Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen"

Transcrição

1 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos básicos sobre a estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multisensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; utilizar o equipamento de uma sala de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen; Compreender a sua aplicação; Saber utilizar os materiais para a estimulação sensorial; Conhecer o funcionamento do equipamento Aprofundar, dinamizar e programar sessões de estimulação multisensorial Destinatários: Técnicos de Reabilitação, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Enfermeiros, Médicos, Assistentes Sociais, Psicomotricistas, Psicólogos, Professores, Animadores Sócio-culturais, Gerontólogos, Educadores Sociais, público em geral Número mínimo e máximo de formandos: 1

2 Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) Duração: 6h presenciais Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multisensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado e roupa confortável (por causa da sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1 Introdução à estimuação multisensorial em ambiente Snoezelen: Filosofia? Conceito? Metodologia? Terapia? Evolução e desenvolvimento 2 Intervenção e Metodologia Bases neurológicas da estimulação multi-sensorial Perfil sensorial: Teoria e Prática 3 - Uma visão geral dos diferentes campos de intervenção Campos de intervenção Danos e potencialidades sensoriais 2

3 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo I Intervenção Multissensorial em ambiente Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: acompanhar utentes/clientes em sessões de snoezelen; identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; utilizar e a criar equipamento de uma sala de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen, através da demonstração de sessões multissensoriais; Saber utilizar e criar materiais para a estimulação sensorial; Dinamizar sessões de estimulação sensorial Destinatários: Técnicos de Reabilitação, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Enfermeiros, Médicos, Assistentes Sociais, Psicomotricistas, Psicólogos, Professores, Animadores Sócio-culturais, Gerontólogos, Educadores Sociais... Número mínimo e máximo de formandos: 1

4 Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) Duração: 12h presenciais + 4h online Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado confortável (sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. Introdução à estimulação multissensorial A importância da estimulação multissensorial Estimulação multissensorial - objectivos 2. Neurosifiologia da Estimulação multissensorial Os sentidos sistemas sensoriais Níveis de processamento da informação sensorial Condições para a integração multissensorial Avaliação das funções sensoriais 3. Estimular os sentidos alimentar o cérebro Estimulação básica: propioceptiva, táctil e vestibular 2

5 Estimulação gustativa-olfactiva, auditiva e visual Aplicação nas actividades da vida diária 4. Metodologia de intervenção A estimulação basal Terapia de integração sensorial 5. Intervenção das salas de Estimulação Sensorial - Snoezelen Elementos da Sala de Estimulação Multissensorial Metodologia de intervenção Preparação, programação, avaliação, registos Manutenção da sala e equipamento Criar elementos sensoriais 3

6 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo II Intervenção Multisensorial em Geriatria I Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: acompanhar utentes/clientes em sessões de snoezelen; identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; utilizar e a criar equipamento de uma sala de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen, através da demonstração de sessões multissensoriais; Saber utilizar e criar materiais para a estimulação sensorial; Dinamizar sessões de estimulação sensorial Compreender o Snoezelen e sua aplicação na Geriatria/Gerontologia Dinamizar e programar sessões em Estruturas Residenciais para Idosos, Centros de Dia, SAD, em casa Destinatários: Técnicos de Reabilitação, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Enfermeiros, Médicos, Assistentes Sociais, Psicomotricistas, Psicólogo, Gerontólogos, Educadores Sociais, Animadores Sócio-culturais 1

7 Número mínimo e máximo de formandos: Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) Duração: 12h presenciais + 4h online Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado confortável (sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. A abordagem Snoezelen em geriatria - Diferentes patologias diferentes intervenções; - Abordagem não directiva estimulação passiva e active; - Relaxamento e bem-estar; - Reabilitação 2. Dentro da Sala de Snoezelen - As populações-alvo (doentes crónicos, alzheimer, Parkinson, outras ); - Os objectivos da intervenção; - Design da sala e equipamento; - Metodologia das sessões (treino-inicial e acompanhamento - ponto 5); 3. Intervenção por modalidades sensoriais - As experiências olfativas e gustativas; Os meios de comunicação olfativos e gustativos Óleos e aromas essenciais e seu interesse 2

8 Degustações possíveis - As experiências cinestésicas e tácteis As funções de segurança de toque relacional; As formas de contacto: pressão, toque... Mediadores contacto: bolas, tecidos, outros materiais... - As experiências auditivas O ambiente audível do equipamento Snoezelen: coluna de bolhas... O suporte musical: instrumentos de percussão, diferentes tipos de música - A percepção corporal: proprioceptividade (cama de água, sofá vibroacústico ) - As experiências visuais estimulação visual: projecção, fibras ópticas, luz negra... causa-efeito: colunas de bolhas - As experiências vestibulares Situações de desequilíbrio: bola de espelhos, cama de água 4. Dimensão relacional - O corpo como ponto de partida para a recolha e comunicação - O local de observação e de escuta - A comunicação verbal e não-verbal (autofeedback, massagens ) - O diálogo e a memória emocional 5. Monitorização e avaliação da intervenção - Dinamizar sessões e ferramentas de avaliação e validação - Monitorização dos clientes e seu projeto individual - Manutenção do equipamento 3

9 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo III Intervenção Multisensorial na Deficiência Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: acompanhar utentes/clientes em sessões de snoezelen; identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; utilizar e a criar equipamento de uma sala de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen, através da demonstração de sessões multissensoriais; Saber utilizar e criar materiais para a estimulação sensorial; Dinamizar sessões de estimulação sensorial Compreender o Snoezelen e sua aplicação na área da Deficiência Dinamizar e programar sessões em Lares Residenciais, CAO, em casa Destinatários: Técnicos de Reabilitação, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Enfermeiros, Médicos, Assistentes Sociais, Psicomotricistas, Psicólogos 1

10 Número mínimo e máximo de formandos: Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) Duração: 12h presenciais + 4h online Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado confortável (sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. A abordagem Snoezelen na área da Deficiência - Diferentes patologias diferentes intervenções - Abordagem não directiva estimulação passiva e activa - Reabilitação 2. Dentro da Sala de Snoezelen - As populações-alvo (Autismo, Síndrome de Rett, Síndrome de Asperger, outras ) - Os objectivos da intervenção - Design da sala e equipamento 3. Intervenção por modalidades sensoriais - As experiências olfativas e gustativas Os meios de comunicação olfativos e gustativos Óleos e aromas essenciais e seu interesse Degustações possíveis - As experiências cinestésicas e tácteis 2

11 As formas de contacto: pressão, toque... Mediadores contacto: mãos, bolas, tecidos, outros materiais... - As experiências auditivas O ambiente audível do equipamento Snoezelen: coluna de bolhas... O suporte musical: instrumentos de percussão, jogos interactivos musicais, diferentes tipos de música - A percepção corporal: proprioceptividade (cama de água, puff vribroacústico ) - As experiências visuais (jogos no espaço visual: projecção, colunas, fibras, luz negra...) - As experiências vestibulares (Baloiços, escorregas, túneis, piscinas de bolas, espelhos ) 4. Dimensão relacional - O corpo como ponto de partida para a recolha e comunicação - O local de observação e de escuta - A comunicação verbal e não-verbal (autofeedback, diálogo, massagens ) 5. Monitorização e avaliação da intervenção - Estabelecimento de sessões e ferramentas de avaliação e validação - Monitorização dos clientes e seu projeto individual - Manutenção do equipamento 3

12 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo IV Intervenção Multisensorial na Educação Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: acompanhar utentes/clientes em sessões de snoezelen; identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; utilizar e a criar equipamento de uma sala de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen, através da demonstração de sessões multissensoriais; Saber utilizar e criar materiais para a estimulação sensorial; Compreender o Snoezelen e sua aplicação na área da Educação Dinamizar e programar sessões em ambiente escolar Destinatários: Professores de Educação Especial, Educadores de infância, Técnicos de Reabilitação, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Terapeutas da Fala, Assistentes Sociais, Psicomotricistas, Psicólogos, Encarregados de Educação 1

13 Número mínimo e máximo de formandos: Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) Duração: 12h presenciais + 4h online Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado confortável (sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. A abordagem Snoezelen na educação - Diferentes intervenções - Abordagem não directiva 2. Dentro da Sala de Snoezelen - As populações-alvo (NEE s, hiperactividade, outras ) - Os objectivos da intervenção - Design da sala e equipamento 3. Intervenção por modalidades sensoriais aquisição de competências - As experiências olfativas e gustativas Os meios de comunicação olfativos e gustativos Óleos e aromas essenciais e seu interesse Degustações possíveis - As experiências cinestésicas e tácteis 2

14 As formas de contacto: pressão, toque... Mediadores de contacto: mãos, bolas, tecidos, outros materiais... - As experiências auditivas O ambiente audível do equipamento Snoezelen: coluna de bolhas... O suporte musical: instrumentos de percussão, jogos interactivos musicais, diferentes tipos de música - A percepção corporal: proprioceptividade (cama de água, puff vribroacústico ) - As experiências visuais (jogos no espaço visual: projecção, colunas, fibras, luz negra...) - As experiências vestibulares (Baloiços, escorregas, túneis, espelhos, piscina de bolas ) 4. Dimensão relacional - O corpo como ponto de partida para a recolha e comunicação - O local de observação e de escuta - A comunicação verbal e não-verbal (autofeedback, diálogo, brincadeiras, massagens ) 5. Monitorização e avaliação da intervenção - Estabelecimento de sessões e ferramentas de avaliação e validação - Monitorização dos clientes e seu projeto individual - Manutenção do equipamento 3

15 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo IV Intervenção Multisensorial em casa Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; criar em casa um ambiente de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Definir o conceito de snoezelen, através da demonstração de sessões multissensoriais; Saber utilizar e criar materiais para a estimulação sensorial; Destinatários: Educadores de Infância, Professores, Pais e Encarregados de Educação... Número mínimo e máximo de formandos: Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) 1

16 Duração: 4h presenciais Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado confortável (sala de snoezelen) Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. Introdução à estimuação multisensorial em ambiente Snoezelen: Filosofia? Conceito? Metodologia? Terapia? Evolução e desenvolvimento 2. Desenvolvimento infantil e Estimulação sensorial Campos de intervenção Danos e potencialidades sensoriais 3. Criar um ambiente de estimulação sensorial em casa 2

17 Plano de Formação Nome da Formação: Módulo VI Intervenção Multisensorial em Geriatria II Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN = Relaxar. É uma sala equipada com material para estimulação sensorial. É um local feito de luz, sons, cores, texturas e aromas, onde os objectos são coloridos e disponibilizados para serem tocados e admirados. Os sentidos primários (visão, audição, tacto, paladar, olfacto) são estimulados dando sensação de prazer (Amcip 2009). Dado o nível elevado de dependência de muitos idosos e outras pessoas portadoras de deficiência institucionalizados ou crianças com necessidades educativas especiais, é preciso encontrar alternativas e complementos à fisioterapia, à animação sócio-cultural, à terapia ocupacional e outras actividades para que estes possam ter maior qualidade de vida. No caso das crianças é necessário proporcionar ambientes propiciadores de aquisição de competências libertos das exigências curriculares. Os resultados positivos, revelados pela investigação na área da estimulação sensorial, têm contribuído para a crescente importância do snoezelen enquanto tratamento complementar à intervenção clínicareabilitação. A estimulação sensorial é utilizada como promotora de relaxamento e lazer, especialmente aos que estão em processos demenciais e também numa vertente preventiva e alívio da dor ou facilitadora de aprendizagens ou descoberta de emoções e reacções. O som, a água e a música possuem uma forte capacidade de estimulação, actuando em múltiplos circuitos neocorticais, a nível da propriocepção, sistema vestibular e cinestésico. O snoezelen é, sem dúvida, um campo fértil de buscas, de descobertas e possibilidades para a promoção de maior qualidade de vida. Objectivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre o estimulação sensorial através do snoezelen (e outros ambientes multissensoriais) e suas aplicações. Competências a desenvolver: No final da Formação, os formandos estarão aptos a: identificar os princípios gerais da estimulação sensorial; criar em durante a prestação de cuidados um ambiente de estimulação sensorial. Objectivos pedagógicos específicos: No final da Formação os formandos deverão ser capazes de: Reflectir sobre a abordagem teórica da estimulação multisensorial Compreender os cuidados como um momento de estimulação multisensorial Destinatários: Ajudantes de Acção Directa Número mínimo e máximo de formandos: Número máximo de 14 formandos (no entanto poder-se-á ter em conta as necessidades formativas locais) 1

18 Duração: 8h presenciais (em contexto institucional) Código e Área de formação: 726 Terapia e Reabilitação Metodologia - Métodos e técnicas pedagógicas: Método expositivo, demonstrativo e activo, sendo que ao longo da sessão privilegiaremos a partilha de vivências reais de ambientes de estimulação sensorial ou multissensorial. Equipamentos necessários: Projector e calçado e roupa confortável Coordenador do curso: Amélia Martins CV: Licenciada em Serviço Social e Pós-graduação em Neuropsicologia Clínica. Doutoranda em Psicologia Cognitiva pela Universidade de Coimbra com a tese - Utilidade instantânea e recordada da abordagem Snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Formadora credenciada pelo ISNA-MSE (International Snoezelen Association). Programa (tópicos ou módulos): 1. A estimulação sensorial em geriatria - Diferentes patologias diferentes abordagens - Relaxamento e bem-estar; - Cuidados em ambiente institucional 3. Intervenção por modalidades sensoriais - As experiências olfativas e gustativas - As experiências cinestésicas e tácteis - As experiências auditivas - A percepção corporal: proprioceptividade - As experiências visuais 4. Dimensão relacional - o toque relacional - A comunicação verbal e não-verbal (autofeedback, massagens ) - O diálogo e a memória emocional 2

Curso de Formação 1. www.snoezelen-idosos.com 1. Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial

Curso de Formação 1. www.snoezelen-idosos.com 1. Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial Curso de Formação 1 Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial Perspetivas lúdicas e aprendizagens no Snoezelen Objetivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre

Leia mais

SNOEZELEN/MSE: ESTIMULAÇÃO MULTISSENSORIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS

SNOEZELEN/MSE: ESTIMULAÇÃO MULTISSENSORIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS SNOEZELEN/MSE: ESTIMULAÇÃO MULTISSENSORIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Eder Ricardo da Silva APAE de Bauru (SP) Sala Snoezelen APAE Bauru Fibra Óptica INTRODUÇÃO E OBJETIVOS O presente trabalho descreve

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

A Direcção, Dora Dias Susana Silva

A Direcção, Dora Dias Susana Silva A Mais Família é uma empresa recente, sediada no centro de Matosinhos. Somos uma empresa de APOIO DOMICILIÁRIO, tutelada pelo Instituto da Segurança Social, com o alvará nº 23/2011, prestando assistência

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

Terapias Complementares e Não Medicamentosas

Terapias Complementares e Não Medicamentosas Curso de Pós-graduação Terapias Complementares e Não Medicamentosas Organização Colaboração ESCOLA NACIONAL DE EQUITAÇÃO INDICE INDICE 2 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO E ENTIDADES QUE O PROMOVEM 3 2. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Estrutura do Programa

Estrutura do Programa Estrutura do Programa Objectivo: possibilitar a aquisição e a prática de novos conhecimentos e capacidades sobre a estimulação e o desenvolvimento da criança nos seus primeiros meses de vida, assim como

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL E PSICOMOTRICIDADE CLÍNICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil e Psicomotrocidade

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Curso de Especialização em PSICOMOTRICIDADE CLINICA E RELACIONAL

Curso de Especialização em PSICOMOTRICIDADE CLINICA E RELACIONAL Curso de Especialização em PSICOMOTRICIDADE CLINICA E RELACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Psimotricidade Clínica e Relacional.

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos

Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos Atelier de Estimulação Cognitiva em Grupo e em Pequenos Grupos - Promover Orientação, - Reconhecer o esquema corporal, - Estimulação da memória, - Desenvolvimento das Práxias, - Reabilitação das Funções

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING INÍCIO JÁ A 12 DE MARÇO! CONHEÇA O NOSSO PROGRAMA DETALHADO! Público Alvo: Profissionais interessados em desenvolver a actividade de Dynamic Coaching. Inscrições: GO4 Consulting

Leia mais

Curso de Formação / Workshops

Curso de Formação / Workshops Curso de Formação / Workshops Curso de Formação Estudantes e Profissionais das Áreas da Saúde e da Educação, Ciências Sociais e Humanas, interessados em aprofundar conhecimentos sobre a temática abordada.

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150.

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150. COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150. PROJETO PRIMEIRAS SENSAÇÕES SÉRIE: Berçário A Berçário B PROFESSORAS:

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. OBJETIVO DO CURSO: Formar especialistas

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

Curso de Formação Cuidar da Pessoa com Doença de Alzheimer

Curso de Formação Cuidar da Pessoa com Doença de Alzheimer PLNO DE FORMÇÃO 27, 28 e 29 de Setembro de 2011 Santa Casa da Misericórdia de veiro/núcleo de atendimento e acompanhamento a Doentes de lzheimer e Familiares Rua Combatentes da Grande Guerra nº 3-3810

Leia mais

Fisioterapia Descrição

Fisioterapia Descrição Licenciatura Fisioterapia Descrição Centra-se na análise e avaliação do movimento e da postura, baseadas na estrutura e função do corpo, utilizando modalidades educativas e terapêuticas específicas, com

Leia mais

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia Musicoterapia A Musicoterapia é a utilização da música e/ou dos elementos musicais (som, silêncio, ritmo, melodia, harmonia) pelo musicoterapeuta e pelo paciente ou grupo, em um processo estruturado para

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa Programa de Formação Código - Designação Cuidadores A atitude perante o idoso Local Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt Telf: Lisboa +351 217 931 365 Luanda: +244 94 112 60 90 Maputo: +258 82 019 0748

www.highskills.pt geral@highskills.pt Telf: Lisboa +351 217 931 365 Luanda: +244 94 112 60 90 Maputo: +258 82 019 0748 Índice Designação do Curso... 3 Apresentação do Curso... 3 Carga horária:... 3 Perfil de saída... 3 Pré-Requisitos... 3 Objetivos gerais... 4 Objetivos específicos... 4 Estrutura modular e respectiva carga

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projectos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Grade Curricular. CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL- Grade curricular anos 2010/2011

Grade Curricular. CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL- Grade curricular anos 2010/2011 Grade Curricular CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL- Grade curricular anos 2010/2011 1º Semestre 1 Anatomia I Obrig. 4 68 2 Introdução à Metodologia da Pesquisa Obrig. 3 51 3 Formação Pessoal do Terapeuta Ocupacional

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Em Portugal estão a abrir um conjunto muito vasto de equipamentos de saúde, nomeadamente unidades de cuidados continuados. Para este tipo de estabelecimento são necessários

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir Lisboa 2012 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir O conceito de Dificuldades de Aprendizagem tem sofrido nos últimos anos grandes

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

A música e crianças com NEE A Educação Especial e a Educação Musical

A música e crianças com NEE A Educação Especial e a Educação Musical A música e crianças com NEE O termo Necessidades Educativas Especiais resulta da evolução dos princípios de integração e inclusão, referindo-se às condições específicas de qualquer criança ou jovem que

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 24/01/2013 15:10. Centro de Ciências da Educação /1/13 15:1 Centro de Ciências da Educação Curso: 166 Educação Especial (Noturno) Currículo: 11/ 1 EDU.175.-1 Educação Inclusiva Educação Inclusiva: contextualização histórica, fundamentos e concepções.

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Anabela Martins Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Sumário Nota prévia Objetivos da Saúde Escolar Literacia em saúde Eixo estratégicos Exemplos de Boas

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

CATÁLOGO DE ATIVIDADES

CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2015 CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2 1 1 Fotografia da Capa: Architectural Concepts By Roman Vlasov com Wendy F. Strange In 3dfirstaid Visual Architecture INTRODUÇÃO A SENTIDO DIRECTO desenvolve, de forma sistemática,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Jackson Antônio Barbosa, Engenheiro Agrícola, DEG/UFLA, Orientador, jackson_barbosa@hotmail.com; Regilane Vilas Boas; Fisioterapeuta, Coordenadora Centro de Equoterapia/UFLA,

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV Entidade Promotora Entidade Co-Promotora e Co-Financiadora Entidade Co-Promotora e Co-Avaliadora Entidade Financiadora Entidade Co- Financiadora Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico. Crescente

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA Unidade Dias e Horários

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI?

O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? O QUE PROCURA O CONSUMIDOR DO SEC. XXI? DIVERTIMENTO FANTASIA NOVAS EXPERIÊNCIAS SENSAÇÕES SÉC. XXI: UM NOVO PARADIGMA DE MARKETING MARKETING TRANSACCIONAL Estratégias Transaccionais + MARKETING RELACIONAL

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33 7//1 19:33 Centro de Ciências da Educação Curso: 9 Pedagogia (Noturno) Currículo: 11/ 1 CNA.157.-3 Biologia Humana Ementa: Natureza Biológica e Visão Sistêmica do Ser humano. Sistemas do corpo humano.

Leia mais

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos.

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Envelhecer é melhor se feito com mais

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros)

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros) Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Miminho aos Avós Unidade de Torres Vedras Local: Área da Grande Lisboa Serviços/Produtos: Apoio domiciliário e cuidados geriátricos, bem como acesso aos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE: Formação em biodiversidade e sustentabilidade Objectivos do projeto Inquire O programa pan-europeu INQUIRE é uma

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

uma vez que estamos a falar de uma instituição com altos standards formativos, reconhecida e operante em todo o mundo.

uma vez que estamos a falar de uma instituição com altos standards formativos, reconhecida e operante em todo o mundo. Pilates MW1 CERTIFICAÇÃO MATWORK APPI 15 ª Edição 16 e 17 de Março de 2013 Resumo O módulo Matwork 1 (The Foundation) da Certificação Matwork da APPI é a base de todos os cursos de Pilates Modificado,

Leia mais

- Organização de eventos - CERTFORM Tema a ser apresentado pela Dr.ª Madalena Leão.

- Organização de eventos - CERTFORM Tema a ser apresentado pela Dr.ª Madalena Leão. INSCRIÇÕES GRATUÍTAS Registo de utilizador no portal INFORMAR.PT obrigatório tel. 220 931 192 geral@informar.pt SEMINÁRIOS INFORMAR.PT - dia 4 de Setembro No âmbito da Feira CERANOR - Casa, Hotelaria,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

QUALITIVIDADE. Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde

QUALITIVIDADE. Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde QUALITIVIDADE Coaching Uma nova FERRAMENTA para melhorar o DESEMPENHO do Profissional de Saúde O Profissional da Saúde como Coach e Mentor: UM DIFERENCIAL QUALITATIVO INOVADOR O Programa In ACTION promove

Leia mais

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008 Mônica Yassuda Mônica Sanches Yassuda Gerontologia EACH USP EACH USP Ambulatório de Psicogeriatria

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015. Serviço Técnico de Educação para a Deficiência Intelectual e Motora Direção Regional de Educação e Recursos Humanos Região Autónoma da Madeira Caminho de Santo António,

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Enquadramento técnico normativo

Enquadramento técnico normativo Este Guião pretende, por um lado dar visibilidade ao serviço de SAD promovido pelas IPSS, e por outro servir de inspiração para todas as instituições. Não é um documento fechado, antes uma base de trabalho

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Hospitalidade e Gestão de Turismo

MINI-MBA de Especialização em Hospitalidade e Gestão de Turismo MINI-MBA de Especialização em Hospitalidade e Gestão de Turismo www.highskills.pt geral@highskills.pt Lisboa- Telefone: 00351 217 931 365 Luanda Telefone: 00244 94 112 60 90 Índice Duração Total... 2 Destinatários...

Leia mais

Planeamento Anual e Programação e Datas Festivas 2015

Planeamento Anual e Programação e Datas Festivas 2015 Planeamento Anual e Programação e Datas Festivas 2015 Planeamento Anual O envelhecimento tem que ser encarado como uma etapa natural da vida humana e deve ser tratado e respeitado como tal, diferente,

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

Ação de Formação. Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15

Ação de Formação. Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15 Ação de Formação A atividade lúdica como promotora de sucesso nas aprendizagens de alunos com Necessidades Educativas Especiais Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15 Formadora: Dr.ª Sónia Moreira e Dr.ª Carla

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência

para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência Beja,22 e 23 de Outubro 2009 Doença Crónica na Criança reorganizar para promover a Equidade, Efectividade e Eficiência - Experiência do Centro de Desenvolvimento Torrado da Silva - Mª José Fonseca Doença

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA

11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA 11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA A partir dos resultados obtidos concluímos que um número significativo de docentes refere falta de preparação resultante de vários

Leia mais

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Coimbra, Setembro de 2011 Solicitação para colaboração na preparação da Unidade Curricular Intervenção em Cuidados Continuados II - 4º

Leia mais

DEMÊNCIAS. Snoezelen no combate à demência. Programa Forbrain. 1 Primeira Sala Snoezelen aberta ao publico em Portugal.

DEMÊNCIAS. Snoezelen no combate à demência. Programa Forbrain. 1 Primeira Sala Snoezelen aberta ao publico em Portugal. DEMÊNCIAS Snoezelen no combate à demência Programa Forbrain Demência é o termo utilizado para descrever os sintomas de um g r u p o a l a r g a d o d e doenças que causam um declínio progressivo no funcionamento

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais