Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca"

Transcrição

1

2 Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca IPBeja/Maio de 2012

3 IPBEJA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS Manual de Procedimentos ÍNDICE ÍNDICE DE ANEXOS NOTA INTRODUTÓRIA NOTA DE REALIZAÇÃO BREVE GLOSSÁRIO DOCUMENTAÇÃO / LEGISLAÇÃO CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES DE CARREIRA ELABORAÇÃO DO CONTRATO CONTRATAÇÃO DE DOCENTES CONVIDADOS RECRUTAMENTO DE PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATAÇÃO DE BOLSEIROS APÓS SERIAÇÃO PROCESSOS RELATIVOS A PRÉMIOS DE DESEMPENHO E ALTERAÇÕES REMUNERATÓRIAS RESCISÃO, DEMISSÃO E APOSENTAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE RESCISÃO DE CONTRATOS APOSENTAÇÃO INSTRUÇÃO DE PROCESSOS RELATIVOS À ACUMULAÇÃO DE SERVIÇO ELABORAÇÃO E ANALISE DO BALANÇO SOCIAL DA INSTITUIÇÃO PREPARAÇÃO DE ELEMENTOS NECESSÁRIOS À CONTA DE GERÊNCIA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO REFERENTE AO PESSOAL TRATAMENTO E DIFUSÃO SISTEMÁTICA, DA INFORMAÇÃO DE INTERESSE PARA TODO O PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE

4 16. LEVANTAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DAS FUNÇÕES, COM VISTA À DEFINIÇÃO DOS PERFIS CORRESPONDENTES AOS POSTOS DE TRABALHO DE CADA TRABALHADOR NÃO DOCENTE TRATAMENTO DOS DADOS DESTINADOS À ELABORAÇÃO DE ESTATÍSTICAS E PREENCHIMENTO DE DIVERSOS MAPAS ELABORAÇÃO DE MAPAS DE PREVISÃO DE ENCARGOS COM O PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE ORGANIZAR E MANTER ACTUALIZADO O CADASTRO DE PESSOAL CONTROLAR E MANTER ACTUALIZADA TODA A INFORMAÇÃO RELATIVA À FORMAÇÃO AVANÇADA DO PESSOAL DOCENTE FORMAÇÃO ADQUIRIDA: FORMAÇÃO FREQUENTADA: TRATAMENTO E REGISTO DE DOCUMENTAÇÃO RELATIVA À MARCAÇÃO, ALTERAÇÃO E GOZO DE FÉRIAS DOS TRABALHADORES MARCAÇÃO DE FÉRIAS ALTERAÇÃO DE FÉRIAS CONTROLO, PEDIDO E ACTUALIZAÇÃO DOS CARTÕES DE IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHADOR INSTRUIR OS PROCESSOS RELATIVOS A FALTAS E LICENÇAS ADSE INSCRIÇÃO DO PRÓPRIO TRABALHADOR: INSCRIÇÃO DE DESCENDENTE, CÔNJUGE OU NETOS: SEGURANÇA SOCIAL CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES MANUTENÇÃO INSCRIÇÃO INSTRUÇÃO DE PROCESSOS RELATIVOS AOS BENEFÍCIOS SOCIAIS DO PESSOAL E SEUS FAMILIARES PRESTAÇÃO FAMILIAR (REGIME CONVERGENTE) PRESTAÇÃO FAMILIAR (REGIME GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL) COMPARTICIPAÇÃO DE DESPESAS DE SAÚDE (ADSE) EMISSÃO DE CERTIDÕES E DECLARAÇÕES VENCIMENTOS, OUTROS ABONOS E RESPECTIVOS DESCONTOS VENCIMENTOS ABONOS REFERENTES AO PESSOAL DA HERDADE DO OUTEIRO

5 29.3. POC S E BOLSEIROS PAGAMENTOS ADICIONAIS PROCESSAMENTO DE HORAS EXTRAORDINÁRIAS RECUPERAÇÃO DE VENCIMENTO AJUDAS DE CUSTO AJUDAS DE CUSTO AFECTAS A PROJECTOS ADIANTAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO OBRIGAÇÕES DO INSTITUTO PERANTE A ADMINISTRAÇÃO FISCAL E A SEGURANÇA SOCIAL REPOSIÇÃO DE VENCIMENTOS ANEXOS 4

6 ÍNDICE DE ANEXOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH Anexo I: Anexo II: Anexo III: Anexo IV: Anexo V: Anexo VI: Anexo VII: Anexo VIII: Anexo IX: Anexo X: Anexo XI: Anexo XII: Anexo XIII: Proposta de Contratação de Pessoal Docente Informação de Cabimento Ficha Biográfica Boletim de Alteração de Dados Pedido de Alteração de Férias Faltas, Licenças e Outras Situações Prestações Familiares Horas Extraordinárias efectuadas Pedido de Recuperação do Vencimento de Exercício Perdido Formulário para pagamento de despesas de transporte Pedido de Estatuto de Trabalhador Estudante Pedido de Adiantamento de Ajudas de Custo Apresentação ao Serviço 5

7 1. NOTA INTRODUTÓRIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH Os Serviços de Recursos Humanos têm como missão prestar serviços de apoio à definição e concretização das políticas de gestão dos recursos humanos, garantindo eficiência e soluções técnicas adequadas no recrutamento, desenvolvimento e acompanhamento do pessoal docente e não docente do Instituto Politécnico de Beja. Sendo-lhes atribuídas as seguintes competências: Organizar os processos relativos ao recrutamento, selecção e provimento, bem como à promoção, progressão, recondução, prorrogação, mobilidade, exoneração, rescisão de contratos, demissão e aposentação do pessoal; Proceder ao controle das faltas e licenças do pessoal docente e não docente; Organizar e manter actualizado o registo em suporte informático dos processos individuais de todo o pessoal, bem como das alterações das situações funcionais; Assegurar todos os procedimentos relativos a vencimentos e demais abonos do pessoal docente e não docente; Organizar os processos relativos à formação profissional de todos os trabalhadores; Preparar os elementos necessários á conta de gerência, no que se refere a pessoal; Desempenhar quaisquer outras actividades relacionadas com a administração do pessoal que lhe sejam cometidas por lei ou decisão superior. Este documento pretende ser uma cumula de circuitos, procedimentos e descrições que visam servir de referência aos Serviços de Recursos Humanos do Instituto Politécnico de Beja (de ora em diante designado por SRH), bem como a todos os Serviços, Gabinetes, Departamentos e restantes utentes intervenientes, relativamente aos procedimentos em que os SRH assumem maior relevância. 6

8 O presente trabalho encontra-se dividido em duas partes. Uma primeira, designada por Breve Glossário e Documentação, onde se aborda o significado e conteúdo da nomenclatura e da documentação utilizada, a qual é apresentada como anexo; e uma segunda, designada por procedimentos que consiste em descrever o trabalho a ser desenvolvido pelos SRH. É de salientar que ao longo do documento é apresentada uma exposição verbal dos procedimentos realizados bem como uma representação visual (fluxograma) dos mesmos. 7

9 2. NOTA DE REALIZAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH O presente trabalho é o resultado de reuniões de análise realizadas entre os Serviços de Recursos Humanos e o Gabinete de Qualidade, Avaliação e de Procedimentos, com o objectivo de identificação e levantamento dos circuitos, procedimentos e propostas no âmbito da realidade vivida nos SRH. Assim, o resultado ora apresentado traduz o retrato fiel das relações internas existentes nos SRH, bem como das relações inter-serviços/gabinetes, em que os SRH desempenhem funções activas. Os Serviços de Recursos Humanos Os SRH, / / O Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos O GQUAP, / / O Administrador do IPBeja (Dirigente Responsável) O Administrador do IPBeja, / / O Presidente do IPBeja O Presidente do IPBeja, / / 8

10 3. BREVE GLOSSÁRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH ADSE Assistência à Doença aos Servidores do Estado. Ajudas de Custo Abono concedido por deslocações para fora do domicílio necessário 1, por motivos de Serviço Público. Balanço Social O Balanço Social é um instrumento de gestão que disponibiliza informação diversa sobre os recursos humanos de uma organização, demonstrando como a sua gestão eficiente contribui decisivamente para atingir os objectivos da entidade. Boletim Itinerário É o documento (impresso da imprensa nacional, fotocópia ou documento equivalente) que dá suporte ao abono das Ajudas de Custo e de Transportes. É preenchido um Boletim mensalmente (e não por cada deslocação que se faça), quando no mesmo mês ocorrerem deslocações em Território Nacional e em Território Estrangeiro devem ser preenchidos dois Boletins Itinerários diferentes, um para cada situação descrita. Cabimento Contabilístico Cativação de determinado montante no orçamento da Instituição, o qual fica unicamente adstrito a essa despesa específica, não pode ser dispendida em qualquer outra despesa. CGA Caixa Geral de Aposentações. 1 Considera-se domicílio necessário, para efeitos de Ajuda de Custo, a localidade onde o funcionário aceitou o lugar ou cargo ( art.º 2º do D.L - 106/98, de 24 de Abril). 9

11 Conta de Gerência Conjunto de diversos mapas e demais informação financeira, elaborada anualmente pelo Sector Financeiro, no final de cada exercício económico, onde é resumida toda a actividade da Instituição ao longo o período em análise e enviada a várias Entidades. Epública Aplicação Informática de Gestão Contabilístico-Financeira. GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. GQUAP Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos do Instituto Politécnico de Beja. Homebanking Serviço de gestão bancária remoto que se destina aos organismos públicos com autonomia administrativa, aos serviços e fundos autónomos (incluindo instituições públicas de ensino superior universitário e politécnico) e aos organismos cuja gestão financeira e patrimonial se rege pelo regime jurídico das entidades públicas empresariais. IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional. IGCP Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público INDEZ Inquérito anual realizado às Instituições de Ensino Superior Público, que tem por finalidade contribuir com informação para o respectivo orçamento de funcionamento. 10

12 IPBeja Instituto Politécnico de Beja. IRS Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares. Modelo 10 / Anexo J A designação Anexo J / Modelo 10 - Rendimentos e Retenções (art.º 119º, nº1 alínea c) do Código do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares e 120º do Código de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Colectivas), apesar de fazer referência a dois modelos declarativos distintos, tem subjacente o facto de ter sido criada a nova declaração Modelo 10, aprovada pela Portaria n.º 1145/2004, de 30/10, que veio substituir o Anexo J da Declaração Anual, com o objectivo de, para além do aperfeiçoamento na concepção do modelo declarativo e respectivas instruções de preenchimento, clarificar a nomenclatura do Anexo J da Declaração Modelo 3 do IRS. POC S Trabalhadores em Programas Ocupacionais do IEFP. REBIDES Registo Biográfico de Docentes do Ensino Superior, trata-se de um instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 6/89, de 15 de Abril), de resposta obrigatória, registado no Instituto Nacional de Estatística (INE), de periodicidade anual dirigido a todos os estabelecimentos de ensino superior. SIADAP A Lei n.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro, institui o Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública. 11

13 SIAG Sistema Integrado de Apoio à Gestão (programa informático de Gestão de Pessoal a partir do ano de 2010). SRH Serviços de Recursos Humanos. Upload de ficheiros Transferência de dados de um computador local para um servidor. 12

14 4. DOCUMENTAÇÃO / LEGISLAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH Abono de Família a Crianças e Jovens - Decreto-Lei nº. 176/2003, de 1 Agosto. Ajudas de custos no estrangeiro - Decreto-Lei nº. 192/95, de 28 Julho. Ajudas de custo em território nacional - Decreto-Lei nº. 106/98, de 24 Abril. Alteração à Regulamentação do Código do Trabalho (Maternidade e Paternidade) - Decreto-Lei nº. 77/2005, de 13 Abril. Balanço Social na Administração Pública - Decreto-Lei nº. 190/96, de 9 Outubro. Código do Procedimento Administrativo Decreto-Lei n.º 442/91, de 15 de Novembro. Código do Trabalho Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro. Decreto-Lei n.º 121/2008, de 11 de Julho - Extingue as carreiras e categorias cujos trabalhadores integrados ou delas titulares transitam para as carreiras gerais de técnico superior, assistente técnico e assistente operacional. Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas Lei n.º58/2008, de 9 de Setembro. Estatutos do Instituto Politécnico de Beja Despacho Normativo 47/2008 de 2 de Setembro. 13

15 Limites à acumulação de funções - Despacho Conjunto nº. 41/ME/90, de 26 de Fevereiro. Novo Estatuto da Carreira Docente do Ensino Superior Politécnico Decreto-Lei n.º207/2009, de 31 de Agosto, alterado pela Lei nº 7/2010 de 13 de Maio. Percentagens e respectivas horas lectivas do regime de tempo parcial - Despacho 25/SEES/88-XI. Regime de Férias, Faltas e Licenças - Decreto-Lei nº. 100/99, de 31 Março. o Alteração (I) ao Decreto-Lei nº. 100/99, de 31 Março - Lei nº. 117/99, de 11 Agosto. o Alteração (II) ao Decreto-Lei nº. 100/99, de 31 Março - Decreto-Lei nº. 70-A/2000, de 5 Maio. o Alteração (III) ao Decreto-Lei nº. 100/99, de 31 Março - Decreto-Lei nº. 157/2001, de 11 Maio. o Alteração (IV) ao Decreto-Lei nº. 100/99, de 31 Março - Decreto-Lei nº. 181/2007, de 9 Maio (Alteração do regime de justificação das faltas por doença e respectivos meios de prova aplicável ao funcionários e agentes da Administração Pública. Regime de Acção Social da Administração Pública Decreto-Lei n.º122/2007, de 27 de Abril. Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas (RCTFP) Lei n.º59/2008, de 11 de Setembro. 14

16 Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior - Lei nº. 62/2007, de 10 de Setembro. Regime Jurídico do título de Especialista 206/2009, de 31 de Agosto. Regimes de Vinculação, de Carreiras e Remunerações - Lei nº. 12-A/2008 de 27 de Fevereiro. Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública - Lei nº. 66-B/2008, de 28 Dezembro. Sistemas retributivos das carreiras dos docentes universitários e docentes do Ensino Superior Politécnico Decreto-Lei n.º 145/87, de 24 de Março. 15

17 5. CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA 5.1 CONTRATAÇÃO DE DOCENTES DE CARREIRA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES DE CARREIRA Departamento Departamento Presidente IPB Serviços de Recursos Humanos Sector Financeiro Conselho de Gestão Conselho Técnico Cientifico Serviços Juridicos Inicio 1 2 Proposta de Abertura de Concurso Proposta de Abertura de Concurso Proposta de Abertura de Concurso Análise da Proposta Informação Proposta Não Autorizada 4 3 N Autorização 5 S 6 Proposta Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Proposta Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Cabimento Informação 10 Cabimento + Proposta Proposta Rejeitada Proposta Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Cabimento + Proposta 7 8 Cabimento + Proposta 9 11 N Deliberação + Parrecer/ Despacho S Cabimento + Despacho Propostac/ Autorização Parecer 12 Procedimento Concursal FIM Proposta Resultado Final do Concurso Homologação Proposta Resultado Final do Concurso Homologação 13 Proposta Resultado Final do Concurso 14 Execução do Contrato Fim 1- Aquando da autorização da proposta de abertura de concurso para pessoal docente, por parte do Presidente do IPBeja, deverá ser enviado o processo aos Serviços de Recursos Humanos; 2- Os SRH por sua vez, deverão efectuar os cálculos dos encargos que a Instituição terá com a(s) futura(s) contratação(ões) e envia-os para o Sector Financeiro, via correio electrónico; 16

18 3- O Sector Financeiro emite o Cabimento Orçamental 2, e enviam-no aos SRH, via correio electrónico; 4- Os SRH anexam o Cabimento Orçamental à proposta de contratação, e encaminham-na para o Conselho de Gestão; 5- O Conselho de Gestão, caso não autorize a despesa, devolverá a proposta de contratação de pessoal docente ora rejeitada, ao Departamento remetente; 6- O Departamento deverá informar a Área Departamental do ocorrido; 7- Caso o Conselho de Gestão autorize a despesa associada à proposta de abertura de concurso para contratação de pessoal docente, deverá anexar despacho com a referida autorização e remeter o processo ao Conselho Técnico-Científico; 8- O Conselho Técnico-Científico emite parecer sobre a perspectiva curricular, académica e profissional que se pretende contratar e entrega o processo nos Serviços Jurídicos; 9- Os Serviços Jurídicos organizam e executam o procedimento concursal, culminando o mesmo com uma proposta de resultado final do concurso em causa a ser enviada ao Presidente do IPBeja; 10- Após o resultado final do concurso ser homologado pelo Presidente do Instituto Politécnico de Beja, o processo de contratação é remetido aos SRH, para execução do contrato. 2 Anexo II Minuta: Cabimento Orçamental. 17

19 5.2 ELABORAÇÃO DO CONTRATO ELABORAÇÃO DO CONTRATO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SRH Procedimento: Contratação de Pessoal Docente de Carreira Serviços de Recursos Humanos Docente a Contratar Presidente IPB Inicio Após Proposta Resultado Final do Concurso Homologada 1 Contacto com o Docente a Contratar Contacto com o Docente a Contratar Cedência de elementos necessários P/ elaboração Contrato 2 Cedência de elementos necessários P/ elaboração Contrato Elaboração do Contrato Contactado P/ Assinatura do Contrato Contrato Assinado pelo Docente 3 Contrato Assinado pelo Docente Assinatura do Presidente 4 Contrato Devidamente Assinado Publicação em DR + Publicação Despacho Site SRH 5 Duplicado do Contrato + Cópia Publicação DR Duplicado do Contrato + Cópia Publicação DR 6 Arquivo Documentos Processo individual + Processamento Salarial 7 Fim 18

20 1- Após recepção da documentação resultante do concurso público referido anteriormente, os SRH num primeiro contacto com o(s) interessado(s), recolhem os elementos necessários para a elaboração do contrato, como seja, se já tem vínculo com a Administração Pública, se faz descontos para a Caixa Geral de Aposentações ou para a Segurança Social, entre outras informações, tendo em vista o preenchimento da ficha biográfica 3 (nota: sempre que se verificar alteração da informação constante na referida ficha, dever-se-á preencher minuta para o efeito 4 ); 2- Depois de elaborado, o contrato encontra-se disponível para assinatura do interessado, o qual é contactado, via correio electrónico, pelos SRH para o efeito; 3- Após assinatura do interessado, o contrato é enviado ao Presidente do IPBeja para assinatura; 4- Depois de assinado por ambas as partes, o contrato é devolvido aos SRH, para publicação em Diário da República, bem como publicitação do despacho respectivo, na página da Internet do Serviço; 5- Após publicação em DR, os SRH remetem ao docente duplicado do contrato e cópia da referida publicação; 6- Os referidos documentos são arquivados pelos SRH, no processo individual do docente contratado; 7- No que respeita ao processamento salarial, os SRH incluem o docente no processamento de vencimentos do mês seguinte 5 ao da assinatura do contrato. 3 Anexo III Minuta: Ficha Biográfica. 4 Anexo IV Minuta: Boletim de Alteração de Dados. 5 O GQUAP solicita que neste momento da contratação lhe seja enviado via electrónica, cópia do ficheiro com código-docente gerado pelo software RH+ (para ser utilizado na avaliação dos docentes). 19

21 6. CONTRATAÇÃO DE DOCENTES CONVIDADOS CONTRATAÇÃO/RENOVAÇÃO DE DOCENTE CONVIDADO Presidência Directores de Departamentos SRH Sector Financeiro CTC GQUAP Interessado 1 Análise das proposta de Contratação / Renovação Registo do Cabimento Prévio 3 Inicio Proposta de Contratação/ Renovação 1 1 Análise das proposta de Contratação / Renovação Cálculo dos encargos 2 Processo de Contratação / Renovação Registo do Cabimento Prévio Deliberação de Contratar / Renovar 5 Extracto Acta com: Propostas de Contratação/ Renovação + DSD 4 Informação sobre Propostas de Contratação/ Renovação + DSD 4 Propostas de Contratação/ Renovação + DSD Deliberação de Contratar / Renovar + DSD Autorização final de: Contratar / Renovar + DSD 6 6 Informação sobre as autorizações de Contratação/ Renovação + DSD 6 Processos autorizados de contratação / renovação 6 Informação sobre as autorizações de Contratação/ Renovação + DSD 7 Assinatura de Contrato Informação do ponto de situação dos processos Elaboração do Contrato + Recolha de Assinaturas Informação do ponto de situação dos processos Fim do processo de Contratação / Renovação 7 Assinatura de Contrato 7 1- De 6 a 7 de Junho ANÁLISE DAS NECESSIDADES PELA PRESIDÊNCIA A Presidência, após análise das propostas de novas contratações/renovações, enviadas pelos Directores de Departamento, remete as mesmas para o SRH, solicitando o cálculo dos respectivos encargos; 2- De 8 a 13 de Junho CÁLCULO E ENVIO DOS ENCARGOS DAS NOVAS CONTRATAÇÕES / RENOVAÇÕES PARA O SECTOR FINANCEIRO Após o cálculo dos respectivos encargos, o SRH envia ao Sector Financeiro a documentação a fim de ser proceder ao registo do cabimento prévio; 20

22 3- De 14 a 16 de Junho REGISTO DO CABIMENTO PRÉVIO O Sector Financeiro envia para a Presidência os registos dos cabimentos prévios para análise da informação neles constante; 4- De 17 a 20 de Junho DECISÃO DA PRESIDÊNCIA SOBRE AS NOVAS CONTRATAÇÕES/RENOVAÇÕES Após análise, a Presidência informa os SRH da sua decisão, remetendo as propostas relativas às novas contratações/renovações, bem como informação relativa à aprovação da DSD ao CTC; 5- De 21 a 22 de Junho DELIBERAÇÃO DO CTC SOBRE A DSD Após deliberação do CTC sobre a DSD e sobre as novas contratações/renovações, este remete os processos e a acta (extracto da acta) ao Presidente do IPBeja; 6- De 24 a 27 de Junho VERIFICAÇÃO PELO PRESIDENTE DA DSD E DAS NOVAS CONTRATAÇÕES/RENOVAÇÕES O Presidente do IPBeja, após verificação da DSD aprovada em CTC, procede à autorização final das contratações/renovações, informa os Departamentos, bem como o GQUAP e remete o processo (propostas de contratação/renovação devidamente autorizadas) para os SRH; 7- De 28 a 15 de Setembro ELABORAÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTACTO COM OS INTERESSADOS Os SRH, se necessário, contactam os interessados e verificam o cumprimento das formalidades legais, elaboram o contrato e promovem as respectivas assinaturas pelas partes, sendo que o docente só poderá iniciar funções após a assinatura do contrato; 8- Dia 16 de Setembro INFORMAÇÃO PARA OS DIRECTORES DE DEPARTAMENTO E PRESIDÊNCIA, DOS DOCENTES QUE REUNEM CONDIÇÕES PARA INICIAREM FUNÇÕES Após a verificação de todas as formalidades legais, nomeadamente no que diz respeito à autorização de acumulação de funções e assinatura de contratos, os SRH remetem aos Directores de Departamento e à Presidência informação sobre os docentes que assinaram o respectivo contrato, bem como sobre a situação relativa à acumulação de funções, se for o caso. 21

23 NOTA 1: Para cumprimento do disposto no Artigo 29º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, com a redacção dada pela Lei n.º 34/2010 de 2 de Setembro, o pedido de autorização de acumulação de funções deverá ser efectuado pelo interessado oportunamente, de forma a que no início das suas funções tal autorização esteja concedida; NOTA 2: No que respeita ao processamento salarial, os SRH incluem o futuro docente no processamento de vencimentos do mês seguinte (no caso de acumulação de funções o processo/contrato e respectivo processamento salarial, não avança sem que haja lugar à recepção nos SRH da respectiva autorização de acumulação de funções) ao da assinatura do contrato; NOTA 3: O procedimento de Elaboração de Contrato é idêntico ao relatado no ponto 5.2. Elaboração de Contrato. 22

24 7. RECRUTAMENTO DE PESSOAL NÃO DOCENTE RECRUTAMENTO DE PESSOAL NÃO DOCENTE Coordenador Serviço/Gabinete Administrador do IPBeja Presidente IPB Serviços de Recursos Humanos Sector Financeiro Conselho de Gestão Serviços Juridicos Inicio 1 2 Informação sobre a necessidade de RH Proposta de Abertura de Concurso Proposta de Abertura de Concurso Análise da Proposta Informação Proposta Não N Autorizada 5 N 3 4 Proposta S Autorização Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Proposta Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Cabimento Informação Cabimento + Proposta Proposta Rejeitada Proposta Autorizada Cálculo de Encargos c/futura Contratação Cabimento + Proposta 6 7 N Cabimento + Proposta 8 9 Deliberação + S Parrecer/ Despacho 10 Procedimento Concursal Fim Proposta Resultado Final do Concurso Homologação 11 Proposta Resultado Final do Concurso Homologação Execução do Contrato Proposta Resultado Final do Concurso Fim 1- Os Coordenadores dos Serviços/Gabinetes enviam ao Administrador do IPBeja informação sobre a necessidade de pessoal não docente, a qual deverá conter obrigatoriamente justificação da mesma; 2- O Administrador do IPBeja, após análise da informação, deverá entregar a proposta de abertura de concurso para contratação de pessoal não docente ao Presidente do IPBeja; 3- O Presidente, após análise da proposta, caso não autorize a mesma, remete-a para o Administrador do IPBeja, o qual a enviará ao Serviço/Gabinete proponente; 23

25 4- Caso o Presidente do IPBeja autorize a proposta de abertura de concurso para pessoal não docente, deverá enviar o processo aos Serviços de Recursos Humanos; 5- Os SRH por sua vez, deverão efectuar os cálculos dos encargos que a Instituição terá com a(s) futura(s) contratação(ões) e envia-os para o Sector Financeiro, via correio electrónico; 6- O Sector Financeiro emite o Cabimento Orçamental (ver nota de rodapé n.º 3), e enviam-no aos SRH, via correio electrónico; 7- Os SRH anexam o Cabimento Orçamental à proposta de contratação, e encaminham-na para o Conselho de Gestão; 8- O Conselho de Gestão, caso não autorize a despesa, devolverá a proposta de contratação de pessoal não docente ora rejeitada, à Administradora do IPBeja, a qual por sua vez a remeterá ao Serviço/Gabinete proponente; 9- Caso o Conselho de Gestão autorize a despesa associada à proposta de abertura de concurso para contratação de pessoal não docente, deverá anexar despacho com a referida autorização e remeter o processo aos Serviços Jurídicos; 10- Os Serviços Jurídicos organizam e executam o procedimento concursal, culminando o mesmo com uma proposta de resultado final do concurso em causa, a ser enviada ao Presidente do IPBeja; 11- Após o resultado final do concurso ser homologado pelo Presidente do Instituto Politécnico de Beja, o processo de contratação é remetido aos SRH, para execução do contrato, com indicação da data de início do mesmo. NOTA 1: O procedimento de Elaboração de Contrato é idêntico ao relatado no ponto 5.2. Elaboração de Contrato. 24

26 8. CONTRATAÇÃO DE BOLSEIROS APÓS SERIAÇÃO 1. Após a realização do processo de contratação de bolseiros, todo o processo concursal é remetido pelo GP aos Serviços de Recursos Humanos; 2. Nos 30 (trinta) dias de calendário seguintes à comunicação de atribuição de bolsa, a concessão da bolsa será formalizada por um contrato de bolsa (Anexo nº. 5 Modelo de Contrato de Bolsa de Investigação Científica ), sendo que do processo de concessão das bolsas de investigação científica do IPBeja deverá constar: a. Plano de Trabalhos enunciando os objectivos visados, assinado pelo Orientador Científico; b. Documento comprovativo da habilitação académica do bolseiro; c. Curriculum Vitae subscrito pelo bolseiro; 3. O contrato referido em 2. será celebrado entre o IPBeja, na pessoa do seu Presidente e o bolseiro; 4. Neste momento é enviado aos Serviços Financeiros do IPBeja, documento com os encargos totais da futura contratação de bolseiro, a fim de ser corrigido o respectivo cabimento realizado aquando do início do processo. 25

27 9. PROCESSOS RELATIVOS A PRÉMIOS DE DESEMPENHO E ALTERAÇÕES REMUNERATÓRIAS PROCESSOS RELATIVOS A PRÉMIOS DE DESEMPENHO E ALTERAÇÕES REMUNERATÓRIAS Serviços de Recursos Humanos Presidente IPB Conselho de Gestão Sector Financeiro Tesouraria Inicio 1 Após Recepção do Processo de Avaliação Homologado Registo das Avaliações de cada Trabalhador em Base de Dados Elaboração de informação sobre Atribuição Prémios Desempenho 2 3 Elaboração de informação sobre Atribuição Prémios Desempenho Despacho Elaboração de informação sobre Atribuição Prémios Desempenho Despacho 4 5 Deliberação dos Pagamentos Efectuam o Processamento Devido Deliberação dos Pagamentos Deliberação dos Pagamentos Efectuam o Processamento Devido 6 Cabimento + Processamento devido dos Prémios e ou Alteração Remuneratória Envio de Ficheiro com as respectivas Transferências Bancárias 8 7 Envio de Ficheiro com as respectivas Transferências Verificação Bancárias do Processos Envio de Ficheiro com as respectivas Transferências Bancárias Verificação do Processos Pagamento Arquivo FIM Arquivo FIM 8 26

28 2.1. Após recepção do processo de avaliação homologado, o qual deverá acontecer até 15 de Abril, os SRH efectuarão os registos das avaliações de todos os trabalhadores abrangidos pelo SIADAP, numa base de dados interna, a qual contém o histórico individual de cada trabalhador; 2.2. Com base na informação resultante do registo anterior e de acordo com o Despacho previsto no n.º1 do art.º 7º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, os SRH elaborarão informação relativa às situações de atribuição de prémios de desempenho e de alterações obrigatórias do posicionamento remuneratório (incluindo os encargos respectivos); 2.3. Os SRH enviam o quadro resumo da informação para o Presidente do IPBeja, o qual após despacho, remete para o Conselho de Gestão; 2.4. O Conselho de Gestão delibera os pagamentos em causa, enviando o processo para os SRH; 2.5. Os SRH efectuam o processamento devido, no próprio mês se possível, ou no seguinte, enviando em seguida o processo ao Sector Financeiro; 2.6. O Sector Financeiro efectua o cabimento definitivo e procedem ao processamento devido quer dos prémios, quer da alteração remuneratória, consoante o caso; 2.7. É de referir que os SRH enviam o ficheiro com as respectivas transferências bancárias para o Sector Financeiro, que após verificação com o processo em papel, é remetido à Tesouraria para posterior pagamento; 2.8. O processo contabilístico é arquivado no Sector Financeiro e as partes processuais referentes aos SRH serão objecto de arquivo no referido sector. 27

29 10. RESCISÃO, DEMISSÃO E APOSENTAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE RESCISÃO DE CONTRATOS RESCISÃO DE CONTRATOS Trabalhador Secretariado da Unidade Orgânica Presidente IPB Serviços Jurídicos Serviços de Recursos Humanos Sector Financeiro Inicio 1 Requerimento Requerimento Requerimento 3 2 Requerimento + Despacho Despacho Elaboração de Acordo de Rescisão 4 Cálculos relativos aos Acertos Cálculos relativos aos Acertos 5 Acordo de Rescisão Elaboração de Acordo de Rescisão 7 Assinatura do Acordo de Rescisão Acordo de Rescisão Calculo da Recuperação Monetária Ocorrida 6 8 Acordo de Rescisão + Processamento de Acertos Ajuste Cabimento Anual de Despesa C/ Pessoal 9 Anulação das Inscrições nas Entidades de Protecção Social Fim Fim No que se refere à rescisão de contrato o processo inicia-se com: 1. Entrega, no Secretariado da Unidade Orgânica, de requerimento efectuado pelo Trabalhador, dirigido ao Presidente do IPBeja; 2. O Presidente do IPBeja emite Despacho e envia o documento para os Serviços Jurídicos, a fim de se elaborar acordo de rescisão; 3. Os Serviços Jurídicos solicitam aos SRH, via , os cálculos relativos aos acertos a efectuar com a rescisão, indicando a data de efeito da mesma; 4. Os SRH envia pela mesma via, os valores aos Serviços Jurídicos; 28

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca

Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge Olga Santiago Anabela Fonseca Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-95 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Edital Cursos de Mestrado em Enfermagem (Despachos n.º 23087/2009, n.º 23089/2009, n.º 23088/2009 20 de Outubro de 2009). 1 Por

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento, I.P. AVISO Procedimento concursal comum, para constituição de relação jurídica de emprego público por

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe);

Documentos. Aplicável nos casos de pedidos de admissão a concurso para atribuição de licenças de guardas-nocturnos 11- Duas fotografias (tipo passe); (A preencher pelos serviços) Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas Processo n.º Pedido de Licenciamento da Actividade de Guarda-nocturno (Decreto-Lei n.º 310/2002, de 18/12, conjugado

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1) Com o fim de estimular a especialização e a valorização profissional nos diversos

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Nota: Antes de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO I. DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO Artº 1º 1) Com o fim de estimular a especialização e a valorização profissional nos

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research

Regulamento de bolsas da. Associação Fraunhofer Portugal Research Regulamento de bolsas da Associação Fraunhofer Portugal Research I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. A Associação Fraunhofer Portugal Research, com o objectivo de

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO UNIVERSIDADE DO MINHO 2008 REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE À OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA PROGRAMA ARTIGO 1º (OBJECTO) O presente programa tem por objecto o concurso para atribuição, pela Câmara Municipal de Alcobaça, de 25 bolsas de estudo, durante o ano lectivo de 2014/2015, a estudantes

Leia mais

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 1. Concurso Nacional de Acesso 1.1. Quem pode candidatar-se ao ensino superior? Podem candidatar-se ao ensino superior, os estudantes que satisfaçam cumulativamente, as seguintes

Leia mais

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas Regulamento de Bolsas do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e

Leia mais

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados

Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Perguntas e respostas - FAQ sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados 1. Pergunta: Quais são os dados que devem ser lidos antes de apresentar o pedido? Resposta: Devem ser lidos pormenorizadamente

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto,

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nos termos do disposto no nº2 do Despacho nº 10324-D/97 do D.R. (II Série) de 31 de Outubro, o Conselho de Acção Social dos

Leia mais

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira Secretaria Virtual INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA MANUAL DE MATRÍCULA / INSCRIÇÃO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO CONCURSOS ESPECIAIS REINGRESSOS MUDANÇAS DE CURSO E TRANSFERÊNCIAS CTESP Revisão

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2015/2016

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2015/2016 Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Ano académico de 2015/2016 1. Pergunta: Quais os documentos que devo de ler antes de apresentar o pedido? Devem ser lidos, pormenorizadamente,

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA)

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) CIS, 2013 1 Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Regulamento Financeiro rege e disciplina os termos de prestação de propinas devidas pela frequência dos diversos cursos

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente Regulamento de Bolsas de Estudo

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo Regulamento de Transportes Escolares Preâmbulo O presente regulamento tem por objectivo definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente, no que concerne aos apoios

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA A vermelho as alterações REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Artigo 1.º Fins O presente regulamento define as linhas gerais a que deve obedecer

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM);

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM); Despacho Conjunto MCT/MQE DR nº 162, II Série, de 15 de Julho de 1996 A decisão da Comissão Europeia C (94) 376 aprovou o quadro comunitário de apoio para as intervenções estruturais comunitárias relativas

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação O presente conjunto de normas disciplina e regulamenta a concessão de apoio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Nos termos do disposto no artigo 50.º da Lei n.º 12 -A/2008 de 27 de Fevereiro, faz -se público que, por deliberação de 29 de Outubro de

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO Setembro de 2012 Luanda CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) Artigo 1.º (Natureza) O Trabalho de Conclusão do Curso, neste regulamento designado abreviadamente

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

Índice Vol. I. Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5

Índice Vol. I. Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5 Índice Vol. I CARGOS POLÍTICOS Lei nº 85/III/90, de 6-10-Define e regula as bases do estatuto dos titulares de cargos políticos 5 Lei nº 28/V/97, de 23-6 Regula estatuto remuneratório dos titulares de

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA 1. LEGISLAÇÃO PERTINENTE: ORGÂNICA DO Tribunal de Contas (LEI Nº 5/96, de 12 de Abril)

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei nº 40/2004,

Leia mais

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução

ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO. Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente. Introdução ORDEM DOS BIÓLOGOS REGULAMENTO da Atribuição de Títulos de Especialista em Ambiente Introdução A pressão que tem vindo a ser exercida no ambiente como resultado de diversas acções humanas e a necessidade

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009. Série. Número 16 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009 Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DOS RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2009 Regulamenta o programa de incentivos à contratação,

Leia mais

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores A pretende impulsionar as actividades de Responsabilidade Social em Angola, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14

REGULAMENTO. Tesouraria. Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL. Direção do ISPA - CRL 1.14 Tesouraria REGULAMENTO Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção do ISPA - CRL Direção do ISPA - CRL O presidente da Direção do ISPA - CRL (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) O presidente da Direção do

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO CÂMARA MUNICIPAL CADERNO DE ENCARGOS PROCESSO Nº 3 RH-2015 Apoio Técnico na área de Gestão de Recursos Humanos - Prestação de Serviços Ajuste Direto 1 de 10 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Cláusula 1.ª - Objecto...

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 O presente regulamento disciplina, no cumprimento da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, os concursos

Leia mais