SUMÁRIO PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 3.4.2 PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA"

Transcrição

1 SUMÁRIO PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA 3. PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE SAÚDE E SEGURANÇA PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA ANTECEDENTES EVOLUÇÃO DAS ATIVIDADES, SEUS RESULTADOS E AVALIAÇÃO CRONOGRAMA GRÁFICO RESULTADOS E AVALIAÇÃO ENCAMINHAMENTOS PROPOSTOS EQUIPE RESPONSÁVEL PELA IMPLEMENTAÇÃO NO PERÍODO ANEXOS i

2 3. PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO 3.4. PROGRAMA DE SAÚDE E SEGURANÇA PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA ANTECEDENTES As atividades desenvolvidas no período do 2º semestre de 2013, detalhadas no 5º Relatório Consolidado de Andamento do PBA e Atendimento de Condicionantes (RC), evidenciaram que, de forma geral, o Projeto de Segurança e Alerta está devidamente implantado na UHE Belo Monte, em contínuo processo de melhoria. Neste contexto, o presente relatório, denominado 6º RC, visa consolidar o 1º semestre do ano de Com relação às atividades propostas pelo Projeto Segurança e Alerta, pode-se afirmar que foram concluídas as sinalizações nos acessos, com o objetivo de minimizar a ocorrência de acidentes e garantir o conforto e a segurança das comunidades e dos funcionários usuários das vias. Destaca-se neste período a incorporação de equipes de sinaleiros auxiliando no tráfego de equipamentos da obra e veículos da comunidade, além de esforços constantes de sinalização nas vias públicas impactadas pelo Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM). As ações efetivas do CCBM com a comunidade que podem ser destacadas são: o aumento das blitzes de trânsito, que monitoraram as velocidades exercidas nas vias, orientaram e notificaram motoristas imprudentes e os encaminharam para o curso de direção defensiva; a consolidação da implementação de dispositivo de monitoramento de velocidade (CarSystem) nos veículos do Consórcio, que busca identificar e monitorar as ações realizadas pelo motorista, como excesso de velocidade, local acessado, entre outras funções; e a realização da Campanha de Segurança no Trânsito EVOLUÇÃO DAS ATIVIDADES, SEUS RESULTADOS E AVALIAÇÃO No primeiro semestre de 2014 foram produzidas e instaladas placas de segurança que, juntas, totalizam uma área de m². As atividades de manutenção das sinalizações voltadas à segurança e alerta nos acessos viários foram devidamente implementadas pelo CCBM no período a que se refere este Relatório. As vias de acessos externas e internas dos canteiros de obras são mantidas e dotadas de placas de sinalização viária orientativas para condutores de veículos, máquinas e equipamentos, de acordo com as diretrizes previstas no procedimento PS CCBM Sinalização Viária. Pag

3 No primeiro semestre de 2014, o CCBM inovou em sua forma de sinalizar as vias externas, instalando seu primeiro semáforo em um cruzamento movimentado da obra com o Travessão 27, via utilizada pela comunidade do entorno. A sinalização instalada nos acessos externos aos canteiros visa promover a segurança dos funcionários e da população do entorno às obras, de forma a inibir a ocorrência de acidentes durante o trânsito de veículos. As sinalizações informam as orientações dos acessos, os limites de velocidade permitidos, os cruzamentos de vias, e advertem a comunidade quanto aos perigos das rodovias e acessos à obra. O registro fotográfico apresentado no Anexo ilustra algumas sinalizações viárias implantadas nos acessos externos. Ainda a respeito das sinalizações em vias externas, foram realizadas, no período, sinalizações de trânsito na comunidade São Francisco das Chagas, em atendimento a solicitações da mesma. As vias de acessos internas também receberam melhorias nas sinalizações de trânsito durante o primeiro semestre de 2014, a fim de continuamente advertir os motoristas e operadores de máquinas para os riscos de acidentes, identificação dos acessos, isolamento e sinalização de áreas de riscos. As sinalizações implantadas nos acessos internos dos canteiros estão apresentadas no Anexo Em interface com o Programa 3.1 Programa de Controle Ambiental Intrínseco (PCAI), continuaram em implantação os controles ambientais de prevenção da poluição, como cobertura dos acessos com pedriscos e umectação das vias com caminhões pipa, de modo a reduzir a emissão de poeira. Estas ações auxiliam também na prevenção de acidentes e garantem maior conforto às comunidades do entorno e funcionários usuários das vias. Nas vias de acesso da obra, foram intensificadas as blitzes periódicas com o objetivo de conscientizar os funcionários quanto ao controle da velocidade e demais regras de trânsito. Para os condutores infratores, foram emitidas notificações de infração de trânsito, sendo estes convocados para treinamento em direção defensiva. Fotos das atividades de blitzes nas vias estão encartadas no Anexo No Quadro , a seguir, são apresentados os quantitativos previstos versus realizados das blitzes de trânsito. Quadro : Quantitativos Previstos /Realizados das Blitzes de Trânsito SÍTIO PREVISTO REALIZADO OBSERVAÇÃO Belo Monte Canais e Diques Pimental O radar esteve em calibração e em manutenção durante parte do período Radar em Manutenção Houve em maio, poucos dias úteis devido a paralisações e feriados. Pag

4 Durante o primeiro semestre de 2014 foram emitidas notificações de infrações de trânsito para os funcionários próprios e terceiros do CCBM, conforme mostram os gráficos apresentados nas Figuras e , a seguir. Figura Gráfico com o total de notificações de trânsito emitidas ao longo do 1º semestre de 2014 para funcionários próprios do CCBM Figura Gráfico com o total de notificações de trânsito emitidas ao longo do 1º semestre de 2014 para funcionários terceiros do CCBM No primeiro semestre de 2014, foram ainda realizados o monitoramento de velocidade dos condutores por meio de dispositivos de monitoramento da velocidade (CarSystem) instalados nos veículos do CCBM. Pag

5 Os resultados do monitoramento das ações de segurança viária (blitzes, sinalizações e controle de velocidade dos veículos) são avaliados mensalmente e reportados por meio de relatórios gerenciais mensais AÇÕES DE SEGURANÇA E ALERTA NOS CANTEIROS DE OBRAS Assim como nos acessos viários, também foram devidamente implementadas pelo CCBM, no primeiro semestre de 2014, as ações de segurança e alerta nos canteiros de obras, visando à minimização da ocorrência de acidentes. Todas as áreas de canteiros de obras receberam sinalizações diversas quanto à identificação das áreas, quanto ao risco de acidentes e perigos das atividades e para sensibilização quanto à higiene e limpeza dos locais de trabalho, dentre outros. O registro fotográfico das sinalizações instaladas está apresentado no Anexo TREINAMENTOS DE SEGURANÇA E ALERTA O CCBM promove, para todo funcionário contratado ou subcontratado, a capacitação comportamental em segurança e saúde durante a integração admissional, em interface com o Programa 3.3 Programa de Capacitação da Mão de Obra (PCMO). Durante a capacitação comportamental, o funcionário recebe as orientações básicas fundamentais para o ingresso aos canteiros de obras. Dentre os treinamentos teóricos e práticos realizados estão os Treinamentos Diários de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (TDSMS s), treinamentos para uso de ferramentas, para operação de máquinas e equipamentos, de emergências, formação de brigadistas e trabalho em altura. No relatório do Projeto Projeto de Controle Médico de Saúde Ocupacional e estão encartadas algumas fotos dos treinamentos realizados para o período deste 6º RC, bem como o quantitativo dos mesmos SINALIZAÇÃO FLUVIAL A instalação de sinalizações fluviais tem como objetivo a interdição e desvio do trânsito aquaviário durante as obras, garantindo que sejam preservadas as condições de segurança e fluidez do trânsito aquaviário e de acessibilidade, separando seguramente as áreas das obras do movimento de embarcações nas vias, de acordo com as normas preconizadas pela Autoridade Marítima para Sinalização Náutica NORMAM 17, da Diretoria de Hidrografia e Navegação. Pag

6 Os projetos de sinalização fluvial, bem como o detalhamento das portarias da Capitania dos Portos do Amapá que aprovaram os projetos, foram apresentados no 3º RC. Em Dezembro/2013, foi concluída a implantação da sinalização fluvial do rio Xingu, assim como a sinalização viária definitiva no STE Sistema de Transposição de Embarcação. Maiores detalhes a este respeito constam dos relatórios dos Projetos Projeto de Monitoramento do Dispositivo de Transposição de Embarcações e Projeto de Recomposição da Infraestrutura Fluvial deste 6 o RC SINALIZAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIAS E DETONAÇÕES O CCBM estabeleceu um Plano de Atendimento a Emergências (PAE CCBM ), que descreve as ações a serem tomadas no caso de ocorrência de sinistro, visando ao controle da situação de forma rápida e eficaz. A sinalização de emergência está definida de modo a facilitar a localização dos equipamentos, dos pontos de encontro e das rotas de saídas para abandono seguro em caso de emergência. Também estão disponíveis caminhões adaptados para combate a incêndio e heliportos para resgate emergencial. O Anexo traz o registro fotográfico da sinalização de emergência instalada no período. Conforme estabelecido no PAE, são realizados simulados, como exercícios práticos de instrução e treinamento, para tomada de ações em casos de emergências, visando preparar as pessoas para atuarem com segurança e eficácia. No relatório do Projeto Projeto de Controle Médico de Saúde Ocupacional e pode ser conferido o registro dos simulados realizados. A sinalização de área para detonação tem como objetivo garantir o controle quanto à segurança na operação com explosivos. Portanto, as áreas são mantidas isoladas durante todo o processo de perfuração de rocha, carregamento dos furos com explosivos, bem como a sinalização no leito do rio e isolamento de áreas trafegáveis que estejam dentro do raio de risco provenientes das projeções de materiais durante as detonações. A área a ser isolada prevê distância de projeção de material (fragmentos rochosos) com margem de segurança para posicionamento de equipamentos e uma margem de segurança maior para pessoas. Seguem alguns pontos condicionantes para autorização de detonação com uso de explosivos: 1 - Inventário dos pontos de isolamento de área por meio de coordenadas topográficas, utilizando os pontos mais críticos de detonação, estabelecendo os metros de raio de isolamento; 2 - Formalização do AVISO DE FOGO, com assinatura dos responsáveis das áreas afetadas pelo raio da detonação; Pag

7 3 - Acompanhamento do carregamento de explosivos em campo por Técnico de ; 4 - Isolamento da área 30 minutos antes do primeiro toque (isolamento compreende o fechamento da BR 230 em dois pontos para evitar tráfego na mesma durante o procedimento de detonação, fechamento da área interna de Belo Monte e fechamento da área da ensecadeira); 5 - Varredura da área interna, BR 230 e ensecadeira, para certificar que não haja presença de pessoas não envolvidas no processo de detonação e equipamentos no raio de fogo. 6 - Sinalização sonora para processo de detonação e liberação de área, a. Um (01) toque longo de 3 minutos na sirene, 30 minutos antes da detonação; b. Três (03) Toques Curtos de 30 segundos cada um, antes do acionamento do fogo; e c. Um (01) Toque médio de 01 minuto para finalizar o procedimento após detonação e conferência. As fotos constantes no Anexo exemplificam os recursos de sinalização utilizados na segurança na operação com explosivos, desde seu armazenamento nos paióis até o isolamento da área para detonação DIVULGAÇÃO DE CARTAZES SOBRE RISCOS DE ACIDENTES A equipe de, em interface com a equipe de Comunicação do CCBM, divulgou, durante o primeiro semestre de 2014, diversos informativos sobre riscos de acidentes. Foram publicadas Dicas da Semana, com temas relacionados a trânsito de veículos, animais peçonhentos, dentre outros, conforme pode-se ver nas Figura a , a seguir. Pag

8 Figura Dica da Semana Campanha de Trânsito Pag

9 Figura Boletim de QMSSRS Relacionamento com as Comunidades Pag

10 Figura Boletim de QMSSRS Responsabilidade Socioambiental Pag

11 Figura Material de Divulgação de Riscos de Animais Peçonhentos CRONOGRAMA GRÁFICO O cronograma físico da implementação deste Programa deve acompanhar, pari passu, aquele das obras civis principais e da implantação dos elementos de infraestrutura da UHE Belo Monte, não sendo observadas alterações em relação ao que já havia sido previsto anteriormente. Diante disso, ações continuadas serão mantidas, buscando manter os indicadores sob controle. Pag

12 Desvio do rio pelo vertedouro (sítio Pimental) Início enchimento Reserv. Xingu - Emissão prevista da LO da casa de força Início geração comercial da 1ª UG CF Complementar Enchimento Reserv. Interm. - LO Casa de Principal (Belo Monte) Entrada operação última UG da CF Complementar Início geração comercial CF Principal PACOTE DE TRABALHO PROJETO DE SEGURANÇA E ALERTA Atividades l Produtos Item Descrição q q q q q q T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 CRONOGRAMA DO PACOTE DE TRABALHO Programa de Saúde e Segurança Projeto de Segurança e Alerta 1 Comunicação das áreas de intervenção Comunicação das áreas de intervenção 2 Sinalização de alerta e segurança das novas vias Sinalização de alerta e segurança das novas vias 3 Divulgação dos riscos de acidentes Divulgação dos riscos de acidentes 4 Inspeções Inspeções Linha de Base - Alteração do PBA Realizado Previsto até o Fim do Produto

13 RESULTADOS E AVALIAÇÃO O CCBM analisa mensalmente os seus resultados de, com base nos seus Objetivos e Metas definidos para o Ano. Os resultados, as análises e as eventuais ações para os indicadores de Taxa de Frequência de Acidentes Sem Afastamento (TFSA), Taxa de Frequência de Acidentes Com Afastamento (TFCA) e Taxa de Gravidade (TG) para o mês de maio de 2014 estão apresentados no Projeto Projeto de Controle Médico de Saúde Ocupacional e. De forma geral, os resultados mostram que o CCBM teve um excelente desempenho de segurança do trabalho no primeiro semestre de Com relação aos acidentes de trajeto, o CCBM registrou, no primeiro semestre de 2014, uma taxa acumulada de 0,60, sendo interessante observar a performance de queda já vigente em dois meses maio e junho -, denotando a eficácia atrelada ao incremento de ações de segurança e alerta adotadas imediatamente após uma tendência de aumento no indicador analisado. Ressalte-se, nestas ações, o incremento das blitzes de trânsito nas vias, conforme antes aqui abordado. Figura Gráfico da TATJ Taxa de Acidentes de Trajeto, novo índice que será acompanhado pelo CCBM para posterior estabelecimento de VMA ENCAMINHAMENTOS PROPOSTOS Deverão ser mantidas as ações propostas e já em curso e revisão das mesmas se novas atividades ou funções forem agregadas à empresa. Pag

14 EQUIPE RESPONSÁVEL PELA IMPLEMENTAÇÃO NO PERÍODO PROFISSIONAL FORMAÇÃO FUNÇÃO Ramon de Matos Lopes Naiana Ramos da Silva Fernando Paiva Rodrigues Rafael Mauricio Dias Da Costa Rondineli dos Santos Silva Luciana Villela da Motta Costa Max da Silva Cruz Natália de Carvalho Amaral Adalberto Luiz Rocha Ronan Moreira Messias Jose Barbosa Dantas Manuel Gonçalves Sabino Engenheiro (a) de Obras Engenheiro (a) Trainee Coordenador (a) de Engenheiro (a) de Engenheiro (a) de Engenheiro (a) de Obras Coordenador (a) de Engenheiro (a) de Coordenador (a) de Engenheiro (a) de Engenheiro (a) de Coordenador (a) de Engenharia Civil Segurança Engenharia de Produção Técnico de Segurança no REGISTRO ÓRGÃO DE CLASSE CREA SP CREA PA D CREA MG D CREA PA D CREA CREA MG D CREA CREA MG D CREA CREA GO D CREA MG D CREA MG D CADASTRO TÉCNICO FEDERAL - CTF ANEXOS Anexo Registro fotográfico da sinalização viária nos acessos externos Anexo Registro fotográfico da sinalização viária nos acessos internos Anexo Registro fotográfico das atividades de blitz de trânsito Pag

15 Anexo Registro fotográfico da sinalização de segurança nas áreas de canteiros Anexo Registro fotográfico da sinalização de emergência Anexo Registro fotográfico da sinalização para detonação Pag

Projeto Básico Ambiental

Projeto Básico Ambiental Projeto Básico Ambiental 3. PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO 3.4 Programa de Saúde e Segurança 3.4.2 Projeto de Segurança e Alerta SETEMBRO 2011 RL-DS-001-802-020-29Set11=A Plano de sinalização viária e fluvial

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA DC-S-1/2011 2/14 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidade... 3 2.2.1. Produção Terra e Rocha... 3 2.2.2. Planejamento/Engenharia... 3 2.2.3. Administração

Leia mais

Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho

Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho 5 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.4.1-2 Registro Fotográfico das Atividades de Segurança do Trabalho

Leia mais

SUMÁRIO 4.3.3 PROJETO DE RELOCAÇÃO DE CEMITÉRIOS

SUMÁRIO 4.3.3 PROJETO DE RELOCAÇÃO DE CEMITÉRIOS SUMÁRIO 4.3.3 PROJETO DE RELOCAÇÃO DE CEMITÉRIOS 4. PLANO DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA... 4.3.3-1 4.3. PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA INFRAESTRUTURA RURAL.. 4.3.3-1 4.3.3. PROJETO DE RELOCAÇÃO DE CEMITÉRIOS...

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

5.3 - Plano de Gestão Ambiental - PGA... 1/9. 5.3.1 - Objetivos... 1/9. 5.3.2 - Justificativas... 1/9. 5.3.3 - Metas... 1/9

5.3 - Plano de Gestão Ambiental - PGA... 1/9. 5.3.1 - Objetivos... 1/9. 5.3.2 - Justificativas... 1/9. 5.3.3 - Metas... 1/9 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/9 5.3.1 - Objetivos... 1/9 5.3.2 - Justificativas... 1/9 5.3.3 - Metas... 1/9 5.3.4 - Metodologia... 2/9 5.3.5 - Público-alvo... 5/9 5.3.6

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental CAPA 5.1 - Programa de Gerenciamento Ambiental ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1/11 1.1. Ações já Realizadas... 2/11 2. Justificativa... 4/11

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução...

ÍNDICE 5. PROGRAMA DE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS DA OBRA EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2. 5.1 Introdução... ÍNDICE 5. EM QUESTÕES AMBIENTAIS, SAÚDE E SEGURANÇA... 2 5.1 Introdução... 2 5.2 Justificativa... 2 5.3 Objetivos... 3 5.4 Metas... 3 5.5 Indicadores Ambientais... 4 5.6 Público-Alvo... 4 5.7 Metodologia

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

SP 01/04/91 NT 128/91

SP 01/04/91 NT 128/91 SP 01/04/91 NT 128/91 Gerenciamento de Grandes Eventos Antonio Carlos Rissardo (DO) Marco Aurélio Reginatto (GET 5) Maria Cecília Figueiredo de Toledo (GDT) Marta Maria Alcione Pereira (AA) Milton Roberto

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto A Prefeitura, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), da CET-Rio e da Concessionária

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP

Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP Prazos e metas para o atendimento das solicitações apresentadas pela população foram pauta da reunião que aconteceu na prefeitura no início

Leia mais

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução SP 01/07/92 NT 149/92 Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO Introdução Em 1991, a CET através das Gerências de Engenharia de Tráfego operou 400 Km

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Anexo 3.3-2 Registro Fotográfico das Atividades de Capacitação de Mão de Obra

Anexo 3.3-2 Registro Fotográfico das Atividades de Capacitação de Mão de Obra 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.3-2 Registro Fotográfico das Atividades de Capacitação de Mão de

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ione Medeiros Alves², Jéssica Santos Lima 3, Lucélia Rodrigues da Silva

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.4 Programa de Sinalização e Segurança de Tráfego Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013

Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre de 2013 4 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.1 5 Balanço de materiais dos sítios, referente ao primeiro semestre

Leia mais

SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES

SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES SUMÁRIO 12.1.3 PROJETO DE DEMOLIÇÃO E DESINFECÇÃO DE ESTRUTURAS E EDIFICAÇÕES 12. PLANO DE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS TERRESTRES... 12.1.3-1 12.1. PROGRAMA DE DESMATAMENTO E LIMPEZA DAS ÁREAS DOS RESERVATÓRIOS...

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

Linha do Tempo Even. Abertura de capital ações começam a ser negociadas na BM&F BOVESPA. Início das atividades no mercado de Belo Horizonte (MG).

Linha do Tempo Even. Abertura de capital ações começam a ser negociadas na BM&F BOVESPA. Início das atividades no mercado de Belo Horizonte (MG). Linha do Tempo Even Criação da marca Even, resultado da fusão da ABC Investimentos e da Terepins&Kalili, fundadas em 1974 e 1978, respectivamente. Entrada no mercado do Rio de Janeiro (RJ). Abertura de

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.1 Programa de Gestão Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.1 Programa de Gestão Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4. Detalhamento dos Planos e Programas 4.1

Leia mais

ÍNDICE. 3.6.9.2.5 - Programa de Segurança no Trânsito e Mobilidade Urbana... 1/9. 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01

ÍNDICE. 3.6.9.2.5 - Programa de Segurança no Trânsito e Mobilidade Urbana... 1/9. 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/9 Índice 1/1 2517-00-EIA-RL-0001-02 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas.

Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistemas de Gestão Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-74-24

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

3.1 PROGRAMA DE CONTROLE AMBIENTAL INTRÍNSECO

3.1 PROGRAMA DE CONTROLE AMBIENTAL INTRÍNSECO 3.1 PROGRAMA DE CONTROLE AMBIENTAL INTRÍNSECO Constantes do PBA NOVAS METAS (Criadas a partir do Workshop do PAC) Manter no mínimo 80% dos pontos de controle vistoriados. A empresa responsável pela fiscalização

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL

SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL MINÉRIO DE FERRO BRASIL SEMINÁRIO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL Da prevenção à resposta às emergências e outros eventos críticos Mineração e pessoas que fazem a diferença. 1 Gerenciamento de risco Anglo American

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006.

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. INSTITUI O REGRAMENTO PARA GESTÃO DO TRÁFEGO PORTUÁRIO, SINALIZA E MONITORA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS, ESTABELECE ZONAS DE ESTACIONAMENTOS ROTATIVOS PARA

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXIX Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 2 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 OCORRÊNCIA 2006 M OCORRÊNCIA 2007 OCORRÊNCIA 2008 SUMÁRIO 1) Histórico 2) Instrução Normativa IBAMA n.º 05/2012

Leia mais

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO

ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) ORIENTADORES DE TRÂNSITO PROJETO OPERAÇÃO DE TRÁFEGO Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (SEMOC) Implantação 11 de dezembro,

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI)

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI) 40 Capítulo IX Resultados Parte I Por Marcus Possi* O objetivo deste artigo é finalizar o processo de trabalho da inspeção nas instalações elétricas, apresentando os resultados, não apenas relatórios ou

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC INTRODUÇÃO O Projeto foi assinado em novembro de 2010, é fruto de um

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL. Anexo 3.4.2-1 PS NE SSTMA 0022014

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL. Anexo 3.4.2-1 PS NE SSTMA 0022014 CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 3.4.2-1 PS NE SSTMA 0022014 PADRÃO DE SISTEMA Gerência de Saúde, Segurança do Trabalho e Meio ambiente (SSTMA) Altamira, Pará INSPEÇÃO DE SUPERVISÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

SUMÁRIO 4.5.1 PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES COMERCIAIS, DE SERVIÇOS E INDUSTRIAIS URBANAS

SUMÁRIO 4.5.1 PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES COMERCIAIS, DE SERVIÇOS E INDUSTRIAIS URBANAS SUMÁRIO 4.5.1 PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES COMERCIAIS, DE SERVIÇOS E INDUSTRIAIS URBANAS 4. PLANO DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA... 4.5.1-1 4.5. PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ.

TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. TÍTULO: MONITORAMENTO DA FAUNA SILVESTRE ATROPELADA NAS RODOVIAS BR-277, PR-508 E PR-407, NO LITORAL DO PARANÁ. INTRODUÇÃO O Brasil figura com louvor entre os países que detêm as maiores biodiversidades

Leia mais

SINDUSCON São Paulo/SP 17 de Dezembro 2010

SINDUSCON São Paulo/SP 17 de Dezembro 2010 BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRAS SINDUSCON São Paulo/SP 17 de Dezembro 2010 Cledson Macedo de Carvalho A Odebrecht concentra sua atuação Em 22 países em quatro

Leia mais

6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS

6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS 6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS Constantes do PBA 1 - Garantir a capacitação de prestadores de serviço e produtores inscritos no Cadastro

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

SUMÁRIO 5.2.19 PROJETO DE SANEAMENTO

SUMÁRIO 5.2.19 PROJETO DE SANEAMENTO SUMÁRIO 5.2.19 PROJETO DE SANEAMENTO 5. PLANO DE REQUALIFICAÇÃO URBANA... 5.2.19-1 5.1. PROGRAMA DE INTERVENÇÃO EM VITÓRIA DO XINGU... 5.2.19-1 5.2.19. PROJETO DE SANEAMENTO... 5.2.19-1 5.2.19.1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

``Projeto`Projeto Canteiro Seguro A HM VAI ATÉ SUA EMPRESA

``Projeto`Projeto Canteiro Seguro A HM VAI ATÉ SUA EMPRESA A HM CONSULTORIA lança a um novo projeto no mercado, o qual visa apoiar as construtoras na área de treinamentos dos funcionários de campo e administração de obras. FOTOS DA VAN EM FUNCIONAMENTO EM OUTROS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

Atropelamentos. Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135

Atropelamentos. Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135 Atropelamentos Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135 2 Atropelamentos 3 Cartilha de Educação Ambiental Tema: Atropelamentos Ano II, número 1, III trimestre de 2011 Redação, Diagramação

Leia mais

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon

Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Monitor de Rastreamento de Frota para Segurança de Transporte Planejamento de Projetos Iterativos Aplicando o RUP Projeto Blue Moon Exercício Estudar a descrição do sistema, examinar os planos de projetos

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015 2º semestre de 2015 POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 1 A Engenharia

Leia mais

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA

GRUPO 01 GRUPO 02 GRUPO 03 NÃO SE APLICA CONCEITO DE AVALIAÇÃO CHECK LIST 1. MEMORIAL SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NAS NOTA MÉDIA FINAL: 6,71NOTA MÉDIA FINAL: 4,82NOTA MÉDIA FINAL: 8,97 ATIVIDADES E OPERAÇÕES a) O memorial contempla

Leia mais