Candidatura. Diretor do Agrupamento de Escolas de Miraflores. Maria de Fátima Rodrigues

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Candidatura. Diretor do Agrupamento de Escolas de Miraflores. Maria de Fátima Rodrigues"

Transcrição

1 Candidatura Diretor do Agrupamento de Escolas de Miraflores 1 Maria de Fátima Rodrigues

2 Índice 1. Introdução 2. O Agrupamento de Escolas de Miraflores 2.1. Caracterização do Agrupamento 2.2. Identificação de Problemas 2.3. Traços Transversais do Agrupamento O Projeto de Intervenção 1. Introdução 2. Missão, Visão e Valores 3. Áreas de Intervenção 3.1. Gestão e Prática Pedagógica 3.2. Organização e Funcionamento 3.3. Comunidade Educativa 3.4. Instalações e Equipamentos 4. Conclusão 2

3 Introdução Um projeto não deve ser apenas uma vaga intenção, mas constituir-se num eixo de linhas de ação estratégicas, trazendo um valor acrescentado que reforme o presente, para que, de forma gradual, se molde e concretize o futuro coletivo. Deve, assim, incorporar duas dimensões: projeto, enquanto intenção e plano antecipador das linhas de ação, e projeto, enquanto ação propriamente dita. É uma ideia para uma transformação do real, pelo que a sua concretização deve conduzir a essa transformação (Leite C., 1997). Neste sentido, deve ser definidor dos perfis de mudança desejados. Uma análise, ainda que sumária, às muitas teorias das organizações e modelos organizacionais mais válidas e realistas, permite-nos compreender que a gestão escolar, que tem sido invocada na generalidade das nossas instituições educativas, assenta em pressupostos provenientes da área da organização de empresas. Mas a escola é diferente! A escola é um organismo vivo complexo, que se renova em cada ano letivo. Logo, a gestão de um projeto de Agrupamento será forçosamente uma gestão da vida, exigindo flexibilidade e perícia, para podermos sentir todas as sensibilidades e dar respostas assertivas, tendo em vista as necessidades e os propósitos a que visa dar resposta. 3

4 2. O Agrupamento Escolas de Miraflores 2.1. Caracterização do Agrupamento O Agrupamento de Escolas de Miraflores, com a constituição atual, foi definido, como unidade orgânica, no ano de 2012/2013. Localiza-se no concelho de Oeiras, nas freguesias de Algés e de Linda-a-Velha, tendo como sede a Escola Secundária de Miraflores (3º ciclo e secundária), sita na Av. General Norton de Matos. É um agrupamento vertical, constituído pelas seguintes escolas: Jardim-de-infância Luísa Ducla Soares (com quatro salas de atividades); Escola Básica Integrada de Miraflores (com onze turmas do 1ºciclo e dezasseis turmas do 2ºciclo); Escola Básica 1º ciclo com Jardim de Infância Alto de Algés (com quatro salas de atividades e dezasseis turmas); Escola Secundária de Miraflores (com quarenta e nove turmas de 3ºciclo, secundário e profissional noturno). A população que acolhemos é bastante heterogénea, o que constitui um permanente desafio à nossa capacidade de adaptação. As estratégias que concebemos já estão, em si mesmas, cientes do dinamismo inerente a uma unidade orgânica ensino aberto, atuante e social e pedagogicamente responsável. Os novos fluxos migratórios a que Portugal tem estado sujeito compelem, também, a um reajustamento da Rede Escolar que tem de responder às novas exigências. O nosso Agrupamento integra esta realidade e visa proporcionar, na receção que faz a estes alunos, o preâmbulo de uma reorganização pessoal e social, para os próprios e para as famílias. Para além dos alunos que estudam no local de vida, temos ainda uma elevada percentagem de estudantes que procuram as nossas escolas por referências de qualidade e de exigência. Uma outra problemática que nos preocupa, e que interfere com a estabilidade que desejamos aos nossos alunos, é o agravamento da condição socioeconómica de muitas famílias. As freguesias de Algés e Linda-a-Velha pautam-se por uma forte ligação ao sector terciário, em termos laborais. Muitas das famílias dos alunos que frequentam o Agrupamento são marcadas, neste momento, não só pelo desemprego, como também pela certeza da sua continuidade. Esta situação, a insegurança que a dúvida encerra, determina precaução nos gastos e, em última instância, reflete-se na oferta de vivências e experiências a que os alunos estão habituados na versão mais ténue deste problema ou exprimese em verdadeiras dificuldades no cumprimento das vertentes básicas da dignidade humana saúde, habitação e alimentação. A importância que a escola dispensa a estes assuntos, ainda que reconheçamos indispensável, é tanto mais exequível, por contarmos com um corpo docente empenhado e atento, não só em termos pedagógicos, como também sociais. As ligações que são estabelecidas com as famílias e o respeito pela individualidade de cada aluno possibilitam um incremento na qualidade educativa do Agrupamento. E falamos daquilo que a Educação tem de mais abrangente, ou seja, no que incute, não só de conhecimentos (saber e saber fazer), mas também de ética e de civismo (saber estar, saber ser). Reconhecendo que o exemplo é também ensinamento, temos, sobre a postura dos agentes educativos, um insistente rigor. A assiduidade do corpo docente e a sua conduta em sala de aula e na escola são traços que contam, cultivamos e incentivamos para continuar. Interessa-nos que todo o corpo docente partilhe esta ideia de compromisso com a probidade e com as exigências que devemos ter connosco próprios, pois, observando este princípio, estimulam-se comportamentos ajustados e previnem-se, no sentido imputável à instituição, problemas graves como o abandono, absentismo, agressividade e violência. A indisciplina é minimizada na fonte, corresponsabilizando, sempre que for viável, a família, de modo a proporcionar-se significado pedagógico às eventuais penalizações que se levem a termo. O Agrupamento caracteriza-se por ter ao seu serviço pessoal técnico-pedagógico que lhe permite o cumprimento de uma das metas que traçámos, ou seja, aquela que promove a integração saudável dos alunos, quer de uma forma preventiva, quando algum elemento da comunidade educativa sugere uma avaliação, quer num sentido continuado por sinalização precoce. Estes serviços encerram ainda uma componente afetiva muito importante no que diz respeito às famílias dos alunos que acompanham, pois estabelecem-se laços de confiança e segurança, determinantes para o equilíbrio dos discentes. No que diz respeito a recursos físicos e materiais, o Agrupamento congrega aquilo que são as necessidades atuais e assegura a exequibilidade das mesmas. Todavia, seria benéfico, para toda a 4

5 comunidade educativa, um alargamento ou uma requalificação de alguns espaços, por forma a possibilitar uma melhoria do quotidiano escolar no que concerne à prática da Educação Física e ao convívio de alunos e seu abrigo em alturas de chuva. O apetrechamento de salas com equipamentos informáticos e audiovisuais, que facilitem e auxiliem a prática pedagógica, tem sido um dos principais objetivos do Agrupamento, estando, neste momento, completo o seu apetrechamento. É imperioso suscitar, nos professores e nos alunos, a prática regular com as novas Tecnologias de Informação e Comunicação, só assessorando o desempenho letivo com estes instrumentos, estaremos a formar, realmente, pessoas adaptadas às exigências da sociedade moderna. Esta necessidade passa pela consciencialização da importância destes recursos e pela prática diária nos procedimentos, dos mais simples aos mais complexos, na comunicação interna e externa. Não podemos deixar de salientar a importância de que revestem, não só para a vitalidade das escolas, mas também para a organização das famílias, as Atividades de Enriquecimento Curricular (1º ciclo), o Centro de Tempos Livres (EB1/JI Alto de Algés) e o Complemento de Apoio à Família (Jardim de Infância). De um modo geral, podemos assegurar que o Agrupamento de Escolas de Miraflores se caracteriza por um dinamismo particular, envolvendo-o intimamente com o meio onde se situa, implicando-o com a população que acolhe e se responsabiliza pela transmissão de conhecimentos e valores estruturantes para a vida futura de cada um dos nossos alunos Identificação de Problemas Todos os espaços de ensino do Agrupamento têm características muito próprias e sobre eles recaem potencialidades extraordinárias e fragilidades que tendemos a corrigir. Na primeira parte deste documento, focamo-nos por estabelecimento de ensino, nos domínios que visamos melhorar, no que toca aos recursos físicos e dos materiais, à qualidade das condições de trabalho e no que diz respeito às aprendizagens dos alunos e seus comportamentos. Conscientes que, muitas vezes, as dificuldades com que nos debatemos extrapolam a capacidade de resposta da escola, não enjeitamos responsabilidades, mesmo as que são de partilha. Tenderemos, sempre, a melhorar as situações que nos preocupam, tentando suscitar o esboço de soluções que pretendemos ver agilizadas. Jardim de Infância Luísa Ducla Soares O espaço das salas de aulas nem sempre é adequado às necessidades; O espaço do refeitório é exíguo; O espaço destinado à componente de apoio à família é limitado; Os espaços de sombra no espaço exterior do recreio são insuficientes; A funcionalidade do sistema de abertura do portão da escola, da campainha e do telefone do Jardim de Infância que, muitas vezes, fica comprometida; A carência de uma assistente operacional de ação educativa em cada sala, de modo a facilitar a dinâmica das atividades; Contenção do número de visitas de estudo; Inexistência de ofertas contínuas de formação de professores, a nível da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação, nomeadamente no que diz respeito aos quadros interativos. EB 1/ JI Alto de Algés Edifício pouco humanizado; Pavimentação de alguns espaços deficiente, o que deu origem a terrenos enlameados, oportunamente drenados e repavimentados; Salas com acústica desadequada, que foram intervencionadas para melhoria da qualidade do som; Esquinas de estruturas, nomeadamente escadas, cujo raio de proximidade das crianças foi condicionada para garantia da sua segurança; Espaços desprovidos de sombra e de cobertura; Inexistência de proteção para circulação de crianças em tempo de chuva e vento; Necessidade de limitação de circulação na área traseira à escola; Biblioteca escolar pouco dinamizada para a escola e comunidade, bem como apetrechamento insuficiente e carência de fundo documental; Subaproveitamento das salas para expressões;

6 Necessidade da requalificação da sala de informática; Inexistência de atividades ocupacionais em tempo útil. Escola Básica Integrada de Miraflores Espaços verdes cuja manutenção quotidiana é de difícil concretização; Condições do refeitório que são passíveis de serem melhoradas; Exiguidade de salas para convívio e para estudo; Espaços exteriores passíveis de serem melhorados; Dimensão reduzida de algumas salas, relativamente ao nível do número de alunos que acolhe; Acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida, que deverá ser melhorada (rampas, cadeiras elevatórias ou ascensores); Desfasamento de horários entre o 1º e 2º ciclo com perturbação sobre o silêncio devido no tempo em sala de aula; Número reduzido de horas atribuídas à psicóloga para acompanhamento de alunos neste estabelecimento de ensino; Pessoal operacional do quadro em número insuficiente para as reais necessidades de limpeza, manutenção, apoio e vigilância no estabelecimento de ensino; Deficiente agilização na utilização da Biblioteca/Centro de Recursos pelo 1º e 2º ciclos, o que, por vezes, dificulta a gestão do tempo de ocupação entre as atividades programadas pelo e para o 1º ciclo e as opções, e necessidades, dos alunos do 2º ciclo; Subaproveitamento do espaço Oficina da Matemática em virtude da reestruturação dos horários dos docentes em tempos de Apoio ao Estudo; Subaproveitamento do espaço Meeting Point, em virtude da reestruturação dos horários dos docentes em tempos de apoio ao estudo; Ausência de um espaço destinado, exclusivamente, ao atendimento e acompanhamento de alunos com ordem de saída de sala de aula; Aulas de Educação Musical em espaço pouco apropriado; Exiguidade de horas para complemento do dia letivo com clubes e outras atividades para os alunos. Escola Secundária de Miraflores Ginásio alugado à C.M.O. e cujas despesas decorrentes com eletricidade são suportadas pela escola; Capacidade do ginásio restrita a 3 turmas, o que impede a prática letiva de outras que ficam dependentes das condições climáticas para a realização da Educação Física; Localização da Biblioteca/Centro de Recursos que se situa no pavilhão administrativo, o que condiciona a interpretação e a vivência deste recurso como um centro de dinâmica educativa, aberto à escola e à comunidade, nuclear no espaço escola; Estrutura da escola por blocos diferentemente distanciados do pavilhão administrativo, o que distingue o tempo de chegada às aulas e compromete a equidade de tempo letivo - neste âmbito é incompreensível a não intervenção da Parque Escolar; Salas de aula em número insuficiente para permitir alocar cada turma a uma sala específica e para atividades variadas, para funcionamento da Unidade de Ensino Estruturado e para prática de estudo autónomo, Clubes de Xadrez, Inglês e outros; Número elevado de alunos fora do concelho; Aulas de apoio dificultadas, pelo facto do professor proponente não ser o de apoio e estarem em horários desajustados às necessidades das turmas; A mesma aula de apoio conta com alunos oriundos de turmas diversas, o que dificulta o sentido do auxílio em contexto de sala de aula; Regras de disciplina pouco assimiladas pelos alunos; Incoerência de procedimentos disciplinares entre os diversos agentes educativos em situações análogas, quer em sala de aula, quer noutros espaços da escola; Ausência de um espaço destinado, exclusivamente, ao atendimento e acompanhamento de alunos com ordem de saída de sala de aula; Formação insuficiente, por parte dos docentes, para rentabilização dos quadros interativos; Insuficiência de ofertas extra curriculares. 6

7 2.3. Traços transversais ao Agrupamento Partindo das circunstâncias das escolas que temos, que são construídas por aquilo que somos, os professores, os funcionários, os pais e os alunos que as vivemos, e atendendo às condicionantes que se nos impõem, nomeadamente os constrangimentos decididos por linhas de atuação político-económica, podemos enumerar, de forma genérica, alguns traços transversais ao Agrupamento que, se for possível redesenhar, irão esboçar uma figura mais atrativa da escola, enquanto espaço de trabalho e de crescimento profissional e pessoal. Debatemo-nos com a escassez de tempo para reflexão sobre assuntos de carácter pedagógico em reuniões de pares. As muitas e diversas solicitações que nos desafiam, em tantas frentes de atuação, exigem-nos respostas a tantas vertentes que as questões pedagógicas são, por vezes, relegadas para segundo plano. Mas a escola é esta complexidade, das pessoas e das suas circunstâncias, da vida interna e do ambiente social a que ela dá resposta, bem como do inevitável processo de avaliação dos alunos, até em concorrência com outras escolas, numa sociedade cada vez mais competitiva, mas que nunca pode perder o sentido humanista. 7 Um dos objetivos mais prementes da nossa ideia de serviço educativo, prende-se com célere comunicação entre a escola e a família. Porque as pontes que se estabelecem entre parceiros também concorrem para o sucesso dos desígnios escolares. Logo, não nos satisfaz uma comunicação sobretudo unívoca, no sentido escola família, com passagem de informação burocrática, informações periódicas sobre aproveitamento e alertas de comportamento. A relação que se vive é tão mais complexa que seria imprudente não estar contemplada uma comunicação dilatada e multifacetada. Para a sua materialização, urge que os encarregados de educação e outras forças vivas da comunidade preencham, em pleno, o seu desiderato. A escola sem família e sem comunidade não chega para os desafios do nosso tempo. É importante reforçar a presença e a colaboração dos encarregados de educação nas Associações de Pais do Agrupamento. E interessa que estas Associações sejam, de facto, representativas dos desejos, das ambições, das inquietações e das soluções das famílias. Em parceria e cooperação, torna-se mais exequível cuidar a escola em todos os seus aspetos, desde os físicos aos humanos. São profícuos os compromissos que estabelecemos sobre a conservação dos espaços escolares, sobre a segurança na entrada e saída dos alunos, sobre as atividades que devem ser abertas às famílias, ou sobre os espaços que podem ser utilizados por todos. Importa que os pais se impliquem na vida da escola e que o façam empenhadamente ao longo do percurso académico dos seus educandos. É comum assinalar que os pais recém chegados são solícitos e empreendedores mas, este ímpeto vai se esfumando, à medida que os filhos vão crescendo. Se, por um lado, podemos ver neste afastamento um mérito nosso, pois distanciamo-nos porque confiamos, porque já contribuímos e sabemos que está bem entregue, por outro lado inquieta-nos, pois, por um lado, não queremos deixar de contar com quem acrescenta valor ao nosso trabalho, por outro, sentimos o quanto é importante para o sucesso que os nossos alunos sintam a atenção e empenhamento dos seus pais. Algumas dificuldades sentidas, residem na visibilidade e publicitação das mais-valias que temos na escola, as que fazem parte do quotidiano de alunos e professores e sobre as quais damos parco testemunho. Mais uma vez, o papel da comunidade pode ser aqui privilegiado, pois carecemos de apoios para clubes, projetos, núcleos e ações do desporto escolar; contando com estes, e fomentando a organização de mais e melhores atuações, ficaria sublinhado o papel da escola como referência no contexto social e cultural onde nos inserimos. Também transversal a todo o Agrupamento, é a noção de articulação vertical e horizontal, a nível pedagógico. O Agrupamento revê-se numa Unidade Orgânica e não num mero somatório de subsistemas. Assim, um fator chave para este significado é a articulação entre ciclos. Esta é

8 implementada naturalmente desde o pré-escolar, adquirindo uma expressão determinante no percurso dos nossos alunos. É no Jardim de Infância que se semeiam as noções de trabalho individual e coletivo, bem como o sentido de responsabilidade. Juntamente com informações sobre os alunos que vão passando pelos ciclos de ensino, vão estes preceitos que estruturam a vida académica das pessoas. A prática de reuniões entre a educadora de infância e a professora titular, aquando da passagem para o primeiro ciclo, e entre esta docente e a diretora de turma, ao ser iniciado o segundo ciclo, ou entre homólogos, no terceiro ciclo e no secundário, determinam uma comunicação profícua em prol dos alunos, com vantagens para professores e conselhos de turmas e benefícios para as famílias. Existe, se bem que ainda não interiorizada por todos os ciclos, uma articulação verdadeira e eficaz entre Departamentos. O compromisso que assumimos, no sentido de dotar os nossos alunos de aprendizagens significativas, compele-nos a inteirá-los de competências que, ao longo do seu percurso escolar, vão aperfeiçoando, aprofundando e gerindo, de forma cada vez mais autónoma e crítica. 8 Desde cedo que reforçamos a importância da língua e da matemática. Estes são dois saberes fundamentais e estruturantes. Sobre estes se definem as primeiras provas finais a que os alunos são sujeitos e sobre esta base se erguem os outros saberes. O domínio da nossa língua e a compreensão no campo da matemática são prioridades no âmbito da nossa valência pedagógica. Pela aferição dos resultados que, interna e externamente, temos alcançado, parece-nos que a opção tem sido a correta. Centralizamos o processo ensino aprendizagem nos alunos, interagindo com a sua individualidade, estimulando o potencial próprio de cada um e proporcionando-lhes, em alicerces seguros, aprendizagens vinculativas. Mesmo a parceria que temos com a Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, em regime articulado, sustenta a mesma visão de excelência. A aferição do que deve fazer-se é difundida por currículos e procedimentos. Relativamente aos primeiros, seguimos orientações superiores, nacionais, que, em contexto de departamento, são trabalhadas e planificadas, tendo em vista as metas a alcançar e o sucesso dos alunos. Neste contexto, a função das estruturas intermédias é fundamental, pois parte delas a determinação das estratégias a aplicar em prol de aprendizagens, que queremos sempre significativas e enriquecidas com outros recursos que possamos chamar à colação. Mesmo quando se torna difícil calendarizar, organizar e custear visitas de estudo, não deixamos de as sugerir, não colidindo com as aulas, não prejudicando os seus conteúdos, mas visando incrementá-los e proporcioná-los em espaços pedagogicamente corretos e com equipamentos adequados às exigências dos currículos. A autoavaliação destas práticas considera-se determinante para o constante desafio que é ensinar e, neste sentido, será revista a pertinência e qualidade dos processos e será feita a sua adequação quando necessária, tendo, sempre, como finalidade, a prossecução das aprendizagens e a global formação dos alunos. No que diz respeito à articulação de serviços e aos procedimentos, interessa-nos que todo o Agrupamento trabalhe sobre documentação semelhante, com as óbvias particularidades de ciclo, serviço ou função; que se paute por idêntica qualidade de ação; que utilize as mesmas ferramentas de comunicação; que siga trâmites idênticos na transmissão de informação; que tenha conhecimentos análogos sobre procedimentos transversais como, por exemplo, o Plano de Segurança das escolas. Temo-nos caracterizado pelo bom ambiente de trabalho e de profissionalismo. Importam-nos professores, alunos, pessoal operacional, administrativo, técnicos, encarregados de educação, famílias, parceiros da comunidade. Interessam-nos relações de respeito e cordialidade com todos os intervenientes no processo ensino-aprendizagem de cada um. Encaramos a escola como um microcosmos no qual está representada e é vivida a nossa sociedade. A segurança no cumprimento da função docente e social, a dignidade do trabalho de cada um na escola e a responsabilidade de todas as funções devem ser garante de um respeito saudável e construtivo da identidade do Agrupamento de Escolas de Miraflores. Importa que a postura dos professores, técnicos e

9 outros funcionários seja de molde a suscitar a confiança de quem nos procura, nomeadamente encarregados de educação, e a produzir, por parte destes, intervenções sérias, em sintonia com os princípios e objetivos da escola. Tomando por base a caracterização do Agrupamento, os pontos fracos enumerados, as experiências vivenciadas e a interpretação dos principais anseios da Comunidade Escolar e dos Encarregados de Educação, bem como o enquadramento normativo e políticas do Ministério de Educação e Ciência, desenvolvi o presente Projeto de Intervenção. 9

10 Projeto de Intervenção Diretor do Agrupamento de Escolas de Miraflores 10 Maria de Fátima Rodrigues

11 1.Introdução Sendo um documento orientador da visão da política educativa da escola, este Projeto de Intervenção (PI) pressupõe negociação e consenso na comunidade educativa e só fará sentido se tiver reflexos efetivos na vida da escola, mas apenas se as decisões curriculares a tomar tiverem como fundamento as ambições, as finalidades, os princípios orientadores, as opções e prioridades nele expressos. Só assim poderá funcionar como ponto de referência para a gestão e a tomada de decisões dos órgãos da escola e dos agentes educativos, garantindo a unidade de ação do agrupamento nas suas variadas dimensões, assegurando a coerência de toda a ação educativa e a existência de uma intencionalidade clara, e promovendo a congruência dos aspetos organizativos e administrativos com as opções educativas da escola. O Projeto Intervenção (PI) apresentado terá obrigatoriamente que ser um documento que permita que todos os agentes educativos lhe reconheçam uma visão estratégica da escola, possibilitando fazer opções e tomar decisões fundamentadas, em função das finalidades e prioridades nele estabelecidas. Pretende-se assumir um compromisso com todos os elementos da comunidade escolar, face aos princípios e aos valores educativos. Interessa-nos que as pessoas se revejam no projeto e nele se impliquem como coautores, pois estão espelhadas as suas aspirações. Este projeto deve traduzir-se não apenas pela melhoria dos resultados cognitivos, mas também pelo esforço, pelas atitudes face à escola e à aprendizagem, na sociabilidade e capacidade de trabalho em grupo, no espírito de iniciativa, na capacidade de tomar decisões e na aquisição prática de valores relacionados com a cidadania, com a liberdade e com o respeito pela diferença. Destes princípios genéricos enunciados, irão derivar objetivos concretos que se complementam num processo que serve de orientação ao trabalho de todos os intervenientes do processo educativo - alunos, professores, encarregados de educação e restante pessoal que presta funções no agrupamento. A concretização destas diretrizes, a sua funcionalidade e a sua eficácia contribuirão para avaliação do desempenho do diretor. Serão consideradas quatro áreas de intervenção tendo-se, no entanto, presente que estas áreas não são estanques e que se interligam umas com as outras, influenciando-se. Sobre estes domínios compromete-se a mesma Missão, define-se uma única Visão e propagam-se transversais Valores. Se bem que não tenha recorrido a tratamento de dados, nem ao lançamento de discussão orientada dentro dos grupos de trabalho, utilizamos, para a construção deste Projeto de Intervenção, os relatórios anuais dos professores titulares de turma e das salas de atividades, dos diretores de turma, dos departamentos, dos diferentes coordenadores de estabelecimento. Não foram esquecidos os pareceres dos Assistentes Operacionais, na pessoa da sua coordenadora, bem como dos Serviços Administrativos. Contribuíram para este projeto os pareceres das Associações de Pais do Agrupamento num total de três. Contámos também com os dados do Observatório Escolar constituído por docentes da Escola Secundária de Miraflores. Também foi objeto de reflexão, a análise comparativa dos resultados finais dos alunos dos diferentes ciclos de ensino, utilizando o trabalho realizado pela rede ESCXEL, que muito tem contribuído para o levantamento e reflexão dos resultados de exames e provas de aferição nos agrupamentos de Oeiras, fazendo com rigor a comparação entre os resultados internos e externos e obrigando a uma reflexão em cada grupo disciplinar para a elaboração de planos de melhoria. Não descurei o sentir do pulsar da escola nos protagonistas que lhe dão vida. Para além de todos os recursos formais lidos, analisados e estudados, interessa-me participar no quotidiano dos estabelecimentos, ver in loco como se agilizam processos, como se vivem recreios, bibliotecas e refeitórios, espaços e tempos que não estão fechados numa sala de aula, mas são abertos à convivência que também estrutura o dia-a-dia escolar e que o integra num tempo único de vida. Sinto que parto de uma condição extraordinariamente confortável, pois quanto mais perto estiverem as escolas, menos difícil será para uma direção encontrar uma estratégia pedagógica coerente. No entanto, mesmo que as estruturas intermédias funcionem, que a comunicação chegue a todos de forma rápida clara e exata, que todos os objetivos se cumpram, continuarei a sentir sempre a urgência de estar em todas e com todas as escolas, sempre em tempo real, testemunhar as semelhanças que demonstram e respeitar as particularidades que as distinguem. Manterei a necessidade de estar atenta ao que acontece todos os dias, seja rotineiro ou excecional, e este objetivo nunca será satisfeito, mais que não seja porque sinto este imenso desejo de conseguir atribuir um nome a cada rosto que faz a escola, de conhecer cada contributo, de reconhecer cada acréscimo qualitativo à realidade que partilhamos. Não me dou por satisfeita se não continuar a construir esta cumplicidade de escolas, sala de professores, 11

12 secretaria, bar, recreio e refeitório com a maioria dos elementos que passam pelas diferentes paredes. Porque se estas são inertes e estáticas, as pessoas que protegem são vida e movimento. E é esta dimensão dinâmica que sustenta o presente Projeto de Intervenção. 2. Missão, Visão e Valores Missão Formar jovens cidadãos, transmitindo conhecimentos e saberes facilitadores da sua inserção na sociedade, de maneira ativa, visando a competitividade do país e o bem-estar dos cidadãos. Visão Ser uma escola de qualidade onde o aluno aprende a ser, a conviver, a comunicar, a trabalhar e a valorizar a diversidade. Uma escola, onde se estimula a autonomia, a criatividade, a aquisição de estratégias inovadoras para explorar, descobrir e resolver problemas, integrando equipas de trabalho. Uma escola onde os valores sociais, humanos e ambientais constituem o eixo transversal das aprendizagens. Valores: O gosto de aprender incutir a aprendizagem em continuidade como fator de autorrealização e valorização individual. A cultura de trabalho necessária à apreensão e uso dos conhecimentos, bem como ao treino das capacidades. O trabalho em equipa fonte do desenvolvimento coletivo e da aprendizagem de sociabilização e prevenção de atitudes antissociais agressivas. Uma escola para todos pluralista, diversificada, integradora e multicultural. A formação integral - nas vertentes cognitiva, cultural, ambiental e humanista. A equidade garante de igualdade de oportunidades. A liberdade individual para que cada um possa desenvolver o seu projeto e as suas capacidades Áreas de intervenção 3.1. Gestão e Prática Pedagógica As exigências colocadas à escola obrigam continuamente à complexificação da sua estrutura interna e à diversificação das atribuições/responsabilidades dos docentes que as integram, questões a que é fundamental responder implementando estratégias, que sem pôr em causa o princípio da autonomia pedagógica, viabilizem as convergências necessárias a uma ação educativa eficaz. Relevam dos processos de avaliação institucional implementados na escola o potencial de trabalho cooperativo desenvolvido entre professores e a evidência de uma articulação profícua entre algumas estruturas educativas, aspetos que, de acordo com os mesmos dados, importa reforçar e generalizar a outras dimensões da organização pedagógica. É na articulação vertical e sistemática entre ciclos, expressa em reuniões para transmissão de informação sobre os alunos que vão transitar para o ciclo seguinte, que se irá esboçar uma estratégia de diagnose inicial proveitosa e capaz de definir linhas ação por forma a atuar o mais precocemente possível e integradas no Projeto educativo e operacionalizadas no projeto de turma. Os Departamentos Curriculares instituem-se como unidades orgânicas fundamentais à prossecução da atividade educativa -formativa. Não existindo isoladamente, é fundamental que cada Departamento, por iniciativa própria ou no seio das estruturas que integra, defina e concretize articulações com os demais, contribuindo dessa forma para soluções organizacionais e pedagógicas consensuais e eficazes. No presente contexto, a importância das estruturas de coordenação e do trabalho que desenvolvem, assume particular relevância nos seguintes domínios: Conselho Pedagógico Departamentos Curriculares / Grupos de Recrutamento

13 Direção de Turma/ Titulares de Turma e Áreas Curriculares Não Disciplinares Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos São também de extrema importância as estruturas intermédias que viabilizam processos e agilizam os meios para a sua concretização: Conselhos de Turma/ Conselhos de docentes (especificidade dos alunos, interesses, necessidades, interdisciplinaridade, Plano Turma e Plano de Trabalho da Turma) Conselhos de Grupo (decisão quanto às grandes opções curriculares) Conselhos de Coordenação (decisão quanto às formas de concretização dos objetivos anteriores numa perspetiva de conciliação da componente curricular definida e da especificidade do público envolvido). Não se pretende pôr em causa a cultura de avaliação e de mérito, mas sim defender uma conceção mais ampla de avaliação, que não a pensa como simples mensuração de resultados. 13 O diagnóstico de situações comprometedoras do desenvolvimento de aprendizagens significativas facilita o esboço e o incremento de estratégias de solução e prevenção perante o insucesso. O trabalho a montante sobre esta realidade possibilita obviar a dimensão da problemática ou mesmo excluí-la do percurso académico de alguns alunos. A finalidade da avaliação não deve ser apenas estabelecer uma seriação, mas também fornecer, sobre o processo pedagógico, informações que permitam aos agentes escolares decidir sobre as intervenções e redireccionamentos necessários em face do Projeto Educativo. Objetivos estratégicos: 1. Motivar os alunos para o sucesso escolar: 1.1. Realizar atividades conjuntas entre as várias escolas do agrupamento de caráter lúdico e competitivo; 1.2. Ocupar os tempos livres dos alunos com atividades de caráter desportivo, colaborativo e empreendedor; 1.3. Implementar o sistema de elearning em algumas disciplinas; 1.4. Implementar um sistema de classificação da Melhor Turma tendo por base o aproveitamento e o comportamento globais das turmas. A turma melhor classificada será premiada com a divulgação pública da classificação; 1.5. Instituir aulas / salas para desenvolvimento adicional, privilegiando os alunos que tenham o perfil rumo à excelência; 1.6. Constituir equipas pedagógicas homogéneas e com perfil adequado ao grupo /turma; 1.7. Reforçar o apoio socioeducativo no 1º ano de escolaridade; 1.8. Sinalizar e acompanhar alunos com fraco desempenho escolar utilizando e aperfeiçoando apoios, definindo mecanismos para esse acompanhamento, na prevenção de alunos em risco de abandono; 1.9. Implementar processo formal de identificação e encaminhamento de alunos que não se enquadrem no ensino regular; Recorrer à plataforma moodle para superar dificuldades através da execução de atividades extra; 2. Garantir o sucesso educativo, a melhoria das taxas de transição no ensino básico e secundário e os resultados nos exames nacionais: 2.1. Estabelecer processos de recolha e partilha de informação para a caracterização da população discente na formação de turmas desde o pré-escolar; 2.2.Reunir com o professor responsável pela turma a cada transição de ciclo; 2.3. Elaborar os horários de turma incluindo todas as atividades. Prever nos horários horas de trabalho/apoio para turmas sujeitas a exame nacional. Incluir em cada horário do 6º, 9º anos e

14 secundário salas de apoio a Matemática e Português com docentes pertencentes ao conselho de turma; 2.4. Ocupar o tempo escolar dos alunos com atividades de qualidade pedagógica, tendo em vista a melhoria do sucesso escolar e educativo; 2.5. Melhorar as taxas de transição e aprovação nos cursos do ensino secundário regular; 2.6. Melhorar as taxas de transição e aprovação no ensino básico; 2.7. Manter a taxa de abandono escolar dos alunos do ensino básico e secundário; 2.8. Monitorizar as práticas da Escola e acompanhar as medidas educativas aplicadas tendo em vista a melhoria do sucesso escolar e educativo identificando práticas letivas que careçam de correção; 2.9. Analisar os resultados dos exames nas disciplinas em que se verifique discrepância dos resultados entre a avaliação interna e externa; Gerir escolhas e opções no ensino secundário; Definir critérios exigentes na distribuição do serviço letivo: perfil científico e pedagógico do docente, continuidade pedagógica...não atribuição de turmas a docentes cujos resultados em anos de exame tenham sido abaixo das expectativas, bem como se pautem pelo absentismo. 3. Desenvolver o gosto pelo trabalho e pela excelência: 3.1. Estimular atitudes e comportamentos de respeito, responsabilidade e participação; 3.2. Dar continuidade ao Quadro de Mérito; 3.3. Divulgar os sucessos alcançados pelos alunos / turmas através de diferentes formas de comunicação interna e externa (Painéis informativos, página Web ). 4. Fomentar na comunidade escolar a prática sistemática de uma educação para os valores: 4.1. Desenvolver nas crianças e alunos normas de conduta social e cívica e o respeito pelo património cultural e ambiental; 4.2. Promover a integração na perspetiva da igualdade de oportunidades, desenvolver atividades que promovam a partilha e facilitem a integração/inclusão de alunos portadores de deficiência; 4.3. Criar um espaço de intervenção aquando de situações de indisciplina, com afetação de docentes a este; 4.4. Encorajar o pessoal não docente a assumir uma atitude ativa junto dos alunos na repreensão de comportamentos de indisciplina e ao desenvolvimento de competências sociais. 5. Envolver e responsabilizar todos os atores escolares na inventariação, decisão e resolução de problemas: 5.1. Dar autonomia responsável aos coordenadores de escola, e departamento valorizando o papel e a iniciativa das lideranças intermédias; 5.2. Aperfeiçoar e dar visibilidade à dinâmica dos diferentes grupos de coordenação (departamentos, grupos disciplinares) no tocante ao trabalho cooperativo, gestão dos currículos, produção de materiais pedagógicos e planeamento de atividades; 5.3. Garantir uma aplicação mais rigorosa do Regulamento Interno por todos os órgãos da escola. 6. Promover o rigor científico -pedagógico, a competência, a autonomia e a eficácia profissional: 6.1. Harmonizar o funcionamento interno dos Departamentos Curriculares; 6.2. Promover a articulação intra e interdepartamental nomeadamente do ponto de vista curricular, do planeamento das atividades letivas e da definição do Plano Anual de Atividades; 6.3. Implementar mecanismos de supervisão científica e didático-pedagógica; 6.4. Desenvolver processos consistentes e transparentes de avaliação do desempenho docente; 6.5. Sinalizar professores com dificuldades nos seus desempenhos; 6.6 Reconhecer docentes cujas praticas /atividades desenvolvidas valorizem o projeto educativo. 7. Investir nas TIC quer ao nível curricular quer ao nível educativo: 7.1. Promover o uso de tecnologias de informação e comunicação no processo de ensino aprendizagem; valorizar a utilização das novas tecnologias de forma a contribuir para a formação dos alunos, futuros intervenientes na sociedade da informação; 14

15 7.2.Fomentar a utilização de recursos TIC em Educação especial; 7.3. Incentivar a formação e a atualização de conhecimentos dos professores na área das TIC; 7.4. Incentivar todos os professores a disponibilizarem materiais educativos online; 7.5. Criar nos professores hábitos de consulta regular da legislação relevante e documentação interna na página da Escola (área reservada aos docentes); 7.6. Disponibilizar recursos para ações de divulgação e partilha de reflexões, práticas e experiências inovadoras. 8. Garantir a eficácia do grupo de educação especial: 8.1. Colaborar com os docentes e conselhos de turma na elaboração ou na atualização dos Programas Educativos Individuais, bem como na elaboração dos Planos Individuais de Transição para a vida pós-escolar; 8.2. Operacionalizar as medidas propostas nos Programas Educativos Individuais articulando com os professores do ensino regular, outros técnicos, Encarregados de Educação e outras instituições; 8.3. Conceber um instrumento de recolha de dados/caracterização dos alunos do pré-escolar e 1ºciclo que apresentem dificuldades específicas de aprendizagem; 8.4. Efetuar avaliações e reavaliações de alunos referenciados e de alunos em apoio Organização e Funcionamento O desempenho e sucesso da escola dependem cada vez mais das capacidades de organização e gestão, que perspetivem a sua ação de uma forma eficaz e eficiente através de uma rede de processos - chave interligados, devidamente compreendidos, partilhados por todos os atores escolares e geridos sistematicamente. Um dos alicerces da gestão está assente na qualidade dos recursos ao seu dispor, como tal a formação deverá ser encarada como um recurso, entre outros, ao serviço do ensino e da instituição educativa, favorecendo a aquisição, por parte dos atores educativos, de novas competências pedagógicas exigidas pela evolução do ensino e da sociedade em geral. A formação profissional dos atores escolares deve obedecer a uma lógica contextual, adaptativa e organizacional que responda à crescente complexidade e às mudanças descontínuas que hoje se colocam e se produzem na organização escolar, propiciando a aquisição de conhecimentos e competências capazes de legitimar a autonomia e a eficácia profissional. A formação deve capacitar para um trabalho profissional que terá de se desenvolver num território que engloba a sala de aula, a escola e a comunidade educativa onde aquela se insere, constituindo-se como o fulcro estruturante da produção de projetos coletivos de mudança/inovação centrados na escola. Um dos instrumentos de que se dispõem para melhorar a qualidade dos serviços prestados reside na Avaliação Organizacional. É importante que a escola tenha, numa base regular, a capacidade para monitorizar os seus processos, detetar as dificuldades dos alunos, dos professores, da organização e proporcionar os mecanismos de intervenção adequados. Constituem dimensões da avaliação organizacional o processo de educação e ensino dos alunos e os seus resultados académicos, a sua participação e espírito de cidadania, a mobilização e envolvimento dos docentes e não docentes, a capacidade de colocar a escola como elemento ativo e participante na comunidades e o envolvimento dos pais enquanto parte integrante do processo educativo. Objetivos estratégicos:

16 1. Reorganizar a gestão executiva e pedagógica para responder melhor às necessidades da comunidade escolar: 1.1. Reforçar a ação do Conselho Pedagógico na definição da orientação pedagógica da Escola e na promoção do sucesso educativo; 1.2. Dinamizar com o Conselho Pedagógico a implementação do Projeto Educativo do Agrupamento, Plano Anual de Atividades, Regulamento Interno do Agrupamento; 1.3. Incremento da utilização dos canais de comunicação interna e externa, melhorando o acesso à informação. 2. Melhorar a qualidade das práticas pedagógicas e dos fazeres profissionais através da formação contínua: 2.1. Diagnosticar necessidades de formação; 2.2. Estabelecer prioridades de formação; 2.3. Promover formação em contexto escolar; 2.4. Promover a formação do pessoal não docente como ferramenta de valorização. 3. Reorganizar os Serviços de Apoio Escolar para responder às necessidades dos seus destinatários: 3.1. Continuar a ação do SPO no apoio psicológico aos alunos; 3.2. Reforçar a ação do SPO na orientação escolar e profissional dos alunos; 3.3. Melhorar a ação da BE/CRE no apoio a toda a comunidade escolar; 3.4. Publicitar os Serviços de Apoio Escolar junto dos seus destinatários; 3.5. Aumentar a eficácia e a eficiência dos serviços do ASE. 4. Otimizar os serviços do pessoal não docente e melhorar a gestão administrativa e financeira: 4.1. Atribuição de tarefas e funções de acordo com o perfil do funcionário e as exigências da organização; 4.2. Elaborar um quadro de indicadores, a partir do programa CONTAB para acompanhamento da execução orçamental; 4.3. Racionalizar procedimentos de requisição através da gestão de stocks; 4.4. Gerar e gerir racionalmente as receitas próprias, diversificando as fontes de financiamento potenciando o contributo direto dos pais/encarregados de educação; 4.5. Implementação de uma politica de arquivo eficaz dos processos dos alunos, recorrendo à digitalização; 4.6. Implementar o uso de código de barras em todo o material inventariado (móveis e fundo documental). 5. Promover a avaliação periódica da Gestão Executiva e Pedagógica e dos Serviços de Apoio Escolar: 5.1. Desenvolver hábitos de auto e heteroavaliação; definição e análise de indicadores claros e estabelecimento de mecanismos de avaliação e acompanhamento dos mesmos. Efetuar levantamento periódico do nível de satisfação dos utentes; 5.2. Avaliação de resultados escolares a nível dos exames nacionais; Comparar resultados obtidos internamente com os obtidos nos exames nacionais; 5.3.Estabelecimento de práticas de comparação construtiva e partilha de boas práticas com outras escolas; 5.4. Refletir sobre os resultados da avaliação e agir em conformidade; 5.5.Utilização dos resultados da avaliação externa para implementar estratégias de melhoria. 6. Otimizar os instrumentos de gestão estratégica do Agrupamento: 6.1. Elaborar o Projeto Educativo de Agrupamento de acordo com a análise da realidade em que a escola se insere, identificando os pontos fortes e as áreas de melhoria; 6.2. Articular o Projeto Educativo de Agrupamento com outros documentos estruturantes, nomeadamente com o Plano de Melhoria; 6.3. Estabelecer metas e apostas anuais; 6.4. Definir claramente os objetivos do Plano de Turma, de acordo com o Projeto Educativo de Agrupamento, mantendo um formato flexível; 6.5. Simplificar o guião para a elaboração do Plano de Turma numa garantia de homogeneidade; 16

17 6.6. Maior participação do Conselho de Turma na construção do Plano de Turma; 6.7. Permitir o acesso permanente da equipa pedagógica a todos os documentos do Plano de Turma; 6.8. Incorporar obrigatoriamente competências transversais e comportamentais no Plano de Turma, enfatizando a transversalidade da língua portuguesa; 6.9. Definir de forma clara os objetivos e processos do Plano Anual de Atividades, de modo articulado com o Projeto Educativo e as metas de aprendizagem. 3.3 Comunidade Educativa A escola adquire protagonismo como lugar de aprendizagem mas também como instituição que educa as atitudes e comportamentos do aluno. A pressão exercida sobre a escola para suprir as dificuldades de acompanhamento por parte das famílias vem também exigir uma clarificação de papéis e relações, implicando soluções organizacionais condizentes. Nesta rede de direitos, deveres e responsabilidades entre a família e a escola, situa-se a necessidade de colaboração entre as duas instituições, visando melhorar a qualidade da escola e facilitar o desenvolvimento e sucesso escolar dos alunos. 17 A abertura da escola ao exterior implica o desenvolvimento de uma política de interligação com os contextos locais, regionais, nacionais e internacionais, territorializando a sua política educativa. Nesta área de intervenção a escola deverá aliar autonomia e interdependência, abertura e interação com entidades produtoras de iniciativas e projetos de carácter educativo e pedagógico, partilhando decisões com os representantes locais (parcerias), vinculando comunitariamente a sua política educativa, desenvolvendo e participando em iniciativas, atividades e projetos comuns com outras instituições - escolas, organizações de saúde, desportivas, de assistência social, de emprego e de formação profissional localmente situadas. A partilha entre a Escola e a Família de um mesmo referencial de aprendizagens, conhecimentos e sucesso e a corresponsabilidade sobre a formação intelectual e cívica dos educandos permite que as ações protagonizadas em contexto escolar se sintonizem com as expectativas familiares. Existe, pois, um compromisso com a verdade de cada aluno e um projeto de resultados consequentes. Objetivos estratégicos: 1. Envolver os pais/encarregados de educação no percurso escolar dos seus educandos: 1.1. Promover a participação voluntária das famílias, potenciando a sua adesão a programas de envolvimento na escola, quer individualmente, quer através da sua estrutura representativa; 1.2. Reforçar a relação entre a Escola e os Encarregados de Educação através da direção, dos Diretores de Turma, titulares de turma e outros intervenientes; 1.3. Envolver os Encarregados de Educação na realização de eventos culturais, desportivos e de solidariedade (exposições, feiras, colóquios, concertos ); 1.4. Motivar e envolver todos os pais e encarregados de educação para a importância e responsabilidade que lhes cabe no domínio da educação; 1.5. Incentivar nos Encarregados de Educação e alunos o hábito de consulta da informação útil para a comunidade educativa (horários dos alunos, manuais, menus da cantina, atividades previstas Desporto Escolar e demais informações disponíveis na área pública). 2. Estabelecer parcerias/relações com organismos na área geográfica do agrupamento: 2.1. Dinamizar o trabalho articulado com parceiros no âmbito da Formação (Centro de Formação de Escolas de Oeiras), da segurança (PSP - Escola Segura, Proteção Civil, CMO), da saúde (Centro de Saúde) da assistência social (CPCJ e J. Freguesia - NISA), do desporto, do ambiente e cultura locais (Rotary Club); 2.2. Estabelecer parcerias com outras instituições (empresas, faculdades ); 2.3. Reforçar a interação e partilha da informação e laços institucionais com os órgãos autárquicos; 2.3 Reforçar a interação e partilha de informação com o município.

18 3. Reforçar a interação do Agrupamento com o meio social, cultural e económico em que está inserido: 3.1. Fortalecer a participação e intervenção de todos os membros da comunidade escolar e educativa, com vista a incutir-lhes responsabilidades na vida escolar; 3.2. Promover atividades culturais, lúdicas e recreativas, que motivem a vinda à Escola dos pais e encarregados de educação e outros elementos da comunidade; 3.3. Motivar e envolver outros parceiros da área de influência pedagógica do Agrupamento para a importância da cooperação que deverá efetivamente existir, com vista à conceção e concretização do Projeto Educativo; 3.4. Divulgar, junto da comunidade, o trabalho desenvolvido no Agrupamento, promovendo a valorização da escola enquanto principal veículo e motor da Educação nos seus diferentes domínios; 3.5. Envolver e sensibilizar toda a comunidade educativa para as iniciativas levadas a efeito pelas Associações de Pais; 3.6. Fomentar o envolvimento da comunidade escolar e educativa no desenvolvimento de atitudes concertadas de defesa do meio ambiente; 3.7 Dar continuidade á politica de educação ambiental e para a saúde e alarga-la a todas as escolas do agrupamento dando-lhes visibilidade; 3.8. Envolver a comunidade na realização de eventos culturais e desportivos e de solidariedade (exposições, feiras, colóquios, concertos ); 3.9. Apresentar candidaturas ou dar continuidade a projetos locais, regionais, nacionais e da comunidade europeia (ex. ESCXEL Rede de Escolas para a Excelência) Instalações e Equipamentos As conhecidas possibilidades de comunicação online com os parceiros, os encarregados de educação e os demais atores, o trabalho colaborativo, a plataforma de aprendizagem e a própria condução social da comunidade no que toca especialmente à gestão de alunos, deverão continuar a ser alvo da criação, a prazo, de um sistema de informação integrado, de acordo com as diretivas tutelares. Urge promover a inovação nas suas vertentes pedagógica e organizacional, pelo que nesta medida, é fundamental potenciar as virtualidades da partilha de materiais, processos e produtos, entre todos. Sendo a Escola um local de efetiva permanência e de vivência contínua deve a mesma promover ações e atividades que melhorem a qualidade dos espaços, bem como as interações, potenciando a partilha, a coesão e a dimensão emocional e moral da organização escolar. Os espaços por onde nos movemos, por onde se materializa a função docente e por onde se agilizam as dinâmicas inerentes a uma escola são importantes para a qualidade do serviço que prestamos. Objetivos estratégicos: 1. Investir na inovação através do desenvolvimento das Tecnologias da Informação e Comunicação: 1.1. Efetuar um levantamento periódico das necessidades/ recursos ao nível de Grupos de docência / Departamentos /Escolas; 1.2. Proporcionar recursos tecnológicos de suporte à execução de tarefas pedagógicas e de gestão, otimizando a ação organizacional; 1.3. Manter o nível de operacionalidade de todo o equipamento informático disponível no Agrupamento e o número de pontos de acesso à rede interna e à internet; 1.4. Organizar formas de apoio no âmbito das novas Tecnologias de Informação e Comunicação; 1.5. Recuperar e zelar pelo equipamento informático existente. 2. Valorizar e humanizar as instalações e espaços existentes:

19 2.1. Zelar pela melhoria, conservação e valorização estética dos espaços (instalações sanitárias; reparação e pintura de pavilhões; colocação de sinalética e instalação de bebedouros); 2.2. Remodelar a secretaria escolar; 2.3. Testar o Plano de Emergência em todo o Agrupamento; 2.4. Adaptar funcionalmente os espaços às pessoas portadoras de deficiência física; 2.5. Melhorar os laboratórios de Físico-Química e de Ciências. 3. Responsabilizar a comunidade escolar pela preservação e melhoramento das instalações, espaços e equipamentos: 3.1. Promover iniciativas que estimulem a ligação da turma à sua sala de aula; 3.2.Desenvolver atividades com os alunos que os impliquem na valorização estética da Escola; 3.3. Reforçar o controlo sistemático do estado da sala de aula e seus equipamentos, após o final de cada aula; 3.5. Viabilizar o estacionamento seguro das viaturas dentro da escola sede; 3.6. Recuperação de espaços na escola sede para salas de aula; 3.7. Criar condições adequadas na escola sede para o funcionamento eficaz da sala de Unidade de Ensino Estruturado Conclusão Há compromissos que só são possíveis se delinearmos objetivos, estratégias e atividades cuidadosamente selecionadas, pois seguir numa direção obriga a fazer opções escolhendo umas e afastando outras, e das escolhidas, importa ainda priorizar, pois não é razoável nem produz frutos querer fazer tudo ao mesmo tempo, seguindo um sem número de direções. E os objetivos e as estratégias têm de ser partilhadas, vividas em conjunto, e no mínimo, aceitáveis e assumidas pela maioria de vós, pois só assim pode garantir-se a unidade de ação, a capaz de fazer a nora mover. Por isso partilhei o que considero serem os principais objetivos e estratégias, atividades e metas para o nosso Agrupamento, resultado de reflexão individual mas também depois de auscultar muitas das expectativas e receios, sugestões e anseios, desenganos e ideais, que temos na nossa escola. O desafio que lanço é que continuemos o trabalho começado no passado onde, ainda em embrião, obtivemos uma avaliação digna de mérito pela intervenção inspetiva, para que a consigamos alargar agora a mais uma unidade orgânica que viu os seu corpos docentes e discentes aumentarem para o dobro, pelo que temos de dobrar as expectativas, os anseios e a determinação para prosseguirmos. Que contribuamos coletivamente para pôr a nossa nora do conhecimento em movimento, para que, pela inevitabilidade do gradualismo reformista, tenhamos a motivação e a satisfação, pelo menos essa, de tornar a nossa escola melhor e promotora de jovens que cumpram um futuro digno. E então sentirmos todos razões para alguma íntima e partilhada satisfação.

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057. ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico AEC TIC@CIDADANA Proposta de Plano Anual 2012/2013 1. Introdução A Divisão

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

SDPA FAZ BALANÇO DO ARRANQUE DO ANO LETIVO 2015/2016 NOS AÇORES

SDPA FAZ BALANÇO DO ARRANQUE DO ANO LETIVO 2015/2016 NOS AÇORES Comunicado de Imprensa SDPA FAZ BALANÇO DO ARRANQUE DO ANO LETIVO 2015/2016 NOS AÇORES Aproveitando a data que marca o dealbar de mais um ano letivo na generalidade das escolas dos Açores o Sindicato Democrático

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais