Guia de Codificação para Livros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Codificação para Livros"

Transcrição

1 Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor editorial. Estas diretrizes destinam-se a fornecer um meio efetivo de captura de dados através de código de barras em todos os estágios do processo de editoração, impressão, despacho, distribuição, armazenagem, atacado, varejo e devoluções de livros e periódicos. A captura óptica do código de barras, já provou ser um dos métodos mais rápidos e precisos disponíveis para a entrada de dados em um computador, podendo ser facilmente reproduzida e realizada utilizando um equipamento de relativo baixo custo. Quando combinados com o comércio eletrônico efetivo dentro do setor editorial, os códigos de barras possuem uma ampla gama de usos potenciais, incluindo a seleção de pedidos, recebimento, consolidação do frete, despacho e controle de estoque dos produtos. Todas essas aplicações oferecem significativas oportunidades de melhoria da produtividade de uma ponta a outra dos canais de distribuição Escopo do Sistema GS1 no setor editorial O Sistema GS1 é um sistema global que permite a identificação e comunicação de produtos, serviços, unidades logísticas, ativos e locais. Este Sistema é gerenciado pela GS1 Global, através de uma rede de organizações nacionais, que desenvolvem e mantêm um padrão global e multissetorial. Os números de identificação podem ser representados por meio de símbolos de código de barras para possibilitar a leitura eletrônica (óptica) no ponto-de-venda, no recebimento, nos depósitos ou em qualquer outra etapa em que seja necessária a captura de dados nos processos de negócios. Os códigos de barras, geralmente, são aplicados nos processos de produção / impressão podendo ser impressos juntamente com outras informações na embalagem, ou ainda aplicados por meio de uma etiqueta afixada no item. Neste material você aprenderá como transformar os números de identificação licenciados pela GS1 Brasil, ISBN ou ISSN em código de barras e como aplicá-los em seus produtos / publicações ISBN (International Standard Book Number) O ISBN- International Standard Book Number, é um sistema internacional que identifica numericamente livros segundo o título, autor, país e editora, individualizando-os, inclusive, por edição - é também utilizado para identificar softwares.

2 O Sistema ISBN baseia-se na ISO 2108, 'International Standard Book Numbering'. O objetivo dessa norma internacional é coordenar e normatizar o uso de números identificadores para que cada número ISBN seja exclusivo internacionalmente Este sistema é administrado pela 'International ISBN Agency ( No Brasil, o ISBN é administrado e concedido pela Fundação Biblioteca Nacional ( ISSN (International Standard Serial Number) O ISSN - International Standard Serial Number é um sistema internacional que identifica numericamente publicações seriadas e editadas em fascículos numerados cronológica e/ou sequencialmente, sem data prevista de término, podendo ser impressa ou eletrônica. No Brasil, as numerações ISSN são concedidas e administradas pelo Centro Brasileiro do ISSN - IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia ( sendo este totalmente independente das Organizações Membro GS1. 2. Identificação de Livros e Periódicos 2.1 Introdução Livros e publicações como revistas e jornais são geralmente comercializados em bancas, lojas especializadas, supermercados, entre outros, sendo o código de barras um requisito fundamental para identificação das publicações possibilitando a gestão eficiente e precisa do estoque e a automação dos processos logísticos, administrativos e comerciais. As publicações vendidas ao varejo devem ser identificadas com um Número Global de Item Comercial (GTIN), representado em um símbolo de código de barras EAN Opções de Numeração As empresas devem optar por identificar suas publicações utilizando um Número Global de Item Comercial (GTIN) ou converter uma numeração ISBN ou ISSN atribuída à publicação em código de barras Número Global de Item Comercial (GTIN) Todas as publicações poderão receber um Número Global de Item Comercial (GTIN) licenciado pela GS1 Brasil à editora responsável pela publicação. A editora deverá identificar cada publicação com uma numeração exclusiva e representá-las em códigos de barras EAN-13. Os GTINs são atribuídos pela GS1 para a editora responsável pela publicação e são compostos por um Prefixo GS1 de Identificação da Empresa fornecido pela GS1, Referência do Item criado pela editora e um Dígito Verificador calculado em função da combinação das numerações anteriores. Recomenda-se que a atribuição da referência de item seja seqüencial e crescente, sem nenhuma classificação de dígitos.

3 Veja abaixo um exemplo de estrutura do GTIN-13: Prefixo GS1 de Empresa Referência do Item Dígito Verificador N1, N2, N3, N4, N5, N6, N7, N8, N9, N10 N11, N12 N13 N = número ISBN representado em um GTIN-13 Os livros com um ISBN atribuído poderão ser identificados com código de barras por meio da conversão do ISBN para um GTIN-13, conforme mostrado a seguir. Esta numeração deverá ser posteriormente representada em formato de código de barras EAN-13. Neste caso o Prefixo GS1 "978" deverá ser utilizado no início da numeração. Veja abaixo um exemplo da composição da estrutura GTIN-13 utilizando como base um ISBN: Prefixo GS1 para uso com ISBN Números ISBN (sem o dígito verificador do ISBN) Dígito Verificador N4, N5, N6, N7, N8, N9, N10, N11, N12 N13 N = número O código ISBN de 10 dígitos é convertido para um GTIN-13 da seguinte maneira: O novo código (GTIN-13) deve iniciar com os números 978 Acrescentam-se os nove primeiros dígitos do ISBN, sem os hífens, e Calcula-se o dígito verificador (13º dígito) o Exemplo: ISBN convertido para GTIN-13 " " NOTA: 1 Para o cálculo automático do dígito verificador faça download do software SGN/TPNQ disponível no Centro de Serviços da GS1 Brasil na internet através do site ISSN representado em um GTIN-13 As publicações seriadas com um ISSN atribuído poderão ser identificadas com código de barras por meio da conversão do ISSN para um GTIN-13, conforme mostraremos a seguir. Esta numeração deve ser posteriormente representada em formato de código de barras EAN-13. Neste caso o Prefixo GS1 "977" deverá ser utilizado no início da numeração.

4 Veja abaixo um exemplo da composição da estrutura GTIN-13 utilizando como base um ISBN: Prefixo GS1 para uso com ISSN Números ISSN (sem o dígito verificador do ISSN) Variante 1 Dígito Verificador N4, N5, N6, N7, N8, N9, N10, N11, N12 N13 NOTAS: 1 Os dígitos Variantes N11 e N12 poderão ser utilizados para expressar variações de uma publicação de mesmo título, mas alguma diferença comercial como preço diferente; ou identificar uma remessa especial de um jornal em determinada semana. Na maioria dos casos, ou seja, em situação regular, aplicam-se os dígitos 00 para preencher esses campos - forma mais frequente, já que as empresas optam pelo uso dos códigos adendos. 2 Para o cálculo automático do dígito verificador faça download do software SGN/TPNQ disponível no Centro de Serviços da GS1 Brasil na internet pelo site Codificação de Informações Complementares Edições/Série Após receber uma identificação, livros e publicações também podem identificar informações adicionais (numéricas) como o número da edição ou série. Para isto é necessária a utilização de código adendo / complementar de 2 ou 5 dígitos. É de responsabilidade da editora definir o conteúdo da codificação deste código que normalmente representa a edição e/ou número de série da publicação. O código adendo deve ser aplicado juntamente com o símbolo do código de barras EAN-13 principal aquele que faz a identificação da publicação. Ele nunca é capturado pelo scanner sozinho. Os dados de ambos os símbolos de código de barras serão sempre processados juntos. Exemplos de códigos de barras com adendos de 5 e 2 dígitos:

5 Importante: No Brasil, o código Adendo geralmente indica a edição / número de série de uma publicação e não deve ser utilizado para indicar preço. Em alguns países ou regiões pode existir uma estrutura específica para este código. Consulte sempre a GS1 do país onde a publicação será comercializada para saber sobre regras específicas sobre a estrutura dessas informações complementares. 2.4 Utilização do GTIN pelos sistemas de automação É importante que os sistemas/aplicativos de automação comercial e logística processem o GTIN por completo. Há vários motivos para isso: 1. A identificação do produto é um número exclusivo; qualquer divisão deste número em partes ou a redução do número, na verdade, o modificará gerando risco de duplicação. 2. O número completo geralmente é usado no processo de pedido e, como tal, precisa ser mantido inteiro. 3. Muitos livreiros também vendem outros produtos que não sejam livros (ex.: camisetas, alimentos tais como o chá, canecas, brinquedos de pelúcia, etc.). Os itens que não são livros também estão adequadamente identificados com um GTIN. O ponto-de-venda e os sistemas de estoque do livreiro precisam ser capazes de processar esses itens/produtos que não são livros. 4. Por fim, o banco de dados de produtos de todos os membros da cadeia de suprimentos (editoras, distribuidoras, gráficas, atacadistas e varejistas) deve ser construído para levar em conta um campo de 14 posições que acomode todos os números de identificação de produto do GTIN. 2.5 Informações Técnicas Para garantir que o código impresso seja lido facilmente pelos leitores ópticos, é necessário atender a uma série de parâmetros técnicos e de qualidade definidos nos padrões internacionais do Sistema GS1 e ISO. Estes parâmetros são descritos no Manual do Usuário do Sistema GS1, disponível na biblioteca virtual do Centro de Serviços da GS1 Brasil. Visite: Os parâmetros de qualidade específicos para o setor editorial estão relacionados abaixo: Localização o código de barras deve aparecer na quarta capa dos livros, no canto inferior direito. O código não deve estar a menos de 8 mm ou a mais de 102 mm das bordas. Caso seja usado um código complementar ou "adendo", este deve localizar-se à direita do código principal, que contém o GTIN e paralelo ao mesmo Magnitude (tamanho) - a magnitude dos códigos EAN/UPC varia entre 80% e 200%. O tamanho ideal é de 100% cujas medidas são: Largura 37,29mm x Altura 25,91mm. A magnitude do símbolo adendo deve ser igual à magnitude do símbolo principal (o de 13 dígitos).

6 Exemplo de Localização:

7 a) Quando o jornal for exposto a venda com toda a capa, o código de barras deverá ser impresso no canto inferior direito do verso, próximo às bordas, mantendo as especificações de distância. b) Nas revistas, os códigos de barras devem estar na parte inferior esquerda da capa, respeitando as margens claras do símbolo. 3. Identificação de Agrupamentos - Itens Comerciais 3.1 Introdução Quando livros e publicações são vendidos como um grupo, esse grupo deve ser considerado como um item comercial e, portanto, deve ser identificado como tal com um GTIN-13 e código de barras EAN-13. Caso os agrupamentos sejam usados apenas com fins de transporte e/ou armazenagem, mas não comercializados pelo varejo direto ao consumidor final, eles serão considerados "Unidades Logísticas" neste caso poderão ser identificados com outros códigos como o ITF-14 e GS1-128.

8 3.2 Agrupamentos uniformes Quando uma editora cria um grupo padronizado e estável de livros idênticos (por exemplo, uma caixa com 24 livros) com fins comerciais, este deve ser identificado e codificado. As editoras podem identificar tais agrupamentos com um número GTIN-13 ou GTIN-14, baseados na estrutura de números, que identifica os livros contidos, ou ainda uma nova numeração. Veja os exemplos abaixo: Os indicadores de 1 a 8 são atribuídos pela editora que constrói o número de identificação. Eles podem proporcionar até 8 números GTIN-14 diferentes para identificar caixas, que contenham quantidades diferentes de livros com o mesmo título. O indicador é seguido pelo GTIN do livro sem seu dígito verificador que deve ser recalculado. 3.3 Agrupamentos mistos de livros e publicações Um agrupamento misto de livros pode ser um agrupamento padrão e estável de uma série de livros e publicações diferentes identificados por distintos números GTIN-13. Este agrupamento misto, que sempre representa a mesma combinação e quantidade de livros e/ou publicações, deve ser identificado com um número GTIN-13. Esse tipo de agrupamento exige o uso de um 'Prefixo GS1 de Empresa', porque não se trata de um 'Livro' com um determinado título, e sim de um 'Produto', correspondente a um kit contendo vários livros. Veja abaixo um exemplo de estrutura do GTIN-13: Prefixo GS1 de Empresa Referência do Item Dígito Verificador N1, N2, N3, N4, N5, N6, N7, N8, N9, N10 N11, N12 N13 N = número

9 3.4. Agrupamentos de quantidade variável Entende-se como agrupamentos variáveis caixas que contenham um conjunto fixo de livros/publicações nas quais as quantidades variam de caixa para caixa. Se esse agrupamento variável também for comercializado, ele deve ser identificado por um número GTIN-14 iniciado pelo indicador "9" (o indicador 9 denota itens comerciais de medida variável). Essas informações devem ser completadas pela quantidade de livros na caixa. Adicionalmente, o peso bruto da caixa pode ser acrescentado, caso seja necessário. Estes dados poderão ser representados pelo código de barras ITF-14 ou GS1-128, através dos AIs - Identificadores de Aplicação. Veja abaixo um exemplo de estrutura do GTIN-14 para embalagens de quantidade variável: 4. Identificação de Unidades Logísticas Unidades logísticas são itens de qualquer composição, estabelecidos para o transporte e/ou armazenagem, que precisam ser gerenciados pela cadeia de suprimento. O requisito para unidades logísticas é que estas sejam identificadas com um número de identificação, conhecido como Código de Série de Unidade Logística (Serial Shipping Container Code) - SSCC. A construção do SSCC garante que as unidades logísticas sejam identificadas com um número exclusivo em todo o mundo. O SSCC é requisito obrigatório na Etiqueta Logística GS1. Ele é estruturado por um "dígito de extensão" + "o Prefixo GS1 de Empresa" + "numeração seqüencial da unidade logística" + "dígito verificador" totalizando 18 dígitos. Veja abaixo um exemplo da estrutura do SSCC: O SSCC pode ser usado por todas as partes que compõem a cadeia de suprimentos como número de referência para as informações de rastreabilidade. Ele deve ser codificado por meio do uso do código de barras GS1-128 por meio do uso de Identificadores de Aplicação Ais que indicam o significado e o formato dos dados.

10 Além de representar o SSCC o código GS1-128 possui outros AIs que codificam informações adicionais sobre o produto, como: Quantidade, Peso Bruto, Informações Combinadas entre Parceiros dentre outros. São mais de 100 informações diferentes que podem ser representadas em um único código de barras ou em Etiquetas Logísticas GS1, como mostrado abaixo: Para obter a lista completa de AIs e detalhamento técnico do código GS1-128, consulte o Encarte Técnico GS1-128 no Centro de Serviços da GS1 Brasil no Para mais informações, visite o Centro de Serviços da GS1 Brasil na internet: GS1 Brasil. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem a prévia autorização da GS1 Brasil, Associação Brasileira de Automação.

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil CÓDIGO DE BARRAS Objetivos Entender os passos necessários para adoção da tecnologia de código de barras nos itens comerciais, na identificação de pallets, na identificação de endereços, etc. Adoção do

Leia mais

Webinar Pergunte ao especialista.

Webinar Pergunte ao especialista. Webinar Pergunte ao especialista. Código de Barras: Entenda, crie e gerencie a identificação do seu produto. Edson Matos 26/02/2015 Padrões GS1 que serão abordados Webinar Para fazer perguntas coloque:

Leia mais

Código de Barras ISSN

Código de Barras ISSN Código de Barras ISSN Escrito por: Eng. Luciano T.Junior O Código ISSN...3 O que o Número ISSN Representa?... 3 O Código de Barras ISSN...4 Código de Barras Adicionais... 4 Outras Informações...6 O LinhaBase

Leia mais

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação O que são padrões? São acordos que estruturam qualquer atividade ou setor da economia. São regras ou guias que todos aplicam. Ou uma forma de medição, descrição,

Leia mais

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 Como gerar seu Código de Barras Produtos e Soluções GS1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 GS1 Brasil A GS1 Brasil Associação Brasileira

Leia mais

1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem

1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem 1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem obter um ISSN para suas publicações? 6) Qual o endereço

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos Código: PT-130517 Módulo: PRODUTOS Data: 17/05/2013 Revisão: 17/05/2013 Assunto: Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos GTIN - "Global Trade Item Number" Número Global de Item Comercial na Nota

Leia mais

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2 Conhecendo o GLN Número Global de Localização Volume 2 Conhecendo o GLN O material Conhecendo o GLN tem como objetivo integrar a sua empresa, de forma ainda mais eficiente, à cadeia de suprimentos. Além

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil CÓDIGO DE BARRAS Objetivos Entender a tecnologia do código de barras Entender os padrões existentes e quais as suas adoções Entender os passos necessários para adoção da tecnologia de código de barras

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

Brasil Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Como gerar seu Código de Barras

Brasil Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Como gerar seu Código de Barras Brasil Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Como gerar seu Código de Barras Passo a passo de como gerar o seu Código de Barras Sua empresa acabou de se filiar à GS1 Brasil, consequentemente

Leia mais

Volume 8 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO

Volume 8 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO Volume 8 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO Esta edição do Caderno Eficiência descreve as principais funcionalidades, benefícios e características do CADASTRO NACIONAL DE PRODUTOS, nova ferramenta on-line

Leia mais

Afinal o que é Código de Barras DUN 14?

Afinal o que é Código de Barras DUN 14? Afinal o que é Código de Barras DUN 14? Escrito por: Eng. Luciano T.Junior O que é DUN 14?...3 Considerações sobre o DUN 14...4 Como é o código de barras DUN 14?...5 Produtos e Serviços LinhaBase para

Leia mais

GS1 Contributo para uma Classificação Global

GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Portugal e o Sistema GS1 1ª Reunião da Rede Portuguesa sobre Composição dos Alimentos Projecto PortFIR 16 Dezembro 2008 Agenda Quem somos Sistema GS1 Quem

Leia mais

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço 1 Como varejistas, estamos sempre a procura de formas para melhorar a experiência de compra dos clientes. Tendo como base os últimos 25 anos do Sistema

Leia mais

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil

Rastreabilidade a Prática. Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil 1 Rastreabilidade a Prática Amanda Prado - Itaueira Flávia Ponte - GS1 Brasil O que é Rastreabilidade? É a capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou item)

Leia mais

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero

Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho. Ana Paula Vendramini Maniero Eficiência de Padrões na Cadeia Produtiva do Vinho Ana Paula Vendramini Maniero A importância de padrões Calçados e tomadas são apenas dois exemplos simples Sem padrões, processos de negócios seriam muito

Leia mais

ISBN ISBN. Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação.

ISBN ISBN. Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação. ISBN Manual de instruções, preenchimento das guias e documentação. O QUE É? International Standard Book Number - É um sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o

Leia mais

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA

ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - PA ANO XXII - 2011-2ª SEMANA DE JUNHO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 24/2011 ASSUNTOS DIVERSOS SISTEMA EAN - IMPLANTAÇÃO Introdução - Conceitos Básicos - Utilização do Código de Barras no Brasil - Objetivo

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

Passo a Passo para a Aplicação dos Códigos de Barras EAN UCC

Passo a Passo para a Aplicação dos Códigos de Barras EAN UCC EAN UCC 1 2 MANUAL DO USUÁRIO Passo a Passo para a Aplicação dos Códigos de Barras EAN UCC Pode-se dividir a aplicação do código de barras EAN UCC em etapas distintas: 1 a Etapa: Estruturar as numerações

Leia mais

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242)

APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS GS1-128 CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÃO (RESOLUÇÃO 242) O código de barras adotado pela resolução n.º 242 é o GS1-128, um código reconhecido mundialmente,

Leia mais

Brasil. Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Manual do Usuário do Sistema GS1

Brasil. Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Manual do Usuário do Sistema GS1 Brasil Pensou em código de barras. Pensou GS1 Brasil. Manual do Usuário do Sistema GS1 Manual do Usuário do Sistema GS1 Passo a Passo para a Aplicação dos Códigos de Barras EAN/UPC Pode-se dividir a aplicação

Leia mais

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico.

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico. OHá endereçamento muitas particularidades de estoque que éenvolvem uma forma o de identificar onde cadastro um de produto produtos estáno localizado comércio dentro eletrônico, de umque armazém, almoxarifado

Leia mais

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128 Rastreabilidade Sistema EAN UCC 128 Enquadramento Legal Caracterização Objectivos Rastreabilidade Procedimentos - Etiquetagem Enquadramento legal Regulamento (CE) nº 178/2002, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Conhecendo o Código de Barras Volume 1

Conhecendo o Código de Barras Volume 1 Conhecendo o Código de Barras Volume 1 Conhecendo o Código de Barras O material Conhecendo o Código de Barras tem como objetivo integrar a sua empresa, de forma ainda mais eficiente, à cadeia de suprimentos.

Leia mais

Manual para solicitação do número do ISBN

Manual para solicitação do número do ISBN Manual para solicitação do número do ISBN Luciana Pizzani Rosemary Cristina da Silva Divisão Técnica de Biblioteca e Documentação Unesp Campus de Botucatu 2015 ISBN International Standard Book Number -

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Construindo pontes entre diversos parceiros da cadeia de distribuição Qual

Leia mais

FKcorreios - Geração 2

FKcorreios - Geração 2 FKcorreios - Geração 2 Instalação do módulo Faça o download do arquivo FKcorreiosg2.zip, salvando-o em uma pasta em seu computador. Entre na área administrativa de sua loja: Entre no menu Módulos/Módulos.

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

Guia prático para gerar

Guia prático para gerar Guia prático para gerar Código de Barras e QR Code Aprenda como fazer códigos de barras em Word, Excel, Coreldraw e como produzir um QR Code. 1 O que é um Código de Barras? O código de barras UPC (em inglês

Leia mais

Portal de Periódicos Capes

Portal de Periódicos Capes Portal de Periódicos Capes www.periodicos.capes.gov.br/ O que é o Portal de Periódicos? A maior biblioteca virtual de informação científica do mundo: Mais de 36.000 títulos de revistas acadêmicas (periódicos)

Leia mais

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira The global language of business Standards Globais Desempenham um importante papel

Leia mais

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010

RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 RASTREABILIDADE - RDC 59/2009 e IN 01/2010 Logística Curso Formação de Auditores para a Cadeia Industrial Farmacêutica 2 Sobre o Docente Programação SONJA HELENA MADEIRA MACEDO Graduada em Farmácia-Bioquímica

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org 1 www.gs1pt.org índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA EAN UCC... 6 2.1 ÁREAS DE APLICAÇÃO... 6 2.2 IDENTIFICAÇÃO NUMÉRICA EAN UCC... 6 GTIN NÚMERO GLOBAL DE ITEM COMERCIAL...

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

ÍNDICE. Armazenamento dos rolos 04. Separação de cortes 05. Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada

ÍNDICE. Armazenamento dos rolos 04. Separação de cortes 05. Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada ÍNDICE Armazenamento dos rolos 04 Separação de cortes 05 Qualidade da peça confeccionada 06 Diferença de tonalidade na peça confeccionada Padrões Tear Têxtil 07 Composição Largura total Peso Classificação

Leia mais

Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL. Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378

Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL. Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378 Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378 Power Point Código de barras Utilização Facilidades Técnologia Podemos ficar ricos

Leia mais

GS1. Um sistema de padrões que gera valor. 30 de Novembro 2012 10h00. Wilson José da Cruz Silva wilson.cruz@gs1br.

GS1. Um sistema de padrões que gera valor. 30 de Novembro 2012 10h00. Wilson José da Cruz Silva wilson.cruz@gs1br. GS1 Um sistema de padrões que gera valor 30 de Novembro 2012 10h00 Wilson José da Cruz Silva wilson.cruz@gs1br.org (11) 3068-6249 2 3 O conceito EPC Necessidade básica: Identificar 4 EPC como meio de identificação

Leia mais

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue

Rastreabilidade e Autenticidade de. Ricardo Yugue Rastreabilidade e Autenticidade de Medicamentos Ricardo Yugue O Conceito de Rastreabilidade Rastreabilidade éa capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização de uma entidade (ou

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO

ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO ANEXO I CONCEITOS DE INOVAÇÃO O requisito mínimo para se definir uma inovação é a introdução de novos elementos/instrumentos nos processos produtivos, de gestão ou comerciais, que favoreçam a melhor participação

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Controle do Arquivo Técnico

Controle do Arquivo Técnico Controle do Arquivo Técnico Os documentos existentes de forma física (papel) no escritório devem ser guardados em pastas (normalmente pastas suspensas) localizadas no Arquivo Técnico. Este Arquivo pode

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

ABNT NBR 10525 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Número Padrão Internacional para Publicação Seriada ISSN

ABNT NBR 10525 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Número Padrão Internacional para Publicação Seriada ISSN NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 10525 Segunda edição 30.03.2005 Válida a partir de 29.04.2005 Informação e documentação Número Padrão Internacional para Publicação Seriada ISSN Information and documentation

Leia mais

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007 Todos os direitos reservados 2006/2007 Índice 1. Descrição 3 2. Instalação 3 3. Configurações 4 4. Usando arquivo texto delimitado 5 5. Usando arquivo texto com posições fixas 7 6. Usando uma conexão MySQL

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Módulo NF-e. Manual de Utilização

Módulo NF-e. Manual de Utilização Módulo NF-e Manual de Utilização 1 Conteúdo Passo-a-passo para emissão de NF-e... 3 1. Obtendo seu Certificado Digital... 3 2. Registrando-se na Secretaria da Fazenda para Homologação (testes)... 4 3.

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

Regras de Alocação do GTIN para o Setor da Saúde

Regras de Alocação do GTIN para o Setor da Saúde Regras de Alocação do GTIN para o Setor da Saúde 03 Outubro 2007, Final Todos os direitos reservados a GS1 2007 1 Resumo do documento Item do documento Valor Atual Título do documento Regras de Alocação

Leia mais

1.2 EAN-13, EAN-14 (DUN-14)

1.2 EAN-13, EAN-14 (DUN-14) Manual de Referência Versão 1.2 EAN-13, EAN-14 (DUN-14) e EAN-8, Revisão 1.2.00 06/2011 STSPrint Barcode - Copyright 1996-2011 GESTÃO DE SISTEMAS DE CÓDIGO DE BARRAS DO BRASIL LTDA. Página 2 Marcas e Empresas

Leia mais

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar Dell Premier Guia de Compras e Pedidos A Dell Premier é o seu próprio site de suporte e compras seguro e personalizado, que permite um processo de compra fácil, eficiente e econômico. Examine este Guia

Leia mais

GUIA PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

GUIA PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO GUIA PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Apresentação Como forma de orientar nossos alunos na realização das atividades de pesquisa enviadas para casa ou realizadas em equipe

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta

Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Rastreabilidade de medicamentos - dentro e fora do hospital - Nilson Gonçalves Malta Hospital Israelita Albert Einstein Abril 2015 Requisitos para rastreabilidade Códigos de barras em todos os produtos

Leia mais

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo :

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo : Capítulo 9 Custos 166 CUSTOS INSERINDO CUSTO FIXO AO PROJETO O custo total do projeto é o custo total de recurso somado ao custo total de custos fixos. O custo com recurso já é computado quando alocamos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Manual do sistema Lojamix PDV

Manual do sistema Lojamix PDV Manual do sistema Lojamix PDV Versão 1.10 Data da última atualização 07/11/2011 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...3 LISTA DE Siglas...4 Primeiros passos...5 Acessando o ambiente de configuração...5 Acessando

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário Cadastramento de Computadores Manual do Usuário Setembro 2008 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Conhecendo a solução...03 Segurança pela identificação da máquina...03 2. ADERINDO À SOLUÇÃO e CADASTRANDO COMPUTADORES

Leia mais

Encarte Técnico GS1-128

Encarte Técnico GS1-128 Encarte Técnico GS1-128 1. Introdução O Sistema GS1 é composto pelas seguintes bases: Sistema de numeração, que inclui o GTIN (Número Global de Item Comercial), o SSCC (Código de Série de Unidade Logística),

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais 1. Introdução Este documento tem por objetivo explicar o Portal Nacional do Setor Calçadista para a Otimização Logística. Do portal passamos para o detalhamento do funcionamento do aplicativo cliente disponibilizado

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais

Ponto pra Você e Dotz

Ponto pra Você e Dotz Ponto pra Você e Dotz O Ponto pra Você mudou para melhor.... 2 Mudanças no Programa Ponto pra Você... 3 O que é o Programa Dotz?... 3 Como participar do Programa Dotz...... 3 Cadastro no Programa Dotz...

Leia mais

HP Mobile Printing para Pocket PC

HP Mobile Printing para Pocket PC HP Mobile Printing para Pocket PC Guia de Iniciação Rápida O HP Mobile Printing para Pocket PC permite imprimir mensagens de e-mail, anexos e arquivos em uma impressora Bluetooth, de infravermelho ou de

Leia mais

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário Cadastramento de Computadores Manual do Usuário Agosto 2006 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Conhecendo a solução...03 Segurança pela identificação da máquina...03 2. ADERINDO À SOLUÇÃO e CADASTRANDO COMPUTADORES

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

Tivoli Self-Service TerminalManager-NotassobreoRelease

Tivoli Self-Service TerminalManager-NotassobreoRelease Tivoli Self-Service TerminalManager-NotassobreoRelease Versão 1.0 Tivoli Self-Service TerminalManager-NotassobreoRelease Versão 1.0 Tivoli Self-Service Terminal Manager - Notas sobre o Release Aviso sobre

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA

MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA MANUAL IMSLV - PETSHOP SGI L&V O SISTEMA Este manual visa fornecer instruções detalhadas das telas e processos do sistema de gestão integrado L&V, incluindo os módulos Comercial, Estoque, Vendas e PetShop.

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014 TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS entrada em vigor 01/01/2014 ÍNDICE TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS 01 ADMISSÃO À GS1 PORTUGAL JÓia Quota Anual Condições Comerciais 02 PRODUTOS GS1 PORTUGAL

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais