ACSS. Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Manual de Auditoria Interna Parte II Hospitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACSS. Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Manual de Auditoria Interna Parte II Hospitais"

Transcrição

1 Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. Hospitais

2 Página: 2 de 44 I. Histórico do documento Data Versão Descrição Autor Aprovação 1/02/ MAI aprovado Versão 1 ACSS

3 Página: 3 de 44 II. Objectivos Objectivos do manual O propósito deste documento é disponibilizar à Função Auditoria Interna dos Hospitais (e/ou outras Unidades de Saúde com as devidas adaptações) um guia sobre: Os princípios da Função Auditoria Interna; O seu posicionamento no seio da Organização; A gestão da Função Auditoria Interna; e A gestão das acções (projectos) de Auditoria Interna. Estrutura do manual Este manual divide-se em três volumes: Parte I Princípios, conceitos e standards de desempenho da Função Auditoria Interna Metodologias e técnicas de trabalho de auditoria e exemplos de documentos I Questionários de controlo interno e programas de trabalho standard Responsabilidades de manutenção e aprovação do manual Compete ao responsável pelo Departamento de Auditoria da ACSS proceder à sua manutenção e actualização, e obter a respectiva aprovação do Conselho Directivo da ACSS. É da responsabilidade do Conselho de Administração do Hospital, sob proposta da ACSS, proceder à sua aprovação e implementação.

4 Página: 4 de 44 III. Índice 1. Documentação do trabalho de auditoria - Fase de Planeamento Exemplos de Plano de Anual de Auditoria Avaliação de Risco e Auditoria No âmbito de auditoria de conformidade (controlo interno) Template de uma matriz de risco e controlos No âmbito de auditoria a demonstrações/dados financeiros Documentação do trabalho de auditoria Fase de Execução Índice standard de papeis de trabalho Exemplo de preenchimento de um papel de trabalho Formas de documentação de um sistema de controlo interno Questionários padronizados Narrativas Fluxogramas Simbologia de fluxogramas Exemplo de flowchart horizontal Exemplo de flowchart vertical Amostragem Meios de Selecção de Elementos para Teste Amostragem em Auditoria Características e Concepção da Amostra e Risco de Amostragem Amostragem estatística vs Amostragem não estatística Dimensão da Amostra Métodos de Selecção da Amostra Documentação do trabalho de auditoria Fase de Reporte...40

5 Página: 5 de Modelo de relatório de auditoria...40

6 Página: 6 de Documentação do trabalho de auditoria - Fase de Planeamento 1.1. Exemplos de Plano de Anual de Auditoria

7 Página: 7 de 44

8 Página: 8 de Avaliação de Risco e Auditoria No âmbito de auditoria de conformidade (controlo interno) A implementação e definição de processos de gestão de risco é da responsabilidade do Conselho de Administração. Tais processos deverão ser mantidos de forma adequada e eficiente ao longo do tempo. Os processos de gestão de risco deverão considerar os seguintes conceitos: Definição de objectivos Deverão ser definidos objectivos que suportem e estejam alinhados com a missão da entidade e a sua sensibilidade ao risco ao nível estratégico, estabelecendo uma base de suporte para a definição dos objectivos específicos de operações, reporte e conformidade. Os objectivos estratégicos e os objectivos de controlo (operações, reporte e conformidade) a atingir em cada processo (Produção e gestão utentes, facturação e contas a receber, etc), classificam-se da seguinte forma: o Objectivos estratégicos de alto nível, alinhados com e de suporte à missão da entidade e que reflectem as opções dos responsáveis dos processos sobre as formas como a organização deverá agir para acrescentar valor aos stakeholders. o Objectivos de operações relacionados com a eficácia e eficiência das operações da entidade incluindo o desempenho, realização de resultados positivos e salvaguarda dos recursos e que variam conforme a escolha dos responsáveis dos processos em relação à estrutura e desempenho. o Objectivos de reporte preparação de reporte fiável tanto externo como interno quer de informação financeira quer não financeira. o Objectivos de conformidade aderência à legislação e regulamentos aos quais uma entidade está sujeita e dependentes de factores externos, como por exemplo regulamentação ambiental. Identificação de eventos Deverão ser identificados os eventos externos e internos que, caso ocorram, poderão comprometer a realização dos objectivos da entidade. Os eventos podem ser classificados como oportunidades (com impacte positivo) ou riscos (com impacte negativo).

9 Página: 9 de 44 Avaliação do risco Deverão ser avaliados os riscos, associados a objectivos, em termos de probabilidade de ocorrência e impacte, de forma a determinar como deverão ser geridos. Os riscos deverão ser avaliados quanto a risco inerente e risco residual. Probabilidade de ocorrência representa a possibilidade de um dado evento se verificar. Impacte representa o efeito do evento ocorrer o qual deverá ser medido utilizando a mesma unidade definida para o objectivo respectivo. Risco Inerente risco existente sem ter em conta as acções que podem ser efectuadas para diminuir a probabilidade de ocorrência ou o impacte. Risco residual risco remanescente após a definição de respostas ao risco. Resposta ao risco Deverão ser seleccionadas as respostas ao risco, (eliminação, aceitação, redução ou partilha) e desenvolvido um conjunto de acções de forma a alinhar os riscos com a sensibilidade ao risco da entidade. Actividades de controlo Deverão ser estabelecidas e executadas políticas e procedimentos de controlo de forma a assegurar que as respostas ao risco são efectuadas de forma efectiva. Informação e comunicação Em redor destas actividades existem sistemas de informação e comunicação ou divulgação. Estes permitem que as pessoas da entidade capturem e permutem a informação necessária para conduzir, gerir e controlar as operações. Monitorização O processo de gestão de risco, na sua globalidade, deverá ser controlado devendo ser efectuadas modificações sempre que necessário. Desta forma, o sistema pode reagir de forma dinâmica, modificando-se sempre que as condições o requeiram. A monitorização é efectuada por actividades contínuas e/ou avaliações periódicas. Deverão ser implementadas actividades de monitorização de forma a periodicamente avaliar o risco, verificar a eficácia dos controlos para os gerir e elaborados relatórios periódicos de acompanhamento e avaliação dos resultados para o Conselho de Administração.

10 Página: 10 de 44 O processo de gestão de risco inclui, entre outras, as seguintes actividades: Análise de políticas empresariais e de minutas das actas do conselho de administração de forma a identificar quais as estratégias empresariais, a filosofia de gestão de risco e sua metodologia, a apetência para o risco e a aceitação do mesmo; Entrevistas com a administração, directores de primeira linha e operacionais, de forma a identificar os objectivos sectoriais, riscos relacionados e as actividades de minimização do risco e monitorização de controlo pela gestão; Definição de prioridades quanto aos métodos e as técnicas para testar e validar as exposições, em Função do impacte e da probabilidade de ocorrência dos riscos; Análise de relatórios previamente emitidos sobre avaliação de risco; Avaliação e adequação dos canais de informação para as actividades de monitorização de risco; Análise das acções tomadas para solucionar as questões levantadas pelos processos de gestão de risco, e recomendação de melhorias; A Auditoria Interna deverá: Auxiliar o Conselho de Administração no exame, avaliação, informação e recomendação de melhorias sobre a adequação e eficácia dos processos de gestão de risco, nomeadamente, na identificação e avaliação de eventos e apoio na definição de metodologias de implementação de gestão de risco e controlo. Executar acções de auditoria, no sentido de validar os controlos implementados na mitigação dos riscos/eventos identificados e geridos no processo de gestão de riscos. A avaliação dos riscos e exposições que possam afectar os processos a serem auditados deverão influenciar a estratégia de auditoria. O auditor interno deverá estabelecer programas de trabalho para verificar se as actividades de controlo instituídas são adequadas para gerir ou minimizar o efeito dos riscos. O RAI deverá comunicar ao Conselho de Administração, os resultados da avaliação do processo de gestão do risco efectuada, de forma a transmitir o grau de exposição existente e eventual impacte na consecução dos objectivos da Organização.

11 Página: 11 de Template de uma matriz de risco e controlos Objectivo Tipo Indicadores de medida Tolerância Evento (Risco) Risco Inerente Risco Residual Actividades de controlo Resposta Custo ao risco Prob. Imp. Prob. Imp. Actividade Tipo M/A (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12) (13) (14) (1) Descrição do objectivo de controlo (2) Tipo de objectivo de controlo: Estratégico (E); Operacional (O); Reporte (R); Conformidade (C) (3) Indicadores para medição da materialização do risco (4) Níveis de tolerância mínimos para tomada de acções (5) Descrição do risco potencial (6) Probabilidade de risco inerente (antes implementação de controlos): Alto (A); Médio(M); Baixo (B) (7) Impacte de risco inerente (antes implementação de controlos): Alto (A); Médio(M); Baixo (B) (8) Custo de implementação do controlo (9) Resposta ao risco: Reduzir; Partilhar; Aceitar e monitorizar (10) Probabilidade de risco residual (após a implementação de controlos): Alto (A); Médio(M); Baixo (B) (11) Impacte de risco residual (após a implementação de controlos): Alto (A); Médio(M); Baixo (B) (12) Descrição da actividade de controlo (13) Tipo de controlo: Preventivo (P) ou Detectivo (D) (14) Controlo Manual (M) ou Automático (A)

12 Página: 12 de No âmbito de auditoria a demonstrações/dados financeiros Após a recolha de elementos que permita obter/actualizar uma razoável compreensão da actividade da entidade e dos seus sistemas de controlo interno e contabilístico, o auditor estará então em condições de desenvolver a estratégia de auditoria, bem como proceder à sua execução, de acordo com a metodologia que se segue: Apreensão do Risco Inerente Corresponde à identificação da susceptibilidade de um saldo de conta ou uma classe de transacções, a uma distorção que possa ser materialmente relevante, individualmente ou quando agregada com distorções em outros saldos ou classes, assumindo que não existiam os respectivos controlos internos. Nesta fase é necessário identificar o risco inerente e distribuí-lo pelas áreas relevantes das demonstrações financeiras, após a determinação das mesmas, conforme se indica mais à frente (ver II ) e pelas principais asserções. No caso de auditorias recorrentes a uma mesma entidade, em cada ano, é necessário reavaliar o risco inerente em relação a cada unidade de auditoria. Esta avaliação pode ser efectuada com base num Questionário de Avaliação do Risco Inerente, que inclui um conjunto de perguntas críticas desenhadas para identificar a existência de factores conducentes a um incremento de risco, cujo modelo apresentamos de seguida: QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO RISCO INERENTE (GLOBAL) 1. ASPECTOS DE GESTÃO 1.1 É a entidade gerida efectiva e eficientemente? São corrigidos os pontos fracos do controle interno? Estão os serviços de contabilidade adequadamente dotados de pessoal? Há frequentes alterações nas actividades da entidade? Verificam-se com frequência mudanças da administração? Existem pessoas de tal modo dominantes que ultrapassem os controles em vigor? Existe uma estrutura hierárquica e uma correcta subdivisão de funções definida para a instituição? 1.8 Outros assuntos relacionados com a gestão (discriminar) 2. ASPECTOS DO NEGÓCIO Sim Não Pontuação 0 5 0?

13 Página: 13 de Está a entidade inserida num sector em crescimento? 2.2 Está a entidade inserida num sector onde existe um forte peso ao nível das decisões políticas tomadas? 2.3 Está o funcionamento da entidade dependente do montante de verba orçamental atríbuida pelo Estado ao sector? 2.4 Está a entidade dependente de um pequeno número de fornecedores? 2.5 Está a entidade dependente de um reduzido número de clientes/utentes? 2.6. Existe legislação específica que regulamente o funcionamento da entidade nos seus vários níveis? 2.7 Outros assuntos relacionados com a actividade da entidade (discriminar) 3. ASPECTOS FINANCEIROS E CONTABILÍSTICOS 3.1 É o capital circulante (Disponibilidades + Créditos + Existências menos Débitos a c.p.) adequado? 3.2 Existem razões que possam por em causa a viabilidade da entidade? 3.3 Tem-se mantido estável o nível dos proveitos da entidade? 3.4 Verifica-se alguma circunstância extraordinária que obrigue a entidade a apresentar um montante mínimo de resultados (remunerações de direcção/administração, publicação de contas previsionais, pressões políticas, etc.)? 3.5 Existem pressões para que as Demonstrações Financeiras sejam rápida e ligeiramente preparadas? (existem prazos de entrega de documentação junto do IGIF e Direcção Geral do Orçamento) 3.6 Existem activos ou passivos significativos cuja valorização esteja baseada somente em critérios definidos pela Administração? 3.7. Outros aspectos relacionados com assuntos financeiros e contabilísticos (discriminar)? ? ?

14 Página: 14 de ASPECTOS RELACIONADOS COM A AUDITORIA 4.1 O relacionamento profissional do auditor com a entidade objecto de auditoria tem sido marcado pela franqueza e cordialidade? 4.2 No caso da entidade estar sujeita a supervisão de outra entidade, ou de ser uma subsidiária ou associada existem circunstâncias ou pressões sofridas que possam afectar a auditoria dessa entidade ou de qualquer outra entidade relacionada? 5. TRANSACCOES NÃO USUAIS 5.1 Existem transacções pouco vulgares relacionadas com o fecho das contas de associadas, participadas ou entidades sob supervisão directa ou que exercem essa supervisão? 5.2 Temos conhecimento de que existam transacções significativas com associadas, participadas ou outras entidades de supervisão ou sobre as quais é exercida supervisão? 5.3 Existem outros tipos de transacções que possam ser consideradas invulgares? CONTABILIDADE 6.1 São os registos contabilísticos de uma maneira geral adequados e têm suporte documental referente às transacções, aos activos e passivos da entidade? 6.2 A informação que é extraída dos diversas ferramentas informáticas utilizadas (GEMA, RHV, entre outros) é devidamente integrada no programa informático de contabilidade (SDIC) e é feito com regularidade o cruzamento dessa informação Sensibilidade ao Risco: Baixa 0 38 pontos Média pontos Alta + de 57 pontos

15 Página: 15 de 44 Instruções de preenchimento: A pontuação relativa a cada questão deve variar entre os limites indicados à frente de cada questão. Exemplo: Relativamente à questão: 1.1 É a entidade gerida efectiva e eficientemente? Considerando que a mesma é muito bem gerida a pontuação a atribuir deverá ser 0 ou 1, se a qualidade da gestão é boa a pontuação a atribuir deve variar entre 1 e 2, entre 3 e 4, para média e entre 4 e 5 para má. É possível adicionar ou suprimir questões, mas nesse caso é necessário rever as pontuações que servem de guia para a determinação da sensibilidade ao risco e que estão referidas no final do questionário. As respostas às questões devem, sempre que possível, ser suportadas em papéis de trabalho. De referir que é conveniente que tanto o questionário como os papéis de trabalho auxiliar devem conter a referenciação cruzada da respectiva indexação. É improvável que o risco inerente tenha igual impacte potencial sobre cada uma das áreas das demonstrações financeiras e sobre todas as asserções de uma mesma área. Uma vez identificadas as componentes do risco inerente, consideramos: quais as áreas, por exemplo, que podem ser afectadas por esse risco; e quais as principais asserções, (por uma questão de simplificação do processo é normal restringir as análises a asserções principais: integralidade (também designada por plenitude), existência/ocorrência, mensuração e valorização) para cada área ou conjunto de transacções podem ser afectadas por cada uma das componentes do risco identificadas. Todos estes factores são tomados em consideração para chegar a uma avaliação do risco inerente que poderemos definir como Alto, Médio ou Baixo para cada asserção.

16 Página: 16 de Documentação do trabalho de auditoria Fase de Execução 2.1. Índice standard de papeis de trabalho Dossier permanente (índice): I. Caracterização da Organização e da actividade; II. Informação financeira e de gestão; III. Informação contabilística e outros elementos de auditoria; IV. Compreensão do sistema de controlo interno; V. Informação estatutária; VI. Relatórios e outra documentação de auditoria; VII. Documentos de prestação de contas; VIII. Obrigações legais, fiscais e parafiscais; Dossier corrente (índice) A. Produção e Gestão de Utentes B. Facturação e Contas a Receber C. Recursos Humanos D. Compras e Contas a Pagar E. Existências F. Imobilizado G. Tesouraria (Pagamentos / Recebimentos) H. Contabilidade e Reporte

17 Página: 17 de Exemplo de preenchimento de um papel de trabalho

18 Página: 18 de 44

19 Página: 19 de Formas de documentação de um sistema de controlo interno Questionários padronizados O questionário padronizado, também conhecido por check-list representa um agregado mais ou menos extenso de medidas de controlo interno e de procedimentos contabilísticos que se deseja estejam em efectividade numa entidade minimamente organizada. Os questionários padronizados são elaborados atendendo aos grandes ramos de actividade, como é por exemplo o sector da Saúde. As áreas cobertas serão todas as existentes na entidade, tendo-se maior preocupação para as áreas relacionadas com a actividade operacional. Cada procedimento tem duas hipóteses de resposta: Sim e Não. Conforme o caso, assinalar-se-á na coluna respectiva, um sinal convencional (por exemplo ) e um outro (por exemplo ), quando existir referência a quaisquer aspectos particulares que devem ser descritos no final de cada questionário, ou em folhas anexas, onde também se deverão incluir exemplares dos principais documentos utilizados na entidade, na respectiva área, a fim de serem arquivados no dossier permanente. Normalmente as questões são estruturadas de forma a que quando a resposta é Não, esta configura um potencial ponto fraco no sistema contabilístico e de controlo interno, que deve ser clarificado e explicado no final do próprio questionário ou em folha anexa. Os questionários padronizados são muito importantes pelas ideias de organização que transmitem, sendo a forma mais fácil e rápida de proceder ao levantamento do Sistema de Controlo Interno. Contudo, são muito limitados por poderem ignorar aspectos muito relevantes e específicos da organização em análise. Devem entenderse como guias orientadores e nunca como formulários únicos. Na parte III do apresentam-se alguns questionários padronizados/adoptados para o sector da Saúde.

20 Página: 20 de Narrativas Uma narrativa consta de uma descrição relativamente detalhada das medidas de controlo interno e dos procedimentos contabilísticos existentes em cada uma das diversas áreas operacionais da entidade. Esta forma de registo tem nítidos benefícios em relação à anterior, embora também apresente alguns inconvenientes como sejam a inclinação para a excessiva pormenorização e consequentemente perda de uma visão rápida e global do conjunto da área descrita e dos seus aspectos mais significativos. Tal como nos questionários padronizados deverão ser incluídos exemplares dos documentos mais importantes.

21 Página: 21 de Fluxogramas Um fluxograma é uma forma de representação gráfica que se auxilia de vários símbolos para apresentar as diversas medidas de controlo interno e procedimentos contabilísticos existentes em cada uma das diferentes áreas operacionais da Organização. Normalmente, a utilização dos fluxogramas é feita para os trabalhos de análise desenvolvidos pelos técnicos de organização e de informática, sendo elaborados de uma forma bastante detalhada. Contudo, o auditor apenas necessita de obter informação sintética que lhe dê a conhecer, de uma forma global, como está implementado o sistema. Existem dois tipos de fluxogramas: Horizontais evidenciam a sucessão dos procedimentos de forma horizontal, os quais atravessam duas ou mais secções envolvidas; Verticais apresentam a sucessão dos procedimentos de forma vertical, normalmente de forma descendente, salientando-se os documentos em detrimento das secções em que o mesmo são originados ou por onde vão circulando. Ambas as tipologias têm vantagens e inconvenientes, sendo de referir que para o auditor o fluxograma horizontal é o suficiente, pois apresenta com mais clareza e num espaço mais reduzido os procedimentos seguidos em cada uma das áreas operacionais, ou seja, possibilita uma visão e avaliação globais. Os fluxogramas apresentam a desvantagem de não serem fáceis de preparar, exigindo o conhecimento de técnicas específicas e obriga à utilização das técnicas anteriormente abordadas (questionários padronizados e narrativas). Contudo, os fluxogramas representam de forma clara, simples e concisa qualquer esquema por mais complexo que seja. A simbologia usada na preparação de fluxogramas não é universal, no entanto, apresentam-se, de seguida, um exemplo de fluxograma e respectiva simbologia que poderá ser adoptada na realização de fluxogramas. O exemplo inclui um fluxograma genérico e um outro mais detalhado sobre um circuito de compras de uma entidade fictícia.

22 Página: 22 de Simbologia de fluxogramas Serviço Procedimento Cod. Proced. Processamento/Operação/Actividade: este símbolo é utilizado sempre que existe uma actividade que produz alteração ao estado inicial dos inputs. (Fluxograma Vertical) O canto inferior direito, indica actividade com execução de controlo. Processamento/Operação/Actividade: este símbolo é utilizado sempre que existe uma actividade que produz alteração ao estado inicial dos inputs. (Fluxograma Horizontal) Documento: este símbolo é utilizado para representar um documento em suporte papel. Multi_Documentos: este símbolo é utilizado para representar dois ou mais documento em suporte papel. Armazenagem: este símbolo aplica-se a pontos do processo onde existe uma armazenagem de controlo, ou seja, é necessário um documento com uma autorização para executar uma operação de movimentação dos itens armazenados. Arquivo de documentos- este símbolo representa um arquivo de documentos em suporte manual/físico. Decisão: este símbolo é utilizado para representar a actividade de decisão, este símbolo é complementado com descritivo onde deverá existir um caracter de interrogação. Limites: este símbolo representa o inicio ou o fim de um processo. Sendo o descritivo a indicar no símbolo os termos INICIO ou FIM

23 Página: 23 de 44 Conexão: este símbolo é normalmente usado para representar uma ligação entre subprocessos/actividades intervenientes no mesmo processo. É normalmente adicionado um caracter (número), indicando a saída (output) e a entrada (input) de outro processo/actividade. Base de Dados: este símbolo representará um conjunto de ficheiros, geridos por um SGBD; Ficheiro informático: este símbolo representa, um ficheiro electrónico ou conjunto de registo/campos de informação. Material: este símbolo representa os artigos/materiais físicos. Material Consulta sistema: este símbolo representa introdução de dados (input) ou consulta de dados via ecrã. Sentido de Fluxo de Informação/Movimentação/Transporte: este símbolo representa uma operação de transporte entre dois pontos do processo, indicando o sentido de fluxo de informação, seja de um produto para stock, seja de um documento para outra área. Transmissão: este símbolo representa uma transmissão imediata de informação sem suporte físico Contabilização: este símbolo representa a contabilização da operação, indicação da conta a débito (à direita) e da conta a crédito (à esquerda)

24 Página: 24 de Exemplo de flowchart horizontal

25 Página: 25 de 44

26 Página: 26 de Exemplo de flowchart vertical

27 Página: 27 de Amostragem Meios de Selecção de Elementos para Teste O auditor ao estabelecer os seus procedimentos de auditoria, deve determinar os meios apropriados para seleccionar os seus elementos para teste, bem como para reunir a evidência de auditoria necessária para alcançar os objectivos dos testes auditoria. Os meios disponíveis para a selecção dos elementos para teste são: Selecção de todos os elementos (100%); Selecção de elementos específicos; Amostragem de auditoria. A decisão do método a utilizar depende das circunstâncias, e a aplicação de qualquer meio ou de combinações de meios acima identificados pode ser apropriada em circunstâncias particulares. Essa decisão deve ser feita com base no risco de auditoria e na eficiência da sua realização, pelo que o auditor deve escolher os métodos mais eficazes para fornecer suficiente e apropriada evidência de auditoria para alcançar os objectivos do teste. A realização de exame a 100% é improvável no caso de testes de controlo, no entanto, é mais comum para testes substantivos, especialmente quando o universo é constituído por um pequeno número de elementos com valor elevado, ou quando o risco inerente e o de controlo são altos e o auditor considera que os restantes meios não fornecem prova de auditoria suficiente e apropriada. Pode ainda ser mais eficiente a utilização de exames a 100%, quando se testa cálculos de natureza repetitiva ou quando o teste pode ser efectuado através de um sistema informatizado, que torna o custo de desenvolvimento do teste económico. O auditor interno pode decidir seleccionar elementos específicos de um determinado universo, com base no conhecimento do negócio, em avaliações preliminares dos riscos inerentes e de controlo, e nas características específicas da população a ser testada. É apropriado efectuar selecção específica de determinados elementos quando: Existam elementos de alto valor ou principais, elementos suspeitos, não usuais, que estejam associados historicamente a erros ou distorções, ou que tenham determinadas características específicas que o auditor queira testar. Seja necessário testar todos os elementos acima de uma certa quantia, para testar uma percentagem significativa do montante total de um saldo de conta ou de uma classe de transacções.

28 Página: 28 de 44 Exista a necessidade de obter informação sobre assuntos tais como o negócio do cliente, a natureza das transacções, sistemas contabilísticos e de controlo interno, através da análise de elementos específicos. Podem ainda ser seleccionados elementos a fim de determinar se um determinado procedimento está ou não a ser executado. Os exames selectivos de elementos específicos de um determinado saldo ou classe de transacções, constituem com frequência uma forma eficiente de obtenção de evidência de auditoria, no entanto, não podem ser considerados como amostragem de auditoria, dado que os resultados obtidos pelos testes realizados aos elementos seleccionados desta forma não podem ser projectados para o universo sobre o qual se pretende concluir. Desta forma é importante o auditor ponderar sobre a necessidade de obter evidência adequada no que concerne ao remanescente da população não testada quando o mesmo for materialmente relevante.

29 Página: 29 de Amostragem em Auditoria Conforme já anteriormente foi referido as análises a efectuar utilizam, frequentemente, formas de aproximação e de teste que devem ser representativas do universo total, na análise de determinadas operações e transacções, com base numa parte daquele universo, parte essa que constitui o que se designa por amostra. Desta forma é possível concluir que a amostragem de auditoria envolve a aplicação de procedimentos de auditoria a menos de 100% dos elementos constantes de um saldo de conta ou de uma classe de transacções de forma tal que todas as unidades de amostragem tenham a mesma hipótese de selecção. Tal facto permite ao auditor obter e avaliar a sua evidência de auditoria acerca de algumas características dos elementos seleccionados a fim de concluir sobre as características da população com base na análise de uma parte da qual a amostra é extraída.

30 Página: 30 de Características e Concepção da Amostra e Risco de Amostragem A amostra deverá fornecer informação suficiente, permitindo retirar conclusões sobre o universo total, devendo assim ser representativa, isto é, os seus elementos devem possuir as características de todos os elementos do universo, devendo, por outro lado ser estável, i.e., os resultados dos testes não devem depender da dimensão da amostra. O auditor deve seleccionar elementos para a amostra com a expectativa de que todas as unidades de amostragem contidas na população tenham uma oportunidade de selecção. Não obstante as características chave da amostra, está sempre presente um risco de amostragem, que é o risco das conclusões obtidas pelo auditor, com base numa amostra, poderem ser diferentes da conclusão atingida se a população total fosse toda ela sujeita ao mesmo procedimento de auditoria. Podem ser identificados dois tipos de risco de amostragem: (i) o risco de se concluir, no caso de um teste de controlo, que o risco de controlo é mais baixo do que realmente é, ou no caso de testes substantivos, que uma distorção materialmente relevante não existe quando de facto existe (afecta a eficácia de auditoria e conduz normalmente a uma opinião inapropriada); e (ii) o risco de se concluir, no caso de um teste de controlo, que risco de controlo é mais alto do que na realidade é, ou no caso de testes substantivos, que uma distorção é materialmente relevante quando de facto não existe (afecta a eficiência dado que conduz a trabalho adicional para estabelecer que as conclusões iniciais estavam incorrectas). Os complementos matemáticos destes riscos designam-se por níveis de confiança. A principal tarefa do auditor é, a este respeito, reduzir o risco de amostragem a um nível aceitável. O risco de não-amostragem advém de factores que levam a uma conclusão errónea por razões não relacionadas com a dimensão da amostra (por exemplo, o revisor/auditor pode interpretar mal e deixar de reconhecer um erro).

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30 Leia com atenção as seguinte intruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 300 PLANEAMENTO Junho de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-4 Planeamento do Trabalho 5-8 Plano Global de Revisão / Auditoria 9-10 Programa de Revisão / Auditoria 11-12

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução CIRCULARIZAÇÃO I Introdução A circularização, ou confirmação externa, é uma prova de auditoria obtida como resposta directa que o revisor/auditor recolhe de uma terceira entidade (a entidade que confirma

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 Sofia Gonçalves, nº16

Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 Sofia Gonçalves, nº16 Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 Sofia Gonçalves, nº16 Noção de Auditoria Auditoria é um processo sistemático, independente e documentado desenvolvido pelo auditor, para obter evidências e

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas 30 REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Ana Sofia Nunes Revisora Oficial de Contas Auditoria 1 Introdução No âmbito do Clarity Project, em curso, do International

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 580 DECLARAÇÃO DO ORGÃO DE GESTÃO Dezembro de 1998 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-5 Objectivos 6 Requisitos da declaração 7-11 Conteúdo da declaração 12-15 Posição do revisor/auditor

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas Fenômenos Estatísticos Classificam-se em: Fenômenos Coletivos ou de Massa - Não podem ser definidos por uma simples observação (natalidade, mortalidade, preço médio de veículos usados em Curitiba, etc.).

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

審 計 品 質 監 控 措 施 Medidas de Controlo de Qualidade de Auditoria

審 計 品 質 監 控 措 施 Medidas de Controlo de Qualidade de Auditoria 審 計 品 質 監 控 措 施 Medidas de Controlo de Qualidade de Auditoria Audit Quality Assurance and Quality Control Measures 澳 門 特 別 行 政 區 Região Administrativa Especial de Macau Macao Special Administrative Region

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835 Directriz de Revisão/Auditoria 835 Abril de 2006 Certificação do Relatório Anual sobre os Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados (ICAE) no Âmbito da Actividade Seguradora Índice INTRODUÇÃO 1 4

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas do RoadShow Mais PHC O novo SNC O que é necessário para produzir a demonstração de fluxos de caixa pelo método directo (único aceite a

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505 Directriz de Revisão/Auditoria 505 Confirmações Externas ÍNDICE Julho de 2006 Parágrafos Introdução 1-6 Relacionamento dos Procedimentos de Confirmação Externa com as Avaliações, pelo Revisor/Auditor,

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE N.º 07/2009 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2009/11/04 Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE A presente

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas PHCConsolidacão DESCRITIVO O módulo PHC Consolidação foi desenhado para executar a consolidacão contabilística, no que diz respeito à integração de contas e respectivos ajustamentos de consolidação. PHC

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística Estatística Análise de Dados de Observação Descrição dos Fenômenos = Estatística Descritiva. Conclusões acerca dos Fenômenos = Estatística Indutiva ou Inferência Estatística. Inferência Estatística É processo

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

Transformamos Informação em Conhecimento

Transformamos Informação em Conhecimento Transformamos Informação em Conhecimento Contabilidade Parametrização automática de uma estrutura para centros de custo. Automatização de tipos de lançamentos. Tratamento automático do final do exercício.

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS Circular No. 169/B/2002-DSB/AMCM (Data: 21/11/2002) DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), com os poderes conferidos pelo artigo

Leia mais

Os Benefícios da ISO 9001

Os Benefícios da ISO 9001 Os Benefícios da ISO 9001 Aplicação prática no Grupo SERLIMA Funchal, 6 de Maio de 2009 Ana Leça Umbelino aumbelino@serlima.pt 1982 1993 1996 2000 2002 Início da actividade de limpeza na Madeira Início

Leia mais