Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG"

Transcrição

1 Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG

2 Sumário 1- Justificativas para a execução do PTRF Reconstituição do solo Reconstituição da Flora Definição da área que será reconstituída O Ecossistema Florestal e seu Desenvolvimento/Dinâmica de sucessão ecológica O Crescimento das Árvores da Floresta e Sua Distribuição Tolerância, Competição, Sucessão e Grupos Ecológicos Reflorestamento com Espécies Nativas Espécies Recomendadas para a Implantação de Florestas Nativas em APP Cercamento da área com cerca de arame Preparo do solo, Calagem e Adubação Espaçamento, Esquema de Plantio/Alinhamento, Marcação e Abertura de covas Plantio de vegetação forrageira Plantio de Árvores Nativas, Replantio e Tratos Culturais Metodologia e Avaliação dos Resultados Cronograma Físico- Vide Anexo II Responsável Técnico Bibliografia ANEXO I PLANTA TERRAPLENAGEM E RECOMPOSIÇÃO FLORESTAL ANEXO II - CRONOGRAMA FÍSICO... 17

3 1- Justificativas para a execução do PTRF A intervenção numa área de preservação permanente, APP, situada numa encosta e localizada às margens de um córrego afluente do Córrego da Grama, para a retirada de solo contaminado por mercúrio através de corte mecanizado e posterior preenchimento com solo de empréstimo, resultará, ao término da operação, numa área com o solo exposto, cuja dimensão só será conhecida após a retirada do solo contaminado por mercúrio, e necessitará da reconstituição da vegetação constituída por gramíneas, arbustos e árvores isoladas, a ser suprimida durante a operação, conforme Projeto Executivo do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG. O objetivo geral do projeto é promover a reconstituição da vegetação numa área com o solo exposto devido a intervenção por meio de corte e aterro com o uso de máquinas, para a retirada de solo contaminado por mercúrio, demarcada em mapa, que consistirá na definição da melhor alternativa técnica para implementação das medidas necessárias para reconstituir a vegetação natural, na APP, adotando o método de sucessão ecológica a ser implementado por reflorestamento, e fora da APP através do plantio de gramíneas de rápido crescimento por meio da semeadura de capim braquiária. 2- Reconstituição do solo Após a retirada do solo contaminado por mercúrio da área afetada, será feita a reconstituição do solo através da regularização dos taludes e terraços visando a sua estabilização para o preparo do solo, conforme previsto no Projeto Executivo do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG. 3-Reconstituição da Flora 3.1- Definição da área que será reconstituída Área de preservação permanente cuja de extensão será definida ao final da operação, está situada em uma encosta e demarcada conforme Planta de Terraplenagem Recomposição Vegetal do Projeto Executivo do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG (Anexo I), e integrará a cobertura florestal do imóvel após a consolidação de sua reconstituição. A área está situada nas coordenadas geográficas 21 23'53.42" de Latitude Sul e 42 55'9.45" de Longitude Oeste O Ecossistema Florestal e seu Desenvolvimento/Dinâmica de sucessão ecológica O ecossistema florestal necessita de um longo período para atingir o equilíbrio. O tempo necessário para a produção de uma floresta madura varia de 6 a 7 anos para um povoamento homogêneo de eucalipto no Brasil, considerando-se o primeiro corte, a 80 anos ou mais para uma floresta tropical clímax. Esse processo não é somente demorado,

4 mas também complexo. Sob condições naturais, ele se inicia com o estabelecimento de indivíduos jovens de espécies invasoras (pioneiras), que serão paulatinamente substituídos por outras espécies, através de um complexo processo de interações que formam a base da ciência da ecologia florestal. Esse desenvolvimento ecológico é chamado de sucessão. O processo de sucessão pode ser alterado ou conduzido pelo silvicultor. Ele poderá ter o interesse de manter o estado atual da floresta, ou de alterá-lo, favorecendo um estágio sucessional mais avançado, ou ao contrário, um mais jovem. O desenvolvimento de um ecossistema florestal, não depende apenas do estabelecimento e o crescimento das árvores, mas também de muitos outros organismos envolvidos que podem estar ligados direta e indiretamente a esse crescimento. As plantas do sub-bosque também se constituem em parte importante do ecossistema florestal. Os insetos e os fungos desempenham importante papel na decomposição ou infecção das plantas vasculares. Os pássaros e mamíferos, moram, procriam e utilizam da floresta para obtenção de seus alimentos, afetando vários aspectos funcionais do ecossistema florestal, como balanço energético e a ciclagem de nutrientes. As bactérias, insetos, e fungos no solo podem fixar nitrogênio ou contribuírem para a ciclagem dos nutrientes através da decomposição. O processo de sucessão poderá ser alterado através de técnicas silviculturais, como o plantio de espécies de rápido crescimento, ou a adoção de desbastes. Um desbaste seletivo das árvores isoladas, poderá manter a estrutura e a composição da floresta, sem alterar a sucessão, que beneficiaria uma situação de clímax O Crescimento das Árvores da Floresta e Sua Distribuição Um dos primeiros questionamentos que é feito pelos técnicos que estão envolvidos na recuperação de áreas degradadas ou recuperação de matas ciliares, se refere às espécies que deverão ser plantadas: Por que ocorrem tantas espécies de árvores em florestas de determinadas regiões, e por que determinadas espécies só ocorrem sob condições específicas? Para o entendimento desses fatos são necessários, o conhecimento das estratégias de estabelecimento das espécies florestais e das inúmeras interações a que eles estão submetidas conforme o ambiente. A estrutura e a composição das florestas nativas são oriundas de uma série de eventos edafo-climáticos e ecológicos, variáveis no tempo e no espaço. As estratégias que a espécies florestais se utilizam para seu estabelecimento na floresta são resultantes de um conjunto de características genéticas que em interação com o ambiente, propiciam a sua sobrevivência e/ou reprodução. A cada estratégia, estão relacionados um ou mais padrões de comportamento que irão refletir na composição de uma floresta, na distribuição espacial e densidade de suas espécies e indivíduos. Na implantação, enriquecimento ou manejo da floresta nativa, o silvicultor poderá intervir na composição, estrutura e na dinâmica do ecossistema florestal, em função das espécies favorecidas e de suas estratégias de estabelecimento. Portanto, para que os resultados obtidos possam ser previstos com certa margem de segurança, é necessário o

5 conhecimento da adaptação das espécies para cada ambiente específico, e de seus padrões sucessionais, onde estão inseridos os diferentes grupos ecológicos. É necessário que o silvicultor tenha o conhecimento de que o processo de estabelecimento do ecossistema florestal é dinâmico no tempo e no espaço, e que a existência de características diferentes para que as espécies se estabeleçam nos diferentes estádios sucessionais da floresta, exigem que ele possa prever o aparecimento ou o desaparecimento de diferentes grupos de árvores, com freqüentes alterações na biodiversidade local. Assim, o sucesso no processo de estabelecimento ou enriquecimento de um ecossistema florestal, não depende apenas da escolha das espécies e da tecnologia empregada na fase de implantação, mas também do sucesso da regeneração no processo de sucessão. Esta, está associada à presença de sementes, dispersão, dominância, sobrevivência, crescimento e/ou reprodução dentro das populações. Dentre as síndromes de comportamento observadas no estabelecimento das espécies, as que mais contribuem para o processo dinâmico do ecossistema florestal são: o sistema de produção de sementes, a dispersão, o tamanho dos frutos e das sementes, a formação de bancos de sementes e de plântulas. Esses processos são características de grupos ecológicos que compõem o processo de sucessão, os quais passamos a definir a seguir Tolerância, Competição, Sucessão e Grupos Ecológicos Quais fatores determinam a distribuição das espécies florestais? As espécies apresentam aspectos fisiológicos diferenciados quando submetidas a uma dada fonte ou promotor de crescimento. Por exemplo, a figura 3, citada por ABER (1990), mostra a taxa de crescimento relativo de 3 diferentes espécies submetidas a várias intensidades de luz. As curvas dessa figura expressa o conceito de tolerância à sombra, o qual tem sido considerado tradicionalmente, como uma chave para a ecologia e o manejo florestal.

6 Figura 1- Taxas de crescimento relativo em função da disponibilidade de luz, para espécies tolerantes, intermediárias e intolerantes. Assim uma espécie tolerante é aquela que pode crescer comparativamente bem, sob baixa disponibilidade de luz, sem apresentar um grande incremento no crescimento quando a disponibilidade de luz é aumentada. Essas árvores podem se reproduzir e formar dosséis debaixo das copas daquelas menos tolerantes. Uma espécie intolerante apresenta comportamento oposto, isto é, apresentam taxas de crescimento muito baixas quando sombreadas, mas crescem num rítmo muito mais rápido que as tolerantes, quando submetidas à pleno sol. As árvores intolerantes só se reproduzem com êxito quando se encontram em áreas abertas, ou quando ocupam dossel superior. As árvores com diferentes níveis de tolerância estão adaptadas para crescer em diferentes condições naturais na floresta. Baseado no princípio da tolerância, VAN DER PIJL (1972), classificou as espécies florestais em 3 grupos: a) pioneiras: aquelas espécies especializadas em clareiras e que não toleram sombreamento; b) secundárias: aquelas espécies que toleram sombreamento parcial, mas que necessitam de luz para seu crescimento e reprodução; c) tolerantes ou clímax: aquelas que definem a estrutura da floresta e se estabelecem na condições de sub-bosque. Num estudo realizado na mata tropical de Linhares (ES) COSTA et alii, classificaram 227 espécies, sendo 57% representativas do grupo das secundárias, 23% de pioneiras e 20% de tolerantes. Esses autores citam que Gandolfi (1991) estudando uma mata residual em Guarulhos (SP), encontrou 30% de espécies secundárias, 25% de pioneiras e 34% de secundárias tardias/clímax ou tolerantes e 11% das espécies não puderam ser caracterizadas. Sales (1991) também citado por COSTA et alii, encontrou 122 espécies em

7 mata secundária da região de Brotas (SP); destas, 52% eram secundárias, 16% pioneiras, 0,8% clímax e cerca de 32% não puderam ser classificadas. Nos estudos realizados pelo Projeto integrado Mata Ciliar (CEMIG/UFLA/FAEPE), nas matas de Macaia e Madre de Deus (MG), foram encontradas 51% de secundárias, 11% de pioneiras, 38% de clímax ou intermediária tardia. Numa floresta madura com as copas fechadas ocupando todo o dossel, apenas 2 a 5% da luz solar que chega no dossel consegue chegar ao solo. Na figura 2 pode ser observado que as árvores das espécies tolerantes ou intolerantes que estão crescendo debaixo do dossel não conseguiram crescer a taxas satisfatórias, porque o nível de luz está abaixo do ponto de compensação. Somente as espécies tolerantes têm habilidade para crescer na sombra. As espécies tolerantes representadas no sub-bosque serão as únicas com capacidade de crescer posteriormente até o dossel (fig. 2). Então, a menos que um distúrbio ocorra, esse extrato irá continuar sendo dominado pelas mesmas espécies tolerantes e não irá alterar muito na composição de suas espécies. Se imaginarmos que um grande distúrbio, como um incêndio, ou um forte vendaval ocorra dentro de uma floresta, causando a queda e morte de um grande número de árvores adultas (tolerantes ou clímax), grandes clareiras serão abertas, permitindo que a luz solar direta encontre o solo da floresta. Sob essas condições, as espécies intolerantes (pioneiras) são favorecidas, e se houver um banco de sementes no solo, estas irão germinar e crescer muito mais rápido do que o banco de plântulas. As árvores intolerantes (pioneiras) irão logo cobrir as tolerantes devido ao seu rápido ritmo de crescimento sob pleno sol e rapidamente dominarão a floresta. Entretanto, abaixo de suas copas existe luz suficiente para o crescimento de espécies secundárias e abaixo destas as tolerantes. Então, um dossel estratificado pode se desenvolver com espécies intolerantes no nível mais alto, as intermediárias abaixo delas, e as tolerantes mais abaixo. Eventualmente, como as espécies tolerantes crescem devagar e possuem ciclo vital longo e as árvores das espécies intolerantes e intermediárias morrem, um estande dominado por árvores tolerantes poderá ser restabelecido. O processo de sucessão descrito por esse exemplo, é um conceito central no campo da ecologia. Assim, o conceito de sucessão pode ser definido como a substituição ordenada das espécies, através do tempo, em um dado local, tendendo eventualmente para uma comunidade florestal equilibrada. Esse ponto final tem sido chamado de comunidade clímax. Esse tipo de sucessão descrito acima é chamado de sucessão secundária. Na sucessão secundária houve a destruição de uma comunidade vegetal sem que o sítio tenha sido severamente degradado, principalmente o solo, onde as plantas novas deverão crescer. A sucessão primária ocorre quando novas plantas invadem uma área, na qual não havia ocorrido ainda o crescimento de plantas, tal como nas áreas de empréstimo. Na sucessão primária as plantas terão que recuperar o solo num processo que requer centenas de anos (podendo chegar a milhares de anos ). A sucessão secundária normalmente necessita somente de décadas ou talvez centenas de anos.

8 Figura 2- Esquema de distribuição das copas das árvores por classe de tolerância e altura para quatro estágios de sucessão iniciada por distúrbio severo. a)antes do distúrbio; b) imediatamente após o distúrbio; c) estágio intermediário da sucessão (50-75 anos); d) recobrimento total e a volta à condição original. (T=árvores tolerantes; N=árvores intermediárias; I= árvores intolerantes). 4- Reflorestamento com Espécies Nativas em APP O modelo apresentado a seguir é fruto de consultas em trabalhos já realizados com resultados considerados satisfatórios, e nos conhecimentos teóricos acima abordados

9 que sugerem ser segura a técnica de sucessão ecológica com o uso de espécies pioneiras, secundárias iniciais, secundárias tardias e clímax, para a revegetação de pastagens erodidas e áreas degradadas. 4.1-Espécies Recomendadas para a Implantação de Florestas Nativas em APP As espécies abaixo relacionadas foram indicadas com base nas recomendações dos estudos fitossociológicos realizados na região de Lavras- MG; em dados de crescimento de plantas de 78 espécies utilizadas nos plantios experimentais realizados em Itutinga- MG e em informações pessoais e de literatura, e de acordo com a disponibilidade no Viveiro Florestal de Ubá. A tabela 1 relaciona as espécies recomendadas para iniciarem um processo de formação de florestas nativas em propriedades rurais. Tabela 01- Relação de espécies recomendadas para a implantação de florestas mistas em propriedades rurais. ESPÉCIE NOME COMUM NOME CIENTÍFICO GRUPO ECOLÓGICO 1-Fedegoso Senna macranthera Pioneira 2-Jacaré Piptadenia gonoacantha Pioneira 3- Sangra d água Croton urucurana Pioneira 4-Angico-vermelho Anadenanthera peregrina Secundária inicial 5-Ipê-mulato Tabebuia chrysotricha Secundária inicial 6-Paineira Chorisia speciosa Secundária inicial 7-Ingá Inga edulis. Secundária inicial 8-Curamadre Guarea trichilioides Secundária inicial 9-Tamboril Enterolobium contortisiliquum Secundária inicial 10-Ipê-roxo Handroanthus impetiginosus. Secundária tardia 11-Ipê-rosa Handroanthus heptaphyllus Secundária tardia 12-Angelim Pithecolobium racemosum Secundária tardia 13-Cedro Cedrella fissilis Clímax 14-Jatobá Hymenaea courbaril Clímax A combinação das espécies a serem utilizadas, de acordo com o grupo ecológico a que pertencem deverá se constituir pela seguinte proporção: 50% de espécies pioneiras, 30% de espécies secundárias iniciais 10% de espécies secundárias tardias, 10% de espécies clímax

10 Considerando 1,00 hectare a ser implantado no espaçamento 3,5 X 3,0 m teremos 1053 plantas, assim distribuídas: Pioneiras: 175 mudas de Fedegoso 175 mudas de Jacaré 175 mudas de Sangra d água Secundárias iniciais: Secundárias tardias: Clímax 52 mudas de Angico-vermelho 52 mudas de Ipê-mulato 52 mudas de Paineira 52 mudas de Ingá 52 mudas de Curamadre 52 mudas de Tamboril 36 mudas de Angelim 36 mudas de Ipê roxo 36 mudas de Ipê rosa 54 mudas de Jatobá 54 mudas de Cedro O número de plantas a ser usado por espécie será proporcional à área a ser reconstituída em área de preservação permanente informada ao final da operação, baseada na área total de remoção de solo e APP prevista no Projeto Executivo Cercamento da área com cerca de arame A área objeto de restauração deverá ser cercada com cerca de arame construída com mourões tratados com preservativos químicos em autoclave, de 2,10 metros de comprimento e de no mínimo 10 cm de diâmetro e com 4 fios de arame farpado Preparo do solo, Calagem e Adubação O preparo do solo deverá ser feito após a reconformação do terreno através de gradagem mecanizada leve. As dosagens recomentadas de calcário dolomítico, esterco e adubo são as seguintes: -Calcário dolomítico g/m² ou 500Kg/ha -Esterco de bovinos...05 l/cova -Adubo formulado NPK g/cova Após a gradagem deve-se seguir os seguintes passos: 1º : Fazer a abertura manual de covas com o uso enxadões; 2º : Fazer calagem lançando o calcário sobre o solo revolvido e no fundo das covas, no mínimo 45 dias antes do plantio; 3º : Misturar bem o adubo com o solo e o esterco no fundo da cova, antes do plantio.

11 4.4- Espaçamento, Esquema de Plantio/Alinhamento, Marcação e Abertura de covas Espaçamento O espaçamento das covas deverá ser de 3,5 m entre linhas por 3,0m entre plantas. As covas devem ter dimensões de 40 cm de largura por 40cm de comprimento, e 40 cm de profundidade. Esquema de Plantio/Alinhamento As espécies propostas neste projeto estão classificadas de acordo com o grupo ecológico a que pertencem, ou seja, pioneiras, secundárias (iniciais e tardias) e clímax. Os plantios experimentais observados mostraram que a melhor combinação na implantação de uma floresta nativa mista consiste em 50 % de espécies pioneiras, 30% de secundárias iniciais, 10 % de secundárias tardias e 10% de espécies clímax. A maneira mais prática de dispor as mudas no campo é alternando uma linha de espécies pioneiras com outra de espécies secundárias inicial e tardia e clímax, conforme o desenho a seguir. P P P P P P -----SI ST SI C SI P P P P P P -----ST------SI C SI SI----- P-Pioneira SI- Secundária Inicial ST- Secundária Tardia C- Clímax As mudas devem ser plantadas em forma de quincôncio, ou seja, cada muda de espécie secundária ou clímax se posicionará no centro de um quadrado composto por 4 mudas de espécies pioneiras (colocadas nos vértices), observando-se o espaçamento indicado P P ,5m C P P ,0 m linhas em curvas de nível O plantio em quinôncio distribui uniformemente as plantas, com um melhor recobrimento da vegetação no terreno e resulta num sombreamento parcial da muda central, proporcionando um ambiente semelhante ao encontrado pelas plântulas na natureza. 4.5-Plantio de vegetação forrageira Após o preparo do solo será efetuada semeadura da leguminosa forrageira Arachis pintoi ou amendoim forrageiro sobre toda a superfície com solo exposto na APP, para a cobertura imediata deste com vegetação. Esta operação deve ser efetuada simultaneamente com a marcação de covas para o plantio de árvores. Fora da APP será utilizada a semeadura de capim braquiária com a mesma finalidade de imediata revegetação.

12 A semeadura das plantas forrageiras pode ser feita de forma manual ou mecânica em profundidade de 3 cm-5 cm no solo (Figura 2). No plantio manual devem ser feitos sulcos no espaçamento de 0,50 m, com distribuição de 10 sementes de amendoim forrageiro por metro linear ou a proporção de 10 kg por hectare. Para o capim braquiária usar a proporção de 20 kg de sementes por hectare. Em ambos os métodos de plantio as sementes devem ser cobertas e o solo levemente compactado. Fotos: Judson Ferreira Valentim Figuras A e B. Mostram o aspectos do solo preparado em sulcos para o plantio de forrageiras e da grama amendoim após a germinação e o crescimento.

13 Para o plantio das espécies forrageiras recomenda-se a aplicação do adubo fosfatado que deverá ser feita preferencialmente junto à semeadura, caso se utilize plantadeira/adubadeira em linha. Recomenda-se o uso do superfosfato simples como fonte de fósforo (18% de P 2 O 5 ) na dosagem de 300 kg/ha Plantio de Árvores Nativas, Replantio e Tratos Culturais -Plantio As mudas de bom tamanho e bom estado fitossanitário devem ter a sacolas plásticas retiradas pouco antes do plantio e devem ser colocadas no centro da cova em um nível ligeiramente abaixo da superfície do solo e serão fixadas completando-se a cova com a terra solta e compactando-a. -Replantio Um mês após o plantio, cada muda que não sobreviveu deve ser substituída por outra da mesma espécie ou pelo menos do mesmo grupo ecológico. Para as plantas forrageiras caso haja falha de germinação de sementes deve ser feito nova semeadura. -Tratos Culturais Fazer a adubação de cobertura no 1º e no 2º ano após o plantio das árvores com adubo formulado NPK na dosagem de 150 g/cova, dividida em duas aplicações no início e meio do período chuvoso. A adubação de cobertura para as plantas forrageiras leguminosa e gramínea, quando necessário, será feita usando-se o mesmo adubo formulado NPK , lançando-o sobre o solo, na proporção de 300 kg por hectare. Sempre que houver competição da espécie leguminosa forrageira com as árvores plantadas na APP deverá ser feita a sua capina, cujos resíduos de folhas e ramos devem ser mantidos junto às árvores para uma adubação verde complementar. Não se faz necessário a roçada do capim braquiária fora da APP cujo objetivo é o máximo recobrimento do solo. -Combate à formigas: A área do plantio bem como as circunvizinhas, até um raio de 100 metros, deverá ser percorrida na sua totalidade para localização de formigueiros. Será utilizado isca formicida granulada e MIP (Micro Porta Isca) de acordo com a intensidade da ocorrência dos formigueiros no combate inicial e também nos repasses futuros, na dosagem de 10 g de isca por m² de terra solta do formigueiro. O controle será sistemático dando ênfase ao período seco que antecede o plantio e sempre que necessário para manter erradicados os formigueiros. -Capina

14 A primeira capina deve ser feita 3 meses após o plantio, ao redor da muda em forma de círculo ou coroa com raio de 1 metro. O número de capinas é dependente do tempo necessário para o estabelecimento e desenvolvimento da floresta, que por sua vez depende das condições climáticas e da adaptação das espécies plantadas no local. Sempre que plantas indesejáveis ou a espécie forrageira estiverem competindo com as mudas plantadas, deve-se realizar o a capina. Como trata-se de restauração de área degradada deve-se tomar o cuidado de aproveitar ao máximo os benefícios das ervas daninhas invasoras para efetivar a cobertura do solo com vegetação, capinando apenas aquelas que estiverem competindo diretamente com as mudas de árvores plantadas, por água, por nutrientes ou por luz. 5- Metodologia e Avaliação dos Resultados Propõe-se como metodologia de avaliação dos resultados alcançados pela implantação do projeto técnico um monitoramento periódico da estabilidade dos taludes, do funcionamento do sistema de drenagem de águas pluviais, do recobrimento do solo pela vegetação forrageira, e do crescimento e da fitossanidade das árvores plantadas na APP e do recobrimento do solo pelo capim braquiária fora da APP, através de vistoria técnica. Na estação de chuvas o monitoramento deverá ser mais freqüente, e será efetuado sempre após fortes chuvas, visando verificar os possíveis impactos delas decorrentes, como a formação de erosão do solo e a necessidade de intervenção corretiva. Para o registro da evolução do crescimento da vegetação deverá ser elaborado relatório com periodicidade semestral, ao final da estação de chuvas e ao final da estação de estiagem, com a recomendação da eventual necessidade de intervenção corretiva. 6- Cronograma Físico- Vide Anexo II 7- Responsável Técnico Luiz Henrique Ferraz Miranda Engenheiro Florestal/MASP Coord. de Pesquisa e Proteção à Biodiversidade/IEF E. Regional Zona da Mata 8-Bibliografia Aber, J. D. Forest Ecology and Forest Ecosystem. In: Young, R. A & Giese. R. ed Introduction to Forest Science. 2 ed. New York, John Wiley & Sons, P Costa, L. G. S.; Pina-Rodriguez, F.C.M. & Jesus, R. M. Grupos ecológicos e a dispersão de sementes de espécies arbóreas em trecho de floresta tropical na reserva florestal de Linhares(ES). In: Anais do Segundo Congresso Nacional sobre Essências Nativas. 29/03 a 03/04/1992. P

15 Davide, A. C., Scolforo, J. R. S. & Faria, J. M.R. Comportamento silvicultural de espécies florestais em área de empréstimo. Trabalho enviado ao VII Congresso Florestal Brasileiro, Curitiba, PR, Davide, A. C., Scolforo, J. R. S. & Faria, J. M.R. Opção de revegetação de áreas de encosta.trabalho enviado ao VII Congresso Florestal Brasileiro, Curitiba, PR, Davide, A. C., Scolforo, J. R. S. & Faria, J. M.R. Estratégia para recuperação de área degradada.trabalho enviado ao VII Congresso Florestal Brasileiro, Curitiba, PR, Van Der Pijl, L Principles of dispersal in higher plants. Berlin, Springer Nerlag, 162 p.

16 ANEXO I PLANTA TERRAPLENAGEM E RECOMPOSIÇÃO FLORESTAL

17 Metas/Atividades(1) 1-Reconstituição do solo/construção de terraços X X X - ANEXO II - CRONOGRAMA FÍSICO Mês/Ano de Execução 2015/2016 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10 Mês 11 Mês 12 Mês 13 Mês 14 Mês 15 Mês 16 2-Drenagem de águas pluviais X X Cercamento da área com cerca de arame X X Combate às formigas - - X X X - X X X 5- Plantio de vegetação forrageira X X - 6- Alinhamento/ Marcação e abertura de covas X X 7- Preparo do Solo, Calagem e Adubação X X 8- Plantio e Replantio X X 9- Tratos Culturais X X (1) As metas e atividades iniciam-se no Mês 5 com a reconstituição do solo e nivelamento topográfico

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

Métodos de restauração de APP e RL

Métodos de restauração de APP e RL Métodos de restauração de APP e RL Diagnóstico ambiental: exame minucioso da área a ser recuperada e de seu entorno imediato, bem como de seu histórico e de todos os outros fatores que possam interferir

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA CONAMA/MMA PAULO KAGEYAMA. SBF. MMA. RESTAURAÇÃO DE APPs: BIODIVERSIDADE; GRUPOS SUCESSIONAIS INTRODUÇÃO HISTÓRICO: EVOLUÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental Téc Agr Ramiéri Moraes CREA/SP: 50622361-39 TD PRINCIPAIS AUTUAÇÕES NA REGIÃO DE IBIÚNA E SÃO ROQUE Intervenção em APP(Áreas

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA Luana Auxiliadora de Resende (1) Graduanda em Gestão Ambiental pelo IFSULDEMINAS Campus

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Metodologias para recomposição de florestas nativas

Metodologias para recomposição de florestas nativas Metodologias para recomposição de florestas nativas Resumo do texto de autoria de S. Gandolfi & R. R. Rodrigues intitulado Recomposição de florestas nativas: algumas perspectivas metodológicas para o Estado

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Método Monitoramento PRMC Apoio : OBJETIVOS DO PROJETO ORIGINAL Identificar indicadores estruturais de sucesso de reflorestamentos para restauração

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Inovação Tecnológica CTEC Serviço de Tecnologias Limpas - SETL AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE Letícia Mônica Garcia 1 ; Lindce Ariani Herrera 1 ; Danilo Spessato de Souza

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 1 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS VALEC NAVA - 02 2 de 12 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 02 PLANTIOS PAISAGÍSTICOS SUMÁRIO 1. OBJETO... 2 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO. Participaram da vistoria os seguintes representantes: BOA VISTA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 023/2012 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: Processo Judicial 2008.72.04.002971-7

Leia mais

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende protocolo CARBON FREE Critérios para recomposição florestal Reserva Ecológica do Guapiaçu (REGUA), em Cachoeiras de Macacu (RJ), onde existem projetos de reflorestamento com o Carbon Free Roberto Resende

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO Grupo de Arborização Abril 2012 - SVMA / PMSP 1. PREPARAÇÃO PARA PLANTIO DE FORRAÇÃO: 1.1. Preliminarmente, eliminar todos os detritos. 1.2. Retirar todo o mato existente, inclusive

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal. Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental

Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal. Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica

Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica Instituto Federal São Paulo Campus São Roque - SRQ Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica Eliane

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Como restaurar sua f loresta

Como restaurar sua f loresta Como restaurar sua f loresta Cartilha Como restaurar sua f loresta Iniciativa Realização Patrocínio Coordenação da publicação Marcele Bastos de Sá Dary Rigueira Autor Dary Rigueira Revisão de conteúdo

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais