PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFS Vencimento: Área: Revisão: Out/11 ARACAJU 01 P.P.R.A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFS Vencimento: Área: Revisão: Out/11 ARACAJU 01 P.P.R.A"

Transcrição

1 Pág. 1 de 192 P.P.R.A AMBIENTAIS REVISÃO DO PPRA COM AS ADEQUAÇÕES DA NR-32 VIGÊNCIA: OUTUBRO DE 2010 A OUTUBRO DE 2011 Aracaju-Se Outubro/2010

2 Pág. 2 de 192 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO PPRA Objetivo Específico INFORMAÇÕES GERAIS DO HOSPITAL Resumo do Número de Servidor/Órgão Fatores que Motivaram este Trabalho/NR CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÃO ESTRUTURA DO PROGRAMA FLUXOGRAMA DO PPRA Planejamento Anual Estratégias e Metodologia de Ação Registros e Informes legais DESENVOLVIMENTO DO PPRA RECONHECIMENTO Identificação dos Agentes Pesquisa de Dados Localização das Fontes Geradoras de Risco/Setores de Trabalho Medidas de Proteção Coletiva Utilização do EPI RESPONSABILIDADES PELAS AÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS Cronograma de Implantação do PPRA Implantação das Medidas de Controle Mecanismo de Avaliação e Controle Itens de controles (IC) do desenvolvimento do PPRA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE EXPOSIÇÃO AOS RISCOS AMBIENTAIS Identificação dos Setores/Agentes de Riscos Ambientais Descrições dos Locais de Trabalho/Avaliações Qualitativa e Quantitativa DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES/RISCOS AMBIENTAIS Estabelecimento dos GHER - Critério Qualitativo... 96

3 Pág. 3 de ATRIBUIÇÕES DE CARGOS/UFS Atribuições de Cargos das Atividades X Exposição e Medidas Preventivas Caracterização do GHER Possíveis Riscos à Saúde INVENTÁRIO DOS PRODUTOS QUÍMICOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL POR FUNÇÃO ANÁLISE E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE RISCOS Metodologia de Análise e Avaliação do Potencial de Risco/AIHA Análise e Avaliação do Potencial/Grau de Risco dos GHER s (Físico) Análise e Avaliação do Potencial/Grau de Risco dos GHER s (Químico) Análise e Avaliação do Potencial/Grau de Risco dos GHER s (Biológico) TABELA DE GRAU DE PRIORIDADE APÓS AVALIAÇÕES DOS RISCOS CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS MEDIDAS PREVENTIVAS/CONTROLE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES REALIZADAS DO PPRA Sugestão de Conteúdos para Capacitação - NR RESPONSABILIDADES CONCLUSÃO COORDENADOR DO PROGRAMA ELABORAÇÃO TÉCNICA DO PPRA BIBLIOGRAFIA APÊNDICE 1: AVALIAÇÃO QUANTITATIVA - IBUTG ANEXO 1: PERFIL DE SENSIBILIDADE DAS BACTÉRIAS/SCIH HU ANEXO 4: INFORMAÇÕES DO CNEN

4 Pág. 4 de IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL NOME DE FANTASIA LOCAL DE ATUAÇÃO FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HU ARACAJU/SE CNPJ / CNAE GRAU DE RISCO (NR 4) ATIVIDADE PRINCIPAL ENDEREÇO RESPONSÁVEL PELA OPERACIONALIZAÇÃO DO PPRA 03 (três) Atividades de atendimento hospitalar Rua Cláudio Batista, s/n, Santo Antônio-Aracaju/Se CEP: Sandra Maria Dórea Diretora administrativa TELEFONE/FAX (79) /1725 Nº DE EMPREGADOS 587 HORÁRIO DE TRABALHO RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PPRA Horário administrativo/escala de revezamento Genilson Vieira dos Santos Engº de Seg. do Trabalho CREA 12890/D E MAIL/TELEFONE (79) / Cristina Maria Falcão Teti Enfª. do Trabalho COREN/SE (79) Obs.: O Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do HU é Educação Superior Graduação, Grau de Risco = 2 Conforme as atividades desenvolvidas pelo hospital, consideramos o CNAE e Grau de Risco = 3 NOTA: CONFORME A LEI 9.610/98 DIREITOS AUTORAIS/PROIBIDO A CÓPIA PARCIAL OU TOTAL DO PPRA, SEM A PERMISSÃO POR ESCRITO DO AUTOR.

5 Pág. 5 de INTRODUÇÃO As rotinas de Prevenção de Acidentes e de manutenção da integridade física e mental do homem dependem, em grande parte, do ambiente em que este vai desenvolver suas atividades, haja vista o trabalhador permanecer por grande parte de sua vida no ambiente de trabalho ou a serviço da empresa, inclusive nos percursos de ida e vinda do trabalho para o lar e vice-versa. O conjunto de atitudes, posturas e ações propostas, necessita essencialmente da participação integrada de todos os envolvidos, na solução dos problemas ambientais, auxiliando a direção da empresa quanto ao reconhecimento, avaliação e controle sistemático dos riscos detectados. Antes do inicio das atividades laborais, recomendamos a leitura e divulgação deste Programa para todos os trabalhadores envolvidos, informando-os sobre os riscos, os perigos inerentes e quais os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC s) que serão necessários aos serviços, bem como, os Equipamentos de Proteção Individual (EPI s) utilizados para evitar os acidentes e/ou doenças ocupacionais. A empresa deve se enquadrar na Norma regulamentadora nº 5 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA. A avaliação do desenvolvimento do cronograma de atividades do PPRA deverá ocorrer sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano, seguindo a Norma Regulamentadora de nº 09. Após publicação da NR-32, em , faz-se necessário modificar a visão do PPRA, que deverá estar voltado para as adequações necessárias, pois é a Norma específica para estabelecimentos de saúde. O PPRA foi revisado no mês de outubro de OBJETIVOS DO PPRA Visa a preservação da saúde e a integridade física dos colaboradores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle das ocorrências de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Foi estabelecido à periodicidade anual para revisão e adequação do mesmo, sendo acompanhado mensalmente pelo Coordenador responsável e pela CIPA, e

6 Pág. 6 de 192 que a cada modificação dentro do período estabelecido sofrerão modificações que constarão na data da revisão deste programa Objetivo Específico Controlar os riscos ambientais existentes no local de trabalho com adoção de medidas e ações efetivas; Monitorar a exposição dos trabalhadores aos riscos ambientais existentes no local de trabalho; Planejar as ações e as medidas de controle a serem implementadas com base nas avaliações qualitativas e/ou quantitativas; Preservar o meio ambiente. 4. INFORMAÇÕES GERAIS DO HOSPITAL A Universidade Federal de Sergipe (UFS) é uma universidade nova que vivencia fase de grande crescimento. Ela tem como missão produzir, disseminar e conservar conhecimentos; fortalecer a democracia e lutar pela melhoria da qualidade de vida, estreitando seus laços com a comunidade sergipana e investindo fortemente na melhoria da qualidade acadêmica. Com o início do funcionamento do curso de medicina em 1961, ficou acertado que as dependências e os serviços complementares do Hospital de Cirurgia seriam colocados à disposição da Universidade, via convênio, para o ensino da medicina na sua plenitude prática. Com o correr do tempo, avanço tecnológico nem sempre acompanhado e mudanças sucessivas de gerenciamento nos dois lados surgiram os primeiros sinais de insatisfação entre os conveniados. Com o final do convênio entre a UFS e a Fundação de Beneficência Hospital Cirurgia (FBHC) o Reitor, Dr. José Aloísio de Campos, contratou uma firma de engenharia especializada em construção de hospitais, elaborando o projeto de unidade hospitalar com nove andares para ser construído no Campus da Universidade. O projeto foi levado ao Ministério para análise, não merecendo aprovação por conflitar com a política do governo federal que proibia a construção de novos hospitais.

7 Pág. 7 de 192 O Hospital Sanatório de Aracaju foi construído na década de 40 do século passado, em terreno doado pelo governo estadual ao governo federal. Tinha como finalidade única receber determinados casos de tuberculose pulmonar, obedecendo a critérios técnicos vigentes na época. Com a radical mudança de orientação no tratamento de tuberculose, ditada pelo Ministério da Saúde, os Hospitais Sanatórios foram desativados em todo país, surgindo assim, outra opção para a UFS resolver o seu problema de Hospital. As primeiras negociações foram feitas com o Ministério da Saúde em 1982 que aceitou as argumentações da UFS, firmando convênio com a Universidade. No ano seguinte (1983) transferiu a administração e mudou o nome do Hospital Sanatório de Aracaju para Hospital de Aracaju. E no último trimestre de1984, sendo já na administração do Reitor Profº. Eduardo Antonio Conde Garcia, o hospital de Aracaju passa a ser chamado de Hospital Universitário (HU). Em junho de 1989 ocorre a ruptura do convênio com a FBHC, obrigando o HU a absorver em suas dependências, o ambulatório de Medicina, a parte administrativa do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) e a didática como um todo, que funcionava no Hospital Cirurgia. A partir do Convênio com o Ministério da Saúde, a UFS, fazendo uso de recursos do Ministério da Educação, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e da Secretaria de Estado da Saúde, realizou as reformas necessárias na estrutura física do Hospital Universitário. Foram adquiridos novos e modernos equipamentos para garantir bom atendimento no Hospital-Escola. Ocupa área de metros quadrados, doada pelo Governo do Estado através da Lei Nº de 21 de dezembro de O Hospital é totalmente integrado ao Sistema Único de Saúde - SUS e abriga em suas dependências, a unidade de Anatomia Patológica, o Núcleo de Processamento de Dados, o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, a Administração, outros pavimentos ocupados por ambulatórios, e o anexo onde se desenvolvem os Serviços Complementares e Diagnósticos, além de 4 pavimentos destinados à admissão, laboratório de análises clínicas, SND, farmácia, CPRH, Centro Cirúrgico, com 3 salas de cirurgia e às enfermarias com capacidade máxima de 100 leitos, incluindo a UTI.

8 Pág. 8 de 192 O Hospital Universitário atende à população em cerca de 150 mil pessoas carentes de bairros de Aracaju, de municípios do interior de Sergipe e dos Estados circunvizinhos O HOSPITAL UNIVERSITÁRIO possui no seu quadro de pessoal número de servidores conforme a tabela 1, porém, alguns desses servidores são do quadro da UFS, os demais são de outros órgãos, tais como: Secretária de Estado da Saúde SES, Secretária Municipal de Saúde SMS, Ministério da Saúde MS, Ministério da Aeronáutica MA, Ministério Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG. Tabela 2: Fonte HU

9 Pág. 9 de Resumo do Número de Servidor/Órgão Tabela 3: Fonte HU 4.2. Fatores que Motivaram este Trabalho/NR-9 De acordo com a Legislação Nacional do Ministério do Trabalho e Emprego através de Norma Regulamentar NR-9 com texto aprovado pela portaria N 25 da SST/MTE publicada no DOU de 29/12/94 e republicada no DOU de 15/02/95, toda empresa deverá possuir seu levantamento de risco bem como suas recomendações para garantir a saúde e integridade física e mental de seus trabalhadores. Conforme a NR- 9 no item : Deverá ser efetuada, sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano, análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.

10 Pág. 10 de CONCEITOS BÁSICOS Para melhor compreensão do conteúdo do PPRA, estão definidos, a seguir, alguns conceitos básicos: PPRA: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; NR: Norma Regulamentadora; Riscos Ambientais: Em consonância com a própria NR-9, são os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador; Agentes físicos: Diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações não ionizantes, radiações ionizantes, infra-som e ultra-som; Agentes químicos: Substância composta ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeira, fumos, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou serem absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão; Agentes biológicos: Bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoário, vírus, entre outros; Risco potencial: Probabilidade de ocorrência de algum evento indesejável, que cause danos à saúde; NR - 15: Norma Regulamentadora n 15, referente a Atividades e Operações Insalubres, que estabelece os Limites de Tolerância legais para riscos químicos e físicos; Risco Potencial: É a probabilidade de ocorrência de algum evento indesejado que cause danos à saúde. Não há evidências concretas de que o problema esteja ocorrendo; Limites de Tolerância: Entende-se por Limites de Tolerância, a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral. Os limites de tolerância mais usados são: TWA: Time Weighted Average, ou média ponderada no tempo, geralmente para oito horas de trabalho/dia;

11 Pág. 11 de 192 STEL: Short: Term. Exposure Limit, ou limite para exposição de curta duração (15 minutos), que só pode ocorrer 4 (quatro) vezes por dia, com intervalo mínimo de 60 (sessenta) minutos entre uma e outra ocorrência, e a exposição não pode causar efeitos irreversíveis à saúde; IDLH: Immediate Dangerous to Life and Health, ou seja, a concentração imediatamente perigosa à vida e saúde; C: Ceiling: Valor Teto. É a concentração de um determinado agente que não pode ser ultrapassado em momento algum durante a jornada de trabalho; LT: Limites de Tolerância definidos na Norma Regulamentadora n 15 (ver acima). ACGIH: American Conference of Governamental Industrial Hygiene: organização americana que pesquisa Limites de Tolerância. Vale Lembrar que a NR-9, através de seu item , determina que quando da ausência de limites de tolerância na NR-15, deverão ser seguidos os da ACGIH; Nível de Ação (NA): Valor acima do qual devem ser iniciadas as ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposição. Para agentes químicos, o nível de ação é igual a metade do Limite de Tolerância. Para ruído, o nível de ação é um valor de dose de 0,5 (50%); Dose: é a relação entre o tempo de exposição a um determinado nível de pressão sonora e o tempo permitido para exposição a este nível; Nexo-causal: relação causa-efeito entre danos observados na saúde dos trabalhadores e o ambiente ao qual estão expostos; Grupos Homogêneos de Exposição ao Risco: GHER: grupos de trabalhadores expostos de forma semelhante a um determinado agente; NIOSH: National Institute for Occupational Safety and Health: organização americana que pesquisa, entre outras coisas, Limites de Tolerância e metodologias de avaliação de agentes químicos; AIHA: American Industrial Hygiene Association: associação que se preocupa com o ensino e divulgação da higiene Ocupacional, responsável pela metodologia de Grupos Homogêneos de Exposição aos Riscos; Gestão do PPRA: É a estrutura organizacional dentro da empresa que tem como responsabilidades:

12 Pág. 12 de 192 a) A definição de diretrizes que irão nortear o Programa; b) A análise e aprovação preliminar do Programa e suas conseqüentes necessidades de revisão e ajustes, promovendo encaminhamento do mesmo para aprovação definitiva em nível da Direção do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO; c) A gestão do PPRA será de responsabilidade do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO; d) Agente do PPRA: todo e qualquer empregado da empresa, inclusive de contratadas, devem atuar em cumprimento às Normas, Resoluções e demais orientações relacionadas com a questão (Saúde Ocupacional), especialmente quanto aos procedimentos de segurança e do uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual/EPI; O Coordenador do PPRA é o responsável pelo conjunto de atividades de natureza técnica do PPRA que são promovidas e/ou desenvolvidas pelo SESMT - estrutura organizacional da empresa que terá como principal função a emissão de Relatórios específicos para conhecimento e avaliação dos riscos e a promoção das ações, como também a eliminação e/ou redução dos riscos ambientais. De acordo com a NR-4, Quadro II, Dimensionamento dos SESMT, a depender do Grau de Risco e o número de empregados, a empresa cujo estabelecimento não se enquadre no quadro referido acima deverá criar meios para cumprir as ações do programa. 6. APLICAÇÃO Abrange a todos os colaboradores do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO de forma direta, fazendo com que tenham conhecimento dos riscos aos quais estão expostos, com isso passarão a ter mais interesse em participar dos treinamentos promovidos pela empresa sobre as formas de evitar a exposição dos riscos e ajudar na erradicação da fonte do mesmo, trabalhando em conjunto empresa e colaborador. 7. ESTRUTURA DO PROGRAMA Será adotado o mês de Outubro/11 para uma nova atualização no PPRA, e ao completar seis meses de vigência deste programa deverá ser realizada uma reunião entre as seguintes partes: Diretor do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO e todos aqueles interessados na segurança e saúde dos trabalhadores, ver figura 1.

13 Pág. 13 de 192 O resumo da ata, desta reunião, deverá ser anexado ao PPRA, e este deverá permanecer em local acessível aos colaboradores. Os dados resultantes desse Programa devem ficar arquivados durante 20 (vinte anos), como prevê a NR-9 em seu parágrafo FLUXOGRAMA DO PPRA PPRA Planejamento Anual Estratégias e Metodologias de Ação Registro e Informes Legais Cronograma Metas e Prioridades Educação e Informação Manutenção e Divulgação dos Dados Figura 1: Fonte Autor 8.1. Planejamento Anual O planejamento anual do PPRA está detalhado no Plano de Atividades Anual Estratégias e Metodologia de Ação Para a implantação e desenvolvimento do PPRA serão desenvolvidas as seguintes atividades: 1. Conhecimento das atividades desenvolvidas e processos de trabalho; 2. Definição de estratégia de amostragem e metodologia a ser aplicada para avaliação de cada um dos agentes identificados; 3. Definição dos Grupos Homogêneos de Exposição ao Risco GHER; 4. Envolvimento dos trabalhadores; 5. Definição dos Recursos Humanos e Materiais disponíveis para implantação e manutenção do PPRA; 6. A implantação do PPRA deverá ser acompanhada de ações educativas e de informações a todos empregados através de palestras e treinamento.

14 Pág. 14 de Registros e Informes legais Neste módulo do PPRA estarão definidos os aspectos referentes aos registros das avaliações realizadas. 9. DESENVOLVIMENTO DO PPRA Este Programa ao atender as exigências legais atuais contribui também para auxiliar na elaboração do PCMSO, além de ajudar na realização do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) de seus colaboradores. O trabalho desenvolvido contendo suas ações partirá como segue: a) Antecipação de riscos Nesta primeira fase do programa o objetivo consiste na identificação dos possíveis riscos existentes no ambiente de trabalho dos colaboradores desta empresa, e na introdução de medidas de controle necessárias numa tentativa de antecipar-se ao risco ambiental. Há de caracterizar a necessidade de interferir nos parâmetros de execução adaptando-se às condições de segurança como preceitua a filosofia básica de se antecipar aos fatos. Fica, contudo, certificada à Administração que é obrigatório o parecer da Segurança antes de executar qualquer mudança que implique na redução da segurança ou que não seja de domínio das pessoas. b) Reconhecimento dos Riscos - Avaliação Qualitativa O reconhecimento dos riscos ambientais contém os seguintes itens: 1. A sua identificação; 2. A determinação e localização das possíveis fontes geradoras; a identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expostos; 3. A obtenção de dados existentes na empresa, indicativos de comprometimento da saúde decorrente do trabalho; 4. A caracterização das atividades e do tipo de exposição; 5. Os possíveis danos à saúde relacionados aos riscos identificados, 6. Disponíveis na literatura técnica; 7. A descrição das medidas de controle existentes.

15 Pág. 15 de 192 c) Avaliações Quantitativas Nesta fase o objetivo será constatar a presença dos agentes elencados na fase anterior, quantificando-os, através de medições, suas respectivas concentrações ou intensidade. Como adequação à NR-32, os relatórios detalhados da CCIH, ou outros órgãos dentro da Unidade Hospitalar que executar essa atividade serão considerados subsídios imprescindíveis à execução do presente trabalho. d) Eleição de áreas prioritárias Para a escolha de uma área como prioritária devemos pesar a gravidade do risco mesmo que o número de pessoas expostas não seja tão representativo. e) Avaliação dos riscos Envolve o monitoramento dos riscos ambientais visando à determinação de sua intensidade, natureza e concentração presentes nos diversos setores do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO e/ou locais de atuação do mesmo, em caso de prestação de serviço, este PPRA abrangerá os riscos das atividades desenvolvidas pelos colaboradores do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. f) Implantação das medidas de controle Medidas de controle são adotadas, para eliminação, neutralização ou minimização dos riscos ambientais, sempre que identificadas as seguintes situações: 1. Identificação, na fase de antecipação, do risco à saúde; 2. Quando os resultados das avaliações quantitativas excederem os limites previstos nas NR-9 e NR-15; 3. Quando ficar caracterizado o nexo causal pela área de medicina do trabalho. g) Prioridades das medidas de controle As prioridades das medidas de controle são definidas da seguinte forma: 1. Que eliminem ou reduzam a utilização ou formação de agentes; 2. Que previnam a liberação ou disseminação desses agentes; 3. Que reduzam os níveis ou concentração desses agentes; 4. Medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho; 5. Utilização de equipamento de proteção individual - EPI.

16 Pág. 16 de 192 Para um controle eficaz e eficiente dos riscos nos ambientes de trabalho é necessário o envolvimento dos encarregados e gerentes de cada área, treinamento do pessoal, utilização, manutenção e reposição adequadas dos EPI. h) Monitoramento dos riscos Será feito periodicamente por um Engenheiro de Segurança e/ou Técnico de Segurança que possa interpretar e confrontar os riscos ambientais antigos e novos, como também, verificar os resultados relativos às medidas de controle. i) Registro de dados Os dados serão registrados e arquivados numa pasta específica vinculada ao programa. Todas as informações ligadas à segurança devem permanecer em arquivo próprio durante no mínimo de 20 (vinte) anos como prevê a NR RECONHECIMENTO Esta etapa consiste em identificar e tornar explícito os riscos existentes nos diversos ambientes de trabalho do HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. As informações tratadas nesta etapa versarão sobre: identificação do agente, pessoas expostas ao risco, pesquisa de dados da empresa, localização das fontes geradoras de risco, principais riscos e funções expostas, além de possíveis conseqüências à saúde do trabalhador causadas pela exposição ao risco. A fase de reconhecimento poderá ser revista periodicamente, quando as condições de trabalho e remanejamento de funcionários ocorrerem, principalmente quando as modificações, ampliações ou novas operações na instituição causarem modificações do perfil epidemiológico previamente traçado pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar SCIH Identificação dos Agentes Foi realizado visita técnica in loco nos postos de trabalho dos servidores do Hospital Universitário/UFS, com isso, chegou-se aos seguintes riscos: Físicos, Químicos, Biológicos, Ergonômico e de Acidentes. Consideramos pessoas expostas aos riscos, aquele colaborador/servidor que estão diretamente expostos e/ou estejam na trajetória de propagação dos riscos existentes.

17 Pág. 17 de Pesquisa de Dados Evidências de afastamentos, sintomas comuns, queixas em relação a determinadas atividades são pistas para levantar a presença de determinado risco Localização das Fontes Geradoras de Risco/Setores de Trabalho As fontes de riscos encontradas possibilitam direcionar o trabalho de prevenção a partir de projetos, equipamentos de segurança e treinamento para reduzir ou eliminar a presença destes riscos Medidas de Proteção Coletiva Quando comprovada a inviabilidade técnica da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas forem insuficientes ou encontrar-se em fase de estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotados outras medidas, obedecendo-se à seguinte hierarquia: 1. Medidas de caráter administrativo ou de organização de trabalho; 2. Utilização de Equipamento de Proteção Individual - EPI Utilização do EPI A utilização do EPI deve envolver, no mínimo: 1. Seleção do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o trabalhador está exposto e à atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido segundo avaliação do trabalhador usuário; 2. Programa de treinamento dos trabalhadores quanto a sua correta utilização e orientação sobre as limitações ou proteção que o EPI oferece; 3. Estabelecimento de normas ou procedimentos para promover fornecimento, o uso, a guarda, a higienização, a conservação, a manutenção e a reposição do EPI, visando garantir as condições de proteção originalmente estabelecidas; 4. Caracterização das funções ou atividades dos trabalhadores, com a respectiva identificação dos EPI s utilizados para os riscos ambientais.

18 Pág. 18 de RESPONSABILIDADES PELAS AÇÕES Ao superior hierárquico (empregador) cabe toda a responsabilidade pelo cumprimento do programa: liberando recursos, cobrando resultados, dando apoio logístico, atuando como orientador para o cumprimento das metas; bem como informar aos trabalhadores sobre os riscos ambientais e meios disponíveis de proteção. Cabe a empresa e a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA, o acompanhamento das medidas preventivas e o cumprimento das ações existentes do cronograma anual, quando a empresa possuir. A manutenção das medidas deverá ser uma tarefa dos empregados que devem usar os Equipamentos de Proteção Individual e buscar formas para reduzir a exposição aos riscos através de procedimentos e atitudes prevencionistas, tais como: palestras no próprio ambiente de trabalho, análise de acidentes para corrigir as falhas etc. É estendida aos trabalhadores a responsabilidade em colaborar e participar na implantação e execução do PPRA, além de seguir as orientações recebidas nos treinamentos conforme o cronograma do PPRA; informar ao superior hierárquico direto às ocorrências que, a seu julgamento, possam implicar em riscos à saúde dos trabalhadores/servidores. 12. DISPOSIÇÕES FINAIS Qualquer tarefa poderá ser interrompida ou cancelada caso seja reconhecido risco grave iminente para a saúde e integridade do trabalhador, bastando para isso que a empresa contratante e a contratada estejam cientes e de acordo Cronograma de Implantação do PPRA O Plano de Atividade deste PPRA para o HOSPITAL UNIVERSITÁRIO será elaborado a cada ano e abrangerá a programação das atividades Implantação das Medidas de Controle A natureza destas medidas requer, por vezes, estudos e avaliações complementares, bem como análise de viabilidade. Entende-se que ao final das avaliações ocorrerão condições para deflagração destas providências.

19 Pág. 19 de Mecanismo de Avaliação e Controle Trimestralmente, o PPRA deverá ser avaliado quanto aos riscos ambientais e cumprimento do cronograma de ações. Com base nestas avaliações o coordenador do programa deverá realizar registros em documentos todas as ações a ser tomadas Itens de controles (IC) do desenvolvimento do PPRA 1. % de cumprimento do cronograma do PPRA; 2. Nº de atividades realizadas de acordo com o cronograma do PPRA; 3. % de empregados treinados; 4. % de Atividades não realizadas; 5. Taxa de Freqüência de acidentes com e sem afastamentos; 6. Taxa de Gravidade. 13. AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE EXPOSIÇÃO AOS RISCOS AMBIENTAIS A portaria nº de 29 de novembro de 1989, estabelece parâmetros norteadores para análise qualitativa do tempo de exposição ao risco, conforme citado abaixo: Exposição Eventual: Exposição média igual ou inferior a 6,25% do tempo laboral, ou seja, entre 25 a 30 min/dia. Exposição Intermitente: Exposição média entre 62,5% a 83,3% ou seja, entre 300 a 400 min/dia. Exposição Habitual e Permanente/Contínua: Exposição média superior a 83,3% do tempo laboral, ou seja, superior a 401 min/dia. Para a AIHA (American Industrial Hygiene Association), considera-se Exposição Desprezível/Insignificante/Ocasional em condições normais de trabalho, o contato dos trabalhadores com o agente durante a execução das atividades é praticamente inexistente.

20 Pág. 20 de Identificação dos Setores/Agentes de Riscos Ambientais SETOR/ÁREA RISCOS FÍSICOS RISCOS QUÍMICOS RISCOS BIOLÓGICOS RISCOS ERGONÔMICOS RISCOS DE ACIDENTES FONTES DE EMISSÕES DOS AGENTES IDENTIFICADOS 1 - DIREÇÃO GERAL (F1) Ruído (B1) Fungos. (E1) Postura inadequada (vício 2-DIREÇÃO SAÚDE 3-DIREÇÃO ADMINISTRATIVA DE de postura); (E2) Movimentos repetitivos. (A1) Queda do mesmo do nível. (F1) Ar em funcionamento; (B1) Sistema de refrigeração; (E1) Postura incorreta (mobília, vício de postura); (E2) Uso de computador (digitação); (A1) Piso molhado e/ou escorregadio. 4 - SESMT 5 COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM 6 COORDENAÇÃO DE APOIO ADMINISTRATIVO 7 COORD. DE ORÇAMENTO E FINANÇAS 8 COORD. DE SERVIÇOS AMBULATORIAIS 9 COORD. DE INFORMÁTICA

21 Pág. 21 de 192 SETOR/ÁREA RISCOS FÍSICOS RISCOS QUÍMICOS RISCOS BIOLÓGICOS RISCOS ERGONÔMICOS RISCOS DE ACIDENTES FONTES DE EMISSÕES DOS AGENTES IDENTIFICADOS 10 CCBS (F1) Ruído (B1) Fungos. (E1) Postura inadequada (vício 11 UNIDADE DE de postura); FATURAMENTO (E2) Movimentos repetitivos. 12 UNIDADE DE SERVIÇO SOCIAL (A1) Queda do mesmo do nível. (F1) Ar em funcionamento; (B1) Sistema de refrigeração; (E1) Postura incorreta (mobília, vício de postura); (E2) Uso de computador (digitação); (A1) Piso molhado e/ou escorregadio. 13 UNIDADE DE REGISTO E CONT. DE PESSOAL 14 - UNIDADE DE CUSTOS 15 UNIDADE DE COMPRAS 16 UNIDADE DE CONTABILIDADE 17 UNIDADE DE RESIDÊNCIA MÉDICA 18 UNIDADE DE INTERNAÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFS Vencimento: Área: Revisão: Out/11 ARACAJU 01 P.P.R.A

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFS Vencimento: Área: Revisão: Out/11 ARACAJU 01 P.P.R.A Pág. 1 de 192 P.P.R.A AMBIENTAIS REVISÃO DO PPRA COM AS ADEQUAÇÕES DA NR-32 VIGÊNCIA: OUTUBRO DE 2010 A OUTUBRO DE 2011 Aracaju-Se Outubro/2010 Pág. 2 de 192 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA... 4 2.

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Virtual Machine ME CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

ANÁLISE DE GASES EM LOCAIS DE TRABALHO

ANÁLISE DE GASES EM LOCAIS DE TRABALHO ANÁLISE DE GASES EM LOCAIS DE TRABALHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Duas são as situações de agressividade dos gases em locais de trabalho: 1.1. Tóxicos e afetam diretamente a saúde dos trabalhadores; 1.2.

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 9

Data de Vigência: Página 1 de 9 Data de Vigência: Página 1 de 9 1- Objetivo: Realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais e de retorno ao trabalho respeitando os critérios estabelecidos na NR 7. 2- Aplicação: Este procedimento

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva Classificação Conceito de Higiene dos riscos Industrial ambientais PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar Prof. Ricardo Henrique de L Silva ricardo.henrique@caruaru.ifpe.edu.br O QUE O PPRA? PARA QUE SERVE

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS A. DA SILVA LEITE & CIA LTDA EPP - Manaus Limpa / Unidade FUJI FILM RUA SEBASTIÃO BATISTA E MELO Bairro: PONTA NEGRA, Nº 5 A - MANAUS \ AM Fone: ( 92 ) ( 3658-6864 ) PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS 1 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PROFISSIONAIS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DOS RISCOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Passo Fundo

Prefeitura Municipal de Passo Fundo ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 2. OBJETIVO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar e emitir os Laudos

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015)

EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) EDITAL DA CAMPANHA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (SST) 2015/16 DO SESI-RS (Versão 2 alterada em 30 de junho de 2015) Visando promover a qualidade de vida dos trabalhadores e ambientes de trabalho seguros

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Segurança a e Saúde no Trabalho

Segurança a e Saúde no Trabalho Metodologia de inspeção nos locais de trabalho: Portaria No. 5 do DSST de 17/08/92 Portaria No. 25 da SSST de 29/12/1992 Etapas de planejamento 1o. Conhecer os trabalhos anteriores 2o. Levantar a Planta

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 Esta norma estabelece a relação de obrigatoriedade para os empregadores e instituições que admitam empregados, da Elaboração de um Programa de

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 18/ 02 /2008 17 / 02/2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Vitual Machine CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200 Grau

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 MARÇO/ 2004 SANTA MARIA - RS Rua Barão do Triunfo, 862, Santa Maria/RS - CEP: 97015-070 - Fone/Fax: (55) 222-8151 1 SUMÁRIO 1 Aspectos Gerais...3

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA.

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. 15/10/2012 Vigência do PPRA Identificação Empresa ECOMAX SERVICOS AMBIENTAIS LTDA. Endereço Rua dos Ciclames, 802 Cep Cidade

Leia mais

10','~ LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - CENTRO DE RECURSOS HUMANOS - CRH - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X

10','~ LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - CENTRO DE RECURSOS HUMANOS - CRH - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X 10',' UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - - Laudo 12-004/2011 2011 ADICIONAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DE PERICULOSIDADE GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X de Documento ltipo

Leia mais

Técnico de Segurança do Trabalho

Técnico de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

9.1.4.2 MAPA DAS DEFINIÇÕES DO PPRA

9.1.4.2 MAPA DAS DEFINIÇÕES DO PPRA NR-9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS DO DE TRABALHO PPRA 9.1 Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. - Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade dos empregadores que tem em seu quadro

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PAC SÃO JOSÉ ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA (NR/9) (PERÍODO: 01/04/2012 À 01/04/ 2013)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA (NR/9) (PERÍODO: 01/04/2012 À 01/04/ 2013) PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA (NR/9) (PERÍODO: 01/04/2012 À 01/04/ 2013) DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAIS - PPRA Empresa : Departamento

Leia mais

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Engenheiro de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS SEDE ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

GERÊNCIA DE SAÚDE E PREVENÇÃO PPRA GOIÂNIA-GO,... /2012

GERÊNCIA DE SAÚDE E PREVENÇÃO PPRA GOIÂNIA-GO,... /2012 PPRA GOIÂNIA-GO,... /2012 ÍNDICE I- Identificação e Caracterização do Órgão II- Introdução II.1 Objetivos II.2 Aspectos Gerais II.3 Responsabilidades II.4 Análise dos Riscos II.5 Siglas III- Orientações

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RAZÃO SOCIAL: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. CNPJ: 10.817.343/0003-69 ENDEREÇO: BR 174, KM 03, S/N, Caixa Postal 247 Zona Urbana CEP: 76.980-000

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

MELP CONSTRUTORA E PAVIMENTADORA LTDA - ME - Atendimento de Saúde São Paulo

MELP CONSTRUTORA E PAVIMENTADORA LTDA - ME - Atendimento de Saúde São Paulo Proposta MELP CONSTRUTORA E PAVIMENTADORA LTDA - ME - Atendimento de Saúde São Paulo À MELP CONSTRUTORA E PAVIMENTADORA LTDA - ME A\C: Jose Moreira Zeferino Apresentação da Proposta Conforme solicitado,

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) -

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - U4 lllji!íi'i- ) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - Laudo 082-010/2012 2012 INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE RADIAÇÃO IONIZANTE,

Leia mais

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE ACORDO COM AS NORMAS REGULAMENTADORES NA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO PEDRO DO IGUAÇU

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO LAUDO TÉCNICO AVALIAÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO CALOR EM AMBIENTE DE TRABALHO 1 - OBJETIVO Tem por objetivo o presente laudo técnico, avaliar a exposição ocupacional ao calor conforme NR 15 anexo n o 3 da Portortaria

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 QUESTÃO 26 Considerando o disposto na NR-4, observadas as exceções previstas, deve-se considerar para o dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

P.C.M.S.O. (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional)

P.C.M.S.O. (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) () ELETRIC PRODUTOS INDÚSTRIA COMÉRCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. Rua Nestor Pestana, 30 8º andar 01303-010 São Paulo SP Brasil Tels.: (55-11) 3138-1111/ 3138-1114/ 3138-1119 www.conbet.com.br / conbet@conbet.com.br

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Grupo de Supervisão Educacional GSE / Gestão Pedagógica GEPED Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr. Francisco Nogueira de

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO

1.2 EXAME MÉDICO MÓDULO 1 ADMISSÃO MÓDULO 1 ADMISSÃO 1.2 EXAME MÉDICO ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE ARQUIVAR O NOVO, PARA EVITAR A SUPERLOTAÇÃO

Leia mais

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - ANÁLISE GLOBAL - DESTAQUE AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. - SÃO PEDRO DO

Leia mais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira PPRA PADRÃO PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais