PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA: UMA PROPOSTA ALINHADA À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA: UMA PROPOSTA ALINHADA À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA"

Transcrição

1 FEAD Centro de Gestão Empreendedora Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa Mestrado Profissional em Administração PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA: UMA PROPOSTA ALINHADA À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009

2 Odilon Machado de Saldanha Júnior PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA: UMA PROPOSTA ALINHADA À LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Dissertação apresentada ao Mestrado Profissional em Administração da FEAD Centro de Gestão Empreendedora, como requisito para obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Gestão Estratégica de Organizações Linha de Pesquisa: Organizações, Gestão e Mudanças Orientadora: Dra. Íris Barbosa Goulart Belo Horizonte 2009

3 Aos trabalhadores do Brasil, que possam manter seus sentidos ao levar sobre si o futuro.

4 COMO AGRADECER POR PRESENTES DE DEUS? Íris, Identidade particular, que com seu olhar sempre tornou leve os novos caminhos da administração em minha vida. Alice Penna, Ana Blanche, André Lage, Carolina Funchal, Deborah Lorentz e Lídia Sucasas, (essa ordem só poderia ser alfabética) amor genuíno que nos torna amigos-irmãos, troca diária na caminhada. Andréa Bazzolli, totem que me ensina a viver o caos, amando com respeito e liberdade. Mário Marco, Alice Penna e Hudson Couto, por confiarem e abrirem portas. Equipe OFÍCIO, A empresa é uma ilusão. O que existe são pessoas, expectativas, braços fortes que apóiam e me estimulam a continuar. Em especial, à Lúcia, Deborah, André e Elaine que com competência e carinho, se dedicaram para ajudar na conclusão deste trabalho.

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 7 LISTA DE TABELAS... 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... 9 RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos REFERENCIAL TEÓRICO Programa de Conservação Auditiva A Perda Auditiva Ocupacional Definição e Objetivos do PCA Legislação Brasileira relacionada ao PCA Atividades do PCA Auditoria do PCA Auditoria Definição e Objetivos da Auditoria Método de Auditoria Lista de Verificação de Auditoria Metodologia de Aplicação da Auditoria PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PCA Lista de Verificação para Auditoria do PCA Metodologia de Aplicação do Protocolo para Auditoria do PCA Avaliação de Aplicabilidade Verificação de Conformidade Mensuração de Desempenho Formulário CONSIDERAÇÕES FINAIS... 40

6 REFERÊNCIAS ANEXO A: FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DO PCA ANEXO B: QUADRO DE ATIVIDADES, DEFINIÇÕES E ÁREAS ENVOLVIDAS NO PCA ANEXO C: PROTOCOLO PARA AUDITORIA DO PCA... 50

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Modelo de Gestão pelo PDCA... 25

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Critério de pontuação para Avaliação de Aplicabilidade Tabela 2: Critério de pontuação para Verificação da Conformidade... 36

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AAO CA CAT CNRCA EPI INSS OHSAS OS NIOSH NR NPSE PCA PCMSO PPRA SGSSO WCB American Academy of Otorrinolaringology Certificado de Aprovação Comunicação de Acidente de Trabalho Comitê Nacional de Ruído e Conservação Auditiva Equipamento de Proteção Individual Instituto Nacional do Seguro Social Occupational Health Safety Assessment Series Ordem de Serviço National Institute for Ocupational Safety and Health Norma Regulamentadora Nível de Pressão Sonora Elevado Programa de Conservação Auditiva Controle Médico de Saúde Ocupacional Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Workers Compensation Board of British Columbia

10 10 RESUMO O Programa de Conservação Auditiva (PCA) visa prevenir ou estabilizar as perdas auditivas ocupacionais por meio de um processo dinâmico, com oportunidades de melhoria contínua, o qual desenvolve atividades planejadas e coordenadas entre as diversas áreas envolvidas na organização. A auditoria do PCA é uma de suas atividades, e deve atuar como um elemento de integração em que são reunidas e interpretadas as informações de todas as outras atividades do programa. A ausência de um protocolo para auditoria do PCA alinhado à legislação brasileira justifica a importância do presente trabalho. O objetivo deste trabalho é desenvolver um protocolo para auditoria do PCA que esteja de acordo com os aspectos previstos pela legislação brasileira. O protocolo constitui um sistema de auditoria para análise situacional do desempenho do PCA nas organizações frente à legislação brasileira. Destina-se a quantificar adequações e qualificar falhas no processo, subsidiando decisões gerenciais para implantação de ações corretivas e de oportunidades de melhorias, bem como comparar resultados em momentos subseqüentes. Poderá ser utilizado em auditoria inicial de reconhecimento, durante o desenvolvimento das atividades do PCA, em períodos predeterminados, após a implantação de melhorias, em processo de auditoria coorporativa para certificações, para mensuração do capital intelectual, como rol de documentação para organização de evidências de atendimento legal em relação ao PCA, e para fiscalização pelos órgãos públicos. A utilização do presente protocolo para auditoria poderá representar um grande avanço para a sistematização das ações relacionadas ao PCA nas organizações, com foco nas exigências atuais da legislação brasileira. Palavras Chave: perda auditiva provocada por ruído; conservação auditiva; auditoria.

11 11 ABSTRACT The Hearing Conservation Program (HCP) aims to prevent or establish occupational hearing losses based on a dynamic process with opportunities of continuous improvement, which develops planning and coordinated activities between the areas involved in the organization. The judgment is one of the HCP activities and must be an integrating component where all information about the other program activities are joined and interpreted. The absence of a HCP protocol based on Brazilian regulation justifies the importance of such study. The objective of this work is to develop a HCP judgment protocol adapted for Brazilian regulation. The protocol is a judgment system for situation analysis of the HCP performance in organizations based on Brazilian regulation. It was elaborated to quantify adjustments and qualify process fails providing management decisions for implementation of corrective actions and improvement opportunities and compare follow up results as well. It will be able to be applied in initial judgement for HCP improvement implementation, during the activities development, after improvement implementation, during judgment for quality certification process, for measurement of intellectual capital, as a roll of the organization of documents for evidence of legal assistance in relation to HCP and for public inspection and surveillance. The use of this judgment protocol may represent a great development for systematization of HCP actions in organizations, with focus on the current Brazilian regulation. Key words: Noise induced hearing loss; hearing conservation; judgment.

12 12 1. INTRODUÇÃO Dentre todos os agentes que constituem riscos ocupacionais, o ruído surge como o mais frequente e universalmente distribuído, atingindo um elevado número de trabalhadores (COSTA, MORATA e KITAMURA, 2007). Tal fato resulta com que a perda auditiva ocupacional seja, atualmente, considerada uma das doenças ocupacionais mais frequentes no mundo (GONÇALVES e IGUTI, 2006). Estudos nacionais e internacionais com trabalhadores expostos a ruído em diversos ramos de atividades encontraram prevalências de perdas auditivas ocupacionais variando entre 28% e 48% (MONLEY et al., MARTINS et al., 2001; HARGER e BARBOSA-BRANCO, 2004; CORDEIRO et al., 2005). O conjunto de atividades adotadas para a prevenção deste problema compõe o Programa de Conservação Auditiva (PCA), que pode ser definido como um processo dinâmico, com oportunidades de melhoria contínua, o qual desenvolve atividades planejadas e coordenadas entre as áreas envolvidas na organização. O PCA está fundamentado na legislação brasileira, em especial pela trabalhista, por meio de suas Normas Regulamentadoras (NR) 6, 7, 9 e 15, e pela legislação previdenciária, especialmente as Ordens de Serviço (OS) 608 e 621. Sendo o PCA um dos programas do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO), o seu adequado desenvolvimento é especialmente

13 13 importante por favorecer a obtenção da certificação da Occupational Health Safety Assessment Series (OHSAS) As atividades básicas do PCA devem ser a Análise de Riscos para Perdas Auditivas Ocupacionais, a Gestão de Diagnósticos Audiológicos, a Gestão de Medidas de Controle Individual e Coletivo, a Gestão de Equipamentos de Proteção Individual, a Gestão de Tributos Trabalhistas e Previdenciários, a Gestão do Conhecimento e a Auditoria. Todas as atividades do PCA devem estar integradas pois, faltando uma, inteira ou em parte, a ação preventiva não se concretizará (COSTA, MORATA e KITAMURA, 2007). Por meio do Fluxograma das Atividades do PCA, apresentado no Anexo A, pode-se entender como tais mecanismos interagem entre si. No Quadro de Atividades, Definições e Áreas Envolvidas no PCA, apresentado no Anexo B, é possível verificar a amplitude do PCA, na medida em que abrange diversas áreas de uma organização. As atividades do PCA devem ser reavaliadas periodicamente visando ao aprimoramento e à adequação em relação às modificações que possam ocorrer na empresa, seja por demanda dos processos produtivos, seja pela reorganização do trabalho, ou ainda, por mudanças da legislação ou dos riscos ocupacionais.

14 14 Essa constante reavaliação do programa, que poderá ocorrer por meio de Auditorias, também tem o objetivo de estabelecer bases para o planejamento de ações corretivas e fornecer subsídios para a tomada de decisões visando sua melhoria contínua. A auditoria do PCA deve atuar como um elemento de integração que reúne e interpreta as informações de todas as outras atividades do programa. Portanto, torna-se fundamental para o sucesso do mesmo, apontando não somente as não conformidades e as oportunidades de melhorias como, também, podendo caracterizá-lo como eficaz ou não por meio de indicadores de desempenho. A necessidade desta reavaliação periódica do PCA é descrita pela OS 608 e pelo Comitê Nacional de Ruído e Conservação Auditiva (CNRCA). Sendo o PCA parte integrante do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), descrito na NR 9, as empresas são obrigadas a fazer, sempre que necessário, e pelo menos uma vez ao ano, uma análise global do programa para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes pertinentes, além do estabelecimento de novas metas e prioridades. Entre as listas de verificação 1 para auditoria do PCA mais reconhecidas, podem ser citadas as propostas da American Academy of Otorrinolaringology (AAO), do Workers Compensation Board of British Columbia (WCB) e do National Institute for Ocupational Safety and Health (NIOSH), a qual tem sido amplamente utilizada no Brasil. 1 Tradução de Check List, que é uma expressão também muito utilizada em auditorias.

15 15 Entretanto, estes protocolos não atendem muitos aspectos da nossa realidade por não estarem alinhados à legislação brasileira Justificativa O presente trabalho tem sua importância científica justificada pela carência de protocolos para auditoria do PCA alinhados à legislação brasileira. Acrescenta-se a isto que o referido protocolo permite uma ligação entre o exercício da Fonoaudiologia em empresas e a produção científica na Academia, constituindo tema passível de discussão no âmbito da Administração e da Gestão de Pessoas. Sendo este protocolo para auditoria do PCA, até então, único nessa proposta de adequação, existe a possibilidade de que se torne uma fonte de consulta e subsídio para outras pesquisas interessadas no tema, além de colaborar na atuação de gestores de saúde e segurança, auditores e fiscais. Este modelo de protocolo também poderá se reverter em benefícios para a gestão do PCA, sendo uma ferramenta importante para mensurar seu desempenho em relação ao atendimento da legislação brasileira e reavaliar as atividades do programa que merecem ações corretivas ou oportunidades de melhoria. A presente proposta foi elaborada pelo autor deste trabalho, que é Fonoaudiólogo, especialista em Audiologia e Saúde do Trabalhador e atua há 12 anos como consultor para implantação e desenvolvimento de PCA em empresas de diversas regiões do país.

16 Objetivos Objetivo Geral O objetivo deste trabalho é desenvolver um protocolo para auditoria do PCA que esteja de acordo com os aspectos previstos pela legislação brasileira Objetivos Específicos Revisar protocolos para auditoria do PCA existentes, avaliando modelos de listas de verificação e de critérios de mensuração de desempenho das atividades desenvolvidas. Identificar as ações sobre conservação auditiva que devem ser implantadas nas empresas, determinadas pela legislação brasileira. Interpretar a legislação e contextualizá-la em itens de controle que representem a conformidade dos aspectos sobre PCA que devem ser implantados nas empresas.

17 17 2. REFERENCIAL TEÓRICO A teoria que sustenta o presente trabalho se baseia na legislação brasileira sobre conservação auditiva e na análise do conceito e das etapas do processo de auditoria Programa de Conservação Auditiva A Perda Auditiva Ocupacional Costa, Morata e Kitamura (2007) relataram que, durante a atividade laboral, o sistema auditivo pode ser atingido por diversos agentes agressores: o ruído intenso em exposição continuada, a exposição a certos produtos químicos, o ruído de impacto muito intenso e os traumatismos físicos, dentre os quais o barotrauma. Cientes disso, Morata e Lemasters (1995) propuseram a utilização do termo "Perda Auditiva Ocupacional", por ser mais abrangente, e considerando o ruído, sem dúvida, como o agente mais comum, mas sem ignorar a existência de outros, com todas as implicações que estes pudessem originar em termos de diagnóstico, medidas preventivas, limites de segurança e legislação. A Organização Mundial da Saúde estima que milhões de pessoas, em todo o mundo, são portadoras de Perda Auditiva Ocupacional. No Brasil, é possível que

18 18 algumas centenas de milhares de trabalhadores estejam acometidos por esse agravo (COSTA, MORATA e KITAMURA, 2007) Definição e Objetivos do PCA O PCA é um processo dinâmico, planejado e executado de forma coordenada entre os diversos departamentos da empresa, que visa prevenir ou estabilizar as perdas auditivas ocupacionais (BERNARDI e SALDANHA JR, 2003). Bernardi e Saldanha Jr (2003, p.49-52) apontam como objetivos do PCA: Melhorar a qualidade de vida do trabalhador evitando a surdez e reduzindo os efeitos extra-auditivos causados pela exposição a níveis elevados de pressão sonora e outros agentes de risco para audição; Identificar empregados com patologias de orelhas e audição não relacionadas ao trabalho, encaminhando-os para tratamento adequado; Diagnosticar precocemente os casos de perdas auditivas ocupacionais, estabelecendo medidas eficazes, preservando a saúde dos trabalhadores; Adequar a empresa às exigências legais; Redução de custo da insalubridade com comprovação científica; Redução do custo com reclamatórias trabalhistas Legislação Brasileira relacionada ao PCA A legislação trabalhista, por meio da NR 7, obriga todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados a elaborarem e implementarem o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. Em seu Anexo I constam as diretrizes e parâmetros mínimos para a avaliação e acompanhamento da audição em trabalhadores expostos a níveis de

19 19 pressão sonora elevados (NPSE), onde são apresentados diversos subsídios para o desenvolvimento do PCA (MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 1994). A NR 9 obriga o empregador a implantar e a manter um PPRA que contempla o monitoramento do ambiente de trabalho e implementa ações corretivas a nível coletivo por meio de medidas de engenharia e segurança. Enquanto estas medidas não forem implantadas, deverão ser tomadas medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho e a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) (MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 1994). A NR 6 trata de aspectos relacionados a EPI, dentre os quais se destacam fornecimento conforme o risco, Certificado de Aprovação (CA) e obrigações do empregado e empregador (MOREIRA, 2007). Já a NR 15 aborda sobre Atividades e Operações Insalubres e em seu Anexo I estabelece os limites de tolerância para os trabalhadores expostos ao ruído contínuo ou intermitente e no Anexo II para o ruído de impacto (MOREIRA, 2007). A OS 608 relata que, se a empresa tiver NPSE como agente de risco levantado pelo PPRA, o empregador deve organizar sob sua responsabilidade um PCA (MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, 1998). A OS 621 preconiza que todo acidente do trabalho, doença profissional ou do trabalho deverá ser comunicado pela empresa ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), sob pena de multa em caso de omissão. Dessa forma, a Perda

20 20 Auditiva Ocupacional é passível de emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) (MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, 1999) Atividades do PCA No Quadro de Atividades, Definições e Áreas Envolvidas no PCA (Anexo B) é possível verificar a amplitude do programa, na medida em que envolve várias atividades e diversos campos da organização. Tal quadro foi adaptado pelo autor deste trabalho com base em sua experiência profissional e em achados da literatura científica (BERNARDI e SALDANHA JR, 2003) Auditoria do PCA O PCA deve passar por reavaliações periódicas para determinar em que extensão ele está realmente atuando, se está sendo eficaz ou se existem problemas que precisam ser resolvidos para seu bom funcionamento (COSTA, MORATA e KITAMURA, 2007). Os mesmos autores relatam que uma das formas de avaliar o programa é conferir a qualidade e a totalidade da execução de cada etapa em separado por meio de auditorias periódicas. Desta forma, os pontos críticos poderão ser identificados e passarão a ser alvos de medidas especiais de controle e atuação preventiva. Tratando-se de cuidados voltados ao trabalhador, a NR 9 é clara ao obrigar o empregador a manter um PPRA que avalia sistematicamente os riscos existentes

21 21 no local de trabalho e implementa ações corretivas para controle desses riscos (CAVALLI, 2005). Tal análise pode ser feita por meio de auditoria, embora não tenha uma citação explícita do termo nesta NR (ARAÚJO, et al., 2006). A NR 9 prevê ainda, que uma análise global do PPRA deverá ser efetuada sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades (MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 1994). A OS 608 afirma que, para o PCA alcançar seus objetivos, é necessário que sua eficácia seja avaliada sistemática e periodicamente (MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, 1998). A OS 608 recomenda ainda o uso de uma lista de verificação para ser utilizada na avaliação do PCA e que a mesma deve consistir na avaliação da perfeição e qualidade dos componentes do programa, na avaliação dos dados do exame audiológico e na opinião dos trabalhadores (MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, 1998). O Boletim nº 6 do CNRCA recomenda que, na elaboração do PCA, uma de suas atividades seja a avaliação da abrangência, da qualidade dos componentes do programa e dos resultados dos exames audiométricos individual e setorialmente (COMITÊ NACIONAL DE RUÍDO E CONSERVAÇÃO AUDITIVA, 1999).

22 22 Até o momento, existem alguns modelos internacionais de lista de verificação para auditoria do PCA. Dentre eles, podem ser destacados: American Academy of Otorrinolaringology (AAO) Em 1988, a AAO propôs um modelo de lista de verificação para auditoria do PCA que incluiu medição e análise da exposição do trabalhador ao ruído, controle do ruído por medidas coletivas e individuais, instrução e motivação dos empregados às práticas de conservação auditiva, avaliação dos trabalhadores e avaliação e eficiência do programa (GONÇALVES e IGUTI, 2006). Workers Compensation Board (WCB) of British Columbia Em 1996, a Sound Advice elaborou uma proposta de lista de verificação para auditoria do PCA que foi editada pela WCB. Tal protocolo contempla itens de controle como medição do ruído, disponibilização de informação e treinamento aos trabalhadores, soluções para o controle do ruído, uso de protetores auditivos, identificação das áreas críticas de ruído, avaliação da audição dos trabalhadores e revisão sobre a eficácia do programa (WORKERS COMPENSATION BOARD OF BRITISH COLUMBIA, 1996). National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) O NIOSH criou em junho de 1996 uma lista de verificação para auditoria do PCA e publicou sua revisão em outubro do mesmo ano. Apresenta-se dividida em oito partes, são elas: acompanhamento da exposição ao ruído, controles administrativos e de engenharia, avaliação audiométrica, uso de equipamentos de proteção auditiva, educação e motivação dos trabalhadores, manutenção de registros, avaliação do

23 23 programa e auditoria (NATIONAL INSTITUTE FOR OCCUPACIONAL SAFETY AND HEALTH, 1996). Em seu estudo, Cavalli, Morata e Marques (2004, p. 376) utilizaram este instrumento para a auditoria de 30 empresas em Curitiba e apontaram alguns problemas: Questões muito extensas, exigindo mais de duas respostas; Questões pouco objetivas que não proporcionam a obtenção da resposta esperada; Questões não formuladas de acordo com a legislação trabalhista brasileira, o que dificulta a classificação das respostas, como as que excedem às exigências legais e as que não se aplicam a estes casos, por relatarem situações específicas de cada empresa. As autoras descrevem ainda que para o melhor aproveitamento destas questões fazse necessária adequação dos itens supracitados Auditoria Definição e Objetivos da Auditoria A palavra auditoria origina-se etimologicamente do latim auditore, significa ouvir e caracteriza-se por um exame sistemático de fatos, com a confrontação de documentos e registros das ações executadas, bem como pela observação de uma atividade, elemento ou sistema (GONÇALVES, 2009).

24 24 A auditoria tem como objetivo verificar a adequação aos requisitos preconizados pelas normas da empresa e leis vigentes, além de auxiliar na tomada de decisão de ações e disposições planejadas (TERRERI, et al., 2003; GONÇALVES, 2009). Segundo Cavalli, Morata e Marques (2004), a auditoria deve ser vista como um processo educacional, de forma que as pessoas possam ver por meio dos resultados as oportunidades de melhorias no sistema de forma geral. Segundo Rebelo e Moraes (2006), para garantir a melhoria contínua de um programa do SGSSO, inclusive o PCA, são necessárias avaliações periódicas, de forma a evidenciar o atendimento à política, às diretrizes organizacionais e ao atendimento aos requisitos legais, bem como os objetivos e as metas estabelecidos pela alta administração. A revisão é necessária, uma vez que se trata de um processo dinâmico, sujeito a contínuas mudanças, por meio da introdução de fatores éticos, ambientais, mercadológicos, sociais e econômicos (REBELO e MORAES, 2006). O já consolidado método PDCA de administração para a Qualidade Total, criado em 1920, é uma ferramenta cujo foco principal é a mudança em busca da melhoria contínua. De forma que, a cada momento de Checar, que acontece nas auditorias, é possível planejar ações futuras por meio de indicadores de conformidade que foram levantados ao longo do ciclo anterior, proporcionando, assim, a manutenção da qualidade e a revisão dos eventos organizacionais (ARAÚJO, 2008).

25 25 Figura 1: Modelo de Gestão pelo PDCA Fonte: ARAÚJO, 2008, p Método de Auditoria Couto (1994) afirma que a auditoria do PCA deve ser realizada anualmente para verificar as atividades do programa. A auditoria pode ser realizada por empregado ou departamento de uma entidade, configurando uma auditoria interna, ou por profissional habilitado ou empresa especializada, ambos sem vínculo empregatício com a empresa auditada, dessa forma caracterizando uma auditoria externa (GONÇALVES, 2009). Na auditoria interna, o auditor deverá prestar contas diretamente à direção e terá que ser alguém idôneo para que as pessoas que forem auditadas sintam confiança nas não conformidades apresentadas e entendam a importância da mudança para a

26 26 melhoria do processo. É importante também que os superiores deste auditor favoreçam as modificações, quando forem necessárias (GONÇALVES, 2009). A conclusão da auditoria interna se dá por meio de relatórios e cartas de controle interno (GONÇALVES, 2009). No entanto, para a auditoria externa ser viabilizada é preciso que as empresas mantenham seus controles internos eficazes, possibilitando assim a avaliação dos procedimentos internos por outras empresas (GONÇALVES, 2009). A conclusão da auditoria externa se dá por meio de um documento formal, denominado Parecer da Auditoria (GONÇALVES, 2009). Independentemente do tipo de auditoria, Terreri et al. (2003) ressaltam que o auditor deve ter assegurados liberdade e acesso ao objeto auditado com o objetivo de que suas atividades sejam desenvolvidas com eficácia e isenção e para que possa produzir análises imparciais e de eficiência técnica. Ao final de cada auditoria, a organização deve elaborar um plano de ação com as medidas corretivas acordadas e providências estabelecidas de monitoramento, a fim de assegurar a implementação satisfatória destas propostas (ARAÚJO, et al., 2006, MELO, 2001). O auditor, ao iniciar um trabalho de auditoria, deverá ter o cuidado de verificar o plano de ação estabelecido anteriormente e se o mesmo foi atendido. Caso

27 27 contrário, a empresa deverá apresentar uma justificativa formal explicando as razões das não realizações nos prazos estabelecidos. Isso porque, o atendimento ao plano de ação é uma evidência forte de que a organização está comprometida com o processo de melhoria contínua (ARAÚJO, et al. 2006). Segundo Couto (1994), são três as etapas para realização de auditorias: a elaboração da lista de verificação de auditoria, a verificação de conformidade e a elaboração do relatório de auditoria. Lista de Verificação de Auditoria Segundo Couto (1994), é recomendável elaborar uma lista de verificação a fim de orientar a condução da auditoria e para padronização dos registros e das evidências objetivas encontradas, além de ajudar a recordar os requisitos verificados contribuindo para a elaboração do relatório final. Tal lista pode ser elaborada a critério do auditor e deve apresentar itens de controle objetivos e fundamentadas na legislação (ARAÚJO, et al., 2006). Couto (1994) afirma que a utilização da lista de verificação durante o processo de auditoria é uma técnica interessante, na medida em que viabiliza a elaboração do relatório ainda em campo e, caso surjam dúvidas, estas poderão ser solucionadas durante o período de presença da equipe de auditoria na empresa. Contudo, ressalta que as informações e observações do relatório final não precisam se limitar à lista de verificação (COUTO, 1994).

28 28 Metodologia de Aplicação da Auditoria A metodologia de aplicação geralmente se compõe pela avaliação da aplicabilidade, verificação da conformidade e mensuração de desempenho do sistema a ser auditado. Para a avaliação da aplicabilidade é comum a utilização dos termos Aplicável e Não Aplicável. O termo Aplicável é utilizado quando determinado conceito ou ação se enquadra a algum tipo de norma da organização, seja ela interna ou externa. Já o termo Não Aplicável, é usado quando não é possível adaptar-se à norma, totalmente ou em parte (FERREIRA, 2006). Já na verificação da conformidade, o auditor deve ter o cuidado de procurar uma evidência antes de estabelecer uma não conformidade. Logo, o processo de auditoria não pode se basear em avaliações subjetivas, sem fundamentação técnica ou legal (ARAÚJO et al., 2006). O termo Conforme é usado quando os parâmetros avaliados na entidade estão de acordo com o proposto na legislação brasileira e normas internas da empresa, enquanto que o termo Não Conforme é utilizado quando for verificada pelo auditor uma deficiência ou não-concordância ou ainda na ausência de procedimentos ou documentos (REBELO e MORAES, 2006).

29 29 O termo Evidência de Auditoria se reporta aos registros, apresentação de fatos ou outras informações, verificáveis no processo de auditoria (REBELO e MORAES, 2006). Rebelo e Moraes (2006, p. 357) ressaltam que os registros de evidências dependem do escopo e complexidade da auditoria, com possibilidade de se considerar: a) Entrevistas com empregados e outras pessoas; b) Observações das atividades e ambiente e condições de trabalho; c) Análise de documentos: política, objetivos, procedimentos, licenças, permissão para trabalho, desenhos, contratos, acordos ou convenções coletivas de trabalho; d) Registros, como registros de inspeção, minutas de reuniões, relatórios de auditoria, registros de monitoramento de programas e resultados de medições; e) Resumos de dados, análises e indicadores de desempenho; f) Informações sobre os programas de amostragem do auditado e sobre procedimentos para controle de amostragem e processos de medição; g) Relatórios de outras fontes: realimentação de clientes e outras partes interessadas, notificações ou autuações do Ministério do Trabalho e Emprego, outros; h) Bancos de dados informatizados e internet. O termo Oportunidade de Melhoria pode ser usado sempre que o auditor ou perito verifica que a ação avaliada pode ser melhorada (ARAÚJO, 2008). A mensuração de desempenho é um importante instrumento estratégico que pode contribuir para a melhoria da organização, sistema e/ou programa (ARAÚJO, 2008). Nas auditorias também é comum a utilização de sistemas de pontuação para mensuração de resultados, podendo citar o modelo do Sistema DIAG (LOPES e

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho

Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho Sumário Abreviaturas...3 Resumo...4 Introdução...5 Cronograma dos processos...5 Análise crítica...8 Proposta de melhoria...9 Anexos...10 1 Abreviaturas

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

ELABORADO PELA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS SALVADOR BA

ELABORADO PELA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS SALVADOR BA 1 CADERNO DE ENGARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS REFERENTES AOS PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA E PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA,

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTE OBJETIVO Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Diagnóstico para implantação de sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional

Diagnóstico para implantação de sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional Diagnóstico para implantação de sistema de gestão de segurança e saúde ocupacional José Luiz Lopes (SENAC/SP) lopesjl@uol.com.br Osvaldo Luís Gonçalves Quelhas (LATEC/UFF) quelhas@latec.uff.br Resumo Este

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDA AUDITIVA (PPPA) EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA SUL-BRASILEIRA AUTORES: Suzanne Bettega Almeida 1,2 ; Cláudia Giglio de Oliveira Gonçalves 1 1-Universidade

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título)

Impresso em 01/09/2015 15:46:32 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 24/08/2015 Verificado por Fernando Cianci em 25/08/2015 Aprovado por Ricardo Fontenele/BRA/VERITAS em 25/08/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais