Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema."

Transcrição

1 Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização completa e imediata de dados ou fenômenos tabulados. Seus requisitos básicos devem ser: Simplicidade Deve ser evitado o excesso de informações num só gráfico. Clareza O gráfico deve ser auto-explicativo, não dificultando a compreensão da idéia que busca exprimir. Precisão Deve preservar a relação entre a escala gráfica e a realidade que esta representa. Qualquer imprecisão, no trato ou na escolha da escala, irá, sem dúvida distorcer a realidade. Os gráficos de informação apresentam como vantagem o fato de serem facilmente compreendidos até mesmo por leigos no fenômeno observado. A confecção de gráficos de informação é outra área beneficiada pelo advento da informática. Através de sistema traçadores de gráficos (a partir de coordenadas) ou geradores de gráficos (a partir de uma função ou de uma série estatística), tal trabalho tem sido feito sem demora, com precisão e ótima aparência. Verificar exemplos no livro O&M integrado à informática, capítulo 7, também feito em sala. Gráficos Organizacionais Os gráficos de organização não diferem muito dos de informação quanto aos seus princípios básicos: permitir uma rápida e precisa visualização de certos fenômenos esquematizados. A diferença é que, enquanto os gráficos de informação se preocupam com os resultado dos esforços, expresso em termos numéricos ou percentuais, os gráficos de organização mostram os meios utilizados para a obtenção dos resultados. Nos gráficos de organização procura-se mostrar os recursos técnicos que estão sendo usados, sejam tais recursos operações técnicas ou sistemas de órgãos e pessoas dispostas de maneira a atingirem certos resultados. Neste estudo procuramos enfocar os mais usuais destes gráficos: o fluxograma, o organograma e o quadro de distribuição de trabalho (QDT). os no livro O&M integrado à informática. Fluxograma Fluxograma é a representação gráfica do movimento e operação de pessoas, documentos ou materiais entre diversas unidades da organização. Os fluxogramas representam um importante instrumento para compreensão e análise do funcionamento dos sistemas. Através deles pode-se visualizar de maneira mais nítida, a seqüência de operações de um sistema; verificar se tais operações estão sendo executadas de maneira mais eficiente, pelos órgãos e pessoas adequadas; e ver se não há duplicidade de execução ou passos dispensáveis. Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Vantagens: Fornecem condições para simplificar o trabalho através da eliminação, combinação ou reposicionamento dos passos de modo a obter melhor seqüência para o desenvolvimento. Melhor localização, correção e conseqüente eliminação para os movimentos e contatos considerados desnecessários.

2 Facilitam a implantação de normas e de instruções propiciando aos seus usuários melhor compreensão. Possibilita facilmente uma visão geral do conjunto. Entretanto para que os fluxogramas mostrem realmente o modo pelo qual as coisas estão sendo feitas, é essencial que o analista: Defina com a melhor precisão possível o que será estudado; Defina os pontos de início e de término do processo; Identifique e numere cada uma das fases; Identifique os documentos que fazem parte ou são componentes do fluxo. Exercícios: 1- Imagine um programa que leia 2 valores: A e B e escreva se A é maior que B.(condicional simples) 2- Imagine um programa que leia 2 valores A e B e escreva se ambos são maiores que 10 ou não. (1 condicionais composta) 3- Imagine um programa que leia 2 valores e escreva os valores que são maiores que 10. (2 condicionais compostas encadeadas) 4- Fazer um fluxograma para representar um programa que leia 3 valores até que eles sejam distintos e os escreva em ordem crescente. 5- Fazer um fluxograma para representar um programa que calcule a média geral de 50 alunos. A média de cada aluno é baseada em duas notas Nota1 e Nota2. 6- Acrescentar ao fluxograma anterior o calculo de quantos alunos possuem media menor que cinco e escrever a média de cada aluno quando esta for maior ou igual a cinco. 7- Fazer um fluxograma para representar um programa que escreva a maior e a menor média de um conjunto indeterminado de alunos. Quando a Nota1 for igual a 1 deve se então parar com a leitura das notas dos alunos. 8- Fazer um fluxograma para representar um programa que calcula e escreve a maior e a menor média de um conjunto indeterminado de alunos. Quando a nota de NAC lida for negativa deve se parar a leitura. 9- Um comerciante deseja saber o lucro de suas mercadorias. Para isso mandou digitar uma linha para cada mercadoria com o nome, preço de compra e preço de venda, que será a entrada dos dados. O algoritmo deverá determinar e escrever quantas mercadorias proporcionam: 10% <= Lucro <= 20% e Lucro > 20%. Determine e escreva também o valor total de compra e de venda de todas as mercadorias, assim como o lucro total. 10- Um produto radioativo perde metade de sua massa a cada 50 segundos. Criar um fluxograma para representar um programa que calcula e escreve quantos minutos são necessários para que o material de massa inicial que deve ser lida, fique com massa menor que 0,5 grama. 11- Imagine uma cidade A com habitantes e taxa de crescimento de 3% ao ano, e uma cidade B com habitantes e taxa de crescimento de 1,5% ao ano. Fazer um fluxograma para representar um programa que calcule e escreva quantos anos são necessários para que a cidade A alcance a cidade B. 12- Criar um fluxograma para representar um programa que leia um vetor A de 10 elementos, crie e escreva um vetor B, que é o inverso de A. 13- Criar um fluxograma para representar um programa que leia 2 vetores A e B de tamanho 10, calcule e escreva um terceiro que é a soma inversa entre A e B. 14- Criar um fluxograma para representar um programa que leia 2 matrizes A e B de dimensão 5x2, calcule e escreva a terceira que é a soma entre A e B. 15- Fazer um fluxograma para uma empresa que vende livros pela Internet. 16- Fazer um fluxograma para representar o processo de uma empresa que vende carros. O processo começa com a criação do pedido, em seguida um verificação no estoque é realizada. Não havendo o

3 produto em estoque o cliente é informado e o pedido é cancelado. Tendo o produto em estoque, um documento formal é gerado, o pagamento é efetuado e o produto é liberado. 17- Fazer um fluxograma para representar o processo de uma empresa que vende computadores. A empresa acaba de ser criada e usa como estratégia de marketing, a entrega de qualquer pedido em 24h. O processo começa com a criação do pedido, logo em seguida as peças reunidas, o equipamento é montado e um teste é realizado. Havendo algum problema o produto volta para a montagem. Estando ok, um relatório é gerado, o pagamento é efetuado o produto é liberado. 18- Fazer um fluxograma para representar o processo de uma empresa prestadora de serviços como a saga. Organograma O organograma é uma ferramenta gráfica assim como o fluxograma, porém com finalidade diferente, pois o organograma procura representar a estrutura forma da empresa, ou seja, a disposição e a hierarquia dos órgãos. Existem várias maneiras de representar a estrutura de uma empresa. Tem por objetivo representar a organização formal, configurada na estrutura oriunda do regulamento da empresa, demonstrando os diversos órgãos, seus posicionamentos, vias hierárquicas existentes e as linhas de autoridade, subordinação e vinculação. Qualquer estrutura organizacional é composta, basicamente, por órgãos de linha e por órgãos de assessoria. Entende-se por órgão de linha todos aqueles que comandam e tomam decisões, dentro dos objetivos e recursos da organização. Do mesmo modo, conceitua-se como órgãos de assessoria todos aqueles que orientam e prestam serviços aos órgãos de linha, sem decidir por si próprios. Um organograma apresenta, entre outras, as seguintes vantagens: Permite rapidamente visualizar quem é quem na estrutura, ou seja, quais os órgãos de linha, quais os de assessoramento, quem está subordinado a quem, quais os órgãos qu mantêm ligações funcionais etc. Possibilita melhor compreensão dos fluxos de autoridade, dos relacionamentos formais, de caráter hierárquico ou funcional. Demonstra a importância dos órgãos em termos hierárquicos, assim como das atividades exercidas através da especialização dos mesmos. Do mesmo modo, um organograma apresenta as seguintes limitações: Pode ficar meio complicado em termos de compreensão, quando se tentam indicar inidicar todas as situações estruturais possíveis. Se não estiver atualizado, retratando a empresa naquele momento, pouca ou nenhuma validade terá, pois em condições de fornecer interpretações errôneas. Na elaboração de um organograma, determinados cuidados deverão ser tomados, por exemplo: Ser claro; Ser preciso; Ter estética. Tipos de Organogramas: Clássico; Em Barras; Circular, em Setores ou Setograma; Radial ou Solar. I Organograma Clássico

4 É o tipo mais comum, compondo-se de retângulos e linhas verticais e horizontais. Entre os diversos tipos, é o que apresenta maior facilidade de construção, a par de grande flexibilidade em termos de mudanças estruturais, sem causar grandes alterações no restante do diagrama. II Organograma em Barras É aquele em que os órgãos componentes da estrutura são configurados através de longos retângulos horizontais, começando todos na mesma posição à esquerda, e prolongando-se para a direita. Dentro da filosofia deste gráfico, quanto maior for a importância do órgão, maior será o dimensionamento do retângulo, ou seja, mais se avança para a direita. Apresenta pouca flexibilidade de mudança diante de situações excepcionais. Presidente Departamento de Produção Divisão de Controle de Qualidade Divisão de Controle de Produção Departamento Administrativo Financeiro Divisão de Contabilidade Divisão de Recursos Humanos Divisão de Tesouraria III Organograma Circular, em Setores ou Setogramas Tem sua filosofia de construção baseada em círculos concêntricos, de modo que representam os diversos níveis hierárquicos, estética e compactamento. A autoridade máxima posiciona-se no centro e, à medida que os órgãos se aproximam da periferia, diminui seu nível hierárquico. Também é um gráfico de pouca flexibilidade. IV Organograma Radial ou Solar Procura representar a estrutura formal, usando um sua configuração a filosofia do sistema solar. Desse modo, a autoridade máxima localiza-se no círculo posicionado na parte central do gráfico, eqüivalendo à posição do sol; os departamentos ocupam as posições correspondentes às dos planetas; as divisões e setores ou seções fazem correspondência com os satélites e subsatélites, aparecendo muitas vezes dentro dessas ramificações os órgãos menores, o que complica sobrepondo a compreensão do gráfico.

5 Div. Contabilidad e Depto de Adm/Fin Depto de Produção Div. Controle Qualidade Div. RH Presidência Div. Controle Produção Depto de Planejamento Tipos de Estrutura: 1-Estrutura Linear Forma estrutural mais simples e mais antiga, baseada no comando, os supervisores recebem obediência dos seus subordinados. Diz-se linear porque a organização é piramidal, onde os chefes recebem e transmitem diretamente aos seus subordinados. Ela possui autoridade única obediência a um único chefe, linha direta; É uma estrutura simples e de fácil compreensão; facilidade de implantação. É muito aplicada em organizações pequenas e que não requer especialistas em tarefas técnicas; quando está no início de sua história; tarefas padronizadas e rotineiras, numa estrutura própria estável e formal; realização de trabalho maior que a qualidade; se necessitar de assessoria, contrata uma externa. Exemplo: A Órgãos da primeira linha B C Órgãos da segunda linha B1 B2 B3 C1 C2 Órgãos da terceira linha

6 2-Estrutura Funcional: A Organização Funcional é o tipo de estrutura organizacional que aplica o princípio da especialização das funções para cada tarefa. O princípio funcional é responsável pela diferenciação entre os diversos tipos de atividades de funções; ela separa, distingue e especializa. A Organização Funcional caracteriza-se pela descentralização das decisões, ou seja, pelo deslocamento e distribuição das decisões para os órgãos mais adequados para sua tomada e implementação. As decisões são delegadas aos órgãos ou cargos especializados que possuam conhecimento necessário para melhor implementá-los. A especialidade promove as decisões. Promove o trabalho em equipe. Exemplo: Presidência Divisão de Planejamento Divisão de Pessoal Divisão de Manutenção A B C D E F 3-Estrutura Linha-Staff: O tipo de organização linha-staff é o resultado da combinação dos tipos de organizações linear e funcional, buscando-se incrementar as vantagens desses dois tipos de organização e reduzir as suas desvantagens. É denominada também de organização do tipo hierárquico-consultivo. Ressalta, entretanto, que o Assessor Técnico deve ser completamente independente dentro de suas atribuições, para que possa Ter total liberdade de ação. Flexibilidade e facilidade de comando; Permite a participação de especialistas em qualquer ponto da linha hierárquica; Permite confiar nas normas e determinações; Limita a responsabilidade das chefias. Possibilidades de conflito entre o staff e chefes de linha; Exemplo: A staff staff B C B1 B2 B3 C1 C2

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela:

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela: 1 Organograma Linear O organograma linear de responsabilidade revela: 1. A atividade ou decisão relacionada com uma posição ou cargo organizacional, mostrando quem participa e em que grau, quando uma atividade

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Organogramas. Há um grande número de técnicas de representação. Estrutural, circular ou radial, funcional, estruturalfuncional,

Organogramas. Há um grande número de técnicas de representação. Estrutural, circular ou radial, funcional, estruturalfuncional, Organogramas Introdução e conceito Gráfico que representa a estrutura formal da organização num determinado momento Deve ser usado como instrumento de trabalho Requisitos: Fácil leitura Permitir boa interpretação

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS. Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS. Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS Profa. Msc. Milena Maia milenamaiaprofa@gmail.com Organogramas Representação das relações formais que ocorrem dentro da empresa, através de linhas de responsabilidade e autoridade.

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE PROCESSOS: FLUXOGRAMA

REPRESENTAÇÃO DE PROCESSOS: FLUXOGRAMA REPRESENTAÇÃO DE PROCESSOS: FLUXOGRAMA Fluxogramas: ferramentas de representação gráfica do trabalho realizado na organização, possuindo vários tipos e grau de complexidade, de acordo com o objetivo a

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS Rodrigo Müller rodrigo.muller@ufpr.br O ambiente competitivo atual faz com que as organizações busquem cada vez mais as melhorias contínuas em seus processos, produtos e serviços.

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

AULA 5 FLUXOGRAMA, ORGANOGRAMA FUNCIONOGRAMA E QDT

AULA 5 FLUXOGRAMA, ORGANOGRAMA FUNCIONOGRAMA E QDT AULA 5 FLUXOGRAMA, ORGANOGRAMA FUNCIONOGRAMA E QDT OBJETIVO: Adquirir conhecimentos para a aplicação de fluxogramas e compreender o uso e representação de organogramas, do funcionograma e do quadro de

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

Processo administrativo. Auto: Ader Fernando Alves de Pádua

Processo administrativo. Auto: Ader Fernando Alves de Pádua Processo administrativo Auto: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo apresentara os quatro tipos de fundamentos do processo administrativo tais como Planejamento, Organização, Direção e

Leia mais

INTRODUÇÃO TÉCNICAS DO FLUXOGRAMA

INTRODUÇÃO TÉCNICAS DO FLUXOGRAMA FLUXOGRAMAS Índice Introdução... 2 Técnicas Do Fluxograma... 2 Vantagens do fluxograma... 3 Informações básicas de um fluxograma... 3 Análise pelo fluxograma... 4 Simbologia do fluxograma... 5 Tipos de

Leia mais

Composição e Montagem de uma Empresa

Composição e Montagem de uma Empresa Composição e Montagem de uma Empresa O que é uma empresa? Como montar uma empresa? Planejamento Organização Direção Controle Composição e Montagem de uma Empresa Tipos de Produção? Tipo de produto Local

Leia mais

ERGONOMIA. Fluxo de Produção. Prof. Fred

ERGONOMIA. Fluxo de Produção. Prof. Fred ERGONOMIA Fluxo de Produção Prof. Fred Fluxograma: o que é? 2 Representação gráfica da seqüência de atividades de um processo. Além da seqüência das atividades, o fluxograma mostra o que é realizado em

Leia mais

Organograma, fluxogramas, lotacionogramas, funcionogramas

Organograma, fluxogramas, lotacionogramas, funcionogramas Organograma, fluxogramas, lotacionogramas, funcionogramas ORGANIZAR (Divisão do Trabalho) O processo de organização compreende as decisões sobre a divisão de autoridade, tarefas e responsabilidade entre

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Programação I. Introdução a Lógica de Programação

Programação I. Introdução a Lógica de Programação Engenharia de Controle e Automação Programação I Introdução a Lógica de Programação Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderfer Ementa Introdução a lógica de programação e algoritmos. Constantes, variáveis e

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais OBJETIVOS DO TRABALHO Explicitar o conceito de estrutura organizacional; Apontar a importância da temática estrutura organizacional; Apresentar os principais tipos utilizados

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Tipos de Organização Professor: Roberto César CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO FORMAL A organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado

Leia mais

Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais

Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / Matérias / Administração Geral / Estruturas organizacionais Questões comentadas sobre Estruturas Organizacionais 27 questões comentadas sobre estruturas organizacionais

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Organograma, funcionograma, fluxograma

Organograma, funcionograma, fluxograma CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 28 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife - PE Visão Geral Desafios Empresariais Administração * Monitora

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br Algoritmos Partes básicas de um sistema computacional: Hardware, Software e Peopleware Hardware - Componentes físicos de um sistema de computação, incluindo o processador, memória, dispositivos de entrada,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO e NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Módulo DPU CESPE pós-edital

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO e NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Módulo DPU CESPE pós-edital NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO e NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Módulo DPU CESPE pós-edital CONCURSO: Defensoria Pública da União - DPU CARGO: Agente Administrativo nível médio PROFESSOR: Adriel Monteiro Este

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás 2 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA As empresas não são amorfas. Nem estáticas. Elas tem uma constituição, um organismo que vive e palpita, que cresce e se desenvolve

Leia mais

SUMÁRIO. EAD- INSTITUTO CONSCIÊNCIAGO. Rua 96, nº 57, Setor Sul-Goiânia-GO -Telefones: 3224-8931 ou 3224-7241

SUMÁRIO. EAD- INSTITUTO CONSCIÊNCIAGO. Rua 96, nº 57, Setor Sul-Goiânia-GO -Telefones: 3224-8931 ou 3224-7241 SUMÁRIO 1 - ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS... 4 Conceito de Organização... 5 Princípios da Organização... 6 Tipos de Organização... 8 Recursos organizacionais... 10 A abordagem sistêmica nas organizações empresariais...11

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DE FLUXOGRAMA EM EMPRESA DE SUPORTE PARA AR CONDICIONADO

FERRAMENTAS DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DE FLUXOGRAMA EM EMPRESA DE SUPORTE PARA AR CONDICIONADO FERRAMENTAS DA QUALIDADE: APLICAÇÃO DE FLUXOGRAMA EM EMPRESA DE SUPORTE PARA AR CONDICIONADO Heider Paranha Pereira 1 Angélica Cortes de Souza 2 Fábio Fernandes 3 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 4

Leia mais

Gestão da Qualidade por Processos

Gestão da Qualidade por Processos Gestão da Qualidade por Processos Disciplina: Gestão da Qualidade 2º Bimestre Prof. Me. Patrício Vasconcelos adm.patricio@yahoo.com.br Gestão da Qualidade por Processos Nas empresas, as decisões devem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto Unidade II 3 IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS 3.1 Macroprocesso Tomando por referência a representação do Sistema de Gestão da Qualidade definida pela NBR ISO 9011:2008, observamos os principais

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão I

Sistemas Integrados de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistemas Integrados de Gestão I Aula - 8 Classificação dos sistemas de informação Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Tipos de SIs de acordo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos Parte 08 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto. Equipe do Projeto. 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto

Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto. Equipe do Projeto. 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto Equipe do Projeto 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 9.1 Planejamento organizacional 9.1 Planejamento de recursos humanos

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

APOSTILA SOBRE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO. Influência da Organização da Igreja Católica. Influência da Organização Militar

APOSTILA SOBRE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO. Influência da Organização da Igreja Católica. Influência da Organização Militar INTRODUÇÃO Ao longo dos séculos, a Igreja Católica foi estruturando a sua organização sua hierarquia de autoridade, seu estado maior e sua coordenação funcional. De alguma forma, a estrutura eclesiástica

Leia mais

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS...

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS... Captação, Seleção e Acompanhamento O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA E MAIS... O PROCESSO DE SELEÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Victor Andrey Barcala Peixoto

Leia mais

Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira Sistemas, Organização e Métodos

Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira Sistemas, Organização e Métodos 1 APLICAÇÃO DO LIVRO A estruturação deste Manual do Professor possibilita a realização de aulas e treinamentos com adequada sustentação conceitual e metodológica, bem com forte abordagem prática, o que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

Organização, Sistemas e Métodos. Estruturas Organizacionais Modernas

Organização, Sistemas e Métodos. Estruturas Organizacionais Modernas Organização, Sistemas e Métodos Estruturas Organizacionais Modernas A Qualidade na Estrutura Organizacional Acredita-se que uma empresa terá uma estrutura organizacional de qualidade, se os seus processos

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada

SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada SInGI Sistema de Informação de Gestão Integrada 2 O QUE É O PROJETO? É a implantação no novo Sistema de Informação de Gestão Integrada (SInGI) da Unimed Blumenau, em substituição ao atual ERP - sistema

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

RECOMENDAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO RECOMENDAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Relatórios Técnico-Científicos Segundo a NBR 10.719, define-se o relatório técnico-científico como um documento que relata

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

www.inescrm.com.br 1

www.inescrm.com.br 1 www.inescrm.com.br 1 A receita para o sucesso nos tempos de hoje Estimado leitor, Este espaço está especialmente desenhado para que conheçam nossa filosofia, nossa maneira de ver e sentir os negócios.

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Objetivos Converter um número de um sistema de numeração (decimal, binário ou hexadecimal) no seu equivalente

Leia mais

1 - Corrigir o deslocamento da caixa que contem os itens do Menu principal; está deslocada para baixo em relação ao template do fundo; - OK

1 - Corrigir o deslocamento da caixa que contem os itens do Menu principal; está deslocada para baixo em relação ao template do fundo; - OK IPHAN Novo Portal 4ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal 22/Dez/2014 - Revisão e acréscimo do texto enviado no dia 16/12/2014 Relação de itens verificados e propostas de alteração que consideramos fundamental

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Professor Bruno Silva Olher

Professor Bruno Silva Olher Bruno Silva Olher O MERCADO Todo o cliente tem o direito de escolher a cor do carro, desde que seja a cor preta - Henry Ford. Fase do Product out colocar o produto no mercado. 1 INTRODUÇÃO Na definição

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Excel Planilhas Eletrônicas

Excel Planilhas Eletrônicas Excel Planilhas Eletrônicas Capitulo 1 O Excel é um programa de cálculos muito utilizado em empresas para controle administrativo, será utilizado também por pessoas que gostam de organizar suas contas

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais