COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL"

Transcrição

1 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-64 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 FERRAMENTA DE PRIORIZAÇÃO DE MUNICÍPIOS PARA INVESTIMENTOS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA ELETROBRÁS/PROCEL Tema 3: Eficiência Energética Autores: DAVI VEIGA MIRANDA - autor responsável MÁRCIO CESAR ABREU CALHEIROS MARIA CRISTINA PERES PASCHOAL PALAVRAS-CHAVE: Eficiência Energética Gestão Energética Municipal PROCEL/ELETROBRÁS Município DADOS DO AUTOR RESPONSÁVEL Nome: Davi Veiga Miranda Cargo: ANS - Arquiteto Endereço: Av. Rio Branco, 53 / 14º andar Centro Rio de Janeiro - RJ Telefone: +(55 21) Fax: +(55 21) RESUMO DO TRABALHO: A Eletrobrás, por meio do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica - PROCEL, desenvolve, entre outros programas, o PROCEL GEM - Gestão Energética Municipal que tem como objetivo colaborar com o administrador municipal na gestão e uso eficiente de energia elétrica nos centros consumidores pertencentes à Prefeitura, bem como na identificação de oportunidades de economia e geração de energia. Algumas das grandes dificuldades enfrentadas no desenvolvimento desse programa são: a quantidade de municípios brasileiros atualmente 5.561; a diversidade de tamanhos e características; o acesso nem sempre adequado a informações pelos municípios e o volume de recursos disponíveis para atendê-los, entre outros. Com o objetivo de reduzir as dificuldades e de adotar uma postura estratégica e pró-ativa, evitando-se atendimento simplesmente reativo às solicitações de auxílio, o PROCEL GEM desenvolveu, em parceria com o IBAM Instituto Brasileiro de Administração Municipal e a RCE Rede Cidades Eficientes em Energia Elétrica, uma Ferramenta de Priorização de Municípios para investimentos. Essa ferramenta baseia-se em 27 dados e indicadores estatísticos de todos os municípios nas áreas social, financeira, energética, comportamental, educacional, entre outras. Através da atribuição de pesos a cada um desses dados ou do agrupamento estratégico de dados considerados importantes num determinado aspecto, é possível atribuir uma ordem de atendimento para os municípios. A partir desse momento, a Eletrobrás pode selecionar os municípios que melhor atendem aos seus requisitos e objetivos quando da implementação das ações de eficiência energética do PROCEL. Uma das características mais marcantes da ferramenta é sua flexibilidade. Por basear-se em dados diversos, e possibilitar a atribuição de pesos para cada dado separadamente, o programa pode ser utilizado por outros núcleos de trabalho do PROCEL, bastando que se atribua pesos diferentes para os dados mais relevantes em cada caso, ou ainda que se insiram novos dados e indicadores na base de dados do programa. Na fase atual, o PROCEL GEM vem utilizando a ferramenta internamente, gerando resultados com o intuito de testar a eficácia e a adequação aos propósitos iniciais do projeto e também de definir os dados mais relevantes em cada caso de aplicação. Essa ferramenta será de grande importância para que o PROCEL atinja resultados ainda mais expressivos que os já alcançados nesses 20 anos de existência. Selecionando os projetos de eficiência energética de maior retorno para o setor elétrico e cumprindo sua função social, a Eletrobrás contribui para o desenvolvimento do país.

2 1. INTRODUÇÃO O objetivo do PROCEL - Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica - é promover a racionalização da produção e do consumo de energia elétrica, eliminando os desperdícios e reduzindo os custos e os investimentos setoriais. Criado em dezembro de 1985 pelos Ministérios de Minas e Energia e da Indústria e Comércio, o PROCEL é gerido por uma Secretaria Executiva subordinada à Eletrobrás. Em 18 de julho de 1991, foi transformado em Programa de Governo, tendo suas abrangência e responsabilidade ampliadas. O Programa utiliza recursos da Eletrobrás e da Reserva Global de Reversão RGR, um fundo federal constituído com recursos das concessionárias, proporcionais ao investimento de cada uma. Utiliza, também, recursos de entidades internacionais. O sucesso do PROCEL pode ser medido pelos resultados obtidos ao longo destes quase 20 anos. As ações implementadas somente no ano de 2003, por exemplo, resultaram numa redução de demanda na ponta de 270 MW, evitando um investimento em geração de energia de mais de R$ 1.9 milhão. (Disponível em: <http://www.eletrobras.com/procel/site/opr ograma/resultados.asp>. Acesso em 10/06/2005.) Estes resultados foram obtidos através de um planejamento cuidadoso, direcionando as ações para os setores mais representativos em consumo e/ou desperdício de energia. Conforme demonstrado no gráfico de consumo de energia a seguir (FIGURA 1), o setor industrial é o maior consumidor de toda a energia elétrica produzida, utilizando 46%. O uso residencial vem a seguir, com um consumo de 24% e o uso comercial com 15%. Os restantes 15% distribuem-se entre setor rural, iluminação pública, órgãos do governo e outros. (Disponível em: <http://www.eletrobras.com/procel/site/opr ograma/apresentacao_introducao.asp>. Acesso em 10/06/2005) Todos estes setores, inclusive o Poder Público, com gastos com energia elétrica entre 10 e 15% do consumo total do país, são importantes alvos dos programas do PROCEL. 15% 15% 46% 24% residencial industrial comercial outros FIGURA 1 Gráfico de Consumo de Energia por Setor em 2004 Mas para que os programas tenham efeito prático no objetivo maior de conservação de energia no país e haja um aumento no potencial do mercado de produtos e serviços energeticamente eficientes, o envolvimento do consumidor torna-se fundamental. Sensibilizando-se para o problema, ele percebe as vantagens do combate ao desperdício de energia elétrica, adquire equipamentos mais eficientes e adota projetos que têm a eficiência energética como filosofia. Assim, o Programa de Gestão Energética Municipal busca estabelecer convênios com as Prefeituras com o intuito de elaborar o PLAMGE Plano Municipal de Gestão da Energia Elétrica e ainda gerar informação e sensibilização para funcionários e usuários da própria cidade e até de cidades vizinhas. Neste trabalho, será demonstrada uma experiência do Programa na elaboração de um software que tem como objetivo auxiliar a tomada de decisões

3 quanto à implementação de um projeto em um determinado município. Por terem características muito distintas, é difícil definir os municípios mais apropriados para aplicação de recursos em projetos que gerem resultados de economia de energia, perenidade e replicação. Este é o objetivo dessa Ferramenta de Priorização: direcionar os recursos para os projetos que gerem maiores resultados para o PROCEL, para o país e, conseqüentemente, para a sociedade. 2. O PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA MUNICIPAL Um dos sub programas do PROCEL é o Programa de Gestão Energética Municipal PROCEL GEM. O PROCEL GEM pode ser definido, de forma bastante objetiva, como um conjunto de princípios, normas e funções que tem por finalidade principal colaborar com o administrador municipal na gestão e uso eficiente de energia elétrica nos centros consumidores pertencentes à Prefeitura, bem como na identificação de oportunidades de economia e geração de energia. Para isso, as seguintes ações se fazem necessárias: gerenciar o uso da energia elétrica nos centros consumidores municipais (na iluminação pública, nos prédios municipais, no saneamento, etc.); controlar seu desempenho e eficiência, e atender às metas previamente definidas pela Prefeitura e órgãos competentes da administração municipal. O Programa cria atrativos para as administrações municipais com resultados a médio e longo prazo, em função do cronograma de implementação das ações propostas no PLAMGE. Entre estes objetivos, cabe destacar os seguintes: Promover, otimizar e coordenar as operações de gestão da energia; Reduzir o consumo de energia e, conseqüentemente, a conta de energia elétrica; Capacitar o município a negociar com a concessionária de energia elétrica, garantindo, assim, a autonomia na gestão de seus recursos. Dar continuidade às ações de combate ao desperdício de energia nos municípios; Dar sustentabilidade aos projetos de eficiência energética já implementados nos sistemas sob a administração municipal: iluminação pública, prédios públicos, saneamento e outros Operacionalização A implementação da GEM no município é bastante simples, conforme mostra o fluxograma da FIGURA 2. Após ter o convênio firmado entre a Eletrobrás e a Prefeitura Municipal, a primeira ação a ser tomada é a criação da Unidade de Gestão Energética Municipal UGEM. Esta Unidade é formada por uma ou mais pessoas, de preferência funcionários da prefeitura, conforme as dimensões, características e potencialidades do município. É importante que a UGEM tenha legitimidade explicitamente confirmada pelo mais alto nível de decisão no município. O ideal é que seja aprovada Lei Municipal que legitime a existência do grupo de trabalho, a UGEM, e suas atribuições. A principal função deste grupo será garantir a continuidade das atividades, acompanhando o planejamento e as

4 atividades de rotina ligados aos sistemas elétricos nos municípios. O próximo passo é capacitar a UGEM e, junto com esta, elaborar o PLAMGE do município. Com o PLAMGE elaborado, chega a hora de selecionar, entre as ações propostas, as que serão implementadas prioritariamente, de modo a usufruir o mais cedo possível dos benefícios que elas proporcionarão. 3. A REDE CIDADES EFICIENTES EM ENERGIA ELÉTRICA RCE A Rede Cidades Eficientes em Energia Elétrica foi criada nos moldes da Rede Energie-Cités de municípios europeus, pela ELETROBRÁS/PROCEL em parceria com o IBAM, no âmbito do Projeto ALURE com a Comissão Européia. Ela objetiva facilitar a difusão e a troca de informações sobre o desenvolvimento de projetos de eficiência energética entre os municípios brasileiros e de outros países contribuindo, assim, para criar e fortalecer a competência municipal na gestão da energia, integrando essa esfera de poder no combate ao desperdício de energia elétrica. FIGURA 2 Fluxograma de Implementação da GEM A RCE conta com aproximadamente 700 municípios associados (jan/2005) e esse número tende a aumentar. Para isso, estão sendo envidados esforços de divulgação da importância do uso racional da energia elétrica e os benefícios para os municípios com a adoção das políticas de Gestão Energética. Ainda como incentivo, a RCE promove um prêmio anual Prêmio PROCEL Cidade Eficiente que reconhece e divulga as melhores experiências municipais em 6 categorias de interesse da administração municipal: Educação, Gestão Energética Municipal, Iluminação Pública, Legislação, Prédios Públicos Municipais e Saneamento. Ser integrante da RCE significa para os municípios a possibilidade de obter uma série de benefícios: Redução das despesas municipais, a partir da introdução do conceito de gestão de energia elétrica no município; Possibilidade de troca de tecnologias e experiências com

5 outros municípios, inclusive de outros países; Trocar informações acerca de temas relacionados a energia elétrica tais como: manutenção eficiente de sistemas elétricos, modalidades de financiamentos para implementação de projetos, possibilidades de redução do consumo de energia nos sistemas subordinados a administração municipal; Aumento da capacidade de negociação do município com a concessionária de energia elétrica; Possibilidade de divulgação das experiências realizadas nos municípios; Ter um papel ativo na preservação do meio ambiente. 4. A FERRAMENTA DE PRIORIZAÇÃO DE MUNICÍPIOS 4.1. Motivação Uma das principais ações implementadas pelo PROCEL são os projetos-demonstração. Ou seja, projetos que demonstrem a viabilidade do investimento em eficiência energética através de resultados de economia de energia mensuráveis e cálculos de relação custo-benefício, tempo de retorno, entre outros. Por meio da demonstração, outros agentes podem se interessar em replicar o projeto em outros locais, gerando cada vez mais economia de energia e movimentando um ciclo de ações e resultados autosustentável. O grande benefício desse ciclo para o PROCEL é atingir vários alvos com um investimento único no primeiro projeto e chegar ao resultado mais importante, que é a economia de energia, em vários projetos além dele. Dessa maneira, não é necessário investir na eficiência energética de cada um dos municípios brasileiros. Até porque isso não seria possível, devido à limitação de recursos humanos e financeiros disponíveis. Vários deles poderão ser atingidos através das ações de outros agentes, como concessionárias, ESCOs e as próprias prefeituras. Mas como saber, num universo tão extenso, quais são os municípios que geram melhores resultados? Quais necessitam mais do apoio da Eletrobrás / PROCEL? Quais poderão servir como exemplo para outros municípios? Sem respostas para essas perguntas, o PROCEL GEM fica sujeito a funcionar reativamente, simplesmente atendendo às solicitações dos municípios interessados no Programa. Para responder às perguntas e evitar a situação acima descrita, faz-se necessário o uso de uma ferramenta que possa analisar dados individuais dos municípios cruzando-os com as diretrizes e prioridades do PROCEL Desenvolvimento O primeiro passo para o desenvolvimento do software foi a pesquisa de uma base de dados confiável e diversificada que serviria como alimentação para a análise posterior dos dados. Essa foi, sem dúvida, a fase mais difícil do trabalho. Era necessário encontrar dados geográficos, demográficos, sociais, financeiros, de consumo, entre outros, de todos os municípios e de fontes confiáveis. Caso contrário, o resultado final poderia ser distorcido, prejudicando a confiabilidade da ferramenta. Foram poucas as fontes de dados selecionadas. Há poucos dados setorizados por municípios de todo o país. Foi possível encontrar dados de algumas regiões em particular que poderiam ser interessantes para a análise, mas eles não puderam ser

6 utilizados por não haver similares para os outros municípios. Assim, a seleção de dados baseou-se, principalmente, no IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que tem dados muito valiosos, sempre a respeito de todos os municípios. Foram escolhidos 51 dados ou indicadores que podem ser acessados no banco de dados do programa, Ou seja, há 51 dados sobre municípios, o que totaliza um mundo de quase informações disponíveis para cruzamentos, comparações e análises. Durante o trabalho de desenvolvimento do software, optou-se por criar duas versões utilizando essa mesma base de dados. Uma das versões, a mais simples, utiliza somente 23 dos 51 dados disponíveis para as análises e comparações entre os municípios. Os 28 dados restantes são desdobramentos dos principais e podem ser utilizados para detalhamentos e ajustes finos. Essa versão possibilita estabelecer pesos para cada um dos dados de acordo com a análise desejada, além de setorizar os municípios por região, população e área territorial. Já a versão completa analisou todos os dados com auxílio de um programa de mineração de dados, que cruza todos os dados disponíveis e encontra correlações entre eles. Depois, fornecendo as características desejadas de um município, o programa forma um grupo com aqueles que mais se aproximam do perfil escolhido. Foram finalizadas 10 pesquisas com diferentes objetivos que agregam municípios com características semelhantes Funcionamento Versão Simples Na versão simples, o banco de dados está organizado em planilhas e toda a análise desenvolve-se sob a plataforma do mesmo programa. A tela inicial, mostrada na FIGURA 3, revela todas as possibilidades que o sistema fornece. Essa versão é mais flexível e amigável para o usuário, permitindo um entendimento mais direto das análises e uma interação maior com o banco de dados, inclusive sua atualização. FIGURA 3 Tela Inicial da Versão Simples Os três quadros à direita são os filtros do programa. Por meio deles é possível restringir a pesquisa a municípios situados em determinadas faixas de população, área territorial e regiões do país. Esses três filtros foram escolhidos por representarem as maiores fontes de diversidade entre os municípios brasileiros. A experiência do PROCEL GEM na implementação de projetos de eficiência energética em municípios demonstrou que as dificuldades enfrentadas por municípios de poucos habitantes, por exemplo, é bem diferente daquelas encontradas em municípios maiores. Assim, a forma de solucioná-los deve ser diferente e isso justifica uma análise separada. Os cinco botões à esquerda fornecem acesso a ferramentas ou dados do programa: pode-se verificar os 51 dados disponíveis para cada um dos municípios e, quando for possível, fazer a atualização

7 dos dados; há também as notas dadas para os municípios nos 23 dados relevantes em função da comparação simples entre eles. Essas notas são utilizadas para o cálculo dos números finais da análise; na tela de pesos, mostrada na FIGURA 4, são atribuídos pesos de 1 a 5 para cada um dos dados. municípios são mostrados em ordem crescente de nota final. Os municípios com maiores notas são os que tem os melhores desempenhos nos dados analisados. FIGURA 5 Tela de Resultados da Versão Simples FIGURA 4 Tela de Atribuição de Pesos da Versão Simples Esse é o coração do Sistema. Aqui devem ser definidos os parâmetros para a análise dos dados, atribuindo maiores pesos para aqueles mais relevantes em cada análise. Uma pequena alteração em apenas um dos dados já é suficiente para causar mudanças no resultado final, devido à quantidade de municípios. Portanto, uma seleção criteriosa nessa fase e alguns ajustes finos são necessários e até normais para que o resultado reflita, o mais fielmente possível, os anseios da consulta. O botão destacado dos demais é o que inicia o processo de cálculo de acordo com os parâmetros definidos anteriormente. Ele fará a ordenação dos municípios que se encontram dentro das faixas definidas nos filtros, gerando notas que representam seus desempenhos de acordo com os pesos atribuídos a cada dado; o último botão emite o relatório com os resultados da análise em forma de tabela, conforme mostra a FIGURA 5. Os Em resumo: para gerar os resultados desejados, é necessário filtrar os municípios de acordo com suas características de população, área e região; posteriormente atribuir pesos aos 23 dados de acordo com a análise; gerar o cálculo e, finalmente, visualizar os resultados Versão Completa Na versão completa, não há visualização do banco de dados e nem interação com a forma de cálculo do sistema. O usuário tem acesso somente aos resultados das pesquisas. FIGURA 6 Tela Inicial da Versão Completa

8 A forma de cálculo é diferente da versão simples. Aqui, os dados são analisados pelos seus números absolutos, sem atribuição de notas ou pesos. Ou seja, o resultado é mais preciso e seletivo. Foram feitas pesquisas de dados dos municípios em torno de características previamente definidas. Ou seja, primeiro foram definidas quais as características a serem analisadas. Por exemplo: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH); Percentual de pessoas com energia elétrica; Renda per capita. Esse é um grupamento existente no Sistema e seu objetivo é analisar desenvolvimento e acesso à eletricidade. O programa de mineração de dados cruzou estes dados de todos os municípios procurando por semelhanças entre eles. Como resultado, foram gerados agrupamentos onde os municípios são classificados de acordo com a maior ou menor adequação às características definidas. No exemplo acima, foram identificados 4 agrupamentos principais que, juntos, representam quase 90% dos municípios. O maior agrupamento (cerca de 35%) tem as seguintes características: assemelham aos requisitos já estão identificados, facilitando a implementação de ações posteriores. Como amostra das possibilidades do sistema, seguem os objetivos das 10 pesquisas realizadas: Distribuição dos recursos recebidos pelos municípios e renda per capita; Grau de desenvolvimento do município; Índice de desenvolvimento e acesso à eletricidade; Saneamento e acesso à eletricidade; Serviços de educação e acesso à eletricidade; Serviços de Saúde e acesso à eletricidade; Característica da população e acesso à eletricidade; Urbanização; Economia; Índices de energia elétrica. Em resumo, o Sistema já realizou as análises para os 10 assuntos acima e disponibiliza a visualização dos resultados em gráficos, planilhas e textos, como mostrado na FIGURA % deles têm IDH alto (entre 0,70 e 0,85); 96% deles tem alto percentual de pessoas com energia elétrica (acima de 90%); e a renda per capita é média (70% entre R$200,00 e R$300,00) Como pode-se perceber, as informações são fornecidas de forma detalhada para cada um dos agrupamentos identificados pelo programa de mineração de dados. Portanto, é possível realizar as análises sobre dados já trabalhados pelo programa. Os municípios que mais se FIGURA 7 Tela de Gráfico de Resultados do Sistema Completo Além do módulo das pesquisas, o Sistema apresenta ainda um módulo de projetos, onde é possível cadastrar e acompanhar os projetos do PROCEL,

9 definindo as aplicações de recursos para os municípios dos agrupamentos definidos anteriormente. de forma inteligente é um grande passo nessa direção. 6. BIBLIOGRAFIA LA ROVERE, Emílio Lèbre. Manual para Elaboração de Planos Municipais de Gestão da Energia Elétrica. Rio de Janeiro, IBAM/DUMA/NMA; Eletrobrás/PROCEL, Guia Técnico Gestão Energética Municipal. Rio de Janeiro, Eletrobrás/IBAM, FIGURA 8 Tela do Módulo de Projetos do Sistema Completo 5. CONCLUSÕES Atualmente, o PROCEL utiliza esse sistema internamente, de modo a testar sua eficácia antes de implementá-lo e utilizá-lo como um procedimento padrão. A operação tem sido feita na ordem inversa: através de dados de projetos de sucesso já implementados, podemos verificar se as análises feitas pelos sistemas também apontariam esses projetos como viáveis. O Sistema fornece ferramentas, mas a sensibilidade, o bom senso e a experiência dos técnicos ainda têm se mostrado como ótimos aliados na fase de análise detalhada dos dados. Os dois sistemas são, sem dúvida, de grande valia para o PROCEL e para todos que trabalham com aplicação de recursos em projetos, principalmente de eficiência energética. A busca incansável por resultados numa atividade eficiência energética - que nunca é o core business da empresa justifica-se exatamente pelas exigências de demonstração da viabilidade e do retorno dos projetos. A sobrevivência do setor depende disso. E usar os recursos Site do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL. Disponível em <http://www.eletrobras.com/procel>. Acessado em 10/06/2005. Software Apresentação de Resultados de Agrupamentos de Municípios. Versão 1.3. ELETROBRÁS / PROCEL / IBAM, Software Programa para Priorização de Municípios. ELETROBRÁS / PROCEL / IBAM, 2004.

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010 Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Março de 2010 O PROCEL SANEAR Objetivos Promover o uso

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 29 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS)

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) PRIMEIRA CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA O A Light publicou no dia 31/07/2014 seu Edital para a 1ª Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética que promove o uso

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS Equipe Técnica o o o o Prefeito Municipal Luiz Goularte Alves Secretaria Municipal

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO CONCURSO: PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL EXTENSIONISTA GESTÃO PARA RESULTADOS. RECONHECIMENTO CATEGORIA: INOVAÇÃO EM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS AUTOR: VALDIMIR DE JESUS PASSOS CO-AUTOR PRINCIPAL: WANDER ADRIANO

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras

FUNCEXDATA 2.0. Manual do Usuário. Maio/2012. Ajudando o Brasil a expandir fronteiras Ajudando o Brasil a expandir fronteiras FUNCEXDATA 2.0 Manual do Usuário Maio/2012 Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro 20040-001 Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ 42.580.266/0001-09.

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 1 Elaboração de Projetos - objetivo da Cooperação Técnica; - a importância do Planejamento na elaboração de um projeto; - o significado de projeto; - detalhamento da ação; - trabalhando

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

Workshop Panorama e Perspectiva da Eficiência Energética

Workshop Panorama e Perspectiva da Eficiência Energética Workshop Panorama e Perspectiva da Eficiência Energética Rio de Janeiro - 17 de agosto de 2007 Eletrobrás Política Pública de Conservação de Energia Vertente Humana Mudança de hábito; Vertente Tecnológica

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor

MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor Sistema de Gestão e Controle de Consignações On-Line - CONSIGFÁCIL MANUAL CONSIGFÁCIL Acesso: Servidor V.4.2 (Agosto/2014) 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSANDO O CONSIGFÁCIL... 4 1.1. NAVEGADOR... 4

Leia mais

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE

Prêmio Socioambiental CHICO MENDES. PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE Prêmio Socioambiental CHICO MENDES PROCERT Programa de Certificação do Compromisso da Responsabilidade Socioambiental. Edição 2013 SELO VERDE REGULAMENTO 1 DO PROMOTOR E OBJETIVOS 1.1 - A realização da

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos:

EDITAL UNIFEM. Podem ser apresentados projetos de organizações da sociedade civil que cumpram os seguintes requisitos mínimos: EDITAL UNIFEM 2010 O Escritório Sub-Regional do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I:

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I: Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Unidade I: 0 Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras GERENCIAMENTO DE OBRAS Programas computacionais gráficos podem ajudar na elaboração de orçamentos,

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0

SST - PPP. 11.8.x. abril de 2015. Versão: 4.0 SST - PPP 11.8.x abril de 2015 Versão: 4.0 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 4 3 Introdução... 5 4 PPP... 6 4.1 Principais botões do sistema...

Leia mais

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PRÓ-CONSELHO CURSO DE EXTENSÃO A DISTANCIA FORMAÇÃO

Leia mais

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1 ES R O D A C I D N I 2 O X E N A EDUCACIONAIS 1 ANEXO 2 1 APRESENTAÇÃO A utilização de indicadores, nas últimas décadas, na área da educação, tem sido importante instrumento de gestão, pois possibilita

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM COMUNICAÇÃO E MARKETING Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line Sistema on-line O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Criado em 18 de março de 2013 através da Lei 14.921 Art. 1º Fica instituído o Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal - FEM, mecanismo

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: AÇÕES IMEDIATAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DOS ATIVOS ILUMEXPO 2015 4ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada / Junho 2015 IBAM, MUNICÍPIO E

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA

Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA Manual de Operação do Portal Acadêmico SENAI-BA Este manual tem como objetivo auxiliar o docente na utilização do Portal Acadêmico, permitindo o acesso as rotinas acadêmicas através de ambiente WEB, flexibilizando

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Eventos Anulação e Retificação

Eventos Anulação e Retificação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Eventos Anulação e Retificação

Leia mais