NORMA PROCEDIMENTAL ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO E PROTOCOLO MÉDICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA PROCEDIMENTAL ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO E PROTOCOLO MÉDICO"

Transcrição

1 /14 1. FINALIDADE Regulamentar o processo de elaboração de Procedimento Operacional Padrão para as áreas administrativas e de enfermagem, e de Protocolo Médico para a área médica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores da Instituição e, em especial, no Hospital de Clínicas HC da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Não existe legislação específica. 4. CONCEITOS BÁSICOS - Procedimento Operacional Padrão POP É o documento que expressa o planejamento e orienta a prescrição das operações, mediante um padrão de conduta, para a execução de atividade profissional específica ou de enfoque multiprofissional. - Protocolo Médico - PM Instrumento que possui as mesmas características do POP, porém direcionado à área médica. - Fluxograma Instrumento gráfico destinado a facilitar a visualização dos passos de um procedimento técnico. - Tarefa Ação realizada para atingir um objetivo pré-determinado. 5. NORMAS 5.1. DA REGULAMENTAÇÃO E ATUALIZAÇÃO a) Os POP e PM deverão passar obrigatoriamente pela Pró-Reitoria de

2 /14 Planejamento e Desenvolvimento - Proplan, para regulamentação e atualização. b) É de competência exclusiva de cada setor manter-se atualizado com relação ao acompanhamento da legislação técnica de sua área e aos avanços tecnológicos pertinentes. c) Compete à Proplan, em conjunto com cada setor específico, controlar todos os POP e PM existentes na Instituição. d) Todos os documentos, para obterem valor legal deverão ser aprovados pelo Superintendente do Hospital, ou pelo Pró-Reitor ou pelo Diretor do Instituto da área à qual estiver vinculado o POP ou o PM DA IMPORTÂNCIA DO POP a) O POP e o PM têm importância capital dentro de qualquer processo funcional, cujo objetivo básico é garantir, mediante uma padronização, os resultados esperados em cada tarefa executada. b) A padronização anula a justificativa de não conhecimento do processo de realização das tarefas, o que facilita a cobrança da correta execução destas. Por outro lado, oferece maior segurança ao colaborador na execução de suas atividades diárias ESTRUTURA BÁSICA DO POP Embora esta Norma defina uma estrutura básica para a elaboração do POP e do PM, ela permite uma flexibilidade para se colocar as informações de forma a auxiliar na performance da execução das tarefas e/ou operação, tais como: figuras, manuais técnicos, normas nacionais e internacionais, manuais de referência, desenhos técnicos, código de conduta, formulários, instruções e listas de verificação, fluxograma (ver item 8.4), diagramas (ver item 8.5), Rotina Operacional Padrão (ver item 8.6), entre outros. É essencial, também, colocar todas as informações necessárias ao bom desempenho da tarefa. Obs: Cada setor deverá analisar, para cada processo específico, qual o instrumento (POP) que melhor se aplica à sua realidade. Para isto, esta Norma apresenta 2 (duas) opções: Estrutura do POP - Opção A - áreas administrativas (ver exemplo, no item 8.1) a) Tarefa - nome da tarefa pertinente ao documento. b) Responsável - título do cargo responsável pela execução da tarefa. c) Recursos necessários - elenco de peças, materiais, equipamentos, softwares, informações necessárias, etc., para a execução da tarefa.

3 /14 d) Atividades críticas - são as atividades fundamentais, que requerem atenção especial, ou seja, se não forem executadas, todo o trabalho ficará comprometido. e) Cuidados especiais - informa eventuais cuidados a serem tomados na execução do trabalho, de forma preventiva, e também a necessidade da utilização de equipamentos especiais ou de proteção. f) Procedimentos básicos - descreve o roteiro e os procedimentos para a execução das tarefas, e devem ser apresentados de acordo com a melhor seqüência operacional. g) Resultados esperados - relata a quantidade/qualidade, os prazos estabelecidos (metas), objetivos e outros itens relativos à execução da tarefa. h) Ações corretivas - descreve, em caso de anomalias e não conformidades na execução da tarefa, que procedimentos devem ser seguidos e como corrigir as falhas. i) Elaboração/Aprovação - espaço destinado à assinatura dos colaboradores que elaboraram a Instrução e do responsável pela aprovação Estrutura do POP - Opção B - áreas de enfermagem (ver item 8.2) a) Conceito sintetizar os procedimentos a serem realizados. b) Responsável pela prescrição informa o(s) nome(s) da(s) categoria(s) profissional (is) do(s) responsável (is) pela prescrição do procedimento. c) Responsável pela execução informa o(s) nome(s) da(s) categoria(s) profissional (is) do(s) responsável(is) pela execução do procedimento. d) Finalidade estabelece qual(is) o(s) objetivo(s) para realizar o referido procedimento. e) Indicação prediz em quais situações o procedimento deve ser utilizado. f) Material relata todos os materiais, medicamentos, equipamentos e outros necessários para a execução do procedimento. g) Descrição da técnica - descreve o roteiro dos procedimentos que devem ser realizados, de acordo com a melhor seqüência operacional. h) Justificativas argumenta sobre a necessidade da realização de cada um dos itens apresentados na descrição técnica. i) Resultados esperados - relata a quantidade/qualidade, os prazos estabelecidos (metas), objetivos e outros itens relativos à execução do procedimento.

4 /14 j) Cuidados especiais - informa eventuais cuidados a serem tomados na execução do trabalho de forma preventiva, como também a necessidade da utilização de equipamentos especiais ou de proteção. k) Elaboração/Aprovação - espaço destinado à assinatura dos colaboradores que elaboraram a Instrução e do responsável pela aprovação Estrutura do PM área médica (ver exemplo, no item 8.3) Como foi mencionado no item 5.3, a Norma define a estrutura básica para elaboração do POP; e para o PM a flexibilização deve, segundo a sua necessidade ser ainda maior. É essencial, também, colocar todas as informações necessárias ao bom desempenho das tarefas contidas no PM. a) Definição deve ser colocado de forma clara e sucinta o escopo do que se trata. b) Fatores de risco informa condições que predispõem o cliente a maior risco de desenvolver a doença de escopo do PM em questão. c) Exames - informa os tipos de exames que devem ser realizados. d) Conduta estabelece a conduta a ser seguida em relação à dieta, atividades físicas, controles médicos, tratamentos e procedimentos. 6 PROCEDIMENTOS GERAIS 6.1. DOS GESTORES SETORIAIS a) Elaborar, em conjunto com a sua equipe, o POP, de acordo com os processos operacionais do setor. b) Encaminhar à Proplan, o POP, para ajustes técnicos de elaboração e processo de controle DA PROPLAN a) Após o recebimento do POP, avaliá-lo e fazer os ajustes técnicos necessários. b) Submeter o POP à apreciação da SMOEST Serviço Médico Oficial Engenharia e Segurança do Trabalho para avaliação específica. c) Após efetuar os controles pertinentes, encaminhar o POP para aprovação AVALIAÇÃO E APROVAÇÃO

5 /14 a) Ao receber o POP, o Superintendente, o Pró-Reitor ou o Diretor de Instituto, conforme a sua área de competência, deverá processar a avaliação final para aprovação. b) Em caso de restrições, efetuar as devidas considerações e devolver à Proplan, para os ajustes necessários, em conjunto com o setor interessado. c) Caso esteja de acordo, assinar o POP e devolvê-lo à Proplan, para efetivação do registro final, no instrumento de controle DA PROPLAN Obs: No caso de o POP abranger os profissionais da área médica, deverá, também, ser assinado pelo Diretor Clínico. Encaminhar o POP para o setor específico para promover a sua implantação. Obs: No caso do POP abranger os profissionais da área de enfermagem, encaminha-lo ao Serviço de Educação em Enfermagem SEE, responsável pelo treinamento e implantação das respectivas Instruções. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7.2. Esta Norma entrará em vigor em

6 /14 8. ANEXOS 8.1. OPÇÃO A EXEMPLO DE PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO POP (ÁREA ADMINISTRATIVA) TAREFA: Conserto de Chuveiro PROTOCOLO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº 000 : 00/00/00 MANUTENÇÃO (DIVERSOS) REVISÃO: 1ª RECURSOS NECESSÁRIOS: Alicate, chave de fenda, fita isolante, resistência elétrica e multímetro. ATIVIDADES CRITÍCAS: - Desligar a corrente elétrica. - Fechar o registro d água. RESPONSÁVEL: Eletricista CUIDADOS ESPECIAIS: - Verificar se a chave de controle da temperatura continua desligada. - Ao término do serviço, antes de ligar a chave de controle da temperatura, abrir a torneira e deixar a água escoar pelo chuveiro. PROCEDIMENTOS BÁSICOS: - Desligar a corrente elétrica. - Fechar o registro hidráulico. - Retirar a tampa inferior. - Trocar a resistência queimada pela nova. - Verificar se os contatos estão fechados. - Limpar os furinhos da tampa inferior. - Recolocar a tampa no lugar. RESULTADOS ESPERADOS: - Água quente. - Maior vazão d água no chuveiro. - Controle de temperatura (quente, morno e frio). - Menor consumo de energia elétrica. AÇÕES CORRETIVAS: - Se a água continuar saindo fria, substituir a resistência (nova), caso ela seja o problema. - Caso saia pouca água, limpar novamente a tampa inferior. APROVAÇÃO: Elaborado por Aprovado chefia imediata Aprovação final

7 / OPÇÃO B EXEMPLO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP (ÁREA DE ENFERMAGEM) PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº 000 Retirada da Sonda Vesical de Demora : 00/0/00 REVISÃO: 1ª Conceito: É a retirada de uma sonda/catéter da bexiga, através do meato uretral Responsável pela prescrição: Médico Responsável pela execução: Médico, Enfermeiro, técnico e auxiliar de enfermagem; acadêmicos de medicina, enfermagem e técnico de enfermagem acompanhados pelo professor e/ou responsável Finalidade: - Reduzir a ansiedade do cliente - Diminuir a probabilidade de infecção urinária - Promover conforto e bem estar ao cliente Indicação: - Pós-operatório - Término do tratamento indicado Contra indicação: - Inexiste Material: 1 cuba rim 1 seringa descartável de 20 ml gases 1 par de luvas de procedimento 1 compressa não esterilizada Descrição da técnica: 1. Lavar as mãos 2. Reunir o material necessário 3. Explicar o procedimento a ser realizado e sua finalidade ao cliente 4. Colocar biombo ao redor do leito 5. Paramentar-se com os EPIs (máscara, avental, luvas de procedimento e óculos) 6. Posicionar o cliente em decúbito dorsal, com os membros inferiores estendidos (sexo masculino) e em abdução (sexo feminino) 7. Expor região genital e colocar uma compressa abaixo da região genital 8. Realizar a monobra de crede (compressão suprapúbica para retirada do débito e resíduo urinário) 9. Clampar a extensão do sistema de drenagem Justificativas: 1. Reduz transmissão de microorganismos 2. Economiza tempo 3. Reduz ansiedade e promove cooperação 4. Promove a privacidade do cliente 5. Precaução padrão 6. Facilita a execução da técnica 7. Evita que o lençol fique molhado 8. Promove a redução da urina residual 9. Promove a retirada da sonda

8 /14 (Continuação) PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Nº 000 Retirada da Sonda Vesical de Demora : 00/00/00 REVISÃO: 1ª 10. Retirar a fixação da sonda 11. Conectar a seringa no lúmen lateral da sonda e aspirar toda a água destilada do balonete 12. Comunicar ao cliente o momento da retirada da sonda 13. Iniciar a retirada da sonda, de maneira lenta e contínua até a completa exteriorização 14. Recolher o material 15. Colocar o cliente em posição confortável 16. Recompor a unidade do cliente 17. Encaminhar o material ao expurgo e desprezá-lo adequadamente 18. Retirar as luvas de procedimento e lavar as mãos 19. Proceder anotação de enfermagem no prontuário, contendo as seguintes informações: hora da retirada do catéter, cooperação do cliente e ocorrências adversas (se houver) 20. Monitorar a ocorrência de micção espontânea 10. Promove a retirada da sonda 11. Promove a deflação do balonete 12. Diminui a ansiedade e promove a cooperação 13. Objetivo do procedimento 14. Promove ambiente favorável 15. Promove conforto 16. Promove ambiente favorável 17. Promove ambiente favorável 18. Reduz transmissão de microorganismos 19. Qualidade, documentação e legislação 20. Pode haver retenção urinária Resultados Esperados: - Retirada da sonda após 10 horas de reeducação vesical - Ausência de trauma na uretra na retirada da sonda - Manutenção do padrão urinário normal - Realização do procedimento sem intercorrências Cuidados Especiais: Após desensuflar o balonete, retirar a sonda de maneira contínua sem forçar. Aprovação: Elaborado por Aprovado chefia imediata Aprovação final

9 / EXEMPLO DE PROTOCOLO MÉDICO - PM PROTOCOLO MÉDICO PM Nº 000 DIABETES GESTACIONAL : 00/00/00 REVISÃO: 1ª Definição É uma doença metabólica por hiperglicemia e por intolerância aos carboidratos, de intensidade variada, diagnosticada durante a gestação, podendo ou não persistir após o parto. Fatores de risco: - idade superior a 25 anos; - história pessoal; - parentes próximos com diabetes tipo I; - antecedentes obstétricos: macrossomia, polidrâmnio, morte fetal ou neonatal inexplicada, más formações e retardo do crescimento fetal. Exame físico geral: baixa estatura, hipertensão arterial, disposição de gordura corporal central e excessiva. Exame obstétrico atual: - ganho de peso excessivo; - altura uterina maior que a esperada; - crescimento fetal excessivo; - polidrâmnio, pré-eclâmpsia. Conduta: A gestante que apresentar diabetes gestacional deve ser encaminhada ao o serviço de referência. - Dieta: Deve ser orientada de acordo com o estado nutricional da gestante, avaliando o IMC pré-gravídico, de tal maneira a permitir um ganho adequado de peso. - Cálculo do IMC Pré-gravídico: Peso pré-gravídico IMC = Altura x altura

10 /14 (Continuação) - Ganho de peso recomendado para a gestante com diabetes gestacional Estado Nutricional IMC Pré-Gravídico Ganho de peso recomendado (kg) (kg/m 2 ) Total Semanal Peso baixo < 19,8 12,5 a Normal 10,9 a 26 11,5 a Sobrepeso 26 a 29 7,0 a 11,5 0,3 Obesidade > 29 < 7,0 - a) Quando o índice for normal, a ingestão calórica diária pode ser estimada por aquela pré-gravídica, acrescentando 3000 Kcal/dia a partir do 2º trimestre. b) Em gestantes com sobrepeso ou obesas, pequenas reduções calóricas podem ser recomendadas dietas com até 1800 Kcal/dia não parecem induzir efeitos adversos ao feto. c) A dieta deve ser fracionada em 5 ou 6 refeições diárias. d) Evitar jejum prolongado e não omitir refeições. e) Aumentar a ingestão de água no intervalo das refeições. f) A gestante com bom controle, caso seja permitido, pode ingerir carboidratos de absorção rápida, como o açúcar, dentro do cálculo total da dieta. g) Diminuir o consumo de gorduras saturadas (creme de leite, manteiga, maionese, frituras, carnes gordas, etc). h) Adoçantes artificiais não calóricos podem ser utilizados, evitando-se aqueles com sacarina. - Atividade Física: Pacientes sedentárias devem ser orientadas a iniciar um programa de caminhadas regulares e/ou exercícios de flexão de braços. - Controle glicêmico: a) É feito, sempre que possível, com glicemias de jejum e pós-prandiais semanais. b) A glicosúria não é útil na monitoração do controle metabólico na gravidez. - Tratamento com insulina: a) Será indicada se, após 2 semanas de dieta, os níveis glicêmicos permanecerem elevados:. Glicemia de jejum: 105 mg%;. 2 horas pós-prandiais: 120 mg%. b) O crescimento fetal exagerado (circunferência fetal percentil 75), evidenciado em ecografia obstétrica realizada na 29ª e 33ª semanas de gestação, também é critério para o uso de insulina

11 /14 (Continuação) c) A dose inicial de insulina deve ser em torno de 0,3 a 0,54 U/Kg, administrada várias vezes ao dia. Pode ser feita associação de insulina de ação intermediária e rápida, para o uso individual. Recomenda-se o uso de insulina humana. d) Recomenda-se, caso haja possibilidade, monitorização domiciliar da glicemia capilar, que deve ser feita de 3 a 5 vezes por dia. e) A necessidade insulínica tende a aumentar progressivamente durante a gravidez. f) É contra-indicado o emprego de antidiabéticos durante a gravidez. Conduta obstétrica: - O controle é o mesmo para gestação de risco: até 36 semanas de gestação, o exame deve ser semanal ou a cada duas semanas, de acordo com a evolução clínica; após a 36ª semana, deverá ser semanal. - Ocorre um aumento na incidência de alterações hipertensivas na gestação com diabetes, exigindo cuidados especiais para a sua identificação e manejo. - Para as gestantes em uso de insulina, deverá ser indicada a ultra-sonografia e a cardiotocografia anteparto a partir de semanas. Parto: - Nas gestantes com ótimo controle do metabolismo, deve ser aguardada a evolução espontânea do parto. - A via de parto é uma decisão obstétrica, após estimar peso fetal por avaliação clínica e ultra-sonografia. - Gestantes em uso de insulina requerem atenção especial: a) Se o parto for acontecer antes de 39 semanas de gestação, deve ser feita amniocentese para avaliar a maturidade pulmonar, com dosagem de Fosfatidilgliocerol e avaliação da relação entre Lecitina e Esfingomielina ou dosagem de corpos lamelares; b) Quando o parto for programado, a gestante deve ficar em jejum e não receber a dose diária de insulina. c) O controle da glicemia capilar deve ser feito de hora em hora e, quando o metabolismo estiver bom e estável, a monitorização deve ser de 2 a 4 horas, devendo ser mantida entre 70 e 110 mg%. d) Recomenda-se a monitorização fetal intraparto e também a presença do neonatologista. Pós-Parto: - O aleitamento natural deve ser estimulado. - Observar os níveis glicêmicos nos primeiros dias pós-parto, pois muitas mulheres não necessitam mais usar insulina. Seu uso está indicado, quando ocorrer hiperglicemia no período de amamentação. - O estado de regulação da glicose deve ser reavaliado a partir de 06 semanas após o parto, empregandose glicemia de jejum ou teste oral de tolerância com 75g de glicose.

12 / FLUXOGRAMA: RASTREAMENTO DE DIABETES GESTACIONAL Gestante em Investigação de Diabetes Gestacional < 90 mg% 90 mg% Glicemia de jejum dois ou mais fatores positivos Sim Não < 90 mg% Glicemia de jejum a partir da 20ª 90 mg% Rastreamento positivo 110 mg% TTG (Teste de Tolerância à Glicose) 140 mg% TTG 75g/2h a partir da 20ª semana < 140 mg% 140 mg% Diabetes Gestacional Rastreamento negativo Encaminhar ao Pré- Natal de Alto Risco

13 / DIAGRAMA DE APLICAÇÃO TÉCNICA Objetivo: Estabelecer o conforto, bem-estar e segurança do cliente, favorecendo a recuperação dos ferimentos. ENFERMEIROS AUX. E TÉC. EM ENFERMAGEM Avaliar as condições do cliente Fazer e/ou prescrever o curativo em 30 Com fixador Com faixa crepon erguer o membro pelo fixador e amarrar no quadro balcânico Verificar o fixador Sem fixador Determinar ajuda Retirar as faixas de algodão e irrigar as gazes aderidas à ferida - Preparar os materiais para o curativo. - Lavar bem a ferida com SF 0,9% morno e em chuveirinho, furado com agulha 12 esterilizada. - Aplicar PVPI 1 em volta da ferida, não na ferida viva. - Lavar exaustivamente a área contaminada ou infectada com soro morno. - Aplicar óleo hidratante ou pomada composta, no 1º curativo, no tecido vivo para mantê-lo umedecido. - Ocluir com algodão hidrófilo ou ortopédico esterilizado em grande quantidade. - Não aplicar gaze seca ou similar sobre a ferida. - Enfaixar com crepe esterilizado. - No uso de tala gessada, colocar luva d água sobre protuberância óssea do calcâneo. - A partir do 2º curativo, quando surgir tecido morto ou necrose, usar papaína 10%. Com a evolução e melhora da ferida, usar de 6%, 3% ou composta ou, ainda, creme de lanete até o final. - Trocar todo dia pelo menos uma vez. - Manter o curativo úmido. - Ao retirar o curativo velho, não puxe Iniciar pelo curativo asséptico 8.6. ROTINA OPERACIONAL PADRÃO

14 /14 ROTINA OPERACIONAL PADRÃO ROP Nº 000 ROTINA (Nome) : 00/00/00 REVISÃO: 1ª FINALIDADE ÂMBITO DE APLICAÇÃO COMPETÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL NORMAS AGENTE AÇÃO NÃO CONFORMIDADE

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese.

Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. PÁG:1 CONCEITO Consiste na introdução de um cateter estéril via uretral até a bexiga para esvaziamento e controle da diurese. FINALIDADE - Promover a drenagem urinária. -Realizar o controle rigoroso do

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual

Norma - Algaliação. Terapêutica Permitir a permeabilidade das vias urinárias. Diagnóstica Determinar por exemplo o volume residual Norma - Algaliação DEFINIÇÃO Consiste na introdução de um cateter da uretra até á bexiga. É uma técnica asséptica e invasiva. Sendo uma intervenção interdependente, isto é, depende da prescrição de outros

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Sondagens Gastro Gastro-intestinal Vesical Retal Priscilla Roberta Rocha Enfermeira - Especialista em Clínica Médica DEFINIÇÕES SONDA - Tubo que se introduz no organismo em canal natural ou não, para reconhecer-

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014

Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical KAREN CRISTINA KADES ANDRIGUE 02/2014 Cateterismo Vesical Termo correto = CATETERIZAÇÃO VESICAL Cateter: dispositivo tubular com luz, mais utilizados para drenagem de líquidos ou infusão

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM ENFERMAGEM NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR 6º NORTE - HCPA PORTO ALEGRE 1 MARIA LUÍSA MACHADO ASSIS RELATÓRIO

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Autor(es): Júlia Maria Martins Vieira 1 ; Kessila Nayane Costa Cruz 1 ; Pâmella Ferreira Rodrigues 1,2 ; Tutor:

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 007/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre o processo de elaboração de protocolos assistenciais. I Do Fato Trata-se de solicitação sobre a elaboração de protocolos assistências

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa

SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa Grupo Hospitalar Conceição Hospital Nossa Senhora da Conceição SONDAGEM VESICAL INTERMITENTE Técnica limpa Orientações para pacientes, familiares e cuidadores Maio 2011. 1 Sondagem Vesical Intermitente

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Auxiliar de Enfermagem

Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Enfermagem 01.01.01.001-0 - Atividade Educativa / Orientação em Grupo na Atenção Básica - Consiste nas atividades educativas, em grupo, sobre ações de promoção e prevenção à saúde, desenvolvidas

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras)

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) Fatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como conseqüência sua marca no território

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO 1. Introdução Admissão ou ato de admitir significa receber o beneficiário no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Para a equipe de enfermagem esse é o momento de atender às demandas assistenciais; coletar

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho

Cateterismo Vesical. APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterismo Vesical APRIMORE- BH Professora: Enfª. Darlene Carvalho Cateterização intermitente Alivio do desconforto da distensão da bexiga, provisão da descompressão Obtenção de amostra de urina estéril

Leia mais

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com. PRESSURIZADOR ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.br Lorenzetti S.A. Indústrias Brasileiras Eletrometalúrgicas Av. Presidente Wilson, 1230 - CEP 03107-901 Mooca - São Paulo - SP

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXELÔ CONCURSO PÚBLICO 001/2014 DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo ENFERMEIRO PSF

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Cuidados no Transporte de Pacientes Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Conceito O transporte pode ser intra ou interhospitalar. O transporte intra-hospitalar pode ser transferência temporária ou definitiva

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ;

Centro de Cuidados de Enfermagem: Integrando o ensino, a pesquisa e extensão ; DESENVOLVIMENTO DO PROTOCOLO DE CURATIVO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA DEMANDA DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Peruzzo, Simone Aparecida 1 ; Boller, Shirley 2 ; Taube, Samanta AM 3 ; Soares, Franciele 4 ; Stahlhoefer,

Leia mais

Detalhamento Cód. 197511

Detalhamento Cód. 197511 DIR050 - Fluxo de elaboração e aprovação de POP s - NOVA VERSÃO (consolidado) v.1 Detalhamento Cód. 197511 POP: Administração de Dieta ao Recém Nascido por Sonda de Alimentação Enteral e Bomba de Infusão

Leia mais

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1

DATA: 18/11/2013 PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº073. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na aferição da glicemia capilar em pacientes de todas as faixas etárias através de uma gota de sangue fresco adquirida com punção puntiforme utilizando glicosímetro

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO Rosy Ane de Jesus Barros SISTEMATIZAÇÃO PARA O RASTREAMENTO DO DIABETES GESTACIONAL - para todas as gestantes, na primeira consulta de pré-natal: glicemia plasmática

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Preparo e Administração de Medicação por Via Subcutânea Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Lícia Mara

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Estudo de Caso - HB Saúde

Estudo de Caso - HB Saúde Estudo de Caso - HB Saúde Enfª Elisângela Empório Médico Nutricionista Maristela Empório Médico Dra. Vera Sukumine Médica HB Saúde S. J. Rio Preto Enfº Aderson HB Saúde São José do Rio Preto Identificação

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

3 Manual de Instruções

3 Manual de Instruções 3 Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE Linhas de cuidado E a integralidade na atenção à saúde da mulher KARINA CALIFE Linha de Cuidado da Gestante e da Puérpera no SUS SP KARINA CALIFE DIRETRIZES POLÍTICAS - ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Respeito

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais