RELATÓRIO TÉCNICO. Centros de Atenção Psicossocial. Área de Saúde Mental Convênio nº 99/ SMS. G

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TÉCNICO. Centros de Atenção Psicossocial. Área de Saúde Mental Convênio nº 99/2008 - SMS. G"

Transcrição

1 A s s o c i a ç ã o S a ú d e d a F a m í li a RELATÓRIO TÉCNICO Centros de Atenção Psicossocial Área de Saúde Mental Convênio nº 99/ SMS. G Instituição Parceira: Associação Saúde da Família ABRIL 2013 Pça. Mal. Cordeiro de Farias, 45/65 - Higienópolis - São Paulo/SP CEP CGC / Telefax (11) Site:

2 RELATÓRIO ELABORADO POR: Maria Eugênia Lemos Fernandes Coordenadora Geral Maria José Rollo Ribeiro Assessora Técnica Rosangela Ogawa Gerente da Área Técnica de Saúde Mental Danny Martyn Van de Groes Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Dulce Pazini Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Gláucia Galvão Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Thais Laranjo Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Telma Felício Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Simone Marini Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Sebastião Ambrozio Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental Stella Maris Colonato Supervisor Técnico da Área Técnica de Saúde Mental GERENTE DA ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE MENTAL Rosângela Ogawa 2

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA EQUIPE TÉCNICA DE SAÚDE MENTAL E PELOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DA ASF 3. CAPS EM FUNCIONAMENTO 3.1 CAPS II AD Ermelino Matarazzo 3.2 CAPS II Adulto Formosa/Aricanduva 3.3 CAPS III Adulto Itaim Bibi 3.4 CAPS II Infantil FÓ/Brasilândia 3.5 CAPS III AD Centro 3.6 CAPS II Infantil Sé 3.7 CAPS II Infantil Capela do Socorro 3.8 CAPS II AD Brasilândia 3.9 CAPS II Infantil Casa Verde/Cachoeirinha/Limão 3.10 CAPS II Infantil Parelheiros 3.11 CAPS II Adulto Brasilândia 3.12 CAPS II Adulto Sé 3.13 CAPS II Adulto Capela do Socorro 4. ANEXOS. 3

4 ABREVIATURAS AC Ad AMA AME RAAS ASF BPA CAPS CECCOS CEDECA CEFAI COMUDA CRAS CRATOD CREAS CRS ESF FIPE FÓ HP IPREM MS MSE NASF OAF OSS PAVS PNH OS PTS PVC RH SAE SAID SASF SECONCI SMADS SMS-SP SPDM SRT SRTE Acompanhante Comunitário Álcool e Drogas Assistência Médica Ambulatorial Assistência Médica Especializada Autorização para Procedimento de Alto Custo Associação Saúde da Família Boletim de Produção Ambulatorial Centro de Atenção Psicossocial Centro de Convivência e Cooperativa Centro de Defesa de Crianças e Adolescentes Centro Educacional de Acompanhamento à Inclusão Conselho Municipal sobre Drogas Centro de Referência de Assistência Social Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas. Centro de Referência Especializado de Assistência Social Coordenadoria Regional de Saúde Estratégia Saude da Família Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Freguesia do Ó Hospital Psiquiátrico Instituto de Previdência Municipal Ministério da Saúde Medida Socioeducativa Núcleo de Apoio à Saúde da Família Organização de Auxílio Fraterno Organização Social de Saúde Programa Ambientes Verdes e Saudáveis Programa Nacional de Humanização Pronto Socorro Projeto Terapêutico Singular Programa de Volta para Casa Recursos Humanos Serviço de Atendimento Especializado em DST/AIDS Serviço de Atenção Integral ao Dependente Serviço de Assistência Social para Família Serviço Social da Construção Civil Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Serviço Residencial Terapêutico Serviço Residencial Terapêutico Especial 4

5 STS SUS SUVIS UBS Supervisão Técnica de Saúde Sistema Único de Saúde Supervisão em Vigilância em Saúde Unidade Básica de Saude 5

6 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL - CAPS ABRIL INTRODUÇÃO A Associação Saúde da Família, através do convênio com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo SMS-SP, na perspectiva de contribuir com o processo de construção do novo modelo de atenção à saúde mental, a partir das diretrizes da Reforma Psiquiátrica e do Sistema Único de Saúde, realizou a implantação e faz o acompanhamento técnico e administrativo de 13 CAPS, em diversas regiões da cidade de São Paulo. Para conduzir a gerência e o monitoramento dos CAPS, a ASF tem como parâmetro as Portarias do Ministério da Saúde: 336 de 19/02/2002 que define e caracteriza as modalidades de CAPS,na rede SUS; 3088 de 23/12/2011 que institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas no âmbito do SUS; 3089 de 23/11/2011, que dispõe sobre o financiamento do CAPS; 130 de 26/01/2012 que redefine os CAPS AD; e 854 de 22 de agosto de 2012 que altera a tabela de procedimentos de CAPS. 6

7 A produção mensal por serviço refere-se às pessoas que possuem projeto terapêutico e são vinculadas ao serviço, não contemplam: 1. Os casos que chegam à porta; 2. Os acompanhamentos realizados pelo matriciamento nas unidades de saúde; 3. As pessoas atendidas nas intervenções de rua, a partir das ações no território; 4. Os usuários que não aderem ao serviço e que necessitam de busca ativa, pelo serviço, para início de um processo de cuidado. A Portaria 2297/10 SMS. G que institui o Conselho de Acompanhamento dos Convênios para CAPS e SRT no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde, considera: 1. ABANDONO, o usuário que esteja há 03 meses sem ser atendido pela equipe do CAPS. 2. FAMILIA ATENDIDA, a família que esteja em atendimento regular e sistemático, no grupo de familiares ou em atendimento nuclear. Para melhor compreensão, segue a descrição de cada CAPS e as principais atividades desenvolvidas no mês de Abril. 2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA ÁREA DE SAÚDE MENTAL Os técnicos da área de Saúde Mental estão divididos por região e também pela área de formação e experiência profissional (saúde mental, álcool e drogas e infância e juventude). São estes profissionais que supervisionam, monitoram e cooperam com cada CAPS no enfrentamento do cotidiano do serviço: manutenção do RH das equipes, reflexão e organização do serviço para efetivação dos acompanhamentos, atendimentos, estratégias de ação frente às necessidades levantadas e trabalho no território. São realizadas visitas regulares de acompanhamento com participação em reuniões de equipe e acompanhamento do cotidiano. A ASF dispõe de equipe de manutenção que viabiliza reparos, garantindo a infraestrutura física dos serviços. A SMS destina recursos financeiros a cada CAPS para compra de material de consumo destinado às oficinas terapêuticas e material administrativo. Com intuito de dar condições para o trabalho territorial (visita domiciliar, matriciamento das Unidades de Saúde, trabalho na comunidade e intersetorial) são alocados veículos e fornecidos bilhetes para o transporte dos funcionários. 7

8 A área de Saúde Mental participou de reuniões com a SMS, CRS e STS, das diversas regiões onde existem CAPS, para avaliação e discussão dos problemas encontrados e definição dos encaminhamentos, sempre que solicitado e quando necessário. Para o aprimoramento do trabalho realizado nos serviços, os CAPS têm supervisores institucionais, profissionais com larga experiência e formação na área, por meio de encontros regulares (mensais ou quinzenais) com a equipe, para a reflexão sobre o trabalho realizado e dificuldades encontradas na perspectiva de um melhor atendimento da população alvo. 8

9 3. CAPS EM FUNCIONAMENTO 3.1. CAPS II AD Ermelino Matarazzo Serviço de referência para uma população de habitantes (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012), oriundos dos distritos de São Miguel Paulista e Ermelino Matarazzo. A população atendida, em sua grande Abrilria, encontra-se em situação de risco e vulnerabilidade social. Situação do RH: NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Técnico Administrativo Enfermeiro Farmacêutico Técnico de Farmácia Médico Especialista Terapeuta Ocupacional Oficineiro Psicólogo Supervisor Total

10 Indicadores/Produção: Número de usuários ativos Acolhimento inicial por centro de atenção Acolhimento diurno de usuários em Acolhimento em terceiro turno de usuários em centro de atenção Acolhimento noturno de usuários em Número de altas Procedimento não realizado Procedimento não realizado 1 Número de abandonos Atendimento individual de usuários em Atendimento familiar em centro de atenção Atendimento em grupo de usuários em Práticas expressivas e comunicativas em Práticas corporais em centro de atenção Atenção às situações de crise Atendimento domiciliar para pacientes de e /ou familiares Ações de reabilitação Promoção de contratualidade Matriciamento de equipes da atenção básica Matriciamento de equipes dos pontos de atenção da urgência e emergência, e dos serviços hospitalares de referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas Ações de articulação de redes intra e intersetoriais Fortalecimento do protagonismo de usuários de centro de atenção e seus familiares Ações de redução de danos Acompanhamento de serviço residencial terapêutico por centro de atenção Apoio à serviço residencial de caráter transitório por centro de atenção

11 Principais atividades desenvolvidas: Visitas domiciliares. Acompanhamento de pacientes à UBS. Oficinas na ambiência: Gênesis (Poesia e Música), Cidadania, Coral, Violão, Flauta, Alongamento e Artesanato. Oficina de Culinária e Oficina Caps Cult (mapeia atividades culturais no território). Grupos realizados: Acolhimento para pacientes novos e retornos, Psicoterápicos (Grupo para adolescentes, mulheres e misto), Terapêuticos (Grupo de Cuidadores para familiares, Grupo de Prevenção a Recaída, Grupo de Terapia Ocupacional, Grupo Estimulação para alcoolistas crônicos e Grupo Criativação para pacientes psicóticos). Participação em reunião na STS de Ermelino: Gerentes, Enfermeiros. Laboratório, Conversando com o Caps e Conselho Gestor. Reuniões na Unidade de Matriciamento junto ao NASF. Reuniões de matriciamento em 03 UBS. Reuniões diárias de miniequipe para discussão de caso clínico. Discussão de casos clínicos com abrigos e casa de acolhida. Encaminhamentos: CRAS, Conselho Tutelar. Realização semanal de jardinagem na Praça Linear de Ermelino. Realização semanal da Oficina de futebol no Centro Desportivo Ermelino Matarazzo. Prática de Lian Gong e Dança Circular no espaço de convivência. Reunião de conselho gestor e assembleia geral na unidade. Festa dos aniversariantes do mês. Passeio ao CEU Aricanduva para os usuários assistirem a encenação teatral O PACTO. Juntamente com o CECCO da região realização de uma Biblioteca e Teatro Volante. Visita à tenda itinerante do CAT (Centro de Auxílio ao Trabalhador), para cadastro de currículo de alguns usuários do serviço. Problemas/Desafios enfrentados: Busca ativa de pacientes que residem em outras regiões (dificuldade no acompanhamento e visita domiciliar). Continuar com as ações junto às casas de acolhida de Ermelino Matarazzo. Estabelecer mais parcerias no território para o trabalho de prevenção. 11

12 Próximos passos: Fortalecer parcerias com a rede (Time do Emprego, NASF São Miguel e Ermelino). Melhorar as ações junto às Casas de Acolhida de Ermelino Matarazzo. Estabelecer Abrilres parcerias no território para trabalhar as ações de prevenção ao uso de S.P.A. Conquistas: Mapeamento da rede através de visitas culturais. Visita ao território para apropriação de recursos (cinema, biblioteca, CEU). Aproximação do CRAS e reuniões frequentes com os Centros de Acolhida. Realização de atividade de prevenção em parceria com a Fundação Tide Setubal, aproximando a Educação da Saúde. Aumento no número de visitas domiciliares para acompanhamento dos casos. Parceria com o CAPS AD III São Miguel para utilização da hospitalidade noturna. 12

13 3.2. CAPS II Adulto Formosa /Aricanduva Serviço de referência para uma população de habitantes (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012) cobre os distritos da Mooca e Aricanduva. Situação do RH: NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Técnico Administrativo Enfermeiro Farmacêutico Médico Especialista Oficineiro Psicólogo Supervisor Técnico de Farmácia Terapeuta Ocupacional Total

14 Indicadores/Produção: Número de usuários ativos Acolhimento inicial por centro de atenção Acolhimento diurno de usuários em Acolhimento em terceiro turno de usuários em centro de atenção Acolhimento noturno de usuários em Número de altas Número de abandonos Atendimento individual de usuários em Atendimento familiar em centro de atenção Atendimento em grupo de usuários em Práticas expressivas e comunicativas em Práticas corporais em centro de atenção Atenção às situações de crise Atendimento domiciliar para pacientes de e /ou familiares Ações de reabilitação Promoção de contratualidade Matriciamento de equipes da atenção básica Matriciamento de equipes dos pontos de atenção da urgência e emergência, e dos serviços hospitalares de referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas Ações de articulação de redes intra e intersetoriais Fortalecimento do protagonismo de usuários de centro de atenção e seus familiares Ações de redução de danos Acompanhamento de serviço residencial terapêutico por centro de atenção Apoio à serviço residencial de caráter transitório por centro de atenção

15 Principais atividades desenvolvidas: Acolhimento durante todo o período de funcionamento do serviço. O CAPS tem vinculado dois SRT, um feminino e um masculino, a equipe tem desenvolvido estratégias para acompanhamento e integração das ações de cuidado para os moradores, suporte para as situações de agudização dos quadros psíquicos e implementação de projeto terapêutico para os moradores. Para construção desses projetos os coordenadores dos SRT participam das reuniões de miniequipe mensalmente. Visitas domiciliares para levantamento situacional familiar, orientação de aporte técnico a pacientes acamados ou em alta/caps. Grupos psicoterapêuticos conforme projeto terapêutico individual. Grupos de família, realizados duas vezes na semana em períodos diferentes. Oficinas Terapêuticas e de convivência com atividades de reapropriação de iniciativa, capacidade produtiva e criativa em: habilidades manuais; artísticas e artesanais; musicais; corporais e esportivas, literatura, culinária, costura, canto, dança, geração de renda, horta e fotografia. Assembleias semanais. Reunião mensal de matriciamento realizada com os dois NASF da região para compartilhamento dos casos. Reuniões diárias de equipe, sendo que uma vez por semana a reunião é ampliada para 3 horas. Nas reuniões se discute a organização e avaliação do serviço; casos novos matriculados e encaminhados; estudo de casos e elaboração de projeto terapêutico dos casos matriculados. Reuniões de miniequipes semanais. O serviço tem três miniequipes. Reunião mensal de gerência realizada pela STS Mooca / Aricanduva. Reunião mensal com a Coordenadoria de Saúde Sudeste. Reuniões com equipamentos/serviços que compõem a rede de cuidado à saúde mental para construção de Projetos Terapêuticos compartilhados. Matriciamento em duas UBS da região, que foram identificadas junto à supervisão de saúde como sendo serviços que necessitam de suporte para poderem acompanhar os usuários que apresentam alguma demanda para saúde mental e não é perfil de CAPS. 15

16 Problemas/Desafios enfrentados: Território de abrangência é Abrilr do que preconizado para os CAPS, o que implica em uma demanda Abrilr que a real capacidade. Isto se reflete em dificuldades na organização interna das equipes e na dificuldade destas em realizar o trabalho no território (matriciamento, visitas domiciliares e articulação dos recursos comunitários). Dificuldades quando há necessidade de retaguarda noturna para os usuários e dificuldades na remoção dos casos para o Pronto Socorro. Há matriculado no serviço 60 usuários que aguardam vaga na rede básica ou especializada para dar continuidade em seu tratamento. Alguns destes estão aguardando há mais de seis meses para um primeiro acolhimento. Próximos passos: Elaborar em estratégias para acompanhar com mais proximidade o SRT Feminino devido a algumas questões clínicas vividas por uma moradora. Acordar junto à Supervisão Técnica de Saúde da região um fluxo para os pacientes que necessitam apenas de acompanhamento ambulatorial. Inicio do enfermeiro e farmacêutico para ampliação do serviço. Conquistas: Início do matriciamento de duas UBS da região, objetivando o trabalho em rede com os usuários que apresentam demanda para saúde mental. 16

17 3.3. CAPS III Adulto Itaim Bibi Serviço é referência para uma população de habitantes (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012), cobre o distrito de Pinheiros. Situação do RH: O serviço tem gestão mista sendo composta de funcionários da ASF e da Prefeitura de São Paulo. ASF NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar Técnico Administrativo Enfermeiro Farmacêutico Médico Especialista Psicólogo Técnico de Farmácia Terapeuta Ocupacional Total Prefeitura NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem* Auxiliar Técnico Administrativo* Enfermeiro* Médico Especialista Psicólogo Supervisor Terapeuta Ocupacional Total *30 horas de auxiliar de enfermagem, 80 horas de Auxiliar Técnico Administrativo e 40 horas de Enfermeiro do RH da Prefeitura foram transferidos e/ou aposentados. Por serem cargos da administração direta não há previsão de reposição do RH. 17

18 Indicadores/Produção: Número de usuários ativos Acolhimento inicial por centro de atenção Acolhimento diurno de usuários em Acolhimento em terceiro turno de usuários em centro de atenção Acolhimento noturno de usuários em Número de altas Procedimento não realizado Número de abandonos Atendimento individual de usuários em Atendimento familiar em centro de atenção Atendimento em grupo de usuários em Práticas expressivas e comunicativas em Práticas corporais em centro de atenção Atenção às situações de crise Atendimento domiciliar para pacientes de e /ou familiares Ações de reabilitação Promoção de contratualidade Matriciamento de equipes da atenção básica Matriciamento de equipes dos pontos de atenção da urgência e emergência, e dos serviços hospitalares de referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas Ações de articulação de redes intra e intersetoriais Fortalecimento do protagonismo de usuários de centro de atenção e seus familiares Ações de redução de danos 2 2 Procedimento não realizado Acompanhamento de serviço residencial terapêutico por centro de atenção Apoio à serviço residencial de caráter transitório por centro de atenção 1 Procedimento não realizado 18

19 Principais atividades desenvolvidas: Acompanhamento individual dos usuários. Acompanhamento dos usuários em grupos de referência com ações diretas no local de moradia através de visitas domiciliares. Acompanhamento regular de familiares. Formação e manutenção de coletivos de intervenção (Bar BibiTantã, Cordão BibiTantã, Fanzine, Pintando o Sete, Bate-Pernas, Corpo e Movimento, Mitologia Grega). Formação de rede: núcleo de cuidado para pessoas em situação de rua (PSF de Rua, CRAS, Albergues, CAPS). Reuniões sistemáticas com equipamentos de saúde no território (PSF Pêra, NASF, e UBS Magaldi). O serviço tem vinculado um SRT com 08 moradores vindos do HP Vera Cruz. A possibilidade de retaguarda noturna que o CAPS oferece tem se mostrado bastante eficaz no suporte das situações mais agudas dos moradores do SRT. Problemas/Desafios enfrentados: Necessidade de adequação física do serviço conforme as orientações da Vigilância Sanitária (reorganização da Farmácia, Posto de Enfermagem e fluxos de distribuição de medicações, reforma da área para Copa de funcionários separada da Cozinha dos usuários) aguarda definição sobre o terreno onde se encontra o CAPS. Atualização da tecnologia de informação do serviço, sendo necessários novos equipamentos, atualização de programas, instalação de sistemas em rede e suporte técnico. Próximos passos: Adequação da copa dos funcionários. Ampliação e melhoria da tecnologia de informação da unidade. Possibilidade de contratação de um oficineiro, educador físico. Reforma do jardim interno. Conquistas: Baixos índices de internação psiquiátrica. Boa adesão dos usuários ao serviço. 19

20 3.4. CAPS II Infantil FÓ/Brasilândia Serviço de referência para habitantes dos distritos de Freguesia do Ó e Brasilândia (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012). Situação do RH: NOVEMBRO Categorias RH Ativo Licença RH Previsto (horas (horas (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Técnico Administrativo Enfermeiro Farmacêutico Médico Especialista Psicólogo Supervisor Técnico de Farmácia Terapeuta Ocupacional Total

21 Indicadores/Produção: Número de usuários ativos Acolhimento inicial por centro de atenção Acolhimento diurno de usuários em Acolhimento em terceiro turno de usuários em centro de atenção Acolhimento noturno de usuários em Número de altas Número de abandonos Atendimento individual de usuários em Atendimento familiar em centro de atenção Atendimento em grupo de usuários em Práticas expressivas e comunicativas em Práticas corporais em centro de atenção Atenção às situações de crise Atendimento domiciliar para pacientes de e /ou familiares Ações de reabilitação Promoção de contratualidade Matriciamento de equipes da atenção básica Matriciamento de equipes dos pontos de atenção da urgência e emergência, e dos serviços hospitalares de referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas Ações de articulação de redes intra e intersetoriais Fortalecimento do protagonismo de usuários de centro de atenção e seus familiares Ações de redução de danos Acompanhamento de serviço residencial terapêutico por centro de atenção Apoio à serviço residencial de caráter transitório por centro de atenção

22 Principais atividades desenvolvidas Participação da gestão no grupo de trabalho sobre o projeto territorial de Saúde Mental da Freguesia do Ó/Brasilândia. Enfrentamento de questões referentes à relação entre a equipe e o processo de trabalho. Realização de assembleia com os usuários e familiares do serviço. Apoio matricial em saúde mental para unidade da atenção básica. Fortalecimento do Conselho Gestor. Ações dentro dos dispositivos de Caps Infantil- realização de grupos, oficinas e atendimentos individuais. Problemas/Desafios enfrentados: Construção de processos democráticos para a construção da cogestão do serviço. Garantir a coesão da equipe. Próximos passos: Ampliar na equipe os conceitos de Clinica Psicossocial e sobre os dispositivos de CAPS. Contratar um novo supervisor clínico institucional. Ampliar as discussões sobre PTS com vista de aprimorar o serviço. Conquistas: Equipe mais cooperativa e proativa nas organizações e gerenciamento das ações terapêuticas. Integração Abrilr entre os CAPS da região. Abrilr qualificação das discussões de caso. Conselho gestor ativo. 22

23 3.5. CAPS III AD Centro Serviço de referência para habitantes (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012), porém o território possui uma população não fixa que são as pessoas em situação de rua e em condição de alta vulnerabilidade social. Estima-se que a cidade de São Paulo tenha em torno de 13 mil pessoas morando nas ruas, e aproximadamente 7000 pessoas encontram-se na região central. Ainda, de acordo com o Censo (FIPE 2009) 76% da população em situação de rua, na cidade de São Paulo, teria problemas com álcool e drogas. Situação do RH: O serviço tem gestão mista sendo composta de funcionários da ASF e da Prefeitura de São Paulo. ASF NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Agente Redutor de Danos Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Técnico Administrativo Educador Físico Enfermeiro Farmacêutico Médico Especialista Oficineiro Psicólogo Supervisor Técnico de Farmácia Terapeuta Ocupacional Total

24 Prefeitura NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Agente de Apoio Auxiliar de Enfermagem Médico Especialista Psicólogo Terapeuta Ocupacional Total

25 Indicadores/Produção: Número de usuários ativos Acolhimento inicial por centro de atenção Acolhimento diurno de usuários em Acolhimento em terceiro turno de usuários em centro de atenção Acolhimento noturno de usuários em Número de altas Número de abandonos Atendimento individual de usuários em Atendimento familiar em centro de atenção Atendimento em grupo de usuários em Práticas expressivas e comunicativas em Práticas corporais em centro de atenção Atenção às situações de crise Atendimento domiciliar para pacientes de e /ou familiares Ações de reabilitação Promoção de contratualidade Matriciamento de equipes da atenção básica Matriciamento de equipes dos pontos de atenção da urgência e emergência, e dos serviços hospitalares de referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas Ações de articulação de redes intra e intersetoriais Fortalecimento do protagonismo de usuários de centro de atenção e seus familiares Ações de redução de danos Acompanhamento de serviço residencial terapêutico por centro de atenção Apoio à serviço residencial de caráter transitório por centro de atenção

26 Principais atividades desenvolvidas: Atendimento individual, grupos, oficinas terapêuticas. Atividade externa com adolescentes e pessoas adultas em situação de rua. Reuniões de matriciamento com as quatro equipes dos NASF da STS/Sé. Realização de reuniões diárias com a equipe, para troca e discussão das situações emergentes do dia. Realização de reunião ordinária e extraordinária do Conselho Gestor. Realização de duas assembleias gerais com usuários e técnicos do CAPS AD. Reunião mensal de discussão de casos em conjunto com a equipe técnica do SAE Campos Elíseos. Reunião de Supervisão, com Domiciano Siqueira, para as equipes do CAPS AD, CAPS Infantil, UBS República, NASF, Centro Legal, APD que atuam na região Central de São Paulo (Cracolândia). Reuniões semanais entre técnicos do CAPS AD Centro e CAPS I Sé para a discussão e acompanhamento dos casos em atendimento compartilhado. Reuniões na ASF com a equipe de Saúde Mental para discussão dos Serviços Residências Terapêuticos Especiais SRT-E. Problemas/Desafios enfrentados: Elevado número de acolhimentos no período, também verificado em outros meses, demandando intenso trabalho da equipe, de modo a compatibilizar, em razão das novas matrículas e, consequente elaboração de novos projetos terapêuticos singulares, o acompanhamento dos casos, matriculados em assistência no serviço. Situações de risco com usuários portando armas brancas (facas), verificadas entre usuários intoxicados e/ou em quadros psicóticos decorrentes do uso de substâncias psicoativas (S.P.A.). Atualização da tecnologia de informação do serviço, sendo necessários novos equipamentos, atualização de programas, instalação de sistemas em rede e suporte técnico. 26

27 Próximos passos: Como há o atendimento a usuários de segmentos altamente vulneráveis, há necessidade de articulação contínua e resposta mais efetiva da área da assistência social, de modo a assegurar direitos básicos, para a reinserção social e efetiva recuperação quanto ao uso abusivo de substâncias psicoativas (S.P.A.). Aprofundamento na discussão dos processos de trabalho e fluxo do CAPS Ad junto a toda a equipe. Conquistas: Formação de um grupo de Economia Solidária, de geração de renda, com os usuários. 27

28 3.6. CAPS II Infantil Sé Serviço de referência para habitantes (Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo/ Boletim CEInfo em Dados - Ano XI nº11, Junho/2012), correspondendo ao distrito da Sé, mas o território possui um grande número de crianças e adolescentes em situação de rua, em alta vulnerabilidade e risco social. Estima-se que na cidade de São Paulo há em torno de 450 crianças e adolescentes em situação de rua na região central da cidade. Situação do RH: NOVEMBRO Categorias RH Previsto (horas RH Ativo (horas Licença (horas Assistente Social Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Serviços Gerais Auxiliar Técnico Administrativo Educador Físico Enfermeiro Fonoaudiólogo Médico Especialista Oficineiro Psicólogo Supervisor Terapeuta Ocupacional Total

RELATÓRIO TÉCNICO. Centros de Atenção Psicossocial. Área de Saúde Mental Convênio nº 99/2008 - SMS. G

RELATÓRIO TÉCNICO. Centros de Atenção Psicossocial. Área de Saúde Mental Convênio nº 99/2008 - SMS. G A s s o c i a ç ã o S a ú d e d a F a m í li a RELATÓRIO TÉCNICO Centros de Atenção Psicossocial Área de Saúde Mental Convênio nº 99/2008 - SMS. G Instituição Parceira: Associação Saúde da Família JULHO

Leia mais

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim PENHA Distritos Administrativos Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim População: 474.565 hab. ERMELINO MATARAZZO Distritos Administrativos Ermelino Matarazzo Ponte Rasa População: 207.736 hab. PENHA

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL NOTA TÉCNICA Assunto: Registro das Ações e Processos de Trabalho dos Centros

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL:

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: Institui o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas III 24 horas dos componentes de Atenção Especializada e de urgência e emergência da Rede de Atenção Psicossocial

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS PROCESSO SELETIVO Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS A Associação Saúde da Família ASF faz saber que realizará processo seletivo

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G A s s o c i a ç ã o S a ú d e d a F a m í li a RELATÓRIO TÉCNICO Serviços Residenciais Terapêuticos Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G Instituição Parceira: Associação Saúde da Família Março

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo Reflexões a partir do Municipio . PENSAR A REFORMA PSIQUIÁTRICA É PENSAR A CIDADE: QUE CIDADE QUEREMOS? OS DIREITOS HUMANOS. A REFORMA

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI

PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI PROGRAMA DE BRAÇOS ABERTOS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ENTREVISTA COM MYRES MARIA CAVALCANTI Médica com Residência em Medicina Preventiva e Social, Especialista em Gestão Pública. Coordena o Grupo Executivo

Leia mais

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PROJETO PONTO DE CIDADANIA COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS O Ponto de Cidadania é uma inovadora estratégia de apoio psicossocial. Trata-se de uma unidade de acolhimento

Leia mais

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL

PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL PREFEITURA DO CABO DE SANTO AGOSTINHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE MENTAL OFICINA DE ATUALIZAÇÃO PERCURSOS FORMATIVOS NA RAPS CABO DE SANTO AGOSTINHO PERÍODO:

Leia mais

DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde III - atenção psicossocial; Rede de Atenção à Saúde

DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde III - atenção psicossocial; Rede de Atenção à Saúde DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de

Leia mais

CAPS e Atenção Básica: Integração para a Produção do Cuidado na Ilha de Vitória-ES

CAPS e Atenção Básica: Integração para a Produção do Cuidado na Ilha de Vitória-ES Área Técnica de Saúde Mental Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória CAPS e Atenção Básica: Integração para a Produção do Cuidado na Ilha de Vitória-ES Ilha de Vitória/ES Aspectos

Leia mais

PROPOSTA PARA SAÚDE MENTAL IV GERES. SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE Gerência de Atenção à Saúde Mental

PROPOSTA PARA SAÚDE MENTAL IV GERES. SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE Gerência de Atenção à Saúde Mental PROPOSTA PARA SAÚDE MENTAL IV GERES SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE Gerência de Atenção à Saúde Mental PRINCÍPIOS DO MODELO Saúde Mental como transversal Desinstitucionalização Clínica ampliada Território

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas São Paulo São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito Jornal Folha de São Paulo, 02/12/2007 3,4 milhões desigual de pessoas pobres (até ½ SM

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

A POLITICA NACIONAL DE SAUDE MENTAL

A POLITICA NACIONAL DE SAUDE MENTAL A POLITICA NACIONAL DE SAUDE MENTAL 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando a mudar a realidade dos manicômios; pleno exercício de cidadania e participação ativa dos

Leia mais

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local

MANUAL do sistema. SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local MANUAL do sistema SIMPR - Crack, é possível vencer Plano de Ação Local 1 Observação: Recomenda-se a leitura prévia da cartilha do programa Crack, É Possível Vencer, disponível no endereço http://www.brasil.gov.br/crackepossivelvencer/home/publicacoes/materialinformativo/destaques/cartilha-crack-e-possivel-vencer-compromisso-detodos-1

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G A s s o c i a ç ã o S a ú d e d a F a m í li a RELATÓRIO TÉCNICO Serviços Residenciais Terapêuticos Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G Instituição Parceira: Associação Saúde da Família Janeiro

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

Saúde Pública, Álcool e outras Drogas: Qualidade no SUS.

Saúde Pública, Álcool e outras Drogas: Qualidade no SUS. Saúde Pública, Álcool e outras Drogas: Qualidade no SUS. O Modelo Terapêutico de Transição para o Centro de Atenção Psicossocial Álcool, Tabaco e outras Drogas CAPSad Centro 2010 Declaro não estar sendo

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 2º SEMESTRE/2009 Organização do Sistema - SUAS A Assistência Social está organizada em Sistema de Proteção Social Básica e Especial: Sistema de

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS. Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná e a competência da APS Coordenação Estadual de Saúde Mental Março 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF Jorge Zepeda Gerente de APS da SMS de Florianópolis I Encontro Estadual dos NASF de SC Florianópolis, Novembro de 2012 ROTEIRO DE CONVERSA 1. LUGAR DE ONDE FALO:

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Redefine o Centro de Atenção Psicossocial

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA VIII Colegiado Nacional de Saúde da Pessoa Idosa CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA Marla Borges de Castro Terapeuta ocupacional, sanitarista Secretaria Municipal de Saúde Centro de Convivência

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP

CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP CREAPP SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE CAISM PHILIPPE PINEL CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP Coordenadora: Miriam Tornero Gerente: Valdete

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

A liberdade é terapêutica. Franco Basaglia

A liberdade é terapêutica. Franco Basaglia Franco Basaglia Reunião Pública Saúde/Cidadania Ministério Público Promotoria de Justiça e Tutela Coletiva da Saúde da Capital Lei 10.216 de 06 de abril de 2001 Lei 10.216/01 Art. 1º Os direitos e a proteção

Leia mais

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR.

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Relatoria Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Coordenadora da mesa: Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Palestrantes convidados: Stellanaris

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G

RELATÓRIO TÉCNICO. Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G A s s o c i a ç ã o S a ú d e d a F a m í li a RELATÓRIO TÉCNICO Serviços Residenciais Terapêuticos Área de Saúde Mental Convênio nº 92/2008 SMS.G Instituição Parceira: Associação Saúde da Família Fevereiro

Leia mais

O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo

O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo O desafio de transformar saberes, práticas, relações, cultura : construindo o cuidado em liberdade em São Bernardo do Campo Política Municipal de Saúde Mental * Reforma Psiquiátrica *Política de Governo

Leia mais

Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade

Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade Responsabilidade social por meio de ações de saúde ambiental junto à comunidade A Associação Congregação de Santa Catarina é uma entidade filantrópica que atua nos eixos da Saúde, Educação e Assistência

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA. Panorama Atual e Perspectivas

NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA. Panorama Atual e Perspectivas NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Panorama Atual e Perspectivas LINHAS GERAIS DA APRESENTAÇÃO -Aspectos Conceituais e Organizativos -Aspectos Normativos e Situação Atual dos NASF s no Brasil -Diretrizes

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA

Realização, Apoio e Colaboração: Sociedade Santos Mártires JARDIM ÂNGELA TÍTULO: UNIDADE COMUNITÁRIA DE ÁLCOOL E DROGAS JARDIM ÂNGELA NOVEMBRO 2002 AUTORES: Sérgio Luís Ferreira - Psicólogo Ronaldo Laranjeira INSTITUIÇÃO:Escola Paulista de Medicina UNIFESP Área Temática: Saúde

Leia mais

CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O

CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O CONSTRUINDO REDE DE CUIDADOS NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL, CRACK, ÁLCOOL E OUTRAS: O desafio da intersetorialidade no cotidiano do trabalho em saúde e os direitos humanos Marco José de Oliveira Duarte 1 Esta

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

CECCO PARQUE PREVIDÊNCIA

CECCO PARQUE PREVIDÊNCIA CECCO PARQUE PREVIDÊNCIA SUPERVISÃO TÉCNICA T DE SAÚDE BUTANTÃ COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE CENTRO OESTE SECRETARIA MUNCIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO Dra Maria Cecilia Galletti Coordenadora UM POUCO DA

Leia mais