OUSADIA NO FORTALECIMENTO DA ASSISTÊNCIA MSP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUSADIA NO FORTALECIMENTO DA ASSISTÊNCIA MSP"

Transcrição

1 OUSADIA NO FORTALECIMENTO DA ASSISTÊNCIA MSP

2 MISSÃO DO GESTOR FORTALECIMENTO DA ATB Sustentados nos princípios do SUS Ampliando Acesso com enfoque na Eqüidade Fortalecendo a Integralidade Respeitando as singularidades regionais COM ÊNFASE NA INTERSETORIALIDADE

3 CONSOLIDAÇÃO A ATENÇÃO PRIMÁRIA Exige uma transformação: Resolutiva de alta qualidade Utilize tecnologia adequada Respeite a transição epidemiológica e demográfica Incorpore novos valores que acompanham o estilo de vida das pessoas Impõe mudanças de Paradigmas RESULTADOS EFETIVOS

4 MSP - PERFIL SOCIO DEMOGRAFICO POP: hab ÁREA km² D. DEMOGRÁFICA hab/km² 31 SUBPREFEITURAS 3,4 MILHÕES DE DOMICÍLIOS 17,2% CHEFES FAMÍLIA - < 3 ANOS ESCOLARIDADE 97, 6 % ABASTEC. DE ÁGUA EM REDE 97,3 % COLETA DE LIXO 11,0 % Pop Aglomerados subnormais (1,1 milhões) MSP- MENOS DE 1% DA ÁREA DO ESP E 26,4 % DA POPULAÇÃO FONTE: CENSO 2000

5 MSP - PERFIL DAS CRS- Singularidades POP > POP EM FAVELAS-9,7% 2 ALDEIAS INDÍGENA S MORTE - 7ª HOMICÍDIOS TAXA CRESCIMENTO POSITIVA (0,7) POP hab >% CRIANÇAS < 10 anos -20% 2 > POP DE FAVELAS-9,7% > % MÃE ADOL.17%(CO- < 9,6%) 7ª CAUSA MORTE - HOMICÍDIOS > % OB PRECOCE <60 ANOS DIABETES/ HIPERT. / AVC ESCOLARIDADE 5.4% -+ DE 12 ANOS DE ESTUDO POP hab > % DE POP. IDOSA 17,4% > % FAMÍLIAS CORTIÇO TX CRESCIMENTO NEG (-1.3) POPULAÇÃO FAVELA -(5,2%) >POP. RUA 79% DO MSP MORT.D.CRONC.DEG CMI EM ELEVAÇÃO(2006) POP hab 2 > % DE IDOSOS 15,3% TX CRESCIMENTO NEG (-0,4) FAMÍLIAS CORTIÇO POP. CONTAMINADA CLORADOS CAUSA MORTALIDADE -DCG POP > POPULAÇÃO EM FAVELA (21,4%) >% DE CRIANÇAS < 10 anos -19% 2 > % MÃES ADOLESCENTES- 16,2% ÁREA DE MANANCIAIS/ 2ALD. INDIGEN > CM HOMICÍDIOS MSP ( 25,4 OB / hab) 2 > % MÃES ADOLESCENTES- 16,2% MSP km² - 1% Est SP e 26,4 % pop

6 MSP - PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANO CRS território PLANO MUNICIPAL DA SAÚDE ELEIÇÃO DE PRIORIDADES PLANO ESTRATÉGICO OPERATIVO EIXOS: S.IDOSO S.MULHER S.ADULTO S.MENTAL S.CRIANÇA PESSOAS EM VULNERABILIDADE DNC Compatibilizando com as Diretrizes do Pacto da Saúde emanadas do MS Consolidado através de parceria em modalidades de convênios e contratos de gestão

7 CENÁRIO DESFAVORAVEL-2005 Em 2005: 80% da demanda dos serviços de Urgência/ Emergência dos Hospitais Públicos Municipais AGRAVOS DE BAIXA COMPLEXIDADE. NECESSIDADE DE CONSULTAS SEGUNDO PORTARIA CONSULTAS REALIZADAS MSP inicio % 22% 63% 24% 33% 43% Consultas de Especialidades Consultas de Emergência Consultas Básicas

8 INDICE BASE DE NECESSIDADE PARA CONSTRUÇÃO DE DO SAUDE- INS INS ÍNDICE NECESSIDADE DE SAÚDE- INS Agregados 20 indicadores demográficos, epidemiológicos e sociais Em 5 eixos prioritárias: criança / adolescente / gestante / adulto idosos e DNC ÍNS aponta regiões do MSP maior necessidade de equipamentos de saúde As AMAS foram implantadas nas regiões com maior necessidade de saúde Resultando: 96 DA 31 Alto 46 Médio 19 Baixo Nível de necessidade de saúde

9 8 AMA ÍNS x DISTRIBUIÇÃO DAS 115 AMAS 22 AMA 24 AMA 31 AMA 30 AMA 19 DAs - 4 AMAs 46 DAs - 52 AMAs 31 DAs 59 Desenvolvido através de parcerias. CARTA DE SERVIÇOS DAS AMAS 1 AMA - 4 UBS- AGUDO Assistência Cl. Básicas-7as 19hs hs Avaliação de risco Coleta de exames teste de gravidez Raios-X Coleta de papanicolau sabad Dispensação / aplicação de medicamentos; Vacinação /Notifica e acompanha os agravos REENCAMINHA PARA UBS

10 ENFRENTAMENTO DA PANDEMIA H1N1-26/7 A 30/9 AMA evento da H1N1-26/7 A 30/9 - ABSORVEU a ELEVAÇÃO em 30% da capacidade /mes da demanda da rede básica

11 ESTRATEGIA DE ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BASICA-2009 QUALIFICA A ATENÇÃO BASICA AMPLIAÇÃO DE ACESSO AGRAVO DE BAIXA COMPLEXIDADE EMERGÊNCIA TAXA DE TRANSFERÊNCIA HOSPITAL 1,37 % NOVA PORTA ATENÇÃO BÁSICA fundamenta-se no principio de garantir o retorno a UBS onde já existe vínculo estabelecido CAPTADOR AGENDAMENTO ONLINE da AMA nas 434 UBS - 25% - RESERVA TÉCNICA PROMOÇÃO A SAÚDE TAXA AGENDAMENTO AMA /UBS 10,4% pacientes(67.838)

12 PROTOCOLO PRIORITÁRIO DE REFERÊNCIA 115AMA / 434 UBS Crianças < 1 ano puericultura na UBS Mulheres gestantes - Inserir precocemente na assistência -Rede de Proteção à Mãe Paulistana; Adultos / Idosos: Hipertensos Diabéticos e/ou Integralidade /Longitudinalidade do cuidado, ao invés do fortalecimento de uma abordagem intermitente e fragmentada

13 DESAFIO- ATENÇÃO BASICA COORDENADORA DE UMA AÇÃO INTEGRADA GARANTINDO Acesso Continuidade Integralidade Coordenação do cuidado FOCADO NA NECESSIDADE DO CIDADÃO

14 PIRAMIDE ETÁRIA- MSP- Cenário Feminino Masculino 11,5% -Pop 60 anos +: hab hab.(ceinfo) 25%>75 anos Expectativa vida no Brasil: ,6 anos ,7 anos SP- 74 Anos Fonte: IBGE e Fundação SEADE

15 TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA - IDOSOS A PIRÂMIDE ETÁRIA APONTA PARA AUMENTO DA POPULAÇÃO IDOSA SMS VANGUARDA Desenvolvendo Políticas públicas voltadas para este segmento populacional e respeitando o perfil de cada Coordenadoria. Pop idosa MSP 1,3 milhões residentes 30,2% - Região Sudeste, 20,3% na Norte 16,7% na Centro-Oeste, 16,5% na Sul e 16,3% na Leste MSP- 26% idosos do MSP- é >75 anos - situação de fragilidade.

16 ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO - É UMA EXPERIENCIA INOVADORA EXISTE APENAS NO MSP. ASSISTE O IDOSO SEM FAMILIA OU COM VINCULOS PRECARIOS COM DEPENDENCIA ATIVIDADES DA VIDA DIARIA. EVITA ASILAMENTO, REDUZ A INTERNAÇÃO PROMOVE A REINSERÇÃO SOCIAL

17 ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO - MSP existentes - (Mooca, Pari, Sta Cecília, Santana) Set / equipes COMPOSIÇÃO DA EQUIPE 1 MEDICO 1 ENFERMEIRA 10 ACOMPANH. DE IDOSOS 1 ADMINISTRATIVO 1 ASS. SOCIAL CARROS COM MOTORISTA

18 ACOMP. DO IDOSO Acompanhante do Idoso No domicilio e nas atividades

19 ACOMP. DO IDOSO

20 ATIVIDADES DE PROMOÇÃO A SAUDE UBS COM PRÁTICAS INTEGRATIVA EM SAÚDE V ENCONTRO DE PRÁTICAS INTEGRATIVA EM SAÚDE ENVOLVENDO TÉCNICOS SMS, ACS E USUÁRIOS

21 Resultados-Prioridade V Pacto da Saúde Promoção da Saúde Indicador 2007 Meta 2008/09 Resultado 2008/09 % de UBS QUE DESENVOLVEM ACÕES NO CAMPO DA ATIVIDADE FÍSICA 70,0 73,5 78,6/79,3 Fonte- relatório técnico A incorporação de novas TECNOLOGIAS Revela o enfoque no investimento das ações de promoção à saúde: UBS com praticas integrativas: %

22 Indicador Resultados- Atenção Básica Fortalecida Prioridade VI - Pacto pela Vida Fonte/ Unidade 2007 Meta 2008/09 Resultado 2008/09 TAXA DE INTERNACOES POR ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (40 anos e +) SIH / hab. 40 anos e + 17,6 17,3 15,5/16,9 TAXA DE INTERNACAO POR DIABETES MELLITUS E SUAS COMPLICACOES (30 anos e +) SIH / hab. 30 anos e + 7,1 6,8 4,9/4,3 TX INTERNAÇÃO HOSPITALAR DE 60 E + POR FRATURA DO FÊMUR Casos idosos / hab- fonte-sih- 20,5 25,0 22,8 CAUSAS EXTERNAS Queda -2ª causa de óbito idosos DATA SUS Reflete o investimento na Atenção Básica E o impacto positivo do acesso as ações :de promoção, medidas de prevenção e assistência Um trabalho de equipe INTEGRADO e COORDENADO. Distribuição gratuita de medicamentos, Remédio em casa e Kit diabetes.

23 AVANÇOS - EIXOS PRIORITARIOS 2009 Insumos para Diabetes: implantado 08/2005 Entrega 1 glicosímetro, 200tiras e 200 lancetas/mês glicosímetros DISPONIBILIZADOS - 75 Unidades UBS Remédio em Casa- Implantado 12/07/2005 Entrega de medicamentos anti-hipertensivos e hipoglicemiantes orais por remessa postal, a cada 3 meses- AGILIZA O ACESSO/Adesão pacientes cadastrados- 434 UBS UBS Distribuição Gratuita de Medicamentos Itens NO ANO itens Regularização do abastecimento: Adequação financeira / Informatização

24 Prioridade VI - Pacto pela Vida Fortalecimento da atenção básica Indicador PROPORÇÃO DE NASCIDOS VIVOS DE MAES COM 7 OU MAIS CONSULTAS DE PRE-NATAL. Fonte/ Unidade SINASC % 2007 Meta 2008 Resultado 2008/09 72,0 72,1 73,3/73,8 Fortalecimento das Ações Ações do Mãe Paulistana - Ampliação de acesso Captação precoce pré-natal Grade de referencia hospitalar Exames complementares Visitas maternidade/enxoval bebe

25 REDE DE PROTEÇÃO MÃE PAULISTANA Proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas de pré-natal Município de São Paulo 2001 a SET/ ,8

26 Coeficiente Mortalidade Infantil MSP 2000 a 08 11,99 7,98 4,0 REDUÇÃO NOS COMPONENTES REFLETE MELHORIA DA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL, PARTO E AO RN Fonte: SEADE elaboração CEInfo SMS - SP

27 Aprendendo com Saúde OBJETIVO: PEDIATRIA Foram avaliadas: Escolas (CEI / EMEI/EMEF Crianças Diagnosticar precocemente e intervir nos agravos que possam comprometer o desempenho escolar. Desenvolver práticas de promoção de saúde pela mudança de comportamentos e hábitos saudáveis. Incorporar a família no processo de acompanhamento de saúde das crianças. ANO 2008/ mil alunos MATRICULADOS ODONTOLOGIA 815 Escolas Crianças avaliadas Fluorterapia Triagens Grupos de Ação Educativa

28 AÇÕES EDUCATIVAS SAÚDE BUCAL APRENDENDO COM SAÚDE AÇOES DE PROMOÇÃO / Detecta precoce/ previne agravos FOCO Família x UBS x ESCOLA

29 APRENDENDO COM SAÚDE TRIAGEM ESCOVAÇÃO TRATAMENTO 15 Equipos Portáteis

30 Consolidação da ESF DIFICULDADES AVANÇOS DESAFIOS

31 HISTÓRICO ESF- MSP Início MSP com o projeto QUALIS. Parceria entre Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Estado da Saúde (SES) e duas Organizações Sociais de Saúde (OSS) Municipalização do Sistema de Saúde: 229 equipes do QUALIS para vem para SMS Programa de Saúde da Família (PSF) e ACS)

32 Favelas- MSP IMPLANTAÇÃO DA ESF Áreas com ESF N DE FAVELAS E POPULAÇÃO POR CRS - MSP CRS N DE FAVELAS EM FAVELAS POPULAÇÃO % DA POP. EM FAVELAS CENTRO OESTE ,2 LESTE ,7 NORTE ,7 SUDESTE ,5 SUL ,4 MSP ,1

33 DIFICULDADES NA EFETIVAÇÃO DA ESF *UNIFESP ASF STA CASA FFM EINSTEIN IAE MONTE AZUL ESF - Parceiros S. MARCELINA STA CATARINA ASF Deficiência na captação e fixação de médicos regiões distantes, de difícil acesso e com índices de violência Formação médica voltada a super-especialização Insuficiente número de médicos especializados em Medicina da Família no mercado CEJAM

34 AVANÇOS -MEDIDAS AVANÇOS IMPLEMENTADAS - ESF FORTALECER A ESTRATÉGIA:CONAC CRIAÇÃO DE CONSELHO DE ACOMPANHAMENTO)- entre parceiros supervisão/crs/ atb com incluidos no Termo de Convênio Eleição17 indicadores de monitoramento simples e de fácil monitoramento, respeitando a Política Nacional da Atenção Básica/MS-SIAB consensuados com os parceiros QUALIFICAÇÃO DAASSISTENCIA EXPANSÃO DAESF

35 1400 AVANÇOS- ESF CREDENCIADAS NO MS DAB X EQUIPES IMPLANTADAS NO MSP DEZ 2001 A MARÇO UBS UBS/SF UBS UBS/SF 1200 EXPANSÃO % Nº EQUIPE 64,8% ESF cred MS ESF implantadas

36 Avanços - ESF Avaliação /monitoramento/sms CONAC Conselho de Acompanhamento da ESF CRS - SMS AT BÁSICA PARCEIRO % equipes (ESF) completa % de pessoas cadastradas % de consultas médicas realizadas % VDs médico realizadas % atendimentos enfermeiro % VD enfermeiro % VD aux. Enfermagem % VD ACS % gestantes acompanhadas % crianças < 1 ano com vacinação atualizada % gestantes < 20 anos cadastradas % hipertensos acompanhados REUNIÕES TRIMESTRAIS ANÁLISE DOS 17 INDICADORES METAS ATINGIDAS RECOMENDAÇÕES E ENCAMINHAMENTOS % diabéticos acompanhados % SR investigados % visitas ACS para controle A. aegyti % comissão prontuários implantadas % atividades de Ed. Permanente Continuada realizadas

37 AVANÇOS- CONAC É UM INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO QUE BUSCA UMA MELHORA CONTINUA ESF ESTRUTURA ATIVIDADES RESULTADOS (dados ) O QUE TEMOS O QUE FAZEMOS O QUE CONSEGUIMOS - materializam em informação e seu acompanhamento tem um Potencial transformador

38 Resultado -CONAC- Trimestrais 05/2008 a 2009 ACS

39 AVANÇOS- ATIVIDADES DAS UBS E UBS/PSF ,3 MILHÃO DE CONSULTAS ESF PROCEDIMENTO ESF médico de saúde da família Ativ. agente comunitário de saúde Fonte: SMS/Gerência de Processamento/SIA e SIH Descentralizado QUASE O DOBRO ATIVIDADE DO ACS

40 Prioridade VI - Pacto da Saúde Fortalecimento da atenção básica Indicador Fonte/ unidade 2007 Meta 2008/09 PROPORÇÃO DA POPULAÇÃO CADASTRADA PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Resultado 2010(fev) SIAB (%) 29,2 31,0 *31,4 *Somente com equipes completas-1004 ( 1 equipe para hab) Março cobertura 43,27% equipes

41 CASOS DE DENGUE x LOCALIZAÇÃO DE FAVELAS NÚMERO DE CASOS CONFIRMADOS DE DENGUE LOCALIZAÇÃO DE FAVELAS MAPA DE PONTOS DOS CASOS AUTÓCTONES DE DENGUE SEGUNDO D.A 2300 ACS PORTARIA 44/GM /2002 -ATRIBUIÇÃO DO ACS COMBATE A DENGUE FONTE: BANCO GVISAM - (- 2007) Pedro J. Vil ça COVISA

42 DENGUE- ATENÇÃO BÁSICA E COVISA - SENSIBILIZAÇÃO D ACS NOV/2007 Envolvimento dos ACS e sociedade civil possibilitou o controle do vetor através da eliminação dos criadores.

43 PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTROLE DA DENGUE Inspeções em imóveis para eliminação criadouros de Aedes aegypti VISITAS DOS ACS CONTROLE DA DENGUE ACS Ano 2004 Ano 2005 Ano 2006 Ano 2007 Ano 2008 * inclui atividades realizadas pelos ACS; ** inclui atividades realizadas pelos ACS;

44 Distribuição dos casos de Dengue autóctones e importados, no MSP de 2001 a jan/ PÓS CAPACITAÇÃO ACS casos import casos autoctones Fonte: COVISA/ Intranet

45 PORCENTAGEM COBERTURA DA ESF x TAXAS DE CURA DE TB POR CRS - MSP, ,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 CENTRO OESTE SUDESTE LESTE NORTE SUL % de Cobertura de ESF 28,0 31,5 39,1 36,2 72,0 % DOTS 23,1 31,3 47,1 41,5 63,1 % Cura 68,3 71,1 73,0 74,8 81,8 % Abandono 16,7 15,0 15,6 13,6 7,5 QTO > A COBERTURA > A TX DE CURA Fonte: TBWEB

46 Busca Ativa INTENSIFICAÇÃO de ACS NA BUSCA DE SINTOMATICOS RESPIRATORIOS Busca ativa de casos; Diagnóstico- baciloscopia DOT S

47 AMQ Avaliação para melhoria da qualidade E.S.F MSP: I- Outubro/2006 adesão ao AMQ e cadastramento II- Março a novembro/2007 realizadas 52 oficinas nas 5 CRS: Formação de multiplicadores para aplicação dos instrumentos do AMQ Sensibilização das equipes ESF-948 III- Limitação - O aplicativo nas funcionalidades é restrito para consolidação dados, na dimensão MSP. Avaliação fica fragmentada, sem possibilidade de consolidação dos resultados da SMS IV- Avanços - As CRS regiões continuaram a utilização dos instrumentos da AMQ OBS- Aguarda a reformulação do aplicativo pelo MS

48 Implantação de NASF Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF MS - 25/01/2008- PORTARIA 154/08 Objetivos: Ampliar a abrangência das ações da atenção básica. Apoiar a inserção da ESF na rede de serviços. Fortalecer territorialização e a regionalização.. Atuar no apoio e retaguarda das equipes de ESF. 731 profissionais 86 NASF Assistência mais qualificada

49

50 PAVS PROJETO AMBIENTES VERDES E SAUDAVEIS ENFASE A INTERSETORIALIDADE Saúde, Verde e Meio Ambiente, SMADS, SME Subprefeituras,LIMPURB,SABESP, Instituições Parceiras Capacitação ACS 740 PROJETOS Temas: lixo, água e energia, biodiversidade, consumo responsável, cultura de paz, convivência saudável com animais e zoonoses, Arborização, Hortas e Alimentação Saudável

51 ESF ESPECIAL Avanços x DESAFIOS POP hab SINGULARIDADES: > % FAMÍLIAS CORTIÇO >POP. RUA 79% DO MSP ( FIPE ) Implantadas 27 equipes PSF ESPECIAL psicólogos, assistentes sociais e T.O.s ESF/ESPECIAL - 11 UBS ACS /27 médicos Em 10 Distritos Administrativos SE / REPUBLICA / STA CECILIA / BARRA 27 enfermeiros FUNDA /CAMBUCI e 54 / ITAIM BIBI (UBS Magaldi ITAIM / BELA VISTA (Humaitá)/ MOOCA / PARI / BELEM Auxil/ 27 A.S/ 27 PSICOL dez/2009 = cadastrados =censo SUS ousado com respeito SINGULARIDADES

52 INSTRUMENTO DE COLETA: FICHA E-ESF Dados de cadastro e acompanhamento do morador Recursos de sobrevivência Vínculos familiares Existência de contatos sociais Indicadores de vulnerabilidade e Ações / encaminhamentos

53 RESULTADOS ESF ESPECIAL : FICHA E - RESULTADOS PSF DE RUA - JUL/2008 DEZ/2008 ATUAÇÃO AT. REALIZADOS ABORDAGENS EM SAÚDE FAMILIAS CADASTRADAS BUSCA ATIVA TB Dez/09= COLETA DE EXAME PARA BK 964 (108 = + ) BUSCA ATIVA HIPERT./DIABETES BUSCA ATIVA DE GESTANTES 292 CADASTRO DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA VD ENFERMAGEM GRUPOS EDUCATIVOS 263 ENCAM. PARA AMA/UBS/OS EQUIPES NA CENTRO OESTE E NA SUDESTE

54 AVANÇOS PSF ESPECIAL POP. RUA

55 INSTALAÇOES NOVAS-ESF ESPECIAL UBS SÉ

56 INSTALAÇOES NOVAS-ESF ESPECIAL UBS REPUBLICA /BORACEIA

57 AMA ESPECIAL - SITUAÇÃO DE RUA AMA BORACEA AMA -12 horas com Psiquiatra e TO

58 AVANÇOS ESF ESPECIAL POP. RUA Visita Pinacoteca Depoimento de um dos adolescentes: Dormi tantas vezes aqui na porta e não sabia como era aqui dentro. Ação educativa TB

59 AVANÇOS ESF ESPECIAL POP. RUA Oferta de banho e troca de roupas Oficinas de desenhos e Garantia de atendimento breve.

60 AÇÃO ESF Especial AREA DE AÇÃO ABRANGENCIA INTERSETORIAL-CENTRO LEGAL Características do Centro Pessoas em situação de rua Dependência química Área comercial, Vias de grande circulação Prédios desocupados ESF-ESPECIAL 45 ACS exclusivos DIARIAMENTE NA REGIÃO das 10 AS 22HS - abordagem.

61 AÇÃO ESF Especial CENTRO-LEGAL - CENTRO LEGAL Ubs Boracea CRATOD Ubs Sta Cecilia Ubs Republica Ubs Sé

62 AÇÃO ESF Especial - CENTRO LEGAL SAIDessa - Serviços de Atenção Integral aos Moradores de Rua Dependentes e Usuários de Alcóol e Drogas /2010 Procedimentos/Data MÊS JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL Abordagens Vínculo frágil Evasão % sobre abordagens 65% 78% 85% 88% 89% 90% 92% 92% 89% 88% Encaminhamentos Internações % sobre encaminhamentos 20% 11% 2% 9% 5% 2% 4% 3% 6% 6% INICIO EM 22/07/2009 Realizados encaminhamentos Pessoas

63 PERFIL DA MORBIDADE - CENTRO LEGAL DOS ENCAMINHAMENTOS PESSOAS MORBIDADE Nº % Etilista e outras dependências químicas SOMENTE USO DE DROGAS sem etilismo OUTROS( transtornos mentais/doenças cutâneas/desnutrição/fraturas) ,92% *367(25%) ,08 TOTAL ,0 * 367 inclui 1512

64 Ganho de Saúde Custos Ganho na Saúde investimento em ações de baixa complexidade Interven ção Fonte Fonte :Marcos Bosi Ferraz Adaptado

65 Ganho de Saúde Custos Ganho na Saúde investimento em ações de elevada complexidade Interven ção Fonte :Marcos Bosi Ferraz Adaptado

66 A ÚNICA MANEIRA DE GERENCIAR A MUDANÇA É PROMOVER A MUDANÇA Peter Drucker

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

Usos e Potencialidades da Informação na Gestão

Usos e Potencialidades da Informação na Gestão Usos e Potencialidades da Informação na Gestão Sistema de Monitoramento e Avaliação Objetivo Descrever a elaboração do Sistema de monitoramento e avaliação da ESF INSTITUIÇÕES CONVENIADAS 70 ESF UNIFESP

Leia mais

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007.

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. RECURSOS HUMANOS EM ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE E PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMILIA NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE AS PROFISSÕES EM ATENÇÃO

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 A SAÚDE PÚBLICA NA CIDADE DE SÃO PAULO 1º Fórum Nossa São Paulo Propostas para uma Cidade Justa e Sustentável Januario Montone Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 Visão Geral de São Paulo Área:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Conceitos, metodologia de cálculo e metas de acompanhamento Patrícia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

ANAIS PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012

ANAIS PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012 PRODUTIVIDADE DE UMA ASSISTÊNCIA MÉDICA AMBULATORIAL (AMA) DA REGIÃO SUL DA CIDADE DE SÃO PAULO EM 2012 RÔMULO PARIS SOARES ( romulo.soares@einstein.br, soaresrp@live.com ) SOCIEDADE BRASILEIRA ISRAELITA

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ

PROVA PRÁTICA ACS CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANAÚ QUESTÃO 01 O Agente Comunitário de Saúde tem como objetivo principal contribuir para a qualidade de vida das pessoas e da comunidade. Analise as opções abaixo e marque a alternativa incorreta: A) Conhecer

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017)

Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Orientações para Plano de Saúde PS (2014-2017) e Plano Plurianual da Saúde - PPA (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (Revisado em Maio de 2014) O QUE

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS

Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO - DEPLAN GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE - GPS Orientações para Plano Municipal de Saúde PMS (2014-2017) Gerência de Programação em Saúde DEPLAN/SUSAM Coordenação: Priscilla Lacerda (2014) PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE - PMS Plano de Saúde PS, instrumento

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Plano de Ação de Vigilância Sanitária

Plano de Ação de Vigilância Sanitária Plano de Ação de Vigilância Sanitária A construção e o seu desenvolvimento no município Salma Regina Rodrigues Balista Águas de São Pedro 10/06/2010 O PAVISA: em qual contexto Pacto pela Saúde: nova lógica

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS Hospital Pérola Byington 1991 Fundação do CEJAM UBS Jardim Souza 1998 Recebe Título de Utilidade Pública Municipal e Estadual em São Paulo, Título de Utilidade Pública Federal, Certificado de Entidade

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Belo Horizonte Pop. estimada: 2.375.151 hab. (estimativas IBGE 2010) Informatização da Rede

Leia mais

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE

PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE PROGRAMA MÃES DE MINAS A IMPORTÂNCIA DO ACS NA CAPTAÇÃO PRECOCE DA GESTANTE Antônio Jorge de Souza Marques MINAS GERAIS Superfície: 586.523 Km2 População (Estimativas IBGE, 2012): 19.855.332 hab. Municípios:

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas Educação e Saúde no Brasil Sem Miséria Eixos de

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem Ao modelar um governo para ser exercido por homens sobre homens, a maior dificuldade é esta: primeiro, é preciso aparelhar o governo para que controle

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

Uso de serviços de saúde segundo motivo de procura/procedimento realizado, tipo de serviço, fonte de financiamento e escolaridade.

Uso de serviços de saúde segundo motivo de procura/procedimento realizado, tipo de serviço, fonte de financiamento e escolaridade. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA E INFORMAÇÃO CEInfo Boletim CEInfo ISA-Capital nº 1 Julho / 2005 ISA-Capital INQUÉRITO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 SECRETARIA DA SAUDE Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 1 2 UBS Equipe da Atenção Básica UBS Equipe da Atenção Básica + EACS Equipe de Agentes Comunitários da Saúde UBS Equipe da Atenção

Leia mais

SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE

SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE AGRIMERON CAVALCANTE DA COSTA DANIELE DE ALMEIDA CARVALHO BUCKY LUCILENE RENÓ FERREIRA MÁRIO SILVA MONTEIRO

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012 6º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda Espontânea na Atenção Básica em Saúde: A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Leia mais

Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade

Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade A Associação Congregação de Santa Catarina é uma entidade filantrópica que atua nos eixos da Saúde, Educação e Assistência

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS 1. Antecedentes / Justificativa: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS A Constituição Federal de 1988 e a LOAS- Lei Orgânica de Saúde, constituem referência aos processos de implantação do

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Município. Nome da unidade

QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Município. Nome da unidade ANEXO 2 Questionários Dados Gerais QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Município Nome da unidade Tipo: UBS Tradicional ( ) UBSF ( ) UBS mista ( ) PACS ( ) PA ( ) PS ( ) UPA ( ) Outro Horário de

Leia mais

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009.

Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade. Brasília, outubro de 2009. Seminário: Drogas, Redução de Danos, Legislação e Intersetorialidade Brasília, outubro de 2009. O uso do crack e cocaína: contexto e estratégias de cuidados à saúde PEDRO GABRIEL DELGADO Coordenação de

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a avaliação do Pacto de Indicadores da Atenção Básica 2004, Anexo I desta Resolução;

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais