar um desmonte que atenda a estas especificações, de forma a minimizar os custos deste e simultaneamente das etapas seguintes (carregamento, transporte, cominuição). Os principais elementos que formam os custos nas operações de perfuração e desmonte são identificados em custos variáveis, que englobam os custos diretos envolvidos na operação dos equipamentos, como mão de obra e materiais de consumo, e os fixos que são os custos indiretos, como taxas e depreciação dos equipamentos. Vários fatores afetam diretamente os custos, como a razão de carga, a geologia do depósito, o tipo de explosivo, a fragmentação desejada e qual o padrão da pilha a ser gerada, entre outros. CUSTOS DE PERFURAÇÃO Os custos de perfuração são expressos por metro de rocha perfurada ($/m) e são a soma dos custos diretos e indiretos envolvidos neste processo. Eles incluem os custos de operação do equipamento, reparos, manutenção, aquisição de materiais e suprimentos, como energia. A equação 1 resume todos os custos na mesma fórmula envolvendo a soma de todos eles dividido pela produtividade da perfuratriz (média da taxa de perfuração do equipamento). (1) Onde na fórmula tem-se: C TD : custo total de perfuração ($/m); C A : depreciação ($/h); C I : taxa de juros e seguro ($/h); C M : manutenção e reparos ($/h); C O : mão de obra ($/h);

3 C E : combustível ou energia ($/h) ; C L : óleo, graxa e filtros ($/h); C B : bits, hastes, luvas ($/h); P r : produtividade da perfuratriz (m/h). Os custos da operação de perfuração podem ser divididos em duas partes significativas, o que o equipamento consome por comprimento de furo perfurado e a estimativa do que a perfuratriz gasta. Esta estimativa pode ser transformada em custo por comprimento de furo perfurado com base na taxa de perfuração do equipamento, onde esta medida influencia em praticamente todos os parâmetros, exceto o consumo de peças, como bits. Portanto pode-se reescrever a equação 1 pela equação 2 (Jimeno et al., 1995) [2]. (2) Onde, Vd é a taxa de perfuração (m/h). A taxa de perfuração se torna um importante parâmetro no cálculo dos custos, portanto, é necessária a sua determinação que pode ser feita com auxílio de dados experimentais ou pelas informações fornecidas pelo fabricante. A equação 3 (Hartman, 1990) [3] é um exemplo de fórmula experimental. (3) Onde V d é a taxa de perfuração experimental; V/ t é a média de volume removido em um intervalo de tempo (m³/h); A é a área do furo (m²). Em casos onde não é viável a realização da coleta de dados experimentais, pode-se obter a taxa de perfuração por meio de informações dos fabricantes, dados os parâmetros observados pelos mesmos para determinado diâmetro de furo (Jimeno et al., 1995) [2] como mostra a equação 4. (4) Onde V d1 é uma taxa de perfuração observada em determinado diâmetro d 1 e V d2 é a taxa que se deseja saber para um diâmetro d 2. Sabe-se que a resistência e dureza da rocha influenciam na taxa de perfuração, sendo inversamente proporcional à resistência a compressão uniaxial da rocha (UCS). Alguns fabricantes fornecem a taxa de perfuração em função da UCS, como para perfuratrizes percussivas. Neste caso pode-se obter o resultado aplicando a equação 5 (Jimeno et al., 1995) [2]. (5)

4 Onde V d(c) é a taxa de perfuração procurada; V d(g) é a taxa de perfuração fornecida; U c(g) é o valor da UCS (MPa) da rocha fornecida; U C(C) é o valor da UCS (MPa) da rocha a qual se deseja encontrar a taxa de perfuração. Nas perfuratrizes rotativas a taxa de perfuração é inversamente proporcional a UCS da rocha. Se algum fator como o diâmetro do furo e o diâmetro do bit mudar, tem-se uma mudança, também, na taxa de perfuração. Neste caso assume-se que estes fatores continuam os mesmos, o que irá ser alterado, quando se muda a UCS da rocha, é a força de pressão exercida e o número de revoluções. Assim utiliza-se a equação 6 (Jimeno et al., 1995) [2]. (6) Onde novamente os parâmetros são referentes ao fornecido pelo fabricante. A partir da determinação da taxa de perfuração o custo de perfuração pode ser determinado. Custos indiretos Os custos indiretos são independentes da produção, ou seja, estes custos não variam conforme a produtividade, pois englobam valores de aquisição, investimentos e depreciação de equipamentos. Os custos de investimento incluem taxas e impostos, já a depreciação é calculada de forma direta. Taxas, juros e seguro: estes valores são variáveis conforme a localidade e podem ser calculados com a equação 7 (Jimeno et al., 1995) [2]. (7) Onde na fórmula tem-se: C I : custos de juros e seguro; N: vida útil da perfuratriz (anos); P p : preço de compra; I: juros (%); I n : seguro (%); T: taxas (%); W h : horas trabalhadas/ano (h/a). Depreciação: a deteriorização causada pelo uso e pelo envelhecimento do equipamento, conjuntamente a desvalorização do mesmo, são a base para o cálculo da depreciação. A equação 8 (Jimeno et al., 1995) [2] apresenta a fórmula de cálculo sugerida. (8)

5 Considerando as duas fórmulas apresentadas, conclui-se que os custos totais indiretos ($/h) são iguais a soma dos custos de investimento ($/h) com os custos de depreciação ($/h) do equipamento. Custos diretos Os custos diretos envolvem gastos variáveis conforme a produtividade. Custos de manutenção: são baseados em dois fatores principais, manutenção preventiva e reparos. A manutenção preventiva pode ser estimada como sendo cerca de 15% a 20% dos custos com energia (Jimeno et al., 1995) [2]. O custo de manutenção é a soma dos custos totais de lubrificação, filtros e mão de obra necessária. Ele é expresso em termos de disponibilidade mecânica (Rajpot, 2009) [4] como mostra a equação 9. (9) Onde M A é a disponibilidade mecânica do equipamento; T O é o tempo operacional; T m é o tempo de manutenção. Os custos de reparos são baseados no histórico do equipamento para se obter um fator de interpolação para estimativas futuras prevendo possíveis gastos. Ele é fornecido como uma porcentagem do preço de entrega do equipamento. Pode ser calculado pela equação 10 (Rajpot, 2009) [4]. (10) Onde C R é o custo com reparos; P d é o preço de entrega; I f é o fator de interpolação. Jimeno et al. [2] explica que quando os custos de manutenção incluem os gastos com a manutenção preventiva e paradas repentinas deve-se considerar um fator de reparo, como mostra a equação 11. (11) Onde F r é o fator de reparo disponível no manual do fabricante. Caso o fator de reparo fornecido não inclua os encargos com a mão de obra, podese utilizar a equação 12 para simplificar os custos de manutenção, como sugerido por Rajpot (2009) [4]. (12)

6 Custos de operação: incluem o salário do operador e assistente com todos os benefícios concedidos. Custos com combustível ou energia: para o cálculo do consumo de combustível ou energia deve-se utilizar as especificações do fabricante. A equação 13 e a equação 14 sugeridas por Jimeno et al. (1995) [2] calculam o custo em função da potência do motor e o preço do combustível ou energia, respectivamente. (13) (14) Custo de peças: a dureza da rocha tem grande influência no consumo de bits, barras, hastes, luvas, martelo, etc. Como o consumo destas peças depende da mesma, seu custo pode variar entre 15 a 40% das despesas totais com perfuração. Os gastos com bit ou martelo são calculados como o custo total pela vida útil do mesmo. No caso de perfuratriz rotativa a equação 15 (Jimeno et al.,1995) [2] pode ser utilizada para calcular a vida útil do bit, caso não seja fornecida. (15) Onde d é o diâmetro (in); E d é a força aplicada (10³ lb); N r é velocidade de rotação (r/min); V d taxa de perfuração (m/h). O custo com barras não pode ser aplicado da mesma forma por variarem conforme o comprimento do furo e o tamanho da barra. O número de barras inseridas em série em um furo é utilizado para achar este custo (Rajpot, 2009) [4] como mostrado na Equação 16. (16) Custos de perfuração por m³ de rocha fragmentada Depois de realizado o levantamento de todos os fatores que afetam os custos de perfuração, necessita-se obter qual o custo por m³ de rocha fragmentada, já que ao estimarse os custos de desmonte tem-se o resultado por volume de rocha. A equação 17 (Rajpot, 2009) [4] mostra que para esta determinação basta considerar a altura da bancada, o afastamento e o volume total de rocha que foi fragmentada. (17)

7 Onde C TD é o custo total por metro ($/m); H b é a altura da bancada (m); B é o afastamento (m); V O é o volume total de rocha de fragmentada (m³). CUSTOS DE DESMONTE Na maior parte dos casos de minerações a céu aberto, é necessário a utilização de explosivos para a fragmentação da rocha no processo de produção. Sendo assim, o uso desta técnica se torna de fundamental importância, pois quando não é aplicada com sucesso pode colocar em risco a viabilidade do empreendimento. Os principais fatores que afetam no resultado do desmonte são as propriedades dos explosivos utilizados, a sua distribuição, a sequência de iniciação, a geometria utilizada, as caracteristicas do maciço rochoso e suas estruturas. Todos estes fatores se somam nas escolhas que devem ser tomadas, a fim de se obter o melhor padrão de desmonte com o menor custo. Erroneamente, muitas vezes faz-se a seleção do explosivo de menor custo, não levando em consideração outros fatores que influenciam na otimização da fragmentação, como a sequência do desmonte e o tempo de retardo. Os custos de desmonte são classificados com base no volume de produção. Ele engloba fatores como as taxas de transporte e entrega, a quantidade de explosivos carregados e acessórios usados por furo, bem como a mão de obra contratada. Em grande parte dos casos ocorre a terceirização do serviço, que inclui desde o transporte ao local do desmonte até o carregamento dos furos, com taxas de mão de obra especializada. Ela pode ser cobrada por carregamento, ou por dia, dependendo do caso, incluindo os custos de acessórios utilizados. A soma de todos estes fatores resulta nos custos de desmonte, como mostrado na equação 18. Onde C D é o custo do desmonte ($/furo); C T é o custo de transporte e entrega ($/furo); C MO é o custo de mão de obra ($/furo); C EX é o custo de explosivos ($/furo); C AC é o custo de acessórios ($/furo). Nos casos onde o serviço é contratado por empresa terceirizada a mesma fórmula pode ser aplicada, considerando que o preço fixo pago por carregamento pode ser transformado em $/furo. Os custos podem ser divididos em: Custos de transporte e de entrega: inclui o frete e manuseio dos veículos até o local de desmonte. Os fornecedores cotam os preços de forma diferente, o que explica as diferenças encontradas no mercado. Muitas empresas contratam sistemas de entrega com maior eficiência, que transportam o explosivo e carregam os furos por bombeamento. (18)

8 Custos de mão de obra: incluem os funcionários envolvidos na operação, desde o motorista responsável pelo transporte da carga de explosivos, ao blaster e, quando possuir, assistente. Custos de explosivos e acessórios: variam conforme a quantidade de explosivos utilizados. Os explosivos são vendidos por saco ou a granel. Os custos de detonadores calculados por unidade dependem do tamanho do fio necessário para cada furo. Os acessórios menores são os conectores, cabos, etc. e não são de relevância no custo final, portanto não serão aqui abordados. Cálculo do custo de desmonte por furo Os custos por furo variam conforme as especificações da fragmentação necessária e consequentemente do diâmetro do furo. A partir do dimensionamento dos furos e da malha de perfuração, a razão de carga necessária para atender as especificações da fragmentação pode ser calculada. Com os dados obtidos pode-se determinar a quantidade de explosivos por furo, chamado de peso de carga (kg/furo) pela equação 19 (Olofsson, 1990) [5]. (19) Onde Q é o peso de carga (kg/furo); L b é a razão de carga (kg/m); H é a profundidade do furo; T é o tampão. A tabela 1 resume os parâmetros a serem considerados no custo total do desmonte em custos/furo. Tabela I - Fórmulas sugeridas para o cálculo do desmonte ($/furo) Custo de transporte e entrega de explosivos (C T ) kg/transporte $/transporte $/kg kg/furo (Q) $/furo x y y/x Q (y/x)*q Custos de mão de obra (C MO ) motorista blaster assistente total de furos $/furo m b a T f (m+b+a)/t f Tipo (granel/polpa) tipo (item/caixa) Custos de explosivos (C EX ) kg/unidade $/unidade $/kg kg/furo (Q) $/furo g f f/g Q (f/g)*q Custo de detonadores (C AC ) unidades/caixa $/caixa $/unidade unidades/furo $/furo u c c/u w (c/u)*w A transformação de $/furo para $/m³ é necessária, já que a base do cálculo é o volume de material fragmentado. Para tanto basta multiplicar o custo total do desmonte ($/furo) pelo número de furos/m³ de volume de rocha fragmentada.

9 CUSTOS TOTAIS DO DESMONTE POR VOLUME DE ROCHA FRAGMENTADA Os custos estimados de perfuração e desmonte, quando usados separadamente, não fornecem o custo da produção, já que este valor irá depender diretamente do volume total fragmentado e os custos envolvidos no processo. Sendo assim, apresenta-se o custo total da operação por volume de rocha fragmentada na equação 20 (Rajpot, 2009) [4]. Onde C TD e C D são em $/m³. (20) ESTUDO DE CASO Com o objetivo de analisar as diferentes influências de cada fator previamente discutido nos custos totais das operações de P&D, realizou-se um estudo de caso. Foi escolhida uma mina de carvão (Mina B3) no estado do Rio Grande do Sul, pertencente a Copelmi Mineração Ltda. Esta utiliza o desmonte com explosivos em todas as suas operações de lavra a céu aberto. Os dados apresentados são referentes ao ano de 2010, onde houve a implementação da otimização e padronização do desmonte de rocha com o uso de explosivos na tentativa de buscar uma fragmentação adequada do carvão bem como escavação do estéril. Por questões de sigilo os custos determinados nesse trabalho não serão definidos em valores absolutos. Os valores referentes aos custos indiretos de perfuração não foram considerados, já que são fixos e não iriam ser representativos nas oscilações ocorridas durante o processo de otimização, já os custos diretos foram determinados por variarem segundo a produção. Para apresentar a influência que existe nos principais custos da operação de P&D, que são a mão de obra, a perfuração e o desmonte, todos os fatores devem ser relacionados conforme o volume de rocha fragmentada. Fragmentação da Rocha A Mina B3 utiliza o método de lavra a céu aberto strip mining. Neste método de lavra tem-se como principal característica a remoção das camadas de cobertura compostas por rocha estéril, principalmente siltitos, para expor o minério, o carvão, caracterizando uma lavra seletiva. Como as rochas que compõe este depósito são brandas, não é necessária a utilização de grandes quantidades de energia para fragmentar a rocha, utilizando-se baixas razões de carga na ordem de 110 a 280 g/m³, resultando em um desmonte preso ou confinado, cujo grau de liberdade é mínimo. Para que não haja a diluição do carvão no estéril, a lavra seletiva é feita separadamente, optando-se por realizar o desmonte de rochas individualizado por camada. Para evitar a geração de matacos no carvão (oversize), Rosenhaim et al. (2011) [6] explicam que parte do estéril acima da camada de carvão é perfurada e desmontada junto com a

10 mesma, desta forma uma maior coluna de explosivo é posicionada na camada de carvão sendo o tampão localizado no material estéril imediatamente acima, resultando em uma maior energia focalizada no carvão. No caso da fragmentação do estéril, apenas uma pequena quantidade deste necessita ser fragmentado com o uso de explosivos, o que acaba por facilitar sua escavação, carregamento e transporte. Mesmo que as camadas de carvão possam ser escavadas mecanicamente elas são detonadas, a fim de obter uma melhor fragmentação com custo baixo [6]. Os explosivos utilizados na mina são emulsões encartuchadas e ANFO (nitrato de amônia e óleo mineral), sendo os cartuchos de emulsão utilizados como carga de fundo para a iniciação do ANFO (MUNARETTI, 2002) [7]. Tubos de choque com ou sem retardos são utilizados para iniciação das cargas de fundo, além das conexões de superfície furo a furo. Resultados Para a otimização do processo foram realizados previamente testes de sequenciamento de fogo para determinação da melhor forma de ligação entre furos (ROSENHAIM et al., 2011) [6]. A partir dos resultados obtidos foram implementadas alterações nos planos de fogo, modificando o afastamento e espaçamento das malhas de perfuração. Esta mudança levou a uma redução no número de furos necessários para atingir um mesmo volume de rocha desmontada e, também, na profundidade dos furos, pois com o melhor uso da energia foi possível aumentar a profundidade dos mesmos sem prejudicar a fragmentação do material e sem aumentar os níveis de vibração. A alteração na malha de desmonte gerou impactos nos custos das operações de P&D, visto que houve a redução no número de furos e o aumento da profundidade dos mesmos. O Gráfico 1 mostra a variação dos custos comparativos durante Os valores estão representados por custos por volume desmontado (R$/m³) e divididos em três categorias distintas: mão de obra (MOB), perfuração e desmonte. A categoria referente a mão de obra engloba os custos desta envolvidos tanto na perfuração quanto no desmonte, já que a mesma equipe é responsável por ambos os processos.

11 Variação dos custos (R$/m³) Relação dos custos mensais (R$/m³) Perfuração (R$/m³) Explosivos (R$/m³) MOB (R$/m³) Gráfico 1- Relação dos custos de mão de obra, perfuração e desmonte em O início do processo de implementação para otimização do desmonte ocorreu em Março de 2010, porém em Junho o mesmo já estava completamente implantado. Percebese que nos meses de Março a Maio houve uma redução nos custos em função das mudanças realizadas. O aumento na profundidade dos furos levou a uma redução em custos com perfuração, explosivos e acessórios, pois onde antes se faziam duas bancadas de perfuração passou-se a fazer somente uma com furos mais profundos, obtendo os mesmos volumes. A redução no número de furos implicou em redução de custos com explosivos, acessórios e metragem perfurada (ROSENHAIM et al., 2011) [6]. Em Junho, Julho e Agosto houve um incremento no material de descobertura, aumentando a quantidade de material a ser desmontado. Percebe-se que apesar do aumento nos custos de perfuração, os custos de mão de obra e explosivos não sofreram grandes oscilações. No mês de setembro houve um aumento de 24% na produção ROM, o que acarretou em um aumento da mão de obra, perfuração e explosivos. O Gráfico 2 resume os custos totais mensais durante o ano de Fica claro que as mudanças realizadas para otimização do desmonte foram positivas, principalmente entre os meses de março a agosto. O aumento dos custos no mês de setembro foi influenciado especialmente pelo fato de que houve um aumento de 5% na mão de obra, além da elevação dos custos de perfuração e explosivos (3% e 2% respectivamente).

12 Custo total mensal (R$/m³) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Gráfico 2- Custos totais mensais (R$/m³). Para visualizar o comportamento ao longo do ano de 2010, o Gráfico 3 foi elaborado apresentando a média dos custos totais envolvidos nas operações de P&D. Observa-se que os custos relativos aos explosivos (entende-se explosivos e acessórios) são os que oneram mais na operação, enquanto os custos com mão de obra oneram menos. O fato de que a operação de perfuração está entre ambos se dá principalmente pela dureza e abrasão da rocha, já que esta é considerada branda. O levantamento e análise dos dados envolvidos nas operações de P&D é de fundamental importância para a otimização do mesmo. O caso ilustrado mostra que por meio de um estudo aprofundado da sequência de iniciação e ligação dos furos foi possível realizar mudanças na malha de desmonte e estas acarretaram em uma diminuição dos custos por metro cúbico desmontado. Em média a diminuição nos custos de P&D foi de 7%. Média da variação anual dos custos (%) Perfuração Explosivos MOB Gráfico 3- Média da variação anual dos custos envolvidos nas operações de D&B.

13 Ao levarmos em conta que os custos de mão de obra são referentes às operações de perfuração e de desmonte (P&D), não podemos estimar qual a real influência desta em cada uma destas atividades. Sabe-se que a mão de obra para operar perfuratrizes acaba tendo custo elevado por se tratar de um processo com um elevado grau de dificuldade e árdua condição ambiental de trabalho, fato este que tem levado muitas mineradoras a empregar equipamentos automatizados. Para trabalhos futuros, espera-se determinar a influência dos custos de mão de obra que são específicos da operação de perfuração a fim de se estudar a possibilidade de adoção de equipamentos automatizados na operação de P&D. CONCLUSÕES A cadeia de produção de minério inicia nas operações unitárias de P&D onde o processo de fragmentação de rochas com o uso de explosivos é amplamente utilizado e muitas vezes mal aplicado. A identificação dos objetivos finais a serem alcançados e a otimização das operações são capazes de tornar o processo produtivo menos custoso, o que muitas vezes pode indicar maiores despesas com nas etapas de perfuração ou de desmonte. A identificação dos parâmetros envolvidos nos custos é o início de uma sequência de escolhas a serem tomadas, que indicarão qual o melhor caminho a seguir. Neste estudo foram abordadas as técnicas de cálculo que podem ser empregadas na estimativa dos custos envolvidos nas operações de P&D, o que torna possível realizar a análise da influência dos fatores que compõe o processo e o quanto afetam as estimativas. No estudo de caso as mudanças realizadas no processo de otimização do desmonte, levou ao melhor aproveitamento da energia do explosivo, agregando ao processo um aumento na produtividade dos equipamentos, diminuição no nível de vibração e ruído além da economia gerada na diminuição do número de furos. A análise do comportamento das oscilações referentes aos custos permitiu que fosse possível observar a relação entre eles, procurando identificar os setores onde as despesas são maiores e consequentemente onde um estudo mais aprofundado pode ser realizado. REFERÊNCIAS [1] HUSTRULID, W. (1999). Blasting Principles for Open Pit Mining. Vol. I. A.A. Balkema, Rotterdam. 1011p. [2] JIMENO, C. L.; JIMENO, E. L.; FRANCISCO J. A. C. (1995). Drilling and Blasting of Rock. Instituto Geologico y Minero de Espanã. Traduzido para o ingles. 300p. [3] HARTMAN, H. L.; BAUER E.; CROSBY W.A. In: KENNEDY, B. A. (1990). Surface Mining. 2ª edição.society of Mining, Metallurgy and Exploration, Inc. p ; [4] RAJPOT, M.A. (2009). The effect of fragmentation specification on blasting cost. Tese em Mestrado em Engenharia. Queen s University, Kingston, Ontario, Canada. 215f [5] OLOFSSON, S. O. (1990). Applied explosives technology for construction and mining. Applex, Suécia. 301p.

14 [6] ROSENHAIM, V. L.; MUNARETTI E. ;FEIJÓ J. F. L. ; KOPPE J. C. (2011). Otimização da fragmentação e minimização de vibrações por mudanças no grau de liberdade e sequenciamento do desmonte de carvão no RS. III Congresso Brasileiro de Carvão Mineral. Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil. 12f. [7] MUNARETTI, E. (2002). Desenvolvimento e Avaliação de Desempenho de Misturas Explosivas a Base de Nitrato de Amônio e Óleo Combustível.Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais. Porto Alegre, Brasil. 249f.

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Sarah R. Guazzelli Doutoranda PPGEM - UFRGS Sarah R. Guazzelli, Doutoranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS Jair C. Koppe, Professor,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS

PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS 12 PROVA ESPECÍFICA DE ENGENHARIA DE MINAS QUESTÃO 41: Um dos objetivos do planejamento de lavra a céu aberto (longo prazo é definir a cava ("pit" final. Várias metodologias são empregadas nesse processo.

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos

Autores. Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL Autores Júlio César de Souza Ricardo Alves da Silva Flávia de Freitas Bastos INTRODUÇÃO Toda atividade

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM UMA MINA DE CARVÃO A CÉU ABERTO UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DOS CUSTOS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM UMA MINA DE CARVÃO A CÉU ABERTO UM ESTUDO DE CASO 102 ANÁLISE DOS CUSTOS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM UMA MINA DE CARVÃO A CÉU ABERTO UM ESTUDO DE CASO Sarah R. Guazzelli a, Jair C. Koppe b, Enrique Munaretti c, Vitor L. Rosenhaim d & João F. L. Feijó

Leia mais

XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Custos e Formação do Preço de Venda em Perfuração de Poços 1) RECURSOS MATERIAIS CUSTO DE PERFURAÇÃO PELO SISTEMA ROTO-PNEUMÁTICO EM ROCHA COM MARTELO DE

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS Carla Ferreira Vieira Martins Engenheira de Minas DNPM INTRODUÇÃO Os testes de carregamento

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006 LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP Março 2006 História da Mineração Idade da Pedra 450.000 a 4.000 AC Idade do Bronze 4.000 a 1.500 AC Idade do Ferro

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DA MINERAÇÃO DE GIPSITA NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE, PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE DE EFICIÊNCIA NA LAVRA A CÉU ABERTO Júlio César de Souza 1 Ricardo Alves da Silva 2 Flávia de

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO

RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO RELAÇÃO ENTRE ASPECTOS GEOMÉTRICOS DO MÉTODO DE LAVRA POR TIRAS E A PRODUTIVIDADE DAS OPERAÇÕES DE DECAPEAMENTO Edmo da Cunha Rodovalho Instituto de Ciência e Tecnologia Universidade Federal de Alfenas

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

1. DA CONCORRÊNCIA AOS PROBLEMAS ENFRENTADOS NO PROCESSO DE MANUFATURA.

1. DA CONCORRÊNCIA AOS PROBLEMAS ENFRENTADOS NO PROCESSO DE MANUFATURA. AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DO PROCESSO DE MANUFATURA DE UMA EMPRESA DO SEGMENTO ALIMENTÍCIO MARCELO J. SIMONETTI 1 ; ANDERSON L. SOUZA 2, ALDIE TRABACHINI 3, JOÃO C. LUVIZOTO 4 1 Professor, M.Sc Marcelo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL V.S. Moreira 1, J.P.Resplandes 1, M.R. Neres 1, R.S. de Paiva

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS

CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS CLASSIFICAÇÕES CONTÁBEIS DE CUSTOS Bruni & Fama (2007), explicam que a depender do interesse e da metodologia empregada, diferentes são as classificações empregadas na contabilidade de custos. Os sistemas,

Leia mais

O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD.

O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD. O USO DE SOFTWARES DE MODELAGEM PARA A DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE PERFURAÇÃO E DESMONTE EM PROJETOS GREENFIELD. Carine Braga Orica Mining Services carine.braga@orica.com SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARES

Leia mais

Lavra de Mina Subterrânea

Lavra de Mina Subterrânea Lavra de Mina Subterrânea Descrição de Métodos de Lavra Subterrânea Para corpos de média/baixa inclinação Lavra por frente longa Longwall mining Sumário Generalidades Definição Aplicabilidade Desenvolvimento

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS Objetivos: Apresentar noções básicas atualizadas das principais tecnologias e conhecimentos técnico-científicos aplicados nas operações de

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015

Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Índice Periódico de Variação de Custos Condominiais Junho 2015 Elaborado pelo Departamento de Pesquisa - AABIC CONSIDERAÇÕES JUNHO DE 2015 No mês de junho, o IPEVECON registrou variação positiva de 0,72%,

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo

BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I. Prof. Geronimo BRITADORES EEL - USP OPERAÇÕES UNITÁRIAS EXPERIMENTAL I Prof. Geronimo Os britadores são equipamentos usados para a redução grosseira de grandes quantidades de sólidos como materiais rochosos, carvão,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Autor: Vinicius Silva Neves Ampla Energia e Serviços S.A. RESUMO O Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL, é um indicador de prevenção de acidentes

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN)

LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN) 182 LIMA, R. R.; LIMA, A. A.; SOUZA, J. C. & BARROS, M.L. S. C. CAPÍTULO 15 ANÁLISE ECONÔMICA DO GRANITO ORNAMENTAL GOLDEN PEACH (CURRAIS NOVOS-RN) Robson Ribeiro Lima1, Aarão de Andrade Lima, Julio Cesar

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil 1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil A Petrobrás alcançou em julho de 2005 a média de produção de 1,76 milhões de barris por dia, sendo destes 1,45 milhões só na

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

Prof. Renato Costa =A1 =A$1

Prof. Renato Costa =A1 =A$1 TRE AM 2003 FCC 1) Considerando que uma planilha MS Excel 2000 contém 65.536 linhas e 256 colunas, a quantidade de células existente é (A) 256. (B) 65.536. (C) 65.792. (D) 8.388.608. (E) 16.777.216. TRT

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717 Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Curso de Licenciatura em Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Modelação e Identificação de Sistemas Controlo Sistema de Transporte e Compactação de

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais (PPGEM) DESMONTE COM EXPLOSIVO

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS

OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS OTIMIZAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO E MINIMIZAÇÃO DE VIBRAÇÕES POR MUDANÇAS NO GRAU DE LIBERDADE E SEQUENCIAMENTO DO DESMONTE DE CARVÃO NO RS Vitor L. Rosenhaim a, Enrique Munaretti b, Jõao F.L. Feijó c, Jair Carlos

Leia mais

MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO

MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO MÁQUINA CORTADORA / ABRIDORA PARA FILTROS AUTOMOTIVOS DEMONSTRATIVO DO EQUIPAMENTO RETORNO DO INVESTIMENTO DESCRITIVO TÉCNICO FUNCIONAMENTO E OPERAÇÃO DA MÁQUINA. Projeto e fabricação Aprovado de acordo

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA AVALIAÇÃO DOS ESFORÇOS EM LAJES

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA AVALIAÇÃO DOS ESFORÇOS EM LAJES TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA AVALIAÇÃO DOS ESFORÇOS EM LAJES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Eng. Eduardo Linzmayer RESUMO Avaliação e levantamento das emissões de fluidos nos sistemas de refrigeração; Importância

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais. Estudo de Caso. Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial

Banco de Boas Práticas Ambientais. Estudo de Caso. Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial Banco de Boas Práticas Ambientais Estudo de Caso Reaproveitamento de Rejeitos na Mineração - Projeto Areia Industrial Empresa: MINERITA - Minérios Itaúna Ltda Endereço: Localidade Lagoa das Flores, s/n,

Leia mais

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica

CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL Argentina 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica MODELO PARA PROJEÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA RESIDENCIAL CONSIDERANDO MINI E MICROGERAÇÃO A. H. Lautenschleger 1 G. Bordin 1

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga. existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam.

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga.  existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam. I GRÁFICO DE GANTT Em atividades industriais, programar a produção envolve primeiramente o processo de distribuir as operações necessárias pelos diversos centros de trabalho. Essa fase recebe o nome de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia de Minas - DEMIN DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM Olá Caro Aluno, Você já reparou que, no dia a dia quantificamos, comparamos e analisamos quase tudo o que está a nossa volta? Vamos ampliar nossos conhecimentos sobre algumas dessas situações. O objetivo

Leia mais

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE

Geração Termelétrica. S. R. Bragança, M. Cooper da Silva, J. J. da Rosa, J. Rubio, A. Meneguzzi e C.P. Bergmann - UFRGS-CGTEE Otimização da Preparação do Carvão para Combustão na Usina Termoelétrica de Candiota - RS: 1. Técnicas de Caracterização para Separação de Frações Granulométricas Inorgânicas Associadas ao Carvão S. R.

Leia mais

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO

Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01. Edmundo Rodrigues DOSAGEM DO CONCRETO UNIERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Construções Rurais I IT 462 T 01 T 02 Materiais e Técnicas de Construções IT 461 T 01 Edmundo

Leia mais