BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES Aplicação da ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de produção de bombas de combustíveis

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES Aplicação da ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de produção de bombas de combustíveis"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ANDERSON CALDEIRA BLATI LUIZ GUSTAVO KELENCY RAMON WILLIAN LESSA CORDEIRO BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES Aplicação da ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de produção de bombas de combustíveis SÃO PAULO 2010

2 II ANDERSON CALDEIRA BLATI LUIZ GUSTAVO KELENCY RAMON WILLIAN LESSA CORDEIRO BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES Aplicação da ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de produção de bombas de combustíveis Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção com ênfase em Planejamento de Operações Logísticas da Universidade Anhembi Morumbi. Orientador: Prof. Msc. Lincoln Camarini. SÃO PAULO 2010

3 III ANDERSON CALDEIRA BLATI LUIZ GUSTAVO KELENCY RAMON WILLIAN LESSA CORDEIRO BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES Aplicação da ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de produção de bombas de combustíveis Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção com ênfase em Planejamento de Operações Logísticas da Universidade Anhembi Morumbi. Orientador: Prof. Msc. Lincoln Camarini. Trabalho em: 06 de Dezembro de Prof. Msc. Lincoln Camarini Prof. Msc José Carlos Jacintho Comentários:

4 IV LUIZ G. KELENCY RAMON W. L. CORDEIRO ANDERSON C. BLATI Agradeço à minha família, Agradeço aos meus Primeiramente, gostaria de que sempre me apoiou, familiares pelo apoio e incentivo agradecer ao Grande Arquiteto incentivou e acreditou no meu sempre oferecidos à mim, aos do Universo, razão e força pela potencial. Aos amigos, que me professores que sempre qual sempre dediquei minha acompanharam durante essa estiveram dispostos a vida. importante fase da minha vida e compartilhar seu conhecimento Aos meus pais, Foad e Ilda com certeza continuarão para que eu chegasse até aqui Blati, que sempre abrilhantaram fazendo parte dela. E aos professores, pelo conhecimento e também aos meus grandes amigos que foram parceiros com paciência e amor todos os momentos da minha vida e que transmitido. inseparáveis e grandes me transmitiu valores e responsáveis por eu ter principalmente me ensinaram a conseguido chegar ao final do curso atingindo todos os meus objetivos. A todos, meu muito valorizar o ser humano. A minha amada Bianca Rossi Pedro por todo amor, carinho, obrigado. ajuda e compreensão nos momentos difíceis e por estar sempre ao meu lado. Obrigado aos três por sempre acreditarem em mim e serem os pilares da minha vida. Aos meus amigos pelos grandes e valiosos momentos de nossas vidas juntos tanto nos estudos como nos momentos de divertimento, no qual sem eles, esta realização teria sido muito mais árdua e penosa.

5 V AGRADECIMENTOS Agradecemos à empresa Gilbarco Veeder Root do Brasil Com. e Ind. Ltda pela oportunidade de utilizarmos uma de suas linhas de montagem para os devidos experimentos e aplicação das ferramentas para conclusão do nosso estudo de caso. Aos professores do curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi por sempre perseverar no ensinamento e compartilhamento de experiências valiosas aos decentes. Obrigado por acolher e ter paciência em todos os momentos que estivemos na Universidade. Em especial ao professor Lincoln Camarini por dedicar um tempo precioso para orientar-nos neste trabalho, e ao professor Francisco Carlos Damante por ter oferecido todo suporte estrutural para elaboração do trabalho.

6 VI Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade. Confúcio

7 VII RESUMO O Balanceamento de Operações é uma ferramenta utilizada em linhas de produção que possui o objetivo de distribuir de forma uniforme as sequências de operações que compõem uma linha de montagem. Tratada como um grande solucionador de problemas sem investimento de dinheiro, esta ferramenta tem como base de dados basicamente os períodos que envolvem a montagem de um produto, como o tempo de ciclo do produto (tempo utilizado para que o produto seja montado por completo), o tempo necessário para que o produto atenda a demanda do mercado e o tempo entre fabricação dos produtos. Alguns tempos também são considerados para a utilização da ferramenta, como as pausas dos funcionários, os horários de almoço e café. Após a consideração dos tempos, faz-se a análise de carga por posto de trabalho e efetua-se a cronometragem por posto. Neste momento, é possível identificar a etapa na qual o tempo é maior e em quais postos de trabalho existe a formação de filas antes dos mesmos, gerando os chamados gargalos de produção. Identificados os gargalos, é preciso redistribuir as operações de forma que todos os postos estejam com os tempos de processo aproximados. Além disso, faz-se necessária a garantia de que esses tempos redistribuídos não excedam o tempo necessário de produção, utilizando como base a demanda e trazendo um bom resultado para o balanceamento de operações. Palavras-chave: Balanceamento, tempos, redistribuição, gargalos.

8 VIII ABSTRACT Balancing Operations is a tool used in production lines in order to evenly distribute the sequences of operations that form an assembly line. Treated as a great problem solver without investing money, this tool is basically the database times involving the assembly of a product such as product cycle time (time required for the product is fully assembled) the time required for the product is done to meet the market demand and the time between manufacture products. Some of these times also are considered for using the tool, for instance, times of breaks of employees, such as lunch hours and hours of coffee. After consideration of the times, it is the analysis of cargo per job and the timing is affected by post, where you can identify the stage where time is higher and the queues before the jobs, generating so-called production bottlenecks. "Once identified bottlenecks, due to redistribute the operations so that all jobs are with the times of the process closer to each other, and should also make sure that those days are redistributed shall not exceed the time required for production based on demand, so there is a good result for balancing operations. Keywords: Balancing, times, reallocate, bottlenecks.

9 IX LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Esquema de fatores influentes na produção...10 FIGURA 2: Esquema de gargalo em linha de produção...14 FIGURA 3: Símbolos para elaboração de Mapa de Fluxo de Valor...18 FIGURA 4: Exemplo de Mapa de Fluxo de Valor (MFV)...18 FIGURA 5: Modelos de cronômetros...20 FIGURA 6: Linha de produção e tempo de ciclo...23 FIGURA 7: Exemplo de Andon...29 FIGURA 8: Fluxograma de gestão de produção com base no Takt time...30 FIGURA 9: Exemplo de gráfico de tempos de produção antes do balanceamento...31 FIGURA 10: Exemplo de gráficos de tempos de produção após balanceamento...33 FIGURA 11: Gráfico de Máximo Operador...34 FIGURA 12: Encoder (esquerda) e contadores eletromecânicos (direita)...37 FIGURA 13: Bomba Titan II...38 FIGURA 14: Gráfico de distribuição dos tempos (estudo de caso)...45 FIGURA 15: Gráfico de Máximo Operador (estudo de caso)...46 FIGURA 16: Novo gráfico de distribuição de tempos (estudo de caso)...51

10 X LISTA DE TABELAS TABELA 1: Plano de ação...39 TABELA 2: Tempo-padrão por posto de montagem (em minutos)...43 TABELA 3: Tempos divididos em sub-atividades...48 TABELA 4: Remanejamento dos tempos (balanceamento)...49 TABELA 5: Nova distribuição dos tempos por posto de montagem...50 TABELA 6: Comparativo da situação real...53

11 XI LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Vs H Min MFV MDO TN TP TF TE Tp ET TR Peças/H Min/Bomba PEPS FIFO Versus Horas Minutos Mapa de fluxo de valor Mão-de-obra direta Tempo normal Tempo-padrão Tolerância por fadiga Tolerância por espera Tolerância pessoal E Tempo real Peças por hora Minutos por bomba Primeiro que Entra, Primeiro que Sai First In, First Out

12 XII LISTA DE SÍMBOLOS % Porcentagem de um valor total Φ Letra do alfabeto grego phi, representando variação

13 XIII SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA APLICADA JUSTIFICATIVA BALANCEMANETO DE OPERAÇÕES FATORES INFLUENTES NA PRODUÇÃO Influência da fadiga humana na produção Gargalos na linha de produção ETAPAS PARA O BALANCEAMENTO Mapa de Fluxo de Valor (MFV) Estudo de tempos Equipamentos utilizados para estudo dos tempos Procedimento para determinação do tempo cronometrado Determinação do número de ciclos a serem cronometrados Tempos de Produção Tempo de ciclo Tempo normal Tempo-padrão Recomendações para caçulo do tempo padrão Lead Time Tempo Takt (Takt time) Análise dos tempos Gráfico de Máximo Operador... 33

14 XIV Concluindo o balanceamento de operações ESTUDO DE CASO Introdução Apresentação da empresa Apresentação do produto Plano de Ação Mapa de Fluxo de Valor Sistema de Produção Cronometragem dos tempos Cálculo do Takt time Gráfico de distribuição dos tempos Gráfico de Máximo Operador Balanceamento das operações Novo gráfico de distribuição de tempos Resultados obtidos após o balanceamento CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A... 1 ANEXO B... 2

15 1 1. INTRODUÇÃO Em ambientes de fábrica, é comum a demanda aumentar repentinamente e, como rejeitar pedidos não é agradável para nenhuma empresa, logo surge a dúvida de quais ações devem ser tomadas para que todos os pedidos sejam atendidos na data estipulada pelo cliente. Geralmente, a primeira solução que aparece é a contratação de mão-de-obra, aquisição de maquinário e duplicação de linha de produção. Essas são as soluções mais rápidas e que permitem à empresa permanecer em uma zona de conforto. Mas será que é sempre necessário investir dinheiro? E se a empresa investir dinheiro e for apenas um aumento de demanda passageiro? E se esse aumento prosseguir, mas o retorno pelo investimento for longo demais? É exatamente neste momento que entra em cena o engenheiro de produção, aplicando os estudos e ferramentas de produção enxuta antes de qualquer investimento. É muito comum, geralmente nas empresas de pequeno porte, que pouco conhecem sobre produção enxuta, que as operações de montagem de um produto sejam divididas em postos de trabalho e que essa divisão seja feita pelos processos mais cômodos. Por exemplo, em uma linha de montagem de kits presenteáveis para banho, há três operadores. O primeiro monta a caixa do kit, o segundo coloca o sabonete, o xampu e o creme para cabelos, já o terceiro fecha a caixa e faz o acabamento da embalagem. Enquanto a demanda está normal, a linha consegue trabalhar. Mas se ocorrer um aumento repentino, o segundo operador ficará com excesso de carga, enquanto o primeiro irá montar diversas caixas e deixar na fila, esperando o segundo operador, porém o terceiro operador ficará parado, aguardando a chegada de kits. É possível observar que nessa linha de produção há o surgimento de grandes variações de tempo entre os postos. Por isso, torna-se extremamente necessário uma análise de operações e balanceamento dos tempos em cada posto.

16 2 São situações como esta que influenciam os gestores da empresa a cometerem erros, ou seja, no momento do desespero, é muito provável que o responsável por essa linha de produção coloque mais operadores montando os kits, deixando os outros com o mesmo ritmo de trabalho. Esta pesquisa irá apresentar uma solução para problemas como este. Ao aplicar a ferramenta de balanceamento de operações, analisa-se a divisão do tempo dos postos, utilizando como base o tempo necessário para produzir um produto para que este atenda a demanda. É também definido um padrão de trabalho de forma que os postos estejam com seus tempos distribuídos por igual. Ao fazer este estudo, é comum ocorrerem surpresas. Por exemplo, após calcular o tempo de demanda, é possível chegar à conclusão de que apenas um operador em toda a sequência de montagem do produto é suficiente para atender a demanda ou ainda que realmente são necessários três operadores, mas que sua capacidade irá aumentar de forma significativa ao dividir corretamente as operações. Nesta pesquisa, são apresentados os conceitos da ferramenta de balanceamento de operações e um estudo de caso no qual essas ferramentas foram implantadas. São apresentados, também, termos técnicos utilizados na área de engenharia de produção e quais as suas funções para o balanceamento de operações.

17 3 2. OBJETIVOS Esta pesquisa tem como objetivo aplicar as ferramentas de balanceamento de operações que foram apresentadas durante o curso de engenharia de produção para que sejam atingidos os resultados, conforme objetivos gerais e específicos a seguir Objetivo Geral produção. Aplicar a ferramenta de balanceamento de operações em uma linha de 2.2. Objetivos Específicos Obter melhorias em uma célula de produção, utilizando as técnicas de balanceamento de operações conforme aprendizado durante o curso de engenharia de produção. Comprovar, também, que é possível obter ganhos significativos sem necessidade de investimento financeiro, aplicando as ferramentas de produção enxuta.

18 4 3. METODOLOGIA APLICADA Esta pesquisa foi desenvolvida com base nos conteúdos intelectuais adquiridos durante o curso de engenharia de produção e, para a conclusão, esses conteúdos foram aplicados em um estudo de caso. O referencial teórico foi pesquisado em livros voltados à área de produção enxuta, administração de sistemas produtivos e gerenciamento de pessoas. Além disso, para apoiar a teoria, foi utilizado o conhecimento adquirido pelos graduandos do curso. A forma de comprovação dos conhecimentos adquiridos escolhida pela equipe foi um estudo de caso em uma linha de produção ativa, uma vez que foi possível o acesso a uma fábrica de bombas de combustíveis no período de cinco dias. Com este acesso, a equipe aplicou passo a passo as etapas da ferramenta de balanceamento de operações e concluiu os estudos dentro do prazo máximo de autorização da empresa. Durante o processo, a equipe deparou-se com alguns fatores que poderiam comprometer a conclusão do trabalho no período autorizado. O primeiro fator preocupante foi o momento de percepção do tempo de montagem de uma bomba completa, que leva de seis horas. De acordo com os cálculos da equipe, para se cronometrar dez bombas a fim de se obter um tempo médio aceitável para aplicação da ferramenta, seriam necessários em torno de 60 horas, que resultariam em aproximadamente oito dias corridos de cronometragem interrupta. Para este problema, a equipe dividiu-se em três, o que permitiu que cada membro efetuasse a cronometragem de uma bomba por dia. Sendo assim, nos dois primeiros dias de cronometragem das bombas, obteve-se o tempo de seis bombas completas. Com esses tempos, efetuou-se uma análise crítica dos resultados obtidos, declarou aceitável para iniciar o próximo passo.

19 5 Outro problema enfrentado foi a necessidade de aplicação de fatores de correção nos tempos. Isso ocorre porque, ao serem informados sobre a observação do grupo, os operadores daquela linha de montagem apresentaram reações previstas em casos de estudo de tempo: alguns aceleraram o ritmo de trabalho, a fim de apresentar uma melhor produtividade, enquanto outros diminuem o ritmo de trabalho, com objetivo de mostrar que o processo é mais vagaroso do que o real. Para tanto, a solução adotada são ajustes de tempo, conforme apresentado no referencial teórico da pesquisa. Com os tempos cronometrados em mãos e os ajustes efetuados, seguindo-se os padrões, deu-se continuidade ao processo de balanceamento de operação. Como não ocorreram mudanças bruscas de planta da fábrica, os passos seguintes foram aplicados, obtendo sucesso no término do estudo.

20 6 4. JUSTIFICATIVA O tema balanceamento de operações, escolhido para elaboração desta pesquisa, é de suma importância para o ramo de engenharia de produção. Este assunto deve estar entre os requisitos básicos para a formação de um engenheiro de produção devido ao grande histórico de sucessos que essa ferramenta vem obtendo ao ser aplicado nas empresas, além do motivo de que, para sua utilização, deve-se conhecer outras diversas ferramentas de produção enxuta. A pesquisa a seguir explora em detalhes esta ferramenta e foi elaborada para ser didática para futuras consultas de calouros, formandos, recém-formados e todos que se interessem em aumentar o conhecimento na ferramenta de balanceamento de operações.

21 7 5. BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES No balanceamento de operações, o tempo total para a montagem de determinado produto é distribuído de forma semelhante entre as estações de trabalho, permitindo que a linha fique com os tempos nivelados entre si. Entre os objetivos principais do balanceamento de operações, pode-se citar: redução de desperdícios de tempo na produção, eliminação de gargalos, melhoria da planta, redução da ociosidade de mão-de-obra e equipamentos, bem como aumento da produção. O balanceamento de uma linha de produção consiste na atribuição de tarefas de forma que todas as estações demandem aproximadamente o mesmo tempo para execução das tarefas a elas designadas (PEINADO & GRAEMI, 2007 p. 198). A tarefa do balanceamento de linha é a de atribuir as tarefas aos postos de trabalho de forma a atingir uma dada taxa de produção, e de forma que o trabalho seja dividido igualmente entre os postos (MOREIRA, 2000 p. 412). A principal dificuldade que é encontrada ao realizar o trabalho de balanceamento é a formação de tarefas ou conjunto de tarefas que demandem o mesmo tempo para sua realização. Em muitos casos, não é possível dividir tarefas com maior duração. Da mesma forma, também não é possível agrupar tarefas com duração reduzida. Nesta pesquisa é abordado o passo a passo para o balanceamento de operações e seus atenuantes, como tempos de produção, fatores externos e internos que interferem na produção, forma correta de tomada de tempo, ajuste da planta e distribuição de funções.

22 8 6. FATORES INFLUENTES NA PRODUÇÃO Antes de aprofundar-se no assunto, o responsável pelo balanceamento de operações deve levar em consideração que uma linha de produção está sujeita a influências externas que podem prejudicar sua produtividade. Esses fatores também podem interferir no momento da redistribuição dos tempos durante o balanceamento, gerando limites para execução das tarefas. Para um sistema produtivo alcançar sucesso com eficácia e eficiência não basta apenas ter bom planejamento e uma estratégia bem definida. É muito importante saber que um sistema, seja ele produtivo ou outro qualquer, depende de diversos fatores. É nesse exato momento que o gestor deve gerir um equilíbrio no sistema para alcançar um bom rendimento, pois há fatores externos que alteram o cotidiano da empresa e isso traz impacto à produtividade. A seguir, é apresentada uma sucinta explicação sobre os principais fatores externos influentes na produtividade: Relação Capital vs. Trabalho: este fator indica investimentos que a empresa anda empregando em máquinas, equipamentos e instalações em relação à mão-de-obra empregada. Sempre existem depreciações e obsolescência, portanto, a empresa, para continuar tendo prospecções futuras, deve considerar as modernizações e tecnologias, com investimentos em maquinário e pessoal. Tecnologia: a inovação por tecnologia no mundo de hoje é indispensável em qualquer área de atuação, assim, um sistema produtivo deve estar voltado às novas tendências tecnológicas. São esses avanços tecnológicos os responsáveis pelo aumento da produtividade nos últimos anos, diminuindo árduas e repetitivas tarefas da mão-de-obra. Para tanto, os avanços necessitam de um aprimoramento cada vez maior, de acordo com a necessidade do sistema produtivo.

23 9 Escassez de Recursos: alguns recursos podem trazer grande prejuízo na produtividade. Como exemplos desses recursos, verificam-se: ausência ou problemas de energia, componentes, peças e até mesmo nos recursos financeiros da empresa, pois além de prejudicar o planejamento, há também um encarecimento do custo no orçamento final. Restrições Legais: a legislação deve ser respeitada e compreendida por ambos os lados (empreendedor e empregado) de acordo com sua vigência. É relevante se atentar para adaptações locais e onerosas, pois uma legislação antiquada, inadequada e protecionista produz impacto direto na produtividade. Fatores Gerenciais: um bom gestor deve saber compreender tudo o que está acontecendo ao redor e dentro do sistema produtivo. A capacidade intelectual focada na adaptação e preparação para mudanças, bem como a criação de oportunidades para melhorias contínuas na produtividade, é de extrema importância. O empenho do gestor reflete nos demais empregados e em suas respectivas atribuições. Qualidade de Vida: a qualidade de vida ganha grande destaque nos dias de hoje, uma vez comprovado o fato de um profissional se desenvolver melhor estando bem consigo mesmo. É de suma importância destacar que uma empresa preocupada com seus funcionários, fornecendo-lhes uma boa ergonomia, desenvolvimento profissional, pessoal, treinamentos e benefícios (tanto para si quanto para a família), se torna mais competitiva, pois agrega força interior da equipe, ganhando respeito e comprometimento dos colaboradores. Sendo assim, é certo que o retorno, em termos de aumento de produtividade, é imediato. Porém, não se devem considerar apenas os funcionários. Uma boa estratégia competitiva engloba também uma relação de sustentabilidade com clientes, com o meio ambiente e com a sociedade na qual se encontra instalada na empresa.

24 10 Recurso Humano: um profissional qualificado tende a agregar mais ao sistema produtivo do que diversos profissionais sem a mesma graduação. Não adianta ter mão-de-obra barata se esta não é produtiva. Outra consideração crescentemente importante é que, num ambiente em que cada vez mais o capital humano é visto como um fator crucial na obtenção de vantagens competitivas, a empresa deve se atentar à imagem que pretende mostrar para se tornar mais atrativa aos olhos dos funcionários. Quase sempre, aumentos de produtividade requerem mudanças tecnológicas, de qualidade e/ou na forma da organização do trabalho como um todo sistêmico. produtivo. Na figura 1, é demonstrado um esquema desses fatores em um sistema FIGURA 1 Esquema de fatores Influentes na Produção A figura 1 ilustra a transformação de recursos dentro de uma empresa. No lado esquerdo, temos o ambiente que proporciona as entradas de vários tipos de recursos, que dentro da empresa são transformados em produtos (área circulada). No lado direito, há a saída dos produtos e serviços, que retornam ao ambiente.

25 Influência da Fadiga Humana na Produção Um sistema produtivo é uma forma em série de se produzir um produto ou serviço no qual diversos profissionais trabalham sendo auxiliados por máquinas e ferramentas. Existem sistemas produtivos que são mais automatizados e que facilitam as tarefas dos profissionais, mas nunca as dispensam. Há também linhas em que a mão-de-obra é mais aplicada do que maquinários. Uma associação em comum é o aparecimento de fadiga, que geralmente surge por conta de repetições de atividades. De um modo geral, entende-se a fadiga humana como um conjunto de alterações que ocorre no organismo, resultantes de atividades físicas ou mentais e que levam a uma sensação generalizada de cansaço. É consequência direta da fadiga a perda de eficiência, ou seja, a diminuição da capacidade de trabalho (NAHAS, 2001). Esses são os sintomas que podem vir a aparecer num sistema produtivo, uma vez que as rotinas ou carregamento intenso de tarefas ocasionam uma fadiga nos profissionais, impactando na produtividade. Segundo LIDA (1993), as causas da fadiga são variadas e possuem efeito cumulativo. As exigências físicas ou mentais exageradas provocam estresse, mas este pode incidir fortemente naqueles trabalhadores já afetados, como conflitos com a chefia ou até um problema doméstico. Os estudos citam alguns fatores nos quais há influência direta da fadiga: Conteúdo do trabalho: pressão para manter ritmo de produção, responsabilidade, conflitos e outras fontes de insatisfação no trabalho; Sentimentos de incapacidade: O estresse decorre de uma percepção pessoal da incapacidade em atender a demanda do trabalho ou terminá-lo dentro de um prazo estabelecido;

26 12 Condições de trabalho: condições desfavoráveis, projetos inadequados de posto de trabalho, obrigando o colaborador a manter uma postura inadequada; Fatores organizacionais: comportamento dos superiores que podem ser demasiadamente exigentes e críticos, além das questões salariais, plano de carreira, expediente de trabalho, horas extras e turnos de plantão; Pressão econômico-social: questões de dinheiro e a forte pressão exercida pela sociedade de consumo são elementos de frequentes preocupações. Os principais sintomas da fadiga são: sonolência, lassidão, indisposição para o trabalho, falta de concentração, lentidão perceptiva, ausência da força de vontade e iniciativa, baixo rendimento e irritabilidade, assim como ocasionar problemas cardiovasculares, no sistema nervoso e digestivo. Nas literaturas, a fadiga é principalmente subdivida em duas classes: fadiga muscular e crônica. Entretanto, é possível encontrar outros tipos de fadigas ocasionadas por diferentes atividades, tais como: fadiga visual, corporal geral, mental, nervosa e circadiana. Definições para os tipos de fadiga: Fadiga Muscular: estado no qual a capacidade dos músculos em reagir a estímulos e produzir trabalho é sensivelmente diminuída. Tende a ser considerada uma resposta normal ao cansaço decorrente de atividades físicas intensas, executadas por um longo período de tempo. Fadiga Crônica: processo mais generalizado, progressivo e cumulativo, consequente de longos períodos de atividade, repouso insuficiente, nutrição inadequada, excessiva preocupação, ansiedade ou outros problemas de saúde. Os sintomas mais comuns desse tipo de fadiga são: dificuldade para dormir, irritabilidade, brusca perda de peso e um estado geral de exaustão.

27 13 Visando obter boa produtividade, a fadiga deve ser evitada e controlada por meio de um planejamento de intensidade, carga e volume, com a correta adequação a cada indivíduo de acordo com sua capacidade. É importante que a empresa busque práticas de motivação e estímulo aos trabalhadores, uma vez que essas associações das ações gerem melhorias no sistema produtivo Gargalos na Linha de Produção Um fator importante que interfere diretamente na produção é representado pelos gargalos produtivos. Os gargalos produtivos são todas as etapas em uma linha de produção que limitam sua capacidade final. Por exemplo, uma empresa possui uma linha de produção sequencial composta de quatro máquinas e dependentes entre si, cujas capacidades de fabricação são, respectivamente: 50 peças/h, 30 peças/h, 40 peças/h e 80 peças/h. Baseado nesses dados, quantas peças são produzidas por hora nessa linha produtiva? A resposta para esta questão é: 30 peças por hora, pois a primeira máquina produz 50 peças/ h e passa para a etapa seguinte, mas esta etapa seguinte apenas consegue produzir 30 peças/h, ou seja, independente da capacidade das máquinas posteriores, apenas serão passadas 30 peças/h para as etapas seguintes, e na segunda etapa, estoque e/ou fila no processo de 20 peças/h em decorrência do gargalo. Desta forma, verifica-se um gargalo nesta etapa e fica possível achar soluções para reduzir o impacto deste gargalo na produção, identificando em qual etapa encontra-se para, consequentemente, tomarem-se as medidas para que sua capacidade produtiva seja elevada. A figura 2 mostra o impacto de um gargalo na linha de produção.

28 14 FIGURA 2 Esquema de gargalo em linha de produção Quando um gargalo é solucionado em uma etapa, ele vai possivelmente aparecer em outra etapa. Utilizando o mesmo exemplo, caso a capacidade da segunda máquina for aumentada para 50 peças/h (igual a da primeira máquina), o gargalo será na terceira máquina (capacidade 40 peças/h). Tornando-se um processo contínuo de melhoria da produtividade. Sendo assim, é possível definir os gargalos produtivos como uma geração de ociosidade de uma ou mais partes de um sistema, no qual se adiciona uma parcela de custo fixo maior (principalmente custos de estocagem e financeiro). Outro gargalo não tão claro é identificado no atendimento ao cliente, localizado na saída do sistema (vendas). Alguns autores não classificam o setor de vendas como gargalo, entretanto, se houver alguma restrição nas saídas (vendas), consequentemente haverá ociosidade nas entradas (sistema de produção), pois não haverá a necessidade da produção e, portanto, a saída seria, sim, um gargalo. Gargalos produtivos são dificilmente detectados e eliminá-los é uma tarefa árdua, principalmente quando ocorrem diversos gargalos no mesmo sistema produtivo. Por fim, o gargalo produtivo pode ser considerado uma falha de planejamento produtivo que acarreta em redução da capacidade produtiva e na consequente perda de eficiência e recursos, sejam eles financeiros ou humanos. Geralmente os gargalos surgem quando, em alguma etapa do processo, há obstrução do fluxo normal de produção.

29 15 No entanto, a necessidade de corrigi-los é importante para manter a empresa competitiva e atingir o foco das estratégias traçadas no início do projeto, pois tendo como resultado a redução ou eliminação dos gargalos produtivos, a organização obtém melhoria na produtividade e reduz os desperdícios de recursos, aumentando o resultado e obtendo, assim, uma maior lucratividade.

30 16 7. ETAPAS PARA O BALANCEAMENTO Para iniciar o balanceamento em uma linha de produção, devem-se seguir fatores pré-definidos, que indicam o caminho correto para que seja feito um bom trabalho. No trecho a seguir desta pesquisa são demonstradas as etapas para que o trabalho seja feito. Etapa 1: para se tomar alguma ação sobre um processo, é necessário conhecê-lo a fundo, assim como seus fatores influentes e todo entorno das operações seguintes. Para isso, a primeira ação a ser tomada é a elaboração do Mapa de Fluxo de Valor do processo (MFV)¹, identificando os problemas e dificuldades. Etapa 2: ao se conhecer o processo, o próximo passo é a aquisição dos tempos da produção em estudo. Esses estudos são um espelho de como o tempo de montagem de um produto está distribuído por todo seu ciclo de produção. Etapa 3: nesta etapa, aplica-se a ferramenta de Máximo Operador ², no qual é identificada a quantidade de operadores ou postos de trabalhos necessários para atender a demanda de acordo com o tempo necessário. Etapa 4: os tempos de produção extraídos devem ser segregados por postos de trabalhos, de forma a identificar os gargalos do processo. Localizando os gargalos, é necessário redistribuir os tempos de forma que todos fiquem o mais próximo possível da linearidade. 1. MFV Mapa de Fluxo de Valor é o desenho real do processo de montagem de um produto como um todo, desde a compra de matéria-prima até o recebimento do produto acabado no cliente 2. Máximo Operador é o gráfico que distribui o tempo de montagem do produto com referência no Takt time, resultando na quantidade ideal de operadores.

31 17 Etapa 5: com os tempos redistribuídos, deve-se verificar se todas as mudanças são viáveis ao processo, para então, implementar as mudanças cabíveis. Sendo viáveis, deve-se oficializar as mudanças propostas. Etapa 6: elabora-se um relatório para indicar as soluções encontradas para os problemas, oficializando o balanceamento de operações Mapa de Fluxo de Valor (MFV) JONES & WOMACK (2004), definem o mapeamento do fluxo de valor como uma representação visual dos fluxos, tanto de informação quanto de materiais, de determinado processo. O Mapa de Fluxo de Valor é o desenho real do processo e de todas as partes que atuam nele. Deve ser desenhado em uma folha de papel, utilizando os símbolos padronizados, criando uma visão geral do processo e oferecendo ao analista a possibilidade de enxergar melhorias e prováveis fragilidades no processo. Para elaborá-lo, é preciso seguir toda a transformação de um produto, desde a chegada da matéria-prima à fábrica até sua transformação em produto final e entrega ao cliente. Todas as etapas devem ser expressas graficamente, utilizando símbolos padronizados. Nesta pesquisa, os símbolos utilizados serão os símbolos expressos na figura 3.

32 18 FIGURA 3 Símbolos para elaboração de Mapa de Fluxo de Valor A figura 3 ilustra os símbolos padronizados utilizados no mapeamento de fluxo de um processo com os respectivos significados. Existem diversos símbolos além dos ilustrados nesta figura, porém apenas estes são utilizados no estudo de caso. Além das expressões gráficas, devem ser conferidos no Mapa de Fluxo os tempos de processo. Depois de conferidos os dados de produção e desenhado o processo, o Mapa de Fluxo resulta como no exemplo da figura 4: FIGURA 4 Exemplo de Mapa de Fluxo de Valor (MFV)

33 19 A figura 4 demonstra um Mapa de Fluxo de Valor, no qual está anotado todos os dados do processo e tempos de montagem, bem como os fatores que influenciam na produção, além do circuito logístico da matéria-prima e do produto acabado Estudo de Tempos Segundo SLACK (2008, p. 287), estudo do tempo é uma técnica de medida do trabalho para registrar os tempos e o ritmo de trabalho para os elementos de uma tarefa especializada, realizada sob condições especificadas, e para analisar os dados de forma a obter o tempo necessário para a realização do trabalho com um nível definido de desempenho. O estudo de tempos, movimentos e métodos aborda técnicas que submetem a uma detalhada análise cada operação de uma dada tarefa, com o objetivo de eliminar qualquer elemento desnecessário à operação e determinar o melhor e mais eficiente método para executá-la (PEINADO & GRAEMI, 2007 p. 88). Define-se que estudo de tempo é a determinação, com o uso de um cronômetro, do tempo necessário para se realizar uma tarefa. Além de procurar estabelecer a melhor forma de se desempenhar um determinado trabalho, o estudo dos tempos possui outras finalidades: Estabelecer padrões que serão utilizados na elaboração de programas de produção; Determinar a capacidade produtiva da empresa; Determinar o tempo necessário de produção para atender à demanda Determinar o valor da mão-de-obra direta (MDO) para cálculo do custo do produto; Fornecer dados para o estudo de balanceamento de operações;

34 20 O estudo do tempo é a premissa básica para a determinação de um balanceamento de linha Equipamentos Utilizados para Estudo dos Tempos Para que seja realizado o estudo dos tempos, necessita-se, de um cronômetro, para realizar a contagem do tempo da atividade em estudo e uma folha de observação, na qual serão registrados os tempos e demais observações relativas à atividade cronometrada, conforme anexo B tempo. A figura 5 apresenta exemplos de cronômetros utilizados para tomada de FIGURA 5 Modelos de cronômetros

35 Procedimento para Determinação do Tempo Cronometrado Para a determinação do tempo cronometrado, primeiramente, deve-se dividir o objeto de estudo em partes para que se obtenha uma medida precisa. É preciso cuidado para não dividir a operação em muitos ou poucos elementos. PEINADO & GRAEMI (2007) indicam cinco segundos como o tempo mínimo a ser medido. Abaixo deste tempo, os erros provenientes do cronoanalista ocorrem com maior frequência, como exemplo, a hora exata de parar o cronômetro. Em seguida, devem-se medir as ações do operador em momento separado das ações das máquinas para que se tenha exatamente o atraso do operador e o causado pelo equipamento. Outros aspectos que devem ser considerados no momento da cronometragem dos tempos são: Erro do cronoanalista: embora raramente, erros podem ocorrer e eles não podem interferir no resultado final da medição; Elementos estranhos: são elementos desnecessários à operação, como por exemplo, o operador enxugar o suor da testa; Elementos anormais: são aqueles que modificam a sequência natural da operação como uma rebarba, dificultando o encaixe de uma peça. Apesar de ignorados no momento da cronometragem, os elementos estranhos ou anormais devem ser identificados, pois podem representar uma oportunidade de melhoria na operação. Dependendo da frequência com que ocorrem, convém identificar as causas e eliminá-las.

36 Determinação do Número de Ciclos a Serem Cronometrados Para obter uma medida aceitável de tempo, as durações das atividades devem ser mensuradas por diversas vezes, proporcionando uma média aritmética. Segundo ROCHA, para tarefas de grande utilização, em que a variação do tempo pode gerar uma elevada variação na produção, devem ser realizadas, no máximo, 50 observações, porém, o normal é que se realizam de 20 a 30 tomadas de tempo. Para esse estudo de caso, adotou-se o padrão utilizado na empresa, onde o ideal é que seja tirada uma média aritmética de no mínimo dez de um ciclo total de produção, porém, nos casos em que o tempo de ciclo de um produto é muito elevado e ocorram limites para que o trabalho seja feito, é aceitável uma redução do número de tomadas de tempo, desde que os tempos por etapa estejam próximos, sem elevadas variações, e que haja um consenso entre o solicitante do balanceamento e o responsável pela aplicação da ferramenta Tempos de Produção Quando se trata de produção, há diversos tempos a serem tomados. Os tempos sofrem influência da demanda e do ritmo de produção, que varia de operador a operador, da fadiga que ocorre diante das situações de trabalho, dentre outros fatores influentes já apresentados. A seguir, serão apresentados os tempos de produção e as formas de ajuste de tempo Tempo de Ciclo Tempo de ciclo é o tempo em que a linha irá fornecer um produto acabado, ou seja, a cada x tempo terá um produto acabado no final da linha de montagem. É o tempo máximo permitido para cada estação de trabalho antes que a tarefa seja passada para a estação seguinte (PEINADO & GRAEMI, 2007 p. 206).

37 23 Para LAUGENI & MARTINS (2002), o tempo de ciclo é o intervalo entre a liberação de duas pessoas em uma linha de montagem. Para uma máquina ou equipamento, o tempo de ciclo é o tempo-padrão, ou seja, é o tempo necessário para a execução de determinada tarefa em uma peça. Porém, quando se trata de uma linha de produção, devem ser consideradas as relações entre os equipamentos e as operações para que seja definido o tempo de ciclo. A figura 6 apresenta um esquema de linha de produção e os tempos distribuídos por postos: TEMPO DE CICLO FIGURA 6 Linha de produção e tempo de ciclo Na figura, o produto passa por quatro operações (postos ou máquinas diferentes) até ser finalizado. Cada um desses postos possui um tempo-padrão de processamento. Se adotássemos o mesmo conceito de uma máquina, o tempo de ciclo seria a soma dos tempos das operações executadas em cada posto A, B, C e D. Porém, ao fazer uma análise aprofundada na figura, identifica-se que o ciclo da linha é de três minutos (operação C), pois somente após esse período de tempo é possível ter um novo ciclo completo. Com isso, chega-se a uma nova definição: o tempo de ciclo em uma linha de produção equivale ao tempo de operação na máquina ou posto mais lento o gargalo.

38 24 No exemplo, se um único operador fosse responsável por todas as atividades acima descritas, o tempo de ciclo nesse caso seria igual à soma do tempo de todas as operações, ou seja, nove minutos Tempo Normal Para BARNES (1999), o tempo normal é o tempo necessário para que um operador qualificado execute a operação, trabalhando em um ritmo normal, sem levar em consideração tolerância alguma. Porém, deve-se considerar que ao longo do dia, o trabalho do operador sofre algumas interrupções, tanto por necessidades pessoais como por motivos alheios à sua vontade. SLACK et AL. (2002, p. 288) adota a seguinte definição para a avaliação de ritmo dos tempos observados: Processo de avaliar a velocidade de trabalho do trabalhador relativamente ao conceito do observador a respeito da velocidade correspondente ao desempenho padrão. O observador pode levar em consideração, separadamente ou em combinação, um ou mais fatores necessários para realizar o trabalho, como a velocidade de movimento, esforço, destreza, consistência etc. Além disso, durante o processo de tomada de tempo, o operador que está sendo avaliado pode trabalhar acima ou abaixo do ritmo normal. Ritmo normal é o ritmo que um operador pode manter diariamente, sem fadiga e com um esforço razoável. A avaliação do ritmo é subjetiva, ficando a critério do cronoanalista. Para um ritmo normal de operação é atribuída uma taxa de 100%, podendo variar, para mais ou para menos. Com isso, conclui-se que o Tempo Normal é o Tempo Real corrigido pelo ritmo do operador. Onde: TR = Tempo real TN = Tempo normal % Ritmo Φ TN = TR 100 Exemplo: Para um tempo real de 0,06 min e um ritmo avaliado em 90%, o tempo normal é 0,054 min.

39 Tempo-padrão O tempo-padrão é o tempo considerado adequado para produzir um item, considerando a preparação do equipamento, o tempo efetivo de produção e levando-se em conta, também, algumas tolerâncias como fadiga do operador e paradas eventuais (necessidades fisiológicas e limpeza da máquina, são exemplos). BARNES (1999) define o tempo-padrão como sendo igual ao tempo normal mais as tolerâncias. O tempo-padrão de cada atividade constitui a meta da fábrica, que será a base para cobrança da produção dentro dos tempos estabelecidos. Conhecendo-se a quantidade de equipamentos e funcionários disponíveis e os tempos-padrão, é possível estabelecer as metas de produção para o período (dia, semana, mês). As metas de produção são fundamentais para que a fábrica realize sua função de produzir com alto desempenho, ou seja, produzir de forma que a ociosidade seja mínima e a taxa de utilização do tempo disponível seja próximo a 100%. Com as metas estabelecidas, é possível acompanhar se cada lote foi realizado dentro do seu tempo ideal. Assim, é possível identificar se está saindo de acordo com a meta e, em caso negativo, é possível atuar corretivamente. Quando uma empresa desconhece os tempos-padrão, não consegue estabelecer as metas de produção ou então as estabelece com alto grau de erro. Quando a produção é executada, certamente não haverá uma meta real, causando descrédito.

40 Recomendações para Cálculo do Tempo-Padrão Os tempos-padrão de produção para os diversos componentes e produtos, deverão ser estabelecidos. O ideal na definição dos tempos-padrão é que seja realizada a cronometragem dos tempos de execução. Embora esse seja o processo ideal, sabe-se que a cronometragem demora um grande tempo para ser realizada e possui custo que pode ser inviável para uma pequena empresa. Uma alternativa à cronometragem é o estabelecimento dos tempos por meio da implantação de controles de produção que permitam captar os tempos médios utilizados. Com os controles de produção preenchidos, deve-se calcular o tempo normal (TN) médio para produzir um item. É importante avaliar, também, se o tempo obtido é significativo (ou seja, se a amostra utilizada corresponde ao que ocorre na fábrica). Após estabelecer o tempo normal médio, deve-se adicionar algumas tolerâncias, ou seja, tempos de não-produção que na prática ocorrem. Estas tolerâncias são: a) Tolerância pessoal (Tp): tempo reservado às necessidades pessoais do funcionário. PEINADO & GRAEMI adotam o valor de 2 a 5% do tempo para estas paradas (0,02 a 0,05) b) Tolerância para espera (Te): quebras de máquinas, de ferramentas, variação de qualidade do material, interrupções pelos supervisores e falta de energia. Estes tipos de esperas podem ser determinados por meio de estudos contínuos ou de amostragem do trabalho, feitas ao longo de um período de tempo suficientemente grande para validar os valores encontrados (PEINADO & GRAEMI, 2007 p. 103).

41 27 Com base no tempo normal (TN) médio e tolerâncias, pode-se estabelecer a fórmula para o tempo-padrão (TP) para o componente, que seria: [ TN ( Tp Te) ] TP = + Onde: TP: tempo padrão TN: tempo normal Tp: tolerância pessoal Te: tolerância para espera Ao conhecer o tempo total para produzir as devidas peças, é possível estabelecer metas de produção confiáveis Lead Time O lead time, em sua tradução para o português tempo de conduzir, é o tempo total entre o início de um processo e o final. Por exemplo, entende-se como lead time de um produto o tempo total desde o momento exato da colocação do pedido até a emissão da nota fiscal. Indica o tempo que o fornecedor demora a entregar um pedido de compra, quando se trata de item comprado, ou o tempo de produção, quando o item é fabricado internamente (PEINADO & GRAEMI, 2007 p. 206) O lead time de um produto é padronizado pela empresa que o produz. Para que essa definição seja feita, deve-se considerar a demanda do produto, sua capacidade de produção, o lead time dos fornecedores de matéria-prima e o lead time administrativo para que o produto esteja pronto com nota fiscal emitida. Dentro do lead time total de um produto, pode-se observar diversos lead times, como exemplo:

42 28 Lead Time de colocação do pedido: após recebimento da ordem de compra do cliente, a área comercial possui lead time de um dia para colocação do pedido no sistema. Lead Time de liberação do pedido no financeiro: dependendo do valor total do pedido e a forma de pagamento, se torna necessário que o pedido seja liberado pelo setor financeiro da empresa em um prazo máximo de um dia. Lead Time de produção: após receber um pedido, a produção possui um lead time de três dias para que o pedido seja entregue à expedição. Lead Time de expedição: ao receber o pedido completo, a expedição necessita de um dia para embalagem e emissão de nota fiscal. Sendo assim, o lead time total do produto exemplo seria de seis dias. Em resumo, pode-se definir o lead time como o tempo que o cliente enxerga para que possa receber o produto Tempo Takt (Takt time) Takt time: o termo tem origem alemã, no qual Takt significa ritmo, é a relação entre o tempo disponível para fabricação de um determinado item e a sua demanda. Pode-se demonstrar o seu cálculo da seguinte forma: tempo de trabalho disponívelno perído Takt time = demanda do mercado no período Por exemplo, se uma fábrica trabalha oito horas/dia, ou 480 minutos, e a demanda do mercado é de 120 unidades/dia, o Takt time será de quatro minutos (480/120).

43 29 Conclui-se, então, que o Takt time é o ritmo que a produção deve seguir para atender à demanda (o Takt time definido se torna referência única para todo o sistema de produção). Por isso, é necessário um compromisso mútuo entre todas as áreas envolvidas: Vendas, Marketing, Produção, Manutenção e Suprimentos. Um ritmo de produção mais rápido gera estoques, ao ponto que um ritmo de produção mais lento pode gerar diversos desequilíbrios na produção, tais como refugos, retrabalhos, horas extras, etc. O objetivo do Takt time é, portanto, adequar a produção à demanda e não o oposto. Em uma linha programada com base no Takt time, é comum encontrar dispositivos sonoros e visuais que indicam o progresso do trabalho. Na figura 7, temos um exemplo de um desses dispositivos: o Andon ³. FIGURA 7 Exemplo de Andon Quando uma célula excede o limite previsto para determinada operação, alarmes visuais e sonoros são acionados. Com esse tipo de abordagem, objetiva-se a máxima eficácia no processo por meio de um controle maior nas informações e na redução do tempo de resposta para determinadas ações. 3. O Andon é uma ferramenta de gestão à vista. Tem como finalidade, além de informar problemas em processo como paradas de máquina, indicar quando o processo está atrasado em relação ao Takt time. Ele pode ser apresentado nas formas de quadros, sinalizadores sonoros ou visuais.

44 30 Ao se tratar de Takt time, é importante considerar a capacidade de produção e suas restrições. Muitas vezes, ao se definir o Takt time, identifica-se que o ritmo necessário não é suportado pelo sistema de produção atual. É a partir daí que as empresas podem adotar medidas para adequar a sua produção à demanda solicitada. Uma dessas medidas é o balanceamento de operações, objeto deste estudo. Sabe-se que, ao adotar o Takt time como referência em uma linha de produção, a flexibilidade para responder a possíveis alterações na demanda, ou por volume ou pela diversidade de produtos, torna-se significantemente reduzida. Cabe à área de planejamento desenvolver estratégias de produção capazes de absorver essas variações, evitando impactos no sistema produtivo. A adoção do Takt time no sistema de gestão da produção pode representar a oportunidade para um ciclo de melhorias, como demonstra o fluxograma da figura 8: FIGURA 8 Fluxograma de gestão da produção com base no Takt time Após calcular o Takt time, ele deve ser comparado com o tempo de ciclo. Se o Takt time calculado for igual ou superior ao tempo de ciclo, o processo atende a demanda. Caso contrário, devem ser feitas melhorias visando reduzir o tempo de ciclo, de forma que ele seja, no mínimo, igual ao Takt time calculado.

45 Análise dos Tempos Tendo em mãos os tempos de produção, é possível partir para a próxima etapa: a análise dos tempos e sua distribuição. Nesta etapa, devem-se colocar os tempos distribuídos em um gráfico de colunas, o qual deve conter o Takt time para comparação. Inicialmente, busca-se a eliminação dos gargalos de produção, fazendo com que cada posto tenha ocupação máxima de tempo, considerando o Takt time. A figura 9 demonstra um gráfico com os tempos atuais distribuídos por postos em uma linha ainda não balanceada. FIGURA 9 Exemplo de gráfico de tempos de produção antes do balanceamento Nota-se na figura que não há tendência de linearidade na distribuição dos tempos. É certo que este processo possui etapas de ociosidade e outras etapas sobrecarregadas, gerando filas de produto pré-montado e limitando a capacidade do processo ao posto de maior tempo. Analisando os tempos distribuídos no gráfico, observa-se que os seguintes fatores ocorrem nesta linha de produção:

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Natasha de Souza Arruda natasha.arruda@ig.com.br FGS Resumo:Engenharia de Requisitos é um dos processos fundamentais para o desenvolvimento de software.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Divisão de Gestão de Pessoas Unidade de Desenvolvimento de Pessoas Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem como objetivo esclarecer as principais dúvidas ou questionamentos

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004. RESOLUÇÃO SEPLAG N.º, DE DE MARÇO DE 00. * Publicada no Minas Gerais, em de março de 00. Define a metodologia e os procedimentos da Avaliação Especial de Desempenho do servidor público civil em estágio

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente DICAS PARA ABRIR UM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Começar um empreendimento requer coragem. Estar preparado para esse momento é fundamental, pois não vale, em hipótese alguma, aplicar o seu dinheiro no desconhecido.

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Sumário executivo

Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Sumário executivo Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Technology Evaluation Centers Três caminhos para melhores processos decisórios: O que você deve saber Agora Todos os dias,

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Balanceamento de uma Linha de Produção

Balanceamento de uma Linha de Produção Balanceamento de uma Linha de Produção Uma linha de produção consiste num conjunto de Postos de Trabalho (PT) cuja posição é fixa e cuja sequência é ditada pela lógica das sucessivas operações a realizar

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais