PERFIL COMPETITIVO DAS REGIÕES DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL COMPETITIVO DAS REGIÕES DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE GOIÁS"

Transcrição

1

2 PERFIL COMPETITIVO DAS REGIÕES DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE GOIÁS 2

3 PERFIL COMPETITIVO DAS REGIÕES DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE GOIÁS GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS Alcides Rodrigues Filho SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO Oton Nascimento Júnior CHEFIA DE GABINETE Eduardo Rios Cardoso SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO Sulamita de Aquino Porto Mello e Cunha ELABORAÇÃO GERÊNCIA DE COMPETITIVIDADE E CADEIAS PRODUTIVAS Regina Beatriz Simon Yazigi (Gerente) Paulo Roberto Félix Machado APOIO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTATÍSTICA, PESQUISA E INFORMAÇÃO Lillian Maria Silva Prado (Superintendente) Maria de Fátima Mendonça Faleiro Rocha (Gerente) Alex Salvino Dias (arte capa) REVISÃO Paulo Luiz Lício MAPAS SECRETARIA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE GEOLOGIA E MINERAÇÃO Rejane Moreira da Silva SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO Praça Dr. Pedro Ludovico Teixeira, nº 3 - Centro CEP Goiânia - Goiás Tel: (62) Fax: (62) Internet: 3

4 SUMÁRIO Pág. INTRODUÇÃO...05 REGIÕES DE PLANEJAMENTO...05 O ESTADO DE GOIÁS REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA...18 REGIÃO CENTRO REGIÃO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL REGIÃO SUDOESTE REGIÃO NORTE...61 REGIÃO SUDESTE REGIÃO NORDESTE REGIÃO SUL...87 REGIÃO OESTE...95 REGIÃO NOROESTE

5 INTRODUÇÃO Goiás tem experimentado, nos últimos anos, elevado nível de desenvolvimento econômico e social, tanto quantitativa quanto qualitativamente, consolidando o crescimento dos vários setores produtivos e colocando-se em posição de destaque no ranking dos Estados brasileiros. Esse nível de desenvolvimento precisa alcançar todas as regiões do Estado de forma a promover igualdade de condições para competitividade produtiva, diminuindo as diferenças entre elas. O documento Perfil Competitivo das Regiões de Planejamento do Estado de Goiás foi elaborado com a finalidade de consolidar os dados existentes das regiões de planejamento do Estado, facilitar as pesquisas e dar suporte à elaboração de políticas públicas a serem implementadas, favorecendo os aspectos de competitividade, ressaltando as potencialidades e oportunidades de investimentos por parte do setor privado. Para a compilação foram utilizados dados secundários através da SEPIN - Superintendência de Estatística, Pesquisa e Informação da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento de Goiás, bem como dados primários coletados em vários municípios das diversas regiões. 5

6 AS REGIÕES DE PLANEJAMENTO Para fins de planejamento estratégico governamental, Goiás foi divido em 10 (dez) regiões de planejamento, segundo os critérios a seguir especificados e que são integrantes do PPA A Região do Entorno do Distrito Federal foi definida conforme o estabelecido na Lei de criação da Ride: Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno Lei Complementar (Constituição Federal) nº 94, de 19 de fevereiro de A Região Metropolitana de Goiânia (Grande Goiânia mais Região de Desenvolvimento Integrado) é definida pela Lei Complementar Estadual nº 27 de dezembro de 1999, modificada pela Lei Complementar Estadual nº 54 de 23 de maio de A Grande Goiânia compreende 13 municípios: Goiânia, Abadia de Goiás, Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Goianápolis, Goianira, Guapó, Hidrolândia, Nerópolis, Santo Antônio de Goiás, Senador Canedo e Trindade, a Região de Desenvolvimento Integrado é composta por 7 municípios: Bonfinópolis, Brazabrantes, Caldazinha, Caturaí, Inhumas, Nova Veneza e Terezópolis de Goiás. As regiões do Norte Goiano e do Nordeste Goiano, constantes no primeiro PPA ( ), foram delimitadas em função de sua homogeneidade em termos de condições socioeconômicas e espaciais e como estratégia de planejamento para investimentos governamentais tendo em vista minimizar os desequilíbrios regionais. As outras seis regiões foram definidas tendo como critério os principais eixos rodoviários do Estado. Todos os municípios cujas sedes utilizam o mesmo eixo rodoviário para o deslocamento à Capital do Estado foram considerados pertencentes a uma mesma região de planejamento. Região Norte Goiano Região Nordeste Goiano Região Centro Goiano Região do Entorno do Distrito Federal Região Noroeste Goiano DF Região Oeste Goiano Região Metropolitana de Goiânia Região Sudoeste Goiano Região Sudeste Região Sul Goiano Goiano 6

7 O ESTADO DE GOIÁS Goiás, um dos 26 estados brasileiros, está situado na região Centro-Oeste do País ocupando uma área de km². Sétimo estado em extensão territorial, Goiás tem posição geográfica privilegiada. Limita-se ao norte com o Estado do Tocantins, ao sul com Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, a leste com a Bahia e Minas Gerais e a oeste com Mato Grosso. Goiás possui 246 municípios. Goiânia, sua capital, é o núcleo polarizador da Região Metropolitana, aglomerado de 20 municípios que abriga mais de 2 milhões de habitantes. Apesar de sediar grandes indústrias, é o setor de serviços o pilar de sua economia. A capital é um centro de excelência em medicina e vem consolidando sua vocação para o turismo de negócios e eventos. Além de apresentar bons índices de qualidade de vida, acima da média nacional, Goiânia ostenta o título de cidade com a área urbana mais verde do País. Segundo seus aspectos físicos, possui 03 regiões hidrográficas (a Região Hidrográfica Tocantins / Araguaia, Região Hidrográfica do São Francisco e a Região Hidrográfica do Paraná). Seu solo é predominantemente do grupo Latossolo. Seu relevo é de baixa declividade em sua maior parte, formado por terras planas (chapadões). O clima do Estado possui duas estações bem definidas, um período chuvoso e outro com baixos índices pluviométricos e sua vegetação predominante é o cerrado. Quanto à demografia, a população de Goiás para o ano de 2008, segundo estimativa do IBGE, é de habitantes, sendo o estado mais populoso do Centro- Oeste. Goiânia é o município com a maior população seguido de Aparecida de Goiânia, Anápolis, Luziânia e Rio Verde. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2007 mostram que 89,52% residem na zona urbana e 10,48%, na zona rural. A população goiana é composta predominantemente por mulheres, representando 50,31% da população, contra 49,69% da masculina. O Estado apresentou taxa média geométrica de crescimento de 1,96% em Maior, portanto, que a nacional (1,39%) e menor do que a da Região Centro-Oeste (2,06%). A densidade demográfica do Estado é de 17,24 habitantes/km². A população goiana é constituída, em grande parte, por jovens (entre 15 e 39 anos) representando 42,82% da população, significando uma expressiva População Economicamente Ativa (PEA). Constata-se também que 9,15% da população são representados por pessoas de 60 anos ou mais. A razão de dependência - peso da população em idade potencialmente inativa (0 a 14 anos e 65 anos ou mais) sobre a população potencialmente ativa (15 a 64 anos de idade) - tem diminuído ao longo dos anos no Estado de Goiás, passando de 46,54% em 2006 para 45,44% em A relação idoso / criança por outro lado subiu de 22,27% em 2006 para 23,74% em 2007, significando que existiam praticamente 24 idosos para cada 100 crianças,índice que vem apresentando uma tendência ascendente. O eleitorado goiano é representado por cidadãos, segundo informações de maio de 2009, sendo que as mulheres são em maior número, 51,30%, tendência observada tanto em nível regional quanto nacional. 7

8 Dados Gerais do Estado de Goiás Área do Estado (km 2 ) ,698 Densidade demográfica (2009)(hab/km 2 ) 17,43 Número de municípios 246 População de Goiás (2009) População do Brasil (2009) Participação na população do Estado/Brasil (%) 3,09 IDH (2000) 0,745 Fonte: IBGE, Atlas de Desenvolvimento Humano Elaboração: SEPLAN-GO / SEPIN / Gerência de Estatística Socioeconômica Quanto aos aspectos econômicos, Goiás é a nona economia brasileira com um PIB de R$ 65,2 bilhões (2007) que representa 2,45% do PIB nacional. Sua renda per capita resultou em R$ ,00. Estimativas para o ano de 2008 apontam para um montante de R$ 70,8 bilhões. Nos últimos dez anos a economia goiana deu um salto de 46,21%, superior, portanto à média brasileira, 32,36%. O expressivo resultado se deve à evolução do agronegócio goiano como também do comércio. Produto Interno Bruto 2000/05/07 Valores Correntes (R$ milhão) Taxas de Crescimento (%) Ano Goiás Brasil Goiás Brasil ,01 4, ,18 3, ,47 6,09 Elaboração: Seplan-GO/Sepin/Gerência de Contas Regionais 2010 Produto Interno Bruto Per Capita- 2000/05/07 Taxas de Crescimento Ano Valores Correntes (R$) (%) 2000 Goiás Brasil Goiás Brasil ,77 2, ,11 1, ,03 7,70 Dentre os grandes setores de atividades econômicas, o de Serviços é o que predomina em Goiás, representando 62,01% da produção de riquezas. Neste setor podese ressaltar o comércio tanto o varejista como o atacadista, bastante dinâmicos, principalmente na capital, assim como as atividades imobiliárias. O setor industrial participa no PIB goiano em 26,97% e o agropecuário com 11,01%. 8

9 Embora tenha participação inferior, o setor agropecuário é de grande importância para a economia goiana, pois dele deriva a agroindústria, uma das atividades mais pujantes do Estado, quer seja na produção de carnes, derivados de leite e de soja, molhos de tomates e condimentos e outros itens da indústria alimentícia, como também na produção sucroalcooleira. SETORES ECONÔMICOS Agropecuária Maiores Economias - Goiás 2007 Município Valor do PIB (R$ Mil) Goiânia Anápolis Rio Verde Aparecida de Goiânia Catalão Senador Canedo Luziânia Itumbiara Jataí São Simão Total Participação no Estado (%) 60,17 Goiás Elaboração: Seplan-GO/Sepin/Gerência de Contas Regionais 2010 Apesar da crescente industrialização, a agropecuária continua sendo o carro chefe do desenvolvimento de Goiás. O Estado é o quarto produtor nacional de grãos. Sua produção, em torno de 13,3 milhões de toneladas representa 9% da produção nacional. A pauta agrícola, bastante diversificada, é composta por: soja, algodão, sorgo, milho, canade-açúcar, feijão, tomate, entre outros produtos. A pecuária goiana, altamente expressiva, posiciona o Estado entre os maiores produtores do País. O rebanho bovino, o 4º no ranking brasileiro, é formado por 20,5 milhões de cabeças, com participação de 10,12% no efetivo nacional. A avicultura está em franco desenvolvimento em Goiás, com a instalação de grandes aviários. O efetivo 9

10 avícola cresceu nos últimos 5 anos 32,87%, resultando em 47,7 milhões de cabeças, correspondendo a 3,94% do rebanho nacional. Produto Principais produtos agrícolas 2008 Quantidade Produzida (toneladas) Participação Goiás / Brasil (%) Cana-de-açúcar ,11 Soja ,02 Milho ,69 Tomate ,69 Sorgo ,01 Algodão ,18 Feijão ,45 Abacaxi ,14 Alho ,51 Fonte: IBGE Elaboração: SEPLAN-GO / SEPIN / Gerência de Estatística Socioeconômica Indústria Goiás está na vanguarda da indústria nacional de alimentos, mineração, fármacos, fabricação de automóveis e álcool. É um dos estados líderes no ranking nacional da produção de commodities minerais e agrícolas e de medicamentos genéricos. Está também inserido na geografia da indústria automotiva mundial, com duas montadoras de veículos e uma de máquinas agrícolas - a indústria automotiva goiana já participa em 7% da indústria automotiva brasileira. O Estado está a caminho de se tornar um dos líderes nacionais na produção de etanol. Goiás deve fechar o ano de 2009 com produção de 2,68 bilhões de litros de álcool. A produção de açúcar no Estado deverá alcançar 1,738 milhão de toneladas, em Atualmente são 36 usinas de álcool e açúcar em atividade e há pelo menos mais 13 usinas em processo de implantação em Goiás. A indústria da mineração em Goiás é bastante diversificada, apresentando segmentos modernos e gestão similar às das grandes corporações internacionais, ajustando-se ao cenário da economia global. São sete polos distribuídos pelo Estado, com produção de cobre, ouro, cobalto, níquel, nióbio, fosfato e vermiculita que ocupam posições importantes na cadeia produtiva nacional. O valor da transformação industrial de Goiás resultou em R$ 11,3 bilhões em Na estrutura industrial do Estado predominam os segmentos de alimentos e bebidas, 10

11 beneficiamento de minérios e montagem de veículos e máquinas agrícolas, responsáveis por 73% da indústria de transformação goiana. Estrutura da Indústria Goiana Participação das principais atividades industriais, 2002 e 2007 (%) Atividades Indústria Extrativa 7,9 11,3 Indústria de Transformação 92,1 88,7 Indústria alimentícia e de bebidas 51,2 33,5 Indústria química (adubos e fertilizantes) 2,0 4,3 Indústria farmacêutica 3,8 4,0 Indústria automotiva e de máquinas agrícolas 1,8 16,4 Indústria alcooleira 3,4 4,4 Indústria da mineração (beneficiamento de minérios) 17,0 23,2 Outras 20,9 14,2 Fonte: IBGE Fonte:DNPM COMÉRCIO EXTERIOR Goiás tem apresentado nos últimos anos boa performance exportadora. O volume de negócios chegou a US$ 3,6 bilhões em Há cinco anos era de US$ 1,1 bilhão. As importações apresentaram também grande salto no mesmo período, resultando em US$ 2,8 bilhões. A pauta exportadora reflete as vantagens competitivas de Goiás em recursos naturais, estando concentrada em produtos básicos, sobretudo commodities agrícolas e minerais: complexos soja e carne, milho, cobre e ferroligas entre outros. China, Países Baixos e Rússia são os principais mercados dos produtos goianos. Os produtos importados vêm principalmente da Coréia do Sul, Estados Unidos e Japão, 11

12 pois grande parte das compras é composta de itens para as montadoras de veículos e máquinas agrícolas e insumos para as indústrias farmacêuticas e de fertilizantes instaladas no Estado. Em 2009, Goiás comercializou com 151 países. Principais produtos exportados - Goiás 2009 Produtos US$ FOB (em milhão) Part (%) Complexo soja 1.520,007 42,05 Complexo carne 830,714 22,98 Carne bovina 477,018 13,20 Carne avícola 249,466 6,90 Outras carnes 104,229 2,88 Sulfetos de cobre 331,840 9,18 Ferroligas 234,964 6,50 Ouro 148,534 4,11 Açúcares 105,601 2,92 Amianto 78,188 2,16 Demais produtos 365,112 10,10 TOTAL 3.614, ,00 Fonte: MDIC - Elaboração: Seplan-GO / Sepin Principais produtos importados - Goiás Produtos US$ FOB (em milhão) Part (%) Automóveis, tratores, partes/peças 1.241,793 43,53 Produtos farmacêuticos 456,436 16,00 Máquinas, aparelhos mecânicos 364,008 12,76 Adubos e fertilizantes 216,236 7,58 Produtos químicos orgânicos 146,345 5,13 Máquinas e aparelhos elétricos 109,259 3,83 Instrumentos/aparelhos ótica/to 48,211 1,69 Demais produtos 270,438 9,48 TOTAL 2.852, ,00 Fonte: MDIC Elaboração: Seplan-GO / Sepin Fonte: MDIC Elaboração: Seplan-GO / Sepin

13 Exportação Importação Fonte: MDIC Elaboração: SEPLAN-GO / SEPIN / Gerência de Estatística Socioeconômica 2010 INFRAESTRUTURA Rodovias A malha rodoviária goiana é composta de 24,8 mil km de rodovias dos quais, 51% são pavimentados. As principais rodovias federais do Estado são a BR-153 que atravessa toda extensão do Estado e liga o norte ao sul do País, a BR-060, que liga Goiânia a Brasília e ao sudoeste goiano e a BR-050, que liga o Distrito Federal ao sul do Brasil. Das 246 sedes municipais existentes em Goiás somente 6 não estão ainda ligadas por rodovia asfaltada. Ferrovias Goiás dispõe de 685 km da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) que atende a região do sudeste do Estado e o Distrito Federal. A Ferrovia Norte-Sul, em construção, já tem 280 km de trecho goiano efetivamente em obras. O término de trecho da divisa do Tocantins com a cidade de Anápolis está previsto para este ano de Com o papel fundamental de mudar o perfil econômico do Brasil Central, a Norte-Sul terá em território goiano 991 km, atravessará as regiões norte e central e o pujante sudoeste do Estado de Goiás. Porto de São Simão A Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná inicia-se no Porto de São Simão favorecendo de forma econômica e segura o escoamento de parte da produção goiana de grãos. O Complexo Portuário de São Simão, localizado à margem direita do rio Paranaíba no sul de Goiás, é composto por quatro empresas que transportam soja, farelo de soja e milho. Portanto, por este porto passa boa parte dos produtos que predominam na pauta goiana de exportação. As mercadorias saem de São Simão, chegam a Perdeneiras ou Anhembi-SP. Das barcas, os grãos são transferidos para vagões que seguem para o Porto de Santos. O complexo possui capacidade de armazenagem total, somando todos os terminais, de t e capacidade operacional total de t/hora. 13

14 Estação Aduaneira Interior Porto Seco de Anápolis O Porto Seco Centro Oeste S/A é um terminal alfandegado de uso público destinado à armazenagem e à movimentação de mercadorias importadas ou destinadas à exportação, sendo utilizado como facilitador das operações de comércio exterior. Atende aos setores de agricultura, siderurgia, construção e farmoquímicos; produtos florestais e minerais; bens de consumo (alimentos, bebidas e têxtil) e bens duráveis (automobilístico e eletroeletrônico), entre outros. Pelo porto Seco passam cerca de toneladas de carga/mês. A localização do Porto Seco é a melhor de todo o interior brasileiro, em se tratando de logística. Ele está situado na cidade de Anápolis-GO, considerada o "Trevo do Brasil" pela facilidade natural de integração aos demais centros consumidores do País. Distante 55 km de Goiânia e 154 km de Brasília, além do fácil acesso rodoviário o Porto Seco Centro-Oeste dispõe de ramal ferroviário (Ferrovia Centro-Atlântica-FCA). Por associar os modais rodoviário e ferroviário, pelo Porto Seco de Anápolis podem ser transportados os mais diversos tipos de cargas, interligando todo o mercado do Centro-Oeste a outros pontos do País. Plataforma Logística Multimodal de Goiás A Plataforma Logística Multimodal de Goiás, em fase de implantação em Anápolis, irá consolidar a cidade em um dos principais centros distribuidores do País. Orçada em R$ 250 milhões e contando com a participação da iniciativa privada, a implantação do projeto será realizada em quatro etapas abrangendo uma área de 618 hectares. O projeto global prevê terminais de frete aéreo, aeroporto internacional de cargas, polo de serviços e administração, centro de carga rodoviária e terminal de carga ferroviária. A área da primeira etapa do projeto já foi dotada de infraestrutura (pavimentação, drenagem, instalação de serviços de água, energia elétrica e telefonia) para começar a receber as empresas de logística e distribuição. A Plataforma está localizada em entroncamento rodoviário, em área contígua ao Distrito Agroindustrial de Anápolis-DAIA, o maior do Estado, e ao Porto Seco Centro- Oeste. O empreendimento terá ligações com duas ferrovias, a Centro-Atlântica e o quilômetro zero da Ferrovia Norte-Sul. Quando em funcionamento, a Plataforma Logística combinará multimodalidade, telemática e otimização de fretes, promovendo assim o conceito de central de inteligência logística. Energia O Estado de Goiás possui atualmente 59 empreendimentos geradores de energia elétrica, que, somados geram MW de potência. Desse total, 95% são gerados por usinas hidrelétricas, 4% por usina termelétrica e 1% pelas PCHs. Estão em construção outros 41 novos empreendimentos de geração de energia com potência total de 2.925MW. As condições topo-hidrológicas do Estado de Goiás são extremamente 14

15 favoráveis à implantação de usinas hidrelétricas. O potencial hidrelétrico a explorar no Estado é superior a MW. 15

16 INCENTIVOS FISCAIS E FINANCEIROS O Programa de Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (Produzir) foi criado para contribuir com a expansão, modernização e diversificação do setor industrial de Goiás, estimulando a realização de investimentos, a renovação tecnológica e o aumento da competitividade estadual. Propicia a redução do custo de produção da empresa, através do financiamento de até 73% do ICMS devido pelo período de até 15 anos. O Produzir conta com as seguintes versões: Microproduzir (incentivo às microempresas), Teleproduzir (incentivo à implantação de call-centers), Centroproduzir (incentivo à instalação de centrais únicas de distribuição), Logproduzir (incentivo às empresas operadoras de logística) e Comexproduzir (Incentivo às operações de comércio exterior) Além desses programas de incentivo, Goiás conta ainda com recursos do Fundo Constitucional do Centro Oeste (FCO). O FCO foi criado em 1988 com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Centro-Oeste brasileiro. O aporte permanente dos recursos do Fundo, pela União, (29% para Goiás, 29% para Mato Grosso, 23% para Mato Grosso do Sul e 19% para o Distrito Federal) possibilita financiamentos de longo prazo para os setores econômicos, gerando novas perspectivas de investimentos para o empresariado comprometido com a dinamização da economia regional. MEIO AMBIENTE O território goiano é coberto predominantemente pelo tipo de vegetação escassa do cerrado, com árvores e arbustos de galhos tortuosos, cascas grossas, folhas cobertas por pêlos e raízes muito profundas. O Cerrado cobria em torno de 70% do território goiano. Segundo maior bioma brasileiro e da América do Sul, depois da Amazônia, o cerrado concentra 1/3 da biodiversidade nacional e 5% da flora e da fauna mundiais. A flora do cerrado é considerada a mais rica savana do mundo e estima-se que entre a espécies habitam esta região. O bioma foi classificado como uma das 25 áreas prioritárias mundiais para conservação da biodiversidade Goiás possui características peculiares em relação à sua hidrografia. Seus rios alimentam três importantes Regiões Hidrográficas do País (Araguaia/ Tocantins, São Francisco e Paraná). A rede de drenagens é densa e constituída de rios de médio e grande porte, contudo a navegabilidade é, em parte, prejudicada pelo grande número de cachoeiras e corredeiras. Os lagos artificiais representam 1,6% do território goiano e são em número de oito sendo que o Lago de Serra da Mesa, formado pelo represamento do Rio Tocantins, é o quinto maior lago do Brasil em área alagada, Km², e o primeiro em volume d água, 54 bilhões de m³. Em torno de 5% do território goiano estão demarcados com unidades de conservação ambiental: Dois parques nacionais: das Emas e Chapada dos Veadeiros; Cinco áreas definidas como parques estaduais, onde se destacam o Parque da Serra de Caldas Novas e o Parque de Terra Ronca, além de inúmeras outras unidades de proteção ambiental. 16

17 EDUCAÇÃO SUPERIOR A rede atual de instituições públicas e privadas de ensino existente no Estado de Goiás oferece condições adequadas para a qualificação de mão de obra técnica, tanto de nível médio, como de nível superior, destacando-se: a Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) com 8 campi, 6 instituições municipais, distribuídos em várias regiões do Estado, além das instituições privadas de ensino superior com 70 estabelecimentos. TURISMO O turismo em Goiás está ancorado em suas belezas naturais proporcionadas pela fauna e flora exuberantes do cerrado, belas cachoeiras, serras, rios e chapadas, como também no reconhecido patrimônio histórico, com tradições culturais altamente representativas e culinária rica e saborosa. São nove as regiões que dividem Goiás numa verdadeira rota de descobrimentos, aventuras, descanso e muita diversão, dentre as quais se destacam: Região Agro-ecológica - compreende o Parque Nacional das Emas - Sítio Natural do Patrimônio Mundial e Reserva da Biosfera do Pantanal, reconhecidos pela UNESCO. Região Vale do Araguaia - este rio vem se tornando um dos melhores polos de ecoturismo, lazer, pesca esportiva e camping do País. Os portões de entrada para o rio são as cidades de Aragarças, Aruanã e as vilas de Bandeirantes e Luís Alves. Região do Ouro - compreendendo as cidades de Pirenópolis (Patrimônio Histórico Nacional), Corumbá de Goiás (Sítio Histórico Estadual), Cidade de Goiás (Sítio Histórico do Patrimônio Mundial) e o Parque Estadual da Serra dos Pirineus. Região das Águas - A maior fonte de águas termais do mundo, com temperaturas que variam de 30º a 57ºC e comprovada capacidade terapêutica, está localizada em Caldas Novas e Rio Quente, municípios que abrigam o maior complexo hoteleiro de Goiás. 17

18 REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA 18

19 REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA A Região Metropolitana de Goiânia é definida pela Lei Complementar Estadual nº 27 de dezembro de 1999 e alterações posteriores. A Grande Goiânia compreende 12 municípios e sua Região de Desenvolvimento Integrado é composta por mais 8, totalizando 20 municípios que ocupam 7.397,203 km², correspondendo a 2,17% do território goiano. Municípios da Região Metropolitana de Goiânia Abadia de Goiás Goianira Aparecida de Goiânia Guapó Aragoiânia Hidrolândia Bela Vista de Goiás Inhumas Bonfinópolis Nerópolis Brazabrantes Nova Veneza Caldazinha Santo Antônio de Goiás Caturaí Senador Canedo Goianápolis Terezópolis de Goiás Goiânia Trindade Área Total ( km²) Região Metropolitana ,17% Goiás Nº de Municípios Região Metropolitana 20 8,13% Goiás 246 O espaço metropolitano de Goiânia é extenso e compõe-se de territórios heterogêneos, principalmente com relação aos aspectos socioeconômicos-territoriais. A população da Região Metropolitana cresce em função do poder de atração que a capital do Estado exerce, devido às ofertas de serviços e possibilidades de trabalho, tanto no setor formal quanto no setor informal da economia. As principais vantagens competitivas e potencialidades da região metropolitana decorrem do fato de: - Ser centro de influência regional; - Ter localização geográfica estratégica; - Possuir base econômica diversificada; - Capacidade de geração de emprego; - Ser polo universitário; - Ter descentralização industrial e, - Possuir infraestrutura para transporte de cargas. Uma grande potencialidade existente é o fato de a região pertencer ao eixo econômico Goiânia-Anápolis-Brasília, que apresenta espaços urbanos dotados de 19

20 infraestrutura suficiente e outros fatores de competitividade econômica, sendo o principal deles o de se constituir num dos maiores e mais dinâmicos centros de consumo do país. INFRAESTRUTURA A Região Metropolitana é cortada por eixos rodoviários de fundamental importância, como a rodovia BR-153 que integra o Norte ao Sul do País, a BR-060 que liga Goiânia ao Distrito Federal e ao Estado do Mato Grosso. Apesar do transporte ferroviário pouco utilizado no Estado, um trecho de ferrovia interliga a capital Goiânia ao Sudeste Goiano, a partir de Senador Canedo, cidade que possui grandes distribuidoras petrolíferas e abatedouros de grande porte. Outro transporte importante para a região é o poliduto da Transpetro, Paulínia-Goiânia-Brasília, que fornece quase todo o combustível a granel (cerca de 90%) para o Centro-Oeste. Encontra-se no orçamento de 2009 do Governo Federal a construção do Alcoolduto que liga os municípios de Senador Canedo (GO) e Paulínia (SP), com extensão de km e um custo aproximado de US$ 1 bilhão. O objetivo é escoar a produção de etanol da região Centro-Oeste, passando pela cidade mineira de Uberaba e as paulistas, Ribeirão Preto e Guararema. Dessa última, o duto seguirá para São Sebastião, no litoral Norte de São Paulo, e daí para o terminal de Ilha d'água, no Rio de Janeiro. Existe na região uma boa infraestrutura de comunicação, através de telefonia fixa e móvel, e as maiores cidades contam com modernas infovias. A Região Metropolitana conta com 02 aeroportos em Goiânia, sendo o mais movimentado o Santa Genoveva, e vários aeródromos. Consome 3.036,3 megawatts (MW) de energia elétrica, cerca de 33,05% do consumo do Estado. USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Combustível Classe Combustível Aruanã - Termoelétricas S/A (1) 53,6 Goiânia Óleo Diesel Fóssil Coniexpress 3,6 Nerópolis Óleo Diesell Fóssil Centroalcool S/A 3,4 Inhumas Bagaço de Biomassa Cana Wal Mart Combo 1,0 Goiânia Óleo Diesel Fóssil Cia Brasileira de Bebibas - Filial Óleo Diesel Fóssil 0,6 Goiânia Goiânia Aeroporto Santa Genoveva 0,4 Goiânia Óleo Diesel Fóssil Total: 06 Usinas Potência Total : 62,6 MW 20

21 Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total da RMG (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Metropolitana de Goiânia é de 294,81 habitantes por quilômetro quadrado, enquanto a estadual é de 17, Evolução do Crescimento Populacional O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Aparecida de Goiânia, com 4,94% e o município com a menor taxa é Guapó com 0,10%. A capital Goiânia teve no período um crescimento de 1,85%. População % Região Metropolitana ,64% Goiás A cidade mais populosa da região é a capital, Goiânia, que possui 1,2 milhão de habitantes, representando 22,04% da população do Estado. O segundo município mais populoso é Aparecida de Goiânia com habitantes. 21

22 Ranking dos dez maiores municípios em população Goiânia Aparecida de Goiânia Trindade Senador Canedo Inhumas Goianira Bela Vista de Goiás Nerópolis Hidrolândia Guapó ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB da Região Metropolitana de Goiânia, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 4,7 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. A região Metropolitana de Goiânia tinha participação, em 2002, de 37,51% do PIB goiano e subiu para 39,36% em Os municípios que mais contribuíram para o ganho de participação foram: Goiânia, Aparecida de Goiânia, Trindade e Senador Canedo, impulsionados pelo setor de serviços, com destaque para a atividade de comércio, intermediação financeira e serviços de informação Evolução do PIB da Região Metropolitana de Goiânia Estrutura Percentual do PIB da Região Metropolitana de Goiânia 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 39,36 4,50 28,77 47,23 Em 2008, os rebanhos da Região Metropolitana participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 3,36% do rebanho bovino, 5,34% do rebanho suíno e 22

23 11,31 % do rebanho avícola. A região possui o terceiro maior rebanho avícola em relação ao Estado. A produção leiteira correspondeu a 6,85% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 0,8% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve queda na produção agrícola de 5,7%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,36 10º Aves (cab) ,31 3º Suinos (cab) ,34 7º Leite (lt) ,85 8º Grãos (t) ,84 10º O ICMS arrecadado na Região Metropolitana de Goiânia correspondeu em 2008 a 58,51% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 29,47% contra 37,24% do crescimento do Estado. Goiânia e Senador Canedo são os municípios que mais arrecadam ICMS no Estado. Arrecadação de ICMS (R$ mil) A Região Metropolitana possui estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. Goiânia e Trindade fazem parte do Polo de Confecções e Senador Canedo e região do Vale do Meia Ponte do Polo Coureiro/ Calçadista. 23

24 Polos de Economia da Região Metropolitana de Goiânia Polo Farmacêutico Goiânia Polo de Confecções Goiânia, Trindade, Aparecida de Goiânia e Inhumas Polo Aparecida de Coureiro/Calçadista Goiânia, Goiânia, Goianira, Inhumas, Trindade Polo de indústria do Aparecida de mobiliário Goiânia, Goiânia Polo de comércio Goiânia Polo de Serviços e Goiânia Educação Polo de Saúde Goiânia Polo de turismo de negócios Polo de cosméticos Goiânia Aparecida de Goiânia A Região Metropolitana de Goiânia possui 04 municípios-polo de confecções: Goiânia, Trindade, Aparecida de Goiânia e Inhumas. Com investimentos em tecnologia, o setor vem ampliando, diversificando e verticalizando a produção. As exportações decresceram de 2007 para 2008 em 14,2%, principalmente em relação à carne em Senador Canedo e leite em Bela Vista. Evolução das Exportações na RMG (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA APARECIDA DE GOIÂNIA - Possui localização estratégica, situada na Região Metropolitana de Goiânia e a 70 km de Anápolis e 210 km de Brasília, tornando-se um 24

25 polo estratégico para investimentos na industrialização, na distribuição de produtos e no atendimento de importantes mercados consumidores, sendo Goiânia o principal centro consumidor de seus produtos industrializados. O Município conta com 4 polos industriais: o DIMAG Distrito Industrial Municipal de Aparecida de Goiânia, o DAIAG Distrito Agroindustrial de Aparecida de Goiânia, com 4 milhões de metros quadrados; Polo Empresarial Goiás; Parque Industrial de Aparecida de Goiânia e a Cidade Empresarial. Nos polos estão instaladas empresas que fabricam desde peças de veículos, material de limpeza, alimentação e equipamentos hospitalares. A maioria delas implantou-se nos últimos 5 anos, quando o município passou a doar terrenos. Segundo a Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia, o DAIAG conta com 30 empresas em funcionamento; o DIMAG com 50 empresas e o Polo Empresarial Goiás com 130. O Parque Industrial conta com 60 empresas que receberam terrenos da prefeitura e a Cidade Empresarial tem 70 empresas com obras em andamento, sendo que esta já possui, aproximadamente, 250 empresas de serviços e de tecnologia. SENADOR CANEDO - É o 5º município mais competitivo do Estado. Em 2008, registrou a segunda maior arrecadação de ICMS em Goiás, tendo o setor de combustíveis como seu principal gerador de receitas. Isso graças ao Polo Petroquímico, com implantação da Petrobrás, que conta com outras grandes empresas do ramo. São 40 distribuidoras de combustíveis, três distribuidores de Gás Liquefeito de Petróleo e 10 transportadoras que, juntas, geram uma grande demanda por serviços aumentando o efeito multiplicador da economia do município. O Centro Distribuidor de Combustível (Transpetro), instalado em Senador Canedo, atende ao mercado do Centro-Oeste fornecendo combustíveis às grandes distribuidoras como Shell, Texaco, Agip, Ipiranga e BR. Para atrair empresas e indústrias para o município, Senador Canedo possui atualmente dois distritos industriais em parceria com o governo do Estado de Goiás: Distrito Agroindustrial de Senador Canedo - DASC - (antigo polo coureiro) com empresas como Jaepel, Active, Rio Granito, Foliar, Reciclo, Ferroart; e outras em implantação como Centro Oeste Ambiental, Adubos Macromax, Sigma Eletromecânica; e o Distrito Industrial de Senador Canedo -DISC- (Polo Confeccionista) com empresas como Duparma, Supleforma e Nativa. Além desses, outros quatro sob responsabilidade municipal estão em fase de implantação, quais sejam: Distrito Industrial Nova Canaã, que já tem na espera a empresa Biotec Farmacêutica para inicio das obras e que prevê gerar 150 empregos, bem como outras da área de confecção; Distrito Industrial Monte Horebe com 05 empresas em construção (QG pastéis, Marca Estofados, Real Cadeiras, entre outras); Distrito Industrial Cruzeiro do Sul com 13 empresas já implantadas - como Só Luvas, Simons Cozinhas, Arte Brilho, Kárita Confecções, Móveis Carvalho e outras em construção; Distrito Industrial Santa Edwirges em fase de implantação e que já conta com a construção de uma empresa - Iury Industria de Pré-Moldados. 25

26 TRINDADE O município é uma das forças do Estado no setor de confecções, atividade que Goiás ocupa o sétimo lugar no ranking nacional. O polo de confecções tem oscilado em termos de emprego e faturamento por conta da crise de 2008, taxa de câmbio e concorrência com a China. Mas só no seu Arranjo Produtivo Local (APL) de confecções a estimativa é de que pessoas estejam trabalhando em aproximadamente 100 empresas (predominantemente micro e pequenas). No geral estima-se que pessoas e 300 empresas estejam ligadas a confecções. Isso tudo, junto com o aumento da oferta de vagas no ensino superior, colocou o município novamente entre os 15 mais competitivos (15ª colocação). Essa força no desenvolvimento de Trindade como polo de confecções se dá em decorrência de seu posicionamento estratégico, abundância de mão de obra, e incentivos para o desenvolvimento das atividades no setor. Além do setor confeccionista, Trindade se destaca na produção de bebidas sendo a Refrescos Bandeirantes (Rebic) empresa do grupo José Alves operador da marca Coca- Cola - junto com a Cervejaria Imperial são os principais representantes do setor. Outro destaque é a Cervejaria Imperial que produz sucos, refrigerantes, cervejas, bebidas mistas, água e energéticos. Também, o município compõe a Região de Negócios e Eventos em Goiás que receberá benefícios com 13 grandes obras e investimentos, a serem feitos pelo poder público, via Programa Nacional de Desenvolvimento Turístico-Prodetur, que concluiu o Plano de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável-PDITS. Para Trindade, o plano prevê investimentos na rota do Divino Pai Eterno. O Turismo religioso é forte em Trindade, considerada a capital católica do Estado. A festa do Divino Pai Eterno atrai milhares de pessoas ao município. GOIANIRA - Sua localização a apenas a 22 km de Goiânia faz da cidade um potencial para se tornar um grande parque industrial e/ou agroindustrial. Um incentivo para isso foi a concretização do Distrito Agroindustrial de Goianira, com as obras do Polo Calçadista que estendeu a cadeia produtiva do couro bovino no Estado. Essa infaestrutura e a dinâmica criada na sua economia fez o município ganhar em potencial de crescimento. O Governo de Goiás vem, há alguns anos, investindo na implantação do Polo Calçadista de Goianira, localizado no Distrito Agroindustrial de Goianira sendo que hoje já está com toda infraestrutura implantada. Com o objetivo de aumentar sua presença no mercado o Arranjo Produtivo chegou a ter um orçamento de R$ 4,5 milhões e desenvolveu ações planejadas com o objetivo de aumentar a produção de pares de calçados na ordem de 5% em 2008, 10% em 2009 e 10% em Ainda, instituições como Sindicalce, Sebrae e o SENAI juntamente com as universidades e instituições de crédito como o BNDES, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil vêm apoiando o desenvolvimento do APL. Dessa maneira os investimentos tanto em infraestrutura, qualificação e diversificação da produção possibilitaram a dinamização do setor. 26

27 ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Metropolitana de Goiânia está no 4º lugar do ranking do Estado. Quatro municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM da RMG Município Ranking IDHM Goiânia 2º 0,832 Nerópolis 20º 0,785 Inhumas 46º 0,765 Aparecida de 48º 0,764 Goiânia Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento da RMG 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 85,46 % da 56,27% da população população A Região Metropolitana de Goiânia possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 31,99% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 93,37% contra 89,2% do Estado. Goiânia é Polo Universitário, possuindo 05 Universidades e 21 faculdades É também polo de Saúde do Estado. Existem na região leitos hospitalares (2009) o que representa 44,7% do total do Estado. São 155 hospitais, segmentados em diversas especialidades, como o Hospital de Doenças Tropicais, Hospital do Câncer, Hospital de Urgências de Goiânia, Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia e o Centro de Reabilitação Dr. Henrique Santillo, entre outros. 27

28 REGIÃO CENTRO GOIANO 28

29 REGIÃO CENTRO GOIANO A Região Centro Goiano foi definida tendo como critério o eixo da BR 153. Compreende 31 municípios ocupando um território de ,049 km², o que corresponde a 5,44% do total do território de Goiás. Municípios da Região Centro Goiano Anápolis Ouro Verde de Goiás Barro Alto Petrolina de Goiás Campo Limpo de Goiás Pilar de Goiás Carmo do Rio Verde Rialma Ceres Rianápolis Damolândia Rubiataba Goianésia Santa Isabel Guarinos Santa Rita do Novo Destino Hidrolina Santa Rosa de Goiás Ipiranga de Goiás São Francisco de Goiás Itapaci São Luiz do Norte Jaraguá São Patrício Jesúpolis Taquaral de Goiás Morro Agudo de Goiás Uruana Nova América Vila Propício Nova Glória Área Total ( km²) Região Centro Goiano ,44% Goiás Nº de Municípios Região Centro Goiano 31 12,6% Goiás 246 O processo de industrialização na Região Centro Goiano tem ocorrido de forma intensa em alguns municípios, mas se restringe basicamente à Anápolis, com destaque para o polo farmacêutico; Goianésia, com duas usinas de processamento de cana-deaçúcar e uma indústria de atomatados; Jaraguá, com polo de confecções; Rubiataba, com usina de cana-de-açúcar e fábrica de móveis e Barro Alto com produção de níquel. O potencial turístico existente é grande, como a cidade histórica de Pilar de Goiás, cenários naturais como o Lago Azul (no município de Vila Propício), a Caverna da Garganta (em Goianésia) e o Rio das Almas e o turismo de saúde, em Ceres. A região integra o Eixo Goiânia/Anápolis/Brasília, o terceiro maior mercado consumidor do país, perdendo apenas para São Paulo e Rio de Janeiro. Considerando a Região Metropolitana de Goiânia e os municípios do entorno de Brasília, os quase nove 29

30 milhões de habitantes desse eixo contam com adequada infraestrutura e qualidade de vida, motivando novos investimentos, inclusive externos. A Plataforma logística, a indústria farmacêutica, a indústria automobilística, as empresas de base tecnológica e as instituições de ensino superior, assim como o turismo e demais serviços, induziram um salto no desenvolvimento dos municípios sob influência do eixo. O Eixo de desenvolvimento tecnológico Goiânia Anápolis atraiu indústrias de software, empresas de tecnologia de informação, criou um polo de biotecnologia junto ao complexo de fármacos, incrementou centro de inteligência médica e excelência nutricional, bem como unidades de pesquisa e desenvolvimento nas universidades de medicina, estimulou a implantação de um parque de energias alternativas e consolidou os parques ecológicos. INFRAESTRUTURA A Região Centro Goiano é servida por eixos rodoviários de fundamental importância, como a rodovia BR-153 que integra o Norte ao Sul do País, a BR-060 que liga Goiânia ao Distrito Federal e ao Estado do Mato Grosso. A região faz parte do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília e está no ponto de integração da Ferrovia Norte-Sul com a Ferrovia Centro Atlântica. Esta infraestrutura de transportes relacionada com o Distrito Agro-industrial e o Porto Seco (Estação Aduaneira Interior) formatam um nó estratégico de distribuição de cargas de abrangência nacional e internacional. Quando concluída a ferrovia Norte-Sul, a integração multimodal em Anápolis Plataforma Logística Multimodal de Goiás promoverá pela primeira vez no Brasil o conceito de central de inteligência logística com acesso eficiente aos eixos de transporte rodoviário, ferroviário e aeroportuário, ou seja, permitirá a integração com as principais rotas logísticas do País. A Ferrovia Norte-Sul está em construção, com grande parte já pronta. Inicia-se do Porto Seco de Anápolis em direção ao Norte pelo Estado do Tocantins e ao Sul pelo Sudoeste do Estado, chegando a Minas Gerais e São Paulo. Acrescente-se a esta estrutura ferroviária a Estação Aduaneira Interior (EADI) Anápolis Porto Seco Centro- Oeste, destinado a desembaraçar e diminuir o custo e o tempo para importação e exportação. A EADI de Anápolis abrange uma área que cobre quase toda a Região Centro-Oeste, o Norte de Minas Gerais, Pará e Maranhão.Anápolis possui também a Base Aérea para aviões Supersônicos. Além disso, está previsto a adequação do aeroporto civil de Anápolis para aeroporto de cargas. A Região Centro Goiano possui 08 usinas Termelétricas de Energia em operação e 01 Hidrelétrica totalizando 112,91 MW de potência 30

31 USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Combustível Classe Combustível DAIA (1) 44,3 Anapólis Óleo Diesel Fóssil Jalles Machado S/A 40,0 Goianésia Bagaço de Cana Biomassa Goianésia 10,3 Goianésia Bagaço de Cana Biomassa Destilaria Vale Verde S/A 7,1 Itapaci Bagaço de Cana Biomassa Cooper-Rubi 4,0 Rubiataba Bagaço de Cana Biomassa CRV Industrial Ltda 2,4 Carmo do Rio Verde Bagaço de Cana Biomassa Cia Brasileira de Bebibas - Filial Cebrasa 1,4 Anapólis Óleo Diesel Fóssil Rio Vermelho 0,4 Anapólis Óleo Diesel Fóssil Total: 08 Usinas Potência Total: 109,9 MW USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação 2007 Potência Usina Municípios Rio Tipo (MW) São Patrício 3,01 Rianápolis Das Almas PCH Total: 01 Usinas Potência Total: 3,01 MW Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total do Centro Goiano (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Centro Goiano é de 33,38 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17,42. 31

32 EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Jaraguá, com 2,64% e o município com a menor taxa é Santa Rosa de Goiás com taxa negativa de -2,74%. População % Região Centro Goiano ,45% Goiás O município mais populoso da região é Anápolis que possui habitantes. O segundo município é Goianésia com habitantes e o com menor número de é São Patrício com habitantes. Ranking dos dez maiores municípios em população Anápolis Goianésia Jaraguá Ceres Rubiataba Itapaci Uruana Rialma Petrolina de Goiás Carmo do Rio Verde ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB da Região Centro Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 2,92 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. O Centro Goiano participava com 9,00% em 2002, passou para 10,06% em 2006, com destaque para os municípios de Anápolis, influenciado pelo comércio e indústria de transformação, Goianésia, indústria de molhos de tomate e usinas de álcool e açúcar, 32

33 Jaraguá, indústria de confecções, Ceres, saúde e educação mercantil e Rubiataba, influenciado pela usina de álcool e fabricação de móveis. O Centro Goiano foi uma das regiões que mais se destacaram pelo ganho de participação no PIB EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO CENTRO GOIANO Estrutura Percentual do PIB da Região do Centro Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 10,06 8,87 10,74 9,52 A Região não possui expressividade no rebanho avícola, com plantel de aves, representando 1,83% do total do Estado e tem havido um decréscimo sistemático na produção no período de 2002 a Em 2008, os rebanhos da região Centro Goiano participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 6,50% do rebanho bovino, 5,22% do rebanho suíno e 1,83 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 8,24% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 1,69% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve uma queda na produção agrícola de 4,37%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,50 7º Aves (cab) ,83 8º uínos (cab) ,22 8º Leite (lt) ,24 6º Grãos (t) ,69 8º O ICMS arrecadado na Região Centro Goiano correspondeu em 2008 a 6,04% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 35,07% contra 37,24% do crescimento do Estado. 33

34 Anápolis é o município que mais arrecada ICMS na região e o terceiro no Estado. Arrecadação de ICMS (R$ mil) A região Centro possui estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. Polos de Economia da Região Centro Goiano Polo Farmoquímico Anápolis Polo de Confecções Anápolis, Goianésia e Jaraguá Polo de Comércio Anápolis e Goianésia Polo de minério Barro Alto As exportações decresceram de 2006 para 2008 em 46,33%, principalmente em relação ao açúcar de cana em bruto. Em Barro Alto a Anglo American implantou o maior projeto de níquel do Brasil e um dos três maiores projetos da companhia no mundo. A empresa também está investindo US$ 1,8 bilhão no Projeto Barro Alto para ampliar sua produção de níquel. A partir de 2011, a nova planta tem expectativa de produzir 36 mil t/ano de níquel ao longo de 26 anos de operação. Evolução das Exportações da Região Centro Goiano (US$ FOB)

35 MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA ANÁPOLIS - Anápolis continua como principal economia depois da Capital, Goiânia. Além de ter o 2º maior PIB do Estado de Goiás (R$ 4,7 bilhões) consolida-se cada vez mais como polo logístico por excelência. Situa-se estrategicamente no cruzamento de dois eixos rodoviários importantes, a BR-153 e a BR-060. O município faz parte do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília e está no ponto de integração da Ferrovia Norte-Sul com a Ferrovia Centro-Atlântica. O Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA) possui boa infraestrutura com uma usina termoelétrica emergencial com capacidade para gerar 40 KVA. Nele estão instaladas 18 indústrias do ramo farmacêutico e mais 90 que atuam em vários outros segmentos que geram mais de 10 mil empregos diretos sendo R$ 18 bilhões a média atual de arrecadação de impostos em Anápolis. O setor industrial de Anápolis deve se tornar ainda mais robusto com o pleno funcionamento da montadora de veículos da marca sul-coreana Hyundai que investiu até 2009 o montante de R$ 838 milhões e que até o final do projeto alcançará R$ 1,2 bilhão. Outra força é o setor farmacêutico. Com a expansão do consumo de remédios genéricos no Brasil, a tendência é que o DAIA se consolide como o maior Polo Farmacêutico de Genéricos da América Latina. O Polo conta hoje com 18 empresas de médio e grande porte. Na cidade de Anápolis existem 07 faculdades que oferecem cerca de 50 cursos em diversas áreas. As unidades do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) oferecem cursos de capacitação tecnológica voltados para formação de mão de obra especializada para os setores da indústria, comércio e serviços. Isso ajuda em muito na escolha das empresas na hora de tomar decisões. JARAGUÁ - Conhecida por ser a capital das confecções, está a aproximadamente 124 quilômetros de Goiânia, localizando-se no Centro Goiano e no eixo da BR-153, no Vale do São Patrício. A localização estratégica da cidade, às margens da Belém-Brasília, favoreceu a penetração de seus produtos no mercado regional e pouco a pouco vem se consolidando como importante polo de confecções tanto na região como no Estado de Goiás. Hoje, o município de Jaraguá é considerado um dos maiores polos de confecções do Centro-Oeste. Existem 701 empresas formais na indústria têxtil que no seu conjunto empregam trabalhadores conforme dados da RAIS-MTE (2008). Se considerarmos o Arranjo Produtivo Local-APL de confecções que inclui os municípios de Itaguaru, São Francisco de Goiás, Goianésia e Uruana, os empregos somam e as empresas 784, ou seja, a representação de Jaraguá é de 78% para empregos e de 89% para empresas no APL. Para possibilitar ainda mais sua dinamização, o município conta com um Centro Tecnológico de Moda (Cetemj), resultado de parceira com o Ministério de Ciência e Tecnologia e com a participação de instituições, entre elas a UEG. 35

36 O Centro tem como objetivo verificar tendências, comportamento e mercado, bem como a capacitação do capital humano para as indústrias, de forma sustentável, difundindo tecnologias referentes à melhoria dos processos produtivos das confecções e melhorando a gestão empresarial por meio da capacitação de seus empreendedores. Visa ainda estimular a transferência de tecnologia gerada pelas empresas, universidades e demais instituições; inserir as empresas do APL no mercado global por meio de tecnologias da informação; e incrementar a formação de pesquisadores e técnicos com foco na tecnologia e inovação para o segmento de confecção. Para consolidação do setor há investimentos previstos da ordem R$ 3 milhões em parceira com o governo federal e estadual para a construção da Passarela da Moda em Jaraguá. Isso tende a dinamizar o setor bem como dar mais visibilidade aos produtos do município e da região. Outro fator de importância será a conclusão da Ferrovia Norte-Sul que cruza o município de Jaraguá e traz novas expectativas de crescimento para a região, justamente por oferecer maiores possibilidades de escoamento da sua produção. Em Goiás, haverá cinco pátios de transposição de mercadorias, um deles é em Jaraguá, por isso a expectativa é das melhores. Jaraguá pertence a uma região com grande potencialidade turística, mas ainda pouco explorada. As potencialidades turísticas de Jaraguá passam pelo Parque Estadual da Serra de Jaraguá, onde se encontram túneis feitos por escravos na época da mineração em Goiás. O turismo ainda pode ser desenvolvido com o ecoturismo através do parapente e exploração de rios e cachoeiras. A atividade esportiva do parapente em Jaraguá é recente, mas tem alçando destaque nacional, primeiro pelos campeonatos realizados na serra, com a participação de pilotos de vários estados e até de outros países. Assim, a economia vem se fortalecendo, principalmente através do setor de confecções, da infraestrutura que chega ao município e do potencial turístico a ser explorado. Tudo isso faz de Jaraguá um município com capacidade para se tornar cada dia mais competitivo e forte no Estado de Goiás. GOIANÉSIA - está localizada na região do Vale do São Patrício, distante 170 km de Goiânia e 280 km de Brasília. Figura entre os municípios de maior expressão econômica da região devido ao avanço do setor sucroalcooleiro, crescente cadeia de prestadores de serviços e diversificação das atividades econômicas. Um fator preponderante para o desenvolvimento do município é a qualidade de vida, confirmada pelos bons indicadores referentes à criminalidade, cobertura populacional com rede de água, matrículas no ensino fundamental e salário médio do emprego formal. Na estrutura do PIB do município prepondera o setor de serviços, com participação acima de 50%, seguido pelo setor industrial. No setor industrial predomina a agroindústria, com usinas de açúcar e álcool, indústria de atomatados e frigoríficos. As indústrias de açúcar e álcool são as molas propulsoras da economia local, produzindo anualmente cerca de toneladas de açúcar e 76 milhões de litros de álcool, 30% e 10% da produção do Estado. 36

37 Algumas empresas impulsionaram o desenvolvimento local como a Goianésia Álcool e a Jalles Machado S.A, que emprega em média funcionários na época da safra e na entressafra. O açúcar produzido atende ao mercado interno e externo e o álcool ao mercado interno, respectivamente, da produção do Estado de Goiás. A empresa foi a primeira destilaria brasileira a comercializar créditos de carbono decorrente da redução da emissão de gases de efeito estufa. A Goialli é uma empresa especializada na produção de atomatados que chega a processar 19 mil toneladas de tomate oriundas de produtores da região e emprega 322 funcionários. A produção, em torno de 56 mil caixas de polpa, extrato, molho, ketchup e mostarda atende ao mercado interno. Outro setor promissor a se desenvolver é o de confecção, com a instalação da Cia Hering. Atualmente a empresa emprega 188 funcionários e tem a previsão de confeccionar 20 mil peças/dia para atender, entre outros mercados, a Europa e os EUA. As perspectivas positivas para o setor sucroalcooleiro como o grande fornecedor de energia pura e renovável; a vantagem da localização do município próximo à futura Ferrovia Norte-Sul que contribuirá para a exportação de álcool para os potenciais compradores como União Européia, EUA e Japão; a diversificação das atividades econômicas e em especial o setor de comércio e serviços atrelados ao setor industrial; e a eficiência dos arranjos institucionais entre o setor público e o setor privado são fatores que contribuem para a geração de emprego, renda e qualidade de vida, e mantêm o círculo virtuoso do desenvolvimento com sustentabilidade percebido no município. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Centro Goiano é 0,728 e está no 6º lugar do ranking do Estado. Três municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM da Região Centro Goiano Município Ranking IDHM Anápolis 16º 0,788 Ceres 26º 0,782 Rialma 35º 0,777 Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento da Região Centro Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 90,48 % da 32,37% da população população 37

38 A Região Centro Goiano possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 10,48% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 88,93% contra 89,2% do Estado. Anápolis possui 01 Universidade e 06 faculdades. Existem na região leitos hospitalares (2009) o que representa 13,99% do total do Estado, distribuídos em 58 hospitais. 38

39 REGIÃO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL 39

40 REGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL A Região do Entorno do DF compreende 19 municípios que ocupam ,001 km², correspondendo a 10,57% do território goiano. Foi definida pela Lei de criação da Ride: Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno pela Lei Complementar (Constituição Federal) nº 94, de 19 de fevereiro de Municípios da Região do Entorno do DF. Abadiânia Luziânia Água Fria de Goiás Mimoso de Goiás Águas Lindas de Goiás Novo Gama Alexânia Padre Bernardo Cabeceiras Pirenópolis Cidade Ocidental Planaltina Cocalzinho de Goiás Santo Antônio do Descoberto Corumbá de Goiás Valparaíso de Goiás Cristalina Vila Boa Formosa Área Total ( km²) Região do Entorno DF ,57% Goiás Nº de Municípios Região do Entorno DF 19 7,7% Goiás 246 A construção de Brasília foi um marco para os municípios que compõem o seu Entorno. Estes passam por um processo de crescimento populacional, aliado, obviamente, a um relativo dinamismo em suas atividades econômicas, redundando em alterações substanciais na estrutura espacial dos mesmos. A região tem tido um crescimento populacional bem acima da média brasileira e goiana, e esta é a principal causa da maioria dos problemas vivenciados pelos municípios do Entorno do Distrito Federal. Este crescimento populacional explosivo deve-se ao fato das cidades mais próximas da capital federal terem se transformado em cidadesdormitório de parte da força de trabalho de Brasília. A agricultura tem sido a mais importante fonte de geração de trabalho e renda para alguns municípios da região, com destaque para as culturas da soja, do milho e tomate. Mas, além da agropecuária, também a indústria, a mineração e o turismo têm se destacado como vocações econômicas. Embora exista um bom potencial turístico a ser explorado, formado por riquezas naturais, culturais, históricas como casarões antigos e igrejas em algumas cidades e atrativos artificiais como lagos criados pelo homem, apenas em Pirenópolis se vê um polo turístico consolidado. 40

41 INFRAESTRUTURA O Entorno do DF encontra-se inserido no Corredor Centro-Leste, sendo o modal rodoviário o mais representativo e o maior responsável pela movimentação de cargas e de passageiros, principalmente pela BR-060 que liga o Distrito Federal a Goiânia e ao Estado do Mato Grosso e a BR-020 que liga o DF à Bahia. A região possui rica malha viária, convergindo quase que em sua totalidade para o Distrito Federal, vez que este e o Entorno constituem o ponto básico do eixo viário nacional. Esta malha, através das BRs 153, 040, 050 e 020 e de rodovias estaduais, liga a região ao restante do País. O subsistema ferroviário na região compreende um trecho da Superintendência Regional 2 (SR 2) que se estende do Planalto Central e Triângulo Mineiro até Belo Horizonte, possibilitando o acesso ao Porto de Tubarão. A região possui 01 aeroporto em Formosa e 19 aeródromos. O Entorno do DF possui em operação e 02 usinas Hidrelétricas totalizando 232 MW de potência. USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação Usina Potência (MW) Municípios Rio Tipo Corumbá IV 127,0 Luziânia e outros Corumbá UHE Queimado 105,0 Cristalina Preto UHE Total: 02 Usinas Potência Total: 232,0 MW Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total do Entorno do DF (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS O crescimento populacional da região no período de 1960 a 1996, foi acelerado, pois de um contingente de passou para habitantes, aumentando sua 41

42 população em 6 vezes mais, apresentando incremento de aproximadamente 499,7% neste período, enquanto que a população nacional cresceu 2,3 vezes. No período de 1991 a 2003 a população residente passou de para , com uma taxa de crescimento anual cumulativa de 5,67 %, contra 2,34 % do crescimento médio do Estado de Goiás, demonstrando que o aumento populacional da Região do Entorno do DF correspondeu a 2,4 vezes o crescimento populacional médio do Estado de Goiás no mesmo período. A densidade populacional no Entorno do DF é de 28,32 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17,42. No entanto, deve-se considerar que seu adensamento apresenta distorções, encontrando-se municípios com elevadíssimos índices como é o caso de Valparaíso de Goiás, 1.779,54 hab./km², Águas Lindas 690,78 hab./km², Novo Gama 436,02 hab./km², e outros com adensamento rarefeito como é o caso de Mimoso de Goiás com 1,81 hab./km², Água Fria de Goiás 2,28 hab./km² e Vila Boa com 3,23 hab./km². Observa-se que as áreas mais adensadas continuam apresentando altas taxas de crescimento populacional, enquanto muitas áreas vazias tiveram crescimento negativo. Portanto, conclui-se que áreas densamente povoadas continuam sendo foco de atração de migrantes, enquanto que inúmeras áreas pouco povoadas vêm continuamente liberando contingentes populacionais. A concentração urbana é fenômeno flagrante em alguns municípios do Entorno, pois em 1996, 85,8% de sua população vivia em núcleos urbanos. Já no ano de 2000, segundo os dados do IBGE, esse índice se elevou para 89,35% EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Luziânia, com 4,70% e o município com a menor taxa é Corumbá de Goiás com taxa negativa de -0,35%. População % Região do Entorno do DF ,10% Goiás

43 O município mais populoso da região é Luziânia que possui habitantes. O segundo município é Águas Lindas de Goiás com habitantes e o com menor número de é Mimoso de Goiás com habitantes. Ranking dos dez maiores municípios em população Luziânia Águas Lindas de Goiás Valparaiso de Goiás Formosa Novo Gama Planaltina Santo Antônio do Descoberto Cidade Ocidental Cristalina Padre Bernardo ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB do Entorno do DF, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 4,33 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. A região do Entorno do Distrito Federal participava com 8,08% em 2002, passou para 8,67% em 2006, destaque para os municípios de Luziânia (influenciado pela agroindústria), Cristalina (lavouras irrigadas), Formosa, (administração pública, comércio e aluguéis) e Valparaíso de Goiás (influenciado por administração pública, aluguéis e construção civil) EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO DO ENTORNO DO DF Estrutura Percentual do PIB da Região do Entorno do DF 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 8,67 10,69 7,20 9,51 43

44 Em 2008, os rebanhos do Entorno do DF participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 6,23% do rebanho bovino, 6,93% do rebanho suíno e 7,29 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 7,11% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 13,99% da produção total do Estado, ficando em segundo lugar entre as regiões de planejamento. No período de 2004 a 2008 houve um crescimento na produção agrícola de 44,34%. A agricultura regional apresenta baixo nível de diversificação. As principais culturas temporárias são o arroz, feijão e a mandioca. A expansão de lavouras como as da soja e do milho faz parte do processo de evolução da agricultura moderna desenvolvida no Cerrado, para atender os mercados nacional e mundial. O milho e a soja ocupam uma área significativa em relação às outras culturas tradicionais, com importância cada vez maior para a economia regional. As lavouras permanentes ocupam posição secundária, sendo a laranja o produto mais importante, seguido da banana e da manga. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,23 8º Aves (cab) ,29 5º Suinos (cab) ,93 4º Leite (lt) ,11 7º Grãos (t) ,99 2º O ICMS arrecadado no Entorno do DF correspondeu em 2008 a 3,02% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 26,67% contra 37,24% do crescimento do Estado. Luziânia é o município que mais arrecada ICMS na região. Arrecadação de ICMS (R$ mil) O Entorno do DF possui 715 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. 44

45 Os municípios de maior destaque são Luziânia e Alexânia, que recebem forte influência da capital federal, tanto na oferta de serviços, como na produção de bens econômicos. Grandes empreendimentos agroindustriais estão instalados nestes municípios como, por exemplo, a Bunge Alimentos, multinacional holandesa que processa mais de toneladas de soja por dia para a produção de gorduras vegetais e refino de óleo de soja. O farelo extraído da produção do óleo bruto é quase todo exportado. Outra empresa de expressão é a Minuano, do Grupo Friboi. A empresa produz produtos de limpeza e higiene e emprega cerca de 650 pessoas e a Schincariol, inaugurada em 2003, provocando o dinamismo no município. Polos de Economia da Região do Entorno do DF Polo Agroindustrial Luziânia Polo Agrícola Luziânia Polo Mineral Cocalzinho e Cristalina Polo de Turismo Pirenópolis As exportações cresceram de 2006 para 2008 em 153,83%, principalmente em relação ao grão de soja e à trading implantada em Água Fria de Goiás. Evolução das Exportações do Entorno do DF (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA LUZIÂNIA - o município dispõe do DIAL - Distrito Agro-industrial de Luziânia que está estrategicamente localizado a 56 km de Brasília, dispondo de energia, telecomunicações, transportes coletivos, situado entre as BR - 040/050 e a Ferrovia Centro-Atlântica. Possui lotes urbanizados e com preços subsidiados para implantação das pequenas e médias indústrias. 45

46 O município recebe forte influência da capital federal, tanto na oferta de serviços, como na produção de bens econômicos. Grandes empreendimentos agroindustriais estão instalados neste município, os quais concorrem para o desenvolvimento da sua economia. Entre os 10 grandes grupos, que chegam a gerar mais de 10 mil empregos diretos em Luziânia está a Bunge Alimentos, Multigran e Brasfrigo, compradoras de grãos da região. Estão instaladas na cidade também a Minuano e Goiás Verde. Em 2009, Luziânia foi o município que mais exportou. As exportações totalizaram US$ 363,07 milhões, principalmente do complexo soja, milho, conservas alimentícias e algodão. Foram enviados produtos para a China, Holanda, Espanha e Tailândia, entre outros. Outro fator que impulsionou o crescimento da cidade foi a instalação de duas hidrelétricas Corumbá 3 (previsão de funcionamento para início de 2010) e Corumbá 4 que vêm possibilitando novo fôlego ao comércio e arrecadação do município. Com isso a arrecadação do ICMS subiu de aproximadamente R$ 700 milhões em 2004 para R$ 1,7 bilhão em O ISS passou de aproximadamente R$ 5 milhões em 2004 para mais de R$ 10 milhões em Na pecuária e agricultura, o principal destaque é o Vale do Pamplona, na divisa com Cristalina, a região com melhor sistema de irrigação do País. Luziânia destaca-se como um dos principais produtores de feijão, trigo e sorgo do Estado ALEXÂNIA - Sua localização, em um eixo de grande fluxo de pessoas, a 115 km de Goiânia e a 90 km de Brasília, favorece principalmente o comércio. Assim, o setor terciário por muito tempo, foi a atividade de maior participação no PIB do município, seguido da agropecuária e da modesta indústria de móveis e mineração. Porém, observase a partir de 2003 o crescimento da participação da indústria na riqueza municipal, atingindo então em 2005, 48,9% da mesma ultrapassando o setor de serviços (43,5%). Essa mudança estrutural na economia local foi a instalação da cervejaria Schincariol. A unidade foi inaugurada em 2003 e, desde então, indicadores como ICMS, ISSQN, PIB e consumo de energia elétrica residencial e industrial têm crescido a cada ano. O município está entre os 15 municípios mais competitivos do Estado de Goiás, principalmente, em função da melhoria dos indicadores de dinamismo, riqueza econômica e da vantagem competitiva de estar bem localizado, próximo a grandes centros urbanos. A potencialidade do município tem atraído indústrias alimentícias, pousadas, fábrica de ração entre outras. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região é 0,723 e está no 8º lugar do ranking do Estado. Três municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. A concentração urbana é fenômeno flagrante em alguns municípios do Entorno, pois em 1996, 85,8% de sua população vivia em núcleos urbanos. Já no ano de 2000, segundo os dados do IBGE, esse índice saltou para 89,35%. 46

47 Esta concentração populacional desordenada exerce uma forte pressão sobre os equipamentos sociais e urbanos (educação, saúde, saneamento, assistência social, segurança pública e habitação), gerando grandes demandas. Ranking de IDHM da Região do Entorno do DF Município Ranking IDHM Cidade Ocidental 0,795 12º Valparaiso de 0,795 13º Goiás Cristalina 0,761 50º Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento da Região do Entorno do DF 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 72,79 % da 14,58% da população população Em 2008 a Região possuía alunos e salas de aula, o que representa 16,36% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 88,08% contra 89,2% do Estado. O Entorno do DF possui 7 polos da UEG e 10 faculdades. Existem na região 961 leitos hospitalares (2009) o que representa 5,09% do total do Estado, distribuídos em 31 hospitais. 47

48 REGIÃO SUDOESTE GOIANO 48

49 REGIÃO SUDOESTE GOIANO A Região Sudoeste Goiano compreende 26 municípios que ocupam ,463 km², correspondendo a 18,08% do território goiano. Municípios da Região Sudoeste Goiano Acreúna Mineiros Aparecida do Rio Doce Montividiu Aporé Paranaiguara Cachoeira Alta Perolândia Caçu Portelândia Castelândia Quirinópolis Chapadão do Céu Rio Verde Gouvelândia Santa Helena de Goiás Itajá Santa Rita do Araguaia Itarumã Santo Antônio da Barra Jataí São Simão Lagoa Santa Serranópolis Maurilândia Turvelândia Área Total ( km²) Região Sudoeste Goiano ,08% Goiás Nº de Municípios Região Sudoeste Goiano 26 10,56% Goiás 246 A Região Sudoeste do Estado de Goiás teve crescimento agrícola avançado nas últimas três décadas, com franco crescimento na produção de grãos, tornando-se uma das regiões mais produtivas do país em cereais, e mais recentemente na década 90 com a introdução de várias agroindústrias, as quais se deslocaram para a região no intuito de melhorar a eficiência de transporte de cargas, aproximando a matéria-prima dos processos de transformação que a agroindústria exige, como por exemplo, a produção de óleo, e mais recentemente a criação intensiva de suínos e aves. Seus maiores diferenciais competitivos são a proximidade com grandes centros consumidores (Região Metropolitana de Goiânia, Entorno do Distrito Federal e Triângulo Mineiro), grande potencial logístico rodoviário, expressivo parque industrial instalado, comércio e serviços fortes e infraestrutura tecnológica desenvolvida. A região é rica em atrativos turísticos tais como águas quentes, em Lagoa Santa e Jataí, cachoeiras em Rio Verde e Mineiros, Parque Nacional das Emas, em Chapadão do Céu e Mineiros e exposições agropecuárias de qualidade que são realizadas anualmente em vários municípios. 49

50 INFRAESTRUTURA A Região Sudoeste Goiano é servida por eixos rodoviários de fundamental importância, como a rodovia BR- 060 que liga o Distrito Federal a Goiânia e ao Estado do Mato Grosso e a BR-452 que liga Rio Verde a Itumbiara-GO. A região conta com uma hidrovia no Rio Paranaíba onde o principal porto é o de São Simão, que faz parte da Hidrovia Paraná-Tietê. A utilização dessa hidrovia, como corredor de escoamento dos produtos agrícolas goianos, notadamente grãos, tem contribuído para aumentar a competitividade do setor. A Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná é uma das principais portas de entrada e saída de mercadorias da região Centro-Oeste, principalmente Goiás, em direção às regiões Sul/Sudeste e países do Mercosul e Europa favorecendo de forma econômica e segura o escoamento da produção agropecuária, por exemplo. O sistema hidroviário Paranaíba-Tietê-Paraná possui quilômetros de vias navegáveis via Piracicaba e Conchas (ambos em São Paulo) até Goiás e Minas Gerais (ao Norte) e Mato Grosso do Sul, Paraná e Paraguai (ao Sul). Liga cinco dos maiores Estados produtores de soja do País e é considerada a Hidrovia do Mercosul. Como infraestrutura possui 10 barragens, 10 eclusas e 23 pontes. Além dessa obras, os canais artificiais, com aprofundamento do leito ou redimensionamento de curvaturas, possibilitam atualmente a navegação de comboios de 147 metros de comprimento, 11 de largura e 2,80 de profundidade. Atualmente, são transportadas, a partir do Porto de São Simão, cerca de 2 milhões de toneladas/ano de grãos. Em média, 70% das cargas são de origem goiana, provenientes da produção do Sudoeste do Estado. O Sudoeste Goiano possui 02 aeroportos em Jataí e Rio Verde, e 38 aeródromos. A Região Sudoeste Goiano possui 05 usinas Termelétrica de Energia em operação e 06 Hidrelétricas totalizando 1.775,27 MW de potência USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência Classe Municípios Combustível (MW) Combustível Frigorífico Margen 1,6 Rio Verde Óleo Diesel Fóssil Destilaria Catanduva Ltda 1,0 Rio Verde Bagaço de Cana Biomassa Santa Helena Açúcar e Álcool 5,6 Santa Helena de Goiás Bagaço de Cana Biomassa Vale do Verdão S/A - Açúcar e Álcool 19,0 Turvelândia Bagaço de Cana Biomassa Caramuru Alimentos Ltda 3,1 São Simão Lenha Biomassa Total: 05 Usinas Potência Total: 30,3 MW 50

51 USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Rio Tipo Aporé / Espora 32,00 Serranópolis / Corrente UHE Itarumã - GO Aporé 0,81 Aporé - GO Aporé CGH Chapadão Eletrocéu 0,30 do Céu - Formoso CGH GO Fazenda Jatobá 0,06 Jataí - GO Rego D Água CGH Alto Araguaia 1,80 Santa Rita do Araguaia - GO Alto Araguaia - MT Araguaia CGH São Simão 1.710,00 Total: 06 Usinas Santa Vitória - MG São Simão - Go Paranaíba UHE Potência Total: 1.744,97 MW Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total do Sudoeste Goiano (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Sudoeste Goiano é de 8,32 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17,42. 51

52 EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Chapadão do Céu com 5,21% e o município com a menor taxa é Itajá com taxa de crescimento negativo de -2,10%. População % Região Sudoeste Goiano ,74% Goiás A cidade mais populosa da região é Rio Verde que possui habitantes, representando 2,71% da população do Estado. O segundo município mais populoso é Jataí com habitantes. Na recente Contagem da População (IBGE) os números mostram que Rio Verde tem sido um polo receptor de população. Comparando a população de 2009 com a de 2001, houve crescimento de 36% no período. Muito desse crescimento de deve à migração em busca de melhores oportunidades. Ranking dos dez maiores municípios em população Rio Verde Jataí Mineiros Quirinópolis Santa Helena Acreúna São Simão Maurilândia Caçu Montividiu

53 ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB da Região Sudoeste Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 213,02% contra 218,59% do Estado de Goiás em valores nominais. A Região Sudoeste Goiano, que participava com 16,87% do PIB do Estado em 2002 passou para 12,93% em Devido à elevada participação do setor agropecuário, esta região foi bastante afetada pela queda nos preços de diversos produtos da agropecuária de 2004 a 2006, principalmente grãos. Rio Verde participou em 2006 com 4,73% no PIB estadual, atingindo R$ 2,700 bilhões, recuperando a terceira posição que havia perdido no ano de O município é cortado por duas importantes rodovias federais, BR-060, e a BR-452. Em 2006 o município possuía o maior valor adicionado da atividade agropecuária estadual, destaque para cultivos de cereais para grãos, soja, criação de aves, suínos e bovinos. Em Rio Verde está localizado um grande complexo agroindustrial, com empresas do ramo alimentício e de papel e embalagens. Está instalada no município a Plataforma de Tecnologia do Sudoeste, que tem como finalidade aumentar a competitividade do agronegócio na região. EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO SUDOESTE GOIANO Estrutura Percentual do PIB da Região Sudoeste Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 12,93 21,25 19,03 9,92 A Região possui o maior rebanho avícola, com plantel de aves, representando 41,62% do total do Estado e o maior rebanho suíno com plantel de cabeças. Em 2008, os rebanhos do Sudoeste Goiano participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 15,96% do rebanho bovino, 40,03% do rebanho suíno e 41,62 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 14,84% do total produzido no Estado em

54 A Região é o maior produtor de grãos do Estado com produção de t em 2008 o que correspondeu a 45% do total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve um crescimento na produção agrícola de 16,91%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,96 3 Aves (cab) ,62 1º Suinos (cab) ,03 1º Leite (lt) ,84 4º Grãos (t) ,01 1º O ICMS arrecadado na Região Sudoeste Goiano correspondeu em 2008 a 4,89% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 69,81% contra 37,24% do crescimento do Estado. Rio Verde e Jataí são os municípios que mais arrecadam ICMS na região. Arrecadação de ICMS (R$ mil) O Sudoeste Goiano possui 768 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. Polos de Economia do Sudoeste Goiano Polo de Rio Verde, Jataí, Desenvolvimento Quirinópolis Pecuário Polo Agrícola Rio Verde, Jataí, Santa Helena, Montividiu, Mineiros Polo Agroindustrial Rio Verde, Santa Helena Polo de Confecções Jataí, Rio Verde As exportações decresceram de 2007 para 2008 em 30,46%, principalmente em relação à crise no agronegócio. 54

55 Evolução das Exportações no Sudoeste Goiano (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA RIO VERDE - Rio Verde é o segundo município mais competitivo do Estado e em que a produção alcança todos os setores e com destaque, vai da pecuária à agricultura, da indústria ao comércio e aos serviços. Prova disso é o segundo lugar no Valor Adicionado estadual da agropecuária com 4,3%; quarto lugar, com 6,85% do Valor Adicionado da indústria estadual, sendo que essa atividade representou 38% da estrutura econômica municipal no ano de 2007 impulsionado pela indústria de transformação, atividade bastante integrada à agropecuária, consolidando-se como município forte na fabricação de produtos alimentícios -; e, também, foi quinta posição na participação do Valor Adicionado estadual em 2007 no setor de serviços (4,06%), tendo peso de 52% na economia do município. Neste, os destaques ficaram por conta de educação e saúde mercantis, intermediação financeira, transporte e serviços prestados principalmente às empresas. Duas importantes rodovias federais cortam o município: a BR-060, que liga Brasília a Jataí-GO, e a BR-452, que liga Rio Verde a Itumbiara-GO. Também, a GO-174 corta o município no sentido Norte-Sul e é o corredor pelo qual a produção de grãos de Rio Verde alcança São Simão (150km de distância), porto goiano da Hidrovia Paranaíba-Tietê- Paraná. Como infraestrutura, Rio Verde ainda possui aeroporto com pista asfaltada com x 30 metros de extensão, com balizamento noturno e terminal de passageiros. O município possui quatro distritos industriais municipais e dois estaduais prontos para receber novas indústrias. Também, o recentemente criado Distrito Industrial Municipal de Pequenas Empresas com capacidade de ocupação projetada de 262 micro e pequenas empresas, tem hoje mais da metade desse potencial ocupado. Atualmente, o distrito industrial tem um peso muito forte na economia local, com empresas de confecção, móveis e materiais de construção, entre outros. Rio Verde gerou um Produto Interno Bruto (PIB), em 2007, de R$ 3,083 bilhões, posicionando-se como o terceiro município mais rico de Goiás. Atualmente, Rio Verde é um dos maiores produtores goianos de importantes culturas como soja, milho e sorgo. 55

56 Com a instalação da Perdigão Agroindustrial, multiplicou-se o número de criadores de aves e de suínos que utilizam tecnologia de ponta no manejo desses animais. Conforme o IBGE, em 2008 o rebanho avícola era de 12,110 milhões de cabeças, representando 25,4% do rebanho avícola goiano. Para se ter idéia do que representou para a região a instalação da Perdigão, em 1999, um ano antes de a empresa começar a operar em Rio Verde, o rebanho avícola somava 424 mil cabeças. Da mesma forma, a produção de suínos partiu de 104 mil (1999) cabeças para 404 mil em 2008, representando 25,4% do rebanho do Estado. A chegada da Perdigão gerou uma concentração (geográfica e setorial) de empresas e instituições que, em sua interação, geram capacidade de inovação e conhecimento especializado. Ou seja, gerou um chamado agricluster, que gira em torno de uma das maiores companhias de alimentos (especialmente carnes de aves e suínos) do País. Pertencem a esse dinamismo do município, além da Perdigão (indústria e rede de produtores integrados), empresas como Siol e Kowalski, Orsa (fábrica de embalagens), Videplast (fábrica de embalagens), Cervejaria Malta (bebidas), Rinco (refrigerantes), Frigorífico Margem (base exportadora), Brasilata, Pioneer, John Deere, Monsanto, Case, entre outras. Também, algumas companhias locais têm apresentado dinamismo nos investimentos, como a Comigo, a Transportadora Brasil Central e outras. Ainda, Grandes indústrias de processamento e tradings multinacionais e brasileiras, como Coinbra, Cargill, Caramuru, ADM e Bunge mantêm ativos instalados no Sudoeste de Goiás. Perdigão Rio Verde-GO JATAÍ - O município possui condições favoráveis para investidores, tanto no agronegócio como no fortalecimento da indústria. Para isso contribui o acesso rodoviário à região pelas rodovias BR-060, BR-364, BR-158 e GO-184. A BR-364 é responsável pelo escoamento de sua produção de grãos aos principais portos brasileiros. Também, a cidade conta com um aeroporto com pista pavimentada de 1.500m que dispõe de iluminação, rádio controle e terminal de passageiros, bem como há projeto de revitalização e ampliação da pista, para receber voos regulares com aeronaves de médio porte. A economia de Jataí fundamenta-se na agricultura, pecuária e agroindústria. O agronegócio do município é um dos mais expressivos em nível nacional sendo que o setor agroindustrial ganhou força com empresas como COINBRA, que atua no processamento de soja e comercialização de óleo e subprodutos, a NESTLÉ com semiprocessamento de leite; a Perdigão Agroindustrial com o abate de aves. Outros investimentos de médio e pequeno porte como o frigorífico Arantes Alimentos no abate de bovinos também estimulam a economia municipal. O município também está na expectativa da conclusão e operação plena de destilarias como Grupo Cabrera, Grupo Cansanção do Sinimbu e Elcana Goiás. Com certeza esses empreendimentos dinamizarão muito mais a economia municipal. Já está em fase de produção a empresa do Grupo Cosan - Centro-Oeste S/A Açúcar e Álcool. Nessa atividade reforça a economia do município a Usina Eco Diesel com sede no Distrito Agroindustrial e esmaga matéria-prima como o girassol com produção de Biocombustível. A capacidade de produção é de litros/dia. 56

57 Para qualificação de mão de obra o município conta com 4 instituições de Ensino Superior: Centro de Ensino Superior de Jataí CESUT, o Campus Universitário da UFG, a Unidade Universitária da UEG e o Instituto Federal de Educação Tecnológica de Jataí IFET-GO. MINEIROS - o município vem se destacando na agroindústria, que levou à instalação de uma unidade do Marfrig Frigorífico, em 2006, e da Perdigão, em Sinal de força na economia que é reforçada por ser um dos maiores produtores de soja, milho, sorgo, algodão, cana-de-açúcar, além da forte pecuária de corte e leite. A Perdigão inaugurou em 2007 o Complexo Agroindustrial de Mineiros. A unidade tem capacidade para processar 81 mil toneladas anuais de produtos à base de carne de aves pesadas, o equivalente a 24 mil cabeças de peru e 140 mil cabeças de frango e ave Chester por dia. Pelo menos 80% deste volume se destinam ao mercado externo. A Perdigão vem ampliando sua planta em Goiás e planeja investir mais R$ 1,1 bilhão nos próximos 3 anos no Estado, inclusive na unidade de Mineiros. Tudo isso vem mudando as estatísticas do município como a arrecadação de ICMS, crescimento do PIB (26% entre 2005 e 2007) e consumo de energia elétrica industrial. Ou seja, Mineiros está crescendo a cada dia e por isso figura entre os mais competitivos municípios do Estado. A economia de Mineiros terá em breve um novo impacto. Trata-se da instalação de dois empreendimentos: as usinas de álcool Morro Vermelho e Água Emendada. As usinas são da Brenco - Companhia Brasileira de Energia Renovável agora ETH Bioenergia, empresa do Grupo Odebrecht que anunciou sua fusão com a Brenco que, até 2012, deverá investir R$ 1,2 bilhão em Goiás em três usinas. O investimento em cada unidade fica em torno de R$ 800 milhões. A Brenco foi criada em 2007 com a intenção de investir R$ 5,5 bilhões, até 2015, na implantação de três polos bioenergéticos, com 10 unidades, visando atingir a liderança na produção de etanol. Também o Le Carabelle, grupo de empresários italianos, vai investir R$ 27 milhões na construção de um shopping com 46 lojas e três salas de cinema numa área de 30 mil metros quadrados. Haverá ainda loteamento para 300 residências, comércio, centro atacadista distribuidor e hotel com espaço para convenções. A inauguração está prevista para o segundo semestre de 2010 Para qualificar a mão de obra no município há uma unidade da UEG com cursos de Tecnologia em Agropecuária e Produção Sucroalcooleira. Também, há oferta do curso de Educação Física à distância da Universidade Federal de Goiás (UFG) em parceria com o sistema da Universidade Aberta do Brasil (UAB). QUIRINÓPOLIS Quirinópolis dispõe de excelentes terras agricultáveis e uma grande beleza natural. Além disso, se consolida a cada dia como economia crescente e com bons indicadores sociais propiciando boa qualidade de vida aos seus munícipes. Fatores determinantes nas vantagens competitivas do município como a proximidade com o porto de São Simão da hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná, aliada à boa infraestrutura econômica existente, rodovias e estradas pavimentadas, saneamento básico e energia elétrica abundante conferem a Quirinópolis destaque para que se torne cada vez mais atrativa a novos investimentos. 57

58 A economia do município tem como base a agropecuária. O expressivo crescimento de culturas como a cana-de-açúcar já garante posição privilegiada na geração de emprego e renda, e também a produção leiteira confirma esta situação. O PIB do município, que era de R$ 273,1 milhões em 2002, passou para R$ 368,4 milhões em 2007 apresentando crescimento nominal de 35% no período. O Distrito Agroindustrial de Quirinópolis DAQUI, com área de 381 mil m², gerenciado pela prefeitura, é também um diferencial na atração de investimentos para o município, pois dispõe de completa infraestrutura como energia elétrica, asfalto, sistema de água, rede de esgoto e telefonia. São sete as empresas já instaladas, destaque para Metalúrgica Haiala que produz portas e janelas, gera 215 empregos diretos e pretende ampliar em mais 40 vagas nos próximos anos. Ela comercializa seus produtos para 12 estados brasileiros. As demais operam em ramos variados como marmoraria, prémoldados, rações, sementes, reciclagem e transportes. Várias empresas, algumas das quais de grande porte, atuam em diferentes áreas e geram diversos empregos. Destacam-se neste diversificado cenário econômico do município, as empresas, Vascafé (que atua no ramo de torrefação e moagem de café), Tayná (fábrica de refrigerantes), Guim madeiras (carrocerias), Ravel veículos, Ricardo eletro, Novo Mundo, Planalto Máquinas Agrícolas, Atlas Construtora, Construplan Construtora, além de supermercados, restaurantes e hotéis. Destaque também para a Cooperativa Agropecuária do Vale do Paranaíba (Agrovale). ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Sudoeste Goiano é 0,758 e está no 3º lugar do ranking do Estado. Nove municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM do Sudoeste Goiano Município Ranking IDHM Chapadão do 1º 0,834 Céu Rio Verde 5º 0,807 Montividiu 14º 0,794 Jataí 15º 0,793 Caçu 25º 0,783 Mineiros 30º 0,780 Portelândia 31º 0,780 Quirinópolis 32º 0,780 Acreúna 0,763 Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. 58

59 Saneamento do Sudoeste Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 88,67 % da 36,61% da população população O Sudoeste Goiano possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 9,30% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 87,26% contra 89,2% do Estado. A região possui 06 polos das Universidades UEG e UFG e a Universidade FESURV. Possui ainda 08 faculdades. Existem no Sudoeste Goiano leitos hospitalares (2009) o que representa 8,25% do total do Estado e 43 hospitais. 59

60 REGIÃO NORTE GOIANO 60

61 REGIÃO NORTE GOIANO A Região Norte Goiano foi definida em função de sua homogeneidade em termos de condições socioeconômicas e espaciais e como estratégia de planejamento para investimentos governamentais tendo em vista minimizar os desequilíbrios regionais. Compreende 26 municípios ocupando um território de ,224 km², o que corresponde a 17,51% do total do território de Goiás Municípios da Região Norte Goiano Alto Horizonte Mundo Novo Amaralina Mutunópolis Bonópolis Niquelândia Campinaçu Nova Crixás Campinorte Nova Iguaçu de Goiás Campos Verdes Novo Planalto Crixás Porangatu Estrela do Norte Santa Tereza de Goiás Formoso Santa Terezinha de Goiás Mara Rosa São Miguel do Araguaia Minaçu Trombas Montividiu do Norte Uirapuru Mozarlândia Uruaçu Área Total ( km²) Região Norte Goiano ,51% Goiás Nº de Municípios Região Norte Goiano 26 10,56% Goiás 246 A região possui nítida competitividade em setores como a pecuária, energia e mineração. Sua relevância econômica na atividade mineral está principalmente no vasto potencial de contribuição para o crescimento do produto agregado e, conseqüentemente, da receita fiscal. Os reflexos no incremento do comércio e de bens e serviços de outros setores, assim como o estímulo à geração de outros empreendimentos, confirmam a importância do setor mineral na geração de novas oportunidades de emprego, com possibilidade de fixação de mão de obra em regiões de vazios econômicos e demográficos. O Norte Goiano está inserido no eixo da Ferrovia Norte-Sul, que integra o Brasil, interligando o Norte e o Nordeste ao Sul e Sudeste, passando pelo Centro-Oeste. Esse empreendimento propaga dinamismo para todo o Estado, mas principalmente para as regiões em que esteja implantado, com influência direta, como é o caso da região norte. 61

62 INFRAESTRUTURA A Região Norte Goiano é cortada por eixos de fundamental importância, como o Eixo da Belém-Brasília, a rodovia BR-153, que integra o Norte ao Sul do País, e o Eixo da Ferrovia Norte-Sul, com grande parte já pronta. Inicia-se do Porto Seco de Anápolis em direção ao Norte pelo Estado do Tocantins e ao Sul pelo Estado de Minas Gerais, com o objetivo de criar uma rota de escoamento da produção regional em bases mais competitivas. O Norte Goiano será uma das regiões goianas mais beneficiadas diretamente pela construção da ferrovia, já que toda a extensão Norte-Sul de seu território será rota dessa ferrovia, perfazendo cerca de 269 km de linha férrea. A logística é vital para a competitividade do Norte Goiano porquanto seu eixo econômico está centrado em commodities minérios e agronegócios dois segmentos com movimentação de carga de elevada concentração volume/peso. O frete tem participação relevante em toda cadeia produtiva da agricultura. A Ferrovia Norte-Sul permitirá também a conexão com cinco mil quilômetros de outras ferrovias privadas brasileiras e o acesso a outros portos do País, criando propícias condições para as exportações endereçadas aos mercados do hemisfério norte. A Região conta com 03 aeroportos (Minaçu, Niquelânida e Uruaçu) e 45 aeródromos. A Região Norte Goiano possui 02 usinas Termelétricas de Energia em operação e 01 Hidrelétrica totalizando 1.311,00 MW de potência. A UHE Serra da mesa é uma obra empreendida pelo consórcio VBC Votorantin, Bradesco e Camargo Correia. O lago formado está predominantemente no município de Niquelândia e inundou uma área de km². Já a UHE Cana Brava, empreendimento do grupo Gerasul/Tractebel é de menor porte, com capacidade para gerar 1/3 do que é gerado pela UHE Serra da Mesa. USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Combustível Classe Combustível CNT - Companhia Níquel Tocantins 35,0 Niquelândia Óleo Combustível Fóssil Santa Santa Terezinha de Goiás - CELG 1,0 Terezinha de Goiás Óleo Diesel Fóssil Total: 02 Usinas Potência Total: 36,0 MW USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Rio Tipo Cavalcante - Serra da Mesa 1.275,00 GO Tocantins UHE Minaçu - GO Cavalcante - Cana Brava 450,00 GO Tocantins UHE Minaçu - GO Total: 02 Usinas Potência Total: 1.725,00 MW 62

63 Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total da Região Norte (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Norte de Goiás é de 5,14 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17, EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Alto Horizonte, com 3,27% e o município com a menor taxa é Campos Verdes com taxa negativa de -3,06%. População % Região Norte Goiano ,24% Goiás O município mais populoso da região é Porangatu que possui habitantes. O segundo município é Niquelândia com habitantes e o com menor número é Nova Iguaçu de Goiás com habitantes. 63

64 Ranking dos dez maiores municípios em população Porangatu Niquelândia Uruaçu Minaçu São Miguel do Araguaia Crixás Mozarlândia Nova Crixás Santa Terezinha de Goiás Mara Rosa ASPECTOS ECONÔMICOS As principais atividades econômicas do Norte Goiano são: a mineração, geração de energia elétrica, indústria cerâmica e a agropecuária. Trata-se de um polo de mineração com abundância de esmeraldas, amianto, níquel e ouro, encontrados principalmente nos municípios de Campos Verdes, Minaçu, Niquelândia e Crixás. Já o polo cerâmico concentra-se, sobretudo, nos municípios de Mara Rosa e Estrela do Norte. No polo energético destacam-se as atrativas usinas de Cana Brava e Serra da Mesa. A vantagem comparativa que o Norte Goiano detém nas atividades do setor mineral permitiu que se instalassem na região três dos quatro maiores polos minerais de destaques do Estado de Goiás, com projeção nacional: polos de amianto, níquel e ouro. O polo cerâmico vem em segundo plano mas com perfil empregador das micro e pequenas empresas. Mesmo não sendo um polo tão expressivo quanto os demais polos minerais, sua consolidação é estratégica, podendo constituir-se como importante rota de exportação. A região dispõe também de atrativos turísticos a explorar como rios, matas, o Lago de Serra da Mesa e outros, mas não conseguiu ainda desenvolver o turismo como poderia. O Produto Interno Bruto PIB da Região Norte Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 22,02 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. A região do Norte Goiano participava com 4,88% em 2002, passando para 5,72% em 2007, com destaque para os municípios de Niquelândia, influenciado pela extração e beneficiamento de minério, Porangatu e Uruaçu, comércio e administração pública, e Minaçu, com destaque para geração de energia e extração e beneficiamento mineral. 64

65 EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO NORTE Estrutura Percentual do PIB da Região Norte Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 5,19 8,06 8,13 3,78 O binômio bovino-suino é a base da pecuária do Norte Goiano e é também o foco comercial dos complexos carnes mediante interação dos elos de produção e abate. Mais competitiva que a agricultura, a atividade pecuária é o principal elo do agronegócio da região. O Norte Goiano é a segunda região produtora de rebanho bovino do Estado com plantel de cabeças. Não possui expressividade no rebanho avícola, com plantel de aves, representando 1,38% do total do Estado. Em 2008, os rebanhos da região Norte Goiano participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 18,25% do rebanho bovino, 5,61% do rebanho suíno e 1,33 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 8,81% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 2,10% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve um crescimento na produção agrícola de 12,21%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,25 2º Aves (cab) ,33 9º Suinos (cab) ,61 6º Leite (lt) ,81 5º Grãos (t) ,10 7º 65

66 O ICMS arrecadado na Região Norte Goiano correspondeu em 2008 a 1,82% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 22,58% contra 37,24% do crescimento do Estado. Niquelândia é o município que mais arrecada ICMS na região. Arrecadação de ICMS (R$ mil) A Região Norte possui 346 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. Niquelândia é o município que tem maior expressividade econômica na região. A economia do município está intimamente ligada à atividade da indústria extrativista mineral de duas grandes empresas que exploram níquel, a Companhia Níquel Tocantins, do Grupo Votorantim e a Codemin - Companhia de Desenvolvimento de Recursos Minerais, ligada ao grupo Anglo American, a maior empresa de mineração do mundo As reservas de minério de níquel em Goiás são da ordem de aproximadamente 300 milhões de toneladas, a um teor médio de 1,48 % de níquel metálico. Correspondem a 74% das reservas brasileiras, das quais 37% se encontram em Niquelândia. A produção e o valor da comercialização de níquel constituem um dos pilares do desenvolvimento da indústria extrativa mineral no Estado de Goiás e importante elo da cadeia produtiva brasileira do níquel e da siderurgia nacional. A partir de 2007 a Mineradora Maracá, do Grupo Yamana, começou a explorar o Sulfeto de Cobre no município de Alto Horizonte, provocando um aumento expressivo no Produto Interno Bruto do Município. Polos de Economia da Região Norte Goiano Polo Mineral Niquelândia, Alto Horizonte, Minaçu e Crixás Polo de São Miguel do Desenvolvimento Araguaia e Nova Pecuário Crixás Polo Cerâmico Mara Rosa e Estrela do Norte As exportações cresceram de 2006 para 2008 em 685,5%, principalmente em relação ao Sulfeto de Cobre, explorado no município de Alto Horizonte a partir de

67 Evoução das Exportações do Norte Goiano (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA NIQUELÂNDIA - A economia do município está intimamente ligada ao desenvolvimento de duas grandes empresas que exploram Níquel e são as maiores geradoras de empregos e de impostos no município: a Votorantim Metais Níquel S/A e a Anglo American Brasil Ltda. Ao redor das grandes empresas surgiram outras, impulsionando ainda mais a economia do município. O resultado é a arrecadação sempre crescente de ICMS. O turismo no município também é um atrativo e tem muito potencial de crescimento. Por ser uma das cidades mais antigas do Estado, possui um rico patrimônio histórico-cultural formado por igrejas e casarões. O chamado turismo religioso, ocorre com a romaria em homenagem a Nossa Senhora da Abadia do Muquém, que é uma tradição. Também, o Lago da Serra da Mesa, maior lago artificial do Brasil em volume de água, propicia forte atração para pesca esportiva e para atividades de ecoturismo. PORANGATU - O emprego e a renda estão em alta na cidade com a chegada da Ferrovia Norte-Sul e da indústria de biodiesel (Bionasa) com grande capacidade de produção. A Bionasa é resultado da união de três organizações: a Jaraguá Participações, a Cana-Brava Participações e a inglesa Trading Emissions PLC (TEP), considerada o maior fundo de crédito de carbono do mundo. A fábrica da Bionasa ocupa área de 85 mil metros quadrados, sendo 60 mil metros quadrados de área construída. A unidade será a maior do País em produção de biodiesel (combustível biodegradável derivado de fontes renováveis). O complexo está localizado estrategicamente nas proximidades de um dos terminais da Ferrovia Norte-Sul e da Rodovia Belém-Brasília (BR-153). Seu complexo industrial começou a ser construído em agosto de 2006 e teve o início das operações no segundo semestre de Nessa primeira etapa, a empresa é capaz de produzir 220 milhões de litros de biodiesel por ano. Em futuro próximo, com a ampliação do complexo, a capacidade será de 440 milhões de litros por ano. Um total de investimentos ao redor de R$ 500 milhões. Para atingir essa produção, o complexo industrial vai utilizar 1,2 milhão de toneladas de matéria-prima fornecida pelas regiões Norte e Nordeste de Goiás e também pelo Tocantins, Bahia e Mato Grosso. A empresa 67

68 utilizará produtos vegetais (girassol, soja e pinhão-manso) e gordura animal para a produção. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Norte Goiano é 0,718 e está no 9º lugar do ranking do Estado. Nenhum município da região figura entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM da Região Norte Goiano Município Ranking IDHM Porangatu 52º 0,761 Campinorte 73º 0,750 Minaçu 78º 0,749 Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento da Região Norte Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 88,13 % da 7,09% da população população A Região Norte Goiano possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 6,63% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 84,21% contra 89,2% do Estado. Na região existem 06 polos da UEG e em Uruaçu existem o Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Goiás e a Fasem Faculdade de Serra da Mesa. Existem na região 982 leitos hospitalares (2009) o que representa 5,2% do total do Estado, distribuídos em 36 hospitais. 68

69 REGIÃO SUDESTE GOIANO 69

70 REGIÃO SUDESTE GOIANO A Região Sudeste Goiano compreende 22 municípios que ocupam ,227 km², correspondendo a 7,39% do território goiano. A região foi definida tendo como critério o eixo da estrada de ferro. Municípios da Região Sudeste Goiano Anhanguera Nova Aurora Campo Alegre de Goiás Orizona Catalão Ouvidor Corumbaíba Palmelo Cristianópolis Pires do Rio Cumari Santa Cruz de Goiás Davinópolis São Miguel do Passa Quatro Gameleira de Goiás Silvânia Goiandira Três Ranchos Ipameri Urutaí Leopoldo de Bulhões Vianópolis Área Total ( km²) Região Sudeste Goiano ,08% Goiás Nº de Municípios Região Sudeste Goiano 22 8,94% Goiás 246 Em se tratando de fatores que contribuem para o desenvolvimento econômico, o Sudeste Goiano é uma região privilegiada, visto que tem localização geográfica estratégica em decorrência de sua proximidade de grandes centros consumidores como Brasília, Goiânia e o Triangulo Mineiro, uma boa infraestrutura de transportes e economia diversificada, com produção de grãos e criação de aves em crescimento, indústria automobilística, indústria minero-química, agroindústrias, instituições de ensino superior e comércio em expansão. A região possui ainda potencial turístico (com destaque para Três Ranchos, que tem como atração a represa do rio Paranaíba; que forma o Lago Azul). INFRAESTRUTURA A região Sudeste Goiano tem como principal rodovia a BR352, GO-020 e GO-330. Apesar do transporte ferroviário pouco utilizado no Estado, em meados de 1920 foi construída a Estrada de Ferro Goiás, a linha Araguari-Roncador, com 234 quilômetros de extensão. 70

71 Até o ano de 1952, a ferrovia percorria com seus trilhos aproximadamente 480 quilômetros, chegando ao seu ponto mais distante em Goiânia. Essa ferrovia foi interrompida na década de 1970, com a construção da Barragem da Hidrelétrica de Emborcação, desviando a ferrovia de Monte Carmelo para Araguari. A barragem passou a impedir a interligação de Catalão com o Centro-Sul. A construção da BR-050, ligando São Paulo a Brasília passou a ser opção de escoamento da produção através de Uberlândia. A infraestrutura de transportes é considerada boa por causa das rodovias estratégicas que passam no Sudeste de Goiás, ligando seus municípios a várias capitais do país e ao Triângulo Mineiro; da ferrovia que possibilita o transporte de mercadorias até porto marítimo e vice-versa, a um custo de frete menor que o do transporte rodoviário; e pela disponibilidade de aeroportos nas três maiores cidades, sendo que um deles, o aeroporto de Catalão, é homologado pela Infraero, tem pista asfaltada, terminal de passageiros e sinalização noturna. Vale ressaltar a conclusão da ampliação do aeroporto do município. São mais de R$ 6 milhões em investimentos. A obra consiste em ampliar a pista de metros para metros por 30 metros de largura. Mas a principal modificação é reforçar a base para receber aeronaves de maior porte para carga e também para passageiros. O aeroporto comportará aviões de médio porte com até 78 assentos sem restrições, como um ATR-72. Além da pista de pouso, a pista de táxi de ligação e o pátio estão sendo reformados. O balizamento noturno será ampliado e o terminal de passageiros reformado. A Região Sudeste Goiano conta com 17 aeródromos. Possui 02 usinas Termelétricas de Energia e 05 hidrelétricas em operação, totalizando 1.588,71MW de potência. USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência Classe Municípios Combustível (MW) Combustível Copebrás 14,8 Catalão Efluente Gasoso Fóssil LASA - Lago Azul S/A 2,0 Ipameri Bagaço de Cana Biomassa Total: 02 Usinas Potência Total: 16,8 MW USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Rio Tipo Cascalho Rico Emborcação 1.192,00 - MG Paranaíba UHE Catalão - GO São Bento 0,62 Catalão São Bento CGH Corumbá I 375,00 Caldas Novas Corumbá UHE Corumbaíba Lago Azul 4,00 Ipameri Ribeirão Castalhano PCH PG-2 0,29 Ipameri Ribeirão das Éguas CGH Total: 05 Usinas Potência Total: 1.571,91 MW 71

72 Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total do Sudeste Goiano (Mwh) ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Sudeste Goiano é de 9,77 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17,42. A população do Sudeste Goiano tem crescido nos últimos anos, mas esse crescimento tem se concentrado nos maiores municípios, isto é, em Catalão, Pires do Rio e Ipameri. No restante da região encontram-se municípios estagnados, pois vêm apresentando taxas pequenas de crescimento demográfico; quatro municípios vêm perdendo população nos últimos anos, evidenciando uma visão, principalmente junto à população mais jovem, da falta de perspectivas de um futuro melhor nessas localidades EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Campo Alegre de Goiás, com 3,85% e o município com a menor taxa é Urutaí com crescimento negativo de -1,47%. População % Região Sudeste Goiano ,15% Goiás

73 A cidade mais populosa da região é Catalão que possui habitantes, representando 1,36% da população do Estado. O segundo município mais populoso é Pires do Rio com habitantes. Ranking dos dez maiores municípios em população Catalão Pires do Rio Ipameri Silvânia Orizona Vianópolis Leopoldo de Bulhões Corumbaíba Campo Alegre de Goiás Goiandira ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB da Região Sudeste Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 110 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. A região do Sudeste Goiano, que participava com 16,87% do PIB do Estado em 2002 passou para 12,93% em Devido à elevada participação do setor agropecuário, esta região foi bastante afetada pela queda nos preços de diversos produtos da agropecuária de 2004 a 2006, principalmente grãos. Catalão, em 2006, representou 4,36% do PIB goiano, com R$ 2,489 bilhões. As vantagens competitivas deste município estão na proximidade de grandes centros econômicos e na produção de riquezas minerais, indústria de transformação relevante, o que possibilitou a formação de um polo regional. Destacam-se no município os polos minero-químico e metal-mecânico, sede de empresas de grande porte, do ramo de mineração e fertilizantes, máquinas agrícolas e montadora de veículos. Outro fator competitivo é a presença da Ferrovia Centro-Atlântica - FCA, que alcança os Portos de Santos e de Tubarão em Vitória-ES EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO SUDESTE GOIANO

74 Estrutura Percentual do PIB da Região Sudeste Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 7,25 10,25 8,73 5,89 A Região possui o segundo maior rebanho avícola, com plantel de 9.172,450 aves, representando 19,20% do total do Estado. Em 2008, os rebanhos da Região Sudeste participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 6,73% do rebanho bovino, 6,27% do rebanho suíno e 19,20 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 15,70% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 13,06% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve um aumento na produção agrícola de 34,18%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,73 5º Aves (cab) ,20 2º Suinos (cab) ,27 5º Leite (lt) ,70 3º Grãos (t) ,06 3º O ICMS arrecadado na Região Sudeste Goiano correspondeu em 2008 a 4,55% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 107,86% contra 37,24% do crescimento do Estado. Catalão é o município que mais arrecada ICMS, principalmente, em função da fabricação de automóveis. Arrecadação de ICMS (R$ mil) A região Sudeste Goiano possui 484 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. 74

75 Polos de Economia da Região Sudeste Goiano Polo Metal-mecânico Catalão Polo Minero-químico Polo de Agro-negócios Polo Avícola Catalão Ipameri Pires do Rio As exportações cresceram de 2007 para 2008 em 40,64%, principalmente em relação aos setores metal-mecânico e minero-químico, Evolução das Exportações (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA CATALÃO - O município de Catalão destaca-se no cenário econômico de Goiás devido ao seu potencial de geração de riquezas e sua contribuição para o crescimento do Estado, mas também é destaque pela qualidade de vida que oferece à sua população. No aspecto econômico, os destaques ficam por conta do comércio e indústrias mineroquímica, montagem de automóveis e máquinas agrícolas. Em qualidade de vida, a cobertura dos domicílios com água tratada e o rendimento médio da população ocupada estão entre os melhores indicadores dos municípios goianos. A localização estratégica tem sido fator fundamental para o desenvolvimento do município. Situa-se na divisa com Minas Gerais e a 248 km de Goiânia, 305 km de Brasília, 657 km de São Paulo e km do Rio de Janeiro bem como conta com a presença da Ferrovia Centro-Atlântica - FCA, que alcança os Portos de Santos e de Tubarão em Vitória-ES. Há firme intensão de se estender a hidrovia Tietê-Paraná-Paranaíba da Barragem de São Simão até Catalão. O trecho de 450 quilômetros tem potencial de transporte de cerca de 1 milhão de toneladas de grãos, pelo custo de até 75% mais barato que a via rodoviária. Se isso se tornar realidade, Catalão se reforçará ainda mais como destaque no 75

76 Estado. O estudo de viabilidade da hidrovia está sendo elaborado com base no novo Plano Nacional de Logística de Transporte. A excelente localização e as riquezas minerais do município foram fatores decisivos para a atração de empresas de grande porte, como Copebras (fertilizantes), Mineração Catalão e Ultrafértil do ramo de mineração, a Mitsubishi montadora de carros e John Deere do Brasil (máquinas agrícolas), constituindo polos minero-químico (minérios importantes como o fosfato e o nióbio) e metal-mecânico. Para reforçar esse grupo o Município e o Estado trabalham para atrair a fábrica da Suzuki para o município. A Bunge também deu início à expansão do complexo industrial da Fosfértil sendo que parte dos R$ 300 milhões de investimento da empresa beneficiará Catalão. Outro empreendimento que chega a Catalão é a empresa de atacado e varejo Coselli rede de supermercado do interior do Estado de São Paulo. O investimento é de aproximadamente R$ 5 milhões e inclui a instalação de um shopping. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Sudeste está no 1º lugar do ranking do Estado. Dezesseis municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM da RMG Município Ranking IDHM Catalão 3º 0,818 Anhanguera 9º 0,802 Campo Alegre 11º 0,802 de GO Três Ranchos 17º 0,788 Palmelo 19º 0,787 Nova Aurora 21º 0,785 Ouvidor 22º 0,785 Pires do Rio 23º 0,785 Vianópolis 24º 0,784 Santa Cruz de GO 28º 0,782 Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento do Sudeste Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 97,71 % da 11,00% da população população 76

77 A Região Sudeste Goiano possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 5,05% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 89,96% contra 89,2% do Estado. O Sudeste Goiano possui 06 Polos de Universidades e 04 faculdades Existem na região 833 leitos hospitalares (2009) o que representa 4,41% do total do Estado. São 23 hospitais, que correspondem a 4,88% do total estadual. 77

78 REGIÃO NORDESTE GOIANO 78

79 REGIÃO NORDESTE GOIANO A Região Nordeste foi delimitada em função de sua homogeneidade em termos de condições socioeconômicas e espaciais e como estratégia de planejamento para investimentos governamentais tendo em vista minimizar os desequilíbrios regionais. Compreende 20 municípios ocupando um território de ,364 km², o que corresponde a 11,39% do total do território de Goiás. ] Municípios da Região Nordeste Goiano Alto Paraíso de Goiás Iaciara Alvorada do Norte Mambaí Buritinópolis Monte Alegre de Goiás Campos Belos Nova Roma Cavalcante Posse Colinas do Sul São Domingos Damianópolis São João d`aliança Divinópolis de Goiás Simolândia Flores de Goiás Sítio d`abadia Guarani de Goiás Teresina de Goiás Área Total ( km²) Região Nordeste Goiano ,39% Goiás Nº de Municípios Região Nordeste Goiano 20 8,13% Goiás 246 A região Nordeste, considerada a mais pobre do Estado, possui dois eixos de desenvolvimento, um voltado para o potencial turístico, que é a Chapada dos Veadeiros e outro voltado para a agropecuária, que é o Vão do Paranã. Em decorrência da preservação ambiental existente, a região detém o título de Reserva da Biosfera do Cerrado. A Chapada dos Veadeiros, especialmente o município de Alto Paraíso, com divulgação constante, inclusive em nível internacional, tem provocado um aumento considerável no número de turistas na região. Importante ressaltar ainda o veio turístico do Parque Estadual de Terra Ronca em São Domingos, com grande potencial de investimento. O município de Posse, na divisa com a Bahia, é uma cidade polo em diversas áreas, como educação e saúde e se tornou forte entreposto comercial, principalmente devido à agricultura do Oeste baiano, que realiza suas transações comerciais na cidade 79

80 goiana. O comércio bastante ativo gera emprego e renda a uma parcela significativa da população local. Encontra-se no Nordeste de Goiás o maior Quilombo da América Latina, a comunidade Kalunga, com cerca de 4 mil habitantes, ocupando uma área de 237 mil ha. que se estendem pelos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás. O Estado criou através de Lei Complementar Estadual nº 19 de 05/01/1995, o território Kalunga como Patrimônio Cultural e Sítio de Valor Histórico. INFRAESTRUTURA O sistema de transportes está baseado no modal rodoviário. A região conta com dois eixos de integração: BR-020 que interliga a região ao Nordeste do País, passando pelo Estado da Bahia e a GO-118, que no sentido Norte liga ao Tocantins e no Sul, a Brasília, mas que não interligam entre si. Além desses eixos, as principais rodovias que cortam a região são a GO-112, GO-110 e GO-237, existindo também, várias estradas vicinais interligando cidades, povoados e lugarejos. O Nordeste Goiano possui 02 aeroportos, em Alto Paraíso e Posse, e 17 aeródromos. A Região Nordeste Goiano possui 01 usina Termelétrica de Energia em operação e 08 Hidrelétricas totalizando 1.781,67 MW de potência. A região é rica em recursos hídricos, com potencial para geração de energia elétrica. Mas, tendo em vista ser a região onde estão localizados 14 municípios dos 30 municípios goianos com maior cobertura vegetal nativa, a opção deve ser, necessariamente, pela implantação de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), e não de grandes usinas geradoras de energia elétrica, evitando assim ocasionar fortes impactos ambientais e destruir a sua maior riqueza: o meio ambiente. USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Campos Belos de Goiás - CELG 2,0 Total: 01 Usinas Municípios Campos Belos Combustível Óleo Diesel Classe Combustível Fóssil Potência Total:2,0 MW 80

81 USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Municípios Rio Tipo Cavalcante - Serra da Mesa 1.275,00 GO Tocantins UHE Minaçu - GO Cana Brava 466,00 Cavalcante e Minaçu - GO Tocantins UHE São Domingos 14,34 São Domingos - GO São Domingos UHE Santa Edwiges II 13,00 Buritinópolis / Mambaí - GO Buritis PCH Santa Edwiges I 10,10 Buritinópolis / Posse - GO Piracanjuba PCH Areas & Castelani 0,54 Posse - GO Maria Ferreira CGH Mambaí 0,35 Sítio D Abadia - GO Corrente CGH Mosquito 0,34 Campos Belos - GO Mosquito CGH Total: 08 Usinas Potência Total: 1.779,67MW ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Nordeste Goiano é de 4,46 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17, EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Mambaí, com 4,51% e o município com a menor taxa é Guarani de Goiás com taxa negativa de -1,48%. População % Região Nordeste Goiano ,92% Goiás

82 O município mais populoso da Região é Posse que possui habitantes. O segundo município é Campos Belos com habitantes e o com menor número de é Santa Teresina de Goiás com habitantes. Ranking dos dez maiores municípios em população Posse Campos Belos Iaciara Flores de Goiás Cavalcante São Domingos São João D Aliança Alvorada do Norte Monte Alegre de Goiás Alto Paraíso de Goiás ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB do Nordeste Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 23,79 % mais que o PIB do Estado de Goiás em valores nominais. A região participava com 1,23% em 2002, passou para 1,59% em EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO NORDESTE GOIANO Estrutura Percentual do PIB da Região Nordeste Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 1,59 3,75 1,48 1,48 82

83 As atividades econômicas da Região concentram-se basicamente no setor agropecuário, apesar de não possuir expressividade no total do Estado. Em 2008, os rebanhos do Nordeste Goiano participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 5,92% do rebanho bovino, 2,21% do rebanho suíno e 0,86% do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 0,72% do total produzido no Estado em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 2,23% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve um crescimento na produção agrícola de 43,93%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,92 9º Aves (cab) ,86 10º Suinos (cab) ,21 10º Leite (lt) ,72 10º Grãos (t) ,23 6º A indústria representa apenas 1,48% do PIB, atividade com pouca agregação de valor, representada por pequenos estabelecimentos ligados a atividades como confecções de roupas, laticínios, padarias, fábricas de farinha de milho e de mandioca, torrefação de café e outras O ICMS arrecadado na Região Nordeste Goiano correspondeu em 2008 a 0,37% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 26,27% contra 37,24% do crescimento do Estado. Apesar da estabilidade dos números na arrecadação, a evolução desse índice pode ser considerada um dos indicadores mais tangíveis do desenvolvimento do Nordeste Goiano. A arrecadação tem baixa representatividade em relação à do Estado, mas nota-se um crescimento significativo nos valores verificados nos últimos 8 anos. Cavalcante é o município que mais arrecada ICMS, correspondendo a 20,11% do total da região. Arrecadação de ICMS (R$ mil) O Nordeste Goiano possui 95 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. A Indústria é uma atividade com pouca agregação de valor, representada por pequenos estabelecimentos. 83

84 Polo de Economia do Nordeste Goiano Polo Turístico Alto Paraíso, Cavalcante e São Domingos Polo Comercial Posse e Campos Belos Polo de Educação Campos Belos e Posse Polo de Saúde Campos Belos e Posse Evolução das Exportações no Nordeste Goiano (US$FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA POSSE O município faz divisa com o Estado da Bahia e conta com a maior população da região. A cidade é movimentada devido ao comércio em expansão, uma vez que Posse é cidade polo da região, tanto no setor comercial como em outros setores como saúde e educação superior. As grandes plantações de soja do Oeste baiano estimulam o comércio, tornando Posse um grande entreposto comercial de produtos agropecuários, bem como de abastecimento para o mercado dos municípios vizinhos. A economia de Posse gira em torno da agropecuária, comércio e extração de calcário. Depois do comércio, a pecuária de corte é a principal atividade econômica do município. Está implantada no município a Central Geradora Hidroelétrica Áreas & Castelani, que represa o rio Maria Ferreira, com capacidade inicial de 544 KW. CAMPOS BELOS É um dos municípios mais importantes da Região e o segundo mais populoso. Seu comércio além de dinâmico e em franca expansão abastece o Sudeste do Tocantins e os municípios vizinhos. A principal atividade de Campos Belos é a agropecuária. A agricultura é de subsistência com destaque para a plantação de arroz, cana-de-açúcar, feijão e milho. O 84

85 município está se tornando um polo ceramista com três cerâmicas implantadas, com produção de tijolos e telhas. A cidade é polo nas áreas de educação comércio e saúde. ALTO PARAISO O turismo, que se localiza no coração da Chapada dos Veadeiros, é a grande vocação econômica não só do município, mas de toda a região Nordeste. Além de ser visitada por turistas e místicos de todo o mundo, Alto Paraíso é o berço mais alto das águas do centro do País, onde se localizam as nascentes dos principais rios que abastecem o Tocantins. A partir dos anos 80 grupos de participantes de comunidades alternativas se instalaram na cidade e nos anos 90 grupos esotéricos ou espiritualistas buscaram o município visando uma maior qualidade de vida. Com esses grupos vieram profissionais de diversas áreas, artistas, terapeutas e ecologistas preocupados com a preservação dos recursos naturais existentes. A diversidade de idéias e dogmas tornou a cidade um centro místico e de terapias alternativas, modificou a arquitetura local e foram construídos vários templos e locais de meditação e tratamentos alternativos, atraindo a atenção da mídia nacional e internacional. Além do turismo de saúde e místico existe ainda o ecoturismo, devido aos 160 atrativos com mais de 100 cachoeiras. A cidade conta com boa rede hoteleira para o atendimento, com várias operadoras de turismo, proporcionando roteiros para os diversos tipos de passeios e esportes. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Nordeste Goiano é 0,664 e está em último lugar do ranking do Estado. Nenhum município figura entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento do Nordeste Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 98,57 % da 22,17% da população população A Região Nordeste possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 3,67% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 77,65% contra 89,2% do Estado. Existem dois polos da UEG na região, em Campos Belos e em Posse. A Região conta com 366 leitos hospitalares (2009) o que representa 1,94% do total do Estado, distribuídos em 16 hospitais. 85

86 O Nordeste Goiano é rico em festas folclóricas como as juninas, a Romaria do Engenho e Vão do Moleque, nas comunidades Kalungas e as tradicionais festas da Caça à Rainha, com danças típicas africanas, realizada em vários municípios da região, atraindo turistas de todo o Estado. 86

87 REGIÃO SUL GOIANO 87

88 REGIÃO SUL GOIANO A Região Sul Goiano compreende 26 municípios que ocupam ,039 km², correspondendo a 7,39% do território goiano. Municípios da Região Sul Goiano Água Limpa Itumbiara Aloândia Joviânia Bom Jesus de Goiás Mairipotaba Buriti Alegre Marzagão Cachoeira Dourada Morrinhos Caldas Novas Panamá Cezarina Piracanjuba Cromínia Pontalina Edealina Porteirão Edéia Professor Jamil Goiatuba Rio Quente Inaciolândia Varjão Indiara Vicentinópolis Área Total ( km²) Região Sul Goiano ,39% Goiás Nº de Municípios Região Sul Goiano 26 10,56% Goiás 246 É uma das regiões mais ricas do Estado, além de apresentar uma das melhores condições em se tratando de infraestrutura econômica e social. A economia da região é diversificada, tendo uma agricultura forte, notadamente a produção de soja, que é hoje o principal item das exportações do Sul Goiano e uma das maiores bacias leiteiras do Estado, a localizada entre Piracanjuba e Morrinhos, um parque industrial em expansão, concentrado principalmente em Itumbiara e Goiatuba e o maior polo turístico de Goiás, com as águas quentes de Caldas Novas e Rio Quente. Tendo em vista a expressiva produção agropecuária, a infraestrutura disponível e a existência de empresas exportadoras, a Região Sul Goiano é a primeira colocada em exportação de produtos, dentre as dez regiões de planejamento do Estado. Os recursos hídricos existentes constituem boa fonte de riqueza, tanto para o turismo, com suas fontes de águas termais, lagos e rios, como para hidrovia, no Rio Paranaíba, principalmente quando houver expansão da mesma de São Simão até Catalão. 88

89 INFRAESTRUTURA A Rgião pode ser considerada privilegiada em rodovias, se comparada a outras do Estado. O Sul Goiano tem como eixo principal a BR-153, que integra o Norte ao Sul do País. Outra rodovia importante é a BR-452 que liga Itumbiara a Rio Verde. A Região conta com 02 aeroportos, em Caldas Novas e Itumbiara e 22 aeródromos. Possui 02 usinas Termelétricas de Energia e 04 hidrelétricas em operação, totalizando 3.364,7 MW de potência. USINAS do tipo UTE (Usina Termelétrica de Energia) em Operação 2007 Usina Potência Classe Municípios Combustível (MW) Combustível Goiasa 46,5 Goiatuba Bagaço de Cana Biomassa Complem I 1,2 Morrinhos Óleo Diesel Fóssil Total: 02 Usinas Potência Total: 47,7 MW USINAS do tipo UHE (Usina Hidrelétrica de energia) em Operação 2007 Usina Potência (MW) Itumbiara 2.280,00 Rochedo 4,00 Corumbá I - RSdG 375,00 Cachoeira Dourada 658,00 Total: 04 Usinas Municípios Rio Tipo Itumbiara - GO Tupaciguara - MG Piracanjuba - GO Caldas Novas - GO Corumbaíba - GO Cachoeira Dourada - MG Itumbiara - GO Paranaíba Meia Ponte Corumbá Paranaíba UHE PCH UHE UHE Potência Total: 3.317,00 MW Evolução do Consumo de Energia Elétrica Total do Sul Goiano (Mwh)

90 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS A densidade populacional na Região Sul Goiano é de 15,48 habitantes por quilômetro quadrado, sendo a estadual 17, EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO POPULACIONAL O município com a maior taxa geométrica de crescimento da população, entre 2000 e 2008 é Rio Quente, com 5,33% e o município com a menor taxa é Cachoeira Dourada com taxa de crescimento negativa de -1,32%. População % Região Sul Goiano ,69% Goiás O município mais populoso da Rgião é Itumbiara que possui habitantes. O segundo município é Caldas Novas com habitantes. Água Limpa e Aloândia com habitantes cada, são os que apresentam menor população. Ranking dos dez maiores municípios em população Itumbiara Caldas Novas Morrinhos Goiatuba Piracanjuba Bom Jesus de Goiás Pontalina Indiara Edéia Buriti Alegre

91 ASPECTOS ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto PIB da Região Sul Goiano, entre o período de 1999 a 2006, cresceu 198,41 % enquanto o PIB Estadual cresceu 218,59% em valores nominais. O Sul Goiano participava com 8,88% em 2002 e diminuiu sua participação para 8,48% em Itumbiara representou 2,65% do PIB estadual em 2006, com R$ 1,512 bilhão, sendo que 5,00% foram provenientes da agropecuária, 30,34% da indústria e 64,76% de serviços. Neste município estão instaladas indústrias processadoras de soja, algodão e milho, beneficiamento de couro, de sementes e fertilizantes. O município tem se destacado na exportação, sendo o primeiro no ranking estadual EVOLUÇÃO DO PIB DA REGIÃO SUL GOIANO Estrutura Percentual do PIB da Região Sul Goiano 2006 % PIB Agropecuária Indústria Serviços 8,48 13,29 10,72 7,16 A Região é quarto produtor bovino com rebanho de cabeças e terceiro produtor suíno do Estado com cabeças. Em 2008, os rebanhos da Região Sul Goiano participavam nos efetivos do Estado nas seguintes proporções: 9,05% do rebanho bovino, 10,34% do rebanho suíno e 6,02 % do rebanho avícola. A produção leiteira correspondeu a 15,96% do total produzido no Estado, sendo a região o segundo produtor em A produção de grãos correspondeu em 2008 a 12,84% da produção total do Estado. No período de 2004 a 2008 houve um crescimento na produção agrícola de 3,93%. Produção Agropecuária 2008 Quantidade % do Estado Ranking das regiões Bovinos (cab) ,05 4º Aves (cab) ,02 6º Suinos (cab) ,34 3º Leite (lt) ,96 2º Grãos (t) ,84 4º 91

92 O ICMS arrecadado na Região Sul Goiano correspondeu em 2008 a 2,97% do total arrecadado no Estado de Goiás. O crescimento nominal do ICMS de 2006 para 2008 foi de 57% contra 37,24% do crescimento do Estado. Itumbiara é o município que mais arrecada ICMS na região. Arrecadação de ICMS (R$ mil) A região Sul possui 657 estabelecimentos industriais e estabelecimentos do comércio varejista. O fácil acesso ao Sul e Sudeste do país e ao Sudoeste do Estado, facilita o escoamento da produção. Isso contribui para a produção e para a expansão e instalação de novas agroindústrias no Diagri Distrito Agroindustrial de Itumbiara, favorecendo o crescimento e desenvolvimento da economia local. Coopera para este crescimento e desenvolvimento do município, a presença de empresas exportadoras como Caramuru Alimentos (exportadora de soja), Maeda S/A Indústria e Comércio (exportadora de derivados de algodão) e Braspelco (exportadora de couro), que ajudam o município a ser um dos maiores exportadores do Estado de Goiás. Também a indústria do turismo desenvolve a região através da cidade de Caldas Novas que é um dos principais destinos turísticos do país, além de ter o título de maior estância hidrotermal do mundo. Um dos dados que demonstram a força deste título é o fluxo de turistas. Atualmente a cidade recebe aproximadamente 1,5 milhão por ano, tanto brasileiros como pessoas do exterior. Polos de Economia da Região Sul Goiano Polo Turístico Caldas Novas e Rio Quente Polo Agroindustrial Itumbiara e Goiatuba As exportações cresceram 32,16% de 2006 para Itumbiara exportou US$ 83,135 milhões com destaque em grãos de soja e milho no primeiro semestre de

93 Evolução das Exportações da Região Sul Goiano (US$ FOB) MUNICÍPIOS COM MAIOR EXPRESSÃO ECONÔMICA ITUMBIARA - Conhecida como o portal de entrada do Estado, Itumbiara também é um dos mais competitivos municípios goianos. O fácil acesso ao Sul e Sudeste do país e sua ligação com o Sudoeste do Estado facilitam o escoamento da produção. Além de bem localizado o município possui um bom Distrito Agroindustrial - o DIAGRI que também contribui para a produção, expansão e instalação de novas indústrias. O município se destaca no avanço do segmento industrial, contando hoje com mais de 165 indústrias instaladas, grande parque industrial e oferece serviços de orientação jurídica e contábil às pequenas empresas. Para o processamento da grande produção agrícola e pecuária da região, o parque industrial de Itumbiara conta com destaques como: Caramuru Alimentos, Pioneer Sementes, Cooperativa Central dos Produtores de São Paulo, Maeda Agroindustrial, Metalgráfica Rio Industrial, Kenji, Lacticínio Sul Goiano, Eaco, Boa Safra, Terraboa, Açofergo, W3, Jacinto Engenharia e CTBC. Itumbiara foi o 3º maior exportador em 2009 sendo os principais produtos exportados: soja, bagaços e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja, milho em grão e para semeadura, óleo de girassol bruto, óleo de algodão, lecitinas e outros fosfoaminolipídios, algodão debulhado e sorgo. Entre os empreendimentos a serem instalados em Itumbiara destaca-se o Grupo Plantar S/A, dedicado à produção de florestas plantadas de eucalipto, bem como à produção, transporte e manuseio de carvão vegetal. Estão sendo investidos R$ 15 milhões na implantação de um viveiro de mudas clonais de eucalipto. A capacidade inicial é para produzir 30 milhões de mudas/ano, podendo chegar a 40 milhões de mudas/ano. CALDAS NOVAS - Localizada na Região Sul do Estado de Goiás, a cidade é um dos principais destinos turísticos do país, além de ter o título de maior estância hidrotermal do mundo. Atualmente a cidade recebe aproximadamente 1,5 milhão de turistas por ano, tanto brasileiros como estrangeiros. Segundo dados da EMBRATUR, somente Porto Seguro (BA) recebe mais turistas no Brasil. Com isso Caldas Novas alcançou nos últimos anos um desenvolvimento surpreendente gerado pela expansão de sua maior vocação econômica: o turismo. Junto 93

94 com Rio Quente, o município forma o maior complexo hidrotermal do Brasil, além de possuir o terceiro parque hoteleiro do país, com leitos em seus 93 hotéis, pousadas, pensões, flats e vários condomínios residenciais. É simplesmente o triplo da capacidade de Goiânia, que tem leitos. O município também se caracteriza por modernos e grandes empreendimentos hoteleiros, com boa infraestrutura para a atividade turística e um comércio crescente, fortalecendo outros setores produtivos do município. O comércio, bastante dinâmico, tem perto de estabelecimentos; a indústria, com 122 empresas, diversificadas e começa a explorar segmentos da cadeia produtiva do turismo; o setor de construção civil aproveita o boom econômico e lança novos empreendimentos. ASPECTOS SÓCIOCULTURAIS O IDHM (2000) da Região Sul Goiano é 0,764 e está no 6º lugar do ranking do Estado. Doze municípios figuram entre os 50 maiores IDHM de Goiás. Ranking de IDHM da Região Sul Goiano Município Ranking IDHM Goiatuba 4º 0,812 Morrinhos 6º 0,806 Rio Quente 7º 0,806 Pontalina 8º 0,805 Caldas Novas 10º 0,802 Joviânia 18º 0,787 Itumbiara 27º 0,782 Em 2008 existiam m de extensão de rede de água e m de extensão de rede de esgoto. Saneamento da Região Sul Goiano 2008 Atendimento com Atendimento com água esgoto 88,41% da 34,90% da população população A Região Sul Goiano possuía, em 2008, alunos e salas de aula, o que representa 7,49% do total do Estado. A taxa de alfabetização alcançou em 2006 a marca de 87,86% contra 89,2% do Estado. A região conta com 05 polos da UEG e 07 faculdades. Existem na região leitos hospitalares (2009) o que representa 6,27% do total do Estado, distribuídos em 35 hospitais. 94

95 REGIÃO OESTE GOIANO 95

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005):

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005): População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano PIB (2005): R$ 2,753 bilhões PIB per capita: R$ 8.784,00 Principais distâncias: Goiânia: 54 km Brasília: 154 km São

Leia mais

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005):

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): Palmeiras de Goiás População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): R$ 209,1 milhões PIB per capita: R$ 11.260,00 Principais distâncias: Goiânia: 76 km

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL DE ANÁPOLIS Conheça o que é o projeto da Plataforma Logística Multimodal de Anápolis, investimentos e os benefícios que trará para a economia goiana. O que vai funcionar

Leia mais

RANKING DOS MUNICÍPIOS GOIANOS 2005

RANKING DOS MUNICÍPIOS GOIANOS 2005 16 RANKING DOS MUNICÍPIOS GOIANOS 2005 Anápolis Principal pólo de desenvolvimento do Estado Foto: Divulgação Mariza Santana Localizada entre a capital do Estado e a capital federal (Goiânia e Brasília)

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior. SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior. SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela Maio - 2014 1 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira Perillo Júnior SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO Leonardo Moura Vilela CHEFE DO GABINETE ADJUNTO DE PLANEJAMENTO Júlio Alfredo Rosa

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

740 mil pessoas estão à espera da sua loja.

740 mil pessoas estão à espera da sua loja. 740 mil pessoas estão à espera da sua loja. Imagem ilustrativa Fonte: Relatório Mapeamento de Mercado Potencial China Associados Geomarketing. Polo de desenvolvimento do NOROESTE PAULISTA, a região de

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Mineiros. Novo perfil econômico, futuro promissor. Marcelo Cardoso da Silva. Agropecuária dinâmica

Mineiros. Novo perfil econômico, futuro promissor. Marcelo Cardoso da Silva. Agropecuária dinâmica Mineiros Novo perfil econômico, futuro promissor Foto: Divulgação Marcelo Cardoso da Silva Localizado no Sudoeste Goiano, uma das mais prósperas regiões do agronegócio brasileiro, Mineiros destaca-se como

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais em várias categorias CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Município de Três Marias MG Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro

Estado de Goiás Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Gabinete de Gestão de Capacitação e Formação Tecnológica Núcleo Bolsa Futuro BOLSA FUTURO O MAIOR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PAÍS Criado pela Lei Estadual n. 17.406, de 06 de setembro de 2011, coordenado, monitorado e avaliado pela. Implantado em conformidade com

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

5.10) Lazer, Turismo e Cultura

5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10.1) Metodologia No contexto da AII, com destaque para os Estados de Goiás e Mato Grosso, foram obtidas informações junto à EMBRATUR referentes aos principais pontos turísticos

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7.1) Metodologia No presente item, objetiva-se identificar os programas e projetos que poderão provocar algum tipo de sinergia e/ou interferência com a

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014

FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 FÓRUM REGIONAL DE CAMPINAS - 2014 Infraestrutura e Logística: As vantagens competitivas e os desafios da Região Metropolitana de Campinas Thomaz Assumpção URBAN SYSTEMS 15 anos + de 700 projetos Segmentos:

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

Oportunidade de Negócios no Distrito Federal, Brasília - Brasil

Oportunidade de Negócios no Distrito Federal, Brasília - Brasil Oportunidade de Negócios no Distrito Federal, Brasília - Brasil Investir no Distrito Federal 1. VANTAGENS SOCIOECONÔMICAS DO DF 1.1. Demografia 1.2. Território 1.3. Logística 1.4. Economia 2. OBJETIVOS

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 Faturamento do e-commerce no Brasil Vitória está entre

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center"

A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center "A importância dos agentes governamentais na definição do Local dos Data Centers" Painel A importância das Agencias Governamentais na Localização dos Data Center" Tópicos: A DCT Realty gostaria de promover

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Por que investir na AMAZÔNIA?

Por que investir na AMAZÔNIA? Por que investir na AMAZÔNIA? POR QUE INVESTIR NA AMAZÔNIA? A Região Amazônica tem localização estratégica em relação aos principais centros comerciais do globo. Seus produtos e insumos tem rota facilitada

Leia mais

Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 : Perfil econômico dos Estados-sede

Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 : Perfil econômico dos Estados-sede Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 : Perfil econômico dos Estados-sede Índice Estado página Amazonas (cidade-sede Manaus)... 3 Bahia (cidade-sede Salvador)... 8 Ceará (cidade-sede Fortaleza)... 13 Distrito

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais