O Acesso de Estudantes Negros pelas Cotas à Universidade Pública na vigência da Lei /2012: Debate superado?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Acesso de Estudantes Negros pelas Cotas à Universidade Pública na vigência da Lei 12.711/2012: Debate superado?"

Transcrição

1 O Acesso de Estudantes Negros pelas Cotas à Universidade Pública na vigência da Lei /2012: Debate Resumo O trabalho contextualiza se em pesquisa exploratória e problematiza o acesso de estudantes negros pelas cotas raciais em seis cursos da Saúde na Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, criados entre 1895 e 1979, analisando sua efetividade como política inclusiva, hoje orientada pela Lei /12, a Lei de Cotas (BRASIL, 2012). A pertinência do debate se dá pelo fato que historicamente a presença de estudantes negros foi tímida nessas graduações. A metodologia partiu de análise quantitativa de dados sobre o acesso no período de 2008 a 2014, em relação à procura (inscrição no vestibular) dos estudantes negros nos cursos pela cota racial e à ocupação (aprovação no vestibular) dessas vagas. As análises consideram pesquisa recente sobre o impacto da Lei de Cotas já no seu primeiro ano de vigência, dados censitários e avaliações realizadas pelas universidades gaúchas. Verifica se um aumento no acesso pelas cotas raciais em nível nacional e na UFRGS uma elevação substantiva de alunos negros aprovados no concurso vestibular a partir de Esse panorama deixa claro que a política vem se efetivando nas instituições, mas ainda necessita ser avaliada constantemente quanto aos critérios internos propostos pelas universidades. Pontificia Universidade Católica do RS Palavras chave: Ações Afirmativas. Cotas Raciais. Universidade Pública. Acesso. Lei /2012 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 Contextualizando A produção científica sobre as ações afirmativas nas universidades públicas é bastante intensa atualmente, desde sua assunção pelo estado do Rio de Janeiro através de legislação específica no início dos anos Desde então, no período de pouco mais de uma década, de maneira descentralizada diversas instituições adotaram, por decisões de seus Conselhos Universitários, ações que promovessem o ingresso de estudantes oriuntos de escolas públicas, negros, indígenas e com comprovação de carência financeira. Nesse sentido, as ações afirmativas são conceituadas como um conjunto diferenciado de medidas que têm por objetivo igualar o acesso de grupos sociais discriminados a certas oportunidades sociais. Objetivam, assim, estimular a participação destes grupos em determinados espaços sociais nos quais estão sub representados (JACCOUD; THEODORO, p. 114, 2007). As cotas são uma das modalidades possíveis de ações afirmativas e hoje o formato mais utilizado, através da reserva de vagas. Buscam criar condições de acesso a determinados bens sociais, buscando a igualdade de oportunidades. No caso das universidades públicas, visam promover o ingresso de estudantes provindos de grupos sociais que pouco acessavam seus bancos escolares. Quanto às cotas raciais, assim concebidas por possuírem algum critério que considere a autodeclaração étnico racial ou a declaração de pertencimento racial, são práticas antirracistas e visam alcançar a equidade no acesso, permanência e diplomação de alunos pretos, partos e indígenas nas universidades públicas e objetivam, numa perspectiva mais ampla, promover sua mobilidade socioeconômica (MUNANGA, 2001). Com medidas específicas, busca se intervir no cenário que se compôs em 114 anos após a abolição, que em 2001 representava o contingente de 2% de alunos negros contra 97% de alunos brancos na educação superior brasileira (idem, p. 34, 2001). No Rio Grande do Sul, as universidades gaúchas pioneiras na implantação de cotas de acesso foram a Univ. Federal de Santa Maria UFSM em 2006 e a Univ. Federal do Rio Grande do Sul UFRGS em No período anterior à Lei de Cotas, das sete universidades públicas do estado, cinco não assumiram qualquer medida afirmativa de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 acesso discente a seus quadros (AFIRME/PROGRAD/UFSM, 2013). Algumas delas adotaram ingresso nos últimos anos através do SISU Sistema de Seleção Unificada (http://sisu.mec.gov.br/), utilizando a nota do Exame Nacional do Ensino Médio ENEM e, em alguns casos, reservava vagas para ações afirmativas ou atribuía bônus à nota do ENEM. É a partir de 2012 que a maioria dos programas afirmativos são firmados e em 2013 colocados em operação. Quanto às cotas direcionadas à população negra (preta e parda, segundo classificação do IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o panorama geral no ano de 2013 demostra diversos formatos e critérios, os quais se definirão até 2016, por força das diretrizes da lei federal que está sendo gradualmente implantada. No período anterior à lei, momento em que não havia obrigatoriedade das instituições assumirem programas afirmativos de acesso, ocorreram intensos debates nas universidades quanto a sua pertinência ou não. A partir do ano de 2012 a modalidade de cotas raciais tornou se obrigatória pelas instituições federais. A Lei firma em seu art. 3º Em cada instituição federal de ensino superior, as vagas de que trata o art. 1o desta Lei serão preenchidas, por curso e turno, por autodeclarados pretos, pardos e indígenas, em proporção no mínimo igual (...) à população da unidade da Federação onde está instalada a instituição, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (BRASIL, 2012). No entanto, a lei vinculou o critério racial a critério socioeconômico, ou seja, à exigência de origem da escola pública na totalidade do ensino médio (art. 1º), bem como à comprovação de renda familiar per capita igual ou inferior a 1,5 salários mínimos (art. 1º, par. único), não prevendo, assim, cotas puramente raciais. As cotas puramente raciais, que possuem como único critério o racial, partem do reconhecimento das graves consequências da escravidão dos afrobrasileiros e a situação de desigualdade social invisibilizada em termos de ações políticas, deixando como legado profundas consequências e, em especial, no campo educacional. A vinculação ao critério socioeconômico, a exemplo, traz retrocesso no caso da UFSM, que havia adotado cotas puramente raciais, dentre outras universidade em nível X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 nacional. No entanto, argumento de representantes do Ministério da Educação afirmam que o estabelecido pela lei é parâmetro mínimo e de acordo com as especificidade regionais é possível ampliar percentuais ou formatos (FERRES Jr.; DAFLON et all, 2013, p. 10). De outro lado, a comprovação de que as cotas sociais (que consideram critérios socioeconômicos) são ineficázes na promoção do ingresso de estudantes provindos de grupos discriminados, é fato já comprovado empiricamente (idem, p. 17). A Lei de Cotas anuncia mudanças a todas as instituições, pois modifica critérios das que possuíam algum programa (principalmente quanto ao percentual, que será de 50% de reserva de vagas), bem como é inaugurado nas instituições que inicialmente não haviam adotado nenhuma medida de acesso, o que representava 31% (18 de 58) das universidades federais em 2012 (ibidem, p. 11). O cenário está em processo de constituição e intensa mutação, o que torna necessário seu acompanhamento, contribuindo nas análises quanto à eficácia da política pública a partir de questões que vêm ocorrendo nas instituições. Pesquisas já apontam o crescimento na participação de pretos e pardos nas universidades federais, contrastando dados de 2003 que pretos representavam 5,9% dos alunos e pardos 28,3%, em 2010 esses números aumentaram para 8,72% e 32,08%, respectivamente (FERRES Jr.; DAFLON et al, 2013, p. 05). Além disso, já no primeiro ano de implantação da Lei de Cotas houve ampliação significativa nos percentuais de reserva de vagas para inclusão étnico raciail, representando 9,5% em 2012 e, por força da lei, 19,6% em 2013 (idem, p. 17). Quanto aos impactos da Lei de Cotas nas universidades federais, o GEMAA Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa do IESP Inst. de Estudos Sociais e Políticos da UERJ Univ. Estado do Rio de Janeiro, traça o panorama relacionando dados de 2013, na vigência da Lei, ao ano de 2012, anterior a ela. Aponta que a Região Sul é a que mais se aproxima do atendimento total do percentual de reserva de 50% das vagas, já no primeiro ano da vigência da lei: X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 Fonte: FERRES Jr.; DAFLON et al, 2013, p. 24 O estudo refere ainda que o percentual de vagas reservadas a pretos, pardos e indígenas aumentou em todas as regiões do país, sendo que na região Sul elevou se de 10,1% em 2012 para 17,7%, aproximando se de 20,9%, que é a proporção dessa população na região da universidade (de acordo com novo critério imputado pela Lei de Cotas, considerando dados demográficos da população de acordo com o IBGE): Fonte: FERRES Jr.; DAFLON et al, 2013, p. 27 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 No entanto, esse processo recém iniciou e muitos são os aspectos que a ele se relacionam. A existência das cotas de acesso e sua exigência legal não garantem a priori o ingresso dos estudantes aos quais a política se direciona, critérios internos muitas vezes determinam sua eficácia ou não, como veremos. As Cotas Raciais nos Cursos de Saúde da UFRGS O acesso através do Concurso Vestibular A Universidade do Rio Grande do Sul UFRGS é uma instituição de referência regional e nacional, que se constituiu progressivamente a partir da criação dos primeiros cursos na década de Em 2013 completou oitenta anos e figura como uma das melhores universidades do Brasil, segundo dados do ENADE Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes/MEC (http://www.ufrgs.br/ufrgs/noticias/pelo segundo anoconsecutivo ufrgs e avaliada como melhor universidade do brasil). No contexto dos desafios atuais, a política de ações afirmativas para ampliação do acesso na UFRGS foi implantada no ano de 2008 em meio a intensas manifestações de estudantes universitários, de escolas públicas e movimentos sociais (GRISA, 2010). Foram assumidas cotas de acesso, através de reserva de vagas, no percentual de 30% do total das vagas, sendo exigida a comprovação do candidato ter cursado a metade do ensino fundamental e a totalidade do médio em escola pública. Deste quantitativo, a metade, 15% das vagas, foi reservada a ingressantes que se autodeclarem negros, conforme a Decisão 134/2007 (CONSUN/UFRGS, 2007). Nela previa a reavaliação do programa no período de quatro anos. A avaliação ocorreu e sua continuidade foi firmada no ano de 2012, mantido o formato inicial quanto ao percentual e critérios, através da Decisão 268/2012 (CONSUN/UFRGS, 2012). No entanto, a Lei /2012 foi sancionada no mesmo ano e passou a vigorar em Até 2016 o programa de ações afirmativas da UFRGS será adequado a ela. A tese de Souza (2009) e as dissertações de Bello (2011) e Doebber (2011) debruçam se sobre as cotas na UFRGS e sua implicação na perspectiva de alunos e gestores. Apontam demandas discentes para permanência e continuidade dos estudos, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 necessidades de mudança de procedimentos institucionais e da dinâmica interna da instituição, tais como ajustes de horários de aula às necessidades dos alunos trabalhadores, cursos noturnos, ampliação do atendimento de serviços acadêmicos e fortalecimento da assistência estudantil, dentre muitos outros. Os dois últimos trabalhos são desenvolvidos com o olhar sobre as questões dos alunos negros e indicam prosseguimentos de pesquisa, os quais impulsionaram ideias desse projeto. O foco deste estudo nos cursos da saúde tem relação ao atendimento de demandas de saúde da população negra, pautado como importante área para o desenvolvimento de políticas públicas específicas. Importante contextualizar o conjunto de reorientações dos cursos da saúde, que constituem o cenário em que as políticas inclusivas são implantadas na instituição. A formação dos profissionais da saúde orienta se atualmente pelos princípios das Diretrizes Curriculares Nacionais DCN (http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_ content&view=article&id=12816&itemid=866), implantadas no período de 2000 a 2007, as quais preconizam a formação em âmbito do Sistema Único de Saúde SUS no contato e atuação na complexidade de problemáticas sociais e que abarcaram nova proposta a todos os cursos dessa área do conhecimento. Essa reorientação impulsionou muitas alterações em nível curricular, práticas de ensino, serviços e bolsas de tutorias junto ao atendimento básico de saúde na atenção primária, fazendo circular novas dinâmicas e conhecimentos. Observe se a amplitude da referida proposta no curso de Medicina a partir da Resolução n. 4 de 7 de novembro de 2001 (BRASIL, 2001) Essas diretrizes foram resultado de uma construção coletiva, permitindo uma articulação entre as instituições de formação e o sistema de saúde, abandonando se a visão, exclusivista e equivocada, do ensino com ênfase nas doenças, em diagnóstico e tratamento, focado exclusivamente no indivíduo. (...) Destaca se, ainda, o incentivo à articulação entre o curso médico e o Sistema de Único de Saúde, com o objetivo de proporcionar a formação de um profissional competente com ênfase na promoção, recuperação, reabilitação da saúde e prevenção de agravos e doenças. Dessa forma, adotou se o conceito de saúde e os princípios e diretrizes do Sistema X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 Único de Saúde SUS como elementos fundamentais para esta articulação. Os profissionais devem ser dotados de competências, habilidades e atitudes contemporâneas, comprometidos com as necessidades da saúde do País, (...) As diretrizes propiciam a ruptura do modelo tradicional de formação médica baseado na assistência hospitalar centralizada, como solução, tanto para a atenção médica, como para a formação desses profissionais da saúde. (HADDAD et al., 2006, p ). Em sua essência as diretrizes curriculares preconizam mudanças normativas na concepção da formação, as quais trazem tensões entre o modelo tradicional e o emergente, questões que ainda estão ocorrendo no âmbito dos cursos, pois propõem mudanças culturais que não ocorrem facilmente, contrapondo práticas há muito tempo arraigadas. Em meio a estes novos cenários, o programa de ações afirmativas na UFRGS vem operando desde 2008 e o ingresso de alunos negros pela cota racial nos cursos da saúde, objeto dessa análise, tiveram uma dinâmica bastante particular. A amostra é composta por seis cursos da Saúde criados entre 1895 e 1979, constituindo se como os mais tradicionais em termos temporais desta área de conhecimento. Propõe se a análise, primeiramente, quanto à procura dos estudantes negros pelos seis cursos da saúde, expressa por sua inscrição no vestibular em relação ao número de vagas oferecidas na cota (15% do total das vagas concorridas), que compõe a Tabela 1: Tabela 1 Inscrição no Vestibular de Candidatos Negros pela Cota Racial Cursos da Saúde da UFRGS(1) Educação Odonto Psicologia Física Curso / Ano Medicina (Diurno e Farmácia (Diurno/ Enfermagem (bachar/licenc) Vestib. Noturno) Noturno) (manhã/tarde) Vagas Inscr Vagas Inscr Vagas Inscr Vagas Inscr Vagas Inscr Vagas Inscr (2) X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 2014(2) T Densidade(3) Média 9,6 2,6 1,2 3,2 7,7 4,6 (1) Dados obtidos das informações do Relatório Densidade referentes a inscritos e aprovados em 1ª opção nos cursos. Disponíveis em: (2) No ano de 2013 a UFRGS altera as modalidades de ingresso do vestibular a partir das exigências da Lei /2013. Até 2012 a cota era de acesso a alunos autodeclarados negros e a partir de 2013 a autodeclarados pretos/pardos/indígenas, permanecendo o percentual de 15% de reserva em 2013 e (3) Densidade candidatos por vaga refere se à concorrência das vagas oferecidas. A procura pelos cursos varia de acordo com seu reconhecimento social e concorrência histórica. Veja se neste sentido, que a densidade média do período no curso de Medicina na cota racial é a maior dentre os outros, o que é coerente com dados de densidade geral do vestibular, nos quais o curso figura como o mais concorrido do concurso há anos. Em 2014 registrou 57,6 candidatos por vaga. Da mesma forma que o curso de Psicologia, que é o segundo com maior concorrência geral. Odontologia não está entre os cursos mais procurados, mas tem sempre uma densidade considerável, no patamar de 10 candidatos por vaga, o que contrasta com a baixa densidade média na cota racial de 2,6 candidatos por vaga (www.ufrgs.br/vestibular). No primeiro triênio de vigência das cotas na UFRGS, entre os anos 2008 a 2010, houve grande variação no número de inscritos nos cursos. Na maioria deles ocorreu uma redução na procura pela cota racial, considerando o patamar inicial em 2008 e, no caso dos cursos de Odontologia e Farmácia, a densidade ficou menor que um candidato por vaga no ano de 2010 (0,9 e 0,8, respectivamente). Esse período foi de intenso debate social sobre a legalidade constitucional das ações afirmativas na educação superior, expressa na audiência pública promovida pelo Superior Tribunal Federal STF em março de 2010, na qual diversos segmentos da sociedade civil manifestaram suas razões a favor ou contra a política (ESTADÃO, 05/03/2010). Pode se supor que foi um período de consolidação institucional das cotas e de conhecimento por parte da sociedade das novas modalidades de ingresso. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 Note se que em 2011 o número de inscritos na cota racial aumenta expressivamente em todos os cursos e continua em elevação na maioria deles em 2012, mantendo se no de Educação Física e tendo pequena redução no de Odontologia. O curso de Farmácia é o único que há uma redução na procura que figura entre a menor. Neste período ocorreram questões que legitimaram as cotas nas universidades públicas, como o julgamento do STF, com votação unânime de todos os ministros da casa, considerando constitucional a política de cotas étnico raciais na UnB Universidade de Brasília, contra processo movido pelo partido Democratas DEM. Assim a política é reconhecida como importante instrumento na construção democrática da igualdade social, com repercussão na mídia nacional (Notícias STF, 26/04/2012). No mesmo ano a UFRGS renovou o programa de ações afirmativas e a Lei de Cotas foi sancionada, ambos no mês de agosto. É possível que essa repercussão tenha refletido nos anos posteriores, pois houve grande aumento na procura nos seis cursos da saúde na UFRGS. Em 2013 e 2014, em relação a 2012, percebe se que a procura praticamente dobra em todos os casos. No ano de 2013, por força da Lei de Cotas, as modalidades de ingresso são alteradas pela UFRGS reabrindo as inscrições para o vestibular 2013, no final do ano de Atualmente são quatro as modalidades de ingresso pelas cotas: 7,5% das vagas para candidatos egressos da escola pública com renda maior que 1,5 salários mínimos, per capita familiar; 7,5% das vagas para candidatos egressos da escola pública com renda menor que 1,5 salários mínimos, per capita familiar; 7,5% das vagas para candidatos egressos da escola pública, autodeclaradas pretos, pardos e indígenas, com renda maior que 1,5 salários mínimos, per capita familiar e 7,5% das vagas para candidatos egressos da escola pública, autodeclaradas pretos, pardos e indígenas, com renda menor que 1,5 salários mínimos, per capita familiar. Para o vestibular de 2015 haverá alterações para adequação do programa de ações afirmativas da UFRGS ao percentual de 50% de reserva de vagas, estando em discussão qual o percentual das cotas raciais, pois o IBGE aponta que 16,2% da população X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 gaúcha se autodeclara preta ou parda (IBGE, Censo Demográfico 2010, p. 79/80). Por outro lado, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD de 2008 (IBGE, Síntese de Indicadores Sociais, 2009, p. 188) demonstram que 19,3% da população da Região Metropolitana de Porto Alegre se autoclassifica como preta ou parda. São dados relevantes para a definição desses percentuais. Conclui se, quanto à procura (inscrição no vestibular) pela cota racial, que o panorama vem se construindo, pois o número de inscritos é expressivo e elevou se nos últimos anos. No entanto, a densidade média na cota é muito inferior em todos os casos à densidade geral nos cursos, que são amplamente concorridos, considerando o acesso universal e a cota de origem da escola pública (www.ufrgs.br/vestibular). Nesse sentido, pode se supor que a população negra não consiga acessar estudos universitários por acumular uma defasagem de anos de escolaridade na educação formal, como apontam Paixão e Carvano (2009) que no período de 1995 a 2006 a média de escolarização aumentou entre pretos&pardos, passando de 4,3 anos para 6,2, o que denota nem a conclusão do ensino fundamental. O grupo dos brancos também se elevou, segundo a pesquisa, passando de 6,4 para 8,0 anos, média baixa, mas ainda à frente do primeiro grupo (p. 183). As análises tomam outra direção quando considerado os aprovados no vestibular nos mesmos cursos, como expresso na Tabela 2: Curso / Ano Vestib Vagas (2) Tabela 2 Aprovação no Vestibular de Candidatos Negros pela Cota Racial Medicina Aprov (3) Odonto (Diurno e Noturno) Cursos da Saúde da UFRGS(1) Farmácia Educação Física (bachar/licenc) (manhã/tarde) Psicologia (Diurno/ Noturno) Enfermagem Vagas Aprov Vagas Aprov Vagas Aprov Vagas Aprov Vagas Aprov X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 T % 4% 24% 57% 57% 46% 87% (4) (4) T % 100% 72% 46% 56% 100% 100% (1) Dados obtidos das informações de vagas oferecidas e ocupadas disponível em Médias do Primeiro e últimos classificados referentes a inscritos e aprovados em 1ª opção nos cursos. Disponíveis em: (2) Refere se às vagas oferecidas no edital do vestibular na cota para acesso a alunos autodeclarados negros até 2012 e autodeclarados pretos/pardos/indígenas a partir de (3) Refere se às vagas ocupadas após a classificação final no Concurso Vestibular. No entanto, os alunos podem não comparecer para efetivar sua matrícula. (4) Em 2013 entra em vigor a Lei /12, alterando os grupos de ingresso, como referido em (2). Além disso, é acrescida a exigência de comprovação de renda inferior a 1,5 salários mínimos per capta familiar (na metade das vagas desta cota) e a outra metade comprovação de renda superior ao critério referido. Desta forma, são quatro grupos de ingresso. No período entre 2008 e 2011 a aprovação nos seis cursos foi bastante reduzida no vestibular, sendo este um grande obstáculo para o ingresso de alunos negros. Se compararmos os dados das tabelas 1 e 2, a aprovação foi infimamente menor do que o número de inscritos. No curso de Medicina essa questão fica evidente, pois somente 4% das vagas foram ocupadas no período e foi o que registrou maior procura. Na sequência, Odontologia e Psicologia com 24% e 46%, respectivamente. É visível que o curso de Odontologia teve pouca procura, registrando densidade média de 2,6 inscritos, sendo que a aprovação no concurso também foi bastante baixa. Pode se sugerir que esta questão se dá por ser uma graduação que exige investimentos financeiros elevados na compra frequente de materiais e insumos para as aulas práticas, exigindo alta performance financeira familiar. Os cursos de Farmácia e Educação Física registram uma ocupação pouco maior da metade das vagas. No curso de Farmácia a procura se mantém e por vezes cai, a densidade média no período é a menor, 1,2 por vaga. Nesta graduação tanto a procura quanto a aprovação no vestibular vem reduzindo historicamente em todas as X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 modalidades de ingresso. O curso com maior ocupação média no período foi Enfermagem, registrando 87%, sendo a mais elevada em todos os anos se relacionada aos demais cursos, o que denota a questão do curso ser uma graduação diferenciada dos demais desta área de conhecimento, pois o ingresso de alunos que se autodeclaram pardos/mulatos e negros é bastante representativo (HADDAD et all., 2006, p. 155). Como panorama de 2008 a 2011, a UFRGS afirmou que o acesso de alunos negros foi pouco se comparado com o aumento no ingresso nas demais modalidades, o percentual geral de ocupação da cota racial foi de 30% no período (KLEIN, 2012, p. 07), ou seja, do total de vagas oferecidas nessa cota nem a metade foi ocupada. Na UFSM a primeira avaliação sobre o sistema de cotas, no período 2007 a 2012, apontou que a ocupação da cota denominada A para os afro brasileiros, chegou a 59,7% das vagas reservadas. No panorama geral das cotas (modalidades de ingresso A, B, C, D e E) a ocupação foi de 80% (MELO; DULLIUS, 2013, p. 22). O Jornal da Universidade JU de setembro de 2012 noticiou o processo de renovação do programa ocorrido naquele ano, momento em que se realizou a avaliação de seu primeiro quinquênio. Conforme dados da COPERSE Comissão Permanente de Seleção, ingressaram nesse período candidatos negros, candidatos egressos do ensino público e candidatos pelo acesso universal. No entanto, importante processo administrativo impetrado pelo Diretório Acadêmico de Estudantes DCE da UFRGS questionou o critério de correção das provas de redação do vestibular, alterando o, pois seu formato não considerava os diferentes grupos de ingresso. Essa mudança ampliou a ocupação das cotas raciais no ano de 2012 para o percentual próximo de 50% (KLEIN, 2012, p. 07). Este movimento fica claro se analisarmos a tabela 2 no período 2012 a Os cursos com maior concorrência alcançaram ocupação total das vagas oferecidas, que é o caso de Medicina, que passou de 4% para 100%; Psicologia, de 46% para 100% e Enfermagem, de 87% para 100%. No caso da Odontologia, aumentou expressivamente de 46% para 72%. Farmácia e Educação Física mantiveram a aprovação semelhante ao período anterior. Fica evidente que a partir da mudança na correção das X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

14 provas de redação do vestibular, ampliou bruscamente o ingresso de alunos negros pela cota, forte barreira que dificultava a aprovação no vestibular. A aprovação no vestibular denota a ocupação das vagas, mas entre a aprovação e a matrícula ainda podem existir interferências e ela não se efetivar, o que ocorre comumente. Nesse sentido, há necessidade de se manter as modalidades de ingresso nos chamamentos dos suplentes. A análise dos alunos negros efetivamente matriculados seria interessante também para analisar questões relacionadas à entrega de documentos e ao cumprimento das exigências para ocupação das cotas, que fica como prosseguimento de pesquisa. Por fim, quanto à ocupação das vagas (aprovação no vestibular) pelos estudantes negros nos cursos em questão, note se a importância das avaliações internas do programas de ação afirmativa das universidades, revendo critérios e monitorando sua eficácia. Percebe se na UFRGS a consolidação do espaço de reconhecimento de um grupo social em específico a partir do pertencimento étnico racial, movimento importante a uma universidade que sempre atendeu a elite da população gaúcha. Entretanto, são bastante incipientes, na medida em que somente 3% dos alunos das instituições federais de educação superior gaúchas se autodeclaram pretos e pardos (INEP/MEC, Censo da Educação Superior 2011, 2013). Necessário o prosseguimento das pesquisas quanto à matrícula, permanência, evasão e continuidade de estudos dos alunos negros nos cursos de saúde, pois grandes são os obstáculos dessa inclusão em cursos que historicamente se mantém como graduações altamente elitizadas. Referências BRASIL. Lei /2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2012/Lei/ L12711.htm>. Acesso em 21 abril Resolução CNE/CES 4, de 7 de novembro de Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?%20option=com_content& view=article&id=12991>. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.14

15 Acesso em 30 nov BELLO, Luciane. Políticas de Ações Afirmativas na UFRGS: o processo de resiliência na trajetória de vida de estudantes cotistas negros com bom desempenho acadêmico. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. Programa de Pós graduação em Educação, 2011, POA RS. CONSELHO UNIVERSITÁRIO/UFRGS. Decisão 134/2007. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/consun/leis/dec htm>. Acesso em 09 jul CONSELHO UNIVERSITÁRIO/UFRGS. Decisão 268/2012. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/consun/leis/dec268 12_Acoes_Afirmativas.pdf>. Acesso em 10 nov DOEBBER, Michele Barcelos. Reconhecer se diferente é a condição de entrada; tornar se igual é a estratégia de permanência: das práticas institucionais à constituição de estudantes cotistas negros na UFRGS. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós graduação em Educação, ESTADÃO On Line. STF promove último dia de audiência pública sobre cotas raciais. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,stf promove ultimodia de audiencia publica sobre cotas raciais,519909,0.htm>. 05/03/2010. Acesso em 21 abril FERRES, Jr, João; DAFLON, Verônica Toste et all. O impacto da Lei sobre as Universidades Federais (2013). Levantamento das Políticas de Ação Afirmativa. GEMAA Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa do IESP Inst. de Estudos Sociais e Políticos da UERJ Univ. Estado do Rio de Janeiro. Set GRISA, Gregório Durlo. As ações afirmativas na UFRGS: uma análise do processo de implantação. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. Programa de Pós graduação em Educação, 2010, POA RS. HADDAD, Ana Estela et al.(org.) A trajetória dos cursos de graduação na área da saúde: Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP/MEC. Censo da Educação Superior Sinopse. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/superior censosuperior sinopse>. Acesso em 14 set INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE. Censo Demográfico Características da População e dos Domicílios. Resultados do Universo. RJ, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.15

16 . Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios PNAD Síntese de Indicadores Sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, JACCOUB, Luciana; THEODORO, Mário. Raça e Educação: os limites das políticas universalistas. In SANTOS, Sales Augusto dos (org.). Ações afirmativas e o combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação/UNESCO, KLEIN, Samantha. A favor das Cotas. Jornal da Universidade JU. UFRGS. Set Disponível: <http://issuu.com/jornaldauniversidade/docs/ju_152_ _setembro_2012>. Acesso em 03 dez MELO, Ana Lúcia Aguiar; DULLIUS, Ângela Isabel et al. Relatório Anual do Programa de Ações Afirmativas de Inclusão Racial e Social. MEC/UFSM/PROGRAD/Observatório de Ações Afirmativas para Ingresso e Permanência nas Universidades Públicas da América do Sul AFIRME, MUNANGA, Kabengele. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e Cultura, v. 4, n. 2, p , NOTÍCIAS SUPERIOR TRIBUNAL FEDERAL. STF julga constitucional política de cotas na UnB. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/vernoticiadetalhe.asp?idconteúdo =206042>. Acesso em OBSERVATÓRIO DE AÇÕES AFIRMATIVAS AFIRME/PROGRAD/UFSM. Mapeamento das Ações Afirmativas e Lei /12. Adaptado. Disponível em: /afirme/images/mapeamento_a%c3% A7%C3%B5es Afirmativas_2.pdf. Acesso em 10 set PAIXÃO, Marcelo; CARVANO, Luiz (orgs). Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil: Rio de Janeiro: Garammont, p SOUZA, João Vicente Silva. Alunos de Escola Pública na Universidade Federal do Rio Grande do Sul: portas entreabertas. Tese (doutorado). Universidade do Rio Grande do Sul UFRGS. Programa de Pós graduação em Educação, 2009, POA RS. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.16

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12).

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). Geórgia Dantas Macedo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) georgiacg@gmail.com INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014

PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014 1) Como funciona o vestibular da UFPA? PERGUNTAS FREQUENTES PS 2014 A partir do Processo Seletivo 2014 (PS 2014), a UFPA passa a adotar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como única fase do vestibular.

Leia mais

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO João Feres Júnior IESP-UERJ Veronica Toste Daflon IESP-UERJ Passado A distribuição nacional

Leia mais

Abril. Levantamento das políticas de ação afirmativa. Evolução temporal e impacto da Lei nº 12.711 sobre as universidades federais

Abril. Levantamento das políticas de ação afirmativa. Evolução temporal e impacto da Lei nº 12.711 sobre as universidades federais Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa Levantamento das políticas de ação afirmativa Abril 2014 Evolução temporal e impacto da Lei nº 12.711 sobre as universidades federais Verônica Toste

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei.

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei. Reserva de Vagas PROJETO DE LEI 3627-2004 Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais

Leia mais

Seleção Discente no IFRN

Seleção Discente no IFRN SEMINÁRIO DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR SAES 2015 Mesa Redonda 3 Processos seletivos próprios: Seriados e Exames de Seleção Seleção Discente no IFRN Prof. José Everaldo Pereira Coordenador de Acesso Discente

Leia mais

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS GREGÓRIO DURLO GRISA 1 Dentre os múltiplos fatores que desencadearam a adoção de ações afirmativas por meio de cotas em universidades no Brasil

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS 5 Educação Superior Karoline dos Reis Macedo 1 Carina Elisabeth Maciel 2 Pôster Resumo: Este texto é parte da pesquisa

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina no uso de suas atribuições e considerando: - a autonomia didático-científica, administrativa

Leia mais

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL MÁRCIA MARQUES DE CARVALHO 1 E GRAZIELE DOS SANTOS CERQUEIRA 2 As políticas de ação afirmativa no acesso

Leia mais

QUADRO RESUMO. Figura: Fonte UOL. Segundo o IBGE, a soma do percentual de pretos, pardos e indígenas no estado de Minas Gerais é de 53,6%.

QUADRO RESUMO. Figura: Fonte UOL. Segundo o IBGE, a soma do percentual de pretos, pardos e indígenas no estado de Minas Gerais é de 53,6%. O IFMG E A LEI DAS COTAS Atendendo a Lei nº 12.711 de 29/08/2012, o Decreto nº 7.284 de 11/10/2012 e a Portaria Normativa nº 18 MEC de 11/10/2012 o IFMG reservará, no Vestibular e Exame de Seleção 2013/2,

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU...

EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU... EDUCAÇÃO SUPERIOR: O DEBATE SOBRE Acesso, Permanência, Inclusão, Democratização, Cotas, SISU... Acesso à educação Superior: Categorias - Acesso / Democratização do acesso - Ações afirmativas - Cotas sociais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. EDITAL COMPLEMENTAR N o 29/2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. EDITAL COMPLEMENTAR N o 29/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EDITAL COMPLEMENTAR N o 29/2015 CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NA LISTA DE ESPERA DO SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA (SiSU) PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CONCURSO VESTIBULAR 2011

CONCURSO VESTIBULAR 2011 Em 1º de julho, foi aprovado pela (UFSM) o novo modelo do Concurso Vestibular, constituído pelo Processo Seletivo da UFSM e pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O Processo Seletivo da UFSM é dividido

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório do Trabalho e da Educação Profissional em Saúde Observatório dos Técnicos em Saúde BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU Perguntas Frequentes Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Sistema de Seleção Unificada - SISU 1 - O que é o Sistema de Seleção Unificada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 35/2012 Estabelece sistema de reserva de vagas no Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Política de Cotas na UFJF Análise dos Resultados 2006-2008

Política de Cotas na UFJF Análise dos Resultados 2006-2008 Política de Cotas na UFJF Análise dos Resultados 26-28 Antonio Fernando Beraldo Lourival Batista de Oliveira Jr. Juliana Fernandes de Melo Carlos Costa Histórico Resolução Nº. 16 de 4/11/24 do Conselho

Leia mais

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 Nos últimos anos, o Brasil experimentou expressiva

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE.

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE. PROUNI O Programa O Prouni - Programa Universidade para Todos tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 O reitor em exercício da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS NO RIO GRANDE DO SUL PROUNI RS RESOLUÇÃO DO CONSELHO GESTOR DO PROUNI/RS Nº 03/2012

Leia mais

Reforma no Ensino Médio completa 3 anos sem grandes mudanças nos indicadores educacionais

Reforma no Ensino Médio completa 3 anos sem grandes mudanças nos indicadores educacionais Diretoria de Comunicação Clipping Veículo: Jornal Gazeta RS Data: 02 de setembro de 2014 Editoria/Coluna: Educação Página ou link: http://www.gazeta-rs.com.br/33/educacao/n:1638/reforma-no-ensino- Medio-completa-3-anos-sem-grandes-mudancas-nos-indicadores-educacionais

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre a implementação das reservas de vagas em instituições federais de ensino de que tratam a Lei

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM Prof. Ph. D. João Benedito dos Santos Jr. Prof. M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA No 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012

PORTARIA NORMATIVA No 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA NORMATIVA No 18, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre a implementação das reservas de vagas em instituições federais de ensino de que tratam a Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012, e o Decreto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS. EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS. EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA - SISU VERSÃO 2015/2 A Pró-Reitoria

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica 1. Introdução Diogo Braga Mendes¹ Charlene de Carvalho Silva² Marinalva Cardoso Maciel³

Leia mais

CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DATA ATIVIDADE AGOSTO 01 Início das aulas-2º Semestre 1/8 à 15/9 Inscrições no ITA 8/8 à 12/8 Início da Apostila 01 13/8 à 15/10 A Hora do Vestibular-Biblioteca

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015 O Reitor da Universidade Federal da Bahia, no uso das suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV EDITAL PRE Nº 021/2015 Processo Seletivo SiSU 2015.2 A Universidade Federal

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual II CONCURSO NEGRO E EDUCAÇÃO Projeto - RAÇA E EDUCAÇÃO: OS EXCLUÍDOS DO ENSINO SUPERIOR Autora Delcele Mascarenhas Queiroz Orientador - Prof. Dr. Jocélio T. dos Santos A pesquisa examina as desigualdades

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação Planejando a Próxima Década Alinhando os Planos de Educação EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Art. 4º O caput do art. 214 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação,

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO)

PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO) PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO) Autor: DEPUTADA NICE LOBÃO Relator:DEPUTADO CARLOS ABICALIL Dispõe dobre o ingresso nas universidades federais e dá outras providências. RELATÓRIO Dispõe

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 O REITOR da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, no uso de suas atribuições legais, torna pública as alterações no Edital n. 001/2014

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2º edição de 2013

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2º edição de 2013 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2º edição de 2013 1 - Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior - IES

Leia mais

SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SISU ESCOLHA DO CURSO, NOTA DE CORTE PARA A APROVAÇÃO, LISTAS DE ESPERA, RECLASSIFICAÇÕES E PROCEDIMENTOS DE MATRÍCULA

SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SISU ESCOLHA DO CURSO, NOTA DE CORTE PARA A APROVAÇÃO, LISTAS DE ESPERA, RECLASSIFICAÇÕES E PROCEDIMENTOS DE MATRÍCULA SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SISU ESCOLHA DO CURSO, NOTA DE CORTE PARA A APROVAÇÃO, LISTAS DE ESPERA, RECLASSIFICAÇÕES E PROCEDIMENTOS DE MATRÍCULA Olá, Caro Aluno do PVS! Para começar, vamos lembrar que,

Leia mais

CANDIDATO: Gostaria de saber o que é o Sistema de Reserva de Vagas.

CANDIDATO: Gostaria de saber o que é o Sistema de Reserva de Vagas. CANDIDATO: Gostaria de saber o que é o Sistema de Reserva de Vagas. COMPERVE: É um sistema criado pelo Governo que destina um percentual de vagas para alunos de escola pública. No caso da Escola de Enfermagem

Leia mais

Regulamentação da Lei nº 12.711/2012

Regulamentação da Lei nº 12.711/2012 Regulamentação da Lei nº 12.711/2012 Reservas de nas Instituições Federais de Ensino Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012 Portaria Normativa nº 18, de 11 de outubro de 2012 Ministério da Educação

Leia mais

Coordenadoria de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas

Coordenadoria de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas Coordenadoria de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas LEI Nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Cenários contemporâneos em Educação Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Composição de cenários Avaliação e Regulação da Educação Ações planejadas de reposicionamento Reflexos e movimentos culturais Educação

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

10 anos de cotas. Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos

10 anos de cotas. Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos 10 anos de cotas Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos Quantidade de estudantes cotistas registrados e desligados nos períodos -

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO 203,DE 23 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO 203,DE 23 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO 203,DE 23 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a reserva aos negros, no âmbito do Poder Judiciário, de 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde Universidade Federal de São Carlos 1 Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde FORMAÇÃO, AÇÃO E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM SAÚDE - Edital para seleção de estudantes de graduação da UFSCar

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua MECANISMOS LEGAIS E INSTITUCIONAIS QUANTO A GÊNERO GENERO Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) Central de Atendimento à

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

1.2. Quais são as condições do financiamento para novos contratos?

1.2. Quais são as condições do financiamento para novos contratos? Tire suas dúvidas 1. CONHECENDO O FIES 1.1. O que é o Fies? O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), criado pela Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, é o programa do Ministério da Educação que financia

Leia mais

Processos Seletivos 2014 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 02 de outubro de 2013

Processos Seletivos 2014 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 02 de outubro de 2013 Processos Seletivos 2014 Graduação Presencial Edital de Vestibular de 02 de outubro de 2013 Aditamento nº 10 Define as normas específicas do Vestibular Seleção RN 2014.2 da graduação presencial (Aprovado

Leia mais