DESCRIÇÃO E SÍNTESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Gomes**, Ricardo Teixeira*** e Nilton Itiro Morimoto.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRIÇÃO E SÍNTESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Gomes**, Ricardo Teixeira*** e Nilton Itiro Morimoto."

Transcrição

1 DESCRIÇÃO E SÍNESE DE CONVERSORES A/D E D/A PWM. Eduardo dos Santos Ferreira*, Mauricio Goes**, Ricardo eixeira*** e Nilton Itiro Morioto.**** RESUMO Neste artigo apresentaos o projeto, descrição e ipleentação de conversores analógicos digitais e digitais analógicos PWM. Estes conversores são precisos, te baixo custo e fáceis de se anufaturar. Estas características são necessárias para aplicações e autoação e controle, onde ua grande integração é necessária. São estabelecidas regras de projeto, onde é possível deterinar a elhor freqüência do relógio do sistea, o enor nível de conversão do sinal e função do núero de bits. O gerador PWM é descrito e VHDL, e ipleentado e u FPGA Xilinix/Spartan II. U filtro RC é epregado coo integrador para a obtenção do sinal analógico do conversor D/A. O conversor A/D é do tipo de aproxiações sucessivas. Os resultados experientais são lineares, o que valida o odelo ateático proposto. INRODUÇÃO Sisteas digitais são sisteas nos quais te-se u valor finito de valores discretos[1]. Estes sisteas são utilizados no processaento de inforações, que os torna úteis para a criação de sisteas de controle, aquisição e arazenaento de dados. Contudo, este processaento é discreto, e na aioria das aplicações teos de onitorar valores contínuos e produzir ua atuação tabé continua[2]. Devido a grande iportância da ipleentação de odelos ateáticos e sisteas digitais para controle e autoação de sisteas analógicos surge a necessidade de circuitos para a conversão de sinais analógicos e digitais (conversor A/D) e de conversores de sinais digitais e analógicos (conversores D/A). Neste trabalho nos concentrareos no odelaento ateático de conversores A/D e D/A do tipo PWM (odulação por largura de pulso), na sua descrição e linguage de descrição de hardware (VHDL very high speed hardware description language) e sua ipleentação e dispositivos de lógica reconfigurável (FPGA-field prograable gate array). MODULAÇÃO POR LARGURA DE PULSO (PWM) O sistea de odulação PWM consiste e variar a largura do pulso de u sinal quadrado portador (e o ) proporcionalente a função de onda do sinal odulante (e ) [3]. Neste sistea o período e aplitude da portadora e o são constantes, assi, o tepo do pulso ( ) ais o tepo desligado deve ser igual ao período, coo é ilustrado na Figura 1. A largura instantânea do pulso [ (t)] é ua função do sinal odulante dado por: ( t) = + K e ( t) (1) onde K é a constante de odulação, expressa e s/v. Para u sinal odulante do tipo cossenoidal, co a seguinte expressão no doínio do tepo (t): e ( t) = E cos( ω t ) (2) onde E e ω são respectivaente a aplitude e a freqüência angular do sinal odulante, a equação 1 pode ser escrita coo: K E ( t) = + t 1 cosω (3) onde K E / é o índice de odulação do sistea PWM, e ele deve ser enor ou igual a 1 e aior que zero. Deste odo a equação 3 pode ser rescrita da seguinte fora: ( 1+ cos t) ( t ) = ω (4) Coo o sinal PWM é ua seqüência de pulsos de largura variável co u período constate, é possível desenvolver o sinal odulado e u série de Fourier: E e( t) = 2 E + π n = 1 (1 + cos( ω 1 n π sen n t )) + 1n + (5) cos( ω t ) cos( ω t ) onde E e ω são respectivaente a aplitude e freqüência angular da portadora, é o índice de odulação, n é u inteiro positivo. O valor E / é o nível édio do sinal odulado, assi: E V DC = (6) Através da expressão acia se pode observar que o valor édio do sinal PWM depende da largura dos pulsos do sinal ( ) e do período (). Esta característica pode ser usada para a ipleentação de conversores digitais - analógicos e analógico digitais siples de se descrever e VHDL. * Doutorando e Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. E-ail: ** Mestrando e Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. E-ail: *** Doutor e Engenharia Elétrica - Instituto de Estudos Avançados CA. E-ail: **** Doutor e Engenharia Elétrica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. E-ail: 8

2 Figura 1: Modulação e largura de pulso de u sinal cossenoidal. CONVERSOR DIGIAL ANALÓGICO PWM U conversor digital analógico PWM pode ser construído co o uso de u contador síncrono crescente de N bits e u coparador de N bits [4-6], coo está ilustrado na Figura 2. O dado a ser convertido é enviado a u registrador, e e seguida o dado é coparado ao valor do contador, e durante o tepo e que o valor da contage for enor que o dado a ser convertido o valor da saída PWM fica e nível alto, e assi que este passar o valor do dado de entrada, o valor da saída PWM fica e nível baixo pelo resto do tepo de contage. O processo é repetido assi que o contador ultrapassar o seu valor áxio de contage, coo o tepo de contage total é fixo e depende do núero de bits tereos u sinal PWM co período fixo. U circuito integrador irá gerar o sinal analógico de saída. Figura 2: Conversor digital analógico PWM. Coo o contador de N bits deorará u tepo de contage ( C ) antes de voltar ao zero, e este tepo C será o período do sinal PWM. Este tepo de contage do contador síncrono de N bits idealente é: N = 2 (7) C Clock onde Clock é o período do clock do contador, e N é o núero de bits do contador. O tepo que o contador leva para atingir o valor do dado (D) a ser convertido será o tepo de duração do pulso ( ): ( D ) = Clock D (8) onde D é u núero inteiro positivo. A partir das equações 6, 7 e 8, podeos calcular o valor do nível édio de saída e função do núero de bits (N) do contador e do dado (D) a ser convertido: V E N, D) = 2 Clock DC ( N Clock ( D) (9) onde E, (aplitude do sinal da portadora) se tornará a tensão de referencia do conversor. Pela equação 9 verificaos que o nível DC de saída do conversor é independente do período Clock do contador. Contudo, a taxa de atualização do sinal de saída é dependente de clock, do núero de bits do contador e das características elétricas do circuito integrador. Assi, para u integrador ideal na saída, podeos dizer que nuericaente esta taxa de atualização será o tepo de contage C (Equação 35). A resolução e tensão do conversor é E /2 N, e do eso odo que o nível DC de saída, este valor é independente do período Clock. Na Figura 3 exibios o cálculo da tensão de saída V DC e função do dado de entrada (D), observaos u coportaento nitidaente linear co o núero de contagens, e isto é desejável pois facilitará a ipleentação e otiização do circuito de controle. A Figura 4 exibe o valor de increento de tensão, isto é a resolução do conversor e função do núero de bits do contador. Observaos através dos cálculos, que a resolução diinui exponencialente co o núero de bits, isto é enor é o passo de increento de tensão do conversor. Por exeplo, se quiseros ua resolução de,1 V necessitareos de u contador de 5 bits, para u conversor co resolução de,1v o núero de bits é igual a 12. Contudo, ter u contador co núero uito aior que 12 bits não é tecnologicaente viável, pois alé de acarretar e aior área de chip, tereos u tepo de atualização lento, e do ponto de vista tecnológico é difícil fazer circuitos elétricos que responda a variações de tensão enores do que,1v, devido aos ruídos téricos e correntes parasitárias dos circuitos. 9

3 V DC (V) 3,5 Calculo da Equação 37 para: N = 12 bits, 3, E = 3,3 V 2,5 2, 1,5 1,,5, ensão de increento (V) Dado de entrada (Núeros Inteiros) Núero de bits do contador N = 5 bits, V increento =,1 V Calculo da Equação 37 para: E = 3,3V N = 12 bits, V increento =,8.1-3 V Figura 3: Gráfico dos resultados de V DC obtidos do cálculo da equação 37 para u contador de 12 bits e ua tensão de referência de 3,3V. Figura 4: Gráfico da tensão de increento e função do núero de bits do contador. DEMODULAÇÃO DO SINAL PWM Para a deodulação de sinais contínuos deveos utilizar u circuito integrador[7-1], coo o exibido na Figura 5. U circuito integrador é u filtro passa baixa, cuja freqüência de corte é ajustada para u valor 1 vezes inferior a do sinal a ser integrado. No caso dos filtros RC da Figura 5, o valor da freqüência de corte é: f c 1 = 2 R C (Equação 1) onde R é o valor do resistência expressa e Ohs, e C o valor da capacitância e Faradays. lógico alto, e assi que Vc>Vd a saída do coparador irá para nível lógico baixo. Isto para a contage e o valor do contador é o código digital correspondente a tensão a ser convertida. U registrador de saída irá arazenar o dado correspondente, e u sinal de controle irá zerar o contador e reiniciar a conversão. Figura 6: Conversor Analógico digital. Figura 5: Filtro passa baixa RC. CONVERSOR ANALÓGICO DIGIAL PWM Na Figura 6 exibios u conversor analógico digital de aproxiações sucessivas [11]. Ele é constituído por u contador que gera u código binário, que será inserido e u conversor D/A PWM, que irá gerar ua tensão (Vc), que será coparada a tensão desconhecida (Vd). Enquanto a tensão desconhecida for enor que a tensão de coparação, a saída do coparador ficará e nível A precisão destes conversores irá depender do núero de bits do contador, no caso do conversor A/D e do núero de bits do barraento de dados. Desta fora a resolução do eso pode se calculada e função do núero de bits (N) do barraento de dados, através da equação 9: EXPERIMENAL E V = 2 (1) CONVERSOR D/A PWM Na abela 1 apresentaos a descrição VHDL do sistea digital do conversor D/A PWM. Neste sistea teos u contador síncrono de 12 bits e u coparador de 12 bits cuja saída fica e nível lógico alto enquanto a contage for enor que o dado de entrada. O prograa foi copilado no ISE Foundation 3.1 e ipleentado e u FPGA Xilinix XC2S1QPF Através de u canal serial N 1

4 RS232, os dados a sere convertidos são transitidos do coputador a placa de desenvolviento onde o D/A está ipleentado. O sinal PWM de saída é ligado a u circuito integrador, e u diagraa do experiento é exibido na Figura 7. U ultíetro HP 3441A foi utilizado nas edidas de tensão e u osciloscópio HP 546B de 1MHz foi epregado nas edidas de tepo ligado ( ) do PWM abela 1: Descrição de Hardware do PWM Library IEEE; use IEEE.std_logic_1164.all; entity pw is port ( clk: in std_logic; rst: in std_logic; pw_data: in std_logic_vector (11 downto ); pw_out : out std_logic); end pw; architecture rtl of pw is signal counter: std_logic_vector (11 downto ); process (clk,rst) if (rst = '') then counter <= (others =>''); pw_out <= ''; elsif (clk'event and clk = '1') then counter <= counter + '1'; if (counter < pw_data) then pw_out <= '1'; else pw_out <= ''; end process; end rtl; abela 2: Valores de tensão e freqüência do circuito D/A. Experiental eórico ensão de +5V 5,96V - da fonte externa ensão de -5V da -5,3V - fonte externa ensão de +12V 12,135V - da fonte externa ensão de -12V -1,66V - da fonte externa ensão interna 2,569V - do FPGA ensão de I/O do 3,446V - FPGA Freqüência do 9,MHz - clock Freqüência do PWM (f ) 21,9737KHz 21,973KHz Na Figura 8 exibios o coportaento do circuito construído, observaos u coportaento linear da tensão de saída e função dos dados de entrada, coo foi previsto. O erro de ajuste entre o odelo teórico e os dados experientais foi de apenas,1 %. Na Figura 9 exibios a variação de e função dos dados de entrada, e coo era esperado foi tabé observado u coportaento linear. O erro de ajuste entre os dados experientais e a odelo teórico é de,2 %. O tepo de estabilização do circuito integrador é de,1 s. V Saída (V) 4, 3,5 3, 2,5 2, 1,5 Vdc(dado) = (Vcc/2 N )*P*Dado P =,998 ±,8 Chi^2 = N= 12 bits Vcc = 3,446V f clock = 9MHz PWMeórico = 21,973 KHz PWMExperiental = 21,9737 KHz C =.1 uf ± 1 % R = 1 KΩ ± 5 % Dados Experientais 1,,5, Dado de Entrada (Inteiros Positivos) Figura 8: Variação experiental da tensão de saída e função dos dados de entrada para o conversor D/A descrito. Figura 7: Arranjo experiental do conversor D/A. Na abela 2 exibios os valores de tensão edidos das fontes, as freqüências do clock e do sinal PWM gerado e seu respectivos valores teóricos. Podeos observar que o erro entre o valor de freqüência PWM experiental e teórico é quase desprezível, provando a qualidade da placa desenvolvida e validando o odelo proposto na equação 9. (%) (dado) = 2 -N.P1.(dado).1 % Chi^2 =.2211 P1 =,998 ±, N = 12 bits Dados Experientais Dado de Entrada (Inteiros Positivos) 11

5 Figura 9: Variação experiental de e função dos dados de entrada para o conversor D/A descrito Figura 1: Diagraa experiental do conversor A/D. CONVERSOR ANALÓGICO DIGIAL PWM Na abela 3 apresentaos a descrição VHDL do sistea digital do conversor A/D PWM. Neste sistea instanciaos o conversor D/A PWM, e o utilizaos no nosso conversor de aproxiações sucessivas. O pino cop está conectado eletricaente a saída do coparador de tensão, coo é ilustrado na Figura 1. Os pinos read, start, e over sinaliza conversão pronta, inicio de conversão e estouro de escala do conversor. O canal serial recebe os dados convertidos e os exibe e u prograa onitor, escrito e visual basic. process (clk, reset) if (reset = '') then s_pw <= ''; counter <= (others => ''); s_data <= (others => ''); data <= (others => ''); s_read <= '1'; read <= '1'; over <= ''; elsif (clk'event and clk = '1') then data <= s_data; pw_out <= s_pw; abela 3: Descrição VHDL do conversor A/D. library IEEE; use IEEE.std_logic_1164.all; use IEEE.std_logic_unsigned.all; use IEEE.std_logic_arith.all; entity AD is port (clk: in std_logic; reset: in std_logic; start: in std_logic; cop: in std_logic; data: out std_logic_vector (11 downto ); pw_out : out std_logic; ove: out std_logic; read: out std_logic ); end AD; architecture rtl of AD is coponent pw port (ck: in std_logic; rst: in std_logic; pw_data: in std_logic_vector (11 downto ); pwout : out std_logic); end coponent; signal counter, s_data : std_logic_vector (11 downto ); signal s_pw, s_read : std_logic; end process; process (clk, reset, start, cop) if (clk'event and clk = '1') then if (start = '') then s_read <= ''; read <= ''; if (s_read = '') then if (cop = '1') then read <= '1'; s_read <= '1'; elsif (counter = " ") then read <= '1'; s_read <= '1'; over <= '1'; else counter <= counter + 1; else s_data <= counter; end process; P1 : coponent pw port ap(clk,reset,counter,s_pw); end rtl; 12

6 A Figura 11 exibe a função de conversão e função da tensão de entrada. Este coportaento é nitidaente linear, assi coo é previsto no odelo proposto. O erro entre os dados experientais e o odelo teórico é de aproxiadaente,4%. A Figura 12 exibe o erro édio de conversão, para a faixa de dados convertida, este erro está e torno de 1, o que está de acordo co a teoria, que prevê u erro +/- 1 bit. Dado (Deciais) Dado (V in ) = P1.(2 N. V Ref -1. V in ) P1 = 1,53 +/-,4 V Ref = 3,443V N = 12 bits Dados experientais,,5 1, 1,5 2, 2,5 3, 3,5 ensão de Entrada (V) Figura 11: Núero convertido e função da tensão de entrada do coparador Erro (Nueros Inteiros) 3, 2,5 2, 1,5 1,,5, REFERENCIAS [1] Milos Ercegovac, oás Lang, Jaie H. Moreno, Introdução aos Sisteas digitais, Bookan, 22. [2] Jonh P. Uyeura, Sisteas Digitais, ua abordage integrada, hoson Pioneira, 22. [3] Alcides. Goes, elecoinicações, Erica, [4] P. Craven, Digital and analogue considerations for 24-bit perforance fro a PWM DAC, IEE, pp5/1 5/5, [5] J. M Dias, O. Postolache, P. S. Girão, PWM- A/D conversion: A flexible and Low cost solution for transducer linearization, in Silicon 1 Sensors for Industry Conference, Roseount, Illinois, USA, pp , Noveber 21. [6] A. Prodic, D. Maksiovic and R. W. Erickson, Design and ipleentation of a Digital PWM controller for a high-frequency switching DC- DC power converter, in IECON 1: he 27 th Annual Conference of the IEEE Industrial Electronics Society, pp , 21. [7] Jacob Millan e Christos C. Halkias, Integrated Electronics: Analog and Digital Circuits and Systes, McGraw-Hill, [8] Jiie J. Cathey Dispositivos e Circuitos Eletrônicos, Makron Books, [9] ruan S. Gray, Applied Electronics, John Wiley & Sons, Inc., [1] Hugh H. Skillig, Electrical Enginerig Circuits, John Wiley & Sons, Inc., [11] Herbert aub e Donald Schillig, Eletrônica Digital, MacGraw Hill, Dado convertido (Nueros Inteiros) Figura 12: Erro de conversão e função do valor convertido. Conclusão Deonstraos a possibilidade de ipleentação de conversores D/A e A/D siples e eficientes e FPGAs através da odulação de largura de pulso. Fora estabelecidas regras práticas de projeto para estes tipos de conversores, que se adequara ao coportaento real. A principal liitação para estes tipos de conversores é o tepo de estabilização da saída do integrador, que se torna fator liitante e projetos de sisteas onde seja necessária ua aior velocidade de resposta. 13

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona

VHDL Lógica Síncrona. Sinais de Saída. Sinais de Entrada. barreira. carg. VHDL -Lógica Síncrona VHDL Lógica Síncrona Circuitos combinacionais respondem a estímulos com um atraso que depende de sua implementação Para sincronizar subsistemas em lógica combinacional utiliza-se barreiras temporais, que

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores II

Organização e Arquitetura de Computadores II Organização e Arquitetura de Computadores II Rômulo Calado Pantaleão Camara Romulo.camara@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~romulo.camara 60h/02h Disciplinas Correlacionadas Programação Org. e Arq. de

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

Conversor Analógico /Digital

Conversor Analógico /Digital O que é: Um sistema eletrônico que recebe uma tensão analógica em sua entrada e converte essa tensão para um valor digital em sua saída. Processo de conversão Consiste basicamente em aplicar uma informação

Leia mais

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete

Implementação de um Sistema Digital em VHDL Cronômetro para Jogos de Basquete - 1 - V 1.0 - De: 02/maio/2012 por Ney Calazans Laboratório de Organização de Computadores-EC V 3.2 - De: 21/abril/2013 por Fernando Gehm Moraes e Ney Calazans Implementação de um Sistema Digital em VHDL

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE

APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE APLICAÇÃO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS: PROBLEMA DO PARAQUEDISTA EM QUEDA LIVRE Tatiana Turina Kozaa 1 Graziela Marchi Tiago E diversas áreas coo engenharia, física, entre outras, uitas de suas aplicações

Leia mais

AMOSTRAGEM DE SINAIS ANALÓGICOS POR

AMOSTRAGEM DE SINAIS ANALÓGICOS POR Relatório de Sistemas de Aquisição de Dados 2006/2007 Engenharia Física Tecnológica AMOSTRAGEM DE SINAIS ANALÓGICOS POR UM CIRCUITO ADC COM INTERFACE DE COMUNICAÇÃO SÉRIE Laboratório II Trabalho realizado

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

Lab 3. Timing Timing Constraints Simulação

Lab 3. Timing Timing Constraints Simulação Lab 3 Timing Timing Constraints Simulação A. Mariano - 2014 1 VHDL processes Para um designer, process é um bloco de instruções que funciona de maneira sequencial e que é chaveado quando algum dos sinais

Leia mais

CIRCUITO DE AMOSTRAGEM E RETENÇÃO

CIRCUITO DE AMOSTRAGEM E RETENÇÃO Relatório de Sistemas de Aquisição de Dados 2006/2007 Engenharia Física Tecnológica CIRCUITO DE AMOSTRAGEM E RETENÇÃO Laboratório I Trabalho realizado por: Alexandra Gouveia, nº53760 João Mendes Lopes,

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação

Eletrônica Digital para Instrumentação G4 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof. Márcio Portes de Albuquerque (mpa@cbpf.br) Prof. Herman P. Lima Jr (hlima@cbpf.br) Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE P L A N O D E E N S I N O DEPARTAMENTO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Eletrônica Digital SIGLA: ELD0001 PRÉ-REQUISITOS: ALB0001 CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 h/aula TEORIA: 72 h/aula PRÁTICA: 36 h/aula CURSO:

Leia mais

LABORG. Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process. Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans

LABORG. Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process. Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans LABORG Parte 3 - VHDL: Processos, Paralelismo e o Comando process Fernando Gehm Moraes Ney Laert Vilar Calazans 31/março/2014 Sumário Ø Introdução Ø Processos em VHDL Ø TRABALHO A FAZER Ø A ENTREGAR 2

Leia mais

EA075 Conversão A/D e D/A

EA075 Conversão A/D e D/A EA075 Conversão A/D e D/A Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Introdução Sinal digital: possui um valor especificado

Leia mais

LABORG. Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2. Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan

LABORG. Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2. Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan LABORG Parte 5 Projeto de um circuito digital de média complexidade Parte 2 Fernando Gehm Moraes Matheus Trevisan 0/maio/2015 Relógio de Xadrez 1. Em campeonatos, o xadrez é jogado usando um relógio. A

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Conversão Digital Analógico e Analógico Digital Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Agenda Grandezas Digitais e Analógicas Por que converter? Diagrama básico para conversão Conversores

Leia mais

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão.

O diagrama ASM contém dois elementos básicos: o bloco de estado e o bloco de decisão. 14 3.2 Projeto da Unidade de Controle (VHDL) 3.2.1 Diagrama ASM (Algorithmic State Machine) ASM é um fluxograma através do qual se representa a seqüência de ações que a unidade de controle de um sistema

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof: Herman Lima Jr hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Prof: Herman Lima Jr hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Eletrônica Digital para Instrumentação Objetivo

Leia mais

5 de Fevereiro de 2011

5 de Fevereiro de 2011 wwq ELECTRÓNICA E INSTRUMENTAÇÃO º Exae 010/011 Mestrado Integrado e Engenharia Mecânica Licenciatura e Engenharia e Arquitectura Naval 5 de Fevereiro de 011 Instruções: 1. A prova te a duração de 3h00

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase

Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José. Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Unidade São José Disciplina: Síntese de Sistemas de Telecomunicações 7º Fase Bases tecnológicas Dispositivos Lógicos Programáveis. Introdução à Tecnologia

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Transformadores e bobinas de alta frequência

Transformadores e bobinas de alta frequência Transforadores e bobinas de alta frequência 007 Profª Beatriz Vieira Borges 1 Transforadores e bobinas de alta frequência ideal v 1 v úcleo de ferrite i 1 i + + v 1 v - - v 1 1 1 v i 1 i 007 Profª Beatriz

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

LABORG. Parte 1 Introdução à Simulação em VHDL. Fernando Moraes e Ney Laert Vilar Calazans

LABORG. Parte 1 Introdução à Simulação em VHDL. Fernando Moraes e Ney Laert Vilar Calazans LABORG Parte 1 Introdução à Simulação em VHDL Fernando Moraes e Ney Laert Vilar Calazans atualização - 05/agosto/2013 Mais informações sobre VHDL Web sites sobre VHDL e assuntos relacionados http://www.asic-world.com/vhdl/links.html

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

Descreva em VHDL, simule no simulador logico e sintetize usando uma ferramenta de CAD para FPGA :

Descreva em VHDL, simule no simulador logico e sintetize usando uma ferramenta de CAD para FPGA : UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMATICA LISTA DE EXERCÍCIOS DE SISTEMAS DIGITAIS Prof. Fernanda Gusmão de Lima Kastensmidt E Marcelo Porto (aluno mestrado PPGC) Descreva em VHDL,

Leia mais

Capítulo 4 Conversores AD e DA

Capítulo 4 Conversores AD e DA Capítulo 4 Conversores AD e DA Conteúdo Processamento de quantidades digitais e analógicas Conversão Digital-Analógico DA Circuitos conversores D/A Conversão Analógico-Digital AD AD de rampa digital Aquisição

Leia mais

12/11/13. Obje%vos do laboratório. SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações. Síntese de máquinas de estado (FSM) Finite State Machine (FSM)

12/11/13. Obje%vos do laboratório. SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações. Síntese de máquinas de estado (FSM) Finite State Machine (FSM) Instituto Federal de Santa Catarina Área de Telecomunicações SST20707 Síntese de Sistemas de Telecomunicações Prof. Roberto de Matos Aviso de direitos Autorais: Transparências baseadas no trabalho do Prof.

Leia mais

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL

4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL 4.a Aula Prática Projeto de um Somador de 16 bits com a Linguagem VHDL Prof. Cesar da Costa VHDL é uma linguagem para descrever sistemas digitais utilizada universalmente. VHDL é proveniente de VHSIC Hardware

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

- SISTEMAS DIGITAIS II

- SISTEMAS DIGITAIS II FEI NE772/7720-2.a PROVA - SISTEMAS DIGITAIS II - 29/11/2006 Turma A Duração 80min Prova sem consulta - Permitido o uso de calculadora Interpretação faz parte da prova. Nome...Nota... N.o N.o Lista 1.a

Leia mais

ADC0804 (CONVERSOR A/D)

ADC0804 (CONVERSOR A/D) ADC0804 (CONVERSOR A/D) Getulio Teruo Tateoki O conversor Analógico Digital ADC0804é um Circuito Integrado da National Semicondutores, capaz de converter uma amostra analógica entre 0 e 5V, em um valor

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Como funcionam os Conversores A/D

Como funcionam os Conversores A/D Como funcionam os Conversores A/D Escrito por Newton C. Braga Seg, 10 de Maio de 2010 http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/comofunciona/1508conversoresad.html Como converter uma grandeza analógica

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

11.3) Circuitos conversores D/A

11.3) Circuitos conversores D/A 11.3) Circuitos conversores D/A Conversor com rede R2R: Se o R MSB for de 1KΩem um conversor de 12 bits, o R LSB seria 2 12 1KΩ=4096KΩ. Não é possível garantir precisão nesta faixa. Nas redes R/2R usamos

Leia mais

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200

NOVOS PRODUTOS Micrómetro Laser Scan USB com leitor incorporado LSM 5200 NOVOS PRODUTOS Micróetro Laser Scan USB co leitor incorporado LSM 5200 Inforação detalhada na página 336. Micróetros Laser Scan Micróetros Laser Unidades de Medição Páginas 333 335 Micróetros Laser LSM

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

Prototipação de Sistemas Digitais. Metodologia de Projetos Cristiano Araújo

Prototipação de Sistemas Digitais. Metodologia de Projetos Cristiano Araújo Prototipação de Sistemas Digitais Metodologia de Projetos Cristiano Araújo Fluxo de projeto Emulação/Implementação do componente de harwdare VHDL/Verilog Simulação FPGAs, CPLDs Síntese p/emulação ASICs

Leia mais

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP. 18/04/2016 Prof. Alexandre - ELP1DLP1 / DEE

DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP. 18/04/2016 Prof. Alexandre - ELP1DLP1 / DEE DISPOSITIVOS LÓGICOS PROGRAMÁVEIS - DLP 1 Objetivos da Aula: Introdução à Linguagem VHDL Plano de Ensino Conteúdo Programático 3. Ferramentas de Desenvolvimento 3.4. Editor de texto (programação VHDL ou

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Medidas de Desempenho em Computação Paralela

Medidas de Desempenho em Computação Paralela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Capus Curitiba Prograa de Pós-graduação e Engenharia e Inforática (CPGEI) Laboratório de Bioinforática Medidas de Desepenho e Coputação Paralela Heitor

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Projeto de Circuito Combinacional

Projeto de Circuito Combinacional ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Projeto de Circuito Combinacional Unidade Lógica e Aritmética (ULA) prof. Dr. César Augusto M. Marcon prof. Dr. Edson Ifarraguirre Moreno 2 / 12 ULA Unidade

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÒGICAS CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA BRUNO BOSTELMANN WILLIAN VERCHAI AVILLA

UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÒGICAS CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA BRUNO BOSTELMANN WILLIAN VERCHAI AVILLA UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÒGICAS CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA BRUNO BOSTELMANN WILLIAN VERCHAI AVILLA SISTEMA DIDÁTICO PARA A SIMULAÇÃO DE FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

CMP238 Projeto e Teste de Sistemas VLSI

CMP238 Projeto e Teste de Sistemas VLSI CMP238 Projeto e Teste de Sistemas VLSI Uso de banco de registradores e Memorias Projeto Prof. Fernanda Lima Kastensmidt Uso de Memoria em Circuitos Integrados VHDL designs Memory Model Simulador lógico

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa

Sistemas Digitais. Sistemas Digitais III - Ementa Sistemas Digitais Sistemas Digitais I - Sistemas Combinatórios As saídas atuais são determinadas diretamente a partir das entradas atuais. Portas Lógicas. Sistemas Digitais II - Sistemas Seqüenciais As

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS Circuitos com memória Latches NAND e NOR e exemplos de utilização Estado do Flip-flop ao ligar o circuito Pulsos digitais Sinais de clock e flip-flops com clock circuitos

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

Centro Universitário da FEI Engenharia Elétrica PROJETO DE SISTEMAS. DIGITAIS UTILIZANDO FPGAs

Centro Universitário da FEI Engenharia Elétrica PROJETO DE SISTEMAS. DIGITAIS UTILIZANDO FPGAs Centro Universitário da FEI Engenharia Elétrica PROJETO DE SISTEMAS DIGITAIS UTILIZANDO FPGAs Prof. Edson Lemos Horta Fevereiro 2008 1 Introdução aos Circuitos Integrados para Aplicações Específicas (Application

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

Modelagem de Sistemas com VHDL

Modelagem de Sistemas com VHDL Modelagem de Sistemas com VHDL A abstração empregada por projetistas de sistemas digitais pode ser expressa em dois domínios: No domínio estrutural, um componente é descrito em termos de um conjunto de

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE COORDENADORIA DE ELETRÔNICA CONTADORES Relatório técnico apresentado como requisito parcial para obtenção de aprovação na disciplina de Sistemas Digitais.

Leia mais

Desenvolvimento de circuitos reconfiguráveis que interagem com um monitor VGA

Desenvolvimento de circuitos reconfiguráveis que interagem com um monitor VGA REVISTA DO DETUA, VOL. 4, Nº 5, SETEMBRO 2005 626 Desenvolvimento de circuitos reconfiguráveis que interagem com um monitor VGA Iouliia Skliarova Resumo Este artigo descreve a implementação de circuitos

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

Circuitos Seqüenciais

Circuitos Seqüenciais Circuitos Seqüenciais Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Circuitos Seqüenciais Um circuito seqüencial síncrono consiste de um circuito combinacional e uma rede de memória formada por

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

LC428. Manual do Usuário

LC428. Manual do Usuário LC428 Manual do Usuário R 1.Descrição Geral: O conversor LC428 possui 8 entradas as quais podem ser projetadas para aceitar sensores tipo PT100, termopar, ou sinais padrão tipo 0 a 10V ou 4 a 20 ma e saída

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

Semana de Engenharia

Semana de Engenharia Semana de Engenharia Introdução a Linguagem de Descrição de HW VHDL a ao Projeto Baseado em Lógica de Programação ALTERA Prof.. Daniel Barros Júnior (dbarros@ee.pucrs.br) Bolsista: Dárcio Prestes (darcio(

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM VÍDEO GAME EM FPGA COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

IMPLEMENTAÇÃO DE UM VÍDEO GAME EM FPGA COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA IMPLEMENTAÇÃO DE UM VÍDEO GAME EM FPGA COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Paulo Alexandre Martin 1 ; Vanderlei Cunha Parro 2 12 Escola de Engenharia Mauá, Engenharia Elétrica Praça

Leia mais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais

Circuitos Sequenciais. Sistemas digitais Circuitos Sequenciais Sistemas digitais Agenda } Introdução } Latchs (trava) } Latch NAND e Latch NOR } Flip-Flop Set-Reset (FF S-R) } FF S-R Latch NAND, FF S-R Latch NOR, FF S-R Latch NAND com Clock }

Leia mais

Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inamasu 4

Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inamasu 4 PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE REDES CAN APLICADAS EM MÁQUINAS AGRÍCOLAS Eduardo Paciência Godoy 1 Rafael Vieira de Sousa 2 Arthur José Vieira Porto 3 Ricardo Yassushi Inaasu 4 RESUMO O trabalho

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva Encoder Magnético Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior Leonardo Maciel Santos Silva Yuri Faria Amorim Índice Resumo... 03 1. Introdução... 04 2. Desenvolvimento...

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 9: Análise de Circuitos com Contadores 45 1. Objetivos Realizar a analise detalhada de todos os blocos constituintes de um relógio digital. Implementar um relógio digital. 2. Conceito Um contador é construído a partir de flip-flops (T, D JK,

Leia mais