ESTUDO DE DEMANDA TURÍSTICA DE FOZ DO IGUAÇU 2011/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE DEMANDA TURÍSTICA DE FOZ DO IGUAÇU 2011/2012"

Transcrição

1 ESTUDO DE DEMANDA TURÍSTICA DE FOZ DO IGUAÇU 2011/

2 1 MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU PAULO MAC DONALD GHISI Prefeito Municipal FELIPE SANTIAGO GONZALEZ Secretaria Municipal de Turismo ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA Governador do Estado JACKSON PITOMBO CAVALCANTE FILHO Secretário de Estado do Turismo FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU (FPTI) JUAN CARLOS SOTUYO Diretor Superintendente INSTITUTO POLO INTERNACIONAL DO IGUASSU (POLO IGUASSU) FERNANDA HELENA FEDRIGO Presidente Executiva

3 2 Secretaria Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu Secretaria de Estado do Turismo ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA FOZ DO IGUAÇU Curitiba Dezembro/2012 Versão preliminar

4 3 SUMÁRIO página APRESENTAÇÃO... 5 INTRODUÇÃO... 6 METODOLOGIA RESIDÊNCIA IDADE OCUPAÇÃO MOTIVO DA VIAGEM FORMA DE VIAJAR ÉPOCA DO ANO DE PREFERÊNCIA PARA VIAGEM DE LAZER TRANSPORTE HOSPEDAGEM TEMPO DE PERMANÊNCIA RENDA DOS ENTREVISTADOS GASTOS AVALIAÇÃO DOS PREÇOS PRATICADOS PLANEJAMENTO E FREQUÊNCIA DA VIAGEM ATENDIMENTO A EXPECTATIVA, RETORNO E INDICAÇÃO ATRATIVOS IMAGEM INFRAESTRUTURA SUGESTÕES APÊNDICES 30 FIGURAS FIGURA 1 TURISTAS ESTRANGEIROS, SEGUNDO AS PROCEDÊMCIAS POR VOLUME FIGURA 2 TURISTAS BRASILEIROS, SEGUNDO ESTADOS OU MUNICÍPIOS DE PROCEDÊNCIA POR VOLUME, GRÁFICOS GRÁFICO 1 - RESIDÊNCIA PERMANENTE, SEGUNDO OS AGRUPAMENTOS GRÁFICO 2 - PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS, SEGUNDO FAIXAS ETÁRIAS GRÁFICO 3 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS, SEGUNDO MOTIVO DA VIAGEM GRÁFICO 4 ÉPOCA DO ANO EM QUE COSTUMA VIAJAR A LAZER GRÁFICO 5 ÉPOCA DO ANO QUE COSTUMA VIAJAR, POR FAIXA ETÁRIA GRÁFICO 6 - MEIO TRANSPORTE UTILIZADO PARA CHEGAR A FOZ DO IGUAÇU 2011/ GRÁFICO 7 - MEIO DE HOSPEDAGEM UTILIZADO EM FOZ DO IGUAÇU GRÁFICO 8 - AVALIAÇÃO DOS PREÇOS PRATICADOS NO DESTINO VISITADO GRÁFICO 9 - VISITANTES DOS ATRATIVOS, SEGUNDO A PROCEDÊNCIA

5 4 TABELAS TABELA 01 - REGIÕES DE RESIDÊNCIA PERMANENTE DOS TURISTAS, POR ETAPA DE PESQUISA, FOZ DO IGUAÇU TABELA 02 - FAIXAS ETÁRIAS DOS TURISTAS ENTREVISTADOS, SEGUNDO AS REGIÕES DE RESIDÊNCIA, FOZ DO IGUAÇU TABELA 03 OCUPAÇÃO DOS TURISTAS EM FOZ DO IGUAÇU, POR MOTIVA DA VIAGEM TABELA 04 - GRUPOS PROFISSIONAIS DOS TURISTAS PARA FOZ DO IGUAÇU TABELA 05 - MOTIVO DA VIAGEM, SEGUNDO AS REGIÕES DE RESIDÊNCIA, FOZ DO IGUAÇU TABELA 06 UTILIZAÇÃO DE AGÊNCIA DE VIAGEM PELOS TURISTAS, SEGUNDO MOTIVO DA VIAGEM, FOZ DO IGUAÇU 2011/ TABELA 07 - FORMA DE VIAJAR DOS TURISTAS, SEGUNDO GRUPOS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU TABELA 08 - MEIO DE TRANSPORTE UTILIZADO DE ACORDO COM A RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU TABELA 09 - MEIO DE HOSPEDAGEM UTILIZADO, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU TABELA 10 - TEMPO DE PERMANÊNCIA EM FOZ DO IGUAÇU, NAS TRÊS ETAPAS DA PESQUISA SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE TABELA 11 - FAIXAS DE RENDA DOS TURISTAS, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU TABELA 12 - GASTO MÉDIO DIÁRIO DO TURISTA EM FOZ DO IGUAÇU, SEGUNDO LOCAL DE RESIDÊNCIA TABELA 13 - MÉDIO DE GASTO POR TIPO, FOZ DO IGUAÇU TABELA 14 - FREQUÊNCIA DA VISITA A FOZ DO IGUAÇU, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE TABELA 15 - TEMPO DE PLANEJAMENTO, FREQUÊNCIA E PERÍODO DA VIAGEM, FOZ DO IGUAÇU TABELA 16 - EXPECTATIVAS DO TURISTA EM FOZ DO IGUAÇU TABELA 17 - TURISTAS QUE INDICARIAM E/OU RETORNARIAM A FOZ DO IGUAÇU TABELA 18 - VISITA AOS ATRATIVOS, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU TABELA 19 IMAGEM DE FOZ DO IGUAÇU, DEFINIDA PELO TURISTA TABELA 20 - AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA TURÍSTICA E URBANA, FOZ DO IGUAÇU QUADROS QUADRO 1 - ATRATIVO VISITADO, POR NACIONALIDADE DO ENTREVISTADO QUADRO 2 SUGESTÕES EMITIDAS PELOS ENTREVISTADOS... 29

6 5 APRESENTAÇÃO A Secretaria Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu (SMTU), em parceria com a Secretaria de Estado do Turismo do Paraná (SETU-PR), com apoio institucional da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI-BR) e a participação do Instituto Polo Internacional do Iguassu (POLOIGUASSU), apresenta o Estudo de Demanda Turística de Foz do Iguaçu. O estudo objetivou apresentar informações sobre o perfil e o comportamento de turistas e excursionistas que visitam o município, bem como atualizar os dados existentes sobre a demanda turística local. Igualmente, buscou coletar dados para serem utilizados pelo poder público e pela iniciativa privada no desenvolvimento de diretrizes ao fomento da atividade turística na região. Como resultado, a pesquisa permite, além da atualização da base de dados existente, gerar maior conhecimento sobre o mercado turístico local, especialmente sobre a dinâmica com que o turista escolhe produtos e serviços no destino. Além de subsidiar projetos de cunho estruturante e mercadológico, o estudo da demanda permite mensurar os impactos econômicos, orientar a política setorial, adequar a oferta ao público alvo e, por fim, possibilitar a atração de novos investimentos, movimentando a economia local.

7 6 INTRODUÇÃO A Pesquisa de Demanda Turística de Foz do Iguaçu resulta de uma parceria técnicooperacional firmada entre a Secretaria Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu (SMTU), a Secretaria de Estado do Turismo do Paraná (SETU) e a Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (FPTI-BR), que foi realizada de forma cooperada com as seguintes entidades: Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO), Polícia Rodoviária Federal, Receita Federal e Terminal Rodoviário Internacional. Foz do Iguaçu é um destino turístico dos mais visitados mundialmente. Qualquer esforço por mensurar o fluxo de pessoas que ali circulam requer uma pesquisa ampla, tanto em termos de espaço, tendo em vista a quantidade de portões de entrada à cidade, quanto de tempo, já que é expressiva a diferença do movimento ao longo do ano. Assim a pesquisa aconteceu em três etapas, contemplando a baixa, média e alta temporada. Foram aplicados formulários aos turistas 1 que deixavam a cidade nos principais pontos de entrada e saída de Foz do Iguaçu: Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, Terminal Rodoviário Internacional, Ponte Internacional da Amizade-PIA (saída para o Paraguai), Ponte Tancredo Neves-PTN (saída para a Argentina) e BR 277 (saída para Curitiba). 1 Entende-se por turista toda pessoa que se desloca de seu país, estado ou cidade de residência permanente para outro, aí permanecendo pelo menos 24 horas, gerando no mínimo um pernoite ou um máximo de 45 dias, sem exercer nenhuma atividade remunerada, tendo como finalidade da viagem o turismo, negócios, eventos (congressos, convenções, etc) ou outros.

8 7 METODOLOGIA Para a coleta dos dados foi utilizado um questionário padronizado, tendo sido feitas entrevistas com turistas em três distintas etapas, conforme segue: 1ª Etapa: 28 de novembro a 05 de dezembro 2011 Média temporada. 2ª Etapa: 07 a 13 de março de 2012 Baixa temporada. 3ª Etapa: 18 a 24 de julho de 2012 Alta temporada. Tomando como parâmetros as normas da Organização Mundial de Turismo (OMT) já adotadas pela EMBRATUR, SETU e Paraná Turismo, foi seguida a metodologia de pesquisa quantitativa e qualitativa. A definição da amostragem representativa do universo estudado foi realizada segundo os critérios determinados pela equipe técnica da Secretaria de Estado do Turismo. Determinou-se primeiramente uma tipologia para as pessoas que participaram da pesquisa: abordado: pessoa que se encontrava em um dos nos portões de saída do município, selecionada; turista: aquele que após ser abordado foi classificado como pois cumpria com os requisitos não ser residente e ter gerado pelo menos um pernoite no município; excursionista: aquele que foi classificado como não residente e permaneceu no município de 4h a 18h, sem gerar pernoite; passante: aquele que utilizava o município apenas como ponto de passagem, ou seja, não permanecendo nem o mínimo necessário para ser cvonsiderado excurcionista; residente: forma considerados aqueles com residência fixa em Foz do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu, além dos que tiverem permanência na cidade superior a 3 meses. Assim, dentro desta classificação obteve-se: abordados, excursionistas, residentes, passantes e se enquadravam na categoria de turistas. Dentre os turistas 3.566, formulários foram efetivamente considerados válidos, após uma avaliação de consistência. A análise foi feita em escalas regionais, sendo uma em nível nacional e outra em nível estadual, específica para o Estado do Paraná, além de uma terceira, para os dois outros estados da Região Sul. Para uma melhor compreensão do movimento de residentes no Paraná, as Regiões Turísticas do Estado foram reagrupadas de acordo com a proximidade e representatividade já que algumas apresentaram números pouco significativos. Feitas as tabulações seguem os resultados.

9 ANÁLISES 8

10 19,6% 22,6% 20,1% 17,7% 22,0% 31,1% 31,5% 25,5% 49,3% 57,3% 50,8% 52,5% 9 1. RESIDÊNCIA Em relação à procedência da demanda turística de Foz de Iguaçu, o estudo apontou que 22,0% dos entrevistados são oriundos do estado do Paraná, 52,5% são residentes de outros estados brasileiros e 25,5% residem no exterior. Paraná Brasil Paises Nov/2011 Mar/2012 Jul/2012 Conjunto GRÁFICO 1 - RESIDÊNCIA PERMANENTE, SEGUNDO OS AGRUPAMENTOS Com relação aos municípios brasileiros emissores, identificou-se que os três principais núcleos emissores de turistas para Foz do Iguaçu, compreendem São Paulo-SP com 9,8%, Curitiba-PR com 9,3% e Rio de Janeiro-RJ, com 4,4%, representando 23,5% da demanda turística local. No âmbito regional, a Região Sudeste do Brasil desponta com 25,4% e a Região Sul, considerados apenas Santa Catarina e Rio Grande do Sul, contabilizou 16,6%. Da região Sul do Brasil, os principais municípios catarinenses emissores foram: Balneário Camboriú, Florianópolis e Joinville, com 20,2% dos entrevistados, já os principais do Rio Grande do Sul consistiram em Porto Alegre e Caxias do Sul que representaram 18,4% do fluxo desta região. (Apêndice 3) TABELA 01 - REGIÕES DE RESIDÊNCIA PERMANENTE DOS TURISTAS, POR ETAPA DE PESQUISA, FOZ DO IGUAÇU Residência Permanente Períodos Novembro Março Julho Total Campos Gerais/PR 0,9 0,9 0,6 0,8 Centro/PR 1,3 0,4 0,3 0,5 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 1,2 1,1 0,3 0,8 Litoral/PR 0,3 0,3 0,1 0,2 Metropolitana de Curitiba/PR 13,5 7,8 8,4 9,1 Noroeste/PR 2,5 2,4 2,0 2,2 Norte/PR 3,1 2,1 1,8 2,2 Oeste/PR 4,6 5,7 2,7 4,1 Sudoeste/PR 3,0 1,5 1,3 1,7 Terra dos Pinheirais/PR 0,7 0,4 0,2 0,4 Paraná 31,1 22,6 17,7 22,0 Centro Oeste/BR 4,9 5,7 3,2 4,3

11 10 Residência Permanente Períodos Novembro Março Julho Total Nordeste/BR 4,5 5,0 4,2 4,5 Norte/BR 0,9 1,9 2,0 1,7 Sudeste/BR 23,2 26,0 25,9 25,4 Sul/BR (RS e SC) 15,8 18,7 15,5 16,6 Brasil (exceto PR) 49,3 57,3 50,8 52,5 Exterior 19,6 20,1 31,5 25,5 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 NOTA: Esta tabela apresenta as dez Regiões Turísticas do Paraná e as cinco Regiões do Brasil, exceto a região Sul que é composta somente por RS e SC. Nas tabelas seguintes as Regiões Turísticas do Paraná foram reagrupadas de acordo com a proximidade e a representatividade dos dados. No Estado do Paraná, quando se trata do fluxo turístico para Foz do Iguaçu, os números mais expressivos compreendem aqueles da Região Metropolitana de Curitiba e do Litoral, cujos residentes representaram 9,3% da frequência total na Terra das Cataratas. Dando uma maior amplitude ao estudo as Figuras 1 e 2,, permitem visualizar o volume de turistas em Foz do Iguaçu de acordo com suas procedências. Apresentando o arranjo configurado pelos turistas residentes no Exterior, no Brasil e nos principais municípios emissores. Em ambos os casos é evidente que quanto menor a distância entre os pontos de origem para Foz do Iguaçu, maior a frequência de Turistas. No entanto, percebe-se que, contrariando tal expectativa, destacam-se como grandes emissores, em nível internacional, o Reino Unido e os Estados Unidos, superando muitos países da América Latina. FIGURA 1 TURISTAS ESTRANGEIROS, SEGUNDO AS PROCEDÊNCIA POR VOLUME

12 11 FIGURA 2 TURISTAS BRASILEIROS, SEGUNDO ESTADOS OU MUNICÍPIOS DE PROCEDÊNCIA POR VOLUME IDADE Atraindo turistas de diversas faixas etárias, o estudo demonstrou que Foz do Iguaçu não apresenta uma categoria predominante. Dentre as faixas etárias pesquisadas a presença de turistas com idade entre 35 e 49 anos alcançou 37,6% dos entrevistados, seguida pelos turistas com idade entre 25 e 34 anos (26,6%), e os de idade entre 50 a 64 anos, com 22,0%. TABELA 02 - FAIXAS ETÁRIAS DOS TURISTAS ENTREVISTADOS, SEGUNDO AS REGIÕES DE RESIDÊNCIA, FOZ DO IGUAÇU Residência Permanente Faixas Etárias (em anos - %) 18 a a a a ou mais Total Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 20,3 16,9 47,5 11,9 3,4 100,0 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 22,2 22,2 33,4 22,2-100,0 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 4,3 25,6 42,6 24,1 3,4 100,0 Noroeste, Norte/PR 8,3 23,6 39,5 24,8 3,8 100,0 Oeste, Sudoeste/PR 12,7 24,4 41,5 19,0 2,4 100,0 Paraná 9,1 24,1 41,8 21,9 3,1 100,0 Centro Oeste/BR 11,7 29,2 33,1 22,1 3,9 100,0 Nordeste/BR 6,3 35,0 37,4 20,0 1,3 100,0 Norte/BR 12,9 24,2 37,1 22,6 3,2 100,0 Sudeste/BR 8,0 25,9 39,1 21,7 5,3 100,0 Sul/BR (RS e SC) 6,0 26,0 43,2 20,5 4,3 100,0 Brasil ( exceto PR) 7,7 26,9 39,7 21,2 4,5 100,0 Exterior 13,1 27,9 29,8 23,8 5,4 100,0 Total 9,4 26,6 37,6 22,0 4,4 100,0

13 12 65 anos ou mais 15,4 53,2 31,4 50 a 64 anos 21,8 50,6 27,6 35 a 49 anos 24,3 55,4 20,3 25 a 34 anos 19,9 53,3 26,8 18 a 24 anos 21,4 43,1 35,5 0% 20% 40% 60% 80% 100% Paraná Brasil Exterior GRÁFICO 2 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS, SEGUNDO FAIXAS ETÁRIAS OCUPAÇÃO Dentre os entrevistados, os grupos profissionais que mais se destacaram foram os vendedores e prestadores de serviço do comércio, com índice de 14,9% do total. Destes, 49,0% viajaram a lazer, enquanto 26,6% viajaram a negócios. Outras categorias profissionais que tiveram significativa presença como turista no município foram: profissionais das ciências exatas (8,1%), dirigentes, gerentes, empresários e industriários (7,5%) e profissionais do ensino (7,5%), todos motivados primeiramente pelo turismo e depois por negócios. Dentre as pessoas que responderam ser estudantes, 50,5% residiam fora do Brasil. TABELA 03 OCUPAÇÃO DOS TURISTAS EM FOZ DO IGUAÇU, POR MOTIVO DA VIAGEM Ocupação Dirigentes, gerentes, empresários e industriários Parentes e Amigos Motivo da Viagem (%) Negócios Compras Lazer Evento Outro Total 7,9 22,2 4,1 62,4 0,8 2,6 100,0 Aposentados 17,4 3,7 8,2 62,6 4,1 4,0 100,0 Profissionais das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde e afins 11,2 8,6 5,2 66,8 4,7 3,5 100,0 Trabalhadores de serviços administrativos 10,3 15,4 5,7 64,0 2,3 2,3 100,0 Vendedores e prestadores de serviços do comércio 11,2 25,4 11,8 47,1 0,9 3,6 100,0 Estudantes 17,5 0,5 3,9 68,0 4,9 5,2 100,0 Profissionais das ciências exatas, físicas, químicas e da engenharia 9,1 19,6 3,2 63,5 3,5 1,1 100,0

14 13 Ocupação Parentes e Amigos Motivo da Viagem (%) Negócios Compras Lazer Evento Outro Total Funcionários públicos e militares 8,0 17,4 6,5 63,7 2,5 1,9 100,0 Técnicos de nível médio 13,2 15,8 7,0 57,9 3,5 2,6 100,0 Do lar 36,2 1,4 1,4 52,9 5,1 3,0 100,0 Profissionais do ensino 10,6 5,7 4,2 70,9 4,2 4,4 100,0 Profissionais das ciências 8,4 14,1 4,0 64,7 6,8 2,0 100,0 Autônomo 15,3 22,0 15,3 41,3 2,7 3,4 100,0 Outras ocupações 21,0 12,4 10,4 49,3 1,8 5,1 100,0 TOTAL 13,7 14,2 7,0 58,6 3,1 3,4 100,0 A análise dos grupos profissionais e sua classificação conforme a região de origem demonstra que, entre os aposentados, 32,9% são oriundos da Região Sudeste do Brasil. Desta mesma região provém a maior parte dos técnicos de nível médio, com índice de 40,4%. Entre o funcionalismo público tiveram destaque os residentes no Paraná, com percentual de 40,9%. Igualmente, tiveram boa representatividade de paranaenses, com 39,9% e 32,5%, o grupo dos vendedores e da categoria Do lar. TABELA 04 - GRUPOS PROFISSIONAIS DOS TURISTAS PARA FOZ DO IGUAÇU Ocupação Períodos (%) Novembro Março Julho Total Vendedores e prestadores de serviços do comércio 14,4 17,0 13,6 14,9 Profissionais das ciências exatas, físicas, químicas e da engenharia. 7,7 7,6 8,5 8,1 Dirigentes, gerentes, empresários e industriários 2,2 11,8 6,7 7,5 Profissionais do ensino 4,9 3,2 11,4 7,5 Profissionais das ciências 10,4 4,1 7,7 7,0 Profissionais das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde e afins 4,3 6,4 7,6 6,6 Aposentados 7,6 6,7 5,3 6,2 Estudantes 3,9 4,5 7,5 5,8 Funcionários públicos e militares 6,0 5,7 5,6 5,7 Trabalhadores de serviços administrativos 6,3 4,6 4,7 4,9 Autônomo 7,3 4,8 2,7 4,2 Do lar 2,7 4,0 4,3 3,9 Técnicos de nível médio 3,7 3,5 2,9 3,2 Outras ocupações 18,6 16,1 11,5 14,5 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 4. MOTIVO DA VIAGEM Considerando-se os atrativos turísticos existentes em Foz do Iguaçu e sua potencialidade em relação ao lazer, identificou-se que 63,1% dos entrevistados visitaram atrativos durante a permanência no destino.

15 14 Dentre os entrevistados que visitaram atrativos turísticos, estrangeiros representaram 33,5% e turistas residentes na região Sudeste do Brasil 28,8%. 100% 80% 60% 40% 20% 0% 13,7 14,2 7,0 58,6 3,1 3,4 10,7 11,4 14,6 22,8 24,4 Parentes e Amigos 4,6 1,9 9,3 7,5 77,0 59,3 35,5 2,8 3,0 2,6 2,8 4,9 4,9 Negócios Compras Lazer Evento Outro Paraná Brasil Exterior Total GRÁFICO 3 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS, SEGUNDO MOTIVO DA VIAGEM Embora seja o lazer o principal motivador de viagem, alcançando 58,6% dos entrevistados, os negócios realizados em Foz do Iguaçu também têm motivado significativamente o deslocamento dos visitantes, com índice de 14,2%. Visitas à casa de parentes e amigos, por sua vez, representaram 13,7% das respostas. TABELA 05 - MOTIVO DA VIAGEM, SEGUNDO AS REGIÕES DE RESIDÊNCIA, FOZ DO IGUAÇU Motivo da Viagem (%) Residência Permanente Parentes e Amigos Negócios Compras Lazer Evento Outro Total Campos Gerais, Centro, Terra dos 20,3 20,3 8,5 33,9 11,9 5,1 100,0 Pinheirais/PR Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago 40,7 11,1 7,4 22,2 3,7 14,9 100,0 de Itaipu/PR Curitiba e Região Metropolitana, 15,6 22,2 8,4 46,2 4,5 3,1 100,0 Litoral/PR Noroeste, Norte/PR 21,7 28,7 8,9 31,2 5,1 4,4 100,0 Oeste, Sudoeste/PR 33,5 27,7 4,9 23,8 3,4 6,7 100,0 Paraná 22,8 24,4 7,5 35,5 4,9 4,9 100,0 Centro Oeste/BR 12,3 17,4 7,1 54,2 1,9 7,1 100,0 Nordeste/BR 5,6 11,2 9,3 64,6 5,0 4,3 100,0 Norte/BR 12,9 25,8 1,6 32,3 16,1 11,3 100,0 Sudeste/BR 9,2 13,1 6,9 66,7 2,5 1,6 100,0 Sul/BR (RS e SC) 15,9 15,7 14,4 50,8 0,7 2,5 100,0 Brasil ( exceto PR) 11,4 14,6 9,3 59,3 2,6 2,8 100,0 Exterior 10,7 4,6 1,9 77,0 2,8 3,0 100,0 Total 13,7 14,2 7,0 58,6 3,1 3,4 100,0

16 15 Ao analisarmos os dados obtidos com a pesquisa, pode-se perceber que 37,3% dos estrangeiros fizeram usa destas para auxiliar nas suas viagens, dado que cai praticamente pela metade quando se trata dos brasileiros. De acordo com o motivo da viagem nos chama a atenção que dentre os brasileiros os motivados pelo lazer e pelos negócios são os que mais utilizam esta modalidade de serviço. Os estrangeiros se concentram na utilização do serviço quando seu deslocamento é efetuado pelo motivo de eventos. TABELA 06 UTILIZAÇÃO DE AGÊNCIA DE VIAGEM PELOS TURISTAS, SEGUNDO MOTIVO DA VIAGEM, FOZ DO IGUAÇU Nacionalidade e Uso de Agência (%) Motivo viagem/agência de Turismo Brasileiro Estrangeiro Total Sim Não Sim Não Sim Não Parentes e Amigos 5,0 95,0 11,7 88,3 6,4 93,6 Negócios 23,4 76,6 31,7 68,3 24,1 75,9 Compras 3,5 96,5 13,3 86,7 4,1 95,9 Lazer 23,0 77,0 42,0 58,0 29,4 70,6 Evento 19,1 80,9 50,0 50,0 25,9 74,1 Outro 14,6 85,4 18,5 81,5 15,5 84,5 Total 18,3 81,7 37,3 62,7 23,3 76,7 5. FORMA DE VIAJAR Os turistas de Foz do Iguaçu visitam a cidade preferencialmente com a família, com índice de 49,9%, e predominância desta categoria na maioria das regiões de residência dos entrevistados. Dentre os turistas pesquisados, 26,9% viajaram sozinhos enquanto 19,5% viajaram em grupo e 3,7% em excursão. Entre os visitantes que optaram por viajar em grupo, destacaram-se as regiões Norte-BR, com 22,6%, e Sudeste-BR com índice de 19,3%. TABELA 07 - FORMA DE VIAJAR DOS TURISTAS, SEGUNDO GRUPOS DE RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU Formas de Viajar (%) Residência Permanente Em Só Com família Em grupo excursão Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 20,3 54,3 22,0 3,4 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 40,7 44,5 11,1 3,7 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 32,7 47,2 18,0 2,1 Noroeste, Norte/PR 38,9 42,0 19,1 - Oeste, Sudoeste/PR 45,1 42,3 12,1 0,5 Paraná 36,6 45,2 16,8 1,4 Centro Oeste/BR 32,3 46,4 18,7 2,6 Nordeste/BR 32,3 45,4 18,0 4,3 Norte/BR 37,1 37,1 22,6 3,2 Sudeste/BR 24,3 54,4 19,3 2,0 Sul/BR ( RS e SC) 24,2 57,9 17,4 0,5 Brasil(exceto PR) 26,0 53,5 18,7 1,8 Exterior 20,5 46,4 23,6 9,5 Total 26,9 49,9 19,5 3,7

17 Valores em Percentual (%) 16 Também no caso dos estrangeiros, percebeu-se forte tendência nas viagens em família, preferência esta de 46,4% dos entrevistados. Em segundo lugar surge a categoria viagem em grupo, com percentual de 23,6%. 6. ÉPOCA DO ANO DE PREFERÊNCIA PARA VIAGEM DE LAZER Buscando saber quais são os períodos de maior incidência de viagens de lazer, foram identificados os meses de janeiro, julho e dezembro, conforme aponta o gráfico a seguir. 25,0 20,0 21,7 23,4 23,0 15,0 10,0 5,0-8,3 6,7 4,6 2,0 2,8 2,9 1,3 1,6 1,6 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez GRÁFICO 4 ÉPOCA DO ANO EM QUE COSTUMA VIAJAR A LAZER FONTE: pesquisa de campo SMTU/SETU 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 65 anos ou mais 50 a 64 anos 35 a 49 anos 25 a 34 anos 18 a 24 anos GRÁFICO 5 ÉPOCA DO ANO QUE COSTUMA VIAJAR, POR FAIXA ETÁRIA Igualmente, considerando os meses com maior incidência de viagens, percebeu-se forte movimentação em todas as categorias pesquisadas. Entretanto, enquanto a categoria representada pelos

18 17 turistas com mais de 65 anos apresenta volume considerável de viagens durante o ano todo, as demais faixas etarias têm seu fluxo reduzido nos meses de média e baixa temporadas. 7. TRANSPORTE De acordo com os turistas pesquisados, o transporte aéreo foi o meio mais utilizado para a ida a Foz do Iguaçu, alcançando o índice de 43,4%. Isto pode ser confirmado pela movimentação 2 nos referidos equipamentos de passageiros: Aeroporto Internacional Cataratas e a Rodoviária Municipal, em que o número de embarques em 2011 foi de e , respectivamente. São observados os dados de embarque, por se tratar do local onde os passageiros são abordados. Automóvel 35,9% Ônibus de linha 16,7% Avião 43,4% Outros* 0,7% Ônibus de excursão 3,3% GRÁFICO 6 - MEIO TRANSPORTE UTILIZADO PARA CHEGAR A FOZ DO IGUAÇU FONTE: Pesquisa de campo SMTU/SETU. * Moto, van, bicicleta, coletivo. Em relação ao uso do transporte terrestre para chegar até Foz do Iguaçu, identificou-se uma maior preferência pelas viagens de automóvel, com percentual de 35,9% do total de turistas entrevistados, sendo estes representados, principalmente, por aqueles procedentes do Paraná, Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. TABELA 08 - MEIO DE TRANSPORTE UTILIZADO DE ACORDO COM A RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU Transporte (%) Residência Permanente Avião Automóvel Ônibus de linha Ônibus de excursão Outros* Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 1,7 71,2 25,4-1,7 100,0 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 3,7 77,8 14,8 3,7-100,0 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 48,0 34,8 15,3 0,9 1,0 100,0 Noroeste, Norte/PR 11,5 60,5 27,4-0,6 100,0 Total 2 Passageiros_no_Parana_2007_a_2011.pdf

19 18 Transporte (%) Residência Permanente Ônibus de Ônibus de Avião Automóvel linha excursão Outros* Total Oeste, Sudoeste/PR 3,4 69,9 26,2-0,5 100,0 Paraná 23,9 53,5 21,4 0,5 0,7 100,0 Centro Oeste/BR 49,7 33,5 15,5 0,6 0,7 100,0 Nordeste/BR 82,0 6,8 10,6 0,6-100,0 Norte/BR 82,3 8,1 4,8 4,8-100,0 Sudeste/BR 64,2 20,6 14,1 0,4 0,7 100,0 Sul/BR (RS e SC) 23,0 59,4 16,8 0,3 0,5 100,0 Brasil (exceto PR) 52,1 32,3 14,4 0,6 0,6 100,0 Exterior 42,1 28,2 17,4 11,5 0,8 100,0 Total 43,4 35,9 16,7 3,3 0,7 100,0 * Moto, van, bicicleta, coletivo. 8. HOSPEDAGEM Em relação ao meio de hospedagem utilizado, identificou-se maior preferência por hotéis, com 64,4% de expressividade, Gráfico 7. Hotel; 64,4% Pousada; 7,7% Casa de parentes/ amigos; 21,2% Outros; 6,7% GRÁFICO 7- MEIO DE HOSPEDAGEM UTILIZADO EM FOZ DO IGUAÇU Daqueles que optaram por hotéis, destacam-se os visitantes oriundos da região Sudeste-BR e do exterior, com índices de 30,0% e 24,0%, respectivamente. Já os visitantes residentes no estado do Estado do Paraná alcançaram percentual de 18,2%, enquanto aqueles dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul totalizaram 16,3% dos turistas que fizeram uso de hotéis (Tabela 09).A segunda modalidade de hospedagem na preferência dos turistas, foi a das casas/apartamentos de parentes/amigos, alcançando índice de 21,2%. Dentre os entrevistados que optaram por tal tipo de hospedagem, 39,5% são oriundos do Estado do Paraná, 20,3% são residentes dos outros estados do Sul do Brasil, 17,2% residiam no exterior e 14,6% na região Sudeste Brasileira.

20 19 TABELA 09 - MEIO DE HOSPEDAGEM UTILIZADO, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU Residência Permanente Hotel Pousada Meios de Hospedagem (%) Casa de parentes/ amigos Albergue Imóvel locado Outro Campos Gerais, Centro e Terra dos Pinheirais/PR 1,4 0,7 2,2-20,0 5,4 1,7 Iguassu e Caminhos ao Lago Itaipu/PR 0,3 0,7 2, ,8 0,8 Metropolitana de Curitiba e Litoral/PR 9,5 6,6 11,6 1,2 6,7 12,5 9,3 Norte e Noroeste/PR 3,6 3,3 8,4-6,7 1,8 4,5 Oeste e Sudoeste/PR 3,4 4,4 14, ,4 5,8 Paraná 18,2 15,7 39,5 1,2 33,4 26,9 22,1 Centro Oeste/BR 4,6 4,0 4,4 1, ,3 Nordeste/BR 5,2 7,7 2,3 1,2 13,3-4,5 Norte/BR 1,7 2,6 1,7 0,6 6,7-1,7 Sudeste/BR 30,0 28,5 14,6 9,0 13,3 25,0 25,5 Sul/BR (RS e SC) 16,3 17,5 20,3 2,4 13,3 16,1 16,6 Brasil (exceto PR) 57,8 60,3 43,3 15,0 46,6 41,1 52,6 Exterior 24,0 24,0 17,2 83,8 20,0 32,0 25,3 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Total 9. TEMPO DE PERMANÊNCIA O estudo identificou que brasileiros apresentaram permanência média no destino de 3,6 dias, enquanto os turistas estrangeiros, por sua vez, informaram uma permanência média de 3,4 dias, com destaque para os turistas argentinos que alcançaram tempo de permanência de 3,9 dias. TABELA 10 - TEMPO DE PERMANÊNCIA EM FOZ DO IGUAÇU, NAS TRÊS ETAPAS DA PESQUISA, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE Residência Permanente ETAPAS DA PESQUISA (média em dias) Novembro Março Julho Total Paraná 3,6 3,0 3,7 3,4 Minas Gerais 2,2 3,7 5,1 4,2 Rio de Janeiro 4,6 3,5 4,1 4,0 Rio Grande do Sul 3,7 2,5 3,3 3,1 Santa Catarina 2,4 2,7 3,3 2,9 São Paulo 3,1 3,2 4,2 3,7 Outros Estados 5,7 4,3 5,0 4,9 Brasil 3,6 3,2 4,0 3,6 Argentina 3,4 3,4 4,0 3,9 Paraguai 3,0 2,1 1,8 1,9 Outros Países 3,9 3,0 3,6 3,4 Exterior 3,8 3,0 3,4 3,4 Total 3,6 3,1 3,8 3,6

21 RENDA DOS ENTREVISTADOS Considerando os ganhos individuais mensais, o estudo apontou como estrato mais significativo o dos entrevistados com rendimentos entre R$ 2.001,00 e R$ ,00, com índice de 57,5%, enquanto 31,6% tem ganhos até R$ 2.000, entre aqueles com rendimentos mensais mais elevados destaca-se que 10,9% possuem ganho mensal superior a R$ ,00. TABELA 11 - FAIXAS DE RENDA DOS TURISTAS, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU Residência Permanente Até a a Faixas de Renda (valores em Reais) a a a a a acima de Campos Gerais, Centro, Terra dos 4,4 6,5 23,9 23,9 23,9 6,5 8,7-2,2 - Pinheirais/PR Cataratas do Iguaçu e Caminhos 4,4 13,0 39,1-21,7 8,7 8, ,4 ao Lago de Itaipu/PR Curitiba e Região Metropolitana, 1,1 7,1 22,3 12,4 24,7 12,7 7,8 4,2 7,4 0,3 Litoral/PR Noroeste, Norte/PR 0,8 14,2 26,9 24,6 13,4 7,5 5,2 3,7 3,7 - Oeste, Sudoeste/PR 1,8 17,5 22,8 15,8 19,3 8,8 9,9 2,3 1,8 - Paraná 1,5 11,4 24,0 16,1 20,9 10,1 7,9 3,2 4,6 0,3 Centro Oeste/BR 2,2 7,5 24,8 15,8 21,1 12,8 9,8 1,5 3,8 0,7 Nordeste/BR 2,1 7,1 17,7 27,0 17,0 7,8 10,6 5,7 4,3 0,7 Norte/BR 2,0 4,1 18,4 12,2 20,4 18,4 14,3 6,1 4,1 - Sudeste/BR 1,2 9,3 19,4 19,4 18,5 9,7 12,3 3,9 5,5 0,8 Sul/BR (RS e PR) 1,4 14,1 23,6 18,1 17,9 7,2 8,3 4,6 4,2 0,6 Brasil (exceto PR) 1,4 10,3 21,0 19,1 18,4 9,3 10,8 4,2 4,8 0,7 Exterior 1,7 8,2 13,6 16,5 24,4 11,2 7,5 4,6 8,2 4,1 Total 1,5 10,1 20,0 17,9 20,3 9,9 9,4 4,0 5,5 1,4 11. GASTOS Com relação aos gastos individuais realizados por turistas na cidade, identificou-se uma proximidade entre o montante gasto pelo turista residente no Brasil em relação àquele oriundo do Exterior, com gasto médio diário de US$ 100,00 por dia. TABELA 12 - GASTO MÉDIO DIÁRIO DO TURISTA EM FOZ DO IGUAÇU, SEGUNDO LOCAL DE RESIDÊNCIA Residência Permanente Gasto Médio Diário Individual (US$) 3 Novembro/2011 Março /2012 Julho/2012 Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 83,78 88,04 76,76 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 44,10 46,34 40,40 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 101,07 106,21 92,60 Noroeste, Norte/PR 82,05 86,23 75,18 Oeste, Sudoeste/PR 62,73 65,92 57,48 Centro Oeste/BR 83,88 88,14 76,85 Paraná 109,53 115,10 100,36 3 Cotação do dólar em cada uma das etapas: Novembro R$ 1,86; Março R$ 1,77 e Julho R$ 2,03.

22 21 Residência Permanente Gasto Médio Diário Individual (US$) 3 Novembro/2011 Março /2012 Julho/2012 Nordeste/BR 113,47 119,24 103,97 Norte/BR 96,41 101,31 88,34 Sudeste/BR 106,54 111,96 97,62 Sul/BR (RS e SC) 96,31 101,21 88,24 Brasil (exceto PR) 103,83 109,10 95,13 Exterior 107,01 112,46 98,05 TOTAL 100,26 105,36 91,87 FONTE: Pesquisa de campo SMTU/SETU Enquanto residentes Paranaenses apresentam uma permanência média de 3,42 dias com gasto diário médio de R$180,21, brasileiros residentes nos demais estados analisados permanecem em média 3,74 dias, com gasto diário médio de R$217,45. Os Estrangeiros, por sua vez, são aqueles que em média apresentam menor tempo de permanência no destino, com 3,36 dias, mas, inversamente, são os que gastam mais, com média diária de R$239,44. Quando a análise se dá na forma como os turistas realizam seus gastos, o estudo aponta um padrão entre nacionais e estrangeiros. A comparação dos gastos realizados com lazer demonstra que os residentes no Paraná tendem a gastar menos, num valor de R$53,50 por dia, enquanto nacionais residentes em outros estados apresentam média de R$88,27 e estrangeiros informaram gasto diário médio em lazer da ordem de R$85,19. Já no quesito compras, identificou-se uma forte equivalência nos valores gastos, em torno de R$30,00, para todas as procedências, à exceção dos paraguaios, que gastam acentuadamente mais (R$67,00). TABELA 13 - MÉDIA DE GASTO POR TIPO, FOZ DO IGUAÇU, MÉDIAS Gastos por dia e por pessoa (R$) Gastos por pessoa (R$) Procedências Gasto Médio Hospedagem Alimentação Lazer Compras Total Paraná 180,21 49,26 32,72 53,50 31,11 Minas Gerais 224,75 49,69 28,66 117,40 42,63 Rio de Janeiro 230,33 66,28 39,12 120,43 27,78 Rio Grande do Sul 212,69 55,73 36,13 70,16 28,67 Santa Catarina 202,14 52,00 31,88 49,82 35,09 São Paulo 211,80 53,72 35,27 91,02 33,06 Outros Estados 234,06 56,58 36,75 104,82 44,04 Brasil 217,45 55,27 35,18 88,27 35,11 Argentina 267,35 33,04 15,42 71,76 29,88 Paraguai 180,47 22,20 28,86 24,40 66,93 Outros Países 236,90 55,76 29,95 101,82 31,71 Estrangeiros 239,44 45,84 25,77 85,19 34,93 TOTAL 214,66 51,66 32,35 79,92 34,19 FONTE: Pesquisa de campo SMTU/SETU

23 Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR Noroeste, Norte/PR Oeste, Sudoeste/PR Centro Oeste/BR Nordeste/BR Norte/BR Sudeste/BR Sul/BR Paraná Brasil Paises Conjunto AVALIAÇÃO DOS PREÇOS PRATICADOS 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% - 7,7 5,2 2,6 6,0 2,7 7,4 3,2 4,5 5,3 4,6 4,8 7,3 5,4 19,0 17,6 17,5 15,3 15,1 15,1 19,2 18,5 18,0 16,4 23,0 19,1 26,9 25,7 58,7 49,2 67,2 64,1 60,4 61,8 64,7 62,5 65,8 55,9 61,2 65,4 72,1 61,3 13,8 7,7 12,5 7,8 13,0 23,3 4,4 24,6 16,3 19,2 11,6 17,0 11,1 14,3 Baixos Razoáveis Elevados Excessivos GRÁFICO 8 - AVALIAÇÃO DOS PREÇOS PRATICADOS NO DESTINO VISITADO Buscando saber qual a percepção do turista quanto aos valores de bens e serviços por ele demandados em Foz do Iguaçu, tendo por parâmetro os preços praticados na sua localidade de origem, identificou-se que, independentemente da forma de viajar, do motivo de viagem ou do meio de hospedagem utilizados, 61,2% dos entrevistados consideraram razoáveis os preços praticados no destino, enquanto apenas 5,4% dos turistas julgaram tais preços excessivos. 13. PLANEJAMENTO E FREQUÊNCIA DA VIAGEM Entre os residentes no Paraná a maioria absoluta, com 84,1% dos entrevistados, afirmou já ter visitado Foz do Iguaçu anteriormente. Também entre os turistas provenientes de outros estados brasileiros, o índice daqueles que informaram não ser esta sua primeira visita ao destino chegou a 60,3%, já dos estrangeiros entrevistados a grande maioria (68,2%) nunca havia estado na cidade. TABELA 14 - FREQUÊNCIA DA VISITA A FOZ DO IGUAÇU, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE Residência Permanente Frequência (%) 1ª Vez Não era 1ª vez Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 18,6 81,4 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 3,7 96,3 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 19,9 80,1 Noroeste, Norte/PR 16,7 83,3 Oeste, Sudoeste/PR 9,8 90,2

24 23 Residência Permanente Frequência (%) 1ª Vez Não era 1ª vez Paraná 15,9 84,1 Centro Oeste/BR 38,1 61,9 Nordeste/BR 55,0 45,0 Norte/BR 47,5 52,5 Sudeste/BR 47,0 53,0 Sul/BR (RS e SC) 24,0 76,0 Brasil (exceto PR) 39,7 60,3 Exterior 68,2 31,8 Total 41,7 58,3 TABELA 15 - TEMPO DE PLANEJAMENTO, FREQUÊNCIA E PERÍODO DA VIAGEM, FOZ DO IGUAÇU Frequência e Etapa da Pesquisa Tempo de Frequência (%) Etapa da Pesquisa (%) Planejamento da Viagem Não era 1ª 1ª Vez Total Novembro Março Julho Total vez Mais de um ano 3,7 2,1 2,7 3,1 3,0 2,6 2,8 De 6 a 12 meses 14,3 7,3 10,2 6,1 10,8 11,4 10,2 De 3 a 6 meses 22,4 12,8 16,8 14,1 14,2 19,7 16,8 Menos de 3 meses 59,6 77,8 70,3 76,7 72,0 66,3 70,2 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Dentre aqueles que visitam o destino pela primeira vez, 59,6% informaram ter planejado sua viagem com menos de 3 meses de antecedência, característica esta que chega a 77,8% entre aqueles que já haviam visitado o destino anteriormente. de antecedência. Apenas 2,7% dos turistas entrevistados planejaram a viagem para Foz do Iguaçu com mais de um ano 14. ATENDIMENTO À EXPECTATIVA, RETORNO E INDICAÇÃO Buscando qualificar a experiência do visitante e identificar sua percepção em relação à cidade de Foz do Iguaçu, o estudo demonstrou que 57,8% dos turistas tiveram suas expectativas atendidas, 34,2% tiveram expectativas superadas, enquanto 1,7% dos entrevistados informaram haver se frustrado com a viagem realizada. TABELA 16 - EXPECTATIVAS DO TURISTA EM FOZ DO IGUAÇU Expectativas (%) Residência Permanente Atendeu em Superou Atendeu parte Frustrou Total Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 17,9 74,4 5,1 2,6 100,0 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 15,8 68,4 10,5 5,3 100,0

25 24 Expectativas (%) Residência Permanente Atendeu em Superou Atendeu parte Frustrou Total Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 25,9 65,0 6,6 2,5 100,0 Noroeste, Norte/PR 24,0 69,4 6,6-100,0 Oeste, Sudoeste/PR 18,3 68,6 9,8 3,3 100,0 Paraná 22,6 67,7 7,5 2,2 100,0 Centro Oeste/BR 30,7 63,0 6,3-100,0 Nordeste/BR 41,7 50,0 7,6 0,7 100,0 Norte/BR 37,5 57,1 3,6 1,8 100,0 Sudeste/BR 36,7 57,0 5,2 1,1 100,0 Sul/BR (RS e SC) 22,1 68,2 7,1 2,6 100,0 Brasil (exceto PR) 32,2 60,3 6,0 1,5 100,0 Exterior 45,7 46,5 6,2 1,6 100,0 TOTAL 34,2 57,8 6,3 1,7 100,0 Os turistas estrangeiros foram aqueles que mais se surpreenderam com a viagem, tendo esta, para 45,7% dos entrevistados, superado suas expectativas, enquanto 46,7% declararam que suas expectativas com o destino foram atendidas. Tendo os entrevistados sido questionados se indicariam a cidade para outras pessoas e se retornariam ao destino, identificou-se que 96,8% recomendariam Foz do Iguaçu e 89,3% tinham a pretensão de retornar futuramente. Dentre os estrangeiros, 74,9% dos turistas responderam que voltariam a Foz do Iguaçu. TABELA 17 - TURISTAS QUE INDICARIAM E/OU RETORNARIAM A FOZ DO IGUAÇU Indicação e Retorno Residência Permanente Indicaria (%) Retornaria (%) Sim Não Talvez Sim Não Talvez Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 94,7 5,3-98,2-1,8 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 96,2-3,8 96,2 3,8 - Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 98,5 1,5-96,0 1,5 2,5 Noroeste, Norte/PR 96,2 2,6 1,2 96,1 1,3 2,6 Oeste, Sudoeste/PR 95,6 3,4 1,0 99,0-1,0 Paraná 96,9 2,5 0,6 97,0 1,0 2,0 Centro Oeste/BR 98,0 2,0-93,9 0,7 5,4 Nordeste/BR 96,2 3,2 0,6 89,9 6,9 3,2 Norte/BR 96,7 3,3-90,0 6,7 3,3 Sudeste/BR 98,2 1,2 0,6 92,3 3,5 4,2 Sul/BR 95,9 2,6 1,5 95,0 2,6 2,4 Brasil ( exceto PR) 97,2 1,9 0,9 93,0 3,4 3,6 Exterior 95,6 2,6 1,8 74,9 11,9 13,2 Total 96,8 2,2 1,0 89,3 5,0 5,7 15. ATRATIVOS Considerando os atrativos turísticos existentes em Foz do Iguaçu e sua potencialidade em relação ao lazer, o estudo identificou que 63,1% dos turistas visitaram atrativos durante a permanência em Foz do Iguaçu,

26 25 sendo tal grupo composto, principalmente, por turistas estrangeiros e turistas residentes na região Sudeste do Brasil, com 33,6% e 28,9%, respectivamente. Paraná; 13,2% Paises; 33,6% Outras Brasil; 11,4% RS e SC; 13,0% Sudeste/BR; 28,8% GRÁFICO 9 - VISITANTES DOS ATRATIVOS, SEGUNDO A PROCEDÊNCIA * Centro-Oeste, Nordeste, Norte do Brasil. Na análise por região de residência, observou-se que 84,0% dos turistas estrangeiros e 63,5% dos turistas que residem em outras regiões brasileiras visitaram algum atrativo do destino. Já entre os residentes no Paraná, apenas 38,1% dos entrevistados realizaram visitas aos atrativos, enquanto que os procedentes dos demais Estados da Região Sul apresentaram porcentagem de 49,9%. TABELA 18 - VISITA AOS ATRATIVOS, SEGUNDO RESIDÊNCIA PERMANENTE, FOZ DO IGUAÇU Residência Permanente Visita a Atrativo Sim Não Campos Gerais, Centro, Terra dos Pinheirais/PR 38,6 61,4 Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu/PR 22,2 77,8 Curitiba e Região Metropolitana, Litoral/PR 48,2 51,8 Noroeste, Norte/PR 38,4 61,6 Oeste, Sudoeste/PR 23,4 76,6 Centro Oeste/BR 56,9 43,1 Paraná 38,1 61,9 Nordeste/BR 76,9 23,1 Norte/BR 68,3 31,7 Sudeste/BR 70,6 29,4 Sul/BR (RS e SC) 49,9 50,1 Brasil (exceto PR) 63,5 36,5 Exterior 84,0 16,0 TOTAL 63,1 36,9 Dentre os atrativos turísticos visitados, destacaram-se as Cataratas do Iguaçu e a Usina de Hidrelétrica de Itaipu, bem como o Parque das Aves e o Macuco Safári, conforme o Quadro 01.

27 26 QUADRO 1 - ATRATIVO VISITADO, POR NACIONALIDADE DO ENTREVISTADO Atrativos Nacionalidade Brasileiros Estrangeiros Total Cataratas do Iguaçu Itaipu Binacional Parque das Aves Macuco Safári Rapel Marco das Três Fronteiras Templo Budista Rafting no PNI Trilhas no PNI (poço preto, bananeiras) Zoológico / Bosque Guarani Arvorismo 9-9 Mesquita Escalada Polo astronômico Argentina Iluminação da Barragem (Itaipu) 4-4 Luau nas Cataratas Refúgio Biológico Bela Vista 4-4 Parque Tecnológico de Itaipu Passeio de Helicóptero Cassinos 2-2 CEAEC Centro de Altos Estudos de Conscienciologia Ecomuseu de Itaipu Paraguai Passeio de Catamarã Terminal Turístico de Três Lagoas Antigo Hotel Cassino não especificado Total NOTA: Não computados os que não declaram o atrativo visitado. 16. IMAGEM O turista definiu na etapa de novembro como sendo uma cidade turística dentre as alternativas. Porém nas etapas de março e julho a questão aberta deu maior liberdade ao entrevistado que expressou uma opinião mais variada, porém dentro de duas linhas, sendo; turística e ecológica e um segundo grupo sendo estruturada e boa. TABELA 19 IMAGEM DE FOZ DO IGUAÇU DEFINIDA PELO TURISTA Imagem da Cidade Etapa (%) Novembro Março Julho Turística (atrativa) 54,4 15,5 30,0 Boa (muito boa, gostou muito, muito legal, com qualidade de vida) 1,8 33,0 21,2 Ecológica 20,8 2,7 9,9 Estruturada (organizada, limpa, normal) 16,9 3,6 9,0 Bonita / Linda/ Bacana - 12,9 7,6 Aconchegante (agradável, interessante, confortável, tranquila, relaxante) - 9,1 5,6 Magnífica Inacreditável, Perfeita. - 7,7 5,5 Comercial (negócios, dinâmica, em expansão, em crescimento, em desenvolvimento, compras) 3,5 4,0 3,5

28 27 Regular (pode melhorar, insegura, sem charme, precária, suja) - 4,5 2,7 Hospitaleira (amigável, divertida) - 3,6 2,4 Cultural (universitária, cosmopolita) 2,6 1,0 1,4 Quente - 2,4 1,2 TOTAL 100,0 100,0 100,0 NOTA: Na etapa de novembro a pergunta era fechada somente com 6 alternativas, já para as etapas seguintes a questão era aberta, deixando o entrevistado livre para responder e cujas opiniões foram agrupadas de acordo com as semelhanças das mesmas. 17. INFRAESTRUTURA Na avaliação da infraestrutura turística e urbana de Foz do Iguaçu, 23,5% dos entrevistados a consideraram ótima e 59,0% a julgaram boa, demonstrando, de modo geral, uma avaliação positiva da infraestrutura existente na cidade. TABELA 20 - AVALIAÇÃO DA INFRAESTRUTURA TURÍSTICA E URBANA, FOZ DO IGUAÇU, Avaliação (%) Itens Avaliados Ótimo Bom Regular Ruim Agências Locais 25,7 58,2 11,7 4,4 Atendimento Médico 20,9 60,4 14,1 4,6 Atendimento no Aeroporto 10,2 55,1 23,0 11,7 Atendimento na Rodoviária 9,6 50,0 30,9 9,5 Bares e Restaurantes 23,1 63,6 11,2 2,1 Comércio 17,2 64,1 14,2 4,5 Comunicação (telefonia, correios) 15,9 60,1 14,0 10,0 Diversão Noturna 26,8 53,4 15,1 4,7 Guias de Turismo 41,1 49,9 7,3 1,7 Hospitalidade da Comunidade 39,9 54,6 4,5 1,0 Informações Turísticas 30,6 57,6 7,3 4,5 Limpeza Pública 23,2 56,6 15,1 5,1 Rodovias de Acesso 23,9 63,7 9,1 3,3 Segurança Pública 18,8 57,9 16,2 7,1 Serviços do Hotel 38,3 48,0 11,1 2,6 Sinalização Urbana 20,4 66,3 9,9 3,4 Sinalização Turística 22,9 64,2 9,4 3,5 Serviço de Taxi 28,2 58,6 9,0 4,2 Trafego 19,0 54,8 19,2 7,0 Transporte Coletivo 19,0 51,2 19,4 10,4 Vias Urbanas 18,0 65,5 12,9 3,6 Geral 23,5 59,0 12,7 4,8

29 SUGESTÕES As sugestões ora apresentadas referem-se à coleta de dados realizadas nos meses de Nov/2011, Mar e Jul/2012, da Pesquisa de Demanda Turística de Foz do Iguaçu. Entre as perguntas efetuadas aos participantes estava sua impressão acerca da cidade, bem como eventuais sugestões para melhorias. Dentre os locais mais citados destaca-se o aeroporto, com solicitações acerca do seu tamanho, infraestrutura, preços altos, entre outras. Cumpre ressaltar que a via aérea é, segundo a INFRAERO, a principal via de entrada do turista em Foz do Iguaçu, que consiste na a porta brasileira do MERCOSUL. O aeroporto de Foz do Iguaçu funciona 24 horas por dia e tem capacidade para atender 1,5 milhão de passageiros por ano. A rodoviária também sofreu críticas, porém numa escala menor. No que tange à infraestrutura da cidade de maneira geral, foram feitas sugestões sobre as ruas e calçadas, foi comentado que faltam praças, parques, árvores e natureza, além de ciclovias. O transito que carece de sinalização foi considerado ruim por alguns participantes, porém, o maior número de citações foi relativo à segurança pública e falta de policiamento, já que alguns consideraram Foz do Iguaçu violenta. O transporte coletivo foi considerado precário, demorado e caro, assim como os táxis, que também deixam a desejar. No setor de comunicações, há necessidade de melhoria na telefonia fixa e móvel, bem como falta sinal de nextel, lan house e wi-fi. O comércio local foi considerado precário, com poucos shoppings; alguns sentiram falta de entretenimento, diversão noturna e equipamentos culturais. Algumas pessoas reclamaram do alto preço do pedágio nas estradas e que as mesmas precisam ser duplicadas. Houve comentários sobre a necessidade de se cuidar mais da comunidade, uma vez que as pessoas consideraram que há poucos postos de atendimento do SUS. Além disso, o entrevistado sugere mais investimento na parte industrial. Foz do Iguaçu é uma cidade com vocação turística, possuidora de vários atrativos, inclusive um deles, o Parque Nacional do Iguaçu, tombado como Patrimônio Natural da Humanidade. Apesar disso, foi dito que é preciso aumentar a divulgação e o investimento no turismo, pois faltam pessoas aptas a trabalhar na área e que, por exemplo, falem outro idioma. Houve ainda sugestões de aumentar o número de Postos de Informações Turísticas (PIT s) e de placas informativas para o turista. Vários participantes consideraram que a infraestrutura dos atrativos precisa de melhorias, e que os ingressos para visitá-los são muito caros. Especificamente os atrativos Marco das Três Fronteiras e Zoológico foram considerados abandonados. Sobre os hotéis, ressaltou-se a pouca quantidade disponível e a necessidade de melhoria. Algumas pessoas acharam os preços caros e foi sugerida a criação de uma central de reservas. Comentários análogos foram feitos aos restaurantes, sendo que para esses foi sugerido o funcionamento em horários alternativos. Na região fronteiriça, os comentários dos participantes foram principalmente no sentido da necessidade de revitalização das pontes, melhorias na fronteira com o Paraguai e Argentina, aumento das cotas de compras e free shop do lado brasileiro.

30 29 Por fim, poucas pessoas disseram que adoraram a cidade e que ela está apta ao turismo. Os preços constituíram-se na reclamação mais frequente, relacionadas aos mais diversos itens. QUADRO 2 SUGESTÕES EMITIDAS PELOS ENTREVISTADOS Sugestões Citações Aeroporto (caro, precisa de melhorias e ampliação, precisa de melhoria na infraestrutura) 130 Colocar mais PIT s e melhorar as informações para o turista, pois faltam placas informativas e as que têm estão velhas ou ruins. Transporte coletivo precisa melhorar (demorado, precário, caro) 58 Mais policiamento/segurança 56 Melhorar infraestrutura, ruas e calçadas muitos ruins, com buracos e pequenas 74 Melhorar a infraestrutura dos atrativos turísticos (todos) 50 Mais limpeza e urbanização na cidade 39 Táxi (caros ou não usam taxímetro, taxistas mal educados, faltam táxis) 31 Atrativos caros (todos no geral) 30 Mais investimento e divulgação na área do turismo, melhor aproveitamento, faltam pessoas aptas a trabalhar com o turismo; Hotéis (faltam hotéis, melhorar hotéis, melhorar os preços, criar central de reservas) 27 Melhorar a infraestrutura e organização na rodoviária 22 Preços altíssimos/muito, caros/abusivos 21 Marco das 3 fronteiras tem um conteúdo histórico que precisa ser investido e não abandonado 19 Sinalização (muitos semáforos, melhorar sinalização do trânsito, precisa de semáforos para pedestres 19 Fronteiras (free shop no lado brasileiro, organização dos estacionamentos próximos da PIA, aumentar o valor da cota de compras no Paraguai, melhorar a organização na fronteira do Paraguai, melhorar o transporte para o Paraguai, revitalização das pontes, pista da aduana Argentina ruim) Pessoas que falam outro idioma 18 Restaurantes (mais restaurantes, muito caros, abertos em horários diferentes, melhorar a estrutura 17 Trânsito ruim 16 Telefonia (melhorar) (público, celular, precisa de sinal de nextel); 15 Caixas eletrônicos e casas de câmbio em falta, as que têm cobram taxa abusiva 14 Comércio precário/ falta shoppings 13 Pedágio caro 12 Falta diversão noturna/ entretenimento 10 Precisa de mais parques, praças, árvores e natureza; 9 Duplicação e melhoria das rodovias BR277 e BR469 6 Hospitalidade poderia ser melhor 6 Zoológico está horrível, parece abandonado 6 Adoraram a cidade, foram muito bem atendidos, apta para o turismo 5 Falta ciclovia 5 Falta lan house e wi-fi na cidade 4 Mais postos de atendimento do SUS 3 Violência excessiva 3 Cuidar mais da comunidade 1 Falta parte cultural 1 Investir na parte industrial

31 APÊNDICES 30

32 Rio Grande do Norte Ceará Amazonas Pernambuco Acre Maranhão Pará Alagoas Piauí Sergipe Rondônia Bahia Tocantins Distrito Federal Minas Gerais Rio de Janeiro Mato Grosso Goiás São Paulo Rio Grande do Sul Santa Catarina 30% Mato Grosso do Sul Paraná 11% Título do Eixo 21% 27% 37% 40% 40% 40% 37% 45% 39% 57% 63% 63% 62% 69% 71% 65% 67% 78% 100% 100% 83% 1 APÊNDICE 1 - COMPARAÇÃO ENTRE A ORIGEM E O DESTINO, SEGUNDO O APROVEITAMENTO DAS ABORDAGENS Este gráfico ilustra em suas colunas, em ordem decrescente, a distancia percorrida pelos abordados de acordo com suas respectivas Unidades Federativas Brasileiras de residência para se chegar a Foz do Iguaçu. Indica que a maior quilometragem de deslocamento é de quem reside no Estado do Rio Grande do Norte e o menor deslocamento, excetuando o dos residentes no Paraná, é dos que vieram do Mato Grosso do Sul. Em nível intermediário, estão os residentes no Estado do Tocantins. Relacionando-se a distância viajada com o total de pessoas abordadas, sem levar-se em consideração a tipologia na qual o viajante se enquadrava, obteve-se que o maior aproveitamento nas abordagens (acima dos 60%) é de turistas que viajaram distancias maiores, (com exceção dos Estados do Acre e Rondônia, cujo aproveitamento foi baixo, destoando assim da dinâmica dos demais Estados). Por outro lado, dentre os turistas residentes em regiões mais próximas à Foz do Iguaçu e que foram abordados pelos entrevistadores, o aproveitamento de respostas (desconsiderando o Distrito Federal e o Estado do Rio de Janeiro) não foi superior a 45%. Analisando-se o total de abordados de cada um dos estados brasileiros e de cada um dos países, considerando-se apenas os que atendiam aos requisitos para serem classificados como turistas, tipologia esta objetivo principal da pesquisa, tem-se que o aproveitamento das abordagens é positivo para todas as procedências KM Aproveitamento 100% 90% % % 60% 50% 40% 30% % % - 0% GRÁFICO 1 APROVEITAMENTO DAS ABORDAGENS, SEGUNDO AS DISTÂNCIAS DA ORIGEM AO DESTINO NOTA: o cálculo das distâncias foi efetuado entre a capital do estado e o destino Foz do Iguaçu 4 4

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL

PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL PÓLO COSTA DAS PISCINAS/PARAÍBA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO TURISMO SUSTENTÁVEL ANEXO IV PERFIL DO TURISTA TABELAS JOÃO PESSOA-PB, JUNHO 2004 TABELA Nº01 PROCEDÊNCIA DOS TURISTAS JANEIRO/1999

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB

Relatório de Pesquisa 2012. Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB Relatório de Pesquisa 2012 Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo RCVB PERFIL DO TURISTA GÊNERO E FAIXA ETÁRIA Gênero Neste ano, ao contrário do registrado no ano Mulher

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS VISITANTES NOS JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 ARENA PERNAMBUCO Junho de 2014 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Turismo do Estado de Pernambuco, através da EMPETUR, apresenta os resultados

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

Observatório do Turismo de Paranaguá Destino Indutor do Paraná FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROCIO 2014

Observatório do Turismo de Paranaguá Destino Indutor do Paraná FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROCIO 2014 Observatório do Turismo de Paranaguá Destino Indutor do Paraná FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROCIO 2014 APRESENTAÇÃO A Fundação Municipal de Turismo esteve presente no evento da Festa de Nossa Senhora do Rocio,

Leia mais

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003

ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA INTERNACIONAL 2003 Brasília - Brasil Julho 2004 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 09 2 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS 11 2.1 Objetivo geral 13 2.2 Objetivo específico 13 2.3 Amostra 14 2.4

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo Recife Convention & Visitors Bureau Relatório de Pesquisa 2009

Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo Recife Convention & Visitors Bureau Relatório de Pesquisa 2009 pesquisa e consult or ia Perfil Sócio econômico do Turista de Eventos Apoiados / Captados pelo Recife Convention & Visitors Bureau Relatório de Pesquisa 2009 DADOS GERAIS SOBRE A PESQUISA I- Apresentação:

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS CARNAVAL DE SALVADOR - 2015 RELATÓRIO DE RESULTADOS

PESQUISA DE AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS CARNAVAL DE SALVADOR - 2015 RELATÓRIO DE RESULTADOS PESQUISA DE AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS CARNAVAL DE SALVADOR - 2015 RELATÓRIO DE RESULTADOS Salvador / 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Governador Secretaria de Turismo - Setur Nelson

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty

Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Relatório de Estatística Descritiva Bourbon Festival Paraty Pesquisa de satisfação 2014 S E C R E T A R I A D E T U R I S M O DE P A R A T Y PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Durante os dias 24 e 25 de junho

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA

PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROGRAMA PARANÁ MICE PROJETO DE PESQUISAS DE DEMANDA PROMOTORES DE EVENTOS ASSOCIATIVOS ESTADUAIS ASSOCIATIVOS LOCAIS CORPORATIVOS TURISTAS NEGÓCIOS ( 2016) EVENTOS FEIRAS CONGRESSOS 2 SEMINÁRIO PARANÁ

Leia mais

Caderno de dados do Turismo

Caderno de dados do Turismo EDIÇÃO 5 CADERNO D E DAD OS Caderno de dados do Turismo Maio - 2013 Apresentação Mineirão - Fotógrafo Alberto Andrich e Ilustrador digital Felipe Coutinho Nesta edição 1 Apresentação 1 Metodologia 2 Mensagem

Leia mais

368 municípios visitados

368 municípios visitados TURISTAS INTERNACIONAIS 60,3% visitaram o Brasil pela primeira vez 91,4 % Copa como o principal motivo da viagem 83% o Brasil atendeu plenamente ou superou suas expectativas 95% tem intenção de retornar

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO Turismo de Cruzeiros em Itajaí Sumário Introdução... 3 Perfil dos turistas... 4 Hábitos e comportamentos sobre o turismo

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015

DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 DESEMPENHO DO SETOR DE TURISMO EM ALAGOAS, PARA SETEMBRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Gerência de Estatística e Indicadores Os resultados do turismo no estado

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital)

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Demanda Turística de Curitiba Estudo do perfil, comportamento e opinião dos turistas que visitam a capital paranaense, inclusive em eventos geradores

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE

TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Relatório de Pesquisa Demanda Turística via Natal: Estrutura e Características do Fluxo Turístico Receptivo de 2009 Natal - Rio Grande do Norte Brasil (maio de 2010) RIO

Leia mais

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios

Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual. Comparação do Turista Lazer x Negócios Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Demanda: Internacional Doméstica/Nacional Estadual Comparação do Turista Lazer x Negócios Gilce Zelinda Battistuz Curitiba, 28/06/2015 Turismo Internacional -

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

3.12. Gastos Turísticos

3.12. Gastos Turísticos PRODETUR NE-II PDITS Pólo Litoral Sul 3.12. Gastos Turísticos 451 3.12. Gastos Turísticos Introdução Nesse capítulo o padrão e o volume dos gastos dos turistas do Pólo serão avaliados. Outro objetivo é

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

TARIFÁRIO OPERADORA MERCADO NACIONAL EM REAIS SERVIÇO REGULAR VALIDADE DEZEMBRO / 2013 TARIFÁRIO NACIONAL REAIS DEZEMBRO - 2013 PACOTES

TARIFÁRIO OPERADORA MERCADO NACIONAL EM REAIS SERVIÇO REGULAR VALIDADE DEZEMBRO / 2013 TARIFÁRIO NACIONAL REAIS DEZEMBRO - 2013 PACOTES TARIFÁRIO OPERADORA MERCADO NACIONAL EM REAIS SERVIÇO REGULAR VALIDADE DEZEMBRO / 2013 TARIFÁRIO NACIONAL REAIS DEZEMBRO - 2013 PACOTES Pacote A - Transfer in + out + Cataratas brasileira sem ingresso

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social

SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social SIPS Sistema de Indicadores de Percepção Social Mobilidade Urbana IPEA 24 de janeiro de 2011 Sumário 1. Introdução 2. Mobilidade e meios de transporte 3. Meios de transporte e questões de infraestrutura

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS SETEMBRO / 2010 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2010 - N 05 Para 58,0%

Leia mais

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos

do turismo DA CIDADE DE DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos observatório do turismo DA CIDADE DE SÃO PAULO são paulo turismo DEMANDA TURÍSTICA Nacional e Internacional para a Cidade de São Paulo Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos Ano-Base 2011 CRÉDITOS

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim

EMPRESÁRIO. Impacto econômico. São Joaquim Um dos roteiros turísticos de Santa Catarina é sua região serrana. Composta por uma série de pequenos municípios, os atrativos da Serra Catarinense vão além do inverno de frio intenso e belezas naturais,

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Pesquisa Fecomércio de Turismo. 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis. Pesquisa com o turista. Perfil do turista

Pesquisa Fecomércio de Turismo. 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis. Pesquisa com o turista. Perfil do turista Pesquisa Fecomércio de Turismo 7ª Parada da Diversidade de Florianópolis A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (FECOMÉRCIO), com o intuito de mapear o perfil do turista e o impacto da Parada

Leia mais

Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto:

Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto: Avaliação dos resultados da operação piloto do turismo internacional - Operações de fluxo e gasto: Principais observações e incidências detectadas pela equipe de campo Palestrantes: Décio Kadota e Ewerton

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Relatório Final Pesquisa no Show de Paul McCartney. Realização: Prefeitura de Cariacica Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo

Relatório Final Pesquisa no Show de Paul McCartney. Realização: Prefeitura de Cariacica Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo Relatório Final Pesquisa no Show de Paul McCartney Realização: Prefeitura de Cariacica Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo Secretaria de Estado do Turismo Metodologia: A pesquisa

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 06.02.15 EDITORIA: ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

A empresa fica na feira de Sapatilha?

A empresa fica na feira de Sapatilha? A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (FECOMÉRCIO-SC), com o intuito de mapear o perfil do turista e o impacto do festival para o empresário do município, realizou um projeto

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2015, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012

INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 1 FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL FUNDTUR/MS INDICADORES TURÍSTICOS 2013 ANO BASE 2012 A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul para acompanhar o andamento da atividade e sua contribuição

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu Secretaria Municipal da Administração/Departamento de Informações Institucionais

Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu Secretaria Municipal da Administração/Departamento de Informações Institucionais FOZ DO IGUAÇU FOZ DO IGUAÇU TURISMO Hospedagem Meios de Hospedagem 2006 2007 2008 2009 2010 Leitos Leitos Leitos Leitos Leitos Hotéis a partir de R$ 101,00 31 10.197 30 9.075 36 10.480 31 9.893 38 11.321

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20030-041 Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro

PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS. SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro PESQUISA MERCADOLÓGICA ESTUDO DA DEMANDA TURÍSTICA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS SINOPSE COMPARATIVA 2006, 2007 e 2008 janeiro/fevereiro Convênio: Santur/Prefeitura Municipal Execução: Gerência de Planejamento/Santur

Leia mais

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015

MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO. Rosana Bignami Outubro_2015 MARKETING PARA TURISMO RODOVIÁRIO Rosana Bignami Outubro_2015 ATRATIVOS CIDADES PESSOAS TRANSPORTES SISTEMA DE TRANSPORTE VEÍCULO ATENDE LOCAIS E ATENDE A MINHA EMPRESA ESTÁ PRONTA PARA O MARKETING? OUÇA

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR Julho 2013 COPA DAS CONFEDERAÇÕES - CONSUMIDOR Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram realizadas 620 entrevistas, com um erro máximo de

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro

PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008. Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro PESQUISA DO IMPACTO ECONÔMICO DOS EVENTOS INTERNACIONAIS REALIZADOS NO BRASIL - 2007/2008 JUNHO 2008 Informações do Evento Consolidado 6 Eventos - Rio de Janeiro EVENTO CIDADE PERÍODO Nº DE PARTICIPANTES

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA

AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA AVALIAÇÃO DA DEMANDA TURÍSTICA EM MINAS GERAIS MÉDIA TEMPORADA JANEIRO DE 2010 INTRODUÇÃO Este relatório contém os resultados de um estudo realizado pela MDA PESQUISA junto aos turistas em 19 Circuitos

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Organização. Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Organização. Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR FOZ DO IGUAÇU O Destino certo para o sucesso do V SBSE! Organização Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Comitê organizador local Carlos

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013

EMBRATUR. Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 EMBRATUR Percepção dos estrangeiros sobre o Brasil durante a Copa das Confederações 2013 Com 20 anos de experiência em Estudos de Mercado, o Instituto Methodus garante aos seus clientes relatórios que

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais