Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição"

Transcrição

1 Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição Análise das metas municipais 1. Reduzir a mortalidade neonatal precoce 2. Ampliar a cobertura dos programas de atendimento à saúde da família 3. Ampliar a cobertura pré-natal 4. Ampliar o atendimento em creches para crianças de até 3 anos 5. Ampliar o atendimento em pré-escolas para crianças de 4 e 5 anos 6. Reduzir a distorção idade-série no Ensino Fundamental. 7. Universalizar o acesso ao ensino fundamental para a população de 6 a 14 anos 8. Cumprir as metas relativas ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do Ensino Fundamental nas escolas municipais 9. Reduzir a taxa de mortalidade de pessoas de até 19 anos por acidente de transporte 10. Garantir a implantação e o funcionamento de sistema de notificação de violência contra crianças e adolescentes no município 11. Ampliar o número de Conselho Tutelar e assegurar o funcionamento dos existentes 12. Ampliar o número de Centros de Referência de Assistência Social em relação à população municipal 13. Implantar mecanismos de monitoramento das medidas socioeducativas de meio aberto 14. Implantar mecanismos de monitoramento do investimento criança e gastos sociais relacionados 15. Ampliar as ações de prevenção às DST/Aids entre adolescentes 16. Ampliar o número de escolas implantando a Lei nº /03, que prevê a inclusão da temática de história e cultura afro-brasileira nos currículos escolares. 17. Reduzir a taxa de homicídios entre adolescentes 18. Ampliar o acesso à escola regular de crianças e adolescentes com deficiência 19. Reduzir o número de gestantes adolescentes 20. Ampliar o percentual de adolescentes de 16 e 17 anos cadastrados no Tribunal Regional Eleitoral

2 Meta 1: Reduzir a mortalidade neonatal precoce A taxa de mortalidade neonatal precoce estima o risco de um nascido vivo morrer durante a primeira semana de vida e reflete, de maneira geral, as condições socioeconômicas e de saúde da mãe, bem como a inadequada assistência pré-natal, ao parto e ao recém-nascido. A taxa é expressa por um valor numérico de óbitos de 0 a 6 dias de vida completos, por mil nascidos vivos, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Meta municipal: Reduzir em 2,5% a taxa de mortalidade neonatal precoce (por mil nascidos vivos) base registrada em ,6 5,3 Resultado atingido em 2010 Taxa de mortalidade neonatal precoce (TMNP) por Supervisão Técnica de Saúde, anos de 2008 e 2010 (por mil nascidos vivos). Supervisão Técnica de Saúde (residência) TMNP Butantã 4,4 4,1 Lapa/ Pinheiros 4,0 1,8 Sé 5,2 4,7 Cidade Tiradentes 8,1 7,5 Ermelino/ São Miguel 7,9 6,0 Guaianases 5,9 6,8 Itaim Paulista 6,0 8,1 Itaquera 5,8 5,9 São Mateus 4,0 4,7 Casa Verde/ Cachoeirinha 5,0 4,2 Freguesia/ Brasilândia 7,1 6,7 Pirituba/ Perus 5,8 6,2 Santana/ Jaçanã 5,0 4,8 Vila Maria/ Vila Guilherme 4,2 5,5 Ipiranga 5,5 4,6 Mooca/ Aricanduva 4,9 4,7 Penha 5,2 7,0 Vila Mariana/ Jabaquara 5,8 3,7 Vila Prudente/ Sapopemba 5,0 5,8 Campo Limpo 5,5 4,0

3 Capela do Socorro 5,9 5,2 M Boi Mirim 5,5 5,3 Parelheiros 8,5 3,3 Santo Amaro/ Cidade Ademar 5,7 5,3 Média Geral 5,6 5,3 Fonte: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE) atualizado em 12/7/2010. Dados 2011 não disponíveis até o momento O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida, ou seja, reduziu a taxa de 5,6 para 5,3 óbitos por mil nascidos vivos. Meta 2: Ampliar a cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) A Saúde da Família é entendida como uma estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes multiprofissionais em unidades básicas de saúde. Estas equipes são responsáveis pelo acompanhamento de um número definido de famílias, localizadas em uma área geográfica delimitada. As equipes atuam com ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais frequentes, e na manutenção da saúde desta comunidade. Este indicador mede o percentual da população do município com acesso ao Programa Saúde da Família, ou seja, número de pessoas atendidas pelas equipes de Estratégia Saúde da Família, em determinado local e período, em relação ao total da população local. Meta municipal: Ampliar a cobertura da ESF de 38,7% para 43,1% base registrada em 2008 Resultado atingido em ,7% 43,1% Percentual de cobertura do programa Estratégia de Saúde da Família, por Supervisão Técnica de Saúde, anos mês de referencia dezembro de 2008 e 2011 Supervisão Técnica de Saúde Vila Mariana / Jabaquara 17,20% 21,0% Penha 13,50% 16,0%

4 Moóca / Aricanduva 17,70% 16,5% Ipiranga 10,30% 24,8% Vila Prudente / Sapopemba 71,50% 73,0% Sé 41,10% 28,2% Lapa / Pinheiros 12,90% 14,1% Butantã 25,50% 28,6% Santana / Tucuruvi / Jaçanã / Tremembé 10,20% 11,0% Pirituba / Perus 39,00% 50,6% Freguesia do Ó / Brasilândia 58,50% 62,6% Casa Verde / Cachoeirinha 31,00% 41,4% Vila Maria / Vila Guilherme 11,30% 12,1% Campo Limpo 100,00% 100,0% Santo Amaro /Cidade Ademar 39,60% 43,4% M'Boi Mirim 100,00% 100,0% Capela do Socorro 19,20% 36,8% Parelheiros 54,10% 84,3% Cidade Tiradentes 48,20% 59,9% Guaianazes 41,40% 50,4% Itaim Paulista 56,80% 59,8% Ermelino Matarazzo 36,80% 38,5% São Miguel 31,40% 42,3% Itaquera 20,30% 24,3% São Mateus 24,90% 34,3% Média Geral 38,7% 43,1% Fonte: População: Coordenação de Epidemiologia e Informação da Secretaria Municipal de Saúde (CEInfo/SMS). Número de equipes: relatório enviado pelas Coordenadorias Regionais de Saúde (data de atualização: 2011) O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida, aumentando a cobertura de 38,7% em 2008 para 43,1% no ano de 2011.

5 Meta 3: Ampliar a cobertura de pré-natal Expressa o percentual de nascidos vivos de mães que tiveram uma concentração adequada de consultas de pré-natal. É o número de nascidos vivos cujas mães realizaram 7 ou mais consultas de pré-natal, em determinado local e período, em relação ao total de nascidos vivos. Meta municipal: Ampliar em 3,8% a cobertura de pré-natal com 7 ou mais consultas base Resultado registrada atingido em 2008 em ,3% 77,1% Percentual de nascidos vivos de gestantes com 7 e mais consultas de pré-natal, por Supervisão Técnica de Saúde, anos de 2008 e Supervisão Técnica de Saúde Butantã 76,2% 78,3% Lapa / Pinheiros 81,1% 90,6% Sé 71,3% 76,7% Cidade Tiradentes 71,3% 72,8% Ermelino / São Miguel 68,7% 72,9% Guaianases 77,4% 82,5% Itaim Paulista 70,3% 72,2% Itaquera 74,9% 79,9% São Mateus 71,3% 76,8% Casa Verde/ Cachoeirinha 72,2% 81,7% Freguesia/ Brasilândia 70,7% 80,0% Pirituba/ Perus 67,4% 78,9% Santana/ Jaçanã 64,7% 70,8% Vila Maria/ Vila Guilherme 66,9% 71,3% Ipiranga 82,2% 81,4% Mooca/ Aricanduva 75,6% 75,6% Penha 71,9% 75,45% Vila Mariana/ Jabaquara 85,5% 91,4%

6 Vila Prudente/ Sapopemba 73,3% 75,6% Campo Limpo 79,8% 80,5% Capela do Socorro 61,9% 68,0% M Boi Mirim 77,7% 79,4% Parelheiros 61,3% 70,8% Santo Amaro/ Cidade Ademar 76,4% 76,7% Média Geral 73,3% 77,1% Fonte: Sistema de Informação de nascidos vivos SINASC/Coordenação de Epidemiologia e Informação da Secretaria Municipal de Saúde (CEInfo/SMS) O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida, aumentando a cobertura de pré-natal com 7 ou mais consultas de 73,3% em 2008 para 77,1% em Meta 4: Ampliar o atendimento em creches para crianças de até 3 anos Uma creche é um estabelecimento educativo que ministra apoio pedagógico e cuidados às crianças com idade até três anos. Pedagogos responsáveis administram a rotina da criança promovendo o desenvolvimento cognitivo e motor, com os devidos cuidados necessários de higiene e bem estar para cada criança. No município de São Paulo avaliou-se a demanda atendida de crianças entre 0 a 3 anos em creches municipais públicas para os anos de 2008 e Meta municipal: Atender, até 2011, 75% das crianças cadastradas em dezembro de 2008 Resultado base atingido registrada em 2011 em 2008 (matrícula) (demanda) A meta foi atingida considerando-se apenas o que era demanda em 2008, como referência ao que foi estabelecido no Programa de Metas para a Cidade de São Paulo Agenda 2012.

7 Apesar do aumento no número de matrículas em creche como se observa na tabela abaixo, cabe ressaltar que a demanda por creche no município de São Paulo registrada em 31 de dezembro de 2011 era de demandantes 1. Número de matrículas em creche para crianças de até 3 anos por Diretoria Regional de Educação, anos 2008 e Diretoria Regional de Educação BUTANTA CAMPO LIMPO CAPELA DO SOCORRO FREGUESIA/BRASILANDIA GUAIANASES IPIRANGA ITAQUERA JACANA/TREMEMBE PENHA PIRITUBA SANTO AMARO SAO MATEUS SAO MIGUEL Total geral Fonte: Sistema Escola Online (dezembro de cada ano) Meta 5: Ampliar o atendimento em pré-escolas para crianças de 4 e 5 anos Nesta etapa da vida escolar, as crianças são estimuladas - através de atividades lúdicas e jogos - a exercitar as suas capacidades motoras e cognitivas, a fazer descobertas e a iniciar o processo de alfabetização. No município de São Paulo avaliou-se a demanda atendida, em pré-escola municipal para crianças de 4 e 5 anos para os anos de 2008 e Fonte: SME-ATP/Centro de Informática, Sistema EOL disponível no site:

8 Meta municipal: Atender, até 2011, 75% das crianças cadastradas em dezembro de 2008 base registrada em 2008 (demanda) Resultado atingido em 2011 (matrícula) A meta foi atingida considerando-se apenas o que era demanda em 2008, como referência ao que foi estabelecido no Programa de Metas para a Cidade de São Paulo Agenda Cabe ressaltar que, com a reorganização da Educação Infantil, a pré-escola passou a ter apenas dois agrupamentos (Infantil I e Infantil II) e a demanda nesta faixa etária está quase atendida em sua totalidade em 10 das 13 DREs, conforme tabela abaixo. Demanda cadastrada em dezembro/2011, posição em fevereiro/2012 DRE Total BUTANTA 2 CAMPO LIMPO CAPELA DO SOCORRO FREGUESIA/BRASILANDIA 2 GUAIANASES 98 IPIRANGA 4 ITAQUERA 2 JACANA/TREMEMBE 6 PENHA 69 PIRITUBA 47 SANTO AMARO SAO MATEUS 99 SAO MIGUEL 191 Total Geral Fonte: Sistema Escola Online

9 Meta 6: Reduzir a distorção idade-série no Ensino Fundamental da Rede Municipal. A taxa de distorção idade-série/ano expressa o percentual de alunos, em cada ano, com idade superior à esperada, e informa a proporção desses alunos em relação ao total de matriculados. Existe uma adequação teórica entre a idade do aluno e o ano cursado. No caso brasileiro, considera-se a idade de 6 anos como a adequada para o ingresso no ensino fundamental. Considerando essa idade inicial para o ensino fundamental é possível identificar a idade adequada para cada ano consecutivamente. A análise deste indicador subsidia a definição de políticas educacionais voltadas para a correção do fluxo. Este indicador é divulgado pelo MEC/INEP e já vem calculado. Meta municipal: Redução da taxa de distorção idade-série em 5% ao ano base registrada em 2008 Resultado atingido em ,19% 10,10% Taxa de distorção idade-série no Ensino Fundamental da Rede Municipal, por Diretoria Regional de Educação, anos 2008 e 2010 Diretoria Regional de Educação Butantã 11,5% 10,6% Campo Limpo 13,0% 10,9% Capela do Socorro 9,7% 8,1% Freguesia do O 14,3% 12,3% Guaianases 10,8% 9,5% Ipiranga 11,4% 10,3% Itaquera 9,4% 8,9% Jaçanã 10,7% 9,1% Penha 9,7% 8,8% Pirituba 10,9% 10,0% Santo Amaro 11,2% 10,3% São Mateus 10,3% 8,5% São Miguel 11,2% 9,1% MÉDIA Geral 11,2% 9,7% Fonte: Censo Escolar, Mec/Inep. O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida para a redução da taxa de distorção idade-serie, passando de 11,2 em 2008 para 9,7 em 2011.

10 Meta 7: Universalizar o acesso ao ensino fundamental para a população de 6 a 14 anos O Ensino Fundamental é obrigatório para crianças entre as idades de 6 e 14 anos. Ele está dividido em duas fases, denominadas Ensino Fundamental I (1º a 5º anos) e Ensino Fundamental II (6º a 9º anos). Os resultados desta meta foram medidos por meio do percentual de crianças de 6 a 14 anos matriculadas no ensino fundamental. Ou seja, número de matrículas de crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos em escolas municipais públicas em determinado local e período. Meta municipal: matricular 100% dos demandantes do ensino fundamental em regime de colaboração entre Município e Estado base Resultado registrada atingido em 2008 em Número de matrículas segundo esfera administrativa anos 2008 e 2011 Esfera administrativa Estadual Municipal Total Geral Fonte: Censo Escolar, Mec/Inep. Taxa de atendimento do ensino fundamental municipal na faixa etária de 6 e 14 anos, anos de 2008 e População * ** Matrícula 6 a 14*** Taxa de Atendimento 84.0% 82.4% Fonte: * IBGE - Estimativas elaboradas no âmbito do Projeto UNFPA/IBGE (BRA/4/P31A) - População e Desenvolvimento. Coordenação de População e Indicadores Sociais; ** Censo 2010 ***Censo Escolar do ano referido O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de matricular os demandantes do ensino fundamental em regime de colaboração entre município e Estado.

11 Meta 8: Cumprir as metas relativas ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do Ensino Fundamental nas escolas municipais O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado em 2007 para medir a qualidade de cada escola e de cada rede de ensino. O indicador é calculado com base no desempenho do estudante em avaliações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e em taxas de aprovação. Assim, para que o Ideb de uma escola ou rede cresça, é preciso que o aluno aprenda, não repita o ano e frequente a sala de aula. Meta municipal: Atingir resultado 4,5 no Ideb 2009 * As notas de 2011 não foram divulgadas, portanto a meta foi alterada para a previsão estabelecida pelo Inep em 2009 Resultados e Metas - séries iniciais Meta Projetada IDEB Observado Município de São Paulo MEC/Inep ,5 4,7 O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida pelo Inep em Meta 9: Reduzir a taxa de mortalidade de pessoas de até 19 anos por acidente de transporte O impacto dos acidentes sobre a saúde da população tem contribuído para a diminuição da qualidade de vida e da expectativa de vida entre adolescentes e jovens, além do alto impacto nos custos sociais com cuidados em saúde, com previdência, com absenteísmo ao trabalho e à escola. O cálculo contempla o número de óbitos por acidente de transporte entre adolescentes de 10 a 19 anos, em determinado local e período, em relação à população de 10 a 19 anos. A taxa de mortalidade por acidentes de transporte reflete o número de vítimas fatais em cada habitantes da mesma idade.

12 Meta municipal: Reduzir em 5% a taxa de mortalidade (por habitantes) base registrad a em 2008 Resultad o atingido em ,9 5,4 Taxa de mortalidade por acidentes de transporte entre residentes de 0 a 19 anos de idade, por Supervisão Técnica de Saúde, anos de 2008 e 2010 (por cem mil habitantes) Supervisão Técnica de Saúde Butantã 6,1 5,3 Lapa / Pinheiros 6,3 0,9 Sé 2,5 6,3 Cidade Tiradentes 3,8 6,4 Ermelino / São Miguel 4,2 5,0 Guaianases 4,1 0,0 Itaim Paulista 9,1 10,2 Itaquera 10,2 6,8 São Mateus 10,3 4,2 Casa Verde/ Cachoeirinha 5,5 2,3 Freguesia/ Brasilândia 6,9 11,8 Pirituba/ Perus 14,3 7,8 Santana/ Jaçanã 6,1 3,8 Vila Maria/ Vila Guilherme 3,6 2,5 Ipiranga 7,4 2,5 Mooca/ Aricanduva 3,5 2,9 Penha 6,2 9,8 Vila Mariana/ Jabaquara 2,5 3,4 Vila Prudente/ Sapopemba 7,2 4,1 Campo Limpo 7,1 7,2 Capela do Socorro 5,0 5,1 M Boi Mirim 10,9 5,2

13 Parelheiros 9,7 3,9 Santo Amaro/ Cidade Ademar 3,8 2,2 Média Geral 6,9 5,4 Fonte: Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade/Companhia de Engenharia de Tráfego (PRO-AIM/CET) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE) O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida, ou seja, reduziu a taxa de óbitos por acidente de transporte na população de 0 a 19 anos de 6,9 para 5,4 óbitos em cada habitantes da mesma idade. Meta 10: Garantir a implantação e o funcionamento de sistema de notificação de violência contra crianças e adolescentes no MSP A implantação do sistema cria condições para a notificação de casos suspeitos ou confirmados de violência que buscam atendimento nos serviços de saúde ambulatoriais e hospitalares, de urgência e emergência, tanto da rede pública como privada cuja finalidade é a proteção da pessoa e construção da informação para o planejamento de ações e possíveis intervenções locais. Meta municipal: Ampliar em 50% o número de unidades (UBS/AMA) notificantes das situações de violência base registrada em Resultado atingido em 2011 Unidades de saúde notificantes (N), MSP, 2008 e Período Unidades Unidade de Saúde Unidades Unidades Unidades notificantes (N) (N) notificantes (N) (N) AMA e UBS Fonte: SIVVA/TABNET (dados atualizados em 07/02/2012)

14 O município de São Paulo ampliou o número de unidades notificantes, com um aumento percentual de cerca de 200% no período de 2008 a Nesse sentido, o município de São Paulo atingiu a meta estabelecida. Meta 11: Ampliar o número de Conselhos Tutelares segundo população residente Os Conselhos Tutelares, previstos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, são criados por lei para garantir que, nos municípios, a política de atendimento à população infantojuvenil seja cumprida. Estes órgãos devem ser procurados pela população em caso de suspeita ou denúncia de violação dos direitos de crianças e adolescentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Meta municipal: Ampliar em 16% o número de Conselhos Tutelares segundo população residente base registrada em Resultado atingido em 2011 O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de ampliar em 16% o número de Conselhos Tutelares. Esta informação foi comprovada com a apresentação de decreto de criação dos Conselhos Tutelares e endereço físico dos mesmos. Meta 12: Ampliar o número de Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) segundo número de famílias referenciadas O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) atua como a principal porta de entrada do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), dada sua capilaridade nos territórios, e é responsável pela organização e oferta de serviços da Proteção Social Básica nas áreas de vulnerabilidade e risco social. Meta municipal: Ampliar em 38% o número de CRAS segundo número de famílias referenciadas base registrada em Resultado atingido em 2011

15 O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de ampliar em 38% o número de Centro de Referência de Assistência Social. Esta informação foi comprovada com a apresentação de endereço físico dos mesmos. Para esta meta, o município de São Paulo estabeleceu uma meta complementar: ampliar o número de Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) segundo número de famílias referenciadas. O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) oferta serviços especializados e continuados a famílias e indivíduos em situação de ameaça ou violação de direitos (violência física, psicológica, sexual, tráfico de pessoas, cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto, etc.). Para o exercício de suas atividades, os serviços ofertados nos CREAS devem ser desenvolvidos de modo articulado com a rede de serviços da assistência social, órgãos de defesa de direitos e das demais políticas públicas. A articulação no território é fundamental para fortalecer as possibilidades de inclusão da família em uma organização de proteção que possa contribuir para a reconstrução da situação vivida. Meta municipal: Ampliar número de CREAS segundo número de famílias referenciadas base registrada em Resultado atingido em 2011 A meta complementar também foi atingida. Esta informação foi comprovada com a apresentação de endereço físico dos mesmos. Meta 13: Implantar mecanismos de monitoramento das medidas socioeducativas de meio aberto Meta estabelecida para 2011: 1. Implantar sistema de supervisão e monitoramento do atendimento que garanta a qualidade político-pedagógica de atendimento e indicadores de reincidência (SMADS/FUNDAÇÃO CASA) 2. Acessar o sistema de dados estado/município sobre os adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas; (SMADS/FUNDAÇÃO CASA/SISTEMA DE JUSTIÇA/SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS)

16 3. Pesquisa qualitativa /quantitativa do perfil do adolescente reincidente e de suas famílias (SMADS) Resultados obtidos em 2011: 1. Sistema Gestão de Documentos instalado nas cinco Coordenadorias da Assistência Social - CAS Centro Oeste/CAS Leste/CAS Sudeste/CAS Norte e CAS Sul - Fase de Avaliação: sistema instalado permite o registro de todos os documentos oriundos do Poder Judiciário (inserção na medida socioeducativa, extinção de medida, intimação, Mandado de Busca e Apreensão etc.), das pastas técnicas dos adolescentes e o acompanhamento/ movimentação do adolescente durante o cumprimento da medida. O sistema emite relatórios gerenciais. 2. Firmado Convênio com a Fundação CASA acesso ao Portal da Fundação CASA: o Sistema fornece informações referentes aos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa em meio fechado. O Sistema é acessado pelas cinco Coordenadorias da Assistência Social: CAS Centro Oeste/CAS Leste/CAS Sudeste/CAS Norte e CAS Sul. 3. Não foi realizada a pesquisa por questões administrativas O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de implantar mecanismos de monitoramento das medidas socioeducativas de meio aberto. Meta 14: Implantar mecanismos de monitoramento do investimento criança e gastos sociais relacionados O UNICEF entende como investimento criança o total de gastos previstos e executados no Orçamento Geral da União que beneficiam diretamente ou predominantemente a infância. Meta municipal: Desenvolver um sistema de acompanhamento do Investimento Criança no município de São Paulo até 2011 base registrada em 2008 Não havia sistema de monitoramento do investimento criança e gastos sociais relacionados Resultado atingido em 2011 Recebemos a informação de gastos, mas o sistema não está disponível na internet O município de São Paulo não atingiu a meta municipal estabelecida de implantar um sistema de acompanhamento do Investimento Criança no município de São Paulo até 2011.

17 Meta 15: Ampliar as ações de prevenção às DST/Aids entre adolescentes Esta meta foi modificada para Cobertura Vacinal da Vacina contra Hepatite B na população de 11 a 19 anos. Uma das formas de se contrair a hepatite B é por meio de qualquer forma de relação sexual. Essa faixa etária passou a ser priorizada como forma de diminuir o número de contaminações. A chance de contrair hepatite B numa relação desprotegida é bem maior do que a de contrair Aids. A cobertura vacinal expressa o percentual da população de 11 a 19 anos que recebeu as três doses da vacina contra Hepatite B. É o número de doses aplicadas da 3ª dose Hepatite B, em relação à população de 11 a 19 anos. Meta municipal: Aumentar a cobertura vacinal para 60% base registrada em % 76% Resultado atingido em 2011 Cobertura Vacinal da Vacina contra Hepatite B, por faixa etária (1 a 19 anos), anos 2008 a 2011 Ano 1-19 anos 5-19 anos anos % 71% 51% % 76% 55% % 82% 67% % 85% 76% Fonte: Subgerência de Imunização/CCD/COVISA O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de aumentar em 60% a cobertura vacinal, tendo alcançado, em 2011, a cobertura de 76%. Meta 16: Ampliar o número de escolas implantando a Lei nº /03, que prevê a inclusão da temática de história e cultura afro-brasileira nos currículos escolares Esta lei prevê a inclusão da temática de história e cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas em nosso País. Com este indicador, o município pode monitorar

18 o processo de implementação de uma efetiva educação das relações étnico-raciais nas escolas do município. Esta informação foi avaliada por meio da aplicação de questionário nos estabelecimentos de ensino da rede municipal sobre a implementação da Lei /03. A meta municipal estabelecida foi atingida. Fonte: SME/UNICEF Meta 17: Reduzir a taxa de homicídios entre adolescentes Reflete o grau de violência em determinada população. A mortalidade por homicídios pode ser evitada por meio de ações intersetoriais de redução das desigualdades socioeconômicas e da melhoria da qualidade de vida, e ainda com implantação de políticas públicas de redução da violência. A taxa de homicídios na população de 10 a 19 anos reflete a quantidade de vítimas de homicídio a cada habitantes da mesma idade. A taxa calculada é o número de óbitos por homicídio entre adolescentes de anos, segundo cor e sexo, em determinado local e período com relação à população total de adolescentes de 10 a 19 anos, segundo sexo e cor, no mesmo local e período. Meta municipal: Reduzir em 5% a taxa de homicídios entre adolescentes de 10 a 19 anos de idade (por habitantes) base registrada em ,5 10,0 Resultado atingido em 2010 Taxa homicídio na população entre 10 e 19 anos, período 2008 e 2010 segundo Subprefeitura Residência (por habitantes) Subprefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão 2,7 0,0 Butantã 3,3 5,0 Campo Limpo 16,5 11,7 Capela do Socorro 7,4 5,7 Casa Verde/Cachoeirinha 20,4 10,7 Cidade Ademar 22,5 10,0 Cidade Tiradentes 12,0 4,8 Ermelino Matarazzo 8,9 15,4

19 Freguesia/Brasilândia 10,0 14,5 Guaianases 5,7 13,5 Ipiranga 4,6 17,5 Itaim Paulista 12,6 11,4 Itaquera 10,1 5,8 Jabaquara 18,5 12,8 Jaçanã/Tremembé 10,4 12,4 Lapa 8,8 3,1 M Boi Mirim 14,8 13,8 Mooca 7,4 5,0 Parelheiros 7,3 14,2 Penha 10,0 10,4 Perus 7,6 3,6 Pinheiros 4,0 0,0 Pirituba 5,7 17,2 Santana/Tucuruvi 4,9 2,6 Santo Amaro 7,2 3,7 São Mateus 16,8 13,0 São Miguel 10,3 3,0 Sé 0,0 2,3 Vila Maria/Vila Guilherme 11,2 11,7 Vila Mariana 6,2 6,6 Vila Prudente/Sapopemba 7,3 12,6 MÉDIA Geral 10,5 10,0 Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade/Secretaria Municipal de Saúde (PRO-AIM/SMS) O município de São Paulo não atingiu a meta estabelecida. Meta 18: Ampliar o acesso à escola regular de crianças e adolescentes com deficiência O acesso às classes comuns é um direito inalienável, uma vez que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família, como prevê o artigo 205 da Constituição Federal. Além disso, o artigo 8º da Lei 7.853/89 prevê como crime condutas que frustrem sem justa causa a matrícula do aluno com deficiência. O cálculo desta meta é feito com base no número de crianças e adolescentes com deficiência, matriculados em classe de ensino regular, em determinado local e período. Avalia-se a evolução do número de crianças e adolescentes em classes comuns de ensino.

20 Meta municipal: Ampliar em 10% o número de matriculas à escola regular de crianças e adolescentes com deficiência base Resultado registrada atingido em 2008 em Alunos com deficiência matriculados no ensino regular por Diretoria Regional de Educação, anos 2008 e 2011 Diretoria Regional de Educação Total 2008 Total 2011 BUTANTA CAMPO LIMPO CAPELA DO SOCORRO FREGUESIA/BRASILANDIA GUAIANASES IPIRANGA ITAQUERA JACANA/TREMEMBE PENHA PIRITUBA SANTO AMARO SAO MATEUS SAO MIGUEL Total Fonte: Sistema Escola Online O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida de ampliar em 10% o número de matrículas à escola regular de crianças e adolescentes com deficiência. Meta 19: Reduzir o percentual de gestantes adolescentes Ações de prevenção podem diminuir a incidência de gravidez na adolescência e cabe ao poder público oferecer programas de orientação sexual e planejamento familiar. O percentual de adolescentes grávidas expressa a quantidade de adolescentes entre 10 e 19 anos que tiveram filhos. Calcula-se o número de nascidos vivos de mães 10 a 19 anos em determinado local e período, em relação ao número total de nascidos vivos no mesmo local e período.

21 Meta municipal: Reduzir em 3% o percentual de gestantes adolescentes base Resultado registrada atingido em em ,8% 13,4% Percentual de nascidos vivos de mães de 10 a 19 anos de idade segundo Supervisão Técnica de Saúde, anos 2008 e 2011 Supervisão Técnica de Saúde Butantã 12,1% 12,0% Lapa / Pinheiros 4,9% 4,0% Sé 9,4% 8,0% Cidade Tiradentes 17,2% 19,0% Ermelino / São Miguel 16,0% 15,6% Guaianases 17,7% 17,2% Itaim Paulista 17,5% 17,4% Itaquera 14,1% 13,2% São Mateus 17,9% 17,6% Casa Verde/ Cachoeirinha 15,1% 10,9% Freguesia/ Brasilândia 16,3% 11,8% Pirituba/ Perus 11,7% 14,0% Santana/ Jaçanã 15,4% 12,4% Vila Maria/ Vila Guilherme 14,2% 13,9% Ipiranga 9,6% 11,1% Mooca/ Aricanduva 11,5% 9,6% Penha 8,6% 11,6% Vila Mariana/ Jabaquara 11,8% 3,0% Vila Prudente/ Sapopemba 13,8% 13,9% Campo Limpo 13,9% 15,0% Capela do Socorro 15,8% 15,9% M Boi Mirim 15,9% 15,9% Parelheiros 19,5% 19,1%

22 Santo Amaro/ Cidade Ademar 13,9% 13,7% Média Geral 13,8% 13,4% Fonte: Sistema de Informação de nascidos vivos SINASC/Coordenação de Epidemiologia e Informação da Secretaria Municipal de Saúde (CEInfo/SMS) O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida para a redução do percentual de adolescentes grávidas, passando de 13,8 em 2008 para 13,4. Meta 20: Ampliar o percentual de adolescentes de 16 e 17 anos cadastrados no Tribunal Regional Eleitoral A participação político-eleitoral é um dos caminhos para o fortalecimento da democracia. Ela acontece principalmente com o exercício do voto. O cadastramento eleitoral não se esgota em si mesmo, mas é o primeiro passo para exercer o direito ao voto. Expressa o número de adolescentes entre 16 e 17 anos cadastrados no Tribunal Regional Eleitoral em determinado local e período. Um maior número de adolescentes nesta faixa com título de leitor significa que mais adolescentes estão participando do processo de escolha do representante político em seu país. Meta: Ampliar em 5% o número de adolescentes de 16 e 17 anos cadastrados no Tribunal Regional Eleitoral base Resultado registrada atingido em 2008 em Número de eleitores do município de São Paulo na faixa etária de 16 e 17 anos segundo mês e ano de referência 2008 e 2010 Faixa Etária Julho de 2008 Julho de anos anos Total Fonte: TSE - Tribunal Superior Eleitoral O município de São Paulo atingiu a meta municipal estabelecida ampliando o número de adolescentes cadastrados considerando os dois anos eleitorais.

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015 A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil 02 de Dezembro de 2015 Adolescentes são assassinados na Baixada Fluminense Rio de Janeiro Diário da Manhã 02/10/2015 Estudo mostra que

Leia mais

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA Metodologia e Amostra Pesquisa junto às consultoras Natura da cidade de São Paulo. Metodologia quantitativa, questionário auto-preenchido COLETA DOS DADOS Setembro

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 2º SEMESTRE/2009 Organização do Sistema - SUAS A Assistência Social está organizada em Sistema de Proteção Social Básica e Especial: Sistema de

Leia mais

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Fernando Haddad Prefeito Antonio da Silva Pinto Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial Maurício

Leia mais

INDICADORES POR DISTRITO

INDICADORES POR DISTRITO INDICADORES POR DISTRITO Assistência social População em situação de rua - acolhidos* Porcentagem da população em situação de rua em cada distrito sobre o total da cidade. (*acolhidos - pessoas que, também

Leia mais

Indicadores técnicos e de percepção

Indicadores técnicos e de percepção Indicadores técnicos e de percepção Observatório Cidadão Nossa São Paulo Banco virtual que disponibiliza um conjunto de indicadores sociais, ambientais, econômicos, políticos e culturais sobre a cidade

Leia mais

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social CRAS - Centro de Referência de Assistência Social O Centro de Referência de Assistência Social CRAS é uma unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social. Executa

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU Departamento de Urbanismo - DEURB Departamento de

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO 2009 DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Novembro de 2008 RECEITAS Composição da Arrecadação Orçamento 2009 Receita

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h Relação de locais para as plenárias públicas 04/05 DRE - São Mateus Subprefeitura - São Mateus Local - CEU São Mateus - Rua Curumatim, 221 - Parque Boa Esperança Telefone: 11 2732-8117 05/05 DRE - Ipiranga

Leia mais

Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES

Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES Contato de Vendas e Pós-Vendas Telefônica Vivo Business Solutions Plano de Comunicação Vivo x Prefeitura SP 29.01.2015 ESTRUTURA 1- GERENTE DE NEGÓCIOS 2- CONSULTORIA

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD)

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) Institui-se o Programa de Desenvolvimento Local Câmara de Animação Econômica, no âmbito da Secretaria Municipal de

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79 Renda e Trabalho A dimensão Renda e Trabalho aparece naturalmente como um importante indicador de qualidade de vida. Não há como discutir o assunto dentro

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Cria os Conselhos Tutelares de Capão Redondo, Cidade Líder, Jaraguá,

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 PSIU no combate à poluição sonora O Programa de Silêncio Urbano (PSIU) da Prefeitura

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011 Fabiana Bento e Ligia Rechenberg Organização: Instituto Sou da

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014 Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana A CRIANÇA E O ADOLESCENTE NO CENTRO DA GESTÃO MUNICIPAL O Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei nº

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Material para Sensibilização dos Agentes públicos e da sociedade civil

Material para Sensibilização dos Agentes públicos e da sociedade civil Material para Sensibilização dos Agentes públicos e da sociedade civil 1 2 ÍNDICE O SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS... 3 O QUE É UMA CONFERÊNCIA... 4 A IMPORTÂNCIA DAS CONFERÊNCIAS... 5 O QUE É A CONFERÊNCIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010 ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2010 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento As projeções populacionais até 2030 para os distritos da capital, realizadas pela Fundação

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL NA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE NA SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE DE M BOI MIRIM Primeira etapa

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira.

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 02/2012 TIPO: MELHOR QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 RELATÓRIO FINAL Coordenação de Políticas para Migrantes Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013 Saúde Março 2013 ADESÕES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA Guia de Sugestões de Atividades para a Semana Saúde na Escola disponível em: www.saude.gov.br/pse CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão - 20/02

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

Prioridades das comunidades populares participantes da Plataforma dos Centros Urbanos em São Paulo e Itaquaquecetuba

Prioridades das comunidades populares participantes da Plataforma dos Centros Urbanos em São Paulo e Itaquaquecetuba Prioridades das s populares participantes da Plataforma dos Centros Urbanos em São Paulo e Itaquaquecetuba As informações coletadas na Consulta às Lideranças das Comunidades e Consulta às Crianças e aos

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 (Projeto de Lei nº 467/14, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo

Leia mais

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê OS IDOSOS NA CIDADE DE SP IBGE Censo PAI Vila Esperança Sra. Shizuko restrita ao lar Caminhando no quintal com apoio da Acompanhante População:

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

de Gays, HSHe Travestis, criado em março de 2008, pelo Governo Federal. Considerando que o plano traça diretrizes de combate às vulnerabilidades

de Gays, HSHe Travestis, criado em março de 2008, pelo Governo Federal. Considerando que o plano traça diretrizes de combate às vulnerabilidades GOVERNO DAPARAIBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE Resolução n Q 174/11 João Pessoa, 14 de outubro de 2011 o Presidente da Comissão Intergestores Bipartite no uso de suas

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Configuração e tipologias

Configuração e tipologias OsE s p a ç o sp ú b l i c o ses u ai n f l u ê n c i an ame l h o r i ad aq u a l i d a d ed ev i d a O que são Espaços Públicos? P O espaço público é considerado como aquele que, dentro do território

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

AGENDA DE ENFRENTAMENTO

AGENDA DE ENFRENTAMENTO AGENDA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS JUVENTUDES novembro 2012 INDIGNAÇÃO Será preciso maltratar e dizimar toda uma geração para que a violência contra as juventudes se torne visível? ENTENDIMENTO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 COORDENADORIA DE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE - COPROM NÚCLEO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS NUPREV PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 Responsáveis pela elaboração:

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil 2000/2005 Maio 2007 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO EVOLUÇÃO DO ÍNDICE

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Educação Integral em Sexualidade Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Prevenção Também se Ensina Princípio Básico Contribuir para a promoção de um comportamento ético e responsável,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

EIXOS E DIMENSÕES DO INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO

EIXOS E DIMENSÕES DO INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO Instrumento de Monitoramento da Atenção à Saúde de Adolescentes e Jovens na Rede Básica de Saúde Ao aplicar esse instrumento, as UBS obtiveram informações importantes para avaliar o acesso dos/as adolescentes

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais