LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS ELABORADO POR: Paula Campos Fadul de Freitas REVISÃO 1: Victor de Paula e Silva REVISÃO 2: Lucas de Araújo Amaral Gustavo Brito de Lima Mauro Guimarães

2 Sumário 1. Introdução 3 2. Conceitos básicos de luminotécnica Grandezas e conceitos Características das lâmpadas e acessórios Fatores de desempenho Lâmpadas elétricas Considerações gerias Lâmpadas incandescentes Lâmpadas à descarga Lâmpadas à descarga de baixa pressão Lâmpadas à descarga de ata pressão Projeto de iluminação Previsão de carga (NBR 5410) Métodos de cálculo Método dos lúmens Método ponto à ponto Exemplos de cálculo de iluminação 37 Exercícios Propostos 39 Anexo 41 Anexo I NBR 5413: Iluminância de interiores 42 Anexo II Tipos de luminárias e curvas CDL (LUMINE) 49 Anexo III Eficiência aproximada de luminárias 51 Anexo IV Tabela de eficiência do recinto 52 Anexo V Tipo de luminária x Fator de depreciação 56 VI Luminária Philips TCS Referências bibliográficas 60 2

3 1. Introdução Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas Apresentaremos inicialmente as principais grandezas físicas utilizadas em luminotécnica. O tema da calorimetria, embora complexo, é abordado brevemente apenas para permitir a introdução dos conceitos de Temperatura de Cor e Índice de Reprodução de Cor. Em seguida são apresentados detalhadamente os principais tipos de lâmpadas disponíveis atualmente: lâmpadas incandescentes (convencionais e halógenas) e lâmpadas de descarga (de baixa e de alta pressão). Um objetivo adicional desta seção é mostrar a complexidade relacionada à comparação entre as diferentes lâmpadas, a qual envolve diversas grandezas tais como eficácia luminosa, reprodução de cores, custo de investimento e custo operacional das lâmpadas. Finalmente apresentam-se os principais aspectos relacionados ao projeto de iluminação, no qual são estabelecidos o tipo e o número de lâmpadas e luminárias necessárias para obter uma iluminação adequada em função da aplicação. São discutidos os principais métodos utilizados em projetos de iluminação: o Método dos Lumens e o Método Ponto a Ponto. 2. Conceitos Básicos de Luminotécnica Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Elas possuem diferentes comprimentos e o olho humano é sensível a somente alguns (entre 380 nm a 780 nm). Luz é, portanto, a radiação eletromagnética capaz de produzir uma sensação visual. A sensibilidade visual para a luz varia não só de acordo com o comprimento de onda da radiação, mas também com a luminosidade. A curva de sensibilidade do olho humano demonstra que radiações de menor comprimento de onda (violeta e azul) geram maior intensidade de sensação luminosa quando há pouca luz (ex. crepúsculo, noite, etc.), enquanto as radiações de maior comprimento de onda (laranja e vermelho) se comportam ao contrário. Fig Sensibilidade visual do olho humano. 3

4 Figura Curva de sensibilidade do olho humano a radiações monocromáticas As radiações infravermelhas são radiações invisíveis ao olho humano e seu comprimento de onda se situa entre 760 nm a nm. Caracterizam-se por se forte efeito calorífico e são radiações produzidas normalmente através de resistores aquecidos ou por lâmpadas incandescentes especiais cujo filamento trabalha em temperatura mais reduzida (lâmpadas infravermelhas). As radiações infravermelhas são usadas na Medicina no tratamento de luxações, ativamento da circulação, na indústria na secagem de tintas e lacas, na secagem de enrolamentos de motores e transformadores, na secagem de grãos, como trigo e café, etc. Já as radiações ultravioletas caracterizam-se por sua elevada ação química e pela excitação da fluorescência de diversas substâncias. Normalmente dividem-se em 3 grupos: - UV-A: Ultravioleta próximo ou luz negra (315 a 400 nm) - UV-B: Ultravioleta intermediário ( 280 a 315 nm) - UV-C: Ultravioleta remoto ou germicida (100 a 280 nm). O UV-A compreende as radiações ultravioletas da luz solar, podendo ser gerado artificialmente através de uma descarga elétrica no vapor de mercúrio em alta pressão. Essas radiações não afetam perniciosamente a visão humana, não possuem atividades pigmentárias e eritemáticas sobre a pele humana, e atravessam praticamente todos os tipos de vidros comuns. Possuem grande atividade sobre material fotográfico, de reprodução e heliográfico (l à 380 nm). O UV-B tem elevada atividade pigmentária e eritemática. Produz a vitamina D, que possui ação anti-raquítica. Esses raios são utilizados unicamente para fins terapêuticos. São também gerados artificialmente por uma descarga elétrica no vapor de mercúrio em alta pressão. O UV-C afeta a visão humana, produzindo irritação dos olhos. Essas radiações são absorvidas quase integralmente pelo vidro comum, que funciona como filtro, motivo pelo qual as lâmpadas germicidas possuem bulbos de quartzo. 4

5 2.1 Grandezas e Conceitos Luminotécnica é o estudo minucioso das técnicas das fontes de iluminação artificial, através da energia elétrica. Portanto, toda vez que se pensa em fazer um estudo das lâmpadas de um determinado ambiente, está se pensando em fazer um estudo luminotécnico. Na luminotécnica distinguem-se as seguintes grandezas: Intensidade Luminosa Símbolo: I Unidade: candela (cd) Se a fonte luminosa irradiasse a luz uniformemente em todas as direções, o Fluxo Luminoso se distribuiria na forma de uma esfera. Tal fato, porém, é quase impossível de acontecer, razão pela qual é necessário medir o valor dos lumens emitidos em cada direção. Essa direção é representada por vetores, cujo comprimento indica a Intensidade Luminosa. Em outras palavras é a potência da radiação luminosa em uma dada direção. Como a maioria das lâmpadas não apresenta uma distribuição uniformemente em todas as direções é comum o uso das curvas de distribuição luminosa, chamadas CDL s. Curva de Distribuição Luminosa Símbolo: CDL Unidade: candela (cd) Considerando a fonte de luz reduzida à um ponto no centro de um diagrama e que todos os vetores que dela se originam tiverem suas extremidades ligadas por um traço, obtém-se a Curva de Distribuição Luminosa (CDL). Em outras palavras, é a representação da Intensidade Luminosa em todos os ângulos em que ela é direcionada num plano. Para a uniformização dos valores das curvas, geralmente essas são referidas a 1000 lm. Nesse caso, é necessário multiplicar-se o valor encontrado na CDL pelo Fluxo Luminoso da lâmpada em questão e dividir o resultado por 1000 lm. A curva CDL geralmente é encontrada nos catálogos dos fabricantes de lâmpadas e iluminarias como o mostrado no final deste material. Fluxo Luminoso Símbolo: ϕ Unidade: lúmen (lm) É a potência de radiação total emitida por uma fonte de luz em todas as direções do espaço e capaz de produzir uma sensação de luminosidade através do estímulo da retina ocular. Em outras palavras, é a potência de energia luminosa de uma fonte percebida pelo olho humano. Um lúmen é a energia luminosa irradiada por uma candela sobre uma superfície esférica de 1 m 2 e cujo raio é de 1 m. Assim o fluxo luminoso originado por uma candela é igual à superfície de uma esfera unitária de raio (r = 1 m). ϕ = 4π.r 2 = lm As lâmpadas conforme seu tipo e potência apresentam fluxos luminosos diversos: 5

6 - lâmpada incandescente de 100 W: 1000 lm; - lâmpada fluorescente de 40 W: 1700 a 3250 lm; - lâmpada vapor de mercúrio 250W: lm; - lâmpada multi-vapor metálico de 250W: lm Iluminância (Iluminamento) Símbolo: E Unidade: lux (lx) É a relação entre o fluxo luminoso incidente numa superfície e a superfície sobre a qual este incide; ou seja é a densidade de fluxo luminoso na superfície sobre a qual este incide. A unidade é o LUX, definido como o iluminamento de uma superfície de 1 m² recebendo de uma fonte puntiforme a 1m de distância, na direção normal, um fluxo luminoso de 1 lúmen, uniformemente distribuído. A relação é dada entre a intensidade luminosa e o quadrado da distância, ou ainda, entre o fluxo luminoso e a área da superfície. Na prática, é a quantidade de luz dentro de um ambiente, e pode ser medida com o auxílio de um luxímetro. Como o fluxo luminoso não é distribuído uniformemente, a iluminância não será a mesma em todos os pontos da área em questão. Considerasse por isso a iluminância média (Em). Existem normas especificando o valor mínimo de Em, para ambientes diferenciados pela atividade exercida relacionados ao conforto visual. A iluminância também é conhecida como nível de iluminação. Abaixo são mostrados valores práticos de iluminância: - Dia ensolarado de verão em local aberto = lux - Dia encoberto de verão = lux - Dia escuro de inverno = lux - Boa iluminação de rua = 20 a 40 lux - Noite de lua cheia = 0,25 lux - Luz de estrelas = 0,01 lux. Luminância Símbolo: L Unidade: cd/m 2 E= ϕ A É um dos conceitos mais abstratos que a luminotécnica apresenta. É através da luminância que o homem enxerga. No passado denominava-se de brilhança, querendo significar que a luminância está ligada aos brilhos. A diferença é que a luminância é uma excitação visual, enquanto que o brilho é a resposta visual a luminância é quantitativa e o brilho é sensitivo. É a diferença entre zonas claras e escuras que permite que se aprecie uma escultura; que se aprecie um dia de sol. As partes sombreadas são aquelas que apresentam a menor luminância em oposição às outras mais iluminadas. Luminância liga-se com contrastes, pois a 6

7 leitura de uma página escrita em letras pretas (refletância 10%) sobre um fundo branco (papel, refletância 85%) revela que a luminância das letras é menor do que a luminância do fundo e, assim, a leitura cansa menos os olhos. A luminância depende tanto do nível de iluminação ou iluminância quanto das características de reflexão das superfícies. A equação que permite sua determinação é: L = Onde: L = Luminância, em cd/m² I = Intensidade Luminosa, em cd A = área projetada, em m² α = ângulo considerado, em graus. I A cos a Como é difícil medir-se a Intensidade Luminosa que provém de um corpo não radiante (através de reflexão), pode-se recorrer à outra fórmula, a saber: ρ E L = π Onde: ρ = Refletância ou Coeficiente de Reflexão E = Iluminância sobre essa superfície Vale lembrar que o Coeficiente de Reflexão é a relação entre o Fluxo Luminoso refletido e o Fluxo Luminoso incidente em uma superfície. Esse coeficiente é geralmente dado em tabelas, cujos valores são função das cores e dos materiais utilizados. A luminância de uma fonte luminosa ou de uma superfície luminosa estabelece a reação visual da vista. Quando a luz de uma fonte ou de uma superfície que reflete a luz, atinge a vista com elevada luminância, então ocorre o ofuscamento, sempre que a luminância é superior a 1 sb. As luminâncias preferenciais em um ambiente de trabalho pode variar entre as pessoas, principalmente se estiverem desenvolvendo tarefas diferentes. O melhor conceito de iluminância talvez seja densidade de luz necessária para realização de uma determinada tarefa visual. Isto permite supor que existe um valor ótimo de luz para quantificar um projeto de iluminação. Esses valores relativos a iluminância foram tabelados por atividade. 7

8 2.2 Características das lâmpadas e acessórios Vida Útil de uma Lâmpada É definida pela média aritmética do tempo de duração de cada lâmpada ensaiada e é dado em horas. Comparadas com as lâmpadas incandescentes, as lâmpadas de descarga têm vida média muito mais longa. Ciclos de funcionamento mais curtos partidas mais freqüentes, encurtam a vida das lâmpadas de descarga e os ciclos de funcionamento mais longos, partidas menos freqüentes, aumentam a vida. Figura Gráfico da vida útil dos principais tipos de lâmpadas Eficiência Luminosa ou Energética Símbolo: η w (ou K, conforme IES) Unidade: lm/w As lâmpadas se diferenciam entre si não só pelos diferentes Fluxos Luminosos que elas irradiam, mas também pelas diferentes potências que consomem. Para poder compará-las, é necessário que se saiba quantos lumens são gerados por watt absorvido, ou seja, a razão entre o fluxo luminoso total emitido φ e a potência elétrica total P consumida pela mesma. A essa grandeza dá-se o nome de Eficiência Energética (antigo Rendimento Luminoso ). É útil para averiguarmos se um determinado tipo de lâmpada é mais ou menos eficiente do que outro. A Eficiência Luminosa é um indicador da eficiência do processo de emissão de luz utilizada sob o ponto de vista do aproveitamento energético. 8

9 Figura Gráfico da Eficiência Energética dos principais tipos de lâmpadas Temperatura de Cor Símbolo: T Unidade: K (Kelvin) No instante que um ferreiro coloca uma peça de ferro no fogo, esta peça passa a comportar-se segundo a lei de Planck e vai adquirindo diferentes colorações na medida que sua temperatura aumenta. Na temperatura ambiente sua cor é escura, tal qual o ferro, mas será vermelha a 800 K, amarelada em K, branca azulada em 5.000K. Sua cor será cada vez mais clara até atingir seu ponto de fusão. Pode-se então, estabelecer uma correlação entre a temperatura de uma fonte luminosa e sua cor, cuja energia do espectro varia segundo a temperatura de seu ponto de fusão. Por exemplo, uma lâmpada incandescente opera com temperaturas entre K e K, dependendo do tipo de lâmpada a ser escolhido. A temperatura da cor da lâmpada deve ser preferencialmente indicada no catálogo do fabricante. A observação da experiência acima indica que, quando aquecido o corpo negro (radiador integral) emite radiação na forma de um espectro contínuo. No caso de uma lâmpada incandescente, grande parte desta radiação é invisível, seja na forma de ultravioletas, seja na forma de calor (infravermelhos), isto é, apenas uma pequena porção está na faixa da radiação visível, motivo pelo qual o rendimento desta fonte luminosa é tão baixo conforme pode ser visto abaixo: 9

10 Figura Energia espectral dos radiadores integrais segundo a lei de Planck A figura acima permite observar que quanto maior for a temperatura, maior será a energia produzida, sendo que a cor da luz está diretamente relacionada com a temperatura de trabalho (mais fria quanto maior for a temperatura). Um aspecto importante é que a temperatura da cor não pode ser empregada isoladamente e sim em conjunto com o IRC, mas independentemente deste aspecto, se aceita que cores quentes vão até 3.000K, as cores neutras situam-se entre e 4.000K e as cores frias acima deste último valor. As cores quentes são empregadas quando se deseja uma atmosfera íntima, sociável, pessoal e exclusiva (residências, bares, restaurantes, mostruários de mercadorias); as cores frias são usadas quando a atmosfera deva ser formal, precisa, limpa (escritórios, recintos de fábricas). Seguindo esta mesma linha de raciocínio, conclui-se que uma iluminação usando cores quentes realça os vermelhos e seus derivados; ao passo que as cores frias, os azuis e seus derivados próximos. As cores neutras ficam entre as duas e são, em geral, empregadas em ambientes comerciais. Abaixo são mostradas as diversas temperaturas de cor. as Índice de reprodução de cores Figura Tonalidade de Cor e Reprodução de Cores 10

11 Símbolo: IRC ou Ra Unidade: R Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas Objetos iluminados podem nos parecer diferente, mesmo se as fontes de luz tiverem idêntica tonalidade. As variações de cor dos objetos iluminados sob fontes de luz diferentes podem ser identificadas através de um outro conceito, Reprodução de Cores, e de sua escala qualitativa Índice de Reprodução de Cores (Ra ou IRC). O mesmo metal sólido, quando aquecido até irradiar luz, foi utilizado como referência para se estabelecer níveis de Reprodução de Cor. Define-se que o IRC neste caso seria um número ideal = 100. Sua função é como dar uma nota (de 1 a 100) para o desempenho de outras fontes de luz em relação a este padrão. Portanto, quanto maior a diferença na aparência de cor do objeto iluminado em relação ao padrão (sob a radiação do metal sólido) menor é seu IRC. Com isso, explica-se o fato de lâmpadas de mesma Temperatura de Cor possuírem Índice de Reprodução de Cores diferentes. Um IRC em torno de 60 pode ser considerado razoável, 80 é bom e 90 é excelente. Claro que tudo irá depender da exigência da aplicação que uma lâmpada deve atender. Um IRC de 60 mostra-se inadequado para uma iluminação de loja, porém, é mais que suficiente para a iluminação de vias públicas. São exemplos de IRC comuns encontrados nas lâmpadas comerciais: Fator de fluxo luminoso Símbolo: BF Unidade: % A maioria das lâmpadas de descarga opera em conjunto com reatores. Neste caso, observamos que o fluxo luminoso total obtido neste caso depende do desempenho deste reator. Este desempenho é chamado de fator de fluxo luminoso (Ballast Factor) e pode ser obtido de acordo com a equação: BF= fluxo luminoso obtido fluxo luminoso nominal 2.3 Fatores de Desempenho Como geralmente a lâmpada é instalada dentro de luminárias, o Fluxo Luminoso final que se apresenta é menor do que o irradiado pela lâmpada, devido à absorção, reflexão e transmissão da luz pelos materiais com que são construídos. 11

12 O Fluxo Luminoso emitido pela luminária é avaliado através da Eficiência da Luminária. Isto é, o Fluxo Luminoso da luminária em serviço dividido pelo Fluxo Luminoso da lâmpada. Eficiência de luminária (rendimento da luminária) (η L ) Razão do Fluxo Luminoso emitido por uma luminária, medido sob condições práticas especificadas, para a soma dos Fluxos individuais das lâmpadas funcionando fora da luminária em condições específicas.esse valor é normalmente, indicado pelos fabricantes de luminárias. Dependendo das qualidades físicas do recinto em que a luminária será instalada, o Fluxo Luminoso de que dela emana poderá se propagar mais facilmente, dependendo da absorção e reflexão dos materiais e da trajetória que percorrerá até alcançar o plano de trabalho. Essa condição de mais ou menos favorabilidade é avaliada pela Eficiência do Recinto. Eficiência do Recinto (η R ) O valor da Eficiência do Recinto é dado por tabelas, contidas no catálogo do fabricante onde se relacionam os valores de Coeficiente de Reflexão do teto, paredes e piso, com a Curva de Distribuição Luminosa da luminária utilizada e o Índice do Recinto. Índice do Recinto (K) O Índice do Recinto é a relação entre as dimensões do local, dada por: a b 3 a b K = K = h( a + b) 2 h' ( a + b) Para iluminação direta Para iluminação indireta Sendo: a = comprimento do recinto b = largura do recinto h = pé-direito útil h = distância do teto ao plano de trabalho Pé-direito útil é o valor do pé-direito total do recinto (H), menos a altura do plano de trabalho (h pl.tr. ), menos a altura do pendente da luminária (h pend ). Isto é, a distância real entre a luminária e o plano de trabalho (Figura 3). 12

13 Figura Representação do pé direito útil Como já visto, o Fluxo Luminoso emitido por uma lâmpada sofre influência do tipo de luminária e a conformação física do recinto onde ele se propagará. Fator de Utilização (F u ) O Fluxo Luminoso final (útil) que incidirá sobre o plano de trabalho, é avaliado pelo Fator de Utilização. Ele indica, portanto, a eficiência luminosa do conjunto lâmpada, luminária e recinto. O produto da Eficiência do Recinto,η R (anexo III, pág. 52) pela Eficiência da Luminária, η L (pág. 51) nos dá o Fator de Utilização (F u ). Fu =η Determinados catálogos indicam tabelas de Fator de Utilização direto para suas luminárias. Apesar de estas serem semelhantes às tabelas de Eficiência do Recinto, os valores nelas encontrados não precisam ser multiplicados pela Eficiência da Luminária, uma vez que cada tabela é específica para uma luminária e já considera a sua perda na emissão do Fluxo Luminoso. Fator ou índice de Reflexão É a relação entre o fluxo luminoso refletido e o incidente, ou ainda, é a porcentagem de luz refletida por uma superfície em relação à luz incidente. Devem ser considerados os índices de reflexão do teto, paredes e piso. L. η Tabela Índices de Reflexão Refletâncias das diversas cores R Branco 75 a 85% Marfim 63 a 80% Creme 56 a 72% Amarelo claro 64 a 75% Marrom 17 a 41% Verde claro 50 a 65% 13

14 Verde escuro 10 a 22% Azul claro 50 a 60% Rosa 50 a 58% Vermelho 10 a 20% Cinza 40 a 50% Tabela Índices de Reflexão para diversos materiais. Fator de Depreciação (F d ) Com o tempo, paredes e tetos ficarão empoeirados e sujos e, com isso, os equipamentos de iluminação acumularão poeira, fazendo com que menos quantidade de luz seja fornecida por estes equipamentos. Alguns desses fatores poderão ser eliminados por meio de manutenção. Na prática, para amenizar-se o efeito desses fatores e admitindo-se uma boa manutenção periódica, podem-se adotar os valores de depreciação constantes na tabela abaixo. AMBENTE Período de Manutenção h h h Limpo 0,95 0,91 0,88 Normal 0,91 0,85 0,80 Sujo 0,80 0,66 0,57 Tabela 2.3 Fator de depreciação 3. Lâmpadas Elétricas 3.1 Considerações Gerais As lâmpadas comerciais utilizadas para iluminação são caracterizadas pela potência elétrica absorvida (W), fluxo luminoso produzido (lm), temperatura de cor (K) e índice de reprodução de cor. Em geral as lâmpadas são classificadas, de acordo com o seu mecanismo básico de produção de luz. As com filamento convencional ou halógenas produzem luz pela incandescência, assim como o sol. As de descarga aproveitam a luminescência, assim como os relâmpagos e as descargas atmosféricas. E os diodos utilizam a fotoluminescência, assim como os vaga-lumes. 14

15 Existem ainda as lâmpadas mistas, que combinam incandescência e luminescência, e as fluorescentes, cuja característica é o aproveitamento da luminescência e da fotoluminescência. Os aspectos eficiência luminosa e vida útil são os que mais contribuem para a eficiência energética de um sistema de iluminação artificial e devem, portanto, merecer grande atenção, seja na elaboração de projetos e reformas, seja na implantação de programas de conservação e uso eficiente de energia. 3.2 Lâmpadas Incandescentes A lâmpada incandescente foi a primeira a ser desenvolvida e ainda hoje é uma das mais difundidas. A luz é produzida por um filamento aquecido pela passagem de corrente elétrica alternada ou contínua (efeito joule). O filamento opera em uma temperatura elevada e luz é somente uma parcela da energia irradiada pela transição de elétrons excitados para órbitas de maior energia devido à vibração dos átomos. As primeiras lâmpadas incandescentes surgiram por volta de 1840 e utilizavam filamento de bambu carbonizado no interior de um bulbo de vidro a vácuo. Seguiram-se as lâmpadas com filamento de carbono, até que, por volta de 1909, Coolidge desenvolveu um método para tornar o tungstênio mais dúctil e adequado para a elaboração de filamentos uniformes por trefilação. A característica de emissão, as propriedades mecânicas e o seu elevado ponto de fusão (3655 K) foram determinantes na escolha do tungstênio como o material mais adequado para fabricação de filamentos para lâmpadas incandescentes. As lâmpadas incandescentes podem ser classificadas de acordo com a sua estrutura interna em convencionais ou halógenas, abordadas neste subitem. Lâmpada Incandescente Tradicional A lâmpada funciona através da passagem de corrente elétrica pelo filamento de tungstênio que, com o aquecimento (efeito joule), gera luz. Este filamento é sustentado por três ou quatro suportes de molibdênio no interior de um bulbo de vidro alcalino (suporta temperaturas de até 370 C) ou de vidro duro (suporta temperaturas de até 470 C), Sua oxidação é evitada pela presença de gás inerte (nitrogênio ou argônio a pressão de 0,8 atm) ou vácuo dentro do bulbo que contém o filamento. O bulbo apresenta diversos formatos, sendo a forma de pêra a mais comum, podendo ser transparente ou com revestimento interno de fósforo neutro difusor. 15

16 Figura 3.1 Lâmpada Incandescente Tradicional A base da lâmpada incandescente têm por finalidade fixar mecanicamente a lâmpada em seu suporte e completar a ligação elétrica ao circuito de iluminação. A maior parte das lâmpadas usa a base de rosca tipo Edison. Elas são designadas pela letra E seguidas de um número que indica aproximadamente seu diâmetro externo em milímetros. É constituída de uma caneca metálica, geralmente presa com resina epóxi sobre o bulbo. Existem outras padronizações, por exemplo, baioneta e tele-slide, ambas utilizadas em lâmpadas miniatura. As lâmpadas incandescentes de médio e grande porte geralmente utilizam uma base que suporta temperaturas até 250 C. A eficácia luminosa resultante cresce com a potência da lâmpada, variando de 7 a 15 lm/w. Estes valores são relativamente baixos, quando comparados com lâmpadas de descarga com fluxo luminoso semelhante. No entanto, esta limitação é compensada, pois possui temperatura de cor agradável, na faixa de 2700K (amarelada) e reprodução de cores 100%. A resistência específica do tungstênio na temperatura de funcionamento da lâmpada (2800 K) é aproximadamente 15 vezes maior do que à temperatura ambiente (25 C). Portanto, ao ligar uma lâmpada in candescente, a corrente que circula pelo seu filamento a frio é quinze vezes a corrente nominal de funcionamento em regime. A temperatura do filamento sobe rapidamente, atingindo valores elevados em frações de segundo. Ligações muito freqüentes reduzem a vida útil da lâmpada, pois o filamento geralmente não apresenta um diâmetro constante. A corrente de partida causa aquecimento excessivo e localizado nos pontos onde a seção do filamento apresenta constrições, provocando seu rompimento. A vida útil de uma lâmpada incandescente comercial é da ordem de 1000 horas. Quando uma lâmpada incandescente é submetida a uma sobretensão, a temperatura de seu filamento, sua eficiência, potência absorvida, fluxo luminoso e corrente crescem, ao passo que sua vida se reduz drasticamente. As variações podem ser calculadas pelas seguintes expressões empíricas: 16

17 Sendo φ : fluxo luminoso T: temperatura V: tensão L: tempo de vida. Lâmpada Incandescente Halógena As lâmpadas halógenas têm o mesmo princípio de funcionamento das lâmpadas incandescentes convencionais, porém foram incrementadas com a introdução de gases halógenos (iodo ou bromo) que, dentro do bulbo se combinam com as partículas de tungstênio desprendidas do filamento. Esta combinação, somada à corrente térmica dentro da lâmpada, faz com que as partículas se depositem de volta no filamento, criando assim o ciclo regenerativo do halogênio. Porem, este ciclo halógeno só se torna eficaz para temperaturas de filamento elevadas (3200 K) e para uma temperatura da parede do bulbo externo acima de 250 C. O resultado é uma lâmpada com vantagens adicionais, comparada às incandescentes tradicionais: Luz mais branca, brilhante e uniforme durante toda a vida; Maior eficiência energética (15 lm/w a 25 lm/w); Vida útil mais longa, variando de 2000 a 4000 horas; Dimensões menores, da ordem de 10 a 100 vezes. As temperaturas elevadas no filamento só são atingidas com a circulação de um nível mínimo de corrente. Por esta razão, lâmpadas com potências inferiores a 50 W são alimentadas em baixa tensão, geralmente 12 V ou 24 V. A Figura 3.2 apresenta uma vista em corte de uma lâmpada halógena de 300 W do tipo lapiseira, mostrando as três zonas de temperatura e as reações químicas envolvidas. Figura 3.2 Vista em corte de uma lâmpada incandescente halógena do tipo lapiseira 17

18 Lâmpadas halógenas emitem mais radiação ultravioleta que as lâmpadas incandescentes normais, porém os níveis são inferiores aos presentes na luz solar, não oferecendo perigo à saúde. No entanto, deve-se evitar a exposição prolongada das partes sensíveis do corpo à luz direta e concentrada. Refletores Dicróicos A redução de volume torna as lâmpadas halógenas adequadas para iluminação direcionada ("spot light"), bastante usada para iluminação decorativa, porém a irradiação térmica emitida é bastante elevada. Por esta razão, certos tipos de lâmpadas são providos de um refletor espelhado especial, chamado dicróico, que reflete a radiação visível e absorve a radiação infravermelha. Com este tipo de espelho, consegue-se uma redução da ordem de 70% na radiação infravermelha, resultando um feixe de luz emergente "frio" ("cold light beam"), ou seja, que não aquece o ambiente. Figura 3.3 Lâmpada incandescente halógena de 50 W com refletor espelhado dicróico Recomenda-se os seguintes cuidados em sua instalação: - não tocar o bulbo de quartzo com as mãos para evitar engordura-lo; caso necessário, limpar as manchas com álcool; - nas lâmpadas de maior potência, protegê-las individualmente por fusíveis pois, devido a suas reduzidas dimensões, no fim de sua vida, poderão ocorrer arcos elétricos internos; - verificar a correta ventilação das bases e soquetes, pois temperaturas elevadas poderão danificá-los e romper a selagem na entrada dos lides; - só instalar a lâmpada na posição para a qual foi projetada. São lâmpadas de grande potência, mais duráveis, de melhor rendimento luminoso, menores dimensões e que reproduzem mais fielmente as cores, sendo todavia, mais caras. São utilizadas para iluminação de praças de esporte, pátios de armazenamento de mercadorias iluminação externa em geral, teatros, estúdios de TV museus, monumentos, projetores, máquinas de xérox, etc. 18

19 3.3 Lâmpadas de Descarga Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas Nas lâmpadas de descarga utilizadas em iluminação, a luz é produzida pela radiação emitida pela descarga elétrica através de uma mistura gasosa composta de gases inertes e vapores metálicos. A mistura gasosa encontra-se confinada em um invólucro translúcido (tubo de descarga) em cujas extremidades encontram-se inseridos eletrodos (hastes metálicas ou filamentos) que formam a interface entre a descarga e o circuito elétrico de alimentação. A corrente elétrica através da descarga é formada majoritariamente por elétrons emitidos pelo eletrodo negativo (catodo) que são acelerados por uma diferença de potencial externa em direção ao eletrodo positivo (anodo) gerando colisões com os átomos do vapor metálico. Ao contrário da lâmpada incandescente, na qual o filamento metálico é um condutor elétrico, na lâmpada a descarga o composto metálico responsável pela emissão de radiação encontra-se em estado sólido ou líquido na temperatura ambiente e o gás inerte no interior do tubo (conhecido como gás de enchimento ou filling gas ) é isolante. Portanto, inicialmente é necessário um processo de ignição para o rompimento da rigidez dielétrica da coluna gasosa. O calor gerado pela descarga através do gás inerte nos instantes iniciais após a partida da lâmpada vaporiza o composto metálico. Após a partida, a lâmpada de descarga apresenta uma impedância dinâmica (derivada da tensão em relação à corrente) negativa, ou seja, à medida que a corrente na lâmpada aumenta, a diferença de potencial entre os seus terminais diminui. Portanto, toda lâmpada de descarga necessita de um elemento com impedância positiva ligado em série para estabilizar a corrente no ponto de operação nominal da lâmpada. Caso contrário, para qualquer variação de tensão da fonte de alimentação, a lâmpada se comportaria como um curto-circuito e a corrente assumiriam valores elevados. O elemento de estabilização é denominado reator. Na prática, as lâmpadas a descarga são alimentadas em corrente alternada (C.A.). Desta forma, cada eletrodo assume a função de catodo e anodo em semi ciclos consecutivos e a lâmpada passa apresentar uma curva tensão versus corrente dinâmica, podendo ser modelada por uma resistência não linear equivalente. Por questões de eficiência, a estabilização da corrente em corrente alternada não é feita com resistores, utilizando-se no seu lugar uma associação de elementos reativos (capacitores e indutores) para evitar a dissipação desnecessária de potência ativa. Temos então a eletricidade passando por reator, que joga para dentro da lâmpada uma tensão acima do normal, permitindo que o sistema dê a partida. O reator serve para dar a partida da lâmpada e também como limitador de corrente. A energia transferida ao átomo pelas colisões elásticas excita elétrons para órbitas mais elevadas e as colisões inelásticas provocam sua ionização gerando novos elétrons. A subseqüente transição do átomo para um estado de menor energia é acompanhada da emissão de radiação. As lâmpadas a descarga podem ser classificadas pela pressão no interior do tubo com a lâmpada em operação em lâmpadas de descarga de baixa pressão e lâmpadas de descarga de alta pressão, abordados neste sub-item. 19

20 3.3.1 Lâmpadas de Descarga de Baixa Pressão Existem basicamente dois tipos de lâmpadas comerciais: as lâmpadas de descarga de baixa pressão de vapor de mercúrio, conhecidas como lâmpadas fluorescentes, e as lâmpadas de descarga de baixa pressão de vapor de sódio. Lâmpadas Fluorescentes Desenvolvida na década de 1940 [4,5] e conhecida comercialmente como lâmpada tubular fluorescente em função da geometria do seu tubo de descarga, este tipo de lâmpada encontra aplicações em praticamente todos os campos de iluminação. O tubo de descarga, de vidro transparente, é revestido internamente com uma camada de pó branco, genericamente conhecido como "fósforo". O "fósforo" atua como um conversor de radiação, ou seja, absorve um comprimento de onda específico de radiação ultravioleta, produzida por uma descarga de vapor de mercúrio a baixa pressão, para emitir luz visível. Figura 3.4 Estrutura interna e princípio de funcionamento de uma LF tubular As lâmpadas fluorescentes comercialmente disponíveis utilizam bulbos de vidro transparente, designados por uma letra T (de tubular) seguida de um número que indica o seu diâmetro máximo em oitavos de polegada. Por exemplo, T12 significa um bulbo tubular com diâmetro de 12/8 polegadas. As características colorimétricas (temperatura de cor correlata, reprodução de cores) e a eficácia da lâmpada fluorescente são determinadas pela composição e espessura do pó fluorescente ("fósforo"). Os "fósforos" são compostos que emitem luz por fluorescência quando expostos à radiação ultravioleta. Na década de 1980 foi desenvolvida uma nova família de "fósforos", conhecida comercialmente como "trifósforos", que é constituída de três compostos, cada um com banda de emissão estreita e centrada nos comprimentos de onda do azul, vermelho e verde respectivamente. A combinação adequada destes compostos, junto a uma camada de halofosfato, possibilitou uma melhora no índice de reprodução de cores e um aumento considerável na eficácia luminosa. As lâmpadas fluorescentes de nova geração utilizam um tubo com diâmetro menor (T8 em vez de T12) e o custo mais elevado do tri-fósforo é compensado pelo aumento de eficiência resultante. As lâmpadas fluorescentes tubulares são utilizadas para iluminação de interiores em instalações comerciais, industriais e residenciais. A lâmpada fluorescente não oferece riscos à saúde, pois a quase totalidade da radiação ultravioleta emitida pela descarga é absorvida pelo pó fluorescente e pelo vidro do tubo de descarga. 20

21 Lâmpadas Fluorescentes Compactas A lâmpada fluorescente compacta CFL ( Compact Fluorescent Lamp ) foi introduzida no mercado no início da década de 1980 para substituir a lâmpada incandescente. Estas lâmpadas apresentam alguns detalhes construtivos que as diferenciam das lâmpadas fluorescentes tubulares convencionais, porém, seu princípio de funcionamento é idêntico. Os modelos comerciais utilizam um tubo de vidro do tipo T4 ou T5, com revestimento de tri-fósforo e filamentos nas suas extremidades. Existem diversas formas construtivas para o tubo de descarga, sendo duas as mais comuns: um tubo único curvado em U e dois tubos independentes, unidos por uma ponte. A Figura 3.5 apresenta uma lâmpada fluorescente com dois tubos independentes, mostrando um de seus filamentos e o percurso da descarga no interior da lâmpada. Figura 3.5 Lâmpada fluorescente compacta com starter incorporado A lâmpada fluorescente compacta, em geral só apresenta duas conexões elétricas, uma vez que os filamentos encontram-se ligados em série através de um starter (Figura 3.6), o qual fica alojado num invólucro na base da lâmpada. A estabilização da lâmpada é feita através de um reator indutivo, conectado externamente. Algumas lâmpadas já apresentam um reator incorporado na sua base, em geral do tipo rosca Edison, que é utilizada em lâmpadas incandescentes. O reator poder ser indutivo ou eletrônico, sendo este último mais leve de forma a reduzir o peso do conjunto. Figura 3.6 Detalhe do starter 21

22 De forma generalizada e sucinta podemos descrever sobre o príncipio de funcionamento do conjunto lâmpada e reator. Ao se fechar o interruptor, ocorre no starter uma descarga de efeito corona, o elemento bi metálico aquecido fecha o circuito, a corrente que passa aquece os eletrodos da lâmpada. Depois de fechados os contatos (no starter), cessa a descarga o que provoca rápido esfriamento do bi metálico, que dessa forma abrem os contatos e cessa a corrente pelo starter. Em conseqüência da abertura do contato, é gerado no reator uma sobre tensão que faz romper o arco, e o circuito passa a fechar-se no interior da lâmpada. Os elétrons deslocando-se de um filamento a outro, esbarram em seu trajeto com átomos do vapor de mercúrio que provocam liberação de energia luminosa não visível (freqüências muito elevadas) tipo radiação ultravioleta. As radiações em contato com a pintura fluorescente do tubo, produzem radiação luminosa visível. A tensão final no starter é insuficiente para gerar uma nova descarga, o que faz com que o mesmo fique fora de serviço, enquanto a lâmpada estiver acesa. Como os reatores eletromagnéticos são bobinas (indutâncias), absorvem potência reativa da rede e podem apresentar baixo fator de potência. Para melhorar o fator de potência e eliminar o efeito da interferência em rádio e TV, o starter é provido de um capacitor ligado em paralelo com o elemento bi metálico. Ainda, para melhorar o FP e reduzir o efeito estroboscópico pode-se executar uma ligação em paralelo de 2 lâmpadas fluorescentes, utilizando um reator duplo. Neste caso uma das lâmpadas é ligada normalmente com o reator e a outra em série com um reator e um capacitor de compensação constituindo um reator capacitivo. Lâmpadas de Vapor de Sódio de Baixa Pressão A energia emitida concentra-se, na maior parte, em duas linhas próximas de ressonância, com comprimentos de onda de 589,0 e 589,6 nm. Como esses comprimentos de onda são próximos daquele para a o qual a vista humana apresenta um Maximo de acuidade visual, elas possuem grande eficiência luminosa. A pressão do vapor dentro do tubo de arco desempenha um papel importante. Com a pressão muito baixa haverá poucos átomos de sódio na descarga que se deseja excitar, ao passo que, pressões demasiadamente elevadas, grande parte da radiação de ressonância do átomo de sódio se perde, por autoabsorção na própria descarga. Sua composição espectral, sendo quase monocromática (luz amarela), distorce as cores, impedindo seu uso em iluminação interior. Devido a sua alta eficiência luminosa, são particularmente aplicáveis na iluminação de ruas com pouco trafego de pedestres, túneis e auto-estradas. Constam de um tubo de descarga interno, dobrado em forma de U, que contem gás neônio e 0,5% de argônio em baixa pressão, para facilitar a partida da lâmpada, e uma certa quantidade de sódio metálico, que será vaporizado durante o funcionamento. Nas extremidades encontram-se os eletrodos recobertos com óxidos emissores de elétrons. A fim de evitar-se a variação do fluxo luminoso com a temperatura ambiente, o tubo de descarga é encerrado dentro de uma camisa externa, na qual existe vácuo. Durante a partida, a descarga elétrica inicia-se no gás neônio (provocando a pequena produção de um fluxo luminoso de cor rosa), produzindo uma elevação de 22

23 temperatura que progressivamente causa a vaporização do sódio metálico. Dentro de uns 15 min, a lâmpada adquire sua condição normal de funcionamento, produzindo um fluxo luminoso amarelo, característico da descarga no vapor de sódio. A eficiência luminosa das lâmpadas vapor de sódio de baixa pressão, do tipo tradicional, é da ordem de 100lm/W, e sua vida de 6000 h. Como todas as lâmpadas de descarga elétrica exigem um reator e como seu fator de potencia é extremamente baixo (cosφ 0,35), é necessário um capacitor para corrigi-lo. Nos últimos anos, os fabricantes de lâmpadas elétricas têm lançado no mercado novas linhas de lâmpadas de vapor de sódio com elevadíssimas eficiências luminosas (183 lm/w para uma lâmpada de 180W) e vida bem mais longa (18000 h). Conseguiu-se esse aumento de eficiência revestindo-se a face interior da camisa de vácuo com uma camada refletora infravermelha de óxido de Índio que, refletindo a radiação infravermelha produzida na descarga novamente sobre o bulbo interno, permite que sua temperatura ideal (260º) seja mantida com menos intensidade de corrente no arco elétrico. Por outro lado, a transmitância dessa camada à luz é elevada, absorvendo pouco do fluxo luminoso produzido na descarga. Com esses aperfeiçoamentos e com a atual crise mundial de energia, a lâmpada de sódio de baixa pressão torna-se opção atraente na iluminação de locais onde não existam problemas de reprodução de cores Lâmpadas a Descarga de Alta Pressão As lâmpadas à descarga de alta pressão, também conhecidas como lâmpadas HID (High Intensity Discharge) utilizam vapores metálicos (em geral mercúrio e/ou sódio) a pressões da ordem de 1 a 10 atmosferas e operam com uma densidade de potência de arco da ordem de 20 a 200 W/cm. A radiação emitida pela descarga apresenta uma distribuição espectral contínua, sobre a qual se encontram superpostas as raias predominantes dos átomos que constituem o vapor metálico. Os eletrodos são bastões irradiadores e o tubo de descarga tem dimensões reduzidas (diâmetro de mm e comprimento de cm). Existem basicamente três tipos básicos de lâmpadas comerciais: a) a lâmpada de vapor de mercúrio de alta pressão; b) a lâmpada de sódio de alta pressão, e c) as lâmpadas de alta pressão de vapores metálicos. Lâmpada de Vapor de Mercúrio de Alta Pressão A lâmpada de vapor de mercúrio de alta pressão HPM (High Pressure Mercury), é constituída de um tubo de descarga transparente, de dimensões reduzidas inserido em um bulbo de vidro, revestido internamente com uma camada de "fósforo" para correção do índice de reprodução de cor. O tubo de descarga contém vapor de mercúrio à pressão de 2 a 4 atmosferas e argônio a 0.03 atmosferas. O argônio atua como gás de partida, reduzindo a tensão de ignição e gerando calor para vaporizar o mercúrio. O tubo de descarga é de quartzo para suportar temperaturas superiores a 340 C e evitar absorção da radiação ultravioleta emitida pela descarga. O bulbo de vidro transparente, com formato ovóide, contém nitrogênio, 23

24 formando uma atmosfera protetora para: reduzir a oxidação de partes metálicas, limitar a intensidade da radiação ultravioleta que atinge o revestimento de "fósforo" e melhorar as características de isolação térmica. (a) Estrutura mecânica (b) Detalhe do tubo de descarga Figura 3.7 Lâmpada de vapor de mercúrio de alta pressão A estabilização da descarga é realizada através de um reator indutivo. A tensão C.A. da rede é suficientemente elevada para realizar a ignição da descarga de argônio entre o eletrodo auxiliar e o principal adjacente, que vaporiza o mercúrio líquido e produz íons necessários para estabelecer o arco entre os eletrodos principais. Após a ignição do arco principal, a queda de tensão sobre o resistor de partida reduz a diferença de potencial entre os eletrodos auxiliar e principal adjacente, extinguindo o arco entre ambos. A tensão de ignição da lâmpada aumenta com a pressão vapor de mercúrio, ou seja, com a temperatura do tubo de descarga. Quando se desliga uma lâmpada alimentada por um reator indutivo convencional, a sua reignição só é possível após 3 a 5 minutos, intervalo de tempo necessário para o esfriamento da lâmpada e conseqüente queda de pressão. Figura 3.8 Reator para lâmpada de vapor de mercúrio de alta pressão Nos instantes iniciais da descarga, a lâmpada emite uma luz verde clara. A intensidade luminosa aumenta gradativamente até estabilizar-se após 6 a 7 minutos, quando a luz se torna branca com uma tonalidade levemente esverdeada. A descarga de mercúrio no tubo de arco produz uma energia visível na região do azul e do ultravioleta. O fósforo, que reveste o bulbo, converte o ultravioleta em luz visível na região do vermelho. O resultado é uma luz de boa reprodução de 24

25 cores com eficiência luminosa de até 60lm/W. A luz emitida por uma lâmpada sem revestimento de fósforo, apresenta um baixo índice de reprodução de cor (CRI = 20), devido à ausência de raias vermelhas. O "fósforo" utilizado em lâmpadas de vapor de mercúrio de alta pressão tem uma banda de emissão de 620 nm a 700 nm e consegue melhorar o significativamente o índice de reprodução (CRI = 50). É importante salientar que devido à emissão de ultravioleta, caso a lâmpada tenha seu bulbo quebrado ou esteja sem o revestimento de fósforo, deve-se desligá-la, pois o ultravioleta é prejudicial à saúde, principalmente em contato com a pele ou os olhos. A lâmpada de mercúrio apresenta fluxo luminoso elevado e vida útil longa, porém, a sua eficácia luminosa é relativamente baixa. Este tipo de lâmpada é utilizado em sistemas de iluminação de exteriores, em especial, na iluminação pública urbana. Lâmpada de Luz Mista As lâmpadas de luz mista, como o próprio nome já diz, são uma combinação de uma lâmpada vapor de mercúrio com uma lâmpada incandescente, ou seja, um tubo de descarga de mercúrio ligado em série com um filamento incandescente. O filamento controla a corrente no tubo de arco e ao mesmo tempo contribui com a produção de 20% do total do fluxo luminoso produzido. A combinação da radiação do mercúrio com a radiação do fósforo e a radiação do filamento incandescente, produz uma agradável luz branca. As principais características da luz mista são: substituir diretamente as lâmpadas incandescentes em 220V, não necessitando de equipamentos auxiliares (reator, ignitor e starter) e possuir maior eficiência e vida media 8 vezes maior que as incandescentes. Figura 3.9 Lâmpada de luz mista Este tipo de lâmpada apresenta um índice de reprodução de cor variando de 25

26 50 a 70, porém sua eficácia luminosa é baixa em razão da potência dissipada no filamento, que determina a sua vida útil, em geral de 6000 horas a horas. Esta lâmpada é utilizada no Brasil em sistemas de iluminação de interiores no setor comercial em substituição às lâmpadas incandescentes. Lâmpada de Vapor de Sódio de Alta Pressão A lâmpada de vapor de sódio de alta pressão HPS ( High Pressure Sodium ), é constituída de um tubo de descarga cilíndrico e translúcido, com um eletrodo em cada extremidade. O tubo de descarga é sustentado por uma estrutura mecânica, sob vácuo, no interior em um bulbo de vidro borosilicado, com formato tubular ou elipsoidal. Em lâmpadas convencionais, o tubo de descarga contém vapor de sódio a pressão de 0.13 atmosferas, vapor de mercúrio a pressão de 0.5 a 2 atmosferas e xenônio, que atua como gás de partida, gerando calor para vaporizar o mercúrio e o sódio. O mercúrio, na forma de vapor e a uma pressão significativamente superior ao sódio, reduz a perda por calor e eleva a tensão de arco da lâmpada. O eletrodo é construtivamente similar ao da lâmpada de vapor de mercúrio de alta pressão. Figura 3.10 Lâmpada de vapor de sódio de alta pressão O bulbo das lâmpadas HPS é em geral transparente ou apresenta um revestimento de fósforo neutro para tornar a superfície difusa, sem alterar a distribuição espectral da luz emitida. A lâmpada de vapor de sódio convencional apresenta, em geral, um baixo índice de reprodução de cor (CRI 20), porém, uma elevada eficácia luminosa (120 lm/w para a lâmpada de 400 W) e vida útil longa ( horas). No entanto, existem lâmpadas especiais que apresentam um elevado índice de reprodução de cor (CRI = 85), porém, com uma eficácia luminosa de 80 lm/w. Para a estabilização da lâmpada, utilizam-se reatores indutivos do mesmo tipo usado em lâmpadas de vapor de mercúrio. Nas lâmpadas HPS convencionais, esta função é desempenhada por um dispositivo externo à lâmpada, conhecido por ignitor. Quando se desliga uma lâmpada HPS alimentada por um reator indutivo com ignitor convencional, a sua reignição só é possível após 3 a 7 minutos, intervalo de tempo necessário para o esfriamento da lâmpada. É indicada para iluminação de locais onde a reprodução de cor não é um fator importante. 26

27 Lâmpadas de Vapor Metálico Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas A lâmpada de vapor metálico HPMH (High Pressure Metal Halide) é construtivamente semelhante à lâmpada de mercúrio de alta pressão, ou seja, utiliza um tubo de descarga de sílica fundida inserida no interior de um bulbo de quartzo transparente. Os modelos mais comuns são do tipo lapiseira. O tubo de descarga contém vapor de mercúrio, um gás para ignição (argônio) e haletos metálicos. A temperatura de vaporização dos metais é em geral superior à máxima temperatura suportável pelo material do tubo de descarga. Já o metal na forma de um haleto vaporiza a uma temperatura significativamente inferior. Geralmente utilizam-se iodetos, pois são quimicamente menos reativos. A adição de metais introduz raias no espectro que melhoram as características de reprodução de cores da lâmpada. Um ciclo regenerativo similar ao das lâmpadas incandescentes halógenas ocorre nas lâmpadas HPMH. Figura 3.11 Lâmpada de vapor metálico As lâmpadas de vapor metálico apresentam uma eficácia luminosa de 65 a 100 lm/w e um índice de reprodução de cores superior a 80. A sua vida útil é em geral inferior a 8000 horas. São comercialmente disponíveis lâmpadas de 70 W a 2000 W, sendo utilizadas em aplicações onde a reprodução de cores é determinante, como por exemplo, em estúdios cinematográficos, iluminação de vitrines e na iluminação de eventos com transmissão pela televisão. Lâmpadas de luz negra São lâmpadas a vapor de mercúrio, diferindo destas somente no vidro utilizado na confecção da ampola externa. Nesse caso utiliza-se o bulbo externo de vidro com óxido de níquel (vidro de Wood), que sendo transparente ao ultra-violeta próximo absorve em grande parte o fluxo luminoso produzido. 27

28 São usadas em exames de gemas e minerais, apuração de fabricações, setores de correio, levantamento de impressões digitais, na indústria alimentícia para verificar adulterações, etc. 4. Projeto de Iluminação O projeto de iluminação tem por objetivo estabelecer o melhor sistema de iluminação para uma dada aplicação, notando que muitas vezes a definição de melhor é complexa e leva em conta fatores subjetivos. Na elaboração de um projeto de iluminação são considerados, por um lado, os diferentes tipos de lâmpadas e luminárias disponíveis comercialmente e, por outro lado, os requisitos da aplicação, os quais incluem o tipo e o grau de precisão da atividade a ser desenvolvida no local, as pessoas que desenvolverão essa atividade, etc. De uma forma geral, o sistema de iluminação deve garantir níveis de iluminamento médio adequados em função das características do local e da atividade a ser desenvolvida. Para tanto, as normas técnicas possuem valores de referência habitualmente utilizados em projetos de iluminação. Uma vez escolhida a luminária a ser utilizada, a etapa final do projeto consiste em determinar o número de luminárias necessárias para alcançar o valor de iluminamento médio especificado e ainda proceder a ajustes de uniformização levando em conta a simetria do local. Define-se iluminamento médio (E M ) em uma dada superfície como: E M φ = S Em que: φ - é o fluxo luminoso total que atravessa a superfície (lm); S - é a área da superfície considerada (m 2 ). A unidade do iluminamento é lm/m2, mais conhecida por lux. É através do iluminamento médio que são fixados os requerimentos de iluminação em função da atividade a ser desenvolvida em um determinado local. Outro conceito fundamental em luminotécnica é o de curva de distribuição luminosa (ver figura 4.1), descrita no item 2.1 desta apostila. Os valores de intensidade luminosa são fornecidos considerando luminária equipada com fonte luminosa padrão com fluxo luminoso total de 1000 lm. Caso a lâmpada produza um fluxo diferente, os valores de intensidade luminosa deverão ser corrigidos proporcionalmente. Tem-se ainda o objetivo de eliminar o ofuscamento provocado pela iluminação. O ofuscamento gera uma redução na capacidade de visualização dos objetos e desconforto visual. Pode ser direto, isto é, ocorrendo pela visualização direta da fonte de luz, que pode ser uma lâmpada ou luminária, podendo ser neutralizado pela utilização de aletas ou difusores nas luminárias. Pode também ser indireto, ocorrendo quando a reflexão da luz sobre o plano de trabalho atinge o campo visual, podendo ser causado pelo excesso de luz no ambiente ou pelo mal posicionamento das luminárias. 28

29 Figura 4.1 Exemplo de curva de distribuição luminosa 4.1 Previsão de Carga (NBR 5410) Como regra geral, a NBR 5410 estabelece que as cargas de iluminação devem ser determinadas como resultado da aplicação da NBR 5413: Iluminância de interiores Procedimento. Como alternativa ao uso da NBR 5413, e especificamente em unidades residenciais, a NBR 5410 apresenta o seguinte critério de previsão de carga de iluminação para cada cômodo ou dependência: A norma adverte que os valores indicados são para efeito de dimensionamento dos circuitos, não havendo qualquer vínculo, com potência nominal de lâmpadas. Em cada cômodo ou dependência de unidades residenciais deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, com potência mínima de 100 VA, comandado por interruptor de parede. Dependência Tabela 4.1 Exemplo do método da precisão de carga Dimensões área Potência de iluminação (VA) (m²) 29

30 Sala 3,25 x 3,05 = 9,91 9,91m² = 6m² + 3,91m² 100VA 100VA Copa 3,10 x 3,05 = 9,45 9,45m² = 6m² + 3,45m² 100VA 100VA Cozinha 3,75 x 3,05 = 11,43 11,43m² = 6m² +4m² + 1,43m² 160VA 100VA + 60VA Dormitório 3,25 x 3,40 = 11,05 11,05m² = 6m² +4m² + 1,05m² 160VA 100VA + 60VA Banho 1,80 x 2,30 = 4,14 4,14m² 100VA 100VA Nos próximos itens serão abordados os principais métodos para projeto de iluminação, como o Método dos Lumens e o Método Ponto. O primeiro se destina principalmente a projetar a iluminação de recintos fechados, onde a luz refletida por paredes e teto contribui significativamente no iluminamento médio do plano de trabalho (o plano onde serão desenvolvidas as atividades; por exemplo, o plano das mesas em um escritório). O Método Ponto a Ponto se destina principalmente ao projeto de iluminação de áreas externas, onde a contribuição da luz refletida pode ser desprezada sem incorrer em erros significativos. Além disso, o Método Ponto a Ponto pode ser utilizado como cálculo verificador de um projeto elaborado pelo Método dos Lumens. 4.2 Métodos de Cálculo Método dos Lumens ou do Fluxo Luminoso. O Método dos Lumens tem por finalidade principal determinar o número de luminárias necessárias para garantir um valor de iluminamento médio especificado a priori. Ele pode ser resumido nos passos a seguir. Passo 1 Estabelecer o iluminamento médio do local, em função das dimensões do mesmo e da atividade a ser desenvolvida. Conforme mencionado anteriormente, as normas técnicas possuem valores de referência para o iluminamento médio. De acordo com a NBR 5413, para a determinação da iluminância conveniente é recomendável considerar as seguintes classes de tarefas visuais. 30

31 A Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas Tabela 4.2 Iluminância por classe de tarefas visuais Classe Iluminância (lux) Tipo de atividade Áreas públicas com arredores Iluminação geral para áreas usadas interruptamente ou com tarefas visuais simples B escuros Orientação simples para permanência curta Recintos não usados para trabalho contínuo; depósitos Tarefas com requisitos visuais limitados, trabalho bruto de maquinaria, auditórios Tarefas com requisitos visuais normais, trabalho médio de maquinaria, escritórios Iluminação geral para área de trabalho Tarefas com requisitos especiais, gravação manual, C Iluminação adicional para tarefas visuais difíceis inspeção, indústria de roupas Tarefas visuais exatas e prolongadas, eletrônica de tamanho pequeno Tarefas visuais muito exatas, montagem de microeletrônica Tarefas visuais muito especiais, cirurgia Nota: As classes, bem como os tipos de atividade não são rígidos quanto às iluminâncias limites recomendadas, ficando a critério do projetista avançar ou não nos valores das classes/tipos de atividade adjacentes,dependendo das características do local/tarefa. Seleção de iluminância Para determinação da iluminância conveniente é recomendável considerar os seguintes procedimentos: Da Tabela 4.2 constam os valores de iluminâncias por classe de tarefas visuais. O uso adequado de iluminância específica é determinado por três fatores, de acordo com a Tabela 4.3. Tabela 4.3 Fatores determinantes da iluminância adequada Características da tarefa Peso e do observador Idade Inferior a 40 anos 40 a 55 anos Superior a 55 anos Velocidade e precisão Sem importância Importante Crítica Refletância do fundo da tarefa Superior a 70% 30 a 70 % Inferior a 30% O procedimento é o seguinte: 1. Analisar cada característica para determinar o seu peso (-1, 0 ou +1); 2. Somar os três valores encontrados, algebricamente, considerando o sinal; 3. Usar a iluminância inferior do grupo, quando o valor total for igual a 2 ou 3; a iluminância superior, quando a soma for +2 ou +3; e a iluminância média nos outros casos. 31

32 A maioria das tarefas visuais apresenta pelo menos média precisão. No anexo I, onde estão os valores para iluminância previstos no item 5.3 da NBR 5413 Iluminação de interiores, para cada tipo de local ou atividade existem três iluminâncias indicadas, sendo a seleção do valor recomendado feito da seguinte maneira: 1. Das três iluminâncias, considerar o valor do meio, devendo este ser utilizado em todos os casos; 2. O valor mais alto, das três iluminâncias deve ser utilizado quando: a) A tarefa se apresenta com refletâncias e contrastes bastante baixos; b) Erros são de difícil correção; c) O trabalho visual é critico; d) Alta produtividade ou precisão são de grande importância; e) A capacidade visual do observador estão abaixo da media. 3. O valor mais baixo, das três iluminâncias, pode ser utilizado quando: a) Refletâncias ou contrastes são bastante altos; b) A velocidade e/ou não são importantes; c) A tarefa é executada ocasionalmente. Passo 2 Estabelecer o tipo de lâmpada e de luminária a serem utilizadas no local. A experiência do projetista é muito importante neste passo, pois um determinado conjunto lâmpada/luminária disponível comercialmente pode-se adaptar melhor a algumas aplicações e não a outras. Por exemplo, iluminação fluorescente convencional é bastante indicada para iluminação de escritórios, e iluminação incandescente é a opção preferencial para galerias de arte, devido a sua excelente reprodução de cores. Passo 3 Para a luminária escolhida no passo anterior determina-se o Fator de Utilização (F u ). Este coeficiente, menor ou igual a 1, representa uma ponderação que leva em conta as dimensões do local e a quantidade de luz refletida por paredes e teto. A contribuição das dimensões do local é feita através do chamado Índice do Local (K) definido de acordo com: K C L H ( C + L) = ; onde: C - comprimento do local, considerando formato retangular (m); L - largura do local (m); H - altura de montagem das luminárias (m). O índice do local permite diferenciar locais com mesma superfície total, mas com formato diferente (quadrado, retangular, retangular alongado, etc.), e também incorpora a influência da distância entre o plano das luminárias e o plano de trabalho. 32

33 De posse do índice do local, o coeficiente de utilização é facilmente obtido através de tabelas cujas outras variáveis de entrada são a fração de luz refletida por paredes e teto. Passo 4 Para o local de instalação determina-se o Fator de Depreciação (F d ). Este coeficiente, menor ou igual a 1, representa uma ponderação que leva em conta a perda de eficiência luminosa das luminárias devido à contaminação do ambiente. Existem tabelas que fornecem valores deste coeficiente em função do grau de contaminação do local e da freqüência de manutenção (limpeza) das luminárias. Passo 5 Determina-se o fluxo luminoso total φ (em lúmen) que as luminárias deverão produzir, de acordo com a seguinte expressão: Passo 6 Passo 7 E S ϕ = F u F d ; onde: E - iluminamento médio (em lux) estabelecido no Passo 1; S = C x L - área do local (m2). Determina-se o número necessário de luminárias N L : N L ϕ ϕ = ; onde: L ϕ - fluxo luminoso total calculado no passo 5; ϕ L - fluxo luminoso (em lúmens) de uma luminária (este valor é conhecido uma vez escolhidas a luminária e a lâmpada - Passo 2). Ajusta-se o número de luminárias de forma a produzir um arranjo uniformemente distribuído (por exemplo, certo número de linhas cada uma com o mesmo número de colunas de tal forma que o número de luminárias resulte o mais próximo possível do valor determinado no Passo 6). Passo 8 Uma vez ajustado o número efetivo de iluminarias por linha e coluna, efetuar o cálculo da iluminancia efetiva no plano de trabalho. 33

34 Método Ponto a Ponto Para descrever o Método Ponto a Ponto é imprescindível apresentar antes duas leis básicas da Luminotécnica, a Lei do Inverso do Quadrado e a Lei dos Cosenos. A Lei do Inverso do Quadrado estabelece que o iluminamento médio cai com o quadrado da distância à fonte luminosa. De fato, conforme ilustra a Figura 4.2, o mesmo fluxo luminoso φ atravessa as superfícies S 1 e S 2, situadas a distâncias d 1 e d 2 da fonte luminosa, respectivamente. Figura 4.2 Lei do Inverso do Quadrado Como o ângulo sólido correspondente às duas superfícies é o mesmo, conclui-se que é válida a seguinte relação: S S 1 2 ω d = ω d d = d Por outro lado, da definição de intensidade luminosa I ϕ = ω ϕ ϕ = = S S d d 2 d d d 2 d ϕ I = resulta: ω = E Em que E(d) indica o iluminamento médio a uma distância genérica d da fonte luminosa. A equação E d = 2 é a expressão matemática da Lei do Inverso do d I Quadrado. A Lei dos Cosenos estabelece que se a superfície (plana) considerada não for normal à direção definida pela intensidade luminosa, o iluminamento médio na superfície será menor que no caso da superfície ser normal e, ainda, a relação entre ambos valores é dado pelo coseno do ângulo formado entre as normais das duas superfícies. d d 2 d 34

35 Figura 4.3 Lei dos Cosenos Entre as superfícies S1 e S2 é válida a relação: S S 1 = 2 cosα Nestas condições, a relação entre os iluminamentos médios em S 1 e S 2 é: ϕ I ϕ I ϕ E2 = = = cosα = E1 cosα S2 S1 S1 cosα Que é a própria expressão matemática da Lei dos Cosenos. O Método Ponto a Ponto permite calcular, em qualquer ponto do plano de trabalho, o iluminamento médio causado por uma fonte luminosa localizada em qualquer ponto do local. Inicialmente considere-se a situação da Figura O problema é determinar o iluminamento médio no plano horizontal no ponto P, causado pela fonte luminosa. Figura 4.4 Método Ponto a Ponto Destaca-se que a intensidade luminosa I(θ) é dada pela curva fotométrica da luminária, considerada conhecida. O iluminamento no ponto P, no plano perpendicular à intensidade luminosa, é calculado através da Lei do Inverso do Quadrado: E P I ( θ ) I ( θ) I( θ) 2 = = = cos θ D h h cosθ 35

36 No ponto P, o iluminamento no plano horizontal é determinado através a Lei dos Cosenos: I( θ ) 3 EPH = EP cosθ = cos θ 2 h Finalmente, considerando todas as luminárias existentes no local, o iluminamento total no plano horizontal em P é determinado através de: E PH = E _ TOTAL n i= 1 PH _ i Em que n indica o número total de luminárias e E PH i é o iluminamento horizontal em P causado pela luminária i. Para obter o iluminamento médio do local, aplica-se esta equação a um conjunto adequado de pontos de verificação e calcula-se finalmente a média aritmética de todos os valores de iluminamento obtidos. Na prática o iluminamento total em um determinado ponto tem contribuição significativa apenas das luminárias mais próximas ao ponto, sendo que a contribuição das luminárias distantes é muito pequena por causa da Lei do Inverso do Quadrado. De todo modo, o cálculo do iluminamento através do Método Ponto a Ponto é feito normalmente através de programa computacional, pois o cálculo manual só é viável em casos simples com poucas luminárias e poucos pontos de cálculo. 4.3 Exemplos de Cálculo de Iluminação a) Método dos Lumens Projetar o sistema de iluminação de um escritório com 18m de comprimento, 8m de largura e 3m de altura (pé direito), com mesas de 0,8 metros de altura. As luminárias serão Philips TCS 029, com duas lâmpadas fluorescentes de 32 W, Branca Comfort. O teto está pintado de verde claro, as paredes estão de azul claro e o chão está revestido com piso na cor marrom. O ambiente é considerado normal com período de manutenção de horas. (I) aparelho de iluminação: Luminária TCS 029 Duas lâmpadas TLDRS 32/ lm 2 x = lm (II) da tabela de iluminâncias recomendadas (item 4.2 ou anexo I), adota-se E = 500lx (III) tem-se l = 18m b = 9m h m = 2,2m (luminária no teto e mesas a 0,8m). B L 18 9 da expressão K = = 2, 7 H ( B + L) 2,2(18 + 9) M 36

37 (IV) consultando a tabela (catálogo da luminária) de fator de utilização F u para esta luminária, com K = 2,5 e considerando para o local uma refletância 511 (50% teto, 10% parede, 10% piso), obtém-se F u = 0,53; (V) da tabela de fator de depreciação F d (item 2.3), considerando ambiente normal e manutenção a cada 5.000h, obtém-se F d = 0,85; E S 500 (18 9) (VI) da expressão ϕ = = lm F u F d 0,53 0,85 ϕ (VII) da expressão N L = = = 36 luminárias; ϕl (VIII) distribuição de luminárias: b) Método Ponto a Ponto Exemplo orientativo para leitura das curvas de distribuição luminosa (CDL), cálculo da intensidade luminosa nos diferentes pontos e a respectiva iluminância. (Figura 4.5). Consultando-se a luminária, cuja CDL está representada na figura 4.6 e supondo-se que esta luminária esteja equipada com 2 lâmpadas fluorescentes LUMILUX 36W/21 (Figura 4.7), qual será a Iluminância incidida num ponto a 30º de inclinação do eixo longitudinal da luminária, que se encontra a uma altura de 2,00 m do plano do ponto? 37

38 LUMILUX 36W/21 ϕ = 3350 lm Luminária para 2x LUMILUX 36W/21 n = 2 Na CDL, lê-se que: I 30 = 340 cd Como este valor refere-se a 1000 lm, tem-se que: 340 I 30º = ( ) = 2278 cd 1000 Seguindo-se a fórmula: I 3 E = α cos a 2 h I30 E cos 3 o = 30 2 h 2278 E = 0,65 4 E = 370lx 38

39 Exercícios Propostos 01) Determinar o número de lâmpadas e de luminárias para iluminar uma fábrica de móveis de 25X50X4m, cujo nível de iluminamento necessário é de 500 lux. O teto e as paredes são claros. O período previsto para manutenção do sistema de iluminação é de 5000 horas. O afastamento máximo entre luminárias é 0,9Xpé direito. Mostre a disposição das luminárias no prédio. 02) Um prédio industrial precisa ser iluminado, nele se fabricam equipamentos muito volumosos. A indústria está instalada num prédio com as seguintes características: - pé direito: 8m; - bancada de trabalho: 65cm, - largura do prédio:21m; - comprimento do prédio: 84m; - paredes de tijolo a vista - teto de concreto No processo produtivo a indústria necessita de um nível de iluminamento de 600 lux, e não pode ter reprodução de cores parcial. Determine o número de lâmpadas e de luminárias a serem instaladas neste prédio e represente a disposição das luminárias na planta baixa. O afastamento máximo entre luminárias é igual a 0,95 X pé direito, e a altura de montagem não pode ser inferior a 6,5 m. 03) Se você fosse indagado sobre o tipo de iluminação mais adequado para iluminar os ambientes relacionados abaixo, qual(ais) o(s) tipo(s) de lâmpadas que você indicaria. Justifique sua resposta. a) escritório b) residência c) indústria de borracha com pé direito de 7m d) loteamento residencial (iluminação pública) e) quadra de esportes 39

40 4) Um galpão industrial é iluminado através de lâmpadas a vapor de mercúrio de 400W, com fluxo luminoso inicial de lumens. Calcular o iluminamento num ponto P na horizontal iluminado por 4 refletores A, B, C e D, conforme figura abaixo. Nota: O pé útil é de 3 m. 40

41 Anexos: I - NBR 5413: Iluminâncias de interiores II Tipos de luminárias e curvas CDL (LUMINE) III Eficiência aproximada de luminárias IV Tabela de eficiência de recinto V Tipo de luminária x Fator de depreciação VI Luminária Philips TCS

42 Anexo I - NBR 5413: Iluminâncias de interiores 1 - Acondicionamento - engradamento, encaixotamento e empacotamento Auditórios e anfiteatros - tribuna platéia sala de espera bilheterias Bancos - atendimento ao público máquinas de contabilidade estatística e contabilidade salas de datilógrafas salas de gerentes salas de recepção salas de conferências guichês arquivos (incluindo acomodações para trabalhos de menor importância) arquivos saguão cantinas salas de controle (quadro distribuidor) e salas grandes de controle centralizado salas pequenas de controle simples parte posterior dos quadros de distribuição (vertical) salas de centros telefônicos automáticos Cervejarias - câmara de fermentação fervura e lavagem de barris enchimento (garrafas, latas, barris) Cinemas e teatros - sala de espetáculos: - durante o espetáculo (luz de guia) durante o intervalo sala de espera, foyer bilheterias Consultórios médicos (ver 28) 4 Barbearias - geral Bibliotecas - sala de leitura recinto das estantes fichário Centrais elétricas - equipamento de ar condicionado, instalação de ventilação, condensadores de cinza, instalação ventiladora para fuligem e cinza ferramentas acessórias, como baterias acumuladoras, tubulações alimentadoras de caldeiras, compressores e jogos de instrumentos afins plataformas de caldeiras alimentação de combustível transportadores de carvão, trituradores e instalação para pó de carvão embasamento da turbina sala da turbina instalações de hidrogênio e CO salas para amolecimento de água laboratório químico Corredores e escadas - geral Correios e telégrafos (ver 3) 12 - Encadernação de livros - dobragem, montagem, colagem, etc corte, perfuração e costura gravação e inspeção Escolas - salas de aulas quadros negros salas de trabalhos manuais laboratórios. geral local anfiteatros e auditórios:. platéia tribuna sala de desenho sala de reuniões salas de educação física costuras e atividades semelhantes artes culinárias

43 14 Escritórios - escritórios de:. registros, cartografia, etc desenho, engenharia mecânica e arquitetura desenho decorativo e esboço Esportes (salão para) - bilhares:. geral mesas bocha boliche:. local de arremesso e pista local dos pinos bola ao cesto e voleibol:. local de jogos locais recreativos e de treinamento esgrima frontão ginástica hóquei:. locais grandes locais recreativos e de treinamento futebol de salão:. quadra locais recreativos e de treinamento tamborete:. quadra locais recreativos e de treinamento piscina (iluminação geral) patinação:. corridas recreação pugilismo e luta livre:. ringue locais recreativos e de treinamento tênis:. quadra de jogos locais recreativos e de treinamento Estações ferroviárias e rodoviárias - sala de espera escritórios e guichês sala de refeições depósitos de bagagens plataformas lavatórios Estações de tratamento de águas e esgotos - operações químicas (laboratórios):. geral mesa de trabalho Estaleiros - salão de montagem modelagem oficina de solda rampa de lançamento:. guindastes zonas de trabalho zonas de transporte Fabricação manual de tapetes ou similares - geral Farmácias e drogarias (ver 28) 21 Fundições - área de carregamento e enchimento fabricação de moldes e machos (trabalho fino) fabricação de moldes e machos (trabalho grosseiro) moldagem grosseira fundição e classificação de peças fundidas limpeza e acabamento inspeção (material de precisão) inspeção (material grosseiro) Funilaria - bancada, prensa, tesoura, estampagem, máquinas para formar cilindros a frio, máquinas perfuradoras inspeção de chapas de metal estanhado e galvanizado, riscagem de desenhos em chapas de metal Gabinetes dentários (ver 28) 24 - Galerias de artes (ver 58 e 61) 25 - Galvanoplastia e operações similares - banho polimento Garagens - oficinas bancadas áreas de lubrificação poços de lubrificação lavagem estacionamento interno loja Hangares (ver 34) - consertos e manutenção revisão de motores

44 28 Hospitais Luminotécnica e Lâmpadas Elétricas - sala dos médicos ou enfermeiras:. geral mesa de trabalho quarto de preparação arquivo farmácia:. geral mesa de trabalho trabalho com radioisótopos:. laboratório radioquímico salão de medidas mesa de trabalho otorrinolaringologia:. sala de exame autópsias:. geral depósitos de cadáveres terapia:. física aplicada lavabos raio-x:. radiografias, fluoroscopia e câmara radioterapia profunda e superficial exames de provas arquivos de filmes revelados estocagem de filmes sem revelações dispensário:. geral mesa depósito de remédios banheiros:. geral espelhos (iluminação suplementar) biblioteca pronto-socorro:. geral corredores e escadas escritórios (ver 14) - cozinhas laboratórios de análises:. sala de pesquisa mesa de trabalho salas de diagnósticos e terapêuticas:. geral mesa de diagnóstico departamento cirúrgico:. sala de operação (iluminação geral) sala de esterilização departamento dentário:. sala de dentista (iluminação geral) lavatórios departamento de maternidade:. sala de partos (iluminação geral) berçário sala de atendimento ao berçário lavanderia (ver 55) - quartos particulares para pacientes:. geral cama Hotéis e restaurantes - banheiros espelhos (iluminação suplementar) corredores e escadas lavanderia: (ver 55) - sala de leitura:. geral mesa cozinha:. geral local quartos:. geral cama (iluminação suplementar) escrivaninha penteadeiras salão de reuniões:. salão de conferências tablados exposições e demonstrações sala de reuniões de hóspedes restaurantes lanchonetes auto-serviço portaria e recepção centro telefônico Igrejas e templos - nave, entrada, auditórios, sem ofício nave, entrada, auditórios, com ofício púlpito, com ofício Indústrias alimentícias - seleção de refugos limpeza e lavagem classificação pela cor (sala de cortes) cortes e remoção de caroços e sementes enlatamento:. mecânico (correia transportadora) manual inspeção de latas cheias (amostras para ensaios) trabalho com latas:. inspeção selagem das latas arranjo de latas e acondicionamento em caixas de papelão Indústria de artigos de ourivesaria e joalheria - geral

45 - local Indústria de automóveis - construção de carrocerias e chassis, montagem das partes componentes linha de montagem dos chassis montagem de carrocerias acabamento e inspeção Indústrias de aviões - fabricação:. perfuração, rebitagem e pivotagem cabines de pulverização riscagem de chapas de alumínio, fabricação de gabaritos ou modelos de braçadeiras, parte da fuselagem, peças das asas, etc solda:. iluminação geral iluminação suplementar sobre o trabalho montagem:. trem de aterrissagem, montagens, peças das asas, casco de fuselagem e outras peças grandes montagem final:. colocação dos motores, peças das asas, trem de aterrissagem, etc inspeção da fuselagem completa e equipamentos consertos das máquinasferramenta Indústrias de borrachas - processamento de matérias-primas:. trituração, vulcanização calandragem outras operações:. máquinas para pneumáticos de veículos, mangueiras de borracha, moldagem por compressão, moldagem por extrusão, refinação inspeção final Indústrias de calçados - couros:. riscagem de modelos, cortes, costuras, formação de pares e classificação pregação com tachas, colocação de solas, pregueação, colocação nas fôrmas, colocação de vira, enrijecimento, limpeza, tingimento e polimento borracha:. lavagem, tratamento de composto de borracha, confecção de lençóis de borracha envernizamento, vulcanização, calandragem, corte da parte superior e solas rolamentos de solas, colagem do revestimento interno, montagem e acabamento Indústrias de cerâmicas - trituração, filtragem e prensa, secagem moldagem, acabamentos e limpeza coloração e vitrificação (grosseira) coloração e vitrificação (delicada) decoração manual Indústrias de chapéus - tingimento, impermeabilização, limpeza e refinação formação, dimensionamento, perfuração, confecção de aba, acabamento e passagem a ferro costuras e guarnecimento Indústrias de cimentos - moagem, fornos ensacamento escalas, painéis e instrumentos Indústrias de confeitos - seção de chocolates:. quebra, seleção, extração de gordura, alisamento e purificação, trans fabricação de balas recheios:. mistura, fervura, amassamento decoração manual confeitos consistentes:. mistura, fervura, amassamento corte, classificação e acondicionamento Indústrias de conservas de carnes - abate de gado limpeza e corte cozimento, moagem, enlatamento e acondicionamento Indústrias de couros - tanques limpeza, curtimento, estriagem, tingimento divisão, descarnamento e preparação acabamento e inspeção Indústrias de fumos - secagem, rasgamento, corte e mistura

46 - preparação de melados, essências e goma inspeção e classificação máquinas para cigarros, charutos e filtros encarteiramento e empacotamento Indústrias de gelo - geral Indústrias de gravação de desenhos e dizeres - geral Indústrias de luvas - cortes, prensagem, perfuração confecção de malhas, classificação costuras, guarnecimento, inspeção Indústrias de materiais elétricos e telecomunicações - impregnação isolação enrolamento, bobinagem ensaios, inspeção trabalhos mecânicos e de montagem (ver 33) 48 - Indústrias metalúrgicas - usinagem grosseira e trabalhos de ajustador usinagem média e trabalhos de ajustador, trabalhos grosseiros de plainas, tornos e polimento usinagem de precisão de trabalhos de ajustador, máquinas de precisão automática, plainamento, tornos de precisão e polimento de alta qualidade usinagem de alta precisão e trabalhos de ajustador Indústrias de papéis - abertura e trituração, calandragem máquinas de papel, cortes, usinagem e refinação máquinas de papel lado úmido máquinas de papel lado seco, inspeção, laboratório Indústrias químicas - fornos de operação manual, secadores estacionários, caldeiras e tanques de cristalização fornos mecânicos e tanques de cristalização, vasos de evaporação, filtragem, alvejamento caldeiras de engrossamento, extração, filtragem e equipamento de filtração, eletrólise indústria e reparação de relógios, cronômetros e equipamento de precisão:. geral Indústrias de sabão - fervura, cortes, fabricação de pó e flocos prensagem, acondicionamento e embalagem, enchimento das caixas de papelão com sabão em pó e acondicionamento das caixas Indústrias têxteis - algodão:. abertura de fardos, batedores, misturas, classificação cardação, estiragem, engomagem, enrolamento de bobinas e carretéis, fiação espulagem, classificação, urdimento preparação dos rolos de urdume tecelagem inspeção (peças estacionárias) inspeção (peças em movimento rápido) engrupagem automática engrupagem manual sedas e fibras sintéticas:. desengomagem, tingimento, secagem enrolamento de bobinas e carretéis, retorção urdimento, fiação tecelagem lã:. abertura de fardos, batedores, misturas, classificação lavagem, massaroqueiras mistura inspeção cardação, estiragem, engomagem, retorção, enrolamento de espulas fiação (branca) fiação (colorida) tecelagem (branca) tecelagem (colorida) urdimento engrupagem Indústrias de tintas - geral igualação de cores de acordo com os padrões (localmente na fábrica)

47 53 - Indústrias de vestuário - inspeção do material corte e passagem costura e guarnecimento Indústrias de vidros - salas de mistura e salões de fornos, moldagem e pressão, resfriamento e sopramento à maquina esmerilhamento, corte dimensional, prateamento esmerilhamento fino, polimento, chanframento gravação, polimento e inspeção Lavanderias - lavagem de roupas passagem de peças a ferro, pesagem, contagem e marcação calandragem, classificação passagem manual a ferro de peças delicadas (saias e golas de vestidos) Lavatórios - geral espelho Locais de armazenamento - armazéns gerais (não usados freqüentemente) armazéns de fábricas (usados freqüentemente):. armazenamento de volumes grandes armazenamento de volumes pequenos armazenamento de volumes muito pequenos Lojas - dimensionamento, plainagem, lixamento grosso, aparelhamento semipreciso, colagem, folheamento e montagem aparelhamento de precisão, lixamento fino e acabamento Moinhos de farinhas - moagem, peneiramento, purificação embalagem inspeção do produto limpeza de peneiras, passagem, inspeção de tanques Museus - geral quadro (iluminação suplementar) esculturas e outros objetos Padarias - sala de mistura porta-massa (iluminação vertical) sala de fermentação sala de preparação espaço de forno decoração de moldagem sala de embalagem Pinturas - imersão, pulverização, remoção de camadas antigas, lixamento, pintura e acabamento pintura e acabamento de alta qualidade pintura e acabamento de qualidade superior (automóvel, piano, etc.) polimento e brunimento vitrinas e balcões (centros comerciais de grandes cidades):. geral iluminação suplementar com facho concentrado vitrinas e balcões (outros locais fora dos centros comerciais):. geral iluminação suplementar com facho concentrado interior de:. loja de artigos diversos centros comerciais outros locais Marcenaria e carpintaria - serragem e aparelhamento, trabalho grosseiro Produtos de papel (caixas de papelão) - sala de fabricação armazenamento Residências - salas de estar:. geral local (leitura, escrita, bordado, etc.) cozinhas:. geral local (fogão, pia, mesa) quartos de dormir:. geral local (espelho, penteadeira, cama) hall, escadas, despensas, garagens:. geral local

48 - banheiros:. geral local (espelhos) Restaurantes (ver 29) 67 Siderúrgicas - depósito de matérias-primas áreas de carregamento enchimento de fornos:. poço de resíduos aberturas para inspeções fundição de lingotes depósitos de lingotes conserto de portas do forno e material refratário depósito de refugo fabricação de aço compartimento de trituração Soldas - iluminação geral solda de arco de precisão (manual) Tapeçarias - estofamento de móveis Terminais de vídeo - leitura de documentos (para datilografia) teclado Tinturarias - marcação, classificação, lavagem e limpeza inspeção e remoção de manchas passagem de roupas (a máquina ou manual) consertos e modificações Tipografias - fundição de tipos:. confecção de matrizes fundição de tipos (mecânica ou manual), classificação oficinas tipográficas:. inspeção de cores montagem de tipos na máquina, sala para a montagem manual de tipos impressão mesas de fôrmas revisão seção eletroquímica:. gravação, retocagem e acabamento de matrizes estereotipagem litografia:. gravação, tiragem de provas retocagem e inspeção preparação de cores cobrimento (máscaras) Trabalhos com couros - prensagem, enrolamento e polimento inspeção, classificação, corte e costura Tratamento de carvão - trituração, peneiramento, lavagem classificação (correia transportadora) Usinas de aço - forjas laminação:. uma fase de laminação, laminação a quente de tiras, laminação a frio de tiras e chapas trefilação de tubos, vergalhões e fios fabricação de chapas:. estanhagens, galvanização, laminação a frio salas de máquinas inspeção:. chapas pretas, chapas laminadas chapas estanhadas e outras superfícies claras Usinas de açúcar - moagem, mistura, fervura, transporte usinagem centrífuga, purificação, peneiramento Inspeção de cor armazenamento Usinas de leite - sala de esterilização, armazenamento de garrafas, instalações de lavagem de latas para leite, instalações de resfriamento, salão de resfriamento, pasteurização e separação de cremes classificação de garrafas inspeção na máquina de lavar inspeção durante o enchimento sala de pesagens balanças laboratórios

49 Anexo II Tipos de Luminárias e curvas CDL (LUMINE) Tipo Esquema CDL Descrição A1 Luminária de embutir para lâmpada refletora elíptica teto Tipo de iluminação Direta A1.1 Luminária de embutir para lâmpada refletora teto Direta A1.2 Luminária refletora de embutir para lâmpada de descarga de alta pressão teto Direta A2 Luminária refletora suspensa para lâmpada fluorescente teto Direta A2.1 Refletor suspenso - teto Direta A3 Luminária de embutir para lâmpadas fluorescente compacta e incandescente teto Direta B2 Luminária de sobrepor para lâmpadas fluorescentes e incandescente teto Direta 49

50 Tipo Esquema CDL Descrição B4 Luminária de sobrepor para lâmpada fluorescente tubular teto Tipo de iluminação Direta C2 Luminária de sobrepor com plafonier para lâmpada fluorescente tubular teto Direta C4 D2 Luminária de sobrepor e de tipo Spots para lâmpadas fluorescentes e incandescente nuas teto Luminária de sobrepor para iluminação semi-indireta teto Direta Semi-indireta E2 Luminária de sobrepor para iluminação indireta parede Indireta E3 Refletor de sobrepor para iluminação indireta - baixa Indireta 50

51 Anexo III Eficiência Aproximada de Luminárias 51

52 Anexo IV Tabela de Eficiência do Recinto 52

53 53

54 54

55 55

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

Lâmpadas de Multivapores Metálicos

Lâmpadas de Multivapores Metálicos a u l a p r á t i c a Lâmpadas de Multivapores Metálicos Por Adriana Felicíssimo Eficiente, durável, econômica e... de luz branca SURGIDA HÁ CERCA DE 40 ANOS, A LÂMPADA de multivapores metálicos vem sendo

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

INFORMAÇÕES. Técnicas

INFORMAÇÕES. Técnicas INFORMAÇÕES Técnicas Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS ESCOLA POLITÉCNICA DA USP PEA - LABORATÓRIO

Leia mais

Luminotécnica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias

Luminotécnica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CT INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Prof. Dr. Rafael Rocha Matias Luminotécnica Isaías de Sousa Barbosa Júnior Jaílson Leite Silva Leiviane Camarço

Leia mais

Lâmpadas de Descarga (HID)

Lâmpadas de Descarga (HID) Lâmpadas de Descarga (HID) ARTCOLOUR (MH-T) HPLN (Mercúrio) Lâmpada de Multi-Vapor Metálico coloridas, tipo MH-T, consistem de um tubo de descarga em quartzo, contendo vapor de mercúrio em alta pressão

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

Manual de Luminotécnica

Manual de Luminotécnica Apostila auxiliar da disciplina ENE-065 para o curso de Engenharia Elétrica da UFJF Manual de Luminotécnica Prof. Rodrigo Arruda Felício Ferreira 2010 Sumário Grandezas e conceitos... 1 Tipos e características

Leia mais

PROJETO DE ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES INTERNOS ESPECIAIS

PROJETO DE ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES INTERNOS ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO DE GRADUAÇÃO PROJETO DE ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES INTERNOS ESPECIAIS THIAGO MORAIS SIRIO FIORINI VITÓRIA

Leia mais

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID INDICE FLUORESCENTES COMPACTAS..................................................7 Espirais T2 Espirais alta potência Retas 2U e 3U Retas de alta potência Espirais

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento.

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 4.1. Definições Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. Iluminância (E): relaciona a luz que

Leia mais

de Ambientes Automação

de Ambientes Automação Automação de Ambientes Este documento solução é de propriedade da ARTIERE e fica expressamente proibida a reprodução e/ou divulgação, sem a permissão por escrito da Artiere Comercial Ltda. Todos os direitos

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006

I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 I ENCONTRO NACIONAL DE ILUMINAÇÃO DE MONUMENTOS E CONJUNTOS URBANOS PROTEGIDOS ESCOLA DE MINAS DA UFOP OURO PRETO / MG. SET/2006 Prof. Luiz Fernando Rispoli Alves DECAT/EM/UFOP 2006 Base para a elaboração

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

Manuais Elektro de Eficiência Energética. Segmento Industrial. Uma publicação da Elektro - Eletricidade e Serviços S.A.,

Manuais Elektro de Eficiência Energética. Segmento Industrial. Uma publicação da Elektro - Eletricidade e Serviços S.A., Segmento Industrial Uma publicação da Elektro - Eletricidade e Serviços S.A., dentro das ações do Programa de Eficiência Energética. Publicação elaborada com base nos Manuais de Administração de Energia

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DO PROFESSOR 2 APOSTILA DO PROFESSOR PRÁTICA N 1 - Dispositivos de comando de iluminação. LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso é a potência da radiação eletromagnética emitida ou recebida por um corpo Fluxo Radiante (watt

Leia mais

Segredos da Iluminação

Segredos da Iluminação Introdução Reunimos neste guia, informações de A az sobre luminárias e iluminação. Esperamos que ele seja de grande utilidade para você. 1 Abertura de Facho Trata-se do ângulo sólido luminoso formado em

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

MANUAL DE ILUMINAÇÃO EFICIENTE

MANUAL DE ILUMINAÇÃO EFICIENTE MANUAL DE ILUMINAÇÃO EFICIENTE PROCEL PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Engº Pierre Rodrigues 1ª Edição - JULHO/2002 Índice ILUMINAÇÃO EFICIENTE... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRINCÍPIOS

Leia mais

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050 Lâmpadas LED Lâmpadas LED da Technosol Modernidade e simplicidade numa infindável variedade Está à procura de cor e ambiente? Anseia acentuar os seus espaços favoritos e imagens? Deseja decorar a sua casa

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 5 Luminotécnica Porto Alegre - 2012 Tópicos A importância da boa iluminação Conceitos básicos de luminotécnica Grandezas e unidades

Leia mais

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz Lâmpadas MASTER LED SPOT - Serviço Philips de Orientação Técnica Fone: 0800 979 19 25 E-mail: luz.spot@philips.com www.philips.com/masterled Veja do que a luz é capaz Especifi cações e informações técnicas

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO

LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO LED - ILUMINAÇÃO DE ESTADO SÓLIDO Marcelle Gusmão Rangel, Paula Barsaglini Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP marcellerangel@gmail.com,

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

TOPLEDS Lighting Solutions 1

TOPLEDS Lighting Solutions 1 TOPLEDS Lighting Solutions 1 INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE ECONOMIA LED, sigla em inglês de Diodo Emissor de Luz, é um semicondutor com vida útil extremamente longa, montado em um chip de silício que recebe

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Lâmpadas Incandescentes e Halógenas Lâmpadas Fluorescentes Lâmpadas de Descarga - HID Fontes de Luz Fontes de Luz Forma de Emissão de Luz Incandescência de um Filamento

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA.

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. Sérgio Luiz Sousa Nazario, Paulo Renda Anderson, Rodrigo

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1

LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 LABORATÓRIO CASEIRO DE FÍSICA MODERNA * 1 S. M. Arruda D. O. Toginho Filho Departamento de Física UEL Londrina PR Resumo A montagem de um laboratório de Física Moderna enfrenta um obstáculo muitas vezes

Leia mais

Iluminando com Luz Fria

Iluminando com Luz Fria 1 Fonte: Lumatek Iluminação http://www.luzfria.com.br/web/catalogo/tutorial_iluminando_lf.htm Iluminando com Luz Fria As lâmpadas fluorescentes são uma eficiente fonte de luz, com qualidades que nenhum

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas

TE067-Laboratório de Engenharia Elétrica V Lâmpadas Lâmpadas Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin)

TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin) Capítulo 3 - Grandezas Luminotécnicas e Elétricas 3.1 - Grandezas Luminotécnicas Temperatura de Cor TEMPERATURA DE COR - K (Kelvin) 5800 K - luz branca natural Sol em céu aberto ao meio-dia 2000K 2700K

Leia mais

Manual de Iluminação

Manual de Iluminação Manual de Iluminação Agosto/2011 ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com PROCEL - Programa Nacional de Conservação

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Projetos de iluminação residencial

Projetos de iluminação residencial a r t i g o Projetos de iluminação residencial Por Marcela de Carvalho Fontes Como torná-los energeticamente eficientes Desde os tempos mais primórdios, o homem busca a luz como fonte de sobrevivência,

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Projeto Gráfico. Tiragem. planovisual.com.br. 2.000 unidades

Projeto Gráfico. Tiragem. planovisual.com.br. 2.000 unidades Projeto Gráfico planovisual.com.br Tiragem 2.000 unidades Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. A Kian se reserva no direito de alterar características, substituir ou retirar

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ILUMINAÇÃO COM LEDs: ALTERNATIVA DE SUBSTITUIÇÃO DA INSTALAÇÃO EXISTENTE DA SUBESTAÇÃO JATAÍ. EDUARDO SANTOS

Leia mais

CONDUTORES ELÉTRICOS

CONDUTORES ELÉTRICOS CONDUTORES ELÉTRICOS R = ρ l S ( Ω) Produto metálico, geralmente de forma cilíndrica, utilizada para transportar energia elétrica ou transmitir sinais elétricos. ρ cobre = 1,72 10-8 Ωm ρ alum = 2,80 10-8

Leia mais

O futuro da iluminação.

O futuro da iluminação. www.osram.com.br O futuro da iluminação. PORTFÓLIO COMPLETO! LampLEDs para iluminação geral e iluminação de efeito. www.osram.com.br O futuro da iluminação. Para a OSRAM, especialista em iluminação, os

Leia mais

Resistores. Para que servem os resistores?

Resistores. Para que servem os resistores? Resistores Esta aula irá descrever os resistores de valores fixos e comentar algumas de suas aplicações mais importantes nos circuitos elétricos/eletrônicos. Para que servem os resistores? Na prática,

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

Conceitos básicos de Luminotécnica

Conceitos básicos de Luminotécnica Manual Luminotécnico Prático Conceitos básicos de Luminotécnica nm 10 13 10 11 10 9 10 7 10 7 10 3 10 10 3 Ondas largas Ondas médias Ondas curtas Ondas ultracurtas Televisão Radar Infravermelho Luz Ultravioleta

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Dicas para um projeto de iluminação

Dicas para um projeto de iluminação Dicas para um projeto de iluminação Um bom projeto luminotécnico deve levar em conta basicamente duas coisas: o uso do espaço e tudo o que queremos valorizar nele. Num living, por exemplo, uma iluminação

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED. Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 22/07/2014 Breve histórico Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Um sistema de elevadores funciona com dois elevadores iguais conectados por duas polias sem atrito, conforme mostra a figura. Cada elevador tem a lotação

Leia mais