UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE PSICOLOGIA TGI PSICOLOGIA. ANAIS DA XII MOSTRA DE TGI (Edição Revisada e Ampliada)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE PSICOLOGIA TGI PSICOLOGIA. ANAIS DA XII MOSTRA DE TGI (Edição Revisada e Ampliada)"

Transcrição

1 ISSN UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE PSICOLOGIA TGI PSICOLOGIA ANAIS DA XII MOSTRA DE TGI (Edição Revisada e Ampliada) 2º SEMESTRE DE 2004 VOLUME 6 N. 2 1

2 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDE DE PSICOLOGIA ANAIS DA XII MOSTRA DE TGI (Edição Revisada e Ampliada) 2º SEMESTRE DE 2004 VOLUME 6 N.2 ISSN

3 C749 Mostra de TGI (12. : 2004 : São Paulo, SP) Anais da XII Mostra de TGI. São Paulo : Universidade Presbiteriana Mackenzie, CD-ROM Semestral Publicação do Departamento de Psicologia Geral e Comportamental da Faculdade de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. ISSN Psicologia I. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Faculdade de Psicologia. Departamento de Psicologia Geral e Comportamental II. Título. CDD 150 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Prof. Dr. Augusto Nicodemus Gomes Lopes Chanceler Prof. Dr. Manassés Claudino Fonteles Reitor Prof. Dr. Pedro Ronzelli Júnior Vice-Reitor Profª. Drª. Beatriz Regina Pereira Saeta Diretora da Faculdade de Psicologia Profª. Ms. Irani Tomiatto de Oliveira Chefe do Departamento de Psicologia Clínica Prof. Dr. Paulo Afrânio Sant Anna Coordenador do Centro Especializado de Pesquisa e Extensão (CEPEx) Profª. Ms. Berenice Carpigiani Chefe de Departamento de Psicologia GeralProfª. Ms.Tânia Aldrighi Chefe do Departamento de Psicologia Institucional Prof. Ms. Erich Montanar Franco Coordenador do TGI COLABORADORES Ana Cla udia Dale Vedove Goto Assistente da Coordenação Fernanda Soares G. da Silva Assistente da Coordenação Beatriz Galhardo Oliva Sanches - Estagiária Fábio Alves Zaffani Estagiário Pedro Henrique de Faria Naback Estagiário Renata Cristina Ferreira Estagiária Torquato Tarso Lima dos Santos Estagiário REDAÇÃO Universidade Presbiteriana Mackenzie Faculdade de Psicologia Rua da Consolação, 896 Prédio 38 Térreo CEP Consolação São Paulo SP Tel: (11)

4 SUMÁRIO Apresentação Orientador: Alex Moreira de Carvalho 1.1SARNES, F. M SOCIEDADES OCIDENTAIS CONTEMPORÂNEAS E SUJEITOS DEPENDENTES DE DROGAS: UMA LEITURA PSICANALÍTICA Orientadora: Anete Souza Farina 2.1 CAMPOS, C.H. RESIGNIFICANDO O DESEMPREGO: TRANSFORMANDO OBSTÁCULOS EM NOVAS POSSIBILIDADES PROFISSIONAIS. UM OLHAR SOBRE O CURRÍCULO OCULTO AUGUSTO, L. P. AS VICISSITUDES DO TRABALHO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM POLICIAIS MILITARES RAMOS, L.P.R. UM ESTUDO SOBRE OS ASPECTOS PSICOSSOCIAIS E O PROCESSO DE ADOECIMENTO PSÍQUICO ENTRE INDIVÍDUOS DESEMPREGADOS CSORDAS, T. A. ESTRESSE NO TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA PERCEPÇÃO DO TEMPO PLANET, V. COACHING: UM PROCESSO NA BUSCA DE RESULTADOS Orientadora: Aparecida Malandrini Andriatte 3.1 NASCIMENTO, A. C. UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE MÃES QUE TRABALHAM FORA, SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE SEUS BEBÊS, APÓS A RETOMADA DE SUA VIDA PROFISSIONAL Orientadora: Berenice Carpigiani 4.1 FISCINA, L. NOVO CONCEITO DE CONSCIÊNCIA PELA VISÃO TRANSDISCIPLINAR UMA APLICAÇÃO ÀS CIÊNCIAS NATURAIS E CIÊNCIAS SOCIAIS Orientadora: Caioá G. de Lemos 5.1 MACHADO, M.A.R A INFLUÊNCIA DOS PAIS NA ESCOLHA PROFISSIONAL DOS ADOLESCENTES Orientadora: Calvino Camargo 6.1 SOARES, E. M. A ELABORAÇÃO DAS PERDAS NA TRAJETÓRIA DA CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE: UMA REVISÃO CONCEITUAL BILOTTA, F.A REPRESENTAÇÃO DE TRABALHO NA PERSPECTIVA PROTESTANTE E SUAS IMPLICAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL AZZAN, N. B. QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE: ESTUDO DE ASPECTOS PSICOSSOCIAIS PAVANI, R. A. O LUGAR DA FAMÍLIA NO DESENVOLVIMENTO: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA

5 7 Orientadora: Carla Milani Damião 7.1 KOCH, C. R. OS ESTADOS ALTERADOS DE CONSCIÊNCIA: UMA ABORDAGEM TRANSPESSOAL Orientador: Carlos Alberto Martinez Osório 8.1 GUIMARÃES, A.S. A ARTE COMO RECURSO TERAPÊUTICO NA RECUPERAÇÃO DE DOENCAS ORGÂNICAS CEREIJO, M.V.R. FUNÇÕES EXECUTIVAS SEGUNDO OS FUNDAMENTOS DA NEUROPSICOLOGIA UMA ABORDAGEM PARA PSICÓLOGOS Orientadora: Célia Aparecida Pavanelli 9.1 JENTSCH, T. R. DISCUSSÕES PSICOLÓGICAS SOBRE GUARDA COMPARTILHADA SERRA, F. T. A. ANÁLISE DO PERSONAGEM DAVID DO FILME SHINE POR MEIO DA TEORIA WINNICOTTIANA DO DESENVOLVIMENTO E DAS CONSEQÜÊNCIAS DOS MAUS- TRATOS INFANTIS CARDOSO, N.P.A CRIMES PASSIONAIS À LUZ DA TEORIA SOBRE O NARCISISMO Orientadora: Cibele Freire Santoro 10.1 SESSA, R.M. ATITUDES, PADRÃO ALIMENTAR, EMOÇÃO E PENSAMENTO EM RELAÇÃO AO COMER EM ADOLESCENTES OBESOS: UM ESTUDO DOCUMENTAL Orientadora: Cleusa Kazue Sakamoto 11.1 UTSUMI, D.A PSICOLOGIA E ARTE NA DISCUSSÃO DA PSICODINÂMICA PSICÓTICA SANTOS, F.B.D. CRIATIVIDADE: ESTUDOS ATUAI Orientadora: Corinna M. C. Schabbel 12.1 BASTOS, P. C. L. A RELAÇÃO ENTRE SUPERPROTEÇÃO E FALTA DE LIMITES NA INFÂNCIA E A PATOLOGIA DO CIÚME Orientador: Cristiano Novaes de Rezende 13.1 DE FRANCO, C. A EXPERIÊNCIA RELIGIOSA NO SANTO DAIME PINTO, A. C. MASTECTOMIA E AJUSTAMENTO DA MULHER À SUA NOVA CONDIÇÃO: UM ESTUDO PSICOLÓGICO CRUZ, C. OS EFEITOS DA HOSPITALIZAÇÃO EM CRIANÇAS GRAVEMENTE ENFERMAS ITHO, L. C. UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE E PRÉ-NATAL NA CAPITAL PAULISTA: QUAL O PAPEL DO PSICÓLOGO?

6 15 Orientadora: Elena Etsuko Shirahige 15.1 GAVIÃO, M. G. M. BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES: UMA ANÁLISE PSICOLÓGICA DO CONTO E DE SEUS SIMBOLISMOS ATRAVÉS DO OLHAR JUNGUIANO MINHOTO, M. L. PRESENTE, PASSADO E FUTURO: HISTÓRIAS DE VIDA DE UM SURDO Orientador: Elizeu Coutinho de Macedo 16.1 GOLIM, C. A VISÃO DOS EDUCADORES FRENTE ÀS MANIFESTAÇÕES SEXUAIS DE ADOLESCENTES PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL MAEDA, F.L QUALIDADE DE VIDA DE PAIS DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL GRAVE LUKASOVA K MOVIMENTO OCULAR EXPLORATÓRIO E BUSCA ATIVA DO ESTÍMULO EM PESSOAS COM ESQUIZOFRENIA Orientador: Erich Montanar Franco 17.1 NIKAEDO, C. C. UMA AMOSTRA DAS PRÁTICAS GRUPAIS EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DA ZONA SUL DE SÃO PAULO CONCEIÇÃO, C.P. PROCESSOS GRUPAIS E FENÔMENOS SOCIAIS: UMA ANÁLISE DO FILME DUELO DE TITÃS MENDES, J.M.S PRÁTICAS GRUPAIS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE BOTUCATU, SP Orientador: Fábio Leyser Gonçalves 18.1 TINTORI, F. Y. A RELAÇÃO ENTRE MUDANÇA DE ESCOLA, ESTRESSE INFANTIL E O APARECIMENTO DE SINTOMAS OBSESSIVO-COMPULSIVOS COUTO, L.S.M. A RELAÇÃO ENTRE A PRÁTICA DE EXERCÍCIO FÍSICO E ESTADOS DE HUMOR Orientadora: Fátima Aparecida Miglioli Fernandez Tomé 19.1 BUMAJNY,D.E.M. A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNO ALIMENTAR CASTRO, R. T. ASPECTOS PSICOLÓGICOS DA OBESIDADE: UMA REVISÃO DA LITERATURA CIENTÍFICA ORSATI, F.T ESTUDO DE MULHERES COM SOBREPESO E OBESAS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE SÃO PAULO SATO, J. K. A PRESENÇA DO ARQUÉTIPO FEMININO NO TRANSTORNO ALIMENTAR SEIXAS, C. M. J. M. ASPECTOS ATUAIS: PADRÕES ESTÉTICOS E TRANSTORNOS ALIMENTARES, UMA REVISÃO DA LITERATURA CIENTÍFICA SILVA, V.N. O AUTOCONCEITO DE ADOLESCENTES SOBRE A OBESIDADE

7 20 Orientador: Geraldo Antônio Fiamenghi Júnior 20.1 SOUZA, D. R. ANÁLISE JUNGUIANA DA AUTO-AGRESSIVIDADE E INTEGRAÇÃO DA FINITUDE INERENTE AO SER HUMANO EM DUBLÊS DE AÇÃO Orientadora: Irani Tomiatto de Oliveira 21.1 ESTRIGA, A. A MATERNAGEM DESEMPENHADA POR FUNCIONÁRIOS DE INSTITUIÇÕES HOMEM DE MELLO, C. N. O PRIMEIRO SURTO PSICÓTICO: UMA COMPREESÃO PSICODINÂMICA VARELA, M. ASPECTOS RELACIONADOS AO TEMA DO SUICÍDIO EM CASOS ATENDIDOS EM CLÍNICA ESCOLA BISHOP, P.A. A INCIDÊNCIA DE SINTOMAS DEPRESSIVOS NA CLÍNICA-ESCOLA Orientador: João Garção 22.1 PORTUGUEIS, D. A TRANSFORMAÇÃO DA IDENTIDADE PELA ARTE: UM ESTUDO DE PSICOLOGIA SOCIAL FALCONE, O.P.C.REPRESENTAÇÃO EM JOGADORES DE LIVE-ACTION SILVA, R. N. VÍNCULOS AFETIVOS-RELACIONAIS-SEXUAIS MEDIADOS PELA CONEXÃO ON-LINE Orientadora: Leda Gomes 23.1 MAGALHÃES, A. B. PAIS E PROFESSORES DESCREVEM O PSICÓLOGO ESCOLAR: UM ESTUDO COM AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS ABRAHÃO, C.V. DESLIGAMENTO DOS EDUCADORES BOLSISTAS DO PROJETO ESPORTE ALENTO RACHID, K. G. R. P. O PSICÓLOGO ESCOLAR POR ELE MESMO:SUA HISTÓRIA; SUA ATUAÇÃO; SEU FUTURO FACCO, M. A. ESTRATÉGIAS DE TRABALHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: TREINANDO E DESENVOLVENDO PROFESSORES Orientadora: Lourdes Santina Tomazella 24.1 FONTE, L.S. PAIS ADOTANTES: ASPECTOS PSICOLÓGICOS ENVOLVIDOS NESTA ESCOLHA PEREZ, M. E. G. MÃES DE CRIANAÇAS PORTADORAS DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (I. R. C.): CONSIDERAÇÕES SOBRE A RELAÇÃO COM SEU FILHO Orientador: Luiz Fernando Bacchereti 25.1 RIGAMONTI, A. C. PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: A IMPLEMENTAÇÃO E AS VANTAGENS YOSHIMURA, A.C.Y. A MANUTENÇÃO DA CULTURA JAPONESA PELA TERCEIRA GERAÇÃO DE NIPO-BRASILEIROS LIMA, M.P. SUPERVISORES EM TELEMARKETING:DIFERENÇAS DE LIDERANÇA EM FUNÇÃO DO GÊNERO

8 25.4 FARAT, M. M. UM ESTUDO SOBRE A AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PELOS ESTUDANTES DO CURSO DE PSICOLOGIA Orientador: Prof. Luís Sérgio Sardinha 26.1 SILVA, A.C.D. AS DIFICULDADES ENCONTRADAS POR ADOLESCENTES EM ADERIR AO TRTAMENTO DE DEPENDÊNCIA DE DROGAS RODRIGUES, C.S UM ESTUDO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS MENTAIS EM DEPENDENTES DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E A RELAÇÃO COM O TIPO DE DROGA UTILIZADO EPIFANIO, M.B. TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA DE DROGAS: A BUSCA DO EU ATRAVÉS DAS RELAÇÕES Orientador: Marcos Vinícius Araújo 27.1 ARAUJO, F. P. LAZER E SÍNDROME DE DOWN: O OLHAR DA SOCIEDADE RACY, I. S. ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN: UMA COMPREENSÃO DA SUA SEXUALIDADE GALVES, I.C. RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA: AS CONSEQUÊNCIAS NO COMPORTAMENTO DAS CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES HIGUTHI, M. R. A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NO PROCESSO DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE CRIANÇAS DEFICIENTES OLIVEIRA, V.C.B. A ESCOLHA PROFISSIONAL DO ADOLESCENTE E AS POSSÍVEIS INFLUÊNCIAS DA FAMÍLIA E DA SOCIEDADE Orientadora: Maria Alice Barbosa Lapastini 28.1 MIRANDA, M.R. PSICOSE E ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO: TRANSFERÊNCIA E CONTRATRANSFERÊNCIA NO TRABALHO COM PACIENTES PSICÓTICOS Orientadora:. Maria Carolina Azevedo 29.1 MATTOS, F.A.S.O. O VAZIO DO INDIVIDUALISMO NA PÓS-MODERNIDADE SIMÃO, G.K. UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A TRISTEZA EM SARTRE E A MELANCOLIA EM FREUD Orientadora: Maria Cristina Trigueiro Veloz Teixeira 30.1 RIBEIRO, P. L. C. ADOLESCÊNCIA PROLONGADA OU JUVENTUDE? UMA VISÃO HISTÓRICO-SOCIAL Orientadora: Maria Eloísa Famá D antino 31.1 NAVATTA, A. C. R. DA AVERSÃO A COMPAIXÃO:UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE AS REAÇÕES E SENTIMENTOS DESENCADEADOS POR PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA E PEDAGOGIA Orientadora: Maria Leonor Espinosa Enéas 32.1 MORAES, F.T. ATIVIDADE FÍSICA COMO RECURSO TERAPÊUTICO PARA A DEPRESSÃO: ATRIBUIÇÃO DE TERAPEUTAS

9 32.2 TAGUTI, L. M. ENVOLVIMENTO DOS PAIS EM TERAPIAS SUGERIDAS PELA ESCOLA: ESTUDO DOCUMENTAL CARVALHO, M.A. A PERCEPÇÃO DO CIÚME POR JOVENS ATRAVÉS DE UM INSTRUMENTO PROJETIVO LAMONEGA, R. COMUNICAÇÃO CORPORAL EM PROCESSOS TERAPÊUTICOS DE CLÍNICA-ESCOLA: ESTUDO DOCUMENTAL Orientadora: Marian Ávila de Lima e Dias Ferrari 33.1 NETTO, L. R. PRECONCEITO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA EM RELAÇÃO À PSICOLOGIA LIMA, M.C.G. DEFICIÊNCIA FÍSICA ADQUIRIDA E O MEIO FAMILIAR: ANÁLISE DE UMA HISTÓRIA DE VIDA Orientadora: Marilsa de Sá R. Tadeucci 34.1 FERNANDES, F.A. SATISFAÇÃO NO TRABALHO E SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: UMA PESQUISA APLICADA KVINT, G. PERSPECTIVAS DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL FRENTE ÀS PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO BASEADO NO MUNICÍPIO DE MAIRIPORÃ SP PIZZO, M.C. O TRABALHO E O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS RELACIONADO À AUTO-ESTIMA PÁSCOLI, O. M. A IMPORTÂNCIA DOS VÍNCULOS GRUPAIS NO DESEMPENHO DO INDIVÍDUO DENTRO DE UMA PROPOSTA INSTITUCIONAL Orientador: Mário Wilson Xavier de Souza 35.1 CABRAL, C. P O ACOMPANHAMENTO TERAPEUTICO COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL PARA PORTADORES DE AUTISMO AMIEIRO, C. MOTIVAÇÃO DO CRIME PASSIONAL: UMA ANÁLISE DE DOCUMENTOS SÁ, J. P.P VIOLÊNCIA FÍSICA A CRIANÇA: TRAÇOS DE PERSONALIDADE DO SEU AUTOR BOLIBIO, S. ESTUPRO: CENÁRIO DE ATUAÇÃO PSICOPÁTICA Orientadora: Mary Rosane Ceroni Monezi 36.1 SILVA, J. V. A INFLUÊNCIA DOS JOGOS DE EMPRESA NO DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE ALTA PERFORMANCE SZNIFER, M. A CORRELAÇÃO ENTRE A PRODUTIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES E OS PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Orientador: Nélson de Souza Guedes 37.1 MORAES, A. F. AS POSSÍVEIS INFLUÊNCIAS DA SOCIEDADE ATUAL NO COMPORTAMENTO DO JOVEM ESTUDANTE DE PSICOLOGIA QUE ESTÁ SE INSERINDO NO MERCADO DE TRABALHO HISSAMOTO, L. Y. ASSÉDIO MORAL NAS ORGANIZAÇÕES: HUMILHAÇÃO E AGRESSÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

10 38 Orientadora: Nora Rosa Rabinovich 38.1 GALLO, A. M. FUTEBOL FEMININO: UMA ANÁLISE PSICOLÓGICA SOBRE A PRÁTICA ESPORTIVA MARINO, E.P. MASCULINIDADE E FEMINILIDADE DA FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GÊNERO ÀS EXPECTATIVAS REFERENTES AO ENCONTRO DO PARCEIRO AMOROSO Orientadora: Patrícia Pazinato 39.1 PEDREIRA, G. M. FÉ E ADOECER: UMA LEITURA FENOMENOLÓGICA DOS ASPECTOS PSICOLÓGICOS CANESCHI, L.A.C. RELIGIÃO E ARTE: EXPERIÊNCIAS DO SER EM BUSCA DE SIGNIFICADOS UMA LEITURA FENOMENOLÓGICA DE MARCHI, S. ARTE TERAPIA E TRANSTORNO ALIMENTAR:UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA Orientadora: Paula Nelita S. C. Sandrini 40.1 LEON, A O INDIVÍDUO E SUA RELIGIOSIDADE: QUAL O PAPEL DA RELIGIÃO NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Orientador: Paulo Afrânio Sant Anna 41.1 BAIMA, A. P. da S. RELAÇÃO ENTRE ABUSO SEXUAL NA INFÂNCIA E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS NA IDADE ADULTA STREFEZZI, L.F. UM ESTUDO COMPARATIVO SOBRE ASPECTOS SIMBÓLICOS PRESENTES NA VIVÊNCIA DE PACIENTES EM ENFERMARIA PRÉ E PÓS CIRÚRGICA Orientador: Paulo Emílio Santos 42.1 MELLO, C. M. SÍNDROME DE BURNOUT EM CALL CENTERS TOMAS, E. DE A INSERÇÃO E VALORIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO TIPO SENTIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES, SEGUNDO A TEORIA DOS TIPOS PSICOLÓGICOS DE C. G. JUNG SIQUEIRA, F.M.B. INFLUÊNCIA DA REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO NA SATISFAÇÃO CHIARINI, I.L. O SUCESSO PROFISSIONAL E AS INFLUÊNCIAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO Orientador: Paulo Roberto Monteiro de Araújo 43.1 ALVARENGA, G. A VELHICE E A INFLUÊNCIA DE SUA REPRESENTAÇÃO SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DE PESSOAS IDOSAS BARROS, K.S. EXISTÊNCIA FEMININA E ANARQUISMO: AUTENTICIDADE EM XEQUE? MOREIRA, T.R. RESERVA LATENTE X ORDEM SOCIAL Orientador: Raimundo Wilson Teixeira 44.1 YOKOTA, E PSICOLOGIA E ACUPUNTURA: INTERFACES PEREIRA, J.M. ADOECIMENTO E CURA: IMPLICAÇÕES DA CRENÇA HACKER, L.S. EFEITOS DO DISCURSO MATERNO NA IRC: UM ESTUDO DE CASO

11 45 Orientador: Prof. Robson Jesus Rusche 45.1 CORTÊS, A.C.C. IMPACTO DO ENVOLVIMENTO NAS ATIVIDADES DO PROJETO SOCIAL CONSULADO DA MULHER SOBRE A IDENTIDADE DAS PARTICIPANTES VENEZIAN, C. DO A. COSPLAY: UMA VISÃO ANALÍTICA DO HERÓI NO JOGO Orientadora: Rosa Maria Galvão Furtado 46.1 AYALA, C. A IMAGEM CORPORAL SOB O ENFOQUE DA ANOREXIA POLIDO, K.K. ANSIEDADE E COMPULSÃO ALIMENTAR: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO AMARAL,L.X.M. O IDEAL DE BELEZA FEMININO CENTRADO NO CORPO PERFEITO: VALE A PENA PAGAR O PREÇO? TANIKAWA, P. O PRECONCEITO E AS IMPLICAÇÕES SOCIAIS ENFRENTADAS PELO INDIVÍDUO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA MENTAL Orientadora: Roseli Fernandes Lins Caldas 47.1 AZEVEDO, F.T. VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA PRODUZIDA NA ESCOLA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Orientadora: Sandra Ribeiro de Almeida Lopes 48.1 OBLONCZYK, F.R. MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM ESTUDO PSICOLÓGICO SOBRE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA SILVEIRA, M.S. NASCIMENTOS DE NATIMORTOS / NEOMORTOS I E AS REAÇÕES DESPERTADAS NOS PROFISSIONAIS DE CLÍNICAS OBSTÉTRICAS KIOROGLO, P.S. O PACIENTE AMPUTADO: FORMAS DE ENFRENTAMENTO E ELABORAÇÃO DA PERDA ZMOGINSKI, C. UM OLHAR SOBRE O CUIDADOR DO DOENTE CRÔNICO Orientadora: Sandra Regina Poça 49.1 SOARES, C.M. A RELAÇÃO DA AUTOCONFIANÇA COM O RENDIMENTO DE ATLETAS DE JIU-JITSU Orientadora: Silvana Santos Garcia 50.1 NUNES, D. L. R. ESTUDO PSICOSSOCIAL SOBRE A IDENTIDADE DO INDIVÍDUO VOLUNTÁRIO TORRES, M.V.M. ADOLESCÊNCIA PERDIDA: ESTUDO PSICOSSOCIAL SÔBRE A SUBJETIVIDADE DO ADOLESCENTE EM SITUAÇÃO DE RISCO Orientadora: Sônia Maria da Silva 51.1 DE PAULA, L.G. A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA COMO PARTE DA QUEIXA NO ATENDIMENTO PSICOLÓGICO EM UMA CLÍNICA-ESCOLA FREZATI, L.S. A ESCOLHA DO PARCEIRO: UMA ANÁLISE PSICANALÍTICA ZINI, R.B. CONFLITOS AMOROSOS DO PERSONAGEM CHANDLER: UMA ANALISE SOB A ÓPTICA PSICANALÍTICA NAVARRO, R.N. SONHOS E TRANSIÇÕES DE VIDA

12 51.5 FERRARI, R.L. SOFRIMENTO PSÍQUICO E SUICÍDIO: A.NÁLISE DO FILME AS HORAS PIMENTEL, C.T. TRAIÇÃO MASCULINA: UMA ANALISE PSICANALITICA DO FILME A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER Orientadora: Sueli Galego de Carvalho 52.1 ALQUALO, C.P A ANOREXIA E O PARADOXO DE SUAS ABORDAGENS: UMA REFLEXÃO CRÍTICA NOMELINI, J.F.R ASSÉDIO MORAL: O SOFRIMENTO VELADO NAS ORGANIZAÇÕES Orientadora: Susete Figueiredo Bacheretti 53.1 STEFANI, C.M.C A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO ESCOLAR ZUIM, G. A RELAÇÃO EDUCADOR-EDUCANDO COMO FATOR DESENCADEANTE DO FRACASSO ESCOLAR Orientadora: Tânia Aldrighi 54.1 PAES, K.R. CASAMENTO NA ADOLESCÊNCIA: A RESOLUÇÃO DE UMA DUPLA CRISE SANTOS, K.P O CIÚME E O CRIME PASSIONAL Orientadora: Tereza Iochico Hatae Mito 52.1 SILVA, J.C.P BULIMIA NERVOSA: IMPLICAÇÕES DE UMA HERANÇA TRANSGERACIONAL DE SEXUALIDADE CONFLITIVA CAMILO, J.T REPRESENTAÇÃO DA FAMÍLIA BRINCADEIRA DE CRIANÇAS PRIVADAS E NÃO PRIVADAS DO CONVÍVIO FAMILIAR MICHAAN, L. TRANSGERACIONALIDADE: SOBREVIVENTE DO HOLOCAUSTO E O TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO NO SEU DESCENDENTE NAOUS, R. VÍNCULO ENTRE MÃE E CRIANÇA AUTISTA: O MOMENTO DO DIAGNÓSTICO Orientadora: Tereza Marques de Oliveira 53.1 SUASSUNA, A.M.V. UM ESTUDO SOBRE A TRANSMISSÃO PSÍQUICA EN TRE GERAÇÕES E SUA POSSÍVEL ATUAÇÃO NO PSIQUISMO FETAL VALENTE, L. M. de A O JOGO DO SABER Orientadora: Terezinha Martins dos Santos Souza 54.1 FREITAS, S. MULHER, CORPO E SILÊNCIO MACHADO, C. O. CONTRUINDO UMA MULHER DE DESTAQUE: ROSA LUXEMBURGO PIZA, C.M.J.T. FICAR OU NAMORAR; EIS A QUESTÃO?! SILVA, F.C. SER E TER: A RELAÇÃO DIALÉTICA ENTRE SOCIEDADE E SEXUALIDADE DA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA MENTAL TURATO, M.D.M. A ARTE E A QUESTÃO DE GÊNERO: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO? URA, V.H.N. O ASSÉDIO MORAL ADOECENDO AS RELAÇÕES FAMILIARES

13 54.7 YOSHIMURA, T.S. O SENTIDO DA NEGAÇÃO DA MATERNIDADE Orientador: Walter Lapa 55.1 IPORRE, C.V.O. A DINÂMICA DA CRISE CONJUGAL DIAGNOSTICADA ATRAVÉS DA ARTE OLIVEIRA, D.L.S. A FÉ CRISTÃ NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL SANDOVAL, F.M. UM ESTUDO SOBRE A VISÃO DOS PAIS EM RELAÇÃO À SEXUALIDADE DO ADOLESCENTE PORTADOR DE SÍNDROME DE DOWN PEDRO, J.C. NIILISMO E MERCANTILISMO RELIGIOSO: UMA BUSCA PELO RELIGARE EM MEIO AO ESPETACULAR Orientadora: Wilze Laura Bruscato 56.1 BAPTISTA SILVA, A.P.C. MECANISMOS DE DEFESA DIANTE DO MEDO DA MORTE EM PACIENTES CARDIOPATAS PRÉ-CIRÚRGICOS BEVILACQUA, A.A. O HISTÓRICO DA ETIOLOGIA DA ESQUIZOFRENIA JACOBASSO, M.A. A DINÂMICA DA RELAÇÃO ENTRE DOADOR E RECEPTOR NO TRANSPLANTE DE RIM INTERVIVOS: UM ESTUDO DE CASO MACHADO, F. A PSICOPATOLOGIA NO HOSPITAL GERAL E A DEMANDA DA PSICOLOGIA HOSPITALAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO TONIOLLO, P.B. QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HEPATOPATAS CRÔNICOS

14 APRESENTAÇÃO Entendemos que a formação do pesquisador consiste em trilhar um caminho cuja característica principal é construir e descontruir o conhecimento. Uma das formas de enriquecer esse processo é favorecer o debate e a troca de idéias. Por isso, a Faculdade de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie promove semestralmente a Mostra de TGI, evento que vem dando, a cada semestre, maior visibilidade aos dos trabalhos de nossos alunos e ao espírito de um curso preocupado com o desenvolvimento da ciência. Apostamos na formação dos futuros pesquisadores. Assim, apresentamos uma edição ampliada e revisada da XII Mostra ocorrida no 2º Semestre de Erich Montanar Franco Coordenação de TGI Faculdade de Psicologia Universidade Presbiteriana Mackenzie 14

15 Orientador: Alex Moreira de Carvalho SOCIEDADES OCIDENTAIS CONTEMPORÂNEAS E SUJEITOS DEPENDENTES DE DROGAS: UMA LEITURA PSICANALÍTICA SARNES, F. M. UMO A questão da dependência de drogas no Brasil vem causando grandes transtornos para a sociedade e gerando conflitos no que diz respeito ao ambiente familiar. O sistema de ideais estabelecido e tão valorizado atualmente é quase impossível de ser alcançado por grande parte da população, podendo acarretar em mal estar e se transformar em quadros patológicos como o uso de drogas. O presente estudo teve como objetivo abordar a dependência de drogas e as atuais condições sócio-culturais das sociedades ocidentais e suas possíveis interferências na relação do sujeito com a droga. Pode-se dizer que a influência dos fatores sociais e culturais na relação do sujeito com a droga é nítida e sempre presente. Mais que isso, é extremamente essencial que seja feita esta relação quando a questão de dependência de drogas é abordada e quando nos deparamos clinicamente com sujeitos com tal queixa, uma vez que se percebe o grau de importância desta influência. A droga aparece como uma salvação milagrosa para restabelecer o eu perdido devido ao fracasso em corresponder às demandas sócio-culturais do sistema atual vigente. Durante um tempo, ela diminui o sentimento de desprazer e faz com que o sujeito sinta-se completo. Como seu efeito é transitório, o sonho acaba e a necessidade de reparação volta a aparecer. Mas, momentaneamente, o individuo que usa a droga experimenta o estado nirvânico de completude e de perfeição narcísica, como um resgate do eu perdido e arrasado pelo fracasso em exercer a cidadania na sociedade do espetáculo e na cultura do narcisismo. Então, para melhor compreender a dependência de drogas, faz-se necessário uma visão mais integrada, onde são levados em conta aspectos da psicopatologia e do contexto em que está inserido o sujeito conhecido por dependente químico. PALAVRAS-CHAVE: Mundo contemporâneo; Dependência de drogas; Psicanálise 15

16 Orientadora: Anete Souza Farina RESIGNIFICANDO O DESEMPREGO: TRANSFORMANDO OBSTÁCULOS EM NOVAS POSSIBILIDADES PROFISSIONAIS. UM OLHAR SOBRE O CURRÍCULO OCULTO CAMPOS, C.H. A realidade econômica do país; o desenvolvimento tecnológico; a desigualdade social e de oportunidades, eleva a cada ano o número de trabalhadores sem emprego, principalmente na cidade de São Paulo. Com esta preocupação sobre as decorrências do desemprego, a Prefeitura da cidade de São Paulo implantou um projeto de atenção social, denominado São Paulo Inclui. É nesse cenário, construído por esse projeto, que este estudo foi desenvolvido. Iniciou-se uma revisão bibliográfica que permitiu identificar os diversos problemas que estão associados ao desemprego neste começo de século, bem como as decorrências dessa condição na vida do trabalhador. A experiência do desemprego é solitária porque envolve uma sensação de fracasso pessoal, sentimentos de impotência e desamparo social. Com o propósito de compreender o projeto um olhar sobre o currículo oculto, que tem por finalidade resignificar o desemprego para transformar obstáculos em novas possibilidades profissionais, estudou-se um grupo de desempregados assistidos pelo projeto São Paulo Inclui. O grupo composto por sete pessoas com idade superior a quarenta anos e desempregadas há mais de seis meses participou de cinco encontros de duas horas, mediado por três psicólogos-estagiários. O registro de cada um dos encontros foi analisado de forma qualitativa, resultando em eixos de análise como: uma ampliação da visão sobre o desemprego, as principais angústias ocasionadas pela situação do desemprego, o desvelamento do currículo oculto e estratégias para obtenção de renda frente à realidade do mercado atual. Observou-se que o grupo conseguiu atingir os objetivos propostos pelo projeto, sendo que alguns chegaram a elaborar um planejamento futuro para a geração de renda. O método utilizado para transpor este desafio foi a inter-relação grupal, baseando-se nos pressupostos da Teoria de Campo de Lewin, que considera que a re-significação de obstáculos nos seres humanos ocorre efetivamente a partir do momento em que o individuo consegue ampliar sua percepção sobre o obstáculo, principalmente com seus pares. Este estudo identificou que as principais queixas dos participantes do grupo, no início dos encontros, eram comuns. Com o resgate de suas experiências, das discussões e trocas em relação às angústias vivenciadas na situação de desemprego, ocorreu uma mudança na perspectiva de vida e uma redefinição profissional. PALAVRAS CHAVES:Desemprego; Interrelação grupal; Resignificação 16

17 Orientadora: Anete Souza Farina AS VICISSITUDES DO TRABALHO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO COM POLICIAIS MILITARES AUGUSTO, L. P. Os profissionais PM, em uma sociedade violenta e com políticas públicas discutíveis, ocupam um lugar marginal em um contexto destituído de valores éticos, renda e segurança. Com o propósito de verificar as vicissitudes do trabalhador que desempenha a profissão de Policia Militar de São Paulo, uma das maiores cidades do mundo, realizou-se uma revisão da literatura sobre o tema. Essa profissão, que já fez parte de muitas notícias jornalísticas e de discussões diversas, tem como tarefa principal zelar pela segurança da população em geral, embora as políticas de contenção da proliferação do crime inexistam. É com base nessas reflexões que este estudo procurou verificar a Representação Social do Policial Militar, bem como identificar as perspectivas que esses profissionais têm sobre as necessidades de mudança na relação com o trabalho. Para tanto, foram entrevistados cinco soldados que atuam na PM. A estratégia de coleta de informações foi a técnica de entrevista semidirigida por proporcionar ao entrevistado maior flexibilidade para expor seus pensamentos. Os voluntários foram contatados através de indicações pessoais, uma vez que a realização via corporação mostrou-se pouco viável por questões relacionadas à própria rigidez da estrutura da instituição. A análise dos dados coletados permitiu a identificação de três eixos: a pressão dos superiores, analisando as queixas referentes à estrutura militar e as mudanças vistas como necessárias; a representação social do policial militar, analisando o discurso dos indivíduos sobre a imagem que acreditam ter perante a população (e para eles mesmos); e as vicissitudes da vida do policial militar, analisando os sentimentos que decorrem das atividades cotidianas. Vimos que a saúde desses profissionais encontra-se seriamente comprometida, uma vez que, além de perceberem seu ambiente de trabalho de forma ameaçadora e com demandas excessivas, consideram possuir recursos inadequados para a execução de suas tarefas. Uma outra fonte de insatisfação é a remuneração, além da baixa aceitação social. Inseridos em uma instituição autocrática, não há possibilidade de qualquer tipo de replanejamento do trabalho, negociações cotidianas que poderiam atuar como recurso na prevenção de agravos à saúde desses trabalhadores. Este estudo permitiu refletir sobre os múltiplos fatores que interferem na vida desses profissionais e que exigem atenção da ciência psicológica. PALAVRAS CHAVE: policial militar, saúde do trabalhador, representação social. E-ma il: 17

18 Orientadora: Anete Souza Farina UM ESTUDO SOBRE OS ASPECTOS PSICOSSOCIAIS E O PROCESSO DE ADOECIMENTO PSÍQUICO ENTRE INDIVÍDUOS DESEMPREGADOS RAMOS, L.P.R. O desemprego é um fenômeno real, grave e crescente, que vem trazendo inúmeras alterações na relação homem-trabalho. O homem contemporâneo que é desde seu nascimento conduzido por uma propaganda ideológica, a serviço do capital, que traz como marca a frase: o trabalho dignifica o homem, ainda que desempenhe um oficio alienante e de incomodo imensurável, busca sua inserção nessa relação. Durante toda a sua vida, ele mantém suas relações baseadas dentro do modelo capitalista de trabalho, pois este circunda toda e qualquer relação humana. O trabalho, nesse sentido, passa a ser protoforma e intermediário entre o ser biológico e o social. Entretanto, frente à atual crise de desemprego, está no subtexto que esse homem não tem mais função na sociedade, uma vez que está fora do mundo do trabalho. A partir de então, começa a adoecer de diversas formas, com manifestações físicas e psíquicas. A busca por uma nova colocação também é desgastante e pode tornar o adoecimento crônico, por gerar um sofrimento constante. Entender-se desempregado é sofr ível. O objetivo do presente estudo foi verificar de que maneira e em que grau dá-se o sofrimento de indivíduos em situação de desemprego. Foi realizada uma pesquisa de campo objetivando dar voz ao desempregado e compreender o desemprego da ótica de quem o vive. Para tanto, foram entrevistados cinco desempregados que freqüentam o Centro de Solidariedade da Força Sindical, na esperança de conseguir uma colocação, todos com idades entre 30 e 45 anos, desempregados há mais de seis meses e há menos de três anos. As entrevistas semidirigidas, orientadas por um roteiro contendo sete questões, procuraram identificar a representação social do desemprego e os sentimentos que dele decorrem. Foram realizadas no próprio local, após a apresentação dos objetivos do estudo e do termo de livre consentimento. Após a análise dos relatos, seis eixos foram estabelecidos: Perdas Psíquicas, Perdas Sociais, Perdas Materiais, Perspectivas de futuro, Concepção de Desemprego e Luta pela Re-inserção. O estudo contribuiu para constatação de que o adoecimento não necessariamente se refere a uma doença mental, mas ao perecer na vida e que as perdas eram múltiplas, mas o sofrimento inevitável e comum a todos. A insegurança traz inúmeras preocupações, comprometendo a qualidade de vida dessas pessoas que definem os primeiros sintomas como perda do sono e irritabilidade. A falta de sucesso na busca de uma nova colocação traz sentimentos de tristeza, cansaço, frustração e humilhação. Muitas vezes sentem-se descriminadas por estarem fora do mundo do trabalho e acabam isolando-se socialmente. O grau de desesperança para uma nova colocação está diretamente ligado ao tempo de desemprego. PALAVRAS CHAVE: Relação homemtrabalho, Desemprego, e Adoecimento. 18

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

O Currículo das Séries Iniciais e a Educação para a Saúde

O Currículo das Séries Iniciais e a Educação para a Saúde Nas séries iniciais do ensino fundamental, o currículo enfatiza a assimilação de conceitos e busca desenvolver as estruturas cognitivas. Ele procura fornecer aos alunos condições necessárias para aprendizagens

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE

ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE ESTÉTICA: IDEAL DE JUVENTUDE DA TERCEIRA IDADE 2008 Paulo Roberto Cardoso Pereira Júnior juniorcamamu@hotmail.com Tatiana Pereira Boureau tatiboureau@hotmail.com Raimundo Francisco Frank Ribeiro frank.ribeiro@terra.com.br

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC Nº 952 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA NÚCLEO COMUM Análise do comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas:

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA

SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO CURSO DE PSICOLOGIA DA ULBRA CAMPUS GUAÍBA Ana Luísa Sasso Bortolotti* Flávia Souza de Freitas* Mara Regina Nieckel da Costa** RESUMO Esta pesquisa objetivou conhecer

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Jhainieiry Cordeiro Famelli Ferret 2 RESUMO: A saúde mental de crianças e de adolescentes tornou-se uma questão

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PSICOLOGIA ISSN: 1806-0625 Ano VI Número 10 Maio de 2008 Periódicos Semestral RESENHA BIBLIOGRÁFICA COLACITI, Alethéa Kennerly Coordenadora-Adjunta e Psicóloga da C.E.P.P.A.

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

ANÁLISE PSICOLÓGICA DO PERFIL DE CRIANÇAS E PAIS BRASILEIROS NO JAPÃO. Juliana F. de Barros - Psicóloga

ANÁLISE PSICOLÓGICA DO PERFIL DE CRIANÇAS E PAIS BRASILEIROS NO JAPÃO. Juliana F. de Barros - Psicóloga ANÁLISE PSICOLÓGICA DO PERFIL DE CRIANÇAS E PAIS BRASILEIROS NO JAPÃO Juliana F. de Barros - Psicóloga A minha vinda para o Japão em 2014: Projeto coordenado pela Prof.ª Mary Yoko Okamoto chamado: Programa

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais