SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro + Universidade de Aveiro + Bruno Soares Coordenação Geral: Jorge Carvalho ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO: I. O ACOMPANHAMENTO E A PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO II. ENQUADRAMENTO URBANÍSTICO - UMA VISÃO III. GRANDES INTERVENÇÕES IV. CONCEITOS BASE PARA O ESPAÇO PÚBLICO DA AVENIDA 1

2 PROGRAMA BASE (FORNECIDO PELA CMA; RESULTA DE PROCESSO DE PARTICIPAÇÃO PÚBLICA) QUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO: Organizando a Avenida no quadro da organização funcional e da mobilidade da área envolvente, favorecendo atravessamentos transversais (entre a Beira-Mar / Sá Barrocas e a área do Centro de Congressos) e perspectivando prolongamentos. Condicionando a solução a Programa para a Avenida (e para o túnel), a fixar no quadro da elaboração do Plano de Mobilidade e a aprovar pela CMA. Valorizando a função pedonal, em articulação com a vivificação das funções terciárias e artístico-culturais do rés-do-chão dos edifícios. Diminuindo a presença automóvel, anulando (ou minimizando) estacionamento de superfície e condicionando a circulação ao longo do eixo, preferencialmente sem utilização de semáforos ou sinais de trânsito. Perspectivando lançamento de concurso para construção de estacionamento subterrâneo que, se possível, pague a intervenção no espaço público. Perspectivando a colocação de elementos que possam adquirir valor simbólico (associados à água, arte, tecnologia ). REGRAS PARA A TRANSFORMAÇÃO DOS EDIFÍCIOS: Fixando volumes, considerando a articulação dos existentes, o respectivo valor patrimonial e a necessidade de remate ou embelezamento de empenas laterais. Fixando usos desejáveis e admissíveis, com vista a uma ocupação multifuncional e à animação do espaço público. DINÂMICA PARA QUALIFICAÇÃO DO TERCIÁRIO: Acentuando processos relacionais entre agentes (públicos e privados, sobretudo com funções comerciais, culturais e administrativas) e, destes, com a CMA. Construindo com eles programa de qualificação e perspectivando procura de meios financeiros para o efeito. I. O ACOMPANHAMENTO E A PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJECTO AVENIDA: PELO VALOR E CARGA SIMBÓLICA, ESPAÇO SENSÍVEL SAIR DO ESTIRADOR! MODELO DE PARTICIPAÇÃO OPERATIVA, CAPAZ DE CUMPRIR FUNÇÃO PEDAGÓGICA E SOBRETUDO DE INFORMAR PROJETO MODELO DE DIVULGAÇÃO/COMUNICAÇÃO: - SITE - COMUNICAÇÃO SOCIAL LOCAL CONSIDERAÇÕES A RETER: NO PANORAMA PORTUGUÊS CARÁCTER OPERATIVO DA PARTICIPAÇÃO É DIFERENCIADOR PREMATURO AVALIAR CONTRIBUTO DO MODELO ADOPTADO (PROJETO AINDA EM CURSO) 2

3 I. O ACOMPANHAMENTO E A PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJECTO PARA ACOMPANHAMENTO DO PROJECTO FORAM CONSTITUÍDOS GRUPOS DE TRABALHO: GRUPO DO TERCIÁRIO, FORTE APOIO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE AVEIRO. GRUPO TÉCNICO MUNICIPAL, INTEGRANDO UM TÉCNICO DE CADA UMA DAS SEGUINTES ÁREAS: CULTURA, LICENCIAMENTO URBANÍSTICO, MOBILIDADE, INFRA-ESTRUTURAS E PAISAGISMO. GRUPO DE APOIO TÉCNICO, INTEGRANDO ELEMENTOS DA UA, DA OA, DA OE, DA APPLA E OUTROS CIDADÃOS COM FORMAÇÃO TÉCNICA APLICÁVEL. RESIDENTES, FORTE APOIO DA JUNTA DE FREGUESIA DE VERA CRUZ. INFRAESTRUTURAS, INTEGRANDO INSTITUIÇÕES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DAS INFRAESTRUTURAS URBANAS. I. O ACOMPANHAMENTO E A PARTICIPAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJECTO 1ª FASE 2ª FASE 3ª FASE LEVANTAMENTO E DIAGNÓSTICO ESTUDOS E PROPOSTAS EXISTENTES; EDIFICADO E USOS; PROBLEMAS DETECTADOS PELA GESTÃO MUNICIPAL. PARTICIPAÇÃO: GRUPO TÉCNICO MUNICIPAL GRUPO DO TERCIÁRIO / COMERCIANTES RESIDENTES DA AVENIDA (INQUÉRITO) / JFVC GRUPO DE APOIO TÉCNICO REUNIÕES COM AGENTES ESPECÍFICOS (FÓRUM, ) PROPOSTA PRELIMINAR ENQUADRAMENTO URBANÍSTICO VISÃO GRANDES INTERVENÇÕES CONCEITOS BASE PARA O ESP. PÚBLICO DA AV. PARTICIPAÇÃO: EQUIPA DO PLANO DE MOBILIDADE GRUPO TÉCNICO MUNICIPAL GRUPO DE APOIO TÉCNICO RESIDENTES DA AVENIDA REUNIÕES COM AGENTES ESPECÍFICOS (FÓRUM, ) 1ª INFORMAÇÃO PÚBLICA DO PROJECTO (01/07/2011) PROPOSTA BASE PROGRAMA PARA QUALIF. DO TERCIÁRIO PROJECTO ESP. PÚBLICO REGRAS PARA TRANSF. DOS EDIFÍCIOS PARTICIPAÇÃO: UTILIZADORES DA AVENIDA (WORKSHOP) EQUIPA DO PLANO DE MOBILIDADE GRUPO TÉCNICO MUNICIPAL GRUPO DO TERCIÁRIO GRUPO DE APOIO TÉCNICO RESIDENTES DA AVENIDA GRUPO DAS INFRAESTRUTURAS REUNIÕES COM AGENTES ESPECÍFICOS (FÓRUM, ) 2ª INFORMAÇÃO PÚBLICA DO PROJECTO V V V (EM CURSO) 3

4 II. ENQUADRAMENTO URBANÍSTICO UMA VISÃO 1. EIXO DE VALOR SIMBÓLICO, ESSENCIALMENTE PEDONAL E TERCIÁRIO 2. EIXO ENTRE ROSSIOS, ESTRUTURANTE DO CENTRO DA CIDADE 3. EIXO ARTICULADO COM ESTRUTURA ECOLÓGICA 4. EIXO DE FÁCIL ACESSO, MAS NÃO DE ATRAVESSAMENTO MOTORIZADO DA CIDADE II.1 EIXO DE VALOR SIMBÓLICO, ESSENCIALMENTE PEDONAL E TERCIÁRIO 4

5 10/10/2011 II.2 EIXO ENTRE ROSSIOS, ESTRUTURANTE DO CENTRO DA CIDADE II.3 EIXO ARTICULADO COM ESTRUTURA ECOLÓGICA 5

6 II.4 EIXO DE FÁCIL ACESSO, I.4 MAS NÃO DE ATRAVESSAMENTO MOTORIZADO DA CIDADE CONSEQUÊNCIAS: NÃO INTERVIR NA AVENIDA ANTES DA LIGAÇÃO A NASCENTE (AZUL) V DIFICULTAR ENTRADA AUTOMÓVEL NO TOPO NASCENTE (TÚNEL PARA TRANSPORTE PÚBLICO E ENTRADA DE ESTACIONAMENTO) VALIDADO DIFICULTAR ENTRADA AUTOMÓVEL NO TOPO POENTE EM ABERTO MOTORIZADO MODOS SUAVES III. GRANDES INTERVENÇÕES A. EXPLICITAÇÃO E REFORÇO DO CENTRO DA CIDADE B. ROSSIO DA ESTAÇÃO, INTERMODAL DE TRANSPORTES C. ROSSIO DA RIA, MÃE DE ÁGUA DA ESTRUTURA ECOLÓGICA D. QUALIFICAÇÃO DA AVENIDA 6

7 A. EXPLICITAÇÃO E REFORÇO DO CENTRO DA CIDADE FÓRUM EFEITO DE RECENTRAGEM DA CIDADE DE AVEIRO CANAL DO COJO PRIMEIRO EIXO DE EXPANSÃO DAS DINÂMICAS DO CENTRO AVENIDA CENTRAL FUTURO EIXO DE EXPANSÃO DAS DINÂMICAS DO CENTRO ESPAÇO POENTE DA AVENIDA DINAMIZAÇÃO DO CENTRO DE AVEIRO A PARTIR DE PRAÇA DO PEIXE 2. PRAÇA MELO FREITAS 3. TEATRO AVEIRENSE 4. PRAÇA DA REPÚBLICA (PAÇOS DO CONCELHO) 5. PRAÇA MARQUÊS DE POMBAL (TRIBUNAL) 6. LARGO CAPITÃO MAIA MAGALHÃES 7. LARGO JAIME MAGALHÃES LIMA (BIBLIOTECA) 8. ASSEMBLEIA MUNICIPAL 9. CENTRO COMERCIAL FÓRUM 10. SÉ DE AVEIRO 11. PRAÇA DO MERCADO MANUEL FIRMINO B. ROSSIO DA ESTAÇÃO, INTERMODAL DE TRANSPORTES INTERMODAL DE TRANSPORTES ESTAÇÃO FERROVIÁRIA ESTAÇÃO RODOVIÁRIA PONTO RECOLHA DE BUGAS E BICICLETAS ROSSIO, INCLUINDO ESTACIONAMENTO AUTOMÓVEL OCUPAÇÃO URBANA COM DENSIDADE ELEVADA INCLUINDO COMÉRCIO, SERVIÇOS E HABITAÇÃO ELABORAÇÃO DE PP E CONSTITUIÇÃO DE UNIDADE DE EXECUÇÃO (COM CONSEQUENTE PEREQUAÇÃO) GARANTINDO A VIABILIDADE ECONÓMICA DA OPERAÇÃO URBANÍSTICA 7

8 C. ROSSIO DA RIA, MÃE DE ÁGUA DA ESTRUTURA ECOLÓGICA ALTERAÇÃO DO NÓ RODOVIÁRIO, NOMEADAMENTE DO POSICIONAMENTO DA ROTUNDA, OCUPANDO ESPAÇOS JÁ COMPROMETIDOS EXTENSÃO DO ROSSIO PARA A OUTRA MARGEM DO CANAL, ABRINDO À RIA, O QUE EXIGE DEMOLIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES EXISTENTES CONJUNTO EDIFICADO DE GRANDE IMPORTÂNCIA PARA: ENQUADRAR/ FORMATAR O ROSSIO ESCONDER A A25 E O NÓ RODOVIÁRIO INTEGRAR ESTACIONAMENTO AUTOMÓVEL DE RECEPÇÃO E ALUGUER DE BICICLETAS PERMITIR A VIABILIDADE ECONÓMICA DA OPERAÇÃO ELABORAÇÃO DE PP E CONSTITUIÇÃO DE UNIDADE DE EXECUÇÃO (CONFRONTANDO-SE COM SERVIDÕES JUSTIFICA- SE POR QUALIFICAÇÃO DA REDE ECOLÓGICA E URBANA) D. QUALIFICAÇÃO DA AVENIDA D.1 FUNÇÕES E DINÂMICAS D.2 EDIFÍCIOS D.3 ESTACIONAMENTO D.4 PRINCÍPIO PARA ESPAÇO PÚBLICO 8

9 D.1 FUNÇÕES E DINÂMICAS AS TRÊS ZONAS DA AVENIDA: CENTRO DA CIDADE TROÇO DE LIGAÇÃO ESTAÇÃO (CENTRALIDADE COMPLEMENTAR) - PARA A ZONA DO CENTRO DA CIDADE: DINÂMICA ARTICULANDO ACA, FÓRUM, BANCOS, PROPRIETÁRIOS E AGENTES CULTURAIS - PARA A ZONA DA ESTAÇÃO: DINÂMICA ARTICULANDO EMPRESAS DE TRANSPORTE, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, ACA, E PROPRIETÁRIOS - PARA TODA A AVENIDA: POLITICA PARA EFECTIVA UTILIZAÇÃO DOS EDIFÍCIOS D.2 EDIFÍCIOS REGRAS URBANÍSTICAS PARA CADA CONJUNTO (VOLUMES E USOS) ORGANIZAÇÃO DE PARCERIA IMOBILIÁRIA INTEGRANDO EDIFÍCIOS ESTRATÉGICOS PORQUE ADMITEM AUMENTO DE VOLUME PORQUE VALOR PATRIMONIAL EXIGE CONSERVAÇÃO PORQUE OFERECEM CONDIÇÕES PARA INTEGRAR FUNÇÕES ÂNCORA 9

10 D.3 ESTACIONAMENTO SITUAÇÃO EXISTENTE (SEGUNDO PLANO DE MOBILIDADE): AUSÊNCIA DE POLÍTICA GLOBAL DE ESTACIONAMENTO OFERTA EM EXCESSO (REALCE FÓRUM E ANA VIEIRA, LUGARES, SEMI-OCUPADOS) TRANSFORMAÇÃO EM PERSPECTIVA: DIMINUIÇÃO DA OFERTA, COM ELIMINAÇÃO DO PARQUE DO SR. DOS AFLITOS ( 600 LUGARES) E REDUÇÃO DO ESTACIONAMENTO À SUPERFÍCIE NA AVENIDA ( 200 LUGARES) CONSTRUÇÃO DE PARQUE SUBTERRÂNEO SOB A AVENIDA, COM ENTRADA E SAÍDA A PARTIR DO TÚNEL: COM 200 LUGARES (1 PISO); OU COM 400 LUGARES (2 PISOS), NESTE CASO EM PARTE RESERVADO A RESIDENTES DEFINIÇÃO DE POLÍTICA GLOBAL DE ESTACIONAMENTO E CONSEQUENTE CONCESSÃO D.4 PRINCÍPIO PARA ESPAÇO PÚBLICO SITUAÇÃO EXISTENTE: CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO AUTOMÓVEL OCUPAM 2/3 DO ESPAÇO PÚBLICO ESPAÇO PEDONAL QUASE EXCLUSIVAMENTE DESTINADO À CIRCULAÇÃO, NÃO EXISTEM ZONAS SIGNIFICATIVAS DE ESTADIA, ESCASSO MOBILIÁRIO URBANO DE APOIO AO PEÃO IMAGEM DA AVENIDA DESCARACTERIZADA, MARCADA PELO PREDOMÍNIO DO AUTOMÓVEL, QUE DETERMINA DESENHO DO ESPAÇO PÚBLICO TRANSFORMAÇÃO EM PERSPECTIVA: INVERTER RELAÇÃO DOS ESPAÇOS ATRIBUÍDOS AO PEÃO E AO AUTOMÓVEL NOVO CONCEITO DE ESPAÇO PÚBLICO QUE REVALORIZE O USO E A IMAGEM DA AVENIDA NO CONJUNTO DA CIDADE 10

11 COMPARAÇÃO DE ÁREAS tipo de espaço percentagem área SITUAÇÃO EXISTENTE MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS MODELO 3 RAMBLA espaço pedonal 39 % m2 espaço rodoviário 61 % m2 espaço pedonal 63 % m2 espaço rodoviário 37 % m2 espaço pedonal 72 % m2 espaço rodoviário 28 % m2 espaço pedonal 72 % m2 espaço rodoviário 28 % m2 ÁREA TOTAL m2 ÁREAS espaço pedonal 39 % m2 espaço rodoviário 61 % m2 ÁREA TOTAL m2 SITUAÇÃO EXISTENTE 11

12 LARGURAS espaço pedonal espaço rodoviário largura total 9,79 m 20,43 m 30,22 m SITUAÇÃO EXISTENTE PERFIL-TIPO SITUAÇÃO EXISTENTE FOTOGRAFIA 12

13 SITUAÇÃO EXISTENTE FOTOGRAFIA SITUAÇÃO EXISTENTE FOTOGRAFIA 13

14 ÁREAS espaço pedonal 63 % m2 espaço rodoviário 37 % m2 ÁREA TOTAL m2 MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS LARGURAS espaço pedonal espaço rodoviário largura total 19,22 m 11,00 m 30,22 m MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS PERFIL-TIPO 14

15 MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS PERSPECTIVA MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS PERSPECTIVA 15

16 MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS PERSPECTIVA MODELO 1 ARRUAMENTO CENTRAL COM PASSEIOS LATERAIS PERSPECTIVA 16

17 ÁREAS espaço pedonal 72 % m2 espaço rodoviário 28 % m2 ÁREA TOTAL m2 MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS LARGURAS espaço pedonal espaço rodoviário largura total 14,00 m 15,80 m 29,80 m MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PERFIL-TIPO 17

18 MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PLANTA PRAÇA POENTE MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PERSPECTIVA 18

19 MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PERSPECTIVA MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PERSPECTIVA 19

20 MODELO 2 AVENIDA ENTRE PRAÇAS PERSPECTIVA ÁREAS espaço pedonal 72 % m2 espaço rodoviário 28 % m2 ÁREA TOTAL m2 MODELO 3 RAMBLA 20

21 LARGURAS espaço pedonal espaço rodoviário largura total 21,92 m 8,30 m 29,80 m MODELO 3 RAMBLA PERFIL-TIPO MODELO 3 RAMBLA PERSPECTIVA 21

22 MODELO 3 RAMBLA PERSPECTIVA MODELO 3 RAMBLA PERSPECTIVA 22

23 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO COMPARATIVA 1. EFEITOS PREVISÍVEIS NA REVITALIZAÇÃO / REQUALIFICAÇÃO DA AVENIDA (VALORIZAÇÃO FUNCIONAL E IMOBILIÁRIA POR TROÇOS) 2. FUNCIONALIDADE DO ESPAÇO PEDONAL (CIRCULAÇÃO, ESTADIA, ANIMAÇÃO) 3. CONFORTO TÉRMICO (SOL, SOMBRA, VENTO) 4. TRANSPORTE MOTORIZADO (CIRCULAÇÃO AUTOMÓVEL, ACESSO A EDIFÍCIOS, ESTACIONAMENTO) 5. FUNCIONAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO 6. CIRCULAÇÃO DE BICICLETAS 7. IMPLICAÇÕES TÉCNICAS DE EXECUÇÃO 8. INCIDÊNCIAS NOS CUSTOS DE OBRA VISÃO CENTRAL, EM DISCUSSÃO: O CENTRO EIXO ENTRE ROSSIOS, ESTRUTURANTE DO CENTRO DA CIDADE 23

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Proposta de Alteração do Esquema de Circulação da Rotunda do Marquês de Pombal e da Av. da Liberdade Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Antecedentes Foi aprovada em sessão de

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Introdução Este trabalho pretende avaliar o estado de conservação dos edifícios e das anomalias funcionais dos mesmos. Foi utilizado

Leia mais

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Câmara Municipal: Cidade VILA NOVA DE GAIA Vila Nova de Gaia Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Área da cidade 600 ha População total 30 hab. Dimensão

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa OUT. 2011 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com Fórum Transnacional - Projecto START Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Mobilidade Sustentável Melhores

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Fonte: CML Fonte: CML, Américo Simas Seminário Internacional sobre Serviços de Táxi Mobilidade: os novos desafios para Lisboa CML, Novembro de 2008 Carta Europeia de Segurança Rodoviária Data de adesão

Leia mais

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos

Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas dos Cidadãos 4.ª edição da Conferência da Mobilidade Urbana MUDE Museu do Design e da Moda Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica Mesa Redonda Ouvir a Cidade: as Propostas

Leia mais

PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO

PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO População concelho: 11 659 População Sede concelho: 2 134 (18%) Área: 1412,73 km2 Freguesias: 17 Intervenção nas seguintes

Leia mais

Gabinete do Presidente. Reunião de Câmara 16 de julho de 2014

Gabinete do Presidente. Reunião de Câmara 16 de julho de 2014 Câmara Municipal de Aveiro Gabinete do Presidente Nota de Imprensa N.º 60, de 17 de julho de 2014 Reunião de Câmara 16 de julho de 2014 Apresentamos por este meio informação sobre as principais deliberações

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG

Insolvência de Edigaia - Imobiliária, S.A. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo. Processo 635/10.3TYVNG . Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia - 2.º Juízo Processo 635/10.3TYVNG Relatório de Análise / Avaliação dos Activos Imobiliários Garagem O Relatório de Análise / Avaliação dos Activos Imobiliários

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Na Cidade do Funchal existem diversos arruamentos destinados apenas

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL Registo n.º Data / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação/Representantes

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

Da rua ao centro comercial

Da rua ao centro comercial Herculano Cachinho cachinho@fl.ul.pt O espaço o públicop Da rua ao centro comercial Mobilidade e Espaço Público, Odivelas, 11 de Maio 2006 Quatro questões Espaço público: conceito moribundo ou em expansão?

Leia mais

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento

Reabilitação do Mercado Municipal. Concurso de Ideias. Regulamento ARTIGO 1º Enquadramento Reabilitação do Mercado Municipal Concurso de Ideias Regulamento O Concurso de Ideias para a reabilitação do Mercado Municipal (MM), sito na praça do Comércio é uma iniciativa da

Leia mais

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013 Mobilidade Suave Humanização de Cidades outubro 2013 Estratégias Urbanas Planos de Revitalização Planos de Mobilidade Planos Cicloviários e Pedonais Espaços Públicos Projetos Viários e Cicloviários Parques

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO Plano de Pormenor de Parte da Zona Industrial de Cacia CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO junho de 2013 Índice 1. Introdução 2. Programa de Execução 2.1 Primeira fase

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA A BICICLETA NA MOBILIDADE URBANA E NA FRUIÇÃO DA NATUREZA MURTOSA, 23 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE

Leia mais

Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola

Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Divisão de Mobilidade e Transportes Públicos Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola SEMINÁRIO. 11 e 12 Julho 2011. CASTELO BRANCO Margarida Inês de Oliveira margarida_deoliveira@cm-loures.pt TRANSPORTE

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA IGREJA E CONVENTO DE SÃO FRANCISCO PROCESSO 20/09 ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DE 2014 1 ÍNDICE DOCUMENTO

Leia mais

Seminário Mobilidade Sustentável

Seminário Mobilidade Sustentável Acessibilidade (locais) Facilitar o acesso Mobilidade (pessoas) Facilitar a deslocação Sistema de Transportes Impacte Social Impacte Ambiental Impacte Económico Repartição Modal Supremacia crescente do

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE ÁGUEDA: A INDÚSTRIA E A CIDADE AO SERVIÇO DA INOVAÇÃO

Leia mais

5. Acessibilidade e Mobilidade

5. Acessibilidade e Mobilidade 5. Acessibilidade e Mobilidade O efeito de metropolização criado pela cidade de Coimbra conduz à geração de movimentos pendulares convergentes num único ponto polarizador de centros urbanos como Condeixa-a-

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO AVENIDA DR. LOURENÇO PEIXINHO

CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO AVENIDA DR. LOURENÇO PEIXINHO CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO APRESENTAÇÃO DO PROJECTO BASE PARA O ESPAÇO PÚBLICO DA AVENIDA DR. LOURENÇO PEIXINHO OUTUBRO DE 2012 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDO, PROCESSO E METODOLOGIA II. VISÃO ENQUADRATÓRIA

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt

Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt Reconquista da Frente Ribeirinha de Lisboa Manuel Salgado Câmara Municipal de Lisboa dmprgu.dpru.dpeu@cm- lisboa.pt A requalificação da frente ribeirinha de Lisboa foram recentemente impulsionadas por

Leia mais

1. Objetivo do Guião

1. Objetivo do Guião Workshop Regional de Disseminação do Universidade de Évora - Évora - 24 de Abril de 2012 Acessibilidades, transportes e mobilidade nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Luís Jorge Bruno Soares

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

comunicação visual para a

comunicação visual para a projetos de design e comunicação visual para a cidade contemporânea solange de oliveira patrícia a. nascimento sheila nicolini neto orgel ramos júnior estudo de casos Parque das Nações (Lisboa); Estação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO

PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO PROJECTO DE LEI N.º 247/IX CRIA O PASSE SOCIAL INTERMODAL NA ÁREA METROPOLITANA DO PORTO A população da Área Metropolitana do Porto nunca teve a possibilidade de aceder a um título de transporte colectivo

Leia mais

A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do. setor do turismo, enquanto elemento integrante da oferta turística e que

A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do. setor do turismo, enquanto elemento integrante da oferta turística e que INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Lisboa, 21 de janeiro de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso nas Exportações Peso no Emprego 63% Peso dos Mercados 37% Mercado Estrangeiro

Leia mais

EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO

EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO REGULAMENTO ESPECÍFICO: POLÍTICA DE CIDADES PARCERIAS PARA A REGENERAÇÃO URBANA ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS PARA A APRESENTAÇÃO DAS CANDIDATURAS DAS OPERAÇÕES ELEGÍVEIS INCLUÌDAS

Leia mais

Municípios Eco-Escolas apoiam a mobilidade sustentável

Municípios Eco-Escolas apoiam a mobilidade sustentável Municípios Eco-Escolas apoiam a mobilidade sustentável - enquadramento O Programa Eco-Escolas procura induzir estratégias de intervenção na comunidade, baseadas na identificação de problemas e na busca

Leia mais

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 Resolução do Conselho de Ministros n. o 18/99 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou, em 26 de Junho de 1998, o Plano de Pormenor do Troço Norte

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação

Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira. Proposta de Delimitação Área de Reabilitação Urbana de Vila Nova de Cerveira Proposta de Delimitação Fevereiro de 2015 Índice Introdução... 2 Memória Descritiva e Justificativa... 4 Critérios Subjacentes à delimitação da ARU...

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas

A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO URBANO- REABILITAÇÃO E GESTÃO DA BAIXA COMERCIAL Luís D. Balula, Luís Sanchez Carvalho. Arquitectos Urbanistas Desenvolvimento Temático: São bem conhecidos os problemas com que

Leia mais

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO O Álvaro Seco ÍNDICE 1. Resenha Histórica 2. O Presente Mudança de Paradigma Breve Descrição da Rede 3. O Faseamento do Projecto 4. Os Desafios Futuros 1. RESENHA HISTÓRICA 1 RESENHA HISTÓRIA O PROBLEMA

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL MIRANDELA XXI ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE URBANA PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL ACÇÕES INOVADORAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente I. Situação actual e características do ambiente Planta: Área de intervenção

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Aviso Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Rui Rio, Presidente da Câmara Municipal do Porto, torna público que a Câmara Municipal, na 32.ª

Leia mais

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Dinâmica do Licenciamento Evolução da Área Licenciada 1980-2011 5,3 mil Evolução da Área

Leia mais

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos

Fernando Nunes da Silva. Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Fernando Nunes da Silva Mobilidade e Acessibilidade Dois conceitos complementares para a regeneração dos centros urbanos Mobilidade e Acessibilidade MAIO 11 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com dois conceitos

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Melhoramento dos Arruamentos do Centro Antigo. Tratamento e Valorização da Frente Urbana Poente

Melhoramento dos Arruamentos do Centro Antigo. Tratamento e Valorização da Frente Urbana Poente PROALGARVE Eixxo 2 Acções Inttegrradas I de Base Terrrri ittorri iall Medida 2 Acção Inttegrrada I de Qualiffi icação e Competti itti ividade das Cidades Componentte Terrrri ittorri iall Melhoramento dos

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Sustentabilidade e Eficiência Energética

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Sustentabilidade e Eficiência Energética Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Sustentabilidade e Eficiência Energética Regulamento Específico do Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (Portaria nº 57 B/2015 de

Leia mais

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática Trabalho Prático Designação do Projecto Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo Tema Cidades Saudáveis e Respostas Locais Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Leia mais

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A BARRA: ESPAÇO MONUMENTO PATRIMÔNIO E CULTURA PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A Vila Velha, conhecida também como a Vila do Porto da Barra ou Vila do Pereira uma alusão ao primeiro donatário da Capitania

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização e da edificação, estipula nos n. os 1 e 2 do artigo 43.º que os projectos

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais