UMA VISÃO RONDONISTA DA REALIDADE POLÍTICA VINCULADA COM A QUESTÃO DOS GRANDES LATIFUNDIÁRIOS DA CIDADE DE COMERCINHO DO VALE DO JEQUITINHONHA MINEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA VISÃO RONDONISTA DA REALIDADE POLÍTICA VINCULADA COM A QUESTÃO DOS GRANDES LATIFUNDIÁRIOS DA CIDADE DE COMERCINHO DO VALE DO JEQUITINHONHA MINEIRO"

Transcrição

1 UMA VISÃO RONDONISTA DA REALIDADE POLÍTICA VINCULADA COM A QUESTÃO DOS GRANDES LATIFUNDIÁRIOS DA CIDADE DE COMERCINHO DO VALE DO JEQUITINHONHA MINEIRO Melo, Bruna Miranda Daher Universidade Federal de Uberlândia Santos, Lais Souza - Universidade Federal de Uberlândia Araújo, Kárita de Fátima - Universidade Federal de Uberlândia RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar e discutir como se dão as relações entre latifundiários e a população de Comercinho MG. Este município foi escolhido para participar do projeto, dentre outros fatores, por apresentar seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito abaixo da média nacional, sendo este de 0,603, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/2000 (PNUD/2000). A partir das observações realizadas pelos próprios rondonistas em uma operação de retorno do Projeto Rondon ao município de Comercinho que tinha como foco, ações relacionadas a saúde, questões ambientais e educacionais estes puderam constatar o principal elemento fomentador da problemática local. Essa discussão fundamenta-se em diagnósticos elaborados, a partir, da vivência em campo atrelado a uma análise da questão agrária presente no município. O fator mais significativo que impulsionou esta discussão é a má distribuição de terras e o agravante destas estarem concentradas sob o poder dos políticos locais, contradizendo seus reais deveres como representantes do povo. Os principais problemas encontrados no local são, falta de saneamento básico e precariedade nos sistemas de educação e saúde e má distribuição de renda, estes podem ser pensados em dois territórios urbano/rural que parecem ser distintos, mas o que os estudos geográficos propõe é uma análise de complementaridade destas duas vertentes. Assim, utilizando o pensamento geográfico se conclui que pode encontrar a origem dos problemas locais advindos de um possível ponto comum, este dentro da problemática agrária.

2 Palavras chave: Rondonistas, Concentração Agrária. ABSTRACT: This work aims to analyze and discuss how to make relation between landowners and the people of Comercinho - MG. This city was chosen to participate in the project, among other factors, by presenting its Human Development Index (HDI) below the national average, which is 0.603, according to The United Nations Program for the Development/2000 (PNUD/2000). From the observations made by the people who participate of Rondon Project (rondonistas) in an operation to return the project Rondon to the town of Comercinho - which had the focus, activities related to health, educational and environmental issues - these have seen the main factor promoting local problems. This discussion is based on diagnoses made on the basis of experience in the field coupled to an analysis of the agrarian question in this city. The most significant factor that spurred this discussion is the poor distribution of land and aggravating these are concentrated on the hands of local politicians, contradicting it s actual duties as representatives of the people. The main problems are found in the location, lack of sanitation and poor in education and health, and poor distribution of income, they can be found in two areas - urban / rural - that seem to be separate but that the proposed geographic studies is an analysis of the complementarity of these two. Thus, using the geographic thought is that you can find the source of local problems arising from a possible common point, that within the agrarian problem. Key words: Rondonistas, Land Concentration. INTRODUÇÃO: A história do município inicia-se em 1860 com a chegada de Bruno de Resende e comitiva na região. Com o desenvolvimento da agricultura e da pecuária, o povoado prosperou e foi denominado Comercinho do Bruno, em homenagem a seu fundador. Mais tarde foi elevado à categoria de distrito e, posteriormente, a vila, subordinado sucessivamente a Araçuaí e Medina. Em 1948, emancipa-se.

3 Os primeiros relatos da história de Comercinho têm início com as primeiras expedições de bandeirantes ao interior do Brasil na primeira incursão de europeus ao território, conhecido hoje como o estado de Minas Gerais. Por possuir Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito abaixo da média nacional, sendo este de 0,603, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/2000 (PNUD/2000), o município de Comercinho MG foi escolhido para receber as equipes do Projeto Rondon, sendo estas da Universidade Federal de Uberlândia, da Universidade de Brasília. A operação aconteceu com apoio da Prefeitura Municipal de Comercinho, entre 30 de janeiro e 08 de fevereiro do ano de O Projeto Rondon é coordenado pelo Ministério da Defesa e envolve a participação voluntária de estudantes universitários buscando contribuir para o desenvolvimento de municípios carentes e revelando a estes jovens a realidade de nosso país (Foto 1). As equipes são orientadas e procuram realizar um trabalho de conscientização coma comunidade e auxiliar ao máximo a população residente no município de destino. Foto 1: Equipe da Universidade Federal de Uberlândia Fonte: MELO, B. M. D O município de Comercinho MG já havia sido beneficiado com a Operação Norte de Minas em julho de 2008, e neste verão de 2009 foi decidido que haveria um retorno à região para que se pudesse melhor trabalhar a questão da esquistossomose, muito presente no município, além de aspectos ambientais, educacionais e sanitários. Toda esta frente de trabalho no município se pautou sobre o mapeamento das coleções hídricas da região de Comercinho MG. A equipe formada por alunos de graduação da Universidade Federal de Uberlândia e por dois Professores da Escola Técnica de Saúde, também da Universidade Federal de

4 Uberlândia, percorreu fazendas, terrenos na cidade e nas redondezas em busca de nascentes de córregos a serem mapeadas (Foto 2). Além do mapeamento, a equipe procurou orientar os proprietários dos terrenos onde se localizavam estas nascentes e também os moradores da região, para que cuidassem da água que ali brotava do solo. Foi sugerido aos moradores que plantassem mudas ao redor das nascentes para que as protegesse. Todos acataram as orientações e se comprometeram a segui-las. Algumas nascentes estavam comprometidas, sem proteção vegetal. Os proprietários das terras onde se localizam as nascentes são em sua maioria latifundiários. Como se pode perceber, não somente as terras estão em mãos de grandes proprietários, mas também a água, o que impede que pequenos produtores plantem seu próprio sustento. Foto 2: Nascente visitada pela equipe em propriedade particular Fonte: SANTOS, L. S De fato, o município é bastante carente em infra - estrutura e é nítida a ausência de políticas públicas eficazes. Trata-se de um município que não possui rede de esgoto e as casas ainda possuem fossas. Suas ruas não são asfaltadas e são mal iluminadas (Foto 3). Foto 3: Uma das ruas da cidade de Comercinho MG Fonte: ARAÚJO, K. F. 2009

5 A educação é precária, e só é oferecida até o ensino médio. A equipe também realizou na escola de Comercinho MG atividades com as crianças e jovens, relacionadas ao meio ambiente (Foto 4). Estas atividades não se realizaram, porém somente em Comercinho - MG, mas também nos seus distritos, sendo eles, Água Branca de Minas e Taboa. Foto 4: Oficina realizada na escola da cidade de Comercinho MG Fonte: SANTOS, L. S Nestes eventos, as crianças foram convidadas a criar brinquedos com materiais retirados do lixo e com isso, lhes foi explicado sobre a necessidade de retirarem o lixo das ruas e preservarem deste modo, o meio ambiente (Foto 5). Foto 5: Oficina para montagem de brinquedos com material reciclável Fonte: MELO, B. M. D A população está em uma área de risco de infecção pela esquistossomose, além de demais doenças causadas pela utilização de água sem tratamento eficaz e pela falta de tratamento de esgoto. Todos estes aspectos foram decisivos para a realização deste

6 trabalho. Já que, a carência de um município tem ligação direta com as decisões e com o empenho político de seus governantes. Foi então, a partir da observação da realidade local e da vivência desta realidade mesmo que por um curto período de tempo, que surgiu a necessidade de se relatar as condições precárias enfrentadas diariamente por esta população. OBJETIVOS: Esse trabalho tem por objetivo analisar e discutir como se dão as relações entre latifundiários e a população do município de Comercinho, estado de Minas Gerais. Como o trabalho é fruto de uma observação de campo durante uma missão do Projeto Rondon, o objetivo é buscar interpretações do que foi vivenciado podendo assim relacionar teorias ligadas à concentração de terra e dominação política. Para compreender a realidade do município, é preciso também, relacionar o espaço urbano e o espaço rural, uma vez que existe complementaridade entre eles. Com esse trabalho, pretende-se, investigar a razão de problemas que fazem de um Vale tão rico naturalmente, se tornar o Vale da Miséria. Esse estigma de miséria é contestado por ser uma possível visão industrialista, mas é nítida a extrema desigualdade presente na região e mais especificamente no município Comercinho, foco da discussão, e como exemplo numérico da situação é possível observar a tabela abaixo de estatísticas do IBGE entro os períodos de 2000 a 2007: Principais aspectos de Comercinho-MG entre 2000 e 2007 Contagem da População Área da unidade territorial (Km²) 657 PIB per capita (2006) reais Pessoas residentes - 10 anos ou mais de habitantes idade - rendimento nominal mensal - até 1 salário mínimo - municípios vigentes em 2001 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 491 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 1 a 2 salários mínimos - municípios vigentes em 2001

7 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 141 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 2 a 3 salários mínimos - municípios vigentes em 2001 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 107 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 3 a 5 salários mínimos - municípios vigentes em 2001 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 52 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 5 a 10 salários mínimos - municípios vigentes em 2001 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 11 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 10 a 20 salários mínimos - municípios vigentes em 2001 Pessoas residentes - 10 anos ou mais de 3 habitantes idade - rendimento nominal mensal - mais de 20 salários mínimos - municípios vigentes em 2001 IDH (2000) 0,603 Tabela 1: Principais aspectos de Comercinho entre os anos de 2000 e 2007 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Não é objetivo desse trabalhar generalizar a análise do Vale do Jequitinhonha como um todo partindo apenas de um município do Médio Jequitinhonha, pretende-se apenas colocar em questionamento o domínio político que se apresenta vinculado aos grandes latifundiários. É uma realidade comum de pequenas localidades os moradores mais ricos e detentores de bens se tornarem os governantes, mas a questão proposta é uma inversão, ate que ponto um governante pode usufruir de seu poder em beneficio próprio. O enriquecimento através da concentração de terra, que nitidamente é a fonte de riqueza da localidade, exemplificada pelos dados da tabela 2, não é uma fonte de riqueza de altos valores em dinheiro, mas é a comparação a proposta dessa discussão, onde a desigualdade é extrema e as políticas públicas parecem falhas, por diversos possíveis

8 motivos como má administração, falta de recursos, destinações indevidas, etc. Dessa forma fica cabível nessa discussão as relações urbanas e rurais, tão nítidas nessa localidade, onde na área rural se destaca a fonte de sobrevivência da maioria da população e fonte de enriquecimento para uma minoria. Produto Interno Bruto (PIB) a preços correntes Unidade R$(mil) ANO AGROPECUÁRIA INDÚSTRIA SERVIÇO TOTAL Tabela 2: Produto Interno Bruto (PIB) a preços correntes. Fonte: Fundação João Pinheiro (FJP) Centro de Estatística e Informações (CEI) Esse trabalho é construído com a intenção de transferir, de maneira conclusiva, as diferentes visões relatadas por moradores do município Comercinho de diferentes idades e situações. Foi possível acompanhar reuniões e assembléias públicas e ter acesso aos governantes que manifestaram as diversas dificuldades de administração e também a visão da população da área urbana e rural. Em meio à complicada realidade brasileira da questão agrária, proponho-se com esse apanhado de informações, e a busca na extensa literatura a cerca do assunto, entender uma relação de poder que surge como possível causador de uma grave situação encontrada em todo o país que a desigualdade territorial. O objetivo desse trabalhar é também elucidar a vinculação do urbano e do rural, onde o local de pesquisa, município Comercinho, tem claramente esses dois ambientes extremamente atrelados com intensa relação. REFERENCIAL TEÓRICO: O Vale do Jequitinhonha é uma região marcada por conflitos e conhecida pela miséria enfrentada por sua população, pelo menos, por grande parte dela, afinal, latifundiários também habitam a região. É uma localidade extremamente rica ecologicamente, mas que vê na seca um sério agravante para o progresso da região. É evidente que, a seca por si só causa estragos e gera empecilhos, mas, a captura das terras e da água por parte

9 destes grandes proprietários de terra, é certamente o maior problema enfrentado pelos moradores do Vale. Para auxiliar a busca por soluções aplicáveis para esta região de Minas Gerais, é necessário que haja um conhecimento prévio das dificuldades enfrentadas por este povo, e para tal, a obra Políticas Públicas no Vale do Jequitinhonha: a difícil construção da nova cultura política regional de autoria de Joaquim Celso Freire Silva, revela questões relevantes que não podem deixar de ser discutidas quando mencionada esta região do Vale do Jequitinhonha. Afinal, as políticas que coordenam e definem o desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha devem basear-se nas características próprias do local, levando sempre em consideração seus aspectos econômicos, culturais e, sobretudo sociais. O autor discute o conceito de região a partir da óptica globalizada, que defende uma política de inserção no mundo da globalização, e também a partir da óptica regionalista que defende as forças do próprio território para sustentá-lo. De fato a globalização trás muitos progressos e é capaz de inserir uma região no contexto político mundial através dos meios de comunicação que facilitam o diálogo e o debate, em busca de melhorias para cada localidade. A inserção no contexto global permite também que o capital se mova de região para região trazendo benefícios nas áreas de transporte, saneamento, moradia, educação e saúde, sendo todas estas necessidades básicas e direito de todo cidadão. Com a mobilidade do capital, também podem ser gerados novos empregos que movimentarão a economia regional. Contudo, a globalização não proporciona tantos benefícios quanto poderia, caso contrário, não haveria disparidades regionais tão marcantes entre as regiões de nosso país. Segundo o autor, a competição entre as regiões leva a uma uniformização do território, e assim, as características particulares de cada localidade se perdem, ficando cada vez mais difícil contornar problemas que dizem respeito às condições econômicas e sociais da região. Enquanto os globalistas recomendam uma política regional de inserção no mundo globalizado, a visão regionalista assinala uma política pública que busque as soluções de desenvolvimento dentro do próprio território. É a partir das particularidades de cada região que vai se encontrar e criar o encaminhamento de soluções para suas demandas. Se a proposta globalista aponta para fora, para uma zona de livre comércio, a proposta regionalista aponta para dentro, para a construção da alternativa regional. (SILVA, J. C. F., 2006).

10 Por isso, obter um conhecimento claro e objetivo das características particulares de cada região é extremamente necessário para a elaboração de políticas públicas que de fato atendam a comunidade como um todo. No Vale do Jequitinhonha, contudo, a pobreza da região revela a falta de políticas públicas que sirvam para sustentar e apoiar os habitantes daquela localidade. Esta ausência de uma política efetivamente atuante deve-se principalmente ao fato de que o poder na região, assim como em outras regiões de nosso país, está concentrado nas mãos de poucos, que atendem suas próprias necessidades e deixam de lado as necessidades coletivas. O latifúndio certamente é a principal causa da estagnação da região do Vale do Jequitinhonha, assim como acontece no Nordeste brasileiro, regiões estas muito semelhantes socialmente, economicamente e politicamente. A criação de gado, por exemplo, é uma atividade predominante que ocupa pouquíssima mão de obra, levando milhares de lavradores a deixarem o trabalho nas fazendas, e migrarem em direção aos centros urbanos em busca de emprego e de sustento. Além de ser a razão pela qual trabalhadores são expropriados de sua terra, ficando sem condições de sustentar suas famílias, o latifúndio também é motivo para conflitos entre estes lavradores e os proprietários e também entre proprietários. Salientando que, conflitos estão presentes na região do Vale do Jequitinhonha desde sua colonização. O conflito dos novos colonizadores com o indígena havia iniciado com o minerador no Alto Jequitinhonha tornando agora mais intenso. Segundo Moreno a proposta econômica era buscar os portos comerciais do litoral para escoamento dos produtos agropecuários e aquisição de produtos industrializados oriundos da Europa, o sal do Nordeste e querosene. Quando D. João VI se transferiu para o Rio de Janeiro em 1808 autorizou a construção de estradas no Jequitinhonha de modo a estabelecer intercâmbio com a Bahia. (MORENO, 2001, p.50) No Alto Jequitinhonha, região de Serro e Diamantina, onde predominava a mineração, os índios eram destruídos, como bem ilustra a novela Acaica de Joaquim Felício dos Santos, publicada em 1868, quando não podiam ser aldeados para fins de trabalho escravo. No médio e no baixo Jequitinhonha os índios conseguiram refúgio por mais um tempo, através de condições geográficas e pastoris favoráveis, que facilitavam a sua resistência contra as agressões dos aventureiros e caçadores. Mas no médio

11 Jequitinhonha nos primórdios do século XIX as autoridades determinam guerra aos indígenas através da carta régia de 13 de maio de Esse documento justifica a guerra como justa levando em conta as agressões indígenas aos colonizadores. A guerra, segundo a carta régia só deveria ter fim enquanto não fosse ocupada toda a região e patenteada a superioridade dos brancos [...]. (MORENO, 2001, p.62) Como observado, o Vale do Jequitinhonha foi palco para diversos conflitos que se estendem até a atualidade. Questões políticas são as causas mais comuns para os desentendimentos, que geralmente terminam em tragédia. No dia 16/03/2009, por exemplo, o prefeito da cidade de Palmópolis, localizada no Vale do Jequitinhonha, foi baleado ficando em estado grave no hospital. A polícia trabalha a suspeita de crime político, já que a vítima teria se desentendido com a oposição nas últimas eleições. Em um quadro geral, podemos afirmar que, a partir do século XVII, as regiões do Alto e do Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas Gerais, constituíram um cenário no qual as grandes fazendas de gado - com cativos, parceiros e agregados - disputavam o espaço com pequenas propriedades familiares comandadas por lavradores independentes (RIBEIRO, 1993). Assentada historicamente sob a agricultura, a pecuária e a mineração, a economia da região apresentou momentos de crise e prosperidade. Contudo, embora tenha sido significativa sua importância na produção de víveres para o abastecimento de outras regiões do estado, sua história ficou conhecida a partir de imagens de isolamento e estagnação econômica forjadas no âmbito das políticas estatais que priorizavam a modernização industrial do país em moldes urbanos (RIBEIRO, 1993). Já em meados dos anos de 1940 e 1950, observamos um conjunto de profundas transformações dadas pela inserção da economia regional em um mercado capitalista mais amplo, onde as novas condições de concorrência dificultaram a venda dos produtos tradicionais fornecidos pela região. A partir de 1960 e 1970, esse quadro se agravaria em conseqüência de programas e intervenções governamentais, que, pautados por uma visão desenvolvimentista com parâmetros industriais, tecnológicos e urbanos, consolidavam imagens de pobreza e miséria atribuídas ao Vale (RIBEIRO, 1993). Assim, identificada como área problema ou bolsão de pobreza, a região sofreu o impacto de três grandes frentes de modernização do capital: a expansão da pecuária, a introdução da cafeicultura e implantação das reflorestadoras (RIBEIRO, 1993). Auxiliadas por políticas de incentivos fiscais e créditos, essas três frentes de expansão

12 provocaram mudanças significativas na distribuição e no acesso à terra. Os reflorestamentos, por exemplo, foram implantados em áreas de chapada, consideradas terras devolutas e concedidas pelo Estado às empresas privadas, para a exploração. As chapadas, no entanto, eram tradicionalmente destinadas ao uso comum pelos lavradores locais, a partir de então, privados de grande parte das terras onde realizavam o extrativismo coletivo e a criação do gado na larga (RIBEIRO, 1993). Mesmo com medidas provenientes do Estado, em parceria com grandes empresas nacionais e multinacionais, a região do Vale do Jequitinhonha ainda sofre com a miséria e com a falta de oportunidades para seus habitantes. O fato é que com a entrada de empresas capitalistas altamente lucrativas, o latifúndio tradicional acaba dando espaço para o latifúndio movido pelo sistema capitalista, ou seja, o pequeno lavrador que antes se submetia ao latifúndio, agora esta entregue nas mãos gananciosas do capital. O Estado, ao viabilizar os complexos agroindustriais e favorecer o empresariado rural em detrimento dos produtores familiares camponeses, tem mantido os velhos pactos entre os setores do bloco hegemônico, contando sempre com a resistência, algumas vezes manifestada com violência, desses camponeses que desenvolvem estratégias de sobrevivência particulares ou coletivas, quando integrados a movimentos sociais rurais (embora não exclusivamente com contingentes rurais) como o MST, o de maior expressão até o momento. (RUA, 2005, p.48) Tanto descaso com a população local, todo este jogo que deixa sempre o trabalhador a mercê de sua própria sorte, é muito presente na região do Vale. E foi esta a realidade observada na operação de retorno do Projeto Rondon neste início de Comercinho- MG apresentou-se como um município carente socialmente, que deixa a desejar quando o assunto são as políticas públicas da região. Isso acontece principalmente porque as terras estão concentradas sob o comando de poucos latifundiários, enquanto os lavradores se submetem a uma vida de pobreza. Além disso, o governo municipal é composto por estes mesmos latifundiários que acabam se beneficiando de alguma maneira. Toda esta situação ainda é agravada pelo clima da região, que trás sérios problemas decorrentes da seca. Ressaltando que, a seca é sim um agravante que dificulta a vida e a lida de milhares de moradores do Vale do Jequitinhonha, mas, este fator climático não pode ser utilizado

13 como justificativa para a pobreza existente na região. Afinal, é muito cômodo para o Estado apoiar-se na seca para acobertar o latifúndio, a má distribuição de renda e terra e a conseqüente miséria da população. Diante de tantas carências, aliadas à falta de apoio governamental e somado a isso, as conseqüências da seca na região, fazem com que a cada dia mais pessoas busquem na migração a possível solução para seus problemas. Os deslocamentos de habitantes da região do Vale acontecem principalmente em direção ao Sudeste do país, para servirem de mão de obra em culturas sazonais como a cana de açúcar e o café. A migração torna-se então a solução mais imediata para as dificuldades enfrentadas pelos habitantes que ficam sem trabalho e sem meios para sustentar suas famílias. Contudo, sabe-se que, o deslocamento destas pessoas para centros urbanos acaba colocando-as à margem da sociedade e fazendo-as enfrentar novamente um cotidiano de muita luta e poucas vitórias. Mesmo que esta população não se desloque para outros municípios, ou grandes centros urbanos, a saída do campo pode resultar em mais moradores na cidade de Comercinho MG. E, devido suas precárias condições de saneamento, infra estrutura, isso pode piorar a qualidade de vida da população. Como se pode observar na Tabela 2, a população residente na área urbana cresceu entre 1970 e 2000, sendo que, houve um crescimento significativo desta população entre 1980 e 2000, ou seja, em 20 anos de contabilização da população urbana no município de Comercinho - MG observa-se que este número praticamente dobrou. Com isso, o número de habitantes da zona rural deste município sofreu redução considerável no decorrer de 30 anos de contabilização, resultado da migração da população rural para a área urbana do município, ou para demais municípios da região e do país, provavelmente em busca de melhorias na qualidade de vida, já que o campo deixa de ser a fonte de sustento de diversas famílias. População Residente 1970, 1980, 1991, 2000, 2005 ANOS URBANA RURAL TOTAL (1) Tabela 2: População residente no município de Comercinho - MG Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

14 (1) Dados preliminares É neste contexto que o presente trabalho pretende apresentar as relações entre os latifundiários e a população habitante de Comercinho- MG, e também como estas relações afetam a migração de pessoas do campo para a cidade, mesmo que a cidade não possua condições favoráveis para receber e abrigar estes novos habitantes. METODOLOGIA: Característica da área de Estudo Comercinho é um município localizado no Vale do Jequitinhonha (Mapa 1), na microrregião de Pedra Azul, segundo informações do IBGE/2008. Possui uma população de habitantes, segundo o IBGE/2009. Mapa 1: Localização de Comercinho MG Fonte: Os municípios limítrofes à Comercinho são Medina, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Rubelita e Itinga. O município é conhecido como "Terra da Cachaça" por produzir artesanalmente uma das melhores aguardentes do país. Dentre elas, estão a Contra-veneno, a Vencedora, a Baianinha e a cachaça Favorita. O Município também se destaca na produção de fumo e pecuária. Procedimentos metodológicos Etapa 1: Conhecimento da área de estudo: A partir da Operação Verão 2009, que consistia em um retorno ao município de Comercinho MG, foi possível conhecer a

15 estrutura política, social, dentre outros do local surgiu a necessidade de se relatar a situação do latifúndio neste município e como isso afeta diretamente o bem-estar da população local. Etapa 2: Questionamentos com a população: Após uma análise prévia da situação do local, via-se a necessidade de compreender a visão da população acerca do cenário político e social do município, para isso foi realizado questionamentos, com anotações e discussões com os moradores locais e a equipe da operação do projeto. Etapa 3: Organização dos dados coletados: Para relato do que foi presenciado na Operação do Projeto Rondon, os dados coletados no local foram atrelados a bibliografias referentes ao assunto para que se complementassem na fundamentação do trabalho. RESULTADOS: Após constatar a situação de carência enfrentada pela população de Comercinho-MG, deve-se salientar que a mesma pode ser considerada insustentável por acreditar que ela pode não possuir uma solução em curto prazo, já que, o governo municipal composto por latifundiários concentradores da renda do município, não demonstram aparentemente medidas que atuem na modificação desta realidade encontrada. Observa-se que a população almeja e promove algumas ações na tentativa de mudar o cenário que estão inseridos, mas, geralmente ao se depararem com algumas situações, tais como, políticas que menosprezam os pequenos trabalhadores, promessas não cumpridas pelos políticos, são desmotivados. Enquanto o latifúndio concentra as terras da região, deixando lavradores sem sua fonte de sobrevivência, a cidade vem abrigando estes habitantes que deixam a zona rural em busca de trabalho no meio urbano. Mas, como se pode observar, a cidade não possui a mínima estrutura para acolher esta população que vem se deslocando, deixando-os em situação igualmente precária e miserável. Toda a análise do trabalho conclui que o país tem um histórico grave de desigualdades territoriais. E se tratando essa análise de poder público, como grande colaborador de tal situação, é preciso solucionar primeiramente a política do Brasil, para depois propor leis que favoreçam territorialmente e igualmente os moradores dessa nação, e assim fazê-las cumprir. A reforma agrária precisa ser vinculada à reformas políticas para futuramente

16 se tornar uma realidade concreta e vigente. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: MORENO, C. A colonização e o povoamento do Baixo Jequitinhonha no século XIX: a guerra contra os índios. Belo Horizonte: Canoa das Letras, RIBEIRO, R. Campesinato: Resistência e Mudança O caso dos atingidos por barragens do vale do Jequitinhonha f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, RUA, J. A resignificação do rural e as relações cidade-campo: uma contribuição geográfica. Revista da ANPEGE, Fortaleza, n. 2, ano 2, p , 45-66, SILVA, J. C. F. Políticas Públicas no Vale do Jequitinhonha: a difícil construção da nova cultura política regional. Alpharrabio Edições, São Caetano do Sul, Vasconcelos, Adriana. Prefeito de cidade do vale do Jequitinhonha baleado. O Globo, 18 mar Disponível em < >. Acesso em: 16/08/2009. Vieira, Ana Maria. UFMG finaliza diagnóstico sobre a região do Jequitinhonha em parceria com a população. CEDEFES. 14 jul Disponível em <http://www.cedefes.org.br/new/index.php?conteudo=materias/index&secao=5&tema= 11&materia=2783 >. Acesso em: 16 ago Autor desconhecido. Municípios Mineiros: Município Comercinho. Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais, Disponível em

17 <http://www.almg.gov.br/index.asp?grupo=estado&diretorio=munmg&arquivo= municipios&municipio=17009>. Acesso em: 17 ago

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Núcleo Regional de Educação de Toledo Colégio Estadual Jardim Gisele Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2015 TRABALHO DOCENTE Estabelecimento

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

Movimentos sociais - tentando uma definição

Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais - tentando uma definição Analogicamente podemos dizer que os movimentos sociais são como vulcões em erupção; Movimentos sociais - tentando uma definição Movimentos sociais ocorrem quando

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

"Xiculungo" Relações Sociais da Pobreza Urbana em Maputo, Moçambique

Xiculungo Relações Sociais da Pobreza Urbana em Maputo, Moçambique "Xiculungo" Relações Sociais da Pobreza Urbana em Maputo, Moçambique Um estudo realizado em colaboração com o MPD e financiado pelo DfID por Margarida Paulo Carmeliza Rosário Inge Tvedten Introdução Informações

Leia mais

ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA

ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA ALUNO ESTRANGEIRO NA ESCOLA, E AGORA?: UM ESTUDO EM PORTO VELHO- RONDÔNIA Autores: Jheiniffer Álex Maciel MENDES, Rosa Martins Costa PEREIRA, Josiel Neves da SILVA, Clara Miranda SANTOS Identificação dos

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Fundação Nacional do Índio Diretoria de Proteção Territorial Coordenação Geral de Monitoramento Territorial Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Mudanças

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno.

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. Questão 11 O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. b) Porque há diferentes modos de ocupação do solo. Nas áreas onde a cobertura vegetal é mais densa, ocorre uma

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Visão Estratégica de Longo Prazo.

Visão Estratégica de Longo Prazo. Visão Estratégica de Longo Prazo. João Pessoa PB. Outubro de 2013 O MERCADO COMUM DO NORDESTE Adm. José Queiroz de Oliveira ESPECIALISTA PREVÊ SECAS MAIS INTENSAS E LONGAS NO NORDESTE. SE O HOMEM NORDESTINO

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. Geografia 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Verdadeiro ( V ) ou falso ( F )? Responda considerando a localização do território brasileiro no planeta. a) o oceano que banha

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

QUESTÃO AGRÁRIA EM IBICOARA-BA: ANTES E DEPOIS DA BARRAGEM DO APERTADO

QUESTÃO AGRÁRIA EM IBICOARA-BA: ANTES E DEPOIS DA BARRAGEM DO APERTADO QUESTÃO AGRÁRIA EM IBICOARA-BA: ANTES E DEPOIS DA BARRAGEM DO APERTADO Rogério Mucugê Miranda 1 Grupo de Pesquisa Desenvolvimento, Sociedade e Natureza DSN Universidade Católica do Salvador - UCSal Cristina

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais