Curso de Pós-Graduação em Arquitetura Bioclimática Sustentabilidade e Eficiência Energética. Módulo 6 Conforto Térmico III

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Pós-Graduação em Arquitetura Bioclimática Sustentabilidade e Eficiência Energética. Módulo 6 Conforto Térmico III"

Transcrição

1 Módulo 6 Conforto Térmico III Março/2010

2 Cronograma HORÁRIO MATÉRIA Sexta 18:00 20:00 Desempenho térmico: Processos de transmissão de calor. 20:05 23:00 Propriedades térmicas dos materiais. Exercício de avaliação. Sábado 08:00 10:00 Aplicação da NBR :00 11:30 Aplicação da NBR :30 13:00 Aplicação da NBR :00 17:00 Exercício de Avaliação 17:05 18:00 Ventilação Domingo 08:00 10:00 Cálculo da Ventilação 10:00 13:00 Avaliação e correção da avaliação Pág.: 2

3 Índice 1 DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES Processos de transferência de calor Condução, convecção e radiação Propriedades térmicas dos materiais Cálculo para paredes, coberturas e janelas: Aplicação da NBR VENTILAÇÃO Ventilação nos espaços internos Cálculo de ventilação BIBLIOGRAFIA...21 ANEXOS Pág.: 3

4 DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES Para a sustentabilidade e eficiência energética das construções, o desempenho térmico do edifício é um dos principais elementos a serem considerados, determinando o conforto térmico do usuário. Uma edificação, sujeita às variações climáticas externas, deve promover o conforto térmico do homem em seu ambiente interno. Porém, uma edificação é uma estrutura rígida que não se auto-regula, como é o caso dos seres vivos, e por isso mesmo é necessário conhecer os princípios termodinâmicos que agem sobre ela, para que as trocas de calor proporcionem ambientes internos apropriados ao desenvolvimento das atividades humanas no seu interior. O estudo do desempenho térmico de edificações requer, portanto, o conhecimento de processos de transmissão de calor e das propriedades térmicas dos materiais. 1.1 Processos de transferência de calor Na transferência de calor, um dos principais conceitos envolvidos é a temperatura. O conceito de temperatura pode ser descrito como o grau de calor contido em um sistema, corpo ou meio fluido. A condição para que haja transferência de calor é haver diferença de temperatura entre os corpos (ou parte deles) ou meio. Havendo diferença de temperatura (ou gradiente de temperatura em um mesmo corpo), haverá fluxo de calor do corpo (ou parte dele) de maior temperatura para aquele de menor temperatura. Como essa transferência depende diretamente da diferença de temperatura, à medida que o corpo de menor temperatura se aquece, diminui essa diferença e a velocidade de transmissão do calor se reduz. O tempo é, portanto, uma variável importante no processo de transmissão de calor. Quando é considerado que o processo de transmissão de calor depende não só da temperatura, mas também do tempo, adota-se a denominação de regime transitório ou transiente. Em condições normais, sob as condições de variações climáticas externas, o edifício está sujeito ao regime transitório de transmissão de calor. No entanto, por razões didáticas, para efeitos de simplificação de cálculos, muitas vezes adotam-se procedimentos que assumem que as temperaturas são mantidas constantes durante um tempo indeterminado. Esse regime constante é denominado regime permanente de transferência de calor. A transferência de calor ocorre por três tipos de mecanismos, que podem agir separadamente ou em conjunto (o que é mais habitual). São eles: condução, convecção e radiação Condução, Convecção e Radiação A condução é o processo de transmissão de energia térmica em corpos sólidos que estejam em contato, exigindo, portanto, continuidade física da matéria. É feita pelo movimento vibratório de moléculas aquecidas, que se colidem e transportam energia para as mais frias, sem que haja deslocamento de matéria. Como a taxa de transferência de calor é proporcional ao gradiente de temperatura, a transmissão de calor por condução pode ser equacionada pela Lei de Fourier: Q = - λ.a.t/x OBS: O sinal negativo da expressão é uma indicação do fluxo de calor no sentido da maior temperatura para a menor temperatura. onde: Q é a taxa de transferência de calor (W) λ é a condutividade térmica característica de cada material (W/m.K) A é a área da superfície considerada (m 2 ) T/x é o gradiente de temperatura na direção do fluxo (K/m) Pág.: 4

5 radiação convecção condução Figura 1 Condução, convecção e radiação A convecção é a passagem de calor em meios fluidos ou gases, pela diferença de temperatura e de densidade entre duas regiões, envolvendo transporte de matéria. Quando as moléculas entram em contato entre si, a transferência de calor que se produz no interior desse fluido é um processo de condução, mas a troca de energia ocorre por transferência de massa. A convecção pode ser natural ou forçada. Quando ocorre espontaneamente por diferenças de densidades provocadas pelas diferenças de temperaturas, chama-se convecção natural; quando ocorre por meios mecânicos, produzidos artificialmente, chama-se convecção forçada. O calor transmitido por convecção pode ser expresso pela Lei de Newton: onde: h é o coeficiente de convecção (W/m2. o C) Tp é a temperatura da superfície ( o C) T é a temperatura do fluido ( o C) q = h.a.(tp - T) O coeficiente h indica a quantidade de calor que se transfere da superfície até o fluido, por unidade de tempo e unidade de área, quando a diferença de temperatura entre a superfície e o fluido é de 1 o C. No caso da convecção natural, esse valor depende de diferenças de temperaturas, do tipo de superfície, da posição e da dimensão. Quando se trata de convecção forçada, depende principalmente da velocidade do ar. A radiação é uma emissão de energia em forma de ondas eletromagnéticas. A radiação é um processo que não requer contato entre os corpos, podendo ocorrer mesmo no vácuo. Nas trocas de calor por radiação é importante verificar que cada corpo possui seu fator de emissividade e nem toda a radiação emitida por um corpo chega ao outro, pois depende da posição (visibilidade) entre eles. A quantidade de calor por radiação emitida por um corpo é regida pela Lei de Stefan- Boltzmann: onde: q = Fe.Fg..A (T T 2 4 ) Fe é a função emissividade, que leva em conta dimensões e emissividade das superfícies Pág.: 5

6 Fg é o fator de forma, que relaciona uma superfície com a outra é a constante de Stefan-Boltzmann, que vale 5,669 x 10-8 W/m 2. K 4 T 1 e T 2 são as temperaturas em K A radiação recebida por um corpo pode ser proveniente do Sol, sendo denominada radiação de ondas curtas, ou ser originária da emissão de superfícies em função da temperatura alcançada; nesse caso denominada radiação de ondas longas. Uma parte da energia radiante que incide sobre um corpo é perdida em função da sua capacidade de absorver, refletir e transmitir calor. Para as ondas longas, a quantidade absorvida pode ser considerada igual à quantidade emitida. 1.2 Propriedades térmicas dos materiais Os materiais apresentam características térmicas que influem nas trocas de calor (como pode ser verificado nas expressões matemáticas que exprimem os processos de transmissão de calor anteriormente abordados) e, por consequência, determinam o desempenho térmico do edifício. O parâmetro denominado condutividade térmica (W/m.K) é um coeficiente, que inclui as trocas envolvidas no interior do material e que define a capacidade do mesmo de conduzir o calor. A condutividade térmica determina a quantidade de calor que atravessa um metro linear do material, em uma unidade de tempo, para cada unidade de temperatura diferente entre dois pontos considerados. O valor alcançado para a condutividade térmica permite classificar os materiais como isolantes ou condutores, ou seja, se sua capacidade de conduzir calor é alta, eles são bons condutores; sendo baixa, os materiais são isolantes. Em geral, essa propriedade guarda determinada relação com a densidade de massa aparente do material (kg/m3). Quanto mais denso, melhor condutor, pois apresenta mais partes sólidas. Quanto mais porosos, melhores isolantes, porque apresentam maior quantidade de ar, que, por sua vez, quando parado é menos condutor. No entanto, o aumento da porosidade do material tem um limite ótimo, acima do qual, há um aumento das trocas de calor por convecção, dentro do material, que podem aumentar a sua condutividade, pelo ganho de calor causado por essas trocas. O valor da condutividade aumenta com o incremento da umidade no material, porque a água é melhor condutor do que o ar, e como passa a preencher os poros do material, esse passa a ter maior condutividade. Normalmente, os valores de condutividades encontrados em bibliografias são relativos ao material seco. Na prática, é mais comum que seja tomada a razão entre a espessura do elemento construtivo e a condutividade térmica, revelando a capacidade do material em resistir à passagem de calor e possibilitando assim a melhor comparação entre os elementos construtivos. Esse parâmetro é denominado resistência térmica de elementos e componentes e é expresso por: e R onde: R é a resistência térmica do elemento (m 2.K/W) e é a espessura do material (m) λ é a condutividade térmica (W/m.K) Quanto maior é a espessura do elemento, maior é a resistência e, quanto maior é a condutividade, menor é a resistência. A resistência térmica R acima mencionada considera apenas o material propriamente dito, porém, devem ser ainda levadas em conta as resistências superficiais exercidas pelas faces do material (camada limite). Essas são devidas à resistência da própria camada de ar adjacente à superfície, que promovem coeficientes de radiação e de convecção, que são traduzidos pelos coeficientes de convecção externa e interna. Além disso, o material pode apresentar diversas camadas com diferentes resistências, que também devem ser levadas em conta. Desse modo, a resistência térmica total de uma Pág.: 6

7 superfície é a soma das resistências superficiais (interna e externa) e das resistências de todas as camadas que compõem o material propriamente dito. Assim sendo é definida por: R T R se R R t si convecção condução convecção R se R t R si Figura 2 Resistência térmica onde: RT é a resistência térmica total (m 2.K/W) R se é a resistência superficial externa R si é a resistência superficial interna R t é resistência resultante de todas as camadas do material e cuja forma de cálculo varia em função do componente apresentar camadas homogêneas ou camadas homogêneas e não homogêneas. No caso de componentes com apenas camadas homogêneas, a resistência térmica resultante do componente é calculada por: R t = R 1 +R R n Ou seja, é a soma das resistências de cada camada homogênea, inclusive aquelas que corresponderem a camadas de ar. No caso de componentes com camadas homogêneas e não homogêneas, a resistência térmica resultante é: a b n R = A + A A t Aa Ab An... Ra Rb Rn onde: Ra, Rb,..., Rn são as resistências térmicas de cada seção (a, b,...n) Aa, Ab,..., An são as áreas de cada seção O inverso da resistência térmica total determina a transmitância térmica ou ainda o coeficiente global de transferência de calor: U 1 R T Pág.: 7

8 Onde: U é a transmitância térmica (W/m 2.K) R T é a resistência térmica total (m 2.K/W) Para o regime transitório, é importante ainda lembrar que a condutividade térmica influi também no gradiente de temperatura. Nesse caso a característica da difusividade térmica permite identificar essa influência:.c onde: α é a difusividade térmica (m 2 /s) λ é a condutividade térmica característica de cada material (W/m.K) ρ é a densidade de massa aparente (kg/m 3 ) c é o calor específico do material (J/kg.K) A capacidade térmica e o calor específico por sua vez determinam a variação de temperatura de uma superfície. A capacidade térmica é a quantidade de calor necessária para variar a temperatura do sistema em uma unidade (J/K), enquanto o calor específico é o quociente da capacidade térmica pela massa (J/kg.K). É o calor específico de cada material que provoca as diferenças que podem ser alcançadas entre as temperaturas de dois materiais distintos, porém submetidos a uma mesma fonte de calor (madeira e metal, por exemplo, quando submetidos a uma mesma orientação e incidência solar). A capacidade térmica para camadas homogêneas é expressa por: C n n T i.r i.c i. i e i.c i. i1 i1 i Pág.: 8

9 Para camadas homogêneas e não homogêneas, a capacidade térmica é calculada por: C T Aa A Aa A C C T a b b T b... An A... C n T n onde: C Ta,..., C Tn são as capacidades térmicas de cada seção A a, A b,..., A n são as áreas de cada seção Tomando-se um componente sujeito à radiação solar direta, por exemplo, é possível ainda observar que a temperatura atingida pela sua superfície externa, em determinado instante, não é igual àquela alcançada pela superfície interna, no mesmo instante. Como a superfície externa está sujeita diretamente à fonte de calor, o fluxo de energia tenderá a assumir o sentido externointerno (da maior temperatura para a menor temperatura) e levará um tempo para alcançar a parte interna do fechamento. Assim a diferença térmica não será notada instantaneamente pela face interna, revelando um atraso térmico. Para camadas homogêneas esse pode ser estimado por: 1,382.e. ρ.c 3,6.λ ou ainda por: 0,7284. R t.c T sendo: φ o atraso térmico (h) e a espessura da placa (m) λ condutividade térmica do material (W/m.K) ρ é a densidade de massa aparente do material (kg/m 3 ) c é o calor específico do material (J/kg.K) R t é a resistência térmica de superfície a superfície (m 2.K/W) C T é a capacidade térmica do componente (J/K) Para n camadas de diferentes elementos perpendiculares ao fluxo o valor pode ser estimado por: 1,382.R t. B B 1 2 Pág.: 9

10 onde B 1 e B 2 são calculados por: B 1 =0,226.B o /R T B o = C T -C Text B,205. c 2. R 0 ext ext R t R ext 10 sendo ext uma referência à última camada do componente. Além do atraso térmico, as variações térmicas ocorridas em uma das faces não se manifesta com valores iguais na face oposta, ou seja, ao ser submetido um fechamento a uma variação de temperatura, haverá um amortecimento na amplitude desta variação. Assim, chama-se capacidade de amortecimento à propriedade do fechamento de diminuir a amplitude de variações térmicas. O amortecimento para elementos homogêneos num período de 24 horas é expresso por: amortecimento 1 0,36. L ( ) v ( 2,72) onde: L é a espessura (m) v é a difusividade térmica (m 2 /s) A estas duas propriedades em conjunto - atraso e amortecimento - dá-se o nome de inércia térmica. Deste modo, uma construção terá maior inércia térmica, quanto maior for a espessura de suas paredes. Em termos construtivos, para adaptação da edificação ao clima, a espessura da parede depende das condições climáticas apresentadas pelo local. Te Ti Figura 3 Inércia térmica: atraso e amortecimento Os materiais também possuem características próprias diante da radiação solar (considerada radiação de ondas curtas): absortância à radiação solar, transmitância à radiação solar e refletância à radiação solar. Observa-se que, quando a energia solar atinge uma superfície, parte da radiação é absorvida, outra parte refletida e/ou transmitida. A soma dessas três parcelas é igual à unidade (refletância à radiação solar + transmitância á radiação solar+ absortância à radiação solar = 1). Pág.: 10

11 A refletância à radiação solar é um fator que depende diretamente da cor e polimento da superfície. Apesar do nosso olho nem sempre conseguir distinguir entre as cores que absorvem mais ou menos calor, normalmente superfícies com cores mais claras e mais polidas são mais refletora que aquelas escuras e mais texturizadas. As cores mais escuras normalmente contribuem para maior quantidade de radiação solar absorvida, elevando a temperatura do componente. A transmitância à radiação solar só tem valor para superfícies transparentes ou translúcidas. Para superfícies opacas seu valor é nulo (refletância à radiação solar + absortância à radiação solar = 1). A absortância à radiação solar, juntamente com a transmitância térmica e a resistência superficial tem sua grande influência em um parâmetro denominado fator solar. O fator solar representa a razão entre a taxa de radiação solar transmitida através de um componente e a taxa de radiação solar total incidente em sua superfície externa. Para superfícies opacas o fator solar é estimado por: FS o = 100.U.α.Rse onde: FS o é o fator solar de superfícies opacas (porcentagem) α é absortância à radiação solar (função da cor) Rse é a resistência superficial externa (admitida constante 0,04) U é a transmitância térmica do componente Para superfícies transparentes ou translúcidas o fator solar é: FSt = U.α.Rse + τ onde: FSt é o fator solar de elementos transparentes ou translúcidos (porcentagem) U é a transmitância térmica do componente Rse é a resistência superficial externa τ é a transmitância à radiação solar α é a absortância à radiação solar função da cor Por outro lado, diante da radiação térmica de ondas longas, os materiais são capazes de emitir calor decorrente das temperaturas atingidas em suas superfícies. A taxa de radiação emitida por uma superfície em relação à taxa emitida por um corpo negro à mesma temperatura é denominada emissividade. Esta é uma característica que independe da cor, mas que guarda determinada relação com o polimento da superfície. Em geral as superfícies polidas têm baixa emissividade. Nas trocas de calor envolvidas no ambiente construído cabe ainda lembrar a influência do conteúdo de água no ar e nos materiais. A água, por estar sujeita à mudanças de estado (líquido e vapor), quando presente no ar, promoverá trocas por evaporação ou por condensação. A mudança de estado requer o envolvimento de determinada quantidade de calor. Portanto, para passar de líquida para gasosa (evaporação), a água retira calor da superfície que está em contato. A velocidade de evaporação dependerá do grau higrométrico e da velocidade do ar. O ar, por sua vez, tem uma capacidade máxima de reter vapor d'água a uma determinada temperatura. Quanto maior a temperatura, maior a capacidade do ar em reter vapor d'água. Quando o ar está saturado (umidade relativa = 100%) significa que está na sua capacidade máxima de reter vapor d'água. Desta forma, qualquer queda na temperatura acarreta a condensação de uma quantidade de água, que é acumulada nas superfícies mais frias e acompanhada de um dispêndio de energia. Pág.: 11

12 A condensação de água pode ocorrer também no interior dos materiais, conforme a sua porosidade. Os materiais de construção oferecem resistência à passagem de vapor d'água, caracterizando sua permeabilidade (termo usado para materiais delgados) ou porosidade (termo usado para materiais de espessura considerável). A resistência à passagem do vapor d'água Rv é dada por: onde: L é a espessura do material é a porosidade do material Rv = L/ Para uma parede com diversas camadas, a resistência total à passagem de vapor é a soma das resistências parciais: Rv = Rv 1 + Rv Rv n Pág.: 12

13 1.3 Cálculo para paredes, coberturas e janelas: Aplicação da NBR da ABNT Para o cálculo do desempenho de componentes a ABNT, a NBR de Desempenho térmico de edificações indica um método de cálculo baseado na determinação dos parâmetros de transmitância térmica, atraso térmico e fator solar. Estes parâmetros são indicados pela norma para classificar as paredes e coberturas. As paredes podem ser classificadas em: Paredes leves, quando U <=3 φ<=4,3 FS <=5; Paredes Leves refletoras, quando U <=3,6 φ<=4,3 FS <=4; Paredes pesadas, quando U <=2,2 φ>=6,5 FS <=3,5. As coberturas podem ser classificadas em: Cobertura leve isolada, quando U <=2 φ<=3,3 FS <=6,5; Cobertura leve refletora, quando U <=2,3 φ<=3,3 FS <=6,5; Cobertura pesada, quando U <=2 φ>=6,5 FS <=6,5. Quanto às aberturas para ventilação, a norma as classifica em: Pequenas, quando são de 10 % a 15% da área de piso; Médias, quando são de 15% a 25% da área de piso; Grandes, quando são maior que 40% da área de piso. Pág.: 13

14 Para a identificação desses parâmetros, o método adota as fórmulas já referenciadas no tópico anterior. De uma forma resumida, o método pode ser esquematizado em alguns passos, considerando-se as tabelas fornecidas pela NBR : R T = R si +R t +R se Consultar tabela A.1 para R se e R si U = 1/R T C n n T i.r i.c i. i e i.c i. i1 i1 ou sua equivalente se for composta por camadas não homogêneas i Consultar tabela B.3 para λ, ρ, c 0,7284. R t.c T Se opaco FS o = 100.U.α.Rse Consultar tabela B.2 para α Se translúcido ou tranparente FS t = U.α.R se + Pág.: 14

15 Para o cálculo de R T e de C T é importante lembrar as diferenças de cálculo entre componentes de camadas homogêneas e aqueles de camadas homogêneas e não homogêneas (ou hetergêneas), conforme as fórmulas já demonstradas no item anterior. Além disso, no caso das camadas serem referentes a camadas de ar, é necessário verificar se essas camadas são ventiladas e que tipo de ventilação. Nesse caso o procedimento para cálculo da resistência térmica da camada de ar deve seguir o esquema abaixo: Não ventilada Obter valor de R ar na tabela B.1 Componentes com camadas de ar Se parede, S/L <500. Se cobertura, S/A<30. Pouco ventilada Ventilada * * Se parede, S/L >= 500. Se cobertura, S/A>=30. S = área total de ventilação em cm 2 L = comprimento da parede em m A = altura da cobertura Muito ventilada inverno verão Desconsiderar camada externa R T =2R si +R t Cabe salientar também que no caso de superfícies translúcidas ou transparentes, como vidros, seu comportamento revela transparência à passagem de radiações visíveis. Nos vidros comuns, por exemplo, cerca de 80% dos comprimentos de onda entre 0,4 e 2,8 µm são transmitidos através das suas superfícies, porém, para comprimentos de onda acima de 4 µm, o vidro se comporta de maneira opaca à transmissão desses raios. Por esta razão, o vidro promove o efeito estufa. Uma vez que a quantidade de radiação solar é transmitida através do vidro, as superfícies internas da edificação (paredes, móveis, pisos, etc) a absorvem, se aquecem e passam a emitir em comprimentos de onda que não conseguem atravessar o vidro (cerca de 9 µm). Ocorre, portanto, um aquecimento do ar interno. Por esta razão, o cálculo do fator solar de superfícies transparentes é diferenciado daquele de superfícies opacas. Este fator representa a razão entre a quantidade de radiação solar que atravessa e aquela que incide sobre a superfície transparente. O valor do fator solar depende do tipo das superfícies transparentes (vidro, policarbonato, acrílico, etc), pois estas podem possuir pigmentação ou mesmo influência de protetores solares, o que pode alterar transmitância, refletância e absortância à radiação solar. Todo o cálculo do desempenho de componente pode ser facilmente realizado através do freeware Transmitância desenvolvido pelo Labeee-UFSC, disponível para download no site Pág.: 15

16 Na norma é estabelecido ainda um zoneamento bioclimático para todo o Brasil, no qual o território é dividido em 8 zonas bioclimáticas e são apontadas as recomendações para a adequação do edifício ao clima local. São elas (todas as imagens desta tabela foram adaptadas da NBR ): ZONA 1 Aberturas médias Sombreamento com sol no inverno Parede leve Cobertura leve isolada Inverno: aquecimento solar inércia térmica interna Passivo insuficiente no frio ZONA 2 Aberturas médias Sombreamento com sol no inverno Parede leve Cobertura leve isolada Verão: ventilação cruzada Inverno: aquecimento solar inércia térmica Passivo insuficiente no frio Pág.: 16

17 ZONA 3 Aberturas médias Sombreamento com sol no inverno Parede leve refletora Cobertura leve isolada Verão: ventilação cruzada Inverno: aquecimento solar inércia térmica Passivo insuficiente no frio ZONA 4 Aberturas médias Sombreamento Parede pesada Cobertura leve isolada Verão: resfriamento evaporativo e massa térmica ventilação seletiva Inverno: aquecimento solar inércia térmica interna Pág.: 17

18 ZONA 5 Aberturas médias Sombreamento Parede leve refletora Cobertura leve isolada Verão: ventilação cruzada Inverno: inércia térmica interna ZONA 6 Aberturas médias Sombreamento Parede pesada Cobertura leve isolada Verão: resfriamento evaporativo e massa térmica ventilação seletiva Inverno: inércia térmica interna Pág.: 18

19 ZONA 7 Aberturas pequenas Sombreamento Parede pesada Cobertura pesada Verão: resfriamento evaporativo e massa térmica ventilação seletiva ZONA 8 Aberturas grandes Sombreamento Parede leve refletora Cobertura leve refletora (ático ventilado) Verão: Ventilação cruzada Pág.: 19

20 VENTILAÇÃO A ventilação é um dos fatores que influi no desempenho térmico de uma edificação. A infiltração através de portas, janelas ou fendas é normalmente uma ocorrência natural nos edifícios. No entanto, a ventilação para o conforto deve ser controlada, permitindo as trocas de calor do usuário, a renovação para oxigenação, remoção de odores, retirada do excesso de vapor d água e resfriamento das superfícies aquecidas. A ventilação representa a troca de ar entre o ambiente interno e o ambiente externo. A origem da ventilação terrestre está no topo da atmosfera (termosfera), onde chega a radiação solar em uma quantidade chamada de "constante solar" e que governa o aquecimento da camada atmosférica. Quanto menor o caminho percorrido pelos raios solares na atmosfera, em geral, maior a quantidade de radiação que atinge o solo terrestre, ocasionando aquecimento diferenciado entre as regiões do globo terrestre. Este aquecimento diferenciado gera correntes convectivas, pois a atmosfera tende a igualar as suas diferentes áreas de pressão e temperatura. O movimento de ar é gerado sempre da região de maior pressão para a de menor pressão, resultando assim em movimentos convectivos globais. Observam-se ainda movimentos gerados pela presença das massas de água e terra e as diferentes coberturas do solo. Sempre que há uma diferença de temperatura e pressão, origina-se o movimento do ar. Assim, o aquecimento diferenciado entre o mar e a terra provoca brisas marinhas (normalmente diurnas) e brisas terrestres (normalmente noturnas); pelo mesmo motivo, são geradas as brisas de vale (normalmente diurnas) e de montanha (normalmente noturnas). A configuração das cidades pode causar alterações na velocidade e direção dos ventos. O aumento da densidade construtiva ocasiona, normalmente, uma diminuição da velocidade do ar, pelo aumento da superfície de atrito. Por outro lado, a concentração das edificações em zona urbana origina movimentos locais (microclima). Sob este aspecto, a altura das edificações é um importante fator, pois em prédios de grandes alturas, o fluxo de ar de maior velocidade existente acima das edificações pode ser desviado para baixo, aumentando a velocidade do vento naquele local. A forma como a edificação é implantada na rede urbana determina maior ou menor possibilidade de ventilação. Quando os corredores urbanos formados são paralelos à direção do vento, são formados canais livres de obstáculos, proporcionando maior ventilação às edificações. Quando estes corredores são perpendiculares à direção do vento, menores são as condições de ventilação gerada. Assim como, edificações compactas são obstáculos para aquelas implantadas a sotavento, enquanto as edificações mais porosas podem criar maior possibilidade de ventilação a sotavento. As construções produzem vários efeitos aerodinâmicos no vento: efeito de pilotis, efeito de esquina, efeito de barreira, efeito de Venturi, efeito de canalização, efeito de esteira, efeito de redemoinho, efeito das zonas de pressão diferente, efeito de malha e efeito de pirâmide. No contexto urbano é importante ressaltar ainda as influências da vegetação no movimento do ar. A velocidade do vento pode aumentar com a presença de grandes áreas de vegetação rasteira e pode diminuir com a presença de bosques densos. Além disso, a presença de vegetação provoca diferentes temperaturas, podendo gerar movimento do ar por diferenças térmicas (efeito chaminé). A vegetação pode ser utilizada para controle do vento, obstruindo-o, defletindo-o, filtrando-o ou direcionando-o, porém sua eficiência está diretamente ligada a sua permeabilidade e suas dimensões. 1.4 VENTILAÇÃO NOS ESPAÇOS INTERNOS Pág.: 20

21 A necessidade de ventilação dos espaços internos ocorre devido às exigências higiênicas e térmicas do ser humano. As exigências higiênicas referem-se a: odores, respiração e vapor d'água no ar. As exigências térmicas referem-se à eliminação do calor ganho através dos elementos construtivos. Normalmente, em épocas frias são requeridas exigências higiênicas, para haver apenas renovação do ar, eliminando-se odores e otimizando-se a respiração dos usuários. Em épocas quentes são requeridas as exigências térmicas, para retirada do calor das superfícies e para proporcionar o conforto térmico do usuário. Existem formas naturais e artificiais para se ventilar o ambiente e deve ser sempre considerado que o fluxo do ar apresenta inércia, produz fricção ou atrito e ocorre por diferença de pressão. A ventilação natural pode ser feita por princípios baseados na diferença de pressão e temperatura ou no aproveitamento do vento, enquanto que a ventilação artificial é promovida através de aparelhos e equipamentos. A ventilação natural pode ser dividida em térmica e dinâmica. A térmica é também chamada de efeito chaminé e a dinâmica efetua-se por ação dos ventos. O efeito chaminé ocorre quando há diferença térmica entre duas massas de ar tanto em áreas urbanas, como já foi mencionado, como no caso do interior de edificações. As diferenças de temperatura entre o ar interno e o externo causam diferenças de densidade e pressão, provocando assim o movimento do ar no caso de existirem aberturas em diferentes alturas da edificação. A ventilação natural dinâmica pode ser exemplificada através da incidência do vento sobre uma placa. O aumento da pressão do ar sobre essa placa e a diminuição de pressão à sotavento, produz zona positiva e zona negativa de pressão, promovendo diferenças de pressão. Assim ocorrerá um aumento da velocidade do ar nas extremidades da placa e uma zona de sucção na zona posterior. Como as diferentes formas de posicionamento de aberturas nas construções resultam em diferentes direções e caminhos percorridos pelo ar, não basta que a edificação esteja submetida ao vento para que ocorra a ventilação adequada. A ventilação para conforto por diferença de pressão deve permitir que o fluxo de ar atravesse o ambiente, configurando-se no que se chama ventilação cruzada. Para que ela ocorra é necessário que haja aberturas, tanto em zona de alta pressão, como em zona de baixa pressão, promovendo a entrada e a saída de ar. A configuração do fluxo de ar no interior de uma edificação é influenciada pelo local e tamanho das aberturas de entrada do ar, pelo tipo e forma da abertura e pela localização de superfícies e componentes próximas a essas aberturas. Para melhor aproveitamento da ventilação cruzada, normalmente as aberturas devem ser posicionadas de forma a captar a maior incidência dos ventos dominantes, promovendo maior número de trocas de calor. Em geral, quanto mais próxima da perpendicular é a direção do vento em relação à entrada de ar, maior a diferença de pressão através da edificação. As aberturas de entrada sendo menores que as aberturas de saída aumentam a taxa de ventilação CÁLCULO DA VENTILAÇÃO Para o cálculo da ventilação Lamberts et al (2007) descrevem um algoritmo simplificado. Nele o fluxo de ar em m 3 /s para ventilação cruzada gerado por vento pode ser estimado por: Pág.: 21

22 Q vento 0,6 AV. C sendo: V a velocidade do vento em m/s na altura de interesse, podendo ser calculada por V A V 10 K Z, onde: V 10 é a velocidade do vento a 10m (normalmente fornecida pelas estações meteorológicas); Z é a altura da cumeeira para edificações de 2 andares ou a altura da janela para aquelas mais altas; K e A são coeficientes dados em função da localização da edificação (campo aberto K=0,68 e A=0,17; campo com algumas barreiras K=0,52 e A=0,20; ambiente urbano K=0,40 e A=0,25, centro de cidade K=0,31 e A=0,33) A área útil equivalente de aberturas em m 2 calculada por 1 1 A, para a qual, quando existirem áreas de portas intermediárias entre a 2 2 A entrada A saída área de entrada e a de saída, deve ser acrescentado ainda o termo 1 Aporta ΔC é o coeficiente de pressão do vento, que é dado em função do ângulo de incidência (θ) sobre a abertura. Seu valor pode ser extraído de tabelas como aquelas encontradas em Bittencourt & Cândido (2005 anexo B.1 a B.6), que apresentam o coeficiente para algumas tipologias simples. Ou ainda, conforme simplificado por Lamberts et al. (2007) (Para campo aberto: se 0<θ<30 o ΔC =1,2, se 30 o < θ<90 o ΔC =0,1+0,0183. (90-θ). No caso de loteamentos são aplicadas correções em função da distância entre casas, sendo: a correção para o caso de uma casa igual a 0,30. ΔC e para o caso de duas casas igual a 0,60. ΔC). 2. O número de trocas de ar por hora é então calculado pela expressão: N Q.3600 V As expressões acima sofrem algumas alterações se a ventilação for gerada por diferença de temperatura ou, tanto por vento, quanto por diferença de temperatura. Para maiores detalhes consultar Lamberts et al. (2007). Pág.: 22

23 BIBLIOGRAFIA ASSOCIAÇÃO Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR Desempenho térmico de edificações - Parte 1: Definições, símbolos e unidades. Rio de Janeiro, ABNT, ASSOCIAÇÃO Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR Desempenho térmico de edificações - Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro, ABNT, ASSOCIAÇÃO Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro, ABNT, BITTENCOURT, L.; CÂNDIDO, C. Introdução à ventilação natural. MACEIÓ: EDUFAL, LAMBERTS, R.; GHISI, E.; ABREU, A.L.P.; CARLO, J.C.; BATISTA, J.O.; MARINOSKI, D.L. Desempenho tèrmico de edificaçôes. Florianópolis, LABEEE, (Apostila da disciplina ECV 5161) disponível em: EGAN, M. D. Concepts in Thermal Comfort. New Jersey, Prentice-Hall, FROTA, A. B. & SCHIFFER, S. Manual de Conforto Térmico. São Paulo, Nobel, 1 ª edição, GIVONI, B. Comfort, climate and building design guidelines, Energy and Buildings, 18 (1992), MASCARÓ, L. R. Energia na Edificação: estratégia para minimizar seu consumo. São Paulo: Projeto, OLGYAY, V. & OLGYAY, A. Design with Climates: bioclimatic approach to architectural regionalism. Princeton, Princeton University Press, RIVERO, R. Arquitetura e Clima: condicionamento térmico natural. Porto Alegre, D. C. Luzzatto Editores, 1986, 2 a edição. Pág.: 23

24 ANEXOS PARTE DOS VALORES FORNECIDOS PELA ABNT NA TABELA A.1, B.1, B.2 e B.3 DA NBR A.1 Resistência térmica superficial interna e externa (Fonte: adaptada da NBR ) Fluxo Resistência Interna (m 2.K)/W Resistência Externa(m 2.K)/W Horizontal 0,13 0,04 Vertical Ascendente 0,10 0,04 Vertical Descendente 0,17 0,04 B.1 Resistência térmica de câmaras de ar não ventiladas com largura muito maior que a espessura (valores válidos para temperatura média entre 0 e 20 o C), com diferença de temperatura menor que 15 o C (Fonte: adaptada da NBR ) Natureza Emissividade > 0,8 Emissividade < 0,2 Espessura da câmara Resistência Térmica da câmara (m 2.K/W) Horizontal Ascendente Descendente 1,0 <= e <= 2,0 0,14 0,13 0,15 2,0 < e <=5,0 0,16 0,14 0,18 e > 5,0 0,17 0,14 0,21 1,0<=e<=2,0 0,29 0,23 0,29 2,0<e<=5,0 0,37 0,25 0,43 e >5,0 0,34 0,27 0,61 Pág.: 24

25 B.2 Absortância à radiação solar e Emissividade (ondas longas). (Fonte: adaptada da NBR ) Absortância (α) Tipo de superfície Emissividade (є) Chapa de alumínio nova 0,05 0,05 Chapa de alumínio oxidada 0,15 0,12 Caiação nova 0,12 a 0,15 0,90 Concreto aparente 0,65 a 0,80 0,85 a 0,95 Telha de barro 0,75 a 0,80 0,85 a 0,95 Tijolo 0,65 a,80 0,85 a 0,95 Asfalto 0,85 a 0,98 0,90 a 0,98 Vidro incolor 0,06 a 0,25 0,84 Pintura branca 0,20 0,90 Pintura amarela 0,30 0,90 Pintura vermelha 0,74 0,90 Pintura preta 0,97 0,90 Pintura alumínio 0,40 0,90 B.3 Propriedades térmicas dos materiais. (Fonte: adaptada da NBR ) Materiais λ Densidade de massa aparente (kg/m 3 ) c Condutividade térmica (W/m.K) Ρ Calor específico (kj/kg.k) Argamassa comum ,15 1,00 Tijolo ou telha de ,90 0,92 barro Concreto normal ,75 1,00 Gesso cartonado ,35 0,84 Lã de rocha ,045 0,75 Alumínio ,88 Vidro comum ,00 0,84 Pág.: 25

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG

PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG PRINCÍPIOS BIOCLIMÁTICOS PARA O PROJETO DE EDIFICAÇÕES EM OURO PRETO / MG ROCHA, Jozielle Marques da 1 GOMES, Adriano P. 2 INTRODUÇÃO Um projeto arquitetônico deve se adaptar às características do meio

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim ABDEH -Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar Curso: Projeto de Hospitais Sustentáveis - 17 e 18 de abril -São Paulo Profa. Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4 TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Relações entre unidades de energia W = F r 1 TEP = 4,18 10 10 J Energia P= t 1 kw.h = 3,6 10 6 J Q = mc θ P = U i

Leia mais

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações

arquitetura bioclimática e desempenho térmico t edificações PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Construção Metálica Escola de Minas Universidade Federal de Ouro Preto arquitetura bioclimática e desempenho térmico t de edificações Henor Artur de Souza

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q:

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q: Ação do vento Neste item são apresentados os principais procedimentos para a determinação da ação do vento sobre edificações, extraídos da NBR 6123 (ABNT, 1988). 2.3.1 Procedimentos para o cálculo das

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 01) Baseado no que foi visto no laboratório sobre transmissão de calor, analise as alternativas abaixo. I. A convecção térmica só ocorre nos fluidos,

Leia mais

2. Processos de Transmissão de Calor

2. Processos de Transmissão de Calor 2. Processos de Transmissão de Calor Para se proceder ao estudo do comportamento térmico de uma edificação é necessário o conhecimento de diversos assuntos, dentre os uais podem ser citados: fisiologia

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição 12.6 - De acordo com a sua distribuição direccional, a radiação solar incidente sobre a superfície da terra

Leia mais

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro

Diretrizes construtivas utilizando o Zoneamento Bioclimático Brasileiro Diretrizes const utilizando o Zoneamento Bioico Br Professor: Roberto Lamberts Mestranda: Mariana Garnica B. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Introdução

Leia mais

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo

Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Vantagens da Instalação de Painéis Solares de Tubos de Vácuo Porquê usar o sol como fonte de energia? O recurso solar é uma fonte energética inesgotável, abundante em todo o planeta e principalmente no

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

FÍSICA Questões de 1 a 20

FÍSICA Questões de 1 a 20 2ªSérieLISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA FÍSICA Questões de 1 a 20 1) (UFRN) Os carros modernos usam diferentes tipos de espelhos retrovisores, de modo que o motorista possa melhor observar os veículos que

Leia mais

Introdução à condução de calor estacionária

Introdução à condução de calor estacionária Introdução à condução de calor estacionária Exercício 1 - O telhado de uma casa com aquecimento elétrico tem 6m de comprimento, 8m de largura e 0, 25m de espessura e é feito de uma camada plana de concreto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL EM MADEIRA Ricardo Dias Silva (1); Admir Basso () (1) DAU/UEL, e-mail: rdsilva@uel.br () EESC/USP, e-mail: admbasso@sc.usp.br RESUMO Este

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz

Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias. Luis Roriz Solar Térmico: Uso de paineis solares para águas quentes sanitárias Luis Roriz Aproveitamento do calor Sistemas de aquecimento de águas sanitárias e ambiente de edifícios: a radiação solar captada (absorvida

Leia mais

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE

3 conversão térmica da energia solar ÍNDICE ÍNDICE balanço de energia -2 ganho térmico - perdas térmicas -4 aplicações -7 para saber mais... -8-1 balanço de energia A consiste na absorção de radiação numa superfície absorsora e na transferência

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica

Ar Condicionado e Refrigeração Carga Térmica CARGA TÉRMICA Representa a quantidade de calor (sensível e/ou latente) a ser extraída do ar de um ambiente (no caso de verão) ou a ser fornecida ao ar de um ambiente (no caso de inverno) para que sejam

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 10

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 10 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 10 PSICROMETRIA PSICROMETRIA PSICROMETRIA CARTA PSICROMÉTRICA ESTUDOS CLÁSSICOS Olgyay Givoni, Fanger PREOCUPAÇÃO COM O EDIFÍCIO E SEU DESEMPENHO

Leia mais

ENERGIA. Energias passivas

ENERGIA. Energias passivas Energias passivas ENERGIA Estes sistemas, quando bem dimensionados, são de longe mais económicos do que qualquer outro sistema que recorra a energia elétrica ou combustíveis convencionais. Com o aumento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

Energia Solar Térmica e Aplicações

Energia Solar Térmica e Aplicações Eco-Escolas Formação Escola da Energia, 2 de Abril de Energia Solar Térmica e Aplicações João Paulo Costa LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Sol. O Balanço de Energia do Planeta

Sol. O Balanço de Energia do Planeta Sol O Balanço de Energia do Planeta Aquecimento desigual do Planeta...no tempo:...no espaço: BALANÇO DA RADIAÇÃO À ESCALA MENSAL Rad. de pequeno c.d.o. (recebida) Balanço da radiação (recebida-emitida)

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Q t. Jornal de Física Único Jornal do Pará www.fisicapaidegua.com

Q t. Jornal de Física Único Jornal do Pará www.fisicapaidegua.com A condição necessária para que haja propagação do calor de um ponto para outro é que exista diferença de temperatura entre os pontos. O calor pode se propagar de três maneiras: condução, convecção e irradiação.

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

[ ] Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD.

[ ] Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD. [ ] Isolantes Térmicos e Acústicos para Construção Civil Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD. Laboratório

Leia mais

Definição e organização de projecto ' térmico'

Definição e organização de projecto ' térmico' Definição e organização de projecto ' térmico' Um projecto tem sempre varios objectivos como base de verificação com conclusões e soluções apresentadas em desenhos esquemas, quadros resumo e memorias descritivas.

Leia mais

A brisa do mar está ótima!

A brisa do mar está ótima! A brisa do mar está ótima! Mais um fim de semana. Cristiana e Roberto vão à praia e convidam Maristela para tomar um pouco de ar fresco e de sol, e tirar o mofo! É verão e o sol já está bem quente. Mas

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº n 14 29. Janeiro. 2007 Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº n 14 29. Janeiro. 2007 Copyright 2006 - Construlink.com - Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Eficiência Energética em Janelas Nº Pág.s: 05 nº 14 29. Janeiro. 2007 Eficiência Energética em Janelas 01 Quando escolhemos as janelas para uma edificação nova ou para um projecto de remodelação,

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Alunos: Helena Fuly de Resende Pinto; Luana Britto Pinto; Sofia Claudia Martagão Gesteira. Professores: Arlindo de Almeida

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 Questão 01) Quando uma pessoa se aproxima de um espelho plano ao longo da direção perpendicular a este e com uma velocidade de módulo 1 m/s, é correto afirmar que

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de:

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de: Problema motivador 01: qual a função da camada de material polimérico colocada sobre fios elétricos de cobre ou de alumínio? Problema motivador 02: qual a espessura da camada de tijolos de uma parede de

Leia mais

ESTRUTURAS PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS

ESTRUTURAS PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS ESTRUTURAS PARA O CULTIVO PROTEGIDO DE HORTALIÇAS ESTUFAS OU CASA-DE- VEGETAÇÃO Definição: construções constituídas por uma estrutura de suporte para cobertura transparente e por uma fundação, quando necessário,

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

6 colectores solares térmicos ÍNDICE

6 colectores solares térmicos ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 armazenamento de energia -3 termossifão -4 avaliação de desempenho -5 experiência 1 - experiência 2-7 experiência 3-8 para saber mais... -9-1 constituição e tipologias

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais