Autoria: Antônio Luiz Marques, Lúcio Flávio Renault de Moraes Resumo. Palavras-chave: treinamento, qualidade de vida, estresse no trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Antônio Luiz Marques, Lúcio Flávio Renault de Moraes Resumo. Palavras-chave: treinamento, qualidade de vida, estresse no trabalho"

Transcrição

1 Desenvolvimento Gerencial através de Cursos de Longa Duração: um estudo sobre a percepção de eficácia dos cursos de MBA e suas relações com a qualidade de vida e estresse no trabalho Autoria: Antônio Luiz Marques, Lúcio Flávio Renault de Moraes Resumo Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa patrocinada pelo PRONEX, cujo objetivo é estudar as relações entre qualidade de vida e estresse no trabalho e a percepção da eficácia dos programas de treinamento de longa duração como os de pós-graduação Lato-Sensu. Para o estudo, foi utilizado o modelo de avaliação da qualidade de vida no Trabalho (QVT) de Hackman e Oldham e o de avaliação de estresse de Cooper et al. (1988). Para avaliação da eficácia do treinamento utilizou-se o modelo de Borges-Andrade (1999a e 1999b). A pesquisa envolveu uma população de 493 alunos de um curso de Pós-Graduação Lato-Sensu de uma grande instituição federal de ensino superior, da qual foi extraída uma amostra de 253 participantes. A análise dos dados envolveu análise de conglomerado, correlação de Pearson, análise de variância e o teste qui-quadrado. Os resultados indicaram que os alunos com percepção de melhor qualidade de vida são também os que tiveram uma percepção de maior eficácia dos cursos que freqüentaram. Entretanto, quando analisada a relação entre estresse e treinamento não se constatou diferenças significativas entre os dois grupos pesquisados. Os resultados sugerem que alunos para os quais os cursos são mais eficazes conseguem gerenciar melhor as variáveis relacionadas à sua qualidade de vida e fontes de pressão no trabalho. Palavras-chave: treinamento, qualidade de vida, estresse no trabalho 1. Introdução No intuito de acompanhar as grandes mudanças do mundo contemporâneo, as pessoas precisam ser treinadas e educadas, para estarem aptas a acompanharem e contribuírem para a evolução crescente das organizações. Nesse sentido, o potencial do treinamento e desenvolvimento das capacidades humanas, surge no intuito de contribuir para melhorar os níveis de Qualidade de Vida dos indivíduos, sobretudo em relação ao contexto de trabalho, com conseqüência positiva nos níveis de produtividade das organizações. Contudo, deve-se considerar que o treinamento pode afetar a integridade psíquica dos indivíduos, ocasionando níveis elevados de pressão e a conseqüente manifestação de quadros de estresse. Assim, faz-se relevante uma maior compreensão das implicações da variável Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal sobre a Qualidade de Vida e Estresse no trabalho, principalmente ao considerar que as abordagens de QVT - Qualidade de Vida no Trabalho apresentam importantes alternativas em relação à satisfação no ambiente de trabalho, ao contribuírem com propostas de reestruturação direcionadas ao enriquecimento do conteúdo, humanização e maior adequação às características individuais, bem como ao contexto em que são executadas. 2 Treinamento e Empregabilidade 1

2 A literatura assume que treinamento é o conjunto de métodos usados para transmitir aos funcionários novos e antigos as habilidades necessárias para o desempenho do trabalho. O treinamento foi inicialmente entendido como um método centrado no ensino de habilidades técnicas, largamente influenciado pela abordagem taylorista e fordista de produção. Mais recentemente, o treinamento passou a significar também educação complementar, que possa fornecer suporte aos trabalhadores na solução de problemas complexos do ambiente empresarial (WILEY, 1993). A premissa de que o capital educacional do trabalhador pode aumentar sua empregabilidade, traduzida em maiores oportunidades e estabilidade no emprego e melhor remuneração, tem levado uma multidão de profissionais e gerentes a procurarem programas de treinamento de longa duração, como os chamados programas de MBA s, como forma de sobrevivência no mercado. Embora o conceito de empregabilidade precise ser ampliado e consolidado, Cardoso et alli (1997:12) definem empregabilidade como capacidade de preservar a ocupação atual num ambiente de mudanças de requisitos e de transformação constante do perfil dos trabalhadores. A empregabilidade vem sendo associada à questão do treinamento e desenvolvimento profissional, envolvendo a educação formal, à capacidade de aprender e de apreender permanentemente, bem como a necessidade de elevar o patamar de atitudes como iniciativa, autonomia e versatilidade. Esses seriam requisitos fundamentais para a inserção e a sobrevivência no mercado de trabalho. Incorporada pelo meio empresarial, o conceito de empregabilidade vem forçando uma grande massa de executivos de todos os seguimentos empresariais a investirem significativa soma de recursos próprios e tempo na sua qualificação profissional. Desamparados pela ideologia de que a empregabilidade e o desenvolvimento de carreira depende mais do indivíduo do que da empresa, esses profissionais são levados a um aumento de desgaste pessoal, além das extensas horas de trabalho, para freqüentar cursos, administrar as relações sociais e familiares e cumprir com as tarefas acadêmicas. Diante desse contexto, surge a inquietação de se saber até que ponto, a participação em programas de qualificação de longa duração como os de MBA s, tem contribuído para melhorar ou piorar a percepção dos alunos, a respeito de sua qualidade de vida e estresse no trabalho. Neste sentido, o treinamento e a educação trariam resultados positivos para os indivíduos. Segundo Fontes (1975), treinamento é o processo de desenvolvimento das aptidões do indivíduo para a execução de uma determinada tarefa. Envolve a modificação de seus conhecimentos, habilidades, atitudes, tendo em vista determinados objetivos. Assim, poderíamos assumir que um indivíduo bem treinado teria sua empregabilidade aumentada. Para Borges-Andrade (1999), o treinamento se torna eficiente apenas nos casos em que há: utilização do que foi aprendido; aplicação nos casos oportunos; diminuição de erros, qualidade; fixação do conteúdo; motivação, autoconfiança; mudanças no trabalho; disseminação no local de trabalho. 2

3 O treinamento pode ser estudado através de um prisma mais crítico, que permite identificar algumas influências que compõem e direcionam os resultados propostos, como por exemplo: o treinamento como resultante ou reflexo da estrutura de poder vigente na organização; o condicionamento pela cultura organizacional e a presença de seu caráter ideológico. Na visão de Roux (1983), referindo-se ao contexto taylorista de produção, o que prevalece é a adaptação do treinamento à função, o qual é definido previamente segundo os interesses da organização. A especialização pode tornar o empregado mais eficiente, mas ela limitará seu potencial de criação. No contexto empresarial atual, existem outras formas de estruturação do trabalho e da produção que requerem do trabalhador outras formas de atuação e de treinamento mais ampliadas que aquelas apontadas por Roux. A reestruturação das empresas, segundo os princípios do downsizing e da reengenharia, ampliaram o escopo de atuação de profissionais e gerentes nas grandes organizações (WORRAL et all. 2000). Com isso, competências e habilidades mais ampliadas entraram no leque de demandas para o exercício dessas funções. 2.1 Treinamento e Desenvolvimento Gerencial através de Cursos de Longa Duração Desenvolvimento gerencial é a tentativa de melhorar o desempenho de gerentes através novos conhecimentos, mudanças de atitudes ou aumento de habilidades. Inclui-se nessas atividades cursos, coaching, rotação de cargos, programas de longa duração como os de MBA executivo (HITT et all., 1994). Nos Estados Unidos, mais de um milhão de gestores participam de programas dessa natureza, anualmente (DERSLER, 2003:150). Também no Brasil, a procura por treinamento e desenvolvimento de profissionais e gerentes através de cursos de longa duração como os de MBA in company, ou abertos em instituições de ensino e centros de treinamento tornou-se uma realidade. Nos últimos 10 anos, este tipo de programa tornou-se um grande mercado para universidades públicas e privadas, tendo em vista a pressão das empresas para reciclar seus gerentes e profissionais. Entretanto, só recentemente o interesse por avaliar os impactos desses programas vem ganhando a atenção de pesquisadores em administração. Dissertações, teses e relatórios de pesquisas estão sendo elaboradas e algumas já estão disponíveis nos centros de pesquisa em Administração (MORAES E MARQUES, 2003; OLIVEIRA, 2003; VERGARA, 1999). O treinamento gerencial está relacionado ao aprimoramento dos conhecimentos e das habilidades técnicas do gerente, objetivando o melhor desempenho de suas funções (DRAGO, 1980). O treinamento gerencial objetiva, entre outros aspectos, contribuir para o desenvolvimento das características pessoais, possuindo um impacto maior quando comparado aos treinamentos tradicionais, não somente pela questão temporal, mas também no âmbito pessoal e profissional, à medida que pode afetar os níveis de qualidade de vida e estresse ocupacional. 3. Qualidade de Vida no Trabalho A Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) é um tema facilmente percebido nos estudos do binômio indivíduo-organização e que possui sua importância bastante reconhecida há várias décadas, o que contribuiu para a existência de várias abordagens sobre o tema. Seu grande 3

4 objetivo é melhorar o bem estar do trabalhador, aliado à melhoria do desempenho organizacional. Pode-se dizer que fatores como conscientização de trabalhadores, crescimento do movimento sindical e aumento da responsabilidade social das empresas, impulsionaram os movimentos de QVT a partir da década de 60. É na década de 70, porém, que alguns autores situam o avanço dos estudos nessa área, com o foco voltado para saúde, segurança e satisfação dos trabalhadores, através da organização do trabalho com análise e reestruturação da tarefa. Justificado pelas crises no setor energético e pelo aumento da inflação, porém, surge em meados da década de 70 um certo declínio nos estudos e pesquisas nesta área. É a partir do último ano dessa década que se verifica, alavancada pelas técnicas administrativas japonesas, uma reação ocidental de investimento em desenvolvimento de estudos de QVT. Na atualidade, observa-se uma expressiva preocupação com a disseminação dos princípios da QVT, em empresas de todo o mundo, através da filosofia e métodos que buscam maior satisfação do indivíduo no trabalho, embora os resultados na prática tenham sido tímidos. Tem-se observado, também, uma considerável diversidade nos estudos sobre QVT em decorrência de variações culturais, contextos sócio-políticos e de idiossincrasias de cada autor. Entretanto, essas diferenças se complementam, permitindo uma visão mais abrangente e integrada em relação a esse tema. Analisando as diversas abordagens sobre o tema, Walton (1973) apresenta oito critérios de análise de QVT: compensação justa e adequada, condições de trabalho, uso e desenvolvimento de capacidades, oportunidade de crescimento e segurança, integração social na organização, constitucionalismo, o trabalho e sua relevância social para o indivíduo e o espaço total de vida. Lippitt (1978), por sua vez, agrupa os oito critérios de Walton (1973) em quatro fatores-chave que são o trabalho em si, o indivíduo, a produção do trabalho, as funções e a estrutura da organização. Westley (1979) lista diversos problemas que podem ser obstáculos à QVT e que são agrupados em quatro tipos: políticos, econômicos, psicológicos e sociológicos. Huse e Cummings (1985) pensam em QVT como um processo que envolve o trinômio indivíduo-trabalho-organização, sendo necessário considerar os seguintes fatores: participação dos trabalhadores, projeto de cargo, inovação do sistema de recompensas e melhoria do ambiente organizacional. Davis e Werther (1983) consideram que QVT satisfatória diz respeito a um cargo interessante, desafiador e compensador. Os mesmos autores advertem que, além do cargo, devem ser considerados três níveis: organizacional, ambiental e comportamental. Nadler e Lawler (1983) apontam seis fatores a serem considerados em intervenções de QVT. São eles: a percepção de necessidades, o foco do problema que é destacado da organização, a estrutura para identificação e solução do problema, teoria/modelo de processo de treinamento e participantes, compensações projetadas, tanto para o processo, quanto para os resultados, sistemas múltiplos afetados, e envolvimento amplo da organização. Pode-se citar ainda Thériault (1980) que enfocou no estudo da QVT, a remuneração envolvendo quatro tipos de transações: econômica, psicológica, sociológica, política e ética. 4

5 Na década de 90, Vieira e Hanshiro (1990) apresentam um conceito um pouco mais detalhado, em que Qualidade de Vida no Trabalho é considerada o movimento orientado para a melhoria das condições comportamentais, ambientais e organizacionais de qualquer tipo de função ou nível hierárquico, com o estabelecimento de políticas de recursos humanos que visem humanizar o emprego de forma a satisfazer o empregado e a organização amenizando o conflito capital-trabalho. 3.1 Modelo das Dimensões Básicas da Tarefa O presente estudo, no que se refere à QVT, usou como base teórica o modelo de Hackman e Oldham (1975), que consideram as características da tarefa do indivíduo como viabilizadoras de satisfação através da criação de estados psicológicos críticos. O primeiro destes estados psicológicos é a Relevância Percebida e diz respeito ao grau em que o indivíduo percebe o seu trabalho como importante e significativo. O segundo estado é a Responsabilidade Percebida pelo trabalhador em relação ao seu trabalho, ou seja, o grau em que se sente responsável pelos resultados do trabalho que executa. Em terceiro lugar está o estado que diz respeito ao Conhecimento dos Resultados do Trabalho pelo trabalhador, isto é, o grau com que o indivíduo conhece e entende seu desempenho efetivo na tarefa. A presença desses estados psicológicos é considerada como um indicador de motivação. Segundo os autores, as dimensões da tarefa capazes de criar os estados psicológicos críticos acima citados são: Variedade de Habilidades e Talentos Exigidos na Realização da Atividade; Identidade da Tarefa, ou seja, o nível em que é possível na realização da tarefa, identificar o desenvolvimento de um trabalho completo; Significado da Tarefa, isto é, o grau em que a tarefa impacta a vida ou o trabalho de outras pessoas; Autonomia, liberdade do indivíduo de planejar a forma de realização do trabalho; Feedback Extrínseco decorrente da avaliação do desempenho realizada por terceiros; Feedback Intrínseco, verificado quando a própria atividade fornece ao indivíduo possibilidade de avaliar seu desempenho e Interrelacionamento, que refere-se ao contato com pessoas - colegas, clientes, etc. - na realização das atividades do seu cargo. Esse modelo traz ainda a variável Resultados Pessoais e de Trabalho que se refere à sentimentos decorrentes da realização do trabalho e da geração de resultados. Outra categoria constante do modelo são as Satisfações Contextuais, que avalia a Satisfação com Possibilidade de Crescimento, Supervisão, Segurança no Trabalho, Compensação e Ambiente Social. Existe ainda a variável Necessidade Individual de Crescimento, relacionando características da tarefa e respostas individuais. A partir desse modelo, foi desenvolvido por Hackman e Oldham (1975), o Job Diagnostic Survey, questionário adaptado por Moraes e Kilimnik (1994) e utilizado na presente pesquisa com o objetivo de avaliar as possíveis implicações do Treinamento sobre a Qualidade de Vida no Trabalho dos sujeitos pesquisados, considerando suas abordagens como alternativas relacionadas à satisfação no ambiente de trabalho. 4. Estresse Ocupacional As pressões geradas pelas contínuas transformações atuais tem tornado os indivíduos mais vulneráveis às doenças psicossomáticas e orgânicas. De acordo com Selye (1959), o estresse pode ser definido como o desgaste ocasionado pela inadaptação prolongada do indivíduo às 5

6 exigências do ambiente. Dois aspectos inerentes ao estresse são: o fato de poder ser provocado por diversos fatores, implicando em manifestações variadas e a dependência da capacidade de resposta e da percepção de cada indivíduo. Podendo variar entre uma simples sensação de desconforto e uma total prostração do corpo e da mente, Couto (1987) cita como principais sintomas: o nervosismo, a ansiedade, a irritabilidade, a fadiga, a angústia, a raiva, a depressão, a dor no estômago, nos músculos do pescoço e ombros e dores no peito quando o indivíduo está sob pressão. Esse autor identifica ainda dois tipos de estresse em relação à intensidade das manifestações: o agudo e o crônico. O estresse pode ainda ser distinguido quanto à natureza dos agentes estressores. O estresse de monotonia é decorrente do baixo nível de estimulação do indivíduo, da demanda do ambiente ser inferior à capacidade de resposta. Já o estresse por sobrecarga decorre do nível de estimulação superior à capacidade de adaptação do indivíduo. Na visão de Selye (1959), no que se refere às conseqüências, podem ocorrer: o eustresse, que é uma resposta produtiva do organismo à um estímulo, e o distresse, fenômeno negativo que pode gerar danos ao organismo. O desenvolvimento de um ou de outro estado depende da vulnerabilidade e reação do indivíduo aos estímulos recebidos. Robbins (2002) cita duas características que influenciam essa vulnerabilidade. São elas o Locus de Controle e o Tipo de Personalidade. Esse autor afirma que o Locus de controle consiste na causalidade dada pelo indivíduo aos acontecimentos ao seu redor, que pode ser interna ou externa. O primeiro ocorre quando a pessoa acredita ser responsável pelo que acontece em sua volta. Esse indivíduo considera muito mais suas próprias atitudes como as mais relevantes e acredita mais no seu potencial do que na sorte. São pessoas que normalmente conseguem manter boa saúde apesar de conviverem com elevados índices de pressão. Por sua vez, o indivíduo com Locus de controle externo, acredita e age conforme influências do ambiente, julgando-se incapaz de alterar o meio, responsabilizando o destino ou a sorte pelos acontecimentos. Já a personalidade pode ser do tipo A ou B. Indivíduos que apresentam personalidade do tipo A são competitivos, perfeccionistas e normalmente se ocupam de mais coisas do que são capazes, enquanto os do tipo B, organizam melhor o seu tempo e capacidade, sendo menos competitivos e mais pacientes. Em um ambiente organizacional, os trabalhadores são submetidos à pressões que provocam algum nível de estresse ocasionando um aumento nos níveis de rotatividade, absenteísmo, além de doenças e acidentes de trabalho. A identificação das fontes de pressão no trabalho é fundamental para amenizá-las ou, se possível, erradicá-las. Segundo Cooper et al. (1988), existem seis grandes grupos de agentes estressores no ambiente de trabalho: fatores intrínsecos ao trabalho, papel do indivíduo na organização, relacionamento interpessoal, carreira e realização, estrutura e clima da organização e a interface casa/trabalho. Esses autores desenvolveram um modelo de estudo do estresse que abrange características organizacionais e individuais. Segundo esse modelo, os indivíduos, a partir de seus valores e estruturas - locus de controle e tipo de personalidade - quando são submetidos à ação de 6

7 agentes estressores - fontes de pressão - desenvolvem meios singulares de defesa - mecanismos de combate. O estresse, então, se manifesta quando tais mecanismos não atuam de forma eficiente. Seguindo esse modelo de análise, foi elaborado o OSI - Occupational Stress Indicator - questionário mundialmente utilizado para diagnosticar estresse organizacional, que envolve os seguintes aspectos: saúde física e mental, nível de estresse, de tensão, vulnerabilidade individual e pressões no trabalho. Tanto o modelo quanto o instrumento de Cooper et al. (1988) foram utilizados neste estudo para análise do Estresse Ocupacional na população pesquisada. 5. Metodologia Adotou-se um abordagem avaliativo-descritiva, centrada em técnicas quantitativas. Foi utilizada uma amostra de 253 profissionais de nível superior de diferentes áreas do conhecimento e áreas de atividades, de uma população de 493 alunos de cursos de Pós- Graduação Lato-Sensu em administração (gestão de pessoas, gestão de negócios, marketing e finanças) de uma grande instituição federal de ensino superior brasileira. Os dados foram coletados através de um questionário de escala do tipo Likert, adaptado de Hackman e Oldham (1975) para QVT e um de Cooper et al. (1988) para avaliação do Estresse Ocupacional. Um modelo desenvolvido por Borges-Andrade (1999a e 1999b) foi adotado para medir a percepção de eficácia do curso freqüentado pela amostra. O questionário foi aplicado em sala de aula, em horário reservado e negociado com os alunos, para garantir a qualidade das respostas. Através dos testes estatísticos utilizados (estatística descritiva, análise de conglomerado, correlação de Pearson e análise de variância, qui-quadrado) foi possível separar dois grupos de respondentes. O grupo 1 (o qual denominamos de treinamento eficaz) refere-se àquele para o qual o curso estava sendo percebido como altamente eficaz; o grupo 2 (o qual denominamos treinamento ineficaz) refere-se ao grupo que percebeu o curso como ineficaz. A partir dessa separação foi possível fazer as associações entre as variáveis e as análises necessárias dos dados disponíveis. Os objetivos da pesquisa foram os seguintes: a) Identificar até que ponto os cursos de longa duração como os de especialização (ou MBA s) tem sido eficazes, na visão de seus participantes. b) Identificar que tipo de relação pode existir entre as percepções de eficácia do programa e as percepções de qualidade de vida e estresse no trabalho. c) Conhecer os níveis de Qualidade de Vida e Estresse no trabalho dos profissionais e gerentes que freqüentam programa de especialização lato-sensu em administração. d) Identificar as estratégias utilizadas pelos participantes desses programas para lidar com as fontes de pressão no trabalho. 7

8 e) Indicar, a partir dos resultados obtidos, ações que possam subsidiar a gestão de pessoas nas organizações e a melhoria dos projetos didático pedagógicos dos cursos de especialização em administração. 6. Análise e Discussão dos Dados A amostra foi composta por uma ligeira predominância dos homens (59%) em relação às mulheres (41%), onde prevalecem indivíduos com até 40 anos de idade (78%), sendo o número de solteiros e casados equivalentes. Os casados, em sua maioria, não têm filhos (53%) e os parceiros também estão inseridos no mercado de trabalho (73%), contribuindo para uma renda familiar superior a 15 salários mínimos (69%). Os indivíduos apresentam apenas uma fonte de renda e o emprego é sua única fonte de sustento (83%). A maioria (85%) trabalha, no mínimo, oito horas por dia; alem disso, prevalece o desejo de trabalhar por conta própria (69%), com o objetivo de aumentar a renda e a autonomia. Finalmente, a maioria dos indivíduos da amostra pratica esportes (87,1%), não tem hábito de fumar (89%), e o consumo de bebidas alcoólicas é moderado (81%). De um modo geral, os indivíduos apresentaram um alto nível de QVT pessoal e no ambiente de trabalho, sendo essa última variável menos acentuada nos mais jovens. Com o intuito de se avaliar o impacto do constructo eficácia do treinamento empreendeu-se uma análise de conglomerado que permitiu a separação dos respondentes em dois grupos. O Grupo 1 representa as pessoas que perceberam o treinamento de forma positiva treinamento eficaz. Aqueles que não perceberam, a partir do treinamento, uma mudança positiva em seu comportamento no trabalho, foram classificados como grupo 2 treinamento ineficaz. Para formação dos agrupamentos, adotou-se o método de variância mínima por ser considerado o procedimento mais eficiente para formação destes grupos, uma vez que um objeto só será incorporado à um grupo se essa reunião proporcionar a menor variância no sistema. O resultado obtido está sintetizado na Tabela 1. TABELA 1 Comparação de Médias da Variável Eficácia do Treinamento Grupo Número de respondent es Média Desvio Padrão G1- treinamento eficaz 86 5,06 0,34 G2 treinamento ineficaz 167 3,77 0,75 Fonte: Dados de pesquisa Sig. Conclusão 0,000 Grupo 1> Grupo 2 Em relação às Dimensões Básicas da Tarefa, com exceção da variável identidade da tarefa, os indivíduos do grupo relativo a percepção de treinamento eficaz obtiveram resultados superiores. Isso demonstra uma relação positiva entre treinamento e as dimensões básicas da tarefa do Modelo de Hackman e Oldham (1975), como mostra a Tabela 2. 8

9 TABELA 2 - Dimensões Básicas da Tarefa Dimensões Básicas da Tarefa Grupo Média Sig. Conclusão G1 e G2 Variedade de habilidades 1 4,90 2 4,38 0,000 1>2 Identidade de tarefas Autonomia Feedback do próprio trabalho 1 3,17 2 3,29 1 4,53 2 4,22 1 4,52 2 4,18 Feedback do chefe e colegas 1 4,40 2 3,94 Inter-relacionamento 1 5,36 2 4,85 Média entre os grupos 1 2,92 2 2,89 Média geral 2,90 Fonte Dados da pesquisa GRUPO G1 Treinamento eficaz G2 Treinamento ineficaz 0,239 1=2 0,014 1>2 0,003 1>2 0,000 1>2 0,438 1>2 0,376 1>2 Ao analisar-se os resultantes atitudinais no Grupo 1 treinamento eficaz conforme Tabela 3, constata-se índices superiores nas variáveis Satisfação Geral com o Trabalho, Motivação Interna do Trabalho e Satisfação com as Possibilidades de Crescimento. Isso mostra que os indivíduos que consideram o treinamento como eficaz estão satisfeitos com a organização. Esses indivíduos também mostraram-se satisfeitos com as possibilidades de crescimento já que, com o treinamento, o indivíduo se sente mais preparado para superar os desafios que surgirão durante a carreira na empresa ou fora dela. TABELA 3 - Resultantes Atitudinais Resultantes Atitudinais Grupo Média Sig. Conclusão G1 e G2 Satisfação geral com o trabalho 1 4,02 2 3,62 0,000 1>2 Motivação interna do trabalho 1 4,74 2 4,52 0,011 1>2 Satisfação com as possibilidades de 1 4,73 crescimento 2 4,14 0,000 1>2 Fonte Dados da pesquisa GRUPO G1 Treinamento eficaz G2 Treinamento ineficaz A tabela 4 mostra que o Grupo 1 treinamento eficaz - apresenta índices superiores nas variáveis percepção de Significado do Trabalho e percepção de Responsabilidade pelos Resultados. Isso pode estar, de fato, associado à percepção de eficácia do treinamento gerando uma melhor percepção da importância do trabalho exercido pelo treinando na empresa. Os dois grupos demonstram receber feedback sobre os resultados de seu trabalho. 9

10 TABELA 4 Estados Psicológicos em relação à eficácia do treinamento Estados Psicológicos Grupo Média Sig. Conclusão Grupos 1 e 2 Percepção de Significado do Trabalho 1 4,88 2 4,58 0,004 1>2 Percepção de Responsabilidade pelos 1 4,71 Resultados 2 4,42 0,001 1>2 Conhecimento dos Resultados do 1 3,77 Trabalho 2 3,69 0,265 1=2 Fonte - Dados da pesquisa GRUPO 1 Treinamento eficaz 2 Treinamento ineficaz Em relação aos indicadores individuais de estresse segundo o modelo de análise de Cooper et al. (1988), não houve diferenças significativas entre os dois grupos de treinamento, conforme apresentado a Tabela 5. TABELA 5 - Indicadores Individuais de Estresse Indicadores Individuais de Estresse Grupo Média Sig. Conclusão Bem Estar Mental 1 3,23 2 3,22 0,834 1=2 Energia Vital 1 4,02 2 3,84 0,104 1=2 Equilíbrio Pessoal 1 2,74 2 2,71 0,801 1=2 Manifestações mentais do estresse 1 3,33 2 3,25 0,326 1=2 Tensão Nervosa 1 2,03 2 2,03 0,993 1=2 Fadiga Psíquica 1 2,62 2 2,69 0,565 1=2 Manifestações físicas do estresse 1 2,33 2 2,36 0,738 1=2 Média entre os grupos 1 2,93 2 2,90 0,555 1=2 Média geral 2,90 Fonte Dados da pesquisa GRUPO 1 Treinamento eficaz 2 Treinamento ineficaz As médias dos indicadores de fontes de pressão no trabalho nos grupos G1-treinamento eficaz e G2 treinamento ineficaz, são estatisticamente iguais, como mostra Tabela 6. Observou-se que as médias das variáveis: a) inter-relacionamentos; b) falta de possibilidade de crescimento e c) ambiente e clima organizacional indicam que elas representam elevadas fontes de pressão no trabalho para os dois grupos amostrais. As demais variáveis, embora com média mais baixa, não deixam de representar também fontes de pressão no trabalho. 10

11 TABELA 6 - Fontes de Pressão no Trabalho Fontes de Pressão no Trabalho Grupo Média Sig. Conclusão Carga de Trabalho 1 3,52 2 3,38 0,346 1=2 Inter-relacionamentos 1 4,41 2 4,27 0,391 1=2 Equilíbrio entre vida pessoal e 1 2,90 profissional 2 2,76 0,342 1=2 2 2,57 Responsabilidade pessoal 1 3,07 2 3,10 0,771 1=2 Exigências do ambiente de trabalho 1 2,88 2 2,91 0,797 1=2 Falta de possibilidade de 1 3,96 crescimento 2 4,04 0,535 1=2 Ambiente e clima organizacional 1 3,61 2 3,60 0,951 1=2 Média entre os grupos 1 3,48 1=2 0, ,44 Média geral 3,45 Fonte Dados da pesquisa GRUPO G1 Treinaento eficaz G2 Treinamento ineficaz Em relação aos mecanismos adotados pelos dois grupos para combater o estresse do dia-a-dia no trabalho, observam-se diferenças significativas entre os dois grupos. O grupo 1 para o qual o treinamento foi visto como mais eficaz, utiliza mais adequadamente o planejamento de atividades como estratégia de redução do estresse do que o grupo 2 para o qual o treinamento não foi eficaz. Nota-se que o grupo 1 - que obteve melhor aproveitamento no treinamento está mais preparado para lidar com as pressões diárias do seu trabalho. Neste sentido, podemos inferir que o treinamento eficaz contribui para a preservação da saúde do trabalhador Como mostra a Tabela 7, os dois grupos parecem adotar também a estratégia do apoio social como forma de sobrevivência ao estresse diário. Entretanto, a percepção de treinamento eficaz ou ineficaz não parece afetar a adoção desse comportamento de combate ao estresse. TABELA 7 - Mecanismos de Combate ao Estresse Mecanismos de Combate ao Estresse Grupo Média Sig. Conclusão Planejamento do trabalho 1 4,25 2 4,05 0,026 1>2 Apoio social 1 3,95 2 3,75 0,062 1=2 GRUPO G1 Treinamento eficaz G2 Treinamento ineficaz 11

12 Como demonstrado no referencial teórico, o locus de controle interfere na capacidade individual de lidar com estresse. Quanto a amostra pesquisada verifica-se (TAB 8), coerentemente com a literatura que, o grupo 1 para o qual o treinamento foi mais eficaz, é também o grupo de maior controle interno. Isso significa que eles percebem possuir maior controle sobre o seu processo de trabalho. Obviamente essa é uma variável que ajuda a reduzir a sensação de estresse. Por outro lado, o grupo 2 para o qual o treinamento não pareceu eficaz, parecem assumir pouco controle do seu processo de trabalho e, portanto, são mais sujeitos ao estresse. TABELA 8 Locus de Controle Externo Como você percebe seu controle sobre o trabalho Grupo Média Sig. Conclusão LCEx 1 2,87 0,002 1<2 2 3,05 GRUPO 1 Treinamento eficaz 2 Treinamento ineficaz Verifica-se conforme o objetivo desse trabalho que, a percepção de eficácia do treinamento tem relação com locus de controle, com a percepção de qualidade de vida e de fontes de pressão no trabalho. Apresentaremos a seguir, as principais considerações sobre os achados desse trabalho 7. Conclusões Este trabalho é a síntese de uma pesquisa que teve como objetivo avaliar a percepção de eficácia de um curso de pós-graduação em administração, nível lato-sensu, envolvendo alunos dos mais diversos tipos de empresa. Visou também relacionar a percepção de eficácia com a percepção de qualidade de vida e estresse no trabalho. Analisou-se, também, se essas percepções estavam, de alguma forma, relacionada ao locus de controle de cada grupo. Através de métodos estatísticos, a mostra foi dividida em dois grupos, segundo sua percepção de eficácia do treinamento do qual participavam. O grupo que percebeu o treinamento como eficaz foi denominado G1- treinamento eficaz e aquele que percebeu o treinamento como ineficaz foi denominado G2 treinamento ineficaz. Constatou-se que os indivíduos que perceberam o treinamento como eficaz tinham percepção mais positiva das variáveis utilizadas para medir qualidade de vida no trabalho no modelo de Hackman e Oldham. Esses indivíduos indicaram que usam várias habilidades no desempenho de suas tarefas, mais do que o grupo que percebeu o treinamento como ineficaz. Portanto, é provável que o grupo de treinamento eficaz adote um comportamento mais criativo e solucionador de problemas no trabalho do que o grupo de treinamento ineficaz. Assim, podese inferir que eles são capazes de demonstrar um melhor desempenho no trabalho. Quando os indivíduo passam a utilizar, no trabalho, os conhecimentos adquiridos em treinamentos, ele aumenta a possibilidade de obter melhores resultados e maior satisfação geral com o trabalho. Ele também se sente mais seguro e mais autônomo. O alcance de resultados positivos, unido à superação de dificuldades, resulta em uma percepção mais 12

13 positiva em relação a sua carreira na empresa. Isso parece melhorar sua percepção de sua qualidade de vida no ambiente onde atua. Observou-se também que os indivíduos do Grupo 1 treinamento eficaz, planejam mais suas atividades. Isso parece reverter-se em uma excelente estratégia de combate às fontes de pressão no trabalho, as quais poderiam converter-se em estresse. Portanto, o treinamento eficaz contribui para a preservação da saúde do trabalhador. O grupo 1 para o qual o treinamento foi mais eficaz, é também o grupo de maior controle interno. Isso significa que eles percebem possuir maior controle sobre o seu processo de trabalho. Obviamente essa é uma variável que ajuda a reduzir a sensação de estresse. Por outro lado, o grupo 2 para o qual o treinamento não pareceu eficaz, parecem assumir pouco controle do seu processo de trabalho e, portanto, são mais sujeitos ao estresse. Em síntese, a pesquisa mostrou que quando o treinamento é eficaz para seus participantes, ele os ajudam a desenvolver melhores estratégias de trabalho e de combate ao estresse, podendo contribuir para melhor desempenho e progresso na carreira e de preservação da saúde no ambiente de trabalho. Resta-nos uma pergunta intrigante que não pôde ser respondida nessa pesquisa: 1) será que é o fato de as empresas oferecerem um ambiente percebido como de boa qualidade de vida que favorece a percepção de eficácia do treinamento de seus empregados, ou seja: quando a empresa oferece boa qualidade de vida, os empregados tiram melhor proveito dos treinamentos?, ou será o contrário: b) quando o treinamento é eficaz ele melhora a percepção dos empregados a respeito das variáveis de qualidade de vida e estresse no trabalho?. Essa questão merece ser resolvida, uma vez que ela traria grandes implicações para as políticas e práticas de gestão de pessoas nas organizações contemporâneas. 8 Referências Bibliográficas BARRY, W.S. Fundamentos da gerência. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, BARRETO, Yara. Como treinar sua equipe. Rio de Janeiro: Qualitymark, BOMFIN, David. Pedagogia no treinamento. Rio de Janeiro: Qualitymark, BOOG, Gustavo G. Manual de treinamento e desenvolvimento-abtd. São Paulo: Makron Books, BORGES ANDRADE et al. Impacto de Treinamentos no Trabalho: o caso do Banco do Brasil [Resumo]. Em Sociedade Brasileira de Psicologia (Org.), XXIX Reunião Anual de Psicologia. Resumos (53c-53d). Ribeirão Preto, SP: 1999a BORGES ANDRADE et al. Impacto do Treinamento no Trabalho: um estudo de caso na Eletronorte [Resumo]. Em Sociedade Brasileira de Psicologia (Org.) XXIX Reunião Anual de Psicologia. Resumos (53b-53c). Ribeirão Preto, SP: 1999 b. CARDOSO, A, CARUSO L. A. e CASTRO, N. Trajetórias ocupacionais, desemprego e empregabilidade. Há algo de novo na agenda dos estudos sociais do trabalho no Brasil, In: Contemporaneidade e Educação, Rio de Janeiro: IEC, ano II, n 1: 7-23, CARVALHO, A.V. Treinamento de recursos humanos. São Paulo: Pioneira, COOPER, C. et al. Ocupational stress indicator: test sources of pressure in job. England: Windsor, COUTO, H. A. Stress e qualidade de vida dos executivos. Rio de Janeiro: COP,

14 DANTAS, L. e RIBEIRO, A. M. M. O treinamento empresarial no Brasil: ideologia e prática. Rio de Janeiro: IUPERJ, (mimeo). DAVIS, K., WERTHER, W. B. Administração de pessoal e recursos humanos. São Paulo: McGraw-Hill, DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, DESSLER, g. Administração de Recursos Humanos. São Paulo. Pearson, DRAGO, Pedro A. Treinamento e desenvolvimento de gerentes: um perfil do profissional. Belo Horizonte: CEPEAD, FARSWORTH, Terry. Formação e treinamento de executivos na empresa. São Paulo: Mc Graw Hill, FONTES, Lauro B. Manual do treinamento na empresa moderna. São Paulo: Atlas, HACKMAN, J. R., OLDHAM, G. R. Development of the job diagnostic survey. Journal of applied Psychology, v. 60, n. 2, p , HINRICHS, J. P., Personel training. In: M.D. Dunette (Ed) Handbook of industrial and organizational psychology. Chicago: RAND Mc Nally College, HONÓRIO, L. C. Cisão e privatização: impactos sobre a Qualidade de Vida no Trabalho de uma empresa de telefonia celular. Belo Horizonte: CEPEAD/UFMG, p. (Dissertação de Mestrado) HUSE, E. F., CUMMINGS, T. G. Organization development and change. 3 ed., St. Paul: Ed. Minn, LIPPIT,G. L. Quality of working life: organization renewal in action. Trainning And Development Journal, July, v. 32, n. 1, MACHADO, Nelson, TONIOLI, Nilson. Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos: uma abordagem sistêmica. São Paulo: RTA, MARQUES, Antônio Luiz. The work situation and class position of Brazilian engineers. Birmingham: Aston Business School, (Tese de Doutorado). MORAES, L.F.R.; MARQUES, A. L. et al. Implicações do Treinamento na Qualidade de Vida e Estresse no Trabalho. Belo Horizonte: (Relatório de Pesquisa). MORAES, L.F.R. et al. Diagnóstico de Qualidade Vida e Estresse no Trabalho da Polícia Militar de Minas Gerais. Belo Horizonte: (Relatório de Pesquisa). MORAES, L. F. R. et al. A qualidade de vida do trabalho automatizado. Belo Horizonte: FACE/UFMG, (Relatório de Pesquisa). MORAES, L. F. R. et al. Comprometimento organizacional, qualidade de vida e estresse no trabalho: uma abordagem de diagnóstico comparativo. Belo Horizonte: CEPEAD/UFMG, (Relatório de Pesquisa). NADLER, D., LAWLER, E. Quality of work life: perspectives and directions. Organization Dynamics, New York: v.1, n. 11, p , Winter/1983. OLIVEIRA, M. R. T. Impacto do treinamento no desempenho e na carreira : um estudo com alunos de pós-graduação lato-sensu de uma empresa de serviço de energia elétrica. Belo Horizonte: CEPEAD/FACE/UFMG, (Dissertação de Mestrado). ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. São Paulo: Prentice-Hall, ROUX, Jorge. Recursos humanos e treinamento. São Paulo: Brasiliense, SANT ANNA, A. S. Fatores de pressão e insatisfação em áreas de atendimento ao público: um estudo em empresa mineira do setor de serviços. Belo Horizonte: CEPEAD/FACE/UFMG, (Dissertação de Mestrado). 14

15 SANT ANNA, A. S., MORAES, L. F. R. Qualidade de vida no trabalho: uma análise em unidades de ensino básico. In: Encontro Anual da ANPAD, XXIV, 2000, Florianópolis. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2000 (CD Rom). SELYE, Hans. Stress - a tensão da vida. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural S.A SROUR, R. M. Poder cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, THÉRIAULT, R. Qualité de la vie au travail: implications sur la gestion de la réemunération. In: BOIBOISVERT, M. La qualité de la vie au travail. Otawwa: Agence D arc, VERGARA, S. C. ; CAVALCANTI, C. O. B. Uma experiência de ensino e pesquisa em organização estatal em processo de mudança. In.: Revista de Administração Pública - RAP Rio de Janeiro 33 (5): 7-22, Set./Out WORRAL, Less; Cooper G and Campbell F. The impact of organizational change on UK managers perceptions of their workinglives. In: BURKE J. RONALD and COOPER C. L., Organizadores. The organizacion in Crisis: dounsizing, restruturing and privatization. Oxford. Blackwell Business, WALTON, R. Quality of working life: what is it? Sloan Management Review, v. 15, n.1, p.11-21, Dec WESTLEY, W. A. Problems and solutions in the quality working life. Human Relations, New York, v.32, n.2, p , Feb WILEY, Carolin. Training for the 90s: how leading companies focus on quality improvemente, technological change, and customer serviçe. Empleyment Relations Today. Primavera

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1

Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1 Estresse e Qualidade de Vida no Trabalho na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais 1 Autoria: Lúcio Flávio Renault de Moraes, Luciano Zille Pereira, Humberto Elias Garcia Lopes, Daniellie Bráz Rocha,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: ESTUDO COM GRADUANDOS TRABALHADORES Kael Vieira Amadei¹ Gilmar Lopes Dias² Edna Maria Querido de Oliveira Chamon³ ¹ Universidade de Taubaté UNITAU/Departamento de Economia

Leia mais

GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO

GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO GERENTES SOB PRESSÃO NO SETOR ELÉTRICO Ricardo Roberto Behr, Dr. Eng. Universidade Federal do Espírito Santo Mestrado em Administração Fone: (27)33352598 (27)92926348 e-mail: fernandesbehr@bol.com.br Simone

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO (QVT): ESTUDO DE CASO EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOS EM JALES-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS

PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS PROJETO-PILOTO: GERENCIAMENTO DE ESTRESSE NA AGÊNCIA REGIONAL DE FLORIANÓPOLIS Cibele Regina Willms 04/09/2013 Situação atual -> empregado Trabalho Individuo OBJETIVOS Disponibilizar técnicas psicológicas

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA.

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPORTÂNCIA DE UMA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS BEM ELABORADA. Marcelo Manarelli de Oliveira (LATEC/UFF) Ronnie Joshé Figueiredo de Andrade (LATEC/UFF)

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA: UMA PROPOSTA INTEGRADORA 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O tema Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) vem ganhando, a cada dia, mais destaque nas publicações

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Renata Edvânia Costa Gouveia UFCG renata_gouveia@hotmail.com Kliver Lamarthine Alves Confessor UFPB

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

06/10/2015. A Clínica de Coaching Empresarial é conduzida por: David Bomfin e Flávio Hastenreiter

06/10/2015. A Clínica de Coaching Empresarial é conduzida por: David Bomfin e Flávio Hastenreiter 1 A Clínica de Coaching Empresarial é conduzida por: David Bomfin e Flávio Hastenreiter 2 David Bomfin É Pedagogo Empresarial, Mestre em Pedagogia do Treinamento e Doutor em Aprendizagem Organizacional.

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer Versão 2004 Prof. Dr. André Luiz Fischer OBJETIVO Detectar tendências de mudança no Modelo de Gestão de Pessoas das Empresas Brasileiras HISTÓRICO NO MUNDO E EVOLUÇÃO DA TEORIA TEORIAS 1920 1950 1970/90

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria MBA Controladoria Controladoria O MBA Controladoria une a tradição do Ibmec em pesquisas avançadas em Administração, Economia e Finanças com a Controladoria. Com este embasamento, propõe-se desenvolver

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES SIGA ZMBAEESP11/00 Rua Almirante Protógenes, 290 Bairro Jardim Santo André SP - CEP 09090-760 - Fone: (11) 4433 3222 Av.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com Quem somos 3 Remuneração e Desempenho 4 Desenvolvimento de Pessoas 5 Engajamento Funcional 6 Desenvolvimento Organizacional 7 Desenvolvimento do RH 8 Treinamento

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Treinamento como Instrumento de Desenvolvimento Organizacional. Caso: Banco do Brasil. David Forli Inocente INEPAD 1

Treinamento como Instrumento de Desenvolvimento Organizacional. Caso: Banco do Brasil. David Forli Inocente INEPAD 1 Treinamento como Instrumento de Desenvolvimento Organizacional Caso: Banco do Brasil David Forli Inocente INEPAD 1 Agenda Uma visão sobre a Contemporaneidade Treinamento como Instrumento de Desenvolvimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Personal and Professional Coaching

Personal and Professional Coaching Personal and Professional Coaching Seu salto para a excelência pessoal e profissional 1 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL. Bomfin & Hastenreiter. David Bomfin

CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL. Bomfin & Hastenreiter. David Bomfin CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL Bomfin & Hastenreiter A Clínica de Coaching Empresarial é conduzida por: David Bomfin e Flávio Hastenreiter Rua dos Goitacazes, 375, sala 1004, Belo Horizonte, MG, Centro.

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP - 599 Pré-requisito: -----

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP 599 Prérequisito: Período

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação

Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) em uma empresa estocadora de soja na região dos Campos Gerais: um estudo comparativo sobre satisfação/motivação Ricardo Francisco Marques Quilici (CEFET/PR ) ricardo.quilici@ig.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais