PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO FINANCEIRA PARA A EMPRESA NOVOPLAST DISTRIBUIDORA LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO FINANCEIRA PARA A EMPRESA NOVOPLAST DISTRIBUIDORA LTDA"

Transcrição

1 NILSON ACÁSSIO DOS SANTOS PROPOSTA DE UM MODELO DE GESTÃO FINANCEIRA PARA A EMPRESA NOVOPLAST DISTRIBUIDORA LTDA Trabalho de Conclusão de Curso desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração da Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI CES III - TIJUCAS TIJUCAS - SC, 2006

2 DEDICATÓRIA Minha Família, A minha esposa Juciani F. dos Santos e meus filhos Mariani e João Guilherme, onde por muitos dias tiveram minha ausência por estar por detrás dos livros em busca de pesquisas e conhecimento para um melhor desenvolvimento deste Trabalho. E é um momento como este ao escrever esta pagina posso parar e analisar o quanto vocês são importante na minha vida, e aqui posso realçar o carinho e o afeto, amor e ternura que vão nesta simples dedicatória. Amo vocês, por serem as pessoas mais maravilhosas da minha vida. ii

3 AGRADECIMENTOS Agradecimentos Agradeço a Deus, por ter me dado forças e discernimento, de poder ter sustentado com bravura os momentos de dificuldades encontrado nesta etapa de vida. Agradeço também a meu pai Antonio e minha mãe Ana, que através deles e suas orações, pude compreender os valores que lhes tanto deixaram de ter para poder doar a mim. iii

4 EPÍGRAFE A tecnologia será importante principalmente porque irá nos forçar a fazer coisas novas, não porque irá permitir que façamos melhor as coisas velhas. (Drucher) iv

5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Nilson Acássio dos Santos b) Área de estágio Administração Financeira c) Responsável de estágios Profº Nelson Zunino Duarte d) Supervisor de campo Reinaldo José Reis e) Orientadores de conteúdo Prof. Fábio Henrique Pereira v

6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão social Novoplast Distribuidora Ltda b) Endereço Rua Athanázio Acácio Bernardes, n 550 Centro Tijucas - S.C c) Setor de desenvolvimento do estágio Área Financeira d) Duração do estágio Carga horária de 300 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Reinaldo José Reis Gerente Financeiro f) Carimbo e visto da empresa vi

7 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Tijucas, 10 de Julho de A empresa Novoplast Distribuidora Ltda, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o Trabalho de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Supervisionado, pelo acadêmico Nilson Acássio dos Santos. Reinaldo José Reis Diretor Financeiro Novoplast Distribuidora Ltda. vii

8 SUMÁRIO DEDICATÓRIA...ii AGRADECIMENTOS... iii EPÍGRAFE...iv EQUIPE TÉCNICA...v DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA...vi AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA...vii SUMÁRIO... viii LISTA DE ILUSTRAÇÕES...x 1. INTRODUÇÃO Objetivo geral e objetivos específicos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Geral Organização A Estrutura Formal Estrutura Informal Administração Financeira Relacionamento com a Economia Relacionamento com a Contabilidade Ênfase no Fluxo de Caixa: Tomada de Decisão Sistemas de Custos Sistema de Custos por Ordem Sistema de Custos por Processo Sistema de Custo Sistema de Custeio Tradicional ou por Absorção Sistema de Custeio Direto ou Variável Custos Fixos Custos Variáveis Ponto de Equilíbrio Contas a Receber Controle de Contas a Receber Contas a Pagar Controle de Contas a Pagar Desempenho Humano D.R.E. (Demonstrativo de Resultados do Exercício) MÉTODO... Erro! Indicador não definido. 3.1 Caracterização da Pesquisa... Erro! Indicador não definido. 3.2 População e Amostra (ou participantes em caso de pesquisa qualitativa)erro! Indicador não d 3.3 Coleta de Dados... Erro! Indicador não definido. 3.4 Tratamento e Análise dos Dados... Erro! Indicador não definido. viii

9 4 ESTRUTURA PROPOSTA PARA A EMPRESA Proposta Organograma Comercial Compras Vendas Financeiro Fluxo de Caixa Contabilidade Movimentação Bancária Faturamento Estoque Logística DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DA EMPRESA NOVOPLAST DISTRIBUIDORA LTDA Histórico Organograma Quanto ao Processo Comercial Compra do Produto Venda do Produto O Faturamento A Logística Quanto ao Processo Financeiro A Cobrança RECOMENDAÇÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...55 ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS...58 DECLARAÇÃO...59 ANEXOS...60 ix

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 - Esquema de custeio por absorção sem departamentalização...15 Ilustração 2 - Esquema de custeio por absorção com departamentalização...16 Ilustração 3 - Analise do ponto de equilíbrio... Erro! Indicador não definido. Ilustração 4 - Esquema ABC...18 Ilustração 5 - Organograma da empresa...31 Ilustração 6 - Fluxograma da empresa...31 Ilustração 7 - Organograma da Empresa...37 Ilustração 8 - Fluxograma de Compras... Erro! Indicador não definido. Ilustração 9 - Fluxograma de Vendas...42 Ilustração 10 - Fluxograma Financeiro...46 Ilustração 11 - Fluxograma de faturamento... Erro! Indicador não definido. x

11 1. INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, em que a ciência e a tecnologia estão avançando cada vez mais rapidamente, é essencial manter-se atualizado e sempre ampliando os conhecimentos. A gestão das finanças é uma tarefa essencial que pode ser bastante simples, levando a tomar decisões estratégicas visando o crescimento e a solidez de uma empresa. Para que isso aconteça e seja alcançado, se deve conhecer o que realmente compõe a área financeira. A empresa não deve acreditar que já possui informações suficientes para controlar e tomar decisões apenas com os dados de entradas e saídas de recursos. Na verdade, esta é apenas uma das partes que devemos saber gerenciar. Neste contexto, há um elemento que se destaca nas empresas como principio indiscutível no acompanhamento de tendências do mundo moderno. O aperfeiçoamento das pessoas, com perspectiva do entendimento de gestão, que é indispensável para o sucesso de um negócio, além do melhoramento e aperfeiçoamento das pessoas que compõe o negócio. Vive-se um momento de extrema competitividade, onde toda eficiência na gestão dos recursos é medida por meio de índices financeiros conquistados por um conjunto de atitudes bem planejadas e sucedidas. Ao buscar as ferramentas dos controles financeiros essenciais, harmonizando-os adequadamente através de uma gestão holística e sistêmica, os recursos começarão a aparecer. Isso aumentará, gradativamente, a segurança na condução do empreendimento, bem como na geração de satisfação devido à certeza de que existe efetivamente um resultado planejado. Para estudar a tomada de decisão financeira, inicialmente precisa-se entender o objetivo da administração financeira. Tal compreensão é importante porque gera uma base concreta para tomar e avaliar decisões financeiras, ou seja, ter o objetivo da administração e maximizar o valor corrente de cada ação existente. Com um objetivo de ampliar os conhecimentos e o entendimento na área financeira, buscando assim com o objetivo especifico, desenvolver e achar o ponto de equilíbrio, da empresa Novoplast Distribuidora Ltda. Podendo também usar de experimento e conhecimento, ampliando o leque de informações pessoais e dividindo etapas de processos nos procedimentos, tarefas e rotinas do dia-a-dia, da empresa citada acima. Outro fator de destaque deste trabalho é ampliar os conhecimentos do corpo de colaboradores desta empresa no quesito área financeira com as demais áreas, por haver esta falta de entendimento e compreensão, e com isto ajudar todo o processo da empresa.

12 Na Novoplast, por exemplo, não há programa com software, onde estará se propondo a implantação de um, e este também foi um dos fatores que levaram aos estudos e conhecimento, podendo assim desencadear mais preocupação e abrangência nos fatores mais intrínsecos desta empresa. Todavia este software proposto e pesquisando, não atinge somente a área financeira, e sim todas as partes do processo da Novoplast, onde este é chamado tipo genérico, não sendo especifico para Novoplast, necessitando assim maior aperfeiçoamento em detalhes específicos para um melhor desempenho na área financeira. Um dos problemas na área financeira dentro da Novoplast é o conhecimento e entendimento dos funcionários e proprietários, e devido ao grau de crescimento da empresa esta se tornado bastante difícil a administração das operações necessárias, para que não fuja do controle, e consiga enxergar quais as tomadas de decisão necessárias ao processo das operações como um todo. Com este controle financeiro, e entendimento na gestão e tomada decisão, pode auxiliar nas outras áreas da empresa, como por exemplo, administrar o fluxo de caixa, com a certeza de uma compra ou aquisição de produtos com melhores barganhas de preços, sabendo-se que não terá dificuldade de quitação dos produtos adquiridos, e até mesmo entre outras operações, que depende da apuração dos resultados na área financeira, para que se possam incrementar os demais processos na empresa. 1.1 Objetivo geral e objetivos específicos Objetivo Geral O objetivo geral do trabalho consiste em propor um modelo de Gestão Financeira, para a Empresa Novoplast Distribuidora Ltda Objetivos Específicos Os objetivos específicos são: 2

13 1. Fazer um estudo identificando os pontos mais importantes e relevantes que determinam o crescimento da organização; 2. Desenvolver um lay out em forma de organograma da estrutura organizacional da empresa; 3. Desenvolver fluxograma da área financeira e estudar seu lay out; 4. Desenvolver um lay out da área comercial, organizando assim a estrutura para uma melhor gestão; 5. Identificar as necessidades de um sistema de software em todas as áreas da organização e propor a instalação do mesmo. 6. Analisar e propor melhorias nas falhas existente no atual sistema de controle; 7. Elaborar e propor uma análise de controle financeiro; 8. Propor planejamento comercial com programa de vendas, logística, e seu fluxograma para uma melhor organização; 9. Elaborar e propor um fluxograma e análise nas áreas de faturamento, estoque e logística. 1.2 Justificativa Este trabalho tem como importância em propor um modelo de gestão financeira à empresa Novoplast Distribuidora Ltda, bem como identificar quais os problemas que mais se destacam, com isto desenvolver ferramentas que a tornariam capacitada para sua sobrevivência, podendo assim aumentar a margem de contribuição, ou seja, saber qual seus índices de maneira correta e com estes resultados mais visíveis, poderá melhorar seus resultados e com isto ampliar sua estrutura e a participação do mercado. Com um resultado mais preciso, haverá melhores condições de investimentos e entre outros benefícios, em geral podendo contribuir com melhores condições de crescimento. Quanto à pesquisa, será desenvolvida através de elementos matemáticos a disposição do acadêmico, através de livros indicados, juntamente com os conhecimentos adquiridos através de leituras especializadas, conhecimentos acadêmicos, revistas, jornais, professores, palestras, etc. Este estudo é importante, para avaliar o retorno dos investimentos, através da apuração de seus custos, e seus preços de venda e de compra, onde se pode verificar o 3

14 ponto de equilíbrio e identificar qual destes fatores estão inviabilizando os investimentos, possibilitando agir corretivamente e apurar seus resultados. Segundo Vieira (1998, p.5) o valor da informação esta diretamente ligada à maneira como ela ajuda os tomadores de decisões a atingirem as metas da organização. A Administração constitui uma importante atividade em nosso meio, onde as mudanças devem ser feitas, tornando-se assim desafios. Chiavenato (2000, p.14) afirma: O administrador deve estar focalizado no futuro para poder preparar sua empresa para enfrentar os novos desafios que surgem, seja através de novas tecnologias, novas condições sociais e cultuais, novos produtos e serviços. Além disso, deve pensar globalmente (ver o mundo) a agir localmente (atuar na empresa). Para levar sua empresa à excelência, o administrador deve ter espírito empreendedor, aceitar desafios, assumir um senso de inconformismo sistemático. Somente assim o administrador pode conduzir sua empresa a uma situação melhor. 4

15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste trabalho, alguns pontos terão destaque para a realização efetiva do mesmo. Alguns aspectos que serão estudados ou pesquisados para alcançar os objetivos iniciais serão previamente definidos nesta fundamentação teórica. Para esta construção têm-se os seguintes conceitos de: ƒadministração Geral; ƒadministração Financeira; ƒsistema de Custos; ƒcustos Fixos; ƒcustos Variáveis; ƒponto de Equilíbrio; ƒcontas a Receber; ƒcontas a Pagar; ƒd.r.e. (Demonstrativo de Resultados do Exercício); ƒfluxo de Caixa; ƒplanejamento Orçamentário. 2.1 Administração Geral Como todas as organizações têm como objetivo principal em atingir sua metas e assim se impor no mercado com reconhecimento e promovendo lucros, onde para atingir estas etapas deve no mínimo manter uma administração muito bem planejada. Administração representa não somente o governo e a condução de uma empresa, mas também todas as atividades relacionadas com planejamento, organização, direção e controle da ação empresarial. (CHIAVENATO, 1989, p.3). 5

16 A palavra Administrar tem como significado, aquele que realiza uma função abaixo do comando de outrem, isto é, aquele que presta serviço a outro. Chiavenato (2000,p.7) afirma: A tarefa da administração é a de interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-los em ação organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a fim de alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação. Assim, a administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos a fim de alcançar objetivos. O conhecimento da Administração Geral, ou seja a TGA, que estuda o contexto das organizações, deve ter como premissa as cinco divisões da área a ser estudada e conhecida por um administrador, onde; tarefas, estrutura, pessoas, tecnologias e ambiente, devem estar incluso nas mudanças ou implantações das atividades na organização. A cada tomada de decisão, deve perceber e acompanhar, de que forma esta mudança está relacionada com o comportamento das pessoas, pois cada mudança não esteja claro para os colaboradores, que ali influenciados, pode-se perder no total dos investimentos ali impostos, bem como o que estava funcionado, ocorrerá maiores perdas, já que possivelmente acarretará um não entendimento e desconforto ao ambiente. (CHIAVENATO, 2000, p.7). Um dos pressupostos da administração é a organização, pois é com ela que se tem o melhor desempenho em uma organização e assim consegue se manter no mercado. E é sobre a organização que será descrito a seguir Organização Como as organizações vivem em um mundo de mudanças e em tempos acelerados, o não entendimento e a falta de conhecimento dos administradores, pode ser fatal no momento de uma tomada de decisão ou ação. Como isto é um fato real, devendo estar ciente quanto às informações que precisa, e deve estar ao visível acesso, quer dizer, quanto mais informações a organização dispuser, mais estará preparada para o mercado. 6

17 Organização é a função administrativa que se incumbe do agrupamento das atividades necessárias para atingir os objetivos da empresa. (CHIAVENATO, 1989, p.3). A organização de uma Empresa é definida pelos seus gestores como a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando o alcance dos objetivos e resultados estabelecidos. (CHIAVENATO, 1989, p.4). Estrutura Organizacional é o conjunto ordenado de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa. (CHIAVENATO, 1989, p.4). O termo Organização, freqüentemente empregado como sinônimo de arrumação, ordenação, eficiência, porém, o objetivo organizacional deve ser entendido não apenas como o quadro estrutural de cargo, más deve ser definido por destacar os itens que mais chama a atenção. De acordo com Chiavenato (1989) abaixo relacionado algumas das funções básicas da organização. Respectivos títulos; Atribuições básicas; Responsabilidades; Relações formais; Nível de autoridade; Aspectos culturais. Segundo Chiavenato (1989, p.4) Nestes termos citados se deve como função básica de Organização o estudo cuidadoso da estrutura organizacional da empresa para que esta seja bem definida e possa atender as necessidades reais e os objetivos estabelecidos de forma integrada com a organização informal e as estratégias estabelecidas na empresa. Neste conceito citado acima, a uma divisão onde se enquadra as estruturas das empresas, onde está subdivido em duas etapas: Estrutura Forma e Informal. 7

18 2.1.2 A Estrutura Formal Uma organização formal se trata de práticas estabelecidas com padrões e regulamento das leis e procedimentos jurídicos, onde a empresa se enquadra em uma política conduzida e pré estabelecida pela lei. Esta tem por caráter socialmente lógico. (CHIAVENATO, 1989, p. 30). É a estrutura oficialmente aceita pela direção da empresa e é composta pelos órgãos e cargos. É também chamada estrutura organizacional e é representada por organograma. (CHIAVENATO, 1989, p. 28). A estrutura formal é aquela oficialmente definida na empresa com todas as formalidades e padrões vigentes quanto á forma de preparação e divulgação de normas a respeito. Será encontrada, segundo Chiavenato(1989, p.280), como mostra abaixo; Em simples comunicados; Instruções; Manuais de Procedimentos ou Organização Forma Gráfica: ORGANOGRAMA Forma Descritiva: DESCRIÇÃO DE CARGOS. De acordo com Chiavenato (1989, p.29) Embora necessária e tantas vezes desejada, a estrutura formal poderá não ser adequada em determinadas empresas, e mesmo sendo adequada terá que conviver com a Estrutura Informal. Após comentar sobre a estrutura forma, estará apresentando abaixo relatos sobre estrutura informal Estrutura Informal A estrutura informal se dá através de usos de costumes, nas tradições, nos ideais e nas normas sociais. Traduzem-se por meio de opiniões, atitudes, sentimentos e estilos de vida, e sempre disposta a lutar e resistir. 8

19 É a rede de relacionamentos humanos e sociais que surgem espontaneamente entre pessoas que trabalham em uma empresa (CHIAVENATO, 1989, p. 28). Os funcionários das empresas pertencem automaticamente e inevitavelmente à vida informal das mesmas. Deste relacionamento do cotidiano, surgem algumas premissas básicas para melhor entendimento segundo Chiavenato (1989, p.28). Entendimentos extra-estruturais; Conceitos alheios às normas; Desentendimentos; Eventuais conflitos; Lideranças naturais e Amizades e ações benéficas ou prejudiciais à empresa Segundo Chiavenato (1989, p. 29) Na maioria dos casos, é dada liberdade total para a organização informal, mas isto é perigoso e não tem razão de ser, porque é administrável e direcionavel positivamente. Exemplo de Sucesso: Segundo Chiavenato (1989, p. 32) Empresas que estão praticando com critérios claros e de comum acordo, a participação de funcionários na gestão e nos lucros. Como ocorre em : Transparência; Lealdade; Sentido colaboracionista 2.2 Administração Financeira Como o Administrador Financeiro tem a função de estabelecer toda a função determinada às tarefas ligada à área de finanças, podem também ser executada estas tarefas através dos Gerentes ou Diretores da empresa. O que deve ficar bastante claro, é o não envolvimento das ações particulares deste(s) Diretor sócio, com as atividades ligadas as finanças da empresa, ou seja, para cada recurso adquirido, deve-se determinar e justificar seu investimento para a empresa. 9

20 Segundo Masakazu Hoji (1998, p. 21), Para a administração financeira, o objetivo econômico das empresas é a maximização de seu valor de mercado a longo prazo, pois dessa forma estará sendo aumentada a riqueza se seus proprietários (acionistas de sociedades por ações ou sócios de outros tipos de sociedade). Segundo Maskasu Hoji ( 2000, p. 23), Todas as atividades empresariais envolvem recursos e, portanto, são conduzidas para a obtenção do lucro. As funções básicas do administrador financeiro de uma empresa são: a) análise, planejamento e controle financeiro; b) tomada de decisões de investimentos; c) tomada de decisões de financiamentos. A Administração financeira diz respeito às responsabilidades do administrador financeiro numa empresa. O administrador financeiro administra ativamente as finanças de todos os tipos de empresas, financeiras ou não, públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos. (GITMAN, 1997, p. 4). A Administração Financeira está estreitamente ligada à Economia e Contabilidade. A Administração Financeira pode ser vista como uma forma de economia aplicada que se baseia amplamente em conceitos econômicos. A Administração Financeira também aproveita certos dados da Contabilidade Relacionamento com a Economia Ter o conhecimento básico e compreender as técnicas de economia, é necessário para uma tomada de decisão, pois para cada ação influenciada pela área financeira, seja ela necessária para um beneficio a empresa, será para superar um custo gerado por uma outra ação de custo. O campo das finanças está estreitamente relacionado ao da economia, visto que a maioria das empresas opera dentro da economia. O Administrador financeiro deve 10

21 compreender o arcabouço econômico e estar atento às conseqüências dos vários níveis de atividade econômica e das mudanças na política econômica. O administrador econômico deve ser capaz também de utilizar as teorias econômicas como diretrizes para realizar operações comerciais com eficiência (GITMAN, 1997, p. 11) Relacionamento com a Contabilidade Não há como deixar de conciliar a Gestão em Finanças e não se envolver na Contabilidade, mesmo sendo esta somente a gerencial, visto seus lançamentos, captação de empréstimo bancário, compras de maquinas e equipamentos, entre outras despesas e aplicações, sendo todas as contas dirigíveis as contas contábeis. Mesmo não querendo influências as cantas de finanças e de contabilidade, fica impossível gerenciar um empresa sem estas conciliações. Segundo Gitman (1997. p. 12), Há duas diferenças básicas de perspectiva entre a Administração Financeira e a Contabilidade : uma se refere ao tratamento de fundos e a outra à tomada de decisão. Nestes casos onde o Contador se preocupa em coletar mais dados e a seus devidos fazer seus lançamentos, enquanto que o administrador financeiro procura utilizar estes dados, onde de preferência já coletados, para assim utilizar com suas estratégias gerenciais, realizar alguns ajustes ou em tomadas de decisão Ênfase no Fluxo de Caixa A duas maneiras de gerenciar uma empresa, seja através de regime de competência e regime de caixa, onde esta funções determinam a forma através de um gestor em contabilidade ou um financeiro, segundo, Gitmam (1997, p. 12). A função principal do Contador é desenvolver e fornecer dados para medir o desempenho da empresa, avaliar sua posição financeira a pagar impostos. Baseando-se em certos princípios padronizados e geralmente aceitos, o contador 11

22 preparar as demonstrações financeiras, que reconhecem as receitas no momento da venda e as despesas, quando incorridas. Esta abordagem é comumente conhecida como, regime de competência. O administrador financeiro, por outro lado, enfatiza o fluxo de caixa, ou seja, entradas e saídas de caixa, mantendo a solvência da empresa, analisando e planejando o fluxo de caixa, para satisfazer as obrigações e adquirir ativos necessários ao cumprimento dos objetivos da empresa, adotando o regime de caixa Tomada de Decisão Os deveres do executivo financeiro diferem dos do Contador, pois este se dedica basicamente, a coleta e apresentação de dados financeiros. O administrador financeiro analisa os demonstrativos contábeis, desenvolve dados adicionais e toma decisões com base em suas avaliações acerca dos riscos e retornos inerentes. O papel do Contador é prover dados que sejam desenvolvidos e interpretados com facilidade, sobre operações passadas, presentes e futuras da empresa. O Administrador Financeiro usa estes dados, seja em sua forma bruta, seja depois de fazer certos ajustes e análises, como um importante insumo ao processo de tomada de decisão financeira. Obviamente, isto não quer dizer que os Contadores jamais tomem decisões e que os Administradores Financeiros jamais coletem dados; a ênfase básica da Contabilidade e Administração Financeira é sobre as funções que indicamos. (GITMAM,1997, p. 13) Sistemas de Custos Este serve para completar as rotinas de trabalho, onde é instalado um programa (soft) e deste incorpora todas as funções ou tarefas, financeiras, administrativas, produção, vendas, etc...onde todas dependem exclusivamente das habilidades humana, certo que as informações abastecida será através dos colaboradores da empresa. Fica claro também, que após a implantação de um sistema de custo, não se eliminara todos os papeis e parte burocrática, onde continuaram, más porém com menos rigor e volume, más sempre será um processo paralelo e com conferências e arquivados para um segundo momento. 12

23 Sistemas de custos é um conjunto de informações referentes a todos os custos que envolvem determinadas atividades relacionadas à área financeira. O sistema de custo é formado por um método de custeio que significa método de apropriação de custos. A aplicação desta técnica de analise pressupõe a possibilidade de segregar corretamente os diversos itens de custo segundo a sua variabilidade em relação ao volume de operação (SANVICENTE, 1987, p. 195). Dando continuidade ao sistema de custos, onde a seguir estará o sistema de custo por ordem e por processo. Este por sua vez é uma divisão dado por varáveis que se deve ater na gestão financeira Sistema de Custos por Ordem Para a Novoplast, com certeza devera ser usado o sistema de custo por ordem, pois trata-se de uma fabrica com produtos vendidos e após fabricado, entende-se pelo sistema de pré-venda. Ocorre porque são produtos personalizados, ou seja, de acordo para cada cliente em especifico. Desta maneira este sistema será usado e aprimorado. Segundo Warren, Reeve e Fess (2001, p. 08), o sistema de custos por ordem, fornece registro distinto da quantidade de produtos que passam pela fábrica. Uma quantidade específica de um produto é chamada de encomenda. Um sistema de custos por ordem adapta-se melhor às empresas que fabricam de acordo com pedidos dos clientes ou produzem grande variedade de produtos para estoque Sistema de Custos por Processo Com o sistema de custos por ordem, também devera ser usado, pois tratando de venda e a distribuição, já terá a necessidade de produtos já fabricados e prontos para entregar, onde conhecendo já seu portifôlio e os clientes, todavia se manterá um estoque rotativo dos produtos específicos para estes clientes. Desta maneira também será usado este sistema e aprimorado. Segundo Warren, Reeve e Fess (2001, p. 08), o sistema de custos por processo, os custos são acumulados por departamento ou processo, dentro da fábrica. Um sistema por 13

24 processo adapta-se melhor a fabricantes de produtos idênticos no processo contínuo de produção Sistema de Custo Para uma visão mais ampla do conceito sistema de custeio onde será dados através de um retrospecto de acordo com Martins (2000, p. 19). Até a Revolução Industrial (século XVIII), quase só existia a Contabilidade Financeira (ou Geral), que, desenvolvida na Era Mercantilista, estava bem estruturada para servir as empresas comerciais. O controle de custos, consistia apenas, em fazer um levantamento dos estoques do início do período, adicionar as compras efetuadas no mesmo período e deduzir deste total as mercadorias que ainda restavam por vender. Com o advento das indústrias, surge a necessidade de uma apuração mais detalhada do balanço e da demonstração do resultado, só que para essa apuração detalhada, o contador não dispunha facilmente de dados para atribuir valor aos estoques, surge assim a partir da Contabilidade Financeira a Contabilidade de Custos Industrial, onde os contadores tentavam utilizar os mesmos critérios aplicados nas empresas industriais, agora nas empresas comerciais e de serviços. Com o surgimento da contabilidade de custos, surgiram os sistemas de custeios. Visto esta explicação onde pudesse entender que a forma de custeio e que a seguir como sub-dividem e suas funções; Sistema de custo tradicional ou por absorção. Sistema direto ou variável Sistema de Custeio Tradicional ou por Absorção Este sistema de custeio surge com a necessidade de se produzir em escala com mais de um produto ao mesmo tempo, fazendo com que se necessita em identificar os custos de cada setor ou maquina. Seguindo o mérito derivado da aplicação dos princípios contábeis geralmente aceitos. É um método de custeio que apropria os custos diretos e indiretos aos 14

25 produtos, e as despesas administrativas, de vendas e financeiras, como sendo do período. O sistema de custeio é por absorção e sem departamentalização. Ilustração 1 - Esquema de custeio por absorção sem departamentalização Fonte: Martins (2000, p. 62). No exemplo acima pode-se perceber que este esquema de custeio sem departamentalização passa por três passos básicos que são: Separação entre Custos e Despesas; Apropriação dos Custos Diretos; Apropriação dos Custos Indiretos. Como o critério de rateio por absorção sem departamentalização, propiciava valores de custos diferentes e custos totais diferentes para cada produto, passa a ser obrigatório a departamentalização que; Conforme Martins (2000, p. 83), propiciava uma distribuição mais racional dos custos indiretos. Com a departamentalização, os custos indiretos são rateados entre os 15

26 departamentos de produção, atuando assim sobre os produtos e apropriando custos a eles, e os departamentos de serviços não tem seus custos apropriados aos produtos. Ilustração 2 - Esquema de custeio por absorção com departamentalização Fonte: Martins (2000, p. 80) Segundo Martins (200, p.78-80) conforme visto na figura 2, o esquema de custeio por absorção com departamentalização possui seis passos básicos que são: 1. Passo: Separação entre custos e despesas; 2. Passo: Apropriação dos custos diretos diretamente ao produto; 16

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Flávio Aparecido dos Santos 1 Samuel de Freitas 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é a definição do ponto de equilíbrio do

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros)

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito Aula satélite 4 Prof. Cláudio Alves da Silva Administração do crédito Crédito

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO

FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO 1 FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO Neilton Gomes da Silva 1 Resumo O artigo propõe-se apresentar as Funções do Administrador Financeiro, enquadrado dentro das Empresas de Pequeno Porte (EPP), como ferramenta

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE CONCURSO PÚBLICO 39. PROVA OBJETIVA ANALISTA NÍVEL III (ÁREA DE ATUAÇÃO: ADMINISTRATIVA) VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 30 QUESTÕES OBJETIVAS. CONFIRA SEU NOME E NÚMERO DE

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE PREÇOS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE PREÇOS RESUMO A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE PREÇOS Malena Cordeiro da Silva Carvalho * RESUMO Este trabalho tem como finalidade demonstrar a importância da formação de preços e sua influencia na sobrevivência e lucratividade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos:

Precision. A sua Solução de Gestão Empresarial. Características do Sistema: Principais Recursos: A sua Solução de Gestão Empresarial O Precision é a solução de Gestão Empresarial de baixo custo que a Maggiore Sistemas disponibiliza para pequenas e médias empresas. Desenvolvido e comercializado em

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Finanças. Contas a Pagar e a Receber

Finanças. Contas a Pagar e a Receber 2 Dicas de Finanças Finanças Você pode achar que falar de finanças é coisa para grandes empresas. Talvez este assunto nem tenha sido tratado com a devida importância mesmo em sua informalidade. Contudo,

Leia mais