GOPM Gestão de Operações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOPM Gestão de Operações"

Transcrição

1 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária Departamento de Mercados e Gestão de Reservas Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

2 Tópicos I. COLMS Disponibilização do Sistema às Instituições II. III. IV. COLMS Principais alterações a partir de 29 de junho COLMS Alterações comunicadas através da Carta Circular nº 4/2015/DMR COLMS Acesso ao ambiente de Produção V. Documentação e informação relevantes no âmbito do COLMS VI. GOPM Visão global do Projeto VII. Página do Projeto na Internet 2 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

3 COLMS Disponibilização do Sistema às Instituições No dia 29 de junho de 2015 entrará em produção o COLMS, o novo sistemade informação do Banco de Portugal para a Gestão de Ativos de Garantia e Operações, no âmbito da implementação em Portugal da Política Monetária do Eurosistema. A entrada em produção do COLMS irá introduzir i alterações aos atuais procedimentos de interação entre o Banco de Portugal e as contrapartes de política monetária e do crédito intradiário no TARGET2 PT, assegurando se, se contudo, que os objetivos finais da execução das operações no contexto da implementação da política monetária do Eurosistema e da concessão do crédito intradiário no TARGET2 PT se mantêm inalterados. 3 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

4 COLMS Principais Alterações a partir de 29 de junho A gestão dos ativos de garantia mobilizados para as operações de crédito do Eurosistema, assim como a gestão das operações de política monetária, facilidades d permanentes e linha de crédito intradiário, i passará a ser realizada através do COLMS. As instruções de mobilização e desmobilização de títulos (domésticos e crossborder) terão obrigatoriamente de ser registadas no COLMS, o Fax deixará de ser o meio para a transmissão de instruções ao BP. As instruções de mobilização e desmobilização de Empréstimos Bancários continuarão a ser efetuadas nos moldes atuais. O SITEME apenas será utilizado para submissão das propostas nos leilões das operações de política monetária do Eurosistema (até à entrada em produção do SITender). O recurso às Facilidades Permanentes do Eurosistema e à Facilidade de Liquidez de Contingênciaapenas apenas poderá ser efetuado a partirdo COLMS, deixando o SITEME de disponibilizar estas funcionalidades. 4 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

5 COLMS Alterações Comunicadas Através da Carta Circular nº 4/2015/DMR Será implementado um processo de netting na liquidação financeira das operações de mercado. O numerário utilizado enquanto valor de cobertura adicional será remunerado à taxa da facilidade de depósito (atualmente em 0.20%). São estabelecidos novos horários para a submissão de instruções de mobilização e desmobilização de ativos. É introduzida uma nova forma de alteração da linha de Crédito Intradiário e do respetivo limite mínimo. 5 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

6 COLMS Acesso ao Ambiente de Produção O acesso ao COLMS é feito a partir do portal BPNet (http://www.bportugal.net/). 6 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

7 Documentação e Informação Relevante no Âmbito do COLMS Carta Circular nº 4/2015/DMR: Alterações operacionais decorrentes da entrada em produção do COLMS Instrução nº 10/2015: COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações Manualdo Utilizador Externo disponível através do portal BPNet Guião de procedimentos para a comunicação de instruções relativas a ativos de garantia registados na Interbolsa PT/PoliticaMonetaria/GOPMGestaodeOperacoesdePoliticaMonetaria/Documents/GOPM_Guiao_procedimentos_comunicacao_IB.pdf Alterações aos sistemas da Interbolsa no âmbito do projeto COLMS do Banco de Portugal (Descrição Funcional Externa) PT/PoliticaMonetaria/GOPMGestaodeOperacoesdePoliticaMonetaria/Documents/Alteracoes_ColMS_BdP_Interbolsa.pdf Participação no COLMS: Perfis de Utilizadores das Instituições PT/PoliticaMonetaria/GOPMGestaodeOperacoesdePoliticaMonetaria/Documents/GOPM ColMS_Perfis_Utilizadores_Instituicoes.pdf Protocolo de Comunicação de mensagens SWIFT entre o Banco de Portugal e as Instituições PT/PoliticaMonetaria/GOPMGestaodeOperacoesdePoliticaMonetaria/Documents/GOPM%20 %20Protocolo%20de%20Comunicação%20SWIFT%20entre%20BdP%20e%20instituições.pdf 7 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

8 GOPM Visão Global do Projeto Entrada em produção no dia 29 junho 2015 COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações SITender Sistema de Informação de Leilões GOPM Gestão de Operações de Política Monetária Entradaem produção prevista até ao final de 2015 O COLMS enquadra se num projeto mais abrangente do Banco de Portugal para a disponibilização de uma plataforma integrada para a Gestão de Operações de Política Monetária (GOPM), que inclui i ainda o SITender Sistema de Informação de Leilões. 8 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

9 GOPM Visão Global do Projeto A entrada em produção do COLMS terá um impacto substancial na interação entre o Banco de Portugal e as instituições, alterando o paradigma de comunicação vigente desde O novo sistema permitirá: Processar instruções com maior rapidez; Melhorar a introdução, monitorização e gestão de informação; Aumentar a eficiência operacional; Reduzir os riscos operacionais. Até ao final de 2015 será disponibilizado às instituições o SITender Sistema de Informaçãode Leilões. Com a disponibilização do SITender será desativado o SITEME, sistema de informação utilizado desde 1999 pelo Banco de Portugal e pelas instituições no âmbito da implementação da política monetária do Eurosistema. 9 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

10 Página do Projeto GOPM na Internet 10 junho 2015 GOPM Gestão de Operações de Política Monetária

COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações estado atual de implementação

COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações estado atual de implementação COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações Departamento de Mercados e Gestão de Reservas Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação setembro 2014 GOPM Gestão de Operações

Leia mais

Participação das Instituições no COLMS: Perfis de Utilizadores

Participação das Instituições no COLMS: Perfis de Utilizadores Projeto GOPM Gestão de Operações de Política Monetária COLMS Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações Participação das Instituições no COLMS: Perfis de Utilizadores Versão 1.2 12 dezembro 2014

Leia mais

Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações

Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações - ColMS- Sistema de Gestão de Ativos de Garantia e Operações Seminário GPUS 2013 DEPARTAMENTO DE MERCADOS E GESTÃO DE RESERVAS Agenda 1. GOPM: uma visão geral Determinantes internos e externos do GOPM

Leia mais

Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015

Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015 Instrução n. o 10/2015 BO n. o 7 15-07-2015 Temas Mercados Mercados Monetários Índice Texto da Instrução Anexo I Reporte de informação estática Anexo II Comunicação de operações de política monetária (em

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 18/2012 ANEXO

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 18/2012 ANEXO Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 18/2012 ANEXO Secção I - Estrutura organizativa 1 - Descrição da estrutura organizativa da instituição; 2 - Descrição da estrutura societária do grupo, incluindo

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividades 2011 Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividade 2011 Esquema da Apresentação I. Enquadramento da Atividade Enquadramento externo Linhas Gerais

Leia mais

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012 Apresentação de contas de 02 de Maio de 2012 Balanço balanço simplificado Milhões de euros 2010 (Reexpresso) Variação Valor % Ouro 14 964 12 979 1 985 15,29% Activos de Gestão Activos de Política Monetária

Leia mais

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014...

Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014... Instrução n. o 9/2014 BO n. o 6 16-06-2014 Temas Operações Bancárias Notas e Moedas Euro Índice Texto da Instrução Anexo Texto da Instrução Assunto: Reporte de informação relativa à verificação da autenticidade

Leia mais

Serviço Carta-Cheque Fev.2014

Serviço Carta-Cheque Fev.2014 Fev.01 ÍNDICE 1 CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO COMO FUNCIONA? 5 A O Cheque B As Fases do Serviço OFERTA Millennium bcp 1 PRINCIPAIS VANTAGENS PARA A EMPRESA 17 5 19 NÍVEIS DE SERVIÇO 6 0 PROCESSO DE ADESÃO

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 10 2015. 15 outubro 2015 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 10 2015. 15 outubro 2015 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 10 2015 15 outubro 2015 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 10 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012

Leia mais

ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES

ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE PERMUTA DE LIQUIDEZ CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 4 2014. 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP

BOLETIM OFICIAL. Normas e Informações 4 2014. 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 4 2014 15 abril 2014 www.bportugal.pt Legislação e Normas SIBAP BOLETIM OFICIAL Normas e Informações 4 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 2.º 1150-012 Lisboa

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre 2015 I Regime Jurídico das Sociedades Financeiras de Crédito 2 II Legislação A. Direito

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 3.º Trimestre 2014 I Alterações ao Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários

Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Ficha anexa para operação em bolsa e outros mercados regulamentados de valores mobiliários Esta ficha complementa o cadastro do cliente na Credit Suisse (Brasil) S.A. CTVM ( Credit Suisse ) com informações

Leia mais

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA)

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) JC 2014 43 27 May 2014 Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) 1 Índice Orientações sobre tratamento de reclamações para

Leia mais

Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais

Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais Sistema de Activos de Garantia dos Bancos Centrais Lisboa 06.06.2011 Agenda Enquadramento Principais Funcionalidades Operational Day Estado actual do Projecto 2 Agenda Enquadramento Principais Funcionalidades

Leia mais

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito P l C i i Paula Casimiro ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. A do Banco de Portugal II. Acesso à informação da CRC 2 A do Banco de Portugal

Leia mais

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito

Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades. dos fundos de pensões das instituições de crédito Transferência parcial para a Segurança Social das responsabilidades dos fundos de pensões das instituições de crédito Audição parlamentar de 11 de janeiro de 2012 Muito bom dia, senhores Presidentes e

Leia mais

POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A.

POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. Este documento destina-se a informar os clientes dos princípios e procedimentos que constituem a Política

Leia mais

Manual de configuração de Impostos

Manual de configuração de Impostos Manual de configuração de Impostos De forma a contemplar as várias necessidades dos utilizadores das aplicações XD, foram efetuadas diversas alterações nas configurações de impostos. Nas versões anteriores

Leia mais

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core

Comparação entre Sistema de Débitos Diretos nacional e Débitos Diretos SEPA Core SEPA A SEPA (Single Euro Payments Area) ou Área Única de Pagamentos em Euros é um espaço geográfico onde particulares, empresas e administração pública podem efetuar e receber pagamentos em euros, em idênticas

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services BANCO NACIONAL DE ANGOLA Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services Orador: Ramos da Cruz Lisboa, Centro Cultural de Belém,

Leia mais

CAPÍTULO I GARANTIAS A FAVOR DO BANCO DE PORTUGAL, DO FUNDO DE GARANTIA DE DEPÓSITOS E DO SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO AOS INVESTIDORES

CAPÍTULO I GARANTIAS A FAVOR DO BANCO DE PORTUGAL, DO FUNDO DE GARANTIA DE DEPÓSITOS E DO SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO AOS INVESTIDORES CIRCULAR DA INTERBOLSA N.º 3/2016 Gestão do Colateral Em cumprimento do disposto no artigo 35.º do Regulamento da INTERBOLSA n.º 2/2016, relativo às regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Mercado de Operações de Intervenção (MOI)

Mercado de Operações de Intervenção (MOI) Mercado de Operações de Intervenção (MOI) CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO III.1. MODALIDADES DE EXECUÇÃO DAS OPERAÇÕES III.1.1.

Leia mais

Instrução n. o 54/2012 BO n. o 1 15-01-2013...

Instrução n. o 54/2012 BO n. o 1 15-01-2013... Instrução n. o 54/2012 BO n. o 1 15-01-2013 Temas Sistemas de Pagamentos Sistema de Pagamentos de Grandes Transações Índice Texto da Instrução Anexo I Contrato de Participação no TARGET2-PT (minuta) Anexo

Leia mais

Politíca de Execução nas Melhores Condições

Politíca de Execução nas Melhores Condições 1. Aspetos Gerais O objetivo do presente documento é descrever os canais ou vias de execução que são aplicados pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal (o Banco ) na execução de ordens dos seus clientes

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2011O0014 PT 03.01.2013 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 20 de Setembro de 2011 relativa aos instrumentos

Leia mais

SPS SOCIEDADE DE ADVOGADOS

SPS SOCIEDADE DE ADVOGADOS DOCUMENTO DE COMPROMISSOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA A empresa visada no processo de contraordenação numero PRC 2013/5, que corre termos no Departamento de Praticas Restritivas da Autoridade

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL Índice Finalidade do crédito automóvel Modalidades de crédito automóvel Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidade de reembolso

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Janeiro de 2007 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 2. CADASTRO DE PARTICIPANTES...

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Relatório de Acompanhamento. dos mercados Bancários. de Retalho. Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal.

Relatório de Acompanhamento. dos mercados Bancários. de Retalho. Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal. Relatório de Acompanhamento dos mercados Bancários de Retalho 2012 Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt ou em www.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES 1. Disposições gerais 1.1. As presentes Regras de Execução nas Melhores Condições (doravante Regras ) estipulam os termos, condições e

Leia mais

Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado

Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado O presente documento tem como objetivo clarificar aspetos relativos à submissão ao INFARMED Autoridade Nacional do

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO... 4 5. GERENCIAMENTO DO RISCO... 5 6. ATIVIDADES PROIBITIVAS E RESTRITIVAS... 6 7. ANÁLISE DE CRÉDITO...

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02 /2005 de 09 de Novembro de 2005

INSTRUTIVO N.º 02 /2005 de 09 de Novembro de 2005 INSTRUTIVO N.º 02 /2005 de 09 de Novembro de 2005 ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA. Redesconto do BNA Para efeito do disposto no Artigo 4º do Aviso nº 02/05 de 09 de Novembro, o Banco Nacional de Angola determina:

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Adesão ao Formato SEPA - Transferências a Crédito. Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 VERSÕES MÍNIMAS REQUERIDAS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 4 2.1 ATIVAÇÃO DO SEPA... 4 2.1.1 Condições prévias... 4 2.1.1.1 Pasta de documentos

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

M Pesa. Mobile Banking Quénia

M Pesa. Mobile Banking Quénia M Pesa Mobile Banking Quénia Total de população do Quénia 43 Milhões 10 Milhões 22 Milhões O Quénia, apresenta actualmente uma população de 43 milhões de habitantes, dos quais cerca de 10 milhões tem acesso

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU L 123/94 Jornal Oficial da União Europeia 19.5.2009 ORIENTAÇÕES BANCO CENTRAL EUROPEU ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 7 de Maio de 2009 que altera a Orientação BCE/2007/2 relativa a um sistema de

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Amadeu Ferreira Vice-Presidente do CD da CMVM Porto, 28 de setembro de 2012 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 837/XII/4ª. Determina as taxas de juro aplicáveis aos mutuários de crédito num contexto de taxa de referência negativa

PROJETO DE LEI N.º 837/XII/4ª. Determina as taxas de juro aplicáveis aos mutuários de crédito num contexto de taxa de referência negativa PROJETO DE LEI N.º 837/XII/4ª Determina as taxas de juro aplicáveis aos mutuários de crédito num contexto de taxa de referência negativa Exposição de Motivos Nos últimos meses tem-se assistido a uma tendência

Leia mais

canais eletrónicos SOLUÇÕES sms banking

canais eletrónicos SOLUÇÕES sms banking canais eletrónicos SOLUÇÕES sms banking RESUMO DA SOLUÇÃO interação campanhas acesso ao Banco monitorização O canal SMS Banking disponibiliza a interação entre Cliente e banco via telemóvel, por Short

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

Plataforma REAI. Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012)

Plataforma REAI. Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012) Plataforma REAI Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012) ÍNDICE 1 Enquadramento 2 Licença de Exploração 3 Novos mecanismos de validação nos

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

INSTRUTIVO Nº 01/2011. de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA

INSTRUTIVO Nº 01/2011. de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA INSTRUTIVO Nº 01/2011 de 12 de Abril de 2011 ASSUNTO: POLÍTICA CAMBIAL COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA Havendo a necessidade de se ajustar os procedimentos de realização das sessões de compra e venda

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

VORTALbonus PROGRAMA '15 REGULAMENTO

VORTALbonus PROGRAMA '15 REGULAMENTO VORTALbonus PROGRAMA '5 REGULAMENTO 0. QUEM PODE PARTICIPAR? 0. O QUE É NECESSÁRIO PARA PARTICIPAR? 03. QUE TRANSAÇÕES NA PLATAORMA DÃO DIREITO A VORTALbonus? 0.. Todos os utilizadores registados na plataforma

Leia mais

Gerenciamento de risco de crédito informações de Acesso Público. RB Capital DTVM

Gerenciamento de risco de crédito informações de Acesso Público. RB Capital DTVM Gerenciamento de risco de crédito informações de Acesso Público RB Capital DTVM Maio de 2011 Introdução Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração das informações de acesso

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS SALDOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS: Conta Corrente Pessoa Física (PF) $5,000.00 $5,000.00 Pessoa Jurídica (PJ) $10,000.00 $10,000.00 "Money Market" $20,000.00 $20,000.00 Certificado de Depósito $50,000.00 Não

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015 INSTRUÇÃO DA CMVM RELATIVA AOS DEVERES DE REPORTE DE INFORMAÇÃO À CMVM PARA EFEITOS DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS POTENCIAIS CONSEQUÊNCIAS SISTÉMICAS

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro. Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD

Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro. Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD Internacionalização: Oportunidades e Desafios A CGD como Parceiro Luís Rego Direção Internacional de Negócio da CGD Internacionalização: oportunidades e desafios - A CGD como Parceiro Índice 1. Evolução

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB CDB O que é?... 2 Pré ou pós-fixado... 2 CDI... 3 Indicação... 3 Taxa de administração... 3 Segurança... 3 Modalidades de CDB... 4 Valor mínimo... 5 Rentabilidade... 4 Prazos... 5 Vencimento... 6 Final

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR)

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) 1. O que é o SILOGR?... 2 2. O que mudou no novo SILOGR?... 2 3. Como posso pesquisar no SILOGR os estabelecimentos

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Cronologia de acontecimentos significativos em 2013

Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Departamento de Sistemas de Pagamentos Lisboa, 2014 www.bportugal.pt Cronologia de acontecimentos significativos em 2013 Janeiro No dia 3, foi disponibilizado

Leia mais

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite:

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002

CONTROLE DE CÂMBIO. Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 CONTROLE DE CÂMBIO Laercio Pellegrino, Jr. Veirano & Advogados Associados Março 2002 Por Que o Brasil Controla o Câmbio? Moeda forte é um item escasso no Brasil. Tanto o Governo Brasileiro como as empresas

Leia mais

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 3/2004 Regras operacionais gerais de funcionamento dos sistemas de liquidação de valores mobiliários Ao abrigo do disposto no artigo 269.º do Código dos Valores Mobiliários

Leia mais

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador no Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento e objectivos 2. Descrição dos trabalhos do auditor 3. Conclusões do trabalho do auditor 4. Recomendações

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais