FICHA TÉCNICA. EDITOR OPS - Organização Pan-americana da Saúde. INPPAZ Instituto Pan-americano de Proteção de Alimentos e Zoonoses

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA TÉCNICA. EDITOR OPS - Organização Pan-americana da Saúde. INPPAZ Instituto Pan-americano de Proteção de Alimentos e Zoonoses"

Transcrição

1

2 FICHA TÉCNICA EDITOR OPS - Organização Pan-americana da Saúde INPPAZ Instituto Pan-americano de Proteção de Alimentos e Zoonoses DIRETOR DA PUBLICAÇÃO Dr. Cláudio R. Almeida AUTORES Cláudio R. Almeida Simone Moraes Raszl Nancy Diana Bejarano Ore Guilherme Antônio da Costa Júnior COORDENADORA EDITORIAL E REVISORA Maria Isabel Stefani Höltz REVISÃO TÉCNICA Carlos Alberto M. Lima dos Santos Dilma Scala Gelli DESENHO GRÁFICO Marisa Sacco

3 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIA 5 2. OBJETIVOS E CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS Objetivos Classificação O AUDITOR Perfil do auditor Atributos do auditor Os "Dez Mandamentos" da Comunicação Efetiva Capacitação ATIVIDADES DE PRÉ-AUDITORIA 4.1 Programação das Auditorias Organização da Equipe Auditora Planejamento e Preparação da Auditoria Análise Prévia do Plano HACCP Elaboração de "Check Lists" (Listas de verificação)...

4 5. EXECUÇÃO DA AUDITORIA 5.1 Problemas de Comportamento nas Auditorias Passo a passo da auditoria Reunião inicial a) Potabilidade da água utilizada nas atividades do estabelecimento b) Higiene das superfícies de contato com o produto c) Prevenção de contaminação cruzada d) Higiene pessoal e) Proteção contra contaminação/adulteração do produto f) Identificação e estocagem adequada dos produtos tóxicos g) Saúde dos operários h) Controle integrado de pragas i) Calibração de instrumentos j) Programa de recolhimento (recall) k) Procedimentos sobre elogios/reclamações dos consumidores e/ou importadores. l) Treinamento Auditoria dos Pontos Críticos de Controle (PCC) Auditoria dos procedimentos de registro Preparação do relatório de auditoria Reunião final 6. CONDUTA DO AUDITOR COMO CONSEQÜENCIA DA AUDITORIA 6.1 Primeiro caso 6.2 Segundo caso

5 INTRODUÇÃO Com a evolução das técnicas agrícolas e o aprimoramento dos sistemas de produção, os praguicidas, defensivos, vermífugos, antibióticos, promotores de crescimento e outros passaram a ter uso constante na produção de alimentos. Também, os avanços tecnológicos e a produção em escala introduziram ou potencializaram perigos que, juntamente com os aspectos agropecuários citados, ampliaram os fatores de risco à inocuidade dos alimentos. Em conseqüência, os tradicionais sistemas de inspeção alimentar revelaram-se incapazes de identificar produtos em situações de não-conformidade, decorrentes da nova realidade dos meios de produção. Essa limitação da inspeção clássica deve-se ao fato de que ela só é capaz de identificar alguns dos problemas visíveis no momento da inspeção que, nem sempre refletem a realidade industrial. Em síntese, quando a inspeção é executada de forma criteriosa, apenas reflete ou fotografa uma face das condições dos produtos e/ou da indústria e os resultados, sempre, só podem ser correlacionados com o momento da inspeção. Para enfrentar essa nova realidade do mundo contemporâneo, nas últimas décadas, as autoridades sanitárias de vários países introduziram significativas modificações nas suas legislações, fundamentadas nas recomendações da Organização Mundial do Comércio e do Codex Alimentarius. Tais recomendações visam à adoção e à implementação de instrumentos de controle da segurança alimentar que utilizam os princípios da Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle, sob a responsabilidade do próprio produtor de alimentos. Os procedimentos de inspeção passaram a agregar técnicas de auditorias, originalmente utilizadas em sistemas contábeis. Para que esses novos procedimentos possam ser aplicados é necessário que se tenha em mente e se cumpram dois princípios básicos: 1) O estabelecimento produtor é o principal responsável pela inocuidade de seus produtos; 2) O produtor deve dispor de sistema de registro dos vários aspectos do processo industrial capaz de demonstrar através de evidências, fatos ou provas que seus produtos não apresentam riscos significativos aos consumidores. Somente ao produtor cabe o ônus da prova.

6 AUDITORIA fim Tiras em quadrinhos criadas e produzidas nos estúdios da Mauricio de Sousa Produções Mauricio de Sousa Brasil/2004

7 Os atuais procedimentos da inspeção oficial, fundamentados em princípios de auditoria do sistema HACCP, sempre que possível, devem contemplar os seguintes aspectos: a) A inspeção dos processos de produção; b) O desenvolvimento de diligências para comprovar a veracidade das informações obtidas durante a inspeção; c) A aplicação de cálculos matemáticos para se assegurar que aditivos, coadjuvantes tecnológicos, parâmetros de controles de pontos críticos e outros estão sendo utilizados de acordo com os limites da legislação; d) A avaliação de resultados microbiológicos e físico-químicos de amostras dos produtos; e) A revisão dos registros; f) A análise dos achados da inspeção, das informações obtidas através dos vários procedimentos executados e o julgamento final. Quem produz os alimentos é o principal responsável pela garantia da inocuidade dos mesmos.

8 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIA Validar significa dar validade a, tornar válido, tornar legítimo, legitimar. Entende-se por validação o conjunto de procedimentos cujo objetivo é assegurar que todos os perigos sejam corretamente identificados pela equipe HACCP e que possam ser controlados de maneira eficaz pelo Plano proposto. Verificar significa buscar a verdade, exatidão ou realidade de algo. Auditoria quer dizer verificação, exame formal ou oficial. Na versão em espanhol, a Comissão do Codex Alimentarius, através do Comitê de Higiene dos Alimentos, define o PRINCÍPIO 6, do Sistema de Análises de Perigos e Pontos Críticos de Controle - HACCP, da seguinte forma: Establecer procedimientos de comprobación para confirmar que el Sistema HACCP funciona eficazmente. Verificação pode ser definida como a aplicação de métodos, procedimentos, testes e outras avaliações, além de monitoramento, para determinar a conformidade do Plano HACCP; isto é, avaliar se os Princípios do sistema foram aplicados de forma correta, e se o plano foi implementado de maneira adequada e consistente. Verificação é um dos sete princípios básicos do Sistema HACCP, e deve ser executada com o objetivo de assegurar sua eficácia em relação à produção de alimentos inócuos no que diz respeito à saúde pública. A legislação americana para pescado e produtos pesqueiros prevê uma reavaliação para adequação ao plano HACCP, cada vez que ocorrer uma modificação que possa alterar a análise de perigos ou quaisquer outras alterações no plano. Dispõe também que se deve realizar uma reavaliação, pelo menos, anualmente (USA 21 CFR, 123.8). Auditoria é um processo organizado de coleta de informações necessárias, para verificar a eficiência do Sistema HACCP e é desenvolvido de forma sistemática, inclusive com observações e revisão de registros no local, a fim de avaliar se as ações planejadas são adequadas para conferir inocuidade ao alimento. É uma atividade planejada e organizada, e, por ser formal, baseia-se em regras e diretrizes previamente estabelecidas. De acordo com a ISO 19011:2002, auditoria é um processo sistemático, independente e documentado para obter evidências da auditoria e avaliá-las de maneira objetiva com o fim de determinar o grau de cumprimento dos critérios de auditoria.

9 Já a American Society for Quality Control define auditoria como avaliação planejada, independente e documentada para determinar o cumprimento dos requisitos preestabelecidos. O Codex Alimentarius, através do Comitê sobre Sistemas de Inspeção e Certificação de Importações e Exportações de Alimentos define auditoria (versão em espanhol) como Exame sistemático e funcionalmente independente, cujo objetivo é determinar se as atividades e seus resultados se ajustam aos objetivos previstos. De forma prática, auditoria pode ser definida como o procedimento sistemático que permite uma validação, verificação ou reavaliação de um Sistema HACCP. Vale a pena ressaltar que alguns aspectos fundamentais são mencionados em diferentes definições, uma vez que caracterizam as ações desenvolvidas durante o processo de auditoria. Alguns termos comuns são: sistemática, planejada/planificada, organizada, documentada, independente. Definição de Auditoria Auditoria é uma exame sistemático e independente para determinar que as atividades e seus resultados estão de acordo com os objetivos planejados. CODEX

10 2. OBJETIVOS E CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS 2.1. OBJETIVOS Para que as empresas possam efetivamente implementar o Sistema HACCP, é necessário que as decisões sejam fundamentadas em evidências objetivas, e não em noções preconcebidas ou suposições. No que se refere às auditorias deste sistema, a base científica constitui-se elemento preponderante, que irá assegurar uma correta avaliação das condições práticas de operacionalização do plano, de modo a garantir a inocuidade dos alimentos e, assim, atingir seu principal objetivo. As auditorias têm, em geral, um ou mais dos seguintes objetivos: Verificar se o plano escrito foi elaborado com base científica; Determinar a conformidade ou não-conformidade dos elementos do Sistema HACCP; Verificar e avaliar a eficácia do sistema; Propiciar à empresa auditada uma oportunidade para avaliação interna e melhoria contínua do sistema; Atender aos requisitos da legislação vigente; Avaliar se o sistema implementado garante a inocuidade dos alimentos incluídos no plano; Avaliar um fornecedor, quando se pretende estabelecer um contrato. Além destes objetivos, podemos acrescentar alguns resultados que podem ser obtidos através da implementação de um processo de auditoria. Dentre eles, destacamos: Aperfeiçoamento e disseminação de tecnologias; Identificação da necessidade de treinamento de pessoal; Determinação da eficácia das atividades de Vigilância Sanitária e das ações de Garantia da Qualidade; Verificação da qualidade de produtos e serviços; Abertura de um canal de comunicação entre os vários níveis hierárquicos da empresa; Obtenção de lucros; Facilitar as decisões de caráter gerencial; Motivação para o aprimoramento da empresa.

11 A auditoria do Sistema HACCP representa: Uma contribuição para o aperfeiçoamento da empresa; Um levantamento sobre as conformidades e não conformidades; Uma oportunidade de melhoria dos processos; Segurança e confiança para a administração da empresa; Um retorno ( feedback ) isento e imparcial; Um processo útil. A auditoria do Sistema HACCP não deve ser: Uma forma de espionagem; Uma inquisição; Uma ameaça para o emprego; Uma forma de exercer pressão; Uma cobrança de resultados; Um processo pesado; Uma situação de confronto/desconforto. Podemos concluir que, na prática, o processo de auditoria procura alcançar os três principais objetivos especificados: 1) Verificar se o plano escrito foi elaborado com base científica e se atende os princípios do Sistema HACCP; 2) Verificar se o plano escrito está sendo aplicado na prática; 3) Verificar se a aplicação prática do plano escrito está atingindo as metas almejadas, principalmente no que diz respeito à elaboração de produtos inócuos e à saúde do consumidor. 2.2 CLASSIFICAÇÃO Podemos considerar as seguintes classificações para um melhor entendimento da metodologia de auditorias a ser aplicada pelos auditores do Sistema HACCP:

12 Quanto ao tipo - Auditoria de adequação - Auditoria de conformidade Quanto à empresa - Auditoria interna - Auditoria externa Auditoria de adequação: é um parecer objetivo para verificar a adequação do plano HACCP elaborado pela empresa aos princípios do Sistema HACCP. Este tipo de auditoria deve responder aos seguintes questionamentos: O plano escrito foi elaborado com base científica? O plano escrito está de acordo com os princípios do Sistema HACCP? O plano escrito define quem é o coordenador da equipe HACCP e indica a sua posição no organograma da empresa? O plano contempla o programa de pré-requisitos? O plano descreve o programa de capacitação técnica? O plano contempla o que é estritamente necessário, ou seja, o que deve ser escrito em vez do que é bonito de ser lido? O plano está devidamente assinado pela direção geral da empresa? Auditoria de conformidade: é a auditoria realizada para verificar se os requisitos estabelecidos no plano HACCP estão sendo colocados em prática no dia-a-dia do estabelecimento. Este tipo de auditoria deve responder aos seguintes questionamentos: O plano escrito está sendo aplicado na prática? A aplicação prática do plano escrito está atingindo as metas almejadas, principalmente no que diz respeito à elaboração de produtos inócuos e à saúde do consumidor? Durante a auditoria de conformidade, o auditor deve sempre procurar evidências objetivas e claras, para verificar se o auditado está trabalhando de acordo com o plano HACCP. É necessária extrema cautela, pois o auditado pode não estar trabalhando de acordo com o plano. Apesar disso, alcança a finalidade desejada, e, neste caso, o plano HACCP requer adoção de uma reengenharia.

13 Auditoria interna: é a auditoria realizada por iniciativa e responsabilidade da própria empresa. Caracteriza o real interesse de quem desenvolveu e implementou o Sistema HACCP em saber se os resultados estão sendo realmente atingidos. Demonstra sensibilização e comprometimento com o Sistema HACCP - quero saber como está funcionando o Sistema HACCP em minha empresa! As pessoas que possuem responsabilidade direta nos setores da empresa a serem auditados não devem fazer parte da equipe auditora, ou seja, a auditoria, de acordo com as diferentes definições vistas anteriormente, deve caracterizar-se como um processo independente. Apesar de a auditoria interna não ser difundida como deveria nos processos de verificação ou reavaliação do Sistema HACCP, ela recebe, cada vez mais, a devida importância nos estabelecimentos onde trabalham com este sistema. Por outro lado, o fato de uma empresa ter sido submetida a uma auditoria interna facilita sobremaneira o trabalho a ser desenvolvido pelas equipes auditoras que realizarão as verificações, de responsabilidade dos órgãos governamentais. Auditoria externa: é a auditoria efetuada por iniciativa da autoridade sanitária competente, de outras entidades controladoras, de compradores, etc., e não pela própria empresa. Na questão de inocuidade dos alimentos, onde está em jogo a saúde do consumidor, é fundamental a participação da autoridade sanitária competente na efetivação de auditorias externas, a fim de verificar se os produtos elaborados encontram-se realmente sob controle. Esta ação governamental, dentre outros benefícios, também pode servir para: Defender os direitos básicos do consumidor contra os riscos para a saúde pública, provocados pelo fornecimento de produtos controlados de forma indevida; Estimular e validar o esforço empreendido pela empresa no desenvolvimento e implementação do Sistema HACCP; Estimular uma maior competitividade e garantir o comércio justo de alimentos; Facilitar o desenvolvimento de mecanismos de equivalência entre países.

14 OBJETIVOS PRINCIPAIS DA AUDITORIA Verificar se o plano escrito foi elaborado com base científica. Verificar se o plano escrito está sendo aplicado na prática Verificar se aplicação prática do plano escrito está atingindo as metas almejadas, principalmente no que diz respeito à elaboração de produtos inócuos e à saúde do consumidor

15 3. O AUDITOR 3.1 PERFIL DO AUDITOR ATRIBUTOS DO AUDITOR A forma mais usada para definir as características de um profissional é a sua postura, que inclui tanto os atributos de natureza puramente técnica, como aqueles referentes ao comportamento. Neste contexto, é extremamente importante diferenciar as características de um inspetor tradicional daquelas inerentes a um auditor/inspetor do Sistema HACCP. Em muitos casos, e em diferentes países, o que é bonito de se ver, persiste como o principal enfoque dos inspetores tradicionais, em vez do que é necessário ser feito para controlar a inocuidade dos alimentos. Entretanto, é fundamental ressaltar que muitas das atividades de um inspetor considerado tradicional têm se caracterizado, ao longo dos anos, como muito relevante para a atuação de sistemas de inspeção de alimentos em diferentes países do mundo. Em linhas gerais, poderíamos dizer que, para se obter uma postura que facilite as atividades de auditoria, é necessário aprimorar diversos aspectos abordados por profissionais que ainda apresentam uma característica da inspeção tradicional, e agregar técnicas e atitudes que irão facilitar a obtenção dos resultados almejados. Para efeito de ilustração, podemos enumerar algumas atitudes que se espera de um Auditor do Sistema HACCP: a) O Auditor do Sistema HACCP deve: Estar capacitado para desenvolver suas atividades; Ter equilíbrio psicológico para enfrentar dificuldades; Ser considerado e respeitado por seu conhecimento; Ter flexibilidade e habilidade no trato com pessoas; Ter paciência e saber escutar; Ter espírito de liderança; Ter habilidade para comunicação oral e escrita; Ser organizado e pontual;

16 Ser imparcial; Ter entusiasmo e interesse; Ser educado; Ser honesto; Ser humilde. b) O Auditor do Sistema HACCP não deve: Agir como um policial; em vez disso, deve utilizar seu poder de polícia, quando necessário, desde que apoiado em evidencias científicas; Inspecionar sempre de surpresa, ainda que não seja tecnicamente importante; Verificar falhas (aspectos negativos), e se esquecer dos pontos positivos; Concentrar a avaliação, em muitas ocasiões, em aspectos de pouca importância, e não separar o necessário do desnecessário ; Centralizar as ações, dificultando o desenvolvimento do trabalho em equipe; Ser preconceituoso e prejudicar o desenrolar das atividades; Agir com muita rigidez em algumas situações, e não dar a necessária importância para uma avaliação mais profunda de ordem técnica que, na maioria dos casos, irá possibilitar melhores conclusões quanto ao verdadeiro comprometimento do problema em termos de saúde pública; Formar opiniões e saltar para conclusões, sem conhecer e avaliar o problema em detalhes. c) Recomenda-se que o auditor também seja questionador, nos momentos oportunos, sabendo aplicar, por exemplo, os conceitos 5W + 1H, nas situações necessárias: WHAT... O QUÊ? QUAL? QUÊ? WHO... QUEM? WHERE... ONDE? WHEN... QUANDO? WHY... POR QUÊ? HOW... COMO?

17 Acrescentar, a estes elementos: SHOW ME... MOSTRE-ME. d) No desempenho de suas atividades, é extremamente importante que o auditor não se esqueça de que: Está jogando fora de casa; Deve-se manter sempre calmo; Deve tentar explicar todas as dúvidas, e levar em consideração o conhecimento e a experiência de todos; Não deve se preocupar ao dizer que não entendeu, e pedir uma nova explicação; Deve pedir exemplos para ter certeza de que entendeu a resposta; Deve, quando necessário, saber discordar e formular perguntas: Não seria de outra forma? E se fosse feito de outra maneira? Não deve colocar o auditado sob pressão; Deve fazer uma pergunta de cada vez; Deve perguntar a quem realmente realiza a tarefa; Deve ser preciso, e não jogar conversa fora ; Deve usar linguagem que o auditado compreenda, e se expressar com clareza e cuidado; Deve repetir a pergunta, se necessário; Deve voltar ao local, sempre que necessário, para observar aspectos e informações não totalmente esclarecidas; Não deve confiar na memória. É importante fazer anotações; É fundamental registrar quais documentos foram verificados e com quem conversou, para saber quem deu a informação; Não deve perguntar, já respondendo a pergunta. e) O fator tempo é determinante para o sucesso do trabalho de auditoria. Assim como a pressa é prejudicial ao processo, os auditores devem também evitar as seguintes situações: Divagações; Explanações extensas e; Paradas longas para almoços e cafezinhos. Os candidatos a auditor devem ter uma mentalidade aberta e madura, julgamentos dignos de confiança, capacidade analítica e tenacidade; devem ter habilidade para perceber situações de maneira realista,

18 compreender operações complexas sob uma perspectiva mais ampla, bem como o papel das unidades individuais dentro da empresa como um todo. f) O auditor deve estar apto a aplicar estes atributos para: Obter e avaliar a evidência objetiva de maneira justa; Manter-se fiel ao objetivo da auditoria, sem temor ou favorecimento; Avaliar constantemente os efeitos das observações relativas à auditoria e às interações pessoais durante o processo de auditoria; Tratar o pessoal envolvido de modo a atingir os objetivos da auditoria; Executar o processo de auditoria, e evitar desvios decorrentes de distrações; Empenhar-se para dar total atenção e apoio ao processo de auditoria; Reagir de maneira equilibrada em situações de tensão; Somente chegar a conclusões, após uma análise minuciosa e correlação das evidências verificadas, de modo a reduzir ao máximo a probabilidade de não aceitação das conclusões; Permanecer fiel a uma conclusão baseada em evidência objetiva, apesar da pressão exercida para mudá-la; Atuar de forma ética durante todo o tempo. O auditor do sistema HACCP deve, dentre outros aspectos: Estar capacitado para desenvolver suas atividades; Ter equilíbrio psicológico para enfrentar dificuldades; Ter paciência e saber escutar; Ser humilde. 3.2 OS DEZ MANDAMENTOS DA COMUNICAÇÃO EFETIVA Os atributos pessoais e profissionais do auditor são indispensáveis para o desenvolvimento das ações de auditoria e devem ser observados os chamados Dez mandamentos da Comunicação Efetiva : 1. Julgamento/Avaliação Nunca julgue ou avalie sem ter conhecimento adequado dos fatos.

19 2. Interferência não crítica Não interfira criticando o que está sendo dito ou mostrado, buscando sempre se concentrar, apenas, na detecção de fatos positivos ou negativos. 3. Interferência nas idéias Nunca atribua seus próprios pensamentos ou idéias a seu interlocutor. 4. Atenção Não distraia o pensamento, nem perca a atenção em relação ao que está sendo dito ou mostrado. 5. Atitude Seja sempre aberto e receptivo aos outros. 6. Desejo de escutar Ouça o que foi dito e procure estimular a fala do seu interlocutor 7. Interpretar corretamente Não interprete palavras ou frases de modo diferente daquele que o interlocutor proferiu. 8. Fale somente o necessário Não se entusiasme com o som de sua própria voz ou a demonstração de seu conhecimento. 9. Humildade Lembre-se que há sempre algo para aprender com os demais. Não se considere tão bom a ponto de não ter o que aprender ainda com os outros. 10. Coragem Não tenha medo de mudar. Interferência não crítica Não interfira criticando o que está sendo dito ou mostrado, buscando sempre concentrar-se, apenas, na detecção de FATOS POSITIVOS OU NEGATIVOS

20 3.3 CAPACITAÇÃO As atividades de treinamento consistem em instruir os futuros auditores sobre informações indispensáveis ao pleno cumprimento passo a passo dos procedimentos de auditoria. Consideram-se o conhecimento, o dinamismo e o entusiasmo dos instrutores como elementos básicos no desenvolvimento do conteúdo programático, que deve ser eminentemente prático. É importante que os participantes tenham, de preferência, as seguintes qualificações: Estar plenamente familiarizado com os princípios relacionados aos pré-requisitos (GMP e SSOP) e ao Sistema HACCP; Desejo de aprender; Facilidade de compreensão e habilidade na escrita; Alguns conhecimentos técnicos sobre os produtos ou processos utilizados no treinamento. Além dos aspectos já abordados em relação ao perfil do auditor, torna-se imprescindível seu conhecimento técnico sobre a missão que irá desempenhar durante o processo de auditoria. Para tanto, é necessário um conteúdo programático para treinamento, que compreenda alguns temas de forma ordenada, a metodologia a ser aplicada, e aspectos referentes ao comportamento do auditor.

21 4. ATIVIDADES DE PRÉ-AUDITORIA 4.1. PROGRAMAÇÃO DAS AUDITORIAS As auditorias externas, executadas por órgãos do governo, devem ser programadas a partir do momento em que o sistema HACCP tenha sido devidamente desenvolvido e implementado, e em consonância com as diretrizes estabelecidas pela autoridade sanitária competente. Na programação dos estabelecimentos a serem auditados, deve-se levar em consideração alguns requisitos importantes, tais como: Tipo de produto elaborado; Características do consumidor; Finalidade da auditoria; Disponibilidade de auditores; Disponibilidade dos auditados; Estabelecimento de um cronograma de execução. Quanto ao tipo de produto elaborado, deve-se dar prioridade ao risco em termos de saúde pública. Por exemplo, um produto cozido e pronto para consumo é prioritário em relação a um produto cru, que será consumido somente após a cocção. Quanto às características do consumidor, a programação das auditorias deve considerar certos aspectos relacionados ao destino do alimento (hospitais, creches, asilos, etc.). O tipo de auditoria a ser realizada (de adequação ou conformidade), é outro item que influi na programação das auditorias. Em relação à disponibilidade dos auditores, deve-se levar em conta a especialidade técnica e os aspectos de comportamento. Durante o processo de auditoria, a possibilidade de contar com a presença de um membro da direção geral da empresa ou seu representante legal, assim como a do coordenador da equipe HACCP, é outro requisito que deve ser observado na programação. Quanto ao cronograma de execução, em caso de auditoria externa por órgão do governo, recomenda-se que, além dos itens acima mencionados, a autoridade sanitária competente considere o período mínimo de seis meses, depois de iniciada a implementação do Sistema HACCP no estabelecimento a ser auditado.

22 4.2. ORGANIZAÇÃO DA EQUIPE AUDITORA Os critérios para escolha das equipes de auditoria devem incluir: Independência dos auditores em relação aos estabelecimentos a serem auditados; Habilidade específica na área técnica envolvida; Treinamento nos princípios do Sistema HACCP e em técnicas de auditoria; Aspectos de comportamento dos auditores. Devem-se evitar equipes formadas por dois técnicos com características de personalidade muito semelhantes; por exemplo, muito tímidos, excessivamente falantes, etc. Formação da equipe por dois auditores, sendo um o auditor-líder, com mais experiência prática em auditorias. ATIVIDADES DE PRÉ-AUDITORIA Organização da equipe de auditoria Sempre que possível, auditores de outras regiões Especialidade e aspectros comportamentais Contar com, pelo menos, um auditor que já tenha experiência prática em outras auditorias (auditor líder)

23 4.3 PLANEJAMENTO E PREPARAÇÃO DA AUDITORIA Considerações gerais No planejamento e preparação da auditoria, os auditores selecionados devem levar em consideração alguns itens importantes, que podem influir nos resultados a serem obtidos, tais como: Data da auditoria, com notificação por escrito ao auditado, incluindo-se o horário de início da mesma. Recomenda-se marcar a data, após contato telefônico; Equipamentos a serem utilizados (computador, termômetros, kits para testes rápidos, etc.); Programação das reuniões com a direção geral da empresa ou seu representante legal e o coordenador da equipe HACCP; Documentos de referência (relatórios de auditorias internas e/ou externas realizadas, legislação, etc.); Estabelecimento de métodos e técnicas de trabalho; Preparação dos documentos de trabalho (pode ser realizada antes ou após a análise prévia do plano HACCP). 4.4 ANÁLISE PRÉVIA DO PLANO HACCP Recomenda-se que a equipe auditora tenha acesso ao plano HACCP do estabelecimento a ser verificado antes de iniciar os procedimentos de auditoria propriamente ditos. Durante a análise do documento, que deve conter uma planta baixa do estabelecimento, é necessário registrar aqueles pontos que chamem a atenção dos auditores (por exemplo, deficiência na base científica do plano, em virtude de não conformidades na correlação entre os princípios do Sistema HACCP). A seguir, realiza-se a análise do plano HACCP com os seguintes objetivos: Familiarização dos auditores com o plano HACCP do estabelecimento a ser auditado; Estudar as características específicas do produto; Estudar os processos de fabricação (se necessário); Verificar se o plano escrito foi elaborado com base científica; Verificar se o plano escrito está de acordo com os princípios do Sistema HACCP;

24 Verificar se o plano escrito define quem é o coordenador da equipe HACCP e indica sua posição no organograma da empresa; Verificar se o plano contempla o programa de pré-requisitos; Verificar se o plano descreve o programa de capacitação técnica; Verificar se o plano contempla o que é estritamente necessário, ou seja, o que deve ser escrito em vez do que é bonito de ser lido ; Verificar se o plano está devidamente assinado pela direção geral da empresa. 4.5 ELABORAÇÃO DE "CHECK LISTS" (LISTAS DE VERIFICAÇÃO) "Check lists" - listas de verificação - são documentos que incluem anotações chaves para a execução das atividades de auditoria. Geralmente elaboradas sob a forma de um formulário, questionário ou planilha, estas listas são lembretes para que o auditor siga uma seqüência organizada de observações durante a execução da auditoria. Caso sejam empregadas, estas listas devem ter como base um método adequado de colheita de dados e o auditor deverá ser treinado em seu uso. As listas de verificação devem responder à especificidade de cada auditoria. Elas devem ser simples, objetivas e de fácil uso, leitura e entendimento, além de identificarem dados e fatos. Com este objetivo, as perguntas geralmente incluídas nestas listas estão relacionadas a requisitos específicos e, portanto, não devem juntar novos requisitos à normativa ou alterar sua essência. Sempre que possível, as respostas a estas perguntas devem ser SIM ou NÃO. Na construção dos "check lists" os inspetores/auditores devem considerar o diagrama de fluxo, o manual de GMP-SSOP e o plano HACCP correspondentes ao processo a auditar e formular questões objetivas que abordem aspectos referentes a métodos, materiais, equipamentos, medidas, mão-de-obra e condições ambientais para cada SSOP e PCC. Exemplo: Matéria prima Esta sendo recebida segundo as especificações? Esta sendo armazenada segundo as especificações? Chega acompanhada de certificados? É possível identificar sua origem? Estão sendo usados aditivos? Em caso positivo, a utilização do aditivo atende a legislação vigente?

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 ISO SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança dos alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva precisa

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

NOÇÕES DE AUDITORIA CAPÍTULO 13

NOÇÕES DE AUDITORIA CAPÍTULO 13 NOÇÕES DE AUDITORIA CAPÍTULO 13 13.1- Introdução Teve início nos EUA após a Segunda Guerra nas indústrias militares. Auditorias foram realizadas nessas indústrias para verificar se os contratos estavam

Leia mais

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores.

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores. Título: PLANEJAMENTO DE AUDITORIAS Palavra-chave: AUDITORIAS Código: PO 14.01 Elaboração: COUTINHO, S. V.; ZANELLA. G. Versão: 01 Revisão: PEREIRA, G.R; WACHHOLZ, F.D; ZANELLA, G. Aprovação: COMA Data:

Leia mais

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara INTRODUÇÃO AUDITORIA NÃO É SINDICÂNCIA AUDITADO NÃO É PESSOA SISTEMA PROCESSO PRODUTO REPRESENTANTE DO AUDITADO DIRETOR GERENTE CHEFE

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica

Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica ISSN 1984-9354 Desenvolvimento de um sistema de tratamento de não conformidades de auditorias em uma Indústria Farmacêutica Priscyla Abramowicz (LATEC/UFF) Resumo: A Indústria farmacêutica deve, por legislação,

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. RESPOSTA TÉCNICA Título Higiene e segurança de alimentos Resumo Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. Palavras-chave

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 PARTICIPAÇÃO NA CEET DA ABNT NBR 14900 e NBR 14991 COORDENAÇÃO DO GT INDÚSTRIA COORDENAÇÃO DO GT AUDITORIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC FERRAMENTAS DA QUALIDADE Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC As ferramentas da qualidade têm os seguintes objetivos: Facilitar a visualização e o entendimento dos problemas; Sintetizar o conhecimento e as

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TS10) CADERNO DE

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA

8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA 8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ÂNGELA DE FÁTIMA KANESAKI CORREIA 1. Introdução O estágio

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO

FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR CONSUMIDOR FERRAMENTA DE CONTROLE DO PROCESSO GOVERNO COMPROMISSO CONSCIÊNCIA CONHECIMENTO HACCP MEDIDAS GERAIS HIGIENE INDUSTRIAL

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA DIVISÃO DE CONTROLE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL - DCI DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar Rogério Augusto Profeta (FASC) rogerio.profeta@uniso.br Simone Fermino da Silva (FASC) fafil.oapec@argon.com.br Resumo A expressão

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim CONTROLE DE QUALIDADE Welliton Donizeti Popolim UM CENÁRIO MAIS COMPLEXO... Requisitos do consumidor mundial Qualidade ambiental Segurança Satisfação Produtos e serviços qualificados e certificados

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

EM SÍNTESE O PROCESSO SEGUNDO ISO 14010

EM SÍNTESE O PROCESSO SEGUNDO ISO 14010 LEVANTAMENTOS, DIAGNÓSTICOS E AUDITORIAS AMBIENTAIS por SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 003/004 por por Levantamentos Ambientais, Diagnósticos, Auditorias. Processo 4 00 e Tipologias de Auditorias. Motivação,

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

Autoinspeção. Minicursos CRQ-IV - 2010. autoinspeção de BPF e Controle. Carlos Alberto Trevisan. Setembro 2010

Autoinspeção. Minicursos CRQ-IV - 2010. autoinspeção de BPF e Controle. Carlos Alberto Trevisan. Setembro 2010 Autoinspeção Carlos Alberto Trevisan Setembro 2010 DEFINIÇÃO Atividade de rotina ou não que permite a empresa avaliar a conformidade das suas atividades relativamente aos quesitos constantes no Roteiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007 Ana Lúcia de Freitas Saccol Santa Maria, julho de 2007 Ingestão de alimentos ou água contaminados Estão independente de toda a tecnologia OMS + de 60% das DTA são provocadas por agentes microbiológicos

Leia mais

MANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

MANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MONTES CLAROS MAIO/2010 SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Programa Institucional de Iniciação Científica 5 3. Regulamentação do Programa Iniciação Científica 7 3.1 Obrigações das

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Pré-curso SAG 2015 1

Pré-curso SAG 2015 1 Pré-curso SAG 2015 1 Objetivo do Pré-Curso PREPARAR o participante para o curso de Agentes do SAG, segundo os Critérios do Sistema de Avaliação da Gestão do PGQP. 2 APRESENTAÇÃO O Programa Gaúcho da Qualidade

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 9001 e catalogando as principais dúvidas dos clientes.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

CAPACITAÇÕES ABIS. Requisitos do Programa de Boas Práticas de Fabricação como Pré-Requisito para a implantação da ISO 22000

CAPACITAÇÕES ABIS. Requisitos do Programa de Boas Práticas de Fabricação como Pré-Requisito para a implantação da ISO 22000 CAPACITAÇÕES ABIS Requisitos do Programa de Boas Práticas de Fabricação como Pré-Requisito para a implantação da ISO 22000 Cada funcionário de uma empresa de alimentos, ou de bebidas, deve entender e aplicar

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais