I-111 EXPERIÊNCIA DA UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO DA SABESP, NA UTILIZAÇÃO DE VÁLVULAS REDUTORAS DE PRESSÃO COMO PARTE DO PROGRAMA DE REDUÇÃO DE PERDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I-111 EXPERIÊNCIA DA UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO DA SABESP, NA UTILIZAÇÃO DE VÁLVULAS REDUTORAS DE PRESSÃO COMO PARTE DO PROGRAMA DE REDUÇÃO DE PERDAS"

Transcrição

1 I-111 EXPERIÊNCIA DA UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO DA SABESP, NA UTILIZAÇÃO DE VÁLVULAS REDUTORAS DE PRESSÃO COMO PARTE DO PROGRAMA DE REDUÇÃO DE PERDAS Hélio Nazareno Padula Filho Engenheiro Civil; Gerente do Departamento de Engenharia de Operação da Unidade de Negócio Centro da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP, trabalhando desde 1977 em Saneamento Básico. Sob sua supervisão está a Divisão de Controle de Perdas, responsável pelo Programa de Redução de Perdas da Unidade de Negócio Centro. Fábio Luiz Denapoli Engenheiro Elétrico; Gerente da Divisão de Controle de Perdas da Unidade de Negócio Centro da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo SABESP, trabalhando desde 1976 em Saneamento Básico e atualmente é o Coordenador dos Contratos de Prestação de Serviços de Engenharia para Controle de Pressões, através da Implantação de Válvulas Redutoras de Pressão, para toda a área da Unidade de Negócio Centro da SABESP. Endereço (1) : Rua Sumidouro,448 Pinheiros SP CEP: Brasil - Tel: 55 (11) Fax: 55 (11) RESUMO Este trabalho tem a finalidade de apresentar a experiência da Unidade de Negócio Centro (MC) na Implantação de Válvulas Redutoras de Pressão (VRP) dentro do Programa de Controle de Perdas da SABESP. A SABESP vem desenvolvendo serviços de engenharia para executar ações concretas para redução e controle das perdas físicas, reduzindo e controlando as pressões na rede de distribuição e nos ramais prediais, minimizando assim, as perdas por vazamentos que representam uma grande porcentagem do total de água não faturada. O perfeito entendimento do problema, sua integração no contexto das Empresas de Saneamento Básico, bem como a metodologia para execução dos trabalhos, abordando os aspectos fundamentais para garantir o desempenho necessário em termos de qualidade e eficiência para o perfeito cumprimento das tarefas na Área de Saneamento são apresentados nos itens 2, 3 e 4. A exposição das características da área que é abrangida pela Unidade de Negócio Centro é apresentada no Item 5. No item 6 apresentamos os trabalhos já realizados na SABESP MC e no item 7 os Resultados Obtidos. A título ilustrativo apresentamos no item 8 algumas fotografias dos Sistemas de Controle de Pressão e Vazão. PALAVRAS-CHAVE: Controle de Perdas, válvulas redutoras de pressão INTRODUÇÃO O controle de perdas em sistema de abastecimento de água é um dos aspectos importantes para a utilização racional e eficiente dos recursos naturais e das instalações existentes para seu melhor aproveitamento. Durante muitos anos, deu-se pouca atenção ao aumento da eficiência dos sistemas de abastecimento de água. Os projetos e investimentos se concentravam, em geral, nas ampliações da capacidade de produção e distribuição, incluindo-se na composição das demandas, os elevados índices de perdas sem que fossem questionados os parâmetros vigentes de operação e controle das diversas unidades operacionais dos sistemas. Atualmente, com o desgaste gradual dos recursos hídricos e as limitações impostas aos recursos financeiros disponíveis, o controle operacional assumiu a mais alta prioridade. 1

2 Organismos financeiros internacionais vem exigindo, que os sistemas existentes sejam reabilitados e/ou operados em condições mais eficientes, o que por si só, muitas vezes, é suficiente para postergar investimentos em ampliações e novas unidades. A parcela não contabilizada de volume de água potável fornecida e um sistema de abastecimento, denominada genericamente como "perdas", resulta de três origens: Vazamentos (fugas) em diversas partes do sistema: adutoras, redes de distribuição, ramais prediais, etc. Erros de medição, seja de falta de manutenção como por imprecisão e falta de sensibilidade dos medidores a vazões muito pequenas. Fornecimento não faturado, seja por uso clandestino, erro na avaliação de consumo (usuário sem medidor),e outros. Um programa de controle e redução de perdas envolve basicamente quatro tipos de ações: Medidas preventivas, visando evitar a ocorrência de perdas, especialmente vazamentos, atuando sobre suas causas potenciais: critérios de projeto que contemplam equipamentos de controle de pressão, especificações para materiais, especificações para manutenção de equipamentos, e outros. Detecção de vazamentos, abrangendo basicamente dois aspectos: a medição e a prospecção. A medição realizada em setores de abastecimento permite verificar se está ocorrendo vazamentos, assim como avaliar quantitativamente. A prospecção, consiste em localizar em campo os vazamentos, assim como avaliar quantitativamente os vazamentos esperados segundo os resultados da medição. Ações corretivas, através de normas e procedimentos de manutenção de redes, dimensionamento adequado de medidores de acordo com o consumo do usuário e a qualidade da água, otimização de consumos operacionais em lavagem de reservatórios, limpeza e desinfecção de redes, descargas sanitárias, e outros. Otimização de sistema comercial com a redução das ligações clandestinas, controle absoluto de áreas invadidas e favelas, faturamento adequado dos grandes consumidores, e outros. A SABESP vem contratando serviços de engenharia para executar ações concretas para redução e controle das perdas físicas, reduzindo e controlando as pressões na rede de distribuição e nos ramais prediais, minimizando assim, as perdas por vazamentos que representam uma grande porcentagem do total de água não faturada. Normalmente esses serviços são iniciados com uma setorização da rede de distribuição de água que constitui um dos fatores mais importantes para a correta operação de um sistema de abastecimento, pois permite a manutenção de planos piezométricos dentro de faixas adequadas de pressões mínimas e máximas. Essa setorização, possibilita condições operacionais que não coloquem a rede em situações favoráveis à maior incidência de arrebentamentos ou vazamentos nas tubulações, além de problemas mecânicos em equipamentos vinculados ã rede (bóias domiciliares, registros, etc.). A setorização está muito ligada à topografia da região. Quanto mais acidentada for, maiores as necessidades de distintos planos piezométricos, definidos geralmente pelos reservatórios apoiados, elevados, boosters ou válvulas redutoras de pressão (VRP). Com a instalação das válvulas redutoras de pressão - VRPs, conjuntamente com controladores eletrônicos que executam funções por meio de programas preestabelecidos, associados a medidores de vazão, é possível, controlar as vazões e pressões das entradas e saídas dos subsetores de maneira a sustentar as condições essenciais de abastecimento de água em toda a rede ao longo do dia, possibilitando reduções dos volumes perdidos em vazamentos e da incidência de rupturas nas tubulações, gerando diminuição nos custos operacionais com produtos químicos de tratamento, de energia elétrica e de despesas inerentes aos serviços de manutenção. Com o isolamento dos subsetores e o controle das vazões e pressões, a SABESP iniciou um Programa de Controle de Perdas mais completo e eficiente, com o desenvolvimento das seguintes atividades: Compatibilização dos subsetores de abastecimento com os setores comerciais, tendo como conseqüência índices de perdas mais confiáveis, pois para cada subsetor, poderão ser calculados índices isolados, possibilitando o desenvolvimento de ações para redução de perdas conforme prioridade de cada sub-setor; Atualização do Cadastro de Consumidores; 2

3 Adequação da micromedição com substituição dos hidrômetros com problemas de dimensionamento (sub e/ou super-dimensionados) e de manutenção (vencidos por tempo de instalação na rede e/ou por volume máximo registrado para sua capacidade conforme normas técnicas). Atualização do Cadastro Técnico; Pesquisa sistemática de vazamentos não-visíveis; Adequação e atualização da manutenção de redes e ramais prediais, com o desenvolvimento de estudos para otimização dos tempos de reparação de vazamentos e outros serviços; Projeto e instalação de um Sistema de Controle Operacional de Distribuição de Água, automatizado para operar os subsetores a partir de um Centro de Controle; Com a implantação das atividades citadas nos subsetores com controle de vazão e pressão, a SABESP poderá determinar o perfil das perdas nesta área, priorizando as ações a serem desenvolvidas com o objetivo de minimizar as perdas, atendendo melhor a população e até abastecendo clientes factíveis e potenciais, sem que haja necessidade de grandes investimentos em novos projetos e obras de ampliação. VÁLVULAS REDUTORAS DE PRESSÃO (VRP) Conforme a experiência internacional comprovada, a diminuição das áreas com redes submetidas à pressões elevadas conduz à diminuição de ocorrências de vazamentos e arrebentamentos, trazendo com isso significativa redução das perdas físicas de água. Além disso, a eliminação de pressões elevadas acarreta o uso mais eficiente da água pois diminui os vazamentos nas instalações domiciliares, extravasamentos nas caixas de água por falhas nas válvulas de bóia de controle de nível das caixas de água e o desperdício por parte dos usuários que são alimentados diretamente pela rede (sem caixa de água domiciliar), permitindo, com a mesma capacidade de produção, atender um universo maior de consumidores. O dispositivo que permite realizar automaticamente este controle é a válvula redutora de pressão - VRP, que reduz uma determinada pressão de montante a uma pressão de jusante estável. As válvulas podem funcionar como regularizadoras, mantenedoras ou aliviadoras de pressão, reguladoras de vazão, etc. e podem combinar duas ou mais funções de acordo com as necessidade do sistema de distribuição. Especial cuidado deve ser tomado no dimensionamento e escolha da VRP, considerando duas condicionantes extremas: Quando a rede opere com a demanda máxima, a válvula deve ser adequada para que, totalmente aberta, apresente a mínima perda de carga; Com a demanda mínima, a válvula deve fechar mantendo a pressão predeterminada sem cavitar, ou seja, estar isenta de vibrações e anomalias inerentes a fechamentos próximos à obturação total. A segunda condição requer uma análise criteriosa que se torna mais crítica quanto maior a extensão da rede associada à válvula. Qualquer válvula produz um obstáculo crescente ao escoamento a partir do momento que começa a fechar, assumindo praticamente toda a dissipação da carga quando se trata da vazão mínima. Quanto mais extensas as redes, maior a variação da perda de carga quando é veiculada a vazão máxima e a vazão mínima, por tanto, maiores serão as exigências sobre a válvula, uma vez que, quando são veiculadas as vazões mínimas, através do seu fechamento, ela tem que dissipar praticamente toda a perda de carga, quase sem auxílio da rede e nessa situação, as possibilidades de se chegar a velocidades de passagem na veia contrata excessivamente altas, ao ponto de exigir operações em condições extremas de cavitação são mais prováveis. Como há vários estágios de cavitação, deste incipiente até o bloqueio (choque), passando pela cavitação crítica e depois pela destrutiva, a escolha da válvula deve ser bastante criteriosa podendo-se aceitar índices de cavitação incipiente e até crítica, desde que não passe em nenhuma circunstância para a fase de cavitação destrutiva. Mesmo que a VRP garanta a pressão estabelecida a jusante para qualquer condição de vazão ou seja, de pressão de entrada, para definir o tipo de controle, outras situações devem ser consideradas em função das características locais (porte do equipamento, perdas de carga na rede, vazões, áreas estratégicas, etc.), 3

4 condições estas que devem ser criteriosamente levantadas nos projetos. Assim, pode-se definir um sistema simples de controle manual ou um sistema de controle automático com o emprego de controladores eletrônicos, que executam as suas funções por meio de programas preestabelecidos. Os controladores automáticos permitem que a pressão de saída seja permanentemente monitorada e comparada com a pressão de regulagem da válvula e se houver uma diferença superior a um limite de precisão fixado, o controlador atuará para reajustar a pressão de saída ao valor desejado. O controlador pode ser operado por modulação de vazão ou com base temporal (horária) que é o modo mais simples de gestão automática. Este último, baseia-se na repetitividade do padrão de consumo (perfil vazão/pressão) da área a ser atendida. O operador pode estabelecer uma pressão máxima e uma pressão mínima em um número máximo de horários distintos, número este que varia de acordo com o fabricante. No controle por modulação de vazão, a pressão de saída é determinada diretamente pela demanda do sistema de distribuição a jusante da válvula, obtida em tempo real por um medidor de vazão conectado ao controlador. METODOLOGIA DE TRABALHO A Metodologia adotada pela SABESP para o desenvolvimento dos serviços de engenharia para controle de pressões com implantação de válvulas redutoras de pressão e controladores lógico-programáveis, é apresentada a seguir, onde se procurou estabelecer uma seqüência de eventos básicos, com o intuito de permitir uma visualização geral do andamento dos serviços nas suas diversas fases, bem como o interrelacionamento entre as várias áreas de projeto envolvidas. ETAPA I - ESTUDOS E PROJETOS Atividade I.1 Seleção de Sub-Setores para Instalação de VRP S Atividade I.1.1 Levantamento e Obtenção das Informações Necessárias Atividade I.1.2 Análise dos Dados e Pré-Seleção dos Sub-Setores Atividade I.2 Estudos dos Sub-Setores Selecionados Atividade I.2.1 Delimitação Física do Sub-Setor Atividade I.2.2. Levantamento Detalhado de Dados Sobre o Sub-Setor Atividade I.2.3 Medições de Vazão e Pressão Atividade I.2.4 Análise das Medições Realizadas Atividade I.2.5 Modelagem Matemática Atividade I Modelagem Hidráulica Atividade I Modelagem de Retorno do Investimento Atividade I.2.6 Dimensionamento e Configuração do Equipamento a ser Instalado Atividade I.2.7 Projeto de Instalação do Sistema de Redução de Pressão ETAPA II FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS Atividade II.1 Listagem Básica dos Materiais e Equipamentos a Serem Fornecidos Atividade II.2 Fabricação e Importação Atividade II.3 Controle de Qualidade Atividade II.4 Instalação do Sistema de Redução de Pressão ETAPA III PRÉ-OPERAÇÃO E TREINAMENTO Atividade III.1 Calibração e Regulagem do Sistema Atividade III.2 Avaliação do Performance do Sistema Atividade III.3 Treinamento de técnicos da SABESP 4

5 ETAPA IV RELATÓRIO FINAL E RECOMENDAÇÕES Atividade IV.1 Elaboração de Relatórios Finais com Recomendações para cada Subsetor Isolado DADOS CARACTERÍSTICOS DA UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO Apresentamos a seguir os principais dados característicos da Região que é de responsabilidade da Unidade de Negócio Centro (MC): População Atendida: habitantes Extensão da Rede de Distribuição: Km Extensão de Ramais Prediais: Km Total de Ligações de Água: Total de Economias Atendidas: Volume Médio Fornecido: m3/mês Vazão Média: 15,50 m3/mês Idade da Rede de Distribuição: Antes de 1974: - 60% Depois de 1974: - 40% Pressões incidentes na Rede de Distribuição Pressão < 30 mca =>11% da Área => 612 Km 30 mca < Pressão < 60 mca => 61% da Área => Km Pressão > 60mca => 28% da Área => Km ATIVIDADES EXECUTADAS NA UNIDADE DE NEGÓCIO CENTRO A Unidade de Negócio Centro instalou até Dezembro de 2000, 111 VRP s, e tiveram seus resultados avaliados em termos de redução de vazão no sub-setor (economia proporcionada). A área de cobertura abrangida por essas Válvulas atinge 28% aproximadamente da extensão de rede da Unidade de Negócio Centro ( o que corresponde a cerca de km.). Cada sub-setor coberto por Válvulas Redutoras de Pressão na Unidade de Negócio Centro tem a extensão média de 14,41km de rede de abastecimento. Existem 13 unidades de Controle de Pressão contam ainda com sistema de telemetria para seu controle e obtenção de resultados. Na sequência, apresentamos o quadro de VRPs instaladas e em operação: Quadro De Válvulas Redutoras De Pressão Já Instaladas UN - SETOR LOCAL Controle Diâm. Extensão Total de Economia Economia Pol Km Ligações l/s R$/mês 1 LAPA Curtume Vazão 3 5, , ,97 2 MAR./DER. DEOD. Lacerda Franco Vazão 10 20, , ,91 3 SACOMÃ ZB Pilões Vazão 8 30, , ,88 4 SAPOPEMBA Paulo Queirós I Fixa 3 6, , ,98 5 SAPOPEMBA Paulo Queirós ll Fixa 3 6, , ,92 6 SAPOPEMBA Amélia V Magnoli Fixa 3 4, , ,68 7 SAPOPEMBA Santana do Riacho Fixa 3 8, , ,48 8 SAPOPEMBA Estado do Ceará Fixa 4 6, , ,92 9 SAPOPEMBA Batista Fergúsio Fixa 4 5, , ,60 10 MOÓCA ZB Catumbi Tempo 6 10, , ,54 11 MOÓCA ZA Chamantá Tempo 6 18, , ,00 12 MOÓCA ZA Manoel V Souza Tempo 8 10, , ,08 13 MOÓCA ZB Pça Armênia Tempo 8 17, , ,32 14 V ALPINA Mata Machado Vazão 4 5, , ,04 5

6 15 V ALPINA Inácio Vazão 3 4, , ,92 16 V ALPINA Lobélias Fixa 3 4, , ,92 17 V ALPINA Industrial Tempo 4 4, , ,10 18 V ALPINA Baltar Vazão 3 4, , ,48 19 AVENIDA Rafael de Barros Vazão 8 6, , ,60 20 V FORMOSA Juno Fixa 6 6, , ,41 21 V FORMOSA Evangelina Fixa 4 6, , ,35 22 V MARIANA Pça Giordano Bruno Fixa 6 21, , ,84 23 V MARIANA Pedro Pomponazzi Fixa 8 35, , ,20 24 A BRANCA Min. De Godóy Vazão 6 7, , ,80 25 A BRANCA Al Barros Vazão 8 10, , ,92 26 A BRANCA Julio M Salgado Vazão 10 7, , ,42 27 V FORMOSA Maximiano Fixa 6 4, , ,24 28 SAPOPEMBA S Miguel do Guama Fixa 6 8, , ,04 29 V DEODORO ZB Constituintes Tempo 8 5, , ,66 30 MOOCA ZB Pça Agente Cícero Vazão 12 35, , ,57 31 V FORMOSA Tenente Chantré Tempo 4 4, , ,80 32 V FORMOSA General Argolo Tempo 4 5, , ,68 33 V MARIANA Machado de Assis Tempo 6 8, , ,58 34 V MARIANA Joaquim Tavora Tempo 6 5, , ,36 35 SACOMÃ Almirante Delamare Fixa 3 6, , ,24 36 DEODORO ZB Av. D Pedro I Fixa 3 4, , ,48 37 SACOMÃ ZB R. Anny Fixa 6 38, , ,64 38 ARAÇA ZB Agissé Vazão 6 33, , ,06 39 VILA MARIANA Mauricio Klabim Fixa 6 4, , ,48 40 DEODORO ZB Agostinho Gomes I Fixa 6 7, , ,22 41 DEODORO ZB Agostinho Gomes II Vazão 12 35, , ,40 42 MOOCA ZB Pça Odilon Ventania Vazão 12 41, , ,70 43 MOOCA ZB Três Rios I Vazão 6 9, , ,60 44 MOOCA ZB Três Rios II Vazão 14 10, , ,40 45 SAPOPEMBA Ouro Verde de Minas I Tempo 6 3, ,00 933,12 46 SAPOPEMBA Ouro Verde de Minas II Fixa 6 3, ,00 933,12 47 V ROMANA ZB Bica de Pedra Vazão 3 6, , ,89 48 V FORMOSA Jorge Veiga Fixa 6 6, , ,66 49 V FORMOSA Luis Pinto Fixa 4 6, , ,10 50 MOOCA ZB Ribeiro de Lima Vazão 8 69, , ,20 51 V AMERICA Av. Europa Vazão 6 12, , ,20 52 DEODORO ZB R.Heitor Peixoto Tempo 6 5, , ,92 53 V AMERICA Al.Gabriel M. da Silva Vazão 12 23, , ,44 54 SACOMÃ ZB R. Epiacaba Tempo 6 7, , ,48 55 V. MARIANA R. Pedro de Toledo Tempo 6 8, , ,76 56 V. MARIANA Diogo de Faria Tempo 6 9, , ,98 59 SACOMÃ ZB R. Zeferino Vaz Tempo 6 8, , ,42 60 MOOCA ZB R. Bom Jardim Fixa 6 4, , ,06 61 MOOCA ZB R. Cachoeira I Tempo 6 10, , ,28 62 MOOCA ZB R. Cachoeira II Tempo 6 9, , ,16 63 SAPOPEMBA R. Paula Candido Fixa 6 5, , ,36 64 SAPOPEMBA R. Estado do Amazonas Fixa 3 3, , ,68 65 V ROMANA R. Marco Aurélio Vazão 6 7, , ,92 66 V ROMANA R. Passo da Pátria Vazão 10 11, , ,18 67 CASA VERDE Pça Luis C. Mesquita Vazão 8 13, , ,10 68 CASA VERDE R. Tomás Edson Vazão 10 12, , ,30 6

7 69 DEODORO ZB R. Sorocabanos Tempo 6 5, , ,66 70 JABAQUARA R. Guiratinga Fixa 6 5, , ,48 71 JABAQUARA R. Traituba Fixa 6 6, , ,04 72 SAPOPEMBA R. Augusto F.Ramos Fixa 3 5, , ,18 73 ARAÇA R. Cel. Melo de Oliveira Vazão 6 10, , ,70 74 ARAÇA R. Cotoxó Vazão 10 10, , ,51 75 ARAÇA R. Caraibas Vazão 6 10, , ,52 76 SACOMÃ ZB R. Edméia Attab Fixa 4 4, , ,68 77 MOOCA ZB R. Dona Ana Nery Vazão 10 15, , ,40 78 MOOCA ZB R. Dona Ana Nery(Estado) Vazão 10 9, , ,32 79 MOOCA ZB Av. Pres. Wilson Vazão 8 10, , ,56 80 SACOMÃ ZB Estr. das Lágrimas Fixa 8 8, , ,45 81 SACOMÃ ZB R. Fraterno M. Almada Fixa 8 11, , ,19 82 LAPA R. Pedro Coraza Fixa 3 5, , ,36 83 LAPA Av. Santa Marina Fixa 3 5, , ,92 84 V. AMÉRICA Av. São Gabriel Vazão , , ,96 85 LAPA R. Raymundo P. Magalhães Vazão 10 35, , ,86 86 LAPA Pça Sebastião Pinto Fixa 3 7, , ,48 87 LAPA R. Cap. Francisco Proj. 2 Tempo 3 5, , ,43 88 V. AMÉRICA R. Groenlândia Vazão 6 7, , ,96 89 MOMBAÇA Pq. das Flores Vazão 6 25,00-0,00 90 LAPA Av. St. Marina II Fixa 3 4, , , MOOCA ZB R. Toledo Barbosa Vazão 6 6, , , MOOCA ZB R. Irmã Carolina Vazão 6 6, , ,36 93 MOOCA ZB R. Alm. Calheiros Vazão 6 8, , ,04 94 MOOCA ZB R. Heitor Bariani Vazão 6 6, , ,48 95 V. AMÉRICA R. Leme Vazão 8 5, , ,47 96 LAPA R. 12 de outubro Tempo 3 5, , ,24 97 GAMA LOBO R. Itaboraí Vazão 8 22, , ,81 98 GAMA LOBO R. D. Bernardo Nogueira Vazão 12 25, , ,79 99 GAMA LOBO R. Florânia Vazão 10 11, , , GAMA LOBO R. Vergueiro Vazão 8 10, , , JABAQUARA R. Flor de Tilia Vazão 10 14, , , MOOCA ZB R. Rio Bonito Vazão 3 16, , , V. AMÉRICA R. Cardeal Arcoverde Vazão 14 41, , , MOOCA ZB Av. Tiradentes Tempo 3 7, , , BROOKLIN R. Alvorada Vazão , , , BROOKLIN R. Funchal Vazão V. MADALENA Ponte Cidade Jardim Vazão V. MADALENA R. Manduri Vazão V. MADALENA R. Olimpiadas Vazão , , , V. MADALENA R. Sumidouro Vazão SAPOPEMBA R. Rosa da China Tempo 3 4, , ,55 TOTAL GERAL 1.567, , ,48 RESULTADOS OBTIDOS Com a implantação dos 111 Sistemas de Controle de Pressão na Unidade de Negócio Centro, os principais resultados obtidos foram: Alguns resultados obtidos: 7

8 Economia por válvula operando ( média) : 8,58 l/s Economia por extensão de rede : 0,60l/s/Km Valor Total da Economia de Água (por mês) = R$ ,48 ( Custo de 0,36 R$/m3 ) Retorno do Investimento Total = 3,9 meses Apresentamos a seguir o Mapa de Pressões da Região Metropolitana Centro de São Paulo, Esquema de Instalação da Válvula e Esquema Hidráulico Padrão que está sendo utilizado para instalação do Sistema de Controle de Vazão e Pressão (VRP, Hidrômetro, Filtro, Registros e Conexões de Ferro Fundido). Mapa De Pressões 8

9 Esquema De Instalação De Vrp Caixa de Solenóide Controlador Dados do Hidrômetro (pulso) Filtro Piloto + Atuador FLUXO 9

10 Esquema Hidráulico Padrão A título ilustrativo, apresentamos fotos que mostram a seqüência da instalação do Sistema de Controle de Vazão e Pressão: 10

11 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Foto 1: Início dos Serviços Com a Escavação da Vala. 11

12 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Foto 2: Com o Auxílio de Caminhão Munk, Início dos Serviços de Montagem hidráulica. 12

13 Foto 3: Montagem dos Equipamentos e Conexões. Foto 4: Montagem Hidráulica Concluída e Início da Construção da Caixa de Proteção. 13

14 Foto 5: Detalhe da Válvula Redutora de Pressão já Instalada e Pronta Para Início de Operação 14

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo

Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Programa de Reabilitação de Redes - MC Roberto Abranches Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Retrospectiva 2007 Veja Lula, como nunca antes na história deste país... Camilo Riani Edição

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2.

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2. : CONTRATO: CSS 2.213/03 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o desenvolvimento do Programa de Redução das Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

BERMAD BRASIL SANEAMENTO. Válvulas redutoras de pressão e suas aplicações no controle de perdas

BERMAD BRASIL SANEAMENTO. Válvulas redutoras de pressão e suas aplicações no controle de perdas BERMAD BRASIL SANEAMENTO Válvulas redutoras de pressão e suas aplicações no controle de perdas Fábrica em Israel Fábrica em Israel 35.000 m2 de área livre 15.000 m2 de área construída 450 Funcionários

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: Metodologia para Detecção de Vazamentos não Aparentes utilizando Armazenadores de Ruídos de Vazamento em Setores isolados na cidade de Campinas. AUTOR: Engº Paulo Sérgio Vicinança RESPONSÁVEL PELA

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista

Válvula de Fluxo Anular. 1º Encontro Técnico da Baixada Santista Válvula de Fluxo Anular 1º Encontro Técnico da Baixada Santista André Marques Produtos Tradicionais - SGC aplicados a Controle de Perdas Peças de Manutenção Válvulas de Controle Tubos e Conexões e Intervenção

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Diretoria Metropolitana

Diretoria Metropolitana Diretoria Metropolitana Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp Diretoria Metropolitana Unidade de Negócio Sul MS Modelo de Contrato de Performance para Redução de Perdas Reais e

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS Eng. Gustavo Lamon JULHO DE 2015 TÓPICOS ABORDADOS NESTA APRESENTAÇÃO PRINCIPAIS NÚMEROS NO BRASIL PITOMETRIA SETORIZAÇÃO MACROMEDIDOR

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE HIDRÔMETROS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Fernando Inácio dos Santos (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Taubaté. Especialista em Engenharia Sanitária pela

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA José do Carmo de Souza Júnior AUTORES José do Carmo de Souza Júnior Companhia de Saneamento Básico do

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

Pergunta 1: Um datalogger poderá comunicar-se com mais de uma VRP?

Pergunta 1: Um datalogger poderá comunicar-se com mais de uma VRP? PREGÃO ELETRÔNICO N. 2014/262 PROTOCOLO N. 2014/72.368 OBJETO: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO DE ESTRUTURAS REDUTORAS DE PRESSÃO, COM CONTROLE AUTOMÁTICO DE PRESSÃO, NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, COM

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas Título: Gestão da Pesquisa de vazamentos não visíveis AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio Cargo Atual: Coordenador Macromedição e Pesquisas Formação: Engenharia Mecânica Área de Atuação: Controle de Perdas,

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ

DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DIDÁTICAS, INTEGRANDO ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA (PUC-RIO) E CURSO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA DO CEFET-RJ Alunos: Felipe Portes Lanes (PUC-Rio), Viviane Helena da

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA APLICAÇÃO NA REGIÃO DO BOMBEAMENTO ITAPUÍ EM BLUMENAU/SC Marcelo Torresani Pós-graduado do curso de Gestão

Leia mais

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA Alex Orellana (1) Engenheiro de Produção Mecânica pelo Centro Universitário Nove de Julho. Pós-graduado

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000

Orçamento Estimativo - Programa de Desenvolvimento Operacional Desembolso no ano 2000 1. Macromedição e Pitometria 1.1 Materiais e equipamentos aquisição de macromedidores aquisição de equip. de pitometria aquisição de veículo sub-total 1.1 1.2 Serviços contratação de serviço de instalação

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS

OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS OTIMIZAÇÃO DOS MÉTODOS DE ENSAIO DE HIDRÔMETROS Adalberto Cavalcanti Coêlho (1) Graduado em Engenharia Civil fez Curso de pós-graduação na Área de Recursos Hídricos, obteve o grau Manter Sc em 1979, empregado

Leia mais

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional

Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional Controle Operacional à Distância Ferramenta Operacional MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos. Eng Eletricista formado pela

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Comunicado Técnico 08

Comunicado Técnico 08 Comunicado Técnico 08 ISSN 2177-854X Setembro. 2010 Uberaba - MG Automação em Sistemas de Irrigação Responsáveis: Ana Paula P.M.Guirra E-mail: anappmg_irrig@yahoo.com.br Tecnóloga em Irrigação e Drenagem;

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Medidas de Combate às Perdas de Água

Medidas de Combate às Perdas de Água Medidas de Combate às Perdas de Água 2 As perdas de água em sistemas de abastecimento podem ser classificadas em físicas e não físicas. A classificação pelo tipo de perda facilita a identificação da medida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

Endereço(1) SABESP Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Rua Costa Carvalho, 300 CEP 05429 010 Pinheiros São Paulo SP

Endereço(1) SABESP Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Rua Costa Carvalho, 300 CEP 05429 010 Pinheiros São Paulo SP 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-118 -METOLOGIA E APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA DEFINIÇÃO DE LIMITES OPERACIONAIS DE

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP

Uso sustentável da água na construção. Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Uso sustentável da água na construção Marina Sangoi de Oliveira Ilha Livre-Docente LEPSIS/FEC/UNICAMP Profa. Dra. Marina Ilha, FEC/UNICAMP 13% águas superficiais - mundo 34,9% Américas 68 região Norte

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Fernando Cesar Uzan Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente trabalha na Coordenadoria

Leia mais

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Hídricos Anexo III-d Produtos e Equipamentos Síntese de Painel de Especialistas 1 Contexto A necessidade de equipamentos

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS

TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS TÍTULO: PADRONIZAÇÃO DAS LIGAÇÕES DE ÁGUA DE CAMPINAS - FERRAMENTA PARA REDUÇÃO DE PERDAS Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação: Tecnologia

Leia mais

INTRODUÇÃO. Parabéns pela sua escolha.

INTRODUÇÃO. Parabéns pela sua escolha. WWW.POWERCAR.COM.BR INTRODUÇÃO Parabéns pela sua escolha. O Módulo Power Flex é um sofisticado conversor de combustível micro processado para veículos. Ele foi desenvolvido especialmente para oferecer

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil

Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil Cícero Ferreira Batista Engenheiro Sabesp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Impacto na Perda Aparente Atuando na Redução da Submedição dos Hidrômetros

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 277

Norma Técnica SABESP NTS 277 Norma Técnica SABESP NTS 277 Critérios para implantação de medição individualizada em condomínios horizontais ou verticais. Procedimento São Paulo Dezembro 2008 - Rev. 1 NTS 277 : 2008 Rev.1 Norma Técnica

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Geraldo Pereira de Abreu* Técnico em Eletroeletrônica pelo Colégio Torricelli

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CARLOS EDUARDO MENEZES CONTROLE DE PRESSÃO E COMBATE ÀS PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CARLOS EDUARDO MENEZES CONTROLE DE PRESSÃO E COMBATE ÀS PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CARLOS EDUARDO MENEZES CONTROLE DE PRESSÃO E COMBATE ÀS PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SÃO PAULO 2006 CARLOS EDUARDO MENEZES CONTROLE DE PRESSÃO E COMBATE

Leia mais

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Workshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Eric C Carozzi 29.07.2014 Visão geral das Perdas de Água na Sabesp - Balanço Hídrico Balanço

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão

Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão Seminário do Planejamento à Prática: Uso Sustentável dos Recursos Hídricos Perdas de água Experiências e Tecnologias do Japão Renata Sayuri Muranaka TOR-Departamento de Gestão do Programa Corporativo de

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

CONTROLE DE PRESSÕES E OPERAÇÃO DE VÁLVULAS REGULADORAS DE PRESSÃO

CONTROLE DE PRESSÕES E OPERAÇÃO DE VÁLVULAS REGULADORAS DE PRESSÃO Guias práticos Técnicas de operação em sistemas de abastecimento de água CONTROLE DE PRESSÕES E OPERAÇÃO DE VÁLVULAS REGULADORAS DE PRESSÃO VOLUME 4 Autores Elton Gonçalves Celso Vieira de Lima Organizador/Revisor

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Modelo inovador na operação do sistema de distribuição de água utilizando Distritos de Manobra Outubro-2013 Organograma da OC

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS Denis Augusto Mathias (1) Engenheiro Ambiental. Pós-graduado em Infraestrutura de Saneamento Básico

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 Norma Técnica SABESP NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2014 NTS : Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO...1 2 OBJETIVO...1

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Consumo de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia

Leia mais

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010)

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010) REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM LINHAS TRONCO E REDES DISTRIBUIDORAS DE ÁGUA, POR MEIO DO MONITORAMENTO E REDUÇÃO DE PRESSÕES: CASOS EM SAAs DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR. Autores: Sérgio Oliveira

Leia mais

A Empresa. Unidade de Válvula em Jacarei - SP

A Empresa. Unidade de Válvula em Jacarei - SP A Empresa Unidade de Válvula em Jacarei - SP H á mais de um século, a marca Consolidated é reconhecida pela indústria como sinônimo de solução em Válvulas de Segurança e/ou Alívio. O elevado know-how e

Leia mais

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUSTENTÁVEIS Objetivos da Gestão Sustentável 1 Manter o padrão de excelência para a qual foi projetada 2 Conforto e saúde dos ocupantes e usuários 3 Custos operacionais reduzidos

Leia mais

Prefácio. Introdução. 2 Referencias normativas

Prefácio. Introdução. 2 Referencias normativas Prefácio Introdução A sociedade, à nível global, tem reconhecido que a água esta se tornando um recurso natural cada vez mais escasso. Nas grandes metrópoles a oferta de água de boa qualidade é procedimento

Leia mais

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho Resumo As perdas nas empresas de abastecimento de abastecimento de água do Brasil apresentam valores

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS SEMINÁRIO SOBRE A GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS EM MINERAÇÃO DNPM/IBRAM/SINDIEXTRA/FEAM/CREA-MG BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS ENG. JOAQUIM PIMENTA DE ÁVILA ENG. RICARDO

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Solução Cadia Projects

Solução Cadia Projects Solução Cadia Projects A Cadia Consulting, com mais de 14 anos de experiência na implementação da ferramenta Microsoft Dynamics NAV (Navision), desenvolve soluções verticais que visam ampliar as funcionalidades

Leia mais