Norma do Local de Trabalho da Electrolux. Aprovado em Junho de 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma do Local de Trabalho da Electrolux. Aprovado em Junho de 2014"

Transcrição

1 Norma do Local de Trabalho da Electrolux Aprovado em Junho de 2014

2 A presente versão da Norma do Local de Trabalho da Electrolux foi aprovada em junho de 2014 e substitui as versões anteriores. Versão do original em inglês Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 2

3 Índice 1. Responsabilidades Leis e regulamentações Fornecedores Corrupção, suborno e ética nos negócios Trabalho infantil Trabalho forçado Medidas de segurança Saúde e segurança Saúde e segurança do trabalhador Prevenção de incêndio Não discriminação Assédio e abuso Ações disciplinares e queixas Horário de trabalho Remuneração Liberdade de associação e negociação coletiva Gestão ambiental Governança e procedimentos ambientais Produtos químicos Lista de materiais restritos Resíduos perigosos e não perigosos Água residual Monitoramento e conformidade Referências e orientações adicionais Outras políticas do grupo Outros documentos Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 3

4 Norma do Local de Trabalho da Electrolux Esta Norma descreve os requisitos mínimos das condições de trabalho e meio ambiente para a Electrolux, assim como para os fornecedores de materiais (diretos e indiretos), componentes, produtos acabados e serviços. Declaração da Política Electrolux A Electrolux pretende ser a melhor empresa de eletrodomésticos do mundo na percepção de nossos clientes, empregados e acionistas. Parte desta visão consiste em alcançar e manter a posição de líder em sustentabilidade no nosso setor. Isto implica desenvolver a sustentabilidade com a mais elevada integridade e o melhor desempenho ambiental. A Electrolux está empenhada em ser um empregador responsável e uma boa cidadã corporativa, com produtos e soluções que contribuam para melhorar as vidas das pessoas em todo o mundo. Todas as nossas atividades, incluindo a aquisição, produção, distribuição e venda dos nossos produtos, devem ser conduzidas com respeito e consideração pelos direitos humanos, pela saúde e segurança das pessoas e pelo meio ambiente. Esse compromisso inclui o respeito e apoio aos direitos laborais tal como definidos pela Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, bem como o respeito e apoio dos direitos humanos num nível mais amplo abrangido pela Carta Internacional dos Direitos Humanos. Nós nos esforçamos para melhorarmos constantemente tendo a sustentabilidade como preocupação central em todas as nossas operações. Sobre a Presente Norma A Norma do Local de Trabalho da Electrolux esclarece e especifica os requisitos do Código de Conduta da Electrolux. O Código de Conduta no Local de Trabalho da Electrolux (a seguir denominado como o Código ) e a Norma do Local de Trabalho (a seguir denominada como a Norma ) refletem a nossa ambição em ser uma boa cidadã corporativa e contemplam as expectativas de todas as partes interessadas. A Norma é dividida em seções com base em cada uma das disposições do Código. Cada seção possui, a disposição do Código em detalhes, as definições explicativas quando necessário e os requisitos relacionados ao cumprimento das disposições.. A Norma também inclui um parágrafo de Boas práticas de gestão com o intuito de inspirar práticas que vão além dos requisitos obrigatórios. Todas as unidades são fortemente incentivadas a incorporar essas recomendações em suas operações. A Norma é regularmente revisada e atualizada a fim de refletir nossa experiência e conhecimento quanto a seu cumprimento. Por favor, envie comentários sobre como melhorar este documento ou dúvidas com relação à Norma ou ao Código ao Departamento de Sustentabilidade da Electrolux (Sustainability Visite a página para obter mais informações sobre as prioridades e a abordagem de sustentabilidade da Electrolux. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 4

5 Escopo de Aplicação Disposição do Código de Conduta O Código é aplicável a todos os locais e unidades do Grupo Electrolux e é exigida a conformidade de todos os fornecedores. As unidades da Electrolux têm a liberdade de introduzir e promulgar normas mais rigorosas do que as exigidas no presente Código e na Norma. O próprio Código de Conduta de um fornecedor pode substituiro Código da Electrolux, desde que corresponda por completo ao Código da Electrolux e à Norma. Definições O termo unidade refere-se a todos os tipos de operações no Grupo Electrolux (ex.: fábricas, armazéns e escritórios) bem como as operações correspondentes de fornecedores. O termo localidade refere-se a uma localização física com uma ou mais operações. Os termos trabalhadores e empregados incluem pessoal empregado em caráter permanente bem como pessoal temporário na unidade, informal e trabalhadores contratados, estagiários e trabalhadores em experimentação ou sondagem. O termo gestão refere-se a administração de cada unidade. Nota A implantação dos procedimentos descritos neste documento não dispensa a unidade da Electrolux ou o fornecedor de analisar os riscos relacionados ao Código que porventura possam enfrentar. Isso pode exigir a adoção e implantação de políticas e procedimentos adicionais. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 5

6 1. Responsabilidades Disposição do Código de Conduta É da responsabilidade da gestão implementar e garantir a conformidade com o Código. Esta responsabilidade inclui o treinamento periódico dos trabalhadores. Os trabalhadores são responsáveis por agirem em conformidade com este Código. Os trabalhadores são encorajados e espera-se que reportem todos os incidentes de não conformidade. Não haverá retaliação ou quaisquer consequências negativas devido a comunicação de tais incidentes. Os trabalhadores e gestores que violarem o Código poderão estar sujeitos desde ações disciplinares até demissão, dependendo dos fatos e das circunstâncias. Gerais A gestão é responsável por informar os trabalhadores sobre seus direitos, deveres e responsabilidades sob o presente Código. A unidade deverá designar uma ou mais pessoas que terão como responsabilidade dar suporte à implantação do Código e da Norma, dentro de suas áreas de especialização Recursos Humanos, Saúde e Segurança Ocupacional, Gestão Ambiental, etc. Uma pessoa será nomeada para supervisionar o cumprimento do Código e da Norma por parte da unidade. A unidade deverá afixar permanentemente o Código em local de fácil acesso a todos os trabalhadores. A unidade deverá comunicar regularmente o Código a todos os trabalhadores, inclusive a trabalhadores temporários e trabalhadores empregados contratados através de agências; vide nota 1.1. A unidade deverá exibir e comunicar o Código em idiomas compreendidos por todos os trabalhadores. Nos casos de trabalhadores com necessidades especiais (como analfabetismo, deficiência), o Código deve ser comunicado de forma alternativa. para Reporte A Unidade deve ter um procedimento formalizado em vigor para os trabalhadores que desejarem reportar, não conformidades em relação ao Código, possam assim faze-lo de maneira estritamente confidencial aos responsáveis internos. O procedimento deve ser comunicado a todos os trabalhadores. O procedimento deve criar oportunidade aos trabalhadores para fazerem reclamações anônimas, onde for legalmente permitido. A unidade deverá garantir que não haverá retaliações ou qualquer outra consequência negativa aos trabalhadores que relatem, em boa fé, alegações de não conformidade com o Código. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 6

7 Boas Práticas de Gestão A gestão do Código de Conduta é um item recorrente da agenda nas reuniões de Gestão da Unidade. A Unidade mantém procedimentos operacionais que incluem lembretes periódicos sobre o conteúdo do Código A Unidade possui um sistema formal de comunicação, como por exemplo, um comitê para levantar reclamações dos trabalhadores ou outro sistema de denúncia, no qual os trabalhadores podem levantar questões relacionadas a qualquer seção do Código e da Norma, ou outra situação de má conduta. A unidade possui e aplica padrões mais rigorosos do que os exigidos no presente Código de Conduta. Nota 1.1: Exemplos de métodos de comunicação a) Afixar o Código nos quadros de avisos das áreas de trabalho e / ou escritórios. b) Discutir o Código em reuniões das equipes. c) Incluir o Código em programas de integração para novos trabalhadores. d) Incluir o Código em programas de treinamento dos trabalhadores. e) Postar o Código na Intranet para fácil acesso. f) Distribuir livretos impressos contendo o Código e a Norma. g) Requerer a assinatura dos trabalhadores que receberam o Código. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 7

8 2. Leis e regulamentações Disposição do Código de Conduta Todas as unidades, fornecedores e subcontratados do Grupo Electrolux devem operar em total conformidade com as leis e regulamentações aplicáveis às suas operações e as condições de emprego nos países em que estão operando. Este é um requisito mínimo aplicável para todas as seções deste Código. Gerais A unidade deve cumprir todas as leis aplicáveis, regulamentações e acordos coletivos com os sindicatos no país no qual opera. Nos casos em que os requisitos do Código forem mais rigorosos do que a regulamentação local, a unidade deve cumprir com este Código. A unidade deverá ter disponível documentação atualizada das leis e regulamentações aplicáveis, nos idiomas exigidos. A unidade deve ter um procedimento em vigor que assegure à unidade a atualização contínua sobre as leis e regulamentações aplicáveis. Novas leis ou revisões devem ser comunicadas aos trabalhadores relevantes quando necessário. para Reporte Se qualquer disposição do Código Electrolux estiver violando as leis nacionais, a lei deve prevalecer em relação ao Código. A Unidade deverá notificar o Departamento de Sustentabilidade da Electrolux o mais breve possível a respeito de tal divergência. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 8

9 3. Fornecedores Disposição do Código de Conduta Todos os fornecedores devem concordar em cumprir com o Código de Conduta e a Norma do Local de Trabalho da Electrolux. É da responsabilidade do fornecedor exigir que os seus fornecedores cumpram com as disposições do Código e da Norma. Mediante solicitação, o fornecedor da Electrolux deverá ser capaz de informar a Electrolux quais os fornecedores são utilizados e demonstrar que tais fornecedores receberam e compreenderam as disposições do Código. Os fornecedores deverão garantir que todo o processo de aquisição de materiais utilizado nos produtos, peças ou componentes fornecidos à Electrolux não contribuem direta ou indiretamente com violações aos direitos humanos em áreas afetadas por conflitos ou de alto risco. Definições O termo fornecedor inclui, mas não se limita a: Fornecedor de primeiro nível: Fornece matérias primas, bens, produtos ou serviços à unidade da Electrolux. Essa categoria inclui também fornecedores Electrolux de produtos acabados (denominados fornecedores OEM ou ODM). Sub fornecedor: Fornecedor que provê aos fornecedores de primeiro nível bens ou serviços. Subcontratado: Fornecedor utilizado pela unidade para um processo de produção específico, produção parcial de produtos acabados ou como meio de aumentar a capacidade de produção. O subcontratado pode estar alocado tanto na unidade quanto fora da dela (mais comum). Prestador de Serviço na unidade:: Fornecedor que presta serviços na unidade, incluindo, mas não se limitando a serviços de refeitório, trabalhos de manutenção, construção, reformas ou jardinagem (ou seja, fora da atividade fim da unidade). Favor notar a diferença em relação ao subcontratado. Agência de Recursos Humanos / Contratados: Agência de emprego ou outra empresa que forneça corpo de funcionários envolvidos na atividade fim da empresa. Favor notar a diferença em relação a prestador de serviço. Agência de recrutamento e headhunters: Fornecedor que provê serviços de recrutamento a unidade. Minerais de Conflito: Atualmente os minerais columbita-tantalita, cassiterita, wolframita e minério de ouro, seus derivados, tântalo, latão, tungstênio, bem como o ouro, são todos considerados como sendo minerais de conflito. Áreas afetadas por conflito e de alto risco: Atualmente incluem República Democrática do Congo e países circunvizinhos. Gerais Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 9

10 Os requisitos do Código e da Norma compreendem todas as categorias de trabalhadores (conforme definido na introdução)). Quando solicitado, a unidade deverá fornecer à Electrolux a sua lista de fornecedores. A unidade deverá evitar que empregados e subcontratados realizem qualquer tipo de produção em suas casas. para as unidades da Electrolux A unidade Electrolux é responsável por monitorar o cumprimento do Código por todos os fornecedores gerenciados localmente. Isso inclui tipicamente fornecedores de material indireto e prestadores de serviços. 1 As cláusulas do Código de Conduta devem ser integradas a contratos e acordos comerciais, e os requisitos desta Norma devem ser comunicados aos prestadores de serviços, subcontratados, agências de Recursos Humanos / Contratados e agências de recrutamento e headhunters. para os fornecedores A unidade deverá comunicar as exigências do Código (o Código inalterado da Electrolux ou código semelhante, se aplicável) a todos os tipos de fornecedores envolvidos na produção dos produtos Electrolux, inclusive os prestadores de serviços locados na unidade. A unidade deverá adotar as medidas cabíveis para obter o aceite por escrito no qual os fornecedores aceitem as exigências do Código. Pode-se fazer isso através de declaração de cumprimento em separado e / ou como parte de um contrato de compra assinado ou outro documento formal que delineie o relacionamento comercial com a unidade. Exige-se que a unidade declare por completo todos os locais de produção de peças, produtos e os serviços prestados à Electrolux, bem como a subcontratação. Ações corretivas acordada junto à Electrolux ou exigida por autoridades locais deverá ser documentada e concluída dentro do cronograma estabelecido. Ética nos Negócios Os fornecedores devem manter a integridade, transparência e precisão em todos os registros de matérias relacionadas aos seus negócios junto à Electrolux. Os fornecedores não deverão tentar influenciar indevidamente um empregado, agente ou representante da Electrolux, ou iniciar qualquer relacionamento que possa gerar conflito de interesse para o representante. Se os fornecedores tiverem acesso a informações confidenciais (não públicas) da Electrolux, tais informações devem ser mantidas no mais absoluto sigilo. Minerais de Conflito Espera-se que os fornecedores garantam que o fornecimento de minerais de conflito em produtos, peças e componentes fornecidos à Electrolux não financie ou beneficie, direta ou indiretamente, violadores dos direitos humanos em áreas afetadas por conflitos ou de alto risco. Os fornecedores deverão ter, em vigor, políticas e sistemas de gerenciamento alinhados com os requerimentos da OECD Diretriz de Diligenciamento para Redes de Fornecimento Responsáveis 1 Fornecedores de material direto e de OEM à Electrolux são monitorados por meio do Programa de Fornecimento Responsável da Electrolux. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 10

11 de Minerais de Áreas Afetadas por Conflitos e de Alto Risco que foram estabelecidos para atender as expectativas acima. para Reporte Espera-se que os fornecedores informem prontamente a Electrolux quando houver suspeita de violações do Código ou da Norma, através do Se a unidade de fabricação de um fornecedor ou subcontratado sofrer alteração ou mudar de lugar, o representante responsável da Electrolux deverá ser informado antes da alteração ou mudança a ser realizada pelo fornecedor. Fornecedores que proveem a Electrolux com produtos, peças ou componentes que contenham tântalo, latão, tungstênio ou ouro devem relatar a presença e a origem de tais substâncias à Electrolux, quando solicitado. O envolvimento de qualquer tipo de trabalho prisional na fabricação dos produtos, peças ou componentes da Electrolux deve ser relatado e aprovado pela Electrolux. Boas Práticas de Gestão O fornecedor possui procedimentos em vigor para o monitoramento do cumprimento do código e da Norma por parte de seus fornecedores. As atividades de monitoramento do fornecedor são documentadas e disponibilizadas para a Electrolux quando solicitado. O Código e sua implementação são parte integrante da pauta de reuniões junto a fornecedores ou quando são realizados treinamentos aos fornecedores. Auditorias são conduzidas regularmente pela unidade a fim de garantir a aderência do fornecedor ao Código. Está claramente estabelecido em contrato penalidades em caso de ao Código ou à Norma pelo fornecedor. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 11

12 4. Corrupção, suborno e ética nos negócios Disposição do Código de Conduta O Grupo Electrolux não tolera corrupção, subornos ou práticas empresariais antiéticas sob qualquer forma. Todas as unidades e fornecedores da Electrolux e seus empregados deverão abster-se de oferecer, dar, exigir ou receber subornos ou quaisquer outros benefícios indevidos. Gerais A unidade deve ter medidas apropriadas em vigor para evitar e detectar a corrupção. Isso inclui, mas não se limita a: o Compromisso com a política 2. o o Comunicação e treinamento. Procedimento formal para que os trabalhadores relatem, confidencialmente, condutas suspeitas. 2 Para as Unidades da Electrolux, a Política do Grupo sobre Corrupção e Suborno faz parte de tais compromissos. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 12

13 5. Trabalho infantil Disposição do Código de Conduta Trabalho infantil não é tolerado sob forma alguma. A menos que a legislação local estabeleça um limite superior de idade, nenhuma pessoa com idade inferior à idade de conclusão da escolaridade obrigatória ou com a idade inferior a 15 anos deverá ser contratado. Para menores autorizados, a empresa é responsável por fornecer condições de trabalho, horário de trabalho e salário adequados à idade e em conformidade com a legislação local aplicável. Se uma criança for encontrada trabalhando num local onde sejam produzidos componentes ou produtos Electrolux, deverão ser tomadas todas as medidas necessárias visando o melhor interesse da criança, sendo que as ações tomadas devem manter ou melhorar a situação social da criança. Definições Trabalho infantil é definido como o trabalho desempenhado por uma pessoa de idade inferior àquela para concluir a educação obrigatória ou menor de 15 (quinze) anos, prevalecendo a maior. Menores autorizados são trabalhadores jovens na legalidade acima da idade mínima, porém menores de 18 anos. Esse grupo de trabalhadores também é denominado como trabalhadores juvenis ou jovens. Devem ser tomadas medidas especiais de proteção para tais trabalhadores (veja abaixo em requisitos ). Gerais A unidade deverá adotar todas as medidas razoáveis para garantir que não ocorra o trabalho infantil. Verificação e documentação da idade No momento da contratação, a unidade deverá exigir identificação oficial e documentação comprobatória da idade de todos os trabalhadores. A unidade deverá manter uma cópia da documentação comprobatória de idade de todos os trabalhadores. Nota: a unidade não poderá manter o original, somente cópia simples. A documentação comprobatória de idade deverá incluir ao menos o nome completo, data de nascimento e uma foto do titular, ex. passaporte, RG ou cartão da previdência social. Menores Autorizados As disposições desta seção não deverão ser aplicadas de forma que leve à discriminação de menores autorizados no processo de recrutamento. Como requisito mínimo, a unidade deverá cumprir com todas as restrições legais impostas a menores autorizados. Em muitos países, tais restrições incluem: número máximo de hora extra, trabalho em condições perigosas, trabalho noturno, ou exames médicos obrigatórios. Exige-se o envolvimento ativo da gestão para definir os tipos aceitáveis de trabalho, condições de trabalho, horas trabalhadas e salários condizentes para a idade e habilidades do trabalhador. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 13

14 A unidade deverá tomas todas as precauções necessárias para garantir que os trabalhadores menores de 18 anos sejam protegidos de condições de trabalho com potencial para por em risco sua saúde, segurança ou bem estar. A unidade deve cumprir com todas as regulamentações e requisitos dos programas educacionais de aprendizes ou vocacionais. A unidade deve ser capaz de verificar que tais programas sejam juridicamente reconhecidos e, quando solicitado, apresentar as regras legais e restrições ligadas a tais programas. Acertos informais que resultem em trabalho de crianças em idade escolar na unidade antes de atingir a idade para conclusão da educação obrigatória, não são aceitáveis. para Reporte e medidas de intervenção em casos de trabalho infantil Se for observada ocorrência de trabalho infantil, a unidade deve contatar imediatamente a Electrolux Um plano de ação para remediar a situação da criança deverá ser definido imediatamente. As ações devem prestar-se para se encontrar uma solução viável e de longo prazo para a criança e devem ser aprovadas pela Electrolux. O progresso do plano de ação deve ser monitorado continuamente pela gestão e relatado à Electrolux. Até que se corrigido totalmente a a situação da criança, a unidade e a Electrolux devem manter o contato e cooperação. Boas Práticas de Gestão A unidade deverá entrar em contato com os responsáveis legais (normalmenteos pais) antes empregar menores autorizados. A unidade mantém uma lista de menores autorizados os quais estão restritos a determinados horários de trabalho e operações devido à sua idade. Quando for turno noturno, a unidade garante o transporte seguro para os menores autorizados e proporciona adequada oportunidade de descanso. Em países com risco de incidência de de trabalho infantil, recomenda-se procedimentos documentados para se administrarem os casos de trabalho infantil. Tais procedimentos devem assegurar a remediação imediata, inclusive a remoção do menor de sua posição enquanto se busca uma solução adequada que beneficie o desenvolvimento da criança. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 14

15 6. Trabalho forçado Disposição do Código de Conduta Trabalho forçado, involuntário ou de tráfico não são tolerados sob forma alguma. Isto inclui trabalho servil, forçado e prisional não autorizado e outras formas de trabalho contra a vontade ou escolha do indivíduo. Definições Trabalho de tráfico de mão de obra: Trabalhadores que tenham sido sujeitados ao uso da força, fraude ou coerção durante qualquer parte do processo de ingresso na empresa recrutamento, guarida ou transporte Trabalho prisional: Trabalho realizado por interno vinculado a uma sentença penal. Trabalho servil: Pessoa forçada a trabalhar em função de acordo feito por pessoas com autoridade sobre o trabalhador e sem o consentimento deste. Trabalho forçado: O trabalhador em regime forçado exerce atividade, com frequência, por pouca ou nenhuma compensação, visando saldar uma dívida ou pagamento adiantado feito pelo empregador. Prisioneiro de consciência: Qualquer um preso por sua raça, religião ou orientação política. Não é permite à unidade o uso de trabalho forçado, escravo, servil ou de tráfico ou qualquer forma de trabalho involuntário. Trabalhos realizados por prisioneiros de consciência, bem como o trabalho não pago ou prisional involuntário nunca são aceitáveis. Todos ostrabalhos prisionais voluntários devem ser aprovados pela Electrolux, sendo monitorados continuamente por relevantes organizações de terceira parte, tais como agências governamentais de reabilitação ou ONGs. A unidade não deve impor restrições aos trabalhadores que saem de seus alojamentos em seu tempo livre. A unidade não deve ter regras no local de trabalho que restrinjam, de modo não razoável, a liberdade de deslocamento dos trabalhadores. Não se devem trancar áreas de acesso e saída se a finalidade for impedir que os trabalhadores deixem o local de trabalho. O pessoal de segurança não deve impedir que os trabalhadores saiam do local de trabalho. A unidade não deverá reter documentos originais de identificação do colaborador, tais como passaportes, certidões de nascimento, permissões de trabalho, permissões de residência, documentos de viagem, ou quaisquer outros documentos que possam limitar o status / conformidade legal do trabalhador, sua liberdade de locomoção ou capacidade de deixar seu trabalho em caráter temporário ou permanente. A unidade não deverá cobrar quaisquer tarifas (como de recrutamento ou de treinamento) ou requerer quaisquer tipos de depósito do colaborador (como para roupas ou ferramentas de trabalho) com a finalidade de evitar que os trabalhadores deixem seu emprego. A unidade não pode cobrar pagamentos, tarifas, multas ou proceder qualquer redução salarial ilegítima a trabalhadores que se demitam de seu emprego, se nada mais for estipulado por lei. Acordos de reembolso (sobre despesas como treinamento, realocação, etc.) devem ser previsíveis, razoáveis e limitados em função de tempo. Empréstimos a trabalhadores não deverão exceder o equivalente a três meses de salário se nada mais for estipulado por lei. 7. Medidas de segurança Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 15

16 Disposição do Código de Conduta As práticas de segurança devem ser, em todas as circunstâncias, conduzidas em total respeito aos direitos humanos e a legislação aplicável. Tanto quanto possível, deve ser evitada a utilização da força. Gerais Em nenhum caso o uso da força deverá exceder o que for estritamente necessário. O uso da força deve ser proporcional à ameaça e adequado à situação. A unidade deve garantir que as medidas de segurança de sua localidade não imponham riscos de violação dos direitos humanos. A unidade deverá ter contrato junto a prestadores de serviços de segurança. Os contratos deverão incluir requisitos de que os prestadores de serviço realizem verificações no processo de seleção de pessoal e de subcontratados, bem como realizem treinamentos periodicos do pessoal. para Reportar O prestador de serviço de segurança deverá ter um procedimento formalizado em vigor para o relato de quaisquer incidentes relevantes de segurança na unidade. O prestador de serviço de segurança deverá ter um procedimento de reclamações para tratar as reclamações, trazidas por seus trabalhadores ou terceiros, que aleguem falha no cumprimento dos princípios contidos nesta seção do Código e da Norma. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 16

17 8. Saúde e segurança Disposição do Código de Conduta Todos os trabalhadores devem ter acesso a um ambiente de trabalho seguro e saudável e, quando aplicável, as instalações residenciais seguras e saudáveis, tendo como exigência mínima as leis locais. A unidade deve tomar as ações necessárias a fim de prevenir e gerenciar os potenciais acidentes e doenças ocupacionais. 8.1 Saúde e segurança do trabalhador Definições Um incidente é um evento relacionado ao trabalho no qual uma lesão, dano à saúde ou fatalidade ocorreu ou poderia ter ocorrido. (Definição OHSA) Um acidente é um incidente que resultou em uma lesão, dano à saúde ou fatalidade (Definição OHSA) Equipamentos de Proteção Individual (EPI): Todo equipamento de segurança desenvolvido e entregue aos trabalhadores para protegê-los dos riscos em seu ambiente de trabalho. Os EPI incluem retardadores de chamas ou roupas à prova de produtos químicos, luvas, capacetes, respiradores, óculos de segurança, proteção contra ruídos, etc. Gerais A unidade deverá periodicamente identificar e avaliar os riscos à saúde e à segurança no local de trabalho e corrigi-los. A avaliação de risco deverá levar em conta o cumprimento da legislação de saúde e segurança, inclusive requisitos de inspeção das autoridades do trabalho, de saúde e segurança (como relatório de segurança de maquinário, permissões especiais para operação de máquinas, certidão de higiene e certidão de higiene dos trabalhadores do refeitório). As avaliações de risco deverão ser: o conduzidas antes de alterações significativas na produção, processos e construções. o conduzidas seguindo-se os casos de acidentes e incidentes. o atualizadas pelo menos anualmente. o documentadas. Incidentes e acidentes Os incidentes e acidentes deverão ser registrados. Ações corretivas adequadas deverão ser identificadas e implementadas sem demora para prevenir futuros acidentes e incidentes. Quando exigido por lei, deverá ser enviado às autoridades os relatórios de incidentes / acidentes. A correspondência junto às autoridades deve ser disponibilizada à Electrolux quando solicitada. As unidades da Electrolux deverão mensalmente reportar incidentes, acidentes e horas trabalhadas no banco de dados padrão de Segurança, Saúde e Meio Ambiente(GEARS) e para o Departamento de Sustentabilidade da Electrolux uma vez ao ano conforme as instruções do sistema de reporte de sustentabilidade, o Livro de Registros (Logbook) da Electrolux. Os fornecedores deverão disponibilizar os registros de acidentes, incidentes e horas trabalhadas à Electrolux, quando for solicitado. Comitê de Saúde e Segurança Ocupacional Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 17

18 A Unidade deverá ter um Comitê de Saúde e Segurança Ocupacional constituído, com a responsabilidade de prevenir acidentes e incidentes e melhorar as condições de saúde e segurança no local de trabalho. O Comitê deve ser composto, tanto por gestores como trabalhadores, devendo reunir-se pelo menos trimestralmente. Deverá incluir representantes de todas as funções de gestão relevantes dentro da unidade. O Comitê deverá identificar, em um plano e acompanhamento escrito, como a unidade está gerenciando as questões de saúde e segurança. O plano deverá incluir as funções e responsabilidades do pessoal e as ações necessárias para o aprimoramento da saúde e segurança no local de trabalho, dedicando atenção especial aos menores autorizados, trabalhadoras grávidas e trabalhadores com necessidades especiais. O Comitê pode ser substituído por um processo ou rotina semelhante que assegure o diálogo entre trabalhadores e gestão para a melhoria dos padrões de saúde e segurança no local de trabalho. O plano e os resultados das reuniões do Comitê devem ser disponibilizados a todos os trabalhadores. Treinamento em saúde e segurança Todos os trabalhadores devem passar por um treinamento e ensino regular em relação aos riscos de segurança em suas áreas de operação incluindo, mas não limitados a: Procedimentos de evacuação de emergência. o Localização e acionamento do alarme de emergência. o Informações gerais sobre as ações de primeiros socorros (localização do kit de primeiros socorros, pessoal treinado em primeiros socorros, ambulatórios, etc.). o Riscos à segurança ligados à unidade e suas atividades. o Instruções de segurança. o Uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Todos os trabalhadores devem receber treinamento de segurança necessário e adequado antes de operarem máquinas e equipamentos que possam ser perigosos e também antes de realizarem tarefas potencialmente perigosas. A unidade deverá manter um registro do conteúdo programático do treinamento incluindo as datas e nomes dos participantes. Dispositivos de segurança para máquinas e equipamentos A unidade deverá garantir que todas as máquinas e outros equipamentos utilizados na produção tenham dispositivos de segurança necessários e exigidos (como botões de parada de emergência, comando bi-manual,, portões,, barreiras de segurança, etc.). Os dispositivos de segurança adotados devem estar em conformidade com os requisitos legais locais e Normas Internacionais (como requisitos ISO / ANSI / CSA / OSHA). Todo maquinário que apresente potencial risco devido a partes móveis, como por exemplo prensas e máquinas de estampagem e corte, devem estar equipados com dispositivos de segurança adequados. o Um ou mais dos seguintes métodos deverão ser utilizados como controle primário de segurança: - Barreiras fixas de proteção. - Barreiras de proteção inter-travadas. - Cortinas de luz. o Se o controle primário de segurança não eliminar o risco, os seguintes métodos devem ser utilizados como proteção secundária, porém estes não podem ser utilizados como proteção primária: - Comando bi-manual. - Tapetes de segurança. Norma do Local de Trabalho da Electrolux, Junho de 2014 Página 18

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Este Código padrões mínimos que devem ser ultrapassados, sempre que possível. Ao aplicá-los, os fornecedores devem obedecer às leis nacionais e outras leis vigentes e, nos pontos em que a lei e este Código

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES 0 GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES Indice Introdução 2 Conformidade Legal para Integridade Comercial 2 Respeito pelos direitos humanos 2 Proteção

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros

Padrões de Conduta e Ética em Negócios para Terceiros Todas as atividades de negócios na Bristol-Myers Squibb (BMS) estruturam-se sobre a base do nosso compromisso com a integridade e o cumprimento de todas as leis, regulamentações, diretrizes e códigos de

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Código de Conduta Versão resumida. The global leader in door opening solutions

Código de Conduta Versão resumida. The global leader in door opening solutions Código de Conduta Versão resumida The global leader in door opening solutions 2 Código de Conduta Esta versão do Código de Conduta contém um resumo do Código de Conduta. Ele é distribuído a todos os funcionários.

Leia mais

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014 DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO PELO CHEFE EXECUTIVO A RRV Engenharia confirma o apoio contínuo aos Dez Princípios do Pacto Global, relacionados aos Direitos Humanos, Direitos do Trabalho, Proteção do Meio

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER Acreditamos que as empresas só podem florescer em sociedades nas quais os direitos humanos sejam protegidos e respeitados. Reconhecemos que as empresas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 PADRÃO INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Princípios de conduta do fornecedor da Abbott

Princípios de conduta do fornecedor da Abbott Princípios de conduta do fornecedor da Abbott Os fornecedores da Abbott são uma parte integrante do sucesso geral da empresa. A cada dia, a Abbott e seus fornecedores tomam decisões que afetam a capacidade

Leia mais

Código de Conduta para Fornecedores da Apple

Código de Conduta para Fornecedores da Apple Código de Conduta para Fornecedores da Apple A Apple está comprometida com os mais altos padrões de responsabilidade social e ambiental e com a conduta ética. Os fornecedores da Apple devem fornecer condições

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA "Nossos valores e normas" para Parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [Edição 1] A MSD compromete-se com a sustentabilidade

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO I. DECLARAÇÃO DA POLÍTICA A política da RGIS ( Companhia ) é conduzir as operações mundiais de forma ética e conforme as leis aplicáveis, não só nos EUA como em outros países.

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE A. Propósito Setembro de 2010 A Franklin Electric Co., Inc. e suas subsidiárias e afiliadas (em conjunto, a Empresa ) têm o compromisso de proteger a

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais