Manual de Procedimentos Gerenciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Procedimentos Gerenciais"

Transcrição

1 GERENCIADORAS Página 1 de 58 Manual de Procedimentos Gerenciais GERENCIADORAS V 1.2 Janeiro de 2009.

2 GERENCIADORAS Página 2 de 58 ÍNDICE Controle das alterações Introdução Objetivo Abrangência Referências Funções e Responsabilidades Processos Gerenciais Fluxograma PG 00: Macro Fluxograma Fluxograma PG 01: Assinatura de OIS / Plano de Trabalho do Lote Fluxograma PG 02 (Anexo I do PG01): Diretoria de Atendimento Habitacional Fluxograma PG 03 (Anexo II do PG01): Diretoria de Planejamento e Fomento Fluxograma PG 04: Plano de Execução do Empreendimento Fluxograma PG 05 (Anexo I do PG 04): Diretoria de Atendimento Habitacional Fluxograma PG 06 (Anexo II do PG 04): Diretoria de Planejamento e Fomento Fluxograma PG 07: Medição Mensal Fluxograma PG 08 (Anexo I do PG07): Diretoria de Atendimento Habitacional Fluxograma PG 09 (Anexo II do PG07): Diretoria de Planejamento e Fomento Documentos e Informações Regras de Trabalho Monitoramento e Controle Gestão de Riscos Plano de comunicações ANEXO 1 GLOSSÁRIO ANEXO 2 MODELO DE DOCUMENTOS ANEXO 3 SUSTENTABILIDADE ANEXO 4 TERMO DE REFERÊNCIA GERENCIADORAS... 47

3 GERENCIADORAS Página 3 de 58 Controle das alterações Versão Data Descrição sumária das alterações /08/ /10/ /01/2009 EMISSÃO INICIAL ALTERAÇÕES: Alteração da seqüência e numeração dos itens; Alteração da formatação; Itens: 1, 4, 6, 7, 8, 9,12: melhorias do texto; Item 6. Processos Gerenciais: o Alterado Macro Fluxograma da Gerenciadora o Alterado o PG-01 (Assinatura de OIS) o Criado o Fluxo PG02 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo 01 do PG 01 o Criado o PG03 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Anexo 02 do PG 01 o Alterado o PG04 (antigo PG03) Plano de Execução do Empreendimento o Criado o PG 05 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo 01 do PG04 o Criado o PG 06 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Anexo 02 do PG04 o Criado o PG-07 (antigo PG 04) Medição Mensal o Criado o PG-08 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo 01 do PG 07 o Criado o PG-09 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Anexo 02 do PG 07 Item 7. Documentos e Informações: adequação dos códigos das listas de documentos, em função das alterações dos fluxogramas; Excluído itens Indicadores e Gestão de Documentos, assuntos a serem desenvolvidos em próximas revisões deste Manual ou em outro(s) documento(s). Excluído antigo anexo 17.3 Exemplo de Plano de Execução. Melhoria do texto objetivo da introdução do Anexo 03. As alterações em relação à versão anterior estão descritas abaixo: Desmembramento do item Coordenador Setorial Regional em dois itens: (Coordenador Setorial Regional de Obras) e (Coordenador Setorial Regional da Área Social) - pág. 09/58. Alteração do subitem e do item Gestor Técnico - pág. 10/58, em sublinhado. Alteração no fluxo PG01 (inclusão da atividade 8) pág.13/58. Anexo 01 Glossário: Inclusão da Sigla GRAPROHAB pg. 28

4 GERENCIADORAS Página 4 de Introdução A fim de suprir o déficit habitacional do Estado de São Paulo, a SH CDHU objetiva conciliar o aumento da capacidade de produção de empreendimentos com a oferta de unidades habitacionais à população de baixa renda que atendam a consistentes critérios de qualidade e sustentabilidade. Dentre outras frentes de ação, a CDHU está conduzindo um processo de implantação de um novo modelo de gestão da cadeia produtiva, com o fortalecimento da atuação das prestadoras de serviço, comprometidas com o desenvolvimento habitacional urbano do Estado. Novas responsabilidades e novo escopo de atuação foram definidos para as Projetistas, Gerenciadoras, Fiscalizadoras e, como conseqüência, para Construtoras, Laboratórios de Ensaio e outros agentes, que atuarão em todo Estado de São Paulo. Para enfrentar estes desafios, através dos Manuais de Procedimentos Gerenciais, foi iniciada a padronização de procedimentos, documentos e instrumentos de comunicação entre a CDHU e as prestadoras de serviço (Gerenciadoras, Fiscalizadoras e Projetistas), abordando uma nova forma de relacionamento entre as partes e propiciando mecanismos de acompanhamento das atividades desempenhadas. Existe a possibilidade de revisões periódicas dos Manuais, para os detalhamentos necessários e adequação contínua. Com base nas experiências adquiridas, novas versões aperfeiçoadas irão contemplar os ajustes necessários. Novas contribuições para melhoria deste Manual de Procedimentos Gerenciais Gerenciadoras devem ser encaminhadas à Diretoria Técnica da CDHU.

5 GERENCIADORAS Página 5 de 58 Sustentabilidade Quanto ao tema Sustentabilidade, tão abrangente e por vezes subjetivo, devemos ser claros e criteriosos, o que faz necessária a adoção de um modelo de avaliação de empreendimentos consistente, reconhecido e viável para a realidade brasileira. Para isto, recomendamos a adoção do Referencial Técnico do Processo Aqua (Alta Qualidade Ambiental), adaptado do Demarque HQE francês, para as condições brasileiras, pela Fundação Vanzolini, com o apoio dos professores do Departamento de Engenharia Civil da POLI/USP. Estes referenciais, aceitos e validados internacionalmente, são coerentes com a legislação brasileira e normas nacionais, com as necessidades da população de baixa renda e com a viabilidade técnica e econômica a que devemos atentar. Os programas de sustentabilidade dos empreendimentos devem contemplar diretrizes mínimas que atendam simultaneamente, os critérios exigidos pelo Referencial Técnico e a política habitacional e sócio-econômico-ambiental da SH do Governo do Estado de São Paulo. Incluímos em anexo as 14 categorias de desempenho baseadas no Referencial Técnico do Aqua, desdobradas até o nível das preocupações com a redução dos impactos ambientais da construção e do seu uso e das condições de conforto e saúde para o usuário, incluindo a inserção sócio econômico-ambiental do empreendimento. Desta forma, permite-se demonstrar o grau de desempenho do projeto em cada uma das categorias, nos documentos de saída dos projetos. As Prestadoras de Serviço devem se referenciar a este material para melhor orientar o desenvolvimento de seus produtos e serviços, alinhado com a estratégia da SH-CDHU quanto à qualidade e sustentabilidade de seus empreendimentos. Estão previstas atualizações futuras em função das adaptações para o Brasil dos Referenciais Técnicos do Aqua para Empreendimentos Habitacionais e do desenvolvimento do conceito de Desenho Universal, de forma a permitir a adoção de critérios e indicadores mais específicos.

6 GERENCIADORAS Página 6 de Objetivo O objetivo deste Manual de Procedimentos Gerenciais Gerenciadoras é descrever o fluxo de informações entre a CDHU (em especial a Diretoria Técnica) e as suas Prestadoras de Serviço, entre as Prestadoras de Serviço (Projetistas, Gerenciadoras e Fiscalizadoras) e entre estas e outros agentes, padronizar as formas de comunicação entre as partes, padronizar os procedimentos e os documentos pertinentes, sugerir metodologias de gestão, definir responsabilidades e regras de trabalho, a fim de que as relações entre a CDHU e suas parceiras, sejam eficazes e eficientes, garantindo a qualidade e a rapidez necessários à cadeia produtiva de empreendimentos habitacionais do Estado de São Paulo. 3. Abrangência O Manual de Procedimentos Gerenciais - Gerenciadoras abrange desde a preparação da emissão da OIS Ordem de Início de Serviços do Empreendimento, decorrente do cronograma macro da Companhia, suas diversas etapas de Concepção, Projeto, Execução / Monitoramento / Controle / Entrega / Aprovação até o encerramento final do empreendimento, no que tange ao envolvimento da Diretoria Técnica. Notas: Não incluído nesta versão, conteúdo relativo à parte da Fase Concepção, à Fase Trabalho Social e à Fase Regularização. O detalhamento de procedimentos operacionais da CDHU poderá ser objeto de outro manual. 4. Referências Manual Técnico de Projetos - Julho/2008 (O Manual Técnico de Projetos de 1998 foi revisado nos capítulos Instalações Hidráulico-Sanitárias, Instalações de Gás Combustível e Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio e alguma revisão nos demais. Estão referenciadas as regras para Nomenclatura e Codificação. Os demais itens serão objeto de revisão posterior); Manual do GRAPROHAB (conforme versão atualizada do site) Manual de Orientação para Aprovação de Conjuntos Habitacionais Julho/2008 Manual de Paisagismo CDHU 2007 Manual de Arborização Urbana da Eletropaulo Normas de Aprovação de Projetos Habitacionais e Edificações da Prefeitura correspondente a área do Projeto Edital e Termo de Referência das Projetistas 2007;

7 GERENCIADORAS Página 7 de 58 Edital e Termo de Referência das Fiscalizadoras 2007; Edital e Termo de Referência das Gerenciadoras 2007 (este último em anexo); Contratos da CDHU com as Projetistas e Fiscalizadoras gerenciadas. Contrato da Gerenciadora com a CDHU Legislação Vigente e normas Técnicas da ABNT. 5. Funções e Responsabilidades Descrição das funções e responsabilidades e eventualmente relações hierárquicas, de acordo com o Termo de Referência do Edital e com os relacionamentos gerenciais e operacionais necessários. Notas: Esta descrição não contempla necessariamente todas as responsabilidades inerentes às funções. As descrições de responsabilidades descritas abaixo para as Gerenciadoras foram extraídas integralmente do Termo de Referência anexo 01 do Edital de Concorrência das Gerenciadoras. 5.1 Gerenciadoras Coordenador Geral a. Responsável pela interlocução com as Diretorias ou Superintendências por elas designadas. b. Coordenação geral abrangendo os insumos de planejamentos, projetos, obras, suprimentos e serviços, durante toda a evolução da implantação, a serem desenvolvidas em função das solicitações contidas nas ordens de serviços expedidas Coordenador Setorial de Planejamento, Controle, Orçamento, Apoio Administrativo e Consultoria a. Elaboração de relatórios de evolução e gerenciais, consolidando as informações gerenciais requeridas pela Contratante e em periodicidade a ser definida pela mesma, de acordo com as especificidades de cada programa e cada etapa de trabalho; b. Coordenar o apoio para o planejamento dos projetos, envolvendo o detalhamento da concepção, viabilidade técnico-financeira de projetos e obras, garantindo o atendimento às diretrizes específicas de cada programa em execução ou a ser executado pelas empresas contratadas, sob seu gerenciamento; c. Coordenar o apoio para o planejamento e programação físico-financeira dos empreendimentos, incluindo as atividades de acompanhamento para fins de atualização da programação geral; d. Coordenar o apoio técnico e administrativo referente a elaboração de especificações para serviços, projetos e obras; e. Gerar informações sobre o cumprimento das cláusula contratuais pelas projetistas, empreiteiras e prestadores de serviços técnicos de fiscalização; f. Implantação e manutenção de sistemas informatizados para controle do andamento dos empreendimentos, de forma a mantê-los atualizados; g. Apoio técnico e administrativo para supervisão e acompanhamento da aplicação de Planos de Garantia da Qualidade pelas contratadas sob seu gerenciamento; h. Coordenar o apoio técnico e administrativo referente ao controle dos contratos das projetistas, empreiteiras e prestadores de serviços técnicos de fiscalização;

8 GERENCIADORAS Página 8 de 58 i. Gerar informações sobre o cumprimento das cláusulas contratuais pelas projetistas, empreiteiras e prestadores de serviços técnicos de fiscalização; j. Coordenar o auxilio nas providências relativas ao ordenamento das documentações necessárias, de acordo com as Normas e Procedimentos internos da Contratante, no que diz respeito aos trâmites de encerramento dos contratos de execução de serviços e obras junto às construtoras e prestadores de serviços; k. Coordenar o apoio à implantação e manutenção do controle dos documentos do projeto; l. Coordenar o fornecimento de informações e instrumentos para o acompanhamento do desenvolvimento físico-financeiro dos projetos, obras e serviços, para fins de controle e atendimento da programação geral; m. Coordenar o apoio técnico e administrativo quanto ao recebimento das obras; n. Oferecer análise e recomendações sobre pleitos de alterações contratuais das projetistas, empreiteiras e fornecedores; o. Elaborar relatórios com análise e verificação das medições dos serviços, projetos e obras; p. Elaboração de Planilha Orçamentária de Referência como subsídio para licitações de obras, serviços e projetos de sustentabilidade social e econômica; q. Coordenar o apoio técnico para elaboração de cotações para composição de preços para projeto e obras visando a obtenção de menores preços para execução dos serviços; r. Coordenar o apoio técnico para elaboração de composição de preços para serviços extraordinários, não previstos em contratos de projetos, obras e projetos de sustentabilidade social e econômica; s. Elaboração e controle das medições de quantidades de serviços executados pelas contratadas sob seu gerenciamento (projetistas e fiscalizadoras); t. Elaboração e controle de orçamentos necessários aos projetos habitacionais; u. Assessoramento, em questões complexas, às Comissões Julgadoras da Contratante no julgamento de propostas de licitação; v. Acompanhamento das ações referentes à Gestão e Gerenciamento Ambiental, com relação às medidas mitigadoras de caráter ambiental exigidas pelos órgãos competentes a serem desenvolvidos para a execução de projetos e obras; e, w. Consultoria geral, quando necessária, às atividades relativas a execução dos serviços e obras gerenciadas Coordenador Setorial de Projetos a. Vistoriar, analisar e emitir parecer técnico sobre as áreas destinadas à implantação de Projetos Habitacionais; b. Coordenar o apoio nas consultas às Concessionárias e Órgãos de Serviços Públicos; c. Acompanhamento e análise de projetos, emitindo relatórios de análise para a aprovação da Contratante; d. Supervisão e acompanhamento de tramitação de projetos e relatórios da área de Meio Ambiente; e. Verificação da qualidade dos projetos, incluindo a análise e compatibilização com a realidade de campo, emitindo pareceres técnicos quando solicitado; f. Acompanhamento do fornecimento e suficiência dos projetos, para fins de controle e atendimento da programação geral; g. Avaliação e monitoramento de áreas de risco; h. Assessoria e apoio técnico às atividades de trabalho social durante a elaboração dos projetos; i. Levantamentos topográficos de conferência; e j. Identificação da demanda potencial dos projetos de recuperação urbana Coordenador Setorial Regional de Obras a. Coordenar as atividades de caráter sócio-econômico a serem realizadas nas fases de concepção, projetos e execução das obras dos empreendimentos/ intervenções;

9 GERENCIADORAS Página 9 de 58 b. Realização de vistorias em terrenos e pesquisas cartorárias visando subsidiar a análise de viabilidade técnica e fundiária para a implantação de empreendimentos/intervenções; c. Coordenar o apoio ao desenvolvimento da documentação técnica com vistas à contratação das obras e serviços; d. Coordenar o diligenciamento dos serviços de responsabilidade de prefeituras municipais e/ou de concessionárias de serviços públicos nas localidades dos empreendimentos/ intervenções; e. Coordenar o apoio às atividades de aprovação ou regularização dos empreendimentos junto aos órgãos e prefeituras locais competentes; f. Acompanhamento da execução das obras e serviços por meio de visitas e reuniões periódicas nos locais dos empreendimentos/intervenções, de forma a monitorar o trabalho desenvolvido pelas Construtoras e Fiscalizadoras; g. Acompanhamento à assistência técnica aos beneficiários nas fases de pós-ocupação e/ou pós-urbanização; h. Apoio na obtenção de recursos financeiros e parcerias com agentes intervenientes locais; i. Coleta de dados para apuração de indicadores relacionados à sustentabilidade dos empreendimentos/intervenções; j. Elaboração de relatórios periódicos e eventuais contendo informações técnicas, econômicas e ambientais sobre os empreendimentos/intervenções executados ou em execução Coordenador Setorial Regional da Área Social a. Coordenar as atividades de caráter social a serem realizadas nas fases de concepção, projetos e execução das obras dos empreendimentos/ intervenções; b. Realização de vistorias em terrenos e pesquisas visando subsidiar a análise de viabilidade social para a implantação de empreendimentos/intervenções; c. Mapeamento, arrolamento, e identificação de lideranças comunitárias nas áreas objeto de intervenção; d. Realização de pesquisas e levantamentos visando à caracterização das comunidades nas áreas objeto de intervenção; e. Coordenar o apoio ao trabalho social; f. Gerenciamento das atividades relacionadas à remoção e/ou reassentamento das famílias atingidas pelas intervenções; g. Acompanhamento da comercialização e entrega das unidades habitacionais e/ou áreas urbanizadas às famílias beneficiárias dos empreendimentos/intervenções da CDHU; h. Acompanhamento social aos beneficiários nas fases de pós-ocupação e/ou pósurbanização; i. Coordenar a concepção e o apoio à implementação de Projetos Sociais a serem desenvolvidos junto à comunidade; j. Concepção e aplicação de atividades sócio-educativas visando o treinamento e capacitação dos moradores em diversos aspectos como manutenção das unidades, práticas de saúde e higiene, preservação ambiental, geração de trabalho e renda; k. Elaboração de relatórios periódicos e eventuais contendo informações sociais sobre os empreendimentos/intervenções executados ou em execução. 5.2 CDHU Gestor do Contrato

10 GERENCIADORAS Página 10 de 58 a. Programar e supervisionar o processo de contratação de serviços de gerenciamento de obras. b. Programar e supervisionar o andamento do gerenciamento da obra, executados pelo prestador. c. Gerenciar os processos administrativos de contratos de gerenciamento (medições, alterações contratuais, recebimento de documentação, emissão de OIS, solicitações junto a gerenciadora, etc.) Gestor Técnico a. Gerenciar, supervisionar, programar, analisar, e controlar as ações da gerenciadora em todas as suas fases (Concepção, Projeto, Trabalho Social, Execução/Monitoramento/Controle/Entrega/Pós-Uso e Aprovação/Regularização) no âmbito de atuação da gerência técnica. b. Gerenciar as ações da CDHU em atividades que envolvam a responsabilidade de agentes internos e externos (reunir documentação técnica, promover a reuniões técnicas, emitir documentação técnico-administrativa, etc). c. Coordenar as atividades da gerenciadora para dar suporte técnico às demandas das diversas áreas da empresa. d. Sistematizar e manter sob controle técnico e administrativo as alterações e ajustes que venham a ocorrer em medições, aditivos, etc. e. Avaliar sob o prisma técnico, o desempenho de empresas contratadas para o desenvolvimento do gerenciamento de empreendimentos. 6. Processos Gerenciais

11 GERENCIADORAS Página 11 de 58 Os fluxogramas dos processos gerenciais apresentam a seqüência de atividades que ocorre no âmbito da CDHU e das Prestadoras de Serviço, indicando eventualmente quais documentos ou informações devem ser gerados e/ou entregues. Esta indicação é feita através de códigos (vide nota). Os fluxogramas estão estruturados em áreas de responsabilidade e foram desenvolvidos com a ferramenta Tibco (www.tibco.com), atendendo a notação BPMN Business Process Modeling Notation. Os Fluxogramas descrevem as principais responsabilidades das Gerenciadoras e seu relacionamento com a CDHU, demais Prestadoras de Serviço e outros agentes. A saber: PG - 00 PG - 01 PG - 02 PG - 03 PG - 04 PG - 05 PG - 06 PG - 07 PG - 08 PG - 09 Macro Fluxograma da Gerenciadora Assinatura de OIS / Plano de Trabalho do Lote Anexo I do PG-01 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo II do PG-01 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Plano de Execução do Empreendimento Anexo I do PG-04 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo II do PG-04 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Medição Mensal Anexo I do PG-07 (Diretoria de Atendimento Habitacional) Anexo II do PG-07 (Diretoria de Planejamento e Fomento) Critério de codificação: - Código PG significa Processo da Gerenciadora : aplica-se ao título de todos os fluxogramas deste Manual de Procedimentos Gerenciais que envolvem as Gerenciadoras. - Código LD significa Lista de Documentos : refere-se a documentos ou informações a serem utilizadas no relacionamento entre as instituições. Ex.: PG01-LD01: significa Lista de Documentos 01 do Fluxograma PG 01. Nota: Os conteúdos das listas de documentos estão descritos no item 7 Documentos e Informações.

12 GERENCIADORAS Página 12 de 58 Fluxograma PG 00: Macro Fluxograma

13 GERENCIADORAS Página 13 de 58 Fluxograma PG 01: Assinatura de OIS / Plano de Trabalho do Lote

14 GERENCIADORAS Página 14 de 58 Fluxograma PG 02 (Anexo I do PG01): Diretoria de Atendimento Habitacional

15 GERENCIADORAS Página 15 de 58 Fluxograma PG 03 (Anexo II do PG01): Diretoria de Planejamento e Fomento

16 GERENCIADORAS Página 16 de 58 Fluxograma PG 04: Plano de Execução do Empreendimento

17 GERENCIADORAS Página 17 de 58 Fluxograma PG 05 (Anexo I do PG 04): Diretoria de Atendimento Habitacional

18 GERENCIADORAS Página 18 de 58 Fluxograma PG 06 (Anexo II do PG 04): Diretoria de Planejamento e Fomento

19 GERENCIADORAS Página 19 de 58 Fluxograma PG 07: Medição Mensal

20 GERENCIADORAS Página 20 de 58 Fluxograma PG 08 (Anexo I do PG07): Diretoria de Atendimento Habitacional

21 GERENCIADORAS Página 21 de 58 Fluxograma PG 09 (Anexo II do PG07): Diretoria de Planejamento e Fomento

22 GERENCIADORAS Página 22 de Documentos e Informações Apresentamos a seguir as Listas de Documentos / informações, por processo gerencial, que as Prestadoras de Serviço e a CDHU utilizam em suas interfaces de relacionamento e que são necessárias para a execução das atividades sob suas responsabilidades. Nota: As Listas de Documentos não contemplam necessariamente todos os documentos e informações de uso obrigatório. A critério da CDHU poderão ser exigidas quaisquer informações ou documentos adicionais, além dos explicitados abaixo. PG 01 Assinatura de OIS / Plano de Trabalho do Lote PG 01-LD 01 PG 01-LD 02 PG 01-LD 03 PG 01-LD 04 PG 01-LD 05 PG 01-LD 06 PG 01-LD 07 PG 01-LD 08 Carta de encaminhamento Plano de Trabalho do Lote Procuração do preposto Comprovante de abertura de conta no banco Carta de encaminhamento Documentação do Plano de Gestão da Qualidade Carta de solicitações Documentação do Plano de Gestão da Qualidade p/ revisão/correções (encaminhado pela diretoria técnica) Documentação do Plano de Gestão da Qualidade aprovada (encaminhado pela diretoria técnica) Carta de encaminhamento Plano de Gestão da Qualidade Carta de solicitações Plano de Gestão da Qualidade c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria técnica) OIS Carta de solicitações Plano de Trabalho do Lote c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria técnica) PG 02 (Anexo I do PG01) Diretoria de Atendimento Habitacional PG 02-LD 01 PG 02-LD 02 PG 02-LD 03 Carta de solicitações Documentação do plano de gestão da qualidade p/ revisão/correções (encaminhado pela diretoria de atendimento habitacional) Carta de solicitações Plano de Gestão da Qualidade c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de atendimento habitacional) Carta de solicitações Plano de Trabalho do Lote c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de atendimento habitacional)

23 GERENCIADORAS Página 23 de 58 PG 03 (Anexo II do PG01) Diretoria de Planejamento e Fomento PG 03-LD 01 PG 03-LD 02 PG 03-LD 03 Carta de solicitações Documentação do Plano de Gestão da Qualidade p/ revisão/correções (encaminhado pela diretoria de planejamento e fomento) Carta de solicitações Plano de estão da Qualidade c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de planejamento e fomento) Carta de solicitações Plano de Trabalho do Lote c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de planejamento e fomento) PG 04 Plano de Execução do Empreendimento PG 04-LD 01 PG 04-LD 02 PG 04-LD 03 PG 04-LD 04 PG 04-LD 05 Carta de encaminhamento Plano de execução do empreendimento (referente à diretoria técnica) Carta de solicitações Plano de execução do empreendimento c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria técnica) Plano de execução aprovado (referente à diretoria técnica) Carta de encaminhamento Documentação referente às necessidades de projetos para elaboração do Termo de Referência Solicitação de início da obra PG 05 (Anexo I do PG 04) - Diretoria de Atendimento Habitacional PG05-LD01 PG05-LD02 Carta de encaminhamento Plano de execução do empreendimento (referente à diretoria de atendimento habitacional) Carta de solicitações Plano de execução do empreendimento c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de atendimento habitacional) PG 06 (Anexo II do PG 04) - Diretoria de Planejamento e Fomento PG06-LD01 PG06-LD02 Carta de encaminhamento Plano de execução do empreendimento (referente à diretoria de planejamento e fomento) Carta de solicitações Plano de execução do empreendimento c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de planejamento e fomento)

24 GERENCIADORAS Página 24 de 58 PG 07 Medição Mensal PG07-LD01 PG07-LD02 PG07-LD03 PG07-LD04 PG07-LD05 Carta de encaminhamento Dossiê de medição Carta de solicitações Dossiê de medição c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria técnica) Carta de encaminhamento Fatura e documentação complementar p/ liberação do pagamento Carta de solicitação de adequação da equipe PG 08 (Anexo I do PG07) - Diretoria de Atendimento Habitacional PG08-LD01 PG08-LD02 PG08-LD03 PG08-LD04 PG08-LD05 Carta de encaminhamento Dossiê de medição Carta de solicitações Dossiê de medição c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de atendimento habitacional) Carta de encaminhamento Fatura e documentação complementar p/ liberação do pagamento Carta de solicitação de adequação da equipe PG09 (Anexo II do PG07) - Diretoria de Planejamento e Fomento PG09-LD01 PG09-LD02 PG09-LD03 PG09-LD04 PG09-LD05 Carta de encaminhamento Dossiê de medição Carta de solicitações Dossiê de medição c/ solicitação de revisão/correção (encaminhado pela diretoria de planejamento e fomento) Carta de encaminhamento Fatura e documentação complementar p/ liberação do pagamento Carta de solicitação de adequação da equipe

25 GERENCIADORAS Página 25 de Regras de Trabalho As Regras de Trabalho definem acordos entre as partes envolvidas nos processos gerenciais e podem abranger diversos assuntos, como por exemplo: políticas, compromissos, objetivos, decisões estratégicas ou técnicas e outros Plano de Gestão da Qualidade O plano da qualidade tem o objetivo de estabelecer os critérios e diretrizes para a gestão da qualidade no âmbito do contrato de prestação de serviços. Poderá conter itens como, por exemplo: 1. Objetivo 2. Procedimentos e normas aplicáveis 3. Estruturação do plano 4. Sistema de gestão da qualidade 5. Responsabilidades da direção a. Comprometimento b. Foco no cliente c. Política da qualidade d. Planejamento e. Responsabilidade, autoridade, comunicação f. Análise crítica pela direção 6. Gestão de recursos a. Provisão de recursos b. Recursos Humanos c. Infra-estrutura d. Ambiente de trabalho 7. Realização do produto a. Planejamento da realização b. Processos relacionados a clientes c. Projeto e desenvolvimento d. Aquisição e. Produção e fornecimento de serviço f. Controle de dispositivos de medição e monitoramento 8. Medição, análise e melhoria a. Generalidades b. Medição e monitoramento c. Controle de produto/serviço não conforme d. Análise de dados e. Melhorias (contínua, preventiva, corretiva) 9. Controle de documentos a. Definições b. Responsabilidades c. Procedimentos d. Controle de revisões e. Documentos controlados f. Codificação g. Circulação h. Documentação técnica i. Backup 10. Controle de registros 11. Plano de prestação de serviços e fluxogramas

26 GERENCIADORAS Página 26 de Plano de Trabalho do Lote O Plano de Trabalho do Lote, que será elaborado pelas Gerenciadoras antes da emissão da primeira OIS, deverá documentar o planejamento de execução dos serviços, seus controles, características e limites. Poderá conter os seguintes itens: 1. Identificação contendo Lote no., OIS no., data, empreendimento, objeto, empresa 2. Objetivos do plano 3. Especificação da Prestação de Serviços Identificação dos serviços a serem prestados, indicando limites do projeto (abrangência e exclusões) 4. Organograma da equipe do contrato 5. Definir quantidade e perfil dos colaboradores (habilidades e qualificações) 6. Definir responsabilidades e autoridade dos colaboradores 7. Identificar os equipamentos e facilidades necessárias para a execução destes serviços 8. Restrições do projeto (fatores limitantes para execução datas, condições ambientais, etc.) 9. Premissas do projeto (fatores condicionantes para execução desde que ) 10. Plano de Comunicações (utilizar documento indicando reuniões regulares, pontuais previstas, atas, relatórios de acompanhamento, etc.) 11. Riscos iniciais definidos (utilizar documento Análise de Riscos) 8.3 Cronograma Os cronogramas deverão ser apresentados em formato Gantt, indicando a relação hierárquica de macro-atividades e atividades (EAP), responsável pela entrega, duração, data início prevista e data fim prevista. 8.4 Documentos técnicos Deverão ser apresentados de acordo com os manuais técnicos e legislação pertinente. Sempre que houver entrega de documentos técnicos, a prestadora deverá entregar os arquivos digitais correspondentes, identificados com a codificação CDHU. 8.5 Correspondências As trocas de informações e correspondências entre a Prestadora de Serviço e a CDHU, bem como todas as instruções da CDHU para a Prestadora de Serviço, deverão ser feitas por escrito e/ou registradas em Atas de Reunião. Todas as entregas formais deverão ter seu respectivo protocolo, com lista de documentos, e dados de quem recebeu, indicando nome, telefone e visto. Quando pertinentes, deverão ser entregues também os respectivos arquivos digitais. Notas: Além das regras de trabalho formalizadas neste item, outros documentos contemplam requisitos a serem atendidos pelas Prestadoras de Serviço, tais como Edital, Termo de Referência, Contrato, Ordens de Serviço e o próprio conteúdo dos planos de trabalho.

Manual de Procedimentos Gerenciais

Manual de Procedimentos Gerenciais Pág.: 1 de 70 Manual de Procedimentos Gerenciais Fiscalizadoras v1.0 Agosto/2008 Pág.: 2 de 70 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Controle de versões... 4 3. Objetivos e Abrangência... 5 4. Referências... 5

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA CONTROLE DE ESTUDOS, MANUAIS, RELATÓRIOS E PLANOS A SEREM ENTREGUES PELA GERENCIADORA PRODUTOS E RELATÓRIOS MACROATIVIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO MAIO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO MAIO ABNT/CB 02 COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 25 de maio Representante Ronaldo Sá O Texto está em fase final e haverá em junho

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1. O objetivo deste Termo de Referência é disponibilizar aos interessados em atender a solicitação de propostas da PPP ESPLANADA SUSTENTÁVEL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... MANUAL DA QUALIDADE Pág.: 1 de 21 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESCOPO E EXCLUSÕES DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1. Requisitos

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina

Manutenção e Reforma. Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias. Ricardo Santaliestra Pina Manutenção e Reforma Saiba as ações necessárias para atendimento às novas normas de modo a não implicar em suas garantias Ricardo Santaliestra Pina Norma ABNT NBR 5674 Manutenção Edificações Requisitos

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Infraestrutura - INFRA Petrolina Junho de 2013 APRESENTAÇÃO A Assessoria de Infraestrutura INFRA é um órgão da administração superior da Univasf

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance,

Único Membro Pleno Brasileiro da IQNet, que tem mais de 1/3 das certificações de SG do mundo. Em 2008 fundou e tem assento no Board da SBAlliance, CERTIFICAÇÃO Atua desde 1967 formada e mantida pelos professores da Eng. Produção Escola Politécnica USP Há mais de 15 anos certifica Sistemas de Gestão (Q/MA/SSO/RS) e produtos da Construção Civil Único

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil

Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil QUEILA RODRIGUES Universidade Federal do Pampa andressalhamby@hotmail.com MAURÍCIO

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas Silvio Melhado 24/09/10 Contexto atual 2 1 2 Normas de desempenho A Importância da Gestão do Processo de Projeto 6 1 2 4 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DAS INST. FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR -DIFES COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - CGPO - SIMEC - SISTEMA

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO Guia Básico dos Programas Habitacionais Dezembro / 2007 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MINISTÉRIO

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento 1 TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Consultor - Engenheiro Civil para compor a unidade de gerenciamento do Programa Integrado De Desenvolvimento Urbano e Inclusão Social PROCIDADES/BID CONTRATO 2258/OC-BR.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais