MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS"

Transcrição

1 1 MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Luzia Marivalda Barreiro da Costa Vani Terezinha de Rezende Vera Lúcia Salazar Pessôa Wisley Francisco Aguiar 3. Edição atualizada conforme NBR de abril de 2011 Uberlândia 2012

2 2 FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA LUZIA MARIVALDA BARREIRO DA COSTA VANI TEREZINHA DE REZENDE VERA LÚCIA SALAZAR PESSÔA WISLEY FRANCISCO AGUIAR MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Uberlândia 2012

3 3 Presidente da Sociedade Católica de Educação de Uberlândia Dom Paulo Francisco Machado Diretor Geral da Faculdade Católica de Uberlândia Prof. Dr. Pe. Sérgio de Siqueira Camargo Elaboração: Luzia Marivalda Barreiro da Costa; Vani Terezinha de Rezende; Vera Lúcia Salazar Pessoa; Wisley Francisco Aguiar. Revisão e atualização: Vani Terezinha de Rezende Editoração eletrônica: Wisley Francisco Aguiar FICHA CATALOGRÁFICA Manual de Normas para Elaboração e Formatação de Trabalhos Científicos. : Luzia Marivalda Barreiro da Costa; Vani Terezinha de Rezende; Vera Lúcia Salazar Pessoa; Wisley Francisco Aguiar. Orgs. Uberlândia. 3.ed. rev. ampl. e atual. 56 p. FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA. Coordenadoria de Pesquisa. 1. Trabalhos científicos Preparação. 2. Referências - Normas. 3. ABNT NBR CDD

4 4 SUMÁRIO PREFÁCIO... 7 ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) APRESENTAÇÃO OBJETIVOS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TCC SELEÇÃO DO PROFESSOR-ORIENTADOR CONTROLE DE FREQUÊNCIA DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR-ORIENTADOR CONDIÇÕES PARA CONCLUIR O TCC ATRIBUIÇÕES DAS COORDENAÇÕES DOS CURSOS ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR AVALIADOR ATRIBUIÇÕES DO ACADÊMICO NA ELABORAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO PROJETO DE TCC NA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TCC FORMA DE AVALIAÇÃO DO TCC INTERPOSIÇÃO DE RECURSOS QUANTO À DECISÃO DA AVALIAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS: NORMAS E PADRÕES DA ABNT.. 15 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS APRESENTAÇÃO ESTRUTURA BÁSICA PARTE EXTERNA CAPA - OBRIGATÓRIO LOMBADA OPCIONAL PARTE INTERNA ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS FOLHA DE ROSTO OBRIGATÓRIO ERRATA - OPCIONAL FOLHA DE APROVAÇÃO OBRIGATÓRIO DEDICATÓRIA - OPCIONAL AGRADECIMENTOS - OPCIONAL... 21

5 EPÍGRAFE - OPCIONAL RESUMO EM PORTUGUÊS E EM LÍNGUA ESTRANGEIRA - OBRIGATÓRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES - OPCIONAL LISTA DE TABELAS - OPCIONAL LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS - OPCIONAL LISTA DE SÍMBOLOS - OPCIONAL SUMÁRIO - OBRIGATÓRIO ELEMENTOS TEXTUAIS INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO CONCLUSÃO ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO: CITAÇÕES E OUTROS (VER NBR 10520, 2002) INDICAÇÃO DAS FONTES DAS CITAÇÕES PELO SISTEMA AUTOR-DATA ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS REFERÊNCIAS - OBRIGATÓRIO (VER NBR 6023) GLOSSÁRIO - OPCIONAL APÊNDICE(S) OPCIONAL (VER NBR 14724, 2011) ANEXO(S) OPCIONAL (VER NBR 14724, 2011) ÍNDICE - OPCIONAL (VER NBR 6034, 2004) REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO FORMATO DO ARTIGO ESTRUTURA DO ARTIGO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ELEMENTOS TEXTUAIS ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS FORMATAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO TEXTO APRESENTAÇÃO FORMATO DO TRABALHO ESPACEJAMENTO E TIPOGRAFIA CONFIGURANDO ESPACEJAMENTO E TIPOGRAFIA CONFIGURANDO OS PARÁGRAFOS... 46

6 6 3.3 CONFIGURANDO O ESPACEJAMENTO DE CITAÇÕES FORMATO DA DIVISÃO DO TEXTO CONFIGURANDO OS ESTILOS DE DIVISÃO DO TEXTO FORMATANDO ESTILOS PAGINAÇÃO SIGLAS EQUAÇÕES E FÓRMULAS O USO DE ILUSTRAÇÕES TABELAS REFERÊNCIAS ANEXO A - CARTA DE ACEITE PARA ORIENTAÇÃO... 57

7 7 PREFÁCIO Este Manual tem por objetivo oferecer subsídios aos acadêmicos que devem apresentar, no limiar de sua formação, monografias, tanto na graduação quanto na pós-graduação (especialização) de acordo com as normas da ABNT, bem como aos professores em sua tarefa de orientar na elaboração desses trabalhos. Por que um manual, em vez de simplesmente remeter os estudantes às próprias normas? Tão-somente para facilitar o acesso a essas normas, uma vez que elas se encontram fragmentadas em várias Normas (NBRs). Além disso, as Instituições de Ensino Superior costumam publicar um guia de normas técnicas para os universitários, que sempre têm duvidas de como usar as normas da ABNT na produção de seus trabalhos. A Faculdade Católica de Uberlândia não poderia deixar de prestar esse serviço, que pretende ser útil não apenas ao seu corpo discente, como também ao seu corpo docente. Muitos questionamentos sobre a utilização das normas são feitos em sala de aula: o que é a ABNT? Por que apresentar trabalhos acadêmicos de acordo com as normas da ABNT? A Associação Brasileira de Normas Técnicas, cuja sigla é ABNT, é uma entidade privada, fundada em 1940, reconhecida como o único Fórum Nacional responsável pela normalização técnica do país, cujo ideal é a efetiva contribuição para o desenvolvimento tecnológico brasileiro. Ela é também a única e exclusiva representante no Brasil das seguintes entidades internacionais: ISO (International Organization for Standardization), IEC (International Electrotechnical Comission); e das entidades de normalização regional COPANT (Comissão Pan-americana de Normas Técnicas) e a AMN (Associação Mercosul de Normalização). Todas essas organizações e as dos outros países são fundamentais para viabilizar o comércio exterior, pois as normas regulamentadoras definem os parâmetros de qualidade e segurança dos equipamentos, peças e serviços, emitindo uma certificação que garante o padrão de qualidade. Em síntese, as normas da ABNT têm o objetivo de uniformizar a produção, e nesse conceito de produção incluem-se os trabalhos acadêmicos. Desse modo, toda e qualquer produção científica oficial, como projetos de pesquisa, TCCs, dissertações de mestrados e teses de doutorado, devem obedecer à normatização da ABNT.

8 8 Na realidade as normas da ABNT visam determinar um padrão nos trabalhos, facilitando assim a avaliação dentro de um mesmo parâmetro. As principais normas da ABNT que tratam dos trabalhos acadêmicos são: NBR 14724, de 2011, que especifica os princípios gerais para a elaboração e formatação dos trabalhos acadêmicos e sua divisão em partes pré-textuais, textuais e pós-textuais; a NBR 10520, de 2002, que regulamenta a apresentação das citações quanto à sua forma; a NBR 6023, de 2002, que trata da indicação das referências utilizadas no trabalho e a NBR 6024, de 2003, que apresenta o sistema de numeração progressiva das seções de um documento escrito. Essas quatro NBRs da ABNT e mais algumas sobre os trabalhos acadêmicos serão utilizadas neste manual apenas em seus aspectos mais relevantes e podem ser encontradas na íntegra na internet e em sites universitários. Tendo em vista que o trabalho acadêmico é feito sob a coordenação de um orientador, preocupou-se também em elaborar algumas normas de orientações visando sobretudo uma melhor integração entre o corpo docente e o corpo discente. Dessa forma, este manual é dividido em três partes principais. Na primeira parte as professoras Vera Lúcia Salazar Pessoa e Luzia Marivalda Barreiro da Costa apresentam o Regulamento para Elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). A segunda parte é subdividida em duas seções: na primeira, a professora Vani Terezinha de Rezende faz uma síntese das principais normas da ABNT para a produção de trabalhos monográficos de padrão científico e, na segunda, sugere um modelo de elaboração de artigo científico. Na terceira parte o professor Wisley Francisco Aguiar expõe detalhadamente como se formata e configura um texto no Microsoft Word de acordo com as mesmas normas. Finalmente resta esclarecer que esta terceira edição foi atualizada conforme as modificações processadas na NBR (edição de 2011) e que outras NBRs continuam mantendo o mesmo teor, porém com as modificações da NBR Baseado nestas normas, este manual da Faculdade Católica de Uberlândia apresenta uma formatação padronizada, que deverá ser seguida por todos os cursos, a fim de se evitar discrepâncias. Espera-se que este trabalho possa ser aperfeiçoado e atenda por ora os objetivos propostos. Sérgio de Siqueira Camargo Diretor Geral da Faculdade Católica de Uberlândia

9 9 ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Regulamento 1 APRESENTAÇÃO O trabalho de conclusão de curso (TCC) constitui-se em um momento de potencialização e sistematização de habilidades e conhecimentos adquiridos ao longo da graduação ou pósgraduação, na forma de pesquisa acadêmico-científica. Trata-se de uma experiência fundamental na formação do aluno, uma vez que lhe proporciona a oportunidade de resolver, de forma rigorosa e criativa, problemas teóricos e empíricos. Para a obtenção do diploma ou certificado, o aluno (individualmente ou em dupla, quando for o caso) deverá elaborar, obrigatoriamente, o Trabalho de Conclusão do Curso (TCC). Como trabalho que se submete aos padrões da produção científica, o TCC deve respeitar os seus parâmetros e poderá ser sob a forma de artigo científico (de 10 a 20 laudas) ou monografia (de 30 a 50 laudas). No desenvolvimento do TCC poderá ser utilizada metodologia que envolva pesquisa bibliográfica, observações de campo, entrevista, relato de experiência e análise de documentos. Essas etapas, conjugadas e sujeitas ao crivo da lógica de procedimento da Ciência, asseguram ao TCC um caráter diferente dos trabalhos normalmente desenvolvidos pelos estudantes em suas respectivas disciplinas. O TCC é um trabalho de síntese que articula o conhecimento global do aluno no interior de sua área de formação. Como tal, o TCC deve ser concebido e executado como uma atividade científica e, nesse sentido, deve respeitar a área de estudos à qual está vinculado. 2 OBJETIVOS Contribuir para o desenvolvimento da capacidade científica, reflexiva e criativa do acadêmico; Propiciar a realização de experiências preliminares possibilitando condições de progressão acadêmico-profissional em nível de graduação ou de pós-graduação; Permitir a integração técnico-científica entre o corpo docente e o discente;

10 10 Gerar produção científica para apresentação no final do curso e publicação em revistas ou periódicos especializados. 3 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TCC A elaboração do projeto do TCC será orientada, na primeira fase, pelo docente da disciplina de Metodologia de Pesquisa/Metodologia do Trabalho Científico ou da disciplina TCC, conforme a particularidade de cada curso, agregando-se a esse processo um professororientador, de acordo com o calendário acadêmico. 4 SELEÇÃO DO PROFESSOR-ORIENTADOR O acadêmico da pós-graduação deve, por meio de formulário próprio, indicar a opção por dois professores-orientadores, exclusivamente entre os docentes do curso, que tenham afinidade com o tema selecionado para o desenvolvimento do TCC. O acadêmico da graduação deve seguir o regulamento de seu próprio curso. Cabe à coordenação do curso de pós-graduação a análise e o encaminhamento da proposta de trabalho do aluno aos orientadores pretendidos, solicitando a confirmação sobre aceite oficial do aluno como orientando (Anexo A). A seleção do professor-orientador deverá ocorrer de acordo com o estabelecido no calendário acadêmico. 5 CONTROLE DE FREQUÊNCIA O controle de frequência pelo professor-orientador durante a elaboração do TCC será realizado por meio de relatório de atendimento ao aluno. Ao professor de Metodologia de Pesquisa/Metodologia do Trabalho Científico ou de TCC caberá efetuar o controle de frequência à sua própria disciplina. 6 DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR-ORIENTADOR

11 11 Cabe à Coordenação do Curso, com anuência do respectivo professor-orientador, designar e comunicar formalmente às partes envolvidas os alunos e respectivos professores-orientadores. Para os cursos de pós-graduação o número máximo de orientandos por professor-orientador será de 5 (cinco) alunos. Os cursos de graduação deverão elaborar seu próprio regulamento, especificando o número de orientandos por professor-orientador, conforme a particularidade de cada curso. Recomenda-se, contudo, que este número não ultrapasse 5 (cinco) alunos. 7 CONDIÇÕES PARA CONCLUIR O TCC Para a finalização do TCC, o acadêmico da pós-graduação deverá ter a aprovação do professor-orientador e submetê-lo, também, a mais um docente da área, indicado pelo professor-orientador e aprovado pela Coordenação do Curso. O acadêmico da graduação deverá seguir o regulamento de seu próprio curso. As pesquisas que demandarem contatos com grupos, instituições ou pessoas, de forma individual, deverão ser submetidas a um Comitê de Ética. Sugere-se ver o site do Comitê de Ética da UFU onde se encontram as informações e os procedimentos necessários para a submissão das pesquisas. 8 ATRIBUIÇÕES DAS COORDENAÇÕES DOS CURSOS Firmar intercâmbios entre entidades, empresas ou setores da Faculdade Católica de Uberlândia, visando oportunizar o desenvolvimento do TCC. Administrar e supervisionar, de forma global, a elaboração dos TCCs, de acordo com este regulamento. Manter contato com os professores orientadores de TCC, visando ao aprimoramento e à solução de problemas relativos ao desenvolvimento dos trabalhos. Apresentar este Regulamento aos alunos e aos professores-orientadores do TCC. Tomar todas as providências necessárias para a realização dos exames de qualificação de TCC e respectivas apresentações dos trabalhos finais. 9 ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR AVALIADOR

12 12 Apreciar os trabalhos dos alunos da sua responsabilidade. Informar ao coordenador do curso e ao professor-orientador a impossibilidade de participação da avaliação do TCC com antecedência mínima de 48 horas. Elaborar, em conjunto com o professor-orientador, ata sobre os resultados da análise do TCC. 10 ATRIBUIÇÕES DO ACADÊMICO As atribuições do acadêmico são as que seguem NA ELABORAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO PROJETO DE TCC Elaborar, em conjunto com o professor-orientador, e cumprir plano de trabalho para o desenvolvimento do projeto; Redigir o trabalho em conformidade com as normas da ABNT, sob orientação do professor da disciplina Metodologia de Pesquisa/Metodologia do Trabalho Científico ou da disciplina TCC. Submeter ao professor-orientador e ao professor de Metodologia de Pesquisa/Metodologia do Trabalho Científico ou de TCC, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias da data marcada para a qualificação, a versão final do TCC NA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TCC Apresentar cópia em espiral da versão final do TCC ao professor-orientador e ao professor avaliador com antecedência mínima de 15 (quinze) dias da data da avaliação. Reformular, caso necessário, o TCC, seguindo as sugestões apresentadas pelos professores e reapresentá-lo ajustado no prazo determinado não superior a 30 (trinta) dias.

13 13 Nota: No caso específico da pós-graduação o prazo máximo para a entrega do TCC é de 90 (noventa) dias após a última aula do último módulo do curso. Esse prazo poderá ser prorrogado por mais 90 ( noventa) dias se o aluno estiver em orientação e o trabalho demandar mais tempo ou por motivos de saúde. O orientador deverá enviar uma correspondência à Coordenação do Curso fazendo a exposição de motivos. Entregar ao Coordenador do Curso, na data prevista no cronograma, após a correção final e aprovação, um CD, adequadamente identificado com o nome do aluno e o título do trabalho, contendo cópia completa do TCC, além de duas cópias encadernadas em capa dura (para as monografias) e em espiral (para os artigos). 11 FORMA DE AVALIAÇÃO DO TCC O TCC será avaliado por dois docentes, preferencialmente mestres ou doutores, sendo um deles o próprio professor-orientador do aluno. Os professores avaliadores atribuirão sua nota final após o cumprimento de todas as tarefas solicitadas ao orientando. A avaliação do TCC é expressa numa única nota, de 10 a 100 (dez a cem), baseada na média aritmética entre a nota final dos dois docentes. Será considerado aprovado o acadêmico que obtiver nota igual ou superior a 70 (setenta) nos cursos de pós-graduação e 60 (sessenta) nos de graduação, e que tenha satisfeito as demais exigências regimentais. A nota será acompanhada por um parecer, que poderá ser: Aprovado, Aprovado com Reformulação ou Reprovado (se a nota for inferior a setenta na pós-graduação e sessenta na graduação). No caso de aprovação com reformulação, os docentes deverão indicar as alterações, de forma ou de conteúdo, estabelecendo prazo para o cumprimento, não superior a 30 dias (trinta dias). Após este período, e concluída a análise do trabalho, o aluno será considerado aprovado ou não. O não cumprimento do prazo reprovará o aluno automaticamente.

14 14 12 INTERPOSIÇÃO DE RECURSOS QUANTO À DECISÃO DA AVALIAÇÃO A decisão dos docentes avaliadores é soberana. Não cabem recursos. 13 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS O discente poderá autorizar a Faculdade Católica de Uberlândia (FCU), de acordo com a lei n 9.610/98, a publicar o TCC por via impressa ou a divulgar gratuitamente na rede mundial de computadores, em meio eletrônico, para fins de leitura, impressão e/ou download pela Internet, a título de divulgação da produção científica produzida em conjunto com a FCU, sem ressarcimento dos direitos autorais. Os casos omissos serão resolvidos pela Direção da FCU.

15 15 APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS: Normas e Padrões da ABNT ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 1 APRESENTAÇÃO De início é necessário fazer uma distinção entre normas e padrões. As normas da ABNT para apresentação de trabalhos acadêmicos constituem-se de preceitos (regras, princípios) a serem seguidos, visando a obtenção da qualidade formal na produção científica. Os padrões são modelos de formatação recomendados, com base nas próprias diretrizes da ABNT, que podem ou não ser acatados. Para facilitar de um modo prático a apresentação formal desses trabalhos, este manual oferece não apenas a normalização, como também uma padronização a ser seguida. Com essa padronização espera-se alcançar maior uniformidade e integração de procedimentos entre os vários cursos oferecidos pela Faculdade Católica de Uberlândia. 2 ESTRUTURA BÁSICA Conforme a NBR (2011, p. 5) a estrutura de um trabalho acadêmico compõe-se de duas partes: a parte externa (capa e lombada) e a parte interna (elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais), cuja disposição é dada a seguir. 2.1 PARTE EXTERNA Deve ser apresentada conforme o que segue CAPA - OBRIGATÓRIO Deve apresentar as seguintes informaçoes: Nome da instituição - corpo de texto, tamanho 12 (Maiúscula). Nome do autor - corpo de texto, tamanho 12 (Maiúscula).

16 16 Título corpo de texto, tamanho 12 (Maiúscula); subtítulo (se houver) em letras minúsculas, com exceção da primeira letra de nomes próprios e outros segundo as regras da gramática - corpo de texto, tamanho 12. Local (cidade) e ano de defesa - corpo de texto, 12; no caso de cidades homônimas recomenda-se o acréscimo da sigla da unidade da federação. Para a confecção da capa recomenda-se a seguinte padronização: Modelo 1 - Capa para Trabalho de Conclusão de Curso INSTITUIÇÃO FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA NOME DO AUTOR CLAUDEMAR PEREIRA DA SILVA TÍTULO Subtítulo Como no Exemplo VIDA INTERIOR o encontro ontológico do homem em Santo Agostinho Local Ano de depósito Uberlândia 2009 Fonte elaborada pelos autores LOMBADA OPCIONAL A lombada é opcional e as informações nela contidas devem ser impressas na seguinte ordem, conforme NBR (2004): Nome do autor, impresso longitudinalmente e legível do alto para o pé da lombada, de modo a possibilitar a leitura quando o trabalho está no sentido horizontal, com a face voltada para cima.

17 17 Título do trabalho, impresso da mesma forma que o nome do autor. 2.2 PARTE INTERNA Composta pelos elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Devem ser apresentados na ordem que segue FOLHA DE ROSTO OBRIGATÓRIO Apresenta as informações essenciais para a identificação do trabalho na seguinte ordem: Nome completo do autor centralizado tamanho 12 (em maiúscula). Título corpo de texto, tamanho 12 (Maiúscula); subtítulo (se houver) em letras minúsculas, com exceção da primeira letra de nomes próprios e outros segundo as regras da gramática - corpo de texto, tamanho 12. Natureza do trabalho (tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição a que é submetido; área de concentração - corpo de texto, tamanho 12. Nome do orientador e se houver o do co-orientador, corpo de texto, tamanho 12. Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado, corpo de texto, tamanho12. Ano de depósito do trabalho - corpo de texto, tamanho 12.

18 18 Modelo 2 Folha de Rosto AUTOR CLAUDEMAR PEREIRA DA SILVA TÍTULO: subtítulo VIDA INTERIOR: o encontro ontológico do homem em Santo Agostinho Natureza do Trabalho Orientador: Como no Exemplo Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de filosofia da FCU como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Filosofia. Orientador: Prof. Ms. Gilzane Naves Local Ano de depósito Uberlândia 2010 Fonte elaborada pelos autor ERRATA - OPCIONAL Lista de erros encontrados após a impressão, na qual se demonstram as folhas, linhas de ocorrências e devidas correções; deve ser inserida como encarte logo após a folha de rosto.

19 19 Modelo 3 Errata ERRATA Folha Linha Onde se lê Leia-se 3 5 publicacao publicação Fonte elaborada pelos autores FOLHA DE APROVAÇÃO OBRIGATÓRIO Elemento obrigatório, colocado logo após a folha de rosto, constitui-se de: Nome completo do autor. Título e subtítulo do trabalho (se houver), separados por dois pontos. Número de volumes (se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume). Natureza do trabalho (tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros). Nome da instituição a que é submetido. Área de concentração. Data de aprovação. Nome completo, titulação, afiliação e assinatura dos componentes da banca examinadora.

20 20 Modelo 4 Folha de Aprovação CLAUDEMAR PEREIRA DA SILVA VIDA INTERIOR o encontro ontológico do homem em Santo Agostinho Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de filosofia da FCU como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Filosofia. Orientador: Prof. Ms. Gilzane Naves Banca Examinadora Prof. Ms. Gilzane Naves Orientador / FCU Prof. Ms. Wisley Aguiar Docente / FCU Uberlândia, 20 de novembro de 2009 Fonte elaborada pelos autores

21 DEDICATÓRIA - OPCIONAL Elemento opcional, colocado logo após a folha de aprovação, é utilizado pelo autor para dedicar o seu trabalho a alguém ou a uma instituição. Modelo 5 Dedicatória À minha família À memória de meu pai por sempre ter acreditado em mim. Fonte elaborada pelos autores AGRADECIMENTOS - OPCIONAL Elemento opcional, colocado após a dedicatória. Folha onde o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. (NBR 14724, 2005, p. 1).

22 22 Modelo 6 Agradecimento AGRADECIMENTOS Agradeço a Faculdade Católica de Uberlândia pela oportunidade que me foi oferecida ao realizar este curso com bolsa de pesquisa. Agradeço a FAPEMIG pelo financiamento concedido ao meu projeto. A todos que colaboraram de maneira especial para o termino deste trabalho. Fonte elaborada pelos autores EPÍGRAFE - OPCIONAL Elemento opcional, colocado após os agradecimentos, onde o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho (NBR 10520). O autor citado deve constar na lista de referências no final do trabalho. Recomenda-se que a epígrafe figure à direita, na parte inferior da folha. Epígrafes podem figurar também nas folhas de abertura das seções principais do trabalho.

23 23 Modelo 7 Epígrafe O dom da fala foi concedido aos homens não para que eles enganassem uns aos outros, mas sim para que expressassem seus pensamentos uns aos outros. (AGOSTINHO A., 2001) Fonte elaborada pelos autores RESUMO EM PORTUGUÊS E EM LÍNGUA ESTRANGEIRA - OBRIGATÓRIO Elemento obrigatório, constituído de uma sequência de frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos, não ultrapassando 500 palavras, seguido, logo abaixo, das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave e/ou descritores conforme ABNT NBR (NBR 14724, p. 7). Sugere-se ressaltar os objetivos, métodos empregados, resultados e as principais conclusões. O Resumo em língua estrangeira (em inglês Abstract, em espanhol Resumen, em francês Résumé) deve ter as mesmas características do resumo em língua vernácula e vir na página seguinte ao Resumo na língua vernácula.

24 24 Modelo 8 Resumo e Abstract RESUMO ABSTRACT xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. PALAVRAS-CHAVE: Xxxx. Xxx..Xxxxxxx. X.xxx. Xxxxx. Como no Exemplo xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. KEY WORDS: Xxxxx. Xxxx. Xxxxxxx. Xxxxxx. Xxxxx. Fonte elaborada pelos autores LISTA DE ILUSTRAÇÕES - OPCIONAL Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página. Quando necessário, recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outras) (NBR 14724, 2011, p.8).

25 25 Modelo 9 Lista de Ilustrações LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Morador de rua...10 Figura 2 Casa de Madeira...11 Figura 3 Estúdio de TV...20 Fonte elaborada pelos autores LISTA DE TABELAS - OPCIONAL Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página (NBR 14724, 2011, p. 8).

26 26 Modelo 10 Lista de Tabelas LISTA DE TABELAS Tabela 1 Morador de rua...10 Tabela 2 Casa de Madeira...11 Tabela 3 Estúdio de TV...20 Modelo 10 Lista de Tabelas Fonte elaborada pelos autores LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS - OPCIONAL Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo (NBR 14724, 2011, p. 8).

27 27 Modelo 11 Lista de Abreviaturas e Siglas LISTA DE SIGLAS ABNT IBGE ONU Associação Brasileira de Normas Técnicas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Organização das Nações Unidas. Fonte elaborada pelos autores

28 LISTA DE SÍMBOLOS - OPCIONAL Elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado (NBR 14724, 2011, p. 8). Modelo 12 Lista de Símbolos LISTA DE SÍMBOLOS ºC graus Celsius ºK graus Kelvin L* luminosidade Fonte elaborada pelos autores SUMÁRIO - OBRIGATÓRIO Elemento obrigatório, consiste em uma listagem das principais divisões, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia em que aparece no texto, acompanhadas dos respectivos números das páginas. Não confundir com Índice (ver item deste manual). Regras de apresentação: De acordo com a NBR 6027 (2003, p. 2) o título SUMÁRIO deve ser centralizado, escrito em letras maiúsculas e com a mesma tipologia da fonte utilizada para as seções principais. A subordinação dos itens do sumário deve ser destacada pela apresentação tipográfica utilizada no texto.

29 29 Os elementos pré-textuais não devem constar no sumário. Os indicativos das seções que compõem o sumário, se houver, devem ser alinhados à esquerda, conforme a NBR 6024 (2003, p. 2). Modelo 13 Sumário SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO ESPECÍFICOS DESENVOLVIMENTO TRABALHO GERAL TRABALHO TÉCNICO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...32 Fonte elaborada pelos autores ELEMENTOS TEXTUAIS Núcleo do trabalho em que é exposta a matéria resultante do processo de investigação, os elementos textuais são constituídos de três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão intimamente relacionadas como partes de uma estrutura lógica e harmoniosa INTRODUÇÃO Parte inicial do texto, na qual devem constar a delimitação do assunto tratado, a problematização, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho (NBR 1424, 2005, p. 6).

30 DESENVOLVIMENTO Parte principal do texto que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método CONCLUSÃO Parte final do texto, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses. É opcional apresentar os desdobramentos relativos à importância, síntese, projeção, repercussão, encaminhamento e outros. Nota: Para maiores informações sobre as características de cada uma dessas três partes, consultar o Guia para normalização de trabalhos técnico-científicos: projetos de pesquisa, trabalhos acadêmicos, dissertações e teses, de autoria de Ângela Maria Silva, Maria Salete de Freitas Pinheiro e Maira Nani França. 5. ed. rev. e atual.uberlândia: EDUFU, p Existem exemplares disponíveis na Biblioteca Monsenhor Antônio Afonso da Cunha da Faculdade Católica de Uberlândia ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO: CITAÇÕES E OUTROS (VER NBR 10520, 2002) É necessário fazer a distinção entre citação, chamada e referência. Elementos retirados dos documentos dos autores pesquisados, as citações são úteis para corroborar as idéias desenvolvidas pelo autor. Segundo a NBR (2002, p.1), citação é a menção de uma informação extraída de outra fonte, escrita ou oral, podendo se apresentar de várias maneiras: quanto à forma: literal ou paráfrase; quanto ao tamanho: breve (até três linhas) e longo (com mais de três linhas); quanto ao documento: direta (transcrição fiel da fonte); indireta (transcrição livre da fonte); citação de citação (transcrição direta ou indireta de um texto a cujo conteúdo original não se teve acesso). As chamadas são informações que acompanham as citações, permitindo a identificação das respectivas referências, e são feitas pelo sistema numérico ou pelo sistema autor-data. As

31 31 referências (ver elementos pós-textuais) constituem o conjunto das informações necessárias para a identificação precisa das obras utilizadas no trabalho. Os outros elementos inseridos no corpo do texto são: Notas de referência, que indicam fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra onde o assunto foi abordado. Notas de rodapé, que se constituem como indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor, podendo também aparecer na margem esquerda ou direita da mancha gráfica. Notas explicativas, usadas para comentários, esclarecimentos ou explanações, que não possam ser incluídos no texto. De acordo com a NBR 6023 (p. 21): O sistema numérico não pode ser usado concomitantemente para notas de referência e notas explicativas INDICAÇÃO DAS FONTES DAS CITAÇÕES PELO SISTEMA AUTOR-DATA. No sistema de chamada autor-data, adotado por este manual, a fonte é indicada pelo(s) sobrenome(s) do(s) autor(es), nome da instituição responsável ou pelo título (se a autoria não é expressa) e do ano de publicação do documento. Se os dados estiverem incluídos na sentença, estes devem ser em letras maiúsculas e minúsculas. Se estiverem entre parênteses, devem ser em letras maiúsculas. A citação direta de até três linhas pode ser inserida no próprio parágrafo, entre aspas. A citação direta com mais de três linhas deve aparecer em parágrafo distinto, com recuo de 4 cm da margem esquerda, sem aspas, em espaço simples e com fonte menor que a do texto. A citação indireta pode ocorrer por paráfrase (aproximadamente do mesmo tamanho do original) e por condensação (quando se faz uma síntese do texto consultado). A citação de citação deve ser usada apenas na total impossibilidade de acesso ao documento original. Exemplos Citação direta de até três linhas

32 32 Hans Küng (2004, p. 15) afirma que ao longo dos milênios todas as religiões não apenas passaram por um desenvolvimento orgânico, mas também por rupturas, crises e reformulações mais ou menos claras, por grandes mudanças de paradigmas. Isso mostra que o preconceito diz mais respeito às necessidades do preconceituoso do que às características de seus objetos, pois cada um destes é imaginariamente dotado de aspectos distintos daquilo que eles são. (CROCHIC, 1995, p. 16). Citação direta com mais de três linhas O modelo de investigação hipótese-verificação-conclusão não pode ser aceito pela teoria crítica, como esclarece Horkheimer (1941, p. 123): As categorias devem formar-se por meio de um processo de indução, que é o contrário do método indutivo tradicional. Este verificava suas hipóteses com base no conhecimento de experiências individuais até que estas atingissem o valor de leis universais. Já na teoria social, em vez de proceder de particular em particular até chegar ao ápice da abstração, deve-se buscar o universal dentro do particular, investigando mais profundamente o particular, para nele descobrir a lei universal. Citação indireta Figueiredo (1995, p ) observa que uma boa revisão requer paciência e tempo, incluindo não apenas a verificação das normas e a correção gramatical, como também a clareza, a concisão, a coerência e o estilo do texto. Citação de citação De acordo com Hunwald, citado por Barbault (1975, p. 27), Paracelso quer nos convencer que o homem possui um céu que lhe é próprio, que é como aquele que existe fora dele e que possui a mesma constelação. Nota: Para maiores detalhes sobre os procedimentos e as normas essenciais à elaboração das citações, consultar o Guia para normalização de trabalhos técnico-científicos: projetos de pesquisa, trabalhos acadêmicos, dissertações e teses, de autoria de Ângela Maria Silva, Maria Salete de Freitas Pinheiro e Maira Nani França. 5. ed. rev. e atual. Uberlândia: EDUFU, p Existem exemplares disponíveis na Biblioteca Monsenhor Antônio Afonso da Cunha da Faculdade Católica de Uberlândia.

33 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS A ordem dos elementos deve ser apresentada como segue REFERÊNCIAS - OBRIGATÓRIO (VER NBR 6023) Referência é o conjunto padronizado de elementos retirados de um documento, que permite sua identificação individual (NBR 14724, 2011, p. 3). Elaborada conforme a NBR 6023, consiste numa lista ordenada alfabeticamente das obras citadas no texto. Considerando que são muitas as formas de organização das informações indispensáveis para a identificação de documentos, as quais dependem sobretudo da natureza da fonte de publicação, seguem exemplos de alguns casos específicos: Apresentação de livro escrito por um autor SOBRENOME DO AUTOR (em maiúsculas, seguido de vírgula), Prenomes (abreviados ou não, sendo apenas as iniciais maiúsculas; é importante respeitar o padrão assumido). Título da obra (pode ser em negrito): subtítulo (se houver, precedido por dois pontos, normal). Tradução (se houver). Edição (se houver, deve ser indicada em algarismo arábico, com ponto e seguido da abreviatura de edição ). Local: (após o nome da cidade coloca-se dois pontos) nome da editora (deve ser indicada tal como aparece no documento, abreviando-se os prenomes e suprimindo a natureza jurídica ou comercial), ano. Número de páginas (opcional). Séries ou coleções (se houver, entre parênteses). Exemplos VERNANT, Jean-Pierre. A morte nos olhos: figuração do Outro na Grécia Antiga Ártemis e Gorgó. Tradução de Clóvis Marques. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar, p. (Textos de Erudição & Prazer). GIRARD, René. A violência e o sagrado. Tradução de Martha Conceição Gambini. São Paulo: Paz e Terra/UNESP, p.

34 34 Apresentação de livro escrito por dois ou três autores No caso de obra escrita por dois ou três autores, deve-se colocar ponto e vírgula separando os autores e respeitar a ordem em que aparecem na obra. Exemplo LEPARGNEUR, Hubert; FERREIRA DA SILVA, Dora. Tauler e Jung: o caminho para o centro. São Paulo: Paulus, Apresentação de livro com mais de três autores Quando existirem mais de três autores, indica-se apenas o primeiro, acrescentando a expressão latina et al. (forma abreviada de et alii, que significa e os outros ). Em coletânea de vários autores, com indicação de responsabilidade pelo conjunto da obra, a entrada é feita pelo(s) nome(s) do(s) responsável (eis) seguida de abreviação, no singular e entre parênteses, do tipo de participação (organizador, compilador, coordenador etc.). Exemplos URANI, A. et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil. Brasília, DF: IPEA, MOREIRA, Alberto da Silva; OLIVEIRA, Irene Dias de. (Org.). O futuro da religião na sociedade global: uma perspectiva multicultural. São Paulo: Paulinas, (Coleção estudos da religião). Apresentação de obra com autoria desconhecida Entrada pelo título da obra. A primeira palavra é toda maiúscula. Exemplos

35 35 A BÍBLIA: tradução ecumênica. São Paulo: Loyola, p. Tradução e adaptação do original francês: LA BIBLE: traduction oecuménique de la Bible. Paris: Les Éditions du Cerf et Societé Biblique Française, 1988, cotejado com os originais hebraicos, aramaicos e gregos. DIGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, Apresentação de artigo em revista SOBRENOME DO AUTOR (em maiúsculas, seguido de vírgula), Prenomes (abreviados ou não, sendo apenas as iniciais maiúsculas; é importante respeitar o padrão assumido). Título do artigo. Título da revista (em negrito), local de publicação, volume, número, página inicialfinal do artigo, mês (abreviado) e ano de publicação. Exemplo MAC DOWELL SJ, João A. Experiência religiosa e cultura moderna. INTERAÇÕES cultura e comunidade: revista de Ciências da Religião da FCU, Uberlândia, v. 3 n. 4, p , jul./dez Apresentação de artigo em meio eletrônico Exemplos ANDRADE, Joachim. Deus do deserto, deus do vale: a geografia como ponto de partida para a compreensão do fenômeno religioso. INTERAÇÕES cultura e comunidade, Uberlândia, v. 5 n. 7, jan./jun Disponível em <http://www.caolicaonline.com.br/icc>. Acesso em: 10 jan CAMARGO, Sérgio de Siqueira. Moral e cidadania uma reflexão sobre a filosofia política de Eric Weil. OMNIA LUMINA, São Paulo, v. 1 n. 2, jul./dez Disponível em: <http//www.revistaomnialumina.org.br>. Acesso: em 10 jan

36 36 Nota: Para maiores detalhes sobre as normas e os procedimentos de elaboração de referências, consultar o Guia para normalização de trabalhos técnico-científicos: projetos de pesquisa, trabalhos acadêmicos, dissertações e teses, de autoria de Ângela Maria Silva, Maria Salete de Freitas Pinheiro e Maira Nani França. 5. ed. rev. e atual. Uberlândia: EDUFU, 2005, p Existem exemplares disponíveis na Biblioteca Monsenhor Antônio Afonso da Cunha da Faculdade Católica de Uberlândia GLOSSÁRIO - OPCIONAL Consiste numa relação de palavras ou de expressões técnicas de uso restrito ou que são pouco conhecidas, utilizadas no texto, acompanhadas das respectivas definições. Deve ser ordenado alfabeticamente APÊNDICE(S) OPCIONAL (VER NBR 14724, 2011) Consiste em um texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho (p. 2). Deve ser precedido da palavra APÊNDICE. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Utilizam-se letras maiúsculas dobradas, na identificação dos apêndices, quando esgotadas as letras do alfabeto. (p. 9). Exemplos APÊNDICE A - Avaliação de desempenho artístico na pré-escola APÊNDICE B - Avaliação de desempenho artístico na infância ANEXO(S) OPCIONAL (VER NBR 14724, 2011) Consiste em um texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação ou ilustração (p. 2). Deve ser precedido da palavra ANEXO. Os anexos são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos (p. 9). Exemplos ANEXO A Representação gráfica do índice de evasão nas escolas em 2001

37 37 ANEXO B Representação gráfica do índice de evasão nas escolas em ÍNDICE - OPCIONAL (VER NBR 6034, 2004) Consiste numa lista de palavras ou frases, ordenadas alfabeticamente (autor, título ou assunto) ou sistematicamente (por classes ou data), que localiza e remete para as informações contidas no texto. 3 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Os trabalhos acadêmicos devem ser digitados na cor preta (ficando livre o uso de cores para as ilustrações), em papel branco ou reciclado, fonte 12 para todo o trabalho, inclusive capa, excetuando-se citações com mais de três linhas, notas de rodapé, legendas e fontes das ilustrações e tabelas, que devem ser em tamanho menor e uniforme. Os elementos pré-textuais devem sempre iniciar no anverso da folha e os textuais e póstextuais podem ser digitados no anverso e verso das folhas. Para o anverso as margens devem ser esquerda e superior de 3cm e direita e inferior de 2cm; para o verso, direita e superior de 3 cm e esquerda e inferior de 2 cm. Usa-se espaço 1,5 entre as linhas nos elementos textuais e espaço simples nas citações com mais de três linhas, notas de rodapé, referências, legendas e tabelas, natureza do trabalho ou do projeto na folha de rosto. As referências ao final do trabalho ou projeto devem ser separadas entre si por um espaço simples em branco. Os títulos das seções em relação ao texto que o sucede e os títulos das subseções em relação aos textos que os precede ou sucede devem ser separados por um espaço 1,5 entre as linhas em branco. Apresentamos a seguir como deve ser feita a formatação da divisão do texto em seções e subseções (títulos e subtítulos). Para obter informações sobre outros elementos de apresentação (espacejamento, parágrafo, paginação, siglas, equações e fórmulas, tabelas e ilustrações) ver a seção Formatação e Configuração do Texto na última parte deste Manual.

38 38 Os trabalhos acadêmicos são divididos em sua maioria por seções. A NBR 6024 estabelece alguns requisitos de apresentação que caracterizam a divisão das seções. Estas seções devem ser feitas de maneira clara e precisam expor, numa sequência lógica, por ordem de importância, o inter-relacionamento com o conteúdo, de modo a permitir a localização imediata de cada parte do texto. Segundo a NBR 6024: a) os títulos das partes (seções) em que se divide o trabalho devem ser precedidos de um indicativo numérico segundo o sistema de numeração progressiva, sempre alinhados à esquerda, e começar sempre por um numero inteiro (ex.: 1); b) devem-se utilizar números arábicos para enumeração das seções/subseções, bem como o ponto para divisão e consequente subordinação das seções (ex. 1.1); c) o indicativo de seção precede o título, dele separado por um espaço de um caractere; d) não deve ser utilizado qualquer sinal (hífen, travessão ou ponto) entre o indicativo numérico da seção e o seu título; não se usa ponto final em títulos e subtítulos. e) a apresentação das seções e subseções (títulos e subtítulos) deve ser diferenciada tipograficamente utilizando recursos como negrito, itálico, grifo, caixa alta, versalete, dentre outros. A escolha é livre, desde que seja padronizada no trabalho todo. Recomenda-se que os títulos das seções primárias sejam em maiúsculas. Cada nível de seção deve seguir sua própria padronização; f) os títulos sem indicativo numérico (ilustrações, sumário, resumo, referências e outros) devem ser centralizados na página; g) no Sumário, os títulos das seções e sua enumeração devem estar na mesma ordem e grafia do corpo do texto.

39 39 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto artigo quanto monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um único tema. Conforme o fim a que se destinam esses podem ser: monografias (graduação e pós-graduação lato sensu), dissertações de mestrado, teses de doutorado, e também podem ser apresentados sob a forma de artigos científicos. As orientações a seguir baseiam-se na norma para apresentação de artigo científico, a NBR 6022, e no Regulamento do Manual de Normas da Católica. Da mesma forma que os outros trabalhos acadêmicos, devem-se consultar também as outras normas relacionadas: NBR 6023 (elaboração de referências), NBR 6024 (numeração progressiva das seções de um documento), NBR 6028 (resumos), NBR (citação em documento), NBR de 2011 (apresentação de trabalhos acadêmicos). 2 DEFINIÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento. (NBR 6022, p.2). O artigo científico pode ser: a) original, que apresenta temas ou abordagens originais; b) de revisão, que analisa e discute trabalhos já publicados, revisões bibliográficas etc. 3 FORMATO DO ARTIGO Espaçamento entre linhas: 1,5. Número de páginas do artigo: mínimo de 10 (dez) páginas e máximo de 20 (vinte) páginas (incluindo tabelas e figuras). Fonte: Times New Roman ou Arial. Conforme a NBR de 2011, deve-se usar a fonte tamanho 12 para o texto e tamanho menor para as citações longas, notas de

40 40 rodapé, legendas das ilustrações e tabelas; formato A4 (210 X 297); cor preta; margens no modo justificado, com as seguintes medidas: superior 3 cm.; esquerda 3 cm.; inferior 2 cm.; direita 2 cm; não se deve usar barras ou outros sinais na margem lateral do texto. Citações: seguir NBR ESTRUTURA DO ARTIGO O artigo científico tem a mesma estrutura dos demais trabalhos científicos: parte externa (capa) e parte interna (elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais). 4.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Folha de rosto Folha de aprovação Título: deve estar em letra maiúscula e centralizado, na página de abertura do artigo; subtítulo, se houver, deve ser diferenciado tipograficamente do título ou separado por dois pontos. Autor(es): nome(s) do(s) autor(es) deverá(ão) ser colocado(s) por extenso, abaixo do título, seguido(s) de breve currículo que o(os) qualifique na área de conhecimento do artigo, contendo o vínculo institucional e os endereços postal e eletrônico. O currículo deve aparecer em rodapé na página de abertura e indicado por asterisco. Se houver orientador(es), esse(s) deve(m) ser indicado(s), com as devidas informações conforme acima. Resumo: constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos. Seguir a NBR 6028, específica para apresentação de resumo. Palavras-chave: de três a cinco no máximo, separadas entre si por ponto. (NBR 6028). Título, subtítulo (se houver), resumo e palavras-chave em língua estrangeira (espanhol, francês ou inglês). Embora a NBR 6022 ( específica para artigo em publicação periódica científica impressa) recomende que esses elementos, denominados pós-textuais, sejam formatados no final do texto, optou-se por formatá-

41 41 los logo após o resumo e palavras-chave em português, seguindo o Manual de Normas da Católica, que por sua vez segue a NBR (de apresentação de trabalhos acadêmicos). Epígrafe: elemento opcional. Trata-se de citação seguida de indicação de autoria que pode ocorrer no início do texto e também no início de cada seção. O autor citado deve constar nas Referências. Nota: Os artigos científicos dirigidos à publicação em revistas especializadas devem seguir os critérios de formatação aceitos pela publicação (as normas) a que se destinam. Nesse caso não devem incluir capa, folha de rosto e folha de aprovação, que são elementos obrigatórios no artigo de conclusão de curso para a melhor identificação do material aos membros da Banca Examinadora e à Biblioteca da Instituição. 4.2 ELEMENTOS TEXTUAIS Introdução: parte inicial do artigo, onde devem constar as delimitações do assunto tratado, os objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do artigo. Desenvolvimento: parte principal do artigo que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto tratado. Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e método. Para a numeração das seções e subseções seguir a NBR Conclusão: parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos e hipóteses. 4.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS Referências: lista ordenada de documentos efetivamente citados no texto que permitem a identificação, no todo ou em parte, de documentos impressos ou registrados em diferentes tipos de materiais. As referências listadas devem ser separadas entre si por um espaço simples em branco. Notas de rodapé: usadas para esclarecimentos, comentários ou explanações que não possam ser incluídas no texto, com o objetivo de não interromper a lógica da leitura.

42 42 As chamadas das notas devem ser feitas em algarismos arábicos, com numeração progressiva nas páginas, digitadas em espaço simples, corpo menor que o do texto. Não se inicia a numeração em cada página. Ilustrações: devem ter uma numeração seqüencial. Seguir NBR Tabelas: devem ser construídas segundo a norma para apresentação tabular do IBGE, Modelo 1 Página Inicial do artigo TÍTULO DO ARTIGO: subtítulo se houver Nome(s) do(s) Autor(es)* Nome do Orientador** RESUMO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX PALAVRAS-CHAVE: XXXX..YYY. XXXXXX. ABSTRACT XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX KEYWORDS: XXX. YYY. XXXXXX. TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO. TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO TEXTO. * Currículo do(s) autor(es). ** Currículo do Professor Orientador. Fonte elaborada pelos autores

43 43 FORMATAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO TEXTO 1 APRESENTAÇÃO Considerando que poucos usuários de programas de computador conseguem utilizar os recursos que lhes são oferecidos por softwares cada vez mais elaborados, como os dos editores de texto, apresentamos algumas sugestões que têm como finalidade ajudar na tarefa de digitação e formatação dos trabalhos acadêmicos. 2 FORMATO DO TRABALHO Os trabalhos acadêmicos devem ser digitados em papel branco A4, fonte 12 e cor preta. Os elementos pré-textuais devem sempre iniciar no anverso da folha e os textuais e pós-textuais podem ser digitados no anverso e verso das folhas. Para o anverso as margens devem ser esquerda e superior de 3cm e direita e inferior de 2cm; para o verso, direita e superior de 3 cm e esquerda e inferior de 2 cm. O espaço entre as linhas é de 1,5 cm. O editor de texto mais utilizado para a digitação de trabalhos acadêmicos é o Microsoft Word. Para facilitar a sua aplicação nestas normas de formatação, serão apresentadas algumas instruções de uso: Para ajustar o tamanho do Papel e as Margens: 1. Clique no menu Arquivo. 2. Em seguida, clique em Configurar página Na guia Margens defina o tamanho das margens de acordo com a norma: Superior: 3 cm; Esquerda: 3 cm; Direita: 2 cm; Inferior: 2 cm; 4. A orientação do Papel deve ser a Retrato; 5. Para configurar o tamanho do papel, clique na guia Papel; 6. Selecione o tamanho A4;

44 44 7. Clique em Ok para finalizar estas configurações. Imagem 1 Janela de Configuração de página Confira a largura e a altura padrão da página. É importante que o tamanho do papel seja aplicado no documento inteiro. Fonte Elaborada pelo autor Pressione este botão para salvar o tamanho do papel no modelo. Imagem 2 Janela de Configuração das margens Orientação do Papel em Retrato Confira as margens padrão do documento. É importante que tudo seja aplicado no documento inteiro. Fonte Elaborada pelo autor

45 45 3 ESPACEJAMENTO E TIPOGRAFIA A ABNT não especifica o tipo de fonte, contudo costuma-se usar Times New Roman ou Arial. Sugerimos digitar ou selecionar da lista a fonte Times New Roman. O tamanho de fonte recomendado pela ABNT é 12 para o texto, com espaço entre linhas de 1,5 cm, e tamanho menor e espaço simples para citações com mais de três linhas, notas de rodapé, paginação e legendas de ilustrações e tabelas. Para facilitar a formatação do texto, o Word utiliza recursos de configuração de estilos que são instruções previamente definidas que alteram automaticamente as partes de um texto ao qual são aplicadas pelo usuário.vejamos a seguir como fazer isso. 3.1 CONFIGURANDO ESPACEJAMENTO E TIPOGRAFIA No editor de textos MS Word podemos configurar o espacejamento e a tipografia padrão alterando o modelo de estilo Normal. Vamos modificar o estilo padrão do Word aplicado ao texto chamado Normal. 1. Clique em Formatar e depois na opção Estilos e formatação; 2. Irá surgir uma caixa de opções no canto direito do programa; 3. Na caixa Escolher formatação a ser aplicada localize o estilo Normal. 4. Clique no botão que surge no lado direito do estilo quando você coloca o mouse sobre o mesmo. Escolha a opção Modificar. 5. Na região de formatação, selecione a fonte Times New Roman, o tamanho do corpo 12, o alinhamento justificado e o espaçamento entre linhas de 1,5 cm. 6. Para finalizar, clique em OK. 7. Depois, selecione os blocos de texto nos quais você queira aplicar a formatação e selecione o estilo Normal para inserir seu efeito. Imagem 3 Guia de Estilos e Formatação

46 46 Você irá utilizar estas duas opções para alterar seu estilo Normal. Fonte Elaborada pelo autor Imagem 4 Modificando a formatação Clique nesta opção para modificar seu estilo. Clique neste botão para que o menu apareça. Fonte Elaborada pelo autor 3.2 CONFIGURANDO OS PARÁGRAFOS Não existe uma norma específica para padronização dos parágrafos, ficando a critério do autor estabelecer a padronização desejada. Recomendamos um recuo de 1,5 cm que facilita a visibilidade do mesmo. Este pode ser configurado na opção Parágrafo que fica na parte inferior à esquerda da janela de Modificação de Estilos.

47 47 Imagem 5 Modificando parágrafo Configurar alinhamento para justificado. Em especial, selecione a opção primeira linha e o tamanho do parágrafo conforme sua padronização. Configure o entre linhas para 1,5. Fonte Elaborada pelo autor 3.3 CONFIGURANDO O ESPACEJAMENTO DE CITAÇÕES As citações diretas com mais de três linhas devem aparecer em um bloco separado do texto. Como vimos, nesses casos o espacejamento entre linhas é simples e o tamanho da fonte deve ser menor que o do texto normal. Recomendamos o tamanho de fonte 10. Para configurar o estilo das citações diretas com mais de três linhas siga estes passos: 1. Novamente na caixa de Estilos e formatação, clique no botão Novo Estilo; 2. Nomear o novo estilo como Citações ; 3. O estilo para parágrafos é Normal ; 4. Clique no botão Formatar e em Parágrafo ; 5. No recuo, configurar para 4 cm à esquerda e espaçamento entre linha simples. 6. Clique em OK para finalizar; 7. Depois, selecione o bloco de texto desejado e escolha o estilo Citações para aplicar ao texto escolhido.

48 48 Imagem 6 Caixa de diálogo Modificar estilo Fonte Elaborada pelo autor

49 49 Imagem 7 Caixa de diálogo Parágrafo Fonte Elaborada pelo autor 4 FORMATO DA DIVISÃO DO TEXTO Para facilitar a formatação final do TCC, transcrevemos a seguir a NBR (2011, p. 10) sobre o formato dos títulos e subtítulos (seções e subseções) conforme a NBR 6024 (ver a descrição desta norma na p. 37 deste Manual). Indicativos de seção (5.2.2) O indicativo numérico de uma seção precede seu título, alinhado à esquerda, separado por um espaço de um caractere. Títulos sem indicativo numérico (5.2.3) Os títulos sem indicativo numérico errata, agradecimentos, lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, resumos, sumário, referências, glossário, apêndice(s) anexo(s) e índice devem ser centralizados, conforme a ABNT NBR 6024.

50 50 Elementos sem título e sem indicativo numérico (5.2.4) Fazem parte desses elementos a folha de aprovação, a dedicatória e a epígrafe. 4.1 CONFIGURANDO OS ESTILOS DE DIVISÃO DO TEXTO Agora, vamos entender como configurar os estilos das nossas seções. Aqui iremos apresentar um modelo de formatação usado neste manual e que você pode seguir. Primeiro, vamos definir como será a padronização a ser seguida na formatação das seções primária, secundária e terciária. Sendo assim, optamos pelos seguintes itens: Seção Primária: Caixa alta (todas as letras em maiúsculas), fonte tamanho 12, precedido do indicativo numérico correspondente. Seção Secundária: Versalete, negrito, fonte tamanho 12, precedido do indicativo numérico correspondente. Seção Terciária: Versalete, itálico, fonte tamanho 12, precedido do indicativo numérico correspondente. 4.2 FORMATANDO ESTILOS Para cada seção iremos criar um estilo novo. Com o nosso programa aberto, clique no menu Formatar e em seguida Estilos e Formatação... Com certeza você já está familiarizado com esta janela. Clique em Criar Novo Estilo. Dê o nome para o estilo como Seção Primária. Depois, estabeleça toda a formatação de fonte e parágrafo para este estilo, obedecendo a padronização que definimos acima. Faça a mesma coisa com os outros estilos. Quando você concluir, verá que os nomes destes novos estilos irão surgir na caixa de diálogo Estilo no lado direito da tela do Word. Quando você quiser utilizá-los, basta apenas clicar em cima de um deles e digitar o título. Para voltar a digitar o texto normal, clique no estilo Normal na mesma janela de listagens.

51 51 5 PAGINAÇÃO As páginas do seu trabalho acadêmico devem ser numeradas segundo a NBR Esta numeração inicia-se na folha de rosto que, assim como outros elementos pré-textuais, são contados, mas não numerados. A numeração aparece na parte textual, em algarismos arábicos mantendo-se a sequência numérica nas folhas pós-textuais do trabalho, a despeito do número de volumes. A regra estabelece que os números sejam identificados no canto direito superior da folha, a 2 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2 cm da margem direita. Para produções com mais de um volume, a numeração deve ser seqüencial, até os elementos pós-textuais do trabalho. Para você fazer esta configuração da margem onde o número deve aparecer, siga os seguintes procedimentos. 1. Vá até o menu Arquivo e em seguida, Configurar página Na guia Layout, aumente a distância do cabeçalho para 2 cm. 3. Em seguida, clique em OK para finalizar. Imagem 7 Configurando Layout de Página Fonte Elaborada pelo autor

52 52 Para inserir o número da página, desde o início do seu trabalho você deve separar as mesmas por quebra de seção. As quebras de seção servem para você separar os elementos de seu trabalho como capa da folha de rosto, do sumário, da folha de aprovação e, inclusive, capítulos. Muitas vezes, capítulos acabam terminando na metade de uma página. É errado você utilizar a tecla Enter para criar uma nova página e continuar o texto. Em vez disso, utilizaremos a quebra de seção. Com isso, podemos ocultar o número da página que não pode ser exibido, mas que deve ser contado na sequência, de acordo com a norma NBR Para inserir a quebra de seção: 1. Coloque o curso que pisca, o de digitação, na última palavra da página que você deseja separar. 2. Clique no menu Inserir; 3. Clique na opção Quebra; 4. Na janela da Quebra, marque a opção Próxima página; Imagem 8 Inserindo a Quebra de Seção Fonte Elaborada pelo autor Depois de criarmos a quebra de seção, iremos inserir o número da página. Se você estiver em uma seção de seu trabalho que não deve aparecer na mesma, então simplesmente você terá que desmarcar uma opção na janela de numeração de página. Vejamos como isso acontece: Para inserir números de página: 1. Clique na página onde você deseja contar a numeração, mas que não aparece o número.

53 53 2. Clique no menu Inserir; 3. Clique na opção Números de página...; 4. No item Posição da janela, escolha a opção Início da página (cabeçalho) ; 5. No alinhamento, escolha a opção Direita ; 6. E, caso não queira que o número apareça na página, desmarque a opção Mostrar número na primeira página. Imagem 9 Inserindo número de páginas Fonte Elaborada pelo autor 6 SIGLAS A utilização de siglas deve ser feita de forma que o leitor saiba seu significado no texto. Quando usada pela primeira vez, o nome completo precede a sigla, que é colocada entre parênteses. Por exemplo: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 7 EQUAÇÕES E FÓRMULAS As equações e fórmulas quando utilizadas no texto devem aparecer destacadas do mesmo para facilitar sua leitura. É permitido um espaço maior na seqüência do texto para comportar elementos destas formulas. Se forem destacas em parágrafo, procurar centralizar e se necessário numerar estas formulas e equações. Exemplo: x 2 + y 2 = z 2 (1) (x 2 + y 2 )/5 = n(2)

MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 1 MANUAL DE NORMAS PARA ELABORAÇÃO E FORMATAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Luzia Marivalda Barreiro da Costa Vani Terezinha de Rezende Vera Lúcia Salazar Pessôa Wisley Francisco Aguiar Edição revista e aumentada

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação AGO 2002 NBR 14724 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 2º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica 2012 PROJETO DE PESQUISA Apresentação gráfica Revisto e atualizado segundo alterações ABNT: NBR 15287:2011 Projeto de Pesquisa; NBR 14724:2011 Trabalhos Acadêmicos. Profa. Dra. Wakiria Martinez Heinrich

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

METODOLOGIA CIENTIFICA MÓDULO I

METODOLOGIA CIENTIFICA MÓDULO I 2015.1 METODOLOGIA CIENTIFICA MÓDULO I FICHA TÉCNICA DIREÇÃO DO INSTITUTO FORMAÇÃO Chiara Moura Claudio Borges SECRETARIA ACADÊMICA Adriana Novais Daniela Luz COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO NUPE (NÚCLEO DE

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC)

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) compreende a elaboração de trabalho de caráter individual teórico, projetual ou aplicativo, com observância de exigências

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS DIREÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO SEÇÃO DE ENSINO Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS O texto a seguir tratará das seguintes normalizações: A. NBR 14724:2001 Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação Informações pré-textuais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS INTRODUÇÃO FORMAS E REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002)

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) DIRETOR: Profº. Daniel Jorge dos Santos Branco Borges COORDENADORA PEDAGÓGICA: Profª. Paloma Martinez Veiga Branco COORDENADORA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI GUIA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: diretrizes para normalização Rosemeire Zambini Bibliotecária CRB5018

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5 Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

1 Objetivo Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa.

1 Objetivo Esta Norma estabelece um sistema para a apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação periódica científica impressa. MAIO 2003 NBR 6022 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação - Artigo em publicação periódica científica impressa - Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio,

Leia mais

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809 1 INTRODUÇÃO Tutorial é um programa ou texto, contendo ou não imagens, que ensina passo a passo, didaticamente, como um aplicativo funciona. Regra geral a maioria dos educandos já conhece o Microsoft Office

Leia mais

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e análise de práticas de gestão em empresas hospitalares de médio porte. OBS: O Projeto deverá ser

Leia mais

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 1 Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Gepós Unidade de Gestão de Pós Graduação Como requisito obrigatório para a obtenção do certificado de pós-graduação, o TCC deve ser desenvolvido

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS PONTA GROSSA 2010 2 SUMÁRIO 1

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT ESCOLA E FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT SÃO CARLOS 2010 MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS:

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Caxias MA 2012 1. INTRODUÇÃO Conforme regulamento do núcleo de trabalho de conclusão de curso da

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a) elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-textuais.

Leia mais