9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial"

Transcrição

1 9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial Regras a observar na utilização da Piscina 1 Utilização condicionada Não será permitido o acesso à piscina e o uso das respetivas instalações a indivíduos que não ofereçam garantias para a higiene necessária da água Não será também permitida a entrada na piscina de pessoas que apresentem notório estado de embriaguez, sob efeitos de drogas, ou que perturbem a ordem ou tranquilidade pública Os portadores de feridas ou doenças transmissíveis, tais como inflamações ou doenças de pele, olhos, ouvidos e das fossas nasais, não podem frequentar a piscina. 2 Ações interditas É expressamente proibido: Urinar na água da piscina Cuspir ou assoar-se para a água da piscina e para os pavimentos Aceder à zona de banho sem passar e suar o lava-pés e duches. Usar calçado e traje de rua nas zonas de banho, bem como relógios, anéis, pulseiras ou outros objetos. O acesso de público não banhista às zonas de banho ou outras que lhe estejam reservadas. Ingerir alimentos ou consumir qualquer tipo de bebidas na zona de banho, assim como o abandono de desperdícios fora dos recipientes para a recolha do lixo. Fumar na piscina, áreas envolventes da mesma e nos balneários / vestiários. Tomar banho na piscina sem usar touca. Entrar com animais em qualquer das instalações do complexo. A permanência na zona de banho da piscina de crianças com idade inferior a doze anos sem que devidamente acompanhados por adultos. O uso de instalações destinadas a um sexo por pessoas de sexo diferente (balneários e wc). O acesso e permanência de pessoas estranhas aos serviços, nas áreas técnicas reservadas aos mesmos. Mudar e depositar a roupa ou calçado fora das áreas para esse efeito destinadas (vestiários / balneários ou guarda roupa). Projetar propositadamente água para o exterior da piscina. A prática de jogos que possam prejudicar os outros utentes. Puxar, pendurar-se ou suspender-se nos separadores de pistas. Saltar para a água nas zonas de menos profundidade ou após corrida de balanço ou por qualquer forma que possa molestar os restantes utentes. Empurrar, gritar ou ter outros comportamentos que coloquem em risco a integridade física dos outros utentes. O uso de óculos de natação ou mergulho, desde que feitos de vidro. O uso de barbatanas ou outros materiais didáticos sem autorização do funcionário vigilante de serviço às piscinas. Deveres e obrigações dos utilizadores. Os utilizadores da piscina devem ainda observar as seguintes regras: Plano Geral do Departamento 44

2 Ter um comportamento geral de máxima correção dentro de todo o recinto, com especial incidência nos balneários e vestiários, não bater portas, gritar ou falar alto, não deixar água dos chuveiros ou torneiras a correr, ou espalhar água para o exterior. Todos os utentes da piscina devem usar fato de banho adequado tipo slip ou calção de licra para os homens, fato de banho interior ou biquíni próprio para a prática da natação, para as senhoras. Não utilizar fatos de banho que desbotem na água, que estejam devidamente limpos e que tenham aspeto andrajoso ou impróprio para ser utilizado na piscina. Na zona reservada a banhistas usar calçado próprio para a piscina (chinelos). Passar pelo lava-pés e tomar duche completo (com sabão) antes de entrar na piscina, de modo a garantir uma melhor higiene das mesmas e do cais envolvente, respeitando todas as vedações e barreirar existentes. Não usar objetos de adorno. Não utilizar cremes, óleos ou quaisquer outros produtos que possam prejudicar a higiene e qualidade da água da piscina. Não utilizar a piscina se não souber nadar, sem o acompanhamento técnico adequado. Não levar pastilhas elásticas, nem comer, beber ou fumar durante a permanência na piscina e no cais envolvente. Acatar e respeitar todas as recomendações e indicações prestadas pelo pessoal de serviço à piscina. Comunicar imediatamente ao pessoal de serviço qualquer falta, falha ou anomalia que note nas instalações que estiver a utilizar. Os espetadores deverão manter-se sentados nas bancadas, sendo proibido comer, beber ou fumar. Os espetadores não deverão transmitir indicações ou interferir no trabalho dos técnicos de natação. Deverão, espetadores e demais utilizadores, limpar cuidadosamente os pés antes de entrar nas instalações. Horta, 18 de Novembro de 2013; O Diretor do Serviço de Desporto do Faial: Bruno Frias Leonardo Piscina Cuidados a ter na utilização da piscina Só é permitido o acesso à piscina na presença efetiva do responsável (professor ou treinador) O acesso aos Balneários é permitido 15 minutos antes e depois do horário da aula ou do treino. O Serviço de Desporto do Faial e o concessionário não se responsabilizam por objetos pessoais, deixados nos vestiários/balneários; Só é permitido o acesso à piscina de utentes com fato de banho apropriado para a prática de natação, touca e chinelos; É obrigatório o duche abundante antes da entrada na piscina; Deve sempre nadar pelo lado direito da pista; Higiene e segurança Por questões de higiene, antes da entrada nos balneários e dentro dos mesmos deverão ser sempre utilizados chinelos ou sobre-botas; No interior das instalações e durante o duche devem ser usados chinelos; Dentro da piscina devem ser cumpridas todas as regras de utilização e de segurança; Plano Geral do Departamento 45

3 Para a prática de atividade física no meio aquático, os utilizadores não deverão ser portadores de óculos, anéis, relógios, pulseiras, fios ou quaisquer outros objetos que possam causar danos nos restantes utentes; Recomenda-se a utilização do W.C. antes da entrada na piscina; Não tomar banho imediatamente após as refeições; Os funcionários do SDF e do Concessionário são a autoridade no Cais das piscinas; Para proteção da saúde pública é vedado o acesso à piscina a utentes portadores de feridas, cobertas ou não por qualquer tipo de penso, ou sejam susceptíveis de provocar infeções graves, ou quando ponham em causa a higiene da piscina (sujeito a avaliação do funcionário responsável do SDF e do Concessionário); As crianças pequenas devem estar na água sob supervisão de um adulto (treinador ou professor); Não é permitido correr no cais da piscina; Os horários atribuídos por cada grupo (turma ou equipa) devem ser cumpridos rigorosamente; Todo o material utilizado e colocado fora do local inicialmente encontrado, terá de ser devidamente arrumado (no período de aulas ou treinos); Não é permitido público no cais da piscina; Pavilhão, Sala de Combate, Sala de Ginástica, Polidesportivo coberto e Relvado sintético Disposições gerais Só é permitido o acesso às instalações na presença efetiva do responsável (professor ou treinador) A utilização do espaço específico de jogo só pode ser efetuada por atletas, dirigentes e técnicos devidamente equipados e com calçado próprio (o calçado usado no exterior não pode ser utilizado nos espaços de prática desportiva); É expressamente proibido fumar, comer, consumir bebidas alcoólicas, possuir ou vender substâncias dopantes nas instalações; É expressamente proibido deitar detritos para o chão; Não é permitida a entrada/permanência de animais, sem prejuízo do disposto no Decreto-Lei n.º 118/99, de 14 de Abril; Não é permitida a utilização das instalações por entidades ou utentes estranhos aos que foram autorizados; É exigido aos utilizadores o cumprimento rigoroso do horário que lhes foi fixado; Não é permitido o arrastamento dos equipamentos e materiais no solo; A captação de imagem ou som carece de autorização prévia. Todo o material utilizado e colocado fora do local inicialmente encontrado, terá de ser devidamente arrumado (no período de aulas ou treinos); Balneários O acesso aos Balneários é permitido 15 minutos antes e depois do horário da aula ou do treino. Durante o duche devem ser usados chinelos; Os utentes só devem utilizar os balneários indicados pelos funcionários; O Serviço de Desporto do Faial e o concessionário não se responsabilizam por objetos pessoais, deixados nos vestiários/balneários; Área de circulação O público dos eventos e a assistência dos treinos só tem acesso às bancadas e respetivos sanitários; Plano Geral do Departamento 46

4 Não é permitido a qualquer utente o acesso ao recinto de jogos pelas bancadas, nem o acesso às bancadas pelo recinto dos jogos; Serviço de Desporto do Faial, 5 de Março de 2008: O Diretor do Serviço: Vítor José Nunes de Medeiros Utilização dos Balneários do Complexo Desportivo Manuel de Arriaga Durante o Horário Escolar 1 Por regra, deverão as turmas ter direito a um balneário masculino e a um balneário feminino sem terem de o partilhar; 2 Os balneários encontram-se distribuídos para o ano letivo, com base nos horários de Educação Física, devendo manter a distribuição ao longo do mesmo, sendo afixado na receção do complexo e à porta de cada balneário uma distribuição dos mesmos; 3 As portas dos balneários serão abertas e fechadas pelos funcionários do Complexo Desportivo Manuel de Arriaga, no início e no final das aulas, devendo as mesmas ficar trancadas durante o decorrer das aulas, intervalos e momentos em que se encontrem sem utilização; 4 Em caso de atraso, os alunos devem solicitar ao funcionário a abertura de um balneário desocupado, caso exista, para mudarem de roupa, devendo transportar os seus pertences para a aula. Estes alunos deverão no final da aula utilizar o mesmo balneário que a restante turma; 5 Quando se verifique a ocupação total de todos os balneários, para os casos previstos no ponto 4, será utilizado o balneário ao lado da sala de aula ou em último caso o wc público. 6 Serão utilizados os wc s públicos pelos alunos que tenham de interromper as aulas para fazerem necessidades. 7 As turmas que se encontrarem no espaço da piscina, devem utilizar os balneários que pertencem aquele espaço. 8 As turmas que se encontram assinaladas a amarelo (no mapa de distribuição dos balneários) não possuem sempre o mesmo balneário. 9 Existem turmas que têm que dividir regularmente o balneário com outras, porém, sempre que necessário, poderão os funcionários designar outro balneário, desde que se mantenha o princípio de um balneário por turma. 10 Os balneários que se encontram desocupados deverão ser utilizados para outras atividades ou necessidades pontuais que sejam identificadas pelos funcionários (ex: ADE e ApP), e deverão ser os considerados em primeiro lugar para alunos atrasados conforme referido no ponto 4; 11 Apenas deverá ser utilizado como entrada para as instalações, durante o horário escolar, a porta onde se encontra a receção, para um melhor controlo por parte dos funcionários; Plano Geral do Departamento 47

5 12 É proibida a permanência de alunos ou pessoas estranhas ao serviço nas zonas de acesso aos balneários e corredores, devendo ser totalmente inacessível a quem não pertença a atividades desportivas que estejam previstas para o complexo no momento; 13 Não será permitido, durante o horário escolar, a existência de público nas bancadas ou a assistir às atividades desportivas de outro local, nomeadamente pais, encarregados de educação ou outros, sem a autorização prévia de todos os professores que ocupem o espaço em causa (apontando como exemplo a piscina); 15 Os princípios explanados no presente documento deverão ser observados, sempre que possível, nas atividades que decorram fora do horário escolar. Horta, 9 de Setembro de 2013; O Diretor do Serviço de Desporto do Faial: Bruno Frias Leonardo Plano Geral do Departamento 48

Regulamento de Acesso. Funcionamento Horário de Funcionamento Tipos de Utilização / Prioridades. Acções Interditas

Regulamento de Acesso. Funcionamento Horário de Funcionamento Tipos de Utilização / Prioridades. Acções Interditas 2013 Complexo Piscinas Municipais de Loulé pag 1 Regulamento de Acesso 2 Funcionamento Horário de Funcionamento Tipos de Utilização / Prioridades 3 Acções Interditas 4 Utilização Livre Utilização dos Serviços

Leia mais

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros

Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Regulamento de Utilização e Funcionamento das Piscinas Municipais de Oleiros Índice Preâmbulo Artigo 1.º Objectivo Artigo 2.º Normas de Acesso Artigo 3.º Tipos de Utilização Artigo 4.º Normas de Utilização

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PISCINA DE AR LIVRE

REGULAMENTO MUNICIPAL PISCINA DE AR LIVRE REGULAMENTO MUNICIPAL PISCINA DE AR LIVRE CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO E FUNCIONAMENTO Artigo 1º Do período de funcionamento 1. O período anual de funcionamento da piscina vai de 1 de Junho a 15 de Setembro,

Leia mais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais

EXTERNATO MARISTA DE LISBOA. Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa. Capitulo I Disposições Gerais Pág. 1 de 5 EXTERNATO MARISTA DE LISBOA Regulamento da Piscina do Externato Marista de Lisboa Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Objeto O presente regulamento de utilização tem por objeto definir

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento Regulamento PREÂMBULO A prática de actividades físicas e desportivas constitui um factor primordial na promoção da saúde e do bem-estar das populações. Neste sentido, o desporto tem vindo a assumir-se

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DAS PISCINAS MUNICIPAIS DE MONTEMOR-O-NOVO

REGULAMENTO INTERNO DAS PISCINAS MUNICIPAIS DE MONTEMOR-O-NOVO Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DAS PISCINAS MUNICIPAIS DE MONTEMOR-O-NOVO As Piscinas Municipais de Montemor-o-Novo são um complexo desportivo, recreativo e de lazer ao ar livre, estabelecendo o presente

Leia mais

CONDIÇÕES DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS

CONDIÇÕES DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS Artº 1 - ACESSO Av.Eugene Levy nº 29 2705-306 - Praia das Maçãs CONDIÇÕES DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS 1.1 O preçário de acesso às piscinas, diz exclusivamente respeito à utilização das mesmas,

Leia mais

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha

Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha 1 Regulamento das Piscinas Municipais da Batalha Rev. 02 2014 Índice Preâmbulo... 3 2 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Instalações... 3 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 3 Artigo 3º - Propriedade

Leia mais

Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar

Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar Regulamento Geral das Piscinas do Município de Gondomar Capítulo I - Parte Geral Secção I - Disposições Gerais ARTIGO 1º - Âmbito de aplicação a) O presente regulamento é aplicável ao funcionamento e utilização

Leia mais

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

EFD. Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA

NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA NORMAS DE ACESSO ÀS PISCINAS MUNICIPAIS DE VILA NOVA DE GAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - OBJECTO ARTIGO 2º - ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 3º - CONCEITOS ARTIGO 4º - ACESSO À PISCINA ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO DA GESTÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE ALCOCHETE

REGULAMENTO DA GESTÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO DA GESTÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE ALCOCHETE Aprovado em sessão da Assembleia Municipal de 28 de Dezembro de 2011 Página 1 DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO

Leia mais

SÁBADOS 6 AOS 24 MESES DOS 13 AOS 36 MESES SEG. / QUA. / SEX. TER. / QUI. SÁBADOS. 17h00 às 17h40 09h00 às 09h40 09h00 às 09h45

SÁBADOS 6 AOS 24 MESES DOS 13 AOS 36 MESES SEG. / QUA. / SEX. TER. / QUI. SÁBADOS. 17h00 às 17h40 09h00 às 09h40 09h00 às 09h45 RIO TINTO RIO TINTO NATAÇÃO ATIVIDADES AQUÁTICAS ORIENTADAS 6 AOS 36 MESES 6 AOS 24 MESES DOS 13 AOS 36 MESES 11h15 às 11h45 11h45 às 12h15 3 AOS 5 ANOS 17h00 às 17h40 09h00 às 09h40 09h00 às 09h45 17h40

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA

REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA REGULAMENTO INTERNO ANEXO III REGULAMENTO DE DISCIPLINA Quinta da Vila Formosa l Aeroporto l 1700-008 l Tel 218 540 190 Fax 218 540 195 www.externatochampagnat.pt ÍNDICE anexo III... 1 regulamento de disciplina...

Leia mais

NORMAS PARQUE DESPORTIVO

NORMAS PARQUE DESPORTIVO NORMAS DO PARQUE DESPORTIVO 2003 NORMAS DO PARQUE DESPORTIVO GENERALIDADES -----------1.O Desporto é indispensável ao funcionamento harmonioso da sociedade e constitui importante factor de equilíbrio,

Leia mais

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA

Edição 2. Revisão: 02. Código: RIP. Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9. Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Edição 2 Data: 11-06-2012 Nº de Páginas do Manual: 9 Revisão: 02 Elaborado por: Aprovado em Reunião Direcção BRIGITE SILVA Código: RIP Documentos relacionados: RIP Regulamento Interno da PISCINA I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física

Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física Regulamento da Disciplina e Instalações de Educação Física Dadas as características específicas da disciplina de Educação Física, foi entendimento dos professores da Área Disciplinar, elaborar um Regulamento

Leia mais

Regimento Interno de Educação Física

Regimento Interno de Educação Física Aspectos Gerais Regimento Interno de Educação Física 2013/14 Ponto 1 - As instalações desportivas destinam-se à realização das aulas de Educação Física e Atividades de Complemento Curricular. Qualquer

Leia mais

Piscina Municipal do Tabolado Normas Regulamentares

Piscina Municipal do Tabolado Normas Regulamentares Piscina Municipal do Tabolado Normas Regulamentares FINALIDADE A Piscina Municipal do Tabolado, visa contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população, servir os cidadãos ao nível de atividades

Leia mais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PISCINAS MUNICIPAIS DE ÓBIDOS Pág. 1 de 8 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) As

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

REGULAMENTO DOS COMPLEXOS BALNEARES DO CONCELHO DE MACHICO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DOS COMPLEXOS BALNEARES DO CONCELHO DE MACHICO. Nota Justificativa REGULAMENTO DOS COMPLEXOS BALNEARES DO CONCELHO DE MACHICO Nota Justificativa A prática de actividades aquáticas e de lazer com vista à satisfação das suas necessidades de ocupação salutar dos tempos livres

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. As instalações da piscina municipal coberta de Carrazeda de Ansiães

NOTA JUSTIFICATIVA. As instalações da piscina municipal coberta de Carrazeda de Ansiães MUNICÍPIO DE NOTA JUSTIFICATIVA As instalações da piscina municipal coberta de Carrazeda de Ansiães constituem parte integrante do património municipal e visam contribuir para o desenvolvimento desportivo

Leia mais

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO NATAÇÃO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS Art.º 1 (Objeto) 1 O presente regulamento estabelece as normas gerais de utilização e funcionamento das Piscinas do Clube, que

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL ÍNDICE CAPITULO I - PARTE GERAL Artigo 1º - Disposição Geral Artigo 2º - Formação e Competição Artigo 3º - Formação Artigo 4º - Competição Artigo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL. Artigo 1º Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS DE POMBAL Artigo 1º Disposições Gerais 1 - O presente regulamento estabelece os princípios, normas gerais e as condições de concessão, exploração

Leia mais

RECOMENDAÇÃO OFICIAL

RECOMENDAÇÃO OFICIAL RECOMENDAÇÃO OFICIAL Regras de Segurança para Piscinas Tadeia, Alexandre (Portugal) Neste documento são descritas as regras de segurança recomendadas para aplicação em Piscinas e uma breve explicação de

Leia mais

Índice. Artigo 1º - Instalações 2 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 2 Artigo 3º - Propriedade e Gestão... 3 Artigo 4º - Direção Técnica...

Índice. Artigo 1º - Instalações 2 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 2 Artigo 3º - Propriedade e Gestão... 3 Artigo 4º - Direção Técnica... Índice Preâmbulo... 2 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º - Instalações 2 Artigo 2º - Objeto e Finalidade... 2 Artigo 3º - Propriedade e Gestão... 3 Artigo 4º - Direção Técnica... 3 Capítulo II Do

Leia mais

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO 2 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º Destino e funcionamento... 4 Artigo 2.º Época de funcionamento... 5 Artigo 3.º Interrupção

Leia mais

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Aprovado Câmara Municipal 30-05-2012 Aprovado Assembleia Municipal 30-06-2012 Entrada em vigor 15-08- 2012 Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Proposta de Regulamento das Praias Fluviais

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende Lei Habilitante A utilização dos equipamentos municipais carece de regulamentação. A Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO FÉRIAS DESPORTIVAS DO ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO DAS FÉRIAS DESPORTIVAS O presente regulamento tem como objetivo dar a conhecer a todos os intervenientes e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído.

REGULAMENTO GERAL. Artigo 2.º (Definições) As seguintes expressões utilizadas neste Regulamento terão o significado que aqui lhes é atribuído. REGULAMENTO GERAL Artigo 1.º (Objeto) 1. O presente regulamento estipula as normas gerais e as condições de utilização do Ginásio. 2. O regulamento é parte integrante do Contrato de Adesão, ficando os

Leia mais

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento O Centro de Alto Rendimento de Atletismo é um espaço vocacionado para o treino de Atletas de Alto Rendimento que ambicionam competir em Campeonatos da

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015

NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015 NORMAS DA PISCINA INTERIOR Ano Lectivo 2014/2015 NORMAS DA PISCINA INTERIOR DO COMPLEXO DESPORTIVO PAULO PINTO Nota Justificativa: A diversificação e aumento dos modos e níveis da prática do desporto são

Leia mais

Instituto Inácio de Loyola Cernache Coimbra

Instituto Inácio de Loyola Cernache Coimbra Colégio da Imaculada Conceição REGULAMENTO de Educação Física Instituto Inácio de Loyola Cernache Coimbra ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I... 3 DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 CAPÍTULO II... 5 MATERIAL

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA PISCINA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA PISCINA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA O presente regulamento, de acordo com o artigo 12º do decreto lei nº 385/99 de 28 de Setembro, estabelece as normas de funcionamento, utilização e as condições necessárias para o exercício da atividade

Leia mais

Artigo 2º Cedência de instalações

Artigo 2º Cedência de instalações MANUAL INTERNO UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Artigo 1º Disposições gerais 1. As Instalações Desportivas da escola EB André Soares têm como finalidade, para além da atividade letiva, a prestação

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA/GINÁSIO

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA/GINÁSIO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE A.N.E.A. REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA PISCINA/GINÁSIO Artigo 1º Pis. Objecto 1 - O presente

Leia mais

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Pavilhão de Desportos é propriedade da Câmara Municipal de Vila do Conde e tem como finalidade a prestação de serviços à população

Leia mais

Gabinete de Indisciplina Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA

Gabinete de Indisciplina Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA Gabinete de Indisciplina e Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA Setembro 2015 O ALUNO DEVE: DIREITOS DOS ALUNOS 1. Ver reconhecidos e valorizados o mérito, o desempenho escolar, a assiduidade,

Leia mais

REGULAMENTO COMPLEXO DE DESPORTO E LAZER

REGULAMENTO COMPLEXO DE DESPORTO E LAZER REGULAMENTO COMPLEXO DE DESPORTO E LAZER Regulamento n.º / Data de Publicação em D.R. (se aplicável): / / Aprovado em sessão de câmara 12/set/2013 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO COMPLEXO

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DA PISCINA MUNICIPAL DE MIRANDELA

PROJETO DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DA PISCINA MUNICIPAL DE MIRANDELA PROJETO DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DA PISCINA MUNICIPAL DE MIRANDELA Página 1 de 20 NOTA JUSTIFICATIVA A prática de atividade física e desportiva é reconhecidamente um elemento fundamental

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPO DE JOGOS DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO CAMPO DE JOGOS DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO CAMPO DE JOGOS DE VIDIGUEIRA Preâmbulo A prática de atividades físicas e desportivas constitui um importante fator de equilíbrio, bem-estar e desenvolvimento dos cidadãos, sendo indispensável

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Objecto O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de utilização dos campos de futebol das instalações desportivas Myindoor

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DO COMPLEXO DE PISCINAS MUNICIPAIS DE MIRANDELA

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DO COMPLEXO DE PISCINAS MUNICIPAIS DE MIRANDELA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DO COMPLEXO DE PISCINAS MUNICIPAIS DE MIRANDELA Nota justificativa 1. A prática de atividades físicas e desportivas constitui um importante fator de equilíbrio, bem-estar e

Leia mais

Artigo 1º Lei habilitante Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Missão Artigo 4º Objectivos Artigo 5º Gestão

Artigo 1º Lei habilitante Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Missão Artigo 4º Objectivos Artigo 5º Gestão Artigo 1º Lei habilitante Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Missão Artigo 4º Objectivos Artigo 5º Gestão CAPITULO I GENERALIDADES CAPITULO II UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS Artigo 6º Dias de

Leia mais

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação Sócio-Afetivo Interesse e empenho Comportamento (respeito e sociabilidade) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS Ano Letivo de 2012/2013 Critérios de avaliação

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO CÂMARA MUNICIPAL PREÂMBULO As Piscinas Municipais de Montemor-o-Velho, visam contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população, servir os cidadãos através dos Serviços

Leia mais

DATA E LOCAL 16 e 17 de Maio Piscinas Municipais de Odivelas.

DATA E LOCAL 16 e 17 de Maio Piscinas Municipais de Odivelas. [Type text] [Type text] [Type text] FPN FESTIVAL ESTRELAS DO MAR 16 E 17 DE MAIO 2015 CADERNO DE ENCARGOS FESTIVAL DE ESTRELAS 1 REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 10º Festival de Estrelas,

Leia mais

Piscinas. Municipais. Gondomar. Guia. Informativo. Atividades Aquáticas. Atividades de Ginásio. Regulamento Geral. Tabela de Taxas e Preços

Piscinas. Municipais. Gondomar. Guia. Informativo. Atividades Aquáticas. Atividades de Ginásio. Regulamento Geral. Tabela de Taxas e Preços Municipais Gondomar Guia Informativo Atividades Aquáticas Atividades de Ginásio Regulamento Geral Tabela de Taxas e Preços ATIVIDADES AQUÁTICAS ORIENTADAS (As aulas iniciam na 2.ª quinzena de setembro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO DE ENTRE AMBOS-OS-RIOS

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO DE ENTRE AMBOS-OS-RIOS REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO DE ENTRE AMBOS-OS-RIOS PARTE I O PARQUE DE CAMPISMO E OS SEUS FINS ART. 1º O acesso ao Parque de Campismo será condicionado à sua capacidade de lotação. O Parque

Leia mais

Este regulamento interno de funcionamento de Campos de Férias do Centro Ciência Viva de

Este regulamento interno de funcionamento de Campos de Férias do Centro Ciência Viva de Regulamento Interno Campos de Férias Científicas, 2015 Este regulamento interno de funcionamento de Campos de Férias do Centro Ciência Viva de Estremoz pretende definir, em conformidade com a legislação

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA: 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas das disciplinas do curso de Tecnologia em Processos Químicos. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Escola Básica e Secundária Gama Barros. Regimento do grupo disciplinar de Educação Física

Escola Básica e Secundária Gama Barros. Regimento do grupo disciplinar de Educação Física 1 Escola Básica e Secundária Gama Barros Regimento do grupo disciplinar de Educação Física 1 2 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Grupo de Educação Física 1. O grupo é constituído por todos os professores

Leia mais

Complexo de Piscinas Municipais de Monção

Complexo de Piscinas Municipais de Monção Complexo de Piscinas Municipais de Monção Normas de Funcionamento e Utilização Preâmbulo A qualidade de vida dos cidadãos é uma preocupação permanente da Câmara Municipal de Monção, razão pela qual, simbolicamente,

Leia mais

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos C ONTROLO DO D OCUMENTO Ref.ª: REG-6/2010 Versão: V2 Data: 24/10/2011 Aprovado por: João Roquette Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Objecto O presente

Leia mais

8º Festival de Estrelas

8º Festival de Estrelas 8º Festival de Estrelas REGULAMENTO ÂMBITO O presente regulamento aplica-se ao 8º Festival de Estrelas, actividade prevista no Programa de Desenvolvimento Desportivo (PDD) Estrelas-do-mar, a realizar nos

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DO CAMPO DE FÉRIAS DO MUNICIPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR O presente regulamento, tem como objetivo principal ocupar o tempo livre das crianças com idades compreendidas entre os 6 e os is anos,

Leia mais

DEPARTAMENTO FINANCEIRO DIVISÃO DE PATRIMÓNIO E APROVISIONAMENTO CONCURSO PÚBLICO

DEPARTAMENTO FINANCEIRO DIVISÃO DE PATRIMÓNIO E APROVISIONAMENTO CONCURSO PÚBLICO DEPARTAMENTO FINANCEIRO DIVISÃO DE PATRIMÓNIO E APROVISIONAMENTO CONCURSO PÚBLICO CONCESSÃO DA EXPLORAÇÃO DAS PISCINAS DESCOBERTAS, DO BAR E DO RESTAURANTE (MARGEM ESQUERDA DO MONDEGO) CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO ALUNO Academia de Música de Costa Cabral. Preâmbulo

REGULAMENTO DISCIPLINAR DO ALUNO Academia de Música de Costa Cabral. Preâmbulo REGULAMENTO DISCIPLINAR DO ALUNO Academia de Música de Costa Cabral Preâmbulo Sem prejuízo do disposto no Estatuto do Aluno e Ética Disciplinar (Decreto-Lei n.º 51/2012) em matéria disciplinar, a autoridade

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Utilização e Gestão do. Complexo das Piscinas Municipais de Almeirim

Regulamento de Funcionamento Utilização e Gestão do. Complexo das Piscinas Municipais de Almeirim Regulamento de Funcionamento Utilização e Gestão do Complexo das Piscinas Municipais de Almeirim - Preâmbulo - O funcionamento do Complexo de Piscinas Municipais de Almeirim, pela importância que assumem

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS. 7992 Diário da República, 1.ª série N.º 223 17 de Novembro de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MI- NISTÉRIOS DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO E DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS.

Leia mais

Regulamento de Educação Física

Regulamento de Educação Física Regulamento de Educação Física 1.Utilização das instalações As instalações desportivas (pavilhão, campo de Voleibol, polivalente exterior) são utilizadas prioritariamente, segundo a seguinte ordem: 1.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE PISCINAS CLUBE ESPORTIVO SETE DE SETEMBRO

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE PISCINAS CLUBE ESPORTIVO SETE DE SETEMBRO REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE PISCINAS CLUBE ESPORTIVO SETE DE SETEMBRO Com o intuito de proporcionar o bem estar dos que utilizam as piscinas do Clube Esportivo Sete de Setembro e para que não ocorra

Leia mais

REGULAMENTO_2015. Página 1

REGULAMENTO_2015. Página 1 1 - Regras 1.1 - O Sesimbra Summer Cup será disputado em conformidade com as regras da FIFA, com excepção do previsto neste regulamento. 1.2 As equipas participantes podem ser equipas federadas, equipas

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral Sala de Apoio Multidisciplinar Regulamento Interno 1.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL

REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL REGULAMENTO INTERNO DO PARQUE DE CAMPISMO MUNICIPAL Os parques de campismo são empreendimentos turísticos definidos no Decreto- lei nº 39/2008, de 7 de março alterado pelo Decreto-Lei nº 228/2009, de 14

Leia mais

REGULAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA PISCINA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS PREÂMBULO A Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos tem vindo a desenvolver uma política de estímulo, orientação e apoio à prática e à difusão das

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2015/2016 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é Academia do Vitória Sport Clube. Artigo 2º (Destinatários)

Leia mais

REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL

REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL REGULAMENTO NORMAS E CONSELHOS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CONTROLO AUTOMAÇÃO E INFORMÁTICA INDUSTRIAL Elaborado por: Coordenador da Área Laboratorial de Mecanotecnia Luís Jorge Bronze Raposeiro IST,

Leia mais

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS CÓNEGO JOÃO JACINTO GONÇALVES DE ANDRADE Morada: Estrada da Lapa, 9350-079 Campanário Contactos: Correio Eletrónico: eb23jjgandrade@madeira-edu.pt Telefone: 291950310 Fax:

Leia mais

REGULAMENTO - VOLUNTÁRIOS

REGULAMENTO - VOLUNTÁRIOS REGULAMENTO - VOLUNTÁRIOS 1. Os voluntários oriundos de fora de S. Félix da Marinha e do Concelho de Espinho, terão direito a Alojamento, numa Escola escolhida pela Organização e a indicar na data de chegada

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

Serviço de Obstetrícia GUIA DE ACOLHIMENTO - SERVIÇO DE OBSTETRÍCIA - Mod. Q705.0 Mai/2014. Página 1

Serviço de Obstetrícia GUIA DE ACOLHIMENTO - SERVIÇO DE OBSTETRÍCIA - Mod. Q705.0 Mai/2014. Página 1 GUIA DE ACOLHIMENTO - SERVIÇO DE OBSTETRÍCIA - Mod. Q705.0 Mai/2014 Página 1 Bem-vinda, ao Serviço de Obstetrícia da ULSAM Acaba de chegar ao Serviço de Obstetrícia, as dúvidas e ansiedades podem ser muitas.

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE

NORMAS ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO A MELHOR PREPARAÇÃO PARA O AMANHÃ É A UTILIZAÇÃO APROPRIADA DO HOJE NORMAS DE ADMISSÃO E FUNCIONAMENTO 1. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO 1.1 O Colégio TAGUSPARK recebe crianças

Leia mais

Regulamento de Utilização do Pavilhão António Feliciano Bastos

Regulamento de Utilização do Pavilhão António Feliciano Bastos Regulamento de Utilização do Pavilhão António Feliciano Bastos A Constituição da Republica Portuguesa, no n o 1 do Artigo 79º, refere que todos têm direito à cultura física e ao desporto. Atendendo que

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VERDE DA QUINTA DO CONVENTINHO

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VERDE DA QUINTA DO CONVENTINHO REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VERDE DA QUINTA DO CONVENTINHO (Aprovado na 16.ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 20 de Agosto de 2008) REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VERDE

Leia mais

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Introdução Nos termos do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, alterado pelo Decreto-Lei nº. 228/2009, de 14 de Setembro, que

Leia mais

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175

N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 N. o 60 12 de Março de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2175 ANEXO (a que se refere o n. o 3 do artigo 1. o ) Tabela que estabelece os requisitos mínimos das instalações e de funcionamento dos hóteis

Leia mais

d) Acesso masculino restrito no horário específico das mulheres (das 11h às 12h e das 13h às 14h);

d) Acesso masculino restrito no horário específico das mulheres (das 11h às 12h e das 13h às 14h); website: www.academiapodium.yolasite.com REGULAMENTO DA ACADEMIA PODIUM 1. A Academia Podium 1.1. A Academia Podium consiste em um espaço diferenciado disponibilizado aos seus alunos e funcionários, para

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS MUNICIPAIS O presente regulamento é elaborado ao abrigo do disposto no artigo 241. da Constituição da República Portuguesa, conjugados com a alínea

Leia mais

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003)

Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Regulamento de Utilização do Pavilhão Desportivo da Escola Básica 2,3 de Arco de Baúlhe (Apêndice N.º 10 II Série N.º 17 21 de Janeiro de 2003) Preâmbulo O presente normativo inscreve-se na pretensão de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁDIO

REGULAMENTO DO ESTÁDIO 1. REGULAMENTO DO ESTÁDIO O Regulamento do Estádio contempla as regras básicas a observar pelos Utentes (Associados, restantes Espectadores, Vendedores e Pessoal em serviço) relativamente às condições

Leia mais

CLUBE DO TOPÁZIO CASA DE CAMPO DO FARMACÊUTICO

CLUBE DO TOPÁZIO CASA DE CAMPO DO FARMACÊUTICO CLUBE DO TOPÁZIO CASA DE CAMPO DO FARMACÊUTICO Rua João Ferreira da Silva, 1900, Bairro Paraúna, Belo Horizonte Minas Gerais Regimento Interno do Clube Topázio Casa de Campo do Farmacêutico Belo Horizonte

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO

PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55300 PARQUES DE CAMPISMO E DE CARAVANISMO

Leia mais

Portaria que aprova o Regulamento Técnico das Instalações Desportivas (RTID) Divisão de Infraestruturas Desportivas (DIED)

Portaria que aprova o Regulamento Técnico das Instalações Desportivas (RTID) Divisão de Infraestruturas Desportivas (DIED) Portaria que aprova o Regulamento Técnico das Instalações Desportivas (RTID) Divisão de Infraestruturas Desportivas (DIED) Dezembro de 2013 Projeto de Portaria que aprova o Regulamento Técnico das Instalações

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

CIRCUITO DE ÁGUAS ABERTAS DOS AÇORES 2014

CIRCUITO DE ÁGUAS ABERTAS DOS AÇORES 2014 CIRCUITO DE ÁGUAS ABERTAS DOS AÇORES 2014 REGULAMENTO DA PROVA DA SEMANA DO MAR - HORTA 1. Organização ANARA Associação de Natação da Região Açores e Clube Naval da Horta 2. Data 2 de Agosto de 2014 16.00

Leia mais

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf

Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf Regulamento e Operacionalização da Escola de Surf O surf é uma prática desportiva marítima, habitualmente considerada como parte do grupo de atividades desportivas radicais, devido ao seu aspeto criativo,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG REGIMENTO INTERNO ADEG Home 14 INDICE INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------. 03 1. DEVERES DA ASSOCIAÇÃO ------------------------------------------------------

Leia mais