CICLO CREF4/SP DO CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CICLO CREF4/SP DO CONHECIMENTO"

Transcrição

1 Publicação Oficial do Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região - CREF4/SP Ano XII nº 29 ABRIL 2011 Rua Líbero Badaró, 377-3º andar Centro São Paulo/SP CICLO CREF4/SP DO CONHECIMENTO começa em maio superação histórias de profissionais saúde transtorno mental e atividade física oportunidade Olimpíadas 2016 graduação ex-atletas estão na universidade ética fechamento de 2010

2 processos Resultados Processos Éticos Disciplinares PED A Comissão de Ética Profissional CEP, após deferimento da Diretoria e homologação do Plenário do CREF4/SP, informa que: PED nº 0030/10 A. L. M. M. foi condenado à pena de advertência escrita sem pagamento de multa, por exercer a profissão com a Cédula de Identidade Profissional vencida, infringido o artigo 6º, inciso XXI e artigo 9º, inciso VI, do Código de Ética Profissional, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 03/01/2011. PED nº 0032/10 R. L. S. foi condenado à pena de advertência escrita sem pagamento de multa, por exercer a profissão com a Cédula de Identidade Profissional vencida, infringido o artigo 6º, inciso XXI e artigo 9º, inciso VI, do Código de Ética Profissional, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 03/01/2011. Processos Administrativos PA A Comissão Especial de Processos Administrativos CEPA, após análise dos autos e deferimento da Diretoria e homologação do Plenário do CREF4/SP, informa que: PA nº 0001/09 R. A. A. C. Acatou, por unanimidade, o parecer conclusivo da Relatora e opinou pela improcedência da denúncia, tendo em vista que todas as provas carreadas aos autos efetivam a possibilidade de regularidade dos dados e muito mais, evidenciam a condição que possui o ora acusado para o desenvolvimento de atividades pertinentes aos Profissionais de Educação Física. PA nº. 0003/09 P. D. C. Acatou, por unanimidade, o parecer conclusivo do Relator e opinou que seja anulado o registro profissional PED nº 0006/10 A. P. L. foi condenado à pena de advertência escrita sem pagamento de multa, pela conduta de conivência com o exercício ilegal da profissão, infringido o artigo 4º, inciso VII, artigo 6º, incisos III e XV, artigo 7º, incisos IV, VII e VIII e artigo 9º, inciso VI, do Código de Ética Profissional, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 04/02/2011. PED nº 0072/09 D. A. F. O. foi condenado à pena de advertência escrita sem pagamento de multa, pela conduta de conivência com o exercício ilegal da profissão, infringido o artigo 6º, inciso XV, artigo 7º, incisos IV, V e VIII, artigo 9º, incisos VI e VIII, do Código de Ética Profissional, tendo ocorrido o trânsito em julgado em 31/01/2011. do Sr. P. D. C., noticiando as autoridades competentes acerca da prática do crime de falsificação de documentos, tendo em vista que o certificado de conclusão do curso de Educação Física (Licenciatura Plena) apresentado pelo Denunciado, quando do seu pedido de registro, considerando as informações prestadas pelo Instituto de Ensino Superior, é falso, o que desconfigura o atendimento dos requisitos exigidos pela Lei nº 9.696/98 para a concessão de registro como Profissional de Educação Física junto ao Sistema CONFEF/CREFs. Para Entender Melhor Não basta exercer a Profissão, também é preciso entender os princípios que a norteiam. O Profissional de Educação Física deve conhecer o conteúdo do Código de Ética Profissional e basear suas ações em boas normas de conduta que nele estão estabelecidas Art. 4º, do Capítulo II, dos Princípios O e Diretrizes, estabelece que o exercício profissional em Educação Física deve pautarse em princípios, entre eles, [inciso VII] a prestação, sempre, do melhor serviço, a um número cada vez maior de pessoas, com competência, responsabilidade e honestidade. O Art. 6º, do Capítulo III, trata das responsabilidades e dos deveres do Profissional de Educação Física. Dentre eles, temos que o mesmo deve [inciso III] assegurar a seus beneficiários um serviço profissional seguro, competente e atualizado, prestado com o máximo de seu conhecimento, habilidade e experiência; [inciso XV] cumprir e fazer cumprir os preceitos éticos e legais da Profissão e [inciso XXI] que o profissional deve manter-se em dia com as obrigações estabelecidas no Estatuto do CONFEF. O Art. 7º, do mesmo capítulo, fala que no desempenho das suas funções, é vedado ao Profissional de Educação Física, [inciso IV] exercer a Profissão quando impedido, ou facilitar, por qualquer meio, o seu exercício por pessoa não habilitada ou impedida; [inciso V] concorrer, no exercício da Profissão, para a realização de ato contrário à lei ou destinado a fraudá-la; [inciso VII] interromper a prestação de serviços sem justa causa e sem notificação prévia ao beneficiário e [inciso VIII] transferir, para pessoa não habilitada ou impedida, a responsabilidade por ele assumida pela prestação de serviços profissionais. Já o Art. 9º discorre sobre as normas de conduta que o Profissional de Educação Física deverá observar no relacionamento com os órgãos e entidades representativos da classe. No seu inciso VI diz que ele deve zelar pelo cumprimento do Código de Ética Profissional e no inciso VIII, que deve acatar as deliberações emanadas do Sistema CONFEF/CREFs. A íntegra do Código de Ética Profissional está disponível no portal do CREF4/SP 2 Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região

3 palavra do presidente Profissionais, De acordo com o que está no Artigo 4º do Estatuto, o CREF4/SP tem por finalidade, entre outras coisas: promover os deveres e defender os direitos dos Profissionais de Educação Física e das Pessoas Jurídicas que nele estejam registrados; defender a sociedade, zelando pelos serviços profissionais oferecidos; fiscalizar o exercício profissional em sua área de abrangência, adotando providências indispensáveis à realização dos objetivos institucionais; estimular a exação no exercício profissional, zelando pelo prestígio e bom nome dos que o exercem; estimular, apoiar e promover o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de Profissionais de Educação Física registrados em sua área de abrangência; deliberar sobre o registro e fiscalização de Pessoas Jurídicas prestadoras de serviços nas áreas das atividades físicas, esportivas, recreativas e similares. Fazendo valer a sua finalidade, o CREF4/SP iniciará um projeto piloto com o Ciclo CREF4/SP do Conhecimento. Já definimos os três primeiros profissionais especializados nos temas escolhidos marketing esportivo, pilates e terceira idade para oferecer o que há de melhor para os registrados no CREF4/SP e solicitando apenas a colaboração de 2 kg de alimento não perecível para doação a uma entidade filantrópica. Aproveite! Lembrando sempre da importância para a saúde da população que nossa profissão tem, entrevistamos Profissionais que fazem trabalhos relevantes com pessoas que apresentam transtornos mentais. Buscamos também cases de Profissionais que superaram suas deficiências e continuam atuando na área com responsabilidade e ética. E, ainda, conversamos com alguns atletas e ex-atletas, hoje cursando uma universidade na área de Educação Física, reconhecem o valor do conhecimento como ponto forte para despertar a confiança da sociedade. Com a ética não pode existir vacilo. É através dela que poderemos conseguir grandes oportunidades dentro da profissão, como comentam Roberto Saad na apresentação dos trabalhos realizados em 2010 pela Comissão de Ética Profissional e nas informações que Ricardo Prado nos fornece sobre as oportunidades que a Olimpíada 2016 nos trará. Estamos trabalhando com afinco para melhor atendê-lo. Boa leitura. Flavio Delmanto Presidente expediente Revista CREF de São Paulo Publicação oficial do Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região - CREF4/SP Diretoria Presidente... Flavio Delmanto 1º Vice-Presidente...Vlademir Fernandes 2º Vice-Presidente... Márcio Tadashi Ishizaki 1º Secretário...Roberto Jorge Saad 2º Secretário...Georgios Stylianos Hatzidakis 1º Tesoureiro... Marcelo Vasques Casati 2º Tesoureiro...Antonio Lourival Lourenço Conselheiros Andréa Ferreira Barros Vidal...CREF G/SP Antonio Carlos Pereira... CREF G/SP Antonio Lourival Lourenço... CREF G/SP Bruno Alessandro Alves Galati... CREF G/SP Edivaldo Góis Junior... CREF G/SP Elisabete Cati de Medeiros... CREF G/SP Flavio Delmanto... CREF G/SP Georgios Stylianos Hatzidakis... CREF G/SP Hudson Ventura Teixeira... CREF G/SP Humberto Aparecido Panzetti... CREF G/SP João Omar Gambini...CREF G/SP José Medalha... CREF G/SP Marcelo Vasques Casati... CREF G/SP Márcio Tadashi Ishizaki... CREF G/SP Margareth Anderáos...CREF G/SP Mário Augusto Charro... CREF G/SP Nelson Gil de Oliveira...CREF G/SP Nelson Leme da Silva Júnior... CREF G/SP Nestor Soares Publio...CREF G/SP Pedro Roberto Pereira de Souza... CREF G/SP Roberto Jorge Saad... CREF G/SP Solange Guerra Bueno...CREF G/SP Tadeu Corrêa... CREF G/SP Vlademir Fernandes...CREF G/SP Walter Giro Giordano...CREF G/SP William Urizzi de Lima... CREF G/SP Comissão Editorial Andrea Ferreira Barros Vidal, Flavio Delmanto, Márcio Tadashi Ishizaki, Pedro Roberto Pereira de Souza, Vlademir Fernandes e Walter Giro Giordano sumário PROCESSOS superação ATUAÇÃO OLIMPÍADAS GRADUAÇÃO novidade ÉTICA ATUALIZAÇÃO ACONTECE UNIDADE MÓVEL EM AÇÃO HOMENAGEM ATENÇÃO/ALERTA CREF RESPONDE registro pessoa física colação de grau benefícios FINANCEIRO Produção Editorial CSG Comunicação Jornalismo: Célia Gennari - MTB /SP CREF G/SP Diagramação: Eliana C. Fugihara Kroes Fotografia: César Viégas - MTB /SP Impressão Gráfica ESDEVA Periodicidade: Trimestral Tiragem: exemplares Distribuição: Gratuita errata Página 6, da Edição 28, matéria sob o título Educação Física mobiliza 11 municípios São José dos Campos A supervisora de Esportes e Recreação da Secretaria Municipal de Educação de Jacareí, Myriam Ramos Gonçalves (CREF G/SP) esteve presente no I Fórum Paulista de Sustentabilidade da Educação Física e do Esporte na Escola, que aconteceu em São José dos Campos. Segundo o conselheiro João Omar Gambini, por conta de um erro na transcrição da lista manual de inscrições para a digital, houve um equívoco de atribuição de cargo, função e resultado. O CREF4/SP pede desculpas pelo equívoco e espera contar com a presença da Sra. Myriam nos próximos eventos. A participação nos eventos do CREF4/SP dos Profissionais de Educação Física que atuam em secretarias municipais de educação, esportes e recreação é motivo de muita satisfação. CREF4/SP Atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas Rua Líbero Badaró, 377 3º andar Centro São Paulo SP Telefax: revista CREF4/sp nº 29 ABRIL 2011 ano xii 3

4 superação SUPERAR É PRECISO Depois de um imprevisto na vida, conviver com as dificuldades e ainda sorrir, não é para qualquer um. Na Educação Física, temos algumas histórias de superação que valem a pena serem conhecidas. São Profissionais que, por um momento, pensaram em desistir, mas seguiram em frente, apesar das adversidades e, hoje, conseguem falar de seus problemas de forma suave e trabalhar com dedicação seguindo em frente Cleuton Nunes é formado em Educação Física. Iniciou seu curso na Unisantana (SP) em 1997 e terminou na FEFISO em Sorocaba (SP), no ano de Já era provisionado em artes marciais, Tae Kwon Do do qual é instrutor e foi atleta, quando resolveu fazer a faculdade para aprofundar mais os seus conhecimentos. Durante o curso, ele percebeu o quanto podia fazer na área encontrando um novo horizonte profissional. Apaixonouse pela ginástica aeróbica e viu que podia fazer ainda mais. No entanto, na melhor fase de sua carreira, com viagem certa para Nova Zelândia e muitas convenções marcadas pelo Brasil, aconteceu o acidente que modificou de forma brutal os seus planos: teve de autorizar a amputação das suas pernas, entrou em coma e, por 40 dias, lutou pela sua vida. Cleuton teve infecção generalizada, 100% de parada renal e fez 21 dias de hemodiálise. Acordou sem um norte e totalmente modificado, com apenas uma pergunta na sua cabeça: E agora, o que vou fazer da minha vida? Sem encontrar resposta, tentou o suicídio por duas vezes. E demorou, exatamente, 4 meses para aceitar sua nova configuração. Hoje, Cleuton Nunes vive para trazer benefícios a quem necessita. Na vida de Cleuton a Educação Física é solução. Se eu não tivesse em alta atividade teria falecido no local do acidente, disse. Ele costuma dizer que treinou sua outra vida inteira para aquele momento do acidente, que mudou seu destino. Divertido, Cleuton afirmou que não mudou nada, apenas está baixinho. Faço tudo que fazia antes, só não pulo, ainda. O esportista comentou que melhorou sua capacidade de coaching (instrução), pois mais de 70% dos movimentos do dia a dia são provenientes das pernas e como ele possui apenas uma parte delas, para suprir a deficiência, trabalha muito as sensações para que os alunos executem os movimentos propostos. Sua superação foi possível graças ao apoio fundamental de sua filha, família, amigos e, principalmente, por sua alegria de viver. Como sempre foi piadista, começou a brincar com sua própria situação, até para que ninguém se sentisse constrangido ao encontrá-lo. Antes do acidente, Cleuton possuía uma performance no Fitness e execução surpreendentes: saltava mais de dois metros, usava pesos superelevados, chutava muito alto no combat e dançava nas aulas de street e ritmos. Fotos: César Viégas Viva todos os momentos da sua vida intensamente, pois tudo passa. Da alegria a dor, tudo passa. Eu escolhi seguir em frente Cleuton Nunes 4 Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região

5 superação Dificuldades Hoje, a maior barreira para Cleuton é a aquisição das próteses que são caras e não dão acessibilidade ao bolso de muitos que se encontram nas mesmas condições. Outra, é o preconceito, que muitas vezes ocorre pela falta de informação da sociedade. Ele acredita que a iniciativa deve partir do próprio deficiente. É preciso deixar de ser coitado para ser vencedor e o Profissional de Educação Física tem um papel primordial em tudo isto, pois é a partir de suas orientações que surgem o treinamento específico e motivante para a prática esportiva. Na minha nova vida vejo a atividade física como propulsor da inclusão na vida normal, desabafou. A rotina diária do Profissional Cleuton é fazer fisioterapia, treinar paracanoagem e trabalhar. Atualmente, além de personal trainner, ocupa um cargo mais administrativo na coordenação de treinamentos para professores. A sua relação com os alunos é como qualquer outra. Procura mostrar que não há diferença, a não ser a imposta por eles, profissional ou pessoalmente, acreditando que há limite. Ele costuma dizer que, no momento, vive uma vida sem pernas e, o tempo todo, uma vida sem limites. OPORTUNIDADES PARA TODOS Eliana Regina dos Santos, 35 anos, apresentou o TCC Estratégias de um professor cego, na aplicabilidade das suas aulas de Educação Física para o ensino superior, na conclusão do curso de Licenciatura em Educação Física pela Universidade de Guarulhos em O professor a quem ela se refere é Ivan de Oliveira Freitas, 38 anos, orientador do trabalho. O que eles têm em comum? Eliana tem apenas 10% de visão. A recém-formada não teve somente que se superar, teve de superar também todos os prognósticos contrários dos médicos, medos da família e preconceito da sociedade. Eliana tem a forma mais grave da retinose pigmentar, uma doença genética, que só ataca mulheres e acarreta a degeneração da retina. Como destrói os bastonetes e os cones, não possibilita a percepção do claro, do escuro e das cores. O diagnóstico veio quando ela tinha entre 3 e 4 anos e a indicação médica foi para ela ficar em casa, pois ficaria cega em breve. Casei com 17 anos e tenho 3 filhos. Podia cuidar da casa, das crianças, mas não podia trabalhar. De repente me vi com 32 anos e, ainda, com algum percentual de visão. Resolvi reagir, explicou. Na sua terceira tentativa, em 2007, ingressou na universidade, onde enfrentou dificuldades, pois não havia adaptação alguma para deficientes visuais. Para conseguir achar a minha sala, naqueles corredores escuros, tinha de contar o número de portas, contou. Somente com a entrada do Prof. Ivan, foram instalados piso tátil e corrimões. Entrei na universidade por causa do meu amor pela dança e para dar aula para deficientes, mas durante o curso mudei de foco, pois me apaixonei pela anatomia, explicou feliz e com planos. Quero terminar o Bacharelado e fazer pós-graduação em anatomia e poder estudar como o deficiente visual aprende. Na faculdade, contou com a colaboração de muitos, diretora, professores e todos da sua turma que também aprendiam e colaboravam com sua adaptação. Com o devido cuidado, pois não pode levar batida na cabeça, participou de todas as aulas práticas e não se intimidou com as provas orais. No dia da colação de grau provou para ela e para todos e, especialmente, mostrou para seus filhos, que um deficiente visual pode fazer tudo o que ele quer. Só não pode dirigir, brincou. Hoje, feliz e realizada, consegue ajudar as pessoas com a sua experiência. Eu tenho materiais adaptados, digito no computador, uso leitor de tela, lente, óculos [um ampliador que coloco para ver a tela do computador] e no dia a dia na minha casa não uso nada. Uso todos os artifícios que posso para viver bem, concluiu. Durante o curso superior, percebi que as pessoas desistem na primeira dificuldade que encontram. Está errado! O Profissional de Educação Física tem que se dedicar mais. Eu fui contra tudo que era normal e provei que, com um pouco de ajuda, tudo é possível Eliana Regina dos Santos revista CREF4/sp nº 29 ABRIL 2011 ano xii 5

6 superação O MELHOR EXEMPLO Ivan de Oliveira Freitas, 39 anos, nasceu com deficiência parcial. Tinha glaucoma e catarata e após três cirurgias acabou perdendo totalmente a visão, pois com apenas 7 anos de idade, teve também, descolamento de retina. Diante da situação foi estudar no Instituto de Cegos Padre Chico e depois na E.E. Caetano de Campos. Joga futebol desde os 12 anos, esporte que lhe rendeu vários títulos. Quando tinha entre 15 e 16 anos, seu técnico o convidou para conversar com alunos de uma escola. Ao se deparar com as dúvidas das crianças sobre os deficientes e a prática esportiva, decidiu fazer o curso de Educação Física. Parei para pensar até onde vai nossa capacidade, limitação e qual é nosso potencial, esclareceu. Então, iniciou sua busca por universidades e de algumas recebeu o retorno de que não tinham estrutura para tê-lo como aluno. A Universidade Camilo Castelo Branco, de Itaquera (SP) o recebeu e por lá ele ficou de 1995 a 1998, quando se formou. Desde 1997 ele atua na área. Hoje, Ivan tem duas pós-graduações Educação Especial e Psicopedagogia e está cursando a terceira em Gestão Pública, Esporte e Lazer. Um exemplo de superação! Além de lecionar na UNG Universidade de Guarulhos trabalha no Centro Recreativo Esportivo Especial Luiz Bonício, da Secretaria de Esporte de São Bernardo do Campo, conhecido como CREEBA Clube Recreativo e Esportivo do Bairro Assunção, além de ser presidente da APADV Associação dos Pais e Amigos dos Deficientes Visuais (SBC/SP). Ivan é o segundo cego no Brasil a fazer o curso de Educação Física. Um aluno de Curitiba, é o pioneiro a ultrapassar essa fronteira. Hoje, outros já se aventuraram pelo mesmo caminho como Eliana Regina dos Santos. Segundo Ivan, a inclusão social existe, apesar de muitas vezes forçada por legislações. Às vezes é preciso obrigar. Para ele, mais importante do as leis, é olhar o deficiente pelo potencial e não pela limitação, que é o que a sociedade sempre faz. O experiente Ivan explicou que para superar a situação de estar deficiente é preciso que o próprio deficiente supere seus preconceitos com ele mesmo, com a deficiência e com as perguntas que vão surgir no dia a dia. É preciso ter consciência de que e, seu contexto social vai ter facilidades e dificuldades. Mas quem de nós não tem dificuldades? Não é só o deficiente, lembra. Tudo vai depender do valor que se dá para essa dificuldade. Para ele, o trabalho da Eliana Regina tem de ser mostrado para falar para a sociedade que é possível principalmente na Educação Física uma área muito visual. A visão corresponde, aproximadamente, a 80% da capacidade perceptiva do indivíduo, mas há outros sentidos que também fazem parte do corpo e que devem ser explorados e utilizados com mais frequência. O Profissional de Educação Física, mais do que outro qualquer, tem a obrigação de atender bem a pessoa com deficiência, porque ele interfere diretamente na sua vida cotidiana e não pode, em hipótese alguma deixá-lo de fora das práticas, alertou o Professor Ivan. Procurem ver a capacidade, as possibilidades e o potencial da pessoa deficiente. Estudamos para descobrir talentos e explorar as potencialidades Ivan de Oliveira Freitas 6 Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região

7 superação o normal é ter atitude Superação é a palavra-chave da Atitude Paradesportiva, uma organização não governamental, criada no final de 2009 por seis sócios fundadores. Entre eles, Profissionais de Educação Física experientes no trabalho com deficientes físicos, como Rita de Cássia Vieira dos Santos, diretora de esportes da entidade. A Atitude tem como principal foco incluir todas as pessoas com deficiência e, também trabalhar todas as modalidades do paradesporto, a fim de formar atletas paraolímpicos. Hoje, oferecem, gratuitamente, basquetebol, natação e atividade física, para todas as idades. Sendo que o único requisito para participar é ter alguma deficiência física. As atividades físicas acontecem todas as manhãs de sábado, na quadra do Colégio Global (SP), que apóia o projeto, com objetivo de promover horas de boa convivência, socialização, desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo. Primeiro os tratamos como pessoas munidas de potencial para atingir seus objetivos, depois promovemos a oportunidade para que desenvolvam suas capacidades, informou Rita de Cássia. A limitação não está na deficiência, mas sim na ausência de autoestima e de oportunidade Rita de Cássia Vieira dos Santos Nas cadeiras de rodas, alunos e parentes, em pé, professores e fundadores Esporte como sinônimo de inclusão As pessoas que frequentam o projeto da Atitude Paradesportiva estão lidando com a deficiência de um jeito positivo. Aliás, para participar do projeto é preciso assumir que é deficiente, explicou Aline Mayumi Kimura, psicóloga da entidade. CREF de São Paulo - Como lidar com as perdas? Aline Kimura Com uma boa elaboração dos fatos. É preciso pensar nas possibilidades e ter consciência de suas limitações. Na Atitude tem aluno que nunca jogou basquete, mas que com a deficiência descobriu um supertalento, ou seja, a deficiência virou uma oportunidade. Sem elaborar o luto por ter adquirido a deficiência não se consegue chegar à aceitação. Com clareza as ações começam a ser baseadas no que se é capaz de fazer. Como lidar com a deficiência? As fases da vida são pertinentes a todos, com ou sem deficiência. A independência e a autonomia, mesmo que sejam adaptadas, são importantes. Autonomia também de pensamento. O trabalho conjunto com a família, que fica mais tempo com o deficiente, é essencial. Mas, a família ou o cuidador, não pode querer mandar no deficiente. O que a atividade física, psicologicamente, pode proporcionar? Quando se adquire uma deficiência a imagem que criamos de nós mesmos tem que ser adaptada. Para o cadeirante, por exemplo, tudo tem que ser refeito, inclusive o modo de olhar para as pessoas, pois a sua posição visual mudou. A atividade física ajuda na elaboração dessa autoimagem e também desperta para uma nova noção do corpo. A prática coletiva, como o basquete, trabalha o relacionamento com o grupo, com o time, ou seja, a sociabilidade e remonta a autoestima. Além disso, praticar atividade física trás a sensação de bem-estar, tira o deficiente do esquema só de tratamento, de falar em doença e o leva para o lazer e a descontração. Como seguir em frente após um acidente? É um momento de reflexão: o que consigo, gosto ou sou capaz de fazer, apesar do acidente. Pensar na possibilidade do esporte adaptado e investir em outra profissão, quando não houver outra solução. De qualquer forma, é possível superar, cada um no seu tempo. Ser deficiente não é ser triste Aline Mayumi Kimura Para conhecer mais, acesse: Atenção: Na próxima edição da Revista CREF4/SP outros cases de superação serão publicados, também com sugestões adequadas para os Profissionais de Educação Física trabalharem com a inclusão, uma realidade nos nossos tempos. revista CREF4/sp nº 29 ABRIL 2011 ano xii 7

8 atuação PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA AUXILIA NO Atualmente, a maioria das instituições trabalha com equipes multiprofissionais no atendimento aos seus internos e semi-internos. E, dentro dessas equipes, o Profissional de Educação Física vem ganhando espaço e se destacando pela vivência e estudo de caso, conseguindo excelentes resultados nas esferas biopsicossociais. Mesmo assim, a atividade física ainda não consta como obrigatória para o funcionamento de um hospital psiquiátrico. No entanto, crentes do seu poder no auxílio do equilíbrio mental dos pacientes, Maria Aparecida Gomes Chaves (CREF G/SP), em Franca, e Osvaldo Hakio Takeda (CREF G/SP), em Tanto no Hospital de Franca quanto no do IPq é possível encontrar todo tipo de transtorno mental e dependência química. As doenças mais comuns são Esquizofrenia, TAB Transtorno Afetivo Bipolar, Depressão, TOC Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtornos de Personalidade e também Alcoolismo e Dependências de Múltiplas Drogas. No Hospital Dia-Adulto do IPq a predominância é de esquizofrênicos. São Paulo, desenvolvem trabalhos na área há aproximadamente 18 anos. No início, foi um trabalho experimental, sem conhecimento científico específico, mas hoje os profissionais podem ser considerados profundos conhecedores da ação da atividade física no tratamento das pessoas que vivem com transtornos mentais. Os dois fazem parte de uma minoria que atua nessa área. Como não há publicações a respeito e poucos interessados em incentivar pesquisas, o trabalho deles é uma referência para quem se interessa pelo assunto. Cada um, em sua região, e com o auxílio da equipe multiprofissional dos referidos hospitais, foi criando e aprimorando estratégias e atividades físicas para os pacientes. Ambos têm em comum o apoio e o reconhecimento da direção dos hospitais onde trabalham como Profissionais de Educação Física, bem como o retorno e o progresso dos pacientes em função do trabalho conjunto da equipe multiprofissional. A responsabilidade deles é igual a de todos os integrantes da equipe. Além da prática da atividade física, participam de reuniões semanais e contam sempre com auxiliar e técnico de enfermagem, assistente social, psicólogo e/ou médico, acompanhando as reações dos pacientes que, em sua maioria, são imprevisíveis. Objetivos alcançados Segundo Maria Aparecida, que conta com o auxílio de Elaine Barbosa Franchini (CREF G/SP), o bem-estar do paciente após a atividade foi apenas um dos objetivos que conseguiram alcançar, pois a prática da atividade física através das várias atividades desenvolvidas ginásticas, atividades rítmicas, competitivas, recreativas, esportivas, oficina de teatro, coordenação motora, jogos de salão, entre tantas outras é muito mais abrangente. Trabalhamos o aspecto social, cognitivo, afetivo e cuidamos da autoestima para a ressocialização do paciente, devolvendo-o ou não para a sociedade, destacou. Osvaldo Takeda concorda que os benefícios são muitos, mas ressaltou que a atuação da equipe deve ser coerente, procurando potencializar a parte saudável e melhorar as áreas prejudicadas. Os objetivos são a autonomia e a inclusão social, dentro da possibilidade de cada um, explicou. Para ele, é fantástico poder lidar com o paciente com transtorno mental, tendo a Educação Física como instrumento e estratégia para mobilizar afeto, aspectos social, cognitivo e motor. O Profissional deve saber que ele pode ir além da parte funcional. Depende dele estar aberto para ter um contato afetivo com o paciente. A partir daí Em 1992, Maria Aparecida Gomes Chaves teve a oportunidade de ingressar no Hospital Psiquiátrico Allan Kardec de Franca. A realidade que ela encontrou no local era bem diferente dos dias atuais tinha quarto com grade e as contenções eram com camisa de força. Arquivo pessoal 8 Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região

9 atuação EQUILÍBRIO MENTAL DE PACIENTES é possível conseguir muita coisa. A atividade aeróbia faz liberar endorfinas, serotoninas e deixa o paciente feliz, com uma melhor autoestima e motivado para voltar a praticar uma atividade física lá fora, ou, simplesmente, buscar melhor qualidade de vida. Mas, com esse grupo especial, nem sempre o planejamento é colocado em prática. Por várias vezes, Maria Aparecida planejou e teve de mudar a aula. Ela contou que para o grupo de pacientes moradores, por exemplo, alguns anos atrás, ela podia fazer atividades mais complexas e, atualmente, como eles estão mais envelhecidos, as atividades estão limitadas. Prevenção e preconceito Na vivência dos dois profissionais e no conhecimento de tantos casos que chegam até eles a conclusão é a mesma: a prevenção. Para Takeda, é na escola que tudo pode ser observado e tratado, evitando que o indivíduo chegue ao ponto de ter uma crise emocional sem possibilidade de retorno. No Hospital Dia-Adulto do IPq fazemos, em equipe, o controle da doença e temos um maior número de curas, afirmou. O Profissional de Educação Física tem um papel extremamente importante pela proximidade física que tem com seus alunos. E Maria Aparecida sabe bem disso, porque também é professora concursada da rede estadual de ensino da cidade de Franca. Para Maria Aparecida e Osvaldo, muito do que vêem nos hospitais em que trabalham é fruto de falta de limites ou de uma educação muito reprimida. Por isso, os valores que adquirem nas funções que desempenham levam para suas vidas pessoais, mesmo lidando diariamente com o preconceito. A sociedade tem preconceito até com quem trabalha num lugar como esse, desabafou Maria Aparecida. Por isso, indo na contramão do preconceito, ela desenvolveu um projeto na escola onde leciona, que promove visitas anuais de algumas turmas ao hospital e trabalha questões como saúde mental, prevenção de uso de drogas, o trato com o idoso, entre outras. Professores de outras disciplinas também vão com os alunos e, depois, trabalham os temas de acordo com suas matérias. HD Hospital Dia, no momento, é o que há de mais moderno em psiquiatria. Os pacientes chegam cedo no HD, passam por vários atendimentos e atividades durante o dia e retornam para suas casas à tarde. Osvaldo Hakio Takeda, formado em 1988, iniciou sua carreira em Saúde Mental no antigo Hospital Psiquiátrico de Vila Mariana. Em 1997, ingressou no IPq HCFMUSP para trabalhar no Hospital Dia Adulto. O comportamento das pessoas é muito rico em informação e deve ser observado com atenção pelo Profissional de Educação Física. Só assim a atividade física será desenvolvida adequadamente. Aqui no IPq não temos rotina. Temos de pensar e repensar a nossa metodologia de trabalho diariamente e procurar descobrir e desenvolver as habilidades de todos. Mas fora daqui, em outras áreas de atuação, não deve ser diferente. Deve-se pensar em prevenção Osvaldo Hakio Takeda IMPORTANTE Para se trabalhar com esses grupos é importante ter jogo de cintura, porque o paciente é instável. O dependente químico, por exemplo, é sedutor (no sentido de querer convencer todos sobre as coisas que ele acredita). Se o profissional conseguir se manter firme na ética e no conhecimento da doença, saberá lidar com a situação. Caso contrário, entrará no jogo do paciente e poderá colocar o tratamento a perder. César Viégas TrabalhAMOS com o que há de melhor no paciente, que é a vida e a alegria (apesar do sofrimento e da dor mental). Maria Aparecida Gomes Chaves revista CREF4/sp nº 29 ABRIL 2011 ano xii 9

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS

EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS EC PINHEIROS OLÍMPICO AQUÁTICOS ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 112 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016 PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2014 À 2016 QUEM SOMOS A Associação Atlética Pé de Vento é uma organização não governamental. Considerada hoje uma das maiores equipes de corrida de longa distância da América

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

vvencendo Oportunidade. Superação. Transformação. no esporte e na vida.

vvencendo Oportunidade. Superação. Transformação. no esporte e na vida. o Oportunidade. Superação. Transformação. Poucos recursos, muitos obstáculos e uma grande vontade de vencer. As adversidades que desde cedo aprendeu a enfrentar só fizeram fortalecer a sua garra e a sua

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

SÍNTESE DA 15ª REUNIÃO Página 1 de 5

SÍNTESE DA 15ª REUNIÃO Página 1 de 5 SÍNTESE DA 15ª REUNIÃO Página 1 de 5 Unidade: Assuntos: Centro de Treinamento Esportivo Local: EEFFTO Data: 10/04/2012 Início: 13:40 Término: 16:00 PARTICIPANTE ÓRGÃO/UNIDADE PARTICIPANTE ÓRGÃO/UNIDADE

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

ESPORTE CLUBE PINHEIROS

ESPORTE CLUBE PINHEIROS EC PINHEIROS 2012 NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 113 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais de primeiro nível. 170.000 m² de

Leia mais

Coordenadoria de Gestão das Políticas e Programas de Esporte e Lazer - CGPE. Clínica de Basquete. Aprendendo com o esporte

Coordenadoria de Gestão das Políticas e Programas de Esporte e Lazer - CGPE. Clínica de Basquete. Aprendendo com o esporte "Uma jornada de mil milhas começa com um primeiro passo" Lao-Tsé Data: 08/08/2009 Horário: 9H00 às 13H00 Local: Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa INTRODUÇÃO O objetivo do Circuito esportivo Clube

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 55 Discurso na cerimónia de abertura

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

informe COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Abril 2012 www.uniodontorn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110

informe COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Abril 2012 www.uniodontorn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 Abril 2012 NATAL www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DESTAQUES DESTA EDIÇÃO: Convenção da Uniodonto Nordeste... pág. 03 Assembleia dos cooperados reelege a atual Diretoria... pág.

Leia mais

Energisa e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO

Energisa e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO Energisa e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO Minas Gerais 2013 1 SUMÁRIO Resultados Gerais Junior Achievement... 2 Resultados Conquistados desta parceria... 3 Resultados Conquistados

Leia mais

É com imenso prazer que apresentamos o Projeto de Capacitação em Futebol da Fundação Special Olympics Brasil para sua apreciação

É com imenso prazer que apresentamos o Projeto de Capacitação em Futebol da Fundação Special Olympics Brasil para sua apreciação Rio de Janeiro, 01 de abril de 2013 É com imenso prazer que apresentamos o Projeto de Capacitação em Futebol da Fundação Special Olympics Brasil para sua apreciação Missão da SO SPECIAL OLYMPICS Melhorar

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer

III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer Unidades SESI 94 Unidades em 77 Municípios: 30 unidades escolares 43 unidades multioperacionais 6 Clubes 4 Centros de Cultura 6

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

AAARP PROJETO ATLETISMO. Acreditamos no poder da transformação através do esporte. E CIDADANIA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO

AAARP PROJETO ATLETISMO. Acreditamos no poder da transformação através do esporte. E CIDADANIA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO Acreditamos no poder da transformação através do esporte. Foto: Matheus urenha PROJETO ATLETISMO E CIDADANIA AAARP ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO ATLETISMO DE RIBEIRÃO PRETO Troféu Brasil de Atletismo, Equipe

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS IFPE/IFS RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS - (R.S.C.) UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA! Caro servidor: Como é do conhecimento de todos, o seguimento docente

Leia mais

EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES

EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES EC PINHEIROS OLÍMPICO TERRESTRES ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 112 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

III Curso de atualizações em Lutas. II Workshop Internacional de Lutas. www.workshopdelutas.com CONVITE

III Curso de atualizações em Lutas. II Workshop Internacional de Lutas. www.workshopdelutas.com CONVITE III Curso de atualizações em Lutas II Workshop Internacional de Lutas www.workshopdelutas.com CONVITE Será realizado em Maringá-PR de 23 a 25 de Agosto de 2013 o III Curso de Atualizações em Lutas e II

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

Governo do Estado do Amapá Secretaria de Estado da Saúde Conselho Estadual de Saúde do Amapá

Governo do Estado do Amapá Secretaria de Estado da Saúde Conselho Estadual de Saúde do Amapá Governo do Estado do Amapá Secretaria de Estado da Saúde Conselho Estadual de Saúde do Amapá Ata da 4ª Reunião ordinária do Conselho Estadual de Saúde do ano de 2012. No dia vinte e seis do mês de Abril

Leia mais

PROCESSO N 833/05 PROTOCOLO N.º 8.511.261-9 PARECER N.º 851/05 APROVADO EM 14/12/05 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE MARINGÁ -CEPROM

PROCESSO N 833/05 PROTOCOLO N.º 8.511.261-9 PARECER N.º 851/05 APROVADO EM 14/12/05 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE MARINGÁ -CEPROM PROTOCOLO N.º 8.511.261-9 PARECER N.º 851/05 APROVADO EM 14/12/05 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE MARINGÁ -CEPROM MUNICÍPIO: MARINGÁ ASSUNTO: Pedido de Autorização

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA CEI/SC COMISSÃO REGIONAL DO IDOSO DE ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

XII CONGRESSO NACIONAL DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL & 37th ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SCHOOL PSYCHOLOGY ASSOCIATION

XII CONGRESSO NACIONAL DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL & 37th ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SCHOOL PSYCHOLOGY ASSOCIATION ABRAPEE NOTÍCIAS ANO I, N o. 4 Agosto 2015 XII CONGRESSO NACIONAL DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL & 37th ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SCHOOL PSYCHOLOGY ASSOCIATION Foto com membros da Diretoria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 61 66 A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Flávia Bastos 1, Fernanda Martins 1, Mara Alves 1, Mauro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO 1 P á g i n a DESEMBARGADOR OTONI/MG 2014 ÍNDICE 1. SÍNTESE 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVOS GERAIS 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 5. METODOLOGIA

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA, DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO-PATROCÍNIO UNICERP

ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA, DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO-PATROCÍNIO UNICERP REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA, DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO-PATROCÍNIO UNICERP APRESENTAÇÃO O Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE REABILITAÇÃO EM ORTOPEDIA DA FACULDADE MONTES BELOS Francisco Dimitre Rodrigo Pereira Santos Marillia Pereira Cintra Sintia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão do profissional de coaching (coach), e dá outras providências. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: TRABALHO,

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Lei nº 006, de 04 de Abril de 2014. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO CMS - CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito de Santa Inês, município do Estado do Maranhão, no uso de suas

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida. PRÁTICAS CORPORAIS E JUVENTUDE Case SESI SP

II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida. PRÁTICAS CORPORAIS E JUVENTUDE Case SESI SP II Seminário Esporte e Desenvolvimento Humano: Esporte, atividade física e lazer ativo ao longo da vida Luís Claudio Marques Supervisor de Qualidade de Vida Serviço Social da Indústria SESI SP FIESP 248

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

REGULAMENTO GERAL INTERATLÉTICAS

REGULAMENTO GERAL INTERATLÉTICAS REGULAMENTO GERAL INTERATLÉTICAS DAS FINALIDADES Art. 1 o O I Interatléticas Anhembi Morumbi é uma competição promovida pelo Centro Esportivo Anhembi Morumbi, cujo objetivo é incentivar a prática de atividades

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O DEFICIENTE FÍSICO.

ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O DEFICIENTE FÍSICO. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 172 ACESSIBILIDADE EM INSTALAÇÕES ESPORTIVAS EM PRESIDENTE PRUDENTE: A IMPORTÂNCIA DE UM AMBIENTE PROJETADO PARA O

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária PORTARIA Nº 06/2011 Diário de Justiça Eletrônico Disciplina o procedimento para a entrada e permanência de crianças e adolescentes em

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O Educação Física A profissão de Educação Física é caracterizada por ter um vasto campo de atuação profissional, tendo um leque com várias opções para realização das atividades pertinentes ao Educador Físico.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF CONSELHO UNIVERSITÁRIO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, REALIZADA

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ESPORTE COMO FATOR ESTIMULADOR DA INCLUSÃO NA VIDA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

A INFLUÊNCIA DO ESPORTE COMO FATOR ESTIMULADOR DA INCLUSÃO NA VIDA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 252 A INFLUÊNCIA DO ESPORTE COMO FATOR ESTIMULADOR DA INCLUSÃO NA VIDA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Amália

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS PARA O PROVIMENTO DE 01 (UM) CARGO DE PROFESSOR DOUTOR, REFERÊNCIA MS-3, EM R.D.I.D.P., JUNTO AO DEPARTAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADO DA CPA

IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADO DA CPA Vida na ESIC 05/09/2012 Edição 8 IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADO DA CPA No dia 23 de agosto, houve encontro de alguns professores e membros da Direção com o Prof. Luiz Carlos Pereira, da FAE. O assunto tratado

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

CÉSAR SOARES MAGNANI OAB/SP 138.238 RELATOR

CÉSAR SOARES MAGNANI OAB/SP 138.238 RELATOR Processo nº 102/2013 Denunciados: 1- Sr. Ronaldo Aguiar Faria Júnior, diretor da Ent. Desportiva S E Palmeiras; 2- Sr. Paulo A. Tadeu da Silva, diretor da Ent. S E Palmeiras; 3- Sr. Hélio Rubens Garcia,

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 28 DE JANEIRO DE 2009 1. Data, hora e local: No 28º (vigésimo oitavo)

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESTATUTO Nº 01/15. Dispõe sobre a institucionalização do Laboratório de Atividade Física e Esportiva (LAFE) no âmbito da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). RESOLVE: Art. 1º - Dispor sobre normas gerais

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

Sérgio tem mais três irmãos, sendo que seu irmão do meio também é portador desta mesma doença.

Sérgio tem mais três irmãos, sendo que seu irmão do meio também é portador desta mesma doença. O Palestrante: Sérgio Hagop Boudakian, é deficiente físico, portador de uma degeneração cerebelar provocada por uma alteração no sistema nervoso central. Esta é uma doença genética e rara que afeta o sistema

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA 2.1 PROGRAMA BOLSA ESCOLA DA FAMILIA (*) As Faculdades da UNIESP, em parceria com o Governo do Estado de São

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

Ser voluntário #issomudaomundo. Voluntariado. Cabe na sua vida. NOTÍCIAS. Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão

Ser voluntário #issomudaomundo. Voluntariado. Cabe na sua vida. NOTÍCIAS. Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão NOTÍCIAS Ciclos fortalecidos em 2014 e novos ciclos que virão Mobilizar e ampliar de forma estruturada. Esse foi o propósito da ação voluntária Estudar Vale a Pena, que em cinco anos de atuação impactou

Leia mais