INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL MARANHÃO UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL MARANHÃO UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA"

Transcrição

1 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL MARANHÃO UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Imperatriz/MA 2009

2 2009 by INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO Rua São Pedro s/n Cristo Rei Imperatriz-MA Fone (99) PRESIDENTE DA MANTENEDORA Profª. Joane Gláucia Silva de Almeida e Almeida DIRETORA GERAL Profª. Joane Gláucia Silva de Almeida e Almeida DIRETORA ACADÊMICA Profª. Raquel de Moraes Azevedo COORDENADOR DE EXTENSÃO, ESTÁGIOS E TCC Prof. Antônio Sousa Alves BIBLIOTECÁRIA Alesandra Saraiva de Sousa ELABORAÇÃO Profª. Sarah Lamarck REVISÃO DE TEXTO Profª. Domingas Alves Bandeira Profª. Inácia Neta de Sousa REVISÃO EDITORIAL Profª. Rita de Cássia Barros Marques Profª. Domingas Alves Bandeira Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca da Unisulma Bibliotecária Responsável: Alesandra Saraiva de Sousa Lamarck, Sarah Manual do Estagiário do Núcleo de Prática Jurídica/ Lamarck, Sarah. Imperatriz, f.:il. CDU...

3 3 SUMÁRIO mensagem Aos Estagiários O Estágio Supervisionado Núcleo De Prática Jurídica Iesma/Unisulma Organização Do Npj Iesma/Unisulma Estágio Externo Procedimentos No Npj Iesma/Unisulma Dos Estagiários Competências Proibições Penalidades Monitorias Petições Petições Iniciais Petições De Andamento Contestações Atividades Obrigatórias E Carga Horária Correspondente Formulários... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 8.1 Termo De Compromisso E Responsabilidade Requerimento A Coordenação Do Npj Iesma/Unisulma Requerimento A Coordenação Do Npj Iesma/Unisulma Termo De Compromisso Do Assistido No Npj Iesma/Unisulma Procuração Declaração De Insufiência De Recursos Financeiros Ficha De Triagem De Assistido... 33

4 4 8.8 Ficha De Estatística De Atendimentos Cartão De Apresentação Do Estagiário Cartão De Comparecimento Em Audiência Relatório De Atendimento Carta De Solicitação De Comparecimento Atestado De Comparecimento Recibo De Documentos Carta-Convite Para Cliente Do Npj Memória De Caso Relatório De Visitas Relatório De Processo Sob Responsabilidade Do Estagiário Para O Acompanhamento De Audiência De Instrução E Julgamento Relatório De Audiência De Instrução E Julgamento Relatório De Audiência De Conciliação Relatório De Palestra Relatório De Autos Findos Relatório Mensal De Estágio Externo Relatório Final De Estágio Externo Relatório Final Geral Ficha Individual De Avaliação Da Carga Horária Modelo De Parecer Ficha De Frequencia No Estágio Ficha De Pesquisa De Jurisprudência Lista De Documentos Necessários (Ações Mais Habituais) FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO NO NPJ IESMA/UNISULMA Etapas Do Atendimento Inicial Etapas Do Atendimento Estagiário(A) Etapas Andamento Processual REFERÊNCIAS... 83

5 5 MENSAGEM AOS ESTAGIÁRIOS Seja bem vindo ao Núcleo de Prática Jurídica IESMA/UNISULMA, onde se realizará seu estágio supervisionado. Durante pelo menos 04 (quatro) semestres, este será um novo local da sua vivência jurídica, onde poderá conhecer na prática e com mais detalhamento as diversas profissões jurídicas e visualizará os institutos somente conhecidos em teoria ou exemplos durante o eixo de formação fundamental e profissional do curso de Direito. Este é o momento do eixo de formação prática, enfim, a fase mais esperada do curso de Direito, em que você terá contato com a realidade das carreiras jurídicas, suas vantagens e desvantagens, e exercerá sua função como profissional, atuando no foro, participando de audiências, realizando diligências, redigindo e protocolando suas petições, acompanhando as etapas da ação, entre outras atividades. Para ajudá-lo, elaboramos o Manual do Estagiário do Núcleo de Prática Jurídica, com explicações e orientações acerca do estágio supervisionado, desde o conceito do núcleo de prática jurídica, sua competência, os envolvidos, até o atendimento ao cliente e os atos a serem praticados durante a prática real. Desejamos que seja proveitoso o seu estágio, que você participe de todas as atividades, envolva-se nos projetos de extensão e pesquisa, comprometa-se com a prática jurídica, para que ao final do estágio e do curso de Direito, tenha adquirido habilidades e competências necessárias para iniciar com êxito a profissão jurídica que escolher. Profª. Sarah Lamarck Coordenadora do NPJ IESMA/UNISULMA

6 6 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO A aprendizagem do Direito não pode ser puramente teórica, distante da realidade, voltada apenas a textos legais e doutrinários, pois estaria se deixando de lado a fase profissionalizante, que é a porta de acesso para o mercado de trabalho. O estágio foi pensado como o ciclo em que o acadêmico tem a oportunidade, desafiadora, de aplicar os sólidos conhecimentos de sua formação teórica no início de uma prática profissional. Visam melhorar a qualidade do profissional lançado no mercado de trabalho e propiciar ao acadêmico a formação de habilidades e competências que aliem os aspectos teóricos e práticos e permitam-lhe ter condições mínimas de escolher e exercer uma das diversas profissões jurídicas. Os alunos do Curso de Graduação em Direito têm a oportunidade de aprendizado prático através de duas modalidades de Estágio: O Estágio Supervisionado, que integra o curso de graduação em Direito como disciplina obrigatória, cuja aprovação é imprescindível para a obtenção do diploma de bacharel em Direito; e O Estágio Profissional de Advocacia, previsto na Lei nº 8.906/94 (Estatuto da OAB), de natureza extracurricular, e que pode ser realizado inclusive por bacharéis em Direito, após a graduação.

7 7 2 O núcleo de prática jurídica é o local destinado à realização do estágio supervisionado, sem o qual o aluno não poderá obter o seu grau como bacharel em Direito, conforme determinam as Diretrizes Curriculares Nacional do Curso de Graduação em Direito. As atividades desenvolvidas no estágio supervisionado são exclusivamente práticas, realizadas sob o controle, orientação e avaliação do núcleo de prática jurídica, incluindo, entre outras: a redação de peças processuais e profissionais; rotinas processuais; assistência e atuação em audiências e sessões; visitas a órgãos judiciários; prestação de serviços jurídicos; técnicas de negociações coletivas, arbitragens e conciliação; outras atividades práticas determinadas pelos professores-orientadores. 2.1 Disciplina Laboratorio de Prática Simulada Para que o estágio supervisionado possa atingir o fim a que se destina, o aluno terá disciplinas de prática simulada (que não se confundem com o estágio), do 6º ao 9º períodos do curso, com carga horária de 36 (trinta e seis) horas cada, em que poderá ensaiar nos laboratórios jurídicos, antes de executar as atividades de prática real no Núcleo de Prática Jurídica. 2.2 Da Matrícula na disciplina de Estágio Supervisionado Por ser uma disciplina obrigatória, os alunos devem efetuar sua matrícula nas disciplinas de estágio supervisionado que ocorrem no Núcleo de Prática Jurídica, sendo: Estágio supervisionado I alunos do 7º período Estágio supervisionado II alunos do 8º período Estágio supervisionado III alunos do 9º período Estágio supervisionado IV alunos do 10º período

8 8 2.3 Da Inscrição no NPJ IESMA/UNISULMA Após confirmação da matrícula, portando o comprovante de matrícula e 02 fotos 3 x 4, o aluno deverá se inscrever na Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica IESMA/UNISULMA, quando será informado do dia da semana e do turno de seu estágio. 2.4 Carga Horária A carga horária do estágio supervisionado é de 300 (trezentas) horas, dividida em 04 (quatro) disciplinas, com carga horária mínima de 75 (setenta e cinco) horas por semestre. A verificação do cumprimento da carga horária é aferida por meio da apresentação dos formulários de freqüência, que são preenchidos quando do comparecimento do estagiário no NPJ IESMA/UNISULMA, com data, horário de entrada e saída, e o cumprimento das atividades que possuem carga horária própria. 2.5 Frequência Por ser uma disciplina que estabelece uma carga horária mínima de atividades práticas a ser cumprida, a freqüência deve ser integral, devendo o estagiário solicitar por meio de formulário próprio a reposição das datas em que não puder comparecer.

9 9 3 ORGANIZAÇÃO DO NPJ IESMA/UNISULMA 3.1 Da Coordenação do NPJ A Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica será exercida por profissional com comprovado exercício na área jurídica e na docência do ensino superior, preferencialmente com curso de especialização, e terá como atribuições, entre outras, coordenar, supervisionar e dirigir as ações do núcleo, implementando as decisões da Coordenação do Curso e do Colegiado do Curso de Bacharelado em Direito, referentes a estágios. 3.2 Dos Professores Orientadores A orientação aos estagiários, no Núcleo de Prática Jurídica, será exercida, preferencialmente, por profissional com experiência comprovada na área jurídica e na docência do ensino superior, competindo-lhes, entre outras atividades, orientar, supervisionar e avaliar as visitas e atividades simuladas e reais dos estagiários sob sua responsabilidade, atribuindo-lhes a respectiva nota, bem como acompanhar a elaboração e

10 10 corrigir as peças processuais assinando, juntamente com os estagiários pertencentes aos plantões pelos quais forem responsáveis, as petições encaminhadas ao Poder Judiciário através do Núcleo de Prática Jurídica. 3.3 Da Secretaria A Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica é o setor encarregado da organização documental e processual em arquivo, assessorando Coordenação, Professores Orientadores e Estagiários, bem como fazendo a triagem do público para atendimento e encaminhamento ao estagiário. 3.4 Do Estagiário Será abordado mais adiante, as atribuições, vedações e punições previstas para o estagiário do NPJ IESMA/UNISULMA.

11 11 4 ESTÁGIO EXTERNO São permitidas atividades de Estágios Externos para o cômputo de 50% das horas totais dos Estágios Supervisionados, mediante solicitação pelo REQUERIMENTO DE ESTÁGIO EXTERNO (formulário anexo) e mediante prévia AUTORIZAÇÃO DA COORDENAÇÃO DO NPJ e a contemplação de CONVÊNIO ENTRE A UNISULMA/IESMA E A UNIDADE CONCEDENTE (outras instituições, escritórios de advocacia, entidades de interesse público e social previamente credenciadas). No início de cada semestre letivo serão informados os órgãos conveniados e a disponibilidade de vagas, bem como o período para o aluno inscrever-se, por meio de formulário próprio. Optando por essa modalidade, o acadêmico deverá firmar TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO junto à secretaria do NPJ, apresentar os RELATÓRIOS MENSAIS DE ESTÁGIO EXTERNO (formulário anexo) e um RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXTERNO (formulário anexo) ao seu Professor Orientador. Além disso, deverá COLHER as assinaturas do profissional que acompanha o estágio, responsável Imediato, nos formulários pertinentes.

12 12 5 PROCEDIMENTOS NO NPJ IESMA/UNISULMA Para o bom funcionamento do Escritório, os formulários elencados ao final do Guia do Estagiário deverão ser preenchidos de forma clara e precisa. A seguir, breve orientação sobre os procedimentos do estagiário quanto aos supracitados formulários: 1 - Primeiramente, o acadêmico matriculado em Estágio Supervisionado deverá estudar este guia na íntegra. 2 - O horário e data para atendimento à comunidade são os previamente fixados no ato da inscrição no NPJ IESMA/UNISULMA, salvo em casos de mudanças mediante requerimento (modelo) deferido pela Coordenação do NPJ. 3 - No primeiro momento, visando à continuidade dos acompanhamentos processuais, o acadêmico assinará TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE (anexo). Neste documento, compromete-se a cumprir as regras do Estágio que constam no Regulamento, e onde constarão os processos herdados que ficarão sob a responsabilidade de sua equipe e de seu professor-orientador, quando encerrar seu estágio. 4 Você deverá preencher a FICHA DE ESTATÍSTICA (anexo) a cada atendimento, sejam novos clientes ou retorno dos mesmos. 5 - O cliente deverá ser tratado sempre com RESPEITO E URBANIDADE; No caso de PRIMEIRO ATENDIMENTO ao cliente pelo NPJ, deverá ser preenchido o RELATÓRIO DE ATENDIMENTO (anexo), independentemente de encaminhamento (orientação ou ação judicial) e, como já explanado, também a FICHA DE ESTATÍSTICA (anexo), solicitando todos os documentos necessários, originais junto com as duas cópias para a verificação da sua autenticidade, além de PREENCHER a PROCURAÇÃO (anexo) e a DECLARAÇÃO de insuficiência financeira, colhendo a respectiva assinatura do cliente Em caso de retorno do cliente, deve o estagiário examinar atentamente ao prévio relatório para que as dúvidas do cliente pertinentes àquele assunto ou derivados sejam precisamente esclarecidas, analisar esse dossiê, solicitando ao cliente o que for necessário, JAMAIS atender o cliente sem fazer o respectivo relatório do ocorrido O estagiário deverá ouvir o cliente atentamente, encerrando o atendimento com a certeza de ter esclarecido as dúvidas jurídicas, mostrando o caminho a ser buscado para a possível solução Você está autorizado a atender pessoas consideradas carentes e, se perceber que o cliente tem condições de arcar com as despesas processuais e honorários

13 13 advocatícios, FAVOR levar sua opinião ao conhecimento do Professor Orientador, para os procedimentos cabíveis O estagiário deverá orientar o cliente para que mantenha contato com o Núcleo de Prática Jurídica IESMA/UNISULMA, inclusive, informando a MUDANÇA DE TELEFONE E ENDEREÇO, além de indicar o seu dia e horário de atendimento no estágio através do formulário próprio (anexo); Esclarecer SEMPRE ao cliente que todo o trabalho realizado é feito pelo próprio estagiário, com a orientação e acompanhamento de um Professor Orientador; Depois de realizado o primeiro atendimento, o estagiário preencherá o CARTÃO DE APRESENTAÇÃO (anexo), marcando data e horário de retorno do cliente ao NPJ IESMA/UNISULMA, e informará o cliente sobre o ATESTADO DE COMPARECIMENTO (anexo), caso haja necessidade de comprovar o período de atendimento. Do mesmo modo, o formulário pode ser direcionado ao estagiário, com os mesmos efeitos. 6 - A fim de promover a conciliação ou mediação, na impossibilidade de contato telefônico com a parte contrária, poderá ser enviada a CARTA DE COMPARECIMENTO (anexo) por meio do próprio assistido do NPJ, que terá mérito apenas no âmbito extrajudicial, não possuindo propriedade de citação ou intimação judicial Inviável a conciliação, será iniciado PROCESSO JUDICIAL conforme item 9 - Petições, observando cuidadosamente cada critério a ser preenchido, incluindo PROCURAÇÃO (anexo), pedido de gratuidade, que será interposto pelo preenchimento da DECLARAÇÃO (anexo), e as cópias dos documentos necessários ao andamento da ação. 7 - Caso haja a necessidade do pagamento de alguma CUSTA processual ou administrativa, o valor será entregue pelo cliente à secretaria, conforme dispõe o Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica, preenchendo-se DUAS VIAS do FORMULÁRIO DE ENTREGA DE VALORES (anexo) (uma via para recibo). Frise-se que o estagiário NÃO RECEBERÁ QUANTIA ALGUMA (custas, honorários, alvarás, etc.), mas sim O PRÓPRIO CLIENTE fará o devido fluxo junto à secretaria. 8 - De modo semelhante, o cliente será instruído a trazer os documentos originais junto com as duas cópias para a verificação da sua autenticidade. Não será retido nenhum documento original, mas a cópia deste, preenchendo o RECIBO DE DOCUMENTOS (anexo). 9 - Havendo designação de AUDIÊNCIA, o estagiário deverá informar o cliente do local, data, horário, dentre outras informações pertinentes PREENCHENDO O CARTÃO DE COMPARECIMENTO (anexo), SEMPRE EM DUAS VIAS, sendo que uma constará A

14 14 APOSIÇÃO DE CIENTE DO CLIENTE e ficará arquivada na sua respectiva pasta; Além disso, o estagiário fará RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA QUE ACOMPANHAR (anexo) O estagiário deve atualizar SEMANALMENTE a pasta processual do cliente, anotando TODOS OS ANDAMENTOS do processo e seus incidentes, NÃO esquecendo que, no momento de ingressar com a medida judicial (petição inicial, contestação, agravo de instrumento ou outras), DEVERÁ comunicar à secretaria os dados completos do processo, número do processo, dados do cliente, parte adversa, protocolo, ação proposta e acompanhamento processual, a qual DEVERÁ ser CONSTANTEMENTE ATUALIZADA PELO ESTAGIÁRIO, mediante consulta física no Fórum ou via internet (semanalmente) A partir do momento que o cliente for atendido pelo estagiário é de responsabilidade total deste o acompanhamento do processo, ZELANDO pelos PRAZOS, PROVAS A PRODUZIR E EXATO RELATÓRIO DA CAUSA Tratando-se de cliente sem estagiário para a causa, inicialmente solicite na secretaria a FICHA e a PASTA correspondente, posteriormente, faça uma busca na Internet/Página do Tribunal de Justiça (consultas 1º/2º grau), ou examine, pessoalmente, os autos no Fórum, a fim de averiguar o andamento processual Periodicamente, poderá ser exigido do estagiário análise de autos findos, respondendo o Questionário (anexo) Sempre que o estagiário deixar de atuar no processo, seja por TÉRMINO OU CANCELAMENTO DA DISCIPLINA PRÁTICA JURÍDICA REAL, ou por qualquer outro motivo que o impeça de continuar na ação, deverá ser PREENCHIDO A MEMÓRIA DE CASO (anexo). Este formulário também integrará o RELATÓRIO FINAL GERAL (anexo) No desfecho do semestre letivo de Prática Jurídica I e II, o acadêmico/estagiário redigirá RELATÓRIO FINAL GERAL DAS ATIVIDADES (anexo). No referido relatório, serão coletadas informações pertinentes ao período de atuação do acadêmico como estagiário, agregadas da FICHA DE ESTATÍSTICA (anexo) devidamente preenchida com todos os atendimentos realizados no semestre; dos RELATÓRIOS DE ATENDIMENTO (anexo), MEMÓRIAS DE CASOS (anexo), RELATÓRIOS DE AUDIÊNCIAS (formulário anexo), QUESTIONÁRIOS DE AUTOS FINDOS, quando houver (formulário anexo), além de CÓPIAS DE TODAS AS PEÇAS PROCESSUAIS formuladas no NPJ IESMA/UNISULMA em que o estagiário atuou NÃO ESQUEÇA, havendo dúvidas, SOLICITE a presença do Professor Orientador LEMBRE-SE, tudo o que for afirmado e orientado para o cliente, envolverá o nome de toda a equipe do NPJ IESMA/UNISULMA e da própria UNISULMA/IESMA Semanalmente, verificar junto à secretaria se há documentos deixados pelos clientes ou AVISOS da secretaria e o MURAL DE AVISOS.

15 Constantemente, CONTACTAR COM OS CLIENTES a fim de averiguar o interesse no prosseguimento da causa, em caso negativo, providenciar a devolução dos documentos mediante RECIBO e arquivamento Ao encaminhar a peça processual para assinatura do Professor-Orientador, disponibilizar em pen drive, para correção diretamente no arquivo de texto. 21 Acompanhar a correção da peça processual ao lado do Professor Orientador, pois não serão corrigidas peças processuais cuja pen drive seja entregue, sem a presença do estagiário É VEDADA a UTILIZAÇÃO DA IMPRESSORA para qualquer material que não seja pertinente ao estágio Observar na matrícula o nome do Professor-Orientador do turno e para o caso, dirigirse somente a ele, pois o Professor que iniciou a correção da peça processual, deverá terminá-la Os assuntos referentes aos feitos do NPJ IESMA/UNISULMA SÃO DE SIGILO ABSOLUTO, devendo o estagiário evitar qualquer exposição dos clientes além do estritamente necessário, qualquer comentário com colegas ou terceiros, inclusive relativos a fatos ocorridos no foro, seja no NPJ ou fora dele É vedado o atendimento de partes adversas (autor e réu) em um mesmo feito, para tanto consulte SEMPRE o professor orientador Não é permitida a retirada de material do NPJ (livros, autos, pastas relatórios, dentre outros), sem a devida carga na SECRETARIA;

16 16 6 DOS ESTAGIÁRIOS São considerados estagiários, para fins do Estágio Curricular todos os acadêmicos regularmente matriculados e inscritos nas disciplinas de Estágio Supervisionado I, II, III e IV, as quais são oferecidas com carga horária mínima de 60 horas cada uma. Não obstante, os acadêmicos inscritos nas atividades complementares oferecidas pelo Núcleo de Prática Jurídica deverão observar as normas de regulamento listadas abaixo, além de legislações que tratam de assuntos pertinentes a estágios. 6.1 Competências Compete ao estagiário: agir de acordo com a ÉTICA PROFISSIONAL e zelar pelo bom nome do NPJ da UNISULMA/IESMA e guardar sigilo dos dados que venham a ser de seu conhecimento em realização da prática do estágio; prover aos encargos inerentes às atividades do estágio com eficiência, SERIEDADE, DEDICAÇÃO E ZELO; destinar a totalidade do período em que estiver no NPJ IESMA/UNISULMA ao atendimento das partes, à pesquisa, à elaboração de peças processuais ou extraprocessuais e ao acompanhamento dos respectivos processos; os assuntos referentes aos feitos do NPJ IESMA/UNISULMA SÃO DE SIGILO ABSOLUTO, devendo o estagiário evitar qualquer exposição dos clientes além do estritamente necessário. permanecer nas dependências do NPJ durante todo o período do estágio; cumprir seus plantões junto ao NPJ com ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE os horários estabelecidos, assinando, em todas as datas de realização do estágio; realizar o estágio pelo período de quatro horas semanais e mínimo de 72 horas semestrais, acrescendo a este tempo a carga horária relativa as atividades; dar andamento aos atos processuais necessários durante as FÉRIAS LETIVAS, obedecendo à escala de revezamento de professores e alunos que comparecerão a plantões semanais; realizar as visitas e atividades simuladas orientadas, pertencentes às disciplinas de Prática Jurídica, bem como participar de outros eventos promovidos pelo NPJ; tratar a clientela do NPJ e colegas, professores, advogados, funcionários, serventuários da justiça e demais pessoas com quem tratar em função do estágio com SERIEDADE, RESPEITO E URBANIDADE;

17 17 ATENDER às orientações dos Professores e Monitores do estágio, sendo assegurada sua liberdade de expressão e participação; assinar o TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE (formulário anexo). Neste documento, constarão os processos herdados que ficarão sob a responsabilidade de sua equipe e de seu professor-orientador. atender a parte e investigar criteriosamente os fatos, analisar o dossiê já existente, solicitando ao cliente o que for necessário, JAMAIS atender o cliente sem fazer o respectivo relatório do ocorrido. PREENCHER Relatórios de atendimento e acompanhamento dos clientes do NPJ, encaminhando-as à Secretaria de Estágio para cadastramento, mantendo-as atualizadas e cientificando o professor/orientador de todas as intercorrências processuais e fáticas com as partes; efetuar o diagnóstico da questão jurídica apresentada e COLETAR todas as informações necessárias para a elaboração da peça processual cabível, preenchendo o formulário próprio, observando a qualificação completa das partes (CPF, RG, etc.), além de especificar os endereços de forma clara e precisa, com bairro, CEP e referências (formulário anexo - RELATÓRIO DE ATENDIMENTO), orientando o cliente para que mantenha contato com o NPJ IESMA/UNISULMA, inclusive, informando a MUDANÇA DE TELEFONE E ENDEREÇO. atender às partes no NPJ e MANTER ORGANIZADAS E ATUALIZADAS as pastas dos clientes COM CÓPIAS DE TODAS AS PEÇAS PROCESSUAIS, solicitando à Secretaria ditas pastas quando se fizer necessário e devolvendo as mesmas, mediante protocolo; atender a todos os retornos que comparecerem no período (clientes de processos que estão em andamento), devendo ser feitos mediante consulta à pasta do cliente e à movimentação atualizada para a transmissão de informações precisas - estes atendimentos também integrarão a FICHA DE ESTATÍSTICA (formulário anexo). JAMAIS atender o cliente sem fazer o respectivo relatório do ocorrido. entregar ao cliente, no primeiro atendimento, o CARTÃO DE APRESENTAÇÃO com o dia e horário para retorno (formulário anexo); encaminhar os casos respeitantes a situações familiares a mediação e ACOMPANHAR, juntamente com o seu professor/orientador, o desenvolvimento do processo de mediação, no dia e horário definidos para o caso específico; chegando ao consenso na Mediação Familiar, PROVIDENCIAR O PROCESSAMENTO DO PEDIDO, preferindo sempre o procedimento consensual ao litigioso; solicitar os DOCUMENTOS NECESSÁRIOS para a propositura da inicial, contestação ou peça processual a ser feita, sendo que todos os documentos deverão estar xerocopiados (documentos originais não ficarão retidos no

18 18 Núcleo, excetuando os casos em que se deve juntar o original, conforme previsão legal); REDIGIR E ASSINAR AS PETIÇÕES, juntamente com o professor orientador, nos processos em que participa ativamente; manter RIGOROSA VIGILÂNCIA sobre os casos que lhe forem distribuídos, acompanhando as publicações oficiais, juntamente com a secretaria, e cumprindo as intimações que forem efetuadas nos processos sob sua responsabilidade, zelando pela observância dos prazos, comunicando ao professor orientador e à Secretaria do Núcleo, para os devidos registros, quaisquer despachos ou abertura de prazos; comunicar com antecedência prévia de 03 (três) dias, ao professor/orientador e à Secretaria de Estágio a designação de AUDIÊNCIA em causa que esteja sob sua responsabilidade, especificando todos os aspectos do processo para os devidos registros e para a organização da pauta; COMUNICAR AO CLIENTE do NPJ a audiência designada, recebendo o protocolo deste; COMPARECER ÀS AUDIÊNCIAS APRAZADAS, independentemente de qualquer cientificação prévia, por parte do Núcleo, que não a devida intimação judicial; comparecer às audiências devidamente trajados; comparecer aos atos processuais decorrentes dos processos sob sua responsabilidade; pesquisar sobre a preparação dos atos processuais a serem realizados, buscando inclusive em peças similares do professor/orientador; bem como realizar pesquisas e elaborar trabalhos jurídicos que lhe forem solicitados e designados; concluída a peça e devidamente assinada pelo professor/orientador, encaminhar a petição ao órgão judiciário competente; ACOMPANHAR OS PROCESSOS até que a movimentação processual o declare baixado, quando então o movimento deverá comunicar ao Professor- Orientador e ser entregue a secretaria para providenciar a baixa do processo no arquivo de processos findos do NPJ IESMA/UNISULMA; orientar os clientes para que RETIREM PESSOALMENTE OS MANDADOS, alvarás ou outros documentos expedidos pelos cartórios, e em caso de dúvida, procurar o estagiário; quando for necessário o pagamento de alguma custa ou despesa relacionada com o andamento da causa, preencher o FORMULÁRIO DE ENTREGA DE VALORES (formulário anexo) em duas vias e INSTRUIR CLARAMENTE o cliente sobre o destino da quantia, além de orientá-lo a EFETUAR DEPÓSITO da quantia necessária diretamente à SECRETARIA DO NÚCLEO;

19 19 recebido o valor supracitado pela Secretaria do Núcleo, EFETUAR O RECOLHIMENTO DEVIDO E COMPROVAR O PAGAMENTO, bem como JUNTAR AS GUIAS JUDICIAIS E/OU EXTRAJUDICIAIS NA PASTA DO PROCESSO DO CLIENTE; ENCAMINHAR à Secretaria do Núcleo qualquer problema nos computadores do NPJ IESMA/UNISULMA; INTEIRAR-SE DAS INFORMAÇÕES E AVISOS expedidos pelo NPJ, principalmente os relacionados a audiências, ainda que apenas afixados no mural do setor; elaborar RELATÓRIO FINAL GERAL e demais relatórios atinentes ao final das atividades, para ser entregue na data aprazada no calendário, que será afixado no mural (formulário anexo); cumprir e fazer cumprir este Regulamento e as demais determinações legais referentes ao Estágio de Prática Jurídica. 6.2 Proibições É vedado ao estagiário: proceder de forma desidiosa quanto à guarda e devolução de autos, documentos e papéis relacionados com o estágio; solicitar ou receber, a qualquer título, quantia, valores ou bens, em razão de suas funções, ou aceitar promessa de tais vantagens - inclusive retirar mandados, alvarás ou outros documentos expedidos pelos cartórios; valer-se do estágio para captação de clientela em proveito próprio ou alheio; assumir, sob qualquer argumento ou pretexto, o patrocínio particular do interesse de partes pretendentes à justiça gratuita através do Núcleo; utilizar-se do documento comprobatório de sua condição de estagiário para fins diferentes do exercício do estágio; proceder com improbidade mediante prática de atos incompatíveis com os princípios éticos que presidem ao desempenho profissional; retirar peças jurídicas, documentos, livros e material de uso, salvo quando devidamente autorizado e mediante protocolo na Secretaria de Estágio, para os devidos registros; utilizar os microcomputadores, telefones, impressoras ou quaisquer outras ferramentas de trabalho para fins que não sejam do interesse do cliente e do Núcleo de Prática Jurídica; divulgar qualquer dado, com qualquer intenção, de que venha a ter conhecimento em razão do estágio;

20 20 indicar, sugerir ou encaminhar clientes do Núcleo para qualquer profissional. é vedado o atendimento de partes adversas (autor e réu) em um mesmo feito, para tanto consulte sempre o professor orientador. 6.3 Penalidades São penalidades disciplinares: I Advertência verbal; II Repreensão; III Suspensão; IV Desligamento. No exercício de atividades vinculadas direta ou indiretamente ao Núcleo de Prática Jurídica, aplicam-se aos estagiários do Curso de Bacharelado em Direito as normas previstas no Regimento da UNISULMA/IESMA, bem como as normas previstas no Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil. Quando da infringência de qualquer das normas previstas no caput, aplicam-se as sanções atinentes ao regime disciplinar do corpo discente previstas no Regimento da UNISULMA/IESMA. 6.4 Monitorias O NPJ poderá admitir monitores, com a competência de monitorar as disciplinas do Estágio de Prática Jurídica, assessorar os Professores de Estágio, bem como orientar os estagiários no desempenho de suas atividades. Os monitores serão selecionados preferencialmente dentre acadêmicos que já estiverem no 10º período e tenham cursado as disciplinas de Estágio Supervisionado I, II e III. 6.5 Petições Petições iniciais Deverão conter: a. a indicação da autoridade para quem é dirigida; b. a indicação do(s) autor(es), com nome em destaque e com qualificação completa (inclusive CPF e Carteira de Identidade) e endereço completo;

21 21 - Quando o autor for menor absolutamente incapaz (art. 4º do CC) deverá ser representado e o seu representante também deverá ser qualificado. - Quando o autor for relativamente incapaz (art. 4º do CC) deverá ser assistido e também deverá conter a qualificação da parte e seu assistente. Neste caso, o autor deverá assinar a procuração juntamente com seu assistente. c. a referência ao procurador com endereço profissional (do NPJ IESMA/UNISULMA); d. a denominação e o procedimento da ação a ser proposta; e. a indicação do réu (nome em destaque) e a sua qualificação e endereço completo; - O endereço deve conter rua, número, bairro, cidade e algum ponto de referência (o réu precisa ser localizado para que o processo tenha andamento normal). f. a exposição dos fatos (descritos em seqüência lógica e com indicação das provas) e fundamentação jurídica do pedido; g. o requerimento final que sempre deverá conter, além dos específicos de cada ação, os pedidos de: - pedido de gratuidade de Justiça, com declaração de insuficiência financeira (formulário anexo); - citação do réu; - procedência do pedido específico; - vista ao Ministério Público (nos casos de família); - produção de provas (a prova testemunhal deve ser preferencialmente arrolada na inicial); h. o valor da causa em R$; i. o encerramento ( N. Termos - P. Deferimento ); j. local e data; k. a assinatura do professor/procurador; l. a indicação dos estagiários que elaboraram a peça. - A petição deve ser entregue junto com os respectivos documentos para a correção do professor - Após a correção final da peça, as petições deverão ser impressas em quatro vias (duas para o processo, sendo a terceira

22 22 via, com o protocolo, para o arquivo do NPJ IESMA/UNISULMA, de onde o estagiário retirará cópia para seu relatório) - Após a distribuição da petição inicial, os acadêmicos deverão informar à secretaria o número e vara da nova ação Petições de andamento Deverão conter: a. a indicação da autoridade competente com a específica vara; b. o número do processo em destaque; c. a denominação da ação; d. a indicação do requerente, inclusive com indicação do nº do CPF, da ação e da parte contrária; e. a indicação da nota de expediente a ser atendida; f. a exposição do fato ou providência pedida; g. o encerramento; h. local e data; i. a assinatura do professor/procurador; j. a indicação dos estagiários Contestações Deverão conter: a. a indicação da autoridade competente com a específica vara; b. o número do processo em destaque c. indicação do contestante, inclusive com indicação do nº do CPF, seu procurador, da ação e da parte contrária d. a contestação dos fatos alegados na inicial com a versão do contestante (o que não for atacado é tido como aceito) e. o requerimento final com pedido de: - improcedência da ação; - ônus de sucumbência; - gratuidade de Justiça; - outros pedidos, se comportar; - produção de provas; f. o encerramento;

23 23 g. local e data; h. a assinatura do professor/procurador; i. a indicação dos estagiários.

24 24 7 ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS E CARGA HORÁRIA CORRESPONDENTE 2º SEMESTRE/2009 Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS 1. ATENDIMENTO (com formulário de freqüência preenchido e assinado pela Secretaria do NPJ) 2. TRABALHOS DE PESQUISA (a serem indicados pelos Professores-Orientadores) 3. AUDIÊNCIAS (assistindo ou atuando com advogado, redigindo relatório circunstanciado) 4. ACOMPANHAMENTO PROCESSUAL (redigindo relatório) 5. ELABORAÇÃO E REDAÇÃO DE PEÇAS PROCESSUAIS 6. PARECER JURÍDICO (1º atendimento, que não resultar em mediação ou interposição de ação) 7. VISITAS ORIENTADAS (credenciadas pelo NPJ, com relatório) 8. PALESTRAS, SIMPÓSIOS, MINI-CURSOS ETC. (credenciadas pelo NPJ, com relatório) 9. PRÁTICA DE ATIVIDADES DE NEGOCIAÇAO, CONCILIAÇAO E MEDIAÇAO 10. DILIGÊNCIAS E/OU OUTRAS TAREFAS DE CARÁTER JURÍDICO, POR SOLICITAÇÃO DO PROFESSOR ORIENTADOR CARGA HORÁRIA Equivalente a carga horária cumprida pelo aluno ao realizar o atendimento, somente durante o dia e turno em que estiver inscrito no NPJ. 04 horas semanais Mínimo: 60 horas no semestre. 02 horas por cada trabalho, no limite de 10 horas por semestre. 01 hora por audiência acordo 02 h por audiência inst. e julgamento Mínimo: 04 audiências no semestre, sendo 01 Procedimento Comum Ordinário, 01 Juizado Especial Cível e 01 Vara de Família), e dentre estas, pelo menos 01 de instrução e julgamento. Máximo: 20 h semestrais 01 hora por acompanhamento com relatório discriminado Máximo: 10 horas semestrais Até 05 horas por peça Mínimo: 04 peças no semestre Máximo: 30 horas semestrais Até 02 horas por parecer fundamentado Máximo: 10 horas semestrais 02 horas por visita com relatório Máximo: 10 horas semestrais 02 horas por palestra Carga horária constante do certificado ou declaração Mínimo: 02 horas semestrais Máximo: 10 horas semestrais 02 horas por atividade Máximo: 10 horas semestrais

25 25 ANÁLISE DE PROCESSOS EM CURSO E FINDOS - PESQUISA À 11. JURISPRUDÊNCIA - ELABORAÇÃO DE TEXTOS LEGAIS HIPOTÉTICOS (a serem indicados pelos Professores-Orientadores) 12. PROJETOS DE EXTENSÃO OU PESQUISA DESENVOLVIDOS PELO NPJ 02 horas por atividade individual Máximo: 15 horas semestrais Mínimo: 10 horas semestrais 05 horas por evento Máximo: 20 horas semestrais ESCALA PROGRESSIVA DE NOTAS CARGA HORÁRIA NOTA O (zero) Abandono 75 5,0 76 a 79 5,5 80 a 83 6,0 84 a 87 6,5 88 a 91 7,0 92 a 95 7,5 96 a 99 8,0 100 a 103 8,5 104 a 107 9,0 108 a 200 9,5 201 ou mais 10,0 CONDUTAS QUE OCASIONAM REDUÇÃO DE PONTOS NA NOTA CONDUTA Perda de prazo processual de natureza peremptória (prazos cuja perda ocasionem a ocorrência de revelia) Perda de prazos processuais não peremptórios Não distribuir a petição inicial em 15 dias Não acompanhar os andamentos processuais Não comunicar ao seu cliente a data da audiência Não comparecer a audiência de seu cliente Não comparecer ao retorno do cliente Não devolver a ficha de atendimento para secretaria após o atendimento Reter processos ou pastas indevidamente Não comunicar ao seu cliente para atender providências ou determinações judiciais DESCONTO 3,0 pontos 2,5 pontos 1,0 ponto 1,0 ponto 3,0 pontos 3,0 pontos 2,0 pontos 2,0 pontos 2,0 pontos 2,0 pontos 8 FORMULÁRIOS

26 Termo de Compromisso e Responsabilidade TERMO DE COMPROMISSO E RESPONSABILIDADE (Verso da ficha de inscrição) Declaro, para os devidos fins que eu, portador do RG nº e CPF nº, devidamente matriculado sob o nº no curso de Bacharelado em Direito do Instituto de Ensino Superior do Sul do Maranhão - IESMA, tenho ciência das obrigações inerentes à qualidade de aluno/estagiário do Núcleo de Prática Jurídica desta Faculdade, e COMPROMETO-ME a respeitar as seguintes cláusulas: I - dedicar a totalidade do período em que estiver no NPJ ao atendimento das partes, pesquisa e elaboração de peças processuais e extraprocessuais, bem como acompanhamento dos processos que forem de minha responsabilidade, assim como os seguintes processos herdados:, todos tramitando na comarca de Imperatriz/MA. II - Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica, bem como o "Guia do Estudante" e as demais determinações legais referentes ao Estágio da Prática Jurídica; III - O presente instrumento terá vigência por quanto durar o período de meu estágio no NPJ. Ressalto que, além da responsabilidade sobre as cláusulas supracitadas nesta declaração, tenho ciência de que qualquer deslize praticado, mesmo que posteriormente apurado, implicará nas penalidades disciplinares elencadas no Regulamento do NPJ, Regimento Interno do IESMA e demais normas pertinentes. Imperatriz, de de 20 Estagiário(a)

27 Ficha de Inscrição FICHA DE INSCRIÇÃO Aluno Matrícula Semestre Ano: Período Estágio Supervisionado I ( ) II ( ) III ( ) IV ( ) Dependência: ( ) sim ( ) não DADOS PESSOAIS DO ACADÊMICO: Nome: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fones: ( ) Cel: RG: CPF: DN: / / Naturalidade: Nacionalidade Nome da mãe: Nome do pai: Telefone para recados: ( ) Contato: Dia de interesse: ( ) Segunda ( ) Terça ( ) Quarta ( ) Quinta ( ) Sexta Turno de interesse: ( ) Matutino ( ) Vespertino 2ª Opção de dia: 3ª Opção de dia: Para uso exclusivo da Coordenação do NPJ Em / / ( ) Inscrição deferida ( ) Inscrição indeferida Coordenação do NPJ

28 Requerimento a Coordenação do NPJ IESMA/UNISULMA ILUSTRÍSSIMA SENHORA COORDENADORA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO - IESMA P R O T O C O L O Recebido em / /. Secretaria do NPJ, brasileiro(a),, acadêmico matriculado no período, turno, matrícula nº, residente em, à Rua/Avenida, vem à presença de V. Sª., com base nas informações/orientações contidas no Guia do Estagiário, REQUERER: 1. ( ) Análise e dispensa de 50% (cinqüenta por cento) dos atendimentos, considerando que já desenvolve atividade prática relacionada ao estágio, conforme documentação comprobatória em anexo; 2. ( ) Permuta de horário dos atendimentos com o/a aluno/a, cuja anuência segue abaixo; 3. ( ) Troca dos plantões de para, ante a absoluta impossibilidade de cumpri-los no dia da semana proposto pelo NPJ, conforme documentação comprobatória em anexo; 4. ( ) Autorização para cumprimento dos plantões num único dia da semana, em tempo integral, em razão de dificuldade com as atividades profissionais e/ou local de residência, conforme comprovantes em anexo; 5. ( ) Reposição de atendimento em outra data, em razão de ausência por motivo justificado, conforme comprovante em anexo, a saber

29 29 6. ( ) Outros pedidos (não elencados), a saber: Nestes termos, pede deferimento Imperatriz/MA, de de 20 ACADÊMICO/A ANUÊNCIA (para o caso de permuta) ACADÊMICO/A

30 Termo de Compromisso do assistido no NPJ IESMA/UNISULMA TERMO DE COMPROMISSO DO ASSISTIDO NO NPJ Eu, declaro para os fins de direito, que me comprometo a comparecer todas as vezes que o Núcleo de Prática Jurídica solicitar minha presença, especialmente junto ao Fórum, no que disser respeito a audiências, ratificação e demais encargos afetos ao meu processo, autorizando, desde já, o pedido de desistência, por quem de direito, caso não observe o compromisso ora assumido. Outrossim, declaro, também, estar ciente que todos os contatos desse Núcleo de Prática Jurídica com a minha pessoa se realizarão pessoalmente por meio do(a) estagiário(a) que me atendeu, via telefone e/ou correio, devendo manter sempre atualizados tais dados junto a minha ficha cadastral nº, sob pena de incorrer na sanção já declinada. Finalmente, declaro ter pleno conhecimento, no caso de vir a incorrer na sanção informada, que não mais poderei recorrer ao referido Núcleo de Prática Jurídica para qualquer outra prestação de serviços jurídicos. Imperatriz/MA, de de 20. Assinatura do Assistido

31 Procuração P R O C U R A Ç Ã O Outorgante: Outorgado: SARAH LAMARCK, brasileira, advogada, inscrita na OAB/MA sob o n , residente e domiciliada nesta cidade. Endereço para comunicações judiciais: Rua Bahia, 861 C Bairro Três Poderes Imperatriz/MA. Telefones: (99) Poderes: O(s) Outorgante(s) acima qualificado(s) nomeia(m) e constitui(em) seu(s) procurador(es) o(s) Outorgado(s) acima qualificado(s) a quem confere(m) os poderes para o foro em geral na forma do art. 38 do Código de Processo Civil e os especiais de propor e desistir de ações, transigir, impugnar cálculos, concordar e discordar, dar e receber quitação, requerer e representar perante repartições públicas, praticar todos os atos necessários ao bom e fiel desempenho do presente mandato, inclusive substabelecer. Imperatriz, de de 20 Outorgante

32 Declaração de Insuficiência de Recursos Financeiros DECLARAÇÃO DE INSUFICIÊNCIA DE RECURSOS FINANCEIROS Pelo presente instrumento, residente e domiciliado(a) na rua AFIRMA, sob as penas da Lei, que não possui condições de arcar com as custas judiciais, nem honorários advocatícios sem prejuízo do seu próprio sustento, motivo pelo qual tem o patrocínio do Núcleo de Prática Jurídica IESMA/UNISULMA, sendo, portanto, considerado(a) juridicamente necessitado(a), nos termos exatos do que dispõe a Lei nº. 1060/50, e para tanto firma a presente DECLARAÇÃO, para que surta seus efeitos jurídicos. Declaro, ainda, estar ciente de que a falsidade desta declaração poderá implicar sanções civis, administrativas e criminais previstas na legislação própria. Imperatriz, de de 20 Assinatura do assistido

33 Ficha de triagem de assistido FICHA DE TRIAGEM CRITÉRIO SÓCIO ECONONÔMICO NOME MUNICÍPIO EM QUE RESIDE: RENDA: ( ) Menos de 1 SM ( ) 01 SM ( ) Até 02 SM ( ) Acima de 02 SM CARRO ( ) Sim ( ) Não ( ) Próprio ( ) Alugado ( ) Financiado Quantidade: MOTO ( ) Sim ( ) Não ( ) Própria ( ) Alugada ( ) Financiada Quantidade: FILHOS ( ) Sim ( ) Não Quantidade: DEPENDENTES ( ) Sim ( ) Não Quantidade: CÔNJUGE TRABALHA ( ) Sim ( ) Não Renda: RESIDÊNCIA ( ) Própria ( ) Alugada ( ) Financiamento ( ) Dos pais/parentes OUTROS IMÓVEIS ( ) Sim ( ) Não Quais QUANTAS PESSOAS MORAM NA CASA JÁ RECEBEU ATENDIMENTO POR OUTRO ADVOGADO OU NPJ: ( ) Sim ( ) Não QUE TIPO: ( ) Consulta ( ) Parecer ( ) Ação judicial Declaro que as informações acima referidas são verdadeiras e de minha inteira responsabilidade, e estou ciente que, caso tais dados não possam ser comprovados estarei sujeito aos rigores da lei, se não retratarem a verdade. Imperatriz (MA), / / Assinatura do Assistido

34 Ficha de Estatística de Atendimentos F I C H A D E E S T A T Í S T I C A Estagiário: Período de atuação: Matrícula: DATA CLIENTE ASSUNTO Processo nº

35 Cartão de apresentação do Estagiário CARTÃO DE APRESENTAÇÃO DO ESTAGIÁRIO Deve ser fornecido aos clientes no primeiro atendimento feito, devidamente preenchido, para que o cliente saiba o dia e o horário e com quem falar para obter informações do seu caso.

36 Cartão de comparecimento em Audiência CARTÃO DE COMPARECIMENTO EM AUDIÊNCIA Será entregue ao cliente preenchido com o número do processo, local, data e horário da audiência, dando referências se necessário (próximo a, em frente a, dentro da etc.). Constará de duas vias, sendo que uma ficará a aposição de ciente do cliente arquivada na pasta do mesmo. No verso o cliente deve datar e assinar, quando comunicado de audiência.

37 Relatório de Atendimento RELATÓRIO DE ATENDIMENTO (Deve ser rigorosamente preenchido em todos os seus campos, pois além de servir de roteiro para o diálogo com o cliente, conterá todas as informações necessárias para a elaboração da peça processual a ser feita. Os fatos devem ficar consignados para viabilizarem a elaboração correta da peça processual cabível, integrando também o relatório final.) DADOS DO CLIENTE NOME: DATA DE NASCIMENTO: / / RG NATURALIDADE (UF) CPF ENDEREÇO CEP TELEFONE: OUTRO TELEF. ESTADO CIVIL: ( ) Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) Sep. Jud. ( ) Divorciado(a) ( ) Outro NOME DO CÔNJUGE/COMPANHEIRO(A) REP. LEGAL RG CPF ESTADO CIVIL: ( ) Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) Sep. Jud. ( ) Divorciado(a) ( ) Outro LOCAL DE TRABALHO: ENDEREÇO DO TRABALHO: TELEFONE: FUNÇÃO RENDA R$ RESIDÊNCIA ( ) Própria ( ) Alugada ( ) Financiamento ( ) Dos pais/parentes Nº DE DEPENDENTES IDADES: BENS: ORIGEM DA INDICAÇÃO DO NPJ UNISULMA ASSUNTO QUE O TROUXE AO NPJ UNISULMA SERVIÇO: ( ) Atendimento para ingressar com ação ( ) Somente orientação PARTE CONTRÁRIA NOME: Telefone: ESTADO CIVIL: ( ) Solteiro(a) ( ) Casado(a) ( ) Sep. Jud. ( ) Divorciado(a) ( ) Outro NATURALIDADE (UF) TELEFONE: CEP RG CPF ENDEREÇO LOCAL/END. TRABALHO: RESPONSÁVEL PELA TRIAGEM: DATA: / / TESTEMUNHAS (NÃO PODE SER DA FAMÍLIA) Nome Endereço Profissão RG Nome Endereço Profissão RG

38 38 38 (Verso do relatório de atendimento) CAMPO PARA USO EXCLUSIVO DO ESTAGIÁRIO - NARRATIVA DOS FATOS: Declaro que as informações acima referidas são verdadeiras e de minha inteira responsabilidade, e estou ciente que, caso tais dados não possam ser comprovados estarei sujeito aos rigores da lei, se não retratarem a verdade. Imperatriz (MA), / / Assinatura do Assistido

39 Carta de solicitação de comparecimento Para os casos em que houver possibilidade de mediação. Imperatriz/MA,... de... de... CARTA/CONVITE Ilmo(a). Sr(a)... Solicitamos seu comparecimento ao Núcleo de Prática Jurídica IESMA/UNISULMA, sito à Rua Bahia, nº 861C, bairro Juçara, Imperatriz/MA, CEP , às : horas do dia / /, a fim de tratar de assunto de seu interesse, devendo comparecer com essa carta em mãos e apresentá-la na recepção. Seu comparecimento poderá evitar a adoção de medidas judiciais. Atenciosamente, Professor-Orientador NPJ IESMA/UNISULMA Estagiário(a)

40 Atestado de comparecimento Para os casos em que o assistido/beneficiário necessitar comprovar que compareceu ao NPJ para atendimento ou mediação. ATESTADO DE COMPARECIMENTO Atestamos, para os devidos fins, que compareceu no, no horário das às horas. Imperatriz/MA, de de. Professor-Orientador NPJ IESMA/UNISULMA

41 Recibo de documentos Deve ser preenchido e conter a assinatura do cliente com a especificação dos documentos recebidos (sempre em duas vias) para o encaminhamento da ação e ficar na pasta suspensa junto à peça processual efetuada. RECIBO DE DOCUMENTOS Recebi do(a) Sr.(a) para acompanhamento do atendimento, cópia dos seguintes documentos: Imperatriz/MA, de de. Assinatura do Cliente Assinatura do Estagiário ou Professor

42 Carta-convite para cliente do NPJ Deve ser preenchida e enviada para o cliente do NPJ que não comparecer no NPJ, quando convocado ou deixar de ir a audiência da qual foi comunicado, sem apresentar justificativa. CARTA-CONVITE Imperatriz/MA,... de... de... Prezado Beneficiário,... Tem a presente a finalidade de solicitar seu comparecimento em nosso, no dia.../.../..., às...:... horas, a fim de nos informar se há interesse de sua parte em continuar a ser atendido no caso de..., requerido em data de.../.../... Contando com sua presença, esclarecemos que seu não comparecimento na data acima marcada será considerado como ABANDONO do caso. Por esta razão aguardamos seu comparecimento. Atenciosamente, Professor-Orientador NPJ IESMA/UNISULMA Estagiário NPJ IESMA/UNISULMA

43 memória de caso Deverá ser preenchida sempre que o estagiário deixar de atuar no processo, seja por término ou cancelamento da disciplina Prática Jurídica Real, ou por qualquer outro motivo que o impeça de continuar na ação. Este formulário também integrará o relatório final. MEMÓRIA DO CASO Estagiário: Matrícula: Cliente: Partes: Ação: Processo n.º Órgão Julgador: 1. Fase em que se encontrava o processo: 2. Como se deu sua atuação no processo? Descreva audiências/peças/despachos do juiz/entendimento com cliente: 3. Houve tentativa de conciliação e/ou solução extrajudicial? 4. Descreva a fase em que você deixou o processo: 5. Quais as suas propostas para a solução da lide na perspectiva da promoção dos direitos humanos e cidadania ou de garantia de direitos? 6. Aspectos do processo relevantes para se proceder a estudo de caso (se houver): Obs.: se necessário, utilize o verso Imperatriz/Ma, de de. Assinatura do Estagiário

44 Relatório de Visitas RELATÓRIO ACOMPANHAMENTO DE VISITAS Nome: Matrícula: Data: / / Local: 1. Pontos importantes da visita: 2. Questões levantadas pelos alunos (considere as que, na sua opinião, são relevantes): 2.1 Respostas dadas: 3. Suas questões: 3.1 Respostas dadas: 4. Que tópicos da visita, podem se colocar como temas para monografia/pesquisa? 5. Considerando o perfil objetivado pelo curso de Direito e pelo Estágio, que itens desse perfil são contemplados por essa visita? Identifique-os abaixo: ( ) Formação humanística, técnico-jurídica e prática indispensável à adequada compreensão interdisciplinar do fenômeno jurídico e das transformações sociais; ( ) Senso ético-profissional, associado à responsabilidade social, com a compreensão da causalidade e finalidade das normas jurídicas e da busca constante da libertação do homem e do aprimoramento da sociedade; ( ) Apreensão, transmissão crítica e produção criativa do Direito, aliadas ao raciocínio lógico e à consciência da necessidade de permanente atualização; ( ) Visão atualizada de mundo e, em particular, consciência dos problemas de seu tempo e de seu espaço. Objetivos do Estágio: ( ) Atender às exigências curriculares postas nas Diretrizes Curriculares do Curso de Bacharelado em Direito; ( ) Construir uma nova prática jurídica, comprometida com a defesa dos Direitos Humanos e de Cidadania; ( ) Universalizar a função da prática jurídica; ( ) Contribuir para a formação de um perfil de graduando que possa responder às exigências da sociedade contemporânea;

45 45 45 ( ) Ideais humanísticos; ( ) Sensibilidade para as exigências sociais, em especial para as causas coletivas; ( ) Engajamento político; ( ) Criatividade e protagonismo no manejo dos instrumentos jurídicos. 5.1 Algum dos itens não foi contemplado? Por quê? 5.2 Você apontaria outros itens relevantes para o perfil, não elencados aqui? Quais? 6. Considerando as habilidades abaixo, essa visita contribuiu para o alcance de alguma delas? Marque as alternativas: ( ) Leitura e compreensão de textos e documentos; ( ) Interpretação e aplicação do Direito; ( ) Pesquisa e utilização da legislação, da jurisprudência, da doutrina e de outras fontes do Direito; ( ) Produção criativa do Direito; ( ) Correta utilização da linguagem - com clareza, precisão e propriedade - fluência verbal e riqueza de vocabulário; ( ) Utilização do raciocínio lógico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica; ( ) Utilização de instrumentos e técnicas para conhecimento e exercício do Direito; ( ) Equacionamento de problemas em harmonia com as exigências sociais, inclusive mediante o emprego de meios extrajudiciais de prevenção e solução de conflitos individuais e coletivos. 6.1 Alguma delas não foi contemplada? Por quê? 6.2 Você apontaria outras habilidades não elencadas aqui? Quais? Comentários/Síntese: Obs.: Se necessário, anexe uma folha em branco a este relatório.

46 Relatório de Processo sob responsabilidade do Estagiário para o acompanhamento de audiência de Instrução e Julgamento Relatório a ser preparado pelo próprio estagiário, em casos sob sua responsabilidade, antes da audiência de Instrução e Julgamento, para ser anexado a pasta do processo. RELATÓRIO DE PROCESSO SOB RESPONSABILIDADE DO ESTAGIÁRIO PARA O ACOMPANHAMENTO DE AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO Aluno:... Turma/turno:... Professor-orientador:... Identificação da audiência Comarca:... Vara:... N.º dos autos:... Data e horário da audiência:... Relatório do processo Síntese da petição inicial (Descrever a causa de pedir fática e jurídica e os pedidos imediatos e mediatos formulados pelo autor.) Síntese da resposta (Indicar se o réu apresentou ou não defesa processual e descrevê-la.) (Indicar se o réu apresentou ou não defesa direta de mérito e descrevê-la.) (Indicar se o réu apresentou ou não defesa indireta de mérito e descrevê-la.) Preparação da audiência de instrução e julgamento (indicar os pontos controvertidos que foram fixados e que, portanto, constituem o objeto da prova a ser produzida.) (De quem é o ônus da prova quanto a esses fatos?) Imperatriz/MA,... de... de... Nome do Estagiário

47 Relatório de Audiência de Instrução e Julgamento Será redigido um relatório da audiência de Instrução e Julgamento que o estagiário assistiu (de caso próprio ou de terceiros), sendo obrigatória, para sua validação, a cópia da ata de audiência, constando o nome do estagiário e assinada. RELATÓRIO DE AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO Aluno:... Turma/turno:... Professor-orientador:... Identificação da audiência Comarca:... Vara:... N.º dos autos:... Data e horário da audiência:... Identificação dos sujeitos processuais Autor(es):... Advogado(s): 1... Réu(s):... Advogado(s): 2... Escrivão/escrevente: 3... Nome do Juiz: 4... Relatório do processo Síntese da petição inicial (Descrever a causa de pedir fática e jurídica e os pedidos imediatos e mediatos formulados pelo autor.) 1 Indicar o nome do advogado que participou da audiência. 2 Indicar o nome do advogado que participou da audiência. 3 Indicar o nome do escrivão/escrevente que participou da audiência. 4 Indicar o nome do juiz que presidiu a audiência.

48 48 48 Síntese da resposta (Indicar se o réu apresentou ou não defesa processual e descrevê-la.) (Indicar se o réu apresentou ou não defesa direta de mérito e descrevê-la.) (Indicar se o réu apresentou ou não defesa indireta de mérito e descrevê-la.) Preparação da audiência de instrução e julgamento (Indicar os pontos controvertidos que foram fixados e que, portanto, constituem o objeto da prova a ser produzida.) (De quem é o ônus da prova quanto a esses fatos?) Relatório da audiência 5 Publicidade (A audiência realizou-se a portas abertas ou a portas fechadas?) Pregão (Indicar quem fez o pregão e descrever de que forma foi feito.) Tentativa de conciliação (Houve tentativa de conciliação?) (De que forma o juiz buscou induzir a autocomposição?) (Havendo sido obtida a conciliação, qual seu conteúdo?) (Não havendo sido obtida a conciliação, qual o motivo?) Prova documental (Houve a realização de prova documental?) (Quem requereu a juntada dos documentos aos autos?) (O requerimento foi deferido?) (O juízo oportunizou à parte contrária manifestar-se sobre esses documentos? Em que momento?) Prova pericial (O perito e os assistentes técnicos responderam a quesitos de esclarecimento?) (Qual o tipo de perícia realizada?) (Qual o objeto da perícia?) (Qual o conteúdo de suas respostas aos quesitos de esclarecimento?) Depoimento pessoal (Alguma das partes deixou de comparecer à audiência? Qual a conseqüência de sua ausência?) (As partes prestaram depoimento pessoal?) (Em que ordem?) (Qual o conteúdo do depoimento das partes?) Prova testemunhal (Houve a realização de prova testemunhal?) (Quantas testemunhas foram ouvidas?) (Quem arrolou as testemunhas?) (Em que ordem as testemunhas foram ouvidas?) (Alguma testemunha deixou de comparecer à audiência? Por quê motivo?) (Foi designada data para o prosseguimento da audiência, a fim de ser ouvida a testemunha faltante? O que será feito para assegurar seu comparecimento?) (As testemunhas foram qualificadas, declarando o nome por inteiro, a profissão, a residência e o estado civil, bem como se tem relações de parentesco com a parte, ou interesse no objeto do processo?) (As testemunhas foram contraditadas?) (Qual o fundamento da contradita?) (A contradita foi acolhida pelo juízo?) (As testemunhas prestaram o compromisso de dizer a verdade?) (As testemunhas foram advertidas de que se fizessem afirmação falsa, calassem ou ocultassem a verdade estariam cometendo crime de falso testemunho?) (Quem fez perguntas às testemunhas? Em que ordem?) (As perguntas dos advogados das partes foram dirigidas diretamente às testemunhas?) 5 O relatório deverá ser instruído com cópia do termo de audiência.

49 49 49 (Alguma pergunta foi indeferida pelo juízo? Sob que fundamento? Qual foi a reação do advogado?) (Qual o conteúdo do depoimento das testemunhas?) (Todas as testemunhas presentes foram ouvidas? Em caso negativo, por quê não?) (O juízo tomou as providências necessárias para que uma testemunha não ouvisse o depoimento das outras?) Alegações finais (Houve debate oral ou ele foi substituído por memoriais?) (Tendo havido debate oral, quanto tempo cada parte teve para apresentar suas alegações finais? Qual o conteúdo das alegações finais de cada parte?) (Não tendo havido debate oral, qual o motivo? Qual o prazo fixado para que as partes apresentassem seus memoriais?) Sentença (O juiz proferiu sentença oralmente na audiência?) (Em caso afirmativo, qual foi sua decisão? Qual o fundamento da decisão?) (Em caso negativo, por quê motivo?) Outros fatos relevantes (Descrever outros fatos relevantes que possam ter ocorrido na audiência.) Imperatriz/MA,... de... de... Nome do Estagiário

50 Relatório de Audiência de Conciliação Será redigido um relatório da audiência assistida, sendo obrigatória, para sua validação, a cópia da ata de audiência, constando o nome do estagiário e assinada. Disciplina: Professor(a): Semestre Letivo: RELATÓRIO ACOMPANHAMENTO DE AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO Nome: Matrícula: Dados do Processo Vara/Juizado/ /Turma: Ação/Recurso: Processo n.: Partes: Data: / / Horário (início/término): Relatório Descreva o ocorrido na audiência de conciliação, narrando o caso e os atos praticados: Obs.: caso o espaço no formulário não seja suficiente, continue o relatório no verso. Assinatura do Estagiário Visto Professor-Orientador

51 Relatório de Palestra RELATÓRIO DE PALESTRA Nome: Turno: Matrícula: Disciplina: Estágio Supervisionado I ( ) II ( ) III ( ) IV ( ) Relatório Data: / / Professor Orientador

52 Relatório de Autos Findos Esses questionários integrarão atividades pertinentes ao NPJ, para que o aluno possa aprofundar-se no estudo dos processos. QUESTIONÁRIO DE ANÁLISE DE AUTOS FINDOS Nome(s): Matrícula(s): Dados do Processo Vara/Juizado/Câmara/Turma: Ação/Recurso: Processo nº: Partes: As respostas deverão observar as especificidades do processo analisado, conforme dados objetivos constantes dos autos, impondo-se a necessidade de anotação da resposta certa com um x : 1) Qual a natureza da lide versada no processo? ( ) cível ( ) penal ( ) trabalhista ( ) outros -especificar 2) Trata-se de procedimento de jurisdição contenciosa ou voluntária? Trata-se de procedimento afeto à competência de jurisdição especial ou comum (competência residual )? Em se tratando de procedimento comum, é da alçada da Justiça Federal ou Estadual? Em se tratando de jurisdição especial, qual a esfera competente? Trata-se de procedimento da competência funcional originária de primeira instância ou de instância superior? ( ) jurisdição contenciosa ( ) jurisdição voluntária ( ) jurisdição especial ( ) jurisdição comum ( ) justiça federal ( ) justiça estadual ( ) primeira instância ( ) instância superior ( ) Justiça Eleitoral ( ) Justiça do Trabalho ( ) Justiça Militar 3) Trata-se de processo de conhecimento, cautelar ou de execução? Trata-se de ação de natureza predominantemente declaratória, constitutiva, condenatória, mandamental ou executiva? ( ) conhecimento ( ) cautelar ( ) de execução ( ) ação declaratória ( ) ação constitutiva ( ) ação condenatória ( ) ação mandamental ( ) ação executiva 4) A petição inicial formulou qual espécie de pedido (declaratório, constitutivo, condenatório, mandamental ou executivo? Especificar: Há pedidos cumulados? ( ) sim ( ) não Há pedido alternativo? ( ) sim ( ) não Há pedido subsidiário? ( ) sim ( ) não

53 ) Qual a causa de pedir invocada pelo(a) Autor(a)? Há mais de uma causa de pedir? Especificar: 6) No processo analisado, ocorreu litisconsórcio? Qual espécie? ( ) necessário ( ) facultativo ( ) simples ( ) unitário ( ) ativo ( ) passivo ( ) misto ( ) inicial ( ) ulterior 7) Ocorreu apresentação de defesa? Qual modalidade? ( ) exceção - especificar (de incompetência territorial, suspeição ou impedimento): ( ) contestação ( ) outras/similares. Especificar: 8) Na contestação o Réu apresentou defesa processual? Houve argüição de alguma preliminar processual? ( ) sim ( ) não Qual(is) a(s) preliminar(es) levantada(s)? Especificar cada uma delas: 9) Houve impugnação ao valor da causa?... ( ) sim ( ) não 10) Houve audiência inicial/preliminar?... ( ) sim ( ) não Houve audiência una?... ( ) sim ( ) não Houve audiência de instrução?... ( ) sim ( ) não Na audiência inicial ocorreu transação?... ( ) sim ( ) não Na audiência de instrução ou em audiência una, foram fixados pontos controvertidos?... ( ) sim ( ) não Houve deferimento/indeferimento de provas?... ( ) sim ( ) não 11) Quais foram as modalidades de prova produzidas no processo? ( ) exclusivamente documental; ( ) testemunhal; ( ) depoimento pessoal - houve confissão? ( ) sim ( ) não ( ) pericial - especificar: ( ) outras - especificar: 12) Quais foram as provas colhidas na audiência de instrução e julgamento? Houve algum incidente processual? Especificar:

54 ) Qual o teor da sentença? A sentença é processual (terminativa)? Ou de mérito (definitiva)? ( ) processual - Especificar a razão: ( ) de mérito (definitiva) Tendo havido julgamento de mérito, a(s) pretensão(ões) do Autor(es) foi(ram) julgada(s) procedente(s) ou improcedente(s)? ( ) improcedente ( ) procedente ( ) parcialmente procedente De forma sintética, qual foi a fundamentação adotada na sentença (art. 458, II, do CPC - art. 93, IX, da Constituição Federal)? 14) Houve interposição de recurso? Qual modalidade? ( ) não ( ) sim Qual modalidade? 15) O recurso foi conhecido (juízo de admissibilidade positivo)? ( ) não ( ) sim Em caso negativo, houve interposição de outro recurso? ( ) sim ( ) não Qual o remédio processual utilizado? 16) O recurso foi provido (juízo de mérito do recurso)? ( ) não ( ) sim ( ) Provimento parcial ( ) Provimento integral 17) Quando se deu o trânsito em julgado? Houve execução forçada? Se sim, qual a espécie? (execução para entrega de coisa, execução de obrigação de fazer ou não fazer, execução por quantia certa contra devedor solvente, etc.) Especificar: 18) A liquidação e a execução do feito foram processadas nos mesmos autos ou houve ajuizamento de ação autônoma? ( ) nos mesmos autos ( ) ação autônoma; 19) Qual a espécie de liquidação? ( ) liquidação por cálculos; ( ) liquidação por arbitramento; ( ) liquidação por artigos; Neste caso especifique, de forma sintética, quais os artigos enumerados

55 ) O executado embargou a execução? ( ) sim ( ) não; 21) O exeqüente impugnou a sentença de liquidação? ( ) sim ( ) não; 22) Houve sentença resolutória de embargos à execução e/ou impugnação a sentença de liquidação? ( ) sim ( ) não; De forma sintética, qual foi a fundamentação adotada na sentença? 23) Houve interposição de recurso? Qual modalidade? ( ) não ( ) sim Qual modalidade? 24) O recurso foi conhecido (juízo de admissibilidade positivo)? ( ) não ( ) sim Em caso negativo, houve interposição de outro recurso? ( ) sim ( ) não Qual o remédio processual utilizado? 25) O recurso foi provido (juízo de mérito do recurso)? ( ) não ( ) sim ( ) Provimento parcial ( ) Provimento integral

56 Relatório Mensal de Estágio Externo RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO EXTERNO (mês) de 2009 Este relatório de estágio deverá ser preenchido pelo estagiário e tem como objetivo o Acompanhamento de Estágio, realizado através do NPJ, para auxiliar na supervisão e avaliação do Estágio de seus alunos. Procure preenchê-lo de forma clara e objetiva. DADOS PESSOAIS Nome do Estagiário Matrícula DADOS DO ESTÁGIO Unidade Concedente Fone Início do Estágio Setor de Estágio Nome do Responsável Imediato Cargo / / DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESTE MÊS NO ESTÁGIO (Se necessário utilize o verso) Assinatura do Responsável Imediato Assinatura do Estagiário Entregue à Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ em / / Visto Professor Orientador:

57 Relatório Final de Estágio Externo RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXTERNO Este relatório de estágio deverá ser preenchido pelo estagiário e tem como objetivo o Acompanhamento de Estágio, realizado através do NPJ, para auxiliar na supervisão e avaliação do Estágio de seus alunos. Procure preenchê-lo de forma clara e objetiva. DADOS PESSOAIS Nome do Estagiário Fone Celular Curso Semestre Turno M T N DADOS DO ESTÁGIO Unidade Concedente Fone Inicio e Término do Estágio / / a / / Setor de Estágio Nome do Responsável Imediato Cargo DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO

58 58 58 PARECER DO RESPONSÁVEL Avalie o estagiário quanto aos critérios abaixo utilizando a escala. PARECER DO ESTAGIÁRIO Avalie o seu local de estágio quanto aos critérios abaixo utilizando a escala. Pontualidade Assiduidade Desempenho Relacionamento Iniciativa Conhecimento Oportunidade para aprender Atividades Afins com área de estudo Local de Estágio Relacionamento De modo geral, avalie o Estagiário: De modo geral, avalie seu local de Estágio: Ass: Ass: Outras Informações Espaço Reservado ao Núcleo Entregar à Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ em / / Correção do Professor-Orientador Visto da Coordenação do NPJ

59 Relatório Final Geral A ser preenchido e anexado no relatório final, quando da 2ª nota. Professor(a): Período Letivo: Estágio Supervisionado ( ) I ( ) II ( ) III ( ) IV RELATÓRIO FINAL GERAL Nome: Matrícula: 1. Quantos atendimentos você realizou e quantas causas assumiu no semestre? 2. Participou da montagem e análise de autos findos? 3. Considerando as habilidades abaixo, as atividades desenvolvidas (Atendimento, Estudo de Caso, Ações, Autos Findos) contribuíram para o alcance de alguma delas? Marque as alternativas: ( ) leitura e compreensão de textos e documentos; ( ) interpretação e aplicação do Direito; ( ) pesquisa e utilização da legislação, da jurisprudência, da doutrina e de outras fontes do Direito; ( ) produção criativa do Direito; ( ) correta utilização da linguagem - com clareza, precisão e propriedade - fluência verbal e riqueza de vocabulário; ( ) utilização do raciocínio jurídico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica; ( ) utilização de instrumentos e técnicas para conhecimento e exercício do Direito; ( ) equacionamento de problemas em harmonia com as exigências sociais, inclusive mediante o emprego de meios extrajudiciais de prevenção e solução de conflitos individuais e coletivos Alguma delas não foi contemplada? Por quê? 3.2. Você apontaria outras habilidades não elencadas aqui? Quais? 4. Considerando o perfil objetivado pelo curso de Direito e os objetivos do Estágio, quais foram contemplados pelas atividades realizadas? Identifique-os abaixo: ( ) formação humanística, técnico-jurídica e prática indispensável à adequada compreensão interdisciplinar do fenômeno jurídico e das transformações sociais; ( ) senso ético-profissional, associado à responsabilidade social, com a compreensão da causalidade e finalidade das normas jurídicas e da busca constante da libertação do homem e do aprimoramento da sociedade; ( ) apreensão, transmissão crítica e produção criativa do Direito, aliadas ao raciocínio lógico e à consciência da necessidade de permanente atualização; ( ) visão atualizada de mundo e, em particular, consciência dos problemas de seu tempo e de seu espaço. Objetivos do Estágio: ( ) atender às exigências curriculares postas pela Resolução CNE/CES n. 09; ( ) construir uma nova prática jurídica, comprometida com a defesa dos Direitos Humanos e de Cidadania;

60 60 60 ( ) universalizar a função da prática jurídica; ( ) contribuir para a formação de um perfil de graduando que possa responder às exigências da sociedade contemporânea; ( ) ideais humanísticos; ( ) sensibilidade para as exigências sociais, em especial para as causas coletivas; ( ) criatividade e protagonismo no manejo dos instrumentos jurídicos 4.1. Algum dos itens não foi contemplado? Por quê? 4.2. Você apontaria outros itens relevantes para o perfil, alcançados com o atendimento e demais atividades, que não foram elencados aqui? Quais? 5. Que questões são pertinentes para monografia/pesquisa? 6. Considerando os itens apontados acima para a formação do operador do direito, faça agora um breve relatório de suas atividades, evidenciando os aspectos que, para você, foram mais importantes no decorrer do Estágio. 7. Formulários: ( ) Ficha de estatística; ( ) Relatório de atendimento; ( ) Pesquisa de jurisprudência ( ) Memória de caso; ( ) Relatório de audiências; ( ) Questionário de autos findos; ( ) Cópia das peças realizadas (Petições Iniciais, Contestações, Petições de Andamento, etc.); ( ) Outros (especificar)

61 Ficha Individual de Avaliação da Carga Horária Nome do(a)aluno(a) Estagiário(a): FICHA INDIVIDUAL DE AVALIAÇÃO DA CARGA HORÁRIA ( ) 1ª. ( ) 2ª. NOTA Matricula: Telefone: Estágio Supervisionado I ( ) II ( ) III ( ) IV ( ). Turma: 1. Atendimento 2. Trabalhos de pesquisa 3. Audiências 4. Acompanhamento Processual Atividade no semestre Quantidade Entrega 5. Elaboração e redação de peças processuais 6. Parecer Jurídico 7. Visitas orientadas 8. Palestras, simpósios, mini-cursos etc. 9. Prática de atividades de Negociação, Conciliação e Mediação 10. Diligências e/ou outras tarefas de caráter jurídico, por solicitação do Professor Orientador 11. Análise de processos em curso e findos - Pesquisa à jurisprudência - elaboração de textos legais hipotéticos 12. Projetos de extensão ou pesquisa desenvolvidos pelo NPJ TOTAL Carga Horária CARGA HORÁRIA TOTAL:... EQUIVALENTE A NOTA:... Situação: ( ) Aprovado ( ) Insuficiente ( ) Abandono Professor(a) Orientador(a): Assinatura do(a) Aluno(a)

62 Modelo de Parecer A ser elaborado, após o atendimento, sempre que o cliente decidir não ingressar com a ação. PARECER JURÍDICO Origem:... Assunto:... Interessados: I CONSULTA Detalhar a consulta que o cliente fez, conforme ficha de atendimento. II O PARECER Expor a fundamentação jurídica pertinente ao caso, incluindo doutrina e jurisprudência, se houver. III CONCLUSÃO Indicar que medida judicial intentaria, caso fosse ajuizada a ação, bem como qual seria o processamento do feito, e outros detalhes que entender pertinente. É o parecer, SMJ. Imperatriz/MA,... de... de... Estagiário(a) Estágio Supervisionado ( ) I ( ) II ( ) III ( ) IV

63 Ficha de Frequencia no Estágio FICHA DE FREQUENCIA Estagiário:... Período:... Turno: ( ) M ( ) N Est. Sup. ( ) I ( ) II ( ) III ( ) IV DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS JANEIRO/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS FEVEREIRO/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS MARÇO/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ABRIL/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.:

64 64 64 DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS MAIO/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS JUNHO/ ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: CARGA HORÁRIA TOTAL:... Imperatriz/MA,... de... de... Professor Orientador

65 65 65 FICHA DE FREQUENCIA Estagiário:... Período:... Turno: ( ) M ( ) N Est. Sup. ( ) I ( ) II ( ) III ( ) IV JULHO/ DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: AGOSTO/ DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: SETEMBRO/ DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: OUTUBRO/ DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.:

66 66 NOVEMBRO/ 66 DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: DEZEMBRO/ DATA ENTRADA SAÍDA Nº DE HORAS ATIVIDADE DESENVOLVIDA ASSINATURA ESTAGIÁRIO ASSINATURA SECRETÁRIA OBS.: CARGA HORÁRIA TOTAL:... Imperatriz/MA,... de... de... Professor Orientador

67 Ficha de Pesquisa de Jurisprudência Deve ser preenchida com a jurisprudência que o aluno pesquisar acerca do caso que estiver acompanhando e, após, assinada pelo Professor-Orientador.(Pode ser feita no computador, pelo próprio aluno, que coletar a jurisprudência dos bancos de dados jurídicos disponíveis na internet) FICHA DE PESQUISA DE JURISPRUDÊNCIA Nome:... Período:... Turno: ( ) M ( ) N Matrícula:... Assunto da pesquisa: Ementa: Data:.../.../... Carga Horária:... Professor-Orientador

68 Ficha de Acompanhamento Processual Deve ser preenchida pelo estagiário semanalmente, com as informações relativas ao andamento processual. FICHA DE ACOMPANHAMENTO PROCESSUAL Estagiário: Período:... Turno: ( ) M ( ) N Matrícula:... Processo nº Classe da Ação: Autor(a) Parte contrária Vara Procedimento: DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO DATA DESCRIÇÃO... Imperatriz/MA,... de... de... Estagiário

69 Lista de Documentos Necessários (Ações Mais Habituais) DIREITO DE FAMÍLIA SEPARAÇÃO JUDICIAL CONSENSUAL Cópia da Carteira de Identidade e CPF (dos requerentes) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) dos requerentes Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos menores e maiores (se houver) Cópia de Certidão de Casamento Lista de bens móveis Se houver carro (cópia do certificado de propriedade) e imóvel (matrícula no registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Número da conta e da agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia SEPARAÇÃO JUDICIAL LITIGIOSA Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia de Certidão de Casamento Cópia do Boletim de Ocorrência Policial ou laudo do IML (se houver) Lista de bens móveis Se houver carro (cópia dos documentos) e imóvel (certidão do registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) Endereço completo da parte contrária DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL Cópia da Carteira de Identidade e CPF (dos requerentes) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) dos requerentes Cópia da Certidão de Nascimento do(s) filho(s) Cópia da Certidão de Casamento Lista de bens móveis e imóveis Se houver carro (cópia dos documentos) e imóvel (certidão do registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Número e agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia Declaração de tempo de separação de fato assinada por 03 testemunhas (não pode ser da família) com firma reconhecida em Cartório DIVORCIO DIRETO LITIGIOSO Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia de Certidão de Casamento Lista de bens móveis e imóveis Se houver carro (cópia do certificado de propriedade) e imóvel (matrícula do registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Número da conta e da agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia Declaração de separação de fato assinada por 03 testemunhas (não pode ser da família) com firma reconhecida em Cartório CONVERSÃO CONSENSUAL DE SEPARAÇÃO JUDICIAL EM DIVÓRCIO Cópia da Carteira de Identidade e CPF (dos requerentes)

70 70 70 Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência dos requerentes (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Casamento com a averbação da separação Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia da petição inicial e sentença com o transito em julgado da ação de separação Assinatura de ambos os cônjuges CONVERSÃO LITIGIOSA DE SEPARAÇÃO JUDICIAL EM DIVÓRCIO Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência do(s) requerente(s) (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Casamento com a averbação da separação Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia da petição inicial e sentença com o transito em julgado da ação de separação Endereço completo da outra parte SUPRIMENTO DE IDADE/CONSENTIMENTO PARA O CASAMENTO Cópia da Carteira de Identidade e CPF do(s) requerente(s) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência do(s) requerente(s) (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) requerente(s) Atestado de óbito dos genitores (se for o caso) Atestado médico informando a gravidez ou as condições núbeis (possibilidade física) de casar (se for o caso) Declaração de concordância dos pais (se for o caso) SEPARAÇÃO DE CORPOS/AFASTAMENTO DO LAR Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia de Certidão de Casamento (se houver) Cópia do Boletim de Ocorrência Policial ou laudo do IML (se houver) Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que saibam dos fatos BUSCA E APREENSÃO DE BENS DE USO PESSOAL Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia de Certidão de Casamento (se houver) Cópia do Boletim de Ocorrência Policial (se houver) Endereço completo da outra parte ou local onde se encontram os bens BUSCA E APREENSÃO DE MENOR Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do filho que está em poder de pessoa que não detenha a guarda Cópia do Boletim de Ocorrência Policial (se houver) Endereço completo de onde se encontra a criança Descrição da criança (se for o caso) Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) Termo de guarda da criança em nome do postulante

71 71 71 DISSOLUÇÃO LITIGIOSA DE UNIÃO ESTÁVEL Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Cópia do Boletim de Ocorrência Policial ou laudo do IML (se houver) Lista de bens móveis Se houver carro (cópia do certificado de propriedade) e imóvel (matricula do registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Declaração de tempo de convivência assinada por 03 testemunhas (não pode ser da família), (reconhecer firma em cartório) Número da conta e da agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL CONSENSUAL Cópia da Carteira de Identidade e CPF (dos requerentes) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) (dos requerentes) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Lista de bens móveis Se houver carro (cópia do certificado de propriedade) e imóvel (matrícula atualizada do registro de imóveis ou cópia do contrato de compra e venda) Declaração de tempo de convivência e impedimentos assinada por 03 (três) testemunhas (não pode ser da família) (reconhecer firma em cartório) Número da conta e da agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia AÇÃO DE ALIMENTOS Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento da(s) criança(s) Cópia de documentos que comprovem a possibilidade do réu pagar a pensão (Carteira de Trabalho, contracheque, certificado de propriedade de veículo, matrícula de imóvel, etc) Número da conta e da agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia Comprovantes de despesas escolares, farmácia, alimentação, vestuário, tratamento médico e dentário, etc Endereço residencial do pai da criança Nome e endereço do local de trabalho do pai da criança Nome e endereço de 3 testemunhas (não pode ser da família) que saibam das condições financeiras do pai das crianças OFERTA DE ALIMENTOS Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) e de outros filhos que tiver Cópia da Certidão de Casamento ou declaração de união estável do requerente Comprovantes de despesas (água, luz, aluguel, pensão para outros filhos, medicamentos, etc) Endereço residencial do menor e genitora EXECUÇÃO DE ALIMENTOS Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) Cópia da petição inicial e da sentença onde foi fixado o valor da pensão com o trânsito em julgado Endereço residencial do pai/mãe da criança Nome e endereço do local de trabalho do pai/mãe da criança

72 72 Cópia do extrato bancário Número da Conta e agência ou cópia do cartão bancário para depósito de pensão alimentícia 72 AÇÃO REVISIONAL DE ALIMENTOS (MAJORAÇÃO) Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) Cópia da petição inicial ou do acordo de alimentos com a homologação ou sentença onde restou fixado o valor com o trânsito em julgado Cópia de documentos que comprovem as necessidades do(s) menor(es) (despesas escolares, farmácia, alimentação, vestuário, tratamento médico e dentário, etc) Cópia de documentos que comprovem a possibilidade do réu de pagar maior valor (contracheque, certificado de propriedade de veículo, etc) Endereço residencial e comercial do réu Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que comprovem a situação do requerente ou do réu Número da conta e agência bancária para o depósito do valor AÇÃO REVISIONAL DE ALIMENTOS (REDUÇÃO Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) Cópia de Certidão de Casamento ou declaração de união estável do requerente Cópia da petição inicial ou do acordo de alimentos com a homologação ou sentença onde restou fixado o valor com o trânsito em julgado Cópia de documentos que comprovem a impossibilidade do requerente pagar aquele valor anteriormente fixado (cópia certidão casamento e de nascimento de outros filhos, comprovantes de despesas com aluguel, tratamento médico, etc) Endereço residencial do menor e sua mãe Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que comprovem a situação do requerente ou do réu EXONERAÇÃO DE ALIMENTOS Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) filho(s) do qual quer ser exonerado do pagamento Cópia da petição inicial ou do acordo de alimentos com a homologação ou sentença onde restou fixado o valor com o trânsito em julgado Cópia de documentos que comprovem a impossibilidade do requerente pagar aquele valor anteriormente fixado (cópia certidão casamento, declaração de união estável e de nascimento de outros filhos, comprovantes de despesas com aluguel, etc) Comprovantes de que o(a) filho(a) já atingiu a maioridade, de que está trabalhando, de que casou ou vive em união estável, de que não está estudando, etc Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que comprovem a situação do requerente ou do réu AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE Cópia da Carteira de Identidade e CPF da mãe da criança Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento da(s) criança(s) Cópia de Certidão de nascimento da mãe da criança Cópia da Declaração de Nascido Vivo do hospital onde a criança nasceu ou cópia da carteira de vacinação se constar o nome do pai da criança (se houver) Cópias de cartas, bilhetes, fotos que possam provar o relacionamento (se houver)

73 73 Cópia da Certidão de Batismo onde conste o nome do pai da criança (se houver) Endereço residencial do suposto pai do menor Nome e endereço do local de trabalho do suposto pai da criança Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que saibam do relacionamento Número da conta e agência bancária para o depósito da pensão alimentícia 73 AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda do requerente (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência do requerente (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento da(s) criança(s) Nome e endereço completo do pai que registrou e do pai biológico Cópias de cartas, bilhetes, fotos que possam provar o relacionamento Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) que saibam do relacionamento Nome completo e endereço da mãe da criança AÇÃO DE GUARDA Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Casamento do(s) requerente(s) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) Nome e endereço dos pais biológicos da criança Certidão Negativa de antecedentes criminais (pegar no Fórum) Atestado de sanidade física e mental do(s) requerente(s) (se não for o pai ou a mãe quem está pedindo) Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família) Qualquer prova documental que tem a criança sob sua guarda- atestado escolar, atestado médico, fotos,etc AÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO DO DIREITO DE VISITAS Cópia da Carteira de Identidade e CPF Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento do(s) menor(es) e de outros filhos que tiver Endereço residencial do menor e genitora TUTELA Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente e requerido) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) do requerente Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento do menor Cópia da Certidão de Casamento dos genitores do menor (se houver) Cópia da Certidão de óbito dos genitores do menor (necessário) Cópia da decisão judicial que determinou a suspensão ou extinção do poder familiar dos genitores do menor (se houver) Comprovante de rendimentos e ou bens do menor (comprovante de benefício do INSS, carros, imóveis, se houver) INTERDIÇÃO/CURATELA Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente e requerido) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento da pessoa a ser interditada

74 74 74 Atestado médico atualizado informando a doença e a CID, bem como a incapacidade para os atos da vida civil (da pessoa a ser interditada) Atestado de sanidade física e mental do requerente Comprovante de rendimentos da pessoa a ser interditada (comprovante de benefício do INSS, se houver) Se o interditando possuir bens imóveis, trazer a cópia da matrícula do imóvel (pegar no Registro de Imóveis) Certidão de Óbito dos genitores ou cônjuge do interditado (se houver) Declaração de anuência dos descendentes, ascendentes, cônjuge/companheiro ou irmãos DESTITUIÇÃO DE TUTELA/CURATELA Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Atestado de sanidade física e mental do requerente Cópia da sentença que fixou a tutela/curatela com o transito em julgado Provas da má atuação do tutor/curador ou dos motivos que o impossibilitem de continuar com o encargo Nome e endereço do tutor/curador INTERNAÇÃO COMPULSÓRIA Cópia da Carteira de Identidade e CPF (do requerente e requerido) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento da pessoa a ser internada Atestado médico atualizado informando a doença e a CID e necessidade da internação ou atestados de internações hospitalares ADOÇÃO (Verificar a competência para os casos de adoção de menor) Cópia da Carteira de Identidade e CPF dos adotantes Comprovante de renda dos adotantes (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Casamento dos adotantes ou Declaração de União Estável (assinada por 02 testemunhas (não pode ser da família) e firma reconhecida em Cartório) Cópia da Certidão de Nascimento ou Declaração de Nascido Vivo da criança a ser adotada Nome e endereço dos pais biológicos da criança (se souber) Declaração dos pais biológicos ou responsáveis consentindo com a adoção ou guarda (se houver) Foto recente dos adotantes com o adotando Certidão Negativa de antecedentes Criminais dos Adotantes (pegar no Fórum) Certidão Negativa Cível dos Adotantes (pegar no Fórum) Atestado de sanidade física e mental dos adotantes (com o médico) Atestado de Idoneidade moral dos adotantes Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família), se houver Cópia da sentença que deferiu a habilitação do casal para a lista de adotantes, se houver LEI DOS REGISTROS PÚBLICOS (Lei nº 6.015/73) AÇÃO DE RETIFICAÇÃO DE REGISTRO CIVIL Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento dos pais do requerente (se for o caso) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Documentos que comprovem a grafia correta ou a data correta do fato (certidão de batismo, certificado da escola, etc) Nome e endereço completo de 03 testemunhas (não pode ser da família)

75 75 75 AÇÃO PARA MODIFICAÇÃO DE PRENOME Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento dos pais do requerente (se for o caso) Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos (se houver) Documentos que comprovem a insatisfação com o nome (porque é ridículo ou o expõe ao ridículo) Nome e endereço completo de 03 testemunhas (não pode ser da família) que saibam da insatisfação que o requerente tem com o seu nome JUSTIFICAÇÃO DE REGISTRO DE ÓBITO Comprovante de residência do(a) requerente; Certidão de casamento ou nascimento do(a) requerente; CPF/MF e RG do(a) requerente; CTPS, CPF, RG ou batistério; Nome, idade, profissão, estado civil, endereço, data do falecimento, local, causa da morte, nome do cemitério; Registro de nascimento do(s) filho(s) do falecido; Nome, endereço, profissão e estado civil de 03 testemunhas (não pode ser da família) (não pode ser da família). RETIFICAÇÃO DE REGISTRO (Nascimento, Casamento ou Óbito) Comprovante de residência do(a) requerente; Certidão de nascimento ou casamento do(a) requerente; CPF/MF e RG do(a) requerente; Certidão de casamento, nascimento ou óbito a ser retificado; CTPS, CPF, RG, batistério, declaração de nascimento, declaração de óbito ou outros documentos que comprovem o erro; Nome, endereço, profissão e estado civil de 03 testemunhas (não pode ser da família) (não pode ser da família). AÇÕES CÍVEIS COBRANÇA DE DÍVIDA Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia dos documentos que comprovam a existência da dívida Nome e endereço do devedor CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia dos documentos que demonstrem a dívida Informar o motivo da recusa do credor em receber ou dificuldade de fazer o pagamento e qual quantia deseja depositar Nome e endereço do credor DESPEJO P/ FALTA DE PAGAMENTO Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia do contrato de locação Nome e endereço do inquilino (locatário)

76 76 76 INDENIZAÇÃO Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia de ocorrência policial (se houver) Cópia de laudo pericial ou atestado médico Outros documentos que possam comprovar o fato ocorrido Nome e endereço de 02 (duas) testemunhas (não pode ser da família) Nome e endereço do requerido MANUTENÇÃO DE POSSE Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da ocorrência policial Cópia do contrato de compra e venda do imóvel ou da locação (se houver) Nome e endereço do(s) requerido(s) Nome e endereço de 02 (duas) testemunhas (não pode ser da família) REINTEGRAÇÃO DE POSSE Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da ocorrência policial Cópia do contrato de compra e venda do imóvel ou da locação (se houver) Nome e endereço do(s) invasor(es) Nome e endereço de 02 (duas) testemunhas (não pode ser da família) USUCAPIÃO Cópia da Carteira de Identidade e CPF do(s) requerente(s) Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Casamento do(s) requerente(s) (se houver) Cópia da certidão de Nascimento dos filhos menores (se houver) Cópia da matrícula do Imóvel atualizada (pegar no Cartório de Registro de Imóveis) Cópia do contrato de Promessa de compra e venda (se houver) Planta atualizada ou levantamento planimétrico do terreno com Memorial Descritivo (assinada por profissional habilitado, com ART) Documentos que comprovem o tempo de posse e moradia sobre o imóvel (pedido de ligamento de energia elétrica ou água, pagamento IPTU, etc) Nome e endereço dos confrontantes e suas mulheres ou maridos (vizinhos dos lados e fundos que fazem divisa com o terreno do requerente) Nome e endereço de 03 testemunhas (não pode ser da família), que saibam que o autor reside no local há tanto tempo Nome e endereço do proprietário do imóvel ou herdeiros TUTELA DA SAÚDE/MEDICAMENTOS Cópia da Carteira de Identidade e CPF do requerente Comprovante de renda (cópia do contracheque, benefício do INSS, declaração de isento do IR ou declaração de IR) Cópia de comprovante de residência (conta de água, luz ou telefone) Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento do requerente Cópia da Certidão de Nascimento dos filhos menores, se houver Atestado médico contendo a doença, a CID (Código Internacional de Doenças), bem como a urgência na utilização dos medicamentos e conseqüências da não utilização

77 77 77 Receita médica atualizada (constando o nome comercial e nome genérico ou similar, se houver) constando a dosagem e o tempo de duração do tratamento Requisição médica do exame ou prótese, informando necessidade e urgência (se for o caso) Declaração fornecida pela Secretaria de Saúde do Município (que o medicamento não é fornecido pela rede básica ou pelo Estado ou está em falta) Número do processo administrativo encaminhado junto à Secretaria de Saúde (necessário) Orçamentos de 03 farmácias contendo a estimativa de gasto mensal com os medicamentos REVISIONAL DE DÉBITO/CONTRATO RG e CPF Comprovante de residência Contrato a ser revisional Outros documentos que forem solicitados quando do atendimento (verificar com o Professor-Orientador). OBRIGAÇÃO DE FAZER RG e CPF Comprovante de residência Outros documentos que forem solicitados quando do atendimento (verificar com o Professor-Orientador).

78 FLUXOGRAMA DE ATENDIMENTO NO NPJ IESMA/UNISULMA 9.1 Etapas do Atendimento Inicial

79 Etapas do Atendimento Estagiário(A)

80 Etapas da Mediação

81 Etapas do Peticionamento

82 Etapas Andamento Processual

MANUAL INTERNO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL INTERNO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL INTERNO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA SUMÁRIO 1. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ): CONCEITO E COMPETÊNCIAS... 2 2. ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA CIDADÃ (EMAC)... 3 2.1 Aspectos Gerais... 3 3. LABORATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades de estágio do Curso de Bacharelado em Direito, em especial o Estágio Supervisionado

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ O Núcleo de Prática Jurídica é a unidade responsável pela condução do estágio de prática jurídica, tendo por função contribuir para a formação acadêmica do estudante de

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA UNIFEBE Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 36/14, de 10/12/14. CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - SUMÁRIO TÍTULO I... 3 DOS PRINCÍPIOS GERAIS... 3 TÍTULO II... 3 DA INICIAÇÃO À PRÁTICA JURÍDICA... 3 TÍTULO III...

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2014.2 NPJ 21 DE JULHO DE 2014.

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2014.2 NPJ 21 DE JULHO DE 2014. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2014.2 NPJ 21 DE JULHO DE 2014. A Coordenação do Curso de Direito e a Coordenação do Núcleo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ANEXO 13 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1. Este Regulamento tem por finalidade reger a estrutura e as atividades do Núcleo de Prática Jurídica NPJ, órgão vinculado

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - ESTÁGIOS E NPJ 2015. 1

MANUAL DO ACADÊMICO - ESTÁGIOS E NPJ 2015. 1 MANUAL DO ACADÊMICO - ESTÁGIOS E NPJ 2015. 1 1 APRESENTAÇÃO O NPJ é um espaço onde os acadêmicos do Curso de Direito da Faculdade Interamericana de Porto Velho UNIRON, entram em contato com a prática jurídica

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade de Jussara (FAJ) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância as regulamentações

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS Curso de Direito REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS Palmas/TO Junho de 2011 1 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS Curso de Bacharelado em Direito SUMÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este regulamento rege as atividades do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ), responsável pelos estágios do Curso de Graduação em Direito

Leia mais

Os acadêmicos matriculados no estágio ingressarão na lide jurídica sob a orientação técnica dos professores-orientadores do NPJ/FABEL.

Os acadêmicos matriculados no estágio ingressarão na lide jurídica sob a orientação técnica dos professores-orientadores do NPJ/FABEL. ANEXO Nº 04 REGULAMENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO NUCLEO DE PRATICA JURIDICA DA FACULDADE DE BELÉM FABEL (NPJ FABEL). Missão: Educação Superior priorizando a Prática Profissional,

Leia mais

TÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ADMINISTRATIVA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

TÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ADMINISTRATIVA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E ADMINISTRATIVA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Art. 1º. O presente Regimento Interno disciplinará todo funcionamento

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ FAMA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Art. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Doravante assim denominado, com atividades a partir do 7º período do curso introduzirá o aluno na prática forense real, consolidando o Estágio Supervisionado.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1. Este Regulamento rege as atividades de estágio do Curso de Graduação em Direito da FEATI, e tem por finalidade

Leia mais

AVISO/INFORME Nº 01/2013 CURSO DE DIREITO.

AVISO/INFORME Nº 01/2013 CURSO DE DIREITO. AVISO/INFORME Nº 01/2013 CURSO DE DIREITO. ALTERA E REGULAMENTA O REGIMENTO INTERNO DO D.A.J. - DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA JUVENIL VICENTE DE SOUZA, DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PEDRO LEOPOLDO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica

NPJ - Núcleo de Prática Jurídica NPJ - Núcleo de Prática Jurídica O Núcleo de Prática Jurídica - NPJ da FSG constitui-se como o espaço que promove a articulação entre o ensino, a pesquisa e a extensão e é voltado para a formação prática

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Este Regulamento se aplica ao curso de Direito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés TÍTULO I DOS

Leia mais

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a):

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a): 2014 UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO Acadêmico(a): Número de matrícula: Turno: Carteira de Identidade: CPF: Endereço: Telefone:

Leia mais

Curso de Direito NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Autorizado pela Port. nº 584 de 26 de junho de 2007 MEC

Curso de Direito NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Autorizado pela Port. nº 584 de 26 de junho de 2007 MEC NORMAS COMPLEMENTARES DO NPJ FAR 2º SEMESTRE 2015 NORMAS COMPLEMENTARES PARA ESTAGIÁRIOS DO NPJ FAR 2º SEMESTRE 2015 1. OBJETIVOS: Estas Normas Complementares implantadas pelo Núcleo de prática Jurídica

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NUPJUR MANUAL DO ESTAGIÁRIO 2013.

FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NUPJUR MANUAL DO ESTAGIÁRIO 2013. FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE FACDO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NUPJUR MANUAL DO ESTAGIÁRIO 2013.1 PRÁTICA SIMULADA A P R E S E N T A Ç Ã O Visando uma completa integração dos acadêmicos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SAJULBRA - 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FCG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FCG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA FCG Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica e do Estágio Supervisionado no Curso de Direito.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA UNISUL (REMA/UNISUL)

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA UNISUL (REMA/UNISUL) UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA DA UNISUL (REMA/UNISUL) Tubarão, SC, fevereiro de 2004. 2 Regulamento

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO TÍTULO I DA FINALIDADE E DO OBJETO Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade de Direito da Fundação Armando Alvares

Leia mais

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS IESB / PREVE CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS MISSÃO / IESB Proporcionar um espaço de contínua aprendizagem onde alunos, professores e colaboradores

Leia mais

Sociedade Educacional UNIFAS. Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP. Mantida DIREITO. Curso NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ 05 DE JULHO

Sociedade Educacional UNIFAS. Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP. Mantida DIREITO. Curso NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ 05 DE JULHO Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora Faculdade de Sinop FASIP Mantida DIREITO Curso NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ 05 DE JULHO REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Sinop - MT NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. O presente Regulamento rege as atividades do NPJ e o Estágio Supervisionado de Prática

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS)

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS) CURSO DE DIREITO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado tem como objetivo desenvolver junto ao estudante a capacidade de desenvolver uma leitura problematizadora da realidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE Dispõe sobre a implantação e funcionamento do Núcleo de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO - CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 2011. Anexo 03

PROJETO PEDAGÓGICO - CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 2011. Anexo 03 PROJETO PEDAGÓGICO - CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 2011 Anexo 03 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA INTEGRAÇÃO DO REGIMENTO À MATRIZ CURRICULAR E AS CARACTERÍSTICAS DO NÚCLEO DE PRÁTICA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2014 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Departamento de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1º - O Estágio Supervisionado obrigatório tem por finalidade ministrar a prática

Leia mais

FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE DIREITO

FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE DIREITO FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE DIREITO Título I Dos Princípios Gerais Art. 1º Este Regulamento rege as atividades do estágio do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO CENTRO DE PRÁTICA JURÍDICA A atividade prática do Curso de Direito da Fundação Padre Albino teve suas bases fixadas já no Projeto Pedagógico aprovado pelo MEC, constando ainda no Projeto de

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO DIREITO E ECONOMIA ESADE FACULDADE DO CURSO DE DIREITO - SEDE PORTO ALEGRE/RS

ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO DIREITO E ECONOMIA ESADE FACULDADE DO CURSO DE DIREITO - SEDE PORTO ALEGRE/RS ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO DIREITO E ECONOMIA ESADE FACULDADE DO CURSO DE DIREITO - SEDE PORTO ALEGRE/RS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O Diretor da Faculdade de Administração, Direito

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 29 de maio de 2012.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 29 de maio de 2012. RESOLUÇÃO CAS Nº 07/2012 ALTERA A RESOLUÇÃO CAS Nº13/2010 E DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CURSO DE DIREITO Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ/FA7 CAPÍTULO - I DA FINALIDADE CAPITÚLO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CURSO DE DIREITO Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ/FA7 CAPÍTULO - I DA FINALIDADE CAPITÚLO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CURSO DE DIREITO Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ/FA7 CAPÍTULO - I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado ao Curso de Direito da Faculdade 7 de Setembro FA7, vetor

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO) EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO) A Coordenação do curso de Direito e a Coordenação do Núcleo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) CAPÍTULO I DO OBJETO, ENGENHARIA E FINALIDADE Art. 1º. O presente regulamento tem como objeto o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR ` REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR Rio Verde, Goiás 2010/2 Regimento do Núcleo de Prática Jurídica da FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES - FAR A Administração Geral da

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO A Coordenação do Curso de Direito, no uso de suas atribuições, publica edital de abertura

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012

MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012 MANUAL DO ESTAGIÁRIO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 2012 Apresentação Sobre as diretrizes da Resolução nº 9, de 29 de

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO 1 MANUAL DO ESTAGIÁRIO, BACHARELADO 2 APRESENTAÇÃO O aprendizado do Direito não se restringe à compreensão dos textos legais e doutrinários: a prática efetiva da advocacia é uma dimensão fundamental do

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO...4 SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...4 SEÇÃO III DA COMPOSIÇÃO...4 SEÇÃO IV DA ESTRUTURA...4 CAPÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS...5 SEÇÃO I DA

Leia mais

UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO TCC

UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO TCC UNIESP - CASCAVEL FACULDADE DE TECNOLOGIA E GESTÃO FATEG REGULAMENTO TCC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA DO CURSO Profa. Ms. Arlete Korovisk

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DO CURSO DE DIREITO DO UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº 43/2011 de 20/04/2011) APRESENTAÇÃO O Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS Título I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos do Núcleo de Prática Jurídica Art. 1º Este Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PRÁTICA JURÍDICA 2014 (Institui e Regulamenta, no âmbito da Faculdade Maurício Nassau, a estrutura do Escritório Jurídico Júnior e as regras das disciplinas de Estágio Supervisionado

Leia mais

I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica

I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS ITAPERUNA Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado - UNIG Institui as normas atinentes ao Núcleo de Prática Jurídica da Universidade Iguaçu - UNIG -

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DA FACULDADE DO NORTE GOIANO

REGULAMENTO DE MONITORIA DA FACULDADE DO NORTE GOIANO 1-19 FACULDADE DO NORTE GOIANO REGULAMENTO DE MONITORIA DA FACULDADE DO NORTE GOIANO Porangatu/GO 2012 SUMÁRIO 2-19 CAPÍTULO I - DA NATUREZA E OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II - DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE EPITÁCIO FAPE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE EPITÁCIO FAPE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE EPITÁCIO FAPE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este Regulamento rege as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 23 de agosto de 2011.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 23 de agosto de 2011. RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 20/2011 REFERENDA A PORTARIA DC/BP 13/2011, QUE APROVA A CRIAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA, ESTÁGIOS E APOIO JURÍDICO À COMUNIDADE DO CURRÍCULO 0001-B, DO CURSO

Leia mais

- CURSO DE DIREITO - REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

- CURSO DE DIREITO - REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE DIREITO - REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PORTO VELHO (RO) 2013 Página 0 de 7 Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O curso de Direito da Faculdade Interamericana de Porto Velho UNIRON

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE EVOLUÇÃO ALTO OESTE POTIGUAR - FACEP. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE EVOLUÇÃO ALTO OESTE POTIGUAR - FACEP. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE EVOLUÇÃO ALTO OESTE POTIGUAR - FACEP Disciplina as atividades do Núcleo de Prática Jurídica da FACEP de acordo com o disposto no art. 7º da Resolução

Leia mais

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO O Plano Econômico Verão, editado pelo Governo em Janeiro/1989, expurgou índices que deveriam ter sido utilizados na correção dos saldos das contas de poupança,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO União da Vitória/PR 2011 1 I Da Caracterização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2012 Página 1 de 18 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão

Leia mais

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas)

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas) CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF RUA FÉLIX PACHÊCO, 1206 BAIRRO: MANGUINHA FONE: (89) 3521-6512 ou 3521-2956 CNPJ: 04.899.971/0001-76 E-MAIL:

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O Conselho Diretor da Faculdade de Direito (UFG), no uso de suas atribuições

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015.

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. A Coordenação do Curso de Direito e a Coordenação do

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Cacoal RO. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Direito

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Direito ATO DE DELIBERAÇÃO Nº 007/2009 1 PROCEDIMENTOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO O Diretor da (FADIR) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso

Leia mais

2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO (RESOLUÇÃO CNE/CES 09/2004)

2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO (RESOLUÇÃO CNE/CES 09/2004) 2 ESTÁGIO SUPERVISIONADO (RESOLUÇÃO CNE/CES 09/2004) No Estágio Supervisionado, o acadêmico tomará contato com o ambiente de trabalho e com a prática cotidiana de sua futura área de atuação. O estágio

Leia mais

ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ. 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação;

ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ. 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação; ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ 1. ATENDIMENTO AO CLIENTE: 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação; 1.2 Atende ao cliente (informando-o de forma clara e inequívoca,

Leia mais

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito:

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 306 Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 1. conhecer do Estatuto da Instituição e do Regimento do Curso; 2. apresentar, por escrito,

Leia mais

MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA

MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA Modelos práticos 1. Mandato MODELO 1 Pessoa Física PROCURAÇÃO AD JUDICIA NOME DO OUTORGANTE, (nacionalidade), (estado civil), (profissão), portador do documento de identidade RG. n.º (número do documento)

Leia mais

Faculdade do Noroeste de Minas FINOM Núcleo de Prática Jurídica PROJETO DA ESTRUTURA DE ESTÁGIO NO NPJ FINOM

Faculdade do Noroeste de Minas FINOM Núcleo de Prática Jurídica PROJETO DA ESTRUTURA DE ESTÁGIO NO NPJ FINOM Faculdade do Noroeste de Minas FINOM Núcleo de Prática Jurídica PROJETO DA ESTRUTURA DE ESTÁGIO NO NPJ FINOM Paracatu, Minas Gerais 2009 I - Objeto: Este projeto tem como objeto a definição da estrutura

Leia mais

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015

ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 ATO PGJ N. 17, DE 20 DE MAIO DE 2015 Institui e regulamenta o programa de serviço voluntário no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA (UNICEP) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA- UNICEP

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA (UNICEP) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA- UNICEP CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA (UNICEP) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA- UNICEP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TITULO I

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TITULO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TITULO I 1 DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento disciplina as atividades do estágio curricular supervisionado do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Normatiza o Estágio Curricular Supervisionado (ECS) do Curso de Administração de Empresas, denominado no Projeto Pedagógico

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Núcleo de Prática Jurídica Faculdade de Direito FAAP SUMÁRIO 1. O que é Estágio... 3 2. O Estágio Supervisionado na Faculdade de Direito... 3 3. Planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

EDITAL 05 2014 PCG/SESC/MA/2014 EDUCAÇÃO INFANTIL

EDITAL 05 2014 PCG/SESC/MA/2014 EDUCAÇÃO INFANTIL EDITAL 05 2014 PCG/SESC/MA/2014 A Diretora do Departamento Regional do Serviço Social do Comércio/Sesc Administração Regional no Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições, TORNA PÚBLICO o processo

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE CONCILIADOR VOLUNTÁRIO

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE CONCILIADOR VOLUNTÁRIO EDT-JECECT - 22013 Código de validação: 2A0A656CDB EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE CONCILIADOR VOLUNTÁRIO O Doutor ROGÉRIO MONTELES DA COSTA, MM. Juiz de Direito Titular do Juizado Especial

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Campus CAMPINAS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Campus CAMPINAS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Campus CAMPINAS ATUALIZAÇÃO DO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES normatizado anteriormente pelo PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO CAMPINAS e, em

Leia mais