Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento"

Transcrição

1 Agrupamento de Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril Projeto de Intervenção no Agrupamento De acordo com o estabelecido no ponto 3 do artigo 22º do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril Filipe Plácido Correia Lousada, 16 de abril de 2013

2 Índice Apresentação... 2 Introdução... 3 Contextualização da Candidatura... 4 Perspetivas para o Futuro Identificação de Problemas Identidade e cultura do Agrupamento Alunos e famílias Espaços físicos, recursos materiais e financeiros Recursos humanos e Formação Articulação O Agrupamento na Comunidade Local Considerações finais Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 1

3 Apresentação A Escola Unidade prestigiada, é constituída por todos quantos a ela pertencem Comunidade Educativa. Sendo o seu diretor responsável pelo seu cuidado e orientação através de um projeto conjunto e participado, dinamizador da criatividade e vértice agregador de projetos. À diretoria da escola compete assumir a representação digna da instituição, sendo importante adquirir credibilidade externa suficiente para se corporizar como ponto de ancoragem de qualquer plano estratégico. É necessário um percurso académico profissional e uma imagem que o situe como um par entre pares junto da comunidade académica, cultural, bem como dos encarregados de educação, sem esquecer a capacidade de relacionamento e diálogo com todas as forças, norteadas por uma independência que lhe permita assumir sem restrições a defesa da escola. Todavia não se pode ignorar que a escola não é um organismo isolado, mas interativo cujo futuro se rediz cada vez mais, nas capacidades de afirmação junto das entidades externas. A diretoria não se esgota numa pessoa mas numa equipa. Numa equipa organizada e trabalhadora por um projeto comum. Uma Escola Para o Futuro Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 2

4 Introdução A Educação é uma tarefa essencial de todos os tempos e sociedades. Nas últimas décadas a investigação educacional, influenciada por abordagens sociológicas, demonstrou a existência de inter-relações entre níveis de intervenção pedagógico/curricular e as dimensões sociais. A valorização da escola como organização, implica a elaboração de uma nova teoria curricular e o investimento nos estabelecimentos escolares como lugares de ensino de autonomia pedagógica e curricular, como centro de investigação e como núcleos de interação social e comunitária. As decisões no domínio educativo oscilam entre o nível global do macro sistema e do micro sistema. A Lei de Bases do Sistema Educativo de mil novecentos e oitenta e seis aponta para uma dinâmica de descentralização e investimento das escolas como espaços de autonomia pedagógica, curricular e profissional. As instituições escolares passaram a ter estruturas e características organizacionais enquadradas em modelos de organização adaptados modelos empresariais. Apesar disto, a escola deve manterse como salvaguarda, última e primeira do modelo democrático e participativo. Uma Escola Para o Futuro. De uma forma genérica o projeto de intervenção para os próximos quatro anos terá como finalidade a integração e o respeito pelas capacidades individuais de toda a comunidade escolar, focalizada num objetivo comum: a criação de um centro de referencia educacional, com bom ambiente de trabalho, harmonioso, solidário, com igualdade de oportunidades e integração social na perspetiva da comunidade local. É minha convicção inabalável executá-lo por forma a garantir o sucesso escolar dos alunos, o bom ambiente de trabalho dos docentes e não docentes tendo consciência que esta tarefa é um desafio constante e coletivo, mas convicto que só assim se poderá construir Uma Escola Para o Futuro! Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 3

5 Contextualização da Candidatura A minha candidatura a Diretor do Agrupamento de é alicerçada num projeto, que tem por base a experiência adquirida ao longo de dez anos não só como docente em que formei e consolidei uma filosofia de educação e de escola, mas também como observador, de uma organização que se recria, dinamiza e se constrói, e que acredito que colocado em prática será uma mais valia para a comunidade escolar. Além da experiencia adquirida, procurei sempre melhorar o entendimento de Instituição Educativa e valorizar-me pessoalmente frequentando o Curso de Mestrado em Administração de Organizações Educativas. Tive como linhas orientadoras na construção deste projeto de intervenção os relatórios elaborados pela comunidade escolar sobre a apreciação dos resultados da Avaliação Externa/Interna do Agrupamento, o Projeto Educativo e o bom conhecimento do meio em que o Agrupamento está implantado. Tendo por base o exposto, comprometo-me, dentro das competências que são inerentes ao cargo de Diretor, exercer uma gestão democrática, dinâmica e participada, sustentada nos seguintes fundamentos: - Determinação: Em estabelecer objetivos e metas claras, ajustadas à comunidade educativa, com vista à melhoria dos resultados. - Cooperação: Colaborar com os parceiros, em projetos de cooperação, por forma a proporcionar aos alunos aprendizagens mais diversificadas. - Abertura à inovação: Investir nas novas tecnologias aceitando os desafios que as mudanças exigem. - Partilha de responsabilidade: Por uma cultura de responsabilidade partilhada por toda a comunidade educativa, delegando competências, concretizando-se numa liderança colaborativa. Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 4

6 Perspetivas para o Futuro O documento que consagra a orientação educativa do Agrupamento, elaborado e aprovado pelos seus órgãos de administração e gestão, no qual se explicitam os princípios, os valores, as metas e as estratégias segundo as quais o Agrupamento se propõe cumprir a sua função educativa, o Projeto Educativo entrou em vigor em 2009/2010, pelo que termina em 2012/2013. É minha intenção concretizá-lo procedendo à sua monitorização até ao seu término. Com base na avaliação interna, análise SWOT (identificação de pontos fortes e pontos fracos/sugestões de melhoria) e no relatório efetuado pela equipa que realizou a avaliação interna, formularei os objetivos prioritários de intervenção que irão ser propostos como parte integrante do próximo projeto educativo, não esquecendo que a Escola é por excelência o meio privilegiado de socialização e de alteração de atitudes e transmissão de valores. Deste modo, a Escola deve tornar-se um modelo de referência onde todos os seus membros assumam o seu dever de participação e profissionalismo, envolvendo-se no desenvolvimento de projetos que possam alargar os horizontes de toda a comunidade educativa. Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 5

7 4. Identificação de Problemas Construir o futuro conhecendo o presente é condição essencial para atingir o sucesso. O Agrupamento de é ainda um Agrupamento muito jovem e são visíveis aspetos menos positivos inerentes a esta situação, os quais deverão ser aperfeiçoados e constituem campos de ação prioritária, neste projeto. As fragilidades diagnosticadas mais relevantes são as seguintes: 4.1. Identidade e cultura do Agrupamento Problema - Constituição, não desejada, do mega-agrupamento em resultado da fusão de dois agrupamentos; - Existência de culturas organizacionais distintas dos dois anteriores agrupamentos verticais; Objetivos - Criar uma cultura de Agrupamento, em que todos se reconheçam num projeto comum, criando sentido de pertença e identidade em relação ao Agrupamento; - Criar um clima escolar positivo, procurando consensos e respeitando as diferenças; Estratégias - Desenvolver mecanismos eficazes de comunicação entre as diferentes estruturas do Agrupamento que facilitem o trabalho em equipa; - Organizar momentos de convívio entre a comunidade educativa, com vista ao estabelecimento de relações de maior proximidade entre os profissionais do Agrupamento; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 6

8 - Instituir o Dia do Agrupamento, para reforçar o sentido de pertença da Comunidade Educativa, envolvendo-a na sua planificação e implementação; - Criar um Observatório de Desempenho e Qualidade, com independência relativamente ao Diretor, que avalie de forma sistemática o desempenho do Agrupamento e o grau de satisfação dos utentes; - Organizar e gerir o Agrupamento tendo como base uma liderança colaborativa entre os diferentes órgãos e entre estes e as diferentes estruturas (a desenvolver ao longo do mandato). - Aprimorar o modelo de administrativa que vá ao encontro das necessidades e anseios dos utilizadores, através da prestação de melhores serviços, pela desburocratização de procedimentos e pelo aumento da qualidade da gestão e funcionamento do aparelho administrativo do Agrupamento. (a desenvolver primeiro ano do mandato). - Garantir a eficaz circulação de informação na comunidade escolar (a desenvolver ao longo do mandato). - Motivar os colaboradores a criar no Agrupamento uma bolsa de formadores interna, ou em articulação com o Centro de Formação (a desenvolver no primeiro ano do mandato). - Realizar encontros de partilha de conhecimentos entre os vários Agrupamentos (a desenvolver ao longo do mandato). - Promover reuniões periódicas entre departamentos curriculares para definir orientações precisas sobre a concretização da articulação curricular e sequencialidade da aprendizagem entre ciclos (a desenvolver ao longo do mandato). - Incentivar o sistema de permutas dos professores no sentido de proporcionar a plena lecionação dos conteúdos programáticos, contribuindo deste modo para o sucesso académico dos nossos alunos. Trabalhar no sentido de aumentar as ocupações plenas dos tempos escolares (a desenvolver ao longo do mandato) Alunos e famílias Problema - Alguns resultados escolares e académicos pouco satisfatórios, com principal incidência no último ano letivo do segundo e terceiro ciclo Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 7

9 - Abandono escolar, bem como uma saída precoce da escola, por parte dos alunos, ao nível do ensino secundário (qualquer valor, por mais baixo que seja, é preocupante); - Necessidade de envolvimento dos Encarregados de Educação na implementação de medidas educativas que visem reduzir o insucesso; - Precariedade social em alguns ambientes sócio-familiares de alunos do Agrupamento; - Dificuldades económicas crescentes e que influenciam para o insucesso escolar. - Pouca oferta de percursos alternativos de educação a jovens e a adultos. Objetivos - Melhorar os níveis de sucesso escolar e a qualidade do sucesso; - Reduzir o abandono e o risco de abandono escolar; - Aumentar o envolvimento dos Pais e Encarregados de Educação no percurso escolar dos alunos e na vida do Agrupamento; - Identificar problemas sociais, familiares e económicos dos alunos. - Aumentar o grau de participação dos alunos em eventos diversos (concursos, projetos, clubes); - Oferecer percursos mais diversificados a jovens e a adultos por forma a dar continuidade aos seus estudos através de cursos profissionais, cursos de educação e formação e noturnos (a desenvolver ao longo do mandato). Estratégias - Diversificar os processos de ensino ministrado aos alunos do Agrupamento; - Avaliação sistemática dos resultados escolares dos alunos através de instrumentos de aferição das aprendizagens (testes intermédios, provas globais), a fim de se delinearem estratégias de correção e melhoria; - Contribuir para a melhoria da prestação dos alunos nos exames nacionais de, através do reforço e diversificação das aprendizagens; - Incentivar e valorizar a participação dos alunos em atividades, concursos e outras iniciativas internas e externas ao Agrupamento, que contribuam para o reforço / aprofundamento das suas aprendizagens e que fortaleçam o sentido de pertença ao Agrupamento; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 8

10 - Promover e incentivar a participação dos alunos nas atividades culturais e desportivas da escola, visando o desenvolvimento integral dos jovens e a educação para a saúde, valorizando as aprendizagens sociais e relacionais e o exercício responsável da cidadania (ao longo do mandato). - Reformulação do sitio da internet oficina de matemática do Agrupamento, para apoio ao estudo; - Utilizar a plataforma Moodle como espaço virtual de aprendizagem estruturada e de apoio ao estudo; - Conceber estratégias de prevenção e propostas de intervenção para alunos em risco, em parceria com outras instituições locais, designadamente o Centro de Saúde, Comissão de Proteção de Crianças e Jovens e Escola Segura; - Diversificar as ofertas formativas para dar respostas ao nível da formação profissional e pré-profissional que respondam, não só às expectativas do tecido empresarial local, mas também às necessidades dos alunos, contribuindo para a redução do abandono escolar; - Promover um acompanhamento sistemático in loco dos alunos em contextos de aprendizagem profissional e pré-profissional, por um professor, que contribua para facilitar a ligação entre a escola e o mundo do trabalho; - Gerir a formação de turmas de modo a que o seu dimensionamento permita um apoio pedagógico personalizado e eficaz na sala de aula (aos alunos com necessidades educativas de carácter prolongado) e facilite o trabalho pedagógico dos docentes e a prevenção da indisciplina; - Realizar Assembleias de alunos, por anos, por ciclos, numa perspetiva de construção de cidadania; - Promover ofertas educativas alternativas voltadas para a aprendizagem em situação real, para alunos com necessidades educativas especiais, problemas de aprendizagem e em risco de abandono escolar; - Promover condições para que a Associação de Pais e Encarregados de Educação dos alunos do Agrupamento colabore ativamente com os restantes agentes educativos, através de iniciativas conjuntas (colóquios, debates, campanhas) de interesse para os pais; - Promover ofertas educativas alternativas voltadas para a aprendizagem em situação real e em contexto real. - Crescimento das ofertas formativas alargando as a novas áreas de formação; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 9

11 - Reunir periodicamente com as Associações de Pais/Encarregados de Educação (a desenvolver ao longo do mandato). - Solicitar a sua participação em comemorações, debates temáticos e outros eventos (a desenvolver ao longo do mandato). - Promover a utilização da plataforma Moodle como porta de entrada e de ligação entre todos os membros da comunidade educativa (a desenvolver primeiro ano do mandato e restantes). - Atualizar diariamente a página eletrónica da escola com a documentação essencial e os relatos da vida da escola (a desenvolver ao longo do mandato). - Implementar modelo de comunicação por via eletrónica dos diretores de turma com os encarregados de educação. Este modelo de comunicação vai funcionar em paralelo com o modelo atual (a desenvolver primeiro ano do mandato e restantes). - Criar o dia aberto para permitir aos encarregados de educação o contacto com o que se faz na escola (a desenvolver primeiro ano do mandato e restantes). - Incentivar a participação da comunidade educativa na vida da escola, nomeadamente através da participação efetiva nos órgãos onde têm assento (a desenvolver ao longo do mandato). - Manter e/ou criar novas parcerias, na continuidade da política de uma Escola aberta à comunidade (a desenvolver primeiro ano do mandato e restantes). - Estimular a criação de novas parcerias que ajudem a concretizar o projeto educativo (a desenvolver ao longo do mandato). - Valorizar o empenho/trabalho dos alunos através da entrega de diplomas de Valor e Excelência e/ou outros prémios criados através de protocolos com instituições/entidades (a desenvolver ao longo do mandato). - Promover a partilha de boas práticas entre professores, em conselhos de docentes/grupo/departamento/turma (a desenvolver ao longo do mandato). - Promover encontros/assembleias com encarregados de educação com o objetivo de os envolver na melhoria da qualidade das aprendizagens (a desenvolver ao longo do mandato). Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 10

12 4.3. Espaços físicos, recursos materiais e financeiros Problema - As instalações aparecem como um fator limitante da melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento, nomeadamente nos aspetos relacionados com a sua conservação; - Problemas ao nível dos espaços físicos O edifício da Escola Básica do 2º e 3º ciclo é antigo e a necessitar de obras; - Conservação do novo espaço do Agrupamento. Objetivos - Melhorar as condições físicas e materiais dos espaços escolares e do funcionamento das atividades letivas; - Diversificar e aumentar as fontes de financiamento do Orçamento de Receitas Próprias do Agrupamento, que deem resposta às necessidades do Agrupamento, num contexto de austeridade; - Preservar o bom clima e ambiente educativo. Estratégias - Colaborar com a Câmara Municipal e Juntas de Freguesia, para encontrar soluções que conduzam a uma melhoria substancial dos espaços escolares do Agrupamento, quer seja através da valorização dos pólos escolares existentes, quer seja através da criação de novas instalações para a escola básica do 2º e 3º ciclo do Agrupamento; - Desenvolver uma cultura de responsabilização do pessoal docente e não docente pelos espaços e pelos recursos educativos que lhes estão afetos, de modo a minimizar a sua degradação; - Promover e incentivar medidas de utilização racional de recursos numa perspetiva de sustentabilidade ambiental mas também de uma eficaz gestão dos recursos financeiros do Agrupamento; - Incentivar a participação em projetos financiados; - Estabelecer parcerias com empresas locais para apoio financeiro e/ou material de projetos diversos; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 11

13 - Manter os espaços verdes/jardins bem cuidados, por forma a proporcionar áreas de lazer e bem estar a todos os membros da comunidade escolar, promovendo a participação de todos (a desenvolver ao longo do mandato). - Cuidar das salas de aula, de modo a que se tornem espaços agradáveis e confortáveis, de forma a satisfazer as solicitações (a desenvolver ao longo do mandato). - Testar os Planos de Emergência das diferentes unidades educativas, através da realização de Simulacros (a desenvolver ao longo do mandato). - Sensibilizar a comunidade escolar para as problemáticas ambientais do planeta Terra, promovendo uma mudança de atitudes e comportamentos que salvaguardem a sua sobrevivência (a desenvolver ao longo do mandato). - Manter a implementação do sistema preventivo do controlo de segurança alimentar HACCP 1, no refeitório e bar como objetivo de dar resposta às exigências de higiene e segurança alimentar (a desenvolver ao longo do mandato). - Desenvolver contactos com a Câmara Municipal / Direção Regional de Educação no sentido de colocar mais assistentes operacionais (a desenvolver primeiro ano do mandato). - Racionalizar despesas, fazendo uma seleção criteriosa das situações prioritárias (a desenvolver ao longo do mandato) Recursos humanos e Formação Problema - Carência de um plano de formação que responda às necessidades do Agrupamento ao nível do pessoal docente e não docente. Objetivos - Diagnosticar as necessidades de formação do pessoal docente, pessoal não docente do Agrupamento, Encarregados de Educação e famílias, tendo em conta as metas e objetivos definidos no Projeto Educativo; - Garantir a formação contínua de docentes e a atualização permanente por parte dos profissionais de educação; - Contribuir para o aperfeiçoamento do desempenho profissional do pessoal docente e não docente permitindo o aprofundamento de conhecimentos; 1 Hazard Analysis and Critical Control Points Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 12

14 - Responder às necessidades atuais da Escola, face ao momento atual de austeridade e aos desafios que se colocam no presente aos profissionais da educação; - Promover o sucesso educativo e a qualidade das experiências de ensino e das aprendizagens; - Apoiar o aparecimento e desenvolvimento de projetos de formação; - Estimular processos de mudança na Escola e nas famílias, suscetíveis de gerar dinâmicas formativas; - Valorizar a Escola enquanto local de trabalho e de formação/investigação. Estratégias - Adequar o plano de formação do pessoal docente e não docente às reais necessidades do agrupamento, auscultando todos os interessados; - Cooperar com o centro de formação, de forma a garantir que as ações propostas se possam concretizar; - Elaborar o Plano de Formação do Agrupamento por forma a responder às necessidades do pessoal docente e não docente com áreas prioritárias e através do Centro de Formação (a desenvolver no primeiro ano e ao longo do mandato). - Melhorar a qualidade dos serviços prestados ao Agrupamento, através de uma formação adequada dos profissionais da educação; - Divulgar experiências, ideias e materiais, possibilitadores do desenvolvimento de uma prática investigativa e de inovação educacional; - Promover parcerias que possibilitem a promoção da formação do pessoal docente, não docente e famílias; - Apoiar os pais, encarregados de educação e famílias no desenvolvimento de conhecimentos e competências que lhes permitam fazer o acompanhamento académico dos seus filhos e exercer o seu papel parental, de formação e educação dos educandos; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 13

15 4.5. Articulação Problema - Frágil articulação ao nível da gestão curricular entre ciclos Fraca evidência de articulação interdepartamental Objetivos - Promover o trabalho em equipa entre os Departamentos do Agrupamento; - Promover a colaboração mútua entre os diferentes níveis de ensino; Estratégias - Criação de redes de comunicação sustentadas em recursos tecnológicos, em tempos próprios e em espaços formais de interação, favoráveis e propiciadores de efetiva articulação. - Clarificação dos propósitos e reformulação das dinâmicas a desenvolver pelos Departamentos Curriculares tendo em vista o cabal cumprimento das suas competências. - Constituir uma equipa de docentes para trabalharem na planificação do currículo. Realizar reuniões periódicas entre departamentos/ conselho de docentes para aumentar o conhecimento e operacionalização de conteúdos e sequencialidade das aprendizagens. - Dia D Dia do Departamento / Conselho de Docentes Um elemento de cada departamento/ conselho oferece se para, uma vez por ano, apresentar à comunidade educativa uma atividade/ experiência pedagógica significativa O Agrupamento na Comunidade Local Problemas - Poucas iniciativas de abertura às empresas e instituições da Comunidade Local; - Pouca visibilidade no meio local, do trabalho realizado no Agrupamento; Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 14

16 Objetivos - Promover a colaboração mútua entre o Agrupamento e as empresas e instituições locais; - Aumentar a visibilidade no meio local, do trabalho realizado no Agrupamento; Estratégias - Aprofundar a relação entre as Escolas / Jardins-de-infância do Agrupamento e o meio local, aproveitando as sinergias próprias dos seus diferentes elementos, para o desenvolvimento de projetos de interesse comum; - Promover iniciativas de desenvolvimento local, tais como Exposições, Seminários, Colóquios, abertos a toda a comunidade, que visem a troca de experiências e a inserção do Agrupamento no meio local; - Estabelecer parcerias com a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia, tecido empresarial e instituições, com o privilégio das locais, para a prossecução de projetos de interesse comum (ex. realização de estudos, inquéritos, levantamentos fotográficos, etc.); - Disponibilizar-me para participar ativamente nas reuniões do Conselho Municipal de Educação, (ao longo do mandato). - Colaborar nas atividades propostas pela Autarquia direcionadas à comunidade escolar (a desenvolver ao longo do mandato). - Sensibilizar a Autarquia para a criação de uma Equipa multidisciplinar para trabalhar com alunos com NEE (a desenvolver ao longo do mandato). - Promover atividades que contribuam para dinamizar as associações e instituições locais; - Criar protocolos com diversas instituições, que garantam não só a integração dos alunos no mercado de trabalho, mas que também proporcionem outras vivências à comunidade educativa ((a desenvolver ao longo do mandato). - Desenvolver através das entidades parceiras ações de formação básica, na área do socorrismo, para pessoal docente e não docente (a desenvolver no primeiro ano do mandato e restantes). - Sensibilizar/Criar protocolo com um banco do Concelho no sentido de atribuir bolsas de estudo no ensino universitário aos alunos do Agrupamento que terminem o 12º ano com classificações mais elevadas (a desenvolver ao longo do mandato). Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 15

17 - Dar visibilidade ao trabalho realizado pelos educadores e professores do Agrupamento através da sua divulgação à Comunidade Local, recorrendo à imprensa escrita (jornal local e jornal escolar) e da página web do Agrupamento; - Estabelecer parcerias com instituições de ensino superior para que o Agrupamento se constitua como um espaço de estudo e investigação sobre temáticas diversas. 6. Considerações finais Todos sabemos que a meta fundamental a atingir pelo Agrupamento é a formação integral do aluno. Pretende-se, assim, promover nos nossos alunos a cidadania, a autonomia e a liberdade, cultivando o sentido crítico sobre o ambiente e a sociedade que os envolve e de que fazem parte. Hoje, mais do que nunca, é urgente que a todos seja proporcionada a obtenção das ferramentas necessárias para a transformação social. Só assim, os nossos alunos serão cidadãos de pleno direito, conscientes dos seus direitos e deveres na Escola, na sua Terra, na Europa e no Mundo. Face à missão da Escola em desenvolver um ensino eficaz e de qualidade, cumpre ao Diretor do Agrupamento executar um Projeto de Intervenção que vise a consecução dos objetivos enunciados. Nesta perspetiva, procurar-se-ão valorizar as potencialidades do Agrupamento, considerando fundamental a colaboração, o empenho e a participação de toda a Comunidade (professores e educadores, alunos, pessoal não docente, encarregados de educação, autarquia, empresas, instituições sociais parceiras). Este é o grande desafio a que me proponho. Só com a mobilização de todos os que podem proporcionar enquadramento e apoio à escola pais, autarcas, empresas, agentes culturais e desportivos, e outras instituições e também com a mobilização dos variados instrumentos nas diferentes áreas científicas e tecnológicas, conseguiremos atingir os objetivos e cumprir o papel da Escola Uma Escola Para o Futuro. Torna-se fundamental que a gestão escolar dê resposta às expectativas de pais, alunos, professores, funcionários, administração e sociedade, de modo a formar cidadãos ativos, esclarecidos e socialmente intervenientes, que promovam a coesão social. Pretende-se gerir com eficiência e estabilidade a gestão dos Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 16

18 recursos humanos e materiais disponíveis, bem como estabelecer protocolos com instituições locais que viabilizem e otimizem o desenvolvimento do futuro Projeto Educativo do Agrupamento. O Agrupamento necessita de um clima favorável ao desenvolvimento de uma cultura de responsabilidade e de partilha, que se reflita em modos colegiais de trabalho e de decisão, é fundamental para o desenvolvimento da organização. Tal desejo justifica que a liderança seja capaz de auto motivação, de motivar os outros, de gerir emoções e saber gerir os relacionamentos. Assumo o compromisso de desenvolver os esforços e procedimentos, em estreita colaboração com os parceiros da comunidade educativa, que visem concretizar os objetivos a que o Agrupamento deve dar resposta. Criar identidade, promovendo a imagem e o prestígio do Agrupamento de Escolas de Lousada e melhorar a qualidade das aprendizagens e, consequentemente, os resultados escolares dos alunos, são os grandes objetivos a atingir. Estou consciente dos constrangimentos, mas também das oportunidades. Tenho o entusiasmo, a motivação e a convicção suficientes para, empreender esta tarefa de servir o Agrupamento. Compreender a Escola é em si um Desafio, trabalhar com e pela Escola é um Projecto! Rico, motivador e de aprendizagem e formação contínuos, quer como Pessoas, como Professores ou como Membros da Comunidade Educativa. Esse é o meu desejo. Projeto de Intervenção na Escola Uma Escola Para o Futuro Página 17

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2014-2018 Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas Rainha D. Leonor Hermínia Maria Ventura Rodrigues da Silva Hermínia Silva Página 1 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. BREVE CARATERIZAÇÃO

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais