Nº Versão/Data: Validade: /10/2014 OUTUBRO/2015 JUR FILIAÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO FILIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº Versão/Data: Validade: 3.0 01/10/2014 OUTUBRO/2015 JUR. 02 - FILIAÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO FILIAÇÃO"

Transcrição

1 1 de 16 FILIAÇÃO MACROPROCEO ADMINITRATIVO PROCEO FILIAÇÃO - FILIAÇÃO 1. OBJETIVO ABRANGÊNCIA DOCUMENTO RELACIONADO PROCEDIMENTO DEFINIÇÃO DO ERVIÇO E UA ABRANGÊNCIA OLICITAÇÃO DE FILIAÇÃO DOCUMENTO NECEÁRIO ANÁLIE PRELIMINAR DA INFORMAÇÕE APROVAÇÃO DA OLICITAÇÃO CONELHO ARBITRAL 1ª FAE APROVAÇÃO DA OLICITAÇÃO CONELHO ARBITRAL 2ª FAE INCLUÃO DA INFORMAÇÕE NO ITEMA REGITRO HITÓRICO DO DOCUMENTO ANEXO CHECK LIT FLUXOGRAMA DO PROCEO Elaboração Análise Crítica e Aprovação Distribuição REINALDO MENDE PAULA MOURA AEORIA JURÍDICA AEORIA DE PROCEO ANTONIO CARLO BORGE DIRETORIA EXECUTIVA BIBLIOTECA LINK INTRANET 1

2 2 de OBJETIVO Estabelecer procedimentos para filiação dos sindicatos na FECOMERCIOP 2. ABRANGÊNCIA Toda a estrutura da Fecomercio P 3. DOCUMENTO RELACIONADO Não aplicável 4. PROCEDIMENTO 4.1. DEFINIÇÃO DO ERVIÇO E UA ABRANGÊNCIA Filiação é a admissão de novas entidades sindicais à entidade de grau superior (representante de sua categoria) prevista na Constituição e nas portarias do Ministério do Trabalho. Trata-se de ato volitivo que reflete a intenção do interessado em ser inserido em uma Federação que o represente e proporcione participação em questão macro. Fundamenta-se no fortalecimento da entidade sindical para que possam representar de maneira mais efetiva as empresas de suas bases territoriais. Para ser aceito como filiado é preciso ser uma entidade sindical que represente categoria econômica inserida no plano do comércio de bens, serviços e turismo no estado de ão Paulo, que é coordenado pela Fecomercio P. 2

3 3 de 16 A filiação dá ao sindicato o direito de participar de Conselhos Institucionais, Temáticos ou Tradicionais da Federação do Comércio de Bens, erviços e Turismo do Estado de ão Paulo. Os sindicatos que tiverem interesse em se filiar à Fecomercio P, podem ter ciência dos benefícios de tal filiação através do site ou através de contato telefônico com a ecretaria. Vale destacar que o pedido de filiação somente poderá ser feito decorridos 6 (seis) meses do registro no órgão competente. 4.2 OLICITAÇÃO DE FILIAÇÃO Deve ser enviada à ecretaria uma solicitação de filiação, que pode ser feita por ou através de ofício à FecomercioP. Vale destacar que caso a solicitação seja enviada diretamente à Assessoria Jurídica, a mesma deve encaminhar o documento para a ecretaria para que a mesma possa gerar os devidos registros. Ao receber a solicitação, a ecretaria deve respeitar o processo A. 01 Protocolo Único. Feito isso deve encaminha-la para a Assessoria Jurídica, responsável pelo processo de filiação. 4.3 DOCUMENTO NECEÁRIO A Assessoria Jurídica, ao receber as informações, deverá analisá-las a fim de verificar sua pertinência. Caso a solicitação do sindicato não seja pertinente cabe a Assessoria Jurídica enviar um ofício ao sindicato justificando o não atendimento da demanda. Já em casos de solicitações pertinente cabe a Assessoria realizar a autuação do nº do processo (criação da pasta do processo) e em seguida, caso o sindicato já não tenha providenciado todos os documentos, encaminhar a minuta do requerimento de filiação ao sindicato solicitante na qual são informandos os documentos necessários para instruir o processo de filiação, os quais são: 3

4 4 de 16 1) Cópia autêntica da ata da Assembleia que autorizou o pedido de filiação com a respectiva lista de presença, contendo a indicação de seus representantes e dos respectivos dados pessoais, constantes do livro de registro de sócios do indicato; 2) Cópia da ata de criação do sindicato e respectiva lista de presença; 3) Prova de registro no órgão competente previsto no art. 8º da Constituição Federal; 4) Declaração do órgão competente de que o pedido de registro não foi impugnado; e do juízo competente do Poder Judiciário declarando não existir ação impugnando a criação do indicato (Estes documentos só são necessários caso o sindicato não tenha apresentado o documento citado anteriormente no item 2). 5) Cópia autêntica do Estatuto; 6) Cópia autêntica da ata de eleição da última Diretoria; 7) Dados pessoais da Diretoria. Junto a este oficio a Assessoria deverá encaminhar ao sindicato a minuta de declaração de adesão ás normas do ICOMERCIO (para tanto cabe ao sindicato analisar as normas do icomercio disponível no site da CNC) e ao Estatuto ocial da FecomercioP para que este analise e sinalize se está de acordo ou não. Vale destacar que a adesão às normas do ICOMERCIO bem como ao Estatuo da Fecomercio P não é opcional. Caso o sindicato não concorde com os termos, o mesmo poderá desistir do pedido de filiação. Eventuais ajustes no estatuto do sindicato são informados via ecretaria através de ofício. Estando de acordo, cabe ao sindicato enviar os documentos à Fecomercio P e a declaração de adesão, pelo menos, ao Estatuto da Fecomercio P, para que seja dado início ao processo de filiação. Todos os documentos, fotos e s compõe a pasta do processo. 4

5 5 de 16 Em todas as etapas do processo que envolve a elaboração e envio de ofícios deve ser respeitado o procedimento EC.02 - Ofícios e Textos. Já nos casos de recebimento de documentação deve ser seguido o procedimento de A. 01 Protocolo Único ANÁLIE PRELIMINAR DA INFORMAÇÕE Uma vez recebido os documentos, cabe a Assessoria Jurídica elaborar um resumo do processo e submetêlo para análise o Conselho Arbitral. Cabe a este último analisar as informações para verificar se os documentos estão corretos e se há informações ou documentos faltantes. Em caso afirmativo, cabe ao Conselho delegar à Assessoria Jurídica a tarefa de entrar em contato com o solicitante informando as irregularidades para que possa ser dado andamento ao processo. Os documentos irregulares são armazenados na pasta do sindicato com a sinalização de documento não conforme. omente após o atendimento desta etapa é que será dado prosseguimento a solicitação. Neste momento é finalizado o preenchimento do Check List (anexo 7.1) que evidencia a adequação da documentação. Cabe à secretária do Conselho Arbitral, inserir o assunto na pauta da reunião. 4.5 APROVAÇAÕ DA OLICITAÇÃO CONELHO ARBITRAL 1ª FAE De acordo com o Art. 50 do Estatuto ocial da FecomercioP é de responsabilidade do Conselho Arbitral analisar e deliberar sobre os processos de filiação de novas entidades. Desta forma, com base nos documentos, e no parecer da Assessoria Jurídica, os membros do Conselho, em reunião, analisam o pedido tendo como base para análise a abrangência do Plano do Comércio (1º, 2º, 3º, 4º e 5º Grupo conforme CLT) e o alinhamento com os interesses da Fecomercio P. Toda decisão tomada relativa ao processo é registrada na Ata da reunião. Convém destacar que a aprovação da filiação do sindicato é feita em duas fases: A primeira é feita através da análise da documentação; A segunda, por sua vez, mediante visita técnica na sede do sindicato solicitante. 5

6 6 de 16 Não atendendo aos quesitos, e em caso de recusa do pedido, cabe a Assessoria Jurídica elaborar um ofício comunicando a entidade solicitante a negativa do pedido e em seguida arquivar a pasta do processo. Já nos casos de aprovação inicial do pedido, cabe a Assessoria Jurídica elaborar um oficio informando a todos os sindicatos da FecomercioP a possível filiação de um novo sindicato. Este documento é revisado e enviado pela secretaria em formato eletrônico e físico (comprovante de envio de e envio pelo correio com comprovação de AR). As informações relativas aos dados cadastrais do sindicato são inseridas do sistema INDICAD pela ecretaria Geral. Os sindicatos filiados à Fecomercio P terão o prazo máximo de 15 dias, a contar da data do recebimento do ofício, para manifestar sua posição contrária. Qualquer manifestação feita fora deste prazo não será considerada, salvo diante da comprovação do não recebimento. Passado este prazo, cabe a Assessoria Jurídica elaborar um resumo do processo para servir como base na discussão. Cabe a assessoria do Conselho inserir o assunto na pauta da próxima reunião APROVAÇÃO DA OLICITAÇÃO CONELHO ARBITRAL 2ª FAE Compete ao Conselho Arbitral em sua reunião abordar o tema (requerimento contrário etc.). Em caso de manifestações, cabe ao Conselho verificar suas fundamentações, sendo elas pertinentes cabe ao Conselho designar um membro para entrar em contato com o sindicato solicitante para que o mesmo realize adequações. Caso contrário, cabe ao Conselho decidir pela não filiação do sindicato em questão. Neste caso cabe a Assessoria Jurídica proceder conforme item 4.5. Já em caso que não atestarem impugnações, cabe ao conselho dar andamento ao processo através da designação de um relator para visitar o sindicato a fim de verificar os seguintes itens: ede (se a entidade possui sede e como estão suas instalações para atendimento da categoria); Funcionários (como está o quadro funcional); Estrutura organizacional (departamentos); 6

7 7 de 16 Quadro de Diretoria; Convênios (parcerias, produtos e serviços, etc.); Associados e Filiados (quantidade); Negociação Coletiva. Para tanto, uma vez designado o relator (membro do Conselho Arbitral), cabe a Assessoria Jurídica agendar, com o Presidente do indicato solicitante, uma vista e comunicar a data ao relator. É recomendado o prazo máximo de 30 dias a contar da data da reunião para o agendamento da visita. Este, por sua vez, em conjunto com o Assessor Jurídico designado, deverá visitar a entidade, analisar todos os pontos, coletar evidências (fotos) para que sirvam de base para a aceitação ou não do pedido de filiação. Realizada a visita, cabe ao Assessor Jurídico elaborar um relatório de diligência (observações coletadas), encaminhar para o relator para que este elabore a conclusão final do documento. Cabe à secretária incluir o assunto para a próxima reunião do Conselho. Nesta reunião, cabe ao Conselho analisar o relatório, verificar as observações do relator e realizarem votação para decidir pela filiação ou não da entidade. Em casos de recusa, cabe a Assessoria Jurídica elaborar o oficio com a decisão final do Conselho Arbitral, cientificar o sindicato e arquivar o expediente na pasta do processo, conforme item 4.5. Já nos casos onde a filiação é aprovada, cabe ao Conselho encaminhar o processo para homologação da Diretoria Plena (reunião Plenária). Para tanto, a secretária insere o assunto na pauta da próxima reunião plenária. A validação do processo durante a Plenária é registrada através da transcrição da reunião. Feita a homologação do processo, é elaborado oficio cientificando o interessado sobre a aprovação da filiação do sindicato. Em seguida deve desmembrar a pasta do processo (organizar os documentos por categorias). 7

8 8 de INCLUÃO Feito o desmembramento cabe a Assessoria Jurídica inserir as informações relativas as abas Categoria/Base e Reconhecimento no sistema indicad (sistema de cadastro de informações de entidades sindicais localizado na intranet) e encaminhar a pasta de documentos para o núcleo de Gerenciamento de Cadastro. Este, por sua vez, deve incluir os demais dados das entidades filiadas no sistema e comunicar as áreas internas da Fecomercio P. Cabe a Assessoria Administrativa comunicar ao EC e ENAC (através de envio de ofício) a filiação do sindicato, para que estas entidades realizem o cadastro do mesmo. Além disto, cabe à Assessoria Administrativa incluir o sindicato nos Conselhos (Fecomercio P) pertinentes e agendar com o mesmo uma visita à Fecomercio P para que seja apresentada ao indicato, de forma institucional, a Federação ao qual se filiou. Neste momento deve ser respeitado a etapa 4.11 Novo Membro da Diretoria prevista no procedimento EC. 04 Eleição. Em caso de dúvidas específicas ou outros esclarecimentos, cabe à Assessoria Administrativa agendar com as interfaces uma reunião de esclarecimento para o sindicato. 4.8 DEFILIAÇÃO Os sindicatos podem a qualquer momento requerer sua desfiliação, quando julgar necessário, mediante requerimento protocolado na ecretaria, desde que esteja quite com suas obrigações. Da mesma forma é de direito da Fecomercio desfiliar o sindicato em razão de: 1) Cancelamento da carta de reconhecimento ou do respectivo registro sindical; 2) Por reincidência nas penalidades definidas no Estatuto ocial da FecomercioP; e 8

9 9 de 16 3) Por descumprimento das disposições estatutárias da FecomercioP. Tanto em um caso quanto em outro, o requerimento é encaminhado ao Conselho Arbitral que em reunião deve decidir sobre a filiação ou desfiliação da entidade. Feito isto a decisão é encaminhada para homologação em reunião plenária. Após a homologação, cabe a Assessoria Jurídica elaborar um ofício informando ao sindicato e a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, erviços e Turismo) sobre a desfiliação. 5. REGITRO Identificação Armazenamento Proteção Recuperação Tempo de Retenção Cópia de egurança Descarte Pasta do Processo (em andamento) Pasta Física Acesso livre Nome da Entidade/ Nº Processo Permanente Não Não Aplicável istema indicad Banco de Dados (\\RV- 09.fecomercio.inet) Aplicação(\\Jupiter.fec omercio.inet) Acesso restrito através de permissão de acesso na rede Nome do indicato/ Nome fantasia/ Cidade/ Gênero/ Localização/ tatus/ Filiado/ Categoria Permanente im Não Aplicável 9

10 10 de 16 Ata Conselho Arbitral \\RV- 01\ec$\Gestao2013\s ecretárias\conselhos\c onselhostradicionais\c. arbitral Acesso restrito através de permissão de acesso na rede Data / Assunto Permanente im Não Aplicável Transcrição Plenária Pasta do Processo (FINALIZADO) \\RV-01\ec$\ Gestao2013\secretárias \plenaria Pasta A-Z Acesso restrito através de permissão de acesso na rede Acesso livre Data Permanente im Não Aplicável Nome da Entidade / Nº Processo / Nº Pasta Permanente Não Não Aplicável 6. HITÓRICO DO DOCUMENTO Versão Data Comentários /09/2013 Edição Inicial /11/2013 Atualização do fluxograma do processo anexo /10/2014 No item 4.3 inserção do envio da minuta do requerimento de filiação ao sindicato solicitante. No item 4.3 inserção da Cópia da ata de criação do sindicato e respectiva lista de presença na listagem de documentos necessários. No item 4.3 inserção da obrigatoriedade de adesão às Normas do incomercio. 10

11 11 de 16 11

12 12 de ANEXO 7.1 Check List 12

13 DIRETORIA INDICATO CONELHO ARBITRAL AEORIA TÉCNICA AEORIA JURÍDICA ADMINITRAÇÃO ECRETARIA OLICITANTE Gestor: 13 de Fluxograma do Processo P1 Filiação FECOMERCIO P P1 - Filiação Início P1 Oficio T1 T7 Enviar solicitação de filiação à Fecomercio através de ou Ofício Receber ofício Analisar as informações/ documentos Continuar com o pedido de filiação? N FIM T8 Enviar documentação para a Fecomercio P T9 Protocolo: Receber documentos Registrar no livro de protocolo Encaminhar para Assessoria Jurídica T2 Protocolo: Receber a solicitação Realizar o processo de protocolo único + T5 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato + T6 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato + T4 Elaborar Ofício/resposta Elaborar relatório Arquivar N T10 Receber a documentação Realizar o preenchimento do check list Elaborar resumo do processo Encaminhar para o Conselho Arbitral T13 olicitar à secretária do Conselho arbitral a inserção do assunto na pauta Elaborar parecer T14 T3 Receber a solicitação Realizar a autuação/nº do processo Analisar olicitação pertinente? T11 olicitar à secretária do Conselho arbitral a inserção do assunto na pauta Elaborar parecer Documentação exigida está ok? N T12 olicitar ajustes ao sindicato através da Assessoria Jurídica 13

14 DIRETORIA INDICATO CONELHO ARBITRAL AEORIA TÉCNICA AEORIA JURÍDICA ADMINITRAÇÃO ECRETARIA OLICITANTE Gestor: 14 de 16 P1 Filiação FECOMERCIO P P1 - Filiação T19 Receber ofício Analisar as informações Entrar em contato com a Ass. Jurídica para esclarecer dúvidas FIM N Continuar com o pedido de filiação? T28 Realizar adequações T14 T18 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato + T21 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato Encaminhar comprovantes de envio para Ass. + Jurídica T14 ecretária: Inserir assunto na pauta da reunião do Conselho T24 ecretária: Inserir assunto na pauta da reunião do Conselho T16 Elaborar ata da reunião Arquivar T17 Elaborar Ofício/resposta Arquivar na pasta do sindicato T20 Elaborar Ofício informando sobre o pedido de filiação a todos os sindicatos da base T23 Elaborar resumo do processo T30 15 dias para impugnação T15 Analisar documentos e parecer T26 Verificar a fundamentação das impugnações ão pertinentes? T27 Designar um membro para entrar em contato com o sindicato orientando sobre as adequações necessárias Na reunião T25 T29 N Requisitos para filiação N (documentação e plano da CNC) e estão ok? Analisar as informações do processo Foram N apresentadas impugnações? Designar relator para realizar a visita Na reunião T22 Receber as informações Analisar Manifestar ou não impugnações 14

15 DIRETORIA INDICATO CONELHO ARBITRAL AEORIA TÉCNICA AEORIA JURÍDICA ADMINITRAÇÃO ECRETARIA OLICITANTE Gestor: 15 de 16 P1 Filiação FECOMERCIO P P1 - Filiação FIM T36 ecretária: Inserir assunto na pauta da reunião do Conselho T39 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato + T41 ecretária: Inserir assunto na pauta da reunião plenária T43 ecretária: Registrar a homologação na ATA T45 Revisão: Realizar o processo de Ofícios e Textos Enviar ao sindicato + T47 T30 T31 Agendar visita T33 Elaborar relatório de diligência Encaminhar para o relator T35 Informar a secretária para inserir o assunto na pauta T38 Elaborar Ofício Arquivar expediente na pasta do processo T44 Elaborar Ofício informando a aprovação ao sindicato T46 Desmembrar a pasta do processo Encaminhar pasta para a ecretaria N T32 Relator: Realizar visita em conjunto com assessor jurídico Verificar todos os pontos exigidos (sede, diretoria, convênios, etc) Coletar evidências (fotos) T34 Elaborar a conclusão final T37 Analisar o relatório Realizar votação para decisão final de aprovação de filiação Na reunião Aprovada a filiação? T40 Encaminhar o processo para homologação da Diretoria Plena T42 Realizar a validação do processo Na reunião Plenária 15

16 DIRETORIA INDICATO CONELHO ARBITRAL AEORIA TÉCNICA AEORIA JURÍDICA ADMINITRAÇÃO ECRETARIA OLICITANTE Gestor: 16 de 16 P1 Filiação FECOMERCIO P P1 - Filiação N T56 T57 Tem interesse em aprofundar determinado assunto? Elaborar apresentação Realizar apresentação Na reunião Plenária T47 T47 Receber a pasta do sindicato Incluir as informações no sistema Comunicar as área sobre a filiação T49 Realizar a inclusão do sindicato nos Conselhos pertinentes T52 Agendar reunião com a respectiva interface T53 Agendar reunião com a respectiva interface FIM T48 Comunicar o EC e ENAC para que estes providenciam o cadastro do sindicato nestas entidades (processo Ofícios e textos) + T50 Agendar visita com o sindicato para integração do mesmo T51 Recepcionar Realizar apresentação para o sindicato (institucional) conforme porcesso de Novo Membro da Diretoria + T54 Incluir na pauta da Plenária a apresentação do sindicato T55 Disponibilizar o template padrão Na reunião 16

JUR. 01 ENQUADRAMENTO SINDICAL

JUR. 01 ENQUADRAMENTO SINDICAL 1 de 13 ENQUADRAMENTO SINDICAL MACROPROCESSO REPRESENTAÇÃO PROCESSO ENQUADRAMENTO SINDICAL ENQUADRAMENTO SINDICAL 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

SA. 02 GERENCIAMENTO DE CADASTRO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO GERENCIAMENTO DE CADASTRO

SA. 02 GERENCIAMENTO DE CADASTRO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO GERENCIAMENTO DE CADASTRO 1 de 17 GERENCIAMENTO DE CADASTRO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO GERENCIAMENTO DE CADASTRO GERENCIAMENTO DE CADASTRO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4 PROCEDIMENTOS...

Leia mais

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS 1 de 15 msgq CONTROLE DE DOCUMENTOS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

FIN. 03 - ARRECADAÇÃO MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO ARRECADAÇÃO

FIN. 03 - ARRECADAÇÃO MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO ARRECADAÇÃO 1 de 25 msgq FIN. 03 - ARRECADAÇÃO MACROPROCESSO PROCESSO ARRECADAÇÃO FIN. 03 - ARRECADAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1. DEFINIÇÃO DO

Leia mais

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1 de 21 6 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO MACROPROCESSO GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS

SEC. 02 OFÍCIOS E TEXTOS 1 de 23 OFÍCIOS E TEXTOS MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO OFÍCIOS E TEXTOS OFÍCIOS E TEXTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

JUR. 04 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO

JUR. 04 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO 1 de 15 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO MACROPROCESSO ASSESSORIA TÉCNICA PROCESSO GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO 1 de 10 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA ABRANGÊNCIA...

Leia mais

Edital Instituto Sabin - 01/2015

Edital Instituto Sabin - 01/2015 Edital Instituto Sabin - 01/2015 Seleção pública de iniciativas empreendedoras socioambientais inovadoras para parceria com o Instituto Sabin O Instituto Sabin, torna público o presente Edital e convoca

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 1.0 01/10/2014 OUTUBRO/2015 FIN. 07 - BORDERÔS MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO CONTAS A PAGAR

Nº Versão/Data: Validade: 1.0 01/10/2014 OUTUBRO/2015 FIN. 07 - BORDERÔS MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO CONTAS A PAGAR 1 de 7 msgq - BORDERÔS MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO CONTAS A PAGAR BORDERÔS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais

PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER

PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER 1.1-Reunião com a diretoria 1.1.1 03/02 ( sexta feira ) 17h 1.1.1.1 Convocar membros da diretoria

Leia mais

COM. 02 - PUBLICAÇÕES

COM. 02 - PUBLICAÇÕES 1 de 9 PUBLICAÇÕES MACROPROCESSO MARKETING E PROCESSO PUBLICAÇÕES - PUBLICAÇÕES 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento.

CIRCULAR Nº 3.502. III - exercício de cargos em órgãos estatutários; V - cancelamento da autorização para funcionamento. CIRCULAR Nº 3.502 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO O Presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 14 e 25,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO. Nova Portaria que estabelece os procedimentos para o Registro Sindical

SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO. Nova Portaria que estabelece os procedimentos para o Registro Sindical SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO Nova Portaria que estabelece os procedimentos para o Registro Sindical Brasília DF 18 e19.07.2012 Organização dos dispositivos na seguinte ordem: Dos Pedidos - Dos sindicatos

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 1.0 01/10/2014 OUTUBRO/2014 SA. 04 - MOTOBOY MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MOTOBOY

Nº Versão/Data: Validade: 1.0 01/10/2014 OUTUBRO/2014 SA. 04 - MOTOBOY MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MOTOBOY 1 de 10 msgq - MOTOBOY MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO MOTOBOY - MOTOBOY 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, no Título

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. PROCESSAR PEDIDO DE ABONO DE PERMANÊNCIA Proposto por: Equipe do Departamento de Administração de Pessoal (DEAPS) Analisado por: Diretor do Departamento de Administração de Pessoal (DEAPS) Aprovado por:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 467, DE 19 DE SETEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Equipe do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DEDEP) Analisado por: Diretor do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DEDEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP

PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP 1 PROCEDIMENTO DE FILIAÇÃO DO SESVESP Dispõe sobre os procedimentos, critérios e requisitos necessários para o ingresso no quadro de associados do SESVESP. A Diretoria do SESVESP, por meio de seu Presidente,

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 Instituto Marca de Desenvolvimento Socioambiental - IMADESA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 >> Leia com atenção o Edital antes de preencher o formulário para apresentação de projetos. I.

Leia mais

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE Brasília/DF Agosto/2015 Sumário Introdução... 2 1 Sistema de Gestão Estratégica... 3 2 Colegiados Em Rede... 5 2.1 Menu Cadastro... 6 2.1.1 Dados do Colegiado... 7 2.1.2 Composição

Leia mais

MANUAL DE REGISTRO DA COOPERATIVA NA OCESP

MANUAL DE REGISTRO DA COOPERATIVA NA OCESP 1 2014 MANUAL DE REGISTRO DA COOPERATIVA NA OCESP Controle Interno SESCOOP/SP 2 ÍNDICE Assunto Pág. APRESENTAÇÃO ACESSO AO SISTEMA DE REGISTRO PRÉ-CADASTRO CADASTRAMENTO ABAS INTEGRANTES DO CADASTRO PRINCIPAL

Leia mais

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Padrão N : 7.3 Estabelecido em: 28/06/2011 Revisado em: 28/06/2011 N da Revisão: 00 Setor: NCP (Núcleo de Controle de Produtos) Tarefa: Padronização de procedimentos internos

Leia mais

PROC. 03 CONTROLE DE REGISTROS

PROC. 03 CONTROLE DE REGISTROS 1 de 6 CONTROLE DE REGISTROS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE REGISTROS CONTROLE DE REGISTROS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL 1. Visão Geral do Projeto Visando dinamizar ainda mais o julgamento dos processos de competência do Tribunal de

Leia mais

Diário Oficial da Cidade de São Paulo

Diário Oficial da Cidade de São Paulo Diário Oficial da Cidade de São Paulo Nº 163 DOM de 30/08/08 PORTARIA REPUBLICADA POR TER SAÍDO NA SECRETARIA ERRADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E PARCERIA nas páginas 07 e 08 do Diário Oficial

Leia mais

DOC. 01 CONTROLE DE LEGISLAÇÃO E OUTROS REQUISITOS

DOC. 01 CONTROLE DE LEGISLAÇÃO E OUTROS REQUISITOS 1 de 17 CONTROLE DE LEGISLAÇÃO E OUTROS REQUISITOS MACROPROCESSO ASSESSORIA TÉCNICA PROCESSO CONTROLE DE LEGISLAÇÃO E OUTROS REQUISITOS CONTROLE DE LEGISLAÇÃO E OUTROS REQUISITOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 1 A presente Política de Voto encontra-se: (i) registrada na ANBIMA (Associação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

Instruir o processo de orientação, acompanhamento e efetivação de remoção quando o servidor é colocado a disposição.

Instruir o processo de orientação, acompanhamento e efetivação de remoção quando o servidor é colocado a disposição. Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Remoção do Servidor a Disposição Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional : : 01

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 27 SENARC/MDS Brasília, 22 janeiro de 2009. Divulga aos municípios orientações sobre a utilização do Sistema de Atendimento e Solicitação de Formulários (Sasf) 1 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR DESCRITIVO E RESPONSABILIDADES OBJETO DO REGULAMENTO Art. 1º - O Certificado de Conformidade Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o respectivo

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO 1 OBJETIVO

PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe do Departamento de Apoio aos Núcleos Regionais PROCESSAR PEDIDOS DE MOVIMENTAÇÃO Analisado por: Diretor de Departamento de Apoio aos Núcleos Regionais (DENUR) Aprovado por: Juiz Auxiliar

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

SEGS - SISTEMA DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO SINDICAL Procedimento

SEGS - SISTEMA DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO SINDICAL Procedimento SEGS - SISTEMA DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO SINDICAL Procedimento PR.06 REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 07/08/2012 14 1/5 1. OBJETIVO Executar os serviços sindicais de acordo com os padrões de qualidade estabelecidos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo.

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo. SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL 1 Primeiro passo. Antes de qualquer coisa, é indispensável que o Sindicato solicitante do Registro Sindical possua Certificado Digital. O certificado, na prática, equivale

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA 2010 1 1. Este Regulamento traz as regras adotadas pelo ICSS para a Certificação por Experiência de Profissionais, através do reconhecimento da sua capacitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003213/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041150/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009124/2014-70 DATA

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SMI/Nº 1/2015 São Paulo, 8 de janeiro de 2015 Aos Custodiantes de Valores Mobiliários ( custodiantes ) Assunto: Adaptação à Instrução CVM Nº 542/2013 Prezados Senhores, 1. Nos termos

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO RM Agilis Manual do Usuário Ouvidoria, Correspondência Interna, Controle de Processos, Protocolo Eletrônico, Solicitação de Manutenção Interna, Solicitação de Obras em Lojas,

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONANDA, faz publicar o Edital de Convocação para a eleição das entidades da sociedade

Leia mais

GERIR CONTEÚDO DO BANCO DE DADOS DE AÇÕES CIVIS PÚBLICAS 1 OBJETIVO

GERIR CONTEÚDO DO BANCO DE DADOS DE AÇÕES CIVIS PÚBLICAS 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Organização de Acervos de Conhecimento (DICAC) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão e Disseminação do Conhecimento (DECCO) Aprovado por: Diretor-Geral da

Leia mais

REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS

REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS REGULAMENTO DO CERTIFICADO DE REGULARIDADE EM SEGURANÇA - CRS Art. 1º - O SESVESP - SINDICATO DAS EMPRESAS DE SEGURANÇA PRIVADA, SEGURANÇA ELETRÔNICA, SERVIÇOS DE ESCOLTA E CURSOS DE FORMAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas

SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas SICOOB NOSSACOOP Cooperativa de Economia de Crédito dos Empregados das Instituições de Ensino e Pesquisa e de Servidores Públicos Federais de Minas Gerais Ltda. REGULAMENTO DO VOTO ELETRÔNICO PELA INTERNET

Leia mais

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015.

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501 Terra Firme Cep: 66077-530 - Belém/Pará Tel.: (91)3210-5165/3210-5166

Leia mais

Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET)

Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Diretor do Departamento de Ensino (DENSE) Assessora da Assessoria de Gestão Estratégica (ASGET) Secretária da Secretaria-Geral de Ensino (SECGE) 1 OBJETIVO Padronizar

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP

CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP A Fundação Faculdade de Medicina, entidade filantrópica, de direito privado, sem fins lucrativos, vem convidar V. Sas a participar do processo de Pedido de Cotação

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional.

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional. APOIAR E MONITORAR A GESTÃO ESTRATÉGICA E DE PROJETOS DO PJERJ Proposto por: Equipe do Departamento de Gestão Estratégica e Projetos (DGDIN/DEGEP) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão Estratégica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

ARGO PROTECTOR CENTRAL DE BENEFÍCIOS REGULAMENTO

ARGO PROTECTOR CENTRAL DE BENEFÍCIOS REGULAMENTO ARGO PROTECTOR CENTRAL DE BENEFÍCIOS REGULAMENTO ARGO SEGUROS BRASIL S.A., Sociedade Seguradora inscrita no CNPJ/MF sob o nº 14.868.712/0001-31, com sede na cidade de São Paulo/SP, na Avenida das Nações

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

Lei Federal nº 7.713/1988 - Altera a legislação do imposto de renda e dá outras providências.

Lei Federal nº 7.713/1988 - Altera a legislação do imposto de renda e dá outras providências. Proposto por: Departamento de Administração de Pessoal (DEAPS) Analisado por: Departamento de Saúde (DESAU) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria Geral de 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e procedimentos

Leia mais

O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa.

O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa. ORG 13.8 KOMUNIK O QUE É Manual Estoque - Versão 4.55.001-2ª Edição - 2012 O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa. PRA

Leia mais

2.1. As inscrições deverão ser realizadas através do preenchimento do formulário de inscrição previsto no seguinte link:

2.1. As inscrições deverão ser realizadas através do preenchimento do formulário de inscrição previsto no seguinte link: A FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA ESTÁCIO ATUAL, campus Boa Vista divulga processo seletivo para formação de cadastro de reserva para o cargo de Professor para o(s) curso(s) de graduação e/ou graduação tecnológica.

Leia mais

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania

Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania Perguntas freqüentes Projeto Serviços e Cidadania 1. Sobre o Projeto 1.1. O que é o Projeto Serviços e Cidadania? É um canal de serviços gratuitos que oferece apoio nas áreas de gestão, jurídica e comunicação

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL

SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL SELEÇÃO PÚBLICA PETROBRAS CULTURAL MINAS GERAIS EDIÇÃO 2014 REGULAMENTO GERAL 1. OBJETO Este regulamento estabelece as regras gerais da Seleção Pública Petrobras Cultural Minas Gerais Edição 2014. São

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação TERMO DE ADESÃO Para participação em Projetos de Promoção de Exportação A empresa..., de CNPJ n.º..., por seu(s) representante(s) legal(is), adere ao projeto BRAZILIAN PUBLISHERS, proposto à APEX-Brasil

Leia mais

Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro

Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro Proposto por: Equipe do Departamento de Administração de Pessoal (DEAPS) Analisado por: Diretor do Departamento de Administração de Pessoal (DEAPS) Aprovado por: Diretora-Geral da Diretoria-Geral de Gestão

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 00 Data de Aprovação: 28/04/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO

SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO SINEPE-ES em Ação REGULAMENTO 1. Objetivos da Diplomação e Premiação A diplomação SINEPE-ES em Ação é uma iniciativa do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Estado do Espírito Santo SINEPE/ES,

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA

REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA REQUISITOS PARA FILIAÇÃO AO SINFAC-PA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: 1- Cópia do Contrato Social ou Estatuto, registrado na Junta Comercial; 2- Cartão do CNPJ atualizado; 3- Formulários de Dados Cadastrais preenchidos

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 001/DINFO/2014 10/09/2014

ORDEM DE SERVIÇO OS 001/DINFO/2014 10/09/2014 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Serviço de Hospedagem de Páginas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO

REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO Regulamento de Conciliação da Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais CREA-MG. A Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

MANUAL PORTAL ACADÊMICO

MANUAL PORTAL ACADÊMICO MANUAL PORTAL ACADÊMICO Sumário Sumário... 2 1. Apresentação... 3 2. Navegação no site da Escola do Legislativo... 4 3. Ministrante... 6 3.1.Cadastro de ministrante... 6 3.2. Preencher os campos... 7 3.3

Leia mais

Programa Mestrado & Doutorado

Programa Mestrado & Doutorado Mestrado & Doutorado Manual do Candidato ou do Bolsista 1. O 2. Público alvo do Mestrado & Doutorado 3. Requisitos para integrar o Mestrado & Doutorado 4. Período máximo de permanência no 5. Sobre a análise,

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta;

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta; A FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com o objetivo de sempre aprimorar o cumprimento de suas finalidades, nos termos

Leia mais

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2014 SELEÇÃO DE ENTIDADE DA SOCIEDADE CIVIL PARA INTEGRAR O CONSELHO MUNICIPAL DO DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Leia mais

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL.

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL. DÚVIDAS MAIS FREQUENTES - DO CLIENTE 1. Qual o procedimento para se cadastrar na Guia Eletrônica? - Rolar a página e procure pelo item Novo Cliente? - Escolher o perfil: Próprio Interessado: Pessoa Física

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

Manual do Usuário - Processo Certificado de Registro Pessoa Física Manual Operacional Certificado de Registro Pessoa Física CRPF

Manual do Usuário - Processo Certificado de Registro Pessoa Física Manual Operacional Certificado de Registro Pessoa Física CRPF Manual Operacional Certificado CRPF Abril Curitiba - PR 1 Sumário 1 OBJETIVO 6 2 ACESSO INICIAL PARA TODOS OS USUÁRIOS (CAC S) 7 2.1 REALIZANDO O PRIMEIRO CADASTRO. 8 2.1.1 CPF 8 2.1.2 TAPE 8 2.1.3 CÓDIGO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais